Processo de Zoneamento no Município de Americana/SP Americana s Zoning Process

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de Zoneamento no Município de Americana/SP Americana s Zoning Process"

Transcrição

1 Processo de Zoneamento no Município de Americana/SP Americana s Zoning Process ALESSANDRA CRISTINA MEDEIROS Universidade Metodista de Piracicaba PAULO JORGE MORAES FIGUEIREDO Universidade Metodista de Piracicaba RESUMO O acelerado processo de industrialização em Americana durante a década de 70 ocasionou uma intensa urbanização. A urbanização transforma a paisagem urbana, ou seja, modifica a utilização do solo, degradando o ambiente. Por isso, é necessário o planejamento da cidade para ordenar o ambiente habitável mediante a elaboração de um plano diretor que se complemente com as leis de uso e ocupação do solo. Essas leis devem ordenar o território para se obter uma desejável e adequada densidade populacional e das edificações nos aglomerados urbanos o que, em geral, tem sido englobado sob o conceito de zoneamento. A delimitação das zonas depende de estudo que leve em conta características físicas relacionadas à topografia, ao clima, aos ventos dominantes e aos aspectos geológicos do município. Deve também considerar os objetivos do poder público em relação às condições políticas, econômicas e sociais que, na maioria das vezes, são os interesses que acabam predominando na definição do zoneamento. Este trabalho tem por objetivo analisar o crescimento do município paulista de Americana sob os parâmetros do zoneamento relacionado desde suas primeiras configurações territoriais, bem como o papel dos diversos atores envolvidos na questão. Palavras-chave: ZONEAMENTO URBANO PLANEJAMENTO TERRITORIAL USO DO SOLO. ABSTRACT The rapid industrial growth in Americana district during the seventies brought intense urbanization. This urbanization transforms the city s landscape i.e., it changes the use of land and damages the environment and also jeopardizes the city s life quality. Due to this, it is necessary to implement a city planning in order to organize this space of living. This is best done through a City Master Plan, which is complemented by the territory plan, and this obtaining a reasonable and desirable population density as well the buildings in this urban area, witch are usually called zones. The zones delimitation depend on studies that take in consideration the city s situation according to physical characteristics related to topography, climate, wind direction and geological aspects. One should also take in account the municipal government s objectives in regard to social, economical and political conditions. Most of the time the latter prevail over the others when it comes to define the zones. Keywords: URBANIZATION ZONES TERRITORY PLAN USE OF LAND. REVISTA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA V. 11, Nº 20 pp

2 INTRODUÇÃO A urbanização é conseqüência de uma sociedade industrializada. O crescimento do território urbano deve ser ordenado, ou seja, devem ser estabelecidas diretrizes gerais de caráter normativo por um plano diretor que contenha propostas de uso e ocupação do solo baseado no desenvolvimento do município, visando a qualidade de vida da população. No Brasil, cidade é um núcleo urbano qualificado por um conjunto de sistemas político-administrativo, econômico não-agrícola, familiar e simbólico, como sede do governo municipal, qualquer que seja sua população. É nas cidades que se concentram os resultados de anos da história. Ou seja, tudo o que o homem produziu em termos tecnológicos, geração de riqueza, conforto, desenvolvimento, mas também crises e conflitos. A urbanização acelerada é um fenômeno mundial que se manifestou no Brasil nos anos 60, atingindo maior intensidade na década seguinte. Em conseqüência, funções e relações socioeconômicas das cidades alteram-se profundamente. A urbanização deteriora o ambiente, provocando uma desorganização social, com carência de habitação, desemprego, problemas de higiene e de saneamento básico. Em suma, ela modifica a utilização do solo e transforma a paisagem urbana, exigindo um planejamento. Este planejamento consiste na intervenção do poder público para ordenar os espaços habitáveis. Segundo Silva (2000), o planejamento é um processo técnico instrumentado para transformar a realidade existente em direção a objetivos previamente estabelecidos, mediante a elaboração de planos. A função urbanística é exercida no nível municipal. Foi neste nível que nasceram os planos de desenvolvimento urbano, na forma de planos diretores que estabeleciam regras para o desenvolvimento físico das vilas, cidades e outros núcleos. A concepção de plano diretor evoluiu, passando de estática a dinâmica, pois a preocupação inicial era apenas com o desenho da cidade, meramente estética. Com a distribuição das edificações e a Constituição de 1988, o plano diretor passou a ser um instrumento básico da política urbana municipal. A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 182, obrigou os municípios com mais de 20 mil habitantes a ter plano diretor. O texto constitucional não menciona expressamente que o plano tem de conter o zoneamento da cidade, mas, implicitamente, pode-se admitir que o zoneamento esteja contido na ordenação da cidade e no pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade (art. 182). Inventariar e diagnosticar qual a vocação ecológica das diferentes áreas ou espaços de uma cidade, quais os seus usos e quais as limitações ao uso desses espaços é o mínimo que um plano deve conter. Do ponto de vista técnico, o plano diretor é um documento de base que se apresenta sob a forma gráfica, compreendendo relatório, mapas e quadros que consubstanciam o retrato da situação existente e as projeções da situação futura, transformada. Sua formulação é uma tarefa técnica multidisciplinar. A ordenação do uso e ocupação do solo é um dos aspectos substanciais do planejamento urbanístico, pois garante uma desejável e adequada densidade populacional e das edificações nos aglomerados urbanos o que, em geral, tem sido englobado sob o conceito de zoneamento, que se originou nas sociedades industriais e urbanizadas e na necessidade de estabelecer áreas com destinação especial. É o zoneamento que fixa os critérios e parâmetros a partir dos quais deve ser feita a delimitação de espaços territoriais para utilização especificamente definida. É uma atividade que ordena o território e molda-o a um determinado padrão de desenvolvimento e ocupação. O zoneamento, enfim, é a tentativa de impedir a ocupação desordenada dos espaços territoriais. O zoneamento urbano deve projetar-se para fora do perímetro urbano, visando ordenar todo o território sob jurisdição municipal, e não se restringir a fixar o uso do solo citadino. De acordo com Silva (2000), as zonas de uso são áreas delimitadas pela lei de zoneamento (Lei de Uso do Solo) e designadas por códigos que revelam suas características básicas, como ZR1 zona estritamente residencial de baixa densidade; ZR2 zona predominantemente residencial de média densidade; ZR3 zona predominantemente residencial de alta densidade; ZM1 zona mista de densidade média alta; ZM2 zona mista de densidade alta; ZC1 zona comercial central; ZC2 zona comercial secundária; ZI1 zona predominantemente industrial; ZI2 zona estritamente industrial; ZS zona de serviços; ZIT zona institucional; e ZE zona de usos especiais. A cada zona corresponde uma categoria de uso, que são as especifica- 70 jul./dez. 2002

3 ções dos usos permitidos em combinação com as regras de ocupação do solo. Por exemplo, o uso residencial pode ser unifamiliar ou multifamiliar etc. A delimitação das zonas depende de um estudo que leve em conta a situação existente do município e os objetivos do poder público em relação às condições econômicas, sociais, políticas, culturais e ambientais, garantindo o bem-estar da população. PROCESSOS DE ZONEAMENTO EM AMERICANA-SP Americana está localizada na região Centro-Leste do Estado de São Paulo, nas coordenadas de latitude sul e a oeste de Greenwich. Faz limite ao Norte com Limeira, a Nordeste com Cosmópolis, a Oeste com Santa Bárbara d Oeste, ao Sul com Nova Odessa e, a Leste, com Paulínia. O município está a 124 quilômetros de São Paulo e a 35 quilômetros de Campinas, fazendo parte do processo de metropolização regional. Segundo Gobbo (1999), essa região corresponde à expansão desenvolvimentista da macrorregião metropolitana de São Paulo, acelerada nos últimos 25 anos e caracterizada por um intenso processo de industrialização e, conseqüentemente, pela urbanização. Americana ocupa uma área de 133,9 km 2 nove deles inundados pela represa de Salto Grande e seu processo de urbanização foi facilitado pelo relevo da Depressão Periférica Paulista. Os primeiros registros sobre a ocupação do território de Americana datam do final do século XVIII. Nessa época, preocupado em ocupar geograficamente a colônia, o governo português concedia sesmarias em troca de desbravamento territorial. Em 1799, Domingos da Costa Machado, Antônio Vieira da Silva Pinto, João Antunes e Agostinho Luiz Ribeiro obtiveram glebas de terra nas regiões de Nova Constituição, hoje Piracicaba, que mais tarde deu origem a Santa Bárbara d Oeste e a São Carlos, a Campinas atual. A divisa entre Santa Bárbara d Oeste e Campinas era o Ribeirão do Quilombo. Os prédios e propriedades aquém do ribeirão pertenciam a Santa Bárbara D Oeste e os situados além dele eram de Campinas (ver mapa 1). Os imigrantes americanos contribuíram de forma decisiva para o desenvolvimento de Santa Bárbara D Oeste e sua região, o que originou o nome da cidade e do município. Em 1875, foi inaugurada a Estação Ferroviária de Santa Bárbara d Oeste, situada a 10 Km do núcleo da cidade, o que estabeleceu um intenso comércio na área. Nesse mesmo ano, foi instalada a primeira indústria têxtil às margens do Ribeirão Quilombo, próxima à sua foz no Rio Piracicaba, que foi chamada de Carioba. As águas do ribeirão moviam os teares hidráulicos da Fábrica de Tecidos Carioba e a matéria-prima era suprida com a própria produção de algodão da Fazenda Salto Grande. Para acomodar os operários, foram construídas casas, originando a vila Carioba, que teve uma dinâmica própria. Em 1900, a Companhia de Vias Férreas e Fluviais adotou a denominação de Villa Americana. Em 1904, o poder executivo estadual criou, pela Lei 1.916, o Distrito de Paz de Villa Americana dentro do município de Campinas, nela estabelecendo uma subprefeitura. Em 1922, a Villa contava com uma população estimada em 4,5 mil habitantes. Dois anos depois, em 12 de novembro, a Lei instituiu o município de Villa Americana, instalado em 15 de janeiro de 1925 com a posse do prefeito Jorge Redher. No ano de 1929, Americana apresentava-se como um vilarejo tradicional do interior, formado por um quadrilátero que tinha, no lado inferior, o rio e a ferrovia, que motivaram a abertura da Avenida Dr. Antônio Lobo, marco de chegada ao município. A avenida era cortada por sete ruas transversais e outras poucas paralelas que subiam o vale em direção à Matriz de Santo Antônio Velha. Havia três praças em seus arredores: a da Matriz, a 15 de Novembro e a Basílio Rangel. Na época, a Villa, sob a gestão de Carlos Mathiensen, tinha cerca de 6 mil habitantes. Em 1930, o prefeito e a Câmara Municipal oneraram com um imposto especial os terrenos situados no perímetro urbano que ainda não tivessem sido construídos. Com isso, visavam incentivar as edificações no centro da cidade e nos locais mais próximos, praticamente obrigando os proprietários a iniciarem as obras. Isso explica a ocupação na margem esquerda do Ribeirão Quilombo. Na época, surge também o Cemitério REVISTA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA V. 11, Nº 20 pp

4 da Saudade, na estrada para Campinas (mapa 1, em anexo). De acordo com Caldeira (1930) e Bryan (1967), foi também nesse período que a cidade recebeu calçamento e paralelepípedos na entrada dos lados de Limeira e Carioba, melhorando o aspecto urbano. De 1910 a 1930, desenvolveu-se a malha urbana desde a Conserva até a Rua Carioba, expandindo-se para a Vila Rheder. Apareceram, então, os primeiros traçados de vias públicas, embora sem cuidados urbanísticos, pois a fiscalização nesse sentido era feita apenas esporadicamente pela comarca de Campinas. No final de 1930 e início de 1931, o Brasil iniciou o regime ditatorial da era Vargas, que refletiu em toda política brasileira. Até 1940, quem assumiu a prefeitura nada fez além de reservar para a Villa condições financeiras para que os administradores futuros pudessem utilizar. Se durante esses anos a ação administrativa esteve estagnada, por outro lado, os particulares se movimentaram para desenvolver as atividades industriais. Desde então, Americana já se destacava como cidade industrial, especialmente no setor têxtil. De 1941 a 1947, o prefeito João Castro providenciou diversos melhoramentos para a cidade, como a instalação de água e esgoto. Em 1948, Antônio Pinto Duarte foi empossado como o primeiro prefeito eleito pelo povo após a ditadura. Em sua gestão, que durou até 1951, surgiu a primeira legislação municipal sobre o ordenamento da cidade, com a Lei 176, de 27 de julho de A preocupação com o ordenamento territorial surgiu em função do crescimento da industrialização, que atraiu pessoas de outras regiões do Estado e do país, vindas das lavouras em busca de melhores condições no trabalho industrial. A Lei 176 dividia a cidade em quatro zonas (mapa 2, em anexo) para efeito de localização de fábricas, oficinas, depósitos e instalações que interessassem à saúde, à higiene, ao sossego, ao bem-estar e à segurança pública. Não seriam mais fornecidos licenças de funcionamento de indústrias de qualquer espécie na zona central, salvo as já existentes, nem alvarás para reformas e adaptação de prédios destinados a esse fim. Em 9 de novembro de 1951, a Lei 373 determinou que não seriam concedidos alvarás também para ampliações. Na zona intermediária, era impedido o funcionamento de novas indústrias e oficinas e permitida a reforma e ampliação das indústrias e oficinas existentes. Com a Lei 184, de 27 de setembro de 1948, passou a ser autorizada a reinstalação de indústrias ou oficinas nesta zona. Na zona residencial, era possível uso apenas residencial. Na zona industrial, era autorizada qualquer construção desde que obedecesse ao Código Sanitária do Estado e a edificação de prédios industriais, oficinas e depósitos na Avenida Campos Sales e na estrada de Cillos, mas sem atingir as ruas paralelas. Nessa época, foi construída a represa de Salto Grande para suprir a insuficiência de energia gerada pela usina Carioba. Com isso, as áreas ribeirinhas passaram a constituir potenciais turísticos regionais, consolidando-se com o desenvolvimento da Praia Azul, do Iate Clube de Campinas e da Praia dos Namorados, entre outros. A represa passou a ter um significado importante para o desenvolvimento de atividades recreativas, notadamente de esportes náuticos. Suas praias eram intensamente procuradas para piqueniques e passeios, apresentando uma crescente e desordenada ocupação residencial na década de 50. Em 1951, a Lei 373, de 9 de novembro, dizia em seu artigo 1. que era zona residencial também a faixa do terreno compreendida entre a Avenida Campos Salles e seu prolongamento, a estrada de Santa Bárbara e o prolongamento da rua A. De 1940 a 1950, a população cresceu de para habitantes, surgindo a necessidade de novos loteamentos. No período de 1952 a 1955, assumiu a prefeitura Jorge Arbix. Em sua gestão, a preocupação com a falta de moradia agravou-se com o surto industrial, o que levou à Lei 5, de 26 de abril de 1952, que determinava que 30% do Imposto Predial e Territorial Urbano seriam revertidos para a desapropriação de terrenos e obras de infra-estrutura, a fim de viabilizar a construção de casas para os residentes no município. Contudo, a lei não vigorou em função do desinteresse da classe industrial dona de grande quantidade de terras e lotes urbanos em estimular a política habitacional. No ano de 1953, Americana foi elevada à categoria de comarca. O grande desenvolvimento industrial que impulsionava a urbanização fez com que a especulação imobiliária levasse os novos loteamentos para longe do centro, fazendo com que a prefeitura dotasse as novas áreas de infra-estrutura. Com essa ocupação desordenada, surgiu a preocupação com a necessidade de um 72 jul./dez. 2002

5 planejamento. Em 1953, o urbanista Prestes Maia fez um estudo urbanístico para Americana, sugerindo um plano condizente com a necessidade e o interesse do município, formulando sugestões para a solução dos problemas locais. No entanto, o plano não foi implantado. Em 1959, Nova Odessa foi elevada a município, separando-se de Americana. A urbanização na margem direita do Ribeirão Quilombo, a leste da cidade, foi menos intensa na primeira metade do século XX devido à dificuldade em transpor o rio e a ferrovia. Assim, essa parte da cidade expandiu-se após a década de 60, principalmente com a construção do Viaduto Amadeu Elias, por volta de Até então, havia apenas uma pequena ocupação no trecho inicial da Rua Carioba, a partir da qual formou-se o bairro Cordenunsi, caracterizado por pequenas tecelagens entre casas de famílias operárias. Outra formação surgiu próxima ao cemitério da Saudade, o bairro São Manoel, e, mais adiante, o de São Vito, originários do retalhamento de grandes chácaras localizadas no caminho para Campinas. Com isso, houve uma ocupação ao longo do importante corredor viário formado pelas avenidas da Saudade e Paschoal Ardito. Nessa época, a oeste do Ribeirão Quilombo, havia outros eixos estruturados em torno das avenidas Campos Sales e Cillos e da Rua Presidente Vargas, que margeia o córrego do Parque. Surgiam assim, os bairros distantes e descontínuos em relação à malha urbana consolidada, mudando a forma do município de radiocentrismo para tentacular, com aglomerações próximas aos principais eixos viários. As rodovias surgiram a partir da década de 50, com o surto industrial do pós-guerra. Elas foram construídas paralelas às ferrovias, sendo a Anhanguera no sentido capital-interior, a leste do município, e a Rodovia Luiz de Queiroz, no sentido leste-oeste. Sob a gestão de João Baptista de Oliveira na prefeitura, entrou em vigor a Lei 786, de 26 de dezembro de 1966, que modificou as normas urbanísticas para loteamentos, zoneamentos e construção, com base no Código Sanitário. A lei dividiu o território em zona residencial especial, zona residencial restrita, zona comercial, zona industrial e zona industrial restrita. Na zona residencial especial, foi autorizado o comércio de mercadorias, hotéis, marcenarias, lavanderias etc. Observando o mapa 3 (anexo) do zoneamento de 1966, observa-se que o que prevaleceu na configuração urbana foi a zona industrial, que ficou esparsa por todo o território. Não houve preocupação em delimitar áreas para a expansão urbana, a preservação ambiental e áreas verdes. No final dos anos 60 e no início dos 70, houve uma nova expansão industrial promovida pela implantação de grandes plantas, como as da Goodyear, Polyenka, Toyobo e Santista, e pela modernização de outras, como a Tabacow. Na mesma época, o poder público federal incentivou a elaboração dos planos diretores e, em 1970, o município contratou a empresa Asplan para desenvolvê-lo. Mas a contratação deu-se mais como uma forma de obter verbas federais do que pela conscientização da necessidade de planejamento. Na proposta de organização territorial para (mapa 4, em anexo), a ocupação residencial espalhava-se por todo o território e as indústrias eram concentradas ao longo do Rio Piracicaba e das rodovias Anhanguera e Luiz de Queiroz. Ela previa zonas mistas (ZM1), sendo uma no final da Avenida Campos Salles e outra próxima à Rodovia Anhanguera, e a volta de uma zona central formada pelo centro urbano. Ficam evidentes a formação de corredores de serviço em direção ao centro formado pela zona mista (ZM1) e o descaso com a questão ambiental. Apenas os arredores da represa do Salto Grande eram área de proteção. À leste da represa, foi estabelecida uma zona rural e, entre a represa e a Rodovia Anhanguera, a zona para expansão urbana e a zona marginal das rodovias começaram a ser ocupadas em meados da década de 70 por conjuntos habitacionais do BNH. Em meados da década de 70, sob a gestão do prefeito Ralph Biasi, implementaram-se algumas das obras apontadas no plano, como o Viaduto Centenário (ligação da Avenida da Saudade com a Avenida Dr. Antônio Lobo) e o terminal rodoviário urbano. Mas novamente por questões políticas, cada vez mais se foi afastando o planejamento da realidade. Foi também nesse período que houve o descaso com a história local, com a demolição da maioria dos edifícios do bairro Carioba. Em , foi proposto um novo plano diretor, elaborado com a participação do arquiteto e urbanista Joaquim Guedes. Sua proposta principal era a taxa de Desenvolvimento Urbano (TDU), que previa a implantação de imposto territorial progressivo o que não foi implantado. A legislação do desenvolvi- REVISTA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA V. 11, Nº 20 pp

6 mento urbano da época, sob gestão do prefeito Carrol Meneghel, foi a Lei de Parcelamento e Aproveitamento do Solo e de Uso e Ocupação 2.264, de 15 de dezembro de Analisando o zoneamento de 1988 (mapa 5), percebe-se uma grande diferença em relação ao de 1970 (mapa 4), pois todos os usos foram modificados, permanecendo o mesmo apenas na zona central. Mas também esta foi expandida em uma área de zona residencial (ZR2). Parte das zonas industriais e dos corredores de serviço permaneceu e outras foram implantadas. Tudo isso, contudo, não solucionou a dispersão das fábricas em áreas residenciais de antigos bairros, pois, de acordo com o artigo 25 da lei em questão, foi admitida a reinstalação de estabelecimentos industriais em edificações cujos alvarás tinham sido expedidos anteriormente à publicação desta lei. Outras zonas que permaneceram foram a rural (ZE4) e a ZR1, ou seja, zonas residenciais ao lado da represa. Um fator muito relevante foi a mudança de ZR1 para ZR2, o que sobrecarregou a infra-estrutura devido ao grande aumento populacional na área. A fragmentação do zoneamento fez com que surgissem subcentros, como o bairro Zanaga, principalmente pela distância da área central. Apesar de haver zonas especiais que compreendem áreas de preservação ambiental e cultural (ZE1), áreas de proteção aos mananciais e recursos hídricos (ZE2), área de expansão urbana (ZE3) e áreas rurais (ZE4), elas são pouco especificadas, faltando melhores definições e um plano de gestão, principalmente em termos ambientais. Essa legislação permaneceu até janeiro de 1999, quando foi aprovado o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado (PDDI) como instrumento básico de política urbana e do processo de planejamento do município da gestão Waldemar Tebaldi. Comparando o zoneamento de 1988 com o de 1999 (mapa 6, anexo), verifica-se pouca diferença: 1. a junção das zonas de serviços 1 e 2 (ZSI e ZS2), que passaram a ser zonas de corredores de serviços (ZCS); e 2. o aumento dessas zonas e das áreas de proteção e preservação ambiental (APPAS). No Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado do Município de Americana, apenas o capítulo V, artigos 23 a 26, refere-se à política de meio ambiente. Esta tem por objetivo a melhoria da qualidade de vida de toda população, devendo constituir-se um instrumento de superação dos equilíbrios ecológicos por meio da implementação de um processo de desenvolvimento sustentável. Nesta época, Americana já se encontrava conurbada com os municípios vizinhos e possuía um grande número de prédios. Ou seja, o adensamento da cidade já estava verticalizado. Esse adensamento ou crescimento vertical pode ser favorável por um lado, pois aproveita ao máximo a infra-estrutura existente, mas, por outro, gera a superutilização dos sistemas de infraestrutura, pois a rede terá de suprir esse fornecimento. Portanto, o crescimento das áreas urbanas (vertical ou horizontal) deve ser adequadamente previsto pelo planejamento a fim de evitar danos à ambiência urbana. Apesar da conurbação e de apresentar uma ocupação de 100% na zona urbana, Americana apresenta inúmeros vazios na área estabelecida pelo PDDI como Área de Urbanização Consolidada. Esses vazios estão em áreas privilegiadas (determinadas pelo zoneamento) que pertencem a um mesmo proprietário, ou a um grupo deles (a especulação imobiliária), que, unidos, impõem preços altos para a venda desses terrenos. Assim, fazem com que os menos abastados sejam forçados a ocupar a cidade de modo irregular, em loteamentos clandestinos, o que reforça a tendência de segregação da população que não pode arcar com o ônus da urbanização. CONSIDERAÇÕES FINAIS Analisando todos os mapas de zoneamento em conjunto, fica fácil verificar que num passado não muito distante, e ainda hoje, muitos legisladores (políticos) não viabilizam suas gestões pensando a médio ou longo prazo, mas, sim, na duração de seus mandatos. O crescimento populacional, particularmente de eleitores, foi muito acelerado na região de Americana a partir das décadas de 60 e 70, pois legisladores reservaram grandes áreas para a instalação de grandes indústrias num município de pequenas dimensões. Essas indústrias geraram um enorme afluxo de pessoas de outras regiões, levando a mudanças radicais nas áreas de zoneamento. Muitas vezes, nota-se que planos diretores e até mesmo leis foram alterados logo após sua promulgação, por ferir os interesses de certos legisladores ou de pessoas influentes. O pior é que a legislação era mudada sem maiores preocupações com a qualidade de vida da população ou com a preservação ambiental. 74 jul./dez. 2002

7 Preservação ambiental e qualidade de vida não significam apenas ficar parado no tempo contemplando a natureza, mas, sim, trazer progresso com planejamento a curto, médio e longo prazo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMERICANA. Lei 176, de 27/jul./48. Dispõe sobre zoneamento urbano.. Lei 534, de 29/maio/63. Dispõe sobre loteamentos e dá outras providências.. Lei 539, de 28/jun./63. Dispõe sobre construções criadas, estabelecendo a zona central e dá outras providências.. Lei 786, de 26/dez./66. Dispõe sobre modificação de normas urbanísticas para os loteamentos, para o zoneamento e para as construções no município de Americana.. Lei 1.013, de 24/nov./69. Dispõe sobre alteração de dispositivos de lei 786, de 26/12/66.. Lei 1.098, de 14/set./70. Instituiu o Plano Diretor de desenvolvimento do município de Americana e dá outras providências.. Decreto-lei 606/73. Define o uso do solo zoneando todos os tipos de atividades que serão tolerados ou incentivados em cada uma das zonas do município, de acordo com a lei 1.096, de 15/set./70.. Lei 2.212, de 18/maio/88. Dispõe sobre o parcelamento e o aproveitamento do solo no território do município e dá outras providências.. Lei 2.264, de 15/dez./88. Dispõe sobre o uso e a ocupação do solo no território do município e dá providências.. Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado de BRYAN, A.S. Americana, sua história. Americana: s/e, CALDEIRA, J.N. As Nossas Riquezas: município de Villa Americana. São Paulo: Empreza Commercial e de Propaganda Brasil, GOBBO, C. Preservando Nossa História. Americana: Heloísa C. Pavan, MORELLI, D. Americana em um Século a evolução urbana de uma cidade industrial de porte médio. São Paulo: FAU/USP, SILVA, J.A. Direito Urbanístico Brasileiro. São Paulo: Malheiros, ANEXOS Mapa 1. Planta do município de Villa Americana em Fonte: Morelli (1999). REVISTA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA V. 11, Nº 20 pp

8 Mapa 2. Mapa jul./dez. 2002

9 Mapa 4. Mapa 5. REVISTA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA V. 11, Nº 20 pp

10 Mapa jul./dez. 2002

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ 1 DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ Brasília, 29 de novembro de 2012 DIRETRIZES URBANÍSTICAS Marco Legal 2 Lei nº 6.766/79: Art. 6 - Antes da elaboração do projeto de loteamento, o interessado

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

PDDU/ SÃO BENEDITO LEGISLAÇÃO

PDDU/ SÃO BENEDITO LEGISLAÇÃO 1 TASSO RIBEIRO JEREISSATI GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ FRANCISCO DE QUEIROZ MAIA JÚNIOR SECRETÁRIO DA INFRAESTRUTURA DO ESTADO DO CEARÁ JOSÉ MARDÔNIO DA COSTA PREFEITO MUNICIPAL DE SÃO BENEDITO LANA

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana 6.1. A Dinâmica de Uso e Ocupação do

Leia mais

P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental. pddua COMO APLICAR O REGIME URBANÍSTICO PREVISTO NO PDDUA DEZEMBRO/1999

P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental. pddua COMO APLICAR O REGIME URBANÍSTICO PREVISTO NO PDDUA DEZEMBRO/1999 P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DEZEMBRO/1999 1999 I N F O R M A Ç Õ E S Ú T E I S S O

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Adensamento do tecido urbano e drenagem de Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Enchentes, no campo, são problemas naturais. Em áreas urbanas, são problemas sociais Nosso primeiro objetivo: origem dos problemas.

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL PRINCIPAIS NOVIDADES DO REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL José António Lameiras 13 de Julho de

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 4.095, DE 2012 Altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Lei Municipal N.º 1413

Lei Municipal N.º 1413 1 EMENTA: -- Disciplina o parcelamento da terra no Município de Volta Redonda, Estado do Rio de Janeiro. A Câmara Municipal Aprova e Eu Sanciono a Seguinte Lei: -- CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art.

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ KL Serviços e Engenharia S/C PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO LEI Nº Dispõe sobre o sistema Viário do Município de Quixadá e dá outras

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia Bercy - Paris França Intervenção urbana Prof. Ernani Maia O SETOR LESTE O setor leste de Paris historicamente exerceu função industrial, tais como: Armazéns de vinho, Docas, entrepostos e espaços residuais

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E SOLO USOS PERMITI PERMISSÍVEL PROIBI Habitação unifamiliar uma por lote Comércio e serviço vicinal de pequeno porte 1 e 2 Comércio e serviço de bairro Comunitário

Leia mais

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO Seminário sobre Pobreza Urbana Maputo, 16 de Abril de 2009 RAZOES E FILOSOFIA DO PEUMM O PEUM é o primeiro plano de ordenamento urbano elaborado pelo próprio

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 Altera a Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, que dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências, para alargar a faixa não

Leia mais

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso Zoneamento da Cidade de São Paulo Zoneamento Cidade de São Paulo Características das Zonas de Uso 1 Histórico A Legislação relativa a zoneamento reunia algumas dezenas de atos, decretos- leis, leis e decretos,

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

Rio Branco, capital do Estado do Acre, foi fundada no final de 1882, na margem direita do Rio Acre pelo seringalista NeutelMaia com onome Voltada

Rio Branco, capital do Estado do Acre, foi fundada no final de 1882, na margem direita do Rio Acre pelo seringalista NeutelMaia com onome Voltada Prefeitura Municipal de Rio Branco Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito RBTRANS II Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Programa Cidades Sustentáveis Melhor Mobilidade,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013.

LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. Institui Área Especial de Interesse Ambiental sobre área do Morro Santa Teresa, com identificação de Área de Proteção do Ambiente Natural, de Área de Interesse

Leia mais

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I Resolução Normativa SÚMULA: Dispõe sobre os parâmetros de ocupação do solo para a Zona Especial de Controle de Gabarito no Município de Guarapuava. O CONCIDADE, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 229 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 Jéssica Telles Zanateli¹; Lennon Gomes¹; Marcela do Carmo Vieira²; Sibila Corral de Arêa Leão Honda³ 1 Discente

Leia mais

Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS

Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS Daniela Maroni (1) Denize Fabiani (2) Malu Durante (3) Tatiana Chiodi (4) (1) Aluna da Escola de Arquitetura e Urbanismo, IMED,

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986 IT-1815.R-5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES E TRANSITÓRIAS), GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES. Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo:

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo: 1. (Fuvest 2013) Observe os gráficos. Com base nos gráficos e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta. a) Em função de políticas de reforma agrária levadas a cabo no Norte do país, durante

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av.

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. ÁREA 3-3 Limites e potencialidades limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. dos Estados e a free-way/ RS- 290. espaço adequado para novas atividades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário Novo Plano Diretor de SP 2014 Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário 1 Eixos de Estruturação de Transformação Urbana (4 x) O que é o Eixo? São áreas próximas à infraestrutura de transporte

Leia mais

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial;

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial; PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Histórico de nossa industrialização A industrialização no Brasil teve início a partir de meados do século XIX; A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto

Leia mais

CAMARA MUNICIPAL DE BRUMADINHO Praça da Paz Carmem de Oliveira Gonçalves, s/nº - São Conrado Brumadinho/MG CEP 35.460-000

CAMARA MUNICIPAL DE BRUMADINHO Praça da Paz Carmem de Oliveira Gonçalves, s/nº - São Conrado Brumadinho/MG CEP 35.460-000 PROPOSIÇAO DE LEI Nº 30/2004 O Presidente da Câmara Municipal de Brumadinho, no uso de suas atribuições e no termos do disposto nos 1º e 8º do Art. 89 da Lei Orgânica Municipal do município de Brumadinho,

Leia mais

Audiência Pública Inaugural 28 de março, 2014 IPPUC

Audiência Pública Inaugural 28 de março, 2014 IPPUC Audiência Pública Inaugural 28 de março, 2014 Revisão do Plano Diretor O Plano Diretor de 1966 Lei municipal 2828/66 A concepção do plano, diferente do modelo tradicional de crescimento radiocêntrico,

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 Brasília, 3 de Novembro de 2015. ÁREA: Planejamento Territorial e Habitação TÍTULO: Novidades na operacionalização do Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) em sua Terceria Fase

Leia mais

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho.

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho. 1 2 Recursos de desenho para a análise urbana A. Mapa de Zoneamento Macroestudo do entorno, características do lote em relação a uma determinada região, características do ponto de vista do zoneamento

Leia mais

Cidade é a parte urbana de um município, onde concentram atividades econômicas dos setores secundário e terciário.

Cidade é a parte urbana de um município, onde concentram atividades econômicas dos setores secundário e terciário. Prof. Dinário Dutra Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação a população rural. A urbanização está associada ao êxodo rural. A urbanização é limitada, podendo chegar a 100%.

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR INTERIOR DE SÃO PAULO Flavio Amary Vice-presidente do Interior do Secovi-SP e Diretor Regional em Sorocaba e Região PARTICIPAÇÃO % DO

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor DÉCADA DE 90 1990 - Criação do FUMAPIS Fundo Municipal de Apoio a Habitacão de Interesse Social que exerce, na prática, o papel de Conselho Municipal

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS 1 LEI Nº 142/ 82. DE 20 DE 12 DE 1982. DISPÕE SOBRE O ZONEAMENTO DE USOS DO SOLO URBANO. A CÂMARA MUNICIPAL DE PIRENÓPOLIS aprovou e eu PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO

IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO localização estratégica, infraestrutura e segurança para seu negócio. IMAGEM AÉREA DO LOCAL/202. DRAMATIZAÇÃO DA ÁREA DO LOTEAMENTO. 750m 2 Perspectiva

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil

Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil Proposta de equacionamento de conflito ambiental e urbanístico: plantio de eucalipto na faixa lateral

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial.

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial. PROVA DE GEOGRAFIA QUESTÃO 09 Parcela considerável do desemprego que se verifica, atualmente, no mundo, está associada a mudanças estruturais na economia é o denominado desemprego estrutural. É CORRETO

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Tecnólogo em Geoprocessamento, Especialista em Perícia Ambiental,

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA SITUAÇÃO ATUAL INTEGRAÇÃO METROPOLITANA NA LEI ORGÂNICA DE CURITIBA TÍTULO IV - DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I - DA ORDEM ECONÔMICA

Leia mais

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS.

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. O que é cidade? Segundo a ONU, aglomerado urbano concentrado com mais de 20 mil habitantes, com atividades no setorsecundário secundário

Leia mais

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA JOSÉ DE SENA PEREIRA JR. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2002

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais