UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais. Lauci Dalla Zem Giaretta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais. Lauci Dalla Zem Giaretta"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais Lauci Dalla Zem Giaretta INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ - SANTA CATARINA Chapecó-SC, 2010

2 2 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ - SANTA CATARINA Lauci Dalla Zem Giaretta Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade Comunitária da Região de Chapecó, como parte dos pré-requisitos para obtenção do título de Mestre em Ciências Ambientais. Orientador: Prof º Doutor Adriano Cancelier Chapecó-SC, 2010

3 3

4 4 DEDICATÓRIA A minha família, em especial aos meus pais Augusto e Otilia e ao meu marido Leandro, com todo amor e carinho.

5 5 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar a DEUS, sempre. Ele sempre esteve, está e continuará a meu lado ajudando-me a superar os desafios da vida e a seguir em frente nos momentos difíceis. Agradeço a meus pais, Augusto e Otilia, por toda formação, incentivo e suporte que sempre me deram. Por acreditarem em mim, apoiando-me nas minhas decisões. A quem devo tudo o que consegui até hoje, e o que conseguirei no futuro. Ao meu marido Leandro, pelo amor, carinho, incentivo e apoio. E principalmente pela compreensão e por estar a meu lado em todos os momentos, principalmente nos mais difíceis. As minhas irmãs Luiza e Luciane, pela amizade, carinho, amor e por sempre ter acreditado no meu potencial. Aos meus afilhados, Luiz Cláudio, Laura Hellen e Isadora pelo carinho. Aos meus sogros Leodi e Leonilce pelo apoio. Aos meus cunhados Cláudio, Lidiano e Gabrieli, pelo incentivo. Ao Prof. Dr. Adriano Cancelier, pela orientação, amizade e confiança depositada. A Prof. Dra. Rosiléa França Garcia, pela atenção dedicada no processo seletivo e quando aluna do curso, pela colaboração na elaboração deste trabalho e pelo carinho e amizade. Aos colegas de mestrado pela amizade e incentivo prestado durante o curso. Aos professores e funcionários do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Unochapecó por todo apoio ao longo da caminhada, em especial a Luciana Lunelli. Aos professores da Banca examinadora, Ednilson Viana e Silvana Terezinha Winckler, pelas contribuições. Aos estagiários Andrey e Hevellin pela colaboração na realização da pesquisa de campo. As indústrias que abriram suas portas para realização deste trabalho. A Fabiana Gonçalves da Rosa, gerente de núcleos setoriais da ACIC pela colaboração. A todos os que contribuíram direta ou indiretamente na realização desta pesquisa, meus agradecimentos.

6 6 O desenvolvimento sustentável está longe de ser um conceito. Não é algo sobre o que exista um amplo consenso. Ao contrário, são muitas as posições existentes, e predomina viii ainda a que considera sinônimos o crescimento econômico e o desenvolvimento. José Eli da Veiga e Lia Zatz.

7 7 RESUMO GIARETTA, Lauci Dalla Zem. Inventário de resíduos sólidos industriais do Município de Chapecó- Santa Catarina. Dissertação (Mestrado) Universidade Comunitária Regional de Chapecó, p. Os resíduos sólidos industriais são um dos maiores responsáveis pelas grandes agressões ao meio ambiente, os quais podem ocasionar verdadeiras tragédias.o seu manejo inadequado gera desperdício, constitui ameaça à saúde pública e agrava a degradação e contaminação ambiental, comprometendo a qualidade de vida de todos. Nesta pesquisa destaca-se o levantamento qualitativo, quantitativo e de destinação final dos resíduos sólidos industriais produzidos no município de Chapecó, que está localizado no oeste de Santa Catarina, e constitui-se em um pólo industrial, composto por indústrias que atuam em diversos ramos de atividades. A metodologia da pesquisa está baseada em entrevista estruturada, a qual caracteriza-se pela aplicação de questionários as indústrias visitadas pela pesquisadora. O questionário, instrumento da pesquisa, abordou questões referentes a descrição da indústria, informações sobre o processo de produção, geração, caracterização, armazenamento, tratamento, reaproveitamento/reciclagem e ou destinação dos resíduos sólidos gerados pelas indústrias e sobre o desenvolvimento de programas de gestão ambiental. Foram entrevistadas um total de (97) indústrias, sendo (19,59%) de Grande porte, (44,3%) de Médio porte e (36,1%) Microempresas. A diversidade de resíduos resultantes do processo produtivo está relacionada à variedade de matériaprima utilizada pelas indústrias. Verificou-se, através da aplicação dos questionários, que a maioria dos entrevistados não reconhecem os riscos que seus resíduos oferecem a saúde

8 8 humana e ao ambiente, o que demonstra que estes não tem conhecimento da NBR 10004:2004, que descreve a classificação dos resíduos sólidos. A maioria das indústrias entrevistadas realizam o destino externo de seus resíduos, sendo (78,94%) de Grande porte, (83,72%) de Médio porte e (88,57%) Microempresas. Dentre as alternativas de destino externo, destacam-se o sucateiro, a venda e a disposição em aterros industriais. Ao realizar-se um comparativo entre as quantidades encaminhadas a cada destino, observa-se que as proporções destinadas a empresas de reciclagem/reutilização é superior ao disposto em aterros industriais. Este fator constitui um ponto muito importante para o processo de gestão dos resíduos sólidos industrias no município e proporciona a redução dos problemas ambientais e de saúde pública ocasionados pelo seu descarte inadequado. Palavras-chave: resíduos sólidos industriais, gestão dos resíduos, degradação ambiental

9 9 ABSTRACT GIARETTA, Dalla Lauca Zem. Inventory of solid industrial wastes of the municipality of Chapecó - Santa Catarina. Dissertation (Master s Degree) Universidade Comunitária da Região de Chapecó, p. Industrial solid wastes are the most responsible for the worst attacks on the environment, which may cause actual tragedies. Their inadequate handling generates waste, constituting a threat to public health and aggravating the degradation and environmental contamination, affecting the quality of life for everyone. This research highlights the qualitative and quantitative survey and final destination of solid industrial waste produced in the city of Chapecó, which is located in western Santa Catarina, and is considered an industrial center, composed of industries that operate in various branches of activities. The research methodology is based on an interview structure, which is characterized by the application of questionnaires in industries visited by the researcher. The questionnaire - the research instrument, addressed issues concerning the description of the industry, information on the processes of production, generation, characterization, storage, treatment, reuse / recycling and / or destination of solid waste generated by industries, and the development of programs for environmental management. A total of (97) industries were surveyed, those being (19) large, (43) medium-sized and (35) small. The diversity of waste

10 10 resulting from the production process is related to the variety of raw materials used by industries. From the application of questionnaires it was verified that the majority of respondents do not recognize the risks that their wastes pose to human health and to the environment. This demonstrates that they are not aware of NBR 10004:2004 which describes the classification of solid wastes. Most of the industries surveyed had an external destination for their waste, being (15) large, (36) medium-sized and (31) small industries. Among the alternatives to an external destination, standing out are the scrap dealers, sales and by disposal in industrial landfills. From carrying out a comparison between the quantities sent to each destination, it is observed that the proportions for companies of recycling / reuse is greater than those disposed of in industrial landfills. This factor is a very important point in the process of solid industrial waste management in the municipality and provides for the reduction of environmental and public health problems caused by their improper disposal. Keywords: industrial waste, waste management, environmental degradation

11 11 LISTA DE FIGURAS Figura 4.1- Classificação das indústrias de acordo com o porte 63 Figura 4.2- Número de indústrias com técnico responsável no quadro de funcionários 64 Figura 4.3- Distribuição das indústrias entre as diversas tipologias 66 Figura 4.4- Recipientes coletores de resíduos sólidos em uma indústria do 86 ramo de transformação de plástico do município de Chapecó Figura 4.5- Área nas dependências da indústria utilizada para 98 armazenamento dos coletores de resíduos Figura 4.6- Distribuição das indústrias em função do destino dos resíduos s 104 Figura 4.7- Distribuição das indústrias em função das alternativas de destinação interna dos resíduos 109 Figura 4.8- Peças de plástico refugadas no processo de produção Figura 4.9- Resultado da mistura de matéria-prima virgem com peças refugadas as quais foram moídas 111 Figura 4.10-Alternativas de destinação externa dos resíduos nas indústrias de grande porte 113 Figura 4.11-Alternativas de destinação externa dos resíduos nas indústrias de médio porte 114

12 12 Figura 4.12-Alternativas de destinação externa dos resíduos nas Microempresas 115 Figura Indústrias que realizam o transporte dos seus resíduos sólidos ao local de destino 123 Figura Número de indústrias que reaproveitam seus resíduos s 129 Figura Número de indústrias que reciclam os seus resíduos sólidos 131 Figura Número de indústrias que apresentam riscos em termos de contaminação 136 Figura Indústrias que tem implantado programa de medida de proteção ambiental 144 Figura Indústrias que tem implantado programa de orientação aos funcionários de como procederem com os resíduos 150 LISTA DE QUADROS Quadro 4.1-Número de indústrias entrevistadas em cada porte 62 Quadro 4.2-Demonstração da atuação do técnico responsável 65 Quadro 4.3-Identificação das empresas coletoras de resíduos nas indústrias do município de Chapecó 71 Quadro 4.4-Relação das empresas receptoras dos resíduos sólidos industriais e respectivas quantidades 73 Quadro 4.5-Programas de medida de proteção Ambiental implantados

13 13 nas indústrias 73 Quadro 8.1-Descrição das indústrias pertencentes a Diversas Tipologias 173 Quadro 8.2-Descrição das indústrias pertencentes ao ramo de Nutrição Animal 173 Quadro 8.3-Descrição da indústria pertencente ao ramo de Produtos 174 Químicos Quadro 8.4-Descrição das indústrias pertencentes ao ramo de Produção de Alimentos e Bebidas 174 Quadro 8.5-Descrição das indústrias pertencentes ao ramo de Gráficas 174 Quadro 8.6-Descrição das indústrias pertencentes ao ramo Metalúrgico 175 Quadro 8.7-Descrição das indústrias pertencentes ao ramo de Máquinas e 175 Equipamentos Quadro 8.8-Descrição das indústrias pertencentes ao ramo Moveleiro 176 Quadro 8.9-Descrição das indústrias pertencentes ao ramo de 176 Transformação do Plástico 176 Quadro 8.10-Descrição da indústria pertencente ao ramo de Produção de Embalagem de papel 176 Quadro 8.11-Descrição das indústrias pertencentes ao ramo Têxtil 177 Quadro 8.12-Descrição das indústrias pertencentes ao ramo de Construção 177 Civil Quadro 8.13-Descrição das indústrias pertencentes ao ramo Madeireiro 177 Quadro 8.14-Lista de matérias- primas e insumos utilizados pelas indústrias de Diversas tipologias 178 Quadro 8.15-Lista de matérias-primas e insumos utilizadas pelas Indústrias de Nutrição Animal 179 Quadro 8.16-Lista de matérias-primas e insumos utilizadas pela indústria de Produtos químicos 179 Quadro 8.17-Lista de matérias- primas e insumos utilizadas pelas Indústrias de Produção de Alimentos e bebidas 180 Quadro 8.18-Lista de matérias-primas e insumos utilizadas pelas indústrias 180 Gráficas Quadro 8.19-Lista de matérias-primas e insumos utilizadas pelas indústrias Metalúrgicas 181 Quadro 8.20-Lista de matérias-primas e insumos utilizadas pelas indústrias

14 14 de Máquinas e Equipamentos 183 Quadro 8.21-Lista de matérias-primas e insumos utilizadas pelas indústrias de Móveis 183 Quadro 8.22-Lista de matérias-primas e insumos utilizadas pelas indústrias de Transformação do plástico 184 Quadro 8.23-Lista de matérias-primas e insumos utilizada pela indústria de Embalagem de papel 184 Quadro 8.24-Lista de matérias-primas e insumos utilizadas pelas indústrias 184 Têxteis Quadro 8.25-Lista de matérias-primas e insumos utilizadas pelas indústrias da Construção Civil 185 Quadro 8.26-Lista de matérias-primas e insumos utilizadas pelas indústrias do ramo Madeireiro 185 Quadro 8.27-Identificação da produção das indústrias de Diversas Tipologias 186 Quadro 8.28-Identificação da produção das indústrias de Nutrição Animal 186 Quadro 8.29-Identificação da produção da indústria de Produtos Químicos 186 Quadro 8.30-Identificação da produção das indústrias de Alimentos e Bebidas 187 Quadro 8.31-Identificação da produção das indústrias Gráficas 187 Quadro 8.32-Identificação da produção das indústrias Metalúrgicas 188 Quadro 8.33-Identificação da produção das indústrias de Máquinas e Equipamentos 190 Quadro 8.34-Identificação da produção das indústrias de Móveis 190 Quadro 8.35-Identificação da produção das indústrias de Transformação do plástico 190 Quadro 8.36-Identificação da produção da indústria de Embalagem de Papel 191 Quadro 8.37-Identificação da produção das indústrias Têxteis 191 Quadro 8.38-Identificação da produção das indústrias da Construção Civil 191 Quadro 8.39-Identificação da produção das indústrias do ramo Madeireiro 191

15 15 Quadro 8.40-Relação das etapas de produção das indústrias de Diversas Tipologias 192 Quadro 8.41-Relação das etapas de produção das indústrias de Nutrição Animal 194 Quadro 8.42-Relação das etapas de produção da indústria de Produtos Químicos 195 Quadro 8.43-Relação das etapas de produção das indústrias de Alimentos e Bebidas 195 Quadro 8.44-Relação das etapas de produção das indústrias Gráficas 198 Quadro 8.45-Relação das etapas de produção das indústrias Metalúrgicas 199 Quadro 8.46-Relação das etapas de produção das indústrias de Máquinas e Equipamentos 202 Quadro 8.47-Relação das etapas de produção das indústrias de Móveis 204 Quadro 8.48-Relação das etapas de produção das indústrias de Transformação do Plástico 205 Quadro 8.49-Relação das etapas de produção das indústrias de Embalagem De papel Quadro 8.50-Relação das etapas de produção das indústrias Têxteis 206 Quadro 8.51-Relação das etapas de produção das indústrias da Construção Civil 207 Quadro 8.52-Relação das etapas de produção das indústrias do ramo Madeireiro 208 Quadro 8.53-Identificação da quantidade de resíduos gerados pelas indústrias de Diversas Tipologias Quadro 8.54-Identificação da quantidade de resíduos gerados pelas de Nutrição Animal Quadro 8.55-Identificação da quantidade de resíduos gerados pela indústria de Produtos químicos Quadro 8.56-Identificação da quantidade de resíduos gerados pelas indústrias de Alimentos e bebidas Quadro Identificação da quantidade de resíduos gerados pelas indústrias gráficas Quadro 8.58-Identificação da quantidade de resíduos gerados pelas indústrias metalúrgicas

16 16 Quadro Identificação da quantidade de resíduos gerados pelas indústrias de máquinas e equipamentos Quadro Identificação da quantidade de resíduos gerados pelas indústrias de Móveis Quadro Identificação da quantidade de resíduos gerados pelas indústrias de transformação do plástico Quadro Identificação da quantidade de resíduos gerados pela indústria de Embalagem de papel Quadro Identificação da quantidade de resíduos gerados pelas indústrias Têxteis Quadro Identificação da quantidade de resíduos gerados pelas indústrias da Construção Civil Quadro Identificação da quantidade de resíduos gerados pelas indústrias do ramo madeireiro Quadro Relação dos recipientes utilizados pelas indústrias para armazenamento temporário de seus resíduos 209 Quadro 8.67-Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias de Diversas Tipologias Quadro Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias de Nutrição Animal Quadro Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias de Produtos Químicos Quadro Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias de Alimentos e bebidas Quadro Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias Gráficas Quadro Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias Metalúrgicas Quadro 8.73-Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias de Máquinas e Equipamentos Quadro Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias de Móveis Quadro Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias de

17 17 Transformação do plástico Quadro Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias de Embalagem de Papel Quadro Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias Têxteis Quadro Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias da Construção Civil Quadro Relação dos resíduos armazenados pelas indústrias do ramo Madeireiro Quadro Relação dos resíduos tratados e suas quantidades Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas nas indústrias de Diversas tipologia 212 Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas nas indústrias de Nutrição Animal 212 Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas na indústria de Produtos Químicos 212 Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas Nas indústrias de Alimentos e bebidas 212 Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas nas indústrias Gráficas 213 Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas Nas indústrias Metalúrgicas 214 Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas nas indústrias de Máquinas e equipamentos 216 Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas Nas indústrias de Móveis 217 Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas nas indústrias de Transformação do Plástico 218 Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas na indústria de Embalagem de papel 218 Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas nas indústrias Têxteis 218 Quadro Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas nas indústrias da Construção Civil 219

18 18 Quadro 8.93-Relação dos resíduos sólidos coletados por outras empresas nas indústrias do ramo Madeireiro 219 Quadro Relação dos resíduos transportados pelas indústrias Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pelas indústrias de Diversas tipologias 220 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pelas indústrias de Nutrição animal 220 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pela indústria de Produtos Químicos 221 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pelas indústrias de Alimentos e Bebidas 221 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pelas indústrias Gráficas 222 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pelas indústrias Metalúrgicas 222 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pelas indústrias de Máquinas e equipamentos 223 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pelas indústrias de Móveis 224 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pelas indústrias de Transformação do plástico 224 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pela indústria de Embalagem de papel 225 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pelas indústrias Têxteis 225 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pelas indústrias da Construção Civil 225 Quadro Relação dos resíduos destinados a outros locais pelas indústrias do ramo Madeireiro 226 Quadro Indústrias de Diversas tipologias que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 227 Quadro Indústria de Produtos químicos que realiza o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 227

19 19 Quadro Indústrias de Alimentos e bebidas que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 227 Quadro Indústrias Gráficas que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 228 Quadro Indústrias Metalúrgicas que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 228 Quadro Indústrias de Máquinas e Equipamentos que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 229 Quadro Indústrias de Móveis que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 229 Quadro Indústrias de Transformação do plástico que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 229 Quadro Indústria de Embalagem de papel que realiza o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 229 Quadro Indústrias Têxteis que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 229 Quadro Indústrias da Construção civil que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 230 Quadro Indústrias do ramo Madeireiro que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos 230 Quadro Materiais reciclados pelas indústrias Quadro Etapas de produção industrial realizadas na unidade que oferece risco de contaminação ao meio ambiente Quadro Atitudes tomadas pelas indústrias objetivando eliminar Ou minimizar os problemas de contaminação ocorridos Quadro Programa de orientação aos funcionários implantado nas indústrias

20 20 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas ACIC- Associação Comercial e Industrial de Chapecó AMOSC- Associação dos Municípios do Oeste de Santa Catarina CONAMA- Conselho Nacional do Meio Ambiente FATMA- Fundação do Meio Ambiente FEAM- Fundação Estadual do Meio Ambiente FEPAM- Fundação Estadual de Proteção Ambiental IMAC- Instituto do Meio Ambiente SEMA- Secretaria Especial do Meio Ambiente SISNAMA- Sistema Nacional do Meio Ambiente UNEP- United Nations Environment Programme UNIDO- United Nations Industrial Development Organization APAE- Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais

21 21 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA Resíduo sólido industrial Histórico da legislação ambiental brasileira A legislação ambiental sobre resíduo sólido industrial A legislação ambiental estadual Transporte e destinação final dos resíduos sólidos Aterro industrial Landfarming Estabilização e solidificação Gestão ambiental Produção mais limpa Os 3Rs Redução Reutilização Reciclagem Os 5 S ISO ISO O desenvolvimento industrial do município de Chapecó-SC O crescimento demográfico do município de Chapecó-SC MATERIAL E MÉTODOS Descrição do instrumento de pesquisa e da amostragem Descrição das entrevistas realizadas RESULTADOS E DISCUSSÕES Descrição das indústrias Histórico da produção das indústrias nos últimos 05 anos Informação sobre o processo de produção desenvolvido pela Indústria Identificação da produção das indústrias 68

22 Relação das etapas de produção e resíduos gerados em cada etapa Informação sobre os resíduos gerados no período de Armazenamento dos resíduos sólidos Relação dos resíduos armazenados, forma de armazenamento e quantidade Tratamento dos resíduos sólidos Destino dos resíduos sólidos industriais quando não tratados Alternativas de destino interno para os resíduos sólidos Alternativas de destino externo para os resíduos sólidos Indústrias de Grande porte Indústrias de Médio porte Indústrias Microempresas Identificação das empresas coletoras de resíduos sólidos Relação dos resíduos coletados por outras empresas Indústrias que transportam seus resíduos sólidos Relação dos resíduos destinados a outros locais, quando não são encaminhados ao aterro industrial Indústrias que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos Indústrias que reciclam os seus resíduos sólidos Indústrias que têm armazenados resíduos gerados nos últimos últimos 05 (cinco) anos Etapas de produção realizadas na unidade que existe risco em termos de contaminação ao meio ambiente Atitudes tomadas pelas indústrias objetivando eliminar ou minimizar os problemas de contaminação ocorridos Indústrias que tem implantado programa de medida de proteção ambiental Programas de medida de proteção ambiental implantados nas indústrias Programa de orientação aos funcionários de como devem proceder na gestão de resíduos gerados nas dependências da empresa CONCLUSÕES FINAIS 161

23 23 6. RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE Descrição das indústrias Lista de matérias-primas e insumos utilizados pelas indústrias Identificação da produção das indústrias Relação das etapas de produção e resíduos gerados em cada etapa Informações sobre os resíduos gerados no período de Armazenamento dos resíduos sólidos Relação dos resíduos armazenados, forma de armazenamento e quantidades Relação dos resíduos tratados e suas quantidades 8.9. Relação dos resíduos coletados por outras empresas Relação dos resíduos transportados pelas indústrias Relação dos resíduos destinados a outros locais, quando não são encaminhados ao aterro industrial Indústrias que realizam o reaproveitamento de seus resíduos sólidos Materiais reciclados pelas indústrias Etapas de produção realizadas na unidade industrial que oferece risco de contaminação ao meio ambiente Atitudes tomadas pelas indústrias objetivando eliminar ou minimizar os problemas de contaminação ocorridos Programa de orientação aos funcionários implantados nas indústrias 9. APÊNDICE 9.1. Questionário aplicado as indústrias INTRODUÇÃO

24 24 Os resíduos resultantes das diversas atividades humanas crescem em importância no cenário ambiental, tendo uma produção de milhões de toneladas por dia em todo o mundo. A problemática ambiental ampliou-se, incluindo a disposição adequada dos resíduos sólidos, o que passou a ter grande importância para a preservação ambiental. Os resíduos sólidos industriais são um dos maiores responsáveis pelas grandes agressões ao meio ambiente, os quais podem ocasionar verdadeiras tragédias. Em função de sua natureza, e gestão inadequada, eles podem gerar impactos à atmosfera, ao solo, ao lençol freático e ao ecossistema, durante todo o seu ciclo de decomposição, estando nas dependências da indústria ou em local externo. Produzidos em todos os estágios das atividades humanas, os resíduos, em termos tanto de composição como de volume, variam em função das práticas de consumo e dos métodos de produção. As principais preocupações estão voltadas para as repercussões que podem ter sobre a saúde humana e sobre o meio ambiente (solo, água, ar e paisagem). Os resíduos perigosos, produzidos sobretudo pela indústria, são particularmente preocupantes, pois, quando incorretamente gerenciados, tornam-se uma grave ameaça ao meio ambiente (MONTEIRO, 2009). De acordo com o histórico da região da AMOSC (Associação dos Municípios do Oeste de Santa Catarina), na qual o município de Chapecó está inserido, o início da exploração de madeira constitui a primeira atividade econômica. Posteriormente, a região tornou-se um grande complexo agroindustrial, o que atraiu pessoas de outros municípios, as quais vieram em busca de trabalho e melhores condições de vida, ocasionando um crescente aumento da população e consequentemente a instalação de outros ramos industriais, ampliando a oferta de trabalho. Porém, esses elementos são responsáveis pelo aumento da produção de resíduos sólidos, contribuindo para que ocorresse uma degradação ambiental mais acelerada. A atividade industrial, em termos de potencial poluidor, é uma das fontes mais representativas como causadora de impacto ambiental. Porém, este cenário vem mudando, impulsionado pela pressão da globalização e de um mercado cada vez mais competitivo e exigente na questão da preservação ambiental. Entretanto, quando refere-se à resíduos sólidos a questão é tratada de forma incipiente, ou seja, falta uma política de gestão de resíduos sólidos no país, além de incentivo a investimentos pelos

25 25 setores público e privado no que diz respeito à prática de controle de preservação ambiental (MOROSINE, 2006). O manejo inadequado de resíduos sólidos industriais gera desperdício, constitui ameaça à saúde pública e agrava a degradação e contaminação ambiental, comprometendo a qualidade de vida de todos. A disposição inadequada de resíduos sólidos industriais apresenta-se hoje como um grande problema ambiental, seja pela contaminação do solo que ocasionou, ou pela prática incorreta de disposição final ainda realizada por várias instalações industriais. O município de Chapecó, como outros no Brasil se deparam com dificuldades de adequar modelos de gestão frente aos problemas causados pelos resíduos sólidos (ROSSI, 2003). A partir deste enfoque, buscou-se conhecer os aspectos qualitativos, quantitativos e como é realizada a disposição final dos resíduos produzidos pelas indústrias, tendo-se assim, informações que podem servir de instrumento facilitador da gestão dos resíduos sólidos industriais no município de Chapecó-SC. Perante a este contexto, surgiu então a necessidade de ser executado o inventário de resíduos sólidos industriais que vem trazer informações básicas referentes aos resíduos sólidos gerados no município. Este visa subsidiar uma política de gestão voltada para a minimização da geração, reutilização, reciclagem, tratamento e destinação final adequada dos referidos resíduos. O mesmo contém informações que podem instigar a realização de novas pesquisas científicas que tenham por objetivo a preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável do município. As informações contidas no inventário de resíduos sólidos industriais podem também servir de subsídio para as indústrias que desejam implantar ou melhorar o programa de gestão ambiental, pelo fato que este processo está interligado ao conhecimento dos resíduos produzidos e de sua classificação. Esta pesquisa visa contribuir para o desenvolvimento do processo de gestão dos resíduos sólidos industrias, a partir dos referidos objetivos. O objetivo geral é realizar o levantamento qualitativo, quantitativo e de destinação final dos resíduos sólidos industriais produzidos no município de Chapecó, Santa Catarina. Os objetivos específicos abrangem: coletar informações sobre geração, característica, armazenamento, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO)

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) CÓD. MAN01 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Em nível municipal, além da necessidade de se

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 313, de 29 de outubro de 2002 Publicada no DOU n o 226, de 22 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 85-91

RESOLUÇÃO CONAMA nº 313, de 29 de outubro de 2002 Publicada no DOU n o 226, de 22 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 85-91 RESOLUÇÃO CONAMA nº 313, de 29 de outubro de 2002 Publicada no DOU n o 226, de 22 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 85-91 Correlações: Revoga a Resolução CONAMA n o 6/88 Dispõe sobre o Inventário Nacional

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS E DE MINERAÇÃO GOIANIA, 2014.

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS E DE MINERAÇÃO GOIANIA, 2014. MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS E DE MINERAÇÃO GOIANIA, 2014. 1 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE GOIÁS Jacqueline Vieira da Silva

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 A classificação de resíduos sólidos envolve a identificação do processo ou atividade que lhes deu origem, de seus constituintes e características, e a comparação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Transporte, Mineração

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013 Elaboração de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos químicos (FDSR) e rotulagem (ABNT-NBR 16725) Resíduos perigosos: classificação (ABNT- NBR 10004 e transporte) Prof. Carlos E. Matos Maio - 2013 FISPQ

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos

Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos 1 Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos Marconi Canuto Brasil (marconic@tce.rj.gov.br) Técnico de Controle Externo (arquiteto) do e auditor ambiental. Ana Lucia Costa Bittencourt

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná LEI Nº 12493-22/01/1999 Publicado no Diário Oficial Nº 5430 de 05/02/1999. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes a geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte,

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Princípios, objetivos e instrumentos, Diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos Responsabilidades dos

Leia mais

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Isabela Helena De Marchi A Resolução CONAMA nº 005, em conformidade com a NBR nº10.004 da Associação brasileira de Normas Técnicas ABTN definiu em seu artigo 1º os resíduos

Leia mais

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos nas Indústrias Madeireiras

Gerenciamento de Resíduos nas Indústrias Madeireiras Gerenciamento de Resíduos nas Indústrias Madeireiras Profa. Dra. Adriana Maria Nolasco Laboratório de Movelaria e Resíduos Florestais LCF/ESALQ/USP amnolasc@usp.br Telefone: 19 3402-2166 Home page: www.anpm.org.br

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Texto Atualizado Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS ISSN 1984-9354 MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Leonardo Dias Pinto (Latec/UFF) Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas (Latec/UFF) Resumo Os resíduos sólidos provenientes

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais?

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Perguntas frequentes Resíduos Sólidos 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Resíduos industriais: gerados nos processos produtivos e instalações industriais.

Leia mais

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS 4a Reunião Ordinária do GT Interinstitucional sobre Uso de Resíduos Industriais Indicados como Matéria-Prima para Fabricação de Produtos Fornecedores de Micronutrientes Utilizados como Insumo Agrícola

Leia mais

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Handson Cláudio Dias Pimenta (UFRN/PEP) handsonpimenta@hotmail.com Sérgio Marques Júnior (UFRN) sergio@ct.ufrn.br

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

KALIANY PEREIRA MARTINS GESTÃO DE RESÍDUOS ORIUNDOS DAS OFICINAS MECÂNICAS AUTOMOTIVAS DE JOÃO PESSOA - PB TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

KALIANY PEREIRA MARTINS GESTÃO DE RESÍDUOS ORIUNDOS DAS OFICINAS MECÂNICAS AUTOMOTIVAS DE JOÃO PESSOA - PB TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO KALIANY PEREIRA MARTINS GESTÃO DE RESÍDUOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM 1 Régis Budke, 1 Jackson Rainério Cardoso & 2 Silvio Bispo do Vale 1 Graduandos em Engenharia de Minas e Meio Ambiente - UFPA. 2 Prof. da

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

RELATÓRIO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Ministério do Meio Ambiente RELATÓRIO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MAIO, 2003. Coordenação: Eng. Químico Renato das Chagas e Silva Execução: Eng. Química

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - Profa. DSc. Aline Sarmento Procópio Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental aline.procopio@ufjf.edu.br Gestão dos Resíduos

Leia mais

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues O QUE É GESTÃO AMBIENTAL? "O controle apropriado do meio ambiente

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

MANTRARES. MANTRARES Versão 2.7

MANTRARES. MANTRARES Versão 2.7 MANTRARES Versão 2.7 Sistema de Emissão e Controle de Manifesto de Transporte de Resíduos www.mantrares.com.br MANTRARES conteúdo apresentação... 1 instalação... 3 registro... 4 cadastro da empresa...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS Profa. Songeli Menezes Freire Salvador 2009 RESÍDUO Qualquer material,

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - PGRSI

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - PGRSI Departamento de Administração de Materiais TCM Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS TCM PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

Leia mais

PROCEDIMENTO Página 1 / 38. Elaboração de Projetos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Histórico

PROCEDIMENTO Página 1 / 38. Elaboração de Projetos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Histórico PROCEDIMENTO Página 1 / 38 Histórico Data Revisão Modificação 05/10/05 0 Emissão inicial 03/08/06 1 Inclusão do item 5.10 31/01/08 2 Revisão geral. 08/09/2010 3 22/03/2011 4 02/05/11 5 Alteração da Identificação

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental Versão 03 Novembro / 2009 A WEG aliada aos princípios de sustentabilidade

Leia mais

Considerando a necessidade da elaboração de Programa Estadual e de Plano para Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais.

Considerando a necessidade da elaboração de Programa Estadual e de Plano para Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais. 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07/2011 Dispõe sobre gerenciamento e disposição final dos resíduos sólidos gerados em unidades de produção industrial, de bens e serviços, assim como os provenientes de atividades

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de gerenciamento

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Autor José Cláudio Junqueira Ribeiro Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM Resumo Curricular Engenheiro civil (1973) e Especialização em Saneamento pela UFMG

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

INDÚSTRIA MOVELEIRA E RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPACTOS AMBIENTAIS RESUMO

INDÚSTRIA MOVELEIRA E RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPACTOS AMBIENTAIS RESUMO 1 INDÚSTRIA MOVELEIRA E RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPACTOS AMBIENTAIS RESUMO Tamires Toledo Fófano 1 Thaís Aparecida Cândida Balbino 2 Tatiane Teixeira Tavares 3 A fabricação de móveis, com variação de volume

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Avaliação de aspectos e impactos ambientais, legislação ambiental e gerenciamento de resíduos na indústria calçadista

DOSSIÊ TÉCNICO. Avaliação de aspectos e impactos ambientais, legislação ambiental e gerenciamento de resíduos na indústria calçadista DOSSIÊ TÉCNICO Avaliação de aspectos e impactos ambientais, legislação ambiental e gerenciamento de resíduos na indústria calçadista Iara Krause Reichert SENAI-RS Centro Tecnológico do Calçado Agosto 2007

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS NAS EMPRESAS DE RECARGA DE CARTUCHOS DE IMPRESSORA

O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS NAS EMPRESAS DE RECARGA DE CARTUCHOS DE IMPRESSORA O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS NAS EMPRESAS DE RECARGA DE CARTUCHOS DE IMPRESSORA José Flavio Poças (1), (2), Sylvana Marschall Torres (2), Alfredo Akira Ohnuma Júnior (3) 1 Mestrando em

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL 350 Gabriela Candeo Zanetti 1, Karen Staquecini Martines 1, Maria Eunice Carvalho Tosello 1, Rebeca Delatore Simões 2 1 Universidade do Oeste Paulista UNOESTE, Curso

Leia mais

Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja

Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja Sílvia Regina Machado Pukasiewicz (CEFET-PR) silviapuk@bol.com.br Prof. Dr. Ivanir Luiz de Oliveira (CEFET-PR)

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

Postes de Eucalipto Tratados

Postes de Eucalipto Tratados Postes de Eucalipto Tratados - Considerações - Destinação de Resíduos de Madeira Tratada 3º Simpósio Madeira e Construção- Agosto 2015 Flavio C. Geraldo ABPM Workshop Presidente ABRADEE Maio 2015 Flavio

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana;

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana; RESÍDUOS SÓLIDOS - são os resíduos que se apresentam nos estados sólidos, semi-sólidos e os líquidos não passíveis de tratamento convencional, que resultam de atividades de origem industrial, comercial,

Leia mais

Remediadores Ambientais Situação atual das exigências para Registro

Remediadores Ambientais Situação atual das exigências para Registro MESA REDONDA: Produtos Remediadores Associação Brasileira de Empresas de Consultoria e Engenharia AESAS Federação das Industrias do Estado de São Paulo - FIESP Remediadores Ambientais Situação atual das

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2 968, de 14 de setembro de 1993 Publicada no DOERJ de 05 de outubro de

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

Resíduos Sólidos Industriais Cenário Mundial Atual Toda atividade humana gera resíduos, e eles são indesejáveis triplamente, pois ocupam áreas que poderiam ter finalidades mais nobres, têm grande potencial

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Renato Luis Tauffer Termo de Referência para Elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

O Desenvolvimento de Parques Industriais Ecológicos no Estado do Rio de Janeiro: uma proposta de planejamento para o PIE de Paracambi

O Desenvolvimento de Parques Industriais Ecológicos no Estado do Rio de Janeiro: uma proposta de planejamento para o PIE de Paracambi O Desenvolvimento de Parques Industriais Ecológicos no Estado do Rio de Janeiro: uma proposta de planejamento para o PIE de Paracambi Lilian Bechara Elabras Veiga, D. Sc. Profª Alessandra Magrini, D. Sc.

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos Aplicado em uma Agroindústria Canavieira

Plano de Gerenciamento de Resíduos Aplicado em uma Agroindústria Canavieira Plano de Gerenciamento de Resíduos Aplicado em uma Agroindústria Canavieira SOUZA, Márcia Ferreira de. NICODEMO, Leonardo Pivotto RESUMO A geração de resíduos sólidos em uma empresa do ramo sucroalcooleiro

Leia mais

Panorama sobre resíduos sólidos

Panorama sobre resíduos sólidos Panorama sobre resíduos sólidos Brasil Dinamarca: Cooperação em Meio Ambiente Setembro de 2009 Principais conceitos (proposta do setor industrial) Resíduos sólidos: qualquer material, substância, objeto

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1 Morgana Suszek Gonçalves 2, Larissa Kummer 3, Maurício Ihlenfeldt Sejas 4, Thalita Grando Rauen

Leia mais

Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde

Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde Questões Resolvidas

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente - Conama

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente - Conama MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente - Conama Proc. n o 02000.002873/97-14 Subsídios para a formulação de uma Política Nacional de Resíduos Sólidos. Interessado: Câmara Técnica

Leia mais

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS Introdução Este documento é um guia orientativo aos associados da Abmaco que desejem efetuar a disposição adequada de tambores e embalagens de resina poliéster

Leia mais

QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável)

QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável) QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável) Baseia-se na utilização de técnicas químicas e metodologias que reduzem ou eliminam o uso de solventes e reagentes ou geração de produtos e sub-produtos

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito

A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito Ciclo Especial de Palestras 45 anos Crea-ES A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito Prof. Aurélio A. Barreto Neto aurelio@cefetes.br O Setor de Rochas Ornamentais

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais