Gilberto Kassab PREFEITO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO. Miguel Luiz Bucalem SECRETÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gilberto Kassab PREFEITO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO. Miguel Luiz Bucalem SECRETÁRIO"

Transcrição

1

2

3

4 Gilberto Kassab PREFEITO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SMDU), órgão da administração do município de São Paulo, é responsável por formular políticas, diretrizes e ações estratégicas relativas ao desenvolvimento urbano da cidade. Está entre suas atribuições desenvolver mecanismos e modelos mais adequados para a viabilização e implementação de projetos urbanísticos. Com base nos instrumentos de política urbana e considerando potenciais parcerias com a iniciativa privada, com outras esferas de Governo e com a sociedade, os projetos são desenvolvidos buscando uma cidade melhor para todos. Miguel Luiz Bucalem SECRETÁRIO Domingos Pires de Oliveira Dias Neto SECRETÁRIO ADJUNTO Eduardo Mikalauskas CHEFE DE GABINETE SP URBANISMO Miguel Luiz Bucalem PRESIDENTE A SP Urbanismo, empresa vinculada à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, também responde pela elaboração de projetos de desenvolvimento urbano da cidade, além da realização de análises econômicas, sociais e de meio ambiente para a sua implantação. Esses projetos e estudos são estrategicamente idealizados, sob a supervisão e em conjunto com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, por uma equipe multidisciplinar, formada por engenheiros, arquitetos, urbanistas, economistas e sociólogos. Atualmente, a SMDU e SPUrbanismo desenvolvem muitos projetos para a cidade de São Paulo. Esta publicação resume 18 desses projetos. Antonio Carlos Cintra do Amaral Filho CHEFE DE GABINETE COORDENADORES DE PROJETOS Fernando Henrique Gasperini João Cyro André Lisandro Frigerio Luis de Oliveria Ramos Luiz Laurent Boch Maria Teresa de Oliveira Grillo Nilza Maria Toledo Antenor Rita Cassia Gonçalves Vladir Bartalini COORDENAÇÃO Carla Poma Laiz Rodrigues Gonçalves Landi Yara Lydia de Moraes Santos TEXTOS Paulo Kehdi PROJETO GRÁFICO Juliana Cipolletta

5 INTERVENÇÕES URBANAS TRANSFORMANDO O ESPAÇO URBANO

6

7 PROJETOS URBANÍSTICOS DESENVOLVIDOS PARA A CIDADE DE SÃO PAULO CONCESSÃO URBANÍSTICA NOVA LUZ EXPO SÃO PAULO (Expo 2020) GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO (GRIDS) OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA ÁGUA BRANCA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA ÁGUA ESPRAIADA OPERAÇÃO URBANA CENTRO OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LAPA BRÁS E MOOCA VILA CARIOCA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA RIO VERDE JACU OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA FARIA LIMA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA VILA SÔNIA PLANO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS POLO INSTITUCIONAL ITAQUERA PARQUE TECNOLÓGICO DA ZONA OESTE PLANO SP 2040 BAIRRO UNIVERSITÁRIO VALE DO ANHANGABAÚ ÁREA DE INTERVENÇÃO URBANA VILA PRUDENTE

8

9 CONCESSÃO URBANÍSTICA NOVA LUZ UM BAIRRO CERCADO POR ELEMENTOS HISTÓRICOS E CULTURAIS QUE IRÁ OFERECER AINDA MAIS ENTRETENIMENTO, MORADIA, PASSEIOS, PARQUES, OPORTUNIDADE DE ESTUDO E TRABALHO E MOBILIDADE PRIVILEGIADA PARA O PEDESTRE E O CICLISTA O principal objetivo do Projeto Nova Luz é promover a requalificação urbana em 45 quadras que compõem o perímetro circundado pelas Avenidas Cásper Líbero, Ipiranga, São João, Duque de Caxias e Rua Mauá, trazendo novos moradores para a região, aproveitando a infraestrutura instalada no local, especialmente com relação à acessibilidade à rede de transporte público de alta capacidade e equipamentos culturais. A região é servida por quatro linhas ferroviárias da CPTM e três linhas do Metrô. As estações Luz e Júlio Prestes encontram-se nas quadras lindeiras ao perímetro do Projeto Nova Luz. A Concessão vai permitir a geração de 19 mil novos empregos, com cerca de 370 mil m2 de área adicional dedicados ao estímulo da atividade econômica. Também serão instaladas habitações de interesse social (mais de 5 mil novas moradias, sendo mais de 2,5 mil unidades de habitação popular e interesse social, trazendo 12 mil moradores para a região), escola (infantil e fundamental), creches, unidade básica de saúde, equipamentos de assistência social e REGIÃO SERVIDA POR AMPLA REDE DE METRÔ E TRENS METROPOLITANOS GERAÇÃO DE 19 MIL EMPREGOS 12 MIL NOVOS MORADORES 2,5 MIL UNIDADES DE HABITAÇÃO POPULAR EQUILÍBRIO ENTRE MORADIA, COMÉRCIO E SERVIÇOS EM UM MESMO BAIRRO CICLOVIAS, PRAÇAS ESPAÇOS PARA LAZER E CULTURA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA REGIÃO de cultura, ciclovias (mais de 1 km exclusivo e uma rede de vias compartilhadas, totalizando 5,2 km), calçadas mais largas, três novos espaços abertos (duas praças e um largo para convívio da comunidade), novo sistema de iluminação pública, melhorias dos acessos ao transporte metro-ferroviário, além de promover a restauração do patrimônio histórico da região. A preservação da memória do bairro foi considerada no desenvolvimento do projeto, estando prevista a permanência de 77% da área construída existente, incluindo as edificações protegidas pelos órgãos de patrimônio histórico, que serão restauradas em sua totalidade. Está previsto ainda a criação de um espaço privado de uso público destinado a um centro de entretenimento com cinemas, teatros e restaurantes. O projeto leva em conta toda a estrutura de cultura e lazer já instalada, como a Pinacoteca do Estado, a Sala São Paulo, o Museu da Língua Portuguesa e o Parque da Luz, entre outros. O objetivo é que essas atividades sejam incrementadas e articuladas com novos espaços culturais. A ideia é que a Nova Luz torne-se um espaço que seja ocupado e aproveitado 24 horas por dia, 7 dias por semana. PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

10 EXPO SÃO PAULO (EXPO 2020) O MAIOR E MAIS EQUIPADO CENTRO DE CONVENÇÕES DA AMÉRICA LATINA O Parque de Eventos e Exposições de Pirituba EXPO-SP foi idealizado tendo como premissa que São Paulo é o maior centro de negócios do Brasil, maior cidade da América do Sul, porta de conexão com o exterior e palco de grandes eventos, feiras e congressos de caráter internacional. Neste contexto, uma das últimas áreas livres de edificações e propícia para abrigar um parque de eventos e de exposições foi escolhida em Pirituba. A criação de uma nova centralidade no local possibilitará o desenvolvimento urbano e econômico do território da Subprefeitura de Pirituba, por meio de ampliação de espaços públicos de convivência e de lazer para os moradores e usuários das novas atividades. Ainda será o propulsor de melhorias no sistema viário e de transporte. PAVILHÃO DE FEIRAS E EXPOSIÇÕES PARQUE EQUIPAMENTOS PÚBLICOS INTEGRAÇÃO COM O SÍTIO Dotada de acessibilidade rodoviária (Rodovia dos Bandeirantes) e ferroviária (CPTM), a área terá futuramente a Linha 6 (laranja) do metrô. O projeto prevê acesso exclusivo ao parque de eventos por meio de trevo implantado na Rodovia dos Bandeirantes, com vias de acesso sobre a linha férrea e a implantação de uma nova estação da CPTM. Além disso, está prevista a implantação de novo terminal de ônibus e pátio de estacionamento de ônibus e de passarelas interligando a estação de trem com o Parque de Eventos e Exposições Pirituba. O projeto prevê a implantação de pavilhões de feiras, centro de convenções, shopping center, centro hoteleiro e centro empresarial. O equipamento dotará a cidade de novo espaço capaz de abrigar grandes eventos internacionais e faz parte do projeto para São Paulo sediar a Exposição Mundial de PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

11 GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO (GRIDS) Desenvolvido ao longo de 2011, o estudo das áreas de risco teve por finalidade identificar o acervo de intervenções e consolidar o montante de investimentos em andamento e previstos até o ano de 2016, visando à otimização das ações da PMSP e do uso de seus recursos, com o principal objetivo de erradicar pelo reassentamento de moradores ou por meio de intervenções urbanas as áreas de risco geotécnico R3 e R4 (classificação abaixo) e proporcionar condições de vida com qualidade e segurança no município de São Paulo. Para tanto foram mapeadas 407 áreas em 26 subprefeituras. O mapeamento, contratado pela PMSP e executado pelo IPT, foi subdividido em quatro categorias, de acordo com o grau de risco apresentado: Risco Baixo (R1): não se espera a ocorrência de acidentes; Risco Médio (R2): é reduzida a possibilidade de ocorrência de acidentes; Risco Alto (R3): é possível a ocorrência de acidentes; Risco Muito Alto (R4): é muito provável a ocorrência de acidentes. O estudo contou com a colaboração de outras secretarias. A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras apresentou o mapeamento de áreas de Risco Geológico (2010), além das intervenções setoriais em áreas de risco (obras de contenção, urbanização, infraestrutura e produção de unidades habitacionais). Já a Secretaria de Habitação, o PMH (Plano Municipal de Habitação) e seus 223 PAIs Perímetro de Ação Integrada. A Secretaria do Verde e Meio Ambiente, o Plano de Parques Naturais, Lineares e Urbanos. As áreas de risco estão contempladas em planos e programas de ação dessas secretarias. Foram consideradas ainda as ações da Secretaria de Segurança Urbana, com UMA AÇÃO INTEGRADA DE DIFERENTES INICIATIVAS QUE SOMADAS VISAM GERENCIAR E ERRADICAR AS ÁREAS DE RISCO NO MUNICÍPIO a Operação Defesa das Águas, seu monitoramento e preservação de áreas recuperadas e o Plano Preventivo de Defesa Civil (PPDC), para o período de chuva. Dentro desse cenário o estudo propõe o mapeamento contínuo de áreas de risco, com indicadores de evolução da situação, nos moldes do contratado junto ao IPT, o planejamento com portfólio de intervenções específicas hierarquizadas para setores de risco R3 e R4 (para subsidiar as ações das Subprefeituras), o estancamento de novas ocupações ou de reocupação de áreas desocupadas e a implantação de um sistema de acompanhamento contínuo com incorporação estrutural e institucional do trabalho realizado. Os estudos também reconheceram os custos e os números de intervenções previstas, por subprefeitura. PLANO DE CHUVAS DE VERÃO PLANO DE MACRODRENAGEM PLANO DE GERENCIAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA PARCERIA COM O INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

12 OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA ÁGUA BRANCA REVISÃO DA LEI DA OPERAÇÃO TRAZ O CONCEITO DE CIDADE COMPACTA, ALÉM DE PROPOR NOVAS FORMAS DE INDUZIR A OCUPAÇÃO DESEJADA A Operação Urbana Consorciada Água Branca (Lei nº /1995), foi instituída visando à estruturação de nova centralidade de prestação de serviços devido à fácil acessibilidade por metrô e ferrovia, tendo por objeto a realização de programa de obras em drenagem, melhoramentos viários e áreas verdes. Em área com 540 hectares, situada junto à marginal do Rio Tietê e próxima do centro da cidade, contém áreas públicas e privadas ociosas. Os novos conceitos adotados pela SMDU para o desenvolvimento das operações urbanas na cidade indicaram a necessidade de se reformular a operação Água Branca no sentido de dotar a prefeitura de instrumentos e mecanismos de maior e melhor direcionamento das atividades imobiliárias para que fossem efetivamente alcançados os principais objetivos do projeto: o adensamento populacional e construtivo, a diversidade de renda, a adequação das tipologias às características locais, a menor dependência dos deslocamentos motorizados, o reconhecimento da importância da presença de pedestres e ciclistas na recuperação das funções vitais das ruas e a recuperação ambiental da região. Os principais aspectos incorporados à revisão da Operação Urbana são: Adequar à legislação federal (Estatuto da Cidade) e ao Plano Diretor Estratégico; M2 DE ESTOQUE RESIDENCIAL ADICIONAL M2 DE ESTOQUE NÃO RESIDENCIAL ADICIONAL PROGRAMA DE DRENAGEM NA VÁRZEA DO RIO TIETÊ MELHORIAS VIÁRIAS ÁREAS VERDES PERMEABILIDADE DA REGIÃO DA FERROVIA OCUPAÇÃO E ADENSAMENTO PLANEJADO Elaborar Estudo de Impacto Ambiental; Instituir CEPACs (Certificado de Potencial Adicional de Construção); Adequar a destinação e distribuição da área construída adicional (estoque) residencial e não residencial, com a capacidade da rede viária e de transporte; Concentrar a utilização dos estoques de área adicional em eixos visando à conformação de centralidades de referência funcional e visual; Oferecer incentivos ao padrão residencial médio e restringir a oferta de vagas de estacionamento nos novos empreendimentos; Adequar o programa de investimentos às novas diretrizes, melhorando as condições de mobilidade, baseando-se na utilização do metrô e ferrovia e implantando sistema de áreas verdes associado ao sistema de drenagem; Permitir e incentivar a transposição do Rio Tietê a pé e por bicicletas concectando os bairros situados ao norte com a centralidade da operação urbana; Integrar diretrizes ao Plano Urbanístico da Operação Urbana, que promovam a recuperação funcional e paisagística da orla ferroviária contida no perímetro da operação; Instituir a gestão compartilhada. A Licença Ambiental Prévia foi expedida pela Secretaria do Verde e Meio Ambiente, o novo plano urbanístico está concluído e o projeto de lei em fase fi nal de elaboração para envio à Câmara de Vereadores. Em 2011 foi concluído o projeto executivo de macrodrenagem das bacias dos córregos Sumaré e Água Preta e concluída a licitação para execução das obras, cujo inicio depende da emissão da licença de instalação. Parte signifi cativa dos recursos desta operação urbana deverá ser utilizada na execução dessas obras de drenagem. Está em fase de elaboração o projeto de extensão da avenida Auro Soares de Moura Andrade desde a Casa das Caldeiras até a Rua do Curtume. A revisão da Operação Urbana Consorciada Água Branca deve ser interpretada como a 1ª fase da Operação Urbana Consorciada Lapa-Brás e a compatibilidade entre as duas está refl etida em seus projetos urbanísticos. 10 PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

13 OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA ÁGUA ESPRAIADA A Operação Urbana Água Espraiada tem como objetivos principais a reurbanização da várzea do córrego Água Espraiada por meio do atendimento definitivo e dentro da área de abrangência da operação urbana aos moradores das favelas atingidas e a implantação de ligação viária estrutural para a cidade entre a Marginal Pinheiros e a Rodovia dos Imigrantes. Associase à operação Urbana Faria Lima na consolidação de um novo e moderno distrito de negócios. O perímetro da operação foi subdividido em seis setores: Brooklin, Berrini, Marginal Pinheiros, Chucri Zaidan, Jabaquara e Americanópolis. Estão em fase final de conclusão os empreendimentos habitacionais destinados à população moradora em vários núcleos precários. São eles, Jardim Edite, Estevão Baião e Corruíras, totalizando 836 unidades. Além destes, foram licitados para construção HIS para atendimento das famílias atingidas pelas obras de prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho Túnel e Via Parque. Outras HIS serão construídas com o mesmo objetivo, fruto de convênio firmado entre Estado e Prefeitura e atualmente mil famílias recebem aluguel social, totalizando famílias que serão atendidas na Operação. REQUALIFICAÇÃO URBANÍSTICA CONTEMPLANDO HABITAÇÃO, MEIO AMBIENTE E TRANSPORTE PÚBLICO NOVO PARQUE PARA A CIDADE COM MAIS DE 600 MIL M2 DE ÁREA Estão em andamento projetos relativos às vias locais do Brooklin, prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho até a Rodovia dos Imigrantes, de PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

14 modo que, a partir das proximidades da Avenida Pedro Bueno, o tráfego expresso seguirá por via subterrânea, em túnel de aproximadamente m. Na superfície, será implantado o Parque Chuvisco, ladeado por vias de acesso local aos bairros da região, e a chamada Via Parque, um grande parque linear com aproximadamente 612 mil m2, que prevê o tratamento e a manutenção a céu aberto do córrego Água Espraiada, permeado por conjunto de barragens e lagoas em patamares, para aproveitamento paisagístico e de retenção das águas pluviais, melhorando sensivelmente a permeabilidade local. Estão previstas ainda a implantação de diversos equipamentos públicos na Via Parque como, por exemplo, três centros de atendimento ao público, centro de encontros, quiosques, quadras poliesportivas, campos de futebol, conjunto de viveiros que servirão para educação ambiental da população local, pontilhões de transposição do córrego para pedestres, um anfiteatro aberto e equipamentos de lazer numa região absolutamente carente desses itens. As obras do Governo do Estado de São Paulo relativas à Linha 5 Lilás do Metrô e Linha 17 Ouro, em monotrilho com capacidade de atendimento da ordem de 30 mil passageiros por hora e por sentido, tiveram aporte de recursos oriundos da venda de CEPACs por meio de convênios firmados entre o estado e o município de São Paulo, no valor de R$ 335 milhões. As obras previstas no programa de intervenções da Operação Urbana Consorciada Água Espraiada incluem também: drenagem para a bacia dos córregos Cordeiro Americanópolis, e ainda o prolongamento da Avenida Chucri Zaidan, que se estenderá desde as proximidades do Shopping Morumbi até a Avenida João Dias. Com extensão total de m, o prolongamento da Avenida Chucri Zaidan inclui abertura de via, adequações de trechos existentes e a implantação de um trecho de vias no subsolo sobrepostas, que contará com aproximadamente um quilômetro. Em complementação a esse eixo estruturador está sendo proposto o Plano Urbanístico Chucri Zaidan que prevê a implantação de uma rede de circulação por meio da abertura, alargamento ou prolongamento do sistema coletor e local que irá melhorar a acessibilidade de pedestres e veículos numa região caracterizada por quadras de grandes dimensões. Esse Plano é parte do fortalecimento e expansão do eixo da Marginal Pinheiros que irá favorecer os espaços públicos, a infraestrutura verde e a circulação de pedestres e ciclistas, reforçando a identidade do principal eixo de negócios da cidade e criando condições para sua expansão planejada: ao norte, pela implementação do Parque Tecnológico do Jaguaré e o desenvolvimento do Distrito Criativo (no perímetro da Operação Urbana Vila Leopoldina-Jaguaré); ao sul, pelo novo distrito de Negócios na extensão da Avenida Chucri Zaidan e, na sequência, pelo desenvolvimento da Operação Urbana Polo de Desenvolvimento Sul. 832 UNIDADES DE HABITAÇÃO SOCIAL EM CONSTRUÇÃO MAIS DE UNIDADES LICITADAS VIA PARQUE, ESPAÇO PÚBLICO MULTIFUNCIONAL NOVA PONTE SOBRE O RIO PINHEIROS NOVAS ESTAÇÕES DE METRÔ E DA CPTM MONOTRILHO PARA 30 MIL PASSAGEIROS POR HORA PROLONGAMENTO DA AVENIDA CHUCRI ZAIDAN QUE SE ESTENDERÁ ATÉ A AVENIDA JOÃO DIAS POTENCIALIZANDO O DISTRITO DE NEGÓCIOS DA REGIÃO SUDOESTE (FARIA LIMA BERRINI CHUCRI ZAIDAN) 12 PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

15 OPERAÇÃO URBANA CENTRO INCENTIVOS PARA USOS RESIDENCIAIS, HOTÉIS E EDIFICAÇÕES DESTINADAS À EDUCAÇÃO E CULTURA Com recursos da Operação Urbana foi viabilizado o projeto referente à Reurbanização do Parque Dom Pedro II e entorno. A Operação Urbana Centro visa a requalificação urbana de uma área de aproximadamente 663 hectares. Busca estimular investimentos em uma área específica o centro da cidade, que está consolidada desde meados do século XX e que possui a maior densidade construtiva da cidade. Mediante contrapartida financeira essa operação estabelece incentivos à produção de novas edificações, à regularização de imóveis, à reconstrução e reforma das existentes para sua adequação a novos usos, e também cria condições especiais para a transferência de potencial construtivo de imóveis de interesse histórico. Sem pretender priorizar a arrecadação de recursos financeiros, a Operação Urbana Centro inova na criação de estímulos e benefícios para atrair os investidores na construção de habitações, hotéis e de edifícios garagem, bem como os destinados à cultura, à educação e ao lazer. MUDANÇA DE USO PARA EMPREENDIMENTO DE USO MISTO TRANSFERÊNCIA DE POTENCIAL CONSTRUTIVO DE EDIFICAÇÃO TOMBADA REURBANIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II E ENTORNO PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

16 OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LAPA-BRÁS E MOOCA-VILA CARIOCA UM PLANO DE DESENVOLVIMENTO E OCUPAÇÃO ORDENADA JUNTO À ORLA FERROVIÁRIA NO EIXO LESTE OESTE FÁBIO ARANTES, 2011 Lançadas em maio de 2010, as intervenções têm como objetivo promover uma melhor utilização de regiões da chamada Orla Ferroviária compreendida por partes das zonas centro, oeste e leste, localizadas em áreas de três Operações Urbanas (Água Branca, Diagonal Sul e Diagonal Norte). Estudos realizados pela SMDU e SP Urbanismo apontaram a necessidade de nova subdivisão destas áreas em duas Operações Urbanas Consorciadas, Lapa-Brás e Mooca-Vila Carioca, além da revisão da OU Água-Branca, que consiste na primeira fase da Operação Lapa-Brás. O principal objetivo dos projetos é promover o adensamento dessa porção da região central e contribuir para a reversão do movimento de espraiamento que ocorreu na capital (crescimento das áreas periféricas em detrimento do adensamento habitacional na região central). Isso é considerado primordial pela Prefeitura porque equilibra a relação emprego/moradia e provoca a diminuição do chamado movimento pendular (deslocamento de moradores da periferia para o centro - local de trabalho e seu retorno à periferia). No Termo de Referência da Operação Urbana Consorciada Lapa-Brás, consta, entre diversas diretrizes, a substituição das linhas ferroviárias da CPTM na superfície (consideradas uma barreira para o desenvolvimento da região), por um sistema de alta capacidade subterrâneo sobre trilhos, com extensão de 12 quilômetros, acompanhada da implantação de uma avenida com características de via parque (via urbana), com calçadas largas, ciclovia e arborização por todo o seu percurso. Essa via consistiria em uma alternativa viária na ligação leste-oeste da cidade e possibilitaria suprimir FÁBIO ARANTES, 2011 ALTERNATIVA DE MORADIA NAS PROXIMIDADES DO CENTRO NOVA AVENIDA SOBRE A EXTENSÃO DA LINHA FÉRREA ÁREAS VERDES PERMEABILIDADE DA REGIÃO OCUPAÇÃO E ADENSAMENTO PLANEJADO 14 PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

17 ÁGUA BRANCA LAPA-BRÁS MOOCAVILA CARIOCA A LONGO PRAZO, CERCA DE 300 MIL NOVOS MORADORES E 600 MIL EMPREGOS NA LAPA-BRÁS. JÁ NA MOOCA-VILA CARIOCA SERÃO 200 MIL NOVOS MORADORES E 170 MIL NOVOS EMPREGOS o Elevado Costa e Silva (Minhocão), reconhecido como um fator de degradação e desvalorização da região. Dessa forma, com as intervenções sugeridas, busca-se uma total requalificação da área do Elevado e de seu entorno, associando o adensamento à requalificação urbanística. A implantação do sistema de alta capacidade subterrâneo sobre trilhos também permitirá um maior adensamento em porções do território ao norte da ferrovia. Apesar de sua importância reconhecida, a ferrovia constitui uma barreira física e seu rebaixamento possibilitaria que áreas hoje com baixa densidade populacional possam ser melhor aproveitadas. Já a Operação Urbana Consorciada Mooca-Vila Carioca compreende a porção leste do centro expandido da cidade de São Paulo, cujas estrutura urbana e paisagem são determinadas pela várzea do Rio Tamanduateí, pela ferrovia e pela Avenida do PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Estado. Esta operação urbana está dividida em seis setores, com características muito diversificadas, destacando-se as colinas do Ipiranga e Mooca como áreas de ocupação mista e maior dinâmica urbana e uma grande área com ocupação predominantemente industrial que domina a várzea e lhe proporciona características singulares de volumetria e conjunto. O foco da intervenção está na qualificação deste território por meio da intensificação de sua ocupação, com a melhoria das condições de mobilidade, superando as barreiras do eixo ferroviário e da Avenida do Estado, e buscando melhorar a relação da cidade com o rio por meio de novas frentes urbanas fluviais, soluções estas integradas com o aumento de áreas públicas e verdes e aprimoramento do sistema de drenagem. 15

18 OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA RIO VERDE-JACU A conclusão do prolongamento da avenida Jacu-Pêssego em 2010 trouxe a oportunidade da Operação Urbana Rio Verde-Jacu tornar-se um instrumento de desenvolvimento econômico da Zona Leste estruturado por esta avenida, ao mesmo tempo que promove a requalificação urbanística da região contemplando habitação, meio ambiente e transporte público. Os principais objetivos a serem alcançados pela Operação Urbana Consorciada são: promoção, a longo prazo, da renovação urbana da região estruturada pelo eixo da Avenida Jacu Pêssego, importante ligação viária entre o ABC, o Porto de Santos (Rodoanel) e Guarulhos (Rodovia Ayrton Senna); incremento da atividade econômica na zona leste, incentivando a capacitação profissional e a geração de empregos aproveitando a proximidade do Polo Institucional com o Polo Industrial de Itaquera Polo Econômico que terá suas atividades incrementadas, além de promover a requalificação ambiental (por meio do aumento de parques e áreas verdes na região), a melhoria do sistema de drenagem e o incentivo à construção de habitações de interesse social (mínimo de 15% dos recursos provenientes da venda de CEPACs serão destinados para provisão habitacional). Dessa forma, as intervenções vão trazer progresso para a região, permitir um melhor uso da infraestrutura e do sistema de transporte existente e a ser implantado com o estímulo à atividade econômica, permitindo que a população da região tenha a oportunidade de encontrar oportunidades de trabalho na própria zona leste, evitando assim os deslocamentos para outras regiões da cidade. DESENVOLVIMENTO URBANO E ECONÔMICO NA REGIÃO LESTE, TORNANDO ITAQUERA UM POLO TECNOLÓGICO E INSTITUCIONAL CEPACS COMO FINANCIAMENTO PARA HABITAÇÃO SOCIAL NOVOS PARQUES LINEARES POLO INSTITUCIONAL ITAQUERA OPORTUNIDADES DE EMPREGO E SERVIÇOS PÚBLICOS MAIS PRÓXIMOS URBANIZAÇÃO DE COMUNIDADES 16 PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

19 OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA FARIA LIMA OPERAÇÃO URBANA QUE CONSOLIDA PARTE DO NOVO DISTRITO DE NEGÓCIOS DA CIDADE, ATENDE AOS MORADORES EM FAVELAS DA REGIÃO E REORGANIZA OS FLUXOS DA REGIÃO SUDOESTE A Operação Urbana Consorciada Faria Lima (Lei nº11.732/1995) compreende 650 hectares e está situada na região sudoeste do município de São Paulo. Tem por objetivos principais reorganizar os fluxos de tráfego particular e coletivo ao implantar o prolongamento da Avenida Brigadeiro Faria Lima interligando-a às avenidas Pedroso de Moraes e Hélio Pelegrino até alcançar a Avenida República do Líbano, além de construir terminal multimodal junto a estações da CPTM e Metrô. Também são objetivos importantes da Operação promover a reurbanização do Largo da Batata e urbanizar as favelas em seu perímetro, ou entorno imediato. Sua adequação ao Estatuto da Cidade resultou na Lei nº13.769/04. Os recursos auferidos a partir das propostas de participação na Operação Urbana Consorciada Faria Lima, incluindo outorga e CEPAC, foram investidos nas seguintes intervenções a partir de 2005: prolongamento da Avenida Hélio Pellegrino e implantação de avenida duplicada no eixo formado pela Rua Funchal e Rua Haroldo Veloso; reconversão urbana do Largo da Batata/Terminal Capri (Fase 1); HIS Real Parque (em obras), que já beneficiou 337 famílias de um total previsto de 1.250, além dos investimentos em parceria com o Governo do Estado de São Paulo nas obras da Linha 4 Amarela do Metrô. Restando ainda intervenções a executar, bem como estoque disponível no perímetro da operação, foi apresentado Projeto de Lei (PL) que permite a emissão de novos CEPACs vinculados ao estoque existente da Operação, estoques esses aprovados anteriormente pela Lei nº13.769/04. O PL resultou na Lei nº de 29/12/2011. De acordo com esta nova Lei, o total de CEPACs da Operação Urbana Faria Lima passou de 650 mil para 1 milhão de títulos, ou seja, foram adicionados 350 mil títulos. O Programa de Intervenções da operação urbana também foi incrementado com a previsão de implantação de sistema de transporte não poluente no eixo da Avenida Brigadeiro Faria Lima. Entre as obras a se contemplar, a partir dos recursos auferidos em nova distribuição de CEPACs, figuram a implantação de ciclovias e de sistema de transporte coletivo não poluente no eixo da Avenida Brigadeiro Faria Lima, além da implantação de Habitações de Interesse Social e do Boulevard Juscelino Kubitscheck. 650 MIL CEPACS JÁ NEGOCIADOS 350 MIL NOVOS TÍTULOS DE CEPAC A SEREM NEGOCIADOS IMPLANTAÇÃO DE TRANSPORTE NÃO POLUENTE MELHORIAS VIÁRIAS REURBANIZAÇÃO DO LARGO DA BATATA PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

20 OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA VILA SÔNIA PROJETO ESTRUTURADO EM TRÊS EIXOS ESTRATÉGICOS: PROMOÇÃO DE MELHORIAS SOCIAIS, REALIZAÇÃO DE VALORIZAÇÃO AMBIENTAL E PROMOÇÃO DE TRANSFORMAÇÕES URBANÍSTICAS ESTRUTURAIS Prevista no Plano Diretor Estratégico do município, a Operação Urbana Consorciada Vila Sônia (OUCVS) possui área de intervenção correspondente a 673 hectares, distribuídos ao longo do traçado da Linha 4 (amarela) do Metrô, como maneira de disciplinar a intensa ocupação que deve decorrer da implantação da nova linha do metrô. Em função das recomendações do Estudo de Impacto Ambiental, e de contribuições da comunidade, esta Operação Urbana vem sendo aperfeiçoada desde então. Em 2010 foram realizados novos estudos de mobilidade, transporte e sistema viário em conjunto com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Os estudos mostraram uma necessidade de abordar a questão para além dos limites da Operação Urbana Consorciada, tornando necessário identificar quais as principais obras viárias para a região do Butantã, priorizando três intervenções: melhoramentos no cruzamento da Rodovia Raposo Tavares com a Rua Alvarenga, transposição norte-sul em túnel (com novo traçado em função dos impactos locais) e melhoramentos na Avenida Escola Politécnica (incluindo nova ponte de acesso à marginal do Rio Pinheiros). Também foi elaborado um complemento ao Estudo de Impacto Ambiental (EIA-RIMA) da Operação, incluindo os estudos supracitados e abordagem atualizada com relação aos parques, áreas verdes e habitação de interesse social (em consonância com o novo Plano Municipal de Habitação), para posterior apreciação pelo CADES. As propostas apresentadas foram objeto de interação com a sociedade, por meio de reuniões, e preveem melhorias sociais que se darão principalmente com a implantação de Programa Habitacional de Interesse Social e urbanização de assentamentos precários nas ZEIS do Jardim Jaqueline e Vale da Esperança. Ao menos 30% dos recursos arrecadados pela Operação Urbana Consorciada serão destinados para essa finalidade, demonstrando a prioridade da Prefeitura com relação à questão social e de moradia. Na proposta original estava previsto o patamar mínimo de 12% da arrecadação NOVAS ÁREAS VERDES E RECUPERAÇÃO PAISAGÍSTICA DOS PARQUES RECUPERAÇÃO URBANA DOS PRINCIPAIS EIXOS VIÁRIOS URBANIZAÇÃO DE COMUNIDADES OCUPAÇÃO E ADENSAMENTO PLANEJADOS NOVA RODOVIÁRIA ESTAÇÕES DE METRÔ DA LINHA 4 AMARELA TÚNEL SOB O PARQUE PREVIDÊNCIA CICLOVIAS estimada na Operação Urbana. No eixo da valorização ambiental, propõe outra novidade para a comunidade, a implantação de novos parques (Chácara do Jóckey e Chácara da Fonte), ampliando as áreas verdes da região. Ainda prevê a recuperação e integração entre os Parques da Previdência e Luís Carlos Prestes, além da implantação do parque linear ao longo do Córrego do Charque Grande e da recuperação do Parque Raposo Tavares. Outro aspecto amplamente discutido com a comunidade durante os encontros foi a mudança do traçado do túnel referente a transposição norte-sul de forma a minimizar seu impacto. Previsto no PDE, tem o objetivo de melhorar a articulação viária e a integração urbana da região, sobretudo entre os modos de transporte (terminal de integração na estação Morumbi do Metrô). Considerada uma intervenção viária estrutural, vai permitir uma nova ligação conectando as Avenidas Jorge João Saad e Corifeu de Azevedo Marques. Seu traçado foi revisto deslocando-se o emboque norte até a Avenida Corifeu de Azevedo Marques, preservando a Praça Elis Regina. Por ser uma intervenção estrutural deve buscar outras formas de financiamento. Os recursos da OUCVS somente poderão ser empregados nela depois de garantida a destinação de recursos da OUCVS para as demais intervenções previstas pelo projeto. 18 PROJETOS URBANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 TM GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 SOLUÇÕES ENCAMINHADAS Constituição do COMITÊ PAULISTA (Grupo Executivo

Leia mais

Pólo Institucional de Itaquera

Pólo Institucional de Itaquera Pólo Institucional de Itaquera Um dos grandes projetos da Prefeitura para a zona leste é a implantação do Pólo Institucional Itaquera. A área conta com grande oferta de glebas públicas desocupadas, em

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste. Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano

Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste. Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Agosto / 2011 Desenvolvimento Urbano Sustentável - Desafios Desenvolvimento da Zona

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo)

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo) GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO (Secopa São Paulo) O maior evento mundial Copa do Mundo Fifa Transmissão para todos os países e territórios do mundo, inclusive a Antártida e o Círculo Polar Ártico; Primeiro

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

Título III Do Uso e Ocupação do Solo

Título III Do Uso e Ocupação do Solo Título III Do Uso e Ocupação do Solo RETORNAR Capítulo I Das Macrozonas Seção I Da Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana Art. 26 A Subprefeitura da Mooca encontra-se integralmente contida na

Leia mais

Operações Urbanas - Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável

Operações Urbanas - Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável SP-URBANISMO Operações Urbanas - Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável Miguel Luiz Bucalem Secretario de Desenvolvimento Urbano do Municipio de São Paulo apresentado por João Cyro André

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel 3. CARACTERIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS Este capítulo apresenta as principais características das obras propostas para o prolongamento da Avenida Roberto Marinho via túnel e o Parque Linear com vias locais,

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 -

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA - LINHA VERDE - Lei de criação : Lei Municipal n.º 13.919 de 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE OLIMPÍADAS 2016 RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE 1 Principais intervenções previstas para as Olimpíadas: A Infraestrutura urbana Porto Maravilha Projeto de revitalização

Leia mais

Organização do Espaço na Cidade de São Paulo

Organização do Espaço na Cidade de São Paulo Organização do Espaço na Cidade de São Paulo A Copa do Mundo e o Desenvolvimento da Zona Leste Arq. Alberto Fasanaro Lauletta Setembro / 2011 Histórico da Expansão Urbana Até 1929 LEGENDA São Paulo Região

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: São Paulo. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: São Paulo. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: São Paulo Setembro/2013 São Paulo: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

Configuração e tipologias

Configuração e tipologias OsE s p a ç o sp ú b l i c o ses u ai n f l u ê n c i an ame l h o r i ad aq u a l i d a d ed ev i d a O que são Espaços Públicos? P O espaço público é considerado como aquele que, dentro do território

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana Março / 2012 Mobilidade é o deslocamento de pessoas e bens nas cidades. É sustentável quando: Valoriza o deslocamento do pedestre. Proporciona mobilidade às

Leia mais

PARA MUDAR DE VERDADE

PARA MUDAR DE VERDADE PARA MUDAR DE VERDADE os transportes Nos 20 anos de sucessivos governos, o PSDB foi incapaz de enfrentar o colapso da mobilidade urbana com políticas compatíveis com a gravidade do problema, sobretudo

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP JUNHO 2013 DIMENSÃO DO DESAFIO EM TRANSPORTE COLETIVO PMSP Coletivo 10,1 milhões viagens 56% Individual 7,9 milhões viagens 44% DIMENSÃO DO DESAFIO EM

Leia mais

Projetos Urbanos Contemporâneos: Lições Possíveis

Projetos Urbanos Contemporâneos: Lições Possíveis Projetos Urbanos Contemporâneos: Lições Possíveis Nova Luz Projeto 8 Prof.: Luciane Tasca Alunos: Aline Tirapani, Ana Cláudia Souza, Carlos Eduardo Afonso e Marcella Eberle Apresentação Microcosmo da evolução

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana O Desafio da CET 7,2 milhões de veículos registrados 12 milhões de habitantes 7,3 milhões de viagens a pé 156 mil viagens de bicicleta 15 milhões de viagens

Leia mais

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar Alexandre Brasil André Prado Carlos A. Maciel Danilo Matoso projeto: 2000 concurso 1o lugar O conjunto objeto desta proposta se constitui de três partes de caráter notadamente diferenciadas: a primeira,

Leia mais

Nossa cidade crescendo do jeito certo. Com planejamento integrado, desenvolvimento sustentável e melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Nossa cidade crescendo do jeito certo. Com planejamento integrado, desenvolvimento sustentável e melhoria da qualidade de vida das pessoas. Nossa cidade crescendo do jeito certo. Com planejamento integrado, desenvolvimento sustentável e melhoria da qualidade de vida das pessoas. 1 2 Belo Horizonte é uma cidade que não para de crescer. Atualmente,

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 INFRAESTRUTURA PARA A COPA 2014 Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 Novembro/12 Agosto/2011 Empreendimentos de Mobilidade Urbana BRT Antônio Carlos/Pedro I Meta 1: Interseção com Av.

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS. Instituto de Engenharia

PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS. Instituto de Engenharia PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS Instituto de Engenharia Introdução quem é a EMTU/SP Estrutura Organizacional EMTU/SP responsabilidades Gerenciamento do sistema de transporte público intermunicipal

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014

Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014 Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014 Oportunidades para a arquitetura e a engenharia 8º Encontro da Arquitetura e da Engenharia Consultiva de São Paulo Sinaenco/sp 26 de agosto de 2008 Jurandir

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU CONSÓRCIO DE EMPRESAS PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS PARA A OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU CONSÓRCIO DE EMPRESAS PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS PARA A OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU CONSÓRCIO DE EMPRESAS PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS PARA A OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA MOOCA-VILA CARIOCA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

SETOR CHUCRI ZAIDAN. Plano Urbanístico

SETOR CHUCRI ZAIDAN. Plano Urbanístico SETOR CHUCRI ZAIDAN Plano Urbanístico Operação Urbana Consorciada Água Espraiada Fevereiro 2013 SETOR CHUCRI ZAIDAN Legislação EXIGÊNCIAS DA LICENÇA AMBIENTAL PRÉVIA - LAP nº 17.SVMA.G/2003 - Operação

Leia mais

Uso de Serviços Públicos de Saúde

Uso de Serviços Públicos de Saúde Uso de Serviços Públicos de Saúde Metodologia Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. OBJETIVO GERAL Levantar junto à população da área em estudo

Leia mais

Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo. Nelson Brissac

Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo. Nelson Brissac Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo Nelson Brissac Nos limites da cidade, os processos urbanos envolvem grandes obras de infraestrutura metropolitana, moradia precária e necessidade

Leia mais

Projeto Porto Maravilha

Projeto Porto Maravilha Projeto Porto Maravilha www.portomaravilhario.com.br LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Características da região: Delimitação: Bairros completos (Santo Cristo, Gamboa e Saúde)

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização

Projetos de Expansão e Modernização Projetos de Expansão e Modernização Mário Manuel Seabra Rodrigues Bandeira Diretor Presidente maio/2013 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL Vórtice é um projeto de investigação e práticas urbanas experimentais. Reúne pesquisadores, arquitetos, engenheiros e artistas, junto com as comunidades

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Estratégico o que muda na legislação urbanística da cidade de São Paulo PL 688/2013

Revisão do Plano Diretor Estratégico o que muda na legislação urbanística da cidade de São Paulo PL 688/2013 Revisão do Plano Diretor Estratégico o que muda na legislação urbanística da cidade de São Paulo PL 688/2013 EDUARDO DELLA MANNA PPU PLANEJAMENTO E PROJETOS URBANOS LTDA sócio-diretor NIIT NÚCLEO DE INFORMAÇÕES

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP

Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP Mudanças climáticas globais e os impactos na hidrologia urbana: as experiências de São Paulo e as necessidades de pesquisa Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP Identificação do papel das medidas nãoestruturais

Leia mais

59ª Reunião do Fórum Paulista Presidente Prudente/SP. Tema: Outros Modais

59ª Reunião do Fórum Paulista Presidente Prudente/SP. Tema: Outros Modais 59ª Reunião do Fórum Paulista Presidente Prudente/SP Tema: Outros Modais Secretaria de Transportes e Vias Públicas ETCSBC Empresa de Transporte Coletivo de São Bernardo do Campo Alberto Alécio Batista

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

CAIS JOSÉ ESTELITA. Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno

CAIS JOSÉ ESTELITA. Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno CAIS JOSÉ ESTELITA Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno Recife, 10 de setembro de 2014. SUMÁRIO: 1. Percurso metodológico 2. Sistematização

Leia mais

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar a valorização imobiliária do solo urbano decorrente da urbanização do promovida pelo poder público municipal e da implantação

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014)

Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014) Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014) Ivan Maglio Eng Civil e Dr em Saúde Ambiental Coordenador do PDE 2002, Planos Regionais das Subprefeituras e LUOS

Leia mais

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS MOBILIDADE URBANA Na região Metropolitana de Florianópolis e o PLAMUS Superintendência da Região Metropolitana da Grande Florianópolis CIDADE DO AUTOMÓVEL CIDADE PARA PESSOAS RACIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO Espaço

Leia mais

intervenções e empreendimentos na ÁREA CENTRAL

intervenções e empreendimentos na ÁREA CENTRAL intervenções e empreendimentos na ÁREA CENTRAL agosto 2009 SUB-SÉ área: 2.620 ha população: 348.852 SANTA CECÍLIA área: 390ha população: 64.285 BOM RETIRO área: 400 ha população: 28.371 PARI área: 290

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Cronograma Índice Apresentação da TC Urbes Objetivos do Plano de Mobilidade Sustentável Cidade e Mobilidade Diagnóstico Planejamento

Leia mais

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças PORTO MARAVILHA Permanências e Mudanças MOMENTO ESPECIAL CV Rio + 20 Copa das Confederações 450 Anos da Cidade & Copa América Jogos Olímpicos de 2016 2011 2012 2013 2014 2015 2016 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática

Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Outubro 2011 1. Ferramentas de Financiamento e seu Uso a) Que ferramentas para a

Leia mais

Cidade de Direitos. 15 Jornada de 7 horas no Ensino. 1 1 novo hospital. 16 9 anos no Ensino Fundamental. 17 120.000 novas famílias no Programa de

Cidade de Direitos. 15 Jornada de 7 horas no Ensino. 1 1 novo hospital. 16 9 anos no Ensino Fundamental. 17 120.000 novas famílias no Programa de Cidade de Direitos 1 1 novo hospital Freguesia do Ó 2 1 novo hospital Parelheiros 3 1 novo hospital Vila Matilde 4 10 novas unidades AMA-Especialidades 5 50 unidades de atendimento odontológico AMA-Sorriso

Leia mais

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETRIZES DE SUSTENTABILIDADE NO PROGRAMA HABITACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO EDUARDO TRANI Chefe de Gabinete da Secretaria de Habitação SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ELIEZER MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000.000,00 DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ASSIS CHATEAUBRIAND NA REGIÃO DE

DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ELIEZER MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000.000,00 DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ASSIS CHATEAUBRIAND NA REGIÃO DE Região Administrativa/Região Metropolitana Secretaria TEOR Araçatuba Justiça e Defesa da Cidadania Despesas de Capital Valor REFORMA DO ESQUELETO DO HOSPITAL MODELO PARA ABRIGAR FORUM 3.000.000,00 3.000.000,00

Leia mais

MODELO PARA ABRIGAR FORUM 3.000.000,00 3.000.000,00 ARAÇATUBA 5.000.000,00 5.000.000,00 MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000.

MODELO PARA ABRIGAR FORUM 3.000.000,00 3.000.000,00 ARAÇATUBA 5.000.000,00 5.000.000,00 MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000. Região Administrativa/Região Metropolitana Secretaria TEOR Justiça e Defesa da REFORMA DO ESQUELETO DO HOSPITAL Araçatuba Cidadania HOSPITAL REGIONAL NA REGIÃO DE Araçatuba Saúde DUPLICAÇÃO DA RODOVIA

Leia mais

13.430/2002. Art. 1º Esta. diversificado. técnicos que. iniciativa dos. 3º O Plano. do Município. como base. 1º O Plano.

13.430/2002. Art. 1º Esta. diversificado. técnicos que. iniciativa dos. 3º O Plano. do Município. como base. 1º O Plano. PROPOSTA DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 688/2013 Aprova a Política de Desenvolvimento Urbano e o Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo e revoga a Lei 13.430/2002. A Câmara Municipal

Leia mais

De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos?

De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos? De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos? Mobilidade: projetar a cidade do futuro Sinaenco RS Hotel Deville, Porto Alegre 25 de setembro de 2013 Arq. Tiago Holzmann da Silva Presidente

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

GERALDO ALCKMIN 18/10/2011

GERALDO ALCKMIN 18/10/2011 GERALDO ALCKMIN 18/10/2011 AÇÕES E PROJETOS HABITAÇÃO - 150 mil novas moradias nos próximos quatro anos, para atender a famílias que ganham até 5 salários mínimos, triplicando a produção de moradias no

Leia mais

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2010 São Paulo e a Bacia

Leia mais

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário Novo Plano Diretor de SP 2014 Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário 1 Eixos de Estruturação de Transformação Urbana (4 x) O que é o Eixo? São áreas próximas à infraestrutura de transporte

Leia mais

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável O que é DOTS? Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável: modelo de planejamento e desenho urbano Critérios de desenho para bairros compactos,

Leia mais

COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 Cidade-sede Natal RN

COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 Cidade-sede Natal RN GT - INFRAESTRUTURA GT - INFRAESTRUTURA Grupo de Trabalho INFRAESTRUTURA Responsável pela proposição de projetos e operações de infraestrutura, além do acompanhamento na execução destes, necessários à

Leia mais

DÂMOCLES PANTALEÃO LOPES TRINTA WALTER FERNANDES DE MIRANDA NETO SECRETÁRIO ADJUNTO DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DA COPA 2014

DÂMOCLES PANTALEÃO LOPES TRINTA WALTER FERNANDES DE MIRANDA NETO SECRETÁRIO ADJUNTO DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DA COPA 2014 INVESTIMENTOS EM MOBILIDADE URBANA PARA A COPA INVESTIMENTOS SECRETARIA ADJUNTA EM MOBILIDADE DE PLANEJAMENTO URBANA DE OBRAS PARA DA A COPA MOBILIDADE URBANA - COPA DÂMOCLES PANTALEÃO LOPES TRINTA SECRETÁRIO

Leia mais

Estação: Calçada Tipo de Estação: 01 Município: Salvador Trecho: Salvador/Alagoinhas Área de influência: 1km

Estação: Calçada Tipo de Estação: 01 Município: Salvador Trecho: Salvador/Alagoinhas Área de influência: 1km .5. Intervenções físicas e aplicação dos instrumentos urbanísticos visando potencializar a inserção e a dinâmica urbana nas estações do projeto Trem Regional. APÊNDICE I .5. Intervenções físicas e aplicação

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

XXI ENCONTRO TÉCNICO AESABESP A IMPORTÂNCIA DA SOCIEDADE ORGANIZADA NA PROMOÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL

XXI ENCONTRO TÉCNICO AESABESP A IMPORTÂNCIA DA SOCIEDADE ORGANIZADA NA PROMOÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL XXI ENCONTRO TÉCNICO AESABESP A IMPORTÂNCIA DA SOCIEDADE ORGANIZADA NA PROMOÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL SOLUÇÕES ENCAMINHADAS Convênio GESP e PMSP e Criação do GT PAULISTA (Grupo Executivo de Secretários

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS-ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL década de 1980 surgimento de movimentos sociais

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO Projeto de Lei 467/2014 SUMÁRIO I. Resumo das Receitas e Despesas por Categoria Econômica... 3 II. III. IV. Investimentos em Obras e Instalações (Administração

Leia mais

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO VOLUME IV - PROJETO DE ENGENHARIA E MATERIAL RODANTE PROJETOS ARQUITETÔNICOS E DEMAIS PROJETOS TÉCNICOS PREDIAIS PROJETO URBANÍSTICO 1 3.2.6.11. Projeto Urbanístico

Leia mais

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba Curitiba SÃO PAULO População: 1.828.092 hab. Taxa de crescimento pop. 2000-2009: 1,71% 2008-2009:

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais Capítulo I Dos Objetivos da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região Título

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ENGENHARIA Centro de Estudos - CEFEN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ENGENHARIA Centro de Estudos - CEFEN Parecer Final Quando da elaboração do Plano Estratégico, em 1995, a Cidade do Rio de Janeiro estava em um processo de deterioração crescente, gerado pelo empobrecimento de sua população, pela ocupação

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1 EXECUÇÃO GLOBAL DO PAC 2 ATÉ OUTUBRO DE 2014 R$ 1,009 trilhão 91,3% do previsto até 2014 ATÉ DEZEMBRO DE 2014 R$ 1,066 trilhão 96,5% do previsto até 2014 PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização

Projetos de Expansão e Modernização Projetos de Expansão e Modernização Março/2012 Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco da Rocha Caieiras REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Itaquaquecetuba Osasco Barueri São

Leia mais

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE introdução Das temáticas de crise das grandes cidades nos dias de hoje, uma das questões mais contundentes é a mobilidade urbana. A cidade de São Paulo, metrópole que sofre

Leia mais

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LAPA - BRÁS

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LAPA - BRÁS OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LAPA - BRÁS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU CONSÓRCIO DE EMPRESAS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS URBANÍSTICOS E ESTUDOS COMPLEMEN- TARES DE SUBSÍDIO À FORMULAÇÃO

Leia mais

PROPOSTA DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 688/2013

PROPOSTA DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 688/2013 A Câmara Municipal de São Paulo D E C R E T A: PROPOSTA DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 688/2013 TÍTULO I DA ABRANGÊNCIA, DOS CONCEITOS, PRINCÍPIOS E OBJETIVOS CAPÍTULO I DA ABRANGÊNCIA E DOS CONCEITOS

Leia mais

Programa de Investimentos da EMTU e Atendimento à Copa do Mundo 2014

Programa de Investimentos da EMTU e Atendimento à Copa do Mundo 2014 Programa de Investimentos da EMTU e Atendimento à Copa do Mundo 214 Mapa do Transporte Metropolitano Rede 214 Fonte: STM EMTU PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PROGRAMA DE INVESTIMENTOS 211-214 - EMTU Corredor

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS Em 2010, a cidade de São Paulo registrou 7.007 atropelamentos resultando na morte de 630 pedestres. Apesar de representar uma

Leia mais