SEGREGAÇÃO E MOBILIDADE RESIDENCIAL NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGREGAÇÃO E MOBILIDADE RESIDENCIAL NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO IPPUR - INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL DOUTORADO EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL JUPIRA GOMES DE MENDONÇA SEGREGAÇÃO E MOBILIDADE RESIDENCIAL NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE RIO DE JANEIRO 2002

2 ii UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO IPPUR - INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL DOUTORADO EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL JUPIRA GOMES DE MENDONÇA SEGREGAÇÃO E MOBILIDADE RESIDENCIAL NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Tese apresentada ao Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional-IPPUR, da Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ, como parte dos requisitos para obtenção do título de Doutor em Planejamento Urbano e Regional. Orientador: Prof. Dr. Luiz César de Queiróz Ribeiro RIO DE JANEIRO 2002

3 iii FICHA CATALOGRÁFICA M539s Mendonça, Jupira Gomes de Segregação e mobilidade residencial na Região Metropolitana de Belo Horizonte. - Rio de Janeiro: UFRJ. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, xvii.252 fls.: il. Orientador: Luiz César de Queiróz Ribeiro Tese (Doutorado ) - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional 1. Segregação sócio-espacial 2. Mobilidade resedencial 3. Dinâmica imobiliária I. Ribeiro, Luiz César de Queiróz II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional III. Título CDD : 300

4 iv UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO IPPUR - INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL DOUTORADO EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL JUPIRA GOMES DE MENDONÇA SEGREGAÇÃO E MOBILIDADE RESIDENCIAL NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Esta Tese foi julgada adequada para obtenção do título de Doutor em Planejamento Urbano e Regional e aprovada em sua forma final pelo Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Federal da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Prof. Jorge Natal, Dr. Coordenador de Ensino Banca Examinadora: Prof. Luiz César de Queiróz Ribeiro, Dr. Orientador Profa. Lúcia Maria Machado Bógus, Dra. Profa. Luciana Corrêa do Lago, Dra. Prof. Ralfo Edmundo da Silva Matos, Dr. Prof. Ségio de Azevedo, Dr.

5 v Para meus pais. Para Leopoldo.

6 vi AGRADECIMENTOS A tarefa de elaborar uma tese é muitas vezes chamada de rito de passagem. Posso dizer que, no meu caso, esta é uma metáfora muito apropriada. Depois de vinte anos no mercado de trabalho como técnica do planejamento urbano, trabalhando em órgãos públicos estaduais e municipais, decidi dedicar-me ao ensino e à pesquisa nesta área. A entrada na Universidade, como docente, foi então acompanhada do programa de doutorado em planejamento urbano e regional do IPPUR/UFRJ. Início de uma caminhada em uma nova direção. No trabalho técnico, os problemas do cotidiano na maioria das vezes dominam o esforço intelectual, na busca de soluções, e nesta lide o conhecimento da realidade fica situado, também muitas vezes, no plano do senso comum. No trabalho realizado na Universidade, ao contrário, o esforço de compreensão e explicação da realidade exige a permanente vigilância epistemológica e pressupõe a ruptura com o senso comum. Usando a expressão de Bourdieu: a vigilância epistemológica se impõe particularmente no caso das ciências do homem, nas quais a separação entre a opinião comum e o discurso científico é mais imprecisa do que em outros casos. O esforço intelectual implica, desta maneira, um novo diálogo com o real. Implica delimitar o filtro através do qual o objeto real será novamente olhado. Novamente, e sob novos ângulos. Desse olhar surgem novas perguntas. O real se impõe e ao mesmo tempo impõe buscar novas categorias, avançar no objeto teórico, buscar novas explicações. O trabalho de tese significou, para mim, caminhar na aprendizagem desse movimento rito de passagem para uma nova maneira de trabalhar a realidade. Nesse caminho, felizmente não estive sozinha. Ao contrário, contei com inúmeras formas de apoio, parceria e solidariedade. A entrada na UFMG foi acompanhada do apoio e grande ajuda do professor, economista e amigo Maurício Borges Lemos, inicialmente na preparação para o concurso público e posteriormente na elaboração do primeiro projeto de pesquisa, com a qual iniciei minha vida acadêmica, e que deu origem à proposta de trabalho no Doutorado. Nessa pesquisa, contei com o inestimável apoio financeiro da FAPEMIG e da Pró-Reitoria de Pesquisa (PRPQ) da UFMG, que permitiram criar uma infra-estrutura de trabalho e desenvolver meus primeiros esforços de compreensão dos processos recentes de estruturação do espaço metropolitano de Belo Horizonte. No desenvolvimento desse trabalho, e até mais recentemente, muitas pessoas, várias das quais até então eu não conhecia, abriram portas para a coleta de informações sobre a RMBH Região Metropolitana de Belo Horizonte: Márcio Rennó, Mauro Milagres e Luis Carlos Sette, da Cemig; Teodomiro Camargo, Daniel Furletti e Ieda, do Sinduscon; Antônio Gomes, da Secretaria de Estado da Fazenda; Raimundo do Vale, da

7 vii Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral; Roberval Bacha, da Telemig; Flávia Mourão, Júlio de Marco e Maria Silvia, da Secretaria Municipal de Atividades Urbanas (hoje Secretaria Municipal de Regulação Urbana); Mônica Bedê, da Secretaria Executiva do Conselho Municipal de Política Urbana; Eugênia Bossi, Jânio Bragança, Telma Palhares, Ângelo Rizzo Neto, Márcio Gonçalves e Jairo, da Prodabel; Luiz Antônio, Adriano Miglio e Raquel Ferreira, do IPEAD/UFMG; Vanessa e Regina Vasconcelos, do Departamento de Informações Técnicas da Secretaria Municipal de Planejamento; Dinamar, Neusa e Elieth, da Fundação João Pinheiro; Júlio Pires, Sandra Balbino e Sérgio Moraleida, da Secretaria Municipal da Fazenda (hoje Secretaria Municipal de Finanças); Sr. Waldir e Eng. Takahashi, da Sudecap; Maria Caldas, assessora da Secretaria de Coordenação Municipal de Políticas Urbanas. A todos, os meus agradecimentos pelo apoio e valiosa colaboração. Naquele momento trabalhávamos juntos, o economista Marcelo Cantini Santos, Bolsista de Aperfeiçoamento, e os estudantes de arquitetura Maurício Guimarães Goulart e Marcela Guimarães Godoy, Bolsistas de Iniciação Científica, os quais, além do levantamento de informações importantes para o trabalho, compartilhavam comigo o esforço de análise e o entusiasmo no desenvolvimento da pesquisa. Com Ercílio compartilhei a aprendizagem na elaboração de mapas digitais, tendo contado também com a colaboração de Alexandre, da Fundação João Pinheiro. O desenvolvimento do doutorado no IPPUR/UFRJ, lugar de uma diversidade rica em processos e produtos, foi particularmente frutífero na minha caminhada. Quero prestar meu reconhecimento na pessoa de três professores: Hermes Magalhães Tavares, que transmite o estímulo ao estudo e à vontade de saber, tirando lições dos erros tive sorte de estudar com ele logo no primeiro semestre; Henri Acselrad, quem me ajudou a abrir o caminho da ruptura e sedimentou a consciência da prática científica; por fim, tive a sorte de ser orientada por Luiz César de Queiróz Ribeiro, que, desde a primeira hora, com paciência e compreensão, ajudou-me a tirar leite das pedras. A ele devo ainda a felicidade de elaborar um trabalho de tese dentro de um esforço coletivo de reflexão: participar da Pesquisa Metrópole, desigualdades sócio-espaciais e governança urbana, apoiada pelo PRONEX/CNPq, sob a coordenação geral do Professor Luiz César, foi fundamental para o meu esforço individual de desenvolvimento da tese um trabalho que geralmente é tão solitário foi oportunidade de discussão e reflexão coletiva. Neste grupo, sob a orientação e a coordenação do Luiz César nunca me senti sozinha. Ainda no IPPUR não posso deixar de mencionar os funcionários Jussara e Josemar, sempre prestativos quando deles precisei. No Observatório de Políticas Urbanas e Gestão Municipal, onde está sediada a coordenação geral da Pesquisa Metrópole, desigualdades sócio-espaciais e governança urbana, sempre contei também com a inestimável ajuda da Rosa, da Cynthia, do Peterson e do Paulo.

8 viii Durante o Programa de Doutorado, contei ainda com o apoio da CAPES e da UFMG, através do PICDT - Programa Institucional de Capacitação Docente e Técnica. Tive também a oportunidade de passar um ano na Columbia University, em New York, através de bolsa sanduíche, estudando com o Professor Peter Marcuse, cujo espírito crítico e provocador em muito ajudaram no meu crescimento intelectual me apoiaram naquele momento, novamente a CAPES e a Fulbright. Nas constantes viagens ao Rio, o cansaço foi vencido pela generosa hospitalidade e pelo carinho do tio Vicente e da tia Alair. Ainda a ajuda de outros amigos foi fundamental. Na primeira vez em que mencionei nomes da Fundação João Pinheiro, omiti propositalmente o Professor José Moreira de Souza, a quem quero fazer agradecimentos especiais: não fosse a sua colaboração em discussões importantes e na disponibilização de valiosos dados da Pesquisa de Origem e Destino de 1992, parte substancial desta tese não teria sido possível. Da mesma forma, o Professor João Gabriel Teixeira, o meu amigo Japão, do Centro de Estudos Urbanos CEURB/UFMG, deu contribuições fundamentais, através de discussões, não só acerca das informações da Pesquisa de Origem e Destino, como também durante todo o desenvolvimento do trabalho de análise das categorias sócio-ocupacionais e da tipologia sócio-espacial construída para a RMBH e sobretudo na delimitação das unidades espaciais utilizadas para agregação de dados, juntamente com José Moreira. Lúcia Bógus e Luciana Corrêa do Lago deram contribuições muito importantes, por ocasião da defesa do projeto de tese. Da Luciana tomei ainda muito tempo, na discussão sobre a evolução sócio-espacial da RMBH. Espero de algum modo poder retribuir tão preciosa ajuda. A elas e aos professores Ralfo Matos e Sérgio Azevedo agradeço antecipadamente a participação na banca examinadora desta tese. Ainda durante o desenvolvimento da pesquisa, o trabalho compartilhado com a equipe do Observatório de Políticas Públicas da PUC-Minas gerou frutos acadêmicos e pessoais. Ali, encontrei, além da colaboração, a amizade de Lena Godinho, Cristina Cezarino, Luciana Andrade, Naiane e Victor. Na Escola de Arquitetura da UFMG, meu local de trabalho, o apoio e a solidariedade de muitas pessoas ajudaram a pavimentar o caminho; ali contei com a constante ajuda de Vilma e Aline, funcionárias do Departamento de Urbanismo, e com a solidariedade de inúmeros colegas e amigos. Fernanda de Moraes foi um estímulo permanente, não só como chefe de departamento, mas como amiga e leitora de vários dos textos preliminares da tese. Maria Lúcia Malard, além do grande estímulo, assumiu parte substancial na orientação da dissertação de Alfio Conti, quando me ausentei do país. Renato César, Maria del Mar e José Cabral carregaram o piano nos momentos finais, quando precisei de tempo para a conclusão dos trabalhos. Inúmeros outros colegas de trabalho prestaram solidariedade, de diversas formas. Cometerei injustiças se continuar mencionando nomes. No nível

9 ix institucional, o apoio do Departamento de Urbanismo às minhas demandas foi fundamental para a elaboração desta tese. Amigos não faltaram nessa caminhada, dos quais a ajuda em muitos momentos, a amizade, o estímulo e a compreensão pelas minhas ausências foram combustível imprescindível: Gina Rende, Heloisa Soares, Lenice, Lígia Largura, Maria Caldas, Solange Ribeiro, Tia Halza, meus pais, irmãos (Moema e o restante da tribo), cunhados e cunhadas, sobrinhos, afilhadas, enteados (quase-filhos). Finalmente, Leopoldo, meu companheiro querido, tem sido fundamental nessa e em outras caminhadas. Com permanente estímulo e entusiasmo, desde a minha decisão de optar pela vida acadêmica até a conclusão deste trabalho, carregou muitos pianos e segurou muitas tensões e ansiedades, apoiando-me nos momentos de desânimo e compartilhando as alegrias dos avanços. A ele e a meus pais e dedico esta tese.

10 x SUMÁRIO INTRODUÇÃO SEGREGAÇÃO E MOBILIDADE: A PROBLEMÁTICA TEÓRICA E O MODELO METODOLÓGICO A noção de segregação Segregação, mobilidade residencial e dinâmica imobiliária Segregação e reestruturação econômica Segregação na Região Metropolitana de Belo Horizonte opções metodológicas FORMAÇÃO DO ESPAÇO METROPOLITANO DE BELO HORIZONTE Gênese Expansão urbana e conurbação Estrutura produtiva e mercado de trabalho Crescimento demográfico e expansão territorial ESTRUTURA SOCIAL DA METRÓPOLE A estrutura social da Região Metropolitana de Belo Horizonte em Evolução da estrutura social nos anos oitenta Anos noventa: tendências do espaço social na metrópole belo-horizontina A ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA METRÓPOLE BELO-HIZONTINA A topografia social da metrópole A geografia da segregação sócio-espacial na RMBH A evolução da segregação sócio-espacial nos anos oitenta MOBILIDADE RESIDENCIAL E DINÂMICA DAS TRANSFORMAÇÕES SÓCIO-ESPACIAIS Dinâmica demográfica e mobilidade residencial Espaço metropolitano e mobilidade residencial Classificação demográfica do espaço geográfico Posição social e mobilidade residencial Estado, mercado e mobilidade residencial MOBILIDADE E PROVISÃO DA MORADIA O quadro da provisão de moradia na RMBH A geografia das diversas formas de provisão de moradias Expansão do mercado imobiliário em Belo Horizonte e transformações sócio-espaciais Mercado de terras e segregação sócio-espacial CONCLUSÕES 200 ABSTRACT 209 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 210 ANEXO A Construção das categorias sócio-ocupacionais 217 ANEXO B Unidades Espaciais Homogêneas (UEH) Metodologia de regionalização da RMBH 228 ANEXO C Metodologia de construção da tipologia sócio-espacial 236 ANEXO D Densidade de representação das categorias sócio-ocupacionais por UEH 239 ANEXO E Construção dos grupos sociais a partir dos dados da pesquisa de origem e destino de ANEXO F Belo Horizonte Relação de bairros e tipo sócio-espacial

11 xi LISTA DE FIGURAS Figura Região Metropolitana De Belo Horizonte Figura Planta da Cidade coordenada pelo Eng. Aarão Reis 031 Figura RMBH Mancha urbana em Figura RMBH Mancha urbana em Figura RMBH Complexos Ambientais 035 Figura RMBH Grandes Intervenções dos anos Figura RMBH Mancha urbana nos anos Figura RMBH - Crescimento Populacional Figura RMBH Mancha urbana Figura RMBH - Crescimento Populacional Figura RMBH Macro-unidades 054 Figura RMBH - Crescimento Populacional Figura RMBH - Aglomeração Metropolitana 061 Figura RMBH Unidades espaciais com ausência de categorias dirigentes 098 Figura Belo Horizonte localização industrial 101 Figura RMBH Divisão Municipal e Tipologia Sócio-espacial Figura Belo Horizonte Zona Sul Tipologia Sócio-espacial Figura RMBH Divisão Municipal e Tipologia Sócio-espacial Figura RMBH Tipologia sócio-espacial 113 Figura RMBH Evolução Sócio-espacial (por município) 119 Figura RMBH Divisa Municipal e Crescimento Populacional por UEH 127 Figura RMBH Crescimento Populacional das UEH-favelas Figura RMBH Saldo de Mobilidade Figura RMBH Macro-unidades etipologia Demográfica por UEH 142 Figura RMBH Áreas Demograficamente Fechadas 1982/ Figura RMBH Áreas Demograficamente Abertas 1982/ Figura RMBH Unidades espaciais caracterizadas por conjuntos residenciais 173 Figura RMBH Moradias em conjuntos residenciais e em favelas 178 Figura Belo Horizonte e Contagem concentração de apartamentos Figura Belo Horizonte Divisão de bairros e tipologia sócio-espacial em Figura Belo Horizonte bairros situados em áreas de aburguesamento e que concentram apartamentos de padrão alto construídos nos anos oitenta 189 Figura RMBH Concentração de lotes por UEH e modelo de parcelamento 195 Figura RMBH Tipologia Sócio-espacial 1991 e Expansão de condomínios no Eixo Sul 198 Figura 1 (Anexo B) - Unidades Espaciais Homogêneas de Favelas 230 Figura 2 (Anexo B) - Unidades Espaciais Homogêneas 232

12 xii LISTA DE TABELAS, QUADROS E GRÁFICOS Tabela Região Metropolitana de Belo Horizonte - Participação na população e no emprego em Minas Gerais (%) 039 Tabela Região Metropolitana de Belo Horizonte e Brasil - Distribuição das pessoas ocupadas (na semana anterior) com 14 anos ou mais 046 Tabela Distribuição do PIB Metropolitano, por Setor Industrial / Tabela Região Metropolitana de Belo Horizonte -Taxa de desemprego setorial (média de 1996) 048 Tabela Região Metropolitana de Belo Horizonte - Crescimento Demográfico Anual (%) 049 Tabela Região Metropolitana de Belo Horizonte - População e Saldo Migratório Tabela Região Metropolitana de Belo Horizonte - Crescimento populacional Quadro Sistema de Hierarquização Social das Ocupações 063 Tabela Região Metropolitana de Belo Horizonte - Distribuição das Categorias Sócio-Ocupacionais e Crescimento efetivo das Categorias Sócio- Ocupacionais entre 1980 e Tabela Regiões Metropolitanas e Brasil - Distribuição da população ocupada por grupo sócio-ocupacional em Tabela Região Metropolitana de Belo Horizonte - Composição de gênero das categorias sócio-ocupacionais 068 Tabela Distribuição das Faixa de Rendimento Total Nominal do indivíduo por grupo sócio-ocupacional (salário mínimo) 1980 e Tabela Distribuição dos grupos sócio-ocupacionais por Faixa de Rendimento Total Nominal do indivíduo (salário mínimo) 1980 e Tabela Anos de estudo por grupo sócio-ocupacional Tabela Composição de cor/raça por grupo sócio-ocupacional Tabela Condições de saneamento por grupo sócio-ocupacional Tabela Densidade domiciliar por grupo sócio-ocupacional Tabela Posse de bens materiais por grupo sócio-ocupacional Tabela Distribuição e crescimento anual dos grupos sócio-ocupacionais 1980, 1991 e Tabela Distribuição do pessoal ocupado nas atividades econômicas Brasil e principais Regiões Metropolitanas 1992 e Gráfico Espaço social das metrópoles 086 Tabela RMBH - Distribuição das Categorias Sócio-ocupacionais pelos tipos (números absolutos)

13 xiii Tabela RMBH - Distribuição das Categorias Sócio-ocupacionais pelos tipos (%) Tabela RMBH Composição dos tipos (%) Tabela RMBH Composição dos tipos (densidade) Tabela RMBH - Distribuição das Categorias Sócio-ocupacionais pelos tipos (números absolutos) Tabela RMBH - Distribuição das Categorias Sócio-ocupacionais pelos tipos (%) Tabela RMBH Composição dos tipos (%) Tabela RMBH Composição dos tipos (densidade) Tabela RMBH 1991 Distribuição da População Total e da População Ocupada e Renda Média Familiar por Tipo Sócio-Espacial 104 Tabela RMBH Número de Unidades Espaciais Homogêneas por Tipo Sócio-espacial em 1980 e Tabela RMBH Número de Unidades Espaciais Homogêneas por Tipo de Evolução Sócio-Espacial e por Tipo de Crescimento Populacional 130 Tabela RMBH Distribuição dos fluxos entre macro-unidades, por Fluxos de Entrada 134 Tabela RMBH Distribuição dos fluxos entre macro-unidades, por Fluxos de Saída 135 Tabela RMBH Composição por faixa de renda dos fluxos de entrada segundo o tipo de saldo de mobilidade da Unidade Espacial Homogênea 136 Tabela RMBH Composição por faixa de renda dos fluxos de saída segundo o tipo de saldo de mobilidade da Unidade Espacial Homogênea 136 Tabela RMBH Distribuição do total de famílias e das famílias que se mudaram entre 1982 e 1992 por faixa de renda 137 Tabela RMBH - Distribuição dos grupos familiares por macro-área (%) 137 Tabela Distribuição dos fluxos de saída e de entrada mas macro-áreas por faixa de renda 138 Tabela RMBH - Distribuição dos fluxos de saída e de entrada no Peri-centro por faixa de renda familiar 140 Tabela Distribuição das Unidades Espaciais Homogêneas por tipo de evolução sócio-espacial e tipologia demográfica 145 Tabela Distribuição da população ocupada por grupos sócio-ocupacionais em 1991 e distribuição dos chefes de domicílio ocupados por grupos sociais em

14 xiv Tabela RMBH Densidade dos Fluxos de Saída dos grupos sociais que se mudaram entre 1982 e 1992 para outra UEH por Tipo de Evolução Sócio-Espacial das áreas de origem 148 Tabela RMBH Densidade dos Fluxos de Entrada dos grupos sociais que se mudaram entre 1982 e 1992 para outra UEH por Tipo de Evolução Sócio-Espacial das áreas de destino 148 Tabela RMBH Distribuição dos Fluxos de Saída dos grupos sociais que se mudaram entre 1982 e 1992 para outra UEH por Tipo de Evolução Sócio-Espacial das áreas de origem 150 Tabela RMBH Distribuição dos Fluxos de Entrada dos grupos sociais que se mudaram entre 1982 e 1992 para outra UEH por Tipo de Evolução Sócio-Espacial das áreas de origem 150 Tabela RMBH Distribuição dos fluxos de entrada e de saída das UEH que permaneceram com o mesmo tipo sócio-espacial por grupo social 151 Tabela RMBH Origem e Destino dos chefes de domicílio posicionados no Grupo Dirigente que se mudaram para outra UEH entre 1980 e Tabela RMBH Origem e Destino dos chefes de domicílio posicionados nos Grupos Médios que se mudaram para outra UEH entre 1980 e Tabela RMBH Origem e Destino dos chefes de domicílio posicionados no Operariado Industrial que se mudaram para outra UEH entre 1980 e Tabela RMBH Origem e Destino dos chefes de domicílio posicionados no Operariado em Geral que se mudaram para outra UEH entre 1980 e Tabela RMBH Origem e Destino dos chefes de domicílio posicionados no Sub-proletariado que se mudaram para outra UEH entre 1980 e Tabela RMBH Distribuição do tipo de moradia por tipo sócio-espacial 174 Tabela RMBH Distribuição do tipo de moradia por tipo de evolução sócio-espacial 1980 e Tabela RMBH Relação entre a distribuição dos novos apartamentos e a distribuição do total de moradias Tabela RMBH Relação entre a distribuição dos novos apartamentos e a distribuição do total de moradias nas áreas onde não houve mudança de tipo entre Tabela Belo Horizonte Distribuição dos apartamentos por tipologia sócio-espacial segundo as fontes de informação 184 Tabela Belo Horizonte Distribuição dos apartamentos por período de construção segundo o padrão de acabamento 186

15 xv Tabela Belo Horizonte 1980 Distribuição dos apartamentos por Padrão e Áreas segundo a Tipologia Sócio-Espacial de Tabela Belo Horizonte 1980 Distribuição dos apartamentos por Áreas e Padrão 187 Tabela Belo Horizonte 1991 Distribuição dos apartamentos por Padrão e Áreas segundo a Tipologia Sócio-Espacial de Tabela Belo Horizonte 1991 Distribuição dos apartamentos por Áreas e Padrão 187 Tabela Belo Horizonte Distribuição dos apartamentos existentes em 1980 e em 1991 por padrão e tipo de evolução sócio-espacial 188 Gráfico Belo Horizonte Área de apartamentos construída por ano 191 Tabela RMBH - Distribuição dos lotes aprovados entre 1980 e 1990 por Tamanho de lote e tipo de evolução sócio-espacial 193 Tabela RMBH - Distribuição dos loteamentos aprovados por área média dos lotes 1980/ Quadro 1 (AnexoA) - Composição das Categorias Sócio-ocupacionais 217 Quadro 2 (Anexo B) - Relação das Unidades Espaciais Homogêneas, Macro-região e Município 233

16 xvi LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BDMG Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais BNH Banco Nacional de Habitação CDI Companhia de Distritos Industriais de Minas Gerais CINCO Centro Industrial de Contagem COHAB Companhia de Habitação CURA Comunidade Urbana de Recuperação Acelerada DI Distrito Industrial FJP Fundação João Pinheiro FRIMISA Frigoríficos Minas Gerais S/A IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística INDI Instituto de Desenvolvimento Industrial INOCOOP Instituto de Orientação às Cooperativas Habitacionais MBR Minerações Brasileiras Reunidas METAMIG Metais Minas Gerais S.A. PBH Prefeitura de Belo Horizonte PLAMBEL Planejamento da Região Metropolitana de Belo Horizonte PNAD Pesquisa Nacional por Amostragem Domiciliar PRONEX/CNPq Programa de Apoio aos Núcleos de Excelência do Conselho Nacional de Pesquisa PUC-Minas Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais RMBH Região Metropolitana de Belo Horizonte RMC Região Metropolitana de Curitiba RMPA Região Metropolitana de Porto Alegre RMR Região Metropolitana do Recife RMRJ Região Metropolitana do Rio de Janeiro RMSP Região Metropolitana de São Paulo SAGMACS Sociedade para a Análise Gráfica e Mecanográfica Aplicada aos Processos Sociais SEPLAN-MG Secretaria de Estado do Planejamento de Minas Gerais SINDUSCON Sindicato das Indústrias de Construção. TRANSMETRO Transportes Metropolitanos UEH Unidades Espaciais Homogêneas UFMG Universidade Federal de Minas Gerais

17 xvii Resumo A compreensão das alterações na configuração sócio-espacial e das atuais formas de segregação na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), no contexto da reestruturação produtiva e das conseqüentes mudanças no mercado de trabalho, constitui o objetivo principal dos estudos desenvolvidos. Foi realizado um esforço de análise compreensiva da região metropolitana, a partir um conjunto de dados que permitem a observação das estruturas sociais e demográficas, bem como o movimento e a distribuição da população no território, destacando-se os Censos Demográficos de 1980 e de 1991, a Pesquisa de Origem e Destino realizada pelo governo do Estado de Minas Gerais na RMBH, em 1992, o Cadastro Imobiliário Municipal de Belo Horizonte e informações sobre loteamentos aprovados durante os anos oitenta. O estudo partiu da construção de categorias representativas da hierarquia social, apoiada na noção de centralidade do trabalho na estruturação e no funcionamento da sociedade. A representação do espaço social no território metropolitano foi analisada através de uma tipologia sócio-espacial, construída com o auxílio da análise fatorial. O espaço metropolitano mostrou-se socialmente segregado, com uma hierarquia descendente do centro para a periferia. Internamente às diversas áreas há distinções, dadas pelas particularidades históricas, mas no conjunto a estrutura social metropolitana tornou-se mais complexa durante a década, com maior diferenciação do espaço social. As transformações apontam para o aprofundamento do processo de auto-segregação das categorias socialmente superiores e para a contínua expulsão dos trabalhadores para as periferias mais distantes. O estudo da mobilidade residencial, a qual expressa os movimentos e as lutas pelo posicionamento na hierarquia sócio-espacial, mostrou que o crescimento populacional negativo ou abaixo da média metropolitana nas áreas centrais e peri-centrais e o simultâneo adensamento das áreas periféricas foram resultado de um movimento populacional interno à região metropolitana. De um modo geral, a intensa mobilidade residencial ocorrida naquela década resultou em nova mescla de grupos sociais no território, com alterações na organização sócio-espacial metropolitana. Destacam-se o transbordamento territorial das categorias dirigentes, simultâneo ao esvaziamento relativo dos grupos operários e populares das áreas mais centrais; o espraiamento também das categorias médias, mesclando-se ao operariado industrial moderno e mudando o perfil sócio-espacial principalmente das áreas situadas eixo industrial; a expulsão de parte do operariado e do sub-proletariado do território do município sede da região metropolitana. O espaço central da metrópole tem sido locus da expansão do mercado imobiliário residencial orientado para os segmentos médios. A mesmo tempo, a expansão territorial dos loteamentos populares para periferias mais distantes, mantém o movimento de periferização. Surge ainda um novo padrão de auto-segregação das categorias dirigentes, na forma dos condomínios fechados, cuja expansão ocorreu a partir de áreas contíguas aos espaços superiores. Em síntese, não se apresentou, durante os anos oitenta, na RMBH, uma ruptura nos processos de estruturação sócio-espacial mas, ao contrário, o aprofundamento de tendências dadas desde a formação da metrópole, sobressaindo-se o contínuo processo de periferização e o seu oposto, qual seja, o aprofundamento da auto-segregação das categorias dirigentes nas áreas centrais.

18 1 INTRODUÇÃO A crise das grandes cidades tem sido uma das marcas do final do século XX e começo do século XXI. Poluição, déficit habitacional, congestionamentos nos sistema de transportes, violência urbana e, fundamentalmente, enormes desigualdades sociais, têm caracterizado as metrópoles de todo o mundo e, particularmente, dos países da América Latina. No Brasil, ao fim do último século, mais de 80% da população vivia nas cidades, com expressiva concentração nas regiões metropolitanas. Simultaneamente, mudanças profundas no sistema produtivo capitalista têm estado em curso, desde o último quartel do século passado, com grandes impactos sobre o sistema urbano. Destacam-se os avanços da eletrônica e das telecomunicações, o crescimento dos serviços financeiros e das corporações transnacionais, as mudanças nos processos produtivos industriais, a precarização das relações de trabalho e uma mobilidade dos fluxos de capital em uma velocidade nunca vista antes. Os impactos dessas mudanças na organização sócio-espacial das metrópoles tem sido objeto de debates, com diferentes posições acerca das transformações em curso e suas tendências. A realização de estudos de caso sobre as metrópoles brasileiras tem grande relevância neste cenário, e pode contribuir para as análise sobre o futuro das nossas metrópoles e para a definição de políticas públicas orientadas para a redução das desigualdades sociais e os processos de segregação urbana. O trabalho aqui apresentado visa aprofundar a compreensão desses processos e tem como objeto as atuais formas de segregação sócio-espacial na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) a segregação entendida como materialização da hierarquia social, sob a ótica da mobilidade residencial, entendida como forma de luta pela apropriação dos recursos urbanos. A análise está associada às mudanças na macro-estrutura produtiva e no mercado de trabalho e a mecanismos específicos da dinâmica imobiliária.

19 2 A tese defendida é a de que não se apresenta, na RMBH, uma ruptura nos processos de estruturação sócio-espacial mas, ao contrário, o aprofundamento de tendências dadas desde a formação da metrópole. A partir da análise de dados relativos à década de oitenta, e algumas inferências possibilitadas por dados mais gerais sobre os anos noventa, observa-se que, ainda que tenha havido maior complexificação da estrutura sócio-espacial, com maior mistura dos grupos sociais no território, no nível macro tem prevalecido e se aprofundado a dinâmica centro-periferia. Aprofunda-se o movimento de auto-segregação das categorias dirigentes e aumenta a distância social entre essas categorias e os trabalhadores em geral, cristalizada na forma de contínuo movimento de periferização dos segmentos operários e populares. Ao mesmo tempo, as classes médias vão se espraiando pelo território, aproximando-se, em um dos extremos, dos grupos operários e, no outro, das categorias dirigentes desta forma, o espaço central da metrópole tem sido locus da expansão do mercado imobiliário residencial orientado para os segmentos médios. Alguns dos processos estão em consonância com as mudanças apontadas nas análises sobre a dinâmica mais geral, associada às novas formas de acumulação capitalista em nível mundial. Não há, entretanto, como compreender os processos específicos de uma região, sem considerar as suas particularidades históricas no caso da Região Metropolitana de Belo Horizonte, destacam-se a forte presença do Estado e a consolidação de uma estrutura industrial vinculada ao recursos naturais presentes na região. A relevância metodológica do trabalho está em que, à diferença dos estudos que fragmentam a cidade e a analisam por partes, propõe um estudo compreensivo da região metropolitana. Essa possibilidade é dada por um conjunto de dados que permite a observação das estruturas sociais e demográficas, bem como o movimento e a distribuição da população no território. A exposição da análise foi organizada em seis capítulos principais e um capítulo final de conclusão. O primeiro capítulo visa apresentar os caminhos escolhidos para o desenvolvimento do trabalho, explicitando alguns conceitos que suportam a análise e apontando o modelo metodológico utilizado. Buscou-se uma delimitação conceitual da segregação e a compreensão de suas relações com a mobilidade residencial e com o mercado

20 3 imobiliário. Além disto, são explicitados aspectos metodológicos fundamentais para o desenvolvimento da análise. O capítulo 2 contextualiza a região objeto do estudo empírico, apresentando breve histórico da formação e desenvolvimento do espaço metropolitano. São enfatizadas as suas especificidades, particularmente o desenvolvimento de uma estrutura produtiva industrial vinculada aos recursos naturais presentes na região - com base na produção de bens intermediários e, em um segundo momento, em bens duráveis e de capital e a forte presença do Estado, responsável pela criação e construção da capital, no final do século XIX, e pela estruturação dos principais eixos de expansão metropolitana, ao longo do século XX. Uma rápida apresentação dos principais aspectos da dinâmica demográfica na segunda metade do último século introduz a descrição de suas características mais recentes, destacandose a desconcentração populacional das áreas mais centrais e o adensamento das áreas mais periféricas. No capítulo 3 é apresentada uma análise do espaço social da Região Metropolitana de Belo Horizonte, a partir de variáveis que permitem mostrar a posição relativa dos indivíduos. A construção da hierarquia social está suportada na noção de centralidade do trabalho na estruturação e no funcionamento da sociedade. A partir de dados dos Censos Demográficos de 1980 e de 1991, foi possível construir uma proxy da estrutura social, combinando a variável ocupação com outras como posição na ocupação, setor de atividade, escolaridade e renda. A partir daí, é apresentada uma descrição do espaço social metropolitano no início dos anos noventa e uma análise de suas principais transformações ao longo dos anos oitenta. Destacam-se, em primeiro lugar, o maior crescimento do pessoal ocupado em relação à população como um todo; em segundo, a maior participação de segmentos vinculados ao terciário na composição da população ocupada; em terceiro, uma queda generalizada no rendimento dos diversos grupos sociais, com maior concentração das categorias dirigentes na faixa acima de vinte salários mínimos; e, em quarto lugar, a precarização das relações de trabalho, embora o espaço social da RMBH ainda estivesse, no início da década de 90, suportado por uma estrutura mais formal do mercado de trabalho, relativamente ao país como um todo. Finalmente, é apresentada uma análise sucinta de algumas mudanças ocorridas nos anos noventa, com base em dados da PNAD- Pesquisa Nacional por Amostragem Domiciliar, destacando-se a permanente diminuição na participação do operariado industrial no conjunto da população ocupada e uma tendência para o crescimento das extremidades da estrutura social, em relação

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010)

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Observatório das Metrópoles INCT/CNPq Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Luciano Joel Fedozzi Paulo Roberto Rodrigues Soares Observatório

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Seminário "Região Metropolitana de São Paulo: dinâmicas sócio-espaciais e políticas públicas" Observatório das Metrópoles- São Paulo 29 e 30 de Outubro - sala 117-A PUC-SP PROGRAMA Dia 29 de Outubro das

Leia mais

Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo Horizonte no Censo 2010 *

Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo Horizonte no Censo 2010 * OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES CNPq/INCT Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo no Censo 2010 * Jupira Mendonça ** André Junqueira Caetano *** 1. INTRODUÇÃO O estado de Minas Gerais, um dos maiores

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS.

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. Eixo Temático: Políticas públicas, demandas sociais e a questão

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar INCT Observatório das Metrópoles Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar As mudanças desencadeadas pelo avanço da tecnologia digital hoje, no Brasil, não tem precedentes.

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

NATAL: Transformações na Ordem Urbana

NATAL: Transformações na Ordem Urbana NATAL: Transformações na Ordem Urbana Observatório das Metrópoles Núcleo RMNatal Editores : Maria do Livramento M. Clementino Observatório das Metrópoles Núcleo Natal Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 José Irineu Rangel Rigotti João Francisco de Abreu Rafael Liberal Ferreira Luciene Marques da Conceição Alisson Eustáquio Gonçalves

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Mobilidade residencial e dinâmica das transformações socioespaciais na metrópole belo-horizontina

Mobilidade residencial e dinâmica das transformações socioespaciais na metrópole belo-horizontina Mobilidade residencial e dinâmica das transformações socioespaciais na metrópole belo-horizontina Jupira Gomes de Mendonça * Resumo A autora estuda as mudanças no perfil habitacional de Belo Horizonte

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010 O Censo Demográfico 2010 e o mercado do DF Boletim de Conjuntura Imobiliária Alguns resultados do último recenseamento feito pelo IBGE foram divulgados. Os dados mostram que o Distrito Federal registrou

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

A Metrópole e a Questão Social

A Metrópole e a Questão Social A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades Bem-Estar Social Renda Urbana Oportunidades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades

Leia mais

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Seminário A Metrópole em Debate: do Estatuto à prática Curitiba 13 de julho de 2015 Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Profª Drª Madianita Nunes da Silva Departamento

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo - UFMG

Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo - UFMG Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo - UFMG Programa de Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo - UFMG O Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da UFMG- NPGAU foi criado

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades Bernardo L. Queiroz Departamento de Demografia CEDEPLAR/UFMG O ESPAÇO METROPOLITANO NA PERSPECTIVA DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL Referências

Leia mais

Intervenção Pública na década de 90:

Intervenção Pública na década de 90: Intervenção Pública na década de 90: Uma análise dos impactos espaciais do Programa Rio-Cidade no mercado imobiliário da cidade do Rio de Janeiro Andrea Paulo da Cunha PULICI Observatório Imobiliário e

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana Historia Linha do Tempo Avaliação dos impactos metropolitanos no Rio de Janeiro do ajuste macroeconômico da reestruturação produtiva 1996 Cadernos Metrópole 1999 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR)

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR) Nosso déficit não é de casas, é de cidade Raquel Rolnik defende que atualmente não há políticas para moradia, apenas políticas focadas no setor imobiliário e financeiro 22/10/2012 Pedro Carrano e Thiago

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Fontes Operação Valores de Operação (R$) Unid. Habitacionais

Fontes Operação Valores de Operação (R$) Unid. Habitacionais Nota da Equipe de Pesquisa do IAU (USP-São Carlos) / PEABIRU sobre as matérias a respeito da modalidade Entidades do Programa Minha Casa Minha Vida publicadas no jornal O Estado de SP A equipe de pesquisa

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA JOÃO ROBERTO RATIS TENÓRIO DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA JOÃO ROBERTO RATIS TENÓRIO DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA JOÃO ROBERTO RATIS TENÓRIO DA SILVA ELABORAÇÃO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE REAÇÕES QUÍMICAS ELABORADAS SEGUNDO A NOÇÃO

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA.

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA. VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA. LIMA Evelyn Paula Soares Matioski de 1 RIBEIRO Juliana 2 SANTOS Marcia Pedroso dos 3 SCHIMANSKI

Leia mais

PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social

PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social SÃO VICENTE PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social Encontro Regional Discussão Pública do Plano Estadual de Habitação (PEH-SP) SEHAB - SECRETARIA DE HABITAÇÃO Prefeitura Municipal de São

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA José Fernando Fernandes Pereira Universidade Cruzeiro do Sul jnandopereira@gmail.com Resumo: O presente texto

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 5 (Placas Tectônicas e Terremotos) A partir das informações apresentadas e de conhecimentos geográficos, indique as áreas e as razões que levam algumas zonas do planeta a estarem sujeitas a maior

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

+ Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br

+ Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br + Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Boletim de Conjuntura Imobiliária 27ª Edição Comercial - de 2012 Econsult

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

Comprar ou alugar? Especialistas falam sobre as vantagens de cada opção.

Comprar ou alugar? Especialistas falam sobre as vantagens de cada opção. + Boletim de Conjuntura Imobiliária 63ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Governo anuncia criação de nova faixa do Minha Casa, Minha Vida

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Governo anuncia criação de nova faixa do Minha Casa, Minha Vida + Boletim de Conjuntura Imobiliária 48ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL Thiago Silva Pereira José Aparecido Sorratini PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPACTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PRODUTO INTERNO BRUTO BRASILEIRO

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo:

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo: 1. (Fuvest 2013) Observe os gráficos. Com base nos gráficos e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta. a) Em função de políticas de reforma agrária levadas a cabo no Norte do país, durante

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

MENSURAÇÃO DO GRAU DE MUDANÇA SÓCIO-OCUPACIONAL NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS ENTRE DOIS PONTOS NO TEMPO: NOTAS METODOLÓGICAS PRELIMINARES

MENSURAÇÃO DO GRAU DE MUDANÇA SÓCIO-OCUPACIONAL NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS ENTRE DOIS PONTOS NO TEMPO: NOTAS METODOLÓGICAS PRELIMINARES MENSURAÇÃO DO GRAU DE MUDANÇA SÓCIO-OCUPACIONAL NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS ENTRE DOIS PONTOS NO TEMPO: NOTAS METODOLÓGICAS PRELIMINARES André Junqueira Caetano * Jupira Gomes de Mendonça ** Julimar Santos

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE A QUESTÃO METROPOLITANA: problemas comuns, soluções compartilhadas INTRODUÇÃO A QUESTÃO METROPOLITANA: um desafio

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais