Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica"

Transcrição

1 Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica Desenvolvimento Financeiro e Crescimento Econômico: A Modernização do Sistema Financeiro Brasileiro Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Tese apresentada ao Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, para a obtenção do título de Doutor em Ciências. Orientador: Profa. Dra. Raquel Glezer São Paulo 2005

2 Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica Desenvolvimento Financeiro e Crescimento Econômico: A Modernização do Sistema Financeiro Brasileiro Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos São Paulo 2005

3 A meus pais, Grace e Tharcisio, pelo exemplo e dedicação com que viveram sempre; à Silvia Regina, parceira ao longo de uma vida, pelo incentivo e apoio em todas as horas, a meu filho, Tharcisio e minha nora Claudia, executivos do mercado financeiro e ao futuro deste país: Isabella e Rafael, que certamente estarão atuando no mercado quando eu não mais puder assistir seu desempenho, dedico este trabalho. ii

4 Meus agradecimentos à Professora Doutora Raquel Glezer, pela sabedoria dos conselhos e pelo apoio durante todo o transcorrer do trabalho. Igual referência é necessária em relação aos Professores Doutores Benedicto Heloiz Nascimento, Maria Hermínia Tavares de Almeida, Vera Lúcia do Amaral Ferlini e Wilson Barbosa do Nascimento, responsáveis pelos cursos que tive a oportunidade de seguir na FFLCH-USP. iii

5 RESUMO O processo de modernização dos mercados financeiros e de capitais no período compreendido entre 1964 e 2004 é analisado em detalhes, bem como sua correlação com o crescimento econômico brasileiro. São apresentadas, de forma cronológica, as ações desencadeadas durante o período de quarenta anos, pelas autoridades econômicas e pelo Congresso Nacional, para a regulamentação e normatização dos mercados financeiros e de capitais. Na seqüência se analisa de modo detalhado o comportamento da economia brasileira durante todo o período, por meio de um conjunto de estatísticas que mostram os diferentes aspectos macroeconômicos. Esta análise é complementada pelo estudo do comportamento das principais variáveis do mercado financeiro e do mercado de capitais. Discute-se, por fim, a questão teórica das relações entre o desenvolvimento financeiro e o crescimento econômico, mostrando que existe uma relação direta entre o primeiro e o segundo, na medida em que o desenvolvimento financeiro gera crescimento econômico. Palavras-chave: Modernização, mercado de capitais, crescimento econômico, instituições financeiras, desenvolvimento financeiro. iv

6 ABSTRACT This dissertation analyses the process of modernization of the Brazilian financial and capital markets and its correlation to the growth and development of the Brazilian economy during the period 1964 to This dissertation also describes in a chronological fashion, for the past four decades, the policies implemented by the Brazilian economic authorities as well as the ones approved by the Brazilian Congress aimed at establishing the rules and regulations for the Brazilian financial and capital markets. Moreover, the evolution of the Brazilian economy for this period is discussed. A substantial amount of economic data is used to study the different macroeconomic changes that took place during the period under study. Finally, this dissertation elaborates and adds to the theoretical discussion: as to whether or not there is a relationship between economic growth and financial development. This dissertation shows that there is direct relationship between the two, since financial development generates economic growth. Key-words: Modernization, capital markets, economic growth, financial institutions, financial development. v

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO Antecedentes Objeto Hipótese de Trabalho Método Periodização Estrutura do Trabalho CAPÍTULO I - MERCADOS e AUTORITARISMO - O Desempenho dos Mercados no Regime Militar O Plano de Ação Econômica do Governo Instrumentos Normativos da Reestruturação dos Mercados Correção Monetária Sistema Financeiro de Habitação Reforma Bancária Institucionalização do Mercado de Capitais Regulamentação da Atuação dos Auditores Independentes Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS Regulamentação do Setor Segurador Regulamentação das Sociedades de Capitalização O Mercado Financeiro Organização do Banco Central Estrutura do Sistema Financeiro Regulamentação de Bancos de Investimento, Consórcios e Empresas de Arrendamento Mercantil Fortalecimento do Mercado e Combate às Crises de Liquidez O Financiamento Habitacional Sistema Especial de Liquidação e Custódia SELIC O Mercado de Capitais Estruturação e Afirmação do Mercado de Capitais Alterações sofridas pelas Sociedades Anônimas Regulamentação do Sistema de Emissão e Distribuição de Títulos Fundos de Incentivos Fiscais Fundos de Investimento Sociedades de Investimento de Capital Estrangeiro - SICE Comissão de Valores Mobiliários CVM Regulamentação das Sociedades Anônimas Ações Debêntures Regulamentação das Entidades de Previdência Privada Mercados Futuros e de Opções de Ações vi

8 CAPÍTULO II - A CONSOLIDAÇÃO DOS MERCADOS SOB O REGIME DEMOCRÁTICO Mercado Financeiro Mudanças na Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Regulamentação de Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional A Questão do Risco Sistêmico Os Riscos de Crédito Combate à Lavagem de Dinheiro Privatização dos Bancos Estaduais Atuação dos Bancos Estrangeiros Autonomia do Banco Central Evolução Recente do Sistema Financeiro Nacional O Mercado de Capitais Novos Tipos de Operações Internacionalização do Mercado de Capitais A criação da BM&F e a ampliação do uso de derivativos Fundos de Investimento Mudanças na Legislação Regulatória, na Lei das Sociedades Anônimas e a Nova Lei de Falências Alterações na Legislação da Comissão de Valores Mobiliários Alterações na Lei de Sociedades Anônimas Nova Lei de Falências Governança Corporativa CAPÍTULO III - A ECONOMIA BRASILEIRA NO PERÍODO 1964/2004 AS RELAÇÕES ENTRE DESENVOLVIMENTO FINANCEIRO E CRESCIMENTO ECONÔMICO A Evolução da Economia Brasileira Entre 1964 e Crescimento do Produto Evolução da Dívida Externa e da Dívida Interna Comércio Exterior Comportamento do Nível Geral de Preços Evolução da Economia Brasileira Entre 1985 e Crescimento Econômico Evolução da Dívida Externa e da Dívida Interna Comércio Exterior Comportamento do Nível Geral de Preços Indicadores do Desempenho dos Mercados Revisão Bibliográfica O Debate Acadêmico no Exterior Relações do Desenvolvimento Financeiro com a Estrutura Legal Diferenças entre Grau de Capitalização e Desenvolvimento Financeiro A Contribuição Acadêmica no Brasil vii

9 CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA Anexo 1 DELTEC - Reminiscências de Dauphinot Anexo 2 Entrevista com Roberto Teixeira da Costa Anexo 3 Entrevista com Luiz Fernando Figueiredo Anexo 4 Entrevista com Manoel Felix Cintra Neto Anexo 5 Entrevista com o Prof. Dr. Antonio Delfim Netto Anexo 6 Entrevista com Luiz de Figueiredo Forbes viii

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ADR AMFORP ANBID ANDIMA Bacen BBF BIS BM&F BMSP BNDE BNDES BNH BOVESPA CBI CDI CERF CETIP CMN CNSP COAF COFIE COFINS CPMF CREAI CVM DR EAPP EFPP EMBRATUR FED FGC FGTS FGV - American Depositary Receipt - American Foreign Power Company - Associação Brasileira dos Bancos de Investimento - Associação Nacional de Dirigentes do Mercado Aberto - Banco Central do Brasil - Bolsa Brasileira de Futuros - Bank of International Settlements - Bolsa de Mercadorias e Futuros - Bolsa de Mercadorias de São Paulo - Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico - Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social - Banco Nacional de Habitação - Bolsa de Valores de São Paulo - Companhia Brasileira de Investimentos - Certificado de Depósito Interbancário - Comissão Executiva da Reforma Fiscal - Central de Custódia e Líquidação de Títulos Privados - Conselho Monetário Nacional - Conselho Nacional de Seguros Privados - Conselho de Controle de Atividades Financeiras - Comissão de Fusões e Incorporações de Empresas - Contribuição para Financiamento da Previdência Social - Contribuição Provisória sobre a Movimentação - Contribuição Permanente sobre a Movimentação - Carteira de Crédito Agrícola e Industrial - Comissão de Valores Mobiliários - Depositary Receipt - Entidade Aberta de Previdência Privada - Entidade Fechada de Previdência Privada - Empresa Brasileira de Turismo - Federal Reserve System - Fundo Garantidor de Créditos - Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - Fundação Getúlio Vargas ix

11 FINAME FIPEME FMI GDR IBDF IBEC IBGE IBOVESPA IGC IGP-DI IOF IPEA LTN MDIC - Programa de Financiamento de Maquinas e Equipamentos - Agência Especial de Financiamento Industrial - Programa de Financiamento de Pequenas e Médias Empresas - Fundo Monetário Internacional - Global Depositary Receipt - Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal - International Basic Economic Corporation - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - Indice da Bolsa de Valores de São Paulo - Indice do Novo Mercado - Governança Corporativa - Indice Geral de Preços - Disponibilidade Interna - Imposto sobre Operações Financeiras - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - Letras do Tesouro Nacional - Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comércio Exterior MERCOSUL - Mercado Comum da América do Sul OCDE ORTN PAEG - Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico - Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional - Plano de Ação Econômica do Governo PETROBRAS - Petroléo Brasileiro S/A PIB PIS PROER PROES RAET SEC SECEX SELIC SFH SFI SICE SPB SPC SRF - Produto Interno Bruto - Programa de Integração Social - Programa de Estímulo à Reestruturação do Sistema Financeiro - Programa de Estímulo à Redução do Setor Público no Setor Financeiro - Regime Especial de Administração Temporária - Securities Exchange Comission - Secretaria de Comércio Exterior - Sistema Especial de Liquidação e Custódia - Sistema Financeiro da Habitação - Sistema Financeiro Imobiliário - Sociedade de Investimento de Capital Estrangeiro - Sistema de Pagamentos Brasileiro - Special Purpose Company - Secretaria da Receita Federal x

12 SUDAM SUDENE SUDEPE SUMOC SUNAMAN SUSEP UFIR UPC - Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia - Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste - Superintendência de Desenvolvimento da Pesca - Superintendência da Moeda e do Crédito - Superintendência da Marinha Mercante - Superintendência de Seguros Privados - Unidade Fiscal do Imposto de Renda - Unidade Padrão de Capital xi

13 LISTA DE FIGURAS Figura Esquema Gráfico de Securitização Fase Figura Esquema Gráfico de Securitização Fase Figura Esquema Gráfico de Lançamento de ADR s/gdr s xii

14 LISTA DE QUADROS Quadro Evolução das Empresas de Capital Aberto Registradas Quadro Quadro Quadro Quadro Quadro Evolução das Entidades Fechadas de Previdência Privada Evolução do Segmento Bancário segundo a Origem do Capital e o Valor Médio dos Ativos Evolução do Patrimônio Líquido das instituições Bancárias, segundo o tipo Participação das Instituições do Segmento Bancário nas Operações de Crédito Participação das Instituições do Segmento Bancário nos Depósitos Quadro Comércio Exterior Brasileiro 1964/ Quadro Exportações Brasileiras por Valor Agregado 1964/ Quadro Exportações Brasileiras por Fator Agregado 1985 a Quadro Comércio Exterior Brasileiro 1985/ xiii

15 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico Evolução do Patrimônio das EAPP / Gráfico Desempenho no Mercado: IBOVESPA x IGC Gráfico Taxas de Crescimento do PIB / Gráfico Formação Bruta de Capital Fixo - % do PIB / Gráfico Dívida Externa Registrada / Gráfico Dívida Interna Federal - % PIB / Gráfico Comércio Exterior / Gráfico Inflação Anual - IGP-DI / Gráfico Inflação Brasileira 1964/ Média Mensal IGP-DI Gráfico Evolução do PIB - US$ milhões / Gráfico Evolução do PIB - R$ milhões / Gráfico Taxas de Crescimento do PIB / Gráfico Formação Bruta de Capital Fixo - % do PIB / Gráfico Investimentos Estrangeiros / Gráfico Divida Externa Registrada / Gráfico Evolução da Dívida Externa Pública e Privada 1985/ Gráfico Dívida Interna Federal - % do PIB / Gráfico Carga Tributária - % PIB Gráfico Tributos em Cascata - % PIB Gráfico Balanço de Pagamentos / Gráfico Índice de Taxa de Câmbio Real (IPA-DI) - jun/ Gráfico Comércio Exterior / Gráfico Inflação Anual - IGP-DI Gráfico Inflação Brasileira / Média Mensal IGP-DI Gráfico Inflação Brasileira 1995/ Média Mensal IGP-DI Gráfico Evolução dos Empréstimos 1980/ Gráfico Empréstimos/PIB - Relação % xiv

16 Gráfico Empréstimos do BNDES / Gráfico Mercado Primário - Ofertas Registradas / Gráfico Valor Total de Ofertas Registradas / Gráfico Empresas Abertas e Empresas Listadas na Bovespa Gráfico Operações de Mercados Futuros / Gráfico Composição das Operações de Mercados Futuros xv

17 INTRODUÇÃO

18 1 ANTECEDENTES Os mercados financeiros e de capitais brasileiros têm seu desenvolvimento a partir da realização, em 1944, da Conferência Monetária e Financeira das Nações Unidas e Associados, sediada na cidade de Bretton-Woods, estado de New Hampshire, nos Estados Unidos. De acordo com Carvalho 1,... tratava-se de criar regras e instituições formais de ordenação de um sistema monetário internacional capaz de superar as enormes limitações que os sistemas então conhecidos, o padrão-ouro e o sistema de desvalorizações cambiais competitivas, haviam imposto não apenas ao comércio internacional mas também à própria operação das economias domésticas. Nessa conferência foram criadas as chamadas instituições financeiras internacionais, que são o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial. A elas, cujo início de funcionamento se deu em 1947, foi delegada a função de coordenar os mercados financeiros e de capitais internacionais no período do pós-guerra. A ordenação introduzida por Bretton Woods, com paridades cambiais fixas e uso do dólar norte-americano como a moeda de reserva internacional, foi rompida no início dos anos Foi nessa ocasião que os Estados Unidos, premidos por déficits cambiais crescentes que decorriam da Guerra do Vietnã, romperam unilateralmente com a paridade fixa entre sua moeda e o ouro, peça fundamental do sistema criado em De qualquer forma, na ausência de novos mecanismos internacionais, os mercados financeiros e de capitais, no início do século XXI, ainda 1 CARVALHO, Fernando J. Cardim. Bretton Woods aos 60 Anos, in consultado em 1/11/2005, p. 1. 2

19 guardam grande relação com as definições decorrentes de Bretton-Woods. A queda do Muro de Berlim e o subseqüente esfacelamento da União Soviética provocaram a adesão dos países integrantes do bloco da Europa de Leste ao modelo ocidental. No Brasil, a influência de Bretton-Woods foi muito grande, mas não houve obediência imediata. A recomendação daquela conferência, no sentido de se criarem instituições especialmente encarregadas de desempenhar funções de autoridade monetária em cada um dos países participantes não foi seguida de imediato, preferindo-se uma solução intermediária. O Banco do Brasil continuou a se encarregar da execução das políticas do setor e da fiscalização das instituições que operavam especialmente no mercado financeiro. Ao mesmo tempo, dele se retirou a função normativa, que passou a ser desempenhada por uma autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda, a SUMOC Superintendência da Moeda e do Crédito. Criada em 1945, a SUMOC coexistiu com a ação do Banco do Brasil com grandes dificuldades durante os dezoito anos subseqüentes. Na realidade, a divisão de tarefas que se pretendia realizar nunca conseguiu ser eficiente. Os atritos entre o órgão responsável pelas normas e aquele que tinha sido encarregado da execução foram uma constante. A razão para esses problemas pode ser encontrada no fato que, freqüentemente durante o período compreendido entre 1946 e 1964, os ocupantes dos cargos de Ministro da Fazenda e de Presidente do Banco do Brasil pertenciam a correntes políticas distintas, cada qual procurando sobrepujar a outra. Assim, o que deveria ter sido uma atuação essencialmente técnica, transformou-se em um debate político, com opiniões divergentes sobre aspectos em que deveria haver uma convergência ditada pela escolha de uma dada diretriz de política monetária e creditícia. 3

20 No mercado financeiro, deve-se destacar a criação, em 1952, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico, resultado dos trabalhos na área de planejamento de longo prazo para a economia brasileira, que se iniciaram durante o período do Estado Novo e imediatamente após a Segunda Guerra Mundial. O BNDE foi um marco no desenvolvimento financeiro do país em razão de dois aspectos distintos. Em primeiro lugar, por visar o financiamento de projetos de longo prazo de maturação, introduziu a metodologia de análise de projetos por equipes técnicas multidisciplinares, sendo responsável pela formação de quadros de elevada qualidade desde o início de sua operação. Em segundo lugar, foi o grande agente modernizador da economia brasileira, acompanhando sua evolução, ajudando a definir suas prioridades e concedendo o necessário suporte financeiro e técnico. Esse apoio foi tanto para as obras de infra-estrutura econômica, características da década de 1950, como para as empresas privadas brasileiras, no seu processo de expansão, atendimento do mercado interno e, mais recentemente, busca da competitividade em mercados internacionais. Outro ponto característico da década de 1950 e do início da década de 1960 foi a expansão das operações das sociedades de crédito, financiamento e investimentos. Estas instituições financeiras não bancárias registraram grande desenvolvimento, na medida em que suas operações, celebradas através de letras de câmbio, permitiam que se evitasse sobre as operações de crédito a tipificação de juros em desacordo com o estabelecido pela Lei da Usura, que datava dos anos Assim, uma parte importante das operações de crédito foi realizada através dessas empresas, que receberam a denominação de financeiras 2. O mercado de capitais cresceu a partir do final dos anos 1940, depois de um período de relativo abandono, causado pela Crise de 1929, pelos anos de Depressão e pela Segunda Guerra Mundial. 2 Vide entrevista do Sr. Roberto Teixeira da Costa, no anexo 2. 4

21 Durante os anos 1950, começaram a ocorrer operações de lançamentos de ações no mercado primário, através de vendas realizadas por duas instituições que iniciaram suas operações no final da década dos anos Segundo Roberto Teixeira da Costa 3, economista e primeiro presidente da CVM Comissão de Valores Mobiliários, a primeira dessas instituições foi a IBEC International Basic Economic Corporation, criada em 1946 e que pertencia ao Grupo Rockefeller. Essa empresa, no final dos anos 1950, lançou o primeiro fundo de investimentos a operar no Brasil, o Fundo Crescinco, sendo absorvida posteriormente pelo Banco de Investimentos do Brasil BIB, constituído pelos Grupos Moreira Salles e Rockefeller. A outra instituição, cuja criação em 1947 envolveu a formação de um banco de investimentos, com participação de bancos brasileiros e de financistas norte-americanos, nos moldes dos que já existiam em Wall Street, denominava-se Deltec. A Deltec foi responsável por vários lançamentos de ações no mercado primário entre 1948 e o início da década de 1960, tendo sido, a partir de 1949, uma empresa controlada pelo grupo de profissionais norte-americanos que havia participado de sua fundação. Entre as operações realizadas, cabe destacar os lançamentos de ações de companhias de telefonia e eletricidade, ligadas ao grupo norte-americano AMFORP American Foreign Power Company ao final dos anos 1940 e o lançamento das ações da Willys Overland do Brasil, na segunda metade dos anos Outra empresa importante nessa fase heróica do mercado de capitais, em que as vendas no mercado primário eram basicamente feitas pelo processo de visitas a clientes em perspectiva, de porta em porta, foi a CBI Companhia Brasileira de Investimentos, segundo Luiz de Figueiredo Forbes 4. Nela se formaram vários dos atores posteriores do mercado de capitais durante os anos 1980 que foram parte da força de vendas da CBI. 3 4 Idem. Entrevista ao autor no anexo 6. 5

22 2 OBJETO O objeto deste trabalho consiste no estudo do processo de modernização dos mercados financeiros e de capitais no Brasil, no período compreendido entre 1964 e 2004, a partir da análise das ações empreendidas pelos atores desses mercados, governo e agentes econômicos, no sentido de dotá-los da necessária flexibilidade e sofisticação capaz de contribuir para o crescimento econômico do país. A análise dos fenômenos causais que guardam relação com o desenvolvimento econômico é relativamente recente, tanto na literatura estrangeira, como no Brasil. Na segunda metade dos anos 1980 surgiram estudos sobre o crescimento econômico, procurando analisar as implicações decorrentes de ações sobre os investimentos de infra-estrutura nas políticas de distribuição de renda e fiscal. Com relação à contribuição do sistema financeiro para o crescimento econômico, os estudos que procuraram abordar esta questão surgiram na literatura especializada estrangeira desde a formulação inicial de Schumpeter 5 em Nos anos 1950, desde a posição exposta por Jean Robinson 6 em 1952, poucos autores trataram do assunto. As principais contribuições foram as de Solow 7, em 1956, e de Modigliani e Miller 8, em O assunto foi tratado ao final dos anos 1960 por Cameron 9, 5 SCHUMPETER, Josef A. The Theory of Economic Development. 10 a. Brunswick: Transaction Publishers, ed. New ROBINSON, Joan. The Generalization of the General Theory. The Rate of Interest and other essays. Westport: Hyperion Press, 1982, p SOLOW, R.M. A Contribution to the theory of economic growth. Quaterly Journal of Economics, 70. Cambridge, Fev. 1956, p MODIGLIANI, Franco & MILLER, Merton H. The cost of Capital, corporation finance and the theory of investment. American Economic Review 48. Nashville, 1958.p CAMERON, R et alia. Banking in the Early Stages of Industrialization. New York: Oxford University Press,

23 Goldsmith 10 e Hicks 11, sendo retomado no início da década seguinte por McKinnon 12 e Shaw 13. Estudos mais detalhados foram apresentados por Romer 14 em 1986 e por Lucas 15 em A partir do trabalho de Lucas, mais autores passaram a preocupar-se com o assunto, sendo importante destacar as contribuições de Greenwood e Jovanovic 16, Grossman e Helpman 17, King e Levine 18, Pagano 19, Dermirgüç- Kunt e Maksimovic 20, Jayaratne e Strahan 21, La Porta, Lopez-De-Silanes, 10 GOLDSMITH, R. Financial Structure and Development. New Haven: Yale University Press, HICKS, J. A Theory of Economic History. Oxford: Claredon Press, MCKINNON, Ronald. Money and Capital in Economic Development. Washington/DC: Brookings Institution, SHAW, Edward. Financial Deepening in Economic Development. New York: Oxford University Press, ROMER, Paul. Increasing Returns to Scale and Long-run Growth. Journal of Political Economy, XCIV, Chicago,1986, p LUCAS Jr., R.E. On the mechanics of economic development. Journal of Monetary Economics, XXII, Amsterdam, 1988, p GREENWOOD, J. & JOVANOVIC,B. Financial Markets in Development, Growth and Distribution of Income. Journal of Political Economy, Chicago,1990, p GROSSMAN, G. & HELPMAN, E. Innovation and Growth in the Global Economy. Cambridge: MIT Press, KING, R & LEVINE, R. Financial Intermediation and Economic Development, in Financial Intermediation in the Construction of Europe, Eds: Colin Mayer e Xavier Vives, Londres: Center for Economic Policy Research, p ; Finance and Growth: Schumpeter Might Be Right.Quaterly Journal of Economics, Cambridge, 1993, p ; Finance, Entrepreneurship and Growth: Theory and Evidence. Journal of Monetary Economics, Amsterdam, 1993, p PAGANO, M. Financial Markets and Growth: an overview. European Economic Review, 37, Amsterdam, 1993, p DEMIRGUÇ-KUNT, A. & MAKSIMOVIC, V. Stock Market Development and Financial Choices of Firms. World Bank Economic Review, Washington/DC, 1996, p JAYARATNE, J. & STRAHAN, P.E. The Finance-Growth Nexus: Evidence from Bank Dere-gulation. Quaterly Journal of Economics 111, Cambridge, 1996, p

24 Schleifer e Vishny 22, Levine 23, Arestis e Demetriades 24, Levine e Zervos 25, Raghuram e Zingales 26, Darrat 27 (1999) e, finalmente, Khan e Senhadji 28. Faz-se necessário notar que as contribuições dos autores estrangeiros ao assunto se intensificaram a partir da segunda metade dos anos 1980, o que se deve à falta de adequação dos modelos neoclássicos às questões do desenvolvimento econômico. Apenas após o surgimento dos modelos de crescimento endógeno, inspirados nos estudos e formulações de Romer 29, em 1986, e de Lucas 30, em 1988, é que a relação entre o desenvolvimento financeiro e o crescimento econômico pode ser estudada com mais detalhe. Um outro aspecto da contribuição dos diferentes autores sobre o assunto diz respeito às relações entre a forma de estrutura legal adotada pelos países e o grau de desenvolvimento que pode ser alcançado. Um grupo de pesquisadores debruçou-se sobre esse assunto e chegou a conclusões interessantes, que serão discutidas neste trabalho. 22 LA PORTA, Rafael et allia. Legal Determinants of External Finance. Journal of Finance, vol 52, nr 3, Oxford, 1997, p LEVINE, R. Financial Development and Economic Growth: views and agenda. Journal of Economic Literature, XXXV. Nashville, 1997, p ; Law, finance and economic growth. Washington: The World Bank Group, (Disponível em: (http://www.worldbank.org/research/growth/abslev3.htm> acessado em ). 24 ARESTIS, P. & DEMETRIADES, P. Finance and growth: is Schumpeter right? Análise Econômica, 6 (30),Porto Alegre, 1998, p LEVINE, R. & ZERVOS, S. Stock Market Development and Long-Run Growth. World Bank Economic Review, Washington, RAGHURAM, G. Rajan & ZINGALES, Luigi. Financial Dependence and Growth. American Economic Review, vol 88, nr 3, Nashville, DARRAT, A. F. Are financial deepening and economic growth causality related? Another look at the evidence. International Economic Journal, 13 (3), New York, 1999, p KHAN, Mohsin S. & SENHADJI, Abdelhak. Threshold effects in the relationship between inflation and growth. IMF Working Paper WP/00/110, Washington: International Monetary Fund, Idem, op. cit. 30 Idem, op. cit. 8

25 No Brasil pouco se tem discutido sobre esta questão. No plano teórico devem-se destacar as contribuições de Gonçalves 31 e de Studart 32, enquanto que no aspecto empírico existem trabalhos de Triner 33, Monte e Távora Jr. 34, Arraes e Teles 35, Carvalho 36 e Matos GONÇALVES, Antônio C. P. Crescimento Econômico e Setor Financeiro no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, 10, Brasília, STUDART, Rogerio. O sistema financeiro e o financiamento do crescimento: uma alternativa pós-keynesiana à visão convencional. Revista de Economia Política, 13(1),Rio de Janeiro, 1993, p TRINER, Gail D. Banking, economic growth and industrialization: Brazil Revista Brasileira de Economia. V. 50, n.1, Rio de Janeiro, 1996, p MONTE, Paulo A. & TAVORA JR, José L. Fontes de Financiamento do Nordeste e o produto interno bruto da região. Revista Econômica do Nordeste, 31, Fortaleza, 2000, p ARRAES, Ronaldo A. & TELLES, Vladimir Kühl. Endogeneidade e exogeneidade do crescimento econômico: uma análise comparativa entre Nordeste, Brasil e países selecionados. Revista Econômica do Nordeste, 31, Fortaleza, 2000, p CARVALHO, A. G. Desenvolvimento Financeiro e Crescimento Econômico. São Paulo: FEA-USP, MATOS, Orlando Carneiro. Desenvolvimento do Sistema Financeiro e Crescimento Econômico no Brasil: Evidências de Causalidade. Trabalhos para Discussão 49. Brasília: Banco Central do Brasil,

DESENVOLVIMENTO FINANCEIRO E CRESCIMENTO ECONÔMICO

DESENVOLVIMENTO FINANCEIRO E CRESCIMENTO ECONÔMICO DESENVOLVIMENTO FINANCEIRO E CRESCIMENTO ECONÔMICO Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos* * Doutor em Ciências História Econômica, Professor Titular Doutor da Faculdade de Administração e da Faculdade

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Altera a Resolução 3.121, de 2003, que estabelece as diretrizes pertinentes à aplicação dos recursos dos

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Pension Fund Investment Strategy in Brazil. Ms. Solange Vieira. (Room Document N 28, Session 5)

Pension Fund Investment Strategy in Brazil. Ms. Solange Vieira. (Room Document N 28, Session 5) Pension Fund Investment Strategy in Brazil Ms. Solange Vieira (Room Document N 28, Session 5) System Overview Public % Private % Total Assets ( R$ milhões) 116.895 63 68.182 37 185.077 Workers 601.514

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira Risco e Mercado de Capitais Risco E Mercado De Capitais PARTE 1 AC- 1 AC- 2 l EMENTA: Estudar a gestão de risco no mercado de capitais, financeiro e de derivativos, por meio dos principais ativos negociados,

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Página 1 de 9 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde para aceitação como garantidores e altera

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão)

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão) CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROFESSOR RODRIGO O. BARBATI 1 ESTRUTURA DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto de um conjunto de instituições

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO Neste pequeno glossário, a ABBC apresenta alguns conceitos fundamentais de economia e de finanças para auxiliar o dia a dia dos profissionais de jornalismo

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

Financiamento do Investimento no Brasil

Financiamento do Investimento no Brasil ESTUDOS E PESQUISAS Nº 407 Financiamento do Investimento no Brasil Carlos A. Rocca * Fórum Especial Na Grande Recessão Novo Modelo de Desenvolvimento e Grandes Oportunidades (Como em 1929): New Deal Verde.

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 Introdução Márcio Kerecki Miguel dos Santos 2 O Brasil novo que se inicia depois da crise de 1929 e da tomada do poder

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Conteúdo Programático. Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD)

Conteúdo Programático. Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD) Conteúdo Programático Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD) 1. A atividade do agente autônomo de investimento Instrução CVM 497 Diferenciação das atividades do agente autônomo, administração de carteiras,

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Outubro 2013 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Visão macroeconômica: investimento e poupança na economia brasileira... 4 3. Padrão de financiamento

Leia mais

Factoring. Leasing. Capítulo 7

Factoring. Leasing. Capítulo 7 Sumário Capítulo 1 Fundamentos: Sistema Financeiro Nacional, Conselho Monetário Nacional, Banco Central e Moeda 1.1. Sistema Financeiro Nacional (SFN) 1.1.1. Legislação Básica 1.1.2. Subdivisões do SFN

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo Conselho Monetário Nacional - CMN Comissões consultivas Subsistema Normativo Banco Central do Brasil Comissão de valores mobiliários CVM Instituições Especiais Sistema financeiro brasileiro BB BNDES CEF

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Medidas de política econômica

Medidas de política econômica Medidas de política econômica Medidas relacionadas ao sistema financeiro e ao mercado de crédito Resolução nº 2.673, de 21.12.1999 - Estabeleceu novas características das Notas do Banco Central do Brasil

Leia mais

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras.

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras. Câmbio Uma operação de câmbio envolve a negociação de moeda estrangeira através da troca da moeda de um país pela de outro. Uma pessoa que pretende viajar para o exterior precisa fazer uma operação de

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública.

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, História recente da economia brasileira A economia

Leia mais

Preparatório para Certificação da ANBIMA CPA 10

Preparatório para Certificação da ANBIMA CPA 10 Preparatório para Certificação da ANBIMA CPA 10 Programa 2012 OBJETIVO: Habilitar os candidatos à Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 a participarem do exame reunindo os conhecimentos necessários.

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 13º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA JUNHO/2013 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA

Leia mais

Regulação do Sistema Financeiro Nacional

Regulação do Sistema Financeiro Nacional Regulação do Sistema Financeiro Nacional Sergio Odilon dos Anjos Chefe do Departamento de Normas do Sistema Financeiro Brasília 18 de julho de 2011 1 Regulação do Sistema Financeiro Banco Central do Brasil

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E Solange Honorato Facilitadora Certificação Profissional ANBIMA - CPA-10 Destina-se aos profissionais que desempenham

Leia mais

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 32º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 32º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS I - APRESENTAÇÃO O BNDES é responsável pela aplicação da maior parte dos recursos do Fundo, na proporção de aproximadamente 90% do total, cabendo à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil a aplicação

Leia mais

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo CNPJ nº 01.701.201/0001-89) Demonstrações financeiras

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas São Paulo 29/Novembro/2011 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS Mercado Primário de Ações Mercado de Capitais Renda Variável Mestrando: Paulo Jordão. 03/04/2012 Venda direta aos investidores através de ofertas públicas (IPOs) ou subscrição particular; Motivos: Expansão

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS

AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS HSM EXPO MANAGEMENT 2014 4 de novembro de 2014 Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação CNseg Agenda Representação

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional Capítulo Sistema Financeiro Nacional Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Distinguir

Leia mais

Reforming the Global Financial Architecture

Reforming the Global Financial Architecture Comunicações Reforming the Global Financial Architecture Data e local: 20-24 de junho de 2011, London School of Economics, Londres, Reino Unido Evento: Reforming the Global Financial Architecture Representante

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada RESOLUÇÃO NORMATIVA-RN Nº 67, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2004 (*) Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Indicadores Fiscais

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Indicadores Fiscais Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais Indicadores Fiscais com informações até março de 2015 S é r i e Perguntas Mais Frequentes Indicadores

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 33º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 33º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS I - APRESENTAÇÃO O BNDES é responsável pela aplicação da maior parte dos recursos do Fundo, na proporção de aproximadamente 90% do total, cabendo à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil a aplicação

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News kpmg Agosto 2005 SUSEP SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Destaque do mês Aplicação de recursos Resolução CMN 3.308, de 31.08.2005 Alteração A Resolução

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID SÉRIE 10 - Versão 5.4 OBJETIVOS DA CPA-10 A CPA 10 é uma importante parte do Programa

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 ESTUDO ESPECIAL REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Novembro 2013 SUMÁRIO 1. Sumário e conclusões... 3 2. Entre

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10. Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10. Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão 0 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID SÉRIE 10-3º

Leia mais

Preparatório para Certificação da ANBID CPA 10

Preparatório para Certificação da ANBID CPA 10 Preparatório para Certificação da ANBID CPA 10 Programa 2011 PROGRAMA: 1) Sistema Financeiro Nacional Funções Básicas: Função dos intermediários financeiros e definição de intermediação financeira. Estrutura

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC CMN ORGAO MAXIMO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA FAZENDA, MINISTERIO DO PLANEJAMENTO, BACEN COMOC RESOLUÇÕES COPOM DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO

Leia mais

2 Abertura de capital

2 Abertura de capital 2 Abertura de capital 2.1. Mercado de capitais O Sistema Financeiro pode ser segmentado, de acordo com os produtos e serviços financeiros prestados, em quatro tipos de mercado: mercado monetário, mercado

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 OBJETIVOS DA ATUALIZAÇÃO DA CPA-10 A Atualização dos profissionais certificados CPA-10 é parte do Código de Regulação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.308. Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

RESOLUÇÃO Nº 3.308. Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUÇÃO Nº 3.308 Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades abertas

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA Outubro 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 1. Análise da Poupança

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica A Política Econômica Externa do Governo Castelo Branco

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990. Mensagem de veto Dispõe sobre a atualização do Bônus do Tesouro Nacional e dos depósitos de

Leia mais