CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA - UBM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA - UBM"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA - UBM NECROCHORUME E A CONTAMINAÇÃO DO MEIO AMBIENTE: UMA PESQUISA SOBRE A POLUIÇÃO CAUSADA PELOS CEMITÉRIOS AOS LENÇÓIS FREÁTICOS NOS MUNICÍPIOS DE BARRA MANSA E VOLTA REDONDA ORIENTADOR: PROFESSOR DOUTOR DAVID AUGUSTO FERNANDES 1 Alunos envolvidos: DÉBORA RIBEIRO SÁ FREIRE CO PEDRO HENRIQUE BATISTA DOS SANTOS - CO Professor do Centro Universitário de Barra Mansa. 2 Aluna do Centro Universitário de Barra Mansa Cicuta. 3 Aluno do Centro Universitário de Barra Mansa Cicuta.

2 INTRODUÇÃO Esta pesquisa aborda a preocupação com o meio ambiente, especificamente quanto à contaminação provocada nos cemitérios, por meio da decomposição dos corpos ali sepultados, sem que hajam sido atendidas as normas do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) para a implantação dos cemitérios sustentáveis, cujo prazo para a adequação expirou em O necrochorume é um produto da decomposição dos corpos que pode contaminar o lençol freático em locais onde não foram atendidas as resoluções do CONAMA. Tal contaminação é danosa à saúde dos animais, do homem e da flora, havendo, na Lei de Crimes Ambientais, previsão de sanções aplicáveis a quem não obedecer a este regramento. Diante da gravidade da situação para o equilíbrio ecológico da região a ser investigada, o presente projeto tem por objeto o estudo das áreas ocupadas pelos cemitérios nos municípios de Barra Mansa e Volta Redonda, visando a verificar se as resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) estão sendo cumpridas pelos administradores dos cemitérios existentes nos dois municípios, bem como se o poder público está promovendo a fiscalização para tal implantação, tendo em vista que a contaminação dos lençóis freáticos pelo necrochorume é causador de várias doenças às populações limítrofes a estes cemitérios.

3 DESENVOLVIMENTO A escolha do tema para esta pesquisa a ser desenvolvida no Curso de Direito do Centro Universitário de Barra Mansa, justifica-se plenamente pela gravidade do problema e pela necessidade de apontar possíveis soluções para controlá-lo. É imperioso assegurar um meio ambiente sadio, tanto para a flora como a fauna ali existente e principalmente para as populações que circundam os cemitérios nestes municípios. Verifica-se que o tema não está circunscrito ao estado do Rio de Janeiro, havendo casos de contaminação em outros estados do País, motivo pelo qual o CONAMA editou as resoluções para resolver este problema. Diante destas resoluções, deveria haver o empenho dos órgãos ambientais para que todos os cemitérios estejam adequados à orientação do órgão ambiental. Silva; Malagutti Filho salientam que o hábito de enterrar os mortos, ou cobri-los com pedras, existe desde a pré-história, de acordo com registros arqueológicos. Há evidência de que comunidades neandertais enterravam seus mortos. Entretanto, os cemitérios terrenos destinados apenas ao sepultamento dos mortos teriam sido implantados pelos primeiros cristãos. As palavras cemitério e necrópole têm origem grega. A primeira vem de koumetèrian (que significa dormitório), enquanto necrópole deriva de necropolis (cidade da morte ou cidade dos mortos). Já a palavra cadáver, que faz parte do mesmo contexto, tem origem latina e significa carne dada aos vermes, o que traduz o destino dessa matéria orgânica 4. Relatos históricos evidenciam que o ato de cremar os mortos era comum na Grécia antiga, em especial como resultado de guerras, quando a maioria das vítimas fatais em batalhas passava por esse processo. Já os escandinavos adotaram essa prática por motivos religiosos. Para esses povos, apenas com a 4 SILVA, Robson Willians da Costa; MALAGUTTI FILHO, Walter. Fontes Potenciais de Contaminação. Revista Ciência Hoje, v. 44, n. 263, p Disponível em: <http://cienciahoje.uol.com.br/revista-ch/263/pdf_aberto/cemiterios263.pdf/at_download/file>. Acesso em: 6 set

4 cremação a alma do morto estaria em liberdade 5. Os romanos determinavam que os mortos fossem ser enterrados fora dos limites da cidade. Nos primeiros séculos da Era Cristã foi introduzido o termo cemitério, dado pelos primeiros cristãos aos terrenos destinados à sepultura de seus mortos. Os cemitérios ficavam geralmente longe das igrejas, fora dos muros da cidade: a prática do sepultamento nas igrejas e respectivos adros era desconhecida no início da Era Cristã. Já na França, em 1737, uma comissão de médicos formada pelo Parlamento de Paris recomendou mais cuidado nas sepulturas e decência na manutenção dos locais onde os mortos eram enterrados. Neste mesmo período, o abade francês Charles-Gabriel Porée publicou um texto condenando os enterros em igrejas e propondo a criação de cemitérios fora das cidades. A partir daí, autoridades de países e cidades da Europa passam a proibir sepultamentos nas igrejas e a promover a instalação de cemitérios, para que os enterros ocorressem ao ar livre e longe do perímetro urbano 6. A partir do século XVIII se verifica a falta de espaço para os sepultamentos nos adros das igrejas e até mesmo nos limites das cidades. Os esquifes se acumulavam, causando poluição e doenças mortais, tornando altamente insalubres as proximidades dos templos. Em 1801, o príncipe regente D. João VI proibiu em Portugal os sepultamentos em igrejas, sendo tal decisão repassada às suas colônias, entre elas o Brasil. Em 1828, esta recomendação tornou-se lei no Império, com uma diferenciação: que os cemitérios estivessem longe da cidade. Em 1855, foi editada na Inglaterra uma lei para regulamentar os sepultamentos que passaram a ser feitos fora do centro urbano. A prática da cremação, cada vez mais frequente, permitiu dar destino aos corpos de maneira mais compatível com as normas sanitárias. Antes do século XIX, era costume no Brasil que os mortos da nobreza rural e da burguesia urbana fossem sepultados nas igrejas, nos conventos e nas capelas particulares e os pobres em áreas próximas à própria residência. 5 KEMERICH, Pedro; UCKER, Fernando Ernesto; BORDA,Willian F. de. Cemitérios como fonte de contaminação ambiental. Disponível em: <http://www2.uol.com.br/sciam/artigos/cemiterios_como_fonte_de_contaminacao_ambiental_im primir. htmld>. Acesso em: 29 ago SILVA, Robson Willians da Costa; MALAGUTTI FILHO, Walter, op. cit., p. 26.

5 Não se usavam caixões e o corpo era envolto em mortalha e conduzido numa padiola até o local de descanso. 7 Essa prática provocou uma aproximação perigosa entre os cadáveres, muitos vitimados por doenças contagiosas, e os vivos, aumentando significativamente a disseminação dos agentes patogênicos de epidemias como o tifo, a peste bubônica e outras. Na época, o tipo de sepultamento predominante era a inumação, processo simplificado com o simples recobrimento dos corpos com terra em profundidade que variava de um a dois metros. A construção de cemitérios públicos a partir do século XIX foi uma inovação urbana, motivada pela industrialização das cidades. Nestes locais altamente populosos, a urbanização exigiu dos gestores públicos um maior cuidado com a higiene e a salubridade, inibindo a contaminação causada pelo contato direto com os corpos em decomposição, fato que no passado era causador de várias moléstias, em face do contato direto com os mortos. Verifica-se, a partir daí, uma maior preocupação com os vivos, em detrimento de uma reverência exagerada aos mortos. Observe-se que só em 1998 a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um relatório afirmando que os cemitérios poderiam causar impactos ao ambiente, com a liberação de substâncias orgânicas e inorgânicas e de micro-organismos patogênicos para o solo e os lençóis freáticos 8. Em trabalho desenvolvido por Alberto Pacheco em três cemitérios dos municípios de São Paulo e de Santos, foi constatada a contaminação do aquífero freático, por inundação no solo, por microrganismos - coliformes totais, coliformes fecais, estreptococos fecais, clostrídios sulfito-redutores e outros oriundos da decomposição dos corpos sepultados 9. No trabalho desenvolvido, no final de 2010, por Mello; Tudor; Bernadino verifica-se, com base nas pesquisas e no questionário realizado em sete dos nove cemitérios existentes na Cidade de Campinas, no estado de São Paulo baseando-se na legislação CONAMA nº 335/2003 e nº 402/2008, pode-se observar que, à época, nenhum deles possuía licença ou adequação 7 Disponível em:<www.ars.com.br/projetos/ibrasil/1999>. Acesso em: 29 ago SILVA, Robson Willians da Costa; MALAGUTTI FILHO, Walter, op. cit., p PACHECO, Alberto. Como os cemitérios podem contaminar as águas subterrâneas Disponível em: <http://www.igc.usp.br/index.php?id=316>. Acesso em: 7 set

6 ambiental. Dos cemitérios investigados, apenas 71% são fiscalizados pela Secretária da Saúde, numa média de três vezes ao mês, e comportam a área de fundo com distância mínima de 1,5 metros. Continuam as autoras informando que: Em todos há presença de água subterrânea, ocorrendo, somente, análise de água em 43% do total dos cemitérios, sendo essa mesma porcentagem válida para a quantidade de cemitérios que têm sepulturas preparadas para trocas gasosas com o solo. As análises de solo ocorreram em apenas 29% dos cemitérios, pois não são realizadas com frequência. Não há índices significativos de cemitérios que fazem a coleta de necrochorume, ou efeito de coliquação. Além disso, foi constatado que algumas pessoas já observaram um liquido (suposto necrochorume) escorrendo da parte vertical de um dos cemitérios estudado, idêntica situação foi observada escorrendo do muro para o lado de fora de outro cemitério público pesquisado. Quando a instalação cemitério obedece à resolução do CONAMA constata-se que os níveis de contaminação pelo necrochorume são quase inexistentes, estando o cadáver após dois metros do solo em relação ao lençol freático, uma vez que o próprio solo funciona como um filtro, devendo o corpo permanecer por um período mínimo de três anos em atendimento à legislação vigente, a fim de ocorrer nesse período a decomposição completa do corpo. Com base na descrição de Mello; Tudor; Bernadino, se verifica que a sequência da decomposição do cadáver ocorre da seguinte forma: a) Período de Coloração quando a putrefação se inicia com a manifestação das bactérias intestinais (enterobactérias), do tipo saprófitas, em meio anaeróbico. Exterioriza-se através de manchas verdes a altura da fossa ilíaca, onde de acumulam gases no começo, se difundido posteriormente pelo abdômen, tórax, cabeça e membros. A coloração verde dos tegumentos deve-se a reação do gás sulfídrico com a hemoglobina, formando a sulfometemoglobina. O ceco, porção inicial do intestino grosso, é onde ocorre maior acúmulo de gases, que por estar muito próximo da parede abdominal da fossa ilíaca direta, determina o aparecimento da mancha verde abdominal. O tempo de aparecimento das manchas está condicionado a diversos fatores relacionados ao próprio corpo e ao meio externo. Este primeiro período pode durar até sete dias, sendo mais moroso nos cadáveres inumados dos que conservados ao ar livre. Os fatores intrínsecos (pertinentes ao próprio corpo, tais como: idade, constituição física e causa-mortis) e extrínsecos (pertinentes ao ambiente onde o corpo foi depositado: temperatura, umidade, aeração, constituição mineralógica e permeabilidade) influem no tempo necessário para o surgimento da referida mancha. Desenvolvem-se mais lentamente nos cadáveres inumados do que nos conservados ao ar livre, sendo mais rápida na água.

7 b) Período Gasoso, nesta fase os gases originados na cavidade abdominal começam a se difundir por todo o corpo, originando a formação de bolhas cheias de líquido nos tegumentos e a um enfisema putrefativo facilmente visível. Em decorrência do acúmulo desses gases, o corpo vai se avolumando, ficando com aspecto de gigantismo devido à forte pressão dos gases putrefativos, o sangue já alterado é propelido para a periferia, ficando os vasos desenhados nos tegumentos. Por fim, dada a força dos gases, pode-se desencadear o fenômeno de ruptura das paredes abdominais. c) Período Coliquativo, possuindo também a denominação de fase humorosa, é quando se dá a dissolução pútrida, com a formação de um líquido denso e escuro, o necrochorume. As partes moles têm seu volume reduzido devido à desintegração dos tecidos. Os gases se exalam, ficando o corpo reduzido a uma massa de odor fétido, perdendo pouco a pouco a sua forma. Nesse período, além dos micro-organismos putrefativos, há grande participação de larvas de insetos em quantidade, que concorrem na destruição do cadáver. Esse período tem duração de 6 a 8 meses após o sepultamento, numa faixa de temperatura de 18 a 25 C, a depender das condições de resistência do corpo e da agressividade do meio externo. A ação continuada das bactérias, insetos e ácaros, em conjunto com as condições ambientais, reduz consequentemente o volume e conduz a matéria orgânica ao estado pulverulento, deixando livre o esqueleto (ossos limpos). d) Período de Esqueletização, onde o resíduo de matéria orgânica dos ossos costuma liberar o fósforo sob a forma de fosfina, que reage com o oxigênio atmosférico, dando origem a um fenômeno luminoso de curtíssima duração e de observação fortuita, conhecido como fogo fátuo. Os cabelos e ossos podem resistir por muitos anos. Os ossos podem resistir por dezenas de anos, perdendo a sua estrutura e resistência, com a extinção da osseína1, ficando presente apenas o carbonato de cálcio - CaCO3 (porção mineral), tornando-se friáveis, frágeis, quebradiços e mais leves. Em geral, ao ser desmontado o esqueleto, a massa cadavérica é reduzida a 18 ou 20 kg decorridos dois anos e meio a três anos de sepultamento. Esse período pode durar de vários meses a vários anos, dependendo das condições do meio. Quando da ocorrência de fenômenos conservativos (saponificação ou umidificação), não se completará a destruição do corpo. Os resíduos provenientes do processo de exumação e limpeza dos ossos (restos de cabelo, roupas e caixão), serão dispostos em um pequeno forno a fim de se realizar a sua cremação, vale ressaltar que estes fornos dispõem de filtros, não permitindo, portanto a contaminação do ar pela emissão de particulados provenientes desse processo 10. Verifica-se que as resoluções do CONAMA fornecerem as diretrizes para uma política eficiente de planejamento e gestão ambiental dos cemitérios que devem ser seguidas pelos administradores dos cemitérios. 10 MELO, Daniela Bueno de; TUDOR, Fernanda; BERNADINO, Viviane Neris. Projeto Cemitérios Sustentáveis. Disponível em: <http://www.mundodakeka.com.br/.../projetocemiteriossustentaveis.pdf>. Acesso em: 31 jul

8 O sepultamento de cadáveres gera fontes de poluição para o meio físico, através da contaminação do lençol freático, onde não houve uma adequação das resoluções do CONAMA quanto à criação de cemitérios sustentáveis e, por isso, deve ser considerado como atividade causadora de impacto ambiental. Os autos de infrações poderão ser aplicados, caso não ocorra à adequação as Resoluções do CONAMA, assim como no aspecto penal, caso haja a comprovação de crime ambiental. A presente pesquisa visa a investigar até que ponto as resoluções do CONAMA para implantação de cemitérios sustentáveis foram iniciadas nos municípios sob análise, quando serão determinadas quais as possíveis causas impeditivas para sua concretização, bem como se foi constatada a contaminação por necrochorume nos lençóis freáticos existentes sob o solo do cemitério, onde serão avaliadas as atuações dos órgãos municipais e estadual, assim como da administração dos cemitérios. A pesquisa é feita de forma qualitativa, na qual consta inicialmente a verificação do acervo bibliográfico oferecido pela legislação, revistas especializadas e demais veículos de comunicação que oferecem subsídios sobre o tema. Cabe destacar a realização de pesquisa de campo, mediante a qual são entrevistados os responsáveis pelos cemitérios públicos e particulares para saber se as resoluções do CONANA já foram postas em prática ou estão em via de implantação. Também serão feitas entrevistas com a população circunvizinhas aos cemitérios pesquisados, objetivando saber se houve algum tipo de contaminação pelos produtos oriundos do necrochorume. O universo do presente estudo são os cemitérios instalados nos municípios de Barra Mansa e Volta Redonda. A população-alvo estudada é formada pelos moradores dos arredores dos cemitérios em estudo. A pesquisa atualmente está concentrada na entrevista dos administradores dos cemitérios, nas cidades acima mencionadas, visando delinear se as resoluções do CONAMA estão efetivamente implantadas, em implantação ou não foram implantadas. Fase posterior será a entrevista com os moradores da circunvizinhança dos cemitérios pesquisados, com o fito de saber se houve algum tipo de

9 contaminação por vazamento dos produtos de decomposição dos corpos ou por mau acondicionamento dos ossos dos corpos ali sepultados. CONCLUSÃO Até o presente momento não temos como afirmar que os cemitérios das cidades de Barra Mansa e Volta Redonda estejam adequados as resoluções do CONAMA, visto que a pesquisa encontra-se em desenvolvimento. Assim como no que tange a contaminação dos moradores das áreas circunvizinhas aos cemitérios tenham ou não sido contaminados pelos produtos da decomposição dos corpos. Tal analise só poderá ser aferida após a conclusão final da pesquisa. REFERÊNCIAS BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Planalto. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 de setembro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm>. Acesso em: 30 ago Lei nº de 12 de fevereiro de Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Planalto. Brasília, DF, Diário Oficial da União, 17 de fevereiro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9605.htm>. Acesso em: 4 set CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal: legislação penal especial. 6. ed. São Paulo: Saraiva, v. 4. CONAMA. Resolução nº 237/1997. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res97/res23797.html>. Acesso em: 30 ago Resolução nº 335/2003. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res03/res33503.xml>. Acesso em: 7 set KEMERICH, Pedro; UCKER, Fernando Ernesto; BORDA,Willian F. de. Cemitérios como fonte de contaminação ambiental. Disponível em: <http://www2.uol.com.br/sciam/artigos/cemiterios_como_fonte_de_contaminac ao_ambiental_imprimir.htmld>. Acesso em: 29 ago

10 LEITE, Eliane Brandão. Análise físico-química e bacteriológica da água de poços localizados próximo ao cemitério da Comunidade de Santana, Ilha de Maré, Salvador-BA. Candombá Revista Virtual, v. 5, n. 2, p , jul./dez Disponível em: <http://www.revistas.unijorge.edu.br/candomba/2009- v5n2/.../...>. Acesso em: 31 jul MAASTRICHT. Disponível em: <europa.eu/.../treaties_maastricht_pt.htm>. Acesso em: MELO, Daniela Bueno de; TUDOR, Fernanda; BERNADINO, Viviane Neris. Projeto Cemitérios Sustentáveis. Disponível em: <http://www.mundodakeka.com.br/.../projetocemiteriossustentaveis.pdf>. Acesso em: 31 jul SILVA, Leziro Marques. Cemitérios: fonte potencial de contaminação do lençol freático. São Paulo: Universidade São Judas Tadeu/Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas, SILVA, Robson Willians da Costa; MALAGUTTI FILHO, Walter. Fontes potenciais de contaminação. Revista Ciência Hoje, v. 44, n. 263, p Disponível em: <http://cienciahoje.uol.com.br/revistach/263/pdf_aberto/cemiterios263.pdf/at_ download/ file>. Acesso em: 6 set

Robson Willians da Costa Silva e Walter Malagutti Filho Departamento de Geologia Aplicada, Universidade Estadual Paulista (Rio Claro, SP)

Robson Willians da Costa Silva e Walter Malagutti Filho Departamento de Geologia Aplicada, Universidade Estadual Paulista (Rio Claro, SP) GEOLOGIA Cem A falta de medidas de proteção ambiental no sepultamento de corpos humanos em covas abertas no solo, ao longo dos últimos séculos, fez com que a área de muitos cemitérios fosse contaminada

Leia mais

O EFEITO DO NECROCHORUME NO MEIO AMBIENTE E SUA IMPUTAÇÃO PENAL TTHE ASCRIPTIONS OF NECROCHORUME EFFECT IN ENVIRONMENTAL

O EFEITO DO NECROCHORUME NO MEIO AMBIENTE E SUA IMPUTAÇÃO PENAL TTHE ASCRIPTIONS OF NECROCHORUME EFFECT IN ENVIRONMENTAL O EFEITO DO NECROCHORUME NO MEIO AMBIENTE E SUA IMPUTAÇÃO PENAL TTHE ASCRIPTIONS OF NECROCHORUME EFFECT IN ENVIRONMENTAL David Augusto Fernandes 1 Doutor em Direito Sociedade Barramansense de Ensino Superior/Centro

Leia mais

CONSIDERANDO que a proteção do meio ambiente é um dever do Poder Público, conforme dispõe o art. 225, 1º, da Constituição Federal do Brasil;

CONSIDERANDO que a proteção do meio ambiente é um dever do Poder Público, conforme dispõe o art. 225, 1º, da Constituição Federal do Brasil; RESOLUÇÃO Nº 019/04- SEMA O Secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 10.066, de 27.07.92, Lei nº 11.352, de 13.02.96, Lei nº

Leia mais

Disciplina: Sociedade, Meio Ambiente e Cidadania

Disciplina: Sociedade, Meio Ambiente e Cidadania Armazenamento de lixo urbano em Lixões e Aterros Sanitários: Contaminação do solo, proliferação de macro e micro vetores e contaminação do lençol freático Disciplina: Sociedade, Meio Ambiente e Cidadania

Leia mais

PARECER JURÍDICO ASSUNTO: REMOÇÃO DE CATACUMBAS, MUDANÇA E REESTRUTURAÇÃO DO CEMITÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DA CIDADE DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA.

PARECER JURÍDICO ASSUNTO: REMOÇÃO DE CATACUMBAS, MUDANÇA E REESTRUTURAÇÃO DO CEMITÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DA CIDADE DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA. ASSUNTO: REMOÇÃO DE CATACUMBAS, MUDANÇA E REESTRUTURAÇÃO DO CEMITÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DA CIDADE DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA. INTERESSADO: PROGRAMA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL Por atividade RESOLUÇÃO CONAMA nº 335 de 2003

LICENCIAMENTO AMBIENTAL Por atividade RESOLUÇÃO CONAMA nº 335 de 2003 RESOLUÇÃO CONAMA nº 335, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 101, de 28 de maio de 2003, Seção 1, páginas 98-99 Correlações: Alterada pela Resolução CONAMA n o 368/06 (alterados os arts. 3 o e 5

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

Estado do Amazonas Câmara Municipal de Manaus Gabinete do Vereador Ewerton Campos Wanderley

Estado do Amazonas Câmara Municipal de Manaus Gabinete do Vereador Ewerton Campos Wanderley PROJETO DE LEI Nº. 091/2016 Institui a prática de cremação de cadáveres e incineração de restos mortais, e a instalação de fornos incineradores destinados a esta atividade na cidade de Manaus, e dá outras

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011 (Do Sr. Neri Geller) Susta os efeitos dos dispositivos que cita do Decreto 6.514, de 22 de julho de 2008, o qual dispõe sobre as infrações e sanções administrativas

Leia mais

MARCAS AMBIENTAIS RESULTANTES PELA INSTALAÇÃO DE TUMULAÇÕES

MARCAS AMBIENTAIS RESULTANTES PELA INSTALAÇÃO DE TUMULAÇÕES MARCAS AMBIENTAIS RESULTANTES PELA INSTALAÇÃO DE TUMULAÇÕES Daurélio Barbosa Rocha 1 Osmar Mendes Ferreira 2 Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental Av. Universitária,

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 6 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ Autores : Nathan Willian DOS SANTOS, Thayna HACK, Daniel Ferreira de Castro FURTADO Identificação autores: Aluno

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Lei Municipal n.º 15.645/92

Lei Municipal n.º 15.645/92 Lei Municipal n.º 15.645/92 Lei publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 20/06/92 Ementa: Disciplina o uso dos cemitérios e os serviços Funerários do Município do Recife e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

DECRETO Nº 27.989, de 25 de maio de 2007

DECRETO Nº 27.989, de 25 de maio de 2007 DECRETO Nº 27.989, de 25 de maio de 2007 REGULAMENTA O ESTABELECIMENTO E FUNCIONAMENTO DOS CEMITÉRIOS PARTICULARES DE ANIMAIS. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

I-117 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO COMPORTAMENTO DO AQÜÍFERO FREÁTICO NO CEMITÉRIO SÃO MIGUEL DO MUNICÍPIO DE PALMAS

I-117 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO COMPORTAMENTO DO AQÜÍFERO FREÁTICO NO CEMITÉRIO SÃO MIGUEL DO MUNICÍPIO DE PALMAS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina I-117 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO COMPORTAMENTO DO AQÜÍFERO FREÁTICO NO CEMITÉRIO SÃO MIGUEL

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Washington Reis) Dispõe sobre limpeza e inspeção de ar condicionado central, na forma que menciona. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º É obrigatória a realização anual

Leia mais

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007).

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007). II-156 - AVALIAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOS BAIRROS JARDIM NOVO ENCONTRO, MARIA GORETTI E PIRANGA EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL - UNIVASF Julliana Melo

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS 1 João Lopes da Silva Neto; 2 Juciery Samara Campos Oliveira; 3 Thayana Santiago Mendes; 4 Geovana do Socorro Vasconcelos Martins 1 (AUTOR) Discente

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. Dispõe sobre recomendação da adoção de diretrizes para integração do processo de licenciamento pelos Corpos de Bombeiros Militares pertinente à prevenção

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

A cremação e suas implicações jurídicas:

A cremação e suas implicações jurídicas: A cremação e suas implicações jurídicas: 1.Introdução e considerações iniciais Tendo em vista a crescente procura pelo serviço de cremação no município do Rio de Janeiro e em todo o Brasil, e o grande

Leia mais

Análise Físico-Química de águas próximas ao cemitério do Tapanã e o processo ensino aprendizagem das Ciências

Análise Físico-Química de águas próximas ao cemitério do Tapanã e o processo ensino aprendizagem das Ciências INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ - IFPA Análise Físico-Química de águas próximas ao cemitério do Tapanã e o processo ensino aprendizagem das Ciências ORIENTADOR: SADY SALOMÃO

Leia mais

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES]

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO CENTRO-LESTE COORDENAÇÃO REGIONAL DE MEIO AMBIENTE [REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] DATA DE EMISSÃO: MARÇO/2011 ELABORADOR(ES):

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 Avaliação de Desempenho Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 A série de normas NBR ISO 14000 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DESEMPENHO AMBIENTAL 14001:2004 e 14004:2005 14031:2004 (Versão corrigida

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

ANEXO IV NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

ANEXO IV NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ANEXO IV NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA A) OBJETIVO Diretrizes ambientais a serem seguidas durante os trabalhos de manutenção de redes de transmissão de

Leia mais

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria²

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² 434 SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE INDIANA-SP Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS- SEMARH CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CEMA

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS- SEMARH CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CEMA RESOLUÇÃO CEMA Nº 33/2014 de 25 de Julho de 2014. Dispõe sobre o licenciamento ambiental e regularização de cemitérios, estabelece condições e dá outras providências. O Conselho Estadual do Meio Ambiente

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná LEI Nº 12493-22/01/1999 Publicado no Diário Oficial Nº 5430 de 05/02/1999. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes a geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte,

Leia mais

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS Soluções Tecnoecológicas com ozônio APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS A BrasilOzônio Localizada no CIETEC/USP Mais de 5 anos de pesquisa; Parcerias com especialistas e grandes centros tecnológicos do país como

Leia mais

DECRETO Nº 12.009, DE 30 DE MARÇO DE 2005

DECRETO Nº 12.009, DE 30 DE MARÇO DE 2005 DECRETO Nº 12.009, DE 30 DE MARÇO DE 2005 Regulamenta a Lei 9.048 de 14 de janeiro de 2005, que "Autoriza a outorga de concessão ou permissão de serviço crematório nos casos que menciona e dá outras providências".

Leia mais

VI-010 - PRESENÇA DE CONTAMINAÇÃO EM ÁREAS DE CEMITÉRIO, APÓS SUA DESATIVAÇÃO: ESTUDO DE CASO DO CEMITÉRIO DO BENGUÍ. BELÉM - PARÁ.

VI-010 - PRESENÇA DE CONTAMINAÇÃO EM ÁREAS DE CEMITÉRIO, APÓS SUA DESATIVAÇÃO: ESTUDO DE CASO DO CEMITÉRIO DO BENGUÍ. BELÉM - PARÁ. VI-010 - PRESENÇA DE CONTAMINAÇÃO EM ÁREAS DE CEMITÉRIO, APÓS SUA DESATIVAÇÃO: ESTUDO DE CASO DO CEMITÉRIO DO BENGUÍ. BELÉM - PARÁ. Vera Nobre Braz (1) Química Industrial, Mestre em Geoquímica pelo Centro

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

UFU 2014 Geografia 2ª Fase

UFU 2014 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 1 (Geopolítica) A região representada no mapa conta com quase dois terços das reservas mundiais de petróleo. Nas últimas décadas, o controle sobre essas fontes de petróleo foi a principal causa

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul PROMOTORIA DE JUSTIÇA CÍVEL DE ERECHIM

Ministério Público do Rio Grande do Sul PROMOTORIA DE JUSTIÇA CÍVEL DE ERECHIM Procedimento n.º INQUÉRITO CIVIL: 00763.00041/2014 Investigada: ASSOCIAÇÃO CULTURAL E INDUSTRIAL DE ERECHIM TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA No dia 18 de novembro de 2014, o MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 400, de 21 de março de 2013. DISPÕE SOBRE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL E VEGETAL NO MUNICIÍPIO DE IPIRANGA DO NORTE-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15%

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15% OS IMPACTOS DAS FOSSAS SÉPTICAS NO AMBIENTE E NO DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL DOS ALUNOS DA ESCOLA MARIA IRANY RODRIGUES DA SILVA NO BAIRRO NOVA CANAÃ, NOVA IPIXUNA-PARÁ. Jordana Neta Vicente (1); Douglas

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Tecnologia EM no Meio Ambiente

Tecnologia EM no Meio Ambiente Tecnologia EM no Meio Ambiente Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar a amenizar impactos ambientais. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila:

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila: Universidade Estadual Paulista Campus de e Dracena Curso Zootecnia Disciplina: Solos Composição do Solo Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Introdução O Solo é composto por três fases: Sólido (matéria orgânica

Leia mais

REGULAMENTO DOS CEMITÉRIOS MUNICIPAIS ÍNDICE GERAL CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS

REGULAMENTO DOS CEMITÉRIOS MUNICIPAIS ÍNDICE GERAL CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS REGULAMENTO DOS CEMITÉRIOS MUNICIPAIS ÍNDICE GERAL Lei Habilitante CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E NORMAS DE LEGITIMIDADE CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS Secção I Disposições Gerais Secção

Leia mais

CEMITÉRIOS: FONTES POTENCIAIS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CEMITÉRIOS: FONTES POTENCIAIS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CEMITÉRIOS: FONTES POTENCIAIS DE IMPACTOS AMBIENTAIS Rosiane Bacigalupo Estudante do Curso de Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro rosianebauer@hotmail.com INTRODUÇÃO Após o óbito o corpo

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: Cemitério, necrochorume, contaminação e lençol freático. ABSTRACT

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: Cemitério, necrochorume, contaminação e lençol freático. ABSTRACT AS CONSEQUÊNCIAS SANITÁRIAS OCORRIDAS PELA CONTAMINAÇÃO DO LENÇOL FREÁTICO POR NECROCHORUME: UM ESTUDO DE CASO NO CEMITÉRIO SÃO SEBASTIÃO EM ARIQUEMES-RO 1 RESUMO MS. Aparecido Silverio Labadessa 2 Cristiane

Leia mais

PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE CARACTERIZAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DO LENÇOL FREÁTICO POR NECROCHORUME.

PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE CARACTERIZAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DO LENÇOL FREÁTICO POR NECROCHORUME. PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE CARACTERIZAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DO LENÇOL FREÁTICO POR NECROCHORUME. ADRIANO M. DE ALMEIDA Bacharelando em Química JORGE ANTÔNIO BARROS DE MACÊDO (*) Professor/Orientador Professor

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL Nº 4/99 MEDIDAS COMPLEMENTARES DE LUTA CONTRA A ENCEFALOPATIA ESPONGIFORME BOVINA (BSE)

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL Nº 4/99 MEDIDAS COMPLEMENTARES DE LUTA CONTRA A ENCEFALOPATIA ESPONGIFORME BOVINA (BSE) DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL Nº 4/99 MEDIDAS COMPLEMENTARES DE LUTA CONTRA A ENCEFALOPATIA ESPONGIFORME BOVINA (BSE) A adopção de medidas de protecção respeitantes à encefalopatia espongiforme bovina (BSE)

Leia mais

RESOLUÇÃO "SMO" Nº 791 DE 29 DE AGOSTO DE 2007

RESOLUÇÃO SMO Nº 791 DE 29 DE AGOSTO DE 2007 RESOLUÇÃO "SMO" Nº 791 DE 29 DE AGOSTO DE 2007 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Legislação em vigor, e tendo em vista o que consta

Leia mais

Atendimento a Emergência nas instalações das Faculdades de Química e Farmácia da Universidade Nacional Autônoma de Honduras - UNAH

Atendimento a Emergência nas instalações das Faculdades de Química e Farmácia da Universidade Nacional Autônoma de Honduras - UNAH Atendimento a Emergência nas instalações das Faculdades de Química e Farmácia da Universidade Nacional Autônoma de Honduras - UNAH 1. Introdução Desde 1978 a CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento

Leia mais

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Carga horária: 50 (cinqüenta) horas aula Requisitos para matrícula Ser maior de 21 anos; Estar habilitado em uma das categorias B,

Leia mais

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação USP Incineração Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 Deve seguir a Resolução CONAMA nº 316 de 2002 Processo cuja operação seja realizada acima

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Henrique Fontenele Klein

Henrique Fontenele Klein Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Administração Curso de Graduação em Administração à distância Henrique Fontenele Klein Monumentos à memória

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

O Mosquito Aedes aegypti

O Mosquito Aedes aegypti O Mosquito Aedes aegypti MOSQUITO A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é a fêmea, pois o macho apenas se alimenta de carboidratos extraídos

Leia mais

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções.

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções. Trate os problemas de pele mais comuns em bebês Pais devem ficam atentos a descamações, manchas e brotoejas Se existe uma característica comum a todos os bebês saudáveis, só pode ser a pele macia e sedosa,

Leia mais

ÁGUA QUE BEBEMOS: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO EM RELAÇÃO AOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO DE ÁGUA MINERAL EM SERGIPE, BRASIL.

ÁGUA QUE BEBEMOS: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO EM RELAÇÃO AOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO DE ÁGUA MINERAL EM SERGIPE, BRASIL. ÁGUA QUE BEBEMOS: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO EM RELAÇÃO AOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO DE ÁGUA MINERAL EM SERGIPE, BRASIL. Camilla Santos Almeida(*), Luana Gila Andrade, Nayara Gomes Cruz, Rafaella Santana Santos,

Leia mais

GRUPO V 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO V 2 o BIMESTRE PROVA A Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 8/6/2011 PROVA GRUPO GRUPO V 2 o BIMESTRE PROVA A Nome: Turma: Valor da prova: 3,0 Nota: Leia o texto e faça o que se pede a seguir. Filtro

Leia mais

Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!!

Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!! Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!! Universidade Federal de Lavras Núcleo de Estudos em Agroecologia e Permacultura-NEAP/DEG Eco Fossa, é uma

Leia mais

REGULAMENTO A ADMINISTRAÇÃO DO CEMITÉRIO JARDIM DAS ACÁCIAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO A ADMINISTRAÇÃO DO CEMITÉRIO JARDIM DAS ACÁCIAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO A ADMINISTRAÇÃO DO CEMITÉRIO JARDIM DAS ACÁCIAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. O presente ato disciplina o funcionamento do Cemitério Jardim das Acácias, bem como estabelece normas para os seus

Leia mais

RESÍDUOS PERIGOSOS. Autor: Nicolau Bello Email:- nicobelo@hotmail.com 1

RESÍDUOS PERIGOSOS. Autor: Nicolau Bello Email:- nicobelo@hotmail.com 1 RESÍDUOS PERIGOSOS Email:- nicobelo@hotmail.com 1 Autor:- Nicobelo@hotmail.com Resíduos Perigosos Resíduos Industriais Normas Ambientais Como Identificar Resíduos Perigosos? Tratamento de Resíduos Perigosos.

Leia mais