AS TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO OCASIONADA PELO SIMBOLISMO DAS FACHADAS DA PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA NO SÉCULO XXI ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO OCASIONADA PELO SIMBOLISMO DAS FACHADAS DA PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA NO SÉCULO XXI (2000-2011)"

Transcrição

1 AS TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO OCASIONADA PELO SIMBOLISMO DAS FACHADAS DA PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA NO SÉCULO XXI ( ) MORAES, SANDRA REGINA CASAGRANDE DE (1); PERRONE, RAFAEL ANTONIO CUNHA (2) 1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Departamento de Construção Civil Rua Pedro Vicente, 625, Canindé São Paulo SP Brasil CEP: Universidade Presbiteriana Mackenzie. Departamento de Arquitetura e Urbanismo Rua da Consolação 930, Edifício João Calvino, Sala São Paulo SP Brasil CEP: RESUMO A mudança na paisagem da cidade de São Paulo ocasionada pela produção de fachadas do mercado imobiliário residencial vertical no século XXI é o alvo do presente artigo que pretende discutir e demonstrar a transformação da arquitetura em simples objeto de consumo, em função da forte influência do marketing e da publicidade, com a consequente transformação do papel do arquiteto no processo de produção e definição do produto imobiliário, cujos fatores estão relacionados a questões menos criativas, mais técnicas e, em particular, a busca obsessiva pelo resultado financeiro, que, via de regra, não consulta todo o interesse do consumidor final. O estudo da produção das fachadas do mercado imobiliário residencial retrata na verdade, uma produção que representa grande parte da prática da arquitetura e da construção das cidades, que, afinal, ocasiona a transformação do espaço e da paisagem urbana. No caso da cidade de São Paulo essa produção demonstra que na primeira década do século XXI ocorre a pasteurização dos estilos utilizados nas fachadas, justificada cada vez mais pelas premissas principais do mercado imobiliário que ficam restritas pela busca por resultados financeiros do empreendimento, e cabe ao profissional arquiteto o atendimento e submissão às condicionantes que o mercado impõe aos resultados projetuais; e a capacidade de repetição e criação de modelos economicamente viáveis sob a óptica do mercado imobiliário. É concluinte que a ausência de opinião do arquiteto nesse processo resultará sempre em alguma perda das dimensões humanas e urbanas do projeto. O artigo também explora o fazer arquitetônico que, diante desse mercado transformou o projeto em simples produto, ao mesmo tempo em que criou a ruptura entre a aparência externa (fachada) com o corpo ou a forma do edifício, e que introduziu o elemento estético-formal na formatação do produto imobiliário, de forma a reproduzir o estilo de vida como consumo diferenciado, ambiente social distinto. Assim, a comercialização do produto imobiliário envolve um conjunto de valores que conferem status, prestígio, distinção a seu detentor. Os elementos do projeto mais valorizados envolvem uma forte tendência ao reducionismo das características estéticas do projeto de arquitetura a seus aspectos mais aparentes assimiláveis por um determinado público alvo, em termos de imagem exterior, ambientação paisagística, acabamentos internos e mesmo mobiliário. Palavras-chave: Mercado Imobiliário; Produção Imobiliária; Fachadas.

2 Introdução A qualidade e o espaço dos apartamentos tornaram-se muito semelhantes, como produtos em série. Os estilos surgem nesse contexto de arquitetura-produto em grande parte para compensar essa falta de identidade. Os estilos como o neogótico, neocolonial, neomediterrâneo, entre outros, então, seriam simplesmente invólucros diferenciados das construções. Uma envoltória diferente para o mesmo conteúdo. Em última instância, é um artifício de marketing do mercado imobiliário para atrair compradores sob o pretexto de uma imagem projetada - a criação de uma ilusão - para determinado imóvel. Righi e Castro (2005, p. 3) apresentam uma abordagem interessante sobre este assunto. Para eles, o elemento estético-formal no projeto de arquitetura é evidente para a formatação do produto imobiliário: Nele está a ideia de estilo de vida como consumo diferenciado, elemento social distintivo. Assim, a comercialização do produto imobiliário envolve um conjunto de valores que conferem status, prestígio, distinção a seu detentor. Os elementos do projeto mais valorizados envolvem uma forte tendência ao reducionismo das características estéticas do projeto de arquitetura a seus aspectos mais aparentes assimiláveis por um determinado público alvo, em termos de imagem exterior, ambientação paisagística, acabamentos internos e mesmo mobiliário. É fato que a linguagem simbólica da fachada traduza conceitos explorados para a venda dos imóveis, justificando assim, o uso do estilo neoclássico para as classes médias urbanas de renda mais baixa, pois majoritariamente representam empreendimentos chamados alto padrão que surgiram em bairros nobres da cidade. Para o arquiteto Demósthenes Magno Santos 1, a fachada é um elemento que merece atenção no projeto por ser um atributo importante de venda: A fachada é um elemento muito importante no projeto. [...] Existe uma procura meio desenfreada de criar o novo pelo novo. A fachada é um elemento importantíssimo de venda. Ao mesmo tempo em que tem ser criativo, você não pode extrapolar muito, porque pode dificultar ou onerar todo o processo construtivo. Ao mesmo tempo em que essa tipologia tem que ser original, ela pode se repetir. Por ser um elemento formal importante para o empreendimento, a fachada muitas vezes é solucionada por arquitetos contratados de renome internacional, com o intuito de valorização do produto e diferenciação no mercado. Por outro lado, essa questão leva a entender que o mercado imobiliário trata distintamente a forma (interna) ou o corpo do edifício de sua aparência (externa) ou fachada, até mesmo porque para uma mesma solução de planta é possível encontrar fachadas com estilos representativos diferentes. 1. Entrevista realizada pelos autores em 17 jul

3 A produção de fachadas Para o desenvolvimento do artigo utilizou-se a produção das dez incorporadoras selecionadas pelo ranking da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio 2 (EMBRAESP), que juntas, representam em média 35% 3 dos lançamentos da cidade no século XXI (Gráfico 1). Gráfico 1 Empresas Incorporadoras com suas participações no mercado imobiliário residencial na cidade de São Paulo (2000 a 2011). Fonte: Elaborado pelos autores baseados em dados da EMBRAESP (2011). A Tabela 1 demonstra o estilo das fachadas dos empreendimentos lançadas no período separadas por incorporadoras, e pode-se constatar que entre o ano de 2000 a 2011, 59,5% da produção foi destinada a empreendimentos com fachadas contemporâneas, ficando 40,5% para as fachadas em estilo clássico ou neoclássico. Também nota-se que incorporadoras como Tecnisa, Cyrela, Eztec, MRV e Inpar/Viver tiveram seus lançamentos concentrados em fachadas clássicas ou neoclássicas. Tabela 1 Estilo das fachadas adotado pelas incorporadoras do mercado imobiliário residencial na cidade de São Paulo (2000 a 2011). Contemporânea Clássica Neoclássica Helbor Rossi 49 9 Even Tecnisa Cyrela Eztec Gafisa MRV Inpar/Viver Goldfarb Fonte: Elaborada pelos autores baseados em dados da EMBRAESP (2011). 2. Helbor Empreendimentos S.A.; Rossi Residencial S.A.; Even Construtora e Incorporadora S.A.; Tecnisa S.A.; Cyrela Brasil Realty S.A. / Living Incorporações Ltda; Eztec Empreendimentos e Participações S.A.; Gafisa S.A.; MRV Engenharia e Participações S.A.; Inpar Incorporação e Construção S.A. / Viver Incorporadora e Construtora S.A.; Goldfarb Incorporações e Construções S.A. / PDG Realty. 3. Dado obtido pela Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (EMBRAESP).

4 No Gráfico 2 estão apresentados a distribuição dos estilos nas cinco zonas existentes na cidade, sendo que é possível observar que a zona sul concentrou não só o maior número de lançamentos, como também a maior oferta de fachadas em estilos clássicos e neoclássicos (48% do total). Gráfico 2 - Estilo das fachadas adotado pelas incorporadoras do mercado imobiliário residencial por zona da cidade de São Paulo no período de 2000 a Fonte: Elaborado pelos autores baseados em dados da EMBRAESP (2011). As características das fachadas Com a investigação da produção de fachadas pelo mercado imobiliário, no seguimento econômico, o período foi marcado pela otimização e racionalização das áreas dos apartamentos e do pavimento tipo, cujo edifício deixa de ter o formato conhecido como H e passa a ser retangular, abrigando quatro ou seis apartamentos por andar (Figura 1). Essa mudança resultou entre outros benefícios: i) menor área de fachada; ii) menor área de parede; e iii) menor área de projeção no terreno. Figura 1 - Evolução da tipologia do pavimento tipo no segmento popular. Fonte: <www.slideshare.net/cyrelari/cyrela-apresentao-institucional-dezembro-de Outra característica das fachadas dentro desse segmento é a valorização dos detalhes tidos como essenciais para imprimir beleza ao edifício, que diante do marketing imobiliário é

5 preconizado como estilo neoclássico, talvez na tentativa de reverter a valores que conferem status, prestígio e distinção a seu detentor. As soluções dos detalhes apresentados, segundo Sousa (1994) são características da tradição arquitetônica luso-brasileira como o emprego do reboco pintado em contraste com molduras em cantaria ou em massa pintada numa outra cor) (Figura 2). Figura 2 Saint Bartolomeu, projeto de Hudson Gonçalves de Andrade, Fonte: <www.mrv.com.br/apartamentos/saintbartolomeu>, acesso em 10 out A escolha por fachadas caracterizadas como neoclássicas foram adotadas por esse padrão de segmento no mercado, por apresentarem vantagens econômicas às incorporadoras pela simplicidade dos revestimentos, ou seja, argamassa e pintura ocasionam a redução dos custos de construção. O neoclássico é um recurso de marketing para fazer fachadas com custo reduzido, porém é importante salientar que o consumidor terá maior custo para fazer sua manutenção. Para Souza (2004, p. 72), o custo das fachadas é definido por dois fatores principais: a forma do edifício e o tipo de materiais de acabamento definido para sua composição, conforme apresentado no Quadro 1. Quadro 1 - Fatores que influenciam o custo das fachadas. Fatores Forma do edifício Tipo de materiais de acabamento Considerações O custo da fachada tem uma relação direta com a sua superfície, A esfera é a forma mais otimizada de m 2 de superfície necessária para envolver um mesmo volume. Portanto, quanto mais próximo for o perímetro do pavimento tipo do perímetro de um círculo de mesma área, a fachada será mais econômica. Essa relação é chamada de Índice de Compacidade, que deve ser o mais próximo possível de um. A forma do edifício tem uma relação direta com o tamanho e o formato do terreno. O custo tem uma relação direta com o padrão de acabamento adotado para os elementos: alvenaria, vidros, esquadrias e revestimento. Dependendo do padrão de acabamento adotado na fachada, o custo para sua execução pode chegar até cinco vezes o custo do acabamento de uma parede interna de vedação. Fonte: SOUZA, 2004, p. 72.

6 A matéria Lógica de Mercado Padroniza Arquitetura, publicada no jornal Folha de S. Paulo (SIQUEIRA; CUNHA, 2006, p. B12) mostra que custo e lucro limitam a criatividade dos arquitetos do mercado imobiliário e como resultado pasteurizam os estilos que marcam o horizonte paulistano, conforme demonstrado na Figura 3, que classifica os detalhes dos acabamentos das fachadas em estilo neoclássico pelo padrão do empreendimento: localização, metragem e custo. Figura 3 - Neoclássicos para todos os bolsos. Fonte: SIQUEIRA; CUNHA, 2006, p. B12. No segmento de maior poder aquisitivo, o estilo neoclássico ficou representativo na maioria dos empreendimentos lançados no mercado imobiliário, nessa primeira década do século XXI, por representar um símbolo da nobreza e poder.

7 É conclusivo que as fachadas neoclássicas se tornaram preferência paulistana entre as incorporadoras, que de um lado oferecem produtos para atingir um público que buscam diferencial em requinte e sofisticação, e do outro oferecem produtos cuja proposta favorece a redução dos custos da obra. Em ambos os casos, e com a ajuda do marketing que preconiza estilos de vida, ignoram totalmente anos de contemporaneidade para adoção completa do clássico na cidade atual. A matéria Os edifícios-fantasmas e seus ornamentos delinquentes, publicada na revista ProjetoDesign (SERAPIÃO, 2004, p. 1) mostra que nas últimas décadas acelerou-se a transformação dos novos edifícios de apartamentos de São Paulo em produtos que podem oferecer opções de estilos desvirtuados: neocolonial, neomediterrâneo, neomoderno, art déco e mais comum deles, o neoclássico: O entablishment arquitetônico chia e a maior parte do público consumidor aprova, enquanto construtores, incorporadores e imobiliárias estão de olho nas vendas. A questão parece menor e mesquinha, pois se trata de edifícios privados. No entanto, pode ser vista como uma metáfora da visão que a sociedade tem do arquiteto: uma profissão com muita serventia na arte de adornar fachadas conforme tendências da moda. Em resumo, o chamado neoclássico aparece na arquitetura da cidade de São Paulo no século XXI, de diversas maneiras. No entanto, as formas próprias das construções contemporâneas fazem com que o cânone clássico, quando aplicado à atualidade, tenha que ser adaptado à estética vigente à verticalidade, por exemplo. A forma de reinterpretação da tradição clássica que veio a ser chamada pelo próprio mercado imobiliário de estilo neoclássico se aplica a tipos de edifícios, e não fazem parte de qualquer movimento cultural ou social de revival do passado, e sim apenas de contexto para valorização e diferenciação do imóvel. Para o levantamento da produção de fachadas do século XXI produzidas pelo mercado imobiliário, e considerando o incorporador como um dos agentes mais importantes nesse revival por coordenar o processo construtivo formal que controla o empreendimento imobiliário - os nomes neoclássicos e clássicos serão utilizados de acordo com as denominações outorgadas pelos produtores, embora por um lado historicamente eles sejam incorretos 4, e por outro, seria impossível colocar grande parte dos empreendimentos dentro de uma classificação estilística. Foi utilizada como metodologia no recorte proposto pela pesquisa, a classificação por ano dos estilos divulgados pelas incorporadoras, a fim de obter uma análise quantitativa dos resultados projetuais dos arquitetos do mercado imobiliário. Esse 4. Apesar do nome utilizado para esse tipo de edificação ser "neoclássico" ou clássico, o que geralmente se vê em prédios do século XXI, é uma combinação aleatória de elementos estéticos do passado - não necessariamente clássicos. Por vezes há sacadas e peitoris em art-deco, gradeados em art-nouveau, emoldurados por formas que remetem a colunas e a frontões gregos. Apesar das combinações de critério duvidoso, o nome comercial deste tipo de imóvel é "neoclássico" e clássico, e é assim que será chamado nessa pesquisa.

8 levantamento mereceria posteriormente uma exploração a fim de obter as características dos estilos incorporadas no projeto arquitetônico pelos arquitetos e impostas pelos incorporadores no século XXI. Os exemplares com características neoclássicas foram predominantes apenas no segmento alto padrão, para os demais, esse estilo criou características próprias aos interesses do incorporador. O Gráfico 3 indica que as fachadas citadas neoclássicas estiveram representativas diante dos exemplares expostos nessa primeira década do século XXI, porém a partir do ano de , sua produção começa a deixar de existir no segmento médio e alto poder aquisitivo, e em seu lugar surgem as propostas clássicas e o crescimento das propostas contemporâneas difundidas pelo marketing como um novo modelo de vida. Gráfico 3 - Classificação estilística das fachadas produzidas pelo mercado imobiliário no município de São Paulo do período entre 2000 a Fonte: Elaborado pelos autores a partir de dados da empresa EMBRAESP. O arquiteto Roberto Candusso 6. confirma esta tendência: A febre neoclássica dos últimos anos está passando, para dar lugar ao neoclássico light mais simples, e ao estilo contemporâneo. [...] A gente percebe que existe um cansaço, porque você vai nas periferias e vê prédios neoclássicos. [...] A popularização já provocou uma rejeição do neoclássico no altíssimo padrão. O Gráfico 4 demonstra a produção estilística de fachadas por incorporadora no período estudado, podendo verificar que as fachadas contemporâneas ficaram predominantes em cinco incorporadoras. Também nota-se que em três delas o estilo adotado em suas fachadas foi o neoclássico. 5. Ano de maior captação de recursos com a abertura de capital por parte das incorporadoras, e que provocou alteração profunda na escala da produção do mercado imobiliário. 6. Entrevista realizada pelos autores em 04 jul

9 Gráfico 4 - Produção estilística das fachadas pelas dez incorporadoras do mercado imobiliário no município de São Paulo do período entre 2000 a Fonte: Elaborado pelos autores a partir de dados da empresa EMBRAESP. Arquitetura, Publicidade e Marketing Ao atuarem na identificação de imagens 7 para o produto imobiliário, o marketing influência a arquitetura na produção do espaço habitacional. O apartamento metropolitano especialmente aquele produzido no mercado efervescente da cidade de São Paulo, parte de estratégias de marketing, como forma de diferenciar o produto no mercado para produzir arquitetura. Toda a elaboração, a identificação da demanda, e principalmente o desenvolvimento do briefing 8, cabe aos agentes do mercado imobiliário incorporador, empreendedores, e corretores, além de profissionais ligados ao marketing imobiliário. Ao profissional arquiteto cabe o ajuste do briefing à legislação local, a produção de fachadas e definição de acabamentos e revestimentos adequados, conforme descreve vários autores. A matéria Logica de Mercado Padroniza Arquitetura, publicada no jornal Folha de S. Paulo (SIQUEIRA; CUNHA, 2006, p. B12) mostra o papel do arquiteto no processo de produção e definição do projeto dos edifícios no mercado imobiliário, no qual sua função se restringe basicamente a definição de um aproveitamento máximo de áreas, implantações maximizadas e finalmente a idealização de fachadas atrativas ao publico alvo. A matéria jornalística mostra que a definição do projeto parte: i) pesquisa de mercado para definição do tipo de edifício; ii) 7. As imagens estão relacionadas aos atributos (localização, programa arquitetônico, número de pavimentos e nome do edifício) a serem destacados para casa ideal, oferecidos pelas empresas de incorporação. 8. Documento que descreve os requisitos genéricos do cliente e as condições fundamentais para a concretização do empreendimento.

10 consulta de legislação para definição de gabarito e implantação no lote; iii) estudo de viabilidade econômica para calculo do retorno financeiro do empreendimento; e iv) elaboração do projeto de arquitetura na qual adapta a encomenda da incorporadora as normas da prefeitura, a moda vigente, ou o estilo adotado pela construtora. É importante ressaltar que o sucesso de vendas, ou seja, a aceitação de um determinado produto no mercado na cidade de São Paulo, não é medido pelas qualidades arquitetônicas oferecidas e sim pela quantidade de atributos existentes, que cada vez mais aparece nos anúncios publicitários. Villa (2008) complementa: [...] a maioria dos empreendimentos é idealizado a partir de uma lógica na qual o atendimento às necessidades do usuário final não é o objetivo último do processo e sim o sucesso de venda e o lucro do empreendedor. Embora a produção de apartamentos pertença à esfera da construção civil, cujo projeto espacial tem como especialista o arquiteto, a configuração do negócio imobiliário tem envolvido agentes de diversas especialidades com a finalidade de produzir negócios altamente vendáveis e lucrativos. Desta forma, a cadeia produtiva envolve setores tidos como mais importantes que os projetistas do empreendimento, como no caso da publicidade, justificando o destaque nos últimos anos e o volume de gasto com marketing que superou em até 6 vezes a remuneração do profissional arquiteto. As incorporadoras de São Paulo gastam entre 3,0% a 6,0% do Valor Geral de Venda (VGV) de um empreendimento imobiliário com marketing. Isso representa até seis vezes mais do que elas pagam por projeto arquitetônico (um arquiteto recebe em média, de 0,5% a 1,5% do VGV) 9 (SIQUEIRA; CUNHA, 2006, p. B12). Esta constatação é evidenciada através da observação da influência destas empresas na concepção dos produtos, dos recursos promocionais e qualidade dos materiais utilizados na divulgação dos empreendimentos, a cada dia ganhando maior destaque no auxílio às vendas. Para Souza (2007 apud SILVEIRA, 2007, pp ) as empresas de marketing, na busca por melhores resultados, tem utilizado, além das pesquisas de mercado, diversas ferramentas: estandes de venda cinematográficos, unidades modelo decoradas, tratamento paisagístico do local do empreendimento, sítio na internet, redes sociais, projetos mais elaborados 10, projetos conceituais, áreas comuns decoradas e equipadas, material de divulgação com altíssima qualidade, marketing de relacionamento e serviço de atendimento ao cliente. 9. Este gasto varia de acordo com o tamanho do empreendimento e é destinado para ações de divulgação que vão desde anúncios publicitários e material humano à construção de apartamento decorado e distribuição de folhetos luxuosos. 10. Projetos com infra-estrutura destinada ao lazer e trabalho, mudanças nas áreas internas para adequação as necessidades atuais, aspectos regionais e culturais, dentre outros (BASTIAN, 2007).

11 Outro setor considerado importante é o vendas, que ganharam importância no cenário imobiliário atual, e de acordo com Villa (2008, p. 109) foram aumentando suas estruturas, atuando como gerenciadores do processo de incorporação, e sendo solicitadas antes de qualquer planejamento inicial. Para o arquiteto André Comitre 11, a participação das empresas imobiliárias se tornou mais influente na definição do produto do que qualquer outro agente participativo do processo de desenvolvimento imobiliário: Muitas vezes em reuniões para definição do estudo preliminar, é sugerido por nós arquitetos alguns detalhes de projeto, que imediatamente é negado pelo profissional da empresa imobiliária e acatado pela incorporadora. [...] As respostas dadas são sempre as mesmas: fazendo assim não vai vender [...]. Para o arquiteto, resta basicamente contribuir nos aspectos funcionais do edifício, e opinando muito pouco na definição do produto, leva a concluir que dentro da lógica do mercado imobiliário expressa pelo lucro e custo justifica o motivo pela limitação de criatividade dos arquitetos e da pasteurização dos estilos utilizados na produção de apartamentos na cidade de São Paulo (SIQUEIRA; CUNHA, 2006, p. B12). Tramontano (2004) acrescenta que os projetos têm sidos concebidos com base em critérios muito mais econômicos do que arquitetônicos, por profissionais cujo objetivo é a comercialização do imóvel. A incorporadora Cyrela Brazil Realty declara que o arquiteto só é contratado se ele aceitar jogar o jogo imobiliário: [...] É preciso que o escritório de arquitetura tenha velocidade na criação, na prospecção do projeto, na aprovação legal,e no executivo para a construtora. Estando com isso em ordem e sendo criativo, atendendo à legislação, é nosso parceiro, vai ter trabalho por muito tempo e em grande volume (Ubirajara Freitas 12, diretor de incorporações). Para Luiz Alberto Verinaud 13, diretor de engenharia da Agra Incorporadora: no dia a dia dos projetos queremos gente ágil e que tenha consciência do que está fazendo, que nos alerte e aconselhe; mas a decisão é sempre nossa, do tipo de produto que vamos fazer. Cada vez mais, as premissas principais da produção arquitetônica para o mercado imobiliário ficam restritas na busca pelo resultado financeiro do empreendimento, e cabe ao profissional arquiteto o atendimento e submissão às condicionantes que o mercado impõe aos resultados projetuais; e a capacidade de repetição e criação de modelos economicamente viáveis sob a 11. Entrevista realizada pelos autores em 10 jul Entrevista realizada cujo tema Visão de Mercado para a revista Construção & Negócios, edição 7, jan./fev (<www.revistaconstrucaoenegocios.com.br/materias.php?fhidmateria=631&fhidedicao=12>, acesso em 20 abr. 2012). 13. Entrevista realizada cujo tema Negócio: Incorporação para a revista Construção & Negócios, edição 11, set./out (<www.revistaconstrucaoenegocios.com.br/materias.php?fhidmateria=205>, acesso em 20 abr. 2012).

12 óptica do mercado imobiliário. É concluinte que a ausência de opinião do arquiteto nesse processo resultará sempre em alguma perda das dimensões humanas e urbanas do projeto. Considerações Finais Quando se analisa as fachadas produzidas, é notório a influência do marketing na determinação dos estilos produzidos, porém deve-se levar em conta que a produção de fachadas tidas como neoclássicas ou clássica se deu por questões mais econômicas, principalmente para os extratos médios e baixos da sociedade. Mas é importante refletir, que a principal causa da padronização das fachadas aconteceu mais porque os arquitetos do mercado imobiliário não apresentaram soluções estéticas levando em consideração o fator econômico que justificasse a troca dos estilos explorados pelo marketing. É conclusivo que no mercado imobiliário paulistano as decisões do arquiteto são apenas uma parte do processo de tomada de decisões em relação à cadeia de produção e comercialização do produto, sendo que o critério projetual é subordinado, respondendo à taxa de retorno dos empreendimentos. Isto leva a um cenário de transformação do projeto em produto, representando um novo paradigma do fazer arquitetônico, e cujo resultado ocasiona a transformação do espaço e da paisagem urbana, que merece uma séria discussão dos arquitetos. Referências BASTIAN, Winnie. Espaços em transformação: as tendências do morar. Casa Claudia, São Paulo, ano 31, n.549, pp.36-41, mai EMBRAESP. Relatórios Anuais RIGHI, Roberto; CASTRO, Luiz Guilherme R. de. O produto imobiliário e a arquitetura contemporânea em São Paulo. In: SEMINÁRIO SOBRE ENSINO E PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA, 2., 2005, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ, SERAPIÃO, Fernando. Os edifícios-fantasmas e seus ornamentos delinqüentes. ProjetoDesign, edição 290, abril SILVEIRA, Sheila da. Edifícios de apartamentos: projeto de arquiteto ou de empreendedor? Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

13 SIQUEIRA, Daniele; CUNHA, Joana. Lógica de Mercado padroniza arquitetura. Folha de S. Paulo, São Paulo, 15 janeiro Caderno Dinheiro, B12, Seção Arquitetura. SOUSA, Alberto. Arquitetura neoclássica brasileira: um reexame. São Paulo: PINI, SOUZA, Roberto de. Sistema de gestão para empresas de incorporação imobiliária. São Paulo: O Nome da Rosa, TRAMONTANO, Marcelo. Novos modos de vida, novos espaços de morar Paris, São Paulo, Tokyo: uma reflexão sobre habitação contemporânea Tese (Doutorado) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, VILLA, Simone Barbosa. Morar em Apartamentos: A produção dos espaços privados e semi-privados nos edifícios ofertados pelo mercado imobiliário no século XXI em São Paulo e seus impactos na cidade de Ribeirão Preto. Critérios para avaliação pós-ocupação Tese (Doutorado) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, (acesso em 27 set. 2012). (acesso em 10 out. 2013).

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO EMPREENDIMENTOS DE PEQUENO PORTE 01 APRESENTAÇÃO MELNICK EVEN DA EMPRESA APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Melnick Even, com 20 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

PIB 2014-0,1 2015-3,2 2016-2,0 2017-0,5 Desemprego (Jan/15 a Out/15)

PIB 2014-0,1 2015-3,2 2016-2,0 2017-0,5 Desemprego (Jan/15 a Out/15) Economia Geral PIB 2014-0,1 2015-3,2 2016-2,0 2017-0,5 Desemprego (Jan/15 a Out/15) - Geral = -898 mil - Construção = -256 mil Queda de Renda - 2014 = R$ 2.288-2015 = R$ 2.180 Recessão de 2015 a 2017 será

Leia mais

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO Patrícia Moschen (1); Roberto de Oliveira (2); Mayra Soares de Mesquita Mororó (2); Luiz Fernando Mählmann

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional Projeto de Revestimento de Fachada em Argamassa Engª MSc Fabiana Andrade Ribeiro www.fchconsultoria.com.br Projeto de Revestimento de Fachada Enfoque na Racionalização FCH Consultoria e Projetos de Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013 1ª edição 1 DA INSTITUIÇÃO DA PREMIAÇÃO 1.1 O Sinduscon Premium Etapa Litoral Norte 1ª edição instituído pelo SINDUSCON RS, Sindicato das Indústrias

Leia mais

CRIATIVIDADE EM PROJETOS IMOBILIÁRIOS CASE BARRA VILLAGE HOUSE LIFE

CRIATIVIDADE EM PROJETOS IMOBILIÁRIOS CASE BARRA VILLAGE HOUSE LIFE CRIATIVIDADE EM PROJETOS IMOBILIÁRIOS CASE BARRA VILLAGE HOUSE LIFE QGDI é uma empresa do Grupo Queiroz Galvão; Atua no segmento Residencial e Comercial de Média-Alta Renda e no segmento Econômico com

Leia mais

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO A área de lazer cada vez mais assume posição de destaque nos informes publicitários do mercado imobiliário residencial. O programa dos condomínios residenciais

Leia mais

design arquitetura tendência

design arquitetura tendência design arquitetura tendência HOME office mall Lindóia Lindóia ( ) A Melnick Even apresenta mais um produto da linha (HOM), baseado em um conceito inovador: o Mixed Use. Considerados uma solução de grande

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho,

Leia mais

Construindo do seu jeito

Construindo do seu jeito Construindo do seu jeito Editorial Construindo do seu jeito Qual o seu estilo de viver? Com liberdade ou prefere exclusividade? Preza pela comodidade, tecnologia, estética ou funcionalidade? Não precisa

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP Autores: Nayra Yumi Tsutsumoto (1); Cesar Fabiano Fioriti (2) (1) Aluna de Graduação

Leia mais

Unidades de apartamentos

Unidades de apartamentos Unidades de apartamentos Os apartamentos são de 141,92 m² e de 178,38m². As plantas podem sofrer variações devido à opção pelo número de dormitórios, sendo que um dormitório pode se integrar à sala ou

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

Métodos Involutivos. Involutivo Vertical

Métodos Involutivos. Involutivo Vertical Métodos Involutivos Involutivo Vertical AVALIAÇÕES PELO MÉTODO INVOLUTIVO Apresentação de aspectos práticos na aplicação do Método Involutivo, incluindo o Método Involutivo Vertical, limitações e evolução

Leia mais

SAIA do LUgAR comum. MATERIAL PROVISóRIO SUJEITO À ALTERAçãO.

SAIA do LUgAR comum. MATERIAL PROVISóRIO SUJEITO À ALTERAçãO. saia do lugar comum. nine ipiranga conceito saia do lugar comum. Por que morar do mesmo jeito e nos mesmos lugares? A resposta menos óbvia você encontra no Nine. Um empreendimento construído para desconstruir

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

Material preliminar sujeito a alteração. Uso interno.

Material preliminar sujeito a alteração. Uso interno. breve lançamento Material preliminar sujeito a alteração. Uso interno. London. A vanguarda veio morar na tradição. Morar bem é estar na vanguarda. É estar à frente. É perceber que o seu estilo de vida

Leia mais

AF_Folheto Plantão_v3 Even.indd 1 08/06/10 20:00

AF_Folheto Plantão_v3 Even.indd 1 08/06/10 20:00 AF_Folheto Plantão_v3 Even.indd 1 08/06/10 20:00 morar na freguesia é diferente. Quem vive na Freguesia é apaixonado pelo bairro. Com um clima familiar e infraestrutura completa, a Freguesia é um dos mais

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

SINDUSCON PREMIUM 2014 LITORAL NORTE CATEGORIA: EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO DESTAQUE REGIÃO TRAMANDAÍ/IMBÉ

SINDUSCON PREMIUM 2014 LITORAL NORTE CATEGORIA: EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO DESTAQUE REGIÃO TRAMANDAÍ/IMBÉ SINDUSCON PREMIUM 2014 LITORAL NORTE CATEGORIA: EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO DESTAQUE REGIÃO TRAMANDAÍ/IMBÉ APRESENTAÇÃO BÁRIL A Báril começou em Porto Alegre em 1994, construindo edifícios residenciais.

Leia mais

Sua vida merece esta novidade.

Sua vida merece esta novidade. Condomínio Acqua Foto Ilustrativa Sua vida merece esta novidade. Mudar é sempre um grande passo. Agora imagine mudar para um lugar onde sua família terá tudo que precisa para ser feliz e viver com conforto,

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

4 Metodologia da Pesquisa

4 Metodologia da Pesquisa 79 4 Metodologia da Pesquisa Este capítulo se preocupa em retratar como se enquadra a pesquisa de campo e como foram desenvolvidas as entrevistas incluindo o universo pesquisado e a forma de analisá-las

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Neste capítulo define-se o conceito de condomínio-clube, caracterizando esse fenômeno e discutindo a dinâmica

Leia mais

1. Investimento concreto

1. Investimento concreto 1. Investimento concreto 18/09/2008 Exame Revista Setor 137, 138 e 140 Página 1 Página 2 Página 3 Página 4 Comprar imóveis para alugar foi um dos piores negócios nas últimas décadas. Agora até estrangeiros

Leia mais

Segundo semestre de 2013: segundas e terças-feiras das 14h às 18h no Estúdio 4

Segundo semestre de 2013: segundas e terças-feiras das 14h às 18h no Estúdio 4 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE PROJETO GRUPO DE DISCIPLINAS DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AUP 0154 - ARQUITETURA - PROJETO 4 Segundo semestre de 2013: segundas

Leia mais

PARCERIA UNIVERSIDADE-GOVERNO COMO FONTE DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO PARA O MEIO PROFISSIONAL E ACADÊMICO

PARCERIA UNIVERSIDADE-GOVERNO COMO FONTE DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO PARA O MEIO PROFISSIONAL E ACADÊMICO PARCERIA UNIVERSIDADE-GOVERNO COMO FONTE DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO PARA O MEIO PROFISSIONAL E ACADÊMICO Arq. MSc. Eduardo Grala da Cunha Universidade de Passo Fundo/RS, Unochapecó/SC, e-mail: egcunha@terra.com.br.

Leia mais

Uma empresa diferenciada. no mercado imobiliário Nacional e Internacional!

Uma empresa diferenciada. no mercado imobiliário Nacional e Internacional! Uma empresa diferenciada no mercado imobiliário Nacional e Internacional! A Brev Soluções Imobiliárias apresenta um pouco da sua história, experiências e objetivos dentro do mercado imobiliário. A Brev

Leia mais

O programa arquitetônico dos apartamentos do mercado imobiliário na cidade de São Paulo no século XXI

O programa arquitetônico dos apartamentos do mercado imobiliário na cidade de São Paulo no século XXI EIXO TEMÁTICO: ( ) Ambiente e Sustentabilidade ( ) Crítica, Documentação e Reflexão ( ) Espaço Público e Cidadania (X) Habitação e Direito à Cidade ( ) Infraestrutura e Mobilidade ( ) Novos processos e

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO ARQ 50

REGULAMENTO CONCURSO ARQ 50 REGULAMENTO CONCURSO ARQ 50 1. CONCURSO ARQ 50 1.1. O CONCURSO ARQ 50 ( Concurso ) é realizado pela Cyrela Madri Empreendimentos Imob. Ltda, empresa com sede na Av. Engenheiro Roberto Zuccolo, nº. 555,

Leia mais

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente.

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. A possibilidade de diversificar o investimento e se tornar sócio dos maiores empreendimentos imobiliários do Brasil. Este material tem o objetivo

Leia mais

A FORÇA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E A SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL

A FORÇA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E A SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL A FORÇA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E A SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL 1. INSPIRAÇÕES: 1. A PALAVRA DO PRESIDENTE DE HONRA: A Engenharia de Avaliações, como a concebo, estrutura-se em três pilares do tirocínio do

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL: AS TIPOLOGIAS HABITACIONAIS E O SEU REFLEXO NA PRODUÇÃO DA CIDADE ATRAVÉS DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL: AS TIPOLOGIAS HABITACIONAIS E O SEU REFLEXO NA PRODUÇÃO DA CIDADE ATRAVÉS DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 316 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL: AS TIPOLOGIAS HABITACIONAIS E O SEU REFLEXO NA PRODUÇÃO DA CIDADE ATRAVÉS DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Gustavo Favaretto Martinez, Marcelo Batista Pigioni, Mayra

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

ESTUDO SOBRE A PLANTA GENÉRICA DE VALORES: ITBI DE BETIM

ESTUDO SOBRE A PLANTA GENÉRICA DE VALORES: ITBI DE BETIM ESTUDO SOBRE A PLANTA GENÉRICA DE VALORES: ITBI DE BETIM Betim/MG Novembro/2013 A Planta de Valores Genéricos é uma ferramenta indispensável para os municípios, tendo em vista que dela derivam informações

Leia mais

Baixada Santista: imóveis de 2 e 3 dormitórios lideram lançamentos

Baixada Santista: imóveis de 2 e 3 dormitórios lideram lançamentos Baixada Santista: imóveis de 2 e 3 dormitórios lideram lançamentos A Região Metropolitana da Baixada Santista tem uma extensão territorial de 2.422 km² e é a terceira maior do Estado em termos populacionais,

Leia mais

Urban View. Urban Reports. É velho, mas está novo: retrofit e requalificação urbana

Urban View. Urban Reports. É velho, mas está novo: retrofit e requalificação urbana Urban View Urban Reports É velho, mas está novo: retrofit e Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Qual é a mudança mais rápida e barata que

Leia mais

Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel

Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel REFORMA DA SEDE DA SUBSEÇÃO DA OAB/BA NO MUNICÍPIO DE GUANAMBI/BA Avenida Presidente Castelo Branco, nº 271, Aeroporto Velho Guanambi/BA Foto:

Leia mais

Seu 2/4 com suíte, segurança e área de lazer no Planalto. Excelente localização na Rua Agrestina.

Seu 2/4 com suíte, segurança e área de lazer no Planalto. Excelente localização na Rua Agrestina. Seu 2/4 com suíte, segurança e área de lazer no Planalto. Excelente localização na Rua Agrestina. Depois do Planalto Dream, a Construtora IG Potiguar lança mais um grande empreendimento de sucesso: Planalto

Leia mais

O poder da conquista

O poder da conquista O poder da conquista VOCÊ E SUA FAMÍLIA VIVENDO ESSA VITÓRIA. Imperator era o título das pessoas que atingiam o mais alto nível de poder na época da República Romana. Hoje você pode conquistar esse lugar

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06194/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 23 de maio de 2006 Referência: Ofício nº 2077/2006/SDE/GAB, de 8 de maio de 2006. Assunto: ATO

Leia mais

SILVIO CHAIMOVITZ DIRETOR

SILVIO CHAIMOVITZ DIRETOR SILVIO CHAIMOVITZ DIRETOR Empresa criada em 1994. Temos hoje 150 colaboradores entre São Paulo e Rio de Janeiro Atua na Grande São Paulo, Rio de Janeiro e estudando novos mercados. Cidades que atua: São

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011 A CONTRATAÇÃO DE EQUIPE DE VENDAS IN HOUSE Eco, MBA Real Estate, Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho No mercado

Leia mais

TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS:

TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS: TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS: O Médio Vale do Itajaí é uma das regiões mais desenvolvidas de SC. Um fator primordial para esse potencial econômico é a sua tradição industrial, que faz com

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Depto. Eng. Construção Civil da EPUSP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva S/C ltda. arco@uol.com.br A busca de soluções para o aumento

Leia mais

Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço

Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço Maria Emília Penazzi mepenazzi@yahoo.com.br Prof. Dr. Alex Sander Clemente

Leia mais

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário Novo Plano Diretor de SP 2014 Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário 1 Eixos de Estruturação de Transformação Urbana (4 x) O que é o Eixo? São áreas próximas à infraestrutura de transporte

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS HABITAÇÃO CONJUNTO HABITACIONAL BOX HOUSE SÃO PAULO - SP

INICIATIVAS INSPIRADORAS HABITAÇÃO CONJUNTO HABITACIONAL BOX HOUSE SÃO PAULO - SP HABITAÇÃO INICIATIVAS INSPIRADORAS CONJUNTO HABITACIONAL BOX HOUSE SÃO PAULO - SP ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL LOCAL DIRETRIZES DE PROJETOS O PROJETO MODULAR A SOLUÇÃO ESTRUTURAL O PROJETO DE IMPLANTAÇÃO PROJETO

Leia mais

Rua Correia Dias, 184 Paraíso - São Paulo SP CEP: 04104-000. Promorar-constru@bol.com.br l www.promorar-constru.com

Rua Correia Dias, 184 Paraíso - São Paulo SP CEP: 04104-000. Promorar-constru@bol.com.br l www.promorar-constru.com O objetivo do programa PROMORAR é reforçar a importância da sustentabilidade social para projetos habitacionais. A proposta nasce, em um momento muito propício e favorável, a oferta de unidades de interesse

Leia mais

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PRINCIPÍOS BÁSICOS PARA PROJETOS/ MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO EM ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS DE CONCRETO ARQUITETA NANCI CRUZ MODULAÇÃO

Leia mais

A ARQUITETURA MAIS RENOMADA DO MUNDO CHEGA EM SÃO LUÍS. Material para treinamento. Uso exclusivo interno.

A ARQUITETURA MAIS RENOMADA DO MUNDO CHEGA EM SÃO LUÍS. Material para treinamento. Uso exclusivo interno. A ARQUITETURA MAIS RENOMADA DO MUNDO CHEGA EM SÃO LUÍS. Material para treinamento. Uso exclusivo interno. Barcelona, Catalunha. A terra de Gaudí, Miró e Dalí. Consagrada mundialmente como capital da arte,

Leia mais

Relatório de Vistoria Técnica

Relatório de Vistoria Técnica Relatório de Vistoria Técnica REFORMA DE IMÓVEL PARA ABRIGAR A SEDE DA SUBSEÇÃO DA OAB/BA NO MUNICÍPIO DE IPIAÚ/BA Sede da OAB Rua Senhor do Bomfim, nº83 Centro, Ipiaú/BA Elaborado para: Ordem dos Advogados

Leia mais

Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique

Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique PROJETO DE PESQUISA Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique Mestranda: Arq. Martina Joaquim Chissano Orientador: Prof. Dr. Antonio M.N. Castelnou PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Fatores críticos no projeto de alvenaria estrutural. MSc. Eng. Claudio Oliveira Silva

Fatores críticos no projeto de alvenaria estrutural. MSc. Eng. Claudio Oliveira Silva Fatores críticos no projeto de alvenaria estrutural MSc. Eng. Claudio Oliveira Silva 1 Fatores Elevada demanda estruturais por imóveis projetam residenciais crescimento do mercado imobiliário nos próximos

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

AQUISIÇÃO DA DEVELOPER Maio 2008

AQUISIÇÃO DA DEVELOPER Maio 2008 AQUISIÇÃO DA DEVELOPER Maio 2008 Aviso Esta apresentação foi preparada com o propósito exclusivo de informar sobre os objetivos e estrutura da transação realizada entre JHSF Participações S.A. ("JHSF")

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre

Clique para editar o estilo do título mestre Desenvolvimento e aplicação de metodologia de coordenação de projetos Primeira Etapa Segundo Módulo 20/01/2011 1 Módulo 2 Visitas às Empresas e Canteiros de Obras Objetivos: Discutir o conteúdo do Manual

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis 19/OUT/2011 Mara Luísa Alvim Motta Gerência Nacional de Meio Ambiente CAIXA EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2003-2010 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Leia mais

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos.

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos. 2006/2009 quem somos Solução completa para espaços corporativos. A Std Office traz toda expertise do Grupo Stadia, com novas tecnologias, aplicada a arquitetura e engenharia otimiza o ambiente de trabalho,

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 213 DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Melina Yumi Koyama¹; Hélio

Leia mais

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO É dito no ditado popular que os olhos de uma pessoa são as janelas de sua alma, trazendo este pensamento para uma residência, podemos entender que as janelas

Leia mais

Vice-presidência de Governo Superintendência Nacional de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Gerência Nacional de Assistência Técnica

Vice-presidência de Governo Superintendência Nacional de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Gerência Nacional de Assistência Técnica Vice-presidência de Governo Superintendência Nacional de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Gerência Nacional de Assistência Técnica Apoio Técnico a Questões Relativas à Avaliação em Massa

Leia mais

Todo mundo vai passar aqui. EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

Todo mundo vai passar aqui. EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Todo mundo vai passar aqui. 3 Todo mundo vai te ver aqui. Mais de 150 lojas. A maior vitrine de Brasília. 4 5 No coração de Águas Claras O Vitrinni Shopping está localizado na única quadra inteira ainda

Leia mais

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE Síntese Introdutória do Método Utilizado para a Análise dos Projetos no Estudo dos Temas de Composição Disciplina:Idéia, Método e Linguagem

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

Empreendimentos Imobiliários

Empreendimentos Imobiliários SINDUSCONPREMIUM 2013 ETAPA LITORAL NORTE 1ª EDIÇÃO Categoria Empreendimentos Imobiliários Edificação Residencial Unifamiliar - Black House 01 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA O escritório Torres & Bello Arquitetos

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS RESUMO Celso Carlos NOVAES Professor na Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Engenharia Civil Correio

Leia mais

Clipping Vendas de imóveis caem 36,5%

Clipping Vendas de imóveis caem 36,5% Vendas de imóveis caem 36,5% 4438298 - DCI - SERVIÇOS - SÃO PAULO - SP - 16/07/2014 - Pág A8 O mercado imobiliário na capital paulista segue com queda nas vendas em 2014 na comparação com 2013, influenciado

Leia mais

INDICADORES DA QUALIDADE EM PROJETO. ESTUDO DE CASO DE EDIFÍCIOS HABITACIONAIS EM BRASÍLIA, DF

INDICADORES DA QUALIDADE EM PROJETO. ESTUDO DE CASO DE EDIFÍCIOS HABITACIONAIS EM BRASÍLIA, DF INDICADORES DA QUALIDADE EM PROJETO. ESTUDO DE CASO DE EDIFÍCIOS HABITACIONAIS EM BRASÍLIA, DF Cristiano ESTEFANI Eng. Mestrando em Estruturas e Construção Civil da Universidade de Brasília. Campus Universitário

Leia mais

Revista CONSTRUÇÃO E MERCADO Edição 142 MAIO 2013

Revista CONSTRUÇÃO E MERCADO Edição 142 MAIO 2013 Revista CONSTRUÇÃO E MERCADO Edição 142 MAIO 2013 ENTREVISTA Wilson Marchi Arquitetura de mercado Arquiteto discute a padronização da arquitetura no segmento residencial e aponta mudanças que começam a

Leia mais

SINDUSCONPREMIUM 2014

SINDUSCONPREMIUM 2014 SINDUSCONPREMIUM 2014 R E S I D E N Z I A L E S A N T A G A T A B O L O N G N E S E Categoria Produtos e Lançamentos Imobiliários Empreendimentos de Pequeno Porte 01 APRESENTAÇÃO DAS EMPRESAS Exacta Engenharia

Leia mais

TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL

TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ

Leia mais

Em ritmo chinês A arquiteta Mariana Gerotto, de 26 anos, mudou-se para a Vila Andrade, na Zona Sul, em 2000, mas só recentemente descobriu ser esse o nome do bairro. Apesar de ele estar gravado nas placas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET

COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET Rosana PICORAL M.Sc. PROPAR/UFRGS, Arq., Prof. da FAU/PUCRS e FENG/PUCRS.

Leia mais

ANEXO VI CHAMAMENTO PÚBLICO 001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO VI CHAMAMENTO PÚBLICO 001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO VI CHAMAMENTO PÚBLICO 001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETIVO O presente Termo de Referência estabelece as orientações necessárias ao edital de Chamamento Público SECIDADES Nº 001/2011 para credenciamento

Leia mais

Registro de Incorporação Nº R-4-36.611 no 3º Ofício de Registro de Imóveis de Blumenau.

Registro de Incorporação Nº R-4-36.611 no 3º Ofício de Registro de Imóveis de Blumenau. Registro de Incorporação Nº R-4-36.611 no 3º Ofício de Registro de Imóveis de Blumenau. Imagens meramente ilustrativas. Perspectiva artística da fachada. As tonalidades das cores apresentadas podem sofrer

Leia mais

WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.

WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com. WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010 11 3159 1970 MEMORIAL Olhando para o sol A minha consciência da cidade é, por dentro, a minha consciência

Leia mais

NORMAS PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS MÉTODO INVOLUTIVO IBAPE/SP 2015. Osório Gatto

NORMAS PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS MÉTODO INVOLUTIVO IBAPE/SP 2015. Osório Gatto NORMAS PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS MÉTODO INVOLUTIVO IBAPE/SP 2015 Osório Gatto Normas IBAPE - SP 8.5. Escolha da Metodologia Em função da natureza do bem, da finalidade da avaliação e da disponibilidade

Leia mais

Samambaia. qualidade para ser degustada. caderno técnico

Samambaia. qualidade para ser degustada. caderno técnico Samambaia 303 qualidade para ser degustada. caderno técnico Levante a sua taça e comemore. A localização merece todos os brindes. O Vintage 303 está perto da estação do metrô, escolas, faculdades, feiras

Leia mais

o mercado imobiliário em ribeirão preto

o mercado imobiliário em ribeirão preto o mercado imobiliário em ribeirão preto produção de apartamentos no início do século 21 sob a ótica paulistana Arq. Drª. Simone Barbosa Villa Doutora pelo Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Arquitetura

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 QUANTIFICAÇÃO BASEADA EM MODELAGEM BIM: VALIDAÇÃO E FOMENTO DE PRÁTICA PROJETUAL A PARTIR DA MODELAGEM DA CASA BAETA. Diogo Humberto Muniz¹;Rodrigo Luiz Minot Gutierrezr 2 1, 2 Universidade de Uberaba

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais