ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS"

Transcrição

1 ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Profª Drª Cláudia Naves David Amorim LACAM Laboratório de Controle Ambiental e Eficiência Energética Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília

2 PROGRAMA 1.INTRODUÇÃO 2.ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 3.ETIQUETAGEM COMERCIAL 4.ETIQUETAGEM RESIDENCIAL 5.CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS

3 Desenvolvimento sustentável... Mudança de paradigma

4 Sustentabilidade: palavra de ordem do milênio Eficiência Energética: uma das prioridades

5 Consumo energético no Brasil Fonte: Balanço Energético Nacional 2005

6 Fonte: Adaptado de CEB, 2011 CONSUMOS CRESCENTES NOS SETORES RESIDENCIAL E COMERCIAL

7 Eficiência energética em edifícios Eficiência energética Obtenção de um serviço com baixo dispêndio de energia. Um edifício quando proporciona das mesmas condições ambientais que outro com menor consumo de energia, é mais eficiente. (LAMBERTS et al, 1997) Racionamento Conceito mutilador da qualidade de vida (MARQUES, HADDAD e MARTINS, 2006) Eficiência energética racionamento de energia

8 Eficiência energética garante conforto ambiental? Eficiência energética deve, por princípio, garantir qualidade (conforto ambiental) Mas... -O conforto ambiental exige estratégias que podem ir além da eficientização -Muitas vezes não épossível obter conforto com estratégias passivas -Equipamentos e tecnologias devem ser o mais eficientes possível, mas como complemento de um bom projeto arquitetônico

9 Eficiência Energética em Edificações (EEE) Até pouco tempo: conceito ligado aos sistemas iluminação e ar condicionado HOJE: ARQUITETURA TEM PAPEL FUNDAMENTAL Parte do consumo energético deve-se ao desperdício de energia, conseqüência da escolha de padrões arquitetônicos inadequados ao contexto climático... Projeto concebido adequadamente desde o início: 50% de economia Reformas potencial de 30 a 50% de economia

10 BRASÍLIA... transformação das fachadas (espelhos) Edificações comerciais, de serviços e públicas

11 BRASÍLIA... transformação das fachadas (fechamento com vidros) Edificações residenciais

12 12 A metamorfose da arquitetura... Antes depois... Brises originais Pele de vidro Setor Bancário Sul - Brasília

13 Coletor solar?? TRE - Brasília

14 Controle solar Elementos de proteção solar em 237 edifícios de escritórios em Brasília (Silva, 2007; Lima, 2010) Edifícios localizados no Setor de Autarquias Norte e Sul (SAUN/SAUS), Setor Bancário Norte e Sul (SBN/SBS), Setor de Rádio e Televisão Sul (SRTVS), Setor de Grandes Áreas Sul(SGAS), Setor de Edifícios Públicos Sul (SEPS), Setor de Administração do DF1 (SADF), Setor de Administração Federal Sul (SAFS), Esplanada dos Ministérios e Praça dos Três Poderes.

15 Projeto para eficiência energética (edifício novo ou retrofit) COMO? Reduzir demanda de resfriamento, ventilação, iluminação ARQUITETURA Atender àdemanda se possível com meios passivos ventilação natural, resfriamento por ventilação noturna, iluminação natural, etc ARQUITETURA Atender àdemanda remanescente através de meios mecânicos/elétricos eficientes e bem controlados SISTEMAS E AUTOMAÇÃO (BURTON, 2001)

16 O projeto eficiente: COMPLEXO EXIGE MAIOR METODOLOGIA EXIGE MAIOR DETALHAMENTO EXIGE FORMAÇÃO ESPECÍFICA E PARTICIPAÇÃO DE ESPECIALISTAS, ÀS VEZES Realiza um compromisso entre as várias exigências projetuais, otimizando o projeto Ed. Comercial - Malásia Arq. Ken Yeang

17 Questões relacionadas ao projeto: Implantação: Orientação e assentamento no terreno Forma: compacidade, área de superfície exposta, profundidade Envoltória: - proporção e dimensão das aberturas -elementos de proteção e controle Materiais: fator solar, transmitância térmica, isolamento térmico, transmissão da luz visível Componentes e estratégias complementares Iluminação artificial, condicionamento de ar, controles e automação

18 Implantação e orientação: Esplanada dos Ministérios - Brasília

19 Eficiência energética em edificações: histórico Lei nº10.295, n de 17 de outubro de 2001 Dispõe e sobre a Política Nacional de Conservaçã ção o e Uso Racional de Energia Visa desenvolver a eficiência energética no país Decreto nº n 4.059, de 19 de dezembro de 2001 Regulamenta a Lei n o (Lei da Eficiência Energética) Institui o Comitê Gestor de Indicadores e Níveis N de Eficiência Energética CGIEE Os níveis n mínimos m de eficiência energética deverão o ser estabelecidos segundo regulamentaçã ção o específica O MME constitui um Grupo TécnicoT que adota procedimentos para avaliaçã ção o da eficiência energética das edificaçõ ções e cria indicadores técnicos referenciais do consumo de energia destas edificaçõ ções

20 E por fim... REGULAMENTO TÉCNICO DA QUALIDADE DO DO NÍVEL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS COMERCIAIS, DE SERVIÇOS E PÚBLICOS BRASIL Entra no grupo de países que classificam a EE das suas edificações

21 OS REGULAMENTOS : RTQ-C e RTQ-R Foram desenvolvidos a partir de estudos de mais de 6 anos por Universidades Federais (LABEEE -UFSC e representantes de outras universidades) Totalmente pensado para a realidade brasileira, contemplando a diversidade de climas, tipologias e sistemas construtivos encontrados em nosso território.

22 OS REGULAMENTOS : RTQ-C e RTQ-R Quais tipologias são avaliadas? Regulamento Técnico da Qualidade (RTQ-C) do Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicos primeiras etiquetas em Regulamento Técnico da Qualidade (RTQ-R) do Nível de Eficiência Energética de Edificações Residenciais primeiras etiquetas em 2010.

23 RTQ-C Regulamento Técnico da Qualidade do Nível de Eficiência Energética de Edifícios Públicos, Comerciais e de Serviços especifica requisitos técnicos, bem como os métodos para classificação de edifícios comerciais, de serviços e públicos quanto àeficiência energética. PUBLICADO POR PORTARIA MDIC Nº163, EM 08/06/2009

24 RTQ-C A etiqueta poderá ser outorgada para: Novas Edificações Edificações Existentes acima de 500m2 atendidas por tensão igual ou superior a 2,3 kv Etiqueta Nacional de Conservação de Energia - ENCE AS PRIMEIRAS ETIQUETAS FORAM LANÇADASEM ADASEM 02 DE JULHO DE 2009

25 Método Prescritivo RTQ-C Níveis de eficiência (de A a E) para 3 quesitos: Pontuaçã ção o final a partir da equaçã ção o geral ENVOLTÓRIA + ILUMINAÇÃ ÇÃO O + CONDICIONAMENTO DE AR + BONIFICAÇÃ ÇÃO

26 Edifício, sala ou pavimento completo Envoltória Envoltória + Sistema de Iluminação Envoltória + Sistema de condicionamento de ar O RTQ-C: CERTIFICAÇÃO PARCIAL GERAL

27 O RTQ-C: adaptação ao clima Zona Bioclimática região geográfica homogênea quanto aos elementos climáticos que interferem nas relações entre ambiente construído e conforto humano de acordo com a NBR Parte 3.. Na NBR há uma lista com 330 cidades.

28 O RTQ-C: PRÉ-REQUISITOS GERAIS circuito elétrico com possibilidade de medição centralizada por uso final; aquecimento solar de água com coletor e reservatório térmico ou aquecedores a gás individuais com classificação A ou bomba de calor ou aquecimento por reuso de calor; aquecimento solar de água, máximo aproveitamento da área disponível; controle inteligente de tráfego; bombas de água centrífugas do PBE AouB A A A A Válidos para obter a classificação geral

29 O RTQ-C: ENVOLTÓRIA ASPECTOS DA ARQUITETURA ABORGAGEM NO RTQ-C MORFOLOGIA MATERIAIS FUNÇÃO FORMA ORIENTAÇÃO ABERTURAS PROTEÇÕES SOLARES FECHAMENTOS OPACOS FECHAM. TRANSLÚCIDOS IMPLANTAÇÃO Regulamento Específico: Comercial Fator de Forma e Fator de Altura Percentual de Abertura (PAFt) Percentual de Abertura (PAFt) Ângulos de Sombreamento (AVS e AHS) Transmitância e Absortância (pré-requisitos) Percentual de Abertura (PAF) e Fator Solar Se tem importância significativa, comprovar por simulação

30 O RTQ-C: ENVOLTÓRIA Envoltória (fachadas + cobertura) Cálculo do indicador de consumo : área de janelas existência e dimensão o de proteçõ ções solares tipo de vidro dimensões es da edificaçã ção o (forma, compacidade) zoneamento bioclimático brasileiro

31 O RTQ-C: ENVOLTÓRIA Envoltória (fachadas + cobertura) Pré-requisitos : transmitância ncia térmica t das fachadas e coberturas absortância dos revestimentos externos aberturas zenitais

32 O RTQ-C: avaliação de materiais Cada uma das camadas de um fechamento opaco tem uma resistência térmica diferente. O inverso da resistência total do fechamento é a transmitância térmica. RTQ avalia: Transmitância da Cobertura Transmitância das Paredes externas

33 O RTQ-C: avaliação de materiais Trecho da Tabela de Transmitâncias, capacidade térmica e atraso térmico (norma NBR )

34 RTQ avalia: Absortância da Cobertura Absortância das Paredes externas O RTQ-C: avaliação de materiais A absortância (α) é tabelada ou medida Fonte: LAMBERTS, R. PEREIRA, F. e DUTRA, L., Eficiência Energética na Arquitetura, PW ed., São Paulo, 1997

35 O RTQ-C: avaliação de materiais - vidros Fator Solar O FS é fornecido pelo fabricante

36 A ABCB C A ABB A Densidade de potência instalada para iluminação em cada ambiente (DPI=W/m²) Pré-requisitos de iluminação: Circuito exclusivo para iluminaçã ção; Acionamento independente de luminárias próximas àentrada de luz natural Ambientes com área maior que 250m² devem possuir dispositivo de desligamento automático tico O RTQ-C: SISTEMA DE ILUMINAÇÃO Para obtençã ção o de nível n A os três pré-requisitos requisitos devem ser atendidos

37 O RTQ-C: SISTEMA DE CONDICIONAMENTO DE AR Ar Condicionado de janela ou split: Classificaçã ção o adotada no Programa Brasileiro de Etiquetagem Pré-requisito requisito nível n A: ar condicionado de janela ou unidades condensadoras de split devem ter sombreamento permanente Sistema de condicionamento de ar central: Classificação o baseada na eficiência dos equipamentos fornecida pelo fabricante.

38 O RTQ-C: BONIFICAÇÕES Outros sistemas energeticamente eficientes. Até1 ponto (de 0 a 1) somado àpontuação geral. Iniciativas justificadas e a economia comprovada Iniciativas que podem elevar a classificação da edificação Uso racional de água: economia mínima de 40%; Aquecimento solar: fração solar mínima de 70%; Fontes renováveis de energia (eólico, fotovoltaico): economia mínima de 10%; Cogeração: economia mínima de 30%; Inovações que promovam a eficiência energética: economia mínima de 30%.

39 EDIFÍCIOS ETIQUETADOS

40 CENTRO DE TECNOLOGIAS SOCIAIS PARA A GESTÃO DA ÁGUA - CETRÁGUA

41 FACULDADE DE TECNOLOGIA NOVA PALHOÇA FATENP Santa Catarina

42 NOVO TERMINAL RODOFERROVIÁRIA DE BRASÍLIA LACAM -UnB

43 NOVA SEDE DO CONFEA CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA BRASÍLIA -DF OFICIALIZADO EM JANEIRO DE 2012 em breve LACAM -UnB

44 Edifício Sede IV Banco do Brasil Brasília DF OFICIALIZADO EM NOVEMBRO DE 2011 LACAM -UnB

45 Estudos: sombreamento nas aberturas Otimização e adequação dos elementos existentes (brises) mantendo o padrão PERÍODO DO ANO HORAS DE SOL SITUAÇÃO ATUAL 22 Jun 24 Jul / 21 Mai 28 Ago / 16 Abr 24 Set / 21 Mar 20 Out / 23 Fev 22 Nov / 21 Jan 22 Dez 11:00 / 17:30 11:30 / 17:30 13:00 / 17:45 14:00 / 18:00 15:30 /18:00 sem ins. dir. sem ins. dir. Brise horizontal. Auto sombreamento do edifício Sombreamento dos brises existentes

46 Soluções propostas (Exemplo) Existente Proposta

47 Otimização Do Desempenho Térmico e Energético da Envoltória Intervalos dos níveis de eficiência Eficiência A B C D E lim mín lim máx IC = 196 A envoltória do edifício obterá Etiqueta A, com os brises propostos

48 Vistas internas com novos brises otimizados

49 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA, BRASÍLIA - DF Esplanada Sustentável Edifícios tombados Poucas possibilidades de intervenção

50 Etiqueta de eficiência energética: situação atual SISTEMA ENVOLTÓRIA ILUMINAÇÃO CONDICIONAMENTO DE AR ETIQUETA GERAL ETIQUETA ATUAL C D C C

51 Possibilidades de melhoria SISTEMA ETQ ATUAL Hipótese 1 Hipótese 2 Hipótese 3 ENVOLTÓRIA C B B B SISTEMA DE ILUMINAÇÃO D C D B SISTEMA DE CONDICIONAMENTO DE AR C C B B GERAL C B B* A Foram feitas propostas de intervenção, de forma a melhorar a Etiqueta do edifício, que poderá chegar a A.

52 Nova sede Caixa Seguros ESTUDOS PARA ADEQUAÇÃO DO PROJETO A edificação é caracterizada por formato irregular com fachadas curvas nas orientações Nordeste/Sudoeste. Suas fachadas não apresentam saliências, recortes ou reentrâncias, sendo mais caracterizada por planos inteiriços recobertos por vidros. Não existem elementos de proteção solar.

53 Resultados Com os dados levantados, foi calculada a Etiqueta do Nível de Eficiência Energética da Envoltória do edifício, considerando o projeto atual, através da planilha desenvolvida pelo LACAM. A Etiqueta calculada, ainda sem o cálculo dos pré-requisitos, foi B CLASSIFICAÇÃO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO DA ENVOLTÓRIA Dados do edifício Área de cobertura do edifício (m²) Apcob 1257,02 Área de projeção do edifício (m²) Ape 1041,92 Área total de piso (m²) Atot 20838,54 Intervalos dos níveis de eficiência (tabela 3.4, p.26) Área da envoltória (m²) Aenv 12521,03 Eficiência A B C D E Ângulo Vertical de Sombreamento (graus) AVS 0,00 lim mín - 121,96 174,08 226,19 278,31 Ângulo Horizontal de Sombreamento (graus) AHS 0,00 lim máx 121,95 174,07 226,18 278,30 - Percentual de Abertura na Fachada (adimensional) PAFT 0,32 Volume total da edificação (m³) Vtot 74577,19 FATOR DE FORMA de cálculo (Aenv/Vtot): 0,17 Fator solar FS 0,26 FATOR DE ALTURA (Apcob/Atot): 0,06 Zona Bioclimática 4 Indicador de consumo (adimensional) IC 133,53 B Comportamento dos parâmetros Obs1.: as linhas coloridas correspondem aos limites de classificação. B

54 Indicações para melhoria da Etiqueta da Envoltória Alternativa 1: Alteração do Fator Solar dos vidros 0,26 para 0,21 e diminuição de 30% do Percentual de Abertura do edifício. Isto significaria a subtração de 44cm nas janelas dos ambientes, fazendo com que elas apresentem 1m de altura ao invés de 1,44m Isto significa a alteração do Coeficiente Solar (fornecido pelo contratante) de 0,3 para 0,24. A Alternativa 2: Diminuição de 40% do Percentual de Abertura do edifício. Para obtenção da etiqueta A sem alteração da especificação dos vidros, deve-se diminuir em 40% as aberturas do edifício (Paft passa a ser 0,19). Neste caso, as janelas teriam somente 0,86m de altura ao invés dos 1,44m previstos no projeto original. A

55 Porém, para Etiqueta Geral atingir nível A, não necessariamente a envoltória deve ser A. ENVOLTÓRIA + ILUMINAÇÃ ÇÃO O + CONDICIONAMENTO DE AR + BONIFICAÇÃ ÇÃO

56 Ao todo, há26 edifícios comerciais, públicos ou de serviços etiquetados

57 RTQ-R Regulamento Técnico da Qualidade do Nível de Eficiência Energética de Edifícios Residenciais especifica requisitos técnicos, bem como os métodos para classificação de edifícios residenciais unifamiliares, multifamiliares e áreas comuns. PUBLICADO POR PORTARIA MDIC Nº449 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2010

58 Requisitos segundo os usos da edificação Unidades habitacionais autônomas: RTQ-R Edificações unifamiliares; Edificações multifamiliares; Áreas de uso comum; uso eventual; uso frequente.

59 RTQ-R: etiquetagem Unidades Habitacionais Autônomas

60 Edifícios Multifamiliares RTQ-R: etiquetagem Cada apartamento é uma unidade autônoma e a etiqueta geral do edifício éuma ponderação da classificação de todas as unidades.

61 Requisitos segundo os sistemas RTQ-R: etiquetagem Arquitetura bioclimática Equipamentos eficientes (PBE) Sol e uso racional da água Envoltória; Iluminação natural; Ventilação natural; Iluminação artificial; Ventilação mecânica; Condicionamento artificial; Equipamentos Aquecimento de água (chuveiro eletrico é E) Uso racional de água para consumo;

62 Ao todo, foram etiquetados 55 edifícios residenciais, entre residências unifamiliares, multifamiliares e áreas comuns.

63

64

65

66 LABORATÓRIOS BRASILEIROS Rede de eficiência energética R3E PA UFPA CE RN UFC UFRN AL UFAL Acreditação Multiplicador Multiplicador ênfase ventilação UFMS MS UnB DF LACAM SP SC BA MG RJ UNICAMP UFF UFMG UFV UFPel RS UFSC UFPel

67 LACAM Laboratório de Controle Ambiental e Eficiência Energética-FAU/UnB Coordenação: Profa. Cláudia Naves David Amorim

68

69 Equipe de Etiquetagem FAU UnB Coordenação Cláudia Naves David Amorim Arquitetos: Prof. Caio Frederico e Silva Milena Sampaio Cintra Renata Albuquerque Maciel Julia Teixeira Fernandes Gustavo Luna Sales Estagiários: Adriano Izabela Hanna Samara

70 CONCLUSÃO e PERSPECTIVAS: Etiquetagem de edifícios: balizador para novos projetos e reabilitação de edifícios públicos, comerciais, de serviços e residenciais A atenção volta-se não somente para a eficiência energética, mas para a qualidade ambiental Embrião para futura certificação brasileira

71 CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS Parcerias indústria/projetistas/academia Legislação e incentivos Capacitação profissional Disseminação de informações Poder público - exemplo

72 Obrigada pela atenção!

Profa. Cláudia Naves David Amorim

Profa. Cláudia Naves David Amorim Profa. Cláudia Naves David Amorim Laboratório de Controle Ambiental (LACAM) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) Universidade de Brasília (UnB) O ciclo da construção Novas exigências e normativas:

Leia mais

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Carolina R. Carvalho Marcio J. Sorgato LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Edificações comerciais, de serviços e públicos

Leia mais

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL O PROCEL EDIFICA e a Etiquetagem de Eficiência Energética de Edificações Projeções de Consumo de Eletricidade

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia

Leia mais

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS Roberto Lamberts LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Estado atual da etiquetagem de nível de eficiência

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais 6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais Os projetos de sistemas prediais elétricos, de ar condicionado e iluminação com foco para atender requisitos de conservação de energia na etiquetagem do PROCEL/

Leia mais

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina Mobilização / Sensibilização Módulo Eficiência Energética Fevereiro 2012 Fonte: Plano Nacional de Energia 2030 MME, colaboração Empresa de Pesquisa Energética EPE, 2007

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS AGÊNCIAS DO BANCO DO BRASIL NO DISTRITO FEDERAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS AGÊNCIAS DO BANCO DO BRASIL NO DISTRITO FEDERAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS AGÊNCIAS DO BANCO DO BRASIL NO DISTRITO FEDERAL RESUMO João Carlos Simão Pedreira (1); Cláudia Naves David Amorim (2) (1) Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Comercial, de Serviço e Público

Comercial, de Serviço e Público 1 Diretrizes para Obtenção de Classificação Nível A para Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas Comercial, de Serviço e Público 2014 Com base na Portaria: nº 372/2010 2 Eletrobras/Procel José da

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações 1 Eficiência Energética em Edificações SUSTENTABILIDADE: NOVOS DESAFIOS E OPORTUNIDADES Maio, 2015 Paula Baratella, arq. MSc. Arquiteta e Urbanista e Mestre em Eng. Civil- UNICAMP Analista de Infraestrutura

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ALINE ZANGHELINI MAZON

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ALINE ZANGHELINI MAZON UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ALINE ZANGHELINI MAZON INFLUÊNCIA DOS ATRIBUTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA, PARA O REQUISITO ENVOLTÓRIA, NOS CUSTOS DIRETOS DE UMA

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

Apostila. Hiperlivro EtiqEEE

Apostila. Hiperlivro EtiqEEE Apostila Hiperlivro EtiqEEE Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Arquitetura e Urbanismo Apostila Hiperlivro EtiqEEE Florianópolis - 2013 Terceira edição 1 Apostila Hiperlivro EtiqEEE

Leia mais

SIMULAÇAO DE ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA UM PRÉDIO PÚBLICO - ESTUDOS DE CASO EM GOVERNADOR VALADARES

SIMULAÇAO DE ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA UM PRÉDIO PÚBLICO - ESTUDOS DE CASO EM GOVERNADOR VALADARES SIMULAÇAO DE ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA UM PRÉDIO PÚBLICO - ESTUDOS DE CASO EM GOVERNADOR VALADARES Valcimar Silva de Andrade*, Romário Soares Araújo, João Eustáquio da Costa Santos * Instituto

Leia mais

2.1 RTQ-C. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas

2.1 RTQ-C. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 2.1 Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas RTQ-C Com alterações das portarias: nº17 de 2012 e nº299 de 2013 centro brasileiro

Leia mais

Portaria n.º 372, de 17 de setembro de 2010.

Portaria n.º 372, de 17 de setembro de 2010. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 372, de 17 de setembro de

Leia mais

Profa. Cláudia Naves David Amorim

Profa. Cláudia Naves David Amorim ABDEH -Associação Brasileira para o Desenvolvimento do Edifício Hospitalar Curso: Projeto de Hospitais Sustentáveis - 17 e 18 de abril -São Paulo Profa. Cláudia Naves David Amorim LACAM Laboratório de

Leia mais

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil George Alves Soares Assistente da Diretoria de Tecnologia Abril / 2010 Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das

Leia mais

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA 1- A EDIFICAÇÃO O empreendimento será construído na cidade de Goiânia - GO. O anteprojeto está definido pelas vistas e perspectivas apresentadas abaixo. FIGURA 01: Perspectiva

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

PRÉDIOS PÚBLICOS. Implantação de Projetos de Eficiência Energética: Legislação e Incentivos

PRÉDIOS PÚBLICOS. Implantação de Projetos de Eficiência Energética: Legislação e Incentivos PRÉDIOS PÚBLICOS Implantação de Projetos de Eficiência Energética: Legislação e Incentivos OUTR OS INDÚS TR IA PODE R PÚB LIC O ÁGUA, E S GOTO E S ANE AME NTO ILUMINAÇ ÃO PÚB LIC A C OME R C IAL R E S

Leia mais

ANÁLISE DO EDIFÍCIO SESC CANOAS-RS PARA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PELO RTQ-C: ETIQUETA PARCIAL DA ENVOLTÓRIA

ANÁLISE DO EDIFÍCIO SESC CANOAS-RS PARA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PELO RTQ-C: ETIQUETA PARCIAL DA ENVOLTÓRIA ANÁLISE DO EDIFÍCIO SESC CANOAS-RS PARA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PELO RTQ-C: ETIQUETA PARCIAL DA ENVOLTÓRIA OLIVEIRA, Helena S. (1) ; GUTIERREZ, Grace C. R. (2) (1) Arquiteta Especialista,

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS E RESIDENCIAIS Martin Ordenes Mizgier, Dr. Eng. martin@arq.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico / Dep. Arquitetura

Leia mais

Insolação no projeto de arquitetura

Insolação no projeto de arquitetura Insolação no projeto de arquitetura Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc DTC e PROARQ FAU/UFRJ www.fau.ufrj.br/proarq Barroso-krause@proarq.ufrj.br Conhecer as necessidades ambientais da atividade prevista

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura

Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura Equipe Núcleo de Edificações Residenciais CB3E Florianópolis, setembro de 2012 CB3E - Centro Brasileiro de Eficiência Energética

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012

Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012 O PRESIDENTE

Leia mais

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES Roberto Lamberts, PhD. CT-Energia CBCS Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Portaria n.º 53, de 27 de fevereiro de 2009

Portaria n.º 53, de 27 de fevereiro de 2009 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 53, de 27 de fevereiro de

Leia mais

Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E

Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E Coordenação: Roberto Lamberts, PhD Núcleo de Edificações Residenciais Pós-doutorandos: Michele Fossati, Dra. Eng. Civil Doutorandos:

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

Fundação de Ensino e Engenharia em Santa Catarina http://www.feesc.org.br

Fundação de Ensino e Engenharia em Santa Catarina http://www.feesc.org.br UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli 27/06/2012 Sumário Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Eng. Anderson F. Gomes Brasília-DF, 05 de fevereiro de 2015 Apresentação SLTI/MP Lei nº 10.295, de Eficiência Energética MINISTÉRIO DO

Leia mais

Portaria n.º 181, de 21 de maio de 2010. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 181, de 21 de maio de 2010. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 181, de 21 de maio de 2010.

Leia mais

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO Leticia Neves Gerente de Eficiência Energética Wagner Oliveira Coordenador de P&D SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CERTIFICAÇÕES

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TIPO DE VIDRO NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA ENVOLTÓRIA

INFLUÊNCIA DO TIPO DE VIDRO NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA ENVOLTÓRIA INFLUÊNCIA DO TIPO DE VIDRO NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA ENVOLTÓRIA Larissa Olivier Sudbrack(1), Júlia Teixeira Fernandes(2), Milena Sampaio Cintra(3), Cláudia Naves David Amorim (4) (1) Graduanda em Arquitetura

Leia mais

Contextualizando... 42% do consumo de energia em edificações é destinado a operação e manutenção das edificações + promoção de conforto

Contextualizando... 42% do consumo de energia em edificações é destinado a operação e manutenção das edificações + promoção de conforto CASA EFICIENTE Edificações e consumo total de energia elétrica 42% do consumo de energia em edificações é destinado a operação e manutenção das edificações + promoção de conforto Evolução dos Consumos

Leia mais

FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO 25.899/2015

FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO 25.899/2015 FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO.99/0 ANEXO 0 GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS ( Subtotal de 9Ptos =.6 % ) Declarada 6 9 Uso de equipamentos economizadores de água ( torneiras com arejadores, spray e/ou

Leia mais

Este projeto foi desenvolvido pelo LabEEE, com o apoio da Eletrobrás/Procel. Laboratório de Eficiencia Energética em Edificações LabEEE - UFSC

Este projeto foi desenvolvido pelo LabEEE, com o apoio da Eletrobrás/Procel. Laboratório de Eficiencia Energética em Edificações LabEEE - UFSC Este projeto foi desenvolvido pelo LabEEE, com o apoio da Eletrobrás/Procel Eletrobrás/Procel: Fernando Pinto Dias Perrone Chefe do Departamento de Projetos Especiais Procel Edifica: Solange Nogueira Puente

Leia mais

CGIEE Comitê Gestor de Indicadores e Níveis de Eficiência Energética Paulo Augusto Leonelli

CGIEE Comitê Gestor de Indicadores e Níveis de Eficiência Energética Paulo Augusto Leonelli MME Ministério de Minas e Energia Edison Lobão Ministro de Minas e Energia CGIEE Comitê Gestor de Indicadores e Níveis de Eficiência Energética Paulo Augusto Leonelli Presidente Ministério das Minas e

Leia mais

Eficiência energética da envoltória de edifícios de escritórios de Florianópolis: discussões sobre a aplicação do método prescritivo do RTQ-C

Eficiência energética da envoltória de edifícios de escritórios de Florianópolis: discussões sobre a aplicação do método prescritivo do RTQ-C Eficiência energética da envoltória de edifícios de escritórios de Florianópolis: discussões sobre a aplicação do método prescritivo do RTQ-C Energy efficiency of office buildings envelope: discussions

Leia mais

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar 5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar Coletor Banho Características Técnicas Aletas em Alumínio; Cobertura em Vidro Liso Cristal; Vidro Caixa

Leia mais

APLICAÇÃO DO REGULAMENTO TÉCNICO DA QUALIDADE PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES - ESTUDO DE CASO DA ESCOLA DE ARQUITETURA UFMG

APLICAÇÃO DO REGULAMENTO TÉCNICO DA QUALIDADE PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES - ESTUDO DE CASO DA ESCOLA DE ARQUITETURA UFMG X ENCONTRO NACIONAL e VI ENCONTRO LATINO AMERICANO de C O N F O R T O N O A M B I E N T E C O N S T R U Í D O Natal, 16 a 18 de setembro de 2009 APLICAÇÃO DO REGULAMENTO TÉCNICO DA QUALIDADE PARA EFICIÊNCIA

Leia mais

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS SUSHI ENERGIA Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS 1 SUMÁRIO Importância de uso racional de energia em HIS Barreiras na implementação de tecnologias Agenda proposta para HIS com mapeamento de tecnologias

Leia mais

Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011.

Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011.

Leia mais

Portaria n.º 449, de 25 de novembro de 2010

Portaria n.º 449, de 25 de novembro de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 449, de 25 de novembro de

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL ECO-EFICIÊNCIA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS EDIFICAÇÕES - Versão Revisada e Resumida

Leia mais

(1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO Associação Brasileira dos Fabricantes de Lãs Isolantes

(1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO Associação Brasileira dos Fabricantes de Lãs Isolantes AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO USO DE ISOLAMENTO TÉRMICO EM COBERTURAS E FACHADAS DE EDIFICIOS COMERCIAIS E DE ESCRITÓRIOS (1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA

PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA ELETROBRAS Av. Presidente Vargas, 409 13 andar Centro Rio de Janeiro 20071-003 Caixa Postal 1639 Tel: 21 2514 5151 www.eletrobras.com

Leia mais

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Tecnologia de Aquecimento Solar de Água Abyara, São Paulo, 03 de Julho de 2008 Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Luciano Torres Pereira Grupo Soletrol Soletrol Industria e Comércio Soletrol l Tecnologia Universidade

Leia mais

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Documento elaborado pela Eletrobras/ Procel Edifica, Inmetro e CB3E/UFSC Rio de Janeiro, setembro de 2013. 1 O Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social - HIS: potencial de integração de tecnologia inovadora na produção de projetos habitacionais arquitetura em contêiner Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa

Leia mais

Diretrizes construtivas utilizando o Zoneamento Bioclimático Brasileiro

Diretrizes construtivas utilizando o Zoneamento Bioclimático Brasileiro Diretrizes const utilizando o Zoneamento Bioico Br Professor: Roberto Lamberts Mestranda: Mariana Garnica B. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Introdução

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL José Eduardo Castro de Almeida (1); Ricardo C. Cabús (2) (1) Universidade Federal de Alagoas, Rua José de Alencar, 318 Farol Maceió/AL,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. MÉTODO. 3.1. Diagrama Morfológico

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. MÉTODO. 3.1. Diagrama Morfológico O DESEMPENHO DA ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DE MINISTÉRIO EM BRASÍLIA: DIRETRIZES E RECOMENDAÇÕES PARA O CONFORTO VISUAL DO USUÁRIO E OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA. Lívia S. Leite (1); Júlia T. Fernandes (2)

Leia mais

GESTÃO PARA ESTIMULAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: O CASO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DE EDIFICAÇÕES.

GESTÃO PARA ESTIMULAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: O CASO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DE EDIFICAÇÕES. ISSN 1984-9354 GESTÃO PARA ESTIMULAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: O CASO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DE EDIFICAÇÕES. Iara Gonçalves dos Santos (CTE) Resumo Energia é fundamental para se alcançar as Metas de

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação INSOLAÇÃO EM EDIFICAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) ISABELA SABOYA PINTO LIMA Orientador(es) SUELI MANÇANARES LEME 1. Introdução O conforto térmico é um atributo necessário em edificações

Leia mais

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir.

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Adendos e notas 1/11 Adendo I de 24/0713 ao Referencial técnico de certificação Edifícios

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: eficiência energética; edifício educacional; RTQ-C.

RESUMO. Palavras-chave: eficiência energética; edifício educacional; RTQ-C. AVALIAÇÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE UM EDIFÍCIO EDUCACIONAL NO MUNICÍPIO DE PALHOÇA UTILIZANDO O REGULAMENTO TÉCNICO DA QUALIDADE PARA EDIFÍCIOS COMERCIAIS, DE SERVIÇO E PÚBLICOS. Carolina R. Carvalho

Leia mais

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP A B C D E Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Sumário LISTA DE SIGLAS... 4 apresentação... 5 Equipe de

Leia mais

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts Eficiência Energética e Mudanças Climáticas [ ] Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Tópicos A industria da construção

Leia mais

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Orientações para a implementação de EE em edifícios públicos Paula Baratella, arq. MSc. Analista

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013.

Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA ü Mais de empreendimentos já certificados LEED NC e CS ü Todos com simulação termo-energética realizada por equipe especializada interna ü Atualmente temos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA Ricardo Dias Silva (1); Admir Basso () (1) DAU/UEL, e-mail: rdsilva@uel.br () EESC/USP, e-mail: admbasso@sc.usp.br RESUMO Este

Leia mais

Mozart Schimdt Programa Nacional de Racionalização do Uso de Derivados de Petróleo e do Gás Natural - CONPET

Mozart Schimdt Programa Nacional de Racionalização do Uso de Derivados de Petróleo e do Gás Natural - CONPET MME Ministério de Minas e Energia Edison Lobão Ministro de Minas e Energia CGIEE Comitê Gestor de Indicadores e Níveis de Eficiência Energética Paulo Augusto Leonelli Presidente Ministério das Minas e

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

4.2 MANUAL RTQ-R. Manual para Aplicação do RTQ-R. Versão 1. centro brasileiro de eficiência energética em edificações

4.2 MANUAL RTQ-R. Manual para Aplicação do RTQ-R. Versão 1. centro brasileiro de eficiência energética em edificações 4.2 Manual para Aplicação do RTQ-R MANUAL RTQ-R Versão 1 centro brasileiro de eficiência energética em edificações Com base na Portaria: nº 18/2012 Eletrobras/Procel José da Costa Carvalho Neto Presidente

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br PETOBRAS VITÓRIA. Vitória - ES - 2005

11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br PETOBRAS VITÓRIA. Vitória - ES - 2005 PETOBRAS VITÓRIA Vitória - ES - 2005 MEMORIAL O partido tem como premissa a ocupação do território não considerando-o como perímetro, e sim como volume, ou seja, apreende deste sítio, sua estrutura geomorfológica.

Leia mais

Mozart Schimdt Programa Nacional de Racionalização do Uso de Derivados de Petróleo e do Gás Natural - CONPET

Mozart Schimdt Programa Nacional de Racionalização do Uso de Derivados de Petróleo e do Gás Natural - CONPET MME Ministério de Minas e Energia Edison Lobão Ministro de Minas e Energia CGIEE Comitê Gestor de Indicadores e Níveis de Eficiência Energética Paulo Augusto Leonelli Presidente Ministério das Minas e

Leia mais

Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP

Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP B D E Eficiência energética em edificações ontribuição do Gás LP O que é Programa de valiação da onformidade para Eficiência Energética de Edificações do Inmetro? O Programa de valiação da onformidade

Leia mais

ANTEPROJETO ARQUITETÔNICO DE UM CENTRO CULTURAL ENERGETICAMENTE EFICIENTE

ANTEPROJETO ARQUITETÔNICO DE UM CENTRO CULTURAL ENERGETICAMENTE EFICIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO ANDRÉ WILLIAM CARVALHO ALVES ANTEPROJETO ARQUITETÔNICO DE UM CENTRO CULTURAL

Leia mais

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM O "Grupo Empresarial CEB" tem como controladora a Companhia Energética de Brasília - CEB, cuja origem é a Companhia de

Leia mais

AR CONDICIONADO SOLAR

AR CONDICIONADO SOLAR ISO 9001 : 2008 Engenharia do Ar Condicionado De 08/04/2013 a 12/04/2013 Capítulo Especial sobre AR CONDICIONADO SOLAR Local: Hotel Windsor Guanabara Av. Presidente Vargas, 392 Centro Rio de Janeiro RJ

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável São Paulo Maio 2008 Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Sustentabilidade em Edificações

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

Proteções solares no Regulamento brasileiro de Eficiência Energética de Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos

Proteções solares no Regulamento brasileiro de Eficiência Energética de Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos Proteções solares no Regulamento brasileiro de Eficiência Energética de Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos Solar protections in the Brazilian Regulation on the Energy Efficiency of Commercial,

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

Soluções Sustentáveis

Soluções Sustentáveis ANA ROCHA MELHADO Soluções Sustentáveis EMPREENDIMENTOS RESIDENCIAIS IV SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL RIO DE JANEIRO, junho de 2011 SÍTIO E CONSTRUÇÃO (6 18) 1 - Relação do Edifício com o

Leia mais