GT. Nº 8 A CIDADE: POLÍTICAS PÚBLICAS E OS TERRITÓRIOS DA POLÍTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GT. Nº 8 A CIDADE: POLÍTICAS PÚBLICAS E OS TERRITÓRIOS DA POLÍTICA"

Transcrição

1 GT. Nº 8 A CIDADE: POLÍTICAS PÚBLICAS E OS TERRITÓRIOS DA POLÍTICA A IMPORTÂNCIA DO CEMITÉRIO ENQUANTO OBJETO ARQUITETÔNICO E EQUIPAMENTO URBANO PARA A CIDADE XAVIER DE OLIVEIRA, José Maria 1 RESUMO Este artigo tem como principal objetivo abordar a questão dos cemitérios nos centros urbanos e sua importância arquitetônica e urbana no momento da concepção e implantação do mesmo. Em cidades cada vez mais aglomeradas pelo grande crescimento urbano, estes espaços devem ser planejados levando em consideração muito mais do que todos os mitos e subjetividades que o cercam, é preciso ir mais além, sem deixar de lado seu simbolismo e atentar para os impactos que este possa causar não só no seu entorno imediato, mas, de toda a cidade. O desenvolvimento do trabalho se deu através da compilação de material bibliográfico, que ainda é bem escasso sobre a temática abordada, e as legislações municipais, estaduais e federais que ditam parâmetros referentes a este tipo de equipamento. É sabido que existe muita resistência do ser humano quando o assunto é a morte, por isso, acaba existindo certa negligência, quando é preciso pensar nos espaços destinados a este fim e sua inserção na malha urbana. Percebe-se, que em centros urbanos cada vez mais adensados, áreas livres se tornam raras, e com a morfologia urbana sempre em processo de transformação, é preciso buscar alternativas arquitetônicas e morfológicas, pois, mesmo com novos pensamentos típicos de uma sociedade capitalista, os espaços cemiteriais e os sepultamentos continuam presentes na vida cotidiana, fazendo parte da paisagem urbana, e dificilmente se consegue mudar o uso e necessidade destes. Considera-se, a necessidade de planejar e projetar o cemitério, para que este seja usado não só na hora da morte, mas, também, durante o dia a dia dos vivos, buscando se pensar em novos usos para este equipamento. Os cemitérios podem ser considerados importantes elementos para constituir novas centralidades urbanas, e a partir de seus diferentes aspectos despertar, para o enfrentamento da questão das necrópoles dentro das cidades e o conjunto de recursos necessários ao encaminhamento sustentável das requisições sócio-ambientais, indo além do seu caráter simbólico, e tratá-lo como uma questão política e técnica da gestão urbana nas cidades. Palavras-chave: Espaços cemiteriais. Morte. Cemitérios. Inumação. Morfologia urbana. ABSTRACT This article aims to address the issue of cemeteries in urban areas and its architectural and urban importance when designing and implementing the same. In cities increasingly crowded by the great urban growth, these spaces should be planned taking into account much more than all the myths that surround and subjectivities, we must go further, without neglecting its symbolism and pay attention to the impacts that this can cause not only in their immediate surroundings, but the entire city. The development work was through the compilation of bibliographic material, which is still scarce on the 1 Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Ciências Tecnológicas Santo Agostinho FACET. 1

2 subject addressed, and local, state and federal laws that dictate parameters for this type of equipment. It is known that there is a lot of resistance from the human when it comes to death, so there just certain negligence, when you need to think about the spaces for this purpose and its insertion into the urban fabric. It is noticed that in increasingly dense urban centers, open spaces become rare, and always with the urban morphology in the transformation process, it is necessary to seek architectural and morphological alternatives, because even with new thoughts typical of a capitalist society, the cemeterial spaces and burials are still present in everyday life, part of the urban landscape, and can hardly change the use and need of these. Considered, the need to plan and design the cemetery, so that it is used not only in death, but also during the day to day of living, seeking to think of new uses for this equipment. Cemeteries can be considered important elements for establishing new urban centralities, and from its different aspects awakening, to address the issue of cemeteries within the town and the set of resources needed for sustainable socio-environmental forwarding requests, going beyond the symbolic character, and treat it as a political and technical issue of urban management in cities. Keywords: Spaces cemeteries. Death. Cemeteries. Burial. Urban morphology. 1. INTRODUÇÃO Desde o surgimento dos tempos e passando por todos os períodos da história, é fato que houve um enorme progresso e desenvolvimento em todos os campos da vida humana, sejam eles sociais, econômicos, ambientais, tecnológicos, políticos e filosóficos. E analisando vários momentos nas diferentes civilizações, sejam ocidentais ou orientais, das mais antigas até nossos dias, fica claro que cada cultura, de maneira particular, criou seus rituais e símbolos para recordar e respeitar seus mortos. A escolha do tema surgiu da necessidade de reconhecer o cemitério como importante objeto arquitetônico e equipamento urbano para a cidade, que de certa forma, vem sendo negligenciado em questões de espaço físico e exigências legais de funcionamento, mas, como qualquer outro, necessita de um planejamento e legislação específicos, e ainda instiga o imaginário humano, despertando o intuito de aprofundar-se no estudo e desenvolvimento da questão a respeito do tema. A principal dificuldade encontrada foi o levantamento de literatura sobre o tema, contribuindo ainda mais na escolha. Os cemitérios hoje existentes são, muitas vezes, construções de meados do século XIX, já não desempenham mais a sua finalidade básica que são as inumações 2 e, na sua maioria, já estão saturados, passando por diversos problemas, sendo preciso se atentar para todos os 2 Inumações (sepultamentos) 2

3 impactos que este tipo de equipamento urbano vem gerar não apenas no entorno imediato, mas em toda a cidade. Por isso, torna-se necessário analisar espacialmente os cemitérios existentes e sua funcionalidade, buscando novas concepções para a atualidade. O objetivo deste artigo é abordar a questão dos cemitérios nos centros urbanos e sua importância arquitetônica e urbana no momento da concepção e implantação do mesmo, na intenção de minimizar agravantes dos espaços com função cemiterial, e oferecer aos usuários uma estrutura física adequada aos conceitos da arquitetura funerária atual, atendendo às leis e regulamentações ambientais. Espera-se, do lugar um traçado contemporâneo, deixando para trás o cenário de dramaticidade dos cemitérios existentes, buscando manter parte da simbologia presente na morte e o caráter de monumento à memória dos mortos que os vivos, até os dias de hoje, procuram cultuar. E, também, despertar no meio acadêmico algum interesse sobre o assunto, pois é natural ao ser humano uma resistência sobre a temática da morte. É certo que a temática aqui abordada envolve muito mais que mitos e subjetividades, mas questões de extrema importância para o desenvolvimento e implantação de um equipamento urbano como o cemitério. Esses espaços devem ser pensados e planejados de forma a se integrarem à paisagem urbana, pois, dificilmente se consegue mudar o uso e necessidade destes. Assim é preciso buscar alternativas arquitetônicas e morfológicas, para que o cemitério seja usado não só na hora da morte, mas, também, durante a vida e, porque não, também cotidiana?! 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 A Origem da palavra cemitério e dos espaços cemiteriais A palavra cemitério origina-se do grego Koumetèrion: Que se referia ao local onde se dormia. Essa apropriação do termo ocorreu pela Igreja Católica (descanse em paz) onde o descanso do senhor morto foi feito na mansão dos mortos, até a ressurreição ao terceiro dia, usando a palavra do latim coemiterium. (REZENDE, 2007, p.12) Sobre as primeiras configurações dos espaços cemiteriais, sabe-se que estes surgiram a partir de dez mil anos antes de Cristo entre o período paleolítico e o neolítico, e sua morfologia 3

4 era composta por sepulturas agrupadas, túmulos individuais e coletivos como define Campos (2007). E assim: Em meio às andanças inquietas do homem paleolítico, os mortos foram os primeiros a ter uma morada permanente: uma caverna, uma cova assinalada por um monte de pedras, um túmulo coletivo. Constituíam marcos aos quais provavelmente retornavam os vivos, a intervalos, a fim de comungar com os espíritos ancestrais ou de aplacá-los. (MUMFORD,1998, p.13) Rezende (2007) afirma ainda que enquanto o homem pré-histórico circulava em busca de alimentos, os mortos ficavam alojados nas cavernas fazendo com que as cidades dos mortos precedessem à cidade dos vivos, e confirmando: A cidade dos mortos antecede a cidade dos vivos. Num sentido, aliás, a cidade dos mortos é a precursora, quase o núcleo, de todas as cidades vivas. A vida urbana cobre o espaço histórico entre o mais remoto campo sepulcral da aurora do homem e o cemitério final, a Necrópolis em que uma após outra civilização tem encontrado o seu fim. (MUMFORD, 1998, p. 13) 2.2 A morte para os diferentes povos De acordo com Rezende (2007, p ), na antiguidade, o destino dos mortos era muito diversificado. De acordo com cada povo, era dado um encaminhamento diferente aos mortos; além da terra, o fogo, a água e o ar eram elementos reservados aos cadáveres. E, para fundamentar a necessidade e importância do cemitério como equipamento urbano, verificou-se que, desde os tempos mais remotos, este já se fazia presente no cotidiano da vida humana das diversas civilizações. Dentre elas, destacam-se algumas como objeto de análise e estudo, e apresentadas a seguir O povo pré-histórico Na Europa, cerca de cinco mil anos antes de Cristo, o povo pré-histórico fazia uso de túmulos coletivos, também conhecidos como megálitos, que eram grandes blocos de pedras, possuíam uma arquitetura monumental e eram utilizados por determinada comunidade para sepultamentos contínuos e várias práticas mortuárias: inumação, incineração, mumificação e colocação de cadáveres comprimidos em potes, como, disse Campos (2007). 4

5 2.2.2 A civilização egípcia De acordo com Rezende (2007), os egípcios foram o que tiveram mais preocupação com a morte e o morto. O primeiro livro da humanidade atribuído à civilização egípcia tem, como temática a morte, falando de todo o processo que o morto passaria até a ressurreição. A grande maioria da população era enterrada nas areias do Saara em locais chamados de mastabas e os faraós nas grandes pirâmides em câmaras mortuárias sempre bem escondidas, entre inúmeras passagens e labirintos a fim de preservar bem o cadáver. Estes eram sempre enterrados junto a suas riquezas, despertando a atenção de ladrões e profanadores de túmulos. Mais tarde, essas edificações passaram a ser feitas de forma mais simples freando a ostentação e a ação de ladrões e deixando um alerta: os criadores da ostentação e da desigualdade social acabam se tornando prisioneiros e não há local onde eles possam se esconder. E a concepção da necrópole egípcia era formada por uma grande pirâmide real e pirâmides menores alinhadas em ruas ou dispersas, estas sempre destinadas aos nobres. Com o tempo, os túmulos tornaram-se subterrâneos, alguns sob a terra e outros em granito nas montanhas, como descreve Campos (2007), e esta ainda relata sobre as seguintes civilizações (2007): A civilização persa Os persas tinham nos mortos um espírito do mal, que trazia doenças e contaminava os elementos da natureza, por isso não queimavam, enterravam ou atiravam às águas o cadáver. Estes eram colocados sobre um lugar elevado e descoberto, preso por pedras e com a face voltada para o sol, onde os animais e aves devoravam o cadáver ali deixado e acreditavam que essa prática era uma forma de purificar o corpo do morto. Esses rituais foram praticados por muito tempo e, só nos primeiros séculos desta era, que adotaram o uso de túmulos para as inumações Os fenícios Esta civilização tinha na inumação seu principal ritual, apreciavam os belos túmulos com grandes câmaras cortadas em rochas, construíam urnas em pedras, tijolo, madeira ou barro, dotadas de tampas lisas e baixas, ou altas com a base mais larga. Para os rituais vulgares e sacrifícios faziam uso da cremação. 5

6 2.2.5 O povo judeu Os judeus tinham a inumação como ritual universal de sepultamento desde a época dos semitas. Os corpos eram enterrados em grutas naturais ou hipogeus (escavações) artificiais em forma de poços, recobertos por abóbadas. Já os que não tinham meios para construir esses tipos de túmulos eram sepultados em campo aberto, em valas comuns. Com o passar do tempo, o costume simplificou-se e os mortos passaram a ser enterrados envoltos em sudários ou mortalhas, dentro de caixões ou urnas, em covas abertas diretamente no solo. Uma vez ali enterrado, não era permitida a exumação do corpo, que permanece perpetuamente no local, identificado apenas por uma lápide Os chineses Devido à escassez de terrenos e seus altos preços, os chineses não recorriam às inumações e adotaram como costume a cremação entre as pessoas do povo e classe média, esta prática era contrária às tradicionais, mas propagou-se por toda a China, apesar da oposição dos poderes públicos. A adoção desse hábito teve motivação econômica e de concepção budista, assim os fornos crematórios eram situados dentro dos mosteiros budistas. Após a cremação, as cinzas eram espalhadas por frades nos pântanos ou recolhidas em potes de barros, que eram depositados em túmulos fora das muralhas das cidades, o que deu origem aos cemitérios públicos chineses Os árabes Os árabes, após os diversos rituais fúnebres, levavam o corpo para uma cova aberta diretamente no solo, com um tijolo sob a cabeça e outros dispostos à sua volta, formando uma espécie de abóbada sobre o cadáver. Um monumento de tijolos ou pedras indicava o lugar do corpo e por cima se gravava o nome do falecido, com idade, suas principais qualidades e data da morte, além do credo islâmico ou oração. Pessoas ricas e importantes construíam mausoléus. Os pensadores do século X criticavam a prática de depositarem os corpos diretamente na terra, acreditavam que os cadáveres infectavam o solo em vez de o adubarem e defendiam a cremação, como processo mais higiênico e inteligente. 6

7 2.2.7 Raças indo-européias Acreditavam na alma e achavam que ela permanecia perto dos homens, vivendo debaixo da terra, associada ao corpo na sepultura. Assim, os túmulos passaram a ser templos de divindades para culto aos antepassados. Ninguém tinha o direito de tirar o morto da terra que ocupava e o túmulo só podia ser mudado de lugar ou destruído com autorização de pontífices. Quem garantia o direito de propriedade não era as leis e sim a religião, por meio das sepulturas. Com o passar do tempo, os sepultamentos passaram a ser feitos fora dos muros das cidades em sepulcros familiares ou comuns, sem perder o hábito do culto aos mortos que agora se iniciava com os ritos funerários e terminavam nas sepulturas, para ser reverenciado e nunca esquecido. Ainda construíam câmaras sepulcrais, compostas de nichos nas paredes, destinados a receber as urnas com as cinzas, denominadas columbários Cristãos Repugnavam a cremação do corpo, por isso adotaram como costume inumar os cadáveres envoltos em sudários dentro de sarcófagos, como os judeus. Com a necessidade de espaços para esse fim, criaram locais denominados catacumbas que eram galerias e câmaras subterrâneas, com nichos abertos ao longo das paredes onde passaram a depositar os caixões. Os túmulos eram simples, sem adorno e recebiam apenas pinturas de fiéis em prece e símbolos que lembravam o Cristo. E foi no século IV que se adotou o costume de enterrar os mortos no interior das igrejas ou no seu entorno, surgindo os cemitérios. 2.3 A atual configuração dos espaços cemiteriais Os espaços cemiteriais, com suas atuais formas e composições, tiveram sua origem no século XVIII conforme se descreve: Cemitérios com a feição atualmente conhecida, surgiram no século XVIII, época em os romanos iniciaram a construção dos túmulos fora das cidades pela observância e conscientização de princípios de higiene. Na época da proibição dos sepultamentos no interior das igrejas, iniciou-se o hábito de se construir túmulos que são consideradas obras de arte assinadas por renomados escultores. (CAMPOS, 2007, p. 40) 7

8 De acordo com Vovelle (apud Carrasco & Nappi, 2009, p.48) o lugar dos mortos se modificou significativamente no decorrer dos tempos. No século XIX, os cemitérios assumem grande importância no imaginário visionário dos arquitetos. É neste período que surgiram os grandes projetos dos cemitérios urbanos. E como vemos no relato: Nas sociedades ocidentais buscou-se sempre preservar ou guardar os vestígios dos mortos, seja por meio das construções de túmulos monumentais, como em algumas civilizações do passado e também nos primeiros cemitérios secularizados, seja em suas versões contemporâneas, nos cemitérios-jardins ou nos cemitérios verticais. (MOTTA, 2009, p.73) Na visão do Motta (2010, p.57), uma das maneiras de se entender como o processo de secularização interferiu na maneira sobre o cuidar dos mortos pode ser visualizada não apenas através das transformações no campo ritual, mas por meio da arquitetura cemiterial. A inserção de projetos arquitetônicos nos cemitérios, de acordo com Borges (2005, p. 5), caracteriza-se por ser mais uma atitude particularizada dos arquitetos, escultores e proprietários de jazigos diante da morte do que uma tendência ou movimento preocupado em impor ao local um toque de modernidade. Assim: Uma das tendências foi tornar os túmulos mais versáteis, funcionais e menos decorativos, com capacidade de renovação nos locais de enterramento, já que suas morfologias também deveriam se nortear por princípios racionais, adequados então às pequenas dimensões dos lotes ainda disponíveis. (MOTTA, 2009, p.86) Massad & Yeste (2010) exemplificam que Aldo Amoretti e Marco Calvi construíram uma necrópole contemporânea cujas estruturas foram concebidas para acolher o processo natural de transformação do corpo morto. Ou seja, a solução funcional que rege o programa deste cemitério cujo objetivo primordial é evitar a saturação se baseia no respeito tributado à memória dos que ali descansam e no inevitável esquecimento progressivo sobre eles, trazido pelo tempo. Portanto, são válidas as indagações dos autores que: Espaços e estruturas pensadas não só como memorial, morada final ou ante-sala desta, mas como lugares de encontro para os vivos e a Morte, nos quais se pode reconhecer que o essencialmente sagrado é a matéria e a consciência de uma vida humana no espaço e no tempo terrestre. Arquitetura 8

9 que faça sentir, na carne e no espírito, a vida ante a morte. (MASSAD & YESTE, 2010) 2.4 Os cemitérios no espaço urbano Pires & Garcias (2008) fazem uma análise crítica de como têm sido tratadas as necrópoles dentro das cidades, a partir de seus diferentes aspectos, em busca de despertar para o enfrentamento da questão, onde este equipamento cemitério compõe o conjunto de recursos necessários ao encaminhamento sustentável das requisições socioambientais, devendo ser tratado para além de mitos e subjetividades, mas como uma questão política e técnica da gestão urbana nas cidades. Os cemitérios podem ser considerados importantes elementos para constituir novas centralidades urbanas. Assim, o Espaço Público Urbano pode organizar um território capaz de suportar diversos usos e funções, ser um espaço da continuidade e da diferenciação, ordenador do bairro, articulador da cidade, estruturador da região urbana, referência urbanística, manifestações da história e da vontade do poder, símbolo de identidade coletiva. (BRANDÃO, REMESSAR, apud FRANCISCO 2005, p. 6). Pode-se ver, em algumas cidades que abrigam antigos cemitérios, que as áreas que os circundam se valorizaram e desenvolveram de maneira satisfatória. Isso se deve ao fato de o equipamento urbano cemitério conseguir manter seu uso espacial mesmo com o passar do tempo, e também pela crescente dessacralização da morte, que vem ocorrendo desde o século XX. Dessa forma, referimo-nos a um espaço, compreendido em um período histórico definido, analisado e entendido sempre como reflexo de um processo contínuo engendrado a partir do conjunto das relações ou dinâmicas sócio-espaciais. Então completa Rezende (2006 p. 134) esse contato cada vez mais reduzido com o morto e a morte, que provoca uma menor consciência da morte também ameniza a vizinhança de áreas próximas aos cemitérios. Mesmo com esses novos pensamentos típicos de uma sociedade capitalista, os espaços cemiteriais e os sepultamentos continuam presentes na paisagem urbana, que procura se utilizar de meios para mascarar a presença da morte no cotidiano dos vivos como descreve o autor: O reflexo desse pensamento pode ser notado na representação dos túmulos nos atuais cemitérios, todos padronizados, repetitivos, sem uma presença cultural e com a ausência de símbolos. Esse imaginário (ou ausência dele) da 9

10 morte permite amenizar a vizinhança a um cemitério. (REZENDE, 2006 p. 133) A partir deste pensamento até mesmo o mercado imobiliário vem tirando proveito para vender imóveis nos arredores dos cemitérios, usando argumentos de propagandas de condomínios fechados que falam muito sobre a qualidade de vida que se tem, morando nessas áreas. Assim Rezende (2006, p ) comenta: principal mote dos vendedores é a qualidade de vida, que aumenta, segundo eles, se o cidadão morar próximo às áreas verdes, lugares sem barulho, sem poluição, isolados e com segurança, espaço para o lazer e outros e portanto, tratar-se-á, a seguir, da conservação da valorização das áreas envoltórias do cemitério, e das transformações espaço-temporais que possibilitam essa conservação. É isso que vem ocorrendo nos envoltórios dos cemitérios. O mercado se utiliza das atuais configurações desses equipamentos, que possuem as características já citadas, para criar empreendimentos que acabam tendo seu valor aumentado em função de ter como vizinho um espaço a princípio pensado para os mortos, mas que pode vir a aumentar a expectativa e melhorar a qualidade de vida dos vivos, fazendo com que a área se torne nobre, acontecendo o inverso do esperado. E, ainda, é uma característica das grandes cidades a apropriação do espaço privado, fazendo com que as pessoas sejam obrigadas a usar espaços cada vez menores, seja para morar ou para lazer e ainda precisam pagar para ter acesso a esses lugares. Portanto: No que tange ao lazer e à atividade física em geral, o espaço para essas atividades é cada vez mais reduzido; em virtude disso, um bairro que tenha disponível um equipamento público para esse fim será mais valorizado, ou seja, a restrição ao uso do espaço tem uma outra face, que é a valorização das áreas onde existem espaços de acesso livres.[...] portanto [...] muitos freqüentadores vão aos cemitérios não porque são adoradores da morte, mas principalmente porque a metrópole traz, às vezes, como única saída, a utilização desse espaço; não se trata de uma eleição, e sim de uma conseqüência de a cidade capitalista ser extremamente construída, e aí ocorre essa inversão, o que deveria estar na metrópole, está na necrópole.( REZENDE, 2006, p ) Pode-se notar que, diante do entorno cemiterial, dificilmente um imóvel é desvalorizado, normalmente acontece uma valorização, mas não se pode dizer que essas áreas serão sempre valorizadas, como o autor aponta: 10

11 Isso não significa que essas áreas envoltórias nunca serão degradadas, mas em comparação a outras áreas, a desvalorização do capital fixo é muito mais lenta, ou seja, a conservação da renda capitalizada é maior do que nas antigas centralidades, que acabam se degradando. (REZENDE, 2006 p. 166) 2.5 As novas morfologias cemiteriais De acordo com Rezende (2006), como vivemos numa sociedade e espaço mutantes, pode acontecer uma quebra na forma e no uso dos espaços cemiteriais, determinando assim novos caminhos a serem dados aos mortos. Um destes caminhos é a diminuição do sepultamento tradicional (enterro no solo) que ocorre desde a pré-história, pois já é comum muitas pessoas questionarem para que tanto espaço para os mortos, hábito que ainda pode ser visto nos atuais cemitérios-jardins, mesmo com a padronização dos túmulos, sem aquela ostentação dos mausoléus da época burguesa. Para essa questão espacial e fazendo uso de novas morfologias, aparece a opção dos cemitérios verticais que acaba metamorfoseando o local, mas consegue elevar à enésima potência o número de jazigos disponíveis. E como meio mais radical, para solucionar a falta de espaço destinado à construção de novos cemitérios, temos a opção da cremação, meio já muito difundido em locais, como o Japão, onde 99% da população já usam a cremação como destino a ser dado ao morto, pois os poucos cemitérios japoneses são minúsculos e acabam não suportando mais inumações. E para os cemitérios tradicionais já implantados e que fazem parte da história das cidades, estes acabam tendo o seu uso mudado, passam a ser cemitério-museu, não se muda a sua forma e o seu caráter de memorial, como afirma Rezende (2006): o cemitério-museu é uma maneira de não alterar a forma dos cemitérios, mas para isso muda-se o uso. O cemitério passa a ser usado como museu, galeria de arte e lugar para shows e eventos além, da exploração turística. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho teve por objetivo fazer um estudo sobre os cemitérios e sua importância arquitetônica e urbana no momento da implantação e concepção do mesmo. Através do deste, ficou claro que muitos dos espaços existentes, tem ressalvas relativas às normas vigentes, e 11

12 quanto ao atendimento plenamente satisfatório dos usuários em momentos de visitas e cerimônias. É preciso deixar a negligência e até mesmo o medo de lado e começar a pensar espaços, que contemplem as regulamentações atuais e ainda sigam os novos conceitos da arquitetura funerária, buscando, na sua morfologia urbana, que estes sejam mais que um lugar de encontro da vida com a morte, e sim um equipamento urbano que vá além das suas funções principais, a inumação e a de memorial aos mortos. Com o adensamento das áreas urbanas, espaços verdes e abertos, como parques públicos, ficam, cada dia mais escassos, e os cemitérios poderiam ser uma opção nos momentos de lazer da população local, que passariam a usar esses espaços para caminhadas, pedalar e, até mesmo, contemplar a natureza. Pois, é fato que pode passar o tempo que for, os espaços cemiteriais sempre vão estar presentes na paisagem urbana, mesmo que camuflados; então, por que não dar vida ao espaço destinado aos mortos com novos usos? 4. REFERÊNCIAS BORGES, Maria Elizia. Manifestações Artísticas Contemporâneas em espaços públicos convencionais (cemitérios secularizados). In: XXIV Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte CAMPOS, Ana Paula Silva. Avaliação do potencial de poluição no solo e nas águas subterrâneas decorrente da atividade cemiterial Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, USP, São Paulo. 124 p. CARRASCO, Gessonia Leite de Andrade & NAPPI, Sérgio Castello Branco. Cemitérios Como Fonte de Pesquisa, de Educação Patrimonial e de Turismo. Revista Museologia e Patrimônio, vol. 2, nº. 2, Jul./Dez. de FRANCISCO, Marlene Duarte. Espaço Público Urbano: oportunidade de identidade urbana participada. In: X Colóquio Ibérico de Geografia, A Geografia Ibérica no Contexto Europeu, Évora, Universidade de Évora, 22 a 24 de Setembro de MASSAD, Fredy & YESTE, Alicia Guerrero. Cemitérios Contemporâneos. Entre a vida e a morte. Disponível Em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/05.060> acessado em 26 de Nov. de

13 MOTTA, Antônio. Estilos Mortuários e Modos de Sociabilidade em Cemitérios Brasileiros Oitocentistas. Revista Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 16, n. 33, p , Jan./Jun Formas Tumulares e Processos Sociais nos Cemitérios Brasileiros. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 24, nº. 71, p , Out. de MUNFORD, Lewis. A Cidade na História: suas origens, transformações e perspectivas. Trad. Neil R. da Silva. São Paulo: Martins Fontes, PIRES, Anna Sylvia & GARCIAS, Carlos Mello. São os Cemitérios a melhor solução para a Destinação dos Mortos? In: IV Encontro Nacional da Anppas. Brasília- DF- Brasil, 4, 5 e 6 de Jun. de REZENDE, Eduardo Coelho Morgado. Cemitérios. São Paulo: Necrópolis, O Céu Aberto na Terra Uma leitura dos cemitérios na geografia urbana de São Paulo. São Paulo: Necrópolis,

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações Cronologia 1. Pré-História Arquitetura neolítica 2. Antigüidade Arquitetura egípcia Arquitetura

Leia mais

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais Fernando Michelis - fermichelis_@hotmail.com Resumo O Cemitério Municipal São Jose localizado na cidade de

Leia mais

Coleguium -3ºEM 1ª etapa

Coleguium -3ºEM 1ª etapa Coleguium -3ºEM 1ª etapa CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA: - Desenvolvida às margens do Nilo, na África; - Organização social complexa e rica em realizações culturais; - Escrita bem estruturada; Hieróglifos na parede

Leia mais

BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO

BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 1 Fevereiro de 2008 1 BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO

Leia mais

A visão Espírita da cremação

A visão Espírita da cremação A visão Espírita da cremação Maria Aparecida Romano O espírito desencarnado sofre quando seu corpo é queimado? Quais são os motivos que estão levando um número cada vez maior de pessoas a optar pela cremação?

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br Porque construir? Necessidade de se

Leia mais

RBDGP REVISTA BRASILEIRA DE DIREITO E GESTÃO PÚBLICA - ARTIGO DE REVISÃO -

RBDGP REVISTA BRASILEIRA DE DIREITO E GESTÃO PÚBLICA - ARTIGO DE REVISÃO - GVAA - GRUPO VERDE DE AGROECOLOGIA E ABELHAS - POMBAL - PB RBDGP REVISTA BRASILEIRA DE DIREITO E GESTÃO PÚBLICA - ARTIGO DE REVISÃO - O papel do agente público na preservação do patrimônio cultural 17

Leia mais

LUGAR DE PATRIMÔNIO É NO CEMITÉRIO: O DESTERRO LUTERANO NO CEMITÉRIO SÃO FRANCISCO DE ASSIS - ITACORUBI/FLORIANÓPOLIS (SC)

LUGAR DE PATRIMÔNIO É NO CEMITÉRIO: O DESTERRO LUTERANO NO CEMITÉRIO SÃO FRANCISCO DE ASSIS - ITACORUBI/FLORIANÓPOLIS (SC) 1 LUGAR DE PATRIMÔNIO É NO CEMITÉRIO: O DESTERRO LUTERANO NO CEMITÉRIO SÃO FRANCISCO DE ASSIS - ITACORUBI/FLORIANÓPOLIS (SC) Elisiana Trilha Castro; Alicia Norma González de Castells (NUCOMO - Núcleo de

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

Património Arqueológico do Médio Tejo: Aplicação em Sistemas de Informação Geográfica

Património Arqueológico do Médio Tejo: Aplicação em Sistemas de Informação Geográfica X JORNADAS DE ARQUEOLOGIA IBEROAMERICANA II JORNADAS DE ARQUEOLOGIA TRANSATLÂNTICA Património Arqueológico do Médio Tejo: Aplicação em Sistemas de Informação Geográfica ANASTÁCIO & ZUNNI & CRUZ & GRAÇA

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

Antiguidade século IV. Arte Bizantina

Antiguidade século IV. Arte Bizantina Antiguidade século IV Arte Bizantina Na Antiguidade, além da arte Egípcia e Grega, também encontram-se a Romana, Paleocristã e Bizantina... Enquanto os romanos desenvolviam uma arte colossal e espalhavam

Leia mais

Artesãos de Sorocaba resistem à época em que as imagens davam significado ao silêncio

Artesãos de Sorocaba resistem à época em que as imagens davam significado ao silêncio Artesãos de Sorocaba resistem à época em que as imagens davam significado ao silêncio Daniela Jacinto Fotos: Bruno Cecim A Wikipedia define bem o tema desta reportagem: arte tumular ou arte funerária é

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DOS CEMITÉRIOS EM CUIABÁ- MT: ESTUDO DE CASO PARQUE BOM JESUS DE CUIABÁ E CEMITÉRIO SÃO GONÇALO

ANÁLISE DO POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DOS CEMITÉRIOS EM CUIABÁ- MT: ESTUDO DE CASO PARQUE BOM JESUS DE CUIABÁ E CEMITÉRIO SÃO GONÇALO ANÁLISE DO POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DOS CEMITÉRIOS EM CUIABÁ- MT: ESTUDO DE CASO PARQUE BOM JESUS DE CUIABÁ E CEMITÉRIO SÃO GONÇALO Cleber Carmino Xavier (*), Marleide Rodrigues Amorim, Carla Maria Abido

Leia mais

DECRETO Nº 27.989, de 25 de maio de 2007

DECRETO Nº 27.989, de 25 de maio de 2007 DECRETO Nº 27.989, de 25 de maio de 2007 REGULAMENTA O ESTABELECIMENTO E FUNCIONAMENTO DOS CEMITÉRIOS PARTICULARES DE ANIMAIS. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

Arte da Pré-História

Arte da Pré-História ALUNO(A) Nº SÉRIE: 6º. Ano TURMA: DATA: / /2013 Profª Ana Lúcia Leal - DISCIPLINA: ARTE Ficha de Aula - III Trimestre Arte da Pré-História As primeiras expressões artísticas As mais antigas figuras feitas

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

RESOLUÇÃO "SMO" Nº 791 DE 29 DE AGOSTO DE 2007

RESOLUÇÃO SMO Nº 791 DE 29 DE AGOSTO DE 2007 RESOLUÇÃO "SMO" Nº 791 DE 29 DE AGOSTO DE 2007 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Legislação em vigor, e tendo em vista o que consta

Leia mais

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto 1 de 7 04/06/2013 12:52 globo.com notícias esportes entretenimento vídeos ASSINE JÁ CENTRAL E-MAIL criar e-mail globomail free globomail pro ENTRAR Paraná 04/06/2013 09h20 - Atualizado em 04/06/2013 12h15

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0702 LINGUAGEM E SOCIEDADE: O CEMITÉRIO DE PAQUETÁ DE SANTOS MARCELO

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 5ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 5ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão HISTÓRIA DA ARTE Aluno (a): Professor: Lucas Salomão Data: / /2015 9º ano: A [ ] B [ ] ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem

Leia mais

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou 1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou dano de várias relíquias, obras e sítios arqueológicos

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

PROCESSO DE VENDAS. FALCE, Ricardo de Carvalho. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT

PROCESSO DE VENDAS. FALCE, Ricardo de Carvalho. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT PROCESSO DE VENDAS FALCE, Ricardo de Carvalho. GARCIA, Isabelle Penha. GOMES, Guilherme Martins. MELLO, Karoline de Almeida. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre ALUNO: Nº - ANO - TURMA - DATA \ \ 201 Profª Ana Lúcia Leal Ficha de Aula de Arte I Trimestre Arte no Antigo Egito Uma das principais civilizações da Antiguidade foi a que se desenvolveu no Egito. Era

Leia mais

COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO

COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO SANTOS, A. B. RESUMO O uso das novas tecnologias vem alterando significativamente o cenário das nossas empresas, indústrias, prestação de serviços de diversas áreas, como estamos

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA INTRODUÇÃO A História da Educação Física relaciona-se com todas as ciências que estudam o passado e o presente das atividades humanas e a sua evolução. O homem, condicionado

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

MANUAL do SEGURAdo AcidENtES pessoais

MANUAL do SEGURAdo AcidENtES pessoais MANUAL do SEGURadO Acidentes pessoais ÍNDICE Manual do Segurado Acidentes Pessoais 1. Objetivo...3 2. Assistência Funeral Individual...3 3. Canais de Atendimento...7 2 Manual do Segurado (SulAmérica Acidentes

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

Vamos passear... no Cemitério? Equipe Cemiteriosp Giane Brandão

Vamos passear... no Cemitério? Equipe Cemiteriosp Giane Brandão Vamos passear... no Cemitério? Equipe Cemiteriosp Giane Brandão Cemitério da Consolação São Paulo Imagem: Giane Brandão Em primeiro lugar, vamos diferenciar. Necroturismo visita a lugares assombrados (com

Leia mais

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA FLG0435 - TRABALHO DE CAMPO EM GEOGRAFIA I PROF. DR. TARIK REZENDE DE AZEVEDO CADERNO DE CAMPO (GRUPO

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

O MUSEU HISTÓRICO E A MEMÓRIA DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE.

O MUSEU HISTÓRICO E A MEMÓRIA DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE. O MUSEU HISTÓRICO E A MEMÓRIA DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE. 68 Hélio Hirao Arquiteto e Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo USP. Doutorando em Geografia Urbana

Leia mais

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o 1 INTRODUÇÃO O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o jardim público e até mesmo com as praças ajardinadas, o parque público abrange usos e funções das mais complexas,

Leia mais

AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E A PERCEPÇÃO HUMANA

AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E A PERCEPÇÃO HUMANA AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E A PERCEPÇÃO HUMANA João Paulo Assis Gobo¹ e Eduardo Samuel Riffel² ¹Geógrafo e Mestrando em Geografia Física da Universidade de São Paulo jpgobo@hotmail.com ²Geógrafo e Mestrando

Leia mais

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo O brincar hoje: da colaboração ao individualismo Profa. Dra. Maria Angela Barbato Carneiro Campo Grande/ Simpósio Internacional da OMEP Jul/ 2012 Este trabalho tem por objetivo discutir sobre o brincar

Leia mais

SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica

SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica Prof. Marco Pádua O período conhecido como pré-história, ou seja, sem registro dos acontecimentos, situa-se a partir de 8.000 a.c. Chamado de Neolítico

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU»

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» «ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» No espólio museológico da CGD A partir do século XVI Macau tornou-se um ponto central na comunicação e divulgação entre a Civilização Europeia e Chinesa, uma fronteira

Leia mais

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados.

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. Três principais civilizações: Maias; Astecas; Incas. Civilização Maia:

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

ISSN 2236-0719. Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta

ISSN 2236-0719. Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta ISSN 2236-0719 Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta Universidade Estadual de Campinas Outubro 2011 Apresentação de Mesa-Redonda - 5 Carlos Gonçalves Terra

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano

História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / 6ºhis302r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 2º trimestre. Como base neles você deverá iniciar seus

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA SOLAR

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA SOLAR DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA SOLAR RESUMO: O estudo sobre o tema surge devido a importância no desenvolvimento sustentável para o planeta

Leia mais

DECRETO Nº 30.570, de 14 de outubro de 1986. Regulamenta os artigos 48, 49 e 50 da Lei nº 6.320, de 20. sobre Cemitérios e Afins.

DECRETO Nº 30.570, de 14 de outubro de 1986. Regulamenta os artigos 48, 49 e 50 da Lei nº 6.320, de 20. sobre Cemitérios e Afins. DECRETO Nº 30.570, de 14 de outubro de 1986. Regulamenta os artigos 48, 49 e 50 da Lei nº 6.320, de 20 DECRETO Nº 30.570, de 14 de outubro de 1986 Regulamenta os artigos 48, 49 e 50 da Lei nº 6.320, de

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( x ) Fundamental ( ) Médio SÉRIE: _5ª_ TURMA: TURNO: DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSOR(A): Equipe de História Roteiro e Lista de recuperação

Leia mais

TÚMULOS CELEBRATIVOS DE PORTO ALEGRE: MÚLTIPLOS OLHARES SOBRE O ESPAÇO CEMITERIAL (1889 1930)

TÚMULOS CELEBRATIVOS DE PORTO ALEGRE: MÚLTIPLOS OLHARES SOBRE O ESPAÇO CEMITERIAL (1889 1930) PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DAS SOCIEDADES IBÉRICAS E AMERICANAS THIAGO NICOLAU DE ARAÚJO TÚMULOS

Leia mais

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas.

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas. IPHAE SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO Av. Borges de Medeiros, 1501, 21º andar- Porto Alegre-RS - Cep:90110-150 Fone/Fax: (051)3225.3176 e-mail: iphae@via-rs.net

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE SOURE PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE SOURE PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE SOURE PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO Índice 1. Enquadramento da proposta. 3 1.1. Enquadramento legal... 3 1.2. Enquadramento histórico e urbanístico.. 3 1.3. Objetivos Gerais..

Leia mais

Protótipo de Telhado Verde: Aliando Conhecimentos em Prol da Educação Ambiental

Protótipo de Telhado Verde: Aliando Conhecimentos em Prol da Educação Ambiental Artigo original DOI: 105902/2236130818740 Revista Monografias Ambientais Santa Maria, Santa Maria, Edição Especial Curso de Especialização em Educação Ambiental. 2015, p. 79-83 Revista do Centro de Ciências

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

Arte africana & Arte indígena. Histórias, mitos, crenças e filosofias

Arte africana & Arte indígena. Histórias, mitos, crenças e filosofias Arte africana & Arte indígena Histórias, mitos, crenças e filosofias ARTE AFRICANA Asartes das sociedades da África foram, antes, rotuladas no singular,porterem sido chamadas de "arte primitiva" ou "selvagem

Leia mais

PARECER JURÍDICO ASSUNTO: REMOÇÃO DE CATACUMBAS, MUDANÇA E REESTRUTURAÇÃO DO CEMITÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DA CIDADE DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA.

PARECER JURÍDICO ASSUNTO: REMOÇÃO DE CATACUMBAS, MUDANÇA E REESTRUTURAÇÃO DO CEMITÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DA CIDADE DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA. ASSUNTO: REMOÇÃO DE CATACUMBAS, MUDANÇA E REESTRUTURAÇÃO DO CEMITÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DA CIDADE DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA. INTERESSADO: PROGRAMA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 26/03/2011 Nota: Professora: Élida Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE

O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE Autores: LUCIANO BORGES DE SOUZA e MÁRCIO LIMA BARROS DA SILVA Introdução Localizado na Avenida Cruz Cabugá, bairro de Santo Amaro, no Recife, o Cemitério dos

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

A arte no Egito. ~1ll!DI Visão frontal e visão. A arquitetura. o mais antigo documento egípcio é esse pedaço de estela

A arte no Egito. ~1ll!DI Visão frontal e visão. A arquitetura. o mais antigo documento egípcio é esse pedaço de estela 14 Ca ítulo 2 A arte no Egito civilizações da Antiguidade e nos deixou uma produção cultural riquíssima. OEgito Temosdesenvolveu informações uma detalhadas das principais sobre essa cultura graças à sua

Leia mais

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 155 A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO Korina Costa Arquiteta e Urbanista, Especialista em Docência do Ensino

Leia mais

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009. INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DE RIBEIRÃO PRETO SP Henrique Telles Vichnewski 1 Lílian Rodrigues de O. Rosa 2 Nainôra Maria B. de Freitas 3 O Inventário de Bens Culturais de Ribeirão Preto faz parte do

Leia mais

CLÁUSULA ESPECIAL Garantia Suplementar de Assistência Funeral

CLÁUSULA ESPECIAL Garantia Suplementar de Assistência Funeral 1. OBJETO DA GARANTIA: Mediante a inclusão na apólice da presente Cláusula e tendo sido pago o prêmio adicional correspondente, fica garantido, até o limite do capital segurado estipulado na apólice para

Leia mais

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade RESUMO INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW Thiago Favarini Beltrame, Andressa Rocha Lhamby e Victor K. Pires O que seria inovar?

Leia mais

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito.

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco,

Leia mais

TEORIA A história da civilização é a história do medo e do pavor desse barulho que é o sangue correndo nas veias, o tempo

TEORIA A história da civilização é a história do medo e do pavor desse barulho que é o sangue correndo nas veias, o tempo 1/7 TEORIA Com base na filosofia existencialista Kant e Nietzsche, discute-se que os seres humanos vivem por suas perspectivas de futuro, do devir. A morte, quando ocorre à nossa volta, é um dos acontecimentos

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

ANALISE PARA TOMBAMENTO - INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DA IGREJA MATRIZ SÃO JOÃO BATISTA DE PIRAPOZINHO.

ANALISE PARA TOMBAMENTO - INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DA IGREJA MATRIZ SÃO JOÃO BATISTA DE PIRAPOZINHO. ANALISE PARA TOMBAMENTO - INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DA IGREJA MATRIZ SÃO JOÃO BATISTA DE PIRAPOZINHO. 157 Camila Le Bourlegat, Mariane Olivo, Fabrícia Dias da Cunha de Moraes Fernandes Borges Universidade

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO GABARITO 3ª ETAPA INGLÊS COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax: 3272-1295 www.jovinianobarreto.com.br 1º ANO Nº TURNO:

Leia mais

UM BREVE ESTUDO SOBRE A MORFOLOGIA E ORGANIZAÇÃO INTERNA DO ESPAÇO URBANO EM ÁGUAS BELAS-PE

UM BREVE ESTUDO SOBRE A MORFOLOGIA E ORGANIZAÇÃO INTERNA DO ESPAÇO URBANO EM ÁGUAS BELAS-PE UM BREVE ESTUDO SOBRE A MORFOLOGIA E ORGANIZAÇÃO INTERNA DO ESPAÇO URBANO EM ÁGUAS BELAS-PE A BRIEF STUDY ABOUT THE MORPHOLOGY AND THE ORGANIZATION OF INNER URBAN AREAS OF ÁGUAS BELAS CITY (PERNAMBUCO

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO SETOR TERCIÁRIO EM FOZ DO IGUAÇU PR: APONTAMENTOS SOBRE O PAPEL DA USINA HIDRELÉTRICA DE ITAIPU NESTE PROCESSO

A EVOLUÇÃO DO SETOR TERCIÁRIO EM FOZ DO IGUAÇU PR: APONTAMENTOS SOBRE O PAPEL DA USINA HIDRELÉTRICA DE ITAIPU NESTE PROCESSO Revista OKARA: Geografia em debate, v.8, n.1, p. 21-32, 2014. ISSN: 1982-3878 João Pessoa, PB, DGEOC/CCEN/UFPB http://www.okara.ufpb.br A EVOLUÇÃO DO SETOR TERCIÁRIO EM FOZ DO IGUAÇU PR: APONTAMENTOS SOBRE

Leia mais

A arquitetura dos memoriais

A arquitetura dos memoriais PARTE 01: Conteúdo para a prova A arquitetura dos memoriais Você já ouviu falar em memorial ou já visitou um espaço arquitetônico destinado à memória de alguma personalidade, de um povo ou de algum fato

Leia mais

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA Mayas: revelação de um tempo sem fim reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo

Leia mais

Arte na antiguidade: Roma. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com

Arte na antiguidade: Roma. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com Arte na antiguidade: Roma Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com INFLUÊNCIAS: arte etrusca - voltada para a expressão da arte vivida (destaque para o uso de arcos e abóbadas nas construções)

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 01 - (Unicamp 2014) Desde o período neolítico, os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO VIDA SIMPLES

MANUAL DO SEGURADO VIDA SIMPLES MANUAL DO SEGURADO VIDA SIMPLES ÍNDICE Manual do Segurado Vida Simples 1. OBJETIVO...3 2. REDE DE DESCONTO EM FARMÁCIAS...3 3. CARTÃO CESTA BÁSICA...4 4. ASSISTÊNCIA FUNERAL...5 4.1 ASSISTÊNCIA FUNERAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE ALUNA: ORIENTADORA: TERESA FARIA NOVEMBRO 2011 AGRADECIMENTOS AGRADEÇO A TODOS QUE ACREDITARAM,

Leia mais

ARTE PALEOCRISTÃ PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS. Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica - ESPIRITUALIDADE

ARTE PALEOCRISTÃ PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS. Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica - ESPIRITUALIDADE Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica ARTE PALEOCRISTÃ ARTE PALEOCRISTÃ Também chamada de Arte das Catacumbas, desenvolveu-se dentro do Império Romano, quando surgiram os primeiros núcleos cristãos.

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I União Educacional do Norte Faculdade Uninorte Professora: Edinete Oliveira Arquiteta e Urbanista Tema: A ignorância da Arquitetura & As várias idades do

Leia mais

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A Licenciatura em Ecoturismo Ref.ª : 1822006 Ano lectivo: 2012-13 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR HISTÓRIA E PATRIMÓNIO CULTURAL HISTORY AND CULTURAL HERITAGE 1. Unidade Curricular: 1.1 Área científica:

Leia mais

HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL. Prof.ª Mayara Moraes Custódio

HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL. Prof.ª Mayara Moraes Custódio HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL Prof.ª Mayara Moraes Custódio HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL A história da engenharia confunde-se com a história da própria

Leia mais

Desejamos a todos um excelente ano letivo!

Desejamos a todos um excelente ano letivo! O Museu Municipal de Loulé apresenta o programa Visita Brincando, para o ano letivo 2014/2015. Este programa é construído em torno do nosso Património Cultural e pretende contribuir para despertar o olhar,

Leia mais

THEREZINHA OLIVEIRA REENCARNAÇÃO É ASSIM. 3 a ed.

THEREZINHA OLIVEIRA REENCARNAÇÃO É ASSIM. 3 a ed. THEREZINHA OLIVEIRA REENCARNAÇÃO É ASSIM 3 a ed. Campinas SP 2006 APRESENTAÇÃO A doutrina das vidas sucessivas ou reencarnação é também chamada palingenesia, de duas palavras gregas palin, de novo; genesis,

Leia mais

MÓDULO 02. Rochas na História Aplicação rochas ornamentais Arquitetura/ Construção. arquiteto@renatopaldes.arq.br

MÓDULO 02. Rochas na História Aplicação rochas ornamentais Arquitetura/ Construção. arquiteto@renatopaldes.arq.br MÓDULO 02 Rochas na História Aplicação rochas ornamentais Arquitetura/ Construção arquiteto@renatopaldes.arq.br Uso da Pedra Primeiras manifestações Stonehenge 3.300 AC. Antigo Egito Encontrados blocos

Leia mais

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS Henrique Innecco Longo hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Escola de Engenharia Rua Brigadeiro Trompowsky s/n, Centro de

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESPAÇO URBANO NO ENSINO DE GEOGRAFIA 1

A IMPORTÂNCIA DO ESPAÇO URBANO NO ENSINO DE GEOGRAFIA 1 RESUMO A IMPORTÂNCIA DO ESPAÇO URBANO NO ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SANTANA, A. F. 2 COSTA, F. R da 3 A presente pesquisa tem como objetivo principal debater a importância do estudo do espaço urbano nas aulas

Leia mais

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA PARA O HISTORIADOR GREGO HERÓDOTO: O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO DÁDIVA = PRESENTE SIGNIFICADO = Sem as cheias do Nilo, o Egito seria um grande deserto PARA O HISTORIADOR FRANCÊS JEAN

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais