A INFLUÊNCIA DO MARKETING ELEITORAL NA DECISÃO DO VOTO. MAIA. Gabriela Andrade 1 SILVEIRA JUNIOR, Olney Bruno da ²

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFLUÊNCIA DO MARKETING ELEITORAL NA DECISÃO DO VOTO. MAIA. Gabriela Andrade 1 SILVEIRA JUNIOR, Olney Bruno da ²"

Transcrição

1 1 A INFLUÊNCIA DO MARKETING ELEITORAL NA DECISÃO DO VOTO MAIA. Gabriela Andrade 1 SILVEIRA JUNIOR, Olney Bruno da ² RESUMO Neste artigo procuramos analisar a influência do marketing eleitoral na decisão do voto pelo cidadão, por meio de revisão bibliográfica onde foram analisados e discutidos, trabalhos já publicados, revisões bibliográficas e livros. Diante disso apresentamos aspectos teóricos sobre o conceito e história do marketing eleitoral, a diferença entre o marketing eleitoral e político, estratégias de marketing, comportamento do eleitor e o processo eleitoral. A partir dai foi possível realizar analise das considerações constatadas nas pesquisas bibliográficas para saber qual a visão dos candidatos e principalmente de nós eleitores sobre o marketing eleitoral, o que é correto, e incorreto na comunicação eleitoral, a importância do marketing eleitoral para os candidatos e eleitores, até onde as estratégias do marketing podem chegar, as leis que delimitam a comunicação midiática no processo eleitoral. Palavras- chave: Marketing eleitoral, processo eleitoral, Estratégia, Candidato, Eleitor. ASTRACT In this article we analyze the influence of marketing in the electoral vote decision by the citizen, through literature review which analyzed and discussed, previously published works, reviews and books. Therefore we present the theoretical aspects of the concept and history of electoral marketing, the difference between the political and electoral marketing, marketing strategies, voter behavior and electoral process. From there it was possible to analyze the considerations noted in the research literature to see what the view of the candidates and especially us voters on the electoral marketing, what is correct and incorrect electoral communication, the importance of marketing for electoral candidates and voters, as far as marketing strategies can get the laws that define the communication media in the electoral process. Keywords: Marketing election, the electoral process, strategy, Candidate, Voter 1 Aluna do Curso de Pós Graduação em Gestão Pública do Instituto Federal de Educação, Ciência e Técnologia de Minas Gerais, graduada em Publicidade e Propaganda, p.18 Nr de páginas, 2013, com o Orientador MSc. Olney Bruno da Silveira Junior, Mestre em Administração das Organizações USP.FEARP. Especialista em Administração de Recursos Humanos. Professor Universitário em cursos de Graduação e Pós Graduação. Consultor e Palestrante da Observatório Consultoria. Delegado do Conselho Regional de Administração de Minas

2 2 INTRODUÇÃO Atualmente podemos considerar que a imagem é base de tudo, tanto no ramo empresarial, quanto no público, portanto o marketing tornou-se primordial para quem deseja vender a imagem de seu produto ou serviço. A palavra Market é de origem inglesa e deriva de mercado, vem do verbo mercari que significa negociar, fazer compra e venda (Origem da Palavra Site da Etimologia 2004), por isso podemos definir marketing como o processo de estratégias para inserir interesse de um produto ou serviço ao consumidor. Na política o marketing vem se consolidando cada vez mais no processo eleitoral, estratégias que eram apenas utilizadas no ramo empresarial, começaram a ganhar força também no ambiente político. De acordo com essas perspectivas, esse estudo procura analisar a influência das estratégias de marketing em uma campanha eleitoral, abordando a história do marketing eleitoral, como tudo começou a necessidade dos candidatos e partidos de uma ciência que pudesse interliga-los ao eleitorado, a importância do marketing nos dias de hoje, o processo eleitoral e as estratégias usadas em uma campanha, a imagem do candidato e as mídias utilizadas para passar a mensagem ao eleitorado e todos os fatores que inserem o marketing na campanha eleitoral. O objetivo desse artigo é levantar as influências do marketing eleitoral para o cidadão, neste momento eleitor. Como contribuições desse estudo, apontamos o desenvolvimento no leitor de um olhar crítico sobre as campanhas eleitorais, para que ele reflita se realmente o sucesso ou o fracasso do candidato nas urnas podem ser indicadores de um marketing eleitoral bem ou mal trabalhado, se o eleitor na hora nas campanhas políticas é conquistado por um candidato ou apenas por uma imagem, se essa imagem é apenas moldada por um candidato com suas ideias pré estabelecidas ou é uma imagem totalmente construída a partir de pesquisas feitas pelos profissionais da área de marketing. Logo, iremos apontar alguns métodos de persuasão estruturados pelo marketing eleitoral onde prova que existe uma grande influência deste na decisão de voto pelo eleitor,

3 3 pois a única maneira que o eleitor obtém do candidato é a imagem imposta pelas mídias que pode acabar sendo moldada para que alcance a simpatia deste eleitor, o persuadindo a agir na hora do voto da maneira que pretendida pelo candidato ou partido político. 2 Definição de Marketing O marketing nada mais é que uma técnica de gestão, a qual permite conduzir negócios em um padrão de objetivos versus resultados, suas ferramentas permitem, além de uma boa organização, estabelecer relações de mercado, conforme descreve Kotler (1998) apud Kall (2008). Ainda, segundo estes autores, o marketing é essencial na atualidade, principalmente quando o negócio é de busca de clientes para venda de seu produto/serviço, os sendo uma época em que as tecnologias da informação e comunicação provocam uma verdadeira revolução no processo de comunicação, e que influenciam diretamente nas relações comerciais e, evidentemente, nas relações sociais o marketing tornando-se uma ferramenta indispensável para agregar clientes. Logo, pode-se definir marketing como uma ferramenta que procura estudar as necessidades e anseios do mercado, ou seja, os clientes, fazendo com que essas necessidades se tornem oportunidades de negócio para produtos e/ou serviços. Assim, o marketing contribuirá para estreitar relacionamentos com os clientes, fornecedores, parceiros e sociedade em geral. Cobra (2003) relata que enquanto tudo o que se produzia era vendido, ou melhor, era comprado, não havia necessidade de qualquer esforço adicional de vendas, então o marketing era desnecessário. Ele aponta que a necessidade do Marketing somente foi constatada a partir do século passado, onde na década de 40 nos Estados Unidos, ele foi criado, e desde então não se tem mais sucesso sem ele. Ari Lima (2013), diz em sua publicação, que a persuasão é a habilidade mais importante para um profissional se destacar, pois tem um poder incalculável e pode ser utilizada tanto para relações nobres como para enganar pessoas, muitas vezes a persuasão é usada com má fé, onde pode ser utilizada para ludibriar. O autor considera ainda que os maiores persuasores são, antes de tudo, grandes conhecedores da alma humana, que são pessoas que conseguem fazer uma leitura do que se passa na imaginação daqueles a quem vão

4 4 persuadir, e lhes mostram exatamente como conseguir realizar o seu desejo, fazendo o que o persuasor está pedindo, Ari Lima (2013) usa o exemplo do inesquecível presidente Getúlio Vargas, que para o autor era um mestre na arte de persuasão. Neste capítulo podemos perceber que o marketing eleitoral consiste em implantar técnicas de comunicação política no mercado analisando a necessidade da sociedade e conseguindo conquistar a massa que é o seu público-alvo. Para que isto aconteça precisaremos conhecer a história do marketing eleitoral, saber planejar uma estratégia e uma mensagem e como esta mensagem chegará até sociedade. 2.1 História do Marketing Eleitoral De acordo com os estudos de Pacheco (2007) o marketing Eleitoral teve seu início na eleição de Roosevelt [x] Wilkie em 1940, quando um grupo de estudiosos da Universidade da Columbia comandada por Lazarsfeld, realizou no condado de Eric, Ohio, uma pesquisa que mudou as concepções sobre o processo eleitoral. O livro The People s Choice, veio demostrar que os fatores predominantes para o voto, eram sócio econômicos, culturais, e só secundariamente políticos, isto significa que são as características sociais do eleitor e não as políticas que determinam as decisões eleitorais, estabelecendo assim o que poderia ser chamado de a primeira lei do marketing eleitoral A pesquisa reiterada em 1948 (Trumam [x] Dewey), em Elmira NY, consolidou conclusões provando que, a classe social, a inserção geográfico-ocupacional foram decisivos na hora do voto segundo Pacheco (2007). Ainda para o autor no Brasil foi realizada a primeira eleição orientada pelos conceitos de Markenting em 1954, quando Celso Azevedo pleiteava a prefeitura de Belo Horizonte. Tal campanha foi executada pelo publicitário João Moacir Medeiros da empresa JMM. Naquele momento Celso Azevedo um estreante, sem respaldo político conseguiu que Amintas de Barros, um politico de tradição com uma sólida biografia fosse derrotado, desde então o marketing eleitoral ganhou destaque nas eleições brasileiras. 2.2 Como o marketing eleitoral pode ser considerado Os conceitos do marketing eleitoral trouxeram para as campanhas políticas as pesquisas socioculturais, assim, o político passou a ter acesso às necessidades e carências da

5 5 população e assim criam planos de governo para a satisfação destas necessidades, tornando-os mais próximos de seu eleitorado. Manhanelli (1992) profere em seu livro A eleição é guerra que nem tudo em relação a campanhas e marketing eleitoral são fáceis, pois usam e consolidam cada vez mais o conceito de guerra em suas ações de cooptação e persuasão do eleitorado. O autor faz um paralelo entre as expressões e nomenclaturas que fazem parte do vocabulário de quem milita nestas áreas e também expressões usadas no marketing eleitoral como, por exemplo: estratégias, tática, batalha de votos, penetração no segmento adversário, domínio geográfico. Para este paralelo ser melhor analisado Manhanelli indica o livro Da Guerra de Carl Von Clausewitz. A guerra nada mais é que um duelo numa escala cada vez mais ampla. Se quisermos reunir num só conceito os inumeráveis duelos particulares de que a guerra se compõe, faríamos bem em pensar na imagem de dois lutadores. Cada um tenta por meio de sua força física submeter o outro a sua vontade; o seu objetivo é o de bater o adversário a fim de torna-lo incapaz de toda e qualquer resistência. (CARL VON CLAUSEWITZ 1972 apud MAGANHANELLI, 1992) A partir dessa comparação Maganhenelli (1992) mostra que a campanha eleitoral é um duelo de forma mais ampla onde, cada candidato tenta por meio de persuasão angariar um número de eleitores capazes de subjugar os outros candidatos fazendo com que eles sejam incapazes de qualquer resistência. 2.3 A Diferença entre o Marketing Político e o Marketing Eleitoral De acordo com Thiago Mangueira (2010) o Marketing Político é utilizado nas questões politicas ou públicas para garantir a eficiência do uso das ferramentas adequadas para a comunicação com a população, preservando a imagem do homem politico e facilitando o processo da eleição ou reeleição. Entre as varias ações que podem ser tomadas no marketing politico podemos citar como exemplo: Assessorias de Marketing Político em gabinetes parlamentares; Assessoria de Comunicação Social e da aplicação do Marketing Político em Governos e Prefeituras; Assessoria para vereadores, deputados estaduais e federais, senadores, governadores e prefeitos em Comunicação Pública e Marketing Político; Pesquisas quantitativas e qualitativas para acompanhamento da opinião pública; Análise de fatos

6 6 políticos na administração; Marketing e Propaganda para ações parlamentares ou governamentais e montagem da estratégia de comunicação para maximizar esta ação. Já o Marketing eleitoral de acordo com Thiago Mangueira (2010) representa o que há de mais eficiente em termos de campanha, pois, é ele que abrange todas as técnicas de comunicação disponíveis no mercado iniciando-se um trabalho de pesquisa e sondagem para a formação da imagem política. Como exemplo pode se citar algumas ações do marketing eleitoral: Análise do momento eleitoral para o candidato; Coordenação e acompanhamento da campanha eleitoral; Pesquisas quantitativas e qualitativas; Treinamento da equipe do candidato para enfrentar a campanha eleitoral; Avaliação da criação gráfica; Gerenciamento administrativo da campanha; Horário eleitoral de rádio e TV; Treinamento para equipes de panfletagem; Treinamento para equipes de rua; Preparação para debates; Produção de jingles; Produção de eventos; Criação publicitária. O marketing eleitoral consiste em implantar técnicas de marketing político e comunicação social integrados, de forma a conquistar a aprovação e simpatia da sociedade, construindo uma imagem do candidato que seja sólida e consiga transmitir confiabilidade e segurança à população elevando o seu conceito em nível de opinião pública. (MANHANELLI 1992, p. 22.). Este primeiro tópico é uma pequena demonstração da diferença entre marketing politico e eleitoral para que, com este entendimento possamos dar inicio á pesquisa na qual podemos perceber que marketing politico está relacionado com a formação da imagem a longo prazo, já o marketing eleitoral tem um tempo delimitado para garantir um maior numero de votos usando de estratégias montadas em cima de pesquisa de ambiente e cultura que já existente na qual o profissional de marketing irá associar a imagem do politico e sua gestão á esse ambiente para ganhar a simpatia do publico alvo que será a população, neste caso denominados, eleitores. 3. O PROCESSO ELEITORAL E ESTRATÉGIAS DE MARKETING ELEITORAL Segundo KOBAYASHI (2004) o conhecimento e a capacidade de interpretação das demandas sociais, da expectativa estabelecida pela sociedade, são os principais pontos para o encaminhamento do processo eleitoral. A partir deste conhecimento podemos apontar três leis básicas que são importantes para entender o processo eleitoral.

7 7 Quadro 01: Leis que regem o Marketing Eleitoral, segundo Manhanelli (1992) Lei da indiferença Estão inseridos os indecisos ou indiferentes, que não notam e nem fazem força para notar, o que seria no brasil se o voto fosse facultativo? Nos EUA apenas 30% da população votam, o resto é indiferente. Lei da procrastinação De acordo com pesquisas, a maioria dos brasileiros deixam tudo para ultima hora, podemos até citar o exemplo de impostos de renda, ingressos para eventos; nas eleições não é diferente, muitos brasileiros deixam para decidir em quem votar no ultimo momento. Lei da efemeridade São as oscilações que existem na opinião do eleitorado, a intenção de voto pode ser mudada diante de qualquer acontecimento, fala ou ação do candidato. Fonte: Adaptado de Manhanelli (1992 p.17) O estudo dessas leis trata-se do comportamento do eleitor em um processo de racionalidade que se dá em função de pesquisas de comportamento de voto e posicionamento ideológico, este comportamento, na maioria das vezes pode ser influenciado através de propagandas e campanhas eleitorais como podemos ver acima. Segundo a REIS, (2003) em seu livro eleitores são como criancinhas, nossa massa votante tende a se comportar como crianças que se interessam por um brinquedo novo, porém se cansam depressa dele e passam a interessar por outro. Portanto os política não devem esperar muita fidelidade de seu eleitorado. Devem encarar que seu eleitorado tende a inconstância, a efemeridade e a infidelidade. O processo eleitoral é muito mais complexo do que parece, qualquer deslize dentro do processo pode ser fatal para imagem do candidato ou partido, para isto podemos seguir alguns processos importantes que poderão direcionar o candidato em sua campanha. 3.1 Conhecer o perfil do eleitor O primeiro passo para obter uma campanha de sucesso segundo Manhanelli (1992), é identificar o eleitor e procurar suas necessidades, anseios, desejos para, assim, pautar o candidato dentro da expectativa do eleitor, a forma para se fazer isso, é efetuar pesquisas junto ao eleitor-alvo que também pode ser chamado de target. Lazarsfeld (1955) apud Pacheco (2007) mostra que a campanha tem que ser trabalhada sobre o eleitor e não sobre o voto, e para isto precisa-se estudar o comportamento do eleitor, a partir do estudo do comportamento constatam-se três estados do eleitor: O eleitor Cristalizado, que é aquele que já tem sua posição definida, ele é resistente a mudança, o marketing na maioria das vezes não se centra muito nesses eleitores, pois é mais importante centrar-se nos eleitores que podem mudar de ideia; os flutuantes, para estes é preciso reservar

8 8 as verbas e as energias para os 45 dias finais quando realmente as eleições se defina para eles; e os retardatários, onde para estes a eleição só irá se decidir 48 horas ou até mesmo 24 horas antes das eleições. Rego (1985) destaca que a escolha do tipo de marketing vai depender dos recursos do candidato, da homogeneidade dos segmentos, da força dos concorrentes e do conhecimento que o eleitor tem do candidato. Assim, definir o segmento de mercado de acordo também é uma tarefa de extrema importância, pois a localização geográfica se completa com a identificação do comportamento do publico alvo, o conhecimento do eleitor ajudará o candidato para os ajustes de programas e mensagens. O psicograma dos eleitores é efetuado por pesquisas entre amostras de eleitores-alvo. Nas pequenas capitais e no interior, é mais fácil a identificação do eleitor. O desafio reside nas grandes capitais, onde os eleitores exibem posições extremadas a esquerda para posições extremadas a direita. Os eleitores periféricos são aqueles agrupados próximo aos eleitores-alvo, podendo ser eventualmente atraídos pelo candidato. (ibid. p.15). De acordo com Gomes (2004) alguns fatores da campanha eleitoral exercem influência nos indivíduos, esses fatores são de ordem bastante diversa, alguns de ordem individual e outros de caráter contextual ou do meio ambiente social e político de cada lugar. Características dos votantes como indivíduos, ou também efeito de grupo ou estrutura social, onde cada eleitor pertence ou não a um ou vários grupos sociais; características contextuais do meio ambiente local, fatores geográficos espaciais, cultura politica particular, estrutura econômica e seus aspectos locais; tudo isso pode determinar uma predisposição do eleitor em votar para algum partido segundo Johnston (1986) apud Gomes (2004). 3.2 A Imagem do Candidato O segundo passo para a propagação da imagem do candidato de acordo com Gomes (2002) é aproveitar dos meios de comunicação, das relações publicas, das promoções, neste aspecto, a propaganda pode vir através de matérias de reportagem entrevistas; enquanto a publicidade eleitoral de spots anúncios, malas diretas, para estas ações publicitárias é preciso elaborar uma mensagem na qual se inclui a seleção dos assuntos e palavras que irão expressar o que foi definido no programa-promessa de serviços, está tarefa de encontrar as palavras mais adequadas junto a opinião publica pode-se dizer que é quase uma ciência exata pois

9 9 qualquer engano pode transformar a mensagem em algo desagradável para os eleitores, sendo assim, para a autora o objetivo principal da publicidade na formação da imagem do candidato é fazer coincidir do partido e do candidato, com as necessidades do eleitorado. Para a autora, as campanhas eleitorais em quase sua totalidade, visam ao espetáculo pois a massa acaba sendo atraída por ele, isto por que, a publicidade eleitoral faz uso de alguns recursos para a formação da imagem do candidato, entre eles, a boa apresentação pessoal, familiaridade com o eleitorado, a seleção dos momentos mais significativos, a escolha da promessa ou benefício, o posicionamento do partido, a divulgação das qualidade. Através das informações que chegam até o eleitor é que ele irá saber eleger o líder que mais mereça a sua confiança. Self (2009), o estrategista de campanha do presidente Barak Obama, nos traz recomendações do que é relevante para a imagem do candidato ou organização em campanha uma campanha eleitoral: a) Falar com regularidade: Que se trata de utilizar o e mail com frequência, de maneira gradual, pois toda vez que se usa o e mail podemos melhorar ou piorar o relacionamento com as pessoal por isso precisa ser um processo gradual, e a linguagem não pode ser muito direta. b) Ser relevante: O estrategista da um exemplo de uma corrida de bicicleta onde um corredor perto da linha de chegada levanta os braços para comemorar e cai da bicicleta, assim, o segundo colocado acaba vencendo a corrida, logo podemos perceber com esse exemplo que milhares de pessoas se voluntariam nos últimos dias de eleição por causa disso. c) Ser autentico: As pessoas leem e mail enviados por quem elas conhecem, por isso não se interessam por e mail enviados por imprensa ou newsletters a não ser que estejam realmente interessadas, e mail são escritos por pessoas e não organizações. d) Ser Transparente: Self da um exemplo de um vídeo de divulgação de campanha feito com uma câmera em cima do computador, onde a pessoa que assiste se sente participando, vídeos bem produzidos são interessantes, porém de acordo com Self vídeo caseiro consegue com que o candidato chague mais próximo ao seu eleitorado. e) Diminuir barreiras: Self questiona o mito de que apenas crianças e adolescentes tem acesso a internet, pois cada vez mais pessoas de todas faixa etária frequentam a internet, por isso é interessante que o candidato não fique preso em mitos e divulgue sua campanha baseado em todas as mídias possíveis.

10 10 f) Aumentar as expectativas: pedir sempre ao eleitorado. Se ainda estão indecisos, convence-los a votar no candidato, depois pedir para que sejam voluntários, torna-los doadores de campanha, para que estas eleitores se sintam importantes na campanha eleitoral. g) Tudo pode ser medido: Atualmente com a internet as campanhas não precisam ser longas com um resultado demorado, por exemplo, o candidato ao invés de mandar e mail para cem mil pessoas, pode mandar para dez mil, ver o resultado, e ir mudando as palavras conforme o necessário. 3.3 Estratégias de Campanha E por fim, o terceiro passo e um dos pontos mais importantes no processo eleitoral, é a estratégia. O Novo Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira 1987 define que estratégia como: a arte de aplicar os meios disponíveis com vista a consecução de objetivos. Arte de explorar condições favoráveis com fim de alcançar objetivos específicos. Segundo Mannhanelli (1998) em uma campanha eleitoral a estratégia se baseia em semear uma ideia, regar com discussões entre amigos e assessores rareando e deixando apenas os bons conselhos para que essas ideias sejam aprimoradas, adubar com ações no sentido de direcionar a estratégias correta podando as arestas do que possa estar fugindo do controle, se tudo for feito corretamente teremos uma campanha lançada. Quadro 01: Alternativas estratégicas de marketing. O marketing não diferenciado é usado para o candidato que pretende projetar sua mensagem de maneira massiva, a todo tipo de publico sem distinção. O marketing diferenciado, que é apropriado para o político planejar sua campanha para diversos tipos de eleitores, com isso ele pretende atingir com impacto para segmentos diferenciados. Marketing concentrado, este é adequado para trabalhar especificamente uma determinada faixa de eleitores, concentrando-se sua campanha em uma única fatia de mercado. Fonte: Adaptado de Rego (1985) Rego (1985) também nos mostra outros pontos importantes para uma estratégia com sucesso: a) Conhecer as necessidades, percepções, preferencias e motivações dos eleitores; b) Desenvolver uma identidade; c) Evitar situações atos e discursos inadequados; d) Testar o conceito e a identidade antes do lançamento

11 11 e) Analisar seus concorrentes e seu perfil político f) Ganhar projeções em entidades representativas g) Ganhar confiança do partido h) Definir com muito cuidado a estratégia de comunicação i) Preparar um cronograma eficiente j) Arregimentar grupos de trabalhos voluntários k) Formar uma ampla base de alianças l) Escolher uma equipe de profissionais e assessores competente m) Conhecer as pesquisas de opinião n) Realizar periódicas de avaliações de desempenho 4. PROPAGANDAS ELEITORAIS E DEFINIÇÕES DE MÍDIAS De acordo com Duarte (2008) as propagandas eleitorais se subdividem hem: partidária, intrapartidária, não partidária desenvolvida por políticos e não partidária informal. A propaganda partidária é dirigida aos cidadãos para conquistar sua simpatia para o programa partidário. Nos termos do artigo 45 a 49 da lei federal n de 19 de setembro de 1995, conhecida como lei dos partidos políticos, visa difundir os programas partidários: transmitir mensagens aos filiados sobre a execução do programa partidário, sobre os eventos com este relacionados e as atividades congressuais do partido; e a divulgar a posição do partido em relação a temas políticos comunitários. Na propaganda política partidária de acordo com a lei é vedada, a participação à pessoa filiada do partido que não é responsável pelo programa, a divulgação de propaganda de candidatos a cargos eletivos e a defesa de interesses pessoais ou de outros partidos, a utilização de imagens ou cenas incorretas ou incompletas, efeitos ou quaisquer outros recursos que distorçam ou falseiem os fatos e sua comunicação. Veiculada em horário nobre a propaganda política partidária vai ao ar entre 19h30minhoras e ás 22h00min gratuitamente, sendo a produção e a respectiva transmissão é de total responsabilidade á direção partidária. A propaganda intrapartidária é facultada antes do dia seis de julho do ano das eleições, pois visa à indicação do nome do pré-candidato, sendo dirigida aos filiados do partido que participarão da escolha dos candidatos que disputam os cargos eletivos pelo

12 12 partido, por isso é vedada a veiculação de meio de comunicação de massa. Esta permissão consta no Art. 36, 1º, da Lei Federal nº 9.504, de 30 de setembro de 19 (ibid). O autor também nos mostra que a propaganda não partidária desenvolvida por políticos é aquela onde são discutidas questões que não dizem respeito a um partido específico, como por exemplo, o caso do partido verde onde são discutidos problemas ambientais, a proposta de propaganda tem cunho socioambiental e não meramente partidária. E por fim, a propaganda política não partidária informal, é a propaganda que a administração publica utiliza para atingir seu objetivo. Ela é feita por meio dos diários oficiais ou órgão de imprensa utilizado para a divulgação dos atos oficiais. Já Gomes (2004) cita propaganda eleitoral como um instrumento de comunicação política que pode contribuir para que os objetivos políticos fixados na estratégia possam ser alcançados. A autora ainda explica que a propaganda partidária brasileira podendo ser deficiente em termos de comunicação se torna a si mesma um dos elementos mais importantes na hora da decisão do voto, porém esta não deve ser aproveitada apenas para criação de imagem para candidatos e sim pode ser usada para ser oportunizada uma verdadeira mudança social, favorecendo a integração social e política dos indivíduos e dos grupos sociais, funcionando como um forte canal para a estruturação e desenvolvimento de uma cultura cívica. 4.1 Alto falantes, comícios e showmícios. De acordo com a Lei Federal nº 9.504, de º e 4º do Art. 39 o funcionamento de alto falantes ou amplificadores de som somente é permitido entre as 8 e as 22 horas, sendo vedada a instalação e o uso desses equipamentos em distancia de 200 metros da sede de poderes executivo, legislativo da união, da sede dos tribunais judiciais, quartéis e outros estabelecimentos militares e também dos hospitais e quando em funcionamento, das escolas, bibliotecas, igrejas e teatros, Duarte (2004). Enquanto a realização de comícios e showmícios bem como a apresentação remunerada ou não de artistas com finalidade de animar o comício ou a reunião eleitoral para promoção de um candidato, esta proibida por força do 7º do Art. 39 da Lei Federal nº 9.504, de 1997.

13 Brindes Ao pesquisar as leis DUARTE (2004) também nos mostra que é vedada na campanha eleitoral a distribuição de bonés, canetas, brindes, chaveiros, camisetas, cestas básicas ou quaisquer bens materiais que possam proporcionar alguma vantagem ao eleitor ( 6º do Art. 39 da Lei Federal nº 9.504, de 1997). O Plenário do TSE julgou aplicável para as eleições de 2006 os parágrafos 4º, 5º, 6º, 7º e 8º do artigo 39, que dispõem sobre a propaganda eleitoral. Ficou mantida a proibição da distribuição de brindes, como bonés, camisetas e chaveiros, cestas básicas ou quaisquer outros bens que possam proporcionar vantagem ao eleitor. 4.3 Material Impresso É permitida até a antevéspera das eleições, a divulgação para na imprensa escrita com no máximo, por edição, para cada candidato ou partido politico de um oitavo de pagina sendo um jornal padrão e um quarto de pagina se for revista ou tabloides, a desobediência dessa ordem sujeita aos responsáveis do veiculo de divulgação e ao partido ou candidato divulgado a um valor entre R$ 1.000,00 (mil reais) e R$10.000,00 (dez mil reais) ou o equivalente ao valor da divulgação da propaganda paga, se este for maior, de acordo com a Lei Federal de 1997 parágrafo único, combinado com o Art. 20 da Resolução do TSE nº , de 2008 (DUARTE 2004). 4.4 Santinhos Um dos mais conhecidos materiais de uma campanha eleitoral é o material impresso mais especificamente os santinhos, de acordo com Kobayashi (2004) os santinhos precisam estar associados a um novo modelo de campanha eleitoral que dispense a massificação do papel onde apenas contem a foto do candidato e seu numero de candidatura, mais sim, um material útil que possa ser guardado junto com os documentos do eleitor, em sua carteira ou bolsa do eleitor, por isso é preciso que o candidato inove colocando no verso de seu santinho informações coerentes para o eleitor como, por exemplo, informações de utilidade publica; telefones importantes como de hospitais, emergência e escolas do bairro onde se localiza o seu eleitor; ou também produzir santinho com o verso pautado em obras e compromissos de

14 14 campanha diretamente associados no bairro, isto pode estabelecer ao eleitor uma relação de identificação compromisso e cobrança. 4.5 Internet A propaganda eleitoral pela internet é permitida desde que seja feita na pagina do candidato que será destinada exclusivamente á campanha, os candidatos podem fazer a pagina na internet com a terminação can. br, pois os domínios terminados em can.br serão automaticamente cancelados após a primeira eleição e salvos os candidatos que estejam concorrendo o segundo turno, porém se for a preferencia do candidato ele pode usar de outras terminações desde que seja até a antevéspera das eleições diz DUARTE (2004). Logo, o artigo 9 da resolução do TSE nº de 2008, dispõe que o candidato deve providenciar o cadastro do respectivo domínio no órgão gestor da internet Brasil que é responsável pela distribuição e registros de domínios conhecido como com a especificação em que o nome e o numero do candidato seja o mesmo que constará na urna eletrônica.este registro de domínio só pode ser realizado após a efetiva comprovação de candidatura perante a Justiça Eleitoral. 4.6 Rádio e Televisão De acordo com o Art. 45 da Lei Federal nº 9.504, de 1997 a partir do dia 1º de Julho do respectivo ano da eleição é vedado em emissoras de radio e televisão em sua programação normal e noticiário, transmitir ainda que sob a forma de entrevista jornalística, imagem, realização de pesquisa ou quaisquer tipo de consulta popular de natureza eleitoral em que seja possível identificar o entrevistado ou em que haja manipulação de dados; usar trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que de qualquer forma degradem ou ridicularizem o candidato, partido ou coligação, ou produzir ou veicular programa com esse efeito; veicular propaganda política ou difundir opinião favorável ou contraria ao candidato ou coligação; veicular filmes, novelas, minisséries ou qualquer outro programa no qual possa haver alusão ou critica ao candidato ou partido, exceto programa jornalístico ou debate político; divulgar nome de programas que se refira ao candidato em convenção, inclusive se coincidente com o nome do candidato ou com a variação nominal por ele adotada. Sendo o nome do programa o mesmo que o candidato fica proibido a sua divulgação. O descumprimento dessas normas sujeita a emissora o pagamento de multa em um valor entre R$ ,00 (vinte e um mil duzentos e oitenta e dois reais) e R$ ,00 (cento e seis mil quatrocentos e dez reais).

15 15 O Art. 46 da Lei Federal nº9.504 de 1997 define que, independentemente da veiculação de propaganda eleitoral gratuita no horário definido por lei, é facultada a transmissão põe emissora de radio ou televisão de debates sobre as eleições majoritária ou proporcional. Segundo as regras estabelecidas, o debate será realizado em acordo entre todos os partidos políticos e coligações com candidato ao pleito e a emissora de radio ou emissora interessada na realização do evento. A realização do debate se a presença de um dos candidatos só é permitida desde que a emissora comprove tê-lo convidado com antecedência de mínima 72 horas da realização do debate, nesta hipótese o horário pode ser destinado a uma entrevista ao único candidato que compareceu ao debate. É importante ressaltar que de acordo com o Art. 47 da Lei Federal nº as emissoras de radio, de televisão aberta e por assinatura, devem reservar nos quarenta e cinco dias a antevéspera das eleições, horário destinado a divulgação, em rede, da propaganda eleitoral gratuita onde será feita: Quadro 01: Dias e Horários destinados para propagandas políticas RADIO TELEVISÃO PARA PRESIDENTE DA REPUBLICA PARA FEDERAL DEPUTADO PARA GOVERNADOR DE ESTADO E DO DISTRITO FEDERAL PARA DEPUTADO ESTADUAL E DEPUTADO DISTRITAL PARA SENADOR Terças, quintas e sábados; das sete horas às sete horas e vinte e cinco minutos e das doze horas às doze horas e vinte e cinco minutos. Terças, quintas e sábados; das sete horas e vinte e cinco minutos às sete horas e cinquenta minutos e das doze horas e vinte e cinco minutos às doze horas e cinquenta minutos Segundas, quartas e sextasfeiras; das sete horas às sete horas e vinte minutos e das doze horas às doze horas e vinte minutos Segundas, quartas e sextasfeiras; das sete horas e vinte minutos às sete horas e quarenta minutos e das doze horas e vinte minutos às doze horas e quarenta minutos Segundas, quartas e sextasfeiras; das sete horas e quarenta minutos às sete horas e cinquenta minutos e das doze horas e quarenta Terças, quintas e sábados; Das treze horas às treze horas e vinte e cinco minutos e das vinte horas e trinta minutos às vinte horas e cinquenta e cinco minutos. Terças, quintas e sábados; Das treze horas às treze horas e vinte e cinco minutos e das vinte horas e trinta minutos às vinte horas e cinquenta e cinco minutos. Segundas, quartas e sextasfeiras; das treze horas às treze horas e vinte minutos e das vinte horas e trinta minutos às vinte horas e cinquenta minutos Segundas, quartas e sextasfeiras; das treze horas e vinte minutos às treze horas e quarenta minutos e das vinte horas e cinquenta minutos às vinte e uma horas e dez minutos. Segundas, quartas e sextasfeiras; das treze horas e quarenta minutos às treze horas e cinquenta minutos e das vinte e uma horas e dez

16 16 minutos às doze horas e cinquenta minutos. minutos às vinte e uma horas e vinte minutos. PARA PREFEITO E VICE Segundas quartas e sextas- Segundas, quartas e sextas- PREFEITO feiras; das sete horas às sete feiras; das treze horas às horas e trinta minutos e das treze horas e trinta minutos e doze horas às doze horas e das vinte horas e trinta trinta minutos. minutos às vinte e uma horas. PARA VEREADOR Terças e quintas-feiras e aos Terças e quintas-feiras e aos sábados; das sete horas às sábados; das treze horas às sete horas e trinta minutos e das doze horas às doze horas e trinta minutos, treze horas e trinta minutos e das vinte horas e trinta minutos às vinte e uma horas. Fonte: Havendo 2º turno, as emissoras de rádio e televisão devem reservar, a partir de 48 horas da proclamação dos resultados do 1º turno e até 24 de outubro do respectivo ano, horário destinado à divulgação da propaganda eleitoral gratuita para a eleição de Prefeito, dividido em 2 períodos diários de 20 minutos, inclusive aos domingos, iniciando-se às 7 horas e às 12 horas, no rádio, e às 13 horas e às 20h30min, na televisão, horário de Brasília. O tempo de cada período diário será dividido igualitariamente entre os candidatos (art. 49 da Lei Federal nº 9.504, de 1997). Até 12 de agosto do respectivo ano, os Juízes Eleitorais devem efetuar o sorteio para a escolha da ordem. Porém, diante desses estudos, é importante ressaltar que, as regras da propaganda eleitoral podem ser alteradas desde que estas sejam avaliadas e aprovadas pelo Tribunal Superior Eleitoral. Portanto, para MANGUEIRA (2010) A televisão é um veículo que trabalha a emoção do ser humano, por isso o marketing político deve usá-la como tal. Não usá-la com entonação dissonante do meio televisivo, falar dos temas de forma sintética. Televisão é veículo de conversa de cochicho e não de discursos longos, enfadonhos, redundantes. O que a imagem está mostrando não é necessário descrever, apenas reforçar de forma simples e resumida. A televisão dever ser usada de forma a despertar a emoção, de forma didática. Deve mostrar imagens otimistas, alegres, próximas ao eleitor. O candidato deve ter em mente que ele está ocupando um espaço nobre na casa do eleitor. E que naquele momento está participando do convívio familiar, portanto, deve usar um tom que condiga com o ambiente familiar. CONSIDERAÇÕES FINAIS. O marketing eleitoral é cheio de controvérsias, cercada de exageros por todos os lados, PACHECO (2007) nos mostra, que para muita gente o marketing eleitoral é considerado um artifício que reduz a personalidade do eleitor, quem vota é visto como um ser

17 17 frágil e indefeso, no extremo oposto o marketing eleitoral também pode ser considerado técnica científica neutra, gravitando em torno de um eleitor absolutamente inconstante e todopoderoso. Porém não se pode negar que o marketing eleitoral é um dos mais importantes fatores para o sucesso de uma campanha pois é através dele que são implantadas as técnicas e métodos de comunicação de forma a conquistar o público-alvo. O eleitor quando tem boas informações percebe com facilidade os acontecimentos políticos, esta possibilidade o auxilia a lhe dar boas condições para eleger os líderes que mais mereçam a sua confiança, e é a partir daí que entra marketing, pois essas informações serão moldadas por profissionais da área para que o candidato chegue o mais próximo possível das expectativas de seu eleitorado, favorecendo aos candidatos adaptar, rever, modificar ou reforçar suas estratégias de apresentação, seus discursos e suas práticas no cenário público. Logo, acreditamos que o marketing eleitoral exerce uma grande influência na hora do voto pois, a linguagem simples para o entendimento do eleitor, os temas considerados importantes através das necessidades e esperanças do eleitor e as ferramentas para a propagação da campanha, são fatores que procuram atingir a memória e a preferencia do eleitor por certo candidato ou partido através dos veículos de comunicação de massa. Porém se falarmos que as técnicas do marketing são um meio de manipulação estaremos mentindo, pois as estratégias de marketing político usam da persuasão para o seu sucesso, persuasão nada mais é que a ciência de aconselhar alguém até este fazer o que queremos, não devemos confundir a palavra persuadir com convencer pois convencer vem da palavra vencer isto quer dizer que o convencido por sua vez foi vencido pela argumentação oposta através de imposição ou autoridade, já persuasão não é assim, pois ela se estabelece da comunicação suave e elegante, a pessoa persuadida age de acordo com a vontade do persuasor mesmo que seu intelecto ainda não esteja convencido da verdade ou da importância do assunto, por isso o marketing eleitoral utiliza de estudos dos pensamentos e da necessidade humana para usar do método de persuasão e não de convencimento, assim o próprio eleitor não percebe que está sendo persuadido na hora de eleger seu candidato. Acreditamos que por esse motivo que existem tantas frustrações pela parte dos eleitores durante o período da gestão política do candidato e partido eleito, pois antes das eleições o candidato é tudo o que o eleitor precisa para a resolução de problemas, porém com o tempo poucos eleitores conseguem manter a imagem construída, ou moldada, pelo marketing eleitoral.

18 18 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. O novo dicionário da língua portuguesa. Nova fronteira GOMES, Neusa Dermatini. Formas persuasivas de comunicação política: propaganda política e publicidade eleitoral. edipucrs Mídia Imprensa e as novas tecnologias. DORNELLES, Beatriz (org). edpucrs edição vol. 24 pag 195 KOBAYASHI, Sérgio. Eleição: Vença a Sua. Atelie editorial 2ª edição 2004 Pag.160,161 Lei Federal nº 9.504, de 1997, disponível em: Acesso em: 11 mar KOTLER, Philip. Marketing: Edição compacta. São Paulo: Atlas, 1980, p. 33. LIMA, Ari. Persuasão Arte e Ciência. Revista Jurídica Netlegis, MANHANELLI, Carlos Augusto. Eleição é Guerra. São Paulo: Summus, 1992, p Estratégias Eleitorais Marketing político p. 17. ORIGEM DA PALAVRA [S.l.: s.n.], Disponível em: Acesso em: 12 de Junho de 2013 PACHECO, Cid. Funamentos do marketing eleitoral. 2007, disponível em: Acesso em: 25 Fev REGO, Francisco Gaudencio Torquado. Marketing político e governamental: um roteiro para campanhas políticas e estratégias de comunicação. Summus 1985 p.85. THIAGO MANGUEIRA. Marketing politico e marketing eleitoral: qual a diferença pag.01

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode O Tribunal Superior Eleitoral publicou a Resolução nº 23.404/14, com as regras sobre propaganda eleitoral a serem seguidas nas eleições de 2014. Estão relacionados abaixo os tipos de propaganda mais comuns

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEI Nº 11.300, DE 10 DE MAIO DE 2006 Dispõe sobre propaganda, financiamento e prestação de contas das despesas com campanhas eleitorais, alterando a Lei n o 9.504, de 30

Leia mais

Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral.

Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral. Cartilha Eleitoral 2014 Caro Associado da ABERT, Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral. O desconhecimento

Leia mais

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL PROPAGANDA ELEITORAL Katherine Schreiner katherine@eleitoralbrasil.com.br http://www.eleitoralbrasil.com.br Propaganda Política A expressão propaganda política é empregada para significar, em síntese,

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013.

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. PESQUISAS E TESTES PRÉ-ELEITORAIS Duas regras básicas: 1º) para conhecimento pessoal ou uso interno, pode ser feita de forma livre e informal;

Leia mais

QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL

QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL São as seguintes situações as mais comuns de Propaganda Eleitoral: 1. PROPAGANDA ELEITORAL NOS EDIFÍCIOS PÚBLICOS. Nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão

Leia mais

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997.... Da Propaganda Eleitoral no Rádio e na Televisão...

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997.... Da Propaganda Eleitoral no Rádio e na Televisão... LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. Da Propaganda Eleitoral no Rádio e na Televisão Art. 45. A partir de 1º de julho do ano da eleição, é vedado às emissoras de

Leia mais

Propaganda Eleitoral

Propaganda Eleitoral Noções gerais sobre Propaganda Eleitoral Diogo Mendonça Cruvinel Assistente de Apoio à Propaganda Eleitoral TRE-MG 2º Seminário de Legislação Eleitoral Câmara Municipal de Belo Horizonte 24/04/2014 Legislação

Leia mais

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM Cartilha VOTE VOTE BEM CONSCIENTE O mês de outubro marca a escolha de quem estará, durante os próximos anos, à frente do poder no Brasil. É um dos momentos mais significativos, pois é a hora de o brasileiro

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

Marketing político e eleitoral

Marketing político e eleitoral Marketing político e eleitoral Eloá Muniz Inicialmente é preciso conceituar diferentemente marketing político e marketing eleitoral. O marketing político é um conjunto de técnicas e procedimentos que tem

Leia mais

ADDITIONAL TEXT PASSO A PASSO CAMPANHA ELEITORAL

ADDITIONAL TEXT PASSO A PASSO CAMPANHA ELEITORAL ADDITIONAL TEXT PASSO A PASSO CAMPANHA ELEITORAL COMO FAZER UMA CAMPANHA POLÍTICA? Passo-a-passo para você vencer as eleições internet + mídias sociais Para um político conseguir ser eleito, ele precisa

Leia mais

Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48

Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48 HORÁRIO ELEITORAL 2014 RESOLUÇÃO TSE 23404 Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48 Capítulo VII Da Propaganda Eleitoral Gratuita no Rádio e na Televisão Art. 33 A propaganda eleitoral

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS Secretaria Judiciária Eleições 2012 Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL O Tribunal Superior Eleitoral publicou a Resolução nº 23.370/2011, com as regras sobre

Leia mais

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA TEMAS DA REFORMA POLÍTICA 1 Sistemas Eleitorais 1.1 Sistema majoritário. 1.2 Sistema proporcional 1.2 Sistema misto 2 - Financiamento eleitoral e partidário 3- Suplência de senador 4- Filiação partidária

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL FAÇA SUA CAMPANHA PARA PROJETO PODER P - Planejamento O - Organização D - Delegação E - Execução R - Realização Lance sua campanha para Vereador com o Projeto

Leia mais

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS Secretaria Judiciária Eleições 2012 Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL As regras sobre a veiculação de propaganda eleitoral estão contidas na Lei das Eleições

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

www.pontodosconcursos.com.br

www.pontodosconcursos.com.br AVISOS: 1. Os Simulados de Direito Eleitoral para TREs terão por base as Provas da FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC); 2. Estamos ministrando o CURSO DE DIREITO ELEITORAL para TREs Teoria e Exercícios Maiores

Leia mais

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 Propaganda Eleitoral 85 Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

SENSUS. Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE. 03 a 07 de Novembro de 2010

SENSUS. Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE. 03 a 07 de Novembro de 2010 Pesquisa e Consultoria Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE 03 a 07 de Novembro de 2010 Rua Grão Pará 737, 4 andar Cep 30150-341 Belo Horizonte MG Tel. 31-33042100

Leia mais

Informações para o dia da eleição

Informações para o dia da eleição Tribunal Regional Eleitoral do Ceará Justiça Eleitoral Informações para o dia da eleição NO DIA DA ELEIÇÃO O QUE É PERMITIDO? É permitida a manifestação individual e silenciosa da preferência do cidadão

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1

TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1 TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1 Os Termos e Condições abaixo dizem respeito aos requisitos exigidos dos profissionais especializados para seu cadastramento

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.143 INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Caputo Bastos. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.579 INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. CALENDÁRIO ELEITORAL (Eleições de 2008) O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL 2S SOLUÇÕES pode e não pode Elaboração: Victor Ferreira João de Oliveira 2 COMÍCIOS E REUNIÕES PÚBLICAS Tradicional forma de arregimentação de pessoas para difundir a proposta do candidato, partido ou

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda professor Rafael Ho mann Setores envolvidos Anunciante também conhecido como cliente, é a empresa, pessoa ou

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento.

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. 2º Seminário Nacional de REDES SOCIAIS e E-GOV para Administração Pública O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. Daniel Machado Especialista em Marketing

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Módulo - 4 FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Sob pena de rejeição das contas a arrecadação de recursos e os gastos por candidatos, inclusive dos seus vices e

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, usando das atribuições que

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, encontra-se em curso, no Congresso Nacional, uma proposta de reforma que aborda questões consideradas

Leia mais

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008 Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho Propaganda Institucional Definição: é a publicidade destinada a divulgar os atos, programas, obras,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018 /2011/CSCI Versão: 01 Aprovação em: 17 de novembro de 2011 Ato de Aprovação: 018/2011 Unidades Responsáveis: Assessoria de Imprensa e Comunicação Social DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011)

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) I - Das disposições gerais II - Do processo eleitoral A) Da eleição para a Diretoria e o Conselho Fiscal B) Da eleição para o Conselho de Ética

Leia mais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Em ano de eleições municipais é importante estar atento ao calendário eleitoral 2012 para as eleições municipais. O Tribunal Superior Eleitoral/TSE divulgou

Leia mais

Cooperativismo E eleições

Cooperativismo E eleições Cooperativismo E eleições 2010 Cooperativismo E eleições 2010 2010. Organização das Cooperativas Brasileiras A reprodução parcial ou total desta publicação é autorizada, desde que citada a fonte. Organização

Leia mais

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA Ivania Skura 1, Julia Cristina Paixão 2, Joaquim

Leia mais

1. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, ATRIBUIÇÃO E MANDATO

1. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, ATRIBUIÇÃO E MANDATO EDITAL N.º 02/2015 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA, na forma da Resolução Nº 20/2015, por sua Comissão de Eleição, torna público que se encontra aberto o processo

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA JUNHO DE 2007 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública nacional Universo Eleitores e potenciais eleitores brasileiros que

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO UNIFICADO DE ESCOLHA DOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR DE PINDAMONHANGABA PARA O MANDATO 2016/2020. Edital nº.

EDITAL DO PROCESSO UNIFICADO DE ESCOLHA DOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR DE PINDAMONHANGABA PARA O MANDATO 2016/2020. Edital nº. EDITAL DO PROCESSO UNIFICADO DE ESCOLHA DOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR DE PINDAMONHANGABA PARA O MANDATO 2016/2020 Edital nº. 01/2015 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Pindamonhangaba,

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC gdelbem@tre-sc.gov.br ; gdelbem@yahoo.com.br Proposta de valores no Planejamento Estratégico da Justiça Eleitoral Gestão

Leia mais

manual básico de mídia

manual básico de mídia manual básico de mídia Manual Básico de Mídia 1 2 Manual Básico de Mídia 2015 Índice_ 01. Amostra...4 02. Público-alvo...6 03. Audiência de TV...8 04. GRP...12 05. Alcance e frequência...14 06. Custo por

Leia mais

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO *

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO * PARECER DO RELATOR (Sr. Rodrigo Maia) * RELATÓRIO * Em síntese, as propostas constitucionais ora em análise têm por escopo alterar o sistema político-eleitoral em vigor, de modo a ajustar o sistema eleitoral

Leia mais

RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre pesquisas eleitorais (Eleições de 2010).

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

EDITAL Nº 20/2015 DE PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS OFERTADOS PELA FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO FAPCOM

EDITAL Nº 20/2015 DE PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS OFERTADOS PELA FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO FAPCOM EDITAL Nº 20/2015 DE PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS OFERTADOS PELA FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO FAPCOM A Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação- FAPCOM, credenciada pela

Leia mais

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2 Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2 PRESIDÊNCIA (NÃO HÁ PUBLICAÇÕES NESTA DATA) SECRETARIA JUDICIÁRIA Coordenadoria de Acórdãos e Resoluções Resolução PUBLICAÇÃO

Leia mais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Bases legais Constituição Federal Lei das Eleições (Lei 9.504/97) Lei das Inelegibilidades (LC 64/90) Código Eleitoral Resoluções do TSE Finalidade da Legislação

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA Ministério das Relações Exteriores Comitê Nacional de Organização Rio+20 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 011/2011 CONTRATAÇÃO

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão

Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão O Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão é um órgão do Poder Judiciário Federal e tem como principais atividades a condução do processo eleitoral, desde o alistamento

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais A campanha do prefeito de Duque de Caxias Alexandre Aguiar Cardoso, natural de Duque de Caxias, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

EDITAL Nº 01 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - CMDCA

EDITAL Nº 01 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - CMDCA EDITAL Nº 01 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - CMDCA O (A) PRESIDENTE DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE GROAÍRAS-CE CMDCA, no uso da atribuição

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral Abril 2013 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Presidente Desembargadora Letícia De Faria Sardas Corregedor

Leia mais

I Seminário de Pesquisas Eleitorais Agosto de 2003

I Seminário de Pesquisas Eleitorais Agosto de 2003 I Seminário de Pesquisas Eleitorais Aspectos críticos da Legislação Eleitoral 25 e 26 de agosto de 2003 Márcia Cavallari Nunes OBJETIVOS Debater de maneira propositiva os pontos polêmicos da atual legislação,

Leia mais

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propaganda ideológica Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propagandas: comerciais e eleitorais Estão em todo parte: televisão, rádio, cartazes; veículos; objetos... As

Leia mais

Marketing de serviços

Marketing de serviços Marketing de serviços O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012, do Senador Romero Jucá, que altera a redação dos art. 8º,

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Publicidade Legal x Publicidade Institucional

Publicidade Legal x Publicidade Institucional Aperfeiçoamento em Licitações Públicas e Contratos Administrativos Módulo 6: Contratação de serviços de publicidade Edinando Brustolin Graduado e mestre em Direito pela UFSC. Assessor jurídico da Federação

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito Fabiana Ferraz Dias 1 Marcela Juliana.A. de Oliveira Marink Martins de Souza Vagliano Ralphe Vinicius Pereira dos Santos Resumo: Diante do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Regulamenta o artigo 66, do Estatuto dos Servidores Públicos de São Leopoldo, Lei nº 6.055 de 14 de Setembro de 2006, Da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes-

Leia mais

de 13 \l..íá2l-= 1p ^

de 13 \l..íá2l-= 1p ^ PUBLICADO NO DIÁRIO DA JUSTIÇA de 13 \l..íá2l-= 1p ^ TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO N 3.107 (25.10.2002) MANDADO DE SEGURANÇA N 3.107 - CLASSE 14 a - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL COMISSÃO ELEITORAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL COMISSÃO ELEITORAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL COMISSÃO ELEITORAL REGULAMENTO DA CAMPANHA ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DOS CARGOS DE REITOR(A) E VICE-REITOR(A) DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL QUADRIÊNIO

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS DIREITO ELEITORAL CURSOS DE TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 16º Simulado de Direito Eleitoral para TRE/PA, TRE/ES, TRE/TO e TRE/RN

PONTO DOS CONCURSOS DIREITO ELEITORAL CURSOS DE TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 16º Simulado de Direito Eleitoral para TRE/PA, TRE/ES, TRE/TO e TRE/RN AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: REGIMENTO INTERNO DO TRE/PA REGIMENTO INTERNO DO TRE/TO REGIMENTO INTERNO DO TRE/ES PROCESSO ELEITORAL E CRIMINAL ELEITORAL TRE/RN ANALISTA JUDICIÁRIO E

Leia mais

Edital de Candidatura

Edital de Candidatura PROCESSO SELETIVO DE Membros EDITAL N.º 03/2014 Edital de Candidatura Processo Seletivo de Membros - 2º Semestre de 2014 Considerações iniciais A Estat Júnior - Estudos Aplicados à Estatística Consultoria

Leia mais

"Política é comunicação. Toda e qualquer ação política passa pela comunicação."

Política é comunicação. Toda e qualquer ação política passa pela comunicação. "Política é comunicação. Toda e qualquer ação política passa pela comunicação." As formas de se realizar uma campanha eleitoral mudaram muito nos últimos anos, seja devido às leis, ou ao avanço na tecnologia.

Leia mais

SUCESSÃO DO CONSELHO FISCAL E COORDENAÇÃO COLEGIADA DO SINTET-UFU Biênio 2016-2018 REGIMENTO ELEITORAL PROCEDIMENTOS PRELIMINARES

SUCESSÃO DO CONSELHO FISCAL E COORDENAÇÃO COLEGIADA DO SINTET-UFU Biênio 2016-2018 REGIMENTO ELEITORAL PROCEDIMENTOS PRELIMINARES SUCESSÃO DO CONSELHO FISCAL E COORDENAÇÃO COLEGIADA DO SINTET-UFU Biênio 2016-2018 REGIMENTO ELEITORAL PROCEDIMENTOS PRELIMINARES Art.1º. De acordo com os Art. 39, 40 e 50 do Estatuto Social do Sindicato

Leia mais

Email marketing: os 10 erros mais comuns

Email marketing: os 10 erros mais comuns Email marketing: os 10 erros mais comuns Publicado em: 18/02/2008 Não ter permissão dos contatos para enviar mensagens Um dos princípios fundamentais do email marketing é trabalhar apenas com contatos

Leia mais

Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse

Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse Adm. Thiago Santos Ruel 1 SUMÁRIO: 1. Grupos de Pressão. 2. Lobby. 3. Grupos de Interesse. 4. Conclusão. 5. Referências. INTRODUÇÃO Grande parte da população

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO Por João Luiz Faria Netto A nova lei conta com normas principais e obrigatórias para a contratação de agências de publicidade

Leia mais

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em Propaganda Eleitoral 6.05.200 A. Introdução A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em + - 998 O tema esquentou

Leia mais

ELEIÇÕES 2012: PROPAGANDA ELEITORAL: Conheça as formas permitidas e não permitidas

ELEIÇÕES 2012: PROPAGANDA ELEITORAL: Conheça as formas permitidas e não permitidas ELEIÇÕES 2012: PROPAGANDA ELEITORAL: Conheça as formas permitidas e não permitidas Em comentário anterior foram abordadas as condutas vedadas a agentes públicos e candidatos no período eleitoral, compreendido

Leia mais