ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Demanda Química de Oxigênio pelo método colorimétrico com refluxo fechado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Demanda Química de Oxigênio pelo método colorimétrico com refluxo fechado"

Transcrição

1 ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 9 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BASF S.A. Laboratorio Central de Controle de Qualidade ÁGUA BRUTA E ÁGUA TRATADA Determinação da Demanda Química de Oxigênio pelo método colorimétrico com refluxo fechado LQ: 46 mg O 2 /L Determinação de Cromo Hexavalente pelo método colorimétrico 5220 D (2011) 3500 Cr (2011) LQ: 0,70 mg Cr 6+ /L Determinação de Fósforo Total pelo método colorimétrico LQ: 0,20 mg P/L Determinação de Cianeto pelo método colorimétrico LQ: 0,04 mg CN - /L 4500-P B (2011) DIN EN ISO 14403: CN - (2011) Determinação de Fenóis Totais pelo método fotométrico direto 5530 D (2010) LQ: 0,20 mg/l Determinação de ph pelo método potenciométrico Faixa: 1 a 13 Determinação do Teor de Óleos e Graxas pelo método gravimétrico LQ: 5,00 mg/l 4500 H + (2011) 5520 B (2011) Este Escopo cancela e substitui a revisão emitida anteriormente Em, FOR-CGCRE-003 Rev. 11 Apr. MAR/13 Pg. 01/09

2 Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 2 ÁGUA BRUTA E ÁGUA TRATADA Determinação da Demanda Bioquímica de Oxigênio pelo método de incubação a 20ºC por 5 dias LQ: 60 mg O 2 /L Determinação de Materiais Sedimentáveis pelo Método volumétrico com cone de Imhoff 5210 B (2011) 2540 F (2011) LQ: 0,10 ml/l Determinação de Sulfeto pelo método iodométrico LQ: 1,00 mg S 2- /L Determinação de Boro pelo método carmin LQ: 0,40 mg B/L Determinação de Metais por Espectrofotometria de Absorção Atômica por Chama Bário (Ba), LQ: 0,060 mg Ba/L Cádmio (Cd), LQ: 0,05 mg Cd/L Chumbo (Pb), LQ: 0,10 mg Pb/L Cobre (Cu), LQ: 0,06 mg Cu/L Cromo (Cr), LQ: 0,60 mg Cr/L Ferro (Fe), LQ: 0,10 mg Fe/L Manganês (Mn), LQ: 0,10 mg Mn/L Níquel (Ni), LQ: 0,04 mg Ni/L Prata (Ag), LQ: 0,06 mg Ag/L Zinco (Zn), LQ: 0,03 mg Zn/L Determinação de Metais por Espectrofotometria de Absorção Atômica por Forno de Grafite Arsênio (As), LQ: 0,01 mg As/L Estanho (Sn), LQ: 0,01 mg Sn/L Selênio (Se), LQ: 0,01 mg Se/L 4500-S 2- F (2011) 4500-B C (2011) 3111 (2011) Preparação de Amostras: SMEWW, Método 3030 (2004) 3113 (2010) Preparação de Amostras: 3030 (2004) FOR-CGCRE-003 Rev. 11 Apr. MAR/13 Pg. 02/09

3 Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 3 ÁGUA BRUTA E ÁGUA TRATADA Determinação de Mercúrio (Hg) por Espectrofotometria de Absorção Atômica por Geração de Vapor Frio LQ: 0,01 mg Hg/L 3112 B (2011) Preparação de Amostras: 3030 (2004) Determinação de Ânions por cromatrografia iônica Cloreto (Cl - ), LQ: 0,30 mg Cl - /L Fluoreto (F - ), LQ: 0,10 mg F - /L Sulfato (SO 4 2- ), LQ: 0,30 mg SO 4 2- /L Determinação de Nitrogênio Amoniacal pelo método titrimétrico 4500-NH 3 C (2011) LQ: 5,00 mg N/L Determinação de Nitrogênio Total pelo método Kjedahl LQ: 10,00 mg N/L 4500-N org B (2011) 4500-NH 3 C (2011) Determinação de Metais por Espectrometria de Emissão Alumínio (Al) LQ= 0,04 mg/l Antimônio (Sb) LQ= 0,004 mg/l Arsênio (As) LQ= 0,003 mg/l Bário (Ba) LQ= 0,01 mg/l Berílio (Be) LQ= 0,017 mg/l Bismuto (Bi) LQ= 0,073 mg/l Boro (B) LQ= 0,06 mg/l Cádmio (Cd) LQ= 0,003 mg/l Cálcio (Ca) LQ= 0,05 mg/l Chumbo (Pb) LQ= 0,01 mg/l Cobalto (Co) LQ= 0,005 mg/l Cobre (Cu) LQ= 0,05 mg/l 3120 B (2011) 3030 (2004) FOR-CGCRE-003 Rev. 11 Apr. MAR/13 Pg. 03/09

4 Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 4 Determinação de Metais por Espectrometria de Emissão Continuação: Cromo (Cr) LQ= 0,05 mg/l Estanho (Sn) LQ= 0,01 mg/l Estrôncio (Sr) LQ= 0,005 mg/l Enxofre (S) LQ= 0,01 mg/l Ferro (Fe) LQ= 0,05 mg/l Fósforo (P) LQ= 0,10 mg/l Lítio (Li) LQ= 0,001 mg/l Magnésio (Mg) LQ= 0,04 mg/l Manganês (Mn) LQ= 0,03 mg/l Mercúrio (Hg) LQ= 0,0007 mg/l Molibdênio (Mo) LQ= 0,05 mg/l Níquel (Ni) LQ= 0,005 mg/l Paládio (Pd) LQ= 0,40 mg/l Platina (Pt) LQ= 0,03 mg/l Potássio (K) LQ= 0,05 mg/l Prata (Ag) LQ= 0,003 mg/l Ródio (Rh) LQ= 0,05 mg/l Selênio (Se) LQ= 0,005 mg/l Silício (Si) LQ= 0,10 mg/l Sódio (Na) LQ= 0,005 mg/l Tálio (Tl) LQ= 0,60 mg/l Telúrio (Te) LQ= 0,50 mg/l Titânio (Ti) LQ= 0,05 mg/l Vanádio (V) LQ= 0,05 mg/l Zinco (Zn) LQ= 0,05 mg/l Zircônio (Zr) LQ= 0,006 mg/l Determinação de Nitrato por Cromatografia iônica LQ: 0,005 mg NO 3- /L 3120 B (2011) 3030 (2004) FOR-CGCRE-003 Rev. 11 Apr. MAR/13 Pg. 04/09

5 Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 5 Determinação de Nitrito por Cromatografia Iônica LQ: 0,03 mg NO 2- /L Determinação de Cianeto Total por Cromatografia iônica LQ: 0,03 mg CN - /L EPA SW-846 Determinação de Cianeto Livre por Cromatografia iônica LQ: 0,03 mg CN - /L EPA SW-846 Determinação de Sulfeto por Cromatografia iônica LQ: 0,018 mg S 2- /L EPA SW-846 Determinação de Cromo Hexavalente pelo método colorimétrico com difenilcarbazida LQ: 0,05 mg Cr 6+ /L 3500-Cr B (2011) Determinação de Cromo Trivalente por cálculo LQ: 0,05 mg Cr 3+ /L 3500-Cr B (2011) 3120 B (2011) X-X-X X-X-X X-X-X FOR-CGCRE-003 Rev. 11 Apr. MAR/13 Pg. 05/09

6 Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 6 Determinação de Nitrogênio Amoniacal pelo método potenciométrico LQ: 5,0 mg/l Determinação de Nitrogênio Total Kjeldahl pelo método potenciométrico LQ: 5,0 mg/l 4500-NH 3 (2011) 4500-NH org (2011) Determinação da Demanda Bioquímica de Oxigênio pelo método respirométrico LQ: 7,5 mg O 2 /L 5210 D (2011) Determinação de Ânions por cromatografia iônica Cloreto (Cl-), LQ: 0,30 mg Cl-/L Fluoreto (F-), LQ: 0,10 mg F-/L Sulfato (SO42-), LQ: 0,30 mg SO42-/L Determinação de Condutividade pelo método condutométrico Faixa: 0 a 199,9 ms/cm 2510 B (2011) Determinação de Alcalinidade pelos métodos titulométrico e potenciométrico Alcalinidade Total, LQ: 5,0 mg CaCO3/L Alcalinidade à Fenolftaleína, LQ: 5,0 mg CaCO3/L Alcalinidade à Bicarbonatos, LQ: 5,0 mg HCO3-/L Alcalinidade à Carbonatos, LQ: 5,0 mg CO32-/L Alcalinidade à Hidróxidos, LQ: 5,0 mg OH-/L ABNT NBR 13736/1996 (2013) Determinação de Dureza por Espectrometria de Emissão LQ: 0,05 mg CaCO3/L 3120 B (2011) FOR-CGCRE-003 Rev. 11 Apr. MAR/13 Pg. 06/09

7 Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 7 Determinação de Sólidos Dissolvidos Totais pelo método gravimétrico LQ: 6,5 mg/l Determinação de Sólidos Suspensos Totais pelo método gravimétrico LQ: 6,5 mg/l 2540 C (2011) 2540 D (2011) Determinação de Sólidos Fixos e Voláteis pelo método gravimétrico LQ: 6,5 mg/l 2540 E (2011) SEDIMENTO, RESÍDUO (AMOSTRA BRUTA) Determinação de Metais por Espectrometria de Emissão Alumínio (Al) LQ= 0,04 mg/l Antimônio (Sb) LQ= 0,004 mg/l Arsênio (As) LQ= 0,003 mg/l Bário (Ba) LQ= 0,01 mg/l Berílio (Be) LQ= 0,017 mg/l Bismuto (Bi) LQ= 0,073 mg/l Boro (B) LQ= 0,06 mg/l Cádmio (Cd) LQ= 0,003 mg/l Cálcio (Ca) LQ= 0,05 mg/l Chumbo (Pb) LQ= 0,01 mg/l Cobalto (Co) LQ= 0,005 mg/l Cobre (Cu) LQ= 0,05 mg/l Cromo (Cr) LQ= 0,05 mg/l Estanho (Sn) LQ= 0,01 mg/l Estrôncio (Sr) LQ= 0,005 mg/l Enxofre (S) LQ= 0,01 mg/l Ferro (Fe) LQ= 0,05 mg/l Fósforo (P) LQ= 0,10 mg/l EPA SW-846, Método 3050 B (1996) EPA SW-846, Método 3051 A EPA SW-846, Método 6010 C SMEWW, Método 3030 (2004) FOR-CGCRE-003 Rev. 11 Apr. MAR/13 Pg. 07/09

8 Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 8 INSTALAÇÃO DE CLIENTE SEDIMENTO, RESÍDUO (AMOSTRA BRUTA) Determinação de Metais por Espectrometria de Emissão Continuação EPA SW-846, Método 3050 B (1996) EPA SW-846, Método 3051 A Lítio (Li) LQ= 0,001 mg/l Magnésio (Mg) LQ= 0,04 mg/l Manganês (Mn) LQ= 0,03 mg/l Molibdênio (Mo) LQ= 0,05 mg/l Níquel (Ni) LQ= 0,005 mg/l Paládio (Pd) LQ= 0,40 mg/l Platina (Pt) LQ= 0,03 mg/l Potássio (K) LQ= 0,05 mg/l Prata (Ag) LQ= 0,003 mg/l Ródio (Rh) LQ= 0,05 mg/l Selênio (Se) LQ= 0,005 mg/l Silício (Si) LQ= 0,10 mg/l Sódio (Na) LQ= 0,005 mg/l Tálio (Tl) LQ= 0,60 mg/l Telúrio (Te) LQ= 0,50 mg/l Titânio (Ti) LQ= 0,05 mg/l Vanádio (V) LQ= 0,05 mg/l Zinco (Zn) LQ= 0,05 mg/l Zircônio (Zr) LQ= 0,006 mg/l Determinação do Poder Calorífico pelo método da bomba calorimétrica EPA SW-846, Método 6010 C SMEWW, Método 3030 (2004) DIN : LQ: 8 kj/kg Determinação de Cinzas pelo método gravimétrico BASFDocs V3 (2015) LQ: 0,04 % Determinação de Umidade pelo método gravimétrico LQ: 0,02 % BASFDocs V3 (2015) FOR-CGCRE-003 Rev. 11 Apr. MAR/13 Pg. 08/09

9 Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 9 SEDIMENTO, RESÍDUO (AMOSTRA BRUTA) INSTALAÇÃO DE CLIENTE Determinação do Teor de Água por Karl Fisher LQ: 0,01 % Determinação de Cloreto pelo método potenciométrico LQ: 3,0 mg/l Determinação de Nitrogênio Total Kjeldahl pelo método potenciométrico EPA SW-846, Método Cl - (2011) 4500-NH org (2011) LQ: 5,0 mg/l Determinação de Cianeto Total por cromatografia iônica LQ: 0,03 mg CN-/L EPA SW-846, Método 9056 a FOR-CGCRE-003 Rev. 11 Apr. MAR/13 Pg. 09/09

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Cor pelo método espectrofotométrico - comprimento de onda único LQ: 10 CU

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da Cor pelo método espectrofotométrico - comprimento de onda único LQ: 10 CU ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ANGLOGOLD ASHANTI CÓRREGO DO SÍTIO MINERAÇÃO S/A LABORATÓRIO

Leia mais

ÁGUA PARA HEMODIÁLISE

ÁGUA PARA HEMODIÁLISE ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO TOXILAB LABORATÓRIO DE ANÁLISES LTDA Determinação de

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 8 SAÚDE HUMANA E ANIMAL ENSAIOS QUÍMICOS Determinação de Metais Totais e Dissolvidos por espectrometria de emissão atômica em plasma de argônio indutivamente acoplado - ICP OES - geração de

Leia mais

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados Acreditação Nº L Data:

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados Acreditação Nº L Data: Acreditação Nº L216-1 Data: 4-2-216 Águas 1 Águas naturais doces (superficiais, subterrâneas) de consumo e de processo Determinação da dureza. Complexometria NP 424:1966 2 e residuais Determinação da turvação.

Leia mais

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente,

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, DE Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Marcus de Almeida Lima Diretor de Biodiversidade,

Leia mais

Lista de Ensaios Acreditados Sob Acreditação Flexível Referente ao Anexo Técnico Acreditação Nº L (Ed.20 Data: )

Lista de Ensaios Acreditados Sob Acreditação Flexível Referente ao Anexo Técnico Acreditação Nº L (Ed.20 Data: ) Referente ao Anexo Técnico Acreditação Nº L216-1 (Ed.2 Data: 3-11-216) Data: 19-12-216 Águas 1 Águas de consumo metais: alumínio, antimónio, arsénio, bário, berílio, boro, cádmio, cálcio, chumbo, cobalto,

Leia mais

Lista de Ensaios Acreditados Sob Acreditação Flexível

Lista de Ensaios Acreditados Sob Acreditação Flexível Referente ao Anexo Técnico Acreditação Nº L 2 16-1 (Ed. 19 Data: 3-6- 2 1 6) Data: 3-6-216 Águas 1 2 3 4 5 Águas de consumo Águas de consumo Águas de consumo Águas de consumo Águas de consumo metais: alumínio,

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 5 Wastewater. 4500. 4500 H+ A e Determinação de Metais totais e dissolvidos em água com condutividade até 1500µS/cm por Espectrometria de Emissão - ICP-OES Alumínio - LQ: 0,01 mg Al/L Antimônio

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina Aula 5 Íons e Introdução a Tabela Periódica Prof. Isac G. Rosset Prof. Isac G. Rosset - UFPR - Palotina - Ciências Exatas 2 1 d p s

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025:2005

NBR ISO/IEC 17025:2005 Competence Recognition Certificate CQS Laboratório de Ensaio e Calibração Ensaios Metalográficos CQS Testing and Calibration Laboratory Rua Metalúrgica Guidalli, 85 São Leopoldo - RS O laboratório citado

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CINTER Nº CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO Processo nº 176-05.67 / 17.2 00017 / 2017-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 16 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND ABCP/ ABCP

Leia mais

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente,

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, DE Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Marcus de Almeida Lima Vice-Presidente José Maria

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATT01 202073/13-14-A Versão 03 Alumínio dissolvido 0,02 mg Al/L Espectrofotométrico / 20/08/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Condutividade 95,3 µs/cm Condutimétrico / SMEWW - 20/08/13

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

PG001A6 LISTA DE ENSAIOS SOB ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL INTERMÉDIA

PG001A6 LISTA DE ENSAIOS SOB ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL INTERMÉDIA Data de edição: Nº de páginas: 1/8 1 2 3 acrilamida e epicloridrina alcalinidade, dureza total, turvação, oxidabilidade, cor, condutividade elétrica, cloretos, ph, nitratos, fluoretos, sulfatos alumínio

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo RECEBIDA NO LABORATÓRIO: Alumínio Absorção Molecular - ME-17 rev.07 de 200 17/11/2014 Cloretos Titulimetria - NP 423:1966 250 < 60 (LQ) µg/l Al 114 mg/l Cl- Colheita de amostras para análise de parâmetros

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo RECEBIDA NO LABORATÓRIO: Alumínio Absorção Molecular - ME-17 rev.08 de 200 29/02/2016 Cloretos Titulimetria - NP 423:1966 250 < 60 (LQ) µg/l Al 3,0x10^2 mg/l Cl- Colheita de amostras para análise de parâmetros

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATU 44033/13-14-A Versão 02 Alumínio dissolvido 0,03 mg Al/L Espectrofotométrico / 03/07/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Clorofórmio 7,59 µg/l GC-MS/Headspace / EPA - 09/08/13

Leia mais

Agroleico Açores. Boletim Definitivo 09:20 DO RÓTULO: Parâmetro Método de Análise Limite Lei a)

Agroleico Açores. Boletim Definitivo 09:20 DO RÓTULO: Parâmetro Método de Análise Limite Lei a) RECEBIDA NO LABORATÓRIO: DATA COLHEITA: Nitritos Absorção Molecular - NP 624:1972 0,5 < 0,02 (LQ) mg/l NO2 Ferro Absorção Molecular - NP 2202:1996 200 Cloretos Titulimetria - NP 423:1966 250 Alumínio Absorção

Leia mais

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL % N.º de Cumprimento superiores ao VP Valor mínimo Valor máximo do VP Agendadas Realizadas Escherichia coli - UFC/100 ml 0 0 0 0 100 6 6 100 Coliformes

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CQLAB - Consultoria e Controle de Qualidade Ltda. Determinação

Leia mais

Xenubi é um jogo de cartas com as mesmas regras do Super Trunfo, porém sobre propriedades periódicas.

Xenubi é um jogo de cartas com as mesmas regras do Super Trunfo, porém sobre propriedades periódicas. nubi é um jogo de cartas com as mesmas regras do Super Trunfo, porém sobre propriedades periódicas. ISTRÇÕES * Jogue em duplas * Cada dupla deve ter o mesmo número de cartas. * A dupla pode compartilhar

Leia mais

Relatório de Ensaios Nr: 1523 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo

Relatório de Ensaios Nr: 1523 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo Relatório de s Nr: 1523 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Bactérias coliformes (coliformes totais) 0 ufc/0ml 0 Método Interno (PTM 4) (2015-08-27) Escherichia coli 0 ufc/0ml 0 Método Interno (PTM 4) (2015-08-27)

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO INTERESSADO: PETROLEO BRASILEIRO S A PETROBRAS Rodovia do Xisto (BR 476), S/N Km 16 - Thomaz Coelho CEP: Araucária/PR

RELATÓRIO DE ENSAIO INTERESSADO: PETROLEO BRASILEIRO S A PETROBRAS Rodovia do Xisto (BR 476), S/N Km 16 - Thomaz Coelho CEP: Araucária/PR RELATÓRIO DE ENSAIO INTERESSADO: PETROLEO BRASILEIRO S A PETROBRAS Rodovia do Xisto (BR 476), S/N Km 16 - Thomaz Coelho CEP: 83.707-440 - Araucária/PR LABORATÓRIO CONTRATADO: Analytical Technology Serviços

Leia mais

Lista de Exercícios. Química Inorgânica: Óxidos. Professor Anderson Dino

Lista de Exercícios. Química Inorgânica: Óxidos. Professor Anderson Dino Lista de Exercícios Química Inorgânica: Óxidos Professor Anderson Dino www.aulasdequimica.com.br O óxido é um composto químico binário formado por átomos de oxigênio com outro elemento em que o oxigênio

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO TOMMASI ANALÍTICA LTDA ALIMENTOS E BEBIDAS ALIMENTOS

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE MG 57, DE 9 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO ARSAE MG 57, DE 9 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO ARSAE MG 57, DE 9 DE OUTUBRO DE 2014 Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços Não Tarifados da Companhia de Saneamento Municipal de Juiz de Fora - CESAMA O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA REGULADORA

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. Homologa a Tabela de Preços de Serviços Não Tarifados e o Termo de Ocorrência de Irregularidade, ambos do Serviço Autônomo de Água e de Esgoto do Município de

Leia mais

Fluorescência de Raios-X: Fusão de Amostra com Borato

Fluorescência de Raios-X: Fusão de Amostra com Borato Fluorescência de Raios-X: Fusão de Amostra com Borato 1.Parâmetro(s) medido (s): Al 2 O 3, CaO, Cr 2 O 3, Fe 2 O 3, K 2 O, MgO, MnO, Na 2 O, Nb, NiO, P 2 O 5, SiO 2, Sn, Sr, Ta, TiO 2, V, W, Y, Zr. 2.Tamanho

Leia mais

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente,

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, DE Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Marcus de Almeida Lima Vice-Presidente José Maria

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025:2005

NBR ISO/IEC 17025:2005 Competence Recognition Certificate Físico- Químicos ECONSULTING - Chemical and Physical-chemical Testing Rua Torino, 161 Parque Residencial Três Figueiras Viamão - RS O laboratório citado acima está conforme

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Folha: 01/05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO IBRA INTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES QUIMICAS, FÍSICAS E BIOLÓGICAS LTDA AGRICULTURA E PECUÁRIA TECIDO VEGETAL Determinação do Boro pelo método Colorimétrico

Leia mais

PORTARIA Nº 20/UNOESC-R/2014. Fixa valores para serviços prestados pela Unoesc, Campus de Joaçaba.

PORTARIA Nº 20/UNOESC-R/2014. Fixa valores para serviços prestados pela Unoesc, Campus de Joaçaba. PORTARIA Nº 20/UNOESC-R/2014. Fixa valores para serviços prestados pela Unoesc, Campus de Joaçaba. O Reitor da Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc, Professor Aristides Cimadon, no uso de suas

Leia mais

CAPELAS - MONTE ALEGRE

CAPELAS - MONTE ALEGRE PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2017 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: CAPELAS - MONTE ALEGRE Os resultados das análises definidas para

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 5 Determinação de Cor Aparente - Espectrometria UV / VIS LQ: 2,5 PtCo/L Determinação de Aspecto - APPPEARANCE LQ: não se aplica Determinação de Turbidez por Turbidimetria LQ: 0,4 NTU Determinação

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 81/2016, DE 1º DE ABRIL DE 2016.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 81/2016, DE 1º DE ABRIL DE 2016. RESOLUÇÃO ARSAE-MG 81/2016, DE 1º DE ABRIL DE 2016. Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços Não Tarifados da Companhia de Saneamento Municipal de Juiz de Fora Cesama O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp 1 52.0060.0060.5 REAGENTE ANALITICO ACETATO DE SODIO TRIHIDRATADO P.A/ACS 80.00 KG Sem ACETATO DE SODIO TRIHIDRATADO PA/ACS ESPECIFICACAO FORMULA: CH3C00NA.3H2O TEOR: >= 98% PM: 136,08 PH (SOL 5% A 25.C):

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

SISTEMA DA CONCEICAO

SISTEMA DA CONCEICAO PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2016 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: SISTEMA DA CONCEICAO Os resultados das análises definidas para

Leia mais

Portaria IAP nº 259 DE 26/11/2014

Portaria IAP nº 259 DE 26/11/2014 Norma Estadual - Paraná Portaria IAP nº 259 DE 26/11/2014 Publicado no DOE em 28 nov 2014 Aprova e estabelece os critérios e exigências para a apresentação do AUTOMONITORAMENTO AMBIENTAL DE ATERROS SANITÁRIOS

Leia mais

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO 1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO Nos quadros seguintes apresenta-se um resumo global dos resultados s para a água

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO GREEN LAB ANÁLISES QUÍMICAS E TOXICOLÓGICAS LTDA /

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L385- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L385- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 2º trimestre de 2011 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CASCARDI SANEAMENTO BÁSICO LTDA S BIOLÓGICOS NORMA E /OU PROCEDIMENTO CONSUMO HUMANO, ÁGUA TRATADA E Contagem Padrão de

Leia mais

Atividade complementar de Química. Substância pura e mistura de substâncias

Atividade complementar de Química. Substância pura e mistura de substâncias Atividade complementar de Química Substância pura e mistura de substâncias Educação de Jovens e Adultos Sobre as substâncias químicas, é importante que esteja claro, que todas as substâncias são constituídas

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 6 MEIO AMBIENTE ENSAIO QUÍMICO HUMANO, ÁGUA RESIDUAL HUMANO Determinação de Sódio pelo método Determinação de Potássio pelo método Determinação de Fósforo Total, Fosfato Total e orto-fosfato

Leia mais

Lista de ensaios sob acreditação flexível

Lista de ensaios sob acreditação flexível Nº Produto Parâmetro e Técnica Norma / Procedimento 1 Dispositivos médicos 2 Dispositivos médicos 3 Dispositivos médicos 4 5 6 7 8 9 10 Quantificação de Bolores e leveduras Quantificação de Microrganismos

Leia mais

Lista de ensaios sob acreditação flexível

Lista de ensaios sob acreditação flexível Nº Produto Parâmetro e Técnica Norma / Procedimento 1 Dispositivos médicos 2 Dispositivos médicos 3 Dispositivos médicos 4 5 6 7 8 Zaragatoas em superfícies associadas a zonas de risco Zaragatoas em superfícies

Leia mais

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável Arames Barras chatas Bobinas Cantoneiras Chapas Discos Perfis Buchas Tubos Tubos de cobre para refrigeração Vergalhões, redondos, sextavados e

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO QUALITEX ENGENHARIA E SERVIÇOS LTDA ÁGUA TRATADA, RESIDUAL, E ÁGUA Determinação

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: MOSTEIROS - NORTE Os resultados das análises definidas para o

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

SISTEMA DE SANTO ANTÓNIO

SISTEMA DE SANTO ANTÓNIO PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: SISTEMA DE SANTO ANTÓNIO Os resultados das análises definidas

Leia mais

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18.

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18. ANEXO IV ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Ácido Fluossilícico 20% NE: 262055 Ácido fluossilícico a 20% para fluoretação de água para consumo humano, para prevenção de cárie dentária. O produto deverá apresentar

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: MOSTEIROS, BRETANHA E REMÉDIOS Os resultados das análises definidas

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

Determinação de Presença de Bactérias em Materiais

Determinação de Presença de Bactérias em Materiais ANÁLISES BIOLÓGICAS Análise e Identificação de Microrganismos Presentes no Tratamento Biológico de Estação de Tratamento de Efluentes Análise histológica para avaliar a estrutura de peles, couros e materiais

Leia mais

Águas Residuárias da Indústria Canavieira

Águas Residuárias da Indústria Canavieira 16 Encontro GIFC Quirinópolis, GO Águas Residuárias da Indústria Canavieira Eng. André Elia Neto Consultor Ambiental e de Recursos Hídricos Quirinópolis,GO, 18 de setembro de 2014 1.Definições 2.Origem

Leia mais

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco-

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco- Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco Maio 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. AVALIAÇÃO HIDROQUÍMICA... 3 3. CONCLUSÕES... 6 FIGURAS 2.1 PONTO DE COLETA RIO JOANES:

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 4º trimestre de 2012 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO INSTITUTO NACIONAL DE ANÁLISES E PESQUISAS LTDA/ INSTITUTO NACIONAL DE ANÁLISES E PESQUISAS LTDA

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO INSTITUTO NACIONAL DE ANÁLISES E PESQUISAS LTDA/ INSTITUTO NACIONAL DE ANÁLISES E PESQUISAS LTDA ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO NACIONAL DE ANÁLISES E PESQUISAS LTDA/ INSTITUTO

Leia mais

Condições e Padrões de Qualidade de Águas

Condições e Padrões de Qualidade de Águas Condições e Padrões de Qualidade de Águas baseado na resolução CONAMA 357/2005 com alteração da resolução CONAMA 430/2011 ÁGUAS DOCES CLASSE ESPECIAL Não são permitidos lançamentos de qualquer espécie

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 /6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO TASQA Serviços Analíticos Ltda Unidade Ipatinga INSTALAÇÕES PERMANENTES CLASSE DE / DESCRIÇÃO DO S QUÍMICOS Determinação

Leia mais

Preparação da amostra (Secagem e crivagem) 4,50

Preparação da amostra (Secagem e crivagem) 4,50 LABORATÓRIO DE SOLOS E FERTILIDADE Análises de solos Designação da análise Método Preparação da amostra (Secagem e crivagem) 4,50 Terra Fina (T.F.) Norma ISO 11465:1993 Método Gravimétrico 3,50 ph (H 2

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Pontos em que a expedição da UnB participou do processo de coleta de água e sedimento entre os dias

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES - UCS PRIMEIRA ETAPA: CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE GERADO NA CIDADE UNIVERSITÁRIA 1. MAPEAMENTO DE TODAS AS FOSSAS SÉPTICAS E LINHAS

Leia mais

PORTARIA Nº 41/UNOESC-R/2017. Fixa valores para serviços prestados pela Unoesc Joaçaba.

PORTARIA Nº 41/UNOESC-R/2017. Fixa valores para serviços prestados pela Unoesc Joaçaba. PORTARIA Nº 41/UNOESC-R/2017. Fixa valores para serviços prestados pela Unoesc Joaçaba. O Reitor da Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc, Professor Aristides Cimadon, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente,

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, DE Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Marcus de Almeida Lima Vice-Presidente José Maria

Leia mais

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Geóg. Rosângela Pacini Modesto Companhia Ambiental do Estado de Paulo (CETESB/SMA) Jul 2014 USOS DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE MG 47, DE 3 DE ABRIL DE 2014

RESOLUÇÃO ARSAE MG 47, DE 3 DE ABRIL DE 2014 RESOLUÇÃO ARSAE MG 47, DE 3 DE ABRIL DE 2014 Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços Não Tarifados da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA REGULADORA DE

Leia mais

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente,

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, DE Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Marcus de Almeida Lima Vice-Presidente José Maria

Leia mais

DECRETO Nº , DE 29 DE JANEIRO DE 2016 D E C R E T A:

DECRETO Nº , DE 29 DE JANEIRO DE 2016 D E C R E T A: DECRETO Nº 19.295, DE 29 DE JANEIRO DE 2016 Estabelece os preços dos serviços complementares a serem cobrados pelo Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNIVATES LABORATÓRIO UNIANÁLISES Sistema de Gestão da Qualidade INSTRUÇÕES PARA AMOSTRAGEM

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNIVATES LABORATÓRIO UNIANÁLISES Sistema de Gestão da Qualidade INSTRUÇÕES PARA AMOSTRAGEM Amostras de Efluentes, de Águas Superficiais e de Poços de Monitoramento Para coletar de água ou efluente, usa-se frasco de vidro âmbar ou polietileno com tampa, fornecidos pelo Laboratório UNIANÁLISES,

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp sabesp Área Resp.: Prioridade.: Natureza...: Data da RC.: Inspeção...: Valor da RC...: Data (IO)...: Unid. Req...: Duração...: Objeto: AQUISIÇÃO DE MATERIAIS DE LABORATORIOS - MATERIAL DE ESTOQUE PARA

Leia mais

Existem mais de uma centena de átomos conhecidos e a combinação entre esses, formam as milhões e milhões de substâncias.

Existem mais de uma centena de átomos conhecidos e a combinação entre esses, formam as milhões e milhões de substâncias. Símbolos e fórmulas químicas Figura 1 Representação de moléculas de água Fonte: Fundação Bradesco CONTEÚDOS Representação de elementos químicos símbolos Representação de substâncias químicas fórmulas Substâncias

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 1º trimestre de 2010 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA TABELA ANEXA AO DECRETO Nº14824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA 11 Para execução de ligação de água em tubos de plásticos, com reenchimento da escavação e repavimentação da faixa de rolamento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA AMOSTRA: Caixa de Reuso

IDENTIFICAÇÃO DA AMOSTRA: Caixa de Reuso RELATÓRIO DE ENSAIO N 125933/2014-0 Processo Comercial N 6311/2014-2 DADOS REFERENTES AO CLIENTE Empresa solicitante: ESCOLA DE ARTES CIENCIAS E HUMANIDADES - EACH Endereço: Avenida Arlindo Bettio, 1000

Leia mais

RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N / Processo Comercial N 11232/2016-1

RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N / Processo Comercial N 11232/2016-1 RESUMO DOS RESULTADOS DA AMOSTRA N 176251/2016-0 Identificação do Cliente: ETA São Vitor Amostra Rotulada como: Água Tratada Data da entrada no laboratório: 06/07/2016 16:10 Data de Elaboração do RRA:

Leia mais

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Projeto de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aquífero Guarani Environmental Protection

Leia mais

Relatório de Ensaios Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo

Relatório de Ensaios Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo Relatório de s Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Escherichia coli 0 Número/0mL 0 Método Interno (PTM 4) (14-01-2011) Bactérias coliformes (coliformes totais) 0 Número/0mL 0 Método Interno (PTM 4) (14-01-2011)

Leia mais

Escola Técnica Estadual GETÚLIO VARGAS. Tipo de Ensino: Médio: x 2 Módulo/Série: 1º 2º 3º 4º

Escola Técnica Estadual GETÚLIO VARGAS. Tipo de Ensino: Médio: x 2 Módulo/Série: 1º 2º 3º 4º Escola Técnica Estadual GETÚLIO VARGAS NOME: N.º Tipo de Ensino: Médio: x 2 Módulo/Série: 1º 2º 3º 4º Conteúdo disciplinar: Química Funções Inorgânicas : ácidos, bases, sais e óxidos. PROVA: Mensal: Bimestral:

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L32- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

Município de Fornos de Algodres

Município de Fornos de Algodres Relatório Técnico_Apresentação Trimestral Entidade Gestora Município de Fornos de Algodres Campanha de Controlo 2º Trimestre de 2014 1. INTRODUÇÃO A qualidade da água fornecida aos seus consumidores é

Leia mais

Relatório Técnico_ Apresentação Trimestral

Relatório Técnico_ Apresentação Trimestral Relatório Técnico_ Apresentação Trimestral Entidade Gestora Município de Fornos de Algodres Campanha de Controlo 3º Trimestre de 2016 1. INTRODUÇÃO A qualidade da água fornecida aos seus consumidores é

Leia mais

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas 3.1.5. Pontos de emissão 3.1.5.1. Águas residuais e pluviais O efluente após tratamento na ETAL, é descarregado para um sistema de drenagem colectivo (ED1), e encaminhado para ETAR Municipal de Angra do

Leia mais

Os elementos químicos sempre foram agrupados de modo a termos elementos semelhantes juntos, tendo desta maneira o desenvolvimento de várias tabelas

Os elementos químicos sempre foram agrupados de modo a termos elementos semelhantes juntos, tendo desta maneira o desenvolvimento de várias tabelas Os elementos químicos sempre foram agrupados de modo a termos elementos semelhantes juntos, tendo desta maneira o desenvolvimento de várias tabelas até os nossos dias atuais P E R Í O D O S A TABELA PERIÓDICA

Leia mais