Ritos Funerários na Grécia Antiga: Um Espaço Feminino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ritos Funerários na Grécia Antiga: Um Espaço Feminino"

Transcrição

1 Ritos Funerários na Grécia Antiga: Um Espaço Feminino Sandra Ferreira dos Santos Mestranda em História Comparada Universidade Federal do Rio de Janeiro Resumo: a morte é um acontecimento que angustia os homens de todos os tempos e locais, que procuram - de acordo com a sua percepção e mitos - lidar com ela de formas diversas. Os rituais funerários e a forma como a morte é encarada pode dizer muito sobre uma sociedade e suas formas de representação do mundo. Para os gregos antigos, a morte não era um momento, mas um processo que envolvia o morto, os vivos e até mesmos os deuses. Para que tudo transcorresse da melhor maneira possível e o morto chegasse ao lugar que lhe era destinado, uma série de rituais deveriam ser realizados. Os rituais funerários na Grécia Antiga eram espaços femininos, organizados e apropriados pelas mulheres como forma de exposição e ação na sociedade políade. Palavras-chave: morte, rituais, mitologia, mulheres, representação. 1

2 Introdução A morte é um acontecimento que coloca em evidência as angústias sobre a finitude presentes em todos os homens. Os rituais funerários e a forma como a morte é encarada pode dizer muito sobre uma sociedade e suas formas de representação do mundo. Segundo Geertz (1989, p. 67) os símbolos sagrados, configurados nos rituais, funcionam para sintetizar o ethos de um povo o tom, o caráter e a qualidade de vida, seu estilo e disposições morais e estéticos e sua visão de mundo o quadro que fazem do que são as coisas na sua simples atualidade, suas ideias mais abrangentes sobre a ordem. A religião ajusta as ações humanas a uma ordem cósmica imaginada e projeta imagens da ordem cósmica no plano da experiência humana. As informações mortuárias, portanto, representam a corporificação do comportamento social, econômico, tecnológico e religioso e reflete sentimentos e valores da sociedade (Humphreys, 1980, p. 79). Assim, os rituais devem ser examinados tendo como contraponto o cotidiano: ambos são parte de uma mesma estrutura, como as duas faces de uma mesma moeda, expressando os mesmos princípios sociais. Através da análise de rituais, podemos observar aspectos fundamentais de como uma sociedade vive, se pensa e se transforma (Peirano, 2003, p.43 e 51). A morte para os gregos A morte confronta os seres humanos com a consciência de sua própria existência e perenidade, à qual os homens reagem de maneiras distintas. Para os gregos, a morte significava a perda da individualidade, a transformação radical do ser e a sua incorporação ao cosmos. Era através dos rituais e monumentos funerários que os gregos procuravam evitar a perda completa da individualidade, pois a tumba individualiza aquele a quem se dedicava e, em conjunto com os ritos funerários preservavam a memória individual do indivíduo (Humphreys, 1980,p. 5-6). Ao contrário do pensamento moderno, a morte para os antigos gregos não era um momento, mas um processo. O processo de morrer, no mais amplo senso, se estendia do momento em que se estabelecia que a pessoa estava morrendo (doença, inconsciência, 2

3 ferimento e etc.) até a completa cessação das ações sociais direcionadas aos seus restos mortais, tumba, monumento funerário e outros objetos que o representassem (Humphreys, 1980, p. 263), ou seja, morrer para os gregos envolvia três estágios: estar morrendo, estar morto mas não estar enterrado e estar morto e enterrado. Cada um dos estágios exigia determinado comportamento dos sobreviventes. Era um processo no qual o morto e os vivos participavam (Garland, 1995, p. 13). Após a morte de um dos membros da sociedade, as relações sociais devem se reorganizar e os direitos sobre as propriedades e as pessoas devem ser recolocados para preencher o vazio deixado pelo morto. Os familiares em luto devem se reajustar psicologicamente. Além disso, para os gregos antigos, após a morte, uma parte do morto deixava o corpo e começava um novo caminho em direção ao mundo dos mortos. Todo esse processo levava tempo e demandava diferentes tipos de atenção por parte dos vivos (Humphreys, 1980, p. 263, Garland, 1995, p. 13). O período imediatamente após a morte é aquele em que os familiares mais próximos têm que lidar com demandas conflitantes. Por um lado, é esperado que eles, de alguma forma, acompanhem o morto na sua saída da sociedade e por outro lado, precisam se envolver com uma intensa atividade social, reafirmando relações e vínculos, mobilizando recursos para o funeral e para o entretenimento das visitas, legitimando uma ordem social alterada pela morte. O contato com o corpo é geralmente considerado poluidor e aqueles que tem contato com ele, na maioria das sociedades, devem se afastar do intercurso social (Humphreys, 1980, p ). Não é surpreendente que diante destas demandas conflitantes, seja a mulher, na maioria das sociedades, que assuma o papel de lidar com o corpo e com o desligamento da vida social, enquanto o homem lida com os aspectos públicos do funeral (Humphreys, 1980,p. 267). A mentalidade grega entendia todos os seres como partes do cosmos e, apesar de após a morte tudo se transformar, não existia a morte definitiva, mas somente uma transformação. O cosmos era eterno, perfeito e justo e todos os seres fariam parte dele eternamente como fragmentos que se transformam, mas que não deixam jamais de existir (Ferry, 2006, p.56). Apesar desta mentalidade tranquilizadora, a manutenção da existência se dava com a perda da individualidade e era para tentar evitar isto, ao menos em parte, que os cultos e ritos funerários se realizavam. Na Grécia antiga, o esquecimento era a verdadeira morte, pois ela levava o morto a 3

4 perder de uma vez por todas a sua individualidade e a se misturar ao aglomerado amorfo do cosmos. Por isso, era importante preservar a memória dos feitos do morto, gravados em palavras mortais ou em pedra. A inscrição funerária, escultura ou estátua que era colocada sobre a tumba grega era o produto da convergência de duas diferentes ideias: o sema ou sinal que indicava o local de sepultamento que podia ser somente um montículo de terra, mas podia também ser algum objeto fixado nela, que simbolizasse o status da pessoa em vida e o kolossos, um substituto de pedra do morto, que também significava a fixidez da morte. Podia ser usada também para espantar fantasmas perturbadores e criava uma relação perpétua entre uma divindade e aquele que oferecia a estátua. Mas, na verdade, o que os gregos desejavam com a colocação de monumentos funerários era garantir para o morto perpétua lembrança por parte dos parentes e estranhos (Humphreys, 1980, p ). A imagem predominante do morto comum na Grécia Antiga é de um ser que evoca mais pena do que medo. Sua psyché toma a forma de uma minúscula figura alada que permanece próxima à sua tumba, chamada de eidolon (imagem) e skiá (sombra), indicando que os mortos eram meras sombras de suas formas anteriores (Garland, 1995, p. 12). Eles, no entanto, poderiam - se não diretamente, ao menos de forma indireta - ajudar ou prejudicar os vivos. O lugar de cada um Para os gregos, o cosmos determinava um lugar para cada um dos seres e, atingir a vida boa significava encontrar o seu próprio lugar neste cosmos ordenado. Por este motivo, os mortos não poderiam permanecer no mundo dos vivos, eles precisavam chegar ao mundo dos mortos, o lugar apropriado para eles. Essa viagem não se dava de uma vez, pois diversas etapas deveriam ser cumpridas. A chegada e a entrada no mundo dos mortos dependiam não só da pessoa que morreu, mas também dos vivos, que deveriam cumprir rituais propiciatórios para ajudar o morto a encontrar o caminho e a ser aceito no seu novo lugar. Além disso, não só o morto devia descer ao submundo e se integrar a uma nova sociedade, mas também o grupo deveria estabelecer a sua identidade após essa perda. A separação era um processo bilateral, que requeria vigorosos esforços de ambas as partes (Garland, 1995, p. XII). Os gregos pareciam acreditar que mesmo estando no submundo, ainda era possível a comunicação com os mortos e que estes poderiam ajudar ou prejudicar os vivos, dependendo 4

5 das ações praticadas pelos últimos com relação aos rituais funerários. Demonstrar ingratidão para com os mortos era perigoso, não exclusivamente porque eles tivessem poderes para fazerem mal à pessoa pessoalmente, mas porque podiam se queixar à Perséfone e, com isso, desencadear um castigo para a comunidade como um todo, em forma de más colheitas e infertilidade. Um morto que se julgasse vítima de ingratidão ou desleixo, poderia ser desagradável, irritável e malevolente e devia ser apaziguado pelas oferendas e libações dos vivos. Ao contrário, um morto satisfeito pela perfeita elaboração dos ritos também poderia ajudar os vivos. Oferendas e orações eram realizadas junto às tumbas, solicitando esta ajuda. Mais próximo da sua tumba, aparentemente, o poder do morto era maior e ele poderia oferecer proteção contra o sofrimento. O morto podia perceber quando figuras amigas ou hostis se aproximavam da sua tumba e podia tocá-los. A ajuda do morto também era solicitada para pequenas vinganças contra inimigos. Era comum a prática de colocar nos cemitérios e túmulo placas com imprecações e maldições (katadesmoi). Como dito acima, mesmo que o morto, pessoalmente, não tivesse poderes para fazer o bem ou o mal, eles eram considerados intermediários úteis com as entidades ctônicas (Garland, 1995, p. 3-8). A ideia de que o morto continuava tendo direitos legais é um princípio da teoria legal grega na Antiguidade. Sólon transformou em crime de ofensa falar mal ou contar mentiras sobre os mortos. Em alguns casos, o herdeiro podia processar o ultrajante. Negar os ritos funerários do morto era considerado ato de hybris contra o morto. As pessoas podiam ser processadas por não cumprirem com o dever de realizar os ritos nas tumbas para seus pais e avós. Isto ofendia os deuses e merecia punição (Garland, 1995, p. 8). Os ritos funerários Os gregos tinham um notável zelo para com seus mortos, que se consubstanciava nos ritos de lamentação, no enterro e nas manifestações rituais desempenhadas também na tumba que era, em geral, marcada por construções e objetos de diversos tipos. A tumba não só abrigava o corpo inerte e constituía a nova morada do morto, como guardava um importante conteúdo simbólico, veiculando significados sobre o ritual da qual era subproduto e sobre as relações sociais nele envolvidas (Argolo, 2001, p.1). Sob esta perspectiva, portanto, sejam quais forem as questões que tivermos em mente quando olhamos para as tumbas - religioso, político, econômico, social e artístico - a análise 5

6 dos enterros é a análise de uma ação simbólica, através da qual as pessoas desvelam a estrutura social em que estão inseridas, os aspectos de seu cotidiano, suas crenças, mitos e valores (Morris, 1992, p.1). Os rituais deixam, assim, de estar associados unicamente ao universo religioso e passam a englobar as várias esferas da vida social. O contexto funerário concebido dessa forma totalizante, abre possibilidades de discutir as implicações da morte em outros domínios e ilumina questões como status, hierarquias políticas, diferenciação social e conflitos ideológicos (Morris, 1992, p.2, Argolo, 2001, p.3). A primeira cerimônia realizada após o falecimento, a próthesis, compreendia um conjunto de rituais preparatórios, onde o corpo recebia uma série de cuidados e era velado na casa do seu grupo familiar. Contando com a participação de parentes femininos e masculinos - embora as tarefas que exigiam contato direto com o morto devessem ser realizadas pelas últimas. Findada a preparação, que transcorria possivelmente ao som de cantos fúnebres, o corpo era submetido à lamentação e às últimas homenagens prestadas pelos presentes. A etapa seguinte, provavelmente no terceiro dia após o falecimento, antes do amanhecer, tratava-se da ekphorá, uma procissão fúnebre que transportava o corpo até o local do sepultamento (Argolo, 2006, p. 51) O sepultamento em uma tumba atestava na prática que a viagem começara e que os vivos fizeram o que lhes competia para que ela transcorresse em segurança e o morto alcançasse seu destino devido. Embora precisem ser melhor esclarecidas, as consequências de um corpo insepulto podem ser compreendidas pelos viéses do simbolismo religioso e das implicações sociais. Sob o primeiro aspecto, os autores antigos (tragediógrafos e historiadores) consideravam esta prática como um insulto à dignidade humana e uma ameaça à entrada do corpo no Hades. No imaginário coletivo, os ataphói poderiam ser tidos provavelmente como seres condenados a vagar pela terra, embora não se possa afirmar se eram temidos pelos vivos e/ou vistos como fontes de influências malignas sobre os mesmos (Garland, 1985, p , Argolo, 2006, p. 53). No período clássico, inumação e cremação eram ambas praticadas; a escolha de uma ou de outra dependia do desejo do moribundo ou da preferência da família. O enterramento, preferencialmente assinalado com um marco tumular como prova de sua realização, era visto como uma prática indispensável para o desfecho dos funerais, a garantia da colaboração dos vivos no delicado processo de passagem que se iniciava para o morto. Além de ocuparem um lugar importante na história da família, construída e contada através dos sepultamentos, acreditava-se em geral que, ao romperem o elo com o mundo dos vivos, os mortos rumavam 6

7 para um novo lugar, um domínio subterrâneo próprio para abrigá-los. De fato, o tema da passagem para o Hades foi um dos aspectos da escatologia da morte que mais se desenvolveu na Ática no século V, sendo representado em pormenores no teatro e nos lécitos de fundo branco. Ela era imaginada como uma longa viagem, realizada em várias etapas com a ajuda dos psychopompoí (condutores de almas) Hermes Chthónios e o barqueiro Caronte. Uma vez desfalecido, o indivíduo tinha sua alma transportada por Hermes do mundo superior para as margens das águas infernais, aonde era entregue aos cuidados de Caronte, que, em seguida, fazia a travessia em direção à Terra dos Mortos propriamente dita (Sourvinou-Inwood, 1995, pg. 306, Argolo, 2006, p. 51) Os cuidados com os mortos não se constituíam apenas nas providências relacionadas ao funeral que a partir de Sólon, estava especificado em lei - mas consistiam em observâncias rotineiras que deveriam ser realizadas pela família do morto. Muito dos cuidados com os mortos estava nas mãos das mulheres da família. A legislação limitava sua ação fora de casa no momento do funeral, mas no seu interior, na ocasião da próthesis, ela podia agir livremente e conduzia o ritual. As atividades que ocorriam dentro de casa eram responsabilidade da mulher. As suas tarefas no cuidado com o corpo, coincidiam com suas tarefas diárias: banhar, vestir, perfumar, arrumar. Assim como banhavam e vestiam os recémnascidos, também faziam com o morto. As lamentações eram conduzidas pelas mulheres e os hinos rituais que eram cantados nestas lamentações, também ficavam a cargo delas (Pomeroy, 1998, p ). É preciso salientar que os ritos associados especificamente aos funerais e ao sepultamento, constituíam tão somente o evento inicial de uma performance ritual contínua, que prosseguia com as frequentes visitas de familiares às tumbas para a renovação dos ritos e das homenagens aos mortos, e não raro ultrapassava o escopo de uma geração (Argolo, 2006, p.48). Ou seja, além dos rituais realizados no momento funeral propriamente dito, muitos outros eram realizados na tumba em datas estipuladas pelo costume e em intervalos regulares. No terceiro e nono dias após o funeral, eram realizadas oferendas de alimentos junto à tumba, feitas pelas mulheres da família. Na interpretação tradicional, a cerimônia ta trita a celebração do terceiro dia era realizada três dias após o funeral. No nono dia após o funeral, alguns membros da família e amigos se reuniam novamente, diante do túmulo, para realizar os ritos apropriados ta enata. Não se conhece praticamente nada sobre tais cerimônias, exceto terem sido mencionadas em tribunais de justiça e que tinham a participação das mulheres da família do morto. Outros ritos aconteciam na tumba, a 7

8 triakostia (ritual dos 30 dias) e os ritos anuais (Garland, 1995, pg ; Florenzano, 1996, pg. 76; Arruanategui, 2006, pg. 158). As visitas regulares à tumba de um parente era, para um ateniense do período clássico, um ato de importância comparável ao próprio enterramento. A omissão desse dever por uma filha ou filho era uma falta grave e podia ser usada em um processo pela posse da herança (Garland, 1995, pg. 104; Florenzano, 1996, pg. 66). A oferenda de comida e bebida era um dos pontos principais dos ritos nas tumbas (Garland, 1995, pg. 110). Fitas e flores também eram levadas para decorar a tumba, além de outros itens significantes para o morto. Aipo era comumente oferecido aos mortos, ritual talvez ligado com a fertilidade do solo (Garland, 1995, pg. 116). Eram as mulheres as responsáveis por manter a tumba, realizar oferendas e manter, portanto, a memória e a construção/projeção pública da família, em uma atividade pública de grande visibilidade (Stears, 1998, pg. 123). O final do luto, aparentemente era marcado por uma cerimônia. Existem fontes que mencionam ritos de conclusão do luto no trigésimo dia após o funeral o triakostia, triakas ou triakades. Durante o período Arcaico e Clássico, esse período não era especificado em Atenas. A literatura da época diz que a família retornava à vida cotidiana depois de concluir os ritos costumeiros ta nomizomena (Arruanategui, 2006, pg. 159). Em cada local da Grécia, o período de luto tinha uma duração diferente. O período de luto também variava para cada parente, dependendo da proximidade com o morto e o grau de poluição a que esse esteve exposto (Garland, 1995, pg.40). O fim do luto marcava o fim do período perigoso para os familiares. A partir deste momento, o morto já havia sido aceito no Hades (Garland, 1995, pg. 41). O papel das mulheres nos rituais funerários gregos Destacada a importância fundamental dos rituais funerários para a sociedade grega antiga, resta analisar a participação feminina nestes rituais e nos questionarmos sobre a necessidade da sua presença. Enfim, por que as mulheres eram fundamentais em algumas fases do ritual, principalmente na próthesis e nos rituais realizados nas tumbas? 8

9 Antes de nos atermos especificamente aos rituais funerários, é necessário destacar que as mulheres não eram, na verdade, fundamentais somente nos rituais funerários, mas em todos os ritos de passagem, em especial nascimentos e casamentos. Além disso, é possível notar a incrível semelhança entre os rituais de casamento e de funeral na Grécia antiga e estabelecer uma ligação entre morte, casamento e fertilidade, através do mito sobre o rapto de Perséfone. Chamo a atenção para este fato porque estas ligações poderão, mais adiante, nos ajudar na compreensão da necessidade da presença feminina nos rituais funerários e demais ritos de passagem. Já não é mais aceitável pensar que as mulheres eram escolhidas para lidar diretamente com a morte - principalmente no preparo do corpo para o funeral - porque eram naturalmente poluídas, devido ao contato constante com o sangue tanto menstrual como do parto. Tampouco podemos concordar que os homens, por serem mais poderosos, deixassem para elas as tarefas mais poluidoras, em virtude do menor status feminino (Stears, 1998, p. 117/118). Os homens também lidavam com o corpo na ekphorá e no sepultamento/cremação, não sendo, portanto, este ato sempre deixado a cargo das mulheres. Além disso, as pessoas mais expostas à poluição da morte, na verdade, não eram aquelas que lidavam diretamente com o corpo, mas sim os parentes mais próximos. O grau de parentesco indicava o maior ou menor grau de poluição. Quanto mais próximo do morto, maior o grau de poluição a que se estava exposto e maior o nível do ritual que devia ser realizado para se livrar desta poluição (Stears, 1998, p.117). O que devemos destacar é que a participação da mulher era fundamental, não porque ela fosse vista como inferior e, assim, mais apta a realizar o trabalho sujo, mas sim porque ela era detentora de um saber ritual. Em virtude disso, elas não podiam ser substituídas em determinadas funções rituais, ou em alguns cargos religiosos, que eram ocupados por sacerdotisas (Sourvinou-Inwood, 1995, p.9). O papel desempenhado pela mulher na sociedade estava fundamentalmente ligado à manutenção da comunidade. Esta manutenção se dava a partir da sua função reprodutora de indivíduos e de valores sociais, que passava aos filhos ao longo de sua formação. Segundo Blundell (1998, pg. 160), o papel que elas exerciam na manutenção da coesão e da estabilidade da família as tornou cooperadoras indispensáveis nas atividades rituais. Esta autora também enfatiza que a participação feminina na religião era favorecida pela crença de que a mulher teria uma conexão intrínseca com o divino e por isso, seria mais apropriada para a função ritual (Blundell, 1998, pg.1). Assim, a vida e as práticas religiosas das mulheres 9

10 eram tidas como essenciais para a sociedade, mesmo que realizadas na esfera privada (Blundell, 1998, pg.9). Acreditava-se que a ação feminina na próthesis, por meio da correta realização dos ritos, garantia a partida pacífica do morto para o Hades e a contenção do miasma da morte. Uma de suas tarefas, portanto, era a contenção da desordem e da poluição (Sourvinou- Inwood, 1995, p.9). As mulheres, desta forma, eram responsáveis pela saúde ritual da casa e, pela ligação que esta possuía com a cidade, da pólis como um todo. O conhecimento ritual na Grécia clássica era uma força potente, pois a religião possuía um valor social que hoje já não vemos (Stears, 1998, p. 120). Percebemos, assim, que muito embora as regulamentações funerárias que vigoraram a partir das leis e Sólon tenham limitado a participação feminina, as mulheres tinham papel fundamental nos rituais funerários e isto se dava por vários motivos. Em primeiro lugar, como já dito anteriormente, porque possuíam um saber ritual e porque podiam demonstrar o sofrimento da família pela perda de um dos seus membros sem a contenção exigida dos membros masculinos da família, garantindo as honras devidas e os lamentos adequados (Stears, 1998, pg. 115 e 121; Dillon, 2003, pg 292). Também é importante destacar que as lamentações realizadas pelas mulheres nos rituais funerários guardavam uma relação estreita com questões envolvendo a herança. A performance dos rituais era o principal veículo para se assegurar o parentesco com o morto; tratava-se de uma forma concreta e eficaz de demonstrar participação ativa nos assuntos familiares. As lamentações entoadas pelas mulheres da família forneciam evidências concretas sobre as relações familiares que estavam na base dos processos de partilha dos bens e da redistribuição dos papéis familiares no oikos. Uma vez que era justamente o grau de parentesco que determinava os direitos de herança, a referência aos funerais era recorrente nos processos de disputa do direito sobre o patrimônio deixado pelos indivíduos falecidos. Mais do que a presença, o patrocínio dos funerais era citado como prova da relação estreita entre o morto e seu herdeiro em potencial (Garland, 1995, pg. 28 ; Pomeroy, 1998, pg. 121; Stears, 1998, pg. 124 ; Argolo, 2006, pg. 54). Além disso, como os ritos funerários continham enunciados sobre o morto e sobre os que lhe prestavam homenagens, ambos tinham destacadas suas virtudes e o comportamento condizente com os costumes e requisições da pólis. O cumprimento das atividades rituais apontava para a conservação da harmonia nas relações familiares e o bem-estar do oikos, elementos também fundamentais para a 10

11 manutenção da comunidade e da polis. O empenho de um filho ou filha na condução dos funerais de seus pais, assegurava por meio desta ação a continuidade da memória familiar pela próxima geração e, imbricados no mesmo processo, reforçavam/reafirmavam a identidade do grupo para si e perante a comunidade mais imediata, sobretudo os oikoi com que formavam uma rede de relações mais estreita, calcada no convívio cotidiano. A identidade do oikos era a pedra angular de uma triangulação entre a identidade individual e a identidade políade, esta amplamente ancorada também nos mitos de autoctonia. A possibilidade de extinção do oikos preocupava os atenienses de tal maneira que foi preciso recorrer a mecanismos/dispositivos sociais de exceção (como a adoção intra ou extra-familiar e o epiclerato) para evitar que ela se concretizasse. Confirmando esta preocupação, é possível encontrar muitos casos de disputa jurídica cujos debates giram em torno do tema da saúde do oikos, isto é, coloca-se em questão se o mesmo sofre ou não um vazio de uma descendência legítima (preferencialmente descendente masculinos diretos) para dar prosseguimento à linha paterna (Pomeroy, 1998, p. 121, Closterman, 1999, p. 282, Argolo, 2006, p. 55). A realização dos ritos apropriados, como dito anteriormente, garantia que o morto seria bem acolhido no Hades e que encontraria seu lugar no submundo, mantendo a ordem social e evitando que este pudesse se vingar dos vivos. Estes ritos eram importantes em sua totalidade, para manter viva a memória do defunto e de sua família, única forma conhecida pelos gregos para que alguém conquistasse a eternidade (Rodrigues, 1983, pg ). Os ritos de passagem serviam para marcar momentos na história das famílias e as mulheres como detentoras do conhecimento ritual e como testemunhas e produtoras dos eventos a eles relacionados, podem ter se tornado figuras poderosas na casa e podem ter sido o cerne do auto-conhecimento e memória do oikos. As lamentações/canções de lamento eram fundamentais para demonstrar este conhecimento, pois louvavam e confirmavam a existência do oikos e dos ancestrais, além de preservar a sua memória (Stears, 1998, pg. 123). Uma forma de compreendermos a importância da mulher na realização destes rituais é compartilharmos do pensamento da maioria das sociedades antigas, a partir do qual se acreditava que a mulher, por ser solidária de outros centros de fecundidade cósmica - a terra, a lua e de possuir, ela também, ciclos como a natureza, adquiriu também prestígio e poder para influir sobre a fertilidade dos solos e dos homens - e sobre o mundo dos mortos (Eliade, 1972, p.237). É desta forma que podemos explicar o papel preponderante da mulher nos rituais ligados à fertilidade da terra, aos casamentos e aos rituais funerários. 11

12 A agricultura como técnica profana e como forma de culto, se cruza com mundo dos mortos em dois planos distintos. O primeiro é a solidariedade com a terra; os mortos, como as sementes são enterrados ou habitam o mundo subterrâneo, penetram na dimensão ctônica acessível somente a eles. Além disso, a agricultura é por excelência uma técnica de fertilidade e de vida que se reproduz, multiplicando-se. Os mortos são atraídos por este mistério do renascimento, da palingenésia e da fecundidade sem descanso. Semelhantes aos grão enterrados, os mortos esperam seu regresso à vida sob uma nova forma (Eliade, 1972, p.316). A relação entre os mortos, as colheitas e a sexualidade é tão estreita que, muitas vezes, os cultos funerários, agrários e genésicos (podemos incluir aqui os de casamento) se fundem quase completamente (Eliade, 1972, p.317). Podemos perceber, na verdade, que existem conjuntos de rituais míticos nos quais a morte e o renascimento se interpenetram e se convertem em momentos distintos de uma mesma realidade transumana (Eliade, 1972, p.320). A relação dos mortos com a fertilidade e a agricultura se observa mais claramente quando estudamos as divindades ligadas a estes domínios. Na maioria das vezes, uma divindade ctônico-vegetal, se converte igualmente em uma divindade funerária (Eliade, 1972, p.318) temos na Grécia o exemplo de Perséfone. Neste viés, ninguém melhor do que a mulher, também uma representante da fertilidade e dos ciclos da natureza, para lidar com os domínios da morte, da fertilidade e do (re)nascimento. Para o homem antigo, a fecundidade da mulher influía na fecundidade dos campos, mas a opulência da vegetação ajudava, por sua vez, a mulher a conceber. Os mortos colaboram tanto com uma coisa quanto com outra, esperando ao mesmo tempo a energia e a substância destas fontes para reintegra-los no fluxo vital (Eliade, 1972, p.321). Devido à importância dada aos rituais funerários e à sua interferência em tantos setores da vida, observar essas regras e cumprir os ritos de forma adequada dava às mulheres uma posição elevada na opinião da comunidade, aumentando seu status como realizadora de seus deveres rituais. Podemos imaginar sem ir demasiado longe que as mulheres devem ter percebido que o reconhecimento público de pessoas de fora do grupo familiar que compareciam ao funeral ou que as viam realizando os rituais nas tumbas - ao perceberem seu comportamento apropriado, seu cuidado e conhecimento ritual (incluindo a lamentação) - era uma forma de adquirir reputação e honra para ela e para o oikos como um todo. A atitude feminina correta mostrava também que ela sabia conduzir bem a sua casa e que assegurava os direitos de seu guardião legal (kyrios) à herança. A participação nestes rituais deve ter sido, portanto, bastante 12

13 desejada pelas mulheres (Stears, 1998,p. 122). Os rituais funerários na Grécia Antiga eram espaços femininos, organizados e apropriados pelas mulheres como forma de exposição e ação na sociedade políade. É muito provável que as mulheres percebessem sua centralidade no rito funerário e utilizassem isto a seu favor, para adquirir status e um certo tipo de poder (Stears, 1998, p. 122), uma vez que os rituais de visita da tumba valorizavam a imagem da mulher como pessoa individual e como membro do grupo. Ela se tornava visível e poderia ser elogiada por toda a sociedade e também pelos visitantes que estivessem neste espaço público. Os cemitérios nas cidades gregas encontravam-se em locais de grande movimentação, em geral nas entradas da cidade (Stears, 1993, p , Clairmont, 1983, 44 45, Burton, 2003, p ) e, por esse motivo e pela importância dos ritos realizados neste local, podem ser considerados como espaços de poder. Não é de se estranhar que a polis tenha tentado limitar a participação feminina nos rituais funerários em alguns momentos, considerando-a como perturbadora (Corley, 2006, p.2-3). O impacto das lamentações femininas e da realização dos ritos funerários em geral não estavam, portanto, restrito à esfera doméstica. Na observância dos rituais funerários as mulheres conseguiam transpor as fronteiras entre o público e o privado de uma maneira mais direta e física (Stears, 1998, p. 124). Nesse contexto é possível propor uma discussão acerca de um embate no e pelo espaço público, envolvendo a construção de uma visibilidade feminina. Esta visibilidade, ou esta exposição, a sociedade políade permitia e permitia ver-se através dessa exposição como sociedade no uso que fazia dos contextos funerários (Andrade, 2003, p.4). É preciso lembrar que, numa sociedade como a da polis grega, separar religião e política não é inteiramente possível. Porém, ao concordarmos com a afirmação de que não se podem separar, numa polis grega, sociedade, política e religião, devemos estar atentos para o fato de que ao observarmos o religioso observaremos o político, mas não certamente o mesmo político a ser observado no uso das instituições. Deste modo, o político sozinho, no sentido estrito que a ele conferimos na atualidade, não dá conta da dimensão total do político numa polis grega, assim como o religioso, sozinho, não pode dar conta da ubiquidade do fenômeno religioso nas sociedades políades. O político em uma polis grega está ligado à vida na polis, à relação com a cidade em muitos aspectos e não somente com a esfera institucional (Andrade, 2003,p.4). Assim sendo, tendo colocado todas as funções da realização dos ritos funerários na Grécia Antiga e, considerando que muitos destes rituais eram realizados no espaço público, 13

14 devemos nos questionar se estes ritos também não possuíam um aspecto político por excelência. Se deles dependia a continuação do oikos e da polis, se deles se esperava a continuação do grupo em sua autoctonia e se as mulheres tinham um papel importante e insubstituível nestes ritos, não estariam elas contribuindo e participando indiretamente deste universo político da cidade? Bibliografia ANDRADE, Marta Mega. Memória e renome femininos em contextos funerários: a sociedade políade da Atenas Clássica. (Conferência ministrada no Colóquio Logos e Tempo). Campinas: CPA Unicamp, 2003, 15 pgs, digit. ARGOLO, Paula. Produzindo um contexto familiar: ritos, artefatos e espaços funerários. In: Imagens da família nos contextos funerários: o caso de Atenas no período clássico. Dissertação de mestrado. São Paulo: MAE-USP, 2006, pgs ARGOLO, Paula. Ritos funerários e as leis suntuárias da polis ateniense. Revista Gaia, Rio de Janeiro, Disponível em: <http//www.gaialhia.ket.net/artigos/paula.2001.pdf. ARRUANATEGUI, Giseli. O culto de Perséfone e os pínakes de Locres: um exercício de interpretação. Museu de Arqueologia e Etnologia/ USP. São Paulo, p. + anexos. Dissertação (Mestrado). Acesso em 13/04/2008. BLUNDELL, Sue. and WILLIAMSON, Margareth. The sacred and the feminine in Ancient Greece. London: Routledge, 1998, 192p. BURTON, Diana. Public memorials, private virtues: women on classical Athenian grave monuments. Mortality, Vol. 8, No. 1, 2003, pg CLAIRMONT, Christoph. Patrios Nomos: public burial in Athens during the fifth and fourth centuries B.C. BAR International Series, 161, Oxford, CLOSTERMAN, Wendy. The self-presentation of the family: the function of classical attic peribolos tombs. Ann Harbor: PhD Phil. Tesis, Johns Hoppkins University, CORLEY, Kathleen. Women and Funerary Meals and Practices in Antiquity. Comunicação, Disponível em DILLON, Matthew. Girls and women in classical greek religion. London: Routledge, 2003, 436 p. ELIADE, Mircea. Tratado de Historia de las Religiones. Cidade do México: Ediciones Era, 1972, 462 pp. FERRY, Luc. Aprender a viver: filosofia para os novos tempos. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006, 302 pp. FLORENZANO, Maria.Beatriz. Nascer, viver e morrer na Grécia Antiga. São Paulo: 14

15 Atual, 1996, 95 p. GARLAND, Robert. The greek way of death. Cornel University Press: New York, 1995, 192p. GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1989, p HUMPHREYS, Sarah e KING, Helen. Mortality and immortality: the anthropology and archaeology of death. London: Academic Press, 1981, 346 p. HUMPHREYS, Sally. The Family, Women and Death. Comparative Studies. London: Routledge & Kegan Paul, MORRIS, Ian. Death-ritual and social structure in classical antiquity. Cambridge: University Press, PEIRANO, Mariza. Rituais ontem e hoje. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2003, 60 pg. POMEROY, Sara. Families in classical and hellenistic Greece: representations and realities. Nova York: Oxford University Press, RODRIGUES, José Carlos. Tabu do corpo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1983, 173 p. SOURVINOU-INWOOD, Christianne. Male and female, public and private, ancient and modern. In: REEDER, Ellen. Pandora. Princeton: Princeton University Pres, 1995, pp STEARS, Karen. Death becomes her: gender and Athenian death ritual. In: BLUNDELL, Sue. and WILLIAMSON, Margareth. The sacred and the feminine in Ancient Greece, London: Routledge, 1998, pg

Introdução a mitologia Africana para sala de aula

Introdução a mitologia Africana para sala de aula Introdução a mitologia Africana para sala de aula Curso de extensão Universidade Castelo Branco Prof. Dr. Arthur Vianna (PUCSP) Escola de formação de Professores Curso de História Objetivo Proporcionar

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA MANTER-SE CONECTADO AO ESPAÇO COLETIVO

GUIA PRÁTICO PARA MANTER-SE CONECTADO AO ESPAÇO COLETIVO GUIA PRÁTICO PARA MANTER-SE CONECTADO AO ESPAÇO COLETIVO Casamento Misto Filhos Essa questão deve aparecer antes da questão do próprio casamento porque representa a expectativa de cada cônjuge em relação

Leia mais

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa CANÇÃO Borres Guilouski Somos diversos E somos plurais Somos diferentes E somos iguais Respeito

Leia mais

A Partida Direção:- Yojiro Takita Roteiro:- Kunda Koyamo Japão, 2008 * Denise Maia

A Partida Direção:- Yojiro Takita Roteiro:- Kunda Koyamo Japão, 2008 * Denise Maia A Partida Direção:- Yojiro Takita Roteiro:- Kunda Koyamo Japão, 2008 * Denise Maia Às margens de um rio, nos arredores de sua terra natal - a cidade de Yamagata - Daigo observa a persistência dos salmões

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia A Arte: (faculdade da imaginação) De modo mítico e fantástico mediante a intuição e a imaginação, tende a alcançar objetivos que também

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas FUNDACENTRO/SP Novembro 2013 Prof. Dr. Silas Guerriero Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião - PUC-SP silasg@pucsp.br O Ser

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

TEMA 1: Desenvolva o tema «A organização familiar na sociedade romana», relevando os seguintes aspetos: a situação da mulher no seio da família romana; a situação da mulher no seio da família romana; o

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

FACULDADE DE PITÁGORAS RESENHA - ANTÍGONA

FACULDADE DE PITÁGORAS RESENHA - ANTÍGONA FACULDADE DE PITÁGORAS RESENHA - ANTÍGONA TEIXEIRA DE FREITAS 2011 FACULDADE DE PITÁGORAS Naguimar Moura M. Martins Núbia S. de Brito RESENHA - ANTÍGONA TEIXEIRA DE FREITAS 2011 Naguimar Moura M. Martins

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 9 LEI DE IGUALDADE Igualdade natural Desigualdade das aptidões Desigualdades sociais Desigualdade das riquezas Provas de riqueza e de miséria Igualdade dos direitos do homem

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem A Origem do Pensamento Científico O ser humano levou milhões de anos para evoluir até o estado atual. Essa evolução levou ao aparecimento de capacidades artísticas, religiosas e científicas na mente humana,

Leia mais

Escola Imortais da Terra Bruxaria, Magia e Esoterismo

Escola Imortais da Terra Bruxaria, Magia e Esoterismo Escola Imortais da Terra Bruxaria, Magia e Esoterismo Sagrado Masculino O Sagrado Masculino há muito foi esquecido... Diante de um tempo em que a humanidade cultivou o medo, e criou verdadeiras muralhas

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 Secundário 10ºAno

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 Secundário 10ºAno Unidade Letiva: 1 Política, Ética e Religião Período: 1º Metas Objetivos Conteúdos Avaliação O. Amadurecer a sua responsabilidade perante a pessoa, a comunidade e o mundo. I. Conhecer o percurso da Igreja

Leia mais

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2014 Disciplina: História Professor (a): Rodrigo Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

Discurso de Abertura proferido por Lesley-Anne Knight Secretária-geral da Caritas Internationalis

Discurso de Abertura proferido por Lesley-Anne Knight Secretária-geral da Caritas Internationalis Caritas Internationalis A Face Feminina da Migração Saly, Senegal, 30 de Novembro de 2010 Discurso de Abertura proferido por Lesley-Anne Knight Secretária-geral da Caritas Internationalis Eminências, excelências,

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O CONCEITO DE CIDADANIA

FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O CONCEITO DE CIDADANIA FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O CONCEITO DE CIDADANIA Como pode cair no enem Segundo Aristóteles, na cidade com o melhor conjunto de normas e naquela dotada de homens absolutamente justos, os cidadãos

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis.

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis. Apresentação O Manifesto de Lima a Paris foi apresentado no encontro denominado Que Responsabilidades o mundo necessita frente às mudanças climáticas? Por uma nova governança ambiental. O evento foi realizado

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA MAKSOUD PLAZA SÃO PAULO 30/3 a 1/4 de 2006 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHOS DE MEDICINA E CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

Leia mais

O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente.

O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente. EXERCÍCIOS DE REVISÃO COM RESPOSTAS PARA O EXAME FINAL HISTÓRIA 5ª SÉRIE O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente. Existem muitas fontes

Leia mais

As mulheres e o patriarcado nas comunidades paulinas

As mulheres e o patriarcado nas comunidades paulinas PNV 329 As mulheres e o patriarcado nas comunidades paulinas Sandra Regina Pereira São Leopoldo/RS 2015 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS

INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS 1 Não interessa responder se a religião é ou não verdadeira; Analisa a religião como fenômeno social. Enfoque da Sociologia 2 Encontrada em todas as sociedades Única que não se

Leia mais

O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos

O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos Entender o comportamento do consumidor não é tarefa fácil Consumidor: motivações internas (psiqué/personalidade) e externas (pressões sociais: família,

Leia mais

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos.

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. É uma honra ter a oportunidade de acompanhá-lo no desenvolvimento

Leia mais

CATÁLOGO. APRESENTAÇÕES: IMAGEMS: Coruja:

CATÁLOGO. APRESENTAÇÕES: IMAGEMS: Coruja: CATÁLOGO ÁREA: Introdução à Filosofia. TEMA: Por que a Coruja é o símbolo da Filosofia? HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Antiga, moderna e contemporânea. INTERDISCIPLINARIDADE: Artes DURAÇÃO: 1 aula de 50 AUTORIA:

Leia mais

O FEMINISMO NA OBRA ANTÍGONA DE SÓFOCLES

O FEMINISMO NA OBRA ANTÍGONA DE SÓFOCLES O FEMINISMO NA OBRA ANTÍGONA DE SÓFOCLES Renan Figueiredo Menezes Bolsista PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora do Grupo

Leia mais

Prisões mentais. Escrito por Mário Moreno Dom, 05 de Junho de 2011 15:37. Prisões mentais

Prisões mentais. Escrito por Mário Moreno Dom, 05 de Junho de 2011 15:37. Prisões mentais Prisões mentais Hoje podemos afirmar que há satan o adversário conseguiu algo muito grande quando fez o homem pecar além de fazer dele um peregrino fora do Gan Éden e de tirar-lhe a imortalidade. O adversário

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Mas tive uma preciosa informação: Cérbero, quando dorme, está com os olhos abertos, mas quando está de olhos fechados, está desperto.

Mas tive uma preciosa informação: Cérbero, quando dorme, está com os olhos abertos, mas quando está de olhos fechados, está desperto. Hades das Artes: a exumação da memória recente. Suyan de Mattos 1 Resumo: A obra de Sol LeWitt Buried Cube Containing an Object of Importance but Little Value, 1968. Aço, 25,4 x 25,4 x 25,4, é dada como

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca l. A REVOLUÇÃO DE 31 DE MARÇO E AS

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 1/10 PROJECTO 1 - Curso de Preparação para a Parentalidade Adoptiva Depois de tudo te amarei Como se fosse sempre antes Como se de tanto esperar Sem

Leia mais

INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES

INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES DOI: 10.4025/4cih.pphuem.268 INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES Simone Aparecida Pinheiro de Almeida i INTRODUÇÃO Pensar os conteúdos significa refletir acerca

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 2 Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 33 Na relação social é contar com uma presença humana positiva que seja capaz de ver a força e a beleza dessa presença e manifestação do

Leia mais

A SACRALIDADE DA VIDA

A SACRALIDADE DA VIDA A SACRALIDADE DA VIDA Maria Luiza Appy (Marlise) No mundo em que vivemos a noção da sacralidade da vida se perdeu. O ser humano - não em sua totalidade, mas em sua grande maioria - desconectou-se de sua

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND ECONOMIA, SOCIEDADE E RELIGIÃO NA GRÉCIA ANTIGA: O HOMEM GREGO Prof.

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE ENVELHECIMENTO ATIVO A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS ESTAÇÕES DA VIDA... PRIMAVERA..

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

Artesãos de Sorocaba resistem à época em que as imagens davam significado ao silêncio

Artesãos de Sorocaba resistem à época em que as imagens davam significado ao silêncio Artesãos de Sorocaba resistem à época em que as imagens davam significado ao silêncio Daniela Jacinto Fotos: Bruno Cecim A Wikipedia define bem o tema desta reportagem: arte tumular ou arte funerária é

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA

O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA Cristiano Corrêa de Paula 1 RESUMO: Utilizando-se do conceito formulado por Jung sobre manifestação religiosa, este artigo discorre sobre como se dá a manifestação

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental

Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental Introdução Antes de mais nada, temos que ter claro que não existe uma receita pronta para a inserção da dimensão ambiental no currículo escolar,

Leia mais

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza,

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Carta Mundial para a Natureza A Assembleia Geral, Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Recordando que, na sua resolução 35/7 de 30 de outubro

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES 1. (Unicamp 2013) A sabedoria de Sócrates, filósofo ateniense que viveu no século V a.c., encontra o seu ponto de partida

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO ANA ELIZABETH CAVALCANTI DA COSTA 3 ÍNDICE Introdução... 13 1ª Parte - O Universo Mágico Os Ciclos

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 1 INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 Rogério José de Almeida 2 No presente trabalho, tem-se por objetivo fazer uma breve análise da relação entre indivíduo e sociedade na obra durkheimiana.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 Sofia Z. Na parte anterior vimos algumas das razões do declínio do tesão entre os casais que têm uma relação estável. Nesta parte vamos fazer algumas considerações

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com. MESA 4 AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.br Relatores: Carmen Lúcia Souza Izilda Malta Torres Ruth

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola (Mônica Pereira dos Santos) 1 Introdução A perspectiva da relação entre família e escola pouco tem sido tratada na literatura do ponto de vista educacional,

Leia mais