Instrução Normativa de. Emergência Para Contingência a Saúde Pública do Porto de. Santarém

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instrução Normativa de. Emergência Para Contingência a Saúde Pública do Porto de. Santarém"

Transcrição

1 Instrução Normativa de Emergência Para Contingência a Saúde Pública do Porto de Santarém Instrução Normativa TÍTULO Capítulo 5 Área de Relações com o mercado e Comunidades 4 Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional Seção Nome 02 Revisão 01 Diretrizes de Saúde e Segurança do Trabalho Emergência Para de Santarém 00 Inicial Data de Criação Próxima Revisão IN Instrução Normativa de Emergência Para Referência Completa de Santarém CAMPOS DE PREENCHIMENTO EXCLUSIVO PELA GEPLAN/GESTÃO ESTRATÉGICA. Documento Controlado - IN Página 1 de 15

2 Sumário 1. OBJETIVO ABRANGÊNCIA DEFINIÇÕES POLÍTICAS PAPÉIS E RESPONSABILIDADES DA UNIDADE RESPONSÁVEL Autoridade Portuária DAS UNIDADES TÉCNICA Autoridade Sanitária Autoridade Marítima Agência de Navegação Empresas e Comunidade Portuária SESMA E SESPA PROCEDIMENTOS ATENDIMENTO AO CASO SUSPEITOS A BORDO DA EMBARCAÇÃO ATENDIMENTO AOS CASOS SUSPEITOS COM O NAVIO EM OPERAÇÃO DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA CONSIDERAÇÕES GERAIS NOTAS EXPLICATIVAS ANEXOS APROVAÇÃO... 7 ANEXO I... 8 ANEXO II ANEXO III ANEXO IV Documento Controlado - IN Página 2 de 15

3 1. OBJETIVO Definir procedimentos para a Fase de Alerta de qualquer pandemia, estabelecendo ações, limites de atuação e normas de conduta técnica. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento operacional se aplica ao Porto de Santarém. 3. DEFINIÇÕES Termo SESMA SESPA TGL TGS TPA ANVISA CDP Autoridade Marítima Descrição Secretaria municipal de saúde Secretaria de estado de saúde publica Terminal de granéis líquidos Terminal de granéis sólidos Trabalhador portuário avulso Agencia Nacional de Vigilância Sanitária Companhia Docas do Pará Capitania dos portos 3.1. POLÍTICAS Atender o que estabelece a Nota Técnica ANVISA em Portos. Assim como, atender o que estabelece o Regulamento Internacional de Saúde Pública. 4. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES 4.1. DA UNIDADE RESPONSÁVEL Autoridade Portuária Será a facilitadora das ações estabelecidas no plano referente à atracação, desatracação, acesso, isolamento e evacuação da área Documento Controlado - IN Página 3 de 15

4 4.2. DAS UNIDADES TÉCNICA Autoridade Sanitária Instrução Normativa Emergencial Para Realizará uma avaliação de risco para verificar a existência de caso suspeito abordo da embarcação Autoridade Marítima Quando da sua competência, tomará todas as providências que se fizerem necessárias Agência de Navegação Dar apoio às ações estabelecidas neste procedimento Empresas e Comunidade Portuária Executar as ações estabelecidas neste procedimento SESMA E SESPA Realizar a avaliação epidemiologia nos tripulantes e trabalhadores portuários quando necessário 5. PROCEDIMENTOS 5.1. ATENDIMENTO AO CASO SUSPEITOS A BORDO DA EMBARCAÇÃO a. A ANVISA informa a Autoridade Portuária da necessidade de atracação do navio contendo caso suspeito; b. A ANVISA acionará a ambulância para realizar a remoção do caso suspeito; c. A Autoridade Portuária tomará as providências para atracação do navio no Píer 100, berço externo n.º 101; d. A Autoridade Portuária providenciará equipe para a atracação do navio; e. A Guarda Portuária irá providenciar o isolamento da área e estabelecerá a rota de remoção para a retirada do caso suspeito até a portaria principal; f. A Autoridade Portuária providenciará a evacuação da área; g. A Autoridade Portuária facilitará o acesso da ambulância ao porto para remoção do caso suspeito; Documento Controlado - IN Página 4 de 15

5 h. A Autoridade Portuária definirá posicionamento da ambulância na área de remoção do caso suspeito; i. A CDP facilitará a saída da ambulância; j. A ANVISA adotará os procedimentos estabelecidos em nota técnica atualizada; k. A Autoridade Portuária aguardará as informações provenientes da ANVISA, para demais providências ATENDIMENTO AOS CASOS SUSPEITOS COM O NAVIO EM OPERAÇÃO a. O comandante da embarcação informará a ANVISA sobre a existência de caso suspeito a bordo da embarcação; b. A ANVISA orientará o comandante da embarcação para isolar o caso suspeito; c. A ANVISA orientará os tripulantes a permanecerem a bordo da embarcação; d. A ANVISA informará a Autoridade Portuária da existência do caso suspeito no navio em operação; e. A Autoridade Portuária irá tomar as providências para interromper todas as operações portuárias; f. A Autoridade Portuária irá isolar a área de operação e se necessário realizará a evacuação da área; g. A Autoridade Portuária conduzirá os trabalhadores presentes na operação portuária, para Antiga Estação de Passageiro, para que a ANVISA ou Secretaria de Saúde possa realizar a avaliação de risco nos trabalhadores da CDP e trabalhadores portuários avulsos que tiveram contato direto com o caso suspeito. h. A ANVISA definirá os procedimentos adicionais necessários após a realização da avaliação de risco nos trabalhadores; Documento Controlado - IN Página 5 de 15

6 i. A Autoridade Portuária estabelecerá a rota de remoção, conforme layout anexo; j. A ANVISA acionará a ambulância para remoção do caso suspeito ou outro meio de transporte estabelecido pelo Ministério da Saúde. k. A Autoridade Portuária facilitará a entrada e saída da ambulância; l. A ANVISA adotará os procedimentos estabelecidos em nota técnica atualizada; m. A Autoridade Portuária aguardará as informações provenientes da ANVISA, para demais providências. 6. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA a. Ministério da saúde. Plano de resposta às emergências em saúde publica. b. Ministério da saúde. Plano de contingência a doença pelo vírus Ebolaversão 11 c. Organização Mundial de Saúde- Ebola vírus Disease. d. Organização Mundial de Saúde-Travel and transport risk assessment: Interim guidance for public health authorities and the transport sector. e. Organização Mundial de Saúde- Interim infection prevention and control guidance for care of patients with suspected or confirmed filovirus haemorrhagic fever in Health-care settings, with focus on Ebola. f. Organização de Aviação Civil Internacional- Documentos relacionados a saúde publica no site do CAPSCA. 7. CONSIDERAÇÕES GERAIS a. É proibida a permanência de pessoas na área de remoção de caso suspeito; b. A ANVISA realizará a avaliação de risco; c. Ocorrerá treinamento a todos os atores da Unidade Portuária de Santarém que estarão envolvidos neste procedimento; Documento Controlado - IN Página 6 de 15

7 d. A ANVISA, assim que detectar o caso suspeito acionará, além da CDP, a Vigilância Epidemiológica do Estado, Ministério da Saúde e SAMU; e. Após a retirada do caso suspeito, a ANVISA adotará os procedimentos estabelecidos em nota técnica atualizada; f. Após a desatracação do navio as áreas serão liberadas e as operações poderão ser retomadas normalmente; 8. NOTAS EXPLICATIVAS NOTA: Este procedimento passa a vigorar a partir da data de sua publicação e somente poderá ser alterado por nota técnica atualizada da ANVISA. 9. ANEXOS 10. APROVAÇÃO a. Anexo I - Fluxo de Informação de Remoção de Caso Suspeito no Porto de Santarém b. Anexo II - Rota de Remoção de Caso Suspeito no Píer 100 c. Anexo III - Fluxo de Informação de Remoção de Caso Suspeito em Navio Operando no Porto de Santarém d. Anexo IV - Rota de Remoção de Caso Suspeito em Navio Operando no Porto de Santarém Esta Instrução Normativa foi aprovada pela Deliberação CONSAD n 18/2015 da Diretoria Executiva da CDP DIREXE, em sua 447ª Reunião Ordinária realizada em 29/05/2015, e entra em vigor a partir da data de sua publicação. Parsifal Pontes de Jesus Diretor Presidente da CDP Olivio Antonio Palheta Gomes Diretor Administrativo-Financeiro Maria do Socorro Pirâmides Soares Diretora de Gestão Portuária Documento Controlado - IN Página 7 de 15

8 ANEXO I Fluxo de Informação de Remoção de Caso Suspeito no Porto de Santarém Documento Controlado - IN Página 8 de 15

9 ANEXO I Fluxo de Informação de Remoção de Caso Suspeito no Porto de Santarém Documento Controlado - IN Página 9 de 15

10 ANEXO II Rota de Remoção de Caso Suspeito no Píer 100 Documento Controlado - IN Página 10 de 15

11 ANEXO II Rota de Remoção de Caso Suspeito no Píer 100 Documento Controlado - IN Página 11 de 15

12 de Santarém Resolução Nº. XX/XXXX, Do Diretor Presidente da CDP DIRPRE. ANEXO III Fluxo de Informação de Remoção de Caso Suspeito em Navio Operando no Porto de Santarém Documento Controlado (ANEXO III-NG ) 15 Página 12 de

13 de Santarém Resolução Nº. XX/XXXX, Do Diretor Presidente da CDP DIRPRE. ANEXO III Fluxo de Informação de Remoção de Caso Suspeito em Navio Operando no Porto de Santarém Documento Controlado (ANEXO III-NG ) 15 Página 13 de

14 de Santarém Resolução Nº. XX/XXXX, Do Diretor Presidente da CDP DIRPRE. ANEXO IV Rota de Remoção de Caso Suspeito em Navio Operando no Porto de Santarém Documento Controlado (ANEXO III-NG ) 15 Página 14 de

15 de Santarém Resolução Nº. XX/XXXX, Do Diretor Presidente da CDP DIRPRE. ANEXO IV Rota de Remoção de Caso Suspeito em Navio Operando no Porto de Santarém Documento Controlado (ANEXO III-NG ) Página 15 de 15

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE NOVOS NEGÓCIOS DA CDP

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE NOVOS NEGÓCIOS DA CDP NORMA GERAL PARA GESTÃO DE NOVOS NEGÓCIOS DA CDP Norma Geral TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão 5 Área de Relações com o mercado e Comunidades 2 Planejamento de Mercado 01 Novos Serviços 01 Gestão de Novos

Leia mais

NORMA GERAL PARA O CREDENCIAMENTO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE COLETA DE RESÍDUO GERAL

NORMA GERAL PARA O CREDENCIAMENTO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE COLETA DE RESÍDUO GERAL NORMA GERAL PARA O CREDENCIAMENTO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE COLETA DE RESÍDUO GERAL TÍTULO Capítulo Norma Geral 5 Área de Relações com o mercado e Comunidades 5 Meio Ambiente Seção Nome 01

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA À SAÚDE PÚBLICA DO PORTO DE VITÓRIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA À SAÚDE PÚBLICA DO PORTO DE VITÓRIA PLANO DE CONTINGÊNCIA À SAÚDE PÚBLICA DO PORTO DE VITÓRIA CAIS DE CAPUABA / CAIS COMERCIAL Vitória, ES, 09 de Março de 2015 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... Página 3 2 AMBITO DE APLICAÇÃO... Página 3 3 ASPECTOS LEGAIS...

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE REUNIÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE REUNIÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA NORMA GERAL PARA GESTÃO DE REUNIÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão Norma Geral 1 Órgãos Colegiados e Comitês 3 Apoio aos Órgãos Colegiados 02 DIREXE 01 Gestão para Reuniões da

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE OPERAÇÃO MARÍTIMA DA CDP

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE OPERAÇÃO MARÍTIMA DA CDP NORMA GERAL PARA GESTÃO DE OPERAÇÃO MARÍTIMA DA CDP TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão Norma Geral 4 Área de Gestão de Engenharia e Operações Portuárias 1 Diretrizes Operacionais 01 Diretrizes Gerais de

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE GRATIFICAÇÃO TRIMESTRAL DA CDP

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE GRATIFICAÇÃO TRIMESTRAL DA CDP NORMA GERAL PARA GESTÃO DE GRATIFICAÇÃO TRIMESTRAL DA CDP Norma Geral TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão 3 Área Administrativa e Financeira 3 Recursos Humanos 02 Remuneração e Benefícios 01 Empregos, Cargos,

Leia mais

RESOLUÇÃO DIPRE Nº , DE 20 DE MAIO DE 2016.

RESOLUÇÃO DIPRE Nº , DE 20 DE MAIO DE 2016. RESOLUÇÃO DIPRE Nº 126.2016, DE 20 DE MAIO DE 2016. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL E PARA O FORNECIMENTO DE ÓLEOS LUBRIFICANTES ÀS EMBARCA- ÇÕES, NAS ÁREAS DO

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ENCERRAMENTO CONTÁBIL DA CDP

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ENCERRAMENTO CONTÁBIL DA CDP NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ENCERRAMENTO CONTÁBIL DA CDP Norma Geral TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão 3 Área Administrativa e Financeira 7 Contabilidade 02 Fechamento e Relatórios Contábeis 01 Gestão

Leia mais

RESOLUÇÃO de novembro de 2012

RESOLUÇÃO de novembro de 2012 RESOLUÇÃO 52 20 de novembro de 2012 O DIRETOR-PRESIDENTE DA COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO - CODESA, no uso da atribuição que lhe confere a letra g, do artigo 17, do Estatuto Social da Companhia, e

Leia mais

1. Introdução. 2. Definição de Caso suspeito durante uma viagem marítima

1. Introdução. 2. Definição de Caso suspeito durante uma viagem marítima NÚMERO: 013/2014 DATA: 11/08/2014 ATUALIZAÇÃO 13/11/2015 ASSUNTO: Doença por vírus Ébola. Procedimentos de vigilância de viajantes por via marítima PALAVRAS-CHAVE: Ébola; Portos; Autoridades de Saúde;

Leia mais

RESOLUÇÃO DP Nº , DE 17 FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO DP Nº , DE 17 FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO DP Nº. 36.2014, DE 17 FEVEREIRO DE 2014. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL E PARA OS DE FORNECIMENTO DE ÓLEOS LUBRIFICANTES ÀS EMBARCAÇÕES, NAS ÁREAS DO

Leia mais

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 011/2014 DPC /03/2014 NORMAM, VISTORIAS, INSPEÇÕES E PERÍCIAS A S S U N T O

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 011/2014 DPC /03/2014 NORMAM, VISTORIAS, INSPEÇÕES E PERÍCIAS A S S U N T O C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 011/2014 DPC-02-02 132 18/03/2014 NORMAM, VISTORIAS, INSPEÇÕES E PERÍCIAS A S S U N T O Assunto : Altera a Abrangência do Acordo de Delegação de Competência

Leia mais

Este documento visa descrever os procedimentos globais para realização das operações de Abastecimento de Combustíveis.

Este documento visa descrever os procedimentos globais para realização das operações de Abastecimento de Combustíveis. 1 Objetivo Este documento visa descrever os procedimentos globais para realização das operações de Abastecimento de Combustíveis. 2 Abrangência O presente documento se aplica às empresas prestadoras de

Leia mais

PROC 004 / UNIDADE DE SEGURANÇA DO TESC TRÂNSITO INTERNO

PROC 004 / UNIDADE DE SEGURANÇA DO TESC TRÂNSITO INTERNO PROC 004 / UNIDADE DE SEGURANÇA DO TESC TRÂNSITO INTERNO Estabelece regras para o trânsito interno do TESC. Por ordem da Diretoria do TESC, a Supervisora de Segurança Portuária, com base no Plano Nacional

Leia mais

NORMA GERAL PARA CREDENCIAMENTO DE AGÊNCIA DE NAVEGAÇÃO

NORMA GERAL PARA CREDENCIAMENTO DE AGÊNCIA DE NAVEGAÇÃO NORMA GERAL PARA CREDENCIAMENTO DE AGÊNCIA DE NAVEGAÇÃO TÍTULO 3 Diretoria de Gestão Portuária Capítulo 1 Diretrizes Operacionais Seção 00 Diretrizes Gerais de Gestão Portuária Nome 01 Norma para Credenciamento

Leia mais

Regulamentação externa e interna

Regulamentação externa e interna Regulamentação externa e interna Dada a extensão das atribuições da APL, S.A. e da sua área de jurisdição, as normas que regem a respetiva atividade ou que têm interesse para a mesma são muito diversas.

Leia mais

NOTA TÈCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA AFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONIAS DE SAÚDE

NOTA TÈCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA AFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONIAS DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDMEIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC NOTA TÈCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA AFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONIAS

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO

COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO N O R M A P - 1 NORMA DE TRÁFEGO E PERMANÊNCIA DE NAVIOS E EMBARCAÇÕES NO PORTO DE VITÓRIA CODESA 0 PORTO DE VITÓRIA 1 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS 1.1 Localizações COMPANHIA

Leia mais

NORMA GERAL PARA MUDANÇA DE LOTAÇÃO E/OU TRANSFERÊNCIA DEFINITIVA DA CDP

NORMA GERAL PARA MUDANÇA DE LOTAÇÃO E/OU TRANSFERÊNCIA DEFINITIVA DA CDP NORMA GERAL PARA MUDANÇA DE LOTAÇÃO E/OU TRANSFERÊNCIA DEFINITIVA DA CDP Norma Geral TÍTULO 3 Área Administrativa e Financeira Capítulo 3 Recursos Humanos Seção 01 Diretrizes de Recursos Humanos Nome 01

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 28, DE 08 DE JUNHO DE 2004.

RESOLUÇÃO Nº 28, DE 08 DE JUNHO DE 2004. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA NOS PORTOS, TERMINAIS E VIAS NAVEGÁVEIS - CONPORTOS RESOLUÇÃO Nº 28, DE 08 DE JUNHO DE 2004. Dispõe sobre a concessão de Declaração de Proteção

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO SIC

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO SIC NORMA GERAL PARA GESTÃO DO SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO SIC Norma Geral TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão 1 Órgãos Colegiados e Comitês 4 Ouvidoria Geral 02 Diretrizes Gerais do SIC 01 Gestão do Serviço

Leia mais

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2013 SEP /12/2013 SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS - SEP A S S U N T O

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2013 SEP /12/2013 SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS - SEP A S S U N T O C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2013 SEP-00-00 04 04/12/2013 SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS - SEP A S S U N T O Assunto : Define as Entidades Responsáveis e os Procedimentos Para as

Leia mais

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1. COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES 1.1 COMPANHIA DOCAS DO PARÁ Cabe a CDP, enquanto Autoridade Portuária, a implantação, o gerenciamento e a fiscalização de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Paulo Bornhausen) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Paulo Bornhausen) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Paulo Bornhausen) Dispõe sobre o exercício da profissão de supervisor de segurança portuária. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A profissão de supervisor de segurança

Leia mais

CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE IMBITUBA - CAPPI RESUMO DAS DELIBERAÇÕES

CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE IMBITUBA - CAPPI RESUMO DAS DELIBERAÇÕES CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE IMBITUBA - CAPPI RESUMO DAS DELIBERAÇÕES ANO DELIBERAÇÃO N.º ASSUNTO DATA 1993 001 Reajuste Tarifário. 30/06/93 002 Homologa Proposta de Programa de Trabalho,

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE EMPREGOS, CARGOS, FUNÇÕES E SALARIOS CDP

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE EMPREGOS, CARGOS, FUNÇÕES E SALARIOS CDP NORMA GERAL PARA GESTÃO DE EMPREGOS, CARGOS, FUNÇÕES E SALARIOS CDP Norma Geral TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão 3 Área Administrativa e Financeira 4 Gestão de Carreiras 05 Plano de Empregos e Salários

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP 1. OBJETIVO A Gestão de Risco da CDP visando dar segurança e consistência aos processos da Companhia, bem como levantar informações a fim de auxiliar a Alta Direção da

Leia mais

Acionamento em situações emergenciais

Acionamento em situações emergenciais 1 Objetivo Descrever o procedimento a ser seguido ao ser necessário o acionamento da Base de Emergência do Porto de Itajaí (ECOSORB), Bombeiros Socorristas do OGMO (Ambulância), SAMU, e Corpo de Bombeiros,

Leia mais

Manual de Elaboração de Normas e Procedimentos

Manual de Elaboração de Normas e Procedimentos Manual de Elaboração de Normas e Procedimentos TÍTULO 1 Presidência Capítulo 1 Diretrizes Gerais Seção 02 Planejamento Nome 1 Manual de Elaboração de Normas e Procedimentos Revisão Referência completa

Leia mais

Regras Gerais de Atendimento aos Navios no Porto de Vila do Conde

Regras Gerais de Atendimento aos Navios no Porto de Vila do Conde KFM/dsl. Regras Gerais de Atendimento aos Navios no Porto de Vila do Conde Anexo à Deliberação CAP n o 07/2006, de 26.10.2006 Art. 1º. A atracação dos navios no Porto de Vila do Conde somente será concedida

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE FATURAMENTO DA CDP

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE FATURAMENTO DA CDP NORMA GERAL PARA GESTÃO DE FATURAMENTO DA CDP TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão Norma Geral 3 Área Administrativa e Financeira 6 Controladoria e Faturamento 03 Contas a Receber 01 Gestão de Faturamento

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento em Gestão e Operação Portuária

Curso de Aperfeiçoamento em Gestão e Operação Portuária Curso de Aperfeiçoamento em Gestão e Operação Portuária Carga Horária: 48 horas Coordenador: Prof. Dr. João Ferreira Neto Conteúdo Programático: 1.1 Introdução aos Sistemas Portuários (4 h) Apresentação

Leia mais

Audiência Pública sobre segurança dos consumidores de cruzeiros marítimos no Brasil Responsabilidades da Autoridade Marítima

Audiência Pública sobre segurança dos consumidores de cruzeiros marítimos no Brasil Responsabilidades da Autoridade Marítima MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS Audiência Pública sobre segurança dos consumidores de cruzeiros marítimos no Brasil Responsabilidades da Autoridade Marítima CMG MAURO GUIMARÃES CARVALHO

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 42, DE 25 DE OUTUBRO DE 2010

RESOLUÇÃO-RDC Nº 42, DE 25 DE OUTUBRO DE 2010 RESOLUÇÃO-RDC Nº 42, DE 25 DE OUTUBRO DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de disponibilização de preparação alcoólica para fricção antisséptica das mãos, pelos serviços de saúde do País, e dá outras

Leia mais

Legislação Pertinente à Autoridade Marítima

Legislação Pertinente à Autoridade Marítima MARINHA DO BRASIL Legislação Pertinente à Autoridade Marítima Capitão-de-Corveta (T) PÉRICLES SUMÁRIO 1.0 - Legislação Nacional e Internacional 2.0 - Legislação Internacional + Códigos e Convenções 3.0

Leia mais

Nota Técnica 07/2015 Atualização de medidas de prevenção e controle do Ebola em Pontos de Entrada

Nota Técnica 07/2015 Atualização de medidas de prevenção e controle do Ebola em Pontos de Entrada Nota Técnica 07/2015 Atualização de medidas de prevenção e controle do Ebola em Pontos de Entrada Gerência-Geral de Instalações e Serviços de Interesse Sanitário, Meios de Transporte e Viajantes em Portos,

Leia mais

RESOLUÇÃO DP Nº 73/2008, DE 29 DE MAIO DE 2008.

RESOLUÇÃO DP Nº 73/2008, DE 29 DE MAIO DE 2008. RESOLUÇÃO DP Nº 73/2008, DE 29 DE MAIO DE 2008. ESTABELECE AS REGRAS DE ATRACAÇÃO NO CAIS DO SABOÓ E SUAS RESPECTIVAS PRIORIDADES E PREFERÊNCIAS. O DIRETOR-PRESIDENTE DA COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Capítulo 2 Cenários Acidentais

Capítulo 2 Cenários Acidentais Capítulo 2 Cenários Acidentais INTRODUÇÃO COMPANHIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTUÁRIA Em 2008 a Resolução CONAMA 293/01 foi revisada e substituída pela Resolução CONAMA 398/08. A CONAMA 398/08 definiu

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 145, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015

DELIBERAÇÃO Nº 145, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 DELIBERAÇÃO Nº 145, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 Altera a Resolução CONTRAN nº 425, de 27 de novembro de 2012, que dispõe sobre o exame de aptidão física e mental, a avaliação psicológica e o credenciamento

Leia mais

Texto transcrito pela Invitare Pesquisa Clínica

Texto transcrito pela Invitare Pesquisa Clínica título: Resolução RDC nº 215, de 25 de julho de 2005 ementa não oficial: Aprova o Regulamento Técnico Listas de Substâncias que os Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes não Devem Conter Exceto

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE CONTENCIOSOS TRABALHISTAS DA CDP

NORMA GERAL PARA GESTÃO DE CONTENCIOSOS TRABALHISTAS DA CDP NORMA GERAL PARA GESTÃO DE CONTENCIOSOS TRABALHISTAS DA CDP Norma Geral TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão 2 Presidência 4 Jurídico 02 Contenciosos 01 Gestão de Contenciosos Trabalhistas 00 Inicial Data

Leia mais

TERMINAL SALINEIRO DE AREIA BRANCA

TERMINAL SALINEIRO DE AREIA BRANCA TERMINAL SALINEIRO DE AREIA BRANCA TARIFA APROVADA PELA ANTAQ RES. 3.393/2014, DE 21/05/2014 DIREXE 1.314/2014, Resolução 073 de 30/07/2014 1 TARIFÁRIO DO TERMINAL SALINEIRO DE AREIA BRANCA Tabela I -

Leia mais

RESOLUÇÃO DP Nº , DE 27 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO DP Nº , DE 27 DE NOVEMBRO DE 2012. RESOLUÇÃO DP Nº. 101.2012, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2012. ESTABELECE A OBRIGATORIEDADE DA ENTREGA DA DECLARAÇÃO DE BENS E RENDAS A TODOS OS EMPREGADOS DA CODESP. O DIRETOR-PRESIDENTE da COMPANHIA DOCAS DO

Leia mais

1º do art. 1º, vigentes na data de entrada em vigor desta Resolução, serão automaticamente cancelados.

1º do art. 1º, vigentes na data de entrada em vigor desta Resolução, serão automaticamente cancelados. RESOLUÇÃO - RDC Nº 145, DE 21 DE MARÇO DE 2017 Proíbe em todo o território nacional a fabricação, importação e comercialização, assim como o so em serviços de saúde, dos termômetros e esfigmomanômetros

Leia mais

Plano de Área PA Porto Organizado de São Sebastião. Maio de 2012

Plano de Área PA Porto Organizado de São Sebastião. Maio de 2012 Plano de Área PA Porto Organizado de São Sebastião Maio de 2012 LEI Nº 9.966, DE 28 DE ABRIL DE 2000 REQUISITO LEGAL Art. 7º Os portos organizados, instalações portuárias e plataformas, bem como suas instalações

Leia mais

CDP Companhia Docas do Pará. Belém, 10 de Maio de DTA Engenharia

CDP Companhia Docas do Pará. Belém, 10 de Maio de DTA Engenharia ELABORAÇÃO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA, FINANCEIRA E AMBIENTAL PARA ARRENDAMENTO DAS ÁREAS 16 e 1 SUL DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO DO PORTO DE SANTARÉM - PA, TOTALIZANDO 31.690

Leia mais

Aplicação do estudo completo para realização de operação de STS atracado a contrabordo nos berços 3-A e 3-B de SUAPE

Aplicação do estudo completo para realização de operação de STS atracado a contrabordo nos berços 3-A e 3-B de SUAPE Aplicação do estudo completo para realização de operação de STS atracado a contrabordo nos berços 3-A e 3-B de SUAPE Francisco Haranaka AB-LO/TM/EO Tecnologia, Eficiência Operacional e Novas Operações

Leia mais

2 Responsáveis Técnicos do Meio Ambiente

2 Responsáveis Técnicos do Meio Ambiente Plano de Contingência ao Vírus Influenza H1N1. Abril / 2016 Responsáveis: 1 Porto de Cabedelo. Representante Legal: Gilmara Pereira Temóteo Diretora Presidente Telefone: (83) 3250 3058 E-mail: gilmara_temoteo@hotmail.com

Leia mais

PE-CONS 32/16 DGB 2A UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 13 de setembro de 2016 (OR. en) 2015/0308 (COD) PE-CONS 32/16 FRONT 282 PECHE 259 COMIX 500 CODEC 1005

PE-CONS 32/16 DGB 2A UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 13 de setembro de 2016 (OR. en) 2015/0308 (COD) PE-CONS 32/16 FRONT 282 PECHE 259 COMIX 500 CODEC 1005 UNIÃO EUROPEIA PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO 2015/0308 (COD) PE-CONS 32/16 Bruxelas, 13 de setembro de 2016 (OR. en) FRONT 282 PECHE 259 COMIX 500 CODEC 1005 ATOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS Assunto:

Leia mais

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa 2018 Cabe à LCT Lisbon Cruise Terminals, Ld.ª, enquanto empresa concessionária do Terminal de Cruzeiros de Lisboa, nos termos do Contrato

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria dos Transportes de Mobilidade Superintendência do Porto de Rio Grande - SUPRG

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria dos Transportes de Mobilidade Superintendência do Porto de Rio Grande - SUPRG ORDEM DE SERViÇO N 003, DE 24 DE FEVERERO DE 2016 REGULA O USO DOS BERÇOS DE ATRACAÇÃO DO PORTO NOVO DURANTE OBRA DE MODERNZAÇÃO DO CAS. o DRETOR SUPERNTENDENTE DA SUPERNTENDÊNCA DO PORTO DO RO GRANDE

Leia mais

Circular 586/2014 São Paulo, 10 de Novembro de 2014.

Circular 586/2014 São Paulo, 10 de Novembro de 2014. Circular 586/2014 São Paulo, 10 de Novembro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) FORMULÁRIOS DE DECLARAÇÃO DE ÓBITO E DECLARAÇÃO DE NASCIDO VIVO NO ÂMBITO DO ESTADO DE SÃO PAULO Diário Oficial do Estado

Leia mais

Comunicação e Acionamento Inicial de Situações de Emergência

Comunicação e Acionamento Inicial de Situações de Emergência 1 Objetivo Descrever o procedimento para a comunicação inicial de situações emergenciais que desencadeiem o acionamento do Plano de Individual - PEI ou do Plano de Controle de s - PCE. 2 Abrangência Este

Leia mais

RESOLUÇÃO de julho de 2013

RESOLUÇÃO de julho de 2013 RESOLUÇÃO 28 04 de julho de 2013 O DIRETOR-PRESIDENTE DA COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO - CODESA, no uso da atribuição que lhe confere a letra g, do artigo 17, do Estatuto Social da Companhia, e consoante

Leia mais

1) A finalidade de tornar competitiva a utilização da retroárea de Capuaba para operações de armazenagem de granito em blocos.

1) A finalidade de tornar competitiva a utilização da retroárea de Capuaba para operações de armazenagem de granito em blocos. RESOLUÇÃO 068 27 de outubro de 2008 DISPÕE SOBRE DESCONTO TARIFÁRIO REFERENTE ÀS TABELAS DE ARMAZENAGEM DE CARGA. O DIRETOR-PRESIDENTE DA COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO - CODESA, no uso da atribuição

Leia mais

Proposta de Biblioteca de temas de Portos, Aeroportos e Fronteiras

Proposta de Biblioteca de temas de Portos, Aeroportos e Fronteiras Proposta de Biblioteca de temas de Portos, Aeroportos e Fronteiras Sumário TEMAS DO MACROTEMA PORTOS, AEROPORTOS E FRONTEIRAS... 3 TEMAS DE CARACTERÍSTICA GERAL... 4 1. Vigilância Epidemiológica em Portos,

Leia mais

PORTARIA No- 204, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016

PORTARIA No- 204, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PORTARIA No- 204, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2016 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

OZEAN ESCOLA NÁUTICA CAPÍTULO 13 NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA (NORMAM 03/2003)

OZEAN ESCOLA NÁUTICA  CAPÍTULO 13 NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA (NORMAM 03/2003) OZEAN ESCOLA NÁUTICA CAPÍTULO 13 NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA (NORMAM 03/2003) Conforme mencionado no Cap. 9, a Lei n 9.537, de 11 de dezembro de 1997 que dispõe sobre a SEGURANÇA DO TRÁFEGO AQUAVIÁRIO

Leia mais

Subsequente. ESTRATÉGIAS DE ENSINO (teóricas e práticas)

Subsequente. ESTRATÉGIAS DE ENSINO (teóricas e práticas) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS ITAJAÍ PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO Unidade Curricular:

Leia mais

DECRETO Nº , DE 22 DE MAIO DE 2013

DECRETO Nº , DE 22 DE MAIO DE 2013 DECRETO Nº 59.218, DE 22 DE MAIO DE 2013 Altera a denominação da Divisão Especial de Atendimento ao Turista - DEATUR, do Departamento de Capturas e Delegacias Especializadas - DECADE, da Polícia Civil

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004.

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA NOS PORTOS, TERMINAIS E VIAS NAVEGÁVEIS - CONPORTOS RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004. Dispõe sobre a regulamentação para a realização

Leia mais

GUIA VTS PORTO DO AÇU-RJ

GUIA VTS PORTO DO AÇU-RJ GUIA VTS PORTO DO AÇU-RJ REV. DATA ELABORAÇÃO VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO 0 01/02/2017 Valter Barbosa Joffre Villote Álisson Freire 1 15/02/2017 Valter Barbosa Gustavo Cruz Álisson Freire BRASIL - AÇU Procedimentos

Leia mais

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 010/2017 DPC /05/2017 CAPITANIA DOS PORTOS A S S U N T O

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 010/2017 DPC /05/2017 CAPITANIA DOS PORTOS A S S U N T O C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 010/2017 DPC-06-00 020 03/05/2017 CAPITANIA DOS PORTOS A S S U N T O Assunto: Altera as Normas e Procedimentos da Capitania dos Portos do Rio de Janeiro

Leia mais

Relatório Descritivo da Estrutura de Gerenciamento de Capital do Bancoob.

Relatório Descritivo da Estrutura de Gerenciamento de Capital do Bancoob. Relatório Descritivo da Estrutura de Gerenciamento de Capital do Bancoob. Índice Título 1: Apresentação... 3 Título 2: Estrutura de Gerenciamento de Capital... 4 Título 3: Aprovação... 6 2 Relatório Descritivo

Leia mais

AS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA

AS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS AS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ITOPF / TRANSPETRO SEMINAR - 18/NOV/2009 - SUMÁRIO 1. REFERÊNCIAS LEGAIS 1.1. Atribuições da Autoridade Marítima 1.2. Legislações

Leia mais

GUIA VTS PORTO DO AÇU-RJ

GUIA VTS PORTO DO AÇU-RJ GUIA VTS PORTO DO AÇU-RJ REV. DATA ELABORAÇÃO VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO 0 01/08/2016 Valter Barbosa Joffre Villote Joffre Villote BRASIL - AÇU Procedimentos do VHF 1. Ao adentrar ou deixar a Área VTS; e ao

Leia mais

TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão

TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão TIAGO PEREIRA LIMA DIRETOR DA ANTAQ WORLDCUP INFRASTRUCTURE SUMMIT 8 de Dezembro de 2009. Aspectos Institucionais Criada pela Lei nº 10.233, de 5 de

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Edital n.º 82/2000 (2.ª série). AP. Carlos Alberto Pinto de Oliveira, presidente da Câmara Municipal da Azambuja: Torna público

Leia mais

Praia oceânica Nome: Urbana Não urbana Costão. Piscina Coletiva Clube Escola de natação Escola Condomínio Parque aquático Residencial

Praia oceânica Nome: Urbana Não urbana Costão. Piscina Coletiva Clube Escola de natação Escola Condomínio Parque aquático Residencial FICHA DE SUPORTE NA AVALIAÇÃO E RELATÓRIO INDIVIDUAL DE ÁREA DE ATENÇÃO E DE ATIVIDADES DE RISCO EM AFOGAMENTO (cada área é avaliada separada em detalhes aqui) FORMULÁRIO Nº 01 Data do cadastro: 06/02/2017

Leia mais

PORTOS E LOGÍSTICA (/NOTICIAS/PORTOS-E-LOGISTICA) há 6 horas

PORTOS E LOGÍSTICA (/NOTICIAS/PORTOS-E-LOGISTICA) há 6 horas PORTOS E LOGÍSTICA (/NOTICIAS/PORTOS-E-LOGISTICA) há 6 horas Terminal em Paranaguá entra na primeira lista de concessões portuárias (/noticias/portos-elogistica/35571-terminalem-paranagua-entra-naprimeira-lista-deconcessoes-portuarias)

Leia mais

PORTO DE SANTANA AMAPÁ

PORTO DE SANTANA AMAPÁ PORTO DE SANTANA AMAPÁ (Porto de Macapá) HISTÓRICO A construção do Porto de Santana (antigo Porto de Macapá) foi iniciada em 1980, com a finalidade original de atender à movimentação de mercadorias por

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.827, DE 30 DE JANEIRO DE Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação.

CIRCULAR Nº 3.827, DE 30 DE JANEIRO DE Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. CIRCULAR Nº 3.827, DE 30 DE JANEIRO DE 2017 Altera e divulga o Regulamento do Comitê de Estabilidade Financeira (Comef). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 20 de janeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e definição dos mecanismos para rastreamento de medicamentos, por meio de tecnologia

Leia mais

ENTENDENDO O VGM VERIFIED GROSS MASS

ENTENDENDO O VGM VERIFIED GROSS MASS ENTENDENDO O VGM VERIFIED GROSS MASS 1 Por que foi criada essa exigência? Segurança é fundamental para as operações de navegação e, lamentavelmente, muitos clientes (não somente no Brasil) informam equivocadamente

Leia mais

RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 039/2013. relacionadas às áreas da Medicina Veterinária e da Zootecnia, e aprovar o Manual de

RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 039/2013. relacionadas às áreas da Medicina Veterinária e da Zootecnia, e aprovar o Manual de RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 039/2013. Ementa: Dispõe sobre as regras a serem seguidas pelos profissionais Médicos Veterinários e Zootecnistas na função de Responsável Técnico em atividades relacionadas às áreas

Leia mais

ASSUNTO: NUTRIÇÃO ENTERAL POR BOMBA DE INFUSÃO EM DOMICILIO.

ASSUNTO: NUTRIÇÃO ENTERAL POR BOMBA DE INFUSÃO EM DOMICILIO. PARECER COREN/GO Nº 005/CTAP/2017 ASSUNTO: NUTRIÇÃO ENTERAL POR BOMBA DE INFUSÃO EM DOMICILIO. I. Dos fatos A Secretaria do Coren/GO recebeu em 23 de junho de 2016 correspondência, solicitando esclarecimentos

Leia mais

2.1. Esta Política aplica-se a todas as entidades do grupo SOMOS Educação.

2.1. Esta Política aplica-se a todas as entidades do grupo SOMOS Educação. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS 1. Objetivo 1.1. A presente Política de Transações com Partes Relacionadas ("Política") tem por objetivo estabelecer as regras e os procedimentos a serem

Leia mais

Porto de Rio Grande (RS) Plano Específico de Contingência à Influenza

Porto de Rio Grande (RS) Plano Específico de Contingência à Influenza Porto de Rio Grande (RS) Plano Específico de Contingência à Influenza Revisado em Maio/2009 1 Serviço Público Federal Ministério dos Transportes Secretaria Especial de Portos Autoridade Portuária: Superintendência

Leia mais

INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NSCA 3-7 RESPONSABILIDADES DOS OPERADORES DE AERONAVES EM CASO DE ACIDENTE E DE INCIDENTE AERONÁUTICO E OCORRÊNCIA

Leia mais

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma:

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura de gerenciamento do risco operacional apresentada

Leia mais

Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº , de 12 de março de 2003, e dá outras providências.

Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº , de 12 de março de 2003, e dá outras providências. DECRETO Nº 26.266, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003. Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº 25.297, de 12 de março de 2003, e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

Este aviso altera os avisos anteriores. Os itens alterados estão em vermelho. AVISO DE REGATA - #3

Este aviso altera os avisos anteriores. Os itens alterados estão em vermelho. AVISO DE REGATA - #3 Este aviso altera os avisos anteriores. Os itens alterados estão em vermelho. AVISO DE REGATA - #3 1. AUTORIDADE ORGANIZADORA 1.1 Veleiros do Sul Sociedade Náutica Desportiva e Veleiros Saldanha da Gama

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 715, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva)

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 715, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 715, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva) Susta a aplicação da RDC nº 41/2012 da ANVISA. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA E CONSTITUIÇÃO

Leia mais

SOBRE PLANTÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM PORTOS, AEROPORTOS E FRONTEIRAS.

SOBRE PLANTÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM PORTOS, AEROPORTOS E FRONTEIRAS. À Diretoria Colegiada da ANVISA, SOBRE PLANTÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM PORTOS, AEROPORTOS E FRONTEIRAS. As primeiras ações de Vigilância Sanitária no Brasil começam no final do século XVIII para evitar

Leia mais

LOC Brasil OAB Direito Marítimo, Portuário e Aduaneiro Importantes Personagens da Indústria Naval

LOC Brasil OAB Direito Marítimo, Portuário e Aduaneiro Importantes Personagens da Indústria Naval OAB Direito Marítimo, Portuário e Aduaneiro Importantes Personagens da Indústria Naval LOC Brasil 2016 Wagner Mentzingen Rodrigues w.rodrigues@loc-group.com Rua da Assembleia No. 10, suíte 2920 Rio de

Leia mais

PROCEDIMENTO LISTA DE VERIFICAÇÃO SEGURANÇA OPERACIONAL - LVSO Página: 1 / /09/2014 Atualização do capitulo 04 aplicação para o CEATE.

PROCEDIMENTO LISTA DE VERIFICAÇÃO SEGURANÇA OPERACIONAL - LVSO Página: 1 / /09/2014 Atualização do capitulo 04 aplicação para o CEATE. SEGURANÇA OPERACIONAL - LVSO Página: 1 / 6 SUMÁRIO DE REVISÕES Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 01 25/02/2014 Atualização do capitulo 03. 02 26/02/2014 Atualização do capitulo 04 aplicação para

Leia mais

POLÍTICA DE ESTRUTURA NORMATIVA

POLÍTICA DE ESTRUTURA NORMATIVA POLÍTICA DE ESTRUTURA NORMATIVA Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 DISPOSIÇÕES FINAIS...

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA AMBIENTAL - EAmbJr PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO. EDITAL N.º 1 EAmbJr / DRH , DE 25 DE SETEMBRO DE 2015.

EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA AMBIENTAL - EAmbJr PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO. EDITAL N.º 1 EAmbJr / DRH , DE 25 DE SETEMBRO DE 2015. EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA AMBIENTAL - EAmbJr PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO EDITAL N.º 1 EAmbJr / DRH 2015.2, DE 25 DE SETEMBRO DE 2015. EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA AMBIENTAL (EAmbJr) realizará processo

Leia mais

PORTARIA GM/MS Nº 2031, de 23 de setembro de 2004.

PORTARIA GM/MS Nº 2031, de 23 de setembro de 2004. PORTARIA GM/MS Nº 2031, de 23 de setembro de 2004. Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e Considerando

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PERIGOSAS V.01

PROCEDIMENTO PARA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PERIGOSAS V.01 PROCEDIMENTO PARA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PERIGOSAS V.01 Entende-se como Cargas Perigosas quaisquer cargas que, por serem explosivas, gases comprimidos ou liqüefeitos, inflamáveis, oxidantes, venenosas,

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regime de Infrações e Penalidades do Transporte Ferroviário de Produtos Perigosos no âmbito nacional.

Art. 1º Aprovar o Regime de Infrações e Penalidades do Transporte Ferroviário de Produtos Perigosos no âmbito nacional. Aprova o Regime de Infrações e Penalidades do Transporte Ferroviário de Produtos Perigosos no âmbito nacional. A Diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT, no uso de suas atribuições,

Leia mais

NORMA. INSPEÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO PALAVRAS-CHAVE Segurança do Trabalho, Inspeção, Ocorrências

NORMA. INSPEÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO PALAVRAS-CHAVE Segurança do Trabalho, Inspeção, Ocorrências TÍTULO NORMA CÓDIGO T.01.07 APROVAÇÃO DEX-549ª REVISÃO 01 INSPEÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO PALAVRAS-CHAVE Segurança do Trabalho, Inspeção, Ocorrências PÁG 1 / 7 DATA 16/06/2015 DATA 02/12/2015 SUMÁRIO

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Objetivo Geral Curso: Ciências Aeronáuticas Habilitação: Asas Rotatórias SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO O Curso de Ciências Aeronáuticas habilitação em asas rotativas tem como missão formar profissionais qualificados e ajustados

Leia mais

WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos

WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos São Paulo, 28 de outubro de 2015 CENÁRIO E PERSPECTIVAS DE MELHORIA NOS ACESSOS SUMÁRIO: Acesso Aquaviário - Evolução dos navios - Iniciativa Santos

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 494, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 494, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 494, DE 2009 Dispõe sobre a utilização do potencial de geração de energia elétrica dos aterros sanitários pelos municípios com mais de 200 mil habitantes. O CONGRESSO

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Política Nacional de Saúde do Trabalhador

Leia mais

Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê.

Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê. DECISÃO CETESB Nº 53, de 24/03/2009 Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê. A Diretoria Plena

Leia mais

Prefeitura Municipal de Esteio Oficina 6 : A organização de protocolos e gestão macro da Vigilância Sanitária

Prefeitura Municipal de Esteio Oficina 6 : A organização de protocolos e gestão macro da Vigilância Sanitária Prefeitura Municipal de Esteio Oficina 6 : A organização de protocolos e gestão macro da Vigilância Sanitária Palestrante: Ana Paula Macedo Vigilância Sanitária Entende-se por vigilância sanitária um conjunto

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2 Rede D Or São Luiz Sumário 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz...2 1.1. Objetivos...2 1.2. Abrangência...2 1.3. Diretrizes...2 Diretriz Econômica...2 Diretriz Social...3 Diretriz Ambiental...4

Leia mais