Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América Edição Portuguesa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa"

Transcrição

1 Mais de 100 filiais e 800 profissioais a Europa e América Catálogo de Servicios Cosultoría Edição Portuguesa Catálogo de Serviços Área de Cosultoria Edição Portuguesa

2

3 Catálogo de Cosultoria Quem Somos 4-8 Área da Qualidade 9-19 Área do Ambiete Área da Seguraça Alimetar Outros Serviços Outras Áreas de Actividade ISO 9001 ISO/TS ISO/IEC Gestão da Iovação: I+D+I Acreditação Outras Normas da Série EFQM Qualidade Turística Certificação da Qualidade de Produtos e Serviços. ISO Regulameto EMAS Cadeia de Resposabilidade Certificação Florestal EcoDesig Diagósticos Ambietais Eco Auditorias Rótulo Ecológico Preveção e Cotrolo Itegrado da Poluição IPPC Sistemas de Auto-cotrolo; Plaos de Pré-requisitos e HACCP Serviço de Cotiuidade Rastreabilidade ISO BRC IFS Global Gap Sistemas de Gestão de Seguraça e Saúde o Trabalho. OHSAS 18001:2007 Marcação CE LOPD ISO Software de Gestão: ISO EVOLUTION Resposabilidade Social Corporativa Acessibilidade Global Operador Ecoómico Autorizado Cetro de Formação

4 Quem somos 4 A SN é o maior grupo empresarial da peísula ibérica especializado a Cosultoria Empresarial e Formação em áreas como a Qualidade, Ambiete, Seguraça Alimetar e Seguraça e Higiee o Trabalho. Missão A SN assume, através dos seus produtos e serviços, a missão de cotribuir para a melhoria da Qualidade, respeito pelo Ambiete e dos íveis de Seguraça, Higiee e Saúde das orgaizações com que trabalha. Pretedemos deste modo melhorar, ão só a competitividade e eficácia das etidades que os procuram, como também mater elevados os ídices de satisfação e realização pessoal e profissioal dos ossos colaboradores. A SN represeta um projecto empresarial de origem espahola, formado actualmete por mais de 800 profissioais, com represetação em diversos potos da Europa e América do Sul. Desde a ossa formação, em 1996, temos colaborado com milhares de empresas e orgaizações acioais e iteracioais, procurado permaetemete a Melhoria Competitiva e a Excelêcia Empresarial, como as melhores ferrametas para o beefício das próprias orgaizações e da sociedade em geral. Visão A SN foi costituída desde logo, com um ideal de lideraça e crescimeto. Assumimos hoje uma posição privilegiada o sector da Cosultoria Empresarial, que se traduz ão só uma ampla distribuição geográfica mas também, a participação activa os pricipais Orgaismos e Istituições Iteracioais, que promovem e regulam a ossa actividade. Colaboramos assiduamete os mais diversos fórus, estudos, semiários, etc., o que faz com que os ossos profissioais sejam recohecidos e prestigiados o sector. Pretedemos cosolidar e assumir, cada vez mais, a posição de maior Orgaização Iteracioal, especializada em cosultoria empresarial.

5 Área de Cosultoria Quem somos Qualidade do Serviço A SN oferece aos seus clietes uma ampla gama de serviços altamete especializados. Oferecemos o melhor serviço itegral dispoível, um serviço que além de cumprir os requisitos legais, cria uma filosofia de trabalho que aumeta a retabilidade. 5 Flexibilidade A SN adapta-se às ecessidades específicas dos seus clietes através de recursos técicos e humaos especializados, oferecedo um serviço persoalizado em fução das ecessidades específicas de cada um. Valores Na SN fazemos da Qualidade do Serviço, Ateção ao Cliete, Iovação e Melhoria Cotíua, a ossa badeira. Numa orgaização como a ossa, ode o pricipal activo são as pessoas que a formam, os Valores Corporativos, assim a sua compreesão e respeito, são fudametais para trasmitir aos ossos Clietes e à Sociedade em geral, a verdadeira essêcia do Grupo SN. Assumimos o osso compromisso e a ossa resposabilidade, covertedo palavras em actos e comportametos reais, de forma a, o dia-a-dia, trasmitir iterior e exteriormete, os valores da ossa orgaização. I N O V A Ç Ã O RESPONSABILIDADE TRABALHO EM EQUIPA COLABORAÇÃO COM O CLIENTE

6 Metodologia de Trabalho e Colaboração Experiêcia e Garatia 6 Os ossos projectos e sistemas são recohecidos e permaetemete auditados e aprovados pelas mais prestigiadas Etidades de Certificação a ível acioal e iteracioal. Matemos, com estas etidades, uma colaboração saudável e activa, que se traduz em actuações e projectos comus. Colaboramos de forma directa as mais variadas associações e orgaismos sectoriais, o que os permite oferecer aos ossos clietes uma visão objectiva, iovadora e competitiva do mudo da Qualidade, Ambiete, Seguraça Alimetar e Seguraça e Higiee o Trabalho. As mais de empresas clietes são o maior testemuho das ossas capacidades e prova dos íveis de excelêcia dos serviços que prestamos. A maior garatia que podemos oferecer aos ossos Clietes, é o compromisso de toda uma Orgaização, líder o sector, capaz de orietar as suas iquestioáveis capacidades e recursos, para alcaçar os objectivos de todos os projectos em que os evolvemos. Preseça e Dimesão Os ossos recursos técicos têm como suporte uma equipa de 800 profissioais altamete qualificados e aptos para dar resposta a qualquer tipo de solicitação, distribuídos por mais de 100 localizações, em Espaha, Portugal e América do Sul. Partilhamos Objectivos.

7 Área de Cosultoria Trabalho persoalizado e à medida Orietamos toda a ossa actividade para a satisfação das ecessidades específicas de cada cliete, porque cada Cliete é uma etidade especial e úica, com recursos, dispoibilidade e características distitas. O que os distigue COMPROMISSO E RESPONSABILIDADE 7 A ossa Equipa Técica iveste parte do seu tempo a compreesão das características e ecessidades dos Nossos Clietes, com a fialidade de oferecer soluções específicas e à medida de cada um. Compromisso Fruto da ossa filosofia, orietada para a optimização dos resultados e do estudo e cohecimeto das ecessidades dos ossos clietes, cocebemos soluções apropriadas para a obteção de resultados exceletes que dêem resposta aos seus objectivos. O osso objectivo é o resultado dos ossos clietes e o osso sucesso é o sucesso do trabalho que desevolvemos com eles. SOLUÇÕES À MEDIDA ORIENTAÇÃO PARA OS RESULTADOS

8 Cohecimeto e Profissioalismo 8 A SN é formada por exceletes profissioais procedetes das mais diversas áreas académicas, que costituem uma equipa altamete qualificada e multidiscipliar, apta para efretar os desafios propostos pelos ossos clietes. A cofidecialidade, a experiêcia e a resposabilidade são os pilares do profissioalismo dos ossos recursos humaos. O elo comum que ue estas pessoas é a sua capacidade técica e humaa, ecessárias para proporcioar um excelete serviço aos ossos clietes, dado particular importâcia ao plao humao das relações profissioais, e à resposta ágil, eficaz e adequada às suas ecessidades. Proximidade o cotacto, a distâcia, o tempo. Apoio Itegral A SN oferece aos seus clietes uma ampla gama de serviços altamete especializados. Oferecemos o melhor serviço itegral dispoível, um serviço que além de cumprir os requisitos legais, cria uma filosofia de trabalho que aumeta a retabilidade.

9 Área da Qualidade Qualidade Qualidade Num mercado tão competitivo como aquele que a sociedade efreta actualmete, a Qualidade é uma ecessidade fudametal. A orgaização deve procurar costatemete o aumeto da qualidade dos produtos e/ou serviços visado acetuar a satisfação dos seus clietes. A Qualidade assume uma vatagem estratégica o desevolvimeto das orgaizações pois cotribui para o aumeto da eficácia e da eficiêcia dos processos desevolvidos pela orgaização. A Qualidade caracteriza o sucesso de qualquer orgaização e o seu recohecimeto permite o acesso a mercados mais exigetes. Assim, a implemetação de um Sistema de Gestão da Qualidade passa por uma decisão estratégica e volutária da orgaização que deve dispor dos meios e recursos ecessários ao seu desevolvimeto. Actualmete, a oferta em matéria de Qualidade abrage modelos cohecidos como a ISO 9001 e modelos mais específicos como por exemplo, para o sector automóvel ou para o sector fuerário. Com vista à promoção da melhoria cotíua existem diversas ferrametas da Qualidade dispoíveis às orgaizações tais como, Bechmarkig, Cotrolo Estatístico do Processo, Custos da Qualidade e da Não Qualidade, etre outras. Estas ferrametas permitem uma evolução da orgaização e uma aposta persoalizada a Qualidade.

10 ISO Actualmete estamos coscietes de que efretamos um mercado muito competitivo e selectivo, ode todas as orgaizações fazem por alcaçar ou mater uma situação de privilégio. Um mercado cada vez mais exigete e que admite, cada vez meos, a ão qualidade. A orma ISO 9001 é um modelo de Gestão da Qualidade que reúe uma série de requisitos estruturados para gerir a qualidade dos produtos e serviços. É aplicável a qualquer orgaização, idepedetemete da sua dimesão ou actividade. O esquema mostra claramete como a iiciativa e impulso dos líderes permite dotar a orgaização de todos os recursos ecessários (Técicos e Humaos) para levar a cabo a produção de produtos ou a prestação dos serviços solicitados pelos clietes. Da produção (ou prestação de serviço) obtêm-se, como cosequêcia de actividades de moitorização e medição, dados que permitem decidir estratégias de melhoria. A QUALIDADE é hoje em dia um pilar idispesável para a procura da melhoria cotiua. Em que cosiste? A Norma ISO 9001 baseia-se em oito pricípios de gestão da qualidade: Lideraça Evolvimeto dos colaboradores Abordagem por processos Abordagem da gestão como um sistema Melhoria cotiua Tomada de decisão baseada em factos Relações de beefício mútuo com forecedores Requisitos CLIENTES RECURSOS ENTRADAS LIDERANÇA PRODUTO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIAS SAÍDAS Satisfação CLIENTES

11 Área da Qualidade ISO A Norma ISO 9001 adapta-se a qualquer orgaização, permitido o ajuste dos requisitos que estabelece, à realidade da orgaização. Os Sistemas de Gestão da Qualidade são aplicáveis a todo o tipo de sectores, públicos ou privados e para todas as dimesões. Um Sistema de Gestão da Qualidade segudo a Norma ISO 9001 deve ser ecarado como uma mais valia por toda a orgaização, trazedo beefícios ao ível da melhoria da relação com os clietes, a dimiuição do produto ão coforme, o aumeto da motivação dos colaboradores, a melhoria da imagem da orgaização, etre outros. Vatages Comerciais, de imagem e cofiaça para o cliete. Técicas, sistematizado a execução de tarefas. Humaas, implicado as pessoas da orgaização Ecoómicas, reduzido custos e elimiado o desperdício. Melhora a orgaização e a gestão itera. Promove a dimiuição do úmero de erros e cosecutivas reclamações Icremeto da relação com os forecedores.

12 ISO/TS A idústria automóvel é recohecida pela exigêcia e competitividade, exigido que os seus forecedores implemetem sistemas de Gestão da Qualidade orietados para a melhoria cotíua, optimização de recursos, redução de desperdícios e efoque a preveção de defeitos. A Certificação de acordo com o referecial ISO TS 16949:2002 é uma pré-codição para a iclusão de uma orgaização as listas de forecedores regulares dos fabricates de automóveis. Estas ormas têm por base as ormas ISO 9000, icluem requisitos específicos associados à competêcia, cosciecialização e formação dos colaboradores, à cocepção e desevolvimeto de produtos, à produção e forecimeto do serviço e às actividades de medição, moitorização, aálise e melhoria. A ISO/TS foi desevolvida com a cooperação da ``IATF (Iteracioal Automotiva Task Force) e o comité técico TC 176. Defiem os requisitos comus dos refereciais QS-9000 (EUA), VDA 6.1 (Alemaha), EAQF (Fraça) e AVSQ (Itália). Toda a orgaização de carácter produtivo que se ecotre icluída o sector automóvel, deve adoptar uma decisão estratégica: a adopção de um Sistema de Gestão da Qualidade de acordo com a ISO / TS para avaliar a capacidade de cumprir com os requisitos do cliete e os regulametos próprios da orgaização. É de realçar que, em algus sectores de produção, tais como a produção de electrodomésticos, compoetes eléctricos, etre outros, podem ecotrar a ISO/TS 16949, uma ferrameta brilhate para gerir e melhorar a qualidade dos seus produtos.

13 Área da Qualidade ISO/IEC Os Sistemas de Gestão utilizam as medições como um elemeto básico do processo de melhoria cotíua, como tal, o uso de dados fiáveis é imprescidível para a tomada de decisões. Por outro lado a comercialização de produtos em mercados acioais e iteracioais exige, que os diversos países recoheçam a validade das características medidas os produtos em questão. Por esse motivo, actualmete, os laboratórios devem garatir aos seus clietes (iteros e exteros) a sua fiabilidade e a sua capacidade técica para realizar as aálises. A Norma ISO/IEC17025 é a orma iteracioal que estabelece os requisitos gerais que deve cumprir qualquer laboratório que preteda garatir a sua competêcia técica e a fiabilidade das suas medições. Aplicação fudametal, em: Laboratórios de esaio. Laboratórios de calibração de equipametos de medição. A Rede SN presta serviço a implemetação do sistema de gestão, apoiado-se o cohecimeto e experiêcia do Laboratório, as ormas, procedimetos e protocolos técicos para, em colaboração com os ossos clietes, desevolver um sistema de acordo com os requisitos da ISO Vatages Aumeta a cofiaça dos clietes. Aumeta a etrada outros mercados. Os acordos iteracioais permitem que os resultados sejam facilmete aceites pelos mercados estrageiros. Esta aceitação cotribui para reduzir os custos para os fabricates e exportadores, reduzido ou elimiado a ecessidade de repetir medições o país de importação. Miimiza riscos. A fiabilidade as medições e o recohecimeto do laboratório permitem tomar decisões baseadas uma iformação tecicamete segura. Perate a possibilidade de um litígio, é uma forma clara de demostrar que a empresa adoptou ou efectuou as medições de acordo com requisitos estabelecidos e devidamete acreditados. Reduz tempo e custos. As medições e/ou esaios têm custos e cosomem tempo, ao efectuá-las correctamete evita-se a repetição de resultados que implicam o dispêdio de tempo e de custos.

14 Gestão da Iovação, I+D+I 14 Actualmete é fudametal que uma orgaização assegure a sua competitividade e expasão através da melhoria cotíua dos modelos de egócio, do marketig, da orgaização, de tecologias e da oferta de ovos produtos e serviços. Os processos de Ivestigação, Desevolvimeto e Iovação (IDI) covertem-se uma ecessidade a orgaização. Para o desevolvimeto deste sistema foram desevolvidas as Normas Portuguesas de Gestão IDI alihadas com as ormas ISO de Sistemas de Gestão da Qualidade. A NP 4457 serve de base à certificação IDI de uma orgaização baseadose um modelo de iovação, suportado por iterfaces e iteracções etre o cohecimeto cietífico e tecológico, o cohecimeto sobre a orgaização e o seu fucioameto, e o mercado ou a sociedade em geral. A SN em Espaha foi pioeira a prestação de serviços técicos relacioados com a implemetação de Sistemas de Gestão da IDI. Cada projecto complemeta e reforça as actividades de ivestigação, desevolvimeto e iovação dos ossos clietes. Vatages Detro desta serie de Normas Destacam-se: NP 4456 Gestão de I+D+I. Termiologia e defiições das actividades de I+D+I NP 4457 Gestão de I+D+I. Requisitos do sistema de gestão da I+D+I Plaear, orgaizar e cotrolar os processos de IDI da orgaização resultado o evolvimeto dos colaboradores e melhorado a iteracção etre departametos: prepara os recursos humaos para iovar. Melhorar a imagem empresarial e a competitividade, face a outras empresas do sector, o âmbito acioal e iteracioal. Coseguir tecologia própria pateteada que permita a sua exploração, posterior liceça ou veda. Acompahar o desevolvimeto tecológico, idetificado e atecipado ecessidades de mercado. Demostrar aos orgaismos que avaliam os projectos de IDI para possível fiaciameto, a trasparêcia destas actividades a empresa. A certificação das actividades e/ou projectos de IDI facilitam o acesso da empresa a uma série de importates beefícios fiscais.

15 Área da Qualidade Acreditação 15 A acreditação é o recohecimeto formal que um orgaismo idepedete cumpre com os requisitos especificados e que é competete para desevolver as tarefas de avaliação da coformidade sobre as quais está acreditado. A avaliação da coformidade é a demostração de que se cumprem os requisitos especificados relativos a um produto, processo, sistema, pessoa ou orgaismo. O campo da avaliação da coformidade iclui actividades defiidas as ormas da série ISO/IEC 17000, tal como o esaio, a ispecção e a certificação, assim como a acreditação de orgaismos. De aplicação fudametal, em: Etidades de ispecção Etidades de certificação de sistemas, produtos ou pessoas. A SN assessora as empresas, laboratórios, etidades de ispecção ou certificação, as actividades a realizar o processo de acreditação. Normas ISO/IEC Avaliação da coformidade. Requisitos gerais para os orgaismos de acreditação que realizam a acreditação de orgaismos de avaliação da coformidade. ISO /IEC Critérios gerais para o fucioameto de diferetes tipos de orgaismos de ispecções. ISO/IEC Avaliação da coformidade. Requisitos para os orgaismos que procedem à auditoria e à certificação de sistemas de gestão. ISO/IEC /2 - Avaliação da coformidade. Declaração de coformidade do forecedor. Parte 1: Requisitos gerais. Parte 2: Documetação de Apoio. ISO/IEC Avaliação da coformidade. Requisitos gerais para orgaismos de certificação de pessoas

16 Excelêcia a Gestão: EFQM 16 O Modelo de Excelêcia com base os critérios EFQM (Europea Federatio for Quality Maagemet) é um modelo de autoavaliação que permite a moitorização da evolução e progresso de uma orgaização o camiho para a excelêcia. Este Modelo combia de forma equilibrada as pessoas, os recursos, os processos e os resultados a todos os íveis das Orgaizações e apreseta uma versatilidade tal que pode ser aplicado a Orgaizações de qualquer ramo e de qualquer dimesão. A equipa de cosultores da SN, irá mostrar-lhe a versatilidade, facilidade e a utilidade que tem este modelo, ao mesmo tempo que o ajudará a vecer os obstáculos que supõe a mudaça. O modelo de excelêcia EFQM procura a melhoria da orgaização, cada vez mais competitiva até alcaçar a Excelêcia. O elemeto chave para a melhoria é a autoavaliação. A autoavaliação é defiida pela EFQM como um exame global, sistemático e regular das actividades e resultados de uma orgaização comparados com um modelo de excelêcia. O modelo é cohecido como Modelo Europeu de Gestão da Qualidade. Este modelo assume como premissa que resultados exceletes a ível de desempeho, dos clietes, das pessoas e da sociedade (em geral) são alcaçado através da lideraça a implemetação da política e da estratégia o que se refere às pessoas, às parcerias, aos recursos e aos processos. É baseado em ove critérios que se decompõem em sub critérios. Estrutura do modelo EFQM AGENTES FACILITADORES Pessoas RESULTADOS Resultados as Pessoas Lideraça Política e Estratégia Processos Resultados os Clietes RESULTADOS CHAVE Aliaças e Recursos Resultados a Sociedade INOVAÇÃO E APRENDIZAGEM A equipa de cosultores da SN, irá mostrar-lhe a versatilidade, facilidade e a utilidade que tem este modelo, ao mesmo tempo que o ajudará a vecer os obstáculos que supõe a mudaça. O modelo de excelêcia EFQM procura a melhoria da orgaização, cada vez mais competitiva até alcaçar a Excelêcia.

17 Área da Qualidade Excelêcia a Gestão: EFQM 17 Vatages Orietação directa para os resultados. Trabalha para a optimização dos resultados da orgaização através da melhoria cotíua do sistema, possibilitado, graças ao estabelecimeto de um sistema de medição permaete da eficácia dos processos. Permite cohecer os potos críticos e fortes da orgaização. Revela as percepções das pessoas relativamete à orgaização. Mobiliza a orgaização para os pricípios pela Gestão da Qualidade Total Certificados de Recohecimeto: Nível 1: Commited to Excellece Nível 2: Recogized for Excellece Nível 3: EEA Fialist Nível 4: EEA Prizewier Nível 5: EEA Wier

18 Qualidade Turística 18 O Sistema de Qualidade Turística está orietado para facilitar às empresas do sector turístico em qualquer país do mudo, uma ferrameta que lhes permita mater e melhorar a sua posição competitiva. Supõem basicamete o desevolvimeto de uma metodologia comum para todos os subsectores turísticos que estão implicados a melhoria da qualidade dos seus produtos e serviços. O primeiro objectivo do sistema é dotar as empresas do sector turístico de um sistema de gestão e melhorar a qualidade de produtos e serviços, que lhes permita criar uma vatagem competitiva adequada aos ovos desafios que o mercado lhes proporcioa. O referecial base da certificação do sistema de gestão de Qualidade Turística é a UNE Hotéis e apartametos turísticos. Requisitos para a prestação do serviço. Esta orma de origem espahola pode ser aplicada outros serviços turísticos. Em Portugal, qualquer ifra-estrutura do sector turístico pode implemetar esta orma. No etato, a certificação está codicioada a determiados requisitos. Sectores de aplicação: Hotéis e alojametos turísticos Agêcias de viages Termas Restaurates Parques de Campismo Turismo Rural Espaços aturais protegidos Postos de iformação turística Estâcias Turísticas/ Resorts

19 Área da Qualidade Certificação da Qualidade de Produtos e Serviços. Certificações Sectoriais 19 A certificação de produtos e serviços é, cada vez mais, uma ecessidade de mercado. Através da certificação, a empresa evidecia para o exterior que a qualidade dos seus produtos está de acordo com os mais exigetes requisitos acioais, europeus e/ou iteracioais. A oferta de produtos e serviços para os quais existem Normas acioais e/ou iteracioais de referêcia e aplicação para a obteção da sua própria certificação, são os mais variados. Produtos e Serviços: betoeiras, produtos agro-alimetares, serviços geriátricos, pequeos comércios, cimeto, jaelas, portas, plásticos, electrodomésticos, compoetes eléctricos, dispositivos médicos, briquedos, etc. Algumas das certificações mais solicitadas a actualidade e as quais colaboramos: Certificação de Serviços: ISO Fabricates de Dispositivos Médicos NP Sistemas de Gestão de Recursos Humaos NP EN Serviços Fuerários NP EN ISO Laboratórios Clíicos NP Ética as orgaizações Vatages Icremeto da Qualidade do produto ou serviço ao ser cotrolado de modo objectivo. Aumeto da percepção da qualidade pelo cliete. Valorização do produto ou serviço. Competitividade frete a outras empresas cocorretes ão certificadas. Aumeto da produtividade. Redução de custos. Acesso a determiados mercados e cocursos, face a um sistema com base em critérios iteracioalmete aceite. Nota: Idepedetemete do facto de ão existirem Normas específicas para todo o tipo Serviços, qualquer serviço pode ser certificado com base o referecial ISO 9001 que serve de base a qualquer orma específica para a Certificação de Serviços. Certificação de Produtos: Produtos Agro-Alimetares (DOP, IGP, Produção Biológica, ) Compoetes Eléctricos (cabos eléctricos, tomadas, e ) Produtos de/para Costrução Civil (cimetos, Argamassas, portas, jaelas ) Briquedos e Produtos de Puericultura

20

21 Área do Ambiete Meio Ambiete meio ambiete A progressiva deterioração do meio ambiete levou a que a implemetação do Sistema de Gestão Ambietal se covertesse uma prioridade para a sustetabilidade, tato a ível global como empresarial. O importate objectivo de proteger o Ambiete pode, e deve, ser cocretizado através da implemetação de sistemas de gestão orgaizacioal, que ajudem, ão só a empresa o cumprimetos de requisitos e recomedações a ível ambietal, como também a melhorar cotiuamete o seu comportameto relativamete ao Ambiete.

22 ISO A Norma ISO é o sistema de referêcia mais completo e com maior aceitação, para a implemetação e certificação de um Sistema de Gestão Ambietal. Por ser um referecial bastate flexível, adapta-se facilmete a qualquer tipo de orgaização, idepedetemete da sua actividade e dimesão, proporcioado às empresas uma ferrameta de gestão que lhes permite cotrolar e actuar sobre os impactes ambietais associados às suas actividades. A Norma é perfeitamete itegrável com outras Normas de referêcia omeadamete com as Normas ISO 9001 (Sistemas de Gestão da Qualidade) e OHSAS (Sistemas de Gestão da Seguraça e Saúde o Trabalho). O objectivo fulcral da ISO é a preveção da cotamiação ambietal e o estabelecimeto de compromissos, por parte da orgaização, com vista ao cumprimeto toda a legislação Ambietal aplicável à sua actividade. Processo ISO POLÍTICA AMBIENTAL Plaificação Aspectos Ambietais Requisitos Legais e Outros Objectivos e Metas Programas Implemetação Estrutura e Resposabilidades Formação Cotrolo da Documetação Plaos de Emergêcia Pricípios básicos da Norma ISO Cumprir a legislação ambietal Participação dos colaboradores Compromisso a preveção da cotamiação Melhoria cotíua do desempeho ambietal Relações de beefício mútuo com partes iteressadas Verificação Moitorização e Medição NC, Acção Correctiva/Prevetiva Registos Auditorias Revisão pela Direcção MELHORIA CONTÍNUA

23 Área do Ambiete ISO Vatages Proporcioa um sistema de cotrolo legislativo da área ambietal, aplicado às actividades da empresa evitado sações; É um Referecial Normativo de recohecimeto iteracioal, pelo que a sua implemetação elimia evetuais barreiras comerciais, costituido uma oportuidade de egócio. Reduz os custos de produção, uma vez que privilegia o cosumo cotrolado das matérias-primas, a redução dos cosumos de eergia e água, bem como o aproveitameto e a miimização dos resíduos produzidos. Destaca a imagem da empresa a sociedade, uma vez que a certificação reflecte o compromisso ambietal da empresa, fometado a melhoria das relações com a comuidade, accioistas, orgaizações goverametais e ambietais. Cumprimeto dos requisitos dos clietes que exigem ou valorizam forecedores com um Sistema de Gestão Ambietal certificado. Ajuda a evitar os custos decorretes de possíveis situações de emergêcia ambietal Promove uma coduta de cosciêcia ambietal etre os colaboradores da orgaização.

24 Cadeia de Resposabilidade Certificação Florestal 24 A Certificação da Cadeia de Valor Florestal é fudametal os dias de hoje, ão só pelo comprometimeto que a orgaização que se certifica faz perate a sociedade em geral, mas também pela garatia que trasmite ao cosumidor, de que o seu produto provém de uma floresta gerida de uma forma sustetável e que é garatida a rastreabilidade dos produtos de origem florestal, em toda a cadeia de valor. A procura de produtos florestais certificados tem vido a crescer os mercados iteracioais, pricipalmete a Europa, pelo que a opção pela certificação é um meio de garatir à idústria florestal acioal vatagem competitiva um mercado global. A certificação florestal tem por objectivo promover uma gestão resposável, salvaguardado as fuções ecoómicas, ambietais e sociais das áreas florestais. A SN apoia a implemetação da Certificação Florestal pelos dois pricipais esquemas de Certificação Florestal: PEFC e FCS. Cada sistema tem requisitos próprios e impõe regras de gestão florestal difereciadas, o FSC segudo os Pricípios e Critérios e Idicadores do FSC e o PEFC pela Norma Portuguesa 4406:2003, em que ambos podem ser aplicáveis a diversos tipos de uidade de gestão florestal: idividual, de grupo e regioal (apeas o PEFC). Certificação: Sistema de Gestão Florestal Destia-se a proprietários e/ou resposáveis pela Gestão Florestal Cadeia de Resposabilidade Orgaizações que processam e/ou trasformam produtos florestais e orgaizações que comercializam produtos florestais certificados Certificação florestal Certificação da Cadeia de Resposabilidade Florestas Forecedores Fabricates Retalhistas Cosumidores

25 Área do Ambiete Cadeia de Resposabilidade Certificação Florestal 25 Beefícios Valorização dos produtos e subprodutos de Madeira, gerados os processos produtivos. Maior cotrolo dos recursos. Preocupação ambietal e social sobre a floresta. Melhoria da imagem das orgaizações e do sector florestal em geral. Costitui um istrumeto de marketig para a comercialização dos produtos de madeira, papel, cortiça, etre outros. Os agetes evolvidos o mercado florestal acioal, desde a produção à idústria, que implemetem os requisitos de um Sistema de Certificação Florestal beeficiarão de vatages de posicioameto estratégico, ecoómico, social e ambietal associadas a uma gestão florestal sustetável, profissioal e trasparete Permite o acesso a mercados mais exigetes. Melhora a gestão florestal em geral.

26 Regulameto EMAS 26 O Regulameto (CE).º 1221/2009 permite a participação volutária das orgaizações um sistema comuitário de eco gestão e auditorias (EMAS III). Este sistema é aplicável a qualquer orgaização que preteda melhorar o seu desempeho ambietal e forecer iformações relevates, ao público e a outras partes iteressadas, sobre os resultados decorretes da gestão dos seus aspectos ambietais. O Regulameto EMAS abrage todos os requisitos da ISSO mas defiido requisitos adicioais. Vatages Um sistema baseado o Regulameto EMAS estabelece a empresa uma metodologia direccioada para a excelêcia a gestão ambietal. Além de proporcioar uma ferrameta de gestão para o cotrolo e melhoria do comportameto ambietal, permite a redução cotíua do impacte ambietal resultate das actividades e produtos cocebidos. Uma orgaização que implemeta os requisitos do Regulameto EMAS adicioa às vatages de uma certificação ISO 14001, aspectos como: Difereciação o mercado acededo á excelêcia a gestão ambietal. A empresa projecta uma imagem de máximo respeito em relação ao ambiete. Redução de custos associados a cosumos, emissões e seguros. A verificação EMAS começa a ser mais valorizada do que a certificação ISO 14001, em algus cocursos públicos. Maior implicação dos colaboradores ao participar o processo destiado à melhoria cotíua do comportameto ambietal da orgaização, bem como a cosequete melhoria o evolvimeto do trabalho e um aumeto da motivação.

27 Catálogo de Cosultoria Outros Serviços da Área do Ambiete 27 ECO DESIGN O eco desig cosiste o deseho de produtos cosiderado critérios ambietais, miimizam os seus impactes directos e idirectos em todas as oportuidades. O eco desig apreseta soluções ambietais à empresa baseados a aálise do ciclo de vida do produto. DIAGNÓSTICOS AMBIENTAIS Os diagósticos ambietais e as eco auditorias, para alem de proporcioarem á empresa a iformação acerca do seu desempeho ambietal, podem costituir o poto de partida para a decisão de implemetação de um Sistema de Gestão Ambietal. Os diagósticos ambietais cosistem o levatameto da situação ambietal da orgaização com vista à verificação da coformidade legal, idicado acções correctivas e prevetivas. Ao realizar-se um diagóstico ambietal efectua-se uma aálise do liceciameto, água, ar, resíduos, ruído, eergia, acidetes ambietais, substâcias perigosas, etre outros. A SN elabora diagósticos ambietais com diferetes âmbitos e objectivos coforme as ecessidades do cliete. ECO AUDITORIAS Realização de auditorias ambietais as istalações da orgaização com vista a verificar o grau de cumprimeto da legislação vigete, assim como a sua situação ambietal.

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

Dispensa e Redução de Contribuições

Dispensa e Redução de Contribuições Dispesa Temporária do Pagameto de Cotribuições Dec - Lei º 89/95, de 6 de Maio Dec - Lei º 34/96, de 18 de Abril Dec - Lei º 51/99, de 20 de Fevereiro Lei º 103/99, de 26 de Julho Taxa Cotributiva Dec

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados 30.4.2004 L 143/15 REGULAMENTO (CE) N. o 805/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 que cria o título executivo europeu para créditos ão cotestados O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DESPORTIVA

CÓDIGO DE ÉTICA DESPORTIVA CÓDIGO DE CÓDIGO DE Etidades/pessoas que cotribuiram para a eloboração do CÓDIGO DE // Associação de Estabelecimetos de Esio Particular e Cooperativo // Associação Nacioal Agetes de Futebol // Associação

Leia mais

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013]

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013] Ficha Técica TÍTULO Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Desempeho Ecoómico e Fiaceiro do Segmeto de Mauteção de Aeroaves [2011-2013] EDIÇÃO INAC Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios

Leia mais

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas S W IFT-DUO SWIFT Sistemas de medição por vídeo para medição e ispeção precisas S W IFT-DUO Sistemas de medição por vídeo 2 eixos, ideais para medir recursos em 2D de peças pequeas e itricadas Variação

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES DE ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à

Leia mais

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização Gestão Itegrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regioalização Ceará 2011 Apoio Istitucioal Covêio SRHU/MMA/ º 003/2008 - Projeto Regioalização da Gestão Itegrada de Resíduos Sólidos do Estado do

Leia mais

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade Código de Coduta Empresarial Fazedo a difereça com Itegridade Uma Mesagem do Presidete da Hospira Prezados Colegas da Hospira, Gostaria de lhes apresetar o Código de Coduta Empresarial da Hospira. Na Hospira,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

A ESEC para o Novo Aluno...

A ESEC para o Novo Aluno... Praça Heróis do Ultramar Solum, 3030-329 Coimbra, Portugal Tel: (+ 35) 239 79 3 45/ 22 Fax: (+ 35) 239 40 46 www.esec.pt A ESEC para o Novo Aluo... CONTEÚDO A ESEC Serviços Directores de Curso Iformações

Leia mais

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES EM ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à corrosão,

Leia mais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais ovacao revista iformativa trimestral da Eutectic Castoli º 1-213 aotecologia a ossa vida e a soldagem de revestimeto E mais: Ecoomia de Eergia Automação Aplicativos Adroid Aplicações Idustriais editorial

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Kit de ferramentas de Advocacy

Kit de ferramentas de Advocacy ROOTS 1+2 ROOTS Kit de ferrametas de Advocacy SEGUNDA EDIÇÃO ROOTS: Recursos para Orgaizações com Oportuidades de Trasformação e Socialização ROOTS 1 E 2 Kit de ferrametas de Advocacy Seguda edição De

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa

Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Direito Humao à Educação Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Orgaização: Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Coordeação Editorial: Deise Carreira, Laura Bregeski Schühli e Salomão Ximees Autores:

Leia mais

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso Detecção de Perdas com WaterGEMS usado AG - Case de Sucesso Ego. Jua Carlos Gutiérrez, M.Sc. Regioal Egieer - Water ad Wastewater Solutios Jua.Gutierrez@Betley.com Problema Mudial: cotrole e redução de

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais Aais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Biodigestores em Propriedades Rurais Eliaa Walker Depto de Física, Estatística e Matemática, DEFEM,

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

do futuro A força de trabalho

do futuro A força de trabalho A força de trabalho do futuro Cotado com sua equipe para etregar a estratégia O plaejameto estratégico da força de trabalho ajuda as empresas a compreeder o taleto ecessário para etregar sua estratégia

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

CAPÍTULO 2 2 - NORMAS RELATIVAS A FATOR DE POTÊNCIA E DISTORÇÃO HARMÔNICA

CAPÍTULO 2 2 - NORMAS RELATIVAS A FATOR DE POTÊNCIA E DISTORÇÃO HARMÔNICA FASCÍCULO / harmôicos Este texto foi preparado como um curso de extesão: Ifluêcia dos Harmôicos as Istalações Elétricas Idustriais. Trata-se de um curso voltado para profissioais atuates o setor elétrico

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo por ZÉLIA PINHEIRO Do poto de vista técico, o balaço é positivo A rede urbaa de frio e calor do Parque das Nações já tem oze aos e João Castaheira, director-geral da Climaespaço, faz o balaço. Garate que

Leia mais

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA MARIANO YOSHITAKE Adelmo Ferado Ribeiro Schidler Júior Adriao Moitiho Pito Iracema Raimuda Brito das Neves Aselmo Teixeira Motes Resumo: O objetivo

Leia mais

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas.

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas. THE 9 th LATIN-AMERICAN CONGRESS ON ELECTRICITY GENERATION AND TRANSMISSION - CLAGTEE 2011 1 A ifluêcia dos fatores humaos os idicadores de O&M das usias termelétricas. Maria Alice Morato Ribeiro (1) (e-mail:

Leia mais

Consolidando a Caminhada

Consolidando a Caminhada Pe. João Cecoello Silvae V. Cecato Erestia B. Flores Cosolidado a Camihada O Ã Ç I EDIÇÃO ED 2ª O ED I Ç Ã Pastoral da Sobriedade CNBB - Coordeação Nacioal Pastoral da Sobriedade um orgaismo da CNBB Sobriedade

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET 20 MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET CONTRATANTE: TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, iscrito o CNPJ/MF sob o.º 00.509.968/0001-48, sediado a Praça dos Tribuais Superiores, bloco D, s/.º,

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

www.partnervision.com.br

www.partnervision.com.br www.partervisio.com.br SERVIÇOS E SUPORTE PROCESSOS E INICIATIVAS PRODUTOS DE SOFTWARE SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA Software para o Desevolvimeto de Coteúdo e Processos Para Otimizar o Desevolvimeto de Produtos

Leia mais

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 braca 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 Curitiba, outubro 214 Bachma & Associados e 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO Dayse Regia Batistus (UTFPR) batistus@utfpr.edu.br Marcelo Rosa (UTFPR) marcelorosa@aluos.utfpr.edu.br

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 28 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS CONTRIBUTION OF MARKETING RESEARCH

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED

PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED ISSN 1984-9354 PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED Alie de Aquio Pito (UFAM) Armado Araújo de Souza Juior (UFMG/UFAM) Sadro Breval Satiago

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

Soluções em Engenharia Civil

Soluções em Engenharia Civil ENGECRAM K Soluções em Egeharia Civil 35 aos A ENGECRAM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA foi costituída em 13 de dezembro de 1977, resultado de um ideal de prestar serviços a área de egeharia civil.

Leia mais

Mário Meireles Teixeira. Departamento de Informática, UFMA. mario@deinf.ufma.br. Técnicas de Modelagem. Técnicas de Avaliação de desempenho.

Mário Meireles Teixeira. Departamento de Informática, UFMA. mario@deinf.ufma.br. Técnicas de Modelagem. Técnicas de Avaliação de desempenho. Simulação Mário Meireles Teixeira Departameto de Iformática, UFMA mario@deif.ufma.br Técicas de Modelagem Técicas de Avaliação de desempeho Aferição Modelagem Protótipos Bechmarcks Coleta de Dados Rede

Leia mais

A durabilidade e a confiabilidade da Rubbermaid são incomparáveis. Feitos Para Durar

A durabilidade e a confiabilidade da Rubbermaid são incomparáveis. Feitos Para Durar A durabilidade e a cofiabilidade da Rubbermaid são icomparáveis. Feitos Para Durar Duráveis. Cofiáveis. Apresetado um ovo padrão de excelêcia em gereciameto de resíduos e trasporte de materiais. Desde

Leia mais

LIVRETO. Armazenamento de Amostra, Manuseio e Gestão. Um armazenamento de amostra completo e rastreável para o seu laboratório

LIVRETO. Armazenamento de Amostra, Manuseio e Gestão. Um armazenamento de amostra completo e rastreável para o seu laboratório Um armazeameto de amostra completo e rastreável para o seu laboratório LIVRETO Armazeameto de Amostra, Mauseio e Gestão PRODUÇÃO NA HOLANDA E NOS ESTADOS UNIDOS MOLDE POR INJEÇÃO E MONTAGEM EM SALA LIMPA

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSAL FOR AN INFORMATION MANAGEMENT MODEL: CASE STUDY IN THE MARKETING RESEARCH FIELD RESUMO O propósito

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES C O P O S I T I O N No-break S é r i e P r e m i u m No-Break para Rack C E Iovação, qualidade, tecologia e cofiabilidade. arcas das soluções C Comados Lieares A E P R E S A Com mais de 30 aos de atuação,

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Uiversidade Federal de Viçosa Brasil Noce, Rommel; Carvalho Mirada Armod, Rosa Maria; Soares, Thelma Shirle; Silva Lopes da, Márcio Desempeho do Brasil as

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

- 6,5% de consumo de combustível

- 6,5% de consumo de combustível - 6,5% de cosumo de combustível MAN EfficietLie 2. Meos combustível e mais gahos. Campeões da eficiêcia: MAN EfficietLie 2 Ídice O EfficietLie 2 com Euro 6 é melhor para o ambiete e utiliza meos combustível

Leia mais

Wi-Fi Mais Inteligente para Celulares Infraestrutura da Operadora

Wi-Fi Mais Inteligente para Celulares Infraestrutura da Operadora Wi-Fi Mais Iteligete para Celulares Ifraestrutura da Operadora White Paper da Ruckus Wireless Resumo Executivo Com o bem auciado tsuami o tráfego de dados que atigiu as ifraestruturas móveis em todo o

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Infraestruturas Urbanas

Infraestruturas Urbanas 2 Ifraestruturas Urbaas IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A iformação cotida este documeto é propriedade da Igeieros, S.A. e ehuma parte dela pode ser reproduzida ou trasferida

Leia mais

SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO

SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO XPS - POLIESTIRENO EXTRUDADO SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO RESISTÊNCIA TÉRMICA ECONOMIA DE ENERGIA DURABILIDADE RESISTÊNCIA MECÂNICA SUSTENTABILIDADE SPUMAPAC INOVAÇÃO SEMPRE Fudada em 1970, a Spumapac

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES Bem-vido ao Almeat, um espaço ode tudo foi projetado especialmete para realizar desde pequeas reuiões e evetos até grades coveções, com coforto, praticidade e eficiêcia,

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais