AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas"

Transcrição

1 AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas

2 PROPAGAÇÃO ASSEXUADA (VEGETATIVA) MICROPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO

3 CICLO DE VIDA DAS PLÂNTULAS FASE I EMBRIOGÊNICA FASE II JUVENIL FASE III TRANSICIONAL FASE IV ADULTA

4 CICLO DE VIDA DAS PLANTAS FASE I EMBRIOGÊNICA COMEÇA COM A FORMAÇÃO DO ZIGOTO DIVISÃO CELULAR E AUMENTO DE TAMANHO POLARIDADE DO EMBRIÃO FASE II JUVENIL CRESCIMENTO POLARIZADO ENTRE ÁPICE E RAIZ INTENSA DIVISÃO CELULAR DE MERISTEMAS DE CAULE, RAIZ E GEMAS ALONGAMENTO E AUMENTO DE VOLUME CRESCIMENTO VEGETATIVO

5 CICLO DE VIDA DAS PLANTAS FASE III TRANSICIONAL CRESCIMENTO VEGETATIVO DECRESCE INICIAM-SE MUDANÇAS PARA O CRESCIMENTO REPRODUTIVO (FLORESCIMENTO) FASE IV ADULTA DESENVOLVIMENTO DE BOTÕES FLORAIS, COM PRODUÇÃO DE FLORES, FRUTOS E SEMENTES

6 IDADE DO DESENVOLVIMENTO FLORAL EM ALGUMAS ESPÉCIES ESPÉCIE ROSA UVA MAÇÃ CITRUS PINUS HERA SEQUÓIA PÊRA TUIA CARVALHO DURAÇÃO DO PERÍODO JUVENIL DIAS 1 ANO 4 8 ANOS 5 8 ANOS 5 10 ANOS 5 10 ANOS 5 10 ANOS 6 10 ANOS ANOS ANOS

7 MICROPROPAGAÇÃO

8 MICROPROPAGAÇÃO

9 MICROPROPAGAÇÃO SALA DE CRESCIMENTO

10 MICROPROPAGAÇÃO AUTOCLAVE

11 MICROPROPAGAÇÃO CÂMARA DE FLUXO LAMINAR

12 MICROPROPAGAÇÃO A U X I N A C K CALOS RAÍZES BROTOS

13 MICROPROPAGAÇÃO Liquidambar styraciflua

14 MICROPROPAGAÇÃO

15 MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA

16 ENXERTIA FENDA SIMPLES OU INGLÊS SIMPLES FENDA CHEIA

17 ENXERTIA

18 ENXERTIA

19 ENXERTIA

20 ENXERTIA

21 ENXERTIA

22 ENXERTIA

23 ENXERTIA

24 MAÇÃ (Malus sp.) - PORTA-ENXERTO MARUBAKAIDO / FILTRO M9 ENXERTIA

25 MAÇÃ - TINTA LÁTEX COM FUNGICIDA ENXERTIA

26 MAÇÃ - TINTA LÁTEX COM FUNGICIDA ENXERTIA

27 ENXERTOS EM CÂMARA FRIA ENXERTIA

28 ENXERTOS EM CÂMARA FRIA ENXERTIA

29 PÊRA (Pyrus sp.) ENXERTIA

30 INTERENXERTIA ENXERTIA

31 INTERENXERTIA

32 INTERENXERTIA

33 ENXERTIA

34 ENXERTIA

35 ENXERTIA

36 ENXERTIA

37 ENXERTIA FENDA DUPLA OU INGLÊS COMPLICADO ENCOSTIA

38 ENXERTIA

39 FITILHO PARA ENXERTIA ENXERTIA

40 GARFAGEM EM DUPLA FENDA ENXERTIA

41 ENXERTIA

42 ENXERTIA EM GARFAGEM

43 ENXERTIA EM GARFAGEM

44 ENXERTIA EM GARFAGEM

45 CONDUÇÃO EM Y

46

47 CONDUÇÃO EM ESPALDEIRA

48 ENXERTIA

49 AMEIXA ENXERTIA

50 ENXERTIA

51 ENXERTIA

52 ENXERTIA

53 BORBULHIA ENXERTIA

54 BORBULHIA

55 BORBULHIA

56 BORBULHIA

57 BORBULHIA

58 ENXERTIA DE FLAUTA OU CANUTILHO

59 BORBULHIA CAMADA DE CÂMBIO VASCULAR FLOEMA DO PORTA-ENXERTO PERIDERME GEMA (ENXERTO) PORTA-ENXERTO CÂMBIO VASCULAR DA GEMA (ENXERTO) CASCA DA GEMA (ENXERTO) CALOS XILEMA RECÉM-FORMADO DO PORTA-ENXERTO XILEMA DO PORTA-ENXERTO CALOS

60 ENXERTIA

61 BORBULHIA ESTÁGIOS DE DESENVOLVIMENTO TEMPO APROXIMADO APÓS BORBULHIA 1. PRIMEIRA DIVISÃO CELULAR 24 HORAS 2. PRIMEIRA UNIÃO POR CALOS 5 DIAS 3. DIFERENCIAÇÃO DO CÂMBIO a) NO CALO DO PORTA-ENXERTO 10 DIAS b) NO CALO DO ENXERTO 15 DIAS 4. PRIMEIRA OCORRÊNCIA DE TRAQUEÍDES DO XILEMA a) NO CALO DO PORTA-ENXERTO 15 DIAS b) NO CALO DO ENXERTO 20 DIAS 5. COMPLETA LIGNIFICAÇÃO DO CALO a) NO PORTA-ENXERTO 25 A 30 DIAS b) NO ENXERTO 30 A 44 DIAS

62 MERGULHIA MERGULHIA SIMPLES MERGULHIA INVERTIDA OU DE PONTA

63 MERGULHIA COMPOSTA OU SERPENTINA MERGULHIA

64 MERGULHIA

65 AMONTOA

66 AMONTOA ESPINHEIRA-SANTA (Maytenus ilicifolia)

67 AMONTOA ESPINHEIRA-SANTA (Maytenus ilicifolia)

68 AMONTOA ESPINHEIRA-SANTA (Maytenus ilicifolia)

69 AMONTOA ESPINHEIRA-SANTA (Maytenus ilicifolia)

70 ALPORQUIA Nerium oleander (espirradeira)

71 ALPORQUIA

72 ALPORQUIA

73 ALPORQUIA

74 ALPORQUIA Ginkgo biloba

75 ALPORQUIA

76 ALPORQUIA

77 FUMEIRO-BRAVO (Solanum granuloso-leprosum - SOLANACEAE) ALPORQUIA

78 FUMEIRO-BRAVO (Solanum granuloso-leprosum - SOLANACEAE) ALPORQUIA

79 FUMEIRO-BRAVO (Solanum granuloso-leprosum - SOLANACEAE) ALPORQUIA

80 ALPORQUIA Avaliação aos 80 dias FUMEIRO-BRAVO (Solanum granuloso-leprosum - SOLANACEAE)

81 ALPORQUIA ESPÉCIE ESPIRRADEIRA (Nerium sp.) AZALÉIA (Rhododendron sp.) BORDO (Acer palmatun) CAMÉLIA (Camellia sp.) CASUARINA (Casuarina stricta) FICUS (Ficus benjamina) GINKGO (Ginkgo biloba) HERA (Hedera helix) JABUTICABEIRA (Myrciaria cauliflora) PEREIRA (Pirus sp.) PESSEGUEIRO (Prunus persica) PITANGUEIRA (Eugenia uniflora) TEMPO APROXIMADO DE ALPORQUIA 8 SEMANAS (2 meses) 14 SEMANAS (3,5 meses) 7 SEMANAS 14 SEMANAS 5 MESES 7 SEMANAS 4 MESES 10 SEMANAS 1 A 2 ANOS 4 A 6 MESES 4 A 6 MESES 14 MESES A 2 ANOS

82 Mas vamos pro intervalo antes... Ainda falta ESTAQUIA...

83 ESTAQUIA PROCESSO DE PROPAGAÇÃO VEGETATIVA NO QUAL OCORRE A INDUÇÃO DO ENRAIZAMENTO ADVENTÍCIO EM SEGMENTOS DESTACADOS DA PLANTA MATRIZ QUE, SUBMETIDOS À CONDIÇÕES FAVORÁVEIS, ORIGINAM UMA MUDA.

84 ESTACA QUALQUER PARTE DESTACADA DA PLANTA MATRIZ, CAPAZ DE REGENERAR PARTE OU PARTES QUE LHE ESTÃO FALTANDO, A FIM DE FORMAR UMA PLANTA NOVA E COMPLETA.

85 VANTAGENS DA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA VIA ESTAQUIA FIXAÇÃO DE GENÓTIPOS SELECIONADOS CARACTERÍSTICAS DESEJÁVEIS UNIFORMIDADE DE POPULAÇÕES OBTENÇÃO DE GRANDE QUANTIDADE DE MUDAS A PARTIR DE UMA ÚNICA PLANTA MATRIZ FACILIDADE DE EXECUÇÃO MÉTODO BARATO

86 Chrysanthemum sp.

87 VANTAGENS DA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA VIA ESTAQUIA ANTECIPAÇÃO DO PERÍODO DE FLORESCIMENTO ESPÉCIES EM EXTINÇÃO PROPAGAÇÃO DE ESPÉCIES QUE APRESENTAM DORMÊNCIA DE SEMENTES REDUZIDO NÚMERO DE SEMENTES SEMENTES PEQUENAS, DE DIFÍCIL COLETA SEMENTES RECALCITRANTES

88 DESVANTAGENS DA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA VIA ESTAQUIA PLANTAS QUE APRESENTAM BAIXO POTENCIAL DE ENRAIZAMENTO PEQUENA % DE MUDAS OBTIDAS SISTEMA RADICIAL INADEQUADO NO CAMPO NECESSIDADE DE CASA DE VEGETAÇÃO COM SISTEMA DE NEBULIZAÇÃO ATAQUE DE PRAGAS E DOENÇAS

89 SOLUÇÃO JARDINS CLONAIS BANCOS DE GERMOPLASMA

90 SOLUÇÃO MINIJARDINS CLONAIS

91 ESTAQUIA TIPOS DE ESTACAS: CAULINARES HERBÁCEAS SEMILENHOSAS LENHOSAS FOLIARES DE RAIZ

92 ESTAQUIA ESTACAS CAULINARES HERBÁCEAS SEMILENHOSAS LENHOSAS

93 ESTACAS CAULINARES HERBÁCEAS TIPOS DE ESTACAS

94 ESTACAS CAULINARES HERBÁCEAS Jasminum mesnyi (Jasmim amarelo) Jasmim amarelo

95 ESTACAS CAULINARES HERBÁCEAS Jasmim amarelo Jasmim amarelo

96 ESTACAS CAULINARES HERBÁCEAS ANTES Jasmim amarelo DEPOIS Jasmim amarelo

97 ESTACAS CAULINARES SEMILENHOSAS TIPOS DE ESTACAS

98 ESTACAS CAULINARES SEMILENHOSAS Duranta repens (Pingo-de-ouro) Pingo-de-ouro

99 ESTACAS CAULINARES SEMILENHOSAS Duranta repens (Pingo-de-ouro)

100 ESTACAS CAULINARES SEMILENHOSAS Pingo-de-ouro

101 ESTACAS CAULINARES SEMILENHOSAS Pingo-de-ouro Pingo-de-ouro

102 ESTACAS CAULINARES SEMILENHOSAS Pingo-de-ouro Pingo-de-ouro

103 ESTACAS CAULINARES SEMILENHOSAS Platanus sp.

104 ESTACAS CAULINARES SEMILENHOSAS Platanus sp.

105 ESTACAS CAULINARES SEMILENHOSAS Platanus sp.

106 Salvia involucrata (Flor-de-polaco)

107 Salvia involucrata (Flor-de-polaco)

108 CICATRIZ FOLIAR GEMA FOLIAR CICATRIZ FOLIAR

109 (Paulownia fortunei QUIRI)

110 Cuphea gracilis (Érica branca)

111 ESTACAS CAULINARES LENHOSAS TIPOS DE ESTACAS

112 ESTACAS CAULINARES LENHOSAS Caliandra tweedii Caliandra tweedii

113 ESTACAS CAULINARES LENHOSAS Calliandra tweedii

114 ESTACAS CAULINARES LENHOSAS Caliandra tweedii

115 ESTACAS CAULINARES LENHOSAS Caliandra brevipes

116 Caliandra brevipes

117 Caliandra brevipes

118 DIFERENTES TIPOS DE SISTEMA RADICIAL Pinus taeda Pinus taeda

119 DIFERENTES TIPOS DE SISTEMA RADICIAL Caliandra brevipes Salvia involucrata

120 DIFERENTES TIPOS DE SISTEMA RADICIAL Eucalyptus dunii

121 DIFERENTES TIPOS DE SISTEMA RADICIAL Platanus acerifolia

122 Ficus elastica Vittoria 9anos

123 Ficus elastica

124 Ficus elastica

125

126

127

128 FIM!

Técnicas de propagação de fruteiras

Técnicas de propagação de fruteiras Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Técnicas de propagação de fruteiras Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Método seminífero Propagação vegetativa não é

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

MUDAS E VIVEIROS. Aula 02 Mudas e viveiros

MUDAS E VIVEIROS. Aula 02 Mudas e viveiros MUDAS E VIVEIROS 1 1. DEFINIÇÃO: MUDA - estrutura vegetal de qualquer espécie ou cultivar, proveniente de reprodução sexuada ou assexuada convenientemente produzida e que tenha finalidade específica de

Leia mais

Floricultura e Plantas Ornamentais

Floricultura e Plantas Ornamentais Métodos de Propagação em Ornamentais: TRADICIONAL Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues MÉTODOS PROPAGATIVOS VEGETATIVOS: ENXERTIA, ESTAQUIA, MERGULHIA E ALPORQUIA. Vantagens:

Leia mais

PRODUÇÃO MUDAS E PLANTIO

PRODUÇÃO MUDAS E PLANTIO 54 7 PRODUÇÃO DE MUDAS E PLANTIO Alexandre Hoffmann José Luiz Petri Gabriel Berenhauser Leite João Bernardi INTRODUÇÃO A reprodução da macieira na natureza pode ocorrer de duas formas: por meio de sementes

Leia mais

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL Daiane Silva Lattuada 1 ; Paulo Vitor Dutra de Souza 2 ; Mateus Pereira Gonzatto 1 ; Sérgio Francisco Schwarz 2 1 Eng. Agrônomo, mestrando no

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS

AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS Francisco Pinheiro de Araújo Carlos Antonio F.Santos Everaldo Rocha Porto Embrapa Semi-Árido

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS José Amarildo da Fonseca jafonsec@esalq.usp.br Objetivos Quantidade Custo Qualidade Prazo Histórico Histórico Histórico Produção de Mudas Florestais Objetivo (demanda) Tipos

Leia mais

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe ARBORICULTURA I Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias Por: Augusto Peixe Tipos de Estacas Estacas Caulinares Lenhosas Semi-lenhosas Herbáceas Evolução de meristemas

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

Reprodução. Assexuada. Unidade 6. Aula nº 14 20/Out/08 Prof. Ana Reis. Reprodução

Reprodução. Assexuada. Unidade 6. Aula nº 14 20/Out/08 Prof. Ana Reis. Reprodução Reprodução Assexuada Unidade 6 Reprodução Aula nº 14 20/Out/08 Prof. Ana Reis Reprodução É uma função característica dos seres vivos, que permite o aparecimento de novos indivíduos, através da divisão

Leia mais

MERISTEMA APICAL DO CAULE

MERISTEMA APICAL DO CAULE MERISTEMA APICAL DO CAULE Células iniciais (divisão lenta) Alta atividade de divisão celular Origem da porção central caulinar Originam primórdios foliares Meristema apical caulinar: Túnica - Corpo t c

Leia mais

III Plano Diretor da. Ocidental. da Cultura do Cupuaçuzeiro 2004-2007. Aparecida das Graças Claret de Souza Editora-Técnica

III Plano Diretor da. Ocidental. da Cultura do Cupuaçuzeiro 2004-2007. Aparecida das Graças Claret de Souza Editora-Técnica III Plano Diretor da Boas PráticasAmazônia Agrícolas Embrapa da Cultura do Cupuaçuzeiro Ocidental 2004-2007 Aparecida das Graças Claret de Souza Editora-Técnica Boas Práticas Agrícolas

Leia mais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais PROPAGAÇÃO Ação de multiplicar ou dar continuidade a uma forma de vida, permitindo o cultivo e a preservação de espécies importância estabelecimento dos cultivos e hortos garantia da identidade das espécies

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE PLANTAS MEDICINAIS, TEMPEROS E PLANTAS ORNAMENTAIS. Kelly Coser 1 ; Marcelo Diel 2 ; 1

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE PLANTAS MEDICINAIS, TEMPEROS E PLANTAS ORNAMENTAIS. Kelly Coser 1 ; Marcelo Diel 2 ; 1 PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE PLANTAS MEDICINAIS, TEMPEROS E PLANTAS ORNAMENTAIS Kelly Coser 1 ; Marcelo Diel 2 ; 1 Instituto Federal Catarinense, Videira/SC INTRODUÇÃO Na natureza, os vegetais se reproduzem

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA. Prof. Daniel M. Tapia T. Eng.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA. Prof. Daniel M. Tapia T. Eng. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA Prof. Daniel M. Tapia T. Eng. Agrônomo MSc PROPAGAÇÃO Sexual ou gâmica Vegetativa ou assexuada REPRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA 15/01/2007 COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA Km 47 da BR 110 Bairro Presidente Costa e Silva CEP: 59625-900 C. postal 137 Telefone (084)3315.1796

Leia mais

Bio:D. Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com

Bio:D. Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com Bio:D Angela Cristina E-mail: angelacristina2913@gmail.com Reinos 5 reinos; 1969; Organização celular (uni ou pluri), tipo de célula (procarionte ou eucarionte) e forma de nutrição (autótrofo ou heterótrofo).

Leia mais

PROPAGAÇÃO DA JABUTICABEIRA (Plinia jaboticaba) PELO MÉTODO DE ALPORQUIA SUBMETIDO A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE AIB

PROPAGAÇÃO DA JABUTICABEIRA (Plinia jaboticaba) PELO MÉTODO DE ALPORQUIA SUBMETIDO A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE AIB PROPAGAÇÃO DA JABUTICABEIRA (Plinia jaboticaba) PELO MÉTODO DE ALPORQUIA SUBMETIDO A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE AIB João H. Trevizani 1, Rogério R. Rodrigues 2, Leonardo V. de Sá 3, Sara M. Andrade Pereira

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE PLANTAS HORTÍCOLAS

PROPAGAÇÃO DE PLANTAS HORTÍCOLAS PROPAGAÇÃO DE PLANTAS HORTÍCOLAS João Vitor de Oliveira Camargo (PIBIC EM/CNPq), Duane Katharine Domingos (PIBIC EM/CNPq), Isabela Kariny Ferreira (PIBIC EM/CNPq), Elisete Aparecida Fernandes Osipi (Orientadora),

Leia mais

Melhoramento e Propagação do Urucuzeiro

Melhoramento e Propagação do Urucuzeiro Melhoramento e Propagação do Urucuzeiro Camilo Flamarion de Oliveira Franco e Fabiano de Cristo Pereira da Silva, Jorge Cazé Filho, Miguel Barreiro Neto, Abel Rebouças São José, Tiyoco Nair Hojo Rebouças,

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE Duranta repens Linn Aurea EM FUNÇÃO DE DOSES DE IBA

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE Duranta repens Linn Aurea EM FUNÇÃO DE DOSES DE IBA ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE Duranta repens Linn Aurea EM FUNÇÃO DE DOSES DE IBA William Hiroshi Suekane Takata¹, Ewerton Gasparetto da Silva¹, Diógenes Martins Bardiviesso¹ RESUMO Devido à necessidade de

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ÁCIDO INDOL-BUTÍRICO NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS EM ESPÉCIES FRUTÍFERAS E ORNAMENTAIS

INFLUÊNCIA DO ÁCIDO INDOL-BUTÍRICO NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS EM ESPÉCIES FRUTÍFERAS E ORNAMENTAIS Revista Eletrônica de Educação e Ciência (REEC) ISSN 2237-3462 - Volume 03 Número 02 2013 INFLUÊNCIA DO ÁCIDO INDOL-BUTÍRICO NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS EM ESPÉCIES FRUTÍFERAS E ORNAMENTAIS Rafaela Maria

Leia mais

ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA

ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA Matheus Collet Tambosi 2, Cristiano Reschke Lajús 1, Ernandes

Leia mais

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo Prof.: Eduardo Fitormônios: É um composto orgânico sintetizado em alguma parte do vegetal que pode ser transportado para outra parte e assim em concentrações muito baixas causar uma resposta fisiológica

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: ANATOMIA VEGETAL Código da Disciplina: NDC124 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 3 período Faculdade responsável: NÚCLEO DE DISCIPLINAS COMUNS Programa

Leia mais

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA aaa Aspectos hormonais do crescimento fitormônios e reguladores de crescimento a Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves/RS 1 Introdução! Hormônio: Palavra de origem grega

Leia mais

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite Tecidos Vegetais Professor: Vitor Leite TECIDOS MERISTEMÁTICOS (MERISTEMAS) Localização: ápices de todas as raízes e caules e gemas laterais. Função: Crescimento longitudinal(comprimento). Originam tecidos

Leia mais

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS FITORMÔNIOS São substâncias orgânicas químicas que atuam em diferentes partes do vegetal, como raiz, caule, folha, flor e fruto. São sintetizados em pequenas porções. Responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento

Leia mais

UNIDADE 3 O REINO DAS PLANTAS

UNIDADE 3 O REINO DAS PLANTAS UNIDADE 3 O REINO DAS PLANTAS Livro pág. 66 Leitura do Texto: A conquista do Ambiente Terrestre. Livro: Uma breve história do conhecimento Embora o homem represente 1% da Biomassa do Planeta, é provável

Leia mais

JUVENILIDADE, MATURIDADE E SENESCÊNCIA EM PLANTAS

JUVENILIDADE, MATURIDADE E SENESCÊNCIA EM PLANTAS JUVENILIDADE, MATURIDADE E SENESCÊNCIA EM PLANTAS As plantas, assim como todos os organismos multicelulares, passam por uma série de estádios de desenvolvimento mais ou menos definidos, com características

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Silvicultura

DOSSIÊ TÉCNICO. Silvicultura DOSSIÊ TÉCNICO Silvicultura Natanna Horstmann Mariana Rezende de Oliveira e Silva Pedro Guilherme de Andrade Mahalia Sojo Cardoso Marina Salgado Fontenele Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas ARBORICULTURA I Propagação de Plantas O que é a propagação de plantas? É a multiplicação de indivíduos do reino vegetal, por métodos sexuados ou assexuados, por forma a obter na descendência um determinado

Leia mais

Situação atual das biofábricas de plantas. Ana Cristina P. P. de Carvalho Recife, 24 de outubro de 2013.

Situação atual das biofábricas de plantas. Ana Cristina P. P. de Carvalho Recife, 24 de outubro de 2013. Situação atual das biofábricas de plantas Ana Cristina P. P. de Carvalho Recife, 24 de outubro de 2013. 1. Introdução Europa Ocidental - 1970 e 1980 EUA - 1970 e 1980 Países Árabes - 2000 China - 1970

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPRIMENTO E NÚMERO DE RAÍZES EM MINI-ESTACAS HERBÁCEAS DE JABUTICABEIRA (Myrciaria cauliflora (DC) Berg).

AVALIAÇÃO DO COMPRIMENTO E NÚMERO DE RAÍZES EM MINI-ESTACAS HERBÁCEAS DE JABUTICABEIRA (Myrciaria cauliflora (DC) Berg). AVALIAÇÃO DO COMPRIMENTO E NÚMERO DE RAÍZES EM MINI-ESTACAS HERBÁCEAS DE JABUTICABEIRA (Myrciaria cauliflora (DC) Berg). Tiago de Souza Marçal 1, Madlles Martins Queiroz 1, Wagner Bastos dos Santos Oliveira

Leia mais

Jardinagem e Meio Ambiente. Conhecer Gostar - Respeitar - Preservar

Jardinagem e Meio Ambiente. Conhecer Gostar - Respeitar - Preservar Jardinagem e Meio Ambiente Conhecer Gostar - Respeitar - Preservar O Brasil tem a maior diversidade de espécies do mundo! E qual a importância das plantas em nossa vida? Por que plantar? As plantas deixam

Leia mais

Ficha de Trabalho Reprodução Assexuada nos Seres Vivos

Ficha de Trabalho Reprodução Assexuada nos Seres Vivos ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO BIOLOGIA E GEOLOGIA - 11º ANO Ficha de Trabalho Reprodução Assexuada nos Seres Vivos Professora Isabel Lopes Introdução A reprodução é uma característica fundamental

Leia mais

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Hormonas vegetais Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Em resposta a factores externos, as plantas produzem mensageiros químicos, as hormonas vegetais

Leia mais

Morfologia Vegetal. O corpo da planta

Morfologia Vegetal. O corpo da planta Morfologia Vegetal O corpo da planta Os sistemas da planta Meristema apical do caule Sistema caulinar Ou axial Crescimento Modular Fitômeros Plasticidade Fenotípica Sistema radicular Ou absortivo-fixador

Leia mais

GIMNOSPERMAS. Relações filogenéticas BOTÂNICA. Prof. Gassem 02/04/2012. Embriófitas. Traqueófitas (plantas vasculares)

GIMNOSPERMAS. Relações filogenéticas BOTÂNICA. Prof. Gassem 02/04/2012. Embriófitas. Traqueófitas (plantas vasculares) BOTÂNICA GIMNOSPERMAS Prof. Gassem Relações filogenéticas Embriófitas Traqueófitas (plantas vasculares) Espermatófitas (plantas que produzem sementes Algas verdes (grupo externo) Briófitas Pteridófitas

Leia mais

FORMAÇÃO DO CAFEZAL PRATICAS CULTURAIS

FORMAÇÃO DO CAFEZAL PRATICAS CULTURAIS UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO FORMAÇÃO DO CAFEZAL PRATICAS CULTURAIS Profª Fernanda Basso Práticas Culturais Irrigação Sistemas de aspersão. Regas não

Leia mais

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Magda Araújo Brito 1 ; Valéria Gomes Momenté²; Ildon Rodrigues do Nascimento 3 1 Aluna do Curso de Engenharia de

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE Bougainvillea spectabilis Willd POR ESTAQUIA COM ADIÇÃO DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE Bougainvillea spectabilis Willd POR ESTAQUIA COM ADIÇÃO DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE Bougainvillea spectabilis Willd POR ESTAQUIA COM ADIÇÃO DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO Vanessa Padilha Salla 1,2, Amanda Pacheco Cardoso Moura 1,2, Daniela Fernanda Zulian 1, Rosângela

Leia mais

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas CITOCININAS Katia Christina Zuffellato-Ribas 1955 CINETINA (promoção da divisão celular na medula de caules de tabaco) 1964 - ZEATINA CITOCININA = HORMÔNIO DA JUVENILIDADE [0,01 A 1 µm] PRECURSOR: ISOPRENO

Leia mais

VARIEDADES DE ACEROLEIRA COM POTENCIAL PARA PORTA-ENXERTO

VARIEDADES DE ACEROLEIRA COM POTENCIAL PARA PORTA-ENXERTO VARIEDADES DE ACEROLEIRA COM POTENCIAL PARA PORTA-ENXERTO Mauricio Dominguez Nasser Eng. Agrônomo, Mestrando, Pesquisador Científico do Polo Regional Alta Paulista/APTA mdnasser@apta.sp.gov.br A importância

Leia mais

[Ano] Vegetais: podem ser usados como recursos didáticos? Campus Virtual Cruzeiro do Sul

[Ano] Vegetais: podem ser usados como recursos didáticos? Campus Virtual Cruzeiro do Sul [Ano] Vegetais: podem ser usados como recursos didáticos? Unidade - Vegetais: podem ser usados como recursos didáticos? MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Profa. Dra. Rosana Cristina Carreira

Leia mais

ANONÁCEAS: PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS

ANONÁCEAS: PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS ANONÁCEAS: PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS Erivaldo José Scaloppi Junior Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Noroeste Paulista/APTA scaloppi@apta.sp.gov.br No Brasil, a família Annonaceae possui

Leia mais

Melhoramento de espécies florestais

Melhoramento de espécies florestais Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Melhoramento de espécies florestais Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação Introdução

Leia mais

Botânica II. Prof. Dr. Fernando Santiago dos Santos. (13)

Botânica II. Prof. Dr. Fernando Santiago dos Santos.  (13) Botânica II Prof. Dr. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@ifsp.edu.br www.fernandosantiago.com.br (13) 8822-5365 Aula 4 (parte 1) Morfologia externa: Sistema radicular Sistema caulinar Sistema radicular

Leia mais

DIVERSIDADE E REPRODUÇÃO DAS PLANTAS

DIVERSIDADE E REPRODUÇÃO DAS PLANTAS DIVERSIDADE E REPRODUÇÃO DAS PLANTAS O REINO PLANTAE Por causa das plantas que os animais conseguiram, através de um ambiente convidativo, ocupar o ambiente terrestre. Nos captamos, mesmo que indiretamente,

Leia mais

Implantação dos vinhedos. culturais na cultura da videira. Formação dos vinhedos. operações 1 o ano

Implantação dos vinhedos. culturais na cultura da videira. Formação dos vinhedos. operações 1 o ano Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal Implantação, condução e tratos culturais na cultura da videira Formação dos vinhedos operações

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Morfogénese Acontecimentos estruturais e fisiológicos que participam no desenvolvimento de uma planta, desde a célula reprodutora ou vegetativa até ao indivíduo adulto. Diferenciação

Leia mais

5.1 -FERTIRRIGAÇÃO EM VIVEIROS DE MUDAS DE Eucalyptus e Pinus

5.1 -FERTIRRIGAÇÃO EM VIVEIROS DE MUDAS DE Eucalyptus e Pinus 5.1 -FERTIRRIGAÇÃO EM VIVEIROS DE MUDAS DE Eucalyptus e Pinus Edson Namita Higashi Ronaldo Luiz Vaz de Arruda Silveira RR Agroflorestal S/C Ltda. Rua Santa Cruz, 1109, CEP 13.416-763, Piracicaba - SP -

Leia mais

ADAPTABILIDADE DE MUDAS DE GABIROBA EM VASOS ADAPTATION OF GABIROBA PLANTS IN POTS

ADAPTABILIDADE DE MUDAS DE GABIROBA EM VASOS ADAPTATION OF GABIROBA PLANTS IN POTS 58 ADAPTABILIDADE DE MUDAS DE GABIROBA EM VASOS ADAPTATION OF GABIROBA PLANTS IN POTS Michelle Nunes Barcelos (1) Wilson Itamar Maruyama (2) Abstract This study aimed to analyze the performance of gabiroba

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ

EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ Disciplina i LPV 504 PLANTAS ESTIMULANTES ANA DIONISIA L. COELHO NOVEMBRE EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ COTILEDONES EIXO EMBRIÃO Novembre, 2003 FRUTO DE CAFÉ Novembre, 2003

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Histologia e Morfologia Vegetal Histologia Vegetal Ramo da Botânica que se preocupa em estudar os tecidos vegetais quanto as suas características, organização,

Leia mais

Prof. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues

Prof. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Floricultura e Plantas Ornamentais Prof. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues phrviegas@hotmail.com Cultivo de Flores Anuais Capuchinho Brovália Trombeta Cultivo de Flores Anuais Vinã del Mar - Chile Curitiba

Leia mais

TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ABACAXI

TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ABACAXI TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ABACAXI TULLIO RAPHAEL PEREIRA DE PÁDUA, DSc Pesquisador, Embrapa Mandioca e Fruticultura, Cruz das Almas, Bahia, Brasil, tullio.padua@embrapa.br O cultivo do abacaxizeiro

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA João Paulo Tadeu Dias 1 ; Elizabeth Orika Ono 2 A cultura da amoreira-preta (Rubus sp.) surge como opção para a diversificação do cultivo de frutas, pois apresenta rusticidade

Leia mais

Aula 2 MERISTEMAS PRÉ-REQUISITOS. O aluno deverá conhecer a organização interna do vegetal. Tecido da pele. (Fonte:

Aula 2 MERISTEMAS PRÉ-REQUISITOS. O aluno deverá conhecer a organização interna do vegetal. Tecido da pele. (Fonte: MERISTEMAS Aula 2 META Apresentar o tecido responsável pelo crescimento do vegetal, sua classificação e o seu papel no estabelecimento dos padrões de desenvolvimento dos órgãos. OBJETIVOS Ao final da aula,

Leia mais

UNIDADE XIII CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

UNIDADE XIII CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO UNIDADE XIII CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO 1. Introdução 2. Visão geral do crescimento e desenvolvimento vegetal 3. Embriogênese: as origens da polaridade 4. Tecidos meristemáticos: bases para o crescimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA E INTERAÇÃO COM ENDOMICORRIZAS ARBUSCULARES EM MIRTÁCEAS NATIVAS DO SUL DO

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

Características gerais

Características gerais Reino das Plantas Características gerais São organismos: Eucariontes Pluricelulares Autótrofos Possuem diversos pigmentos, como os fotossintetizantes e os acessórios. Características gerais Capacidade

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta FISIOLOGIA VEGETAL Organização da célula vegetal e da planta cianobactéria Complexidade ipê Eucariotos: - aumento da complexidade genética - aumento da complexidade celular Woese (1987): baseado na filogenia

Leia mais

Ferramentas da Biotecnologia no Melhoramento Florestal

Ferramentas da Biotecnologia no Melhoramento Florestal Ferramentas da Biotecnologia no Melhoramento Florestal III Reunião de Integração e Atualização Técnica em Floresta Plantada Piracicaba SP 16 / 09 / 2008 Fernando S. Gomes ArborGen Ltda ArborGen RUBICON

Leia mais

29/05/2016. Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras;

29/05/2016. Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras; Parede celular Celulose (polissacarídeo) = rigidez e sustentação; Reforço de lignina ou ceras; Vacúolo Armazena substâncias: água, sais, ar e alcaloides (efeitos tóxicos e farmacológicos); Plastos Leucoplasto,

Leia mais

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas ETILENO Katia Christina Zuffellato-Ribas ÚNICO HORMÔNIO GASOSO H 2 C = CH 2 1864 GIARDIN (Alemanha) Gás de iluminação desfolha de árvores 1901 NELJUBOV (Rússia) Ervilhas Tríplice reação de Neljubov Tríplice

Leia mais

Prof. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues

Prof. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Floricultura e Plantas Ornamentais Prof. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues phrviegas@hotmail.com Cultivo de Flores Anuais Capuchinho Brovália Trombeta Cultivo de Flores Anuais Vinã del Mar - Chile Curitiba

Leia mais

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a):

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: Biologia SÉRIE: 2 ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) O coqueiro (Cocos nucifera) é uma monocotiledônea de grande porte. Suas flores,

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto 0 Fisiologia Vegetal Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Fisiologia da água e dos sais minerais Solo Raízes planta! Água + SMs Absorção de água pela raiz: Zona

Leia mais

EFEITO DO AIB NO DESENVOLVIMENTO DE MUDAS CLONAIS EM GENÓTIPOS DE ERVA-MATE

EFEITO DO AIB NO DESENVOLVIMENTO DE MUDAS CLONAIS EM GENÓTIPOS DE ERVA-MATE EFEITO DO AIB NO DESENVOLVIMENTO DE MUDAS CLONAIS EM GENÓTIPOS DE ERVA-MATE Raíssa Eiko Nagaoka 1 ; Fabiana Schmidt Bandeira Peres 2 ; Ana Lídia Moura Carmo 3 ; Flávio Augusto de Oliveira Garcia 4. 1.

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS São substâncias ativas, em quantidades mínimas que induzem efeitos especiais crescimento e desenvolvimento vegetal ( estimulando ou inibindo ). Ex. Auxinas, Giberelinas,

Leia mais

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI MORFOLOGIA VEGETAL Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI INTRODUÇÃO Dois dos processos mais interessantes e complexos que ocorrem durante o ciclo de vida das plantas produtoras

Leia mais

SUBSTRATOS E CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO NAFTALENO ACÉTICO NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMILENHOSAS DE Calliandra selloi E Calliandra tweediei

SUBSTRATOS E CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO NAFTALENO ACÉTICO NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMILENHOSAS DE Calliandra selloi E Calliandra tweediei SUBSTRATOS E CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO NAFTALENO ACÉTICO NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMILENHOSAS DE Calliandra selloi E Calliandra tweediei SUBSTRATES AND NAPHTALENE ACETIC ACID CONCENTRATIONS ON ROOTING

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE JABUTICABEIRA POR ESTAQUIA 1

PROPAGAÇÃO DE JABUTICABEIRA POR ESTAQUIA 1 577 PROPAGAÇÃO DE JABUTICABEIRA POR ESTAQUIA 1 SIMONE APARECIDA ZOLET SASSO 2, IDEMIR CITADIN 3, MOESES ANDRIGO DANNER 4 RESUMO O objetivo deste trabalho foi investigar a eficiência da estaquia na produção

Leia mais

Kit de Primeiros Socorros - Checklist

Kit de Primeiros Socorros - Checklist Kit de Primeiros Socorros - Checklist ITENS OBRIGATÓRIOS - Pasta com documentos/anotações: o Contatos: médico veterinário, clínica 24 horas, contato de emergência o Nomes e doses de medicamentos de uso

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Botânica (Reino Plantae ou Metaphyta) 1. Características Gerais Grupo monofilético; Eucariotos; Fotossintizantes; Substância de reserva; Parede celular. 2.

Leia mais

Produção de mudas in vitro Production of in vitro plants

Produção de mudas in vitro Production of in vitro plants Produção de mudas in vitro Production of in vitro plants EDUARDO JUN FUZITANI 1 e EDSON SHIGUEAKI NOMURA 2 A cultura de tecidos pressupõe o cultivo de plantas ou partes de plantas (explantes) em meio de

Leia mais

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Como garantir níveis de produtividade desta exigente cultura? geadas Experiencias da adaptação ecológica da cultura da nogueira a varias regiões

Leia mais

RIZOGÊNESE DAS ESTACAS DE CANELA-SASSAFRÁS (Ocotea odorifera (Vellozo) Rohwer) ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE FITOHORMÔNIO

RIZOGÊNESE DAS ESTACAS DE CANELA-SASSAFRÁS (Ocotea odorifera (Vellozo) Rohwer) ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE FITOHORMÔNIO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: 1677-0293 Número 28 Dezembro de 2015 Periódico Semestral RIZOGÊNESE DAS ESTACAS DE CANELA-SASSAFRÁS (Ocotea odorifera (Vellozo) Rohwer) ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 2179-8184 Dezembro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos133 Produção de Mudas das Spondias

Leia mais

MODELOS DE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Katia Christina Zuffellato-Ribas

MODELOS DE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Katia Christina Zuffellato-Ribas MODELOS DE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO VEGETAL Katia Christina Zuffellato-Ribas MERISTEMAS PRIMÁRIOS E SECUNDÁRIOS MERISTEMAS PRIMÁRIOS MERISTEMAS APICAIS ÁPICE DO CAULE ÁPICE DA RAIZ PROTODERME EPIDERME

Leia mais

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos Embrapa Uva e Vinho A vitivinicultura é uma atividade que apresenta grande importância sócio-econômica em vários Estados brasileiros, com especial destaque para o Rio Grande do Sul. Por esta razão, a Embrapa

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas LGN 5799 - SEMINÁRIOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS BIOTECNOLOGIA FLORESTAL APLICAÇÕES E PERSPECTIVAS Pós-graduanda: Juliana Erika

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA E SEXUADA DE Hypericum hookerianum Wight & Arn. Angeline Martini 1, Daniela Biondi 2

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA E SEXUADA DE Hypericum hookerianum Wight & Arn. Angeline Martini 1, Daniela Biondi 2 PROPAGAÇÃO VEGETATIVA E SEXUADA DE Hypericum hookerianum Wight & Arn. Angeline Martini 1, Daniela Biondi 2 1 Doutoranda em Engenharia Florestal da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil (martini.angeline@gmail.com)

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO Crescimento Inibição Produção Raízes Gemas Caules Produção de Etileno 10-11 10-9 10-7 10-5 10-3 10-1 Concentração

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Profº. Amaral

HISTOLOGIA VEGETAL. Profº. Amaral HISTOLOGIA VEGETAL Profº. Amaral HISTOLOGIA VEGETAL A organização do corpo dos vegetais é bem diferente da organização do corpo dos animais. A maior parte dessas diferenças é uma adaptação ao modo autotrófico

Leia mais

Sistemática As angiospermas constituem o maior grupo de vegetais do planeta, compreendendo cerca de 2/3 de todas as espécies de plantas.

Sistemática As angiospermas constituem o maior grupo de vegetais do planeta, compreendendo cerca de 2/3 de todas as espécies de plantas. ANGIOSPERMAS -angio = envoltório; sperma = semente Sistemática As angiospermas constituem o maior grupo de vegetais do planeta, compreendendo cerca de 2/3 de todas as espécies de plantas. Esse grupo encontra-se

Leia mais

Kaline Aguiar Gonzalez Vale

Kaline Aguiar Gonzalez Vale UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NÚCLEO DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO Kaline Aguiar Gonzalez Vale INTRODUÇÃO Biotecnologia???

Leia mais

Importância e objetivos do melhoramento de plantas

Importância e objetivos do melhoramento de plantas Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Importância e objetivos do melhoramento de plantas Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Introdução

Leia mais

Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados

Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados Ilheus, Setembro de 2011 I Simpósio Brasileiro da Pupunheira Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados Dr. Douglas A. Steinmacher Introdução

Leia mais

EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III

EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III EUVG PARQ 5 TMTC III 24.10 ESTABILIZAÇÃO DE TALUDES TÉCNICA DE ENGENHARIA NATURAL AMRP-AP NATURAIS E ARTIFICIAIS: TALUDE NATURAL é aquele

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL GEÓRGIA ROBERTA GOMES DE FIGUEIRÊDO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL GEÓRGIA ROBERTA GOMES DE FIGUEIRÊDO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL GEÓRGIA ROBERTA GOMES DE FIGUEIRÊDO PROPAGAÇÃO DE GRAVIOLEIRA: VIGOR DE SEMENTES SOB DESSECAÇÃO, ESTAQUIA E MINIESTAQUIA.

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Tecidos Meristemáticos (embrionários)

HISTOLOGIA VEGETAL. Tecidos Meristemáticos (embrionários) HISTOLOGIA VEGETAL Dividido em 2 grandes grupos: Tecidos Meristemáticos (embrionários) Meristema Primário (crescimento em altura); Meristema Secundário (crescimento em espessura); Tecidos Pemanentes (adultos)

Leia mais