RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2010"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2010 ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 1 de 35

2 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2010 ÍNDICE Pág. ENQUADRAMENTO INTRODUÇÃO ACTIVIDADES Secretaria Movimento de Sócios Pelouro Social Serviços de Saúde Serviços de Educação Sala de Actividades Infantário Fundo de Assistência Social (FAS) Serviço de Bar Festa de Natal Pelouro Recreativo Coro da ATLNEC e Artes decorativas Sala de Jogos Pelouro Cultural Livraria e Biblioteca Cursos de Inglês Pelouro Desportivo Ginástica Protocolo com diversas entidades Movimento de Pessoal SÍNTESE EXPLICATIVA DAS CONTAS Área Social Serviços de saúde Oculista Serviços de educação Sala de Actividades Infantário Consultoria jurídica Bar Área cultural e recreativa Filatelia Livraria Canto Coral e Artes decorativas Ginástica, natação Cursos internos cursos de inglês Cartas de campismo Actividades Comuns RELATÓRIO TÉCNICO DE CONTAS CONSIDERAÇÕES FINAIS ANEXO I Relatório anual de contas. Ano de ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 2 de 35

3 ÍNDICE DE QUADROS Pág. Quadro 1 Movimento de sócios da ATLNEC entre 2004 e Quadro 2 Contagem de Sócios em 31 de Dezembro de Quadro 3 Número de inscritos nos anos lectivos em análise... 8 Quadro 4 Valor total e valor mensal do FAS 2004 a Quadro 5 Número de alunos inscritos e respectivas mensalidades Quadro 6 Distribuição de pessoal pelos diversos sectores da ATLNEC Quadro 7 Número de colaboradores permanentes Quadro 8 Número de colaboradores temporários da Sala de Actividades Quadro 9 Movimentos financeiros dos serviços médicos Quadro 10 Movimentos e resultados de Oculista Quadro 11 Movimentos e resultados da Sala de Actividades Quadro 12 Movimentos e resultados do Infantário Quadro 13 Movimentos e resultados de Bares Quadro 14 Movimentos e resultados de Filatelia Quadro 15 Movimentos e resultados de Livraria Quadro 16 Movimentos e resultados de Canto Coral e Artes Decorativas Quadro 17 Movimentos e resultados de Ginástica e Natação Quadro 18 Movimentos e resultados de Cursos Internos (cursos de inglês) Quadro 19 Cartas de Campismo Quadro 20 Movimentos e resultados das Actividades Comuns ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 3 de 35

4 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2010 ENQUADRAMENTO Não nos candidatamos porque tendo sido ex-candidatos ou por termos pertencido a uma qualquer anterior direcção ou tão pouco por o termos desejado. Aceitámos um desafio por imperativos de conjuntura. Somos uma equipa que encetou uma nova era da participação dos aposentados consequência da alteração recente dos estatutos da ATLNEC, por terem sido alteradas as premissas de participação da ATLNEC na sociedade. Por esta razão tivemos de começar do zero, como voluntários que somos é certo, mas com um voluntarismo nem sempre medido. As actividades desenvolvidas pela ATLNEC durante o ano de 2010 são apresentadas neste relatório de uma forma comparada (de 3 anos), permitindo assim aos Associados uma análise global e comparativa das actividades levadas a cabo durante o ano em apreço pela direcção cessante e a actual. No intervalo de tempo em análise, foram vários os acontecimentos que dificultaram fortemente a actuação da Direcção cessante e desta Direcção, a actual, tendo ocorrido profundas alterações de funcionamento, conforme a seguir se apresentam (aliás tem sido o referido por sucessivas direcções anteriores): 1. Alterações do enquadramento legal Particularmente no referente a questões de relacionamento no âmbito do posto médico. 2. Discussão, preparação e elaboração de dois Protocolos de Cooperação entre a ATLNEC e o LNEC, com vista à manutenção das valências do Infantário e das Salas de Actividades. Na sequência das profundas alterações de carácter legislativo ocorridas, e procurando manter em funcionamento as valências de Educação Sala de Actividades e Infantário foram elaborados e celebrados entre o LNEC e a ATLNEC, dois protocolos que asseguram a sua continuidade. a. Protocolo sobre gestão do infantário, assinado em b. Protocolo para a gestão da sala de actividades, assinado em ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 4 de 35

5 1 INTRODUÇÃO A Direcção da ATLNEC apresenta, neste relatório, a actividade desenvolvida e as contas de gerência, referentes ao ano em apreço. A Direcção da ATLNEC quer expressar a sua gratidão: - Ao Conselho Directivo do LNEC pelo suporte financeiro e logístico concedidos, para a prossecução das diversas actividades promovidas pela ATLNEC; - À funcionária Maria da Conceição Santos, pela sua dedicação e empenho na coordenação e funcionamento dos Bares; - Às três funcionárias da secção de expediente secretaria Rita Simões, Cristina Fernandes e Mara Araújo, pelo desempenho e brio demonstrado quer no apoio dado à direcção, inestimável, quer no trabalho de relações com todos os sócios que nem sempre fácil e compreensivo num período particularmente com muitas mudanças. - Aos trabalhadores ao serviço da ATLNEC em geral, pelo empenho demonstrado no desenvolvimento das suas actividades; - Ao Grupo de Aposentados que inestimavelmente colaboram com a ATLNEC na concretização de alguns eventos, designadamente, nas Festas de Natal e no Arraial dos Santos Populares; - Não esquecendo a direcção cessante sempre disponível; - Um agradecimento particular ao Conselho Fiscal; - Aos sócios pelas palavras incentivadoras. ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 5 de 35

6 2 ACTIVIDADES As actividades desenvolvidas pelos diferentes Sectores e Pelouros que constituem a Associação de Trabalhadores do LNEC (ATLNEC), durante o ano de 2010, não diferiram significativamente, em termos formais, das actividades desenvolvidas em anos precedentes, salvo alguns aspectos que serão referidos nos respectivos pelouros. 2.1 Secretaria A Secretaria forneceu e processou um elevado número de requisições apresentadas para serviços prestados aos associados e desenvolveu um elevado número de tarefas relativas às actividades de caixa e tesouraria, além do expediente de apoio ao funcionamento da Associação, o que, no seu conjunto, constitui um volume de trabalho muito importante, tendo em conta o reduzido número de trabalhadores. Pela previsão de que a situação gerada pelas alterações legislativas sucessivas vai tornado cada vez mais complexa, particularmente em relação a apoio prestado ao posto médico, a Direcção decidiu manter a assistência jurídica, estando ciente de necessidade de contenção de despesas, nomeadamente, a avença mensal com um Advogado. 2.2 Movimento de Sócios Após consulta detalhada do livro de registo de sócios, o movimento de sócios no ano de 2010 foi o apresentado no Quadro 1. Quadro 1 Movimento de sócios da ATLNEC entre 2004 e 2010 ANO Entradas Saídas Entradas Saídas Entradas Saídas Entradas Saídas Entradas Saídas Entradas Saídas Entradas Saídas Sócios efectivos Sócios eventuais Sócios agregados Sócios total O número total de sócios, em 31 de Dezembro de 2010, obtido por contagem directa dos Sócios inscritos, era o apresentado no Quadro 2. ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 6 de 35

7 Quadro 2 Contagem de Sócios em 31 de Dezembro de 2010 Ano de 2010 Número de Sócios Sócios efectivos (1) 624 Sócios agregados (2) 516 Sócios eventuais (1) 104 Total 1244 (1) (2) Quota de 2,33/mês Quota de 1,67/mês 2.3 Pelouro Social O Pelouro Social engloba os Serviços de Saúde, os Serviços de Educação (Sala de Actividades e Infantário), o Fundo de Assistência Social (FAS), o Apoio Jurídico, os Bares e a Festa de Natal, apresentando-se nos pontos seguintes o âmbito da sua actividade Serviços de Saúde Os Serviços de Saúde, desenvolvidos pela ATLNEC, compreenderam: i) o apoio ao LNEC no funcionamento do Posto Médico através do fornecimento de médicos em regime de prestação de serviços e da contratação de pessoal auxiliar; ii) a manutenção e celebração de novas convenções com um corpo de médicos e outros profissionais de saúde, em nome individual ou integrados em entidades, distribuídos por diversas especialidades, laboratórios, clínicas e sociedades médicas. No conjunto, os serviços de saúde prestados permitiram aos associados e seu agregado familiar dispor de uma assistência na saúde em condições mais favoráveis do que as de outros serviços. Importa ainda referir o acordo com 4 oculistas que permitem a aquisição de meios de correcção oftalmológica em condições especiais para os Associados. Os serviços de saúde continuam a ser muito solicitados pelos sócios e seus familiares com direito de acesso. Os acordos com a Farmácia Líbia a Farmácia Brisália e a Farmácia Rio de Janeiro, proporcionam benefícios equivalentes entre si Serviços de Educação Sala de Actividades Este serviço, que constitui um apoio inquestionável aos Sócios com filhos em idade escolar, foi proporcionado aos associados em duas modalidades: Férias e Todo o Ano. A primeira decorreu ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 7 de 35

8 durante os períodos de férias escolares e incluiu actividades recreativas, passeios, visitas de interesse formativo, várias semanas de praia, piscina, uma semana em Campo de Férias e a participação nas festas de Natal promovidas pela ATLNEC. A segunda modalidade, para além dos períodos de férias, incluiu também o apoio à realização dos trabalhos escolares, inglês, artes plásticas, música e outras actividades recreativas realizadas no decurso dos anos lectivos. Importa referir que na modalidade de Todo o ano o número de monitores é de dois elementos, mas na modalidade de Férias, dado o grande número de crianças inscritas, torna-se necessário, nos períodos de férias do Natal, Carnaval, Páscoa e Verão contratar colaboradores (cerca de 9 elementos) distribuídos por cerca de 4 meses, para assegurar um adequado funcionamento das actividades. Ao longo do ano a gestão interna da Sala de Actividades sofreu alterações com vista à optimização dos recursos de pessoal em função do número de alunos inscritos. Procurou-se ainda corresponder às solicitações e necessidades dos encarregados de educação. O número de inscritos na Sala de Actividades, entre 2003 e 2010, é apresentado no quadro seguinte (Quadro 3). Quadro 3 Número de inscritos nos anos lectivos em análise Modalidade de inscrição 2003/ / / / / / /2010 Todo o Ano Férias Total Os custos de funcionamento das Salas de Actividades foram suportados pelos Encarregados de educação, pelo LNEC e pela ATLNEC. Na Secção especifica deste relatório é apresentado um balancete com a descrição dos custos e proveitos da actividade para o período de tempo em apreço. Importa, no entanto, referir que regulado, pelo Protocolo para assegurar o funcionamento da Sala de Actividades com efeitos a partir de 1 de Janeiro de Em alguns anos o resultado desta actividade foi negativo (ver Secção 3 deste relatório) o que se deve à insuficiência do valor do subsídio do LNEC atribuído, pela Direcção da ATLNEC, ao orçamento da Sala de Actividades Infantário A actuação da ATLNEC no Infantário compreende o apoio ao seu funcionamento com a cedência de pessoal auxiliar, nos termos do protocolo celebrado entre o LNEC e a ATLNEC já referido. ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 8 de 35

9 2.3.3 Fundo de Assistência Social (FAS) Os valores do Fundo de Assistência Social (FAS) concedido aos Associados, entre 2004 e 2008, são os que se apresentam no Quadro 4. Quadro 4 Valor total e valor mensal do FAS 2004 a Valor total do FAS Valor mensal do FAS 2.300, , , ,00 369,00(*) ,67 229,17 150,00 150,00 92, (*) valor liquidado em quatro prestações Serviço de Bar O Bar constitui, no entender desta Direcção, simultaneamente, uma das fontes de receita da ATLNEC e um meio através do qual esta pode exercer uma parte da sua função social porque permite, designadamente, fornecer bebidas e refeições ligeiras aos seus sócios a preços substancialmente mais reduzidos do que os praticados no mercado. Este serviço manteve um funcionamento regular, assegurando a abertura simultânea dos três bares: Hidráulica (Principal), Gulbenkian e CDIT. Apenas o bar do Centro de Convívio se manteve fechado porque ainda não foi possível efectuar as obras necessárias. Além do funcionamento normal dos bares ainda foi prestado serviço de bar a eventos realizados no Centro de Congressos (CDIT) e/ou nos Departamentos do LNEC. Na gestão do Bar esteve sempre presente uma orientação no sentido de proporcionar os preços de venda mais reduzidos possíveis e produtos de qualidade nas melhores condições de higiene e segurança alimentar. Salienta-se o facto de a tabela de preços não ter sido alterada desde Na Secção 3 deste relatório é apresentado um balancete que permite verificar o movimento anual desta valência, designadamente, o montante das vendas, os encargos com o pessoal, encargos sociais e gerais e o saldo final obtido em cada ano Festa de Natal No dia 21 de Dezembro de 2010 foi realizada, com o apoio do LNEC, a tradicional festa de Natal, dedicada a associados, aos filhos e familiares. A festa teve a participação da Sala de Actividades, do Infantário e do Coro da ATLNEC. Também foram convidados artistas de magia que proporcionaram um espectáculo às crianças presentes. No fim da festa foram distribuídos brinquedos às crianças inscritas, de cerca 250, com idade entre 6 meses e 10 anos. ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 9 de 35

10 2.4 Pelouro Recreativo Coro da ATLNEC e Artes decorativas Ao pelouro recreativo da ATLNEC cabe como uma das suas tarefas principais, a manutenção e dinamização da actividade do Coro da Associação. Detalhes sobre a actividade do coro e da sua formação actual podem ser obtidos na página Na Secção 3 deste relatório é apresentado um balancete que permite verificar o movimento anual desta valência Sala de Jogos Foram mantidos, na sala de jogos do Centro de Convívio, os jogos e passatempos já existentes e que habitualmente animam as horas de almoço, com especial relevância para o ténis de mesa, bilhar e dominó. Contudo, regista-se um crescente défice de adesão a esta actividade, devido, provavelmente, a factores de ordem sociológica e ao avançado estado de uso dos equipamentos, pelo que, no futuro próximo deve ser encarada a substituição de alguns dos equipamentos e a promoção do uso da sala. Estima-se que a substituição dos equipamentos possa ter custos avultados pelo que a decisão deverá ser precedida da elaboração de um inquérito que permita avaliar a apetência pela existência desta sala de jogos. 2.5 Pelouro Cultural Livraria e Biblioteca A livraria e a biblioteca têm mantido a regularidade de funcionamento já estabelecida, à terça e quintas-feiras, durante a hora do almoço, no Centro de Convívio. A livraria constitui um benefício para os associados permitindo-lhes o acesso a livros e revistas com preços especiais e, por isso, as margens de comercialização são obtidas de acordo com critérios que proporcionem o menor custo aos associados, com eventual apoio da ATLNEC. Na Secção 3 deste relatório é apresentado um balancete que permite verificar o movimento anual desta valência, para cada um dos anos em apreço. Pelo facto de, no desempenho desta actividade haver a colaboração de pessoal da secretaria, não se consideraram nos custos os valores dos salários deste pessoal. Constata-se ainda que esta actividade apresentou uma tendência decrescente no seu movimento possivelmente em resultado da conjuntura socioeconómica do país, não excluindo outras razões. No entanto, esta direcção entende que esta actividade deverá continuar a ser desenvolvida e eventualmente apoiada. ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 10 de 35

11 2.5.2 Cursos de Inglês Manteve-se, da mesma forma permitindo aos associados inscritos frequentarem aulas de língua inglesa, a custos e em condições significativamente mais vantajosas do que apresentadas nos cursos oferecidos externamente. Esta actividade contou com o apoio do LNEC através da cedência das salas para a formação. Quadro 5 Número de alunos inscritos e respectivas mensalidades Níveis Nº de alunos 2003/ / / / /2008 Básico - - 5* 5* - Mensalidade Iniciação Mensalidade ,5 - - FCE FCE Advanced Mensalidade *- Alunos inscritos na Sala de Actividades Na Secção 3 deste relatório apresenta-se um balancete com descrição dos custos e proveitos desta actividade em cada ano de Filatelia Manteve-se, da mesma forma permitindo aos associados inscritos adquirirem as colecções de selos, tendo-se mantido a aquisição de selos nos CTT. 2.6 Pelouro Desportivo Ginástica Prosseguiram as aulas de ginástica no infantário. Os custos desta actividade constam da Secção 3 deste relatório, tendo sido fundamentalmente comparticipada pelos praticantes ou melhor pelos pais através da comissão de pais Protocolo com diversas entidades Foi dada continuação à cooperação firmada com o Clube Atlético de Alvalade, com o Clube Estrelas de S. João de Brito e com o Solinca, de modo a proporcionar aos Associados condições vantajosas para a prática desportiva. ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 11 de 35

12 Foram ainda estabelecidos novos protocolos com o Fitness Worx by Holmes Place (TAP) e com o Vivafit Alvalade. 2.7 Movimento de Pessoal A distribuição do pessoal pelos vários sectores da ATLNEC é o apresentado no Quadro 6. Quadro 6 Distribuição de pessoal pelos diversos sectores da ATLNEC Efectivos Contratados Prestadores de serviços Sector Secretaria Posto Médico Infantário Sala de Actividades Bares Total O número e distribuição dos colaboradores permanentes, não pertencentes aos quadros de pessoal, são apresentados no Quadro 7. No Quadro 8 apresenta-se a distribuição dos colaboradores temporários da Sala da Actividades. Quadro 7 Número de colaboradores permanentes Sector Colaboradores permanentes Secretaria Livraria Sala de Jogos Total ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 12 de 35

13 Quadro 8 Número de colaboradores temporários da Sala de Actividades Sector Sala de Actividades Colaboradores temporários (monitores) 2005/ / / / / ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 13 de 35

14 3 SÍNTESE EXPLICATIVA DAS CONTAS 1 Nesta Secção, a Direcção da ATLNEC pretende sintetizar de modo a tornar mais legível as contas de 21010, sem contudo prejudicar a sua apresentação detalhada, relativa a cada um dos anos em apreço, nos Anexos I a V. 3.1 Área Social Serviços de saúde Serviços médicos Na valência da área saúde, os movimentos financeiros mais significativos reportam-se aos serviços médicos, cujo proveito é repartido entre a comparticipação dos sócios e do LNEC. No Quadro 9 apresenta-se o movimento e o resultado relativo aos anos de 2008 a Esta Secção foi, no seu fundamental, preparada pela empresa de contabilidade Pereira & Franca, Lda. ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 14 de 35

15 Quadro 9 Movimentos financeiros dos serviços médicos Serviços Médicos Balancete em Dezembro de: Vendas 0,00 0,00 0,00 Prestação de serviços , , ,08 Subsídio Protocolo , , ,44 Encargo LNEC Posto Médico 0,00 0, ,77 Facturação ao LNEC (serv. Médicos) , ,25 0,00 Quotas 0,00 0,00 0,00 Outros Rendimentos e Ganhos 0,00 0,00 0,00 Total Proveitos , , ,29 Exist. Iniciais 0,00 0,00 0,00 Compras 0,00 0,00 0,00 Exist. Finais 0,00 0,00 0,00 Custo das mercadorias vendidas 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Internos , , ,91 FSE - Médicos Externos , , ,11 FSE Outros 0,00 0,00 0,00 Impostos 0,00 0,00 0,00 Gastos com o pessoal 0,00 0, ,38 Gastos de depreciação e de amortização 0,00 0,00 0,00 Outros Gastos e Perdas 0,00 0,00 0,00 Gastos e Perdas de Financiamento 0,00 0,00 0,00 Custos Comuns Imputados 0,00 0, ,30 Total dos Custos , , ,70 Resultado Liquido , , ,59 (Valores em Euros) ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 15 de 35

16 Oculista Quadro 10 Movimentos e resultados de Oculista Oculista Balancete em Dezembro de: Vendas 0,00 0,00 0,00 Prestação de serviços , , ,82 Encargo LNEC Posto Médico 0,00 0,00 0,00 Subsídio Protocolo 0,00 0,00 0,00 Quotas 0,00 0,00 0,00 Outros Rendimentos e Ganhos 0, ,86 0,00 Total Proveitos , , ,82 Exist. Iniciais 0,00 0,00 0,00 Compras , , ,01 Exist. Finais 0,00 0,00 0,00 Custo das mercadorias vendidas , , ,01 FSE - Médicos Internos 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Externos 0,00 0,00 0,00 FSE Outros 0,00 0,00 0,00 Gastos com o pessoal 0,00 0,00 0,00 Gastos de depreciação e de amortização 0,00 0,00 0,00 Outros Gastos e Perdas 0,00 0,00 0,00 Gastos e Perdas de Financiamento 0,00 0,00 0,00 Total dos Custos , , ,01 Resultado Liquido 2.161, ,75 828,81 ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 16 de 35

17 3.2.1 Serviços de educação Sala de Actividades No Quadro 11 apresentam-se os valores dos proveitos, custos e resultados desta actividade, nos anos de 2008 a Quadro 11 Movimentos e resultados da Sala de Actividades Salas actividades Balancete Dezembro: Vendas 0,00 0,00 0,00 Prestação de serviços , , ,67 Subsídio Protocolo , , ,00 Encargo LNEC Posto Médico 0,00 0,00 0,00 Facturação ao LNEC (serv. Médicos) 0,00 0,00 0,00 Quotas 0,00 0,00 0,00 Outros Rendimentos e Ganhos 0, ,70 837,50 Total Proveitos , , Exist. Iniciais 0,00 0,00 0,00 Compras 0,00 388,60 0,00 Exist. Finais 0,00 0,00 0,00 Custo das mercadorias vendidas 0,00 388,60 416,76 FSE - Médicos Internos 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Externos 0,00 0,00 0,00 FSE Outros , , ,54 Gastos com o pessoal , , ,55 Gastos de depreciação e de amortização 0,00 99,80 99,80 Outros Gastos e Perdas 0,00 0,00 0,00 Gastos e Perdas de Financiamento 0,00 0,00 0,00 Custos Comuns Imputados 0, , ,30 Total dos Custos , , ,19 Resultado Liquido 0, , ,02 (Valores em Euros) ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 17 de 35

18 Infantário Os valores correspondentes ao apoio ao funcionamento do Infantário foram integrados em Actividades comuns apresentada na Secção 3.4. Quadro 12 Movimentos e resultados do Infantário Infantário Balancete Dezembro: Vendas 0,00 0,00 Prestação de serviços 0, ,50 Subsídio Protocolo , ,66 Encargo LNEC Posto Médico 0,00 0,00 Facturação ao LNEC (serv. Médicos) 0,00 0,00 Quotas 0,00 0,00 Outros Rendimentos e Ganhos 3.365, ,00 Total Proveitos , ,16 Exist. Iniciais 0,00 0,00 Compras 0,00 416,76 Exist. Finais 0,00 0,00 Custo das mercadorias vendidas 0,00 0,00 FSE - Médicos Internos 0,00 0,00 FSE - Médicos Externos 0,00 0,00 FSE Outros 4.489, ,20 Gastos com o pessoal , ,29 Gastos de depreciação e de amortização 0,00 0,00 Outros Gastos e Perdas 0,00 0,00 Gastos e Perdas de Financiamento 0,00 0,00 Custos Comuns Imputados , ,30 Total dos Custos , ,79 Resultado Liquido 5.058, ,37 (Valores em Euros) ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 18 de 35

19 3.3.1 Consultoria jurídica Esta actividade corresponde ao apoio solicitado pelos sócios ao conjunto de Juristas convencionados com a ATLNEC, neste ano não se verificou qualquer movimento através da ATLNEC Bar O Bar registou uma evolução muito positiva nas vendas, com um crescimento do volume de negócios em Quadro 13 Movimentos e resultados de Bares Contas Bar Vendas - Tabaco 527, Prestação de serviços , , ,49 Subsídio à exploração LNEC 0,00 0,00 0,00 Outros Rendimentos e Ganhos - Desc. PP Obtidos 226,03 160,02 216,72 Total Proveitos , , ,21 Exist. Iniciais 8.357, , ,35 Compras , , ,11 Exist. Finais 4.886, , ,83 Margem Bruta 51,14% 51,73% 52,28% Custo das mercadorias vendidas , , ,63 For. Serviços Externos 3.477, , ,14 Gastos com o pessoal , , ,96 Gastos de depreciação e de amortização 1.083, , ,55 Outros Gastos e Perdas 0,00 0,00 0,00 Gastos e Perdas de Financiamento 0,00 0,00 0,00 Total dos Custos , , ,28 IRC Resultado Líquido , , ,93 (Valores em Euros) A partir do ano de 2005 o pessoal do bar começou a receber prémios de produção variável, sendo que estes dependiam das metas alcançadas por cada bar. Os resultados obtidos traduzem um controlo dos custos fixos, nomeadamente, custos com o pessoal, conseguindo-se assim uma melhoria de produtividade. ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 19 de 35

20 3.3 Área cultural e recreativa Filatelia Os valores apresentados referem-se às compras efectuadas suportadas em diferido pelos associados (Quadro 14). Quadro 14 Movimentos e resultados de Filatelia Filatelia Balancete em Dezembro de: Vendas 293, , ,18 Prestação de serviços 0,00 0,00 0,00 Subsídio Protocolo 0,00 0,00 0,00 Encargo LNEC Posto Médico 0,00 0,00 0,00 Facturação ao LNEC (serv. Médicos) 0,00 0,00 0,00 Quotas 0,00 0,00 0,00 Outros Rendimentos e Ganhos 0,00 0,00 0,00 Total Proveitos 293, , ,18 Exist. Iniciais 0, ,89 723,05 Compras 3.387, , ,67 Exist. Finais 3.093,89 723, ,78 Custo das mercadorias vendidas 293, , ,94 FSE - Médicos Internos 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Externos 0,00 0,00 0,00 FSE Outros 0,00 0,00 1,40 Gastos com o pessoal 0,00 0,00 0,00 Gastos de depreciação e de amortização 0,00 0,00 0,00 Outros Gastos e Perdas 0,00 0,00 0,00 Gastos e Perdas de Financiamento 0,00 0,00 0,00 Total dos Custos 293, , ,34 Resultado Liquido 0,00-19, ,84 (Valores em Euros) ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 20 de 35

21 3.3.2 Livraria Pelo facto de, no desempenho desta actividade haver a colaboração de pessoal da secretaria, não se consideraram nos custos os valores dos salários deste pessoal. Em consequência desta opção os resultados líquidos não reflectem esta comparticipação da ATLNEC (Quadro 15). Importa referir a tendência para a diminuição dos movimentos da actividade cujas possíveis interpretações foram apresentadas em Quadro 15 Movimentos e resultados de Livraria Livraria Balancete em Dezembro de: Vendas , , ,99 Prestação de serviços 0,00 0,00 0,00 Subsídio Protocolo 0,00 0,00 0,00 Encargo LNEC Posto Médico 0,00 0,00 0,00 Facturação ao LNEC (serv. Médicos) 0,00 0,00 0,00 Quotas 0,00 0,00 0,00 Outros Rendimentos e Ganhos 0,00 0,00 0,00 Total Proveitos , , ,99 Exist. Iniciais , , ,60 Compras , , ,05 Exist. Finais , , ,00 Custo das mercadorias vendidas , , ,65 FSE - Médicos Internos 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Externos 0,00 0,00 0,00 FSE Outros 0,00 465,80 918,93 Gastos com o pessoal 0,00 0,00 95,90 Gastos de depreciação e de amortização 0,00 0,00 0,00 Outros Gastos e Perdas 0,00 0,00 0,00 Gastos e Perdas de Financiamento 0,00 0,00 0,00 Total dos Custos , , ,48 Resultado Liquido 1.152,10 336, ,49 (Valores em Euros) ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 21 de 35

22 3.3.3 Canto Coral e Artes decorativas Os movimentos e resultados apresentados no Quadro 16 englobam as actividades desenvolvidas pelo Coro da ATLNEC bem como as Artes Decorativas. Quadro 16 Movimentos e resultados de Canto Coral e Artes Decorativas Canto Coral/Artes Decorativas/Jogos Balancete em Dezembro de: Vendas 0,00 0,00 0,00 Prestação de serviços 3840, , ,00 Subsídio Protocolo 1.419,16 0,00 0,00 Encargo LNEC Posto Médico 0,00 0,00 0,00 Facturação ao LNEC (serv. Médicos) 0,00 0,00 0,00 Quotas 0,00 0,00 0,00 Outros Rendimentos e Ganhos 0,00 0,00 0,00 Vendas 0,00 0,00 0,00 Total Proveitos 5.259, , ,00 Exist. Iniciais 0,00 0,00 0,00 Compras 0,00 0,00 0,00 Exist. Finais 0,00 0,00 0,00 Custo das mercadorias vendidas 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Internos 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Externos 0,00 0,00 0,00 FSE Outros 5.259, , ,40 Gastos com o pessoal 0,00 0,00 45,19 Gastos de depreciação e de amortização 0,00 0,00 0,00 Outros Gastos e Perdas 0,00 0,00 0,00 Gastos e Perdas de Financiamento 0,00 0,00 0,00 Total dos Custos 5.259, , ,59 Resultado Liquido 0, , ,59 (Valores em Euros) ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 22 de 35

23 3.3.4 Ginástica, natação Os movimentos e resultados apresentados no Quadro 17 englobam as actividades de ginástica praticada nas instalações do LNEC bem como ao abrigo dos protocolos referidos no ponto Quadro 17 Movimentos e resultados de Ginástica e Natação Ginástica / Natação Balancete em Dezembro de: Vendas 0,00 0,00 0,00 Prestação de serviços , , ,12 Subsídio Protocolo 0,00 0,00 0,00 Encargo LNEC Posto Médico 0,00 0,00 0,00 Facturação ao LNEC (serv. Médicos) 0,00 0,00 0,00 Quotas 0,00 0,00 0,00 Outros Rendimentos e Ganhos 0,00 0,00 0,00 Total Proveitos , , ,12 Exist. Iniciais 0,00 0,00 0,00 Compras 0,00 0,00 0,00 Exist. Finais 0,00 0,00 0,00 Custo das mercadorias vendidas 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Internos 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Externos 0,00 0,00 0,00 FSE Outros , , ,60 Gastos com o pessoal 0,00 0,00 0,00 Gastos de depreciação e de amortização 0,00 0,00 0,00 Outros Gastos e Perdas 0,45 0,00 0,00 Gastos e Perdas de Financiamento 0,00 0,00 0,00 Total dos Custos , , ,60 Resultado Liquido 5.528, ,03 772,52 (Valores em Euros) ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 23 de 35

24 3.3.5 Cursos internos cursos de inglês No ano de 2010, o valor dos custos reflecte não só a diminuição de alunos como a falta de apoios e novas iniciativas dos sócios intervenientes. Quadro 18 Movimentos e resultados de Cursos Internos (cursos de inglês) Cursos Internos Balancete em Dezembro de: Vendas 0,00 0,00 0,00 Prestação de serviços 7.752, , ,91 Subsídio Protocolo 0,00 0,00 0,00 Encargo LNEC Posto Médico 0,00 0,00 0,00 Facturação ao LNEC (serv. Médicos) 0,00 0,00 0,00 Quotas 0,00 0,00 0,00 Outros Rendimentos e Ganhos 0,00 0,00 0,00 Total Proveitos 7.752, , ,91 Exist. Iniciais 0,00 0,00 0,00 Compras 0,00 0,00 0,00 Exist. Finais 0,00 0,00 0,00 Custo das mercadorias vendidas 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Internos 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Externos 0,00 0,00 0,00 FSE Outros 6.760, ,00 320,00 Gastos com o pessoal 0,00 0,00 0,00 Gastos de depreciação e de amortização 0,00 0,00 0,00 Outros Gastos e Perdas 0,00 0,00 0,00 Gastos e Perdas de Financiamento 0,00 0,00 0,00 Total dos Custos 6.760, ,00 320,00 Resultado Liquido 992,00-78,26 766,91 (Valores em Euros) ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 24 de 35

25 3.3.6 Cartas de campismo No ano de 2010, o valor dos custos reflecte a estagnação desta actividade. Quadro 19 Cartas de Campismo Cartas de Campismo Balancete em Dezembro de: Vendas 128,00 239,30 178,50 Prestação de serviços 0,00 0,00 0,00 Subsídio Protocolo 0,00 0,00 0,00 Encargo LNEC Posto Médico 0,00 0,00 0,00 Facturação ao LNEC (serv. Médicos) 0,00 0,00 0,00 Quotas 0,00 0,00 0,00 Outros Rendimentos e Ganhos 0,00 0,00 0,00 Total Proveitos 128,00 239,30 178,50 Exist. Iniciais 0,00 0,00 0,00 Compras 0,00 0,00 0,00 Exist. Finais 0,00 0,00 0,00 Custo das mercadorias vendidas 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Internos 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Externos 0,00 0,00 0,00 FSE Outros 321,00 249,80 187,00 Gastos com o pessoal 0,00 0,00 0,00 Gastos de depreciação e de amortização 0,00 0,00 0,00 Outros Gastos e Perdas 0,00 0,00 0,00 Gastos e Perdas de Financiamento 0,00 0,00 0,00 Total dos Custos 321,00 249,80 187,00 Resultado Liquido -193,00-10,50-8,50 (Valores em Euros) ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 25 de 35

26 3.4 Actividades Comuns A ATLNEC todos os anos suporta uma série de custos que não estão directamente relacionados com as actividades por ela desenvolvidas, nomeadamente custos com o pessoal e funcionamento das obras sociais do LNEC. Os custos e os proveitos das actividades comuns nestes últimos anos foram os apresentados no Quadro 20. Quadro 20 Movimentos e resultados das Actividades Comuns Vendas 0,00 36,84 0,00 Prestação de serviços 4.793, , ,31 Subsídio Protocolo ,07 0,00 0,00 Encargo LNEC Posto Médico 0, ,00 0,00 Facturação ao LNEC (serv. Médicos) ,15 0,00 0,00 Quotas 8, , ,27 Outros Rendimentos e Ganhos , ,85 114,24 Total Proveitos , , ,82 Exist. Iniciais 0,00 0,00 0,00 Compras ,04 988, ,25 Exist. Finais 0,00 0,00 0,00 Custo das mercadorias vendidas ,04 988, ,25 FSE - Médicos Internos 0,00 0,00 0,00 FSE - Médicos Externos 0,00 0,00 0,00 FSE Outros , , ,41 Gastos com o pessoal , , ,20 Gastos de depreciação e de amortização 2.274,50 351,01 216,24 Outros Gastos e Perdas , , ,39 Gastos e Perdas de Financiamento 1.351, ,46 367,50 Custos Comuns Imputados 0, , ,90 Total dos Custos , , ,09 Resultado Liquido , , ,27 (Valores em Euros) ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 26 de 35

27 4 RELATÓRIO TÉCNICO DE CONTAS Apresentam-se as contas relativas ao exercício, expressas nos mapas em anexo, com o desenvolvimento adequado à apreciação dos factos contabilísticos ocorridos durante a gerência desta Direcção, relativas ao ano de CONSIDERAÇÕES FINAIS A gerência desta Direcção da ATLNEC foi iniciada no último trimestre do ano em análise. Os mapas de contabilidade apresentados contêm elementos suficientes para apreciação das contas. Resta mencionar as seguintes considerações finais: O apoio prestado aos associados no domínio da saúde traduziu-se em benefícios claros para os seus utilizadores, como o demonstram os números de consultas e de senhas emitidas e os valores financeiros envolvidos. Estamos, no entanto, certos de que será ainda possível melhorar os benefícios através de novas convenções, protocolos e eventualmente parcerias com outras entidades. É fundamental que se concluam, rapidamente, as negociações com vista à obtenção de uma solução que viabilize a continuação do Posto Médico. O funcionamento da Sala de Actividades representou um encargo significativo para a ATLNEC, no entanto, o seu papel é importantíssimo no apoio aos familiares das crianças que as frequentam, bem como ao LNEC, quer durante o período lectivo quer, particularmente, durante as férias escolares. Refere-se que os custos foram repartidos entre os Encarregados de educação, o LNEC e a ATLNEC nos termos e condições do protocolo celebrado com a ATLNEC. Conseguiu-se, ao longo dos anos obter um bom desempenho na exploração dos bares, ficando os resultados positivos obtidos a dever-se, em grande parte, às alterações introduzidas nos critérios de gestão. Contribuíram, ainda, para este resultado, a dedicação e o entusiasmo dos trabalhadores. Tendo em conta as actuais condições de financiamento é recomendável que seja ponderado um aumento de quotas que, conjuntamente a outras receitas, permita a criação de um fundo de provisões que constitua uma almofada (reserva?) para eventuais roturas de tesouraria e/ou despesas inesperadas. ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 27 de 35

28 Análise ao Balanço ACTIVO Inventário Inventário Bar 4.502, ,83 Filatelia 723, ,78 Livraria , ,00 TOTAL , ,61 Clientes Clientes Clientes Bar 5.445, ,60 Outras Contas a Receber Outros devedores LNEC Protocolo Sala Actividades , ,60 LNEC Protocolo Infantário , ,46 LNEC Protocolo Posto Médico , ,67 LNEC Gestão Protocolo P. Médico 0, ,68 LNEC duodécimos ,32 0,00 LNEC Serviços médicos 3.115,31 0,00 Cobertura de 80% passivo , ,27 Outros ,92 623,93 TOTAL , ,61 ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 28 de 35

29 Associados Quotas Saldo Inicial , ,46 Quotas do ano , ,27 Quotas Recebidas no ano , ,48 TOTAL , ,25 Caixa e Depósitos Caixa 346,24 64,09 Caixa Geral de Depósitos 8.409, ,95 Santander Totta 368,75 300,95 Depósito Prazo Barclays , ,00 Barclays , ,35 TOTAL , ,64 Estado Retenção IRC Juros 109,25 23,44 PASSIVO Fornecedores Fornecedores Serviços clínicos em conferência até 31/06/ , ,84 Serviços clínicos em conferência depois de 01/07/ , ,61 Serviços clínicos depois de conferência , ,35 Fornecedores Bar 1.225, ,48 Fornecedores Livraria 0,00 937,23 Fornecedores Oculista , ,29 Fornecedores Diversos , ,82 TOTAL , ,62 ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 29 de 35

30 Outras Contas a Pagar Outros Credores Provisão das Férias , ,34 Honorários Médicos 0, ,08 Pagamento Médicos Internos 0, ,50 Sindicatos 0,00 468,57 Retenção OSC 6.399, ,09 Pag. Divida Tribunal Carla Cardoso 0, ,11 Outros 843,37 0,00 TOTAL , ,69 Estado Seg. Social 5.764, ,54 IVA a pagar 3.578, ,44 Retenções 6.771, ,92 Total Final , ,90 ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 30 de 35

31 A DIRECÇÃO DA ATLNEC Luís Dias Presidente José Luís Vieira Vice-Presidente Fernando Schiapa Tesoureiro João Santos Secretário Xu Min Vogal Carolina Ramires Suplente João Coelho Suplente ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 31 de 35

32 ANEXO I Relatório anual de contas. Ano de 2010 ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 32 de 35

33 ATLNEC Relatório de actividades 2010 Página 33 de 35

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM 2012 RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM LAZEREEM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3 - Demonstração

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Relatório Anual de Contas 2012

Relatório Anual de Contas 2012 O presente documento acompanha o Relatório Anual de Contas e destina-se a fornecer informações complementares sobre algumas rubricas e a propor uma análise dos resultados. 1 As demonstrações financeiras,

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal RELATÓRIO DE GESTÃO. Aida Machado

Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal RELATÓRIO DE GESTÃO. Aida Machado Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal RELATÓRIO DE GESTÃO Aida Machado 1. Caracterização da Associação A ACPP, Associação dos Cozinheiros Profissionais de Portugal, com sede na Rua Sant

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA 1 - Nota introdutória As contas de 2008 do Conselho Distrital de Faro da Ordem dos Advogados, integram, como habitualmente, o Conselho Distrital de Deontologia e as 9 Delegações

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

O presente documento acompanha o Relatório Anual de Contas e destina-se a fornecer informações complementares sobre algumas rubricas e a propor uma análise sobre os resultados. 1 As demonstrações financeiras,

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Conselho Fiscal do Clube dos Galitos

Conselho Fiscal do Clube dos Galitos Conselho Fiscal do Clube dos Galitos Parecer do Conselho Fiscal sobre as Contas do Clube dos Galitos relativas ao exercício económico de 2014 1. Introdução O presente parecer do Conselho Fiscal do Clube

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014 Vida por vida PL DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO DE Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Amarante Fundada em 1921 NOTA DE APRESENTAÇÃO Excelentíssimos Senhores Associados, Para cumprimento do

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados 1. Relativo às contas individuais do exercício de dois mil e sete, do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos Contabilidade Financeira Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos 3º TESTE INTERMÉDIO NOME: NÚMERO: Atenção

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Contabilidade Geral I

Contabilidade Geral I Contabilidade Geral I Licenciatura(s) : GESTÃO; MAEG; FINANÇAS Ano/semestre/regime : 1º ano/2º semestre/tempo integral (Gestão) (recomendado) : 3º ano/1º semestre/tempo integral (MAEG) : 2º ano/1º semestre/tempo

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

Auditoria Tribunal de Contas

Auditoria Tribunal de Contas Auditoria Tribunal de Contas Situação económico Financeira do SNS 2006 www.acss.min-saude.pt Lisboa, 26 de Novembro de 2007 Auditoria Tribunal de contas nota prévia O Relatório do Tribunal de Contas (RTC)

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2012

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2012 RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2012 1 ÍNDICE 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA DIRECÇÃO... 3 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1. BALANÇO (em 31 Dezembro de 2012)... 4 2.2. BALANCETE de 31 Dezembro de 2012...

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 1ª Frequência

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 1ª Frequência CONTABILIDADE FINANCEIRA II Data: 31 de Março de 2008 Duração: 2 horas e 30 minutos 1ª Frequência Responda a cada grupo em folhas separadas Grupo I (35 minutos - 4,5 valores) Na sociedade Turismo & Aventura,

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA?

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? 18 de junho de 2014 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

IAPMEI. (Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação)

IAPMEI. (Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação) IAPMEI (Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação) 1 - Enquadramento: As funções do Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação foram redefinidas por intermédio do

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Contas a receber e a pagar Acréscimos

Leia mais

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012 1º Trimestre 2012 Indicadores de Gestão Interna 0 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Enquadramento No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, relativos ao primeiro

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias

Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias Análise económica e financeira realizada às Farmácias Comunitárias em Portugal, com base em informação histórica relativa a 2010 e informação prospetiva

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 697/11.6 TYVNG 2º Juízo Insolvente: AV POWER REPARAÇÃO DE AUDIOVISUAIS, LIMITADA Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos

Leia mais

Exame de. Fiscalidade de Empresas 11

Exame de. Fiscalidade de Empresas 11 Exame de Fiscalidade de Empresas 11 (Época Especial para Alunos Finalistas) Ano Lectivo 2005/2006 16/09/2006 Prática Docentes: António Vítor Almeida Campos Carlos Manuel de Freitas Lázaro João Andrade

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA Contas POC Descricao Custos e perdas EXERCICIOS 2009 2008 Custo mercadorias vendidas mater.consu 611+612 Mercadorias 62,08 31,56 616a619 Materias 62,08

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira Relatório de Gestão INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA Audite Exercício de 2014 11-03-2015 Linda-a Velha, 11 de Março de 2015 Estimado cliente, O presente relatório pretende dar-lhe um flash da

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I INVESTIMENTOS É constituído pelos recursos que a empresa detém com carácter de continuidade, não se destinando a ser vendidos ou transformados no decorrer das suas actividades

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011 RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011 1 ÍNDICE 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA DIRECÇÃO... 3 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1. BALANÇO (em 31 Dezembro de 2011)... 4 2.2. BALANCETE de 31 Dezembro de 2011...

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução Página 1 de 16 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1.- Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de Gerência relativa ao ano de 2006, elaborada

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»?

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? No actual cenário económico-financeiro do Mundo e do País, é obrigação de todas as entidades públicas, à sua escala, promoverem medidas de apoio às empresas e às famílias

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO EXERCÍCIO DO ANO 2011 INTRODUÇÃO A crescente utilização pelos municípios de formas organizacionais de diversa natureza (nomeadamente empresarial),

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 A Empresarialização dos Hospitais 28.06.2005 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício Terminado o exercício contabilístico a empresa efectua diversos trabalhos ou operações de fim de exercício contabilístico. Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

V/Referência: Data: Insolvência de A. F. Pereira - Comércio de Materiais de Construção Civil e Terraplanagem, Lda.

V/Referência: Data: Insolvência de A. F. Pereira - Comércio de Materiais de Construção Civil e Terraplanagem, Lda. Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito do Tribunal do Judicial de Vila Nova de Famalicão 2º Juízo Cível Processo nº 1805/12.5TJVNF V/Referência: Data: Insolvência de A. F. Pereira - Comércio de Materiais

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

Município de Mesão Frio

Município de Mesão Frio Relatório Anual 2014 Execução do Plano de Saneamento Financeiro (n.º7, do artigo 40.º, da Lei das Finanças Locais) ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 EMPRÉSTIMO A MÉDIO E LONGO PRAZO 4 3 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

Leia mais

Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto

Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto 1. Pressupostos relativos às Receitas/Proveitos do Conselho de Deontologia do Porto Receitas Próprias O Conselho de Deontologia não dispõe

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Introdução Os Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa são uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, constituída por escritura pública

Leia mais