A Nova Gestão Orçamental no Estado. José Azevedo Rodrigues Bastonário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Nova Gestão Orçamental no Estado. José Azevedo Rodrigues Bastonário"

Transcrição

1 José Azevedo Rodrigues Bastonário

2 CIRCULAR SÉRIE A N.º 1376 Instruções para preparação do OE-2015 aprovadas por despacho de Sua Excelência o Secretário de Estado Adjunto e do Orçamento em 18 de julho de As entidades que dispõem obrigatoriamente de um conselho fiscal ou fiscal único, devem submeter com a proposta de orçamento para 2015 o respetivo parecer emitido por aquele órgão, o qual deverá incidir sobre os pontos constantes da presente circular. 2

3 Enquadramento legal da ação de Fiscalização: Os institutos públicos dotados de autonomia administrativa e financeira devem dispor obrigatoriamente de um fiscal único,. tendo, designadamente, como competência, legalmente prevista, a de dar parecer sobre o orçamento e suas revisões e alterações, bem como, sobre o plano de atividades na perspetiva da sua cobertura orçamental (Lei n.º 3/2004, de 15 de janeiro). O Decreto-Lei 133/2013, de 3 de outubro, refere a existência de um órgão de fiscalização na estrutura das empresas públicas (art. 31ª). Nos termos do art. 33º pode ser um conselho fiscal ou revisor oficial de contas dependente consoante o seu modelo de governance 3

4 REVISOR OFICIAL DE CONTAS FUNÇÃO DE INTERESSE PÚBLICO Accountants and the accountancy profession exist as a means of public service; the distinction which separates a profession from a mere means of livelihood is that the profession is accountable to standards of the public interest, and beyond the compensation paid by clients. Robert H. Montgomery - in Love, Vincent J. (October 1, 2008). "Understanding Accounting Ethics, Second Edition". The CPA Journal. 4

5 A Orçamentação e o Interesse Publico. Orçamento de Estado implementa uma estratégia política; Orçamento de Estado é um Instrumento de Governação; Orçamento de Estado é um Instrumento de Comunicação; Orçamento de Estado infuencia a economia. 5

6 Orçamentação e a defesa do interesse público Controlo financeiro; Afetação de recursos escassos; Constitui um programa de coordenação; Melhoria da eficiência e da eficácia; Justificação e proteção do sistema tributário; Oportunidade política dos eleitos exercerem liderança através de: Alinhamento da governação; e, Acompanhamento das práticas governativas. Legitimização das entidades públicas, das suas ações e dos seus programas. 6

7 Processo orçamental e papel da fiscalização: Planeamento Execução Avaliação e Controlo Validar a coerência com os objetivos (alinhamento); Validar os pressupostos de orçamentação (bases legais, meio ambiente, elementos históricos,.) Verificar o cumprimento das regras e normas de orçamentação; Verificar a coerência e adequação dos mapas financeiros. 7

8 Processo orçamental e papel da fiscalização: Planeamento Execução Acompanhar a performance da gestão Avaliação e Controlo Alinhamento Está assegurada a difusão das prioridades estratégicas? Descentralização Existe mecanismo de desagregação orçamental? Responsabilização São os dirigentes descentralizados responsabilizados? 8

9 Processo orçamental e papel da fiscalização: Planeamento Execução Acompanhar a performance da gestão Avaliação e Controlo Motivação Avaliação Que motivações para se cumprir com os objetivos? Monitorização (accountability) O SI e a cultura ajudam a monitorizar resultados? Qual o impacto no desempenho das pessoas? 9

10 Processo orçamental e papel da fiscalização: Planeamento Execução Fundamentos da avaliação e do controlo Avaliação e Controlo Recursos escassos Anos recentes estado previdência sem recursos Estabelecer prioridades nas políticas públicas Justiça social não pode ser relegada para o mercado Value for money Contribuintes/eleitores questionam utilização do dinheiro 10

11 Processo orçamental e papel da fiscalização: Planeamento Execução Tipos de avaliação e do controlo De resultados (objetivos) Avaliação e Controlo Confrontar os resultados preconizados com os realizados; De processos (meios) Assegurar a legalidade, aferir a eficiência e a eficácia dos processos e recursos utilizados. 11

12 As dificuldades no processo orçamental, como instrumento de gestão AUSÊNCIA DE OBJECTIVOS AUSÊNCIA DE PLANOS DE ACÇÃO EXCESSO DE DETALHE ALMOFADAS ORÇAMENTAIS CORTES INDISCRIMINADOS

13 A ORÇAMENTAÇÃO E OS DESAFIOS DA GESTÃO OPÇÕES ESTRATÉGICAS PRÁTICAS DA GESTÃO 13

14 A ORÇAMENTAÇÃO E OS DESAFIOS DA INFORMAÇÃO ORÇAMENTO ÊNFASE NA OTICA FINANCEIRA PRÁTICA TENDÊNCIA PARA A PRESTAÇÃO DE CONTAS EM BASE ECONÓMICA 14

15 Perda de eficácia do modelo de informação orçamental Reduzida integração entre a contabilidade patrimonial e orçamental; A conta 25 fica saldada, o que limita a sua capacidade informativa; Um processo de registo orçamental muito focado na produção de mapas ; Necessidade de conceber um registo dinâmico do orçamento, face às cada vez maiores potencialidades dos ERP 15

16 O futuro da informação financeira no setor público Incremento da accountability, centrada na relevância e não na pormenorização; Harmonização europeia da contabilidade pública (EPSAS/IPSAS); Uma aposta na qualidade informacional e crescente responsabilização pela prestação de contas; Uma alteração de cultura e de competências enfatizando a função formativa 16

17 A accountability exige cooperação Entre a gestão e a fiscalização; Entre a fiscalização e a supervisão; Entre a supervisão, fiscalização e governação. A OROC, em defesa do interesse público, tem vindo a incentivar os seus membros para uma postura colaborativa, em prol da transparência e da qualidade das contas das entidades onde exercem as suas funções 17

18 Obrigado pela Atenção José Azevedo Rodrigues Bastonário

Responsabilidades das Funções de Auditoria Externa como Linha de Defesa das Instituições

Responsabilidades das Funções de Auditoria Externa como Linha de Defesa das Instituições Responsabilidades das Funções de Auditoria Externa como Linha de Defesa das Instituições José Azevedo Rodrigues 7 outubro 2014 Lisboa XIII Conferência sobre Auditoria, Risco e Governance O PAPEL DO AUDITOR

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão-contribuinte entenda?

Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão-contribuinte entenda? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão-contribuinte entenda? Do Orçamento da Saúde ao Orçamento das Instituições de Saúde Luís Viana Ministério da Saúde - ACSS 12 de Julho de 2011 workshop organizado

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 7 Ed. Rev. Data Descrição Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP.

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA. Diretor/a de Administração e Finanças

TERMOS DE REFERÊNCIA. Diretor/a de Administração e Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA Diretor/a de Administração e Finanças O Secretariado Executivo da CPLP pretende contratar um/a (1) Diretor/a de Administração e Finanças para exercer funções nas instalações da sua

Leia mais

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Quem somos Desenvolvemos SI desde 1988 Trabalhamos com Grandes Empresas e Organismos

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

A Supervisão do Sistema Financeiro

A Supervisão do Sistema Financeiro A Supervisão do Sistema Financeiro Prestam, por isso, um importante contributo para a integridade e a transparência dos mercados de capitais. Amadeu Ferreira OROC 21 de Outubro de 2010 A EFICIÊNCIA DOS

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141. Portaria n.º 1633/2007

Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141. Portaria n.º 1633/2007 Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141 Portaria n.º 1633/2007 de 31 de Dezembro A Lei n.º 66 -B/2007, de 28 de Dezembro, que estabelece o sistema integrado de gestão e avaliação

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Página 2 de 11 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO N.º PROPOSTO APROVAÇÃO

Leia mais

ORA newsletter. Nº 62 MARÇO/2012 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL FEVEREIRO DE 2012

ORA newsletter. Nº 62 MARÇO/2012 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL FEVEREIRO DE 2012 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Fevereiro de 2012 1 As Instituições Particulares de Solidariedade Social: Regime Contabilístico e Novo Quadro Normativo (Parte II) 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL

Leia mais

UNIDADES CURRICULARES

UNIDADES CURRICULARES Curso Especialização PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES As reformas, a governação e a organização do sistema de justiça 42 h 7 Sociologia das organizações 30 h 6 Gestão pela qualidade total e desempenho

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Unidade Técnica da Reforma Da Administração Financeira do Estado - UTRAFE MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE Maputo, 12 de Julho de

Leia mais

SESSÃO DE CAPACITAÇÃO

SESSÃO DE CAPACITAÇÃO SESSÃO DE CAPACITAÇÃO Apoios Financeiros para a Área Social 27 de Maio de 2013 MISSÃO ÁREAS ESTATUTÁRIAS ARTE BENEFICÊNCIA EDUCAÇÃO CIÊNCIA Promoção do desenvolvimento individual e apoio à inclusão social

Leia mais

Consolidação de Contas

Consolidação de Contas A Valorgest soluções de gestão Consolidação de Contas especialização Serviços / Produtos produtividade Quem somos Missão Valores Abordagem DADIT-M Objetivos da consolidação Consolidação de Grupos Municipais

Leia mais

Avaliação suprainstitucional

Avaliação suprainstitucional Avaliação suprainstitucional Alexandra Lourenço I workshop Plano de Classificação da Informação Arquivística para a Administração Local 20 de março de 2014 Agenda 1. Classificação supra institucional Da

Leia mais

NOVOS DESAFIOS NA GESTÃO DA UL:

NOVOS DESAFIOS NA GESTÃO DA UL: NOVOS DESAFIOS NA GESTÃO DA UL: O PAPEL DA ANALÍTICA Carla Catalão Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa O POC EDUCAÇÃO NOÂMBITODA NOVA GESTÃO PÚBLICA A Reforma da Contabilidade Pública em Portugal

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A Comissão de Política Geral, em 01 de Julho de 2015, procedeu à apreciação, relato e emissão de parecer sobre o Projeto de decreto-lei que aprova o sistema de Normalização Contabilística para

Leia mais

Memorando n.º 5 da Comissão Especializada de Planeamento e

Memorando n.º 5 da Comissão Especializada de Planeamento e Conclusões da Reunião de 11 de dezembro de No dia 11 de dezembro de, entre as 14h30 e as 16h30, reuniu a Comissão Especializada de Planeamento e (doravante designada por CE-PAF). Estiveram presentes os

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo - Cursos aprovados pelo POPH. Cursos aprovados Objetivos Conteúdos Programáticos

Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo - Cursos aprovados pelo POPH. Cursos aprovados Objetivos Conteúdos Programáticos Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo - Cursos aprovados pelo POPH Cursos aprovados Objetivos Conteúdos Programáticos Licenciamento Zero 1. Enquadramento legal 1.2. Os objetivos da nova lei. 1.1. O historial

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC Joana Miguel Santos Caso de Sucesso: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO Sessão Plenária 15 de Dezembro 2009 A. Sevinate Pontes H. Pinto CS/11 Comissão Sectorial para a Educação e Formação Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 Enquadramento Legal Âmbito

Leia mais

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Janeiro de 2008 1. Introdução Uma das condições para que a avaliação cumpra todos os seus objectivos e contribua para a melhoria contínua

Leia mais

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente ÍNDICE Artigo 1.º Disposições iniciais e princípios gerais 3 Artigo 2.º Docentes avaliados 4 Artigo 3.º Momento em que ocorre a avaliação de desempenho

Leia mais

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Encontro do 1º Ciclo de Debates Direito e Gestão Pública Núcleo Regional de São Paulo São Paulo-SP 23.10.09 Painel: LIMITES DA AUTONOMIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Artigo 1.º Disposições iniciais e princípios gerais 1. A avaliação do desempenho docente funciona nos termos do disposto no quadro de referência constituído

Leia mais

Investir na Saúde em África

Investir na Saúde em África Harmonização da Saúde em África Investir na Saúde em África Cenário para Reforçar os Sistemas na Procura de Melhores Produtos da Saúde Resumo Porquê um cenário de investimento em África? Investir nos sistemas

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

A SECRETARIA-GERAL DO ME

A SECRETARIA-GERAL DO ME Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas NOVOS DESAFIOS PARA AS COMPRAS PÚBLICAS A DO ME Mª Ermelinda Carrachás 26 de novembro de 2014 MINISTÉRIO DA ECONOMIA O Ministério da Economia

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3.

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3. ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º Denominação e Regime Jurídico 1 - A empresa adota a denominação de RESIALENTEJO TRATAMENTO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS, E.I.M., adiante designada por RESIALENTEJO,

Leia mais

Planeamento e gestão de recursos. Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011

Planeamento e gestão de recursos. Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011 Planeamento e gestão de recursos Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011 1 Componentes da Reforma da 2004 Administração Pública ADE LQIP EPD SIADAP 2007 PRACE SIADAP Revisão Estatuto

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

Portugal 2020. Modelo de governação

Portugal 2020. Modelo de governação Portugal 2020 Modelo de governação Princípios gerais: Princípio da racionalidade económica subordinação de qualquer decisão de apoio dos fundos à aferição rigorosa da sua mais-valia económica, social e

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola MÓDULO I - ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS E TENDÊNCIAS FUTURAS: REFORMA FISCAL Índice 1.

Leia mais

Seminário Internacional Desenvolvimento de Infraestrutura no pós crise: O papel das Entidades Fiscalizadoras Superiores.

Seminário Internacional Desenvolvimento de Infraestrutura no pós crise: O papel das Entidades Fiscalizadoras Superiores. Seminário Internacional Desenvolvimento de Infraestrutura no pós crise: O papel das Entidades Fiscalizadoras Superiores Modelos de participação da iniciativa privada e setor público 1 Investimento inicial

Leia mais

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CARTA DE SERVIÇO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO I. Identificação da Instituição Tribunal Administrativo II. Missão Garantir a justiça administrativa, fiscal e aduaneira ao cidadão,

Leia mais

ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A.

ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A. ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Denominação, sede, objeto e duração Artigo 1.º Tipo,

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

O papel das instituiçõ es superiores de. controlo num estado de direito

O papel das instituiçõ es superiores de. controlo num estado de direito O papel das instituiçõ es superiores de controlo num estado de direito Timor-Leste, 29 de Junho a 1 de Julho de 2011 II Seminário da OISC/CPLP Índice 1. Introdução 2. Papel desempenhado ou susceptível

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA: GESTÃO, DIRECÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS

FORMAÇÃO AVANÇADA: GESTÃO, DIRECÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS 1 FUNDAMENTAÇÃO Numa altura em que as empresas de construção se debatem com uma elevada concorrência de mercado que leva à apresentação em fase de concurso com preços anormalmente baixos, necessitam de

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO A Reforma do sector público em curso no país enquadra se na estratégia mais

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades REGULAMENTO: PARTIS - PRÁTICAS ARTÍSTICAS PARA INCLUSÃO SOCIAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito e finalidades 1. A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a apoiar ao longo dos anos diversas

Leia mais

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro Bases da contabilidade pública A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), e 169.º, n.º 3, da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objecto

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO ENTRA NUM NÍVEL SUPERIOR. 2013/2014 CONTABILIDADE PÚBLICA, FINANÇAS E GESTÃO ORÇAMENTAL WWW.IDEFE.PT PÁG. 1

PÓS-GRADUAÇÃO ENTRA NUM NÍVEL SUPERIOR. 2013/2014 CONTABILIDADE PÚBLICA, FINANÇAS E GESTÃO ORÇAMENTAL WWW.IDEFE.PT PÁG. 1 PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE PÚBLICA, FINANÇAS E GESTÃO ORÇAMENTAL 2013/2014 ENTRA NUM NÍVEL SUPERIOR. WWW.IDEFE.PT PÁG. 1 CONTABILIDADE PÚBLICA, FINANÇAS E GESTÃO ORÇAMENTAL 11ª EDIÇÃO COORDENAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas ANEXO XI Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas Inicialmente, as suas competências eram, fundamentalmente, de órgão de inspeção das direções de finanças, repartições de finanças e de dar

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

Estudo do Domínio do Repositório Institucional da ENAP

Estudo do Domínio do Repositório Institucional da ENAP Estudo do Domínio do Repositório Institucional da ENAP Projeto básico sobre Repositório Digital: Definição da Arquitetura Informacional / Definição do Conjunto de Metadados / Definição do Fluxo Geral e

Leia mais

A TODOS OS SERVIÇOS DO ESTADO SE COMUNICA:

A TODOS OS SERVIÇOS DO ESTADO SE COMUNICA: . MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DO ORÇAMENTO Gabinete do Director-Geral Circular Série A Nº 1227 A TODOS OS SERVIÇOS DO ESTADO SE COMUNICA: Assunto: Novo esquema da classificação funcional das

Leia mais

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento Access the complete publication at: http://dx.doi.org/10.1787/9789264175877-pt Sumário executivo

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Contributos para a Reforma do Estado. Uma visão da Sociedade de Informação. 29 Maio 2015

Contributos para a Reforma do Estado. Uma visão da Sociedade de Informação. 29 Maio 2015 Contributos para a Reforma do Estado Uma visão da Sociedade de Informação 29 Maio 2015 Os próximos minutos O que é e não é O que se espera do Estado? Ou do Serviço Público? A informação e as TIC ingredientes

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Arquivo Distrital da Guarda

Arquivo Distrital da Guarda P A lano de tividades 2013 2013 Arquivo Distrital da Guarda PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2013 2 de Julho de 2013 1 I- INTRODUÇÃO Caracterização do Serviço... 3 1. Caracterização orgânica e funcional...

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio a 30 de Junho de 2009: ( 11.790.198) Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa e Benfica 1500-313 Lisboa Matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

O CONTROLO DE GESTÃO

O CONTROLO DE GESTÃO O CONTROLO DE GESTÃO AO SERVIÇO DA ESTRATÉGICA E DOS GESTORES 10.ª Edição Hugues Jordan João Carvalho das Neves José Azevedo Rodrigues 2015 Copyright 2015 da Áreas Editora Todos os direitos reservados

Leia mais

Seminários CESA 2011 A Declaração de Paris sobre a Eficácia da Ajuda: desafios e oportunidades. Raquel Freitas CIES ISCTE-IUL

Seminários CESA 2011 A Declaração de Paris sobre a Eficácia da Ajuda: desafios e oportunidades. Raquel Freitas CIES ISCTE-IUL Seminários CESA 2011 A Declaração de Paris sobre a Eficácia da Ajuda: desafios e oportunidades Raquel Freitas CIES ISCTE-IUL Paris (2005) Accra (2008) Busan (2011) Propostas para Busan 2000 Cimeira do

Leia mais

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria MANUAL DO CURSO ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTORES FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA DO CURSO AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL E CONTEÚDOS MULTIMÉDIA PORTAL ORDEM

Leia mais

Controlo interno das instituições de auditoria do governo

Controlo interno das instituições de auditoria do governo SEMINÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE AUDITORIA 26 27.02.2009 Controlo interno das instituições de auditoria do governo Autor: Lau Tak Kun (Terence) Comissariado da Auditoria de Macau Índice

Leia mais

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO Preâmbulo: O SIADAP visa contribuir para a melhoria do desempenho e qualidade de serviço da Administração Pública, para a coerência e harmonia da acção dos serviços, dirigentes e demais trabalhadores e

Leia mais

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E.

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. DIPLOMA / ATO : Decreto-Lei n.º 229/2012 NÚMERO : 208 SÉRIE I EMISSOR: Ministério dos Negócios Estrangeiros SUMÁRIO: Aprova

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Conferência de compliance

Conferência de compliance Confidencial Conferência de compliance Luanda 20 de Junho de 2013 Os principais temas em matérias de compliance a nivel mundial Gestão do e adequação de capital Protecção do consumidor Fiscal Conflitos

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º /2015. Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República

RESOLUÇÃO N.º /2015. Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República RESOLUÇÃO N.º /2015 Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo 166. da Constituição, de acordo com as alíneas

Leia mais

ORDEM DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS

ORDEM DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS ORDEM DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM AUDITORIA FINANCEIRA E AUDITORIA INTERNA OPERACIONAL PRAIA-CABO VERDE JUNHO DE 2010 APRESENTAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM AUDITORIA

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Despacho n.º 104/2013 Designa o Licenciado, António Gil Fraga Gomes Ferreira,

Leia mais

Missão dos Órgãos de Controle Interno, Desafios e Visão de Futuro. Renato Santos Chaves

Missão dos Órgãos de Controle Interno, Desafios e Visão de Futuro. Renato Santos Chaves Missão dos Órgãos de Controle Interno, Desafios e Visão de Futuro Renato Santos Chaves Sumário 1) Conceitos Básicos: Controle Interno e Externo, Controles Internos Administrativos, Auditoria Interna e

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 94-D/98,

DECRETO-LEI N.º 94-D/98, DECRETO-LEI N.º 94-D/98, de 17 de Abril Fundo de Apoio ao Estudante Ao definir as bases gerais do financiamento do ensino superior público, a Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro, veio criar, enquadrando-o

Leia mais

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Contextualização Para a operacionalização dos Programas de Segurança Social Básica o MMAS conta com O Instituto Nacional de Acção

Leia mais

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CARTA DE AUDITORIA INTERNA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 1. OBJETIVO Pelo Despacho n.º 9/2014, de 21 de novembro, do Diretor-Geral da Administração da Justiça

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML

Regulamento de Atribuição de Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML Sessão de Capacitação Apoios Financeiros para a área social João Boavida - Maio 2013 Entrou em vigor em Fevereiro de 2009 com os seguintes objetivos: Sistematização

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 28 de maio de 2015. Série. Número 79

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 28 de maio de 2015. Série. Número 79 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 28 de maio de 2015 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 3/2015/M Aprova a orgânica da Secretaria Regional

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SIADAP) (Versão consolidada) 4

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SIADAP) (Versão consolidada) 4 SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SIADAP) Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, alterada pelas Leis n.º s 64-A/2008, de 31 de dezembro 1, 55-A/2010, de 31

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 34/2012 Orgânica dos Serviços de Apoio dos Tribunais Os Serviços de Apoio dos Tribunais destinam-se a assegurar os serviços administrativos do Tribunal

Leia mais

MESTRADO EM CONTABILIDADE 2006-2007

MESTRADO EM CONTABILIDADE 2006-2007 MESTRADO EM CONTABILIDADE 2006-2007 PROGRAMA DAS DISCIPLINAS 1 DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 1º TRIMESTRE Financial Reporting e Normas Internacionais - Harmonização contabilística internacional - Estrutura

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

ESTATUTOS. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda.

ESTATUTOS. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda. Capital Social 3.562.000,00 NIF. 502 814 063 Registada na Conservatória do Registo Comercial de Loures sob o nº 0001/920522 1 CAPÍTULO

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal

Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal Lisboa, 25 de Julho de 2105 Sessão de abertura (agradecimentos; este seminário

Leia mais

SERVIÇOS PARTILHADOS. O caso da Universidade do Porto. Apresentação de j.m.coelho 06 de fevereiro de 2015

SERVIÇOS PARTILHADOS. O caso da Universidade do Porto. Apresentação de j.m.coelho 06 de fevereiro de 2015 SERVIÇOS PARTILHADOS Inovar com Valor* O caso da Universidade do Porto Apresentação de j.m.coelho 06 de fevereiro de 2015 1 Os Serviços Partilhados Na Universidade do Porto 2 Universidadedo Porto FLUP

Leia mais