INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS O MECANISMO DO APARELHO HERBST E SUA INFLUÊNCIA NAS ARTICULAÇÕES TEMPOROMANDIBULARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS O MECANISMO DO APARELHO HERBST E SUA INFLUÊNCIA NAS ARTICULAÇÕES TEMPOROMANDIBULARES"

Transcrição

1 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS O MECANISMO DO APARELHO HERBST E SUA INFLUÊNCIA NAS ARTICULAÇÕES TEMPOROMANDIBULARES VERA LÚCIA DE SOUZA NORA Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Ortodontia do ICS FUNORTE/SOEBRÁS NÚCLEO ALFENAS, como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista. ALFENAS, 2012

2 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS O MECANISMO DO APARELHO HERBST E SUA INFLUÊNCIA NAS ARTICULAÇÕES TEMPOROMANDIBULARES VERA LÚCIA DE SOUZA NORA Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Ortodontia do ICS FUNORTE/SOEBRÁS NÚCLEO ALFENAS, como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista. ORIENTADORA: Profª Esp. Débora Cristina Figueiredo Ribeiro ALFENAS, 2012

3 A tarefa não é tanto ver aquilo que ninguém viu, mas pensar o que ninguém ainda pensou sobre aquilo que todo mundo vê. Arthur Schopenhaue

4 Dedico este trabalho... A Deus, por todas as graças recebidas e por sempre iluminar o meu caminho e as minhas decisões. Obrigada por mais esta conquista e por sempre colocar em minha vida pessoas tão especiais!!! Aos meus pais, Irineu e Luzia, pelo amor incondicional e por toda confiança com que sempre depositaram em mim! Pai, seu exemplo de dedicação ao trabalho, e a certeza de que, para aquele que busca e valoriza a competência, sempre haverá espaço, são o que me motivaram a chegar até aqui! Mãe, o seu amor e carinho, consolando-me principalmente nos momentos difíceis, são o que mais me fortalecem e me estimulam a seguir lutando por meus ideais. Mãe é mãe! Muito obrigada... sou eternamente grata a tudo o que vocês fizeram e continuam a fazer por mim! AMO MUITO VOCÊS!!!!! Aos meus amores meu marido, Ernando, pelo imenso amor e companheirismo, pela dedicada atenção, por me fazer mais feliz a cada dia que passa!!! Obrigada pelo suporte emocional e exemplo de determinação; meus filhos, Nathália Fernanda e Mathaeus Ernando, pela compreensão, por não me cobrarem o tempo ausente, pelo sorriso que me conforta. Por serem minha razão de existir!!! Sou inteiramente grata a Deus por Ele ter colocado vocês em minha vida!!! Obrigada por todo o apoio e carinho demonstrados durante a execução deste e de outros trabalhos! Hoje, esse triunfo também é de vocês... AMO VOCÊS, PARA SEMPRE!!!!!!

5 AGRADECIMENTOS Aos meus irmãos, Rita Helena e Carlos Henrique, e à minha afilhada, Maryna Fernanda, pelo carinho e por acreditarem em minha capacidade. Vocês são muito importantes para mim! À minha orientadora, Profª. Débora Cristina Figueiredo Ribeiro, por toda a atenção despendida, obrigada pela tranquilidade com que sempre me atendeu. Obrigada por todos os ensinamentos ortodônticos transmitidos, pelo exemplo de vida e pela ajuda na realização deste trabalho. Sou muito grata a tudo o que você fez e continua a fazer por mim!!!! Ao grande mestre, Prof. Marcelo Rodrigues Pedreira, por todas as oportunidades concedidas, desde os meus primeiros passos na ortodontia, quando surgiu o convite para o estágio em seu consultório. Por sua dedicação ao ensino e por toda a atenção e paciência com que sempre me recebeu. Muito obrigada!!! Aos examinadores da banca, Prof. Rogério Ponciano e Profª Fernanda Rafaelly, pela paciência com que esperaram a conclusão deste trabalho e pela disponibilidade de estarem presentes nesse momento tão importante para mim. Pelo exemplo de competência e eficiência que me estimulou dar o meu melhor, sou sinceramente grata aos dois. A todos os professores do Curso de Especialização do Instituto Marcelo Pedreira. Obrigada pela amizade e por todos os conhecimentos transmitidos ao longo destes dois anos!!! Aos funcionários do Instituto Marcelo Pedreira, pela disponibilidade e atenção e por estarem sempre dispostos a ajudar. Aos alunos das turmas 21 e 22 do Curso de Especialização, em especial às amigas Heloísa, Daniele e Meire, obrigada pela amizade, companhia e ótima convivência durante todos esse tempo. Desejo muita sorte para todos vocês nesta nova etapa! Estarei sempre à disposição!!! À querida amiga Heloísa, companheira de apartamento e de carona. Não seria nada fácil ter chegado aqui sem você. Obrigada por tudo!!! Aos meus pacientes, obrigada pela confiança e colaboração. Enfim, a todos que, de alguma forma, contribuíram para a realização deste trabalho! Muito obrigada!!!!

6 RESUMO O aparelho de Herbst, desenvolvido no inicio do século por Emil Herbst e reintroduzido na literatura por Hans Pancherz em 1979, caracteriza-se por apresentar um sistema telescópico bilateral, ancorado nos dentes superiores e inferiores, que mantém a mandíbula posicionada anteriormente de forma contínua, durante todas as funções mandibulares e também no repouso, com o objetivo de estimular o crescimento mandibular e corrigir a maloclusão de Classe II. Este estudo apresenta revisão da literatura acerca dos mecanismos de ação do aparelho de Herbst no tratamento da Classe II esquelética, enfocando as alterações esqueléticas, dento alveolares e do perfil mole induzidas por esse aparelho, com ênfase nas alterações da articulação temporomandibular. Palavras-chave: Aparelho de Herbst. Maloclusão de Angle de Classe II. Alterações na ATM.

7 ABSTRACT The Herbst appliance, developed early in the century by Emil Herbst and reintroduced in the literature by Hans Pancherz in 1979, is characterized by bilateral present a telescopic system, anchored in the upper and lower teeth, which keeps the jaw positioned above continuously, for all functions jaw and also at home, with the goal of stimulating mandibular growth and correct the Class II malocclusion. This study presents a literature review on the mechanisms of action of the Herbst appliance in the treatment of skeletal Class II, focusing on the skeletal changes, and dento alveolar soft profile induced by this system, with emphasis on changes in the temporomandibular joint. Keywords: Herbst appliance. Angle Malocclusion Class II. Changes in ATM.

8 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Aparelho utilizado por Herbst 12 FIGURA 2 - Componentes do aparelho de Herbst 14 FIGURA 3 - Aparelho de Herbst com splint acrílico 16 FIGURA 4 - Aparelho de Herbst com cantilever 16 FIGURA 5 - Aparelho de Herbst integrado ao aparelho fixo 17 FIGURA 6 - Aparelho de Herbst ancorado no Haas modificado 18 FIGURA 7 - Classe II tratada com aparelho Herbst 23 FIGURA 8 - Telerradiografias seriadas em três estágios 29 FIGURA 9 - Fotografias do perfil em quatro estágios 31 FIGURA 10 - MRIs em quatro estágios 33 FIGURA 11 - Visualização Microscópica 36 FIGURA 12 - Telerradiografias em três estágios (ATM) 38 FIGURA 13 - MRIs da ATM direita 39 FIGURA 14 - Transdução 41

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 9 2 PROPOSIÇÃO 11 3 REVISÃO DE LITERATURA HISTÓRICO DO APARELHO DE HERBST A REINTRODUÇÃO O PRINCÍPIO MECÂNICO ANCORAGEM INDICAÇÕES DO APARELHO DE HERBST ALTERAÇÕES INDUZIDAS PELO APARELHO DE HERBST Alterações Dentárias Alterações Esqueléticas Alterações No Perfil Facial Alterações Na Articulação Temporomandibular ESTUDOS HISTOLÓGICOS CEFALOMETRIA IMAGEM RADIOGRÁFICA DA ATM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA COMBINAÇÃO: ELETRODOS ELETROMIOGRÁFICOS, CORANTES VITAIS e HISTOMORFOMETRIA 4 DISCUSSÃO 43 5 CONCLUSÃO 51 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 52 41

10 9 1 INTRODUÇÃO Desenvolvido por Emil Herbst, no início do século passado, e reintroduzido por Hans Pancherz como método de tratamento, em 1979, o aparelho de Herbst é um aparelho ortopédico funcional fixo destinado principalmente ao estímulo de crescimento mandibular durante a correção da má oclusão de Classe II esquelética de pacientes em crescimento. Várias publicações descreveram os efeitos deste aparelho durante a correção da Classe II, revelando a promoção de alterações esqueléticas e dentárias em igual proporção, favorecendo sua correção. (SILVA FILHO, et al., 2000) Durante o tratamento com o aparelho de Herbst, o mecanismo telescópico par mantém a mandíbula deslocada para frente continuamente. Ao avançar a mandíbula até uma relação incisal de topo-a-topo, os côndilos são avançados dentro da fossa articular, mas depois de um tempo relativamente curto, o aparelho provoca uma flagrante mudança na relação sagital entre os arcos dentários, a convexidade facial melhora e os côndilos retornam à sua posição inicial dentro das respectivas fossas articulares. Isso ocorre devido a uma multiplicidade de fatores que incluem desde alterações dento alveolares compensatórias (deslocamento mesial do arco dentário inferior e deslocamento distal do arco dentário superior) até as desejadas remodelações ortopédicas como a restrição do crescimento maxilar e, principalmente, o aumento do crescimento mandibular acompanhado de remodelação da ATM (Articulação Temporomandibular). Todos esses fatores acabam fazendo parte dos mecanismos de correção da Classe II. (SILVA FILHO, et al., 2002) Para elucidar as alterações adaptativas que ocorrem na articulação temporomandibular, foram realizadas pesquisas experimentais com animais e também pesquisas clínicas em humanos, utilizando diferentes métodos de diagnóstico por imagem. Independente da natureza do estudo, fica evidente que ocorrem alterações remodeladoras nas superfícies articulares, caracterizadas, principalmente, por uma aposição óssea na superfície posterior e superior do côndilo e uma neoformação óssea na fossa articular, localizada na região anterior da espinha pós-glenóide. Esses resultados positivos são acompanhados por uma ausência de alterações adversas no côndilo, disco, fossa ou eminência articular. No entanto, alguma dúvida ainda persiste sobre o real mecanismo responsável pela

11 10 remodelação do côndilo e fossa articular frente ao avanço mandibular. (REGO et al., 2007) O aparelho de Herbst não é uma panaceia terapêutica, mas, quando o diagnóstico e a seleção do paciente são realizados apropriadamente, ele pode rotineiramente tratar com sucesso casos difíceis de má-oclusão de Classe II, em pacientes que não são bons colaboradores durante o tratamento. Através da manipulação da ancoragem do aparelho, contando com as diversas formas do mesmo, pode-se utilizá-lo também para a correção de problemas verticais, assimetrias, distalização de molares superiores, compensação dentária como opção não cirúrgica em casos limítrofes e até mesmo tratamento de DTM. (MORO et al., 2000) Com relação à época ideal para o tratamento da maloclusão de Classe II, a literatura evidencia o momento próximo ao pico de crescimento, na fase da dentadura permanente jovem, pois a otimização dos resultados está relacionada à magnitude da resposta ortopédica e a estabilidade a longo prazo das alterações induzidas, fator esse condicionado ao grau de intercuspidação obtido após o tratamento. Entretanto, as maloclusões de Classe II severas, devido aos fatores estéticos, psicológicos e sociais e do risco de fratura dos dentes anteriores, pedem uma intervenção precoce, ainda na dentadura mista. (LANDÁZURI et al., 2009) No intuito de contribuir para um melhor discernimento terapêutico, o presente estudo visa compreender melhor o mecanismo de ação do aparelho de Herbst, as alterações dentárias, esqueléticas e no perfil induzidas pelo tratamento com avanço mandibular contínuo e, principalmente, as alterações que ocorrem na articulação temporomandibular.

12 11 2 PROPOSIÇÃO O objetivo do presente estudo consistiu em revisar a literatura e relatar os dados encontrados por vários autores em relação à utilização do aparelho de Herbst e as alterações induzidas por sua aplicação clínica, principalmente, as alterações adaptativas na articulação temporomandibular

13 12 3 REVISÃO DE LITERATURA 3.1 HISTÓRICO DO APARELHO Emil Herbst idealizou, nos idos de 1900, um sofisticado aparelho intrabucal fixo (Fig.1), indicado para a correção da deficiência mandibular. O sistema lançava mão de um mecanismo telescópico bilateral, que exigia ancoragens inter-arcos para a manutenção da mandíbula em posição continuamente avançada, impedindo-a de retroceder. Esse aparelho foi apresentado pela primeira vez no Congresso Internacional de Berlin em 1905, com o nome de Herbst Schanier (SILVA FILHO, et al., 2000). FIGURA 1 Aparelho utilizado por Herbst no início do século. Fonte: Moro et al. (2000). O aparelho de Herbst foi projetado para ser utilizado 24 horas por dia, e o efeito do tratamento pode ser alcançado em um curto período de tempo (6 a 12 meses). E, sendo um aparelho fixo, avança a mandíbula e corrige a Classe II, sem a necessidade da colaboração do paciente na sua utilização (PANCHERZ, 1979). Baseando-se no seu poder intuitivo, Emil Herbst acreditava ser possível a estimulação do crescimento mandibular, através de um dispositivo propulsor de ação contínua. Porém, desde 1934, muito pouco foi publicado sobre o assunto e este método de tratamento da má oclusão de Classe II ficou esquecido na literatura ortodôntica. A introdução dos elásticos intermaxilares nos Estados Unidos e da Ortopedia Funcional dos Maxilares na Europa forneceu aos ortodontistas outras

14 13 possibilidades para o tratamento das más oclusões de Classe II (REGO et al., 2005 b ). 3.2 A REINTRODUÇÃO Coube ao ortodontista sueco, Hans Pancherz o mérito de ter reintroduzido o aparelho de Herbst na prática da ortodontia, respondendo, através de literatura abundante, as inquietações dos ortodontistas, despertando o interesse pelo aparelho. A partir de então, este vem sendo referenciado direta e indiretamente por prestigiados profissionais e, nessa trajetória, vem ganhando desenhos variados para as ancoragens superior e inferior (SILVA FILHO et al., 2000). O aparelho de Herbst tornou-se bastante popular, uma vez que algumas vantagens lhe são inerentes: independe da cooperação do paciente; mínima interferência com a fala e a estética; facilidade na confecção, ativação e aceitação do paciente. Sendo indicado como um aparelho ortopédico funcional para a correção da má oclusão de Classe II (CRUZ et al., 2000). O Journal of Clinical Orthodontics realiza a cada 6 anos um levantamento sobre os procedimentos de diagnóstico e tratamento utilizados pelos ortodontistas americanos. No trabalho de Keim et al., publicado em 2002, revelou-se que o aparelho de Herbst é hoje o aparelho funcional mais utilizado nos Estados Unidos. Foi em outubro de 1979, na edição do American Journal of Orthodontics, que Hans Pancherz chamou atenção para a possibilidade de estimular o crescimento mandibular por meio da utilização do aparelho Herbst, o que culminou com a publicação de uma série de artigos científicos e de casos clínicos na Europa e Estados Unidos, no intuito de estabelecer os efeitos do referido aparelho no complexo dentofacial e no sistema mastigatório (REGO et al., 2005 a ). 3.3 O PRINCÍPIO MECÂNICO De acordo com Silva Filho et al. (2002), o princípio mecânico idealizado por Herbst consiste num mecanismo telescópico par. Cada mecanismo telescópico é formado por um tubo (maxilar) e um pistão (mandibular) que, quando montados na boca, têm a propriedade de manter a mandíbula permanentemente projetada para anterior, impedindo-a de retroceder. Os tubos são presos na região posterior do arco

15 14 dentário superior, na altura dos primeiros molares permanentes, por vestibular. Os pistões são presos na região anterior do arco dentário inferior, na altura dos prémolares, também por vestibular (Fig. 2). A FIGURA 2 A) componentes do aparelho de Herbst, B) aparelho instalado Fonte: A principal diferença, com relação aos aparelhos ortopédicos funcionais removíveis, é essa ação contínua, mantendo os côndilos constantemente anteriorizados na fossa articular durante o repouso e as funções mandibulares, independente da cooperação do paciente ponto alto do dispositivo. Dessa forma, o aparelho de Herbst tem tudo para ser mais efetivo que seus similares removíveis, provocando uma remodelação na ATM num período de tempo mais curto (PANCHERZ 1982). O comprimento do tubo determina a quantidade de avanço mandibular. Usualmente a mandíbula é mantida em uma relação de topo a topo entre os incisivos. O comprimento do pistão não deve permitir o seu deslocamento do interior do tubo durante a máxima abertura, mas não deve ser muito longo para não machucar a mucosa jugal do paciente. Assim, o mecanismo telescópico normalmente permite o movimento de abertura e fechamento, embora algumas adaptações possam ser confeccionadas para que movimentos de lateralidade também sejam realizados (REGO et al., 2005 a ). B 3.4 ANCORAGEM Quando instalamos um aparelho ortopédico, seja ele removível ou fixo, pretendemos extrair dele um efeito ortopédico máximo, sem compensações dentárias. Porém, não existe aparelho ortopédico capaz de induzir efeitos exclusivamente esqueléticos. Esta limitação do efeito esquelético dos aparelhos

16 15 ditos ortopédicos se deve em parte pela ancoragem à distância, ou seja, incluindo os arcos dentários. Por outro lado, a possibilidade de interferir no potencial genético de crescimento mandibular não é conceito universalmente aceito dentro da comunidade ortodôntica. A quantidade de efeito ortopédico induzido está na dependência de três fatores principais: o padrão de crescimento facial, a magnitude de crescimento no momento da instalação do aparelho e a própria efetividade do aparelho em cumprir o efeito pretendido. Nesse tópico, a ação continua do aparelho de Herbst não deixa de ser uma superioridade. Os efeitos ortopédicos induzidos por ele podem ser resumidos em: 1) aumento do crescimento efetivo mandibular, 2) remodelação da ATM e, 3) restrição do crescimento maxilar (SILVA FILHO et al., 2000). Mesmo com uma ancoragem pesada, os efeitos do aparelho de Herbst transcendem a remodelação esqueletal. Podemos identificar os seguintes efeitos compensatórios como resultado ortodôntico da aplicação do aparelho de Herbst: 1) inclinação dos incisivos inferiores para vestibular e 2) inclinação dos incisivos superiores para lingual. Sem contar os efeitos dentários na região posterior dos arcos dentários, como intrusão e distalização dos molares superiores e extrusão e mesialização dos molares inferiores (SILVA FILHO et al., 2000). O objetivo principal do aparelho Herbst, de acordo com Landázuri et al., (2009), é estimular o crescimento mandibular e corrigir a má oclusão Classe II, sendo razoável pensar que movimentos dentários durante o tratamento não sejam desejáveis. A utilização de uma ancoragem pesada tem pretensões de transformar a ação do mecanismo telescópico em resposta ortopédica (remodelação da ATM e aumento no comprimento mandibular) e neutralizar a força de reação. Neste contexto, o planejamento da ancoragem retoma o propósito de minimizar o efeito ortodôntico em benefício do ganho ortopédico quando da adaptação do mecanismo telescópico bilateral responsável pelo avanço mandibular contínuo. Segundo Silva Filho, Aiello, Fontes (2005), a ancoragem original prevê uma estrutura metálica fixa em ambos os arcos dentários, porém, o aparelho Herbst, depois da sua reintrodução e crescente popularidade na Ortodontia, ganhou diferentes versões. Uma das possibilidades de ancoragem metálica fixa é o apoio no maior número de dentes posteriores mediante o emprego de uma armação metálica fundida ou sua estrutura mais próxima, que corresponde à armação metálica soldada usando bandas como elemento de união intra-arcos. Tendo como um dos motivos a fragilidade estrutural nos locais de solda, pontos de constante quebra, a

17 16 estrutura metálica soldada também tem sido substituída pelo esplinte de acrílico cobrindo toda a extensão dos arcos dentários (Fig. 3). O esplinte pode ser colado somente no arco dentário inferior ou em ambos os arcos dentários, e até mesmo ser removível inferior, ou removível em ambos os arcos dentários. As ancoragens alternativas para adaptação do mecanismo telescópico ainda contam com cantilever no arco dentário inferior e as coroas de aço substituindo as bandas (Fig. 4). FIGURA 3 Aparelho de Herbst com coroas de aço nos primeiros molares superiores e splint de acrílico no arco inferior. A) vista lateral direita, B) vista oclusal superior, C) vista oclusal inferior e D) vista frontal Fonte: Moro et al. (2000). FIGURA 4 Aparelho de Herbst com cantilever. A) vista lateral direita, B) vista oclusal superior e inferior Fonte: Moro et al. (2000).

18 17 Há ainda a possibilidade da adaptação do mecanismo telescópico diretamente no aparelho fixo total superior e inferior (Fig. 5). Essa ancoragem no aparelho fixo reduz os custos de confecção, elimina a necessidade de um técnico de laboratório e componentes pré-fabricados diminuem o tempo de consultório (SCHIAVONI, BONAPACE, GRENGA, 1996). FIGURA 5 Utilização do sistema telescópico de Herbst com aparelho fixo. A) vista lateral direita, B) vista oclusal superior, C) vista oclusal inferior, D) vista frontal Fonte: Moro et al. (2000). Como a atresia do arco dentário superior tende a acompanhar a má oclusão de Classe II, 1ª divisão, deficiência mandibular, Capelozza Filho et al. (2011) aconselham a opção por uma ancoragem superior pesada (expansor tipo Haas adaptado para o Herbst, corrigindo a deficiência transversal, previamente à instalação do mecanismo). Para o arco inferior, a ancoragem consiste na utilização de um arco lingual de Nance modificado, que possui uma extensão vestibular, a partir da região de caninos e estende-se até as bandas dos 1os molares (Fig. 6). A utilização de aparelhos bandados reduziria o custo operacional e facilitaria a remoção do sistema de ancoragem no final do tratamento.

19 18 FIGURA 6 Aparelho expansor fixo tipo Haas modificado usado como ancoragem superior para receber o tubo telescópico do aparelho Herbst e arco lingual de Nance modificado usado como ancoragem inferior para receber o pistão ou êmbolo do aparelho Herbst. Fonte: Silva Filho, Aiello, Fontes (2005). 3.5 INDICAÇÕES DO APARELHO DE HERBST Pancherz (1979) afirma que o aparelho de Herbst foi desenvolvido para o tratamento da maloclusão de Classe II e que estaria mais indicado nos casos que apresentassem mandíbula retrognática e incisivos inferiores com inclinação lingual, devido ao potencial de projeção dos incisivos inferiores como consequência do uso deste tipo de aparelho. Haegglund e Segerdal (1998) combinaram o aparelho Herbst aos aparelhos fixos. Para esses autores, o aparelho de Herbst integrado ao aparelho fixo está indicado em 3 situações, a saber: 1) Retrusão Mandibular Classe II: o Aparelho de Herbst Integrado pode ser incorporado no plano de tratamento desde o início ou, em discrepâncias mais discretas, reservado para o caso de ausência de cooperação. 2) Mordida Profunda Esquelética Classe II: quando o aparelho de Herbst é instalado e a mandíbula é movimentada para frente, na maioria dos casos, cria-se uma mordida aberta lateral que irá simplificar o tratamento da mordida profunda pela extrusão dos dentes inferiores posteriores. 3) Mordida Aberta Esquelética Classe II: durante o tratamento com o Herbst, especialmente em casos de ângulo alto, sem extração, tentamos aumentar a força intrusiva sobre os primeiros e segundos molares superiores. Para isso, os segundos molares superiores devem ser bandados e incluídos no arco e os tubos de Herbst presos ao arco superior o mais distalmente possível, evitando, porém, interferência no músculo

20 19 masseter. E na mandíbula, os pistões devem se colocados mais distalmente que o usual para aumentar o componente vertical da força sobre o arco superior. Reconhecendo que há várias maneiras de corrigir a má-oclusão de Classe II, como, por exemplo, pela distalização dos molares superiores, mesialização dos molares inferiores, inibição do crescimento maxilar, incremento do crescimento mandibular ou por uma combinação desses vários fatores, Moro et al. (2000) indicam o aparelho de Herbst de acordo com suas variações: 1) Herbst com cantilever apoiado na coroa de aço dos molares inferiores mais arco lingual, indicado para pacientes com dentadura mista não colaboradores e com retrognatismo mandibular; pacientes com dentadura mista, nos quais a má-oclusão de Classe II causa problemas emocionais, sendo que a correção deve ser realizada precocemente para aumentar a sua autoestima; Classe II com mordida aberta e ângulo do plano mandibular acentuado; Classe II com deficiência significativa no comprimento do arco e desvio das linhas médias dentárias, casos que serão tratados com extrações. 2) Herbst com coroas de aço nos primeiros pré-molares inferiores conectados aos molares por lingual, indicado para pacientes com dentadura permanente; casos com Classe II e mordida profunda com baixo valor para o ângulo do plano mandibular. 3) Herbst com coroas de aço nos primeiros prémolares inferiores sem conexão rígida com os molares, indicado como ancoragem para o segmento anteroinferior durante o fechamento de espaços nos casos com agenesia de segundos pré-molares inferiores; durante o fechamento do espaço do primeiro molar inferior. Silva Filho et al. (2000), concluíram que a indicação de uso do aparelho de Herbst respeita a indicação dos aparelhos ortopédicos funcionais, ou seja, má oclusão de Classe II por deficiência mandibular. E que, pela sua característica de ação contínua, independendo da cooperação do paciente, valem algumas particularidades na sua indicação, a saber: a) deficiência mandibular severa; b) pacientes não colaboradores; c) pacientes que usaram aparelhos ortopédicos funcionais sem sucesso. Para Matta, Calasans-Maia, Ruellas (2003), o momento oportuno para o tratamento das maloclusões de classe II esqueléticas é durante o surto puberal de crescimento, momento esse em que, num curto espaço de tempo cronológico, há a presença de grande quantidade de modificações de crescimento, tornando, desta forma, o tempo total de tratamento ortodôntico o menor possível.

21 20 Ogeda e Abrão (2004), considerando a Classe II, 1ª divisão uma displasia esquelética de caráter genético que não se auto corrige, e uma vez instalada permanece durante o desenvolvimento facial até a fase adulta, manifestando-se precocemente na dentadura decídua, indicam o aparelho de Herbst em tratamentos de pacientes em fase de crescimento, portadores de má oclusão de Classe II com retrognatismo mandibular. Porém, estudando os efeitos dentários do aparelho Herbst, indicam esse aparelho também com a finalidade de distalização dos molares superiores na dentadura permanente, em casos selecionados, quando o diagnóstico da Classe II permita um planejamento do tratamento incluindo essa intenção. Para tanto, utilizam uma ancoragem parcial no arco dentário superior, buscando potencializar o efeito dentário sobre os molares superiores. Além da indicação clássica para a correção da Classe II esquelética, Ruf e Pancherz (2004) acrescentam que o aparelho de Herbst é uma ferramenta poderosa para tratamento não cirúrgico e não extracionista de adultos. Portanto, é uma alternativa a cirurgia ortognática em casos de Classe II esquelética limítrofe, pois a previsibilidade e proporção de sucesso do tratamento com Herbst é tão alta quanto a da cirurgia ortognática. Se, no entanto, a queixa principal do paciente é o perfil facial, a cirurgia ortognática é a melhor alternativa de tratamento. Almeida et al. (2005) indicam este aparelho para correção da má oclusão de Classe II por deficiência mandibular severa ou moderada, como recurso alternativo ao uso dos aparelhos ortopédicos funcionais removíveis. A melhor época da aplicação tem sido proposta em diferentes períodos; na dentadura mista precoce, na dentadura permanente e mesmo após o término do crescimento e desenvolvimento maxilo-mandibular. Contudo, grande parte da literatura ressalta que a correção tardia da má oclusão de Classe II alcança resultados mais eficientes e eficazes, quando comparado ao tratamento precoce, principalmente no que se refere à instabilidade dos efeitos ortopédicos, além do que, iniciando-se na dentadura permanente o tempo de tratamento total também é reduzido (RUF, PANCHERZ, 2003). Por outro lado, nos casos severos de discrepâncias esqueléticas, as necessidades estéticas, os fatores psicossociais e a predisposição ao traumatismo dos incisivos superiores, justificam a correção precoce da má oclusão de Classe II, seguida de contenção com aparelho funcional (WIESLANDER, 1984).

22 21 Independentemente da época de aplicação, a Classe II é corrigida de forma rápida e eficaz. No tratamento de adultos jovens, essas correções ocorrem mais pelas compensações dentárias do que pelos efeitos ortopédicos propriamente ditos, porém essas alterações esqueléticas podem ser maiores quando o tratamento é realizado durante o período de crescimento circumpuperal (RUF, PANCHERZ, 1999). Geralmente o tratamento ortopédico com avanço mandibular está contraindicado nos pacientes verticais em crescimento devido principalmente à extrusão dos molares inferiores e ao aumento da altura facial anteroinferior (AFAI), contudo, Ruf e Pancherz (1996), aludiram que a utilização do Herbst em pacientes com padrão de crescimento vertical ou horizontal propicia o mesmo resultado esquelético na correção da Classe II. Sipione et al. (2006), citam o aparelho de Herbst como uma das alternativas para tratamento da maloclusão de Classe II, 1ª divisão e ressaltam que o momento ideal para o tratamento dessa má-oclusão é durante a fase de crescimento e desenvolvimento craniofacial, para que em um curto espaço de tempo se obtenha bons resultados. Por outro lado, Silva Filho et al. (2007), sabendo que o aparelho de Herbst é indicado no tratamento da classe II com deficiência mandibular, alertam que quando a compensação dentária já está presente em dose elevada na má oclusão inicial, há comprometimento do prognóstico de tratamento. Isso leva a inferir que o grau de compensação natural interfere no prognóstico de tratamento da deficiência mandibular. Quando presente em dose elevada, o prognóstico de tratamento é ruim, ao passo que quando ausente, o prognóstico de tratamento é mais favorável. Para os autores, não se pode perder de vista que o objetivo final da Ortodontia no tratamento da Classe II, grosso modo, é devolver ao segmento oclusal posterior uma relação interarcos de Classe I e reduzir o trespasse horizontal. Se junto vier uma melhora facial, ótimo. Quaglio et al. (2009), consideram que o aparelho de Herbst é indicado para pacientes com crescimento ativo, portadores de Classe II divisão 1 quando o problema principal é o retrognatismo mandibular, com dentes anteriores sem grande apinhamento ou após o alinhamento com o aparelho ortodôntico fixo e, de preferência, com incisivos inferiores lingualizados. Ressaltam que o exame funcional é um fator que contribui para a escolha de aparelhos para o avanço mandibular. Ao

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS Efeitos dentoalveolares e esqueléticos do tratamento da má oclusão Classe II com os aparelhos Herbst, Jasper Jumper e o Aparelho de Protração Mandibular

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO CLASSE II COM APARELHO DE HERBST CAIO MÁRCIO DE TEVES MORENO

TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO CLASSE II COM APARELHO DE HERBST CAIO MÁRCIO DE TEVES MORENO FUNORTE-FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS NÚCLEO NITERÓI-SMILE ODONTOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO CLASSE II COM APARELHO DE HERBST CAIO MÁRCIO DE TEVES MORENO

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso Caso Clínico Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso José Euclides Nascimento* Luciano da Silva

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente,

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente, Série Aparelhos Ortodônticos MÁSCARA FACIAL INTRODUÇÃO Inúmeras formas de tratamento têm sido relatadas para a correção precoce da má oclusão de Classe III. No entanto, talvez por muitos casos necessitarem

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE AVANÇO MANDIBULAR

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE AVANÇO MANDIBULAR FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE AVANÇO MANDIBULAR SANTA CRUZ DO SUL-RS 2012 FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3 Série Aparelhos Ortodônticos EXTRABUCAL INTRODUÇÃO A ancoragem extrabucal ainda é um dos recursos mais utilizados e recomendados no tratamento da má oclusão de Classe II, primeira divisão, caracterizada

Leia mais

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior A RTIGO DE D IVULGA ÇÃO Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior Roberto M. A. LIMA FILHO*, Anna Carolina LIMA**, José H. G. de OLIVEIRA***, Antonio C. de

Leia mais

MARCOS PRADEBON TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO CLASSE II: REVISÃO DE LITERATURA

MARCOS PRADEBON TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO CLASSE II: REVISÃO DE LITERATURA FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS- FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MARCOS PRADEBON TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO CLASSE II: REVISÃO DE LITERATURA Santa Cruz do Sul 2013 MARCOS PRADEBON TRATAMENTO DA

Leia mais

Aparelho de Herbst Pma Passo a Passo

Aparelho de Herbst Pma Passo a Passo Capítulo Aparelho de Herbst Pma Passo a Passo 1 Alexandre Moro A Ortodontia contemporânea tem exigido que os clínicos utilizem aparelhos que tenham a sua eficiência clínica comprovada cientificamente.

Leia mais

A UTILIZAÇÃO CLÍNICA DO APARELHO PROPULSOR MANDIBULAR FORSUS NA

A UTILIZAÇÃO CLÍNICA DO APARELHO PROPULSOR MANDIBULAR FORSUS NA A UTILIZAÇÃO CLÍNICA DO APARELHO PROPULSOR MANDIBULAR FORSUS NA CLÍNICA ORTODÔNTICA Mario Cappellette Jr, Paulo Sergio Kozara, Carolina M F Costa RESUMO Palavras-chave: Forsus. Crescimento mandibular.

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS Jorge Ferreira Rodrigues 1 Marcella Maria Ribeiro do Amaral Andrade 2 Ernesto Dutra Rodrigues 3 Resumo O tratamento ortodôntico da

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO MESTRADO PROFISSIONAL EM ODONTOLOGIA CLÍNICA

UNIVERSIDADE POSITIVO MESTRADO PROFISSIONAL EM ODONTOLOGIA CLÍNICA UNIVERSIDADE POSITIVO MESTRADO PROFISSIONAL EM ODONTOLOGIA CLÍNICA ESTUDO COMPARATIVO DAS OCORRÊNCIAS DE COMPLICAÇÕES ENTRE OS APARELHOS DE HERBST COM SPLINT DE ACRÍLICO INFERIOR REMOVÍVEL E COM CANTILEVER

Leia mais

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA APROVADO: MEC e CFO 1º. MÓDULO: 1º. DIA: Apresentação da Especialização / Aula teórica de Classificação das Más-oclusões 2º. DIA: Aula teórica de Etiologia

Leia mais

TP Orthodontics. HERBST Flip-Lock. www.tportho.com

TP Orthodontics. HERBST Flip-Lock. www.tportho.com TP Orthodontics HERBST Flip-Lock www.tportho.com TP Orthodontics, Inc. Idéias em Prática. "TP Orthodontics sempre ouve as minhas necessidades e me fornece os melhores produtos para o meu dia-a-dia." -Douglas

Leia mais

Programa Laboratorial (hands on em Manequim)

Programa Laboratorial (hands on em Manequim) PROGRAMA DE CURSO DE EXCELÊNCIA EM ORTODONTIA COM 8 MÓDULOS DE 2 DIAS MENSAIS Prof. ROQUE JOSÉ MUELLER - Tratamento Ortodôntico de alta complexidade em adultos : diagnóstico, planejamento e plano de tratamento.

Leia mais

APM: APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR.

APM: APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR. INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS APM: APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR. RODRIGO LOPES ROCHA Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Ortodontia do ICS FUNORTE/SOEBRÁS NÚCLEO

Leia mais

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR Miguel da Nóbrega Médico Especialista em Estomatologia DUO Faculdade de Cirurgia Dentária Universidade Toulouse miguel.nobrega@ortofunchal.com TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS 31) Sobre a reabsorção localizada severa, é correto afirmar que a) os dentes com dilaceração são fatores de risco. b) o tratamento ortodôntico não é o principal fator etiológico.

Leia mais

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO.

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO. TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO....Tip-Edge é um braquete com um slot edgewise modificado, pré-ajustado, que permite inclinação da coroa em uma direção e ainda cria ancoragem através de movimento

Leia mais

Correção da relação sagital entre os arcos dentais Classe II

Correção da relação sagital entre os arcos dentais Classe II Correção da relação sagital entre os arcos dentais Classe II CAPÍTULO 13 Karyna Martins do Valle-Corotti Danilo Furquim Siqueira INTRODUÇÃO Angle 1 definiu a maloclusão de Classe II como uma relação mesiodistal

Leia mais

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs Ana Carla Rios O Exame do Sistema Estomatognático utilizando a análise oclusal é parte importante do processo diagnóstico

Leia mais

REVISTA GESTÃO & SAÚDE (ISSN 1984-8153) EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA LOWER INCISOR EXTRACTION IN ORTHODONTICS

REVISTA GESTÃO & SAÚDE (ISSN 1984-8153) EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA LOWER INCISOR EXTRACTION IN ORTHODONTICS 1 EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA LOWER INCISOR EXTRACTION IN ORTHODONTICS Tatiana Leite Moroz LESSA 1 Elcy ARRUDA 2 Roberley Araújo ASSAD 3 Fabiano Sfier de MELLO 4 Andrea Malluf Dabul de

Leia mais

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS Curso de Aperfeiçoamento em Ortodontia Elásticos TIPOS DE ELÁSTICOS Borracha Natural - conservação amônia sensível ao ozônio vulcanizado Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais Elasticidade é a propriedade

Leia mais

EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA

EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA PÂMELA KIMURA FERNANDES PEREIRA SANTO ANDRÉ 2012 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS EXTRAÇÃO DE

Leia mais

Boa leitura a todos e aguardamos seus comentários e sugestões. Ricardo Moresca

Boa leitura a todos e aguardamos seus comentários e sugestões. Ricardo Moresca Orthodontic Science and Practice. 2012; 5(19):261-274. 261 A Classe II é uma das más oclusões mais frequentes entre os pacientes que buscam pelo tratamento ortodôntico e a sua correção pode representar

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

ATIVADOR FIXO BIOPEDIC: INDICAÇÕES E INSTALAÇÃO

ATIVADOR FIXO BIOPEDIC: INDICAÇÕES E INSTALAÇÃO ATIVADOR FIXO BIOPEDIC: INDICAÇÕES E INSTALAÇÃO Luiz Fernando Eto*; Eneida Guimarães de Menezes Venuto**; Paula Moura Nagem** Luiz Fernando Eto - Especialista e Mestre em Ortodontia pelo COP-PUCMG; Professor

Leia mais

Tratamento da Classe II com Distalização do Arco Superior Utilizando Microparafusos Ortodônticos de Titânio

Tratamento da Classe II com Distalização do Arco Superior Utilizando Microparafusos Ortodônticos de Titânio Capítulo Tratamento da Classe II com Distalização do Arco Superior Utilizando Microparafusos Ortodônticos de Titânio 1 Henrique Mascarenhas Villela Andréa Lacerda Santos Sampaio Évelin Rocha Limoeiro Introdução

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

MANTENEDORES DE ESPAÇO

MANTENEDORES DE ESPAÇO MANTENEDORES DE ESPAÇO Conceito São aparelhos ortodônticos usados para manter o espaço nas arcadas dentárias, por perda precoce de dentes decíduos. Classificação Quanto ao uso: fixos semifixos removíveis

Leia mais

APARELHOS ORTODÔNTICOS. e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES. Ortodontia & Ortopedia Facial. Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117

APARELHOS ORTODÔNTICOS. e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES. Ortodontia & Ortopedia Facial. Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117 APARELHOS ORTODÔNTICOS e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117 Ortodontia & Ortopedia Facial ORTODONTIA E Ortopedia Facial CUI CURI DADOS & OSIDADES Dr. Guilherme Thiesen

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

Hugo Trevisi Reginaldo Trevisi Zanelato. O Estado da arte na. Ortodontia APARELHO AUTOLIGADO, MINI-IMPLANTE E EXTRAÇÕES DE SEGUNDOS MOLARES

Hugo Trevisi Reginaldo Trevisi Zanelato. O Estado da arte na. Ortodontia APARELHO AUTOLIGADO, MINI-IMPLANTE E EXTRAÇÕES DE SEGUNDOS MOLARES Hugo Trevisi Reginaldo Trevisi Zanelato O Estado da arte na Ortodontia APARELHO AUTOLIGADO, MINI-IMPLANTE E EXTRAÇÕES DE SEGUNDOS MOLARES O estado da arte na Ortodontia o estado da arte na Ortodontia

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa o superiores e splint removível vel inferior MORO, A.; et al. Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de aço superiores

Leia mais

QUEIXA PRINCIPAL: EXAME ESTÉTICO

QUEIXA PRINCIPAL: EXAME ESTÉTICO O texto abaixo é um parte do capítulo I do livro manual simplificado de diagnóstico e planejamento em ortodontia e ortopedia que pode ser adquirido em nosso site. Os colegas que não frequentaram cursos

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

(VTO dentário) Resumo Este presente artigo teve por finalidade demonstrar, simplificadamente, o manejo

(VTO dentário) Resumo Este presente artigo teve por finalidade demonstrar, simplificadamente, o manejo iagnóstico Análise da Movimentação entária (VTO dentário) Adriano César Trevisi Zanelato*, Hugo José Trevisi**, Reginaldo César Trevisi Zanelato***, André César Trevisi Zanelato*, Renata Chicarelli Trevisi****

Leia mais

Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética

Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética Caso Clínico BBO Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética Ione Helena Vieira Portella Brunharo 1 O preparo ortodôntico para tratamento cirúrgico do padrão esquelético de

Leia mais

EXTRAÇÕES DE DOIS PRÉ-MOLARES SUPERIORES NA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE II: PARÂMETROS DE DIAGNÓSTICO E NOVOS RECURSOS NA MECÂNICA.

EXTRAÇÕES DE DOIS PRÉ-MOLARES SUPERIORES NA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE II: PARÂMETROS DE DIAGNÓSTICO E NOVOS RECURSOS NA MECÂNICA. 1 EXTRAÇÕES DE DOIS PRÉ-MOLARES SUPERIORES NA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE II: PARÂMETROS DE DIAGNÓSTICO E NOVOS RECURSOS NA MECÂNICA. EWALDO LUIZ DE ANDRADE Especialista em Ortodontia Mestre em Diagnóstico Bucal

Leia mais

TRATAMENTO DA CLASSE III COMPENSATÓRIA EM ADULTOS

TRATAMENTO DA CLASSE III COMPENSATÓRIA EM ADULTOS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS TRATAMENTO DA CLASSE III COMPENSATÓRIA EM ADULTOS CARLOS ROBERTO FUCUTA JÚNIOR Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Ortodontia da ICS Funorte/SOEBRAS

Leia mais

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes.

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes. ELEMENTOS ESSENCIAIS DE DIAGNÓSTICO Prof. Hélio Almeida de Moraes. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 Documentação do Paciente: 2 1- Ficha Clínica:- 2 A- Identificação: 2 B- Anamnese: 3 História da Família 3 História

Leia mais

Tratamento da classe II, com aparelho de herbst modificado relato de caso clínico

Tratamento da classe II, com aparelho de herbst modificado relato de caso clínico 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 Class II malocclusion treatment with modified Herbst appliance A Case Report Resumo

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI

EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI Marcus Vinicius Neiva Nunes do Rego - NOVAFAPI Olívia de Freitas Mendes - NOVAFAPI Thaís Lima Rocha NOVAFAPI Núbia Queiroz

Leia mais

RODRIGO PADILHA DE CARVALHO DISTALIZAÇÃO DE MOLARES SUPERIORES

RODRIGO PADILHA DE CARVALHO DISTALIZAÇÃO DE MOLARES SUPERIORES 0 RODRIGO PADILHA DE CARVALHO DISTALIZAÇÃO DE MOLARES SUPERIORES ITAPERUNA/RJ 2011 0 RODRIGO PADILHA DE CARVALHO DISTALIZAÇÃO DE MOLARES SUPERIORES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de

Leia mais

mesma quantidade que a junção cemento-esmalte, mantendo assim a mesma quantidade de inserção

mesma quantidade que a junção cemento-esmalte, mantendo assim a mesma quantidade de inserção Entrevista diretamente com o tipo e quantidade de tecido gengival que está presente em cada paciente. Se um paciente tiver um biotipo de tecido espesso, então isto poderia oferecer proteção ao dente, prevenindo

Leia mais

Extração Seriada, uma Alternativa

Extração Seriada, uma Alternativa Artigo de Divulgação Extração Seriada, uma Alternativa Serial Extraction, an Alternative Procedure Evandro Bronzi Resumo A extração seriada é um procedimento ortodôntico que visa harmonizar

Leia mais

Individualização de Braquetes na Técnica de Straight-Wire: Revisão de Conceitos e Sugestão de Indicações para Uso

Individualização de Braquetes na Técnica de Straight-Wire: Revisão de Conceitos e Sugestão de Indicações para Uso Tópico Especial Individualização de Braquetes na Técnica de Straight-Wire: Revisão de Conceitos e Sugestão de Indicações para Uso Brackets Individualization in Straight-Wire Technique: Concepts Review

Leia mais

Estudo cefalométrico das alterações dentoesqueléticas da má oclusão de Classe II, divisão 1 tratada com o aparelho de Herbst com cantiléver*

Estudo cefalométrico das alterações dentoesqueléticas da má oclusão de Classe II, divisão 1 tratada com o aparelho de Herbst com cantiléver* A r t i g o In é d i t o Estudo cefalométrico das alterações dentoesqueléticas da má oclusão de Classe II, divisão 1 tratada com o aparelho de Herbst com cantiléver* Ana Carla Raphaelli Nahás**, José Fernando

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

TRATAMENTO DE MÁ-OCLUSÃO CLASSE II

TRATAMENTO DE MÁ-OCLUSÃO CLASSE II FACULDADES INTEGRADAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ORTODONTIA TRATAMENTO DE MÁ-OCLUSÃO CLASSE II VALDIR MORON URQUIZA SÃO PAULO 2012 VALDIR MORON URQUIZA TRATAMENTO DE MÁ-OCLUSÃO

Leia mais

Má oclusão Classe I de Angle, com acentuada biprotrusão, tratada com extrações de dentes permanentes*

Má oclusão Classe I de Angle, com acentuada biprotrusão, tratada com extrações de dentes permanentes* C a s o C l í n i c o O Má oclusão Classe I de ngle, com acentuada biprotrusão, tratada com extrações de dentes permanentes* Marco ntônio Schroeder** Resumo Este relato de caso descreve o tratamento de

Leia mais

Estudo da Recidiva em Pacientes com

Estudo da Recidiva em Pacientes com CASO CLÍNICO Estudo da Recidiva em Pacientes com Maloclusão de Classe II, Tratados pela Técnica do Arco de Canto com Extrações de Pré-Molares Pertencentes às Categorias de Crescimento de Petrovic. Parte

Leia mais

KELYANE VERLY MORAES

KELYANE VERLY MORAES 1 KELYANE VERLY MORAES ANCORAGEM ESQUELÉTICA COM MINI-IMPLANTES NITERÓI - RJ 2011 2 KELYANE VERLY MORAES ANCORAGEM ESQUELÉTICA COM MINI-IMPLANTES Monografia entregue à Faculdade Redentor, como requisito

Leia mais

ANGELO VICENTINI LOIOLA PROTRATOR MANDIBULAR ARQUEADO - PMA

ANGELO VICENTINI LOIOLA PROTRATOR MANDIBULAR ARQUEADO - PMA ANGELO VICENTINI LOIOLA PROTRATOR MANDIBULAR ARQUEADO - PMA CAMPINAS 2009 ANGELO VICENTINI LOIOLA PROTRATOR MANDIBULAR ARQUEADO - PMA Patente apresentada ao Centro de Pós- Graduação / CPO São Leopoldo

Leia mais

Prosthes. Lab. Sci. 2013; 2(6):149-154.

Prosthes. Lab. Sci. 2013; 2(6):149-154. PROSTHESIS L A B O R A T O R Y i n Cristiane Barros André 1 Walter Iared 2 Renato Bigliazzi 3 Prosthes. Lab. Sci. 2013; 2(6):149-154. Planejamento e individualização da aparatologia ortodôntica conjugada

Leia mais

Má oclusão Classe III de Angle com discrepância anteroposterior acentuada

Má oclusão Classe III de Angle com discrepância anteroposterior acentuada C ASO CLÍNIC O BBO Má oclusão Classe III de Angle com discrepância anteroposterior acentuada Carlos Alexandre Câmara* Resumo O caso clínico apresentado refere-se ao tratamento de uma paciente com 36 anos,

Leia mais

Utilização do Aparelho Progênico para Correção das Mordidas Cruzadas Anteriores

Utilização do Aparelho Progênico para Correção das Mordidas Cruzadas Anteriores Tópico Especial Tema desenvolvido pelo conselho editorial abordando assuntos de interesse da classe ortodôntica Utilização do Aparelho Progênico para Correção das Mordidas Cruzadas Anteriores O direcionamento

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

Ciência e prática. Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral

Ciência e prática. Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral 36 MAXILLARIS OUTUBRO 2015 Ciência e prática : Margarida Malta Médica dentista. Licenciada no Instituto Superior de Ciencias da Saúde

Leia mais

Aparelho Herbst: Protocolos de tratamento precoce e tardio

Aparelho Herbst: Protocolos de tratamento precoce e tardio A RTIGO I NÉDITO Aparelho Herbst: Protocolos de tratamento precoce e tardio Omar Gabriel da Silva Filho*, Carlos Alberto Aiello*, Marcelo Veloso Fontes** Resumo Até que ponto o crescimento mandibular pode

Leia mais

ADRIANA DA COSTA BRAMBILLA

ADRIANA DA COSTA BRAMBILLA COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS OCLUSAIS DO TRATAMENTO DA CLASSE II REALIZADO COM EXTRAÇÕES DE DOIS PRÉ-MOLARES, COM A TERAPÊUTICA UTILIZANDO AS EXTRAÇÕES DE QUATRO PRÉ- MOLARES ADRIANA DA COSTA BRAMBILLA Dissertação

Leia mais

T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO. Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University)

T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO. Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University) T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University) PARA O ALINHAMENTO DE DENTES ANTERIORES NA DENTIÇÃO PERMANENTE Contate-nos para obter informações sobre o vídeo de

Leia mais

Aparelho de Protração Mandibular: uma nova abordagem na confecção do aparelho

Aparelho de Protração Mandibular: uma nova abordagem na confecção do aparelho Dica Clínica parelho de Protração Mandibular: uma nova abordagem na confecção do aparelho Luciano lvim Costa*, Rosely Suguino** Resumo má oclusão de Classe II com retrognatismo mandibular tem sido largamente

Leia mais

EFEITOS DENTOESQUELÉTICOS NO TRATAMENTO DA MÁ-OCLUSÃO DE CLASSE II COM O APARELHO DE HERBST PÓS-PICO DE CRESCIMENTO

EFEITOS DENTOESQUELÉTICOS NO TRATAMENTO DA MÁ-OCLUSÃO DE CLASSE II COM O APARELHO DE HERBST PÓS-PICO DE CRESCIMENTO UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM ODONTOLOGIA JOSÉ CARLOS DE CASTRO ALVARES EFEITOS DENTOESQUELÉTICOS NO TRATAMENTO DA MÁ-OCLUSÃO DE CLASSE II COM O APARELHO

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III COM EXTRAÇÃO DOS SEGUNDOS MOLARES INFERIORES

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III COM EXTRAÇÃO DOS SEGUNDOS MOLARES INFERIORES INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS JONAS RODRIGUES SILVA TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE III COM EXTRAÇÃO DOS SEGUNDOS MOLARES INFERIORES Barbacena 2013 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

Leia mais

A versatilidade clínica do arco utilidade

A versatilidade clínica do arco utilidade T ÓPICO ESPECIL versatilidade clínica do arco utilidade Márcio ntonio de Figueiredo*, Claudia Tebet Peyres de Figueiredo**, Masato Nobuyasu***, Gervásio Yoshio Gondo****, Danilo Furquim Siqueira***** Resumo

Leia mais

Tratamento Ortodôntico da Classe III: Revisando o Método (ERM e Tração) por meio de um Caso Clínico

Tratamento Ortodôntico da Classe III: Revisando o Método (ERM e Tração) por meio de um Caso Clínico Tópico Especial Tratamento Ortodôntico da Classe III: Revisando o Método (ERM e Tração) por meio de um Caso Clínico A Class III Malocclusion Orthodontic Treatment: Reviewing the ERM and Traction Method

Leia mais

5. MANEJO DOS DIVERSOS ESTÁGIOS DO DESENVOLVIMENTO DA OCLUSÃO

5. MANEJO DOS DIVERSOS ESTÁGIOS DO DESENVOLVIMENTO DA OCLUSÃO 5. MANEJO DOS DIVERSOS ESTÁGIOS DO DESENVOLVIMENTO DA OCLUSÃO Elaborado por: Bernardo Quiroga Souki (coordenador) Maria Celina Siquara da Rocha Ronald de Freitas Paixão Objetivo A Associação Brasileira

Leia mais

FACULDADE FUNORTE MIÉCIO CARVALHO GOMES DE SÁ JUNIOR EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR NA ORTODONTIA

FACULDADE FUNORTE MIÉCIO CARVALHO GOMES DE SÁ JUNIOR EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR NA ORTODONTIA FACULDADE FUNORTE MIÉCIO CARVALHO GOMES DE SÁ JUNIOR EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR NA ORTODONTIA JI-PARANÁ- RO 2013 MIÉCIO CARVALHO GOMES DE SÁ JUNIOR EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR NA ORTODONTIA Trabalho

Leia mais

Tratamento ortodontico em paciente adulto: relato de caso clínico

Tratamento ortodontico em paciente adulto: relato de caso clínico Caso Clínico Tratamento ortodontico em paciente adulto: relato de caso clínico Matheus Melo Pithon*, Luiz Antônio Alves Bernardes** Resumo Com o maior acesso da população aos serviços de saúde bucal houve

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Larissa Carvalho Trojan

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Larissa Carvalho Trojan Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Larissa Carvalho Trojan Tratamento de mordida aberta anterior com auxílio de ancoragem esquelética CURITIBA 2010 1 Larissa Carvalho Trojan Tratamento

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS A MÁSCARA FACIAL NO TRATAMENTODA DEFICIÊNCIA MAXILAR

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS A MÁSCARA FACIAL NO TRATAMENTODA DEFICIÊNCIA MAXILAR INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS A MÁSCARA FACIAL NO TRATAMENTODA DEFICIÊNCIA MAXILAR VALDEMIR MACHADO PEREIRA Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Ortodontia do ICS FUNORTE/SEOBRÁS

Leia mais

A Inter-relação Ortodontia e Prótese: apresentação de um. Caso Clínico. Caso Clínico

A Inter-relação Ortodontia e Prótese: apresentação de um. Caso Clínico. Caso Clínico Caso Clínico Apresentação ilustrada de casos tratados em Ortopedia, Ortodontia e/ou Cirurgia Ortognática A Inter-relação Ortodontia e Prótese: apresentação de um Caso Clínico Os autores apresentam o relato

Leia mais

Extração atípica de incisivos centrais superiores: relato de caso clínico Atypical extraction of maxillary central incisors: case report

Extração atípica de incisivos centrais superiores: relato de caso clínico Atypical extraction of maxillary central incisors: case report RELATO DE CASO Extração atípica de incisivos centrais superiores: relato de caso clínico Atypical extraction of maxillary central incisors: case report MARCOS VALÉRIO FERRARI 1 JOSÉ RICARDO SCANAVINI 2

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS. Incremento do crescimento facial e seus efeitos no tratamento da maloclusão de Classe II divisão 1ª.

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS. Incremento do crescimento facial e seus efeitos no tratamento da maloclusão de Classe II divisão 1ª. INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS Incremento do crescimento facial e seus efeitos no tratamento da maloclusão de Classe II divisão 1ª. RENATO MAROCOLO DE OLIVEIRA BARBOSA Monografia apresentada

Leia mais

Orientação para interessados em tratamento ortodôntico

Orientação para interessados em tratamento ortodôntico 1 Orientação para interessados em tratamento ortodôntico Dras. Rosana Gerab Tramontina e Ana Carolina Muzete de Paula Ortodontia é a ciência que estuda o crescimento e o desenvolvimento da face e das dentições

Leia mais

CURVA DE VELOCIDADE DE CRESCIMENTO E ESTÁGIOS DE OSSIFICAÇÃO

CURVA DE VELOCIDADE DE CRESCIMENTO E ESTÁGIOS DE OSSIFICAÇÃO CURVA DE VELOCIDADE DE CRESCIMENTO E ESTÁGIOS DE OSSIFICAÇÃO Estimativa do crescimento normal A previsão da direção, do período, e da quantidade de crescimento residual na face de uma criança é importante

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

Tratamento Ortodôntico da Má Oclusão de Classe II, Primeira Divisão. SAULO BORDIN MARIA

Tratamento Ortodôntico da Má Oclusão de Classe II, Primeira Divisão. SAULO BORDIN MARIA Tratamento Ortodôntico da Má Oclusão de Classe II, Primeira Divisão. SAULO BORDIN MARIA Londrina 2013 SAULO BORDIN MARIA TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE II, PRIMEIRA DIVISÃO Trabalho de

Leia mais

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso LUNA, Aníbal H. B.; ALVES, Giorvan Ânderson dos Santos; FIGUEIREDO, Ludmila Silva de; PAIVA, Marcos A. Farias; CAVALCANTI, Raquel Lopes; RESUMO Introdução:

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

Áurea Cristina de Oliveira Corrêa

Áurea Cristina de Oliveira Corrêa FUNORTE-FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS NÚCLEO NITERÓI-SMILE ODONTOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA TRATAMENTO MINIMALISTA DAS MÁS OCLUSÕES DO PADRÃO FACE LONGA: RELATO DE CASO Áurea Cristina

Leia mais