PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS"

Transcrição

1 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS Anexo I Especificações técnicas. Anexo II Mapa do município de Contagem. Anexo III Mapa das vias e logradouros públicos do município de Contagem contemplado pela varrição manual e respectivas freqüências. Anexo IV Mapa de localização do Aterro Sanitário e Núcleos de apoio à Coleta Seletiva. Anexo V Distâncias médias das regiões administrativas até a destinação final (Aterro Sanitário). Anexo VI Planilhas de produção mensal estimada Pessoal mínimo necessário para execução dos serviços. Anexo VII Relação dos bairros a serem atendidos. Anexo VIII Relação dos bairros a serem atendidos e freqüência do serviço de Coleta e Transporte de Resíduos Sólidos Domiciliares, Comerciais e Industriais de características domiciliares. Anexo IX Relação das vias e logradouros públicos do Município de Contagem contemplados pela Varrição Mecanizada. Anexo X Relação de Vias a serem atendidas diariamente pelo serviço de Coleta e Transporte de Resíduos Sólidos Domiciliares, Comerciais e Industriais de características domiciliares. Anexo XI Relação dos estabelecimentos a serem atendidos pela Coleta de Resíduos Sólidos dos Serviços de Saúde. Anexo XII Planilha de extensão de vias conforme tipo de pavimentação existente Anexo XIII Relação dos locais de Coleta e Transporte de Resíduos Sólidos domiciliares - Remoção Poliguindaste. Anexo XIV Relação dos locais de Coleta e Transporte de Resíduos Sólidos diversos classificados como entulho - Remoção Poliguindaste. Anexo XV Planilha dos Percursos e da Produção estimada de Resíduos Sólidos Domiciliares, Comerciais e Industriais com características domiciliares. Anexo XVI Relação do quantitativo mínimo de Veículos Automotores e Equipamentos necessários para o início da execução dos serviços. Anexo XVII Relação do quantitativo mínimo de Pessoal necessário para o início da execução dos serviços. Anexo XVIII Relação do Consumo Estimado Equipamentos de Proteção Individual (EPI s). Anexo XIX Relação do Consumo Estimado de Ferramental e Materiais para o período de 12 meses. Anexo XX Relação do quantitativo de serviços a serem realizados. Anexo XXI Planilha de orçamento de referência da - Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. Anexo XXII Modelo de Planilha de Orçamento Proposta. 1

2 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS Anexo I - Especificações Técnicas 1 SERVIÇOS A SEREM REALIZADOS Os serviços a serem realizados deverão ser executados em conformidade com o Plano de Execução dos Serviços da Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana, observando todas as especificações e demais elementos técnicos constantes nos anexos deste edital. A Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana poderá propor a implantação de novas técnicas operacionais, ao longo do contrato, de forma a assegurar a atualização e melhoria da qualidade da prestação dos serviços à população, desde que não haja alteração dos custos. Os serviços serão executados nas áreas, vias e logradouros públicos, constantes no Anexo II - Mapa do Município de Contagem. 1.1 O objeto licitado compreende a execução dos serviços a seguir relacionados: a) Varrição manual de vias e logradouros públicos (km/sarjeta); b) Varrição manual, lavagem e desinfecção de vias pós-feiras livres (m 2 ); c) Varrição mecanizada de vias e logradouros públicos (km/sarjeta); d) Capina manual de vias e logradouros públicos em pavimento asfáltico (km/via); e) Capina manual de vias e logradouros públicos sem pavimento (km/via); f) Pintura de meio-fio de vias e logradouros públicos (km/sarjeta); g) Capina mecanizada de vias e logradouros públicos com pavimentação poliédrico, paralelepípedo e blocos de concreto (km/via). h) Roçada mecanizada com utilização de roçadeira costal (m 2 ); i) Equipe padrão para realização de serviços diversos Tipo I (equipe/dia); 2

3 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS j) Equipe padrão para realização de serviços diversos Tipo II (equipe/dia); k) Execução de serviços emergenciais (homem/hora); l) Coleta e transporte até o destino final de resíduos domiciliares, comerciais e industriais de características domiciliares, com utilização de caminhões coletores compactadores de lixo (tonelada); m) Coleta e transporte até o destino final de resíduos domiciliares, comerciais e industriais de características domiciliares, com utilização de caminhões coletores com caçambas basculantes (tonelada); n) Coleta e transporte até o destino final de resíduos sólidos domiciliares e comerciais, com utilização de caminhões compactadores e caçambas estacionárias (tonelada); o) Coleta seletiva e transporte de materiais potencialmente recicláveis, provenientes dos locais de entrega voluntária (LEV s) e porta a porta, incluso transporte até destino final (equipe/dia); p) Coleta e transporte até o destino final de resíduos sólidos domiciliares, comerciais e industriais de características domiciliares, com utilização de caminhões poliguindastes tipo Brooks e caçambas estacionárias (tonelada); q) Coleta e transporte de resíduos sólidos dos serviços de saúde (RSS), em hospitais, clínicas médicas, odontológicas, veterinárias, pronto-socorros, postos de atendimento médico, laboratórios,drogarias, farmácias e estabelecimentos congêneres (tonelada); r) Coleta e transporte até o destino final de resíduos sólidos diversos, classificados como entulho. Remoção com utilização de caminhões poliguindastes tipo Brooks e caçambas estacionárias (tonelada); s) Coleta de resíduos domiciliares em áreas de difícil acesso, com a utilização de equipamentos/ferramentas especificas (homem/hora); t) Operação, manutenção e monitoramento do Aterro Sanitário Municipal (tonelada); u) Locação de máquinas e equipamentos para carga e transporte de resíduos sólidos, classificados como entulhos e diversificados em diversos logradouros (horas produtivas improdutivas); 3

4 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS v) Locação de equipamentos para a limpeza de fossas em diversos logradouros (horas produtivas improdutivas); w) Locação de equipamentos para a limpeza de bocas de lobo e redes de drenagem pluvial em diversos logradouros (horas produtivas improdutivas). 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS 2.1 Classificação dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) Para fins do presente Edital, os Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) são definidos como o conjunto heterogêneo dos resíduos gerados pelas atividades humanas no espaço urbano e que, segundo a natureza dos serviços de limpeza urbana, são classificados em: Domiciliares; Comerciais; Públicos; Especiais: o Industrial (resultantes das atividades industriais); o Serviços de saúde classificados de acordo com a Resolução CONAMA nº 358/2005 e suas possíveis alterações, e Outros. Consideram-se resíduos sólidos urbanos domiciliares, aqueles derivados da ocupação de imóveis residenciais de quaisquer naturezas como sobras de alimentos, embalagens, papéis, papelões, vidros, trapos, etc., desde que acondicionados nas formas estabelecidas neste Anexo; Consideram-se resíduos sólidos urbanos comerciais, aqueles derivados das atividades inerentes à comercialização de bens e/ou à prestação de serviços, desde que acondicionados nas formas estabelecidas neste Anexo; Consideram-se resíduos sólidos urbanos públicos aqueles produzidos em vias públicas, praças e jardins e os resultantes das atividades de limpeza urbana executadas em quaisquer vias e/ou logradouros públicos; Consideram-se resíduos sólidos urbanos especiais aqueles cuja geração diária, em uma mesma fonte geradora, exceda o volume ou o peso máximo fixado neste Anexo; ou que, por suas características qualitativas ou dimensionais intrínsecas, exijam cuidados especiais, nos seguintes aspectos: acondicionamento, coleta, transporte, tratamento ou 4

5 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS destinação final. 2.2 Classificação dos Resíduos Sólidos Urbanos Especiais Conforme sua natureza e/ou características intrínsecas, os Resíduos Sólidos Urbanos Especiais são classificados em: Resíduos que apresentam risco à saúde pública e ao meio ambiente, devido à presença de agentes biológicos conforme classificação estabelecida na Resolução CONAMA nº 358/2005 e suas possíveis alterações; Resíduos de alimentos sujeitos a rápida deterioração, tais como carnes, vísceras e sebos gerados em matadouros de aves e pequenos animais, açougues, feiras, mercados, supermercados e estabelecimentos congêneres; Alimentos deteriorados ou condenados; Resíduos excepcionalmente volumosos ou de manejo complexo quanto à sua coleta ou destinação final, tais como veículos, carcaças de máquinas e motores e grandes eletrodomésticos, inservíveis ou irrecuperáveis; Produtos da limpeza de terrenos não edificados ou não utilizados; Produtos de poda oriundos de propriedades particulares, cuja quantidade exceda o volume de 100 (cem) litros/dia, ou a massa de 25 (vinte e cinco) quilogramas/dia; Resíduos provenientes de desaterros, obras de terraplenagem em geral, construções, reformas e/ou demolições (entulhos); Resíduos sólidos ou pastosos resultantes de calamidades públicas; Valores, documentos ou materiais gráficos ilegais apreendidos; Resíduos sólidos comerciais, ainda que com características qualitativas idênticas ou similares às dos RSU s domiciliares, cuja quantidade de geração, por fonte geradora, exceda em qualquer dia de coleta o volume de 500 (quinhentos) litros ou a massa de 200 (duzentos) quilogramas; Quaisquer outros resíduos ou materiais que, por suas características qualitativas 5

6 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS ou quantitativas intrínsecas, se enquadrem nesta classificação. 2.3 Acondicionamento e coleta dos Resíduos Sólidos Urbanos Entende-se por acondicionamento o ato de responsabilidade dos munícipes de embalar ou dispor, adequadamente, os resíduos sólidos urbanos para serem recolhidos pelos veículos de coleta. O acondicionamento deve ser efetuado em: Sacos plásticos adequados, com capacidade volumétrica máxima de 100 (cem) litros; Outras embalagens, descartáveis ou não, permitidas pela Legislação Municipal da Prefeitura de Contagem; Coletores ou outros tipos de recipientes padronizados pela Secretaria Municipal de Obras e Serviços Urbanos - SEMOBS. 3 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Para fins da presente licitação, os serviços estão assim, descritos: 3.1 Varrição manual de vias e logradouros públicos (km/sarjeta) Entende-se por varrição de vias e logradouros públicos o conjunto das atividades necessárias para ajuntar, acondicionar e remover manualmente os resíduos sólidos lançados ou acumulados - por causas naturais e/ou pela ação humana em todas as vias pavimentadas e logradouros públicos da zona urbana, abrangendo sarjeta e passeios, canteiros centrais ajardinados ou não, esvaziamento de cestos coletores de resíduos para pequenos volumes e acondicionamento dos resíduos passíveis de serem contidos em sacos plásticos. Essas atividades deverão ser empreendidas com o uso de equipamentos e ferramentas manuais. Qualquer que seja a forma de sua execução, entretanto, deverá abranger a retirada de quaisquer resíduos sólidos soltos, inclusive terra e/ou areia, em pequena quantidade, que se encontrem sobre a largura total dos passeios (calçadas) e, no mínimo, em uma faixa com a largura de 60 cm ao longo das sarjetas das vias e logradouros públicos, largura essa a ser contada a partir da face vertical dos meios-fios ( guias ), quer limitadoras dos referidos passeios, quer de eventuais canteiros centrais de avenidas. A equipe estimada para a execução da varrição manual de 01 (um) itinerário de varrição será de 04 (quatro) agentes de limpeza, sendo 03 varredores e 01 carrinheiro, e 01 (um) encarregado (fiscal de turma) para cada 7 (sete) equipes, em função da extensão a ser 6

7 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS atendida, utilizando-se carrinhos coletores do tipo lutocar, vassouras apropriadas, pás e sacos plásticos, com capacidade de 100 (cem) litros, identificados com o nome da Contratada. As equipes dos serviços de varrição manual deverão apresentar-se ao trabalho, devidamente uniformizadas e munidas de todos os equipamentos necessários, inclusive os equipamentos de proteção individual EPI s. Não poderão ser deslocadas as equipes de varrição para realização de outros serviços, salvo em situações absolutamente indispensáveis, em casos emergenciais, devidamente justificados, sob solicitação da Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. Os serviços serão realizados de segunda a domingo, conforme previsto no Anexo III - Mapa das vias e logradouros públicos do Município de Contagem contemplados pela varrição manual e respectivas freqüências. Nos feriados, a Varrição será realizada somente em algumas avenidas principais das Regiões Eldorado, Sede e Industrial. O turno de varrição manual poderá ser matutino ou vespertino, conforme as necessidades de cada localidade. O início dos serviços deverá se dar nos seguintes horários: matutino - 06 h e 08 h, vespertino - 17 h. A partir do horário de início para cada turno será admitida tolerância máxima de 30 minutos. A Contratada deverá estar apta a atender situações eventuais de trabalho, de acordo com programação prévia a ser fornecida pela Contratante, quando deverá proceder a limpeza das vias e logradouros públicos nos locais de realização de eventos esportivos, culturais e artísticos, antes e logo após o término dos mesmos, de forma a restaurar suas condições de limpeza. O produto dos serviços de varrição manual deverá ser disposto em pontos de concentração nos passeios ou locais apropriados previamente definidos para seu posterior recolhimento e remoção diária pelos veículos coletores específicos. A Contratada deverá incluir esses custos no valor global dos serviços de varrição. Nos casos que a natureza dos resíduos de varrição impeça seu acondicionamento em sacos plásticos, os mesmos deverão ser acumulados in natura nos pontos de concentração referidos, tomando-se então os cuidados necessários e cabíveis para evitar o seu espalhamento pelas intempéries até o momento da remoção. A varrição manual das praças deverá contemplar além da limpeza das áreas pavimentadas, a remoção de folhas caídas, papéis, plásticos e outros resíduos similares 7

8 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS acumulados sobre os gramados e áreas ajardinadas utilizando espetinhos e gadanhos próprios, de modo a evitar danos à vegetação existente. Uma vez removidos, deverão ser acumulados em sacos plásticos padronizados, a serem convenientemente depositados nos pontos de confinamento de resíduos da varrição definidos pela Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana em cada itinerário, para posterior transferência para os veículos coletores. Para tanto, adotar-se-á o critério de conversão de medida de área (m²) para medida linear (km) tomando-se, como base, que cada m² corresponde a 0, km. Poderá a Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana, mediante oportuna e formal comunicação à empreiteira solicitar a execução de serviços de varrição em áreas públicas em que venham ocorrer eventos de natureza coletiva, promovidos ou não pela administração municipal aos domingos ou feriados, ou em horários distintos daqueles regulares. Para tanto, adotar-se-á o critério de conversão de medida de (m²) para medida linear (km) tomando-se, como base, que cada m² corresponde a 0, km. O esvaziamento dos cestos coletores de pequenos resíduos instalados em vias e logradouros públicos deverá ser realizado pelos agentes de limpeza. Também deverão ser removidos resíduos não acondicionados existentes nas lixeiras domiciliares concomitantemente aos trabalhos de varrição nos respectivos roteiros. O produto do esvaziamento deverá ser acondicionado juntamente com o produto da varrição. Estes custos serão considerados no valor global dos serviços de varrição. É importante salientar que, eventualmente, resíduos domésticos, podem ser indevidamente e clandestinamente lançados, acondicionados ou não, nos pontos de confinamento dos resíduos de varrição, devendo nesses casos, quando não possa ser identificado o responsável por essas irregularidades, serem removidos junto com os de varrição. 3.2 Varrição manual, lavagem e desinfecção de vias públicas pós-feiras livres (m 2 ) Define-se como Varrição manual, lavagem e desinfecção de vias pós feiras-livres o conjunto das atividades necessárias para ajuntar, acondicionar e remover manualmente os resíduos sólidos lançados ou acumulados - por causas naturais e/ou pela ação humana em todas as áreas utilizadas para a realização das feiras livres, além do jateamento d água com pressão suficiente para a limpeza de todos os resíduos restantes e impregnados no pavimento, após varrição e coleta. 8

9 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS Deverá ser feita a lavagem nas áreas onde forem comercializados peixes, carnes e alimentação em geral, devendo ser realizada a desinfecção com produtos higienizadores, aplicados manualmente, em quantidades suficientes para garantir a remoção de gordura e odores existentes. Os serviços de lavagem de vias nos locais de realização das feiras livres deverão ser executados após o seu término e a desocupação completa do local por parte dos feirantes, posteriormente a realização da varrição e respectiva coleta dos resíduos resultantes. Caberá à Contratada a provisão do caminhão pipa com água a ser utilizada, quando da execução dos serviços, podendo este ser o mesmo que prestará serviços no aterro sanitário. A equipe estimada para a execução dos serviços de varrição manual, lavagem e desinfecção de vias pós-feiras livres será constituída de 01 (um) encarregado (fiscal de turma), e a quantidade de agentes de limpeza, entre varredores e carrinheiros, conforme Quadro nº 01, integrantes de outras equipes dos serviços de Varrição manual. A equipe dos serviços de varrição manual, lavagem e desinfecção de vias pós-feiras livres deverá apresentar-se ao trabalho devidamente uniformizada e munida de todos os equipamentos necessários, inclusive os equipamentos de proteção individual EPI s. Deverão ser reunidos e coletados todos os resíduos existentes, de forma a não obstruir os elementos do sistema de drenagem. Os resíduos deverão ser varridos acondicionados em sacos plásticos, coletados e transportados ao Aterro Sanitário. Para o acondicionamento dos resíduos gerados pelos expositores e usuários durante o funcionamento das feiras livres a contratada deverá disponibilizar containeres de polietileno com capacidade de 120 litros em locais a serem definidos conforme necessidade, em quantidade especificada no Quadro 01 a seguir. A reposição ou reforma dos containeres deverão ser efetuadas sempre que necessário. A lavagem e higienização dos mesmos deverão ocorrer semanalmente. Após o vencimento do contrato, os contêineres passarão a ser de propriedade da Prefeitura Municipal de Contagem. A Contratada deverá manter ainda um agente de limpeza durante a realização da feira para manutenção das lixeiras promovendo a reposição dos sacos plásticos e coleta dos resíduos. Estes custos deverão ser incluídos no valor global dos serviços de varrição manual, lavagem e desinfecção de vias pós feiras-livres. 9

10 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS Estes serviços serão executados nos dias e horários apresentados a seguir: QUADRO 01 Feira Dias Horários Qtdade de Agentes de Limpeza Início Término Varredeira Carrinheiro Área a Ser Varrida (m²) Área a Ser Lavada (m²) Qtdade de Contêin eres Praça ABC Nova Contagem Toshiba Av. Alvarenga Peixoto Durval de Barros Sáb 14 h 16 h ,00-10 Dom 14 h 16 h ,00 Seg Dom 7h 30min 17 h 12 h , h 30min , ,00 20 Dom 12 h 14 h ,69-10 Eldorado Sáb 15 h 18 h ,14 - Dom 15 h 18 h , ,00 35 Total , , Varrição mecanizada de vias e logradouros públicos (km/sarjeta) O serviço de varrição mecanizada de vias e logradouros públicos compreende a limpeza de vias públicas, incluindo remoção de resíduos das sarjetas e canteiros centrais, utilizando equipamentos de limpeza com sistemas de sucção mecânica e espargimento de água, além de equipe móvel de apoio e ferramentas. Os locais a serem atendidos por esse serviço estão descritos no Anexo IX - Relação das vias e logradouros públicos do Município de Contagem contemplados pela varrição mecanizada. A equipe estimada para a execução de varrição mecanizada de vias e logradouros públicos será constituída de 02 (dois) operadores, 02 (dois) ajudantes e 01 (uma) Varredeira mecânica com aspiração montada sobre chassis dotada de carroceria de 6m³ com basculamento traseiro, sistema de aspersão de água, tanque para armazenamento de água com capacidade mínima de litros, 1 vassoura central de polipropileno e 2 laterais de aço. Sistemas de iluminação e sinalização conforme normas do CONTRAN, bem como por todas as ferramentas auxiliares necessárias ao bom andamento do 10

11 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS trabalho. Os resíduos provenientes dos serviços de varrição mecanizada deverão ser transportados no compartimento de armazenamento e dispostos em caçambas estacionárias para o posterior transporte e destinação final no Aterro Sanitário. Esse serviço será remunerado conforme item Coleta e transporte até o destino final de resíduos sólidos diversos, classificados como entulho, remoção com utilização de caminhões poliguindastes tipo Brooks e caçambas estacionárias. A equipe do serviço de varrição mecanizada deverá apresentar-se ao trabalho devidamente uniformizada e munida de todos os equipamentos necessários, inclusive os equipamentos de proteção individual - EPI s. Os serviços serão executados nos períodos diurno e noturno, iniciando às 6h e 19h respectivamente, admitindo-se tolerância máxima de 30 minutos, de Segunda-feira a Sábado, exceto feriados. 3.4 Capina manual de vias e logradouros públicos em pavimento asfáltico (km/via) Entende-se por capina de vias e logradouros públicos o corte completo rente à superfície do solo, da vegetação invasora existente nos mesmos, seja ela herbácea (gramíneas), arbustiva e/ou leguminosa. O corte deverá ser executado de forma manual. Inclui-se no serviço de capina a completa retirada de tocos, raízes e blocos de raízes remanescentes de roçadas feitas anteriormente nos locais, com o emprego de enxadas, chibancas, picaretas ou ferramentas e instrumentos equivalentes, a raspagem de terra e barro e a varrição dos trechos capinados, inclusive calçadas e sarjetas. Deverá ser contemplada pelos serviços de capina manual e raspagem de terra a largura total das calçadas e sarjetas das vias beneficiadas independente da largura da calçada, visto que a largura média das calçadas no Município de Contagem corresponde aproximadamente 2,00m, e em uma faixa com largura de 60cm ao longo das sarjetas. Onde não for possível a identificação da largura da calçada através de limitadores, tais como muros ou cercas, deverá ser adotada uma largura de 2,00m. Não poderão ser deslocadas as equipes de capina para realização de outros serviços, salvo em situações absolutamente indispensáveis para o atendimento, em casos emergenciais devidamente justificados, sob solicitação da Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana, através da emissão de Ordem de Serviço. 11

12 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS O serviço será executado no período diurno, iniciando às 07 horas, admitindo-se tolerância máxima de 30 minutos, de segunda-feira a sexta-feira, exceto feriados; no sábado deverá ser executado somente o recolhimento dos resíduos provenientes dos serviços de capina e raspagem de terra. O produto resultante dos serviços de capina manual e raspagem de terra deverá ser confinado e removido, no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas após sua realização. A contratada deverá incluir estes custos no valor global dos serviços de capina manual de vias e logradouros públicos. A equipe estimada para a execução destes serviços será constituída por 12 (doze) capineiros e 01 (um) encarregado (fiscal de turma), 01 (um) veiculo coletor, (01) motorista e (02) dois ajudantes do caminhão aberto, bem como por todas as ferramentas e insumos necessários ao bom andamento dos trabalhos, tais como pás, enxadas, vassouras, carrinhos de mão e outros. Condições básicas para a execução dos serviços: A efetiva execução do serviço ficará condicionada às emissões de Ordem de Serviços expedidas diariamente pela Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. Durante a execução dos serviços de capina e raspagem de terra de vias e logradouros públicos, deverá ser preservada a vegetação de interesse ornamental ou paisagístico, plantada nos locais a serem beneficiados, seja ela de qualquer porte e natureza. A Contratada responsabilizar-se-á, integralmente, pelos danos causados àquela vegetação por conta da ação ou omissão de seus funcionários operacionais e/ou encarregados de turma. Os casos em que existam, nas calçadas laterais das vias e logradouros públicos, gramados ou canteiros plantados e mantidos pelos moradores fronteiriços, será de responsabilidade da Contratada a execução da capina em uma faixa com a largura nominal de 10 cm (dez centímetros) ao longo do perímetro externo dos referidos gramados e/ou canteiros. Quando os tipos de resíduos provenientes das atividades de capina e raspagem de terra de vias e logradouros públicos dificultar, por suas características, seu acondicionamento, os resíduos deverão ser acumulados in natura, em locais e em condições tais que não prejudiquem o trânsito de veículos e pessoas, bem como tornem possível seu recolhimento. Nessas circunstâncias, todos os possíveis cuidados necessários e cabíveis deverão ser adotados, de modo a 12

13 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS evitar o espalhamento dos resíduos acumulados e obstrução de estruturas de drenagem pluvial, até o momento de seu recolhimento no prazo de 24 horas. Durante a realização do serviço de capina deverá ser realizada a catação dos resíduos com características domiciliares e comercias, indevidamente lançados nas vias e logradouros públicos, devendo ser acondicionados em sacos plásticos separadamente dos resíduos da capina e destinados ao Aterro Sanitário. A equipe do referido serviço deverá apresentar-se ao trabalho devidamente uniformizada e munida de todos os equipamentos necessários, inclusive os equipamentos de proteção individual EPI s. Durante a execução das atividades inerentes a capina manual de vias e logradouros públicos, todos os cuidados cabíveis deverão ser tomados no sentido de garantir a segurança dos trabalhadores delas incumbidos, inclusive no que diz respeito ao uso obrigatório de uniformes padronizados, Equipamentos de Proteção Individual - EPI s, Equipamentos de Proteção Coletiva - EPC s, e placas de sinalização, conforme modelos aprovados pela Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. Igualmente, deverão ser adotados procedimentos operacionais adequados que minimizem os incômodos causados aos moradores vizinhos e ao trânsito de veículos e de pedestres nas vias beneficiadas com esses serviços. Os serviços de capina e raspagem de terra serão executadas em vias e logradouros públicos com pavimento asfáltico ou sem pavimentação. De acordo com a programação da Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. Os resíduos transportados deverão ser cobertos com lonas em perfeito estado de conservação, devidamente fixadas, cobrindo totalmente a carga transportada para evitar derramamento durante todo o trajeto do veículo até a destinação final. Todos os motoristas deverão portar telefones celulares em perfeito estado de funcionamento durante toda a jornada de trabalho, de forma a sempre possibilitar contatos necessários de maneira rápida e eficiente com a equipe. A lista com os nomes dos motoristas e seus telefones de contato deverá ser disponibilizada à Fiscalização e deverá ser mantida sempre atualizada. Os motoristas deverão ser capacitados para tomar providências necessárias durante eventualidades ocorridas na execução dos serviços. A Contratada deverá apresentar, juntamente com as planilhas de medição mensal dos serviços, as plantas dos locais onde os serviços foram executados no período, com a indicação dos tipos de serviços executados por meio de legendas. As plantas deverão ser 13

14 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS elaboradas em programas de computador específicos e apresentadas de forma impressa, de acordo com modelo aprovado pela Secretaria Adjunta de Limpeza Urbana. 3.5 Capina manual de vias e logradouros públicos sem pavimento (km/via) (Idem item 3.4 Capina manual de vias e logradouros públicos em pavimento asfáltico) 3.6 Pintura de meio-fio de vias e logradouros públicos (km/sarjeta) A pintura do meio-fio tem como objetivo ressaltar a sinalização estratigráfica horizontal, importante elemento para o balizamento do tráfego de veículos. Contribui, ainda, para elevar o padrão estético das vias e logradouros. Esses serviços serão executados de forma contínua nos meios fios e canteiros centrais das vias pavimentadas e logradouros públicos, seguindo uma programação conjunta com os serviços de capina, de roçada e de remoção de terra a ser previamente estabelecida pela Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. O serviço será executado no período diurno, iniciando às 07 horas, admitindo-se tolerância máxima de 30 minutos, de segunda-feira a sexta-feira, exceto feriados. Deve ser utilizada cal hidratada de primeira qualidade, com fixador, com vistas a proporcionar maior durabilidade da pintura aplicada. Os meios-fios, sarjetas e canaletas adjacentes deverão ser limpos e desobstruídos pela própria equipe do serviço de pintura de meio-fio de vias e logradouros públicos antes de serem pintados, sendo esses custos incluídos no preço do serviço. Os locais destinados à preparação da mistura deverão ser protegidos com material impermeável, a fim de evitar o derramamento sobre a superfície pavimentada. A equipe utilizada para a execução desta atividade será a mesma prevista para realização dos serviços de capina manual de vias e logradouros públicos. A equipe do referido serviço deverá apresentar-se ao trabalho devidamente uniformizada e munida de todos os equipamentos e ferramentas necessárias, inclusive os equipamentos de proteção individual - EPI s, e placas de sinalização conforme modelo a ser fornecido pela Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. 14

15 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS 3.7 Capina mecanizada de vias e logradouros públicos com pavimentação poliédrico, paralelepípedo e blocos de concreto (km/via). A capina mecanizada deverá ser executada com a utilização de máquina capinadeira de uso urbano, dotada de escova rotativa com cerdas de aço confeccionadas com cabos metálicos com diâmetro de 1 polegada e carenagem de proteção para absorção de impactos dos resíduos gerados pela ação do processo da capina. Este equipamento deverá ser dotado de reservatório de água, com capacidade mínima de 300 litros, cuja finalidade é aspergir água e umedecer o pavimento a ser mecanicamente capinado por meio de aspersores posicionados à frente das escovas rotativas, evitando excessivo levantamento de material particulado. Logo após a capina mecanizada efetuada pelo equipamento acima descrito, a equipe de capinadores deverá realizar o acabamento manual com enxadas, aparando alguma rebarba não removida pelo equipamento e juntando os resíduos gerados pela capina mecanizada com a retirada total da vegetação existente na via pública. Este serviço deverá contemplar também a capina manual da largura total das calçadas das vias beneficiadas, executando ainda a raspagem de terra e varrição. Onde não for possível a identificação da largura da calçada através de limitadores, tais como muros ou cercas, deverá ser adotada uma largura de 2,00m. Não será permitida a roçada mecanizada com utilização de roçadeiras costais nas áreas de calçadas, mesmo quando situada em vias com baixa densidade populacional. Os custos da realização desses serviços deverão estar incluídos no item da Capina mecanizada de vias e logradouros públicos com pavimentação poliédrico, paralelepípedo e blocos de concreto. A efetiva execução do serviço ficará condicionada às emissões de Ordem de Serviços expedidas diariamente pela Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. Durante a realização do serviço de capina deverá ser realizada a catação dos resíduos com características domiciliares e comercias, indevidamente lançados nas vias e logradouros públicos, devendo ser acondicionados em sacos plásticos separadamente dos resíduos da capina e destinados ao Aterro Sanitário. O abastecimento de combustível para o equipamento será de responsabilidade exclusiva da Contratada. A estocagem desse combustível e o abastecimento dos reservatórios dos equipamentos em campo deverão ser conduzidos com extremo cuidado, devendo ser adotados procedimentos seguros que efetivamente minimizem a possibilidade de ocorrência de acidentes com os operadores ou com terceiros. Durante a execução das atividades inerentes a capina mecanizada de vias e logradouros 15

16 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS públicos, todos os cuidados cabíveis deverão ser tomados no sentido de garantir a segurança dos trabalhadores delas incumbidos, inclusive no que diz respeito ao uso obrigatório de uniformes padronizados, Equipamentos de Proteção Individual - EPI s, Equipamentos de Proteção Coletiva - EPC s, e placas de sinalização, conforme modelos aprovados pela Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. Igualmente, deverão ser adotados procedimentos operacionais adequados que minimizem os incômodos causados aos moradores vizinhos e ao trânsito de veículos e de pedestres nas vias beneficiadas com esses serviços. Uma especial atenção deverá ser prestada no que diz respeito à freqüente possibilidade de lançamento à distância, pelas escovas rotativas da capinadeira, de pequenas pedras e/ou de outros fragmentos sólidos, potencialmente capazes de provocar ferimentos em pessoas e animais e/ou causar danos a bens móveis ou imóveis próximos, tornando-se desta forma obrigatório o uso de protetores de borracha no equipamento. O produto resultante dos serviços de capina mecanizada deverá ser confinado e removido ao prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas após sua realização. Caberá integralmente à Contratada a responsabilidade por quaisquer conseqüências decorrentes do uso inadequado e/ou negligente dos procedimentos de capina mecanizada. A equipe estimada para realização desta atividade será composta de 01 (um) operador e 01 (uma) máquina capinadeira 01 (um) veículo coletor tipo carroceria adaptado com cabina para transporte de pessoal com 02 (dois) ajudantes de caminhão aberto para recolhimento de resíduos, além da equipe de 12 (doze) capineiros e 01 (um) encarregado (fiscal de turma) para a necessária raspagem das vias e capina manual das calçadas e rebarbas deixadas pela capinadeira mecanizada, todos devidamente capacitados para o exercício das atividades. A equipe do referido serviço deverá apresentar-se ao trabalho devidamente uniformizada e munida de todos os equipamentos necessários, inclusive os equipamentos de proteção individual - EPI s; O serviço deverá ser executado no período diurno, iniciando às 07 horas, admitindo-se tolerância máxima de 30 minutos, de segunda-feira a sexta-feira, exceto feriados; no sábado deverá ser realizado somente o recolhimento dos resíduos. Os resíduos transportados deverão ser cobertos com lonas em perfeito estado de conservação, devidamente fixadas, cobrindo totalmente a carga transportada para evitar derramamento durante todo o trajeto do veículo até a destinação final. Todos os motoristas deverão portar telefones celulares em perfeito estado de 16

17 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS funcionamento durante toda a jornada de trabalho, de forma a sempre possibilitar contatos necessários de maneira rápida e eficiente com a equipe. A lista com os nomes dos motoristas e seus telefones de contato deverá ser disponibilizada à Fiscalização e deverá ser mantida sempre atualizada. Os motoristas deverão ser capacitados para tomar providências necessárias durante eventualidades ocorridas na execução dos serviços. A Contratada deverá apresentar, juntamente com as planilhas de medição mensal dos serviços, as plantas dos locais onde os serviços foram executados no período, com a indicação dos tipos de serviços executados por meio de legendas. As plantas deverão ser elaboradas em programas de computador específicos e apresentadas de forma impressa, de acordo com modelo aprovado pela Secretaria Adjunta de Limpeza Urbana. 3.8 Roçada mecanizada com utilização de roçadeira costal (m 2 ) Este serviço deverá ser executado com a utilização de roçadeira costal mecânica em vias, logradouros e áreas e prédios públicos municipais. A efetiva execução do serviço ficará condicionada às emissões de Ordem de Serviços expedidas diariamente pela Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. Quando a roçada mecanizada contemplar gramados como os de canteiros centrais e laterais das vias urbanas, praças, parques e jardins, deverá ser precedida de despraguejamento manual, que é a remoção com enxadas e enxadões de pragas diversas que possam estar contaminando a grama, tais como: vassouras e braquiarias, dentre outras. A poda dos gramados deverá receber acabamento em suas extremidades (muro, passeios, meios fios), denominado perfilamento, que é um corte alinhado, realizado manualmente com enxadas ou com a roçadeira trabalhando inclinada, afastando em 15 cm a grama de seus limites. A roçada manual de vias e logradouros públicos é considerada complementar ao serviço de roçada mecanizada e será executada nos locais cujas características topográficas - declividade elevada, desnível excessivo - não permitam a realização da roçada mecanizada. Estes serviços deverão contemplar também a raspagem de terra e varrição das sarjetas dos locais de execução dos serviços. O abastecimento de combustível para as roçadeiras mecânicas será de responsabilidade exclusiva da Contratada. A estocagem desse combustível e o abastecimento dos reservatórios dos equipamentos em campo deverão ser conduzidos com extremo 17

18 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS cuidado, devendo ser adotados procedimentos seguros que efetivamente minimizem a possibilidade de ocorrência de acidentes com os operadores ou com terceiros. Durante a execução das atividades inerentes a roçada mecanizada de vias e logradouros públicos, todos os cuidados cabíveis deverão ser tomados no sentido de garantir a segurança dos trabalhadores delas incumbidos, inclusive no que diz respeito ao uso obrigatório de uniformes padronizados, Equipamentos de Proteção Individual - EPI s, Equipamentos de Proteção Coletiva - EPC s, e placas de sinalização, conforme modelos aprovados pela Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. Igualmente, deverão ser adotados procedimentos operacionais adequados que minimizem os incômodos causados aos moradores vizinhos e ao trânsito de veículos e de pedestres nas vias beneficiadas com esses serviços. Uma especial atenção deverá ser prestada no que diz respeito à freqüente possibilidade de lançamento à distância, pelas lâminas rotativas das roçadeiras, de pequenas pedras e/ou de outros fragmentos sólidos, potencialmente capazes de provocar ferimentos em pessoas e animais e/ou causar danos a bens móveis ou imóveis próximos, tornando-se desta forma obrigatório o uso de tela de proteção fixada próxima à frente de operação. O produto resultante dos serviços de roçada mecanizada com a utilização de roçadeira costal deverá ser confinado e removido ao prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas após sua realização. Dessa forma, a Contratada deverá se programar para realizar o recolhimento dos resíduos também aos sábados. Caberá integralmente à Contratada a responsabilidade por quaisquer conseqüências decorrentes do uso inadequado e/ou negligente dos procedimentos de roçada mecanizada. A equipe estimada para realização desta atividade será composta de 20 (vinte) agentes de limpeza, sendo 10 (dez) operadores de roçadeira e 10 (dez) rasteladores e 01 (um) encarregado (fiscal de turma), além de 02 (dois) motoristas, 04 (quatro) ajudantes de caminhão aberto para recolhimento dos resíduos todos devidamente capacitados para o exercício das atividades e 02 (dois) veículos coletores tipo carroceria. A equipe do referido serviço deverá apresentar-se ao trabalho devidamente uniformizada e munida de todos os equipamentos necessários, inclusive os equipamentos de proteção individual - EPI s; O serviço deverá ser executado no período diurno, iniciando às 07 horas, admitindo-se tolerância máxima de 30 minutos, de segunda-feira a sexta-feira, exceto feriados; no sábado deverá ser realizado somente o recolhimento dos resíduos. Deverá ser realizada durante a execução do serviço de rastelagem dos resíduos 18

19 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS provenientes da roçada mecanizada a retirada dos resíduos com características domiciliares e comerciais, indevidamente lançado nas vias e logradouros públicos, sendo os mesmos acondicionados em sacos plásticos separadamente dos resíduos da roçada e destinados ao Aterro Sanitário. Os resíduos transportados deverão ser cobertos com lonas em perfeito estado de conservação, devidamente fixadas, cobrindo totalmente a carga transportada para evitar derramamento durante todo o trajeto do veículo até a destinação final. Todos os motoristas deverão portar telefones celulares em perfeito estado de funcionamento durante toda a jornada de trabalho, de forma a sempre possibilitar contatos necessários de maneira rápida e eficiente com a equipe. A lista com os nomes dos motoristas e seus telefones de contato deverá ser disponibilizada à Fiscalização e deverá ser mantida sempre atualizada. Os motoristas deverão ser capacitados para tomar providências necessárias durante eventualidades ocorridas na a execução dos serviços. A Contratada deverá apresentar, juntamente com as planilhas de medição mensal dos serviços, as plantas dos locais onde os serviços foram executados no período, com a indicação dos tipos de serviços executados por meio de legendas. As plantas deverão ser elaboradas em programas de computador específicos e apresentadas de forma impressa, de acordo com modelo aprovado pela Secretaria Adjunta de Limpeza Urbana. 3.9 Equipe padrão para realização de serviços diversos Tipo I (equipe/dia) Compreende a execução dos serviços eventuais tais como, catação de resíduos nas vias públicas e áreas verdes, recolhimento de podas ou quedas de árvores, pequenos volumes de resíduos de construção e demolição de locais onde não se identifica o gerador, móveis velhos e demais bagulhos volumosos descartados em vias e logradouros públicos, e o seu transporte por veículos coletores, manutenção e limpeza do entorno das caçambas estacionárias dispostas nas vias públicas para recolhimento de resíduos domiciliares, além de serviços de capina manual, mediante programação da Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana, em locais diversos onde não seja possível a medição por quilômetro linear. A equipe estimada para a execução destes serviços será constituída de 01 (um) encarregado (fiscal de turma), 01 (um) motorista e 12 (doze) garis, 01 veículo coletor tipo carroceria adaptado com cabine para transporte de pessoal, 02 (dois) ajudantes de caminhão aberto para recolhimento dos resíduos, bem como por todas as ferramentas necessárias ao bom andamento dos trabalhos. 19

20 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS URBANOS Os serviços executados pela equipe padrão deverão ser executados no período diurno, de segunda a sábado, exceto feriados, com início às 07 h. A equipe padrão deverá apresentar-se ao trabalho devidamente uniformizada e munida de todos os equipamentos, inclusive os Equipamentos de Proteção Individual - EPI s, necessários para cada situação de trabalho. A empresa deverá disponibilizar parte da equipe de roçada mecanizada sempre que a equipe padrão necessitar dos serviços para complementação das atividades executadas pela mesma. Nesses casos, a referida roçada será medida como produção (m 2 ). Todos os motoristas deverão portar telefones celulares em perfeito estado de funcionamento durante toda a jornada de trabalho, de forma a sempre possibilitar contatos necessários de maneira rápida e eficiente com a equipe. A lista com os nomes dos motoristas e seus telefones de contato deverá ser disponibilizada à Fiscalização e deverá ser mantida sempre atualizada. Os motoristas deverão ser capacitados para tomar providências necessárias durante eventualidades ocorridas na execução dos serviços Equipe padrão para realização de serviços diversos Tipo II (equipe/dia) Compreende a execução dos serviços de limpeza de córregos que serão executados de acordo com a programação prévia emitida pela Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana. Os serviços serão executados no período diurno, iniciando às 07 horas, de segunda-feira a sábado, e conforme programação da Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana nos feriados e dias santos. A equipe estimada para a execução do serviço será composta de 12 (doze) garis, observado o pagamento de insalubridade, 01 (um) encarregado (fiscal de turma), (01) caminhão tipo carroceria, 01 (um) motorista e 02 (dois) ajudantes para o caminhão aberto, além de ferramentas necessárias ao bom andamento dos trabalhos, tais como pás, vassouras sacos plásticos e outras necessárias para execução dos serviços. A equipe do referido serviço deverá apresentar-se ao trabalho devidamente uniformizada e munida de todos os equipamentos necessários, inclusive os equipamentos de proteção individual EPI s, e placas de sinalização conforme modelo a ser fornecido pela Secretaria Municipal Adjunta de Limpeza Urbana, para os serviços de Limpeza de 20

Art. 2º - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Gabinete do Prefeito, em 15 de dezembro de 2014

Art. 2º - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Gabinete do Prefeito, em 15 de dezembro de 2014 LEI Nº 320/2014 EMENTA: Aprova o Plano Municipal de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Município de Santa Filomena e das outras providências O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SANTA FILOMENA, ESTADO DE PERNAMBUCO,

Leia mais

ANEXO 1 Diagnóstico Técnico Operacional de Limpeza Urbana Levantamento de Informações

ANEXO 1 Diagnóstico Técnico Operacional de Limpeza Urbana Levantamento de Informações ANEXO 1 Diagnóstico Técnico Operacional de Limpeza Urbana Levantamento de Informações Projeto: Responsável (is) pelo levantamento: 1. Informações Gerais 1.1 Município: Data: / / População total: População

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS E RECICLAGEM

RESÍDUOS SÓLIDOS E RECICLAGEM RESÍDUOS SÓLIDOS E RECICLAGEM MAIO / 2011 SMH / IAB ANGELA FONTI Diretora Presidente da Comlurb 1. Serviços de Limpeza (varrição, capina, roçada, limpeza de valas e encostas) 2. Coleta Domiciliar 3. Remoção

Leia mais

ANEXO XI - RELAÇÃO EQUIPES ESTIMADAS E QUADRO RESUMO. 1.1. Lavagem Especial de Equipamentos Públicos (incluindo túnel, escadarias e passarelas)

ANEXO XI - RELAÇÃO EQUIPES ESTIMADAS E QUADRO RESUMO. 1.1. Lavagem Especial de Equipamentos Públicos (incluindo túnel, escadarias e passarelas) ANEXO XI - RELAÇÃO EQUIPES ESTIMADAS E QUADRO RESUMO A relação das equipes estimadas servem única e exclusivamente para composição de preços pela Licitante, exceto nos serviços contidos nos subitens 1.4.1.,

Leia mais

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 CAPÍTULO 15 Lixo O efeito do lixo nas encostas 15. 1 Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 259 15. 1 O efeito do lixo nas encostas LIXO na ENCOSTA DESLIZAMENTO CAUSADO por LIXO na ENCOSTA Adaptado

Leia mais

ANEXO II PROJETO BÁSICO TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO II PROJETO BÁSICO TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO II PROJETO BÁSICO TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. SERVIÇOS A SEREM REALIZADOS. 1.1. O objeto da presente licitação é a contratação, na modalidade de concessão administrativa, dos serviços

Leia mais

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo:

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: COLETA de LIXO Conceituação: Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: 1. A uma estação de transbordo ou 2. À usina de triagem ou 3. Sítio de destinação final. 1 Coleta Deve ser efetuada em cada

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde. Fls.: 1 de 11 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011 VERSÃO: 01/2011 APROVAÇÃO EM: 20 de julho de 2011 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto nº 20/2011 UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de

Leia mais

Município de Além Paraíba. 1. Aspectos Gerais

Município de Além Paraíba. 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Além Paraíba 1. Aspectos Gerais Além da sede, o município de Além Paraíba possui um único distrito e quatro

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

ANEXO III PROJETO BÁSICO

ANEXO III PROJETO BÁSICO ANEXO III 1. INTRODUÇÃO PROJETO BÁSICO O art. 7º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, dispõe que a elaboração do projeto básico é etapa essencial e precede, sempre, a realização de licitações de obras

Leia mais

Como embalar o lixo. Apresentação

Como embalar o lixo. Apresentação Apresentação Como embalar o lixo Uberaba agora tem uma nova lei que regulamenta o sistema de limpeza urbana. Essa lei abrange desde a contratação da empresa responsável pela coleta do lixo até a maneira

Leia mais

Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem ---

Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem --- Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem --- espaço. Pág. 9, Art. 2º, XV b) resíduos sólidos recicláveis: os originários de atividades domésticas em imóveis,

Leia mais

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil do Município de Porto Alegre, estabelece as diretrizes, os critérios e os procedimentos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: pavimentação asfáltica. Município: QUINZE DE NOVEMBRO

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: pavimentação asfáltica. Município: QUINZE DE NOVEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO Obra: pavimentação asfáltica Município: QUINZE DE NOVEMBRO 1 - INTRODUÇÃO Tem este por finalidade orientar e especificar a execução dos serviços e empregos dos materiais que farão parte

Leia mais

DECRETO Nº 173. O DOUTOR JOAQUIM DUVAL, Prefeito de pelotas, usando das atribuições que lhe confere a Lei Orgânica do Município.

DECRETO Nº 173. O DOUTOR JOAQUIM DUVAL, Prefeito de pelotas, usando das atribuições que lhe confere a Lei Orgânica do Município. DECRETO Nº 173 Aprova o Regulamento dos Serviços da Limpeza Pública O DOUTOR JOAQUIM DUVAL, Prefeito de pelotas, usando das atribuições que lhe confere a Lei Orgânica do Município. DECRETA: Art. 1º - É

Leia mais

ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO

ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO MÓDULO SERVIÇOS CONTRATANTE I II III PLANILHA RESUMO DE INVESTIMENTOS ANUAIS Sistema de Coleta e Transporte de Resíduos Sólidos Urbanos Sistema de Serviços Complementares de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo Ariovaldo Caodaglio Município de São Paulo DADOS DEMOGRÁFICOS População (2010) 11.253.503 Densidade demográfica (hab./km²) 7.387,69 Território (Km²) 1.521,101

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santo Ângelo Departamento Municipal de Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO

Prefeitura Municipal de Santo Ângelo Departamento Municipal de Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO Prefeitura Municipal de Santo Ângelo Departamento Municipal de Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Recolhimento dos resíduos domiciliares e comerciais, resíduos da saúde, pilhas, baterias, lâmpadas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

4. Coleta e transporte de lixo urbano

4. Coleta e transporte de lixo urbano 4. Coleta e transporte de lixo urbano O principal objetivo da remoção regular do lixo gerado pela comunidade é evitar a proliferação de vetores causadores de doenças. Ratos, baratas, moscas encontram nos

Leia mais

III-187 - CARACTERIZAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE VARRIÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GOIANÉSIA (GO)

III-187 - CARACTERIZAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE VARRIÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GOIANÉSIA (GO) III-187 - CARACTERIZAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE VARRIÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GOIANÉSIA (GO) Simone Costa Pfeiffer (1) Engenheira Geóloga. Doutora em Engenharia Civil na Área de Hidráulica e Saneamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

PREÇO PÚBLICO PELA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA E REMOÇÃO DE LIXO EM IMÓVEIS NÃO RESIDENCIAIS COLETA E TRANSPORTE DE RESÍDUOS SÓLIDOS 120,00 160,00

PREÇO PÚBLICO PELA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA E REMOÇÃO DE LIXO EM IMÓVEIS NÃO RESIDENCIAIS COLETA E TRANSPORTE DE RESÍDUOS SÓLIDOS 120,00 160,00 DOM DE 29/12/2009 TABELA C do Dec. 20.505/09 PREÇO PÚBLICO PELA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA E REMOÇÃO DE LIXO EM IMÓVEIS NÃO RESIDENCIAIS ÍTEM DESCRIÇÃO UNIDADE VALOR UNITÁRIO (R$) 1 COLETA E TRANSPORTE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA NO MUNICÍPIO DE GOIATUBA - GOIÁS

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA NO MUNICÍPIO DE GOIATUBA - GOIÁS TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA NO MUNICÍPIO DE GOIATUBA - GOIÁS 1. OBJETO Este Termo de Referência tem como objetivo estabelecer os critérios a serem observados

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 (Publicação DOM 08/10/2012: 03) INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal aprovou e

Leia mais

CIRCULAR 019/2008 AUTORIZAÇÃO ESPECIAL CADASTRAMENTO DOS VEÍCULOS EXCEPCIONALIZADOS PARA TRANSITAR NOS HORÁRIOS E FORMAS ESPECIFICADAS

CIRCULAR 019/2008 AUTORIZAÇÃO ESPECIAL CADASTRAMENTO DOS VEÍCULOS EXCEPCIONALIZADOS PARA TRANSITAR NOS HORÁRIOS E FORMAS ESPECIFICADAS São Paulo, 04 de Julho de 2.008. CIRCULAR 019/2008 AUTORIZAÇÃO ESPECIAL CADASTRAMENTO DOS VEÍCULOS EXCEPCIONALIZADOS PARA TRANSITAR NOS HORÁRIOS E FORMAS ESPECIFICADAS Portaria/SMT/GAB nºs 104 e 105 de

Leia mais

PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000

PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000 PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000 Aprova Norma Técnica que fixa a padronização de contenedor para o acondicionamento e procedimentos para o armazenamento de resíduo sólido de serviço de

Leia mais

ANEXO II PROJETO BÁSICO

ANEXO II PROJETO BÁSICO ANEXO II PROJETO BÁSICO O objetivo do presente documento é detalhar as obrigações e condições técnicas que a SPE deverá cumprir durante a execução do objeto do CONTRATO. Os serviços públicos de limpeza

Leia mais

ALEXANDRE DE MORAES, SECRETÁRIO MUNICIPAL DE TRANSPORTES, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

ALEXANDRE DE MORAES, SECRETÁRIO MUNICIPAL DE TRANSPORTES, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, PORTARIA 104/08 - SMT ALEXANDRE DE MORAES, SECRETÁRIO MUNICIPAL DE TRANSPORTES, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, CONSIDERANDO a regulamentação estabelecida para o trânsito de caminhões

Leia mais

LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008

LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008 LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008 (Projeto de Lei nº 136/08, do Vereador Chico Macena - PT) Dispõe sobre o Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos e seus

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS PI

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS PI CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS PI SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 14/2009 RELATOR: VEREADOR ESPEDITO MARTINS EXPOSIÇÃO E VOTO Propõe-se a aprovação do Projeto de Lei 14/2009 na forma do substitutivo em anexo,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006.

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. Autoria: Prefeito Municipal. INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS E DÁ PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. O Prefeito do Município

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA www.apucarana.pr.leg.br - Centro Cívico José de Oliveira Rosa, ~5A - 86800-235 - Fone (43) 3420-7000 ESTADO DO PARANA SÚMULA - Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS Cristiana Arruda Corsini & Dorival Zanóbia Eng a. Agrônoma, Agrimensor, Verbo Conservação de Áreas Verdes - Araras SP. verbo@laser.com.br

Leia mais

ANEXO VIII REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 039/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ANEXO VIII REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 039/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO VIII REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 039/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO Página 1 de 13 I. INTRODUÇÃO A DME Distribuição S.A. DMED vem através desta licitação contratar EMPRESA ESPECIALIZADA PARA

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA SERVIÇO FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS TIPO CAMINHÃO PIPA COM CAPACIDADE DE TRANSPORTE DE 9.000 A

Leia mais

Prefeitura Municipal de Tramandaí / RS MEMORIAL DESCRITIVO. MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR

Prefeitura Municipal de Tramandaí / RS MEMORIAL DESCRITIVO. MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR MEMORIAL DESCRITIVO MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR Local: Diversas Ruas Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade expor de maneira detalhada

Leia mais

MEMÓRIA DE CALCULO E ESP.TECNICAS

MEMÓRIA DE CALCULO E ESP.TECNICAS MEMÓRIA DE CALCULO E ESP.TECNICAS 1 - INTRODUÇÃO Tem este por finalidade orientar e especificar a execução dos serviços e empregos dos materiais que farão parte das obras de Pavimentação Asfáltica de 3.511,00m

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração LEI Nº. 5.126 De 04 de janeiro de 2007. Dispõe sobre a colocação e a permanência de caçambas para a coleta de resíduos inorgânicos nas vias e logradouros públicos do município de Ourinhos. A Câmara Municipal

Leia mais

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70%

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% USO DE ENERGIA EMISSÕES DE CO2 USO DE ÁGUA RESÍDUOS SÓLIDOS 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% Certificado Prata Ouro Platina Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção: Escolha do terreno Densidade

Leia mais

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1/11 LEI Nº 3645, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012. (Regulamentada pelo Decreto nº 6101/2015) ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

Município de Carangola. 1. Aspectos Gerais

Município de Carangola. 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Carangola 1. Aspectos Gerais Além da sede, o município de Carangola possui 4 distritos. A população total

Leia mais

ABES-SP 05 de maio de 2014. Eng. Luiz Roberto Barretti ABES - Vale do Paraíba

ABES-SP 05 de maio de 2014. Eng. Luiz Roberto Barretti ABES - Vale do Paraíba ABES-SP 05 de maio de 2014 Eng. Luiz Roberto Barretti ABES - Vale do Paraíba Área total : 1.099,6 km² Área urbana : 353,9 km² Área rural : 745,7 km² Área de expansão urbana (São Francisco Xavier) : 3,26

Leia mais

5. Limpeza de logradouros

5. Limpeza de logradouros 5. Limpeza de logradouros O serviço de limpeza de logradouros públicos tem por objetivo evitar: - problemas sanitários para a comunidade; - interferências perigosas no trânsito de veículos; - riscos de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santo Ângelo Departamento Municipal de Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO

Prefeitura Municipal de Santo Ângelo Departamento Municipal de Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO Prefeitura Municipal de Santo Ângelo Departamento Municipal de Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Transbordo, transporte e destinação final de resíduos domiciliares e comerciais no perímetro urbano

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

ANEXO I PROJETO BÁSICO

ANEXO I PROJETO BÁSICO ANEXO I PROJETO BÁSICO O presente Projeto Básico tem por objetivo relatar e descrever as atividades levadas a termo, bem como, as ações a serem executadas pela empresa contratada para a realização dos

Leia mais

MODELO DE REQUERIMENTO PARA CREDENCIAMENTO

MODELO DE REQUERIMENTO PARA CREDENCIAMENTO ANEXO 1 MODELO DE REQUERIMENTO PARA CREDENCIAMENTO À COMLURB Gerência de Fiscalização e Controle - PGF Rua Major Ávila, 358 - Tijuca Rio de Janeiro - RJ Rio de Janeiro, Dia, mês e ano Prezados Senhores

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANO NO BAIRRO DA VILA PEDROSO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO.

PLANO DE GERENCIAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANO NO BAIRRO DA VILA PEDROSO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO. PLANO DE GERENCIAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANO NO BAIRRO DA VILA PEDROSO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO. Márcia Nayane Rocha Santana (1) Graduada em Gestão Ambiental pela PUC-GO ( Pontifícia

Leia mais

1. Sugestões e Questionamentos apresentados; 2. Administração Indireta; 3. Administração Direta; 4. Composição de custos - Serviços; 5.

1. Sugestões e Questionamentos apresentados; 2. Administração Indireta; 3. Administração Direta; 4. Composição de custos - Serviços; 5. 1. Sugestões e Questionamentos apresentados; 2. Administração Indireta; 3. Administração Direta; 4. Composição de custos - Serviços; 5. Respostas e modificações de projeto. 1.0 QUANTIDADE INSUFICIENTE

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 61/2011 Dispõe sobre a obrigatoriedade de implantação de Sistemas de Monitoramento e Gestão nos veículos utilizados nos serviços de zeladoria urbana e dá outras providências. A Câmara

Leia mais

PORTARIA 84/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 003/2000

PORTARIA 84/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 003/2000 PORTARIA 84/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 003/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece condições para o licenciamento de veículos de carga e procedimentos para coleta e o transporte de resíduos sólidos

Leia mais

SECRETARIA DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA

SECRETARIA DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNI- CAS REFERENTE AO SERVIÇO DE LIMPEZA DO LEITO MARINHO NA FAIXA DE ACOSTAGEM DO BERÇO DOS ARMAZÉNS 01 E 02 DO CAIS COMERCIAL DO PORTO ORGANIZADO DE SALVADOR -

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Dispõe sobre a regulamentação de posicionamento de caçambas usadas na remoção de entulhos,

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica PREFEITURA MUNICIPAL DE GALVÃO ESTADO DE SANTA CATARINA MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica Rua Manoel Lustosa Martins Julho 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Execução de pavimentação asfáltica sobre

Leia mais

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos Este sistema garante tratamento e destino adequado aos resíduos gerados na cidade, de modo que eles não

Leia mais

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO Programa Calçada Segura Manual de Execução GUIA PRÁTICO Editorial Manual de Execução de Calçadas O Programa Calçada Segura interessa diretamente a todos. A Assessoria de Políticas para as Pessoas com

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja entre os melhores Municípios do Rio Grande do Sul,

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 004/2013 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 Serviços de Terraplanagem na Subestação de Interligação à Rede Básica Construção de novo Bay de Saída

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Carlos Cirilo Marcelino ( FEAMIG ) carlosmarcelino1976@yahoo.com.br

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015 Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 6 Armazenamento e Coleta Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março

Leia mais

TERRAPLENAGEM KOHLER LTDA. Plano de Gestão do Canteiro de Obras do Novo Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na cidade de Joinville

TERRAPLENAGEM KOHLER LTDA. Plano de Gestão do Canteiro de Obras do Novo Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na cidade de Joinville Plano de Gestão do Canteiro de Obras do Novo Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na cidade de Joinville Guabiruba/SC, Junho de 2010 Índice Índice página 02 Layout do canteiro página

Leia mais

O que são resíduos? Por que coletar resíduos? Psicologia do lixo Produção de resíduos Projeto de limpeza urbana Orçamentação

O que são resíduos? Por que coletar resíduos? Psicologia do lixo Produção de resíduos Projeto de limpeza urbana Orçamentação O que são resíduos? Por que coletar resíduos? Psicologia do lixo Produção de resíduos Projeto de limpeza urbana Orçamentação Definição informal: 1. É o que não me serve; 2. Qualquer coisa que possa me

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de:

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de: ES MA 04 CANTEIROS DE OBRAS, INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS E EQUIPAMENTOS EM GERAL 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos a serem observados na instalação e na operação dos canteiros

Leia mais

ESTADO DA ARTE DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICIPIO DE MANAUS

ESTADO DA ARTE DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICIPIO DE MANAUS semulsp@pmm.am.gov.br ESTADO DA ARTE DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICIPIO DE MANAUS ADMINISTRAÇÃO ARTHUR NETO SUMÁRIO LEGISLAÇÃO ATRIBUIÇÕES DA SEMULSP ESTRUTURA PESSOAL SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA OUTROS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O N. 10.944, de 13 de agosto de 2014 EMENTA: Regulamenta dispositivos da Lei Municipal n 1.198, de 14 de setembro de 1979 Código de Obras do Município de Itabuna na parte que indica e, dá outras

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: Pavimentação Asfáltica Tipo CBUQ, sobre Pavimentação de Pedra Irregular na Rua 1 - INTRODUÇÃO Tem este por finalidade orientar e especificar a execução

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

ESTABELECE NORMAS PARA A LIMPEZA URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS E DE OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ESTABELECE NORMAS PARA A LIMPEZA URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS E DE OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 7058 DE 08 DE JULHO DE 1992 ESTABELECE NORMAS PARA A LIMPEZA URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS E DE OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono

Leia mais

Página 1 de 18 Endereço desta legislação http://leismunicipa.is/trmac O texto abaixo é a versão original desta Lei Ordinária, ou seja, não contém alterações posteriores, caso tenha ocorrido. LEI Nº 1585,

Leia mais