DECLARAÇÃO DE ÓBITO Código de Ética Médica (CEM sendo o seu fornecimento direito inquestionável do paciente A Declaração de óbito (DO),

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECLARAÇÃO DE ÓBITO Código de Ética Médica (CEM sendo o seu fornecimento direito inquestionável do paciente A Declaração de óbito (DO),"

Transcrição

1 1 DECLARAÇÃO DE ÓBITO Atestado é qualquer declaração efetuada por alguém capacitado por lei, podendo ser documento público ou particular, oficial (requisitado por autoridade judicial) ou oficioso (solicitado pelo interessado ou por seu representante legal). Segundo o Código de Ética Médica (CEM), art. 112 e seu parágrafo único: É vedado ao médico deixar de atestar atos executados no exercício profissional, quando solicitado pelo paciente ou seu representante legal. Parágrafo único: o atestado médico é parte integrante do ato ou tratamento médico, sendo o seu fornecimento direito inquestionável do paciente (grifo nosso), não importando em qualquer majoração dos honorários. A Declaração de óbito (DO), da qual faz parte o atestado médico, é fonte de informações estatísticas/epidemiológicas e demográficas necessárias para conhecimento da situação de saúde da população, além de ser uma exigência legal com finalidade de sepultamento e no âmbito do Direito Civil, fazer cessar e transmitir direitos e obrigações, inventário dos bens do falecido, licenciamento de empregados e indenizações de pessoas, requisição de benefícios (INSS, PIS, FGTS). A Certidão de óbito, documento definitivo, será emitido pelo Cartório de Registro Civil do Distrito onde ocorreu a morte e entregue aos familiares ou responsáveis legais. Código Civil (CC), art. 10 A existência da pessoa natural termina com a morte. Presume-se esta, quanto aos ausentes, nos casos dos arts. 481 e 482. A Lei 6.015/73 relativa ao registro público, com as corrigendas da Lei 6.126/75 diz no seu art. 29 que: Serão registrados no registro civil de pessoas naturais: III os óbitos e no art. 75: Nenhum sepultamento será feito sem certidão do oficial de registro do lugar do falecimento, extraída após lavratura do assento de óbito, em vista do atestado de médico, se houver no lugar, ou em caso contrário, de duas pessoas qualificadas que tiverem presenciado ou verificado a morte. Parágrafo 2 º - A cremação de cadáver somente será feita daquele que houver manifestado a vontade de ser incinerado ou no interesse da Saúde Pública e se o atestado de óbito houver sido firmado por 2 (dois) médicos ou por 1 (um) médicolegista e, no caso de morte violenta, depois de autorizada pela Autoridade Judiciária. A família também pode decidir pela cremação se o m orto não manifestou esse desejo em vida e também não manifestou discordância; a autorização para cremação é concedida pelo parente mais próximo (marido ou mulher, filhos, irmãos maiores de idade). Essa autorização deve ser testemunhada por duas pessoas. Em caso de morte violenta (homicídio, suicídio, acidente) ou suspeita, a cremação deverá ser autorizada pelo Juiz Corregedor da Polícia Judiciária.

2 2 O Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que o atestado de óbito falso, para encobrir a verdadeira causa de morte, configura crime do art. 299 (Falsidade ideológica ) 1 ª turma, rel. Min. Moreira Alves, DJU, 19 mar. 1993, p Como vemos o ato de atestar é muito mais sério do que possa parecer. O CEM, em seu art. 114 diz: É vedado ao médico atestar óbito quando não o tenha verificado pessoalmente, ou quando não tenha prestado assistência ao paciente, salvo, no último caso, se o fizer como plantonista, médico substituto (grifo nosso), ou em caso de necropsia e verificação médico-legal, corroborado pelo Decreto Federal /32. No art. 115 do CEM, encontramos: É vedado ao médico deixar de atestar óbito de paciente ao qual vinha prestando assistência, exceto quando houver indícios de morte violenta. O Conselho Federal de Medicina em sua Resolução No. 743/76 recomenda que o atestado de óbito ocorrido em Unidades de Assistência Médica, quando ausente o médico-assistente respectivo, poderá ser fornecido pelo médico de plantão, à vista do que constar do correspondente prontuário (grifo nosso), devendo o plantonista, prévia e pessoalmente, verificar o óbito, para pronunciar-se, afinal, quanto a causa mortis. Não importa o tempo de internamento do paciente, e sim se o médico descobriu a causa básica da morte, o que é determinado, na maioria dos casos, com dados clínicos, laboratoriais ou cirúrgicos. A responsabilidade pela emissão da DO em serviços de atendimento préhospitalar (serviços de remoção de pacientes, emergência e urgência domiciliar ambulância), foi regulamentado pela Resolução CFM nº 1.529/98, art. 1º: é um serviço médico e sua coordenação, regulação e supervisão direta e a distância deve ser efetuada por médico. O fato de o paciente estar em sua casa, na ambulância ou no hospital é questão topográfica e não médica... para efeito da emissão de atestado de óbito osw médicos desses serviços serão considerados médicos assistentes ou substitutos e devem obedecer o que dispõe a Resolução CFM nº 1.601/2000 Processo consulta nº 2.478/01-CFM (04/03). Nos casos de mortes naturais sem assistência médica ou mesmo com estes atestados, quando for de interesse da saúde pública, deverá o médico solicitar e convencer os familiares ou seus representantes legais, a autorizarem a necropsia clinica no Serviço de Verificação de Óbito. A família ou os representantes legais do falecido têm o direito de recusar a necropsia. O fornecimento da DO nos municípios que não dispõem de SVO deve ser feito pelos médicos da Secretaria de Saúde e, na sua falta, por outro médico da localidade, devendo constar que a morte ocorreu sem assistência médica. Se a morte ocorrer repentinamente, sem a assistência de um médico, os familiares devem procurar a Delegacia de Polícia mais próxima de onde o fato aconteceu e pedir a remoção para o SVO que constatará a causa da morte e emitirá a DO.

3 3 Nos casos de mortes violentas (homicídio, suicídio, acidentes de qualquer origem), o fornecimento das DO será de competência exclusiva dos médicoslegistas ou, se na localidade não existir IML, de peritos médicos, não oficiais, nomeados e compromissados pela autoridade competente, os quais só poderão recusar-se em casos de suspeição ou por outro impedimento aceito pela Justiça. Este trabalho, no âmbito penal, não será remunerado. Todas as Unidades de saúde, Emergências e Hospitais devem ter os formulários da DO, assim como os Serviços de Verificação de Óbitos e os Institutos de Medicina Legal. Na clínica particular os médicos poderão obter a DO no DICOEP, Departamento de Vigilância Sanitária da FUSAM, Nível Central, de 2 ª a 6 ª Feira, das 07:00 às 13:00 horas. Os formulários da DO não podem ser cedidos a outro colega, senão com comunicação, por escrito, à Vigilância Sanitária. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA Resolução No /89 O Conselho Federal de Medicina, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei de 30 de setembro de 1957, regulamentada pelo Decreto No de 19 de julho de 1958, e, considerando o que estabelece o Código de Ética Médica nos seus artigos 110, 112, 114 e 115; considerando o que foi aprovado na Sessão Plenária de 08 de junho de 1989; Resolve: Art. 1 º - O médico só atestará o óbito após tê-lo verificado pessoalmente; Art. 2 º - É dever do médico atestar óbito de paciente ao qual vinha prestando a assistência, ainda que o mesmo ocorra fora do ambiente hospitalar, exceto em caso de morte violenta ou suspeita; Art. 3 º - Quando o óbito ocorrer em hospital caberá ao médico que houver prestado assistência ao paciente a obrigatoriedade do fornecimento do atestado de óbito, ou no seu impedimento, ao médico de plantão; Art.4 º - No caso de morte violenta ou suspeita é vedado ao médico assistente atestar o óbito, o que caberá ao médico legalmente autorizado; Parágrafo 1 º - Entende-se por morte violenta aquela resultante de uma ação exógena e lesiva, mesmo tardiamente Parágrafo 2 º - Entende-se por morte suspeita aquela que ocorre de maneira inesperada e sem causa evidente; Art. 5 º - É vedado ao médico cobrar qualquer remuneração pelo fornecimento do atestado de óbito; Art. 6 º - Fica revogada a Resolução CFM No. 743/76. Sobre a importância do preenchimento correto e completo da Declaração de Óbito, transcrevemos abaixo um resumo da decisão do Juiz Corregedor Auxiliar para o Extrajudicial da Corregedoria Geral de Justiça/PE, Exm. Dr. Alexandre Aquino: A declaração de óbito, que serve de suporte para a lavratura do assento, deve ser preenchida com a máxima atenção e de forma completa, principalmente no que se relaciona com o nome do falecido, sua qualificação, lugar do falecimento e

4 4 causa mortis, nos termos da Portaria n 474/2000, do Ministério da Saúde, na forma seguinte: a) Mortes naturais em estabelecimentos de saúde pela Unidade Hospitalar; b) Mortes naturais fora de estabelecimentos de saúde, mas com assistência médica pelo médico responsável com nome completo e legível e CRM; c) Locais onde não houver médico pelo titular do cartório, mediante declaração do responsável pelo falecido e de duas testemunhas qualificadas que tiverem presenciado ou verificado a morte; d) Mortes por causas violentas e/ou acidentais pelo médico legista do IML ou perito ad hoc, com indicação do nome completo e legível do perito e CRM; e) Nos municípios onde haja Serviço de Verificação de Óbitos (SVO) os oficiais não registrarão os óbitos cujo atestado se refira a moléstia mal definida, encaminhando os interessados ao SVO para providenciarem a necropsia; f) Os responsáveis pelas declarações de óbito devem ficar atentos ao correto preenchimento, exigindo sempre um documento do falecido, a fim de não causarem transtornos aos familiares do morto; g) Óbito de criança menor de um ano antes de proceder ao assento, o oficial verificará se houve registro de nascimento, que, em caso de falta, será previamente feito, à vista da DNV; h) Falecido ter Identidade desconhecida conhecidas as circunstâncias da morte, mas ignorada a identidade, o termo do óbito deverá conter declaração de estatura ou medida, se for possível, cor, sinais aparentes, idade presumida, vestuário e qualquer indicação que possa auxiliar de futuro o seu reconhecimento; e, no caso de ter sido encontrado morto, serão também mencionados esta circunstância e o lugar em que se achava e o da necropsia (art. 79, item 6, e 81, da LRP); i) O registro de óbito lavrado sem identificação do extinto, somente poderá ser retificado através de procedimento judicial, uma vez que a legislação de regência não autoriza alteração do termo após lavratura e publicação do ato. j) Por outro lado, se o reconhecimento da identidade do morto for feita antes da lavratura do assento (prazo para a lavratura do óbito 15 dias contado da data do falecimento), o oficial poderá lavrar o óbito, à vista da DO e do auto de reconhecimento lavrado pelo IML; Após o prazo, somente mediante ordem judicial; k) Como regra de exceção, os dados, porventura, faltantes na declaração de óbito expedida pelo médico responsável, que digam respeito à data de nascimento, filiação, profissão, estado civil e endereço do morto, podem ser complementadas por familiares do extinto, na ordem indicada no art. 79 da Lei de Registros Públicos, mediante declaração em separado, firmada de próprio punho, na presença do oficial, devidamente instruída com um dos documentos do extinto, previstos no item 12, do art. 80 da LRP.

5 5 Ato n 884/99 regulamentando o disposto no 1 do art. 4 da Lei 8.935/94: O serviço de registro civil das pessoas naturais (no Recife, quinze cartórios com suas áreas territoriais definidas pelo Decreto-Lei n 746 de 16 de junho de 1942) será prestado, também, nos sábados, domingos e feriados pelo sistema de plantão. Finalmente, levando em consideração os aspectos éticos, legais e médicosanitários, recomenda-se : a Não assinar Declaração de Óbito em branco; b Não deixar Declarações previamente assinadas; c Ao assinar a Declaração de Óbito, verificar se todos os itens de identificação foram devida e corretamente preenchidos; d O Atestado Médico da Declaração de Óbito ou Óbito Fetal é de competência única e exclusiva do médico; e Preencher corretamente o atestado médico da DO definindo, se possível, com precisão a causa básica da morte; f Nunca preencher e assinar DO sem antes verificar, pessoalmente, a morte real do paciente. CONCEITOS CAUSAS DE MORTE São todas aquelas doenças, estados mórbidos ou lesões que produziram diretamente a morte, ou que contribuíram para ela, e as circunstâncias do acidente ou da violência que produziu estas lesões (OMS/CID) CAUSA BÁSICA DA MORTE É a doença ou lesão que iniciou a cadeia de acontecimentos patológicos que produziram diretamente a morte, ou as circunstâncias do acidente ou violência que produziu a lesão fatal (OMS/CID) ÓBITO FETAL É a morte de um produto da concepção, antes da expulsão ou da extração completa do corpo da mãe, independente da duração da gravidez NATIMORTO É o produto da concepção, morto desde a 20 ª semana de gestação até o trabalho de parto, que, expulso, não apresenta qualquer sinal de vida extra-uterina

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA CÓDIGO PENAL Artigo 154. Revelar alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem: Pena detenção,

Leia mais

DOCUMENTOS MÉDICOS. 1 - Qualquer base de conhecimento, fixada materialmente e disposta de maneira que se possa

DOCUMENTOS MÉDICOS. 1 - Qualquer base de conhecimento, fixada materialmente e disposta de maneira que se possa DOCUMENTOS MÉDICOS Documento: 1 - Qualquer base de conhecimento, fixada materialmente e disposta de maneira que se possa utilizar para consulta, estudo, prova, etc. (Buarque de Holanda). 2 - Título ou

Leia mais

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana A Declaração de Óbito Consa. Maria Madalena de Santana APRESENTAÇÃO CAMPO I IDENTIFICAÇÃO INDISPENSÁVEL! CAMPO II RESIDÊNCIA CAMPO III OCORRÊNCIA CAMPO IV FETAL OU MENOR QUE 1 ANO CAMPO V CONDIÇÕES E

Leia mais

Momento ético Prontuário Médico

Momento ético Prontuário Médico Momento ético Prontuário Médico Luiz Antonio da Costa Sardinha Conselheiro Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo PRONTUÁRIO MÉDICO Tem um morto no plantão. Por onde iniciar História Tudo

Leia mais

PROCESSO CONSULTA Nº 27/2010, protocolizado em 11/10/2010.

PROCESSO CONSULTA Nº 27/2010, protocolizado em 11/10/2010. PROCESSO CONSULTA Nº 27/2010, protocolizado em 11/10/2010. INTERESSADO: Dr. D. J. P L e Dr. J. C. W. P. A ASSUNTO: Solicita posicionamento do CRM-PB quanto às questões relacionadas à emissão de Declaração

Leia mais

A DECLARAÇÃO (ATESTADO ) DE ÓBITO

A DECLARAÇÃO (ATESTADO ) DE ÓBITO A DECLARAÇÃO (ATESTADO ) DE ÓBITO Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Delegacia Regional de Ribeirão Preto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA São Joaquim da Barra, 09/04/2015 Declaração

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 26/2012 21/09/2012

PARECER CREMEC N.º 26/2012 21/09/2012 PARECER CREMEC N.º 26/2012 21/09/2012 PROCESSO CONSULTA: 7362/2012 ASSUNTO: Preenchimento da Declaração de Óbito RELATOR: JOSÉ MÁLBIO OLIVEIRA ROLIM EMENTA: É vedado ao médico atestar o óbito quando não

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 7331/2014 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO PERITO E DO AUXILIAR DE NECROPSIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO JOSÉ AJAX NOGUEIRA QUEIROZ

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO SOBRE MORTALIDADE PORTO ALEGRE Setembro de 2006 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO SOBRE MORTALIDADE PORTO ALEGRE Setembro de 2006 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO SISTEMA DE INFORMAÇÃO SOBRE MORTALIDADE PORTO ALEGRE Setembro de 2006 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO SUMÁRIO DECLARAÇÃO DE ÓBITO 2 CERTIDÃO DE ÓBITO 2 QUEM PREENCHE A DECLARAÇÃO DE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 PROCESSO CONSULTA CRM-MT Nº 17/2013 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 22/2013 DATA DA ENTRADA: 22 de abril de 2013 INTERESSADA:COORDENADORIA DE VIGILANCIA SANITÁRIA DE CUIABÁ

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER COMISSÃO DE ÓBITO NORMAS E ROTINAS

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER COMISSÃO DE ÓBITO NORMAS E ROTINAS NORMAS E ROTINAS CUIABÁ - 2012 1 DO HUJM Apresentação: A Comissão de Óbito do Hospital Universitário Julio Muller tem as seguintes finalidades: - Normatizar e padronizar os procedimentos e as condutas

Leia mais

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou?

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? CÓDIGO DE ÉTICA Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? Ruth Virgolino Chefe da DIPOC/DIRSAT/INSS CÓDIGO DE ÉTICA NOVO CÓDIGO DE ÉTICA E A PERÍCIA MÉDICA DO INSS Código de

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO. Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP

Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO. Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP Documento de fé pública, é parte integrante do atendimento e tem como função confirmar a veracidade de

Leia mais

CONSULTA Nº 76.842/2013

CONSULTA Nº 76.842/2013 1 CONSULTA Nº 76.842/2013 Assunto: Sobre a hipótese diagnóstica correta no preenchimento de uma declaração de nascimento vivo. Relator: Conselheiro Henrique Carlos Gonçalves e Dr. Luiz Frederico Hoppe,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CREMESC -

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CREMESC - 1 Consulta Nº: 2148/12 Consulente: G. G. G. Conselheiro: Rodrigo Bertoncini Ementa: A responsabilidade pelas atividades médicas em um hospital, qualquer que seja seu porte, é do Diretor Técnico e a responsabilidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE Curitiba, 21 de novembro de 2012 CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver conflito de interesses na apresentação desta palestra, sendo que

Leia mais

Obra do artista plástico Paulo Camargo, criada em 1997 (3x6 metros) que se encontra no saguão do prédio do Departamento de Patologia da Faculdade de

Obra do artista plástico Paulo Camargo, criada em 1997 (3x6 metros) que se encontra no saguão do prédio do Departamento de Patologia da Faculdade de Capa Obra do artista plástico Paulo Camargo, criada em 1997 (3x6 metros) que se encontra no saguão do prédio do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP Série A. Normas

Leia mais

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS Categoria : Casamento religioso com efeitos civis 1207 A serventia possui o Livro B Auxiliar - Registro de Casamento Religioso CNCGJ, art. 589, III - Lei 6.015/73, Lei 6.015/73, art. 33, III para Efeitos

Leia mais

A cremação e suas implicações jurídicas:

A cremação e suas implicações jurídicas: A cremação e suas implicações jurídicas: 1.Introdução e considerações iniciais Tendo em vista a crescente procura pelo serviço de cremação no município do Rio de Janeiro e em todo o Brasil, e o grande

Leia mais

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos EXPEDIENTE CONSULTA N.º 209.644/11 PARECER CREMEB Nº 21/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 21/05/2013) ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério

Leia mais

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ PROVIMENTO N 001/2003 CGJ Estabelece normas de serviço acerca dos Procedimentos de Registro de Nascimento, Casamento e Óbito de Brasileiros ocorridos em País Estrangeiro, bem como o traslado das certidões

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

A declaração antecipada de vontade no Brasil (testamento vital) Letícia Franco Maculan Assumpção

A declaração antecipada de vontade no Brasil (testamento vital) Letícia Franco Maculan Assumpção A declaração antecipada de vontade no Brasil (testamento vital) Letícia Franco Maculan Assumpção 2015 Viver e não poder se expressar A DAV é um instrumento para a vida, não para após a morte. Vamos viver

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório.

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório. Registro Civil das Pessoas Naturais temas práticos parte 2 Temas práticos de registro civil das pessoas naturais Priscila de Paula, registradora civil em Cajamar Vamos tratar de alguns aspectos relacionados

Leia mais

Capa: obra do artista plástico Paulo Camargo, criada em 1997 (3x6 metros) que se encontra no saguão do prédio do Departamento de Patologia da

Capa: obra do artista plástico Paulo Camargo, criada em 1997 (3x6 metros) que se encontra no saguão do prédio do Departamento de Patologia da Capa: obra do artista plástico Paulo Camargo, criada em 1997 (3x6 metros) que se encontra no saguão do prédio do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP MINISTÉRIO DA

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

PROVIMENTO Nº 22/2015. A Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Regina Ferrari, no uso das

PROVIMENTO Nº 22/2015. A Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Regina Ferrari, no uso das PROVIMENTO Nº 22/2015 Regulamenta a forma e os modelos de autorizações de viagens intermunicipais, interestaduais e internacionais de crianças e adolescentes. atribuições, A Corregedora-Geral da Justiça,

Leia mais

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio.

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECER CRM/MS N 12/2014 PROCESSO CONSULTA CRMMS 0011/2014 Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECERISTA:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

PORTARIA N 1840/CGJ/2011

PORTARIA N 1840/CGJ/2011 DJe de 25/11/2011 (cópia sem assinatura digital) PORTARIA N 1840/CGJ/2011 Dispõe sobre a concessão, no âmbito do Estado de Minas Gerais, de autorização de viagem para o exterior de crianças e adolescentes

Leia mais

Imprimir. Em 29 de março do mesmo ano, o dr. R.S.S. respondeu ao interessado nos seguintes termos:

Imprimir. Em 29 de março do mesmo ano, o dr. R.S.S. respondeu ao interessado nos seguintes termos: Imprimir PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 1.955/01 PC/CFM/Nº 10/2002 INTERESSADO: Sociedade Santamarense de Beneficência de Guarujá ASSUNTO: Reformulação da Resolução nº 1.076/81 RELATOR: Cons. Luiz Salvador de

Leia mais

Questões Éticas e Legais do Prontuário do Paciente

Questões Éticas e Legais do Prontuário do Paciente Questões Éticas e Legais do Prontuário do Paciente Prontuário Eletrônico Sistemas Jurídicos Norte-Americano: derivado do Direito Inglês (Common Law), tende a esperar os fatos e a eles se adaptar Brasileiro:

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

A Declaração de Óbito

A Declaração de Óbito MINISTÉRIO DA SAÚDE A Declaração de Óbito documento necessário e importante 3ª edição Brasília-DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CENTRO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOENÇAS A Declaração

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES. Mortalidade (SIM) e Nascidos Vivos (Sinasc) para os profissionais do Programa Saúde da Família. sobre MINISTÉRIO DA SAÚDE

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES. Mortalidade (SIM) e Nascidos Vivos (Sinasc) para os profissionais do Programa Saúde da Família. sobre MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Brasília DF 2004 sobre Mortalidade (SIM) e Nascidos Vivos (Sinasc) para os profissionais do Programa Saúde da Família MINISTÉRIO DA SAÚDE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

Leia mais

FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Manual de Instruções para o Preenchimento da Declaração de Óbito

FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Manual de Instruções para o Preenchimento da Declaração de Óbito FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual de Instruções para o Preenchimento da Declaração de Óbito Manual de Instruções para o Preenchimento da Declaração de Óbito Brasília, agosto de 2001 2001. Ministério

Leia mais

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR DISPOSIÇÕES GERAIS Édison Renato Kirsten Registrador Santo Antônio da Patrulha/RS Conforme artigo 32 da Lei 6015/73, os assentos de nascimento,

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde Manual de Instruções para o Preenchimento da Declaração de Óbito Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília/DF

Leia mais

Processo: 2014-175822

Processo: 2014-175822 Processo: 2014-175822 Assunto: REQUER A CRIAÇÃO DE UNIDADES INTERLIGADAS PARA LAVRATURA DE REGISTROS DE OBITO JUNTO AOS IMLs DO ESTADO ARPEN/RJ ASSOCIAÇÃO DO REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS PRISCILLA

Leia mais

PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib

PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib EMENTA: O médico poderá faltar a um plantão preestabelecido,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 1.668/2003

RESOLUÇÃO CFM nº 1.668/2003 RESOLUÇÃO CFM nº 1.668/2003 (Publicada no D.O.U. 03 Junho 2003, Seção I, pg. 84) Dispõe sobre normas técnicas necessárias à assistência domiciliar de paciente, definindo as responsabilidades do médico,

Leia mais

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema?

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Saber é poder definir. Quando duas pessoas discutem, devem saber primeiro sobre o que discutem.

Leia mais

1 Registro de Óbito. 1.1 Prazo: 24h; 15 dias se houver motivo razoável. Após, somente se faz o registro mediante autorização judicial.

1 Registro de Óbito. 1.1 Prazo: 24h; 15 dias se houver motivo razoável. Após, somente se faz o registro mediante autorização judicial. 1 Registro de Óbito 1.1 Prazo: 24h; 15 dias se houver motivo razoável. Após, somente se faz o registro mediante autorização judicial. 1.2 Legitimidade para declaração: a) pelo homem, pela mulher, filhos,

Leia mais

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões.

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões. No Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais são regis- trados os atos mais importantes da vida de uma pessoa, como o nascimento, o casamento e o óbito, além da emancipação, da interdição, da ausência

Leia mais

ANÚNCIOS PROFISSIONAIS É OBRIGATÓRIO INCLUIR O NÚMERO DO CRM EM ANÚNCIOS

ANÚNCIOS PROFISSIONAIS É OBRIGATÓRIO INCLUIR O NÚMERO DO CRM EM ANÚNCIOS Destaques do Novo Código de Ética Médica 14/04/2010 ABANDONO DE PACIENTE O MÉDICO NÃO PODE ABANDONAR O PACIENTE É vedado ao médico abandonar paciente sob seus cuidados. ( Cap. 5, art. 36) 1º Ocorrendo

Leia mais

Formulário 1: Chek List de documentos para regulação de Sinistro DIT e Cesta Básica (Preenchimento obrigatório) Filial Resp.: Contato: Data de envio:

Formulário 1: Chek List de documentos para regulação de Sinistro DIT e Cesta Básica (Preenchimento obrigatório) Filial Resp.: Contato: Data de envio: Formulário 1: Chek List de documentos para regulação de Sinistro DIT e Cesta Básica Corretor: Responsável: Tel. Contato: E-mail: Filial Resp.: Contato: Data de envio: Relação de documentos para regulação

Leia mais

Anotações de aula Aline Portelinha 2015

Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Aula 2 PRONTUÁRIO MÉDICO E FICHA CLÍNICA (Prontuário Médico do Paciente - CRM do DF) Prontuário médico Resolução CFM 1.638/02 Documento único constituído de um conjunto

Leia mais

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto.

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto. Glossário A pesquisa abrange os assentamentos de nascidos vivos, casamentos, óbitos e óbitos fetais informados pelos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, e de separações e divórcios declarados

Leia mais

Aviso de Sinistro por Morte Planos de Previdência com Benefício de Proteção (Pecúlio)

Aviso de Sinistro por Morte Planos de Previdência com Benefício de Proteção (Pecúlio) 1 - Dados do Sinistro Produto Plano Certificado Data do Evento Gerador Data da Comunicação 2 - Dados do Participante CPF Endereço Bairro Cidade UF CEP DDD Telefone 3 - Dados do Reclamante: Beneficiário

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Declaração

Leia mais

DIESAT Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho

DIESAT Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho DIESAT Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? Ética Médica Código de Conduta do Médico

Leia mais

PROJETO DE LEI No, DE 2013 (Do Deputado Leopoldo Meyer)

PROJETO DE LEI No, DE 2013 (Do Deputado Leopoldo Meyer) PROJETO DE LEI No, DE 2013 (Do Deputado Leopoldo Meyer) Dispõe sobre normas gerais acerca da prestação de serviços funerários, administração de cemitérios e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Comunicado conjunto

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Comunicado conjunto Comunicado conjunto A Defensoria Pública do Estado de São Paulo e o Ministério Público do Estado de São Paulo considerando as inúmeras questões que podem surgir às vítimas e aos seus familiares na ocorrência

Leia mais

Autorização de Viagem

Autorização de Viagem 1ª Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Autorização de Viagem Viagem nacional Viagem internacional 1ª Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Renato Rodovalho Scussel Juiz de

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 26/2010 10/09/2010

PARECER CREMEC Nº 26/2010 10/09/2010 PARECER CREMEC Nº 26/2010 10/09/2010 PROCESSO-CONSULTA Protocolo CREMEC nº 2041/10 INTERESSADO: Dr. Kleiber Marciano Lima Bomfim CRM 7084 ASSUNTO: Competência para a emissão do relatório de alta definitiva

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS.ª ANA MARIA SILVEIRA MACHADO DE MORAES EMENTA: Assinatura

Leia mais

Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências.

Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. LEI N 9.434-4 de Fevereiro de 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber

Leia mais

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 20/2011 Disciplina a concessão de licenças-médicas aos servidores em exercício neste Regional e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008

RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008 RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008 (Publicada no D.O.U. de 14 de março de 2008, Seção I, pg. 195) As disponibilidades de médicos em sobreaviso devem obedecer normas de controle que garantam a boa prática médica

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Declaração

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO PARA SER ENTREGUE À FAMÍLIA - SVO nº:

TERMO DE ESCLARECIMENTO PARA SER ENTREGUE À FAMÍLIA - SVO nº: TERMO DE ESCLARECIMENTO PARA SER ENTREGUE À FAMÍLIA - SVO nº: O SVO - Serviço de Verificação de Óbito da Faculdade de Medicina de Marília tem como finalidade executar necropsias nos casos de morte natural

Leia mais

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados:

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados: Abono de faltas e a acreditação na avaliação médica. A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de abono de faltas mediante atestado médico: Constituem motivos justificados:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS. Subseção I. Competência

CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS. Subseção I. Competência CAP. XII - 1 CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Subseção I Competência 1. O Plantão Judiciário destina-se exclusivamente: 1 a) ao conhecimento dos pedidos de habeas corpus

Leia mais

Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações

Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações PROVIMENTO N.º 16 Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações de supostos pais de pessoas que já se acharem registradas sem paternidade estabelecida, bem

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 038/2014 CT PRCI 5331/2014 Tickets n 377.737 e 386.538

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 038/2014 CT PRCI 5331/2014 Tickets n 377.737 e 386.538 PARECER COREN-SP 038/2014 CT PRCI 5331/2014 Tickets n 377.737 e 386.538 Ementa: Legalidade de instalação de câmeras de segurança no ambiente hospitalar. 1. Do fato Solicita-se esclarecimento sobre a instalação

Leia mais

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Novo Código de Ética Médico e Saúde do Trabalhador Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Realização: DIESAT Apoio: Fundacentro São Paulo, 22 jun 2010 Os dilemas, os sensos, os consensos,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 610 5 Súmula: Aprova o Manual de Perícia Médica dos servidores da Administração Direta e Autárquica do Poder Executivo. A Secretária

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 13/2012 DATA DA ENTRADA: 12 de junho de 2012 INTERESSADO: Dr. MHM CRM-MT XXXX CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra. Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO:

Leia mais

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA Talvane M. de Moraes Médico especialista em psiquiatria forense Livre Docente e Doutor em Psiquiatria Professor de psiquiatria forense da Escola da Magistratura

Leia mais

Anotações de aula Aline Portelinha 2015

Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Aula 10 CONSELHOS DE MEDICINA Conselhos de Medicina O que são Constituem, em seu conjunto, uma autarquia federal, cada um deles dotado de autonomia administrativa

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 2: A IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO

ESTUDO DIRIGIDO 2: A IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDO DIRIGIDO 2: A IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.126/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.126/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.126/2015 (Publicado no D.O.U., 01 de outubro de 2015, Seção I, p. 131) Altera as alíneas c e f do art. 3º, o art. 13 e o anexo II da Resolução CFM nº 1.974/11, que estabelece os critérios

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR O Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Marília UNIMAR, no uso de suas atribuições legais, expede o presente regimento, regulamentando

Leia mais

A problemática do diagnóstico, monitoramento e vigilância de zoonoses e a implantação do atestado de óbito veterinário

A problemática do diagnóstico, monitoramento e vigilância de zoonoses e a implantação do atestado de óbito veterinário A problemática do diagnóstico, monitoramento e vigilância de zoonoses e a implantação do atestado de óbito veterinário Fernando Hosomi Centro de Controle de Zoonoses de São Paulo 1/15 Gerência do Centro

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 032/2012 CT PRCI n 100.074/2012 e Ticket 279.456

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 032/2012 CT PRCI n 100.074/2012 e Ticket 279.456 PARECER COREN-SP 032/2012 CT PRCI n 100.074/2012 e Ticket 279.456 Ementa: Preenchimento de atestado médico por profissional de Enfermagem. 1. Do fato Questionamento de Enfermeiro sobre a possibilidade

Leia mais

Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 *****

Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 ***** Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 ***** Dispõe sobre o exercício profissional e os programas de pós-graduação no Brasil do médico estrangeiro e do médico

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 33/2011 INTERESSADA: Dra V. da C. R. F. Perita Médica Precidenciária/SST/MOB

Leia mais

DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL * Da Carteira de Trabalho e Previdência Social Art. 13 - A Carteira de Trabalho e Previdência Social é obrigatória para o exercício de qualquer emprego, inclusive de natureza

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 001/CGRH/SEPLAD, DE 1 DE MARÇO DE 2004 PUBLICADA NO DOE Nº 5426, DE 04.03.04

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 001/CGRH/SEPLAD, DE 1 DE MARÇO DE 2004 PUBLICADA NO DOE Nº 5426, DE 04.03.04 INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 001/CGRH/SEPLAD, DE 1 DE MARÇO DE 2004 PUBLICADA NO DOE Nº 5426, DE 04.03.04 Dispõe, orienta e disciplina os procedimentos necessários para a concessão de direito à Licença para

Leia mais

Apresentação. O Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais

Apresentação. O Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais Apresentação O Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais A Corregedoria da Justiça apresenta aos cidadãos do Distrito Federal a série Conversando Sobre Cartórios, onde as dúvidas mais freqüentes

Leia mais

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS, DELEGADOS, MÉDICOS FISCAIS E SERVIDORES Salvador/2012 REGISTRO Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares nos conselhos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) Altera os arts. 161, 162, 164, 165, 169 e 292 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941- Código

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA Resolução CFFa Nº 408, de 3 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o registro profissional, principal e secundário, transferência por alteração de endereço profissional, baixa, reintegração e revalidação da

Leia mais

Prezado(a) cliente: Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com a Central Itau Resolve:

Prezado(a) cliente: Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com a Central Itau Resolve: Prezado(a) cliente: Para nós é importante oferecer a você o apoio necessário neste momento. E,para melhor atendêlo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários. Procedimentos para envio

Leia mais

PROVIMENTO Nº 09/2012/CGJUS/TO. A CORREGEDORA-GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 09/2012/CGJUS/TO. A CORREGEDORA-GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 09/2012/CGJUS/TO Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações de supostos pais de pessoas registradas sem paternidade estabelecida, bem como

Leia mais

MANUAL DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIAS ESPECIAIS

MANUAL DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIAS ESPECIAIS MANUAL DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIAS ESPECIAIS 1. Objetivo: Este manual contém informações acerca dos procedimentos que deverão ser tomados na ocorrência de qualquer fato que acarrete na utilização de algum

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Residência Médica em Medicina Legal

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Residência Médica em Medicina Legal Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Programa de Residência Médica em Medicina Legal 1) Objetivos do programa O principal objetivo da Residência em Medicina Legal é a formação de especialistas

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES Conselho Tutelar Órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente,

Leia mais

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações,

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, testamentos, entre outras. Também são lavradas atas notariais,

Leia mais