A FUNÇÃO MASTIGATÓRIA E OS DISTÚRBIOS TEMPOROMANDIBULARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FUNÇÃO MASTIGATÓRIA E OS DISTÚRBIOS TEMPOROMANDIBULARES"

Transcrição

1 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL A FUNÇÃO MASTIGATÓRIA E OS DISTÚRBIOS TEMPOROMANDIBULARES LETÍCIA PACHECO RIBAS PORTO ALEGRE 1999

2 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL A FUNÇÃO MASTIGATÓRIA E OS DISTÚRBIOS TEMPOROMANDIBULARES Monografia de conclusão do curso de especialização em Motricidade Oral Orientadora: Mirian Goldenberg LETÍCIA PACHECO RIBAS PORTO ALEGRE 1999

3 R E S U M O Este trabalho aborda dois assuntos que se interrelacionam: distúrbio temporomandibular e função mastigatória. Algumas hipóteses delinearam esta pesquisa. Como se classificam os distúrbios das articulações temporomandibulares? Em que classe a função mastigatória estaria envolvida e de que forma? Tudo para, de forma pertinente, elucidar as questões que surgem no momento do diagnóstico fonoaudiológico. A abordagem inicial é a pesquisa do desenvolvimento das articulações temporomandibulares e da mastigação, relatando-se os tipos de distúrbios temporomandibulares e as possíveis alterações da função mastigatória associadas. Constatou-se que existem dois grandes grupos de distúrbios temporomandibulares, os de ordem articular e os de ordem muscular e, nos dois tipos a mastigação estará alterada.

4 ABSTRACT disturb and chew function. This work is about two interrelated issues: mandible-temporal Some hypothesis guided this research. How are this mandibletemporal articulations disturbs classified? What would be the kind of chew function and how is it? All that to, in a pertinent way, elucidates the questions that appear in the audible-phonetic diagnostic moment. The initial approach is the research of development of mandibletemporal articulations and the chew, relating the types of mandible-temporal disturbs and the possible associated changes of the chew function. We found out that exist two big groups of mandible-temporal disturbs, the articulation and the muscular ones, and both causes chew changes.

5 Dedico este trabalho aos meus pais, Paulo e Marlene, que sempre estiveram comigo, apoiando e incentivando desde o início de minha jornada profissional. Aos meus irmãos, Rodrigo e Leonardo, pela paciência e prestatividade. Ao meu marido, Alexandre, pelo amor e compreensão quando não pude estar a seu lado. À Deus, por permitir que estejamos nessa jornada, aperfeiçoando nossos conhecimentos para auxílio ao próximo.

6 A G R A D E C I M E N T O S Durante o curso de especialização em motricidade oral e realização desta pesquisa muitos momentos bons aconteceram, e, pessoas especiais fizeram parte desta trajetória. Aproveito para agradecê-las neste espaço. À amiga, madrinha e competente fonoaudióloga, Patrícia Farah. Às fonoaudiólogas Mariângela Mônego, Simone Nisa e Castro, Carolina Mezzomo e à ortodontista Renata Cauduro pelo auxílio na revisão científica. À Sra. Maria Amélia Coronel pela preciosa ajuda na revisão final. A todos, que de uma forma ou outra, auxiliaram-me nesta produção.

7 Amassa-se o barro, fazem-se os tijolos, erguem-se as paredes, mas é preciso deixar lacunas para as portas e janelas, que tornarão a casa habitável. Corta-se o tronco, desbasta-se a madeira, faz-se a roda, mas é preciso cavar o buraco, que permite a introdução do eixo. Portanto, o ser produz o útil, mas é o não ser que o torna eficaz. Lao Tsé

8 SUMÁRIO 1. Introdução p.1 2. A Função Mastigatória e os Distúrbios Temporomandibulares Sistema Estomatognático Mandíbula Articulação Temporomandibular Músculos da Mastigação Mastigação Função Pré-Mastigatória Função Mastigatória Distúrbios Temporomandibulares Considerações Finais Referências Bibliográficas 38

9 1. INTRODUÇÃO Quando uma nova fase de aquisição de conhecimentos se inicia, as dúvidas são muitas e surgem a todo momento. Durante o curso de especialização em motricidade oral, as novas informações foram dadas em grande quantidade, e, precisavam ser absorvidas para a continuidade da pesquisa além da sala de aula. Dentre os assuntos, que foram bastante vistos durante esta jornada, o distúrbio temporomandibular foi o escolhido para ser debatido neste estudo. No entanto, era necessário deter-se em um tema específico dentro do quadro geral deste distúrbio, e, associá-lo a um outro de interesse da fonoaudiologia. De todas as funções do sistema estomatognático, a mastigação foi a que chamou atenção, devido as suas modificações nas diversas etapas da vida, do funcionamento dependendo do tipo de alimento, das características individuais, da estreita relação com as articulações temporomandibulares e das possíveis alterações quando houvesse um transtorno destas. Em função do exposto acima e baseando-se nas dúvidas que foram surgindo, estabeleceram-se algumas linhas para um raciocínio: Qual a relação da mastigação com as articulações temporomandibulares?

10 Será que o distúrbio temporomandibular gera realmente alterações na função mastigatória? Se geram, por que e como acontecem? Na probabilidade de existirem vários tipos de distúrbios temporomandibulares a função mastigatória estará alterada em todos? Observa-se que existe pouca literatura, sobre estes temas, escrita por profissionais brasileiros, fator que motiva mais a conclusão deste trabalho e a pesquisa futura de outros assuntos. Dentro da fonoaudiologia as referências bibliográficas são mais escassas ainda, mas, por outro lado, vê-se uma produção de livros e artigos mais intensa nos últimos anos, motivo que orgulha e estimula para contribuir com futuras pesquisas. O sistema estomatognático começa a ser mais investigado pelos fonoaudiólogos, que descobrem as vantagens disto em sua prática clínica. Apesar deste contexto, ainda há constantes dúvidas que permeiam o atendimento dos pacientes com distúrbio temporomandibular. Os profissionais questionam-se até onde e de que forma atuar para um resultado rápido e positivo. O distúrbio temporomandibular com todas suas conseqüências é quase uma terra sem dono, quando se pensa em prática clínica. As perguntas que podemos fazer são: Quem atua? Quem trata? Quem estuda? Essa busca por respostas e a ânsia de mostrar quem sabe mais, leva os profissionais de várias áreas a privilegiar uma especialidade em detrimento de outras, esquecendo que o distúrbio temporomandibular abrange vários aspectos, sendo

11 que o atendimento deve visar o alívio do paciente naquilo que é prioridade no momento, através da conjugação de esforços e recursos de vários profissionais. Ainda há muitos caminhos a serem percorridos para que possamos trazer, orgulhosos ao final de cada pesquisa, o resultado do conhecimento científico para o seio de nossa profissão, demonstrando ao mundo que ela é, efetivamente, uma profissão séria e sábia na clínica, na pesquisa, no conhecimento, na interação e integração com outras profissões. No entanto, para isto, é preciso estarmos conscientes da necessidade de sobrepujar os ensinamentos acadêmicos da graduação e o conhecimento da experiência clínica. Esta busca pelas novas informações e pela pesquisa deve servir de base para que as lacunas de nossa formação profissional sejam preenchidas. O fonoaudiólogo precisa ser muito mais do que aquele que ensina ou aquele que aprende, necessita sim fazer de sua própria atuação o caminho para a ampliação de seu conhecimento. A pesquisa, que iniciamos agora, tem como principal objetivo buscar as definições e características do distúrbio temporomandibular e da função mastigatória, fazendo uma relação entre estes dois temas. Dentro disto, se propõe a encontrar um paralelo entre o normal e o alterado, traçando uma linha de ocorrências dentro do desenvolvimento normal da função mastigatória e do crescimento e desenvolvimento das articulações temporomandibulares. Por fim, aglutinar todas as informações do que pode ficar alterado e onde podem ocorrer adaptações do sistema estomatognático.

12 2. FUNÇÃO MASTIGATÓRIA E DISTÚRBIOS TEMPOROMANDIBULARES A pesquisa bibliográfica abrangerá os temas citados antes, iniciando pelo sistema estomatognático e procurando abordar sobre a definição deste, suas funções e as estruturas envolvidas no tema proposto. Inicia-se o estudo desta pela mandíbula, enquanto osso importante na função mastigatória a partir de suas articulações, as temporomandibulares. São enfocados os músculos da mastigação e a mastigação propriamente dita, relembrando esta função em sua fase de desenvolvimento e no estágio maduro. Em um segundo momento, os distúrbios temporomandibulares são definidos, através da discussão de vários autores e por fim chega-se a conclusões sobre os temas expostos a partir do encontrado nesta pesquisa. 2.1 SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO O sistema estomatognático, antes chamado de sistema mastigatório, executa outras funções além da mastigação. A palavra stoma, vem do grego e significa boca, gnatos significa mandíbula. O significado da palavra estomatognático corresponde à função oral onde há participação da mandíbula.

13 Além destas colocações, Douglas e Douglas (1998) apontam como correta a denominação de sistema rino-estomato-glosso-gnático, onde se leva em conta também a participação do nariz e da língua, mas devido à facilitação e praticidade usamos apenas estomatognático. O sistema estomatognático executa duas funções: a estomatognosia que se refere a sensibilidade oral e à estomatoponia referente à motricidade oral. As funções motoras orais são chamadas, portanto, de estomatoponias, sendo que a maior parte são dinâmicas, ou seja, podem modificar-se. Douglas e Douglas (1998) também colocam que a divisão dessas funções pode ser em dois tipos: as clássicas e as adaptativas. As funções do primeiro grupo são assim denominadas devido à importância científica e grande estudo dos temas relacionados a elas, e, as funções do segundo grupo são assim chamadas pelo recente interesse e poucas pesquisas. As clássicas ou primárias são: postura mandibular mastigação sucção deglutição fono-articulação mascagem

14 As adaptativas ou secundárias são: bocejo beijo mordida expressão facial vocalização sorriso e riso cuspir funções antiaborais Interessante colocar que a função primária da boca é a de adaptação comunicativa, pois todas as funções adaptativas se traduzem em comportamentos comunicativos e isso ocorre, também, com algumas clássicas. Assim como estas, as funções adaptativas exigem movimentos mandibulares. Como exemplo de função adaptativa temos o bocejo, que exige grande movimento mandibular, tendo abertura máxima de boca no ápice da execução e onde se dá um relaxamento do tônus muscular geral e objetiva evitar o sono, fazendo com que haja maior oxigenação do cérebro. Conforme Köhler (1998) as estruturas do sistema estomatognático fazem várias conexões musculares com as estruturas adjacentes. A partir destas conexões podem ser observadas as ações de reciprocidade e suas influências entre os atos de mastigação, deglutição, respiração, fonação e postura de cabeça.

15 2.1.1 MANDÍBULA Encontra-se, como ponto comum entre os diversos autores, a definição para a mandíbula, que é um osso ímpar. Tem a forma de uma ferradura e 2 ramos perpendiculares em cada extremidade. É constituída de 2 partes que são unidas na sínfise mentoniana. Há em cada ramo duas terminações salientes denominadas processos coronóide e condilóide. No primeiro, que fica em frente ao processo condilóide, estão inseridos os músculos temporal e masseter. O segundo constitui-se de colo e cabeça da mandíbula e articula-se com o osso temporal pela cavidade condilar com auxílio de um conjunto de músculos internamente, e, externamente, de ligamentos que, em conjunto, formam a articulação temporomandibular. É como coloca Madeira (1995) esta é a única articulação do crânio, e a mandíbula o único osso móvel da face. A figura abaixo, extraída do livro de Enlow (1993), ilustra este osso.

16 A mandíbula é um osso que sofre várias modificações durante o crescimento facial. No recém-nascido, apresenta início de delineamento do processo alveolar. Os ramos são curtos, os côndilos e o corpo não estão bem desenvolvidos. Quando do nascimento, segundo Araújo (1988), há na mandíbula uma tênue linha de cartilagem e tecido conjuntivo que separam as hemimandíbulas. Observa, no entanto, que a junção dessas 2 partes da mandíbula inicia aos 4 meses e aos 12 meses há a junção final, e a cartilagem foi substituída por osso. Já Moyers (1987) cita este fechamento aos 2 anos de idade. Não existe divergência, entre os vários autores, a respeito das características da cavidade condilar. No início é achatada, permitindo com isso os movimentos mandibulares ântero-posteriores, o que facilita o aleitamento materno. Com a erupção da dentição decídua e o início da função mastigatória, a forma rasa desta cavidade se modifica. Aos 4 anos de idade, já assume características da forma adulta. Essas mudanças são bastante marcantes nos primeiros anos de vida e no desenvolvimento das articulações temporomandibulares. Além da mudança na forma da cavidade condilar, há também mudança na inclinação desta, inicialmente quase inexistente, mas que, com a maturação, vai se acentuando, principalmente com a erupção dos molares, quando então a mastigação se torna vigorosa. As figuras abaixo, extraídas do livro de Enlow (1993), ilustram a evolução pela qual a cavidade condilar passa. A primeira

17 mostra o formato desta em um feto de oito semanas e a outra, o formato de uma criança de aproximadamente quatro anos. Junto com o crescimento da maxila, o crescimento da mandíbula é fator importante e determinante de um bom desenvolvimento da oclusão dentária e de todo crescimento facial.

18 As articulações temporomandibulares, união da mandíbula ao osso temporal direito e esquerdo, permitem os movimentos da mandíbula para muitas funções do sistema estomatognático, como as clássicas e adaptativas, citadas anteriormente, objetos de estudo da Fonoaudiologia. Devido a essa interligação, é necessário o conhecimento dos elementos atuantes neste complexo sistema ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (ATM) A articulação temporomandibular é uma diartrose sinovial bilateral, ou seja, é uma articulação móvel recoberta por uma cápsula que produz um líquido sinovial viscoso. É encontrada dos dois lados (direito e esquerdo) do crânio e constitui a ligação móvel entre o osso temporal e a mandíbula. A figura abaixo, extraída do livro de Enlow (1993), ilustra essa ligação.

19 Estas articulações são responsáveis pelos movimentos mandibulares, necessários para várias funções do sistema estomatognático. Esses movimentos mandibulares, que ocorrem também por ação dos músculos, são de abertura e fechamento, lateralização, retrusão e protrusão. O fato desta articulação ser bilateral faz com que os dois lados se movimentem sinergicamente. Constitue-se, bilateralmente, de cavidade condilar, eminência articular, côndilo, cartilagem articular, disco articular, líquido sinovial, cápsula articular e ligamentos (ligamento lateral, ligamento estilomandibular e ligamento esfenomandibular). A cavidade condilar se encontra no osso temporal, assim como a eminência articular, que está à frente da cavidade condilar. Os outros elementos são encontrados na mandíbula ou ligados a ela. O côndilo apresenta maior dimensão lateral a partir do colo, o que resulta numa expansão da superfície articulatória. A cavidade condilar é bem reforçada nas bordas, sendo que, no centro da cavidade, há um afinamento da estrutura óssea. Mais à frente desta cavidade, encontra-se a eminência articular. O disco articular situa-se entre o côndilo e a cavidade condilar. É uma cartilagem fibrosa, densa e está ligado ao côndilo em suas porções média e lateral acompanhando os movimentos deste. A cápsula articular parece uma bolsa de tecido que recobre a articulação; junto a ela e externamente estão os ligamentos. Estes são responsáveis pela estabilidade desta articulação, sendo que o ligamento estilomandibular é acessório. Internamente há uma membrana que produz um fluido que lubrifica e nutre a articulação, é chamado de líquido sinovial.

20 Os movimentos das ATMs são os de rotação e translação. O movimento de rotação ocorre quando o côndilo gira em seu próprio eixo, dentro da cavidade condilar; o de translação se junta ao de rotação, fazendo com que o côndilo excursione para frente, acompanhado pelo disco articular. Esta característica ocorre na abertura da boca. No fechamento os côndilos fazem o mesmo trajeto de volta. Os músculos que participam dos movimentos mandibulares são: os levantadores da mandíbula (masséter, temporal, pterigóideo medial), os abaixadores da mandíbula (digástrico, milo-hióideo e genio-hióideo), o protrusor da mandíbula (pterigóideo lateral), além dos músculos infra-hióideos, os da mímica e os da língua. Os músculos levantadores e protusor da mandíbula são chamados de músculos da mastigação. Da postura de repouso para um leve abaixamento da mandíbula, como colocam Hanson e Barrett (1995), há movimentos menores de abertura e fechamento entre o disco articular e côndilo. Na grande amplitude de boca aberta, ou na protrusão da mandíbula, o côndilo se move para frente da cavidade condilar juntamente com o disco. Na fase de trituração do alimento, há movimentos rotatórios da mandíbula. Observam-se nas articulações temporomandibulares dois tipos de ação: o deslizamento do disco para frente e para trás sob a eminência articular, e outro, que ocorre concomitantemente com o primeiro, a rotação entre disco e côndilo.

21 2.1.3 MÚSCULOS DA MASTIGAÇÃO Os músculos da mastigação, já vistos anteriormente, são: masséter, temporal, pterigóideo medial, e pterigóideo lateral; os três primeiros são responsáveis pela elevação da mandíbula e o último pela protrusão. Todos eles ligam a mandíbula (ponto móvel) ao crânio (ponto fixo). Atuam em conjunto e tem como fulcro as articulações temporomandibulares. São inervados pela raiz motora do nervo trigêmio, o nervo mandibular. Douglas e Douglas (1998) colocam no grupo dos levantadores da mandíbula os seguintes músculos: temporal anterior, masséter, pterigóideo medial e esfenomandibular. Os abaixadores são: pterigóideo lateral, suprahióideos (ventre anterior do digástrico, milo-hióideo e estilo-hióideo). Na mastigação o grupo muscular fundamental é o mandibular, constituído de levantadores e abaixadores da mandíbula, sendo que os outros grupos que também participam são: os infra-hióideos (esterno-hióideo, tireo-hióideo e omohióideo); faciais (bucinador, orbicular dos lábios, zigomáticos maior e menor, depressor da comissura labial, mentalis, risório de Santorini); linguais (intrínsecos e extrínsecos); cervicais (porção superior do trapézio, esternocleidomastóideo, escaleno e esplênicos); faríngeos (constritor superior da faringe, constritor médio da faringe, constritor inferior da faringe e salpingo-faríngeo). O masséter é um músculo de grande potência e espessura dentre os levantadores da mandíbula. Insere-se no arco zigomático e nas bordas do

22 ramo da mandíbula pela face externa do ângulo goníaco, cobrindo quase todo o ramo. Junto ao arco zigomático, fibras profundas do masséter se entrelaçam com fibras superficiais do temporal, o que faz com que os dois músculos tenham forte fixação. As fibras estão em sentido oblíquo e, durante a contração, o músculo se desloca nesta direção, propiciando a oclusão dentária. O músculo temporal tem a forma de um leque e divide-se em 3 porções: anterior, média, e posterior. A inserção é na fossa temporal e se fixa no processo coronóide da mandíbula. Este músculo tem como função levantar a mandíbula quando se fecha a boca. Esta ação é executada principalmente pela porção anterior deste músculo, enquanto as fibras da porção posterior participam da retrusão da mandíbula. O músculo pterigóideo medial também tem a função de levantar a mandíbula. Estando em posição paralela ao masséter e sendo sinergista deste, também se insere no ramo da mandíbula, mas pela face interna do ângulo goníaco. A origem deste músculo se dá na fossa pterigóidea. Possui forma retangular, como o masséter, mas de menor tamanho. As fibras do pterigóideo lateral estão em sentido horizontal e é o único dos músculos da mastigação, que tem ligação com as articulações temporomandibulares. Por esta característica, executa movimentos mandibulares que os outros não realizam. Possui 2 feixes, superior e inferior. O feixe superior se fixa na asa maior do esfenóide e o feixe inferior na superfície lateral do processo pterigóide. A inserção de ambos se dá no colo mandibular. Algumas fibras do feixe superior se inserem na cápsula articular e outras no disco da articulação

23 temporomandibular. A função principal deste músculo é a de protrusão mandibular, isto quando há contração simultânea de ambos pterigóideos laterais, pois quando há ação de um dos dois, o movimento é de lateralidade para o lado oposto MASTIGAÇÃO O processo pelo qual o alimento é transformado em pedaços menores dentro da cavidade oral é chamado de mastigação. Como citam Hanson e Barrett (1995), é o processo oral anterior à deglutição, voluntário, mas sempre consciente. É importante ressaltar que a correta mastigação influencia positivamente no processo digestivo, pois é a partir desta função que o organismo retira os nutrientes necessários para sua manutenção. Bradley (1981) ressalta que a eficiência mastigatória depende necessariamente de uma boa dentição. Refere também que esta eficiência resulta numa boa estimulação da secreção salivar e suco gástrico, existindo relação entre sintomas gastrointestinais e indivíduos com insuficiência mastigatória. A função mastigatória depende, além dos movimentos mandibulares, da movimentação da língua. No entanto, serão expostos os aspectos do ponto de atuação dos movimentos mandibulares, por serem estes

24 mais ligados às articulações temporomandibulares e conseqüentemente ao assunto pesquisado. Acreditamos ser pertinente a revisão dos seguintes aspectos: como se dá esta função em tenra idade e, posteriormente, entraremos no padrão adulto, caminho pelo qual possamos entender melhor esta habilidade motora FUNÇÃO PRÉ-MASTIGATÓRIA As funções pré-mastigatórias, que segundo alguns autores, já podem ser observadas no bebê, estabelecem usos do sistema estomatognático que auxiliam na preparação da função mastigatória madura. Existe uma expansão neurocraniana que, como refere Enlow (1993), seria fator resultante do crescimento facial, juntamente com a utilização dos músculos da expressão facial, língua e palato, observadas no bebê durante suas necessidades alimentares. O mais importante é relacionar esses fatores à erupção dos dentes decíduos, que favorece a maturação dos músculos levantadores da mandíbula, encontrados de forma pouco desenvolvida ao nascimento. Com o crescimento crânio-facial, escreve Moyers (1987), e a maturação das funções neuromusculares, as funções orais primitivas do bebê passam por mudanças significativas. Estas mudanças se refletem no aumento do volume intra-oral, no crescimento para baixo e para a frente da mandíbula, onde a língua consegue mais espaço e maior mobilidade, não ficando protruída como

25 antes era observado; além disto, a língua começa a ter movimentos finos e independentes da mandíbula e lábios. Este autor também refere a maturação do sistema nervoso central para que as novas funções motoras (fala, expressão facial e mastigação) possam se desenvolver. O desenvolvimento da mastigação necessita também da erupção dentária. Diante da necessidade de triturar os alimentos, que vão ficando mais consistentes, a sucção deixa de ser a função mais utilizada pela criança e a deglutição amadurece, passando por um remanejamento muscular. A musculatura da mastigação começa a se desenvolver com o início dos contatos oclusais dos incisivos antagonistas. Através destes contatos, há influência dos músculos que controlam a posição mandibular. Eles vão se acomodando e aprendendo a funcionar e, por isso, o fechamento bucal primeiramente se dá no sentido ântero-posterior, e, mais tarde no sentido médiolateral. O movimento mastigatório da criança pequena é guiado sensorialmente pelos mecanorreceptores da articulação temporomandibular, do periodonto, mucosa bucal, língua e músculos. O guia condilar nessa etapa não é considerado, devido a forma ainda rasa das cavidades condilares e o não delineamento das eminências articulares. É importante salientar, no entanto, que provavelmente estas estruturas adquiram formas mais parecidas com a do adulto a partir da função temporomandibular. Para Moyers (1987) não há maturação mastigatória a partir da amamentação e, sim, quando inicia a erupção dos dentes. Felício (1994) cita o desenvolvimento da mastigação a partir da sucção, levando em conta também a erupção dos dentes, mas colocando este não

26 como um fator fundamental, pois se refere a trabalhos de observações em crianças com agenesia de dentes congênita, que apresentavam movimentos mastigatórios. Em relação a esta colocação Storey (1967) citado por Moyers (1987) sugere que os movimentos de abertura e fechamento da boca são incondicionados, enquanto os padrões de movimentos mastigatórios são condicionados. Com o início da erupção dos primeiros dentes, em torno dos 7 meses de idade, observa-se crescimento da mandíbula para baixo e para frente, como colocam Gomes, Proença e Limongi (1994), favorecendo assim maior espaço e possibilidade de dissociação dos movimentos de lábio, língua e mandíbula. Primeiramente, a criança inicia movimentos laterais da língua (jogando o alimento de uma lado para outro), depois começa a executar movimentos verticais de mandíbula. As autoras referem que estas atividades são preparatórias para a mastigação, que acontece por volta dos 3 anos de idade, quando aproxima-se do padrão adulto. Segundo Felício (1994) os movimentos mandibulares na mastigação infantil são verticais, a rotação surge por volta dos 3 anos, e, aos 12 anos a mastigação encontra-se no padrão típico do adulto. Gomes, Proença e Limongi (1994) fazem referência ao desenvolvimento da função mastigatória citando que, aproximadamente aos 7 meses de idade, a criança suga, abre e fecha a boca e ajuda com a língua,

27 quando lhe são oferecido pedaços de pão ou bolacha. Esta experiência, marco inicial na aprendizagem mastigatória, é que levará a padrões mais maduros da própria mastigação. Com o treino de pedaços mais sólidos de alimentos, a criança além de lateralizar a língua e fazer movimentos verticais, fará movimentos horizontais de mandíbula. Aos 3 anos, aproximadamente, a criança consegue assemelhar-se ao padrão mastigatório do adulto, fazendo movimentos rotatórios de mandíbula, movimentando a língua ântero-posteriormente e lateralizando-a. Todo este processo já é possível de ser realizado com os lábios vedados. Estas autoras também colocam a grande importância da dissociação de movimentos de língua, lábios e mandíbula. Estes movimentos são necessários na mastigação, para que a musculatura oral seja preparada também para a fala, onde é necessária a realização de refinada movimentação. A mastigação, como função aprendida, se mostra no início sem muita regularidade ou coordenação, como se pode observar em qualquer habilidade motora que a criança aprende. Com a erupção da dentição decídua, que possibilita uma intercuspidação oclusal eficaz, a mastigação vai tomando características mais estáveis. Enlow (1993) refere outro aspecto importante nesse aprendizado, o sensorial, que se deve à presença dos novos dentes, onde há também orientação dos movimentos da mandíbula pelos receptores da articulação temporomandibular e do periodonto. Assim concorda Bianchini (1998), citando, também, que a função mastigatória é aprendida e que para ser adequada depende de vários fatores: crescimento e desenvolvimento das estruturas do sistema estomatognático, da anatomia e funcionamento das articulações

28 temporomandibulares, da oclusão dentária, do tipo facial, da maturação dos músculos, de movimentos musculares ritmados e sincrônicos. Em relação ao guia sensorial dos movimentos mastigatórios, Moyers (1987) menciona, também, que o papel dos mecanorreceptores é muito importante, tendo a função de receber as informações sensoriais táteis, vibratórias e auditivas FUNÇÃO MASTIGATÓRIA Para que a função mastigatória seja então realizada, é necessária a participação de vários elementos do sistema estomatognático, tanto de tecidos duros como de tecidos moles. Para Douglas e Douglas (1998) esses elementos são caracterizados como constitutivos ativos e passivos. Do primeiro grupo fazem parte nervos e músculo esquelético que, por suas características, são responsáveis pela função estomatognática. Do segundo grupo, fazem parte os ossos, tendões, ligamentos, aponeuroses, dentes, periodonto e mucosa bucal. Pode-se dividir a mastigação, segundo Hanson e Barrett (1995), em 3 fases: incisão esmagamento trituração

29 Na primeira fase, a mandíbula se movimenta para baixo e para a frente com o objetivo da preensão do alimento, depois a mandíbula se eleva para que os dentes inferiores encostem na porção lingual dos dentes superiores. Na fase do esmagamento, o alimento é conduzido pela língua, para a face oclusal dos dentes de um lado a outro, e, é mantido nessa posição pelo músculo bucinador. Os dentes que mais participam desta fase são os prémolares e os molares. Os movimentos mandibulares desta etapa da mastigação são os de elevação e abaixamento. Os movimentos rotatórios da mandíbula são observados na última fase, que é a de trituração. Há leve contato oclusal, o bolo alimentar passa de um lado a outro e, quando há maior contato oclusal, desencadeia-se o reflexo de deglutição. O movimento mandibular mais importante na função mastigatória, como ressalta Bradley (1981), é o de separação e aposição da maxila e mandíbula. Lembra também que antes, durante e depois do contato oclusal nesta função, há movimentos mandibulares pequenos para trás, para frente e para os lados. Para Douglas e Douglas (1998) o ato mastigatório corresponde a 3 fases: incisão trituração pulverização

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs Ana Carla Rios O Exame do Sistema Estomatognático utilizando a análise oclusal é parte importante do processo diagnóstico

Leia mais

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia Uma parcela da população sempre procura os serviços odontológicos pela presença de dores, porém muitas dessas dores não são de origem dentária, mas sim

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Paciente: J. B. L. Idade: 27anos Sexo: feminino Profissão: desempregada Tipo Facial : Braquifacial Classificação de Angle: classe I Leucoderma Queixa Principal

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

CEFAC MASTIGAÇÃO: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DE ALTERAÇÕES E ATRASOS

CEFAC MASTIGAÇÃO: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DE ALTERAÇÕES E ATRASOS CEFAC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MASTIGAÇÃO: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DE ALTERAÇÕES E ATRASOS MONOGRAFIA ESPECIALIZAÇÃO EM MOTRICIDADE ORAL ORIENTADORA: MIRIAN GOLDENBERG DE RUTH LOPES

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: UMA ABORDAGEM FISIOTERAPEUTICA RESUMO

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: UMA ABORDAGEM FISIOTERAPEUTICA RESUMO DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: UMA ABORDAGEM FISIOTERAPEUTICA ADRIELE FERNANDA BARBERA BASSI adrielebassi@hotmail.com REGIANE SAYURI MORIMOTO regiane_sayuri@hotmail.com RESUMO ANA CLÁUDIA DE SOUZA COSTA

Leia mais

HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO

HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO Gustavo Dias Gomes da Silva(1); Alieny Cristina Duarte Ferreira (2); Ana Isabella Arruda Meira Ribeiro (3); Alcione Barbosa Lira de Farias (4);

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NA MASTIGAÇÃO EM CRIANÇAS* The food influence in chewing in children ADRIANA MARQUES SILVA 1

A INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NA MASTIGAÇÃO EM CRIANÇAS* The food influence in chewing in children ADRIANA MARQUES SILVA 1 A INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NA MASTIGAÇÃO EM CRIANÇAS* The food influence in chewing in children ADRIANA MARQUES SILVA 1 Especialização em Motricidade Oral pelo Centro de Especialização em Fonoaudiologia

Leia mais

Caso clínico: DTM articular

Caso clínico: DTM articular Caso clínico: DTM articular Profa. Ana Cristina Lotaif. São Paulo, SP http://www.clinicaacl.com Descrição: Paciente BXM, sexo feminino, 25 anos, advogada, apresentou-se para exame com queixa de dificuldade

Leia mais

Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development

Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development Aleitamento Materno no Desenvolvimento e Formação Saudável da Cavidade Bucal do Bebê Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development Marila Rezende Azevedo Helio Gomes da Silva RESUMO É fundamental

Leia mais

OCLUSÃO DENTÁRIA E MASTIGAÇÃO A relação entre forma e função

OCLUSÃO DENTÁRIA E MASTIGAÇÃO A relação entre forma e função CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL OCLUSÃO DENTÁRIA E MASTIGAÇÃO A relação entre forma e função RITA DE CASSIA FERNANDES Itajaí 2001 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

GRADE OU ESPORÃO? UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS PONTOS DE VISTA ENTRE ORTODONTISTAS DE BELO HORIZONTE

GRADE OU ESPORÃO? UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS PONTOS DE VISTA ENTRE ORTODONTISTAS DE BELO HORIZONTE CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL GRADE OU ESPORÃO? UMA COMPARAÇÃO ENTRE OS PONTOS DE VISTA ENTRE ORTODONTISTAS DE BELO HORIZONTE ANA MARIA PARIZZI BELO HORIZONTE

Leia mais

ANALISE DO ÍNDICE DE DISFUNÇÕES TEMPOROMADIBULARES NOS ALUNOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP

ANALISE DO ÍNDICE DE DISFUNÇÕES TEMPOROMADIBULARES NOS ALUNOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP ANALISE DO ÍNDICE DE DISFUNÇÕES TEMPOROMADIBULARES NOS ALUNOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP ALMEIDA, A.A; FELIPE, D.M. RESUMO A síndrome da disfunção da ATM causada por processos multifatoriais, entre

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição V setembro de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM) E MASTIGAÇÃO Uma relação de causa e efeito

DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM) E MASTIGAÇÃO Uma relação de causa e efeito CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM) E MASTIGAÇÃO Uma relação de causa e efeito MONIA FERRARI NOGUEIRA RECIFE 2001

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E DIETA ALIMENTAR NA DENTIÇÃO DECÍDUA

FONOAUDIOLOGIA E DIETA ALIMENTAR NA DENTIÇÃO DECÍDUA CEFAC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL FONOAUDIOLOGIA E DIETA ALIMENTAR NA DENTIÇÃO DECÍDUA ANA CALINE NÓBREGA DA COSTA RECIFE 1998 1 CEFAC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM

Leia mais

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Na presença de distúrbios oclusais, os pacientes suscetíveis à disfunção temporo-mandibular (DTM) apresentam

Leia mais

Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde

Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde 17 Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde ALFREDO JÚLIO FERNANDES NETO FLÁVIO DOMINGUES NEVES Boa parte das ações do homem na sociedade, objetivam fazer a vida melhor para a humanidade, ou despertá-la

Leia mais

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM PORTADORES DE MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III (DENTÁRIA E/OU ESQUELÉTICA)

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM PORTADORES DE MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III (DENTÁRIA E/OU ESQUELÉTICA) CEFAC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM PORTADORES DE MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III (DENTÁRIA E/OU ESQUELÉTICA) VERIDIANA PROSINI RECIFE 1998

Leia mais

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar 1 PUCPR, ORTODONTIA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MUDANÇAS REGIONAIS DA FACE Camargo ES, Maruo H, Guariza-Filho O, Tanaka O. As mudanças de crescimento podem ser descritas, para melhor compreensão, como regiões

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

Fonodialogando. Sucção Digital UM OLHAR DA FONOAUDIOLOGIA. Um hábito que poderá trazer consequências no desenvolvimento da criança

Fonodialogando. Sucção Digital UM OLHAR DA FONOAUDIOLOGIA. Um hábito que poderá trazer consequências no desenvolvimento da criança Fonodialogando Sucção Digital Um hábito que poderá trazer consequências no desenvolvimento da criança UM OLHAR DA FONOAUDIOLOGIA O que é Sucção? Asucção é um reflexo próprio da espécie adquirido na o n

Leia mais

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago Mecanismos para Obtenção de Alimentos Ingestão de Grandes Quantidades de Alimento Absorção de nutrientes diretamente do meio Parasitas do sangue Adaptações mais interessantes Aquelas evoluíram p/ obtenção

Leia mais

Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição

Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição Marchesan IQ, Furkim AM. Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição. In: Costa M, Castro LP. Tópicos em deglutição e disfagia. Rio de Janeiro: Medsi; 2003. p.375-84. Manobras utilizadas na reabilitação

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

OS HÁBITOS PARAFUNCIONAIS NA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR

OS HÁBITOS PARAFUNCIONAIS NA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL OS HÁBITOS PARAFUNCIONAIS NA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR CLAUDIA FERNANDES COSTA ZANINI PORTO ALEGRE 1999 CEFAC

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO FLÁVIA PEDREIRA CIRURGIÃ DENTISTA DO HOSPITAL E MATERNIDADE PÚBLICA DONA REGINA 20 DE FEVEREIRO DE 2014 Se pretendermos que as crianças tenham uma qualidade

Leia mais

Anatomia do Sistema Estomatognático

Anatomia do Sistema Estomatognático Anatomia do Sistema Estomatognático Carla Patrícia Hernandez Alves Ribeiro CÉSAR Para a atuação fonoaudiológica em motricidade orofacial, o profissional precisa conhecer os aspectos anatomofisiológicos

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA AMPLITUDE DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES EM CRIANÇAS* RANGE OF MOTION ANALISES IN CHILDREN

VERIFICAÇÃO DA AMPLITUDE DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES EM CRIANÇAS* RANGE OF MOTION ANALISES IN CHILDREN 35 VERIFICAÇÃO DA AMPLITUDE DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES EM CRIANÇAS* RANGE OF MOTION ANALISES IN CHILDREN Célia Miyuki Hamazaki 1 Raquel Kawaura 1 Esther Mandelbaum Gonçalves Bianchini 2 Vicente José Assencio-Ferreira

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES

A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES 5 A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES USE OF MYORELAXANT PLATES ON TREATMENT OF TEMPOROMANDIBULAR DISORDENS VIANA SILVA, Jéssika Pereira 1 ; MIGUITA, Fernanda

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

1. Fisioterapia nas Disfunções Temporomandibular (DTM) ou Disfuções Crâniomandibular (DCM)

1. Fisioterapia nas Disfunções Temporomandibular (DTM) ou Disfuções Crâniomandibular (DCM) 1. Fisioterapia nas Disfunções Temporomandibular (DTM) ou Disfuções Crâniomandibular (DCM) O papel da fisioterapia é imprescindível nestes casos por se tratar de uma afecção que envolve o indivíduo como

Leia mais

Cronologia dental. Professor: Bruno Aleixo Venturi. Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal

Cronologia dental. Professor: Bruno Aleixo Venturi. Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Cronologia dental Professor: Bruno Aleixo Venturi Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Anatomia dental A Anatomia dental é um segmento dedicado ao estudo da estrutura dental

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL

RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL Patrícia Tiemi Kikuti Orita

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! CURSO ASB UNIODONTO DRA. NANCI CATANDI PERRONE OSSOS DA FACE MAXILA Forma o maxilar Limite inferior da cavidade orbitária Separa através do processo palatino a cavidade bucal

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

Distância interincisiva máxima em crianças na dentadura mista

Distância interincisiva máxima em crianças na dentadura mista A r t i g o d e F o n o a u d i o l o g i a Distância interincisiva máxima em crianças na dentadura mista Débora Martins Cattoni*, Fernanda Dreux Miranda Fernandes** Resumo A distância interincisiva máxima

Leia mais

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR Gustavo Dias Gomes da Silva(1); Anna Kássia Tavares Alves Chaves Santiago Ana Isabella Arruda Meira Ribeiro (3); Alcione Barbosa

Leia mais

Categorias de Músculos

Categorias de Músculos URI Curso de Psicologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Aparelho Locomotor: ossos, junturas e músculos Os músculos constituem os elementos ativos do movimento Os ossos constituem os elementos passivos do

Leia mais

HISTÓRIA - QUESTIONÁRIO

HISTÓRIA - QUESTIONÁRIO Ambulatório DTM Neurologia Reumatologia Diagnóstico DTM Neurologia Reumatologia UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO PROF. JOSÉ DE SOUZA HERDY ESCOLA DE ODONTOLOGIA POLICLÍNICA ODONTOLÓGICA CLÍNICA DE DOR OROFACIAL

Leia mais

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Disfunção da Articulação Temporomandibular: características do indivíduo relacionadas à sua atuação social José Ivan de Lima

Leia mais

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Curso de Especialização em: Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial Disciplina: Diagnóstico por Imagem da Articulação Temporomandibular. : I. Conceituar radiografias da ATM, explicando-as; II. Identificar

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

Intervenção fonoaudiológica nas disfunções temporomandibulares

Intervenção fonoaudiológica nas disfunções temporomandibulares Intervenção fonoaudiológica nas disfunções temporomandibulares Carla Patrícia Hernandez Alves Ribeiro CÉSAR A articulação temporomandibular é uma das articulações mais importantes do corpo humano, sendo

Leia mais

Uma abordagem na disfunção temporamandibular: um olhar multidisciplinar com um enfoque fisioterapêutico

Uma abordagem na disfunção temporamandibular: um olhar multidisciplinar com um enfoque fisioterapêutico 1 Uma abordagem na disfunção temporamandibular: um olhar multidisciplinar com um enfoque fisioterapêutico Cassiano da Silva dos Santos 1 santoscmm@bol.com.br Dayana Priscila Maia Mejia² Pós Graduação em

Leia mais

OCLUSÃO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO ODONTOLOGIA COMPLETA ODONTOLOGIA COMPLETA SISTEMA MASTIGATÓRIO ANATOMIA FUNCIONAL 22/03/2009

OCLUSÃO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO ODONTOLOGIA COMPLETA ODONTOLOGIA COMPLETA SISTEMA MASTIGATÓRIO ANATOMIA FUNCIONAL 22/03/2009 SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO OCLUSÃO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO É uma entidade fisiológica e funcional perfeitamente definida e integrada por um conjunto heterogêneo de órgãos e tecidos cuja biologia e fisiopatologia

Leia mais

A AÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NOS PACIENTES COM DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

A AÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NOS PACIENTES COM DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR C E F A C CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL A AÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NOS PACIENTES COM DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR GIOVANA DOMINGOS DA SILVA SÃO PAULO 1998 C E F A C CENTRO

Leia mais

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR EM CRIANÇAS Uma contribuição à fonoaudiologia

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR EM CRIANÇAS Uma contribuição à fonoaudiologia CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR EM CRIANÇAS Uma contribuição à fonoaudiologia Monografia de conclusão do curso de especialização em

Leia mais

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB ALVES, Giorvan Ânderson dos santos Alves LOPES SOBRINHO, Paulo Naati LUNA, Anibal Henrique Barbosa

Leia mais

MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE

MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE Karla Larissa Vas Estero 1, Lizzie Ramos Moretti 1, Luciana Manzotti de Marchi 2, Maria Paula Jacobucci

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

* Disfunção da Articulação Temporo-Mandibular (ATM) e Dores Faciais *

* Disfunção da Articulação Temporo-Mandibular (ATM) e Dores Faciais * * Disfunção da Articulação Temporo-Mandibular (ATM) e Dores Faciais * Para ajudá-lo a tomar decisões corretas sobre sua saúde, saiba um pouco mais sobre esta disfunção. A Disfunção da ATM é o funcionamento

Leia mais

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS Jorge Ferreira Rodrigues 1 Marcella Maria Ribeiro do Amaral Andrade 2 Ernesto Dutra Rodrigues 3 Resumo O tratamento ortodôntico da

Leia mais

Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância

Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância Marchesan IQ. Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância. In: Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia, Tratado de Otorrinolaringologia. São Paulo: Roca; 2003. V.3 cap. 54 p.520-33. Distúrbios

Leia mais

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente.

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente. DISTÚRBIOS OCLUSAIS Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Em uma oclusão fisiológica ou orgânica, no final do fechamento mandibular, a ação dos músculos elevadores promove o

Leia mais

ORTODONTIA - ORTOPEDIA FACIAL E FONOAUDIOLOGIA UMA RELAÇÃO DE FORMA E FUNÇÃO

ORTODONTIA - ORTOPEDIA FACIAL E FONOAUDIOLOGIA UMA RELAÇÃO DE FORMA E FUNÇÃO CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL ORTODONTIA - ORTOPEDIA FACIAL E FONOAUDIOLOGIA UMA RELAÇÃO DE FORMA E FUNÇÃO ANDRÉA JÚNIA CANHETTI MEIRELLES LONDRINA 2000 1 RESUMO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APROXIMAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DA FONOAUDIOLOGIA E DA ODONTOLOGIA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APROXIMAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DA FONOAUDIOLOGIA E DA ODONTOLOGIA CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APROXIMAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DA FONOAUDIOLOGIA E DA ODONTOLOGIA GABRIELA BARBOSA MARCONDES SÃO PAULO 1999

Leia mais

A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS DE HOJE?

A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS DE HOJE? CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica Motricidade Oral A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO LACTENTE COM DISFAGIA OROFARINGEA NEUROGÊNICA: ESTUDO DE CASO

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO LACTENTE COM DISFAGIA OROFARINGEA NEUROGÊNICA: ESTUDO DE CASO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO LACTENTE COM DISFAGIA OROFARINGEA NEUROGÊNICA: ESTUDO DE CASO Aline

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE DISFUNÇÃO CRANIOMANDIBULAR E ALTERAÇÕES POSTURAIS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE DISFUNÇÃO CRANIOMANDIBULAR E ALTERAÇÕES POSTURAIS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ANA PAULA DE CAMPOS RA: 001200400215 ALINE ROCHA LONZI RA: 001200400067 ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE DISFUNÇÃO CRANIOMANDIBULAR E ALTERAÇÕES POSTURAIS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Bragança Paulista 2007 1 ANA PAULA

Leia mais

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos 043 Avaliação e Monitoramento Fonoaudiológico em Pacientes com Fratura de Côndilo Mandibular Não Cirúrgica Última revisão: 13/08/2013 Estabelecido em: 05/08/2011

Leia mais

Exame Miofuncional Orofacial - MBGR Marchesan IQ, Berretin-Felix G, Genaro KF, RehderMI 2. MEDIDAS DA FACE, DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES E DA OCLUSÃO

Exame Miofuncional Orofacial - MBGR Marchesan IQ, Berretin-Felix G, Genaro KF, RehderMI 2. MEDIDAS DA FACE, DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES E DA OCLUSÃO 1 Exame Miofuncional Orofacial - MBGR Marchesan IQ, Berretin-Felix G, Genaro KF, RehderMI Nome: N o Data do exame: / / Idade: anos e meses DN: / / 1. POSTURA CORPORAL (Observar o paciente em pé e descalço)

Leia mais

Aleitamento materno Alimentação dos lactentes portadores de fissuras labiopalatais (FLP) M.Sc. Profª Viviane Marques

Aleitamento materno Alimentação dos lactentes portadores de fissuras labiopalatais (FLP) M.Sc. Profª Viviane Marques Aleitamento materno Alimentação dos lactentes portadores de fissuras labiopalatais (FLP) M.Sc. Profª Viviane Marques O fonoaudiólogo deve ter o primeiro contato com o portador de FLP ainda na maternidade

Leia mais

BRUXISMO. Uma visão geral

BRUXISMO. Uma visão geral CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLINICA MOTRICIDADE ORAL BRUXISMO Uma visão geral Monografia da conclusão do curso de especialização em Motricidade Oral. Orientadora: Mirian Goldenberg

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Educação para Saúde SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR: ANATOMIA

Leia mais

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso LUNA, Aníbal H. B.; ALVES, Giorvan Ânderson dos Santos; FIGUEIREDO, Ludmila Silva de; PAIVA, Marcos A. Farias; CAVALCANTI, Raquel Lopes; RESUMO Introdução:

Leia mais

Speech therapy and the fitting of total dental prosthesis in the elderly: what dentists know about it?

Speech therapy and the fitting of total dental prosthesis in the elderly: what dentists know about it? 50 Oliveira JSR, Mattoso FCP, Oliveira ABC, Di Ninno CQMS FONOAUDIOLOGIA E ADAPTAÇÃO DE PRÓTESE DENTÁRIA TOTAL EM IDOSOS: O QUE OS DENTISTAS SABEM SOBRE ISTO? Speech therapy and the fitting of total dental

Leia mais

Fraturas do Terço Médio da Face

Fraturas do Terço Médio da Face Fraturas do Terço Médio da Face Epidemiologia: Pico de incidência entre 15 e 30 anos Homens correspondem a 60-80% As principais causas são acidente automobilístico, agressão, esportes radicais e quedas

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Diante do exposto, este trabalho reuniu a opinião de diversos pesquisadores para elucidar esse tema.

1 INTRODUÇÃO. Diante do exposto, este trabalho reuniu a opinião de diversos pesquisadores para elucidar esse tema. 10 1 INTRODUÇÃO Uma grande parte da população, inclusive a mais jovem, em alguma fase da vida desenvolve algum sinal ou sintoma relacionado com a Disfunção Temporomandibular (DTM). A avaliação inicial

Leia mais

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal Paulo Pimentel Sistema Estomatognático Mastigação, fala, digestão e deglutição Paladar, respiração Defesa e reconhecimento imunológico Estética,

Leia mais

FACULDADE TECSOMA. Curso de Fisioterapia. Larissa Júnia Mateus Pereira

FACULDADE TECSOMA. Curso de Fisioterapia. Larissa Júnia Mateus Pereira FACULDADE TECSOMA Curso de Fisioterapia Larissa Júnia Mateus Pereira O USO DE ULTRA-SOM TERAPÊUTICO, ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NEUROMUSCULAR TRASNCUTÂNEA E CINESIOTERAPIA NA DIMINUIÇÃO DOS FATORES GERADOS PELA

Leia mais

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de crânio e face são realizadas

Leia mais

CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES. Dra. Adriana Tessitore. CADEIAS MUSCULARES aplicada à

CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES. Dra. Adriana Tessitore. CADEIAS MUSCULARES aplicada à aplicada à 1 MOTRICIDADE OROFACIAL 2 MOTRICIDADE OROFACIAL Motricidade Orofacial é o campo da Fonoaudiologia voltado para o estudo/pesquisa, prevenção, avaliação, diagnóstico, desenvolvimento, habilitação,

Leia mais

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado 2. HOMEOPATIA Aprovado 3. HIPNOSE Aprovado 4. TERAPIA FLORAL Aprovado 5. FITOTERAPIA Aprovado 6. ODONTOLOGIA DO ESPORTE Aprovado II - CRIAÇÃO DE PRÁTICAS

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA x ORTODONTIA NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ORTODONTISTAS DE BARBACENA SOBRE A FONOAUDIOLOGIA

FONOAUDIOLOGIA x ORTODONTIA NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ORTODONTISTAS DE BARBACENA SOBRE A FONOAUDIOLOGIA CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL FONOAUDIOLOGIA x ORTODONTIA NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ORTODONTISTAS DE BARBACENA SOBRE A FONOAUDIOLOGIA MONOGRAFIA DE CONCLUSÃO

Leia mais

Radiografia Panorâmica

Radiografia Panorâmica Unidade Clínica I Radiografia Panorâmica 18.10.2012 1 Introdução A radiografia panorâmica (também chamada de ortopantomografia) produz uma só imagem, tomográfica, das estruturas da face, incluindo as arcadas

Leia mais