Fazendas de Café O patrimônio arquitetônico rural em São Paulo, Brasil,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fazendas de Café O patrimônio arquitetônico rural em São Paulo, Brasil, 1800-1940"

Transcrição

1 Fazendas de Café O patrimônio arquitetônico rural em São Paulo, Brasil, Vladimir Benincasa Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo - FAPESP Introdução Regiões do Estado de São Paulo, Brasil Fonte: Milliet, Sérgio. Roteiro do Café. São Paulo: Hucitec/INC, O objetivo deste trabalho é traçar um panorama da arquitetura rural paulista ligada ao ciclo do café, entre 1800 e 1940, um período marcado por grandes transformações socioeconômicas da história do Estado de São Paulo, quando se registra a ocupação efetiva do seu território e assiste-se às mudanças dos regimes políticos (Colônia, Império e República); da técnica e do regime de trabalho no mundo rural; e, principalmente, pelo seu enriquecimento, através da produção e comercialização internacional do café. Além disso, com a melhora nas condições de transporte e comunicação com a Europa e Estados Unidos (ferrovias e navegação a vapor) facilitou-se, durante o século XIX e início do XX, a possibilidade da chegada das novas tendências da arte e da arquitetura aos sertões paulistas como o neoclássico, o neogótico, o ecletismo, o art nouveau, o art dèco, o neocolonial, o modernismo - o que viria a alterar profundamente a estética das suas construções e mesmo o comportamento da sua população. Para se compreender esse vasto patrimônio, foram visitadas cerca de 340 fazendas nas oito regiões que compunham o cenário da cafeicultura paulista até 1940, do qual se apresenta agora um pequeno painel. O Estado de São Paulo e a cafeicultura A economia no meio rural paulista, até o século XVIII, foi pouco dinâmica, embora tenha produzido uma arquitetura extremamente interessante, conhecida como arquitetura bandeirista, da qual são testemunhas as casas e capelas que chegaram até os tempos atuais como as do Sítio do Padre Inácio, do Sítio Santo Antônio, etc. Nada restou, no entanto, das demais edificações que compunham a propriedade rural paulista de então. Somente a partir da segunda metade do século XVIII, surge uma economia agrícola paulista significativa, quando assume o cargo de governador geral de São Paulo, Dom Luís Antônio de Souza Botelho Mourão, o Morgado de Mateus, nobre português que incentivou o desenvolvimento da agricultura em São Paulo, conseguindo bons resultados com a cana-de-açúcar, principalmente no território compreendido entre as cidades de Moji-Guaçu, Jundiaí, Sorocaba e Piracicaba. A arquitetura produzida nesta região e período, segundo Lemos 1, foi praticamente a mesma dos séculos anteriores. Porém, o relativo desempenho econômico deste ciclo acabou por atrair levas de migrantes de Minas Gerais, que começam a chegar ainda nas últimas décadas do século XVIII. A influência de sua arquitetura se refletiria nas novas fronteiras agrícolas abertas nas regiões além-jundiaí (de Campinas para o norte). A arquitetura rural dessas novas fronteiras agrícolas abertas pela cana-de-açúcar (cujo ciclo se estendeu até as primeiras décadas do século XIX, alcançando a região do atual município de Rio Claro), incluiu técnicas mineiras do construir, substituindo a taipa de pilão pela taipa de mão, além de introduzir inovações tanto nos aspectos formais, quanto nos programáticos, como por exemplo a inclusão da área de serviço no corpo principal da edificação, a adoção de alpendres e escadarias externas, entre outras. Em fins do século XVIII, uma nova lavoura surgiria em terras paulistas: o café. Por volta de 1790, as plantações de café chegaram ao vale do rio Paraíba, em São Paulo, primeiro à cidade de Areias e, a seguir, a Bananal, a São José do Barreiro, a São Luís do Paraitinga e a Silveiras, além de Ubatuba, no litoral. Daí a cafeicultura foi abrindo caminho e avançando em direção ao Centro-Oeste paulista, sendo

2 Ocupação do Estado de São Paulo, Brasil. Fonte: GUNN, Philip. Espaço, Estado, Território: uma Contribuição à Análise Crítica da Organização Social em São Paulo e no Brasil. São Paulo: FAU-USP (tese de doutoramento), que em 1830 já se encontravam cafezais em Campinas. A expansão continuou em direção a Limeira e Rio Claro, atingindo os quase desabitados Campos de Araraquara, por volta de Em 1870, o café alcançava Ribeirão Preto, no Nordeste paulista. 2 A partir de então o desbravamento rumou em direção a oeste e sudoeste. Planta que exige solos nem secos, nem encharcados, o cafeeiro encontrou nas áreas de meia encosta e nos solos de terra roxa, o seu hábitat ideal. Acreditava-se que o cafeeiro produzia melhor em terras antes cobertas por matas virgens, 3 assim, enormes áreas de mata eram destruídas para abrigar as plantações do ouro verde, sendo que, aos primeiros sinais de esgotamento do solo, outras áreas de florestas eram destruídas para a abertura de novas fazendas de café. Este aspecto itinerante e predatório da cultura cafeeira deveu-se ao fato de que, inicialmente, o café foi muito mal plantado. A imprevidência e o pouco caso com as reservas naturais, então fartas, eram agravados pelo método utilizado na limpeza da terra: utilizava-se a técnica primitiva e não adequada da coivara, ou seja, derrubada e queima da mata, uma herança indígena. Não havia controle e, dessa maneira, muitas vezes o fogo destruía uma área muito maior do que a pretendida. 4 Para agravar a situação, não se fazia a reposição de nutrientes e nem se empregava a técnica do plantio em curvas de nível, optando-se pelo plantio feito em fileiras de morro acima, o que facilitava o controle dos escravos pelos feitores, porém aumentavam as erosões e a lixiviação do solo - o café era plantado, geralmente, em regiões de morros, e com esse tipo de plantio facilitava-se a retirada de húmus do solo pelas enxurradas das chuvas. Assim, o pé de café tinha uma curta duração (vinte anos de produção aproximadamente); findo este período, devia-se partir em busca de terras novas deixando para trás as terras esgotadas. 5 Daí a itinerância desta cultura, que ampliou as fronteiras agrícolas do território paulista, percorrendo quase todo seu território. Somente em 1896, com a criação do Instituto Agronômico de Campinas, é que técnicas modernas de plantio e de cuidados com o cafezal começaram a ser mais bem observadas. 6 Elas viriam a possibilitar a fixação das plantações de café, retirando-lhe o caráter de cultura nômade e prejudicial ao solo. A partir de 1929, com a quebra da Bolsa de Nova York, aliada à ascensão de outros produtores mundiais de café - Colômbia, Equador, Quênia e Etiópia - os lucros provenientes da cultura cafeeira tornaram-se pouco atrativos aos produtores brasileiros, notadamente com relação ao custo da mão-de-obra. São Paulo foi perdendo, depois da década de 1940, a sua posição de maior produtor brasileiro, não só pela queda dos preços no mercado internacional, mas também pelo envelhecimento natural de seus cafeeiros, substituídos por cana-de-açúcar, algodão e laranja, cujos preços eram mais vantajosos aos produtores. De São Paulo, as frentes pioneiras do café mudaram-se para o sul de Mato Grosso, sul de Minas Gerais e norte do Paraná. 7 Dos toscos estabelecimentos caipiras de subsistência do século XVIII até o surgimento dos especializadíssimos conjuntos de edifícios da fazenda cafeeira da segunda metade do século XIX, houve uma grande transformação no modo de vida paulista, que se refletiu na arquitetura e em suas técnicas e tipologias, que passaram da arquitetura colonial brasileira, com influências indígenas e portuguesas, às inovações tecnológicas do período que antecede ao Modernismo. Isto se explica por dois fatores: a necessidade de mão-de-obra numerosa para os cuidados com a lavoura cafeeira, que provocou a vinda de um vasto contingente de imigrantes durante o final do século XIX e início do século XX, dentre eles inúmeros trabalhadores da construção civil (mestres-de-obras, escultores, pintores, marceneiros, serralheiros, carpinteiros, mestres-canteiros, etc.), que acabariam por introduzir novas técnicas e padrões arquitetônicos, tanto nas cidades, quanto nas fazendas; e em segundo lugar, pelo enriquecimento da sociedade paulista, principalmente da aristocracia rural, o que proporcionou a criação de uma extensa malha ferroviária e a conseqüente importação de materiais de construção civil, além do

3 emprego de novas e mais sofisticadas técnicas construtivas, nos mais longínquos lugares do território paulista. Em resumo, durante o ciclo cafeeiro, o meio rural paulista foi ocupado por povos de diferentes tradições e culturas, que vieram em momentos diferentes e se estabeleceram em diferentes locais, garantindo a produção de uma arquitetura diversificada, rica em nuanças e cores próprias. A fazenda de café em São Paulo Vista geral da Faz. Cachoeira, na cidade de Vinhedo-SP Fonte: Centro de Memória, Unicamp, Campinas-SP A fazenda cafeeira em São Paulo possui especificidades que não existem em propriedades semelhantes de outros países, pois sua configuração, bem como as técnicas de cultivo do café, baseou-se em soluções adotadas em outros tipos de agenciamentos rurais brasileiros como os engenhos de canade-açúcar e as fazendas policultoras ou de gado mineiras. A escolha do sítio para o assentamento das fazendas pioneiras de café levou em conta determinados aspectos que dizem respeito principalmente ao beneficiamento dos grãos. Sendo uma das primeiras regiões a fazer o cultivo do café no sistema capitalista moderno, ou seja, a grande produção com vista a atender ao mercado internacional, uma das características de implantação dos edifícios foi a procura por terrenos em que houvesse insolação abundante para a mais rápida secagem dos grãos colhidos, além de ofertar condições para a construção de tulhas de armazenamento aeradas e ventiladas, que não estragassem o produto até seu embarque em direção aos portos exportadores. Predominaram os sítios localizados à meia encosta, que facilitavam o bom aproveitamento da água, por gravidade, para o abastecimento das edificações, para o processo de beneficiamento do café, além de fornecer a energia hidráulica necessária à movimentação de rodas d água de moinhos e engenhos de toda a espécie. Essas condicionantes foram uma constante em todo o ciclo cafeeiro paulista, dos primórdios até o seu declínio. Um conhecimento que atravessou o século XIX e perdura até os dias atuais. O elemento norteador nessas fazendas paulistas foi o terreiro de secagem do café. Em geral, há dois tipos de arranjos das edificações ao redor desses grandes pátios. O primeiro, mais comum, formado por um terreiro ao redor do qual se acha o casarão em posição de destaque, situado na porção superior do terreno, como foco central do conjunto, e as demais edificações se distribuindo nas laterais da quadra. No segundo tipo, quase sempre ocasionado por situações de relevo muito movimentado, o casarão se encontra um pouco afastado do terreiro, fora do eixo do conjunto. Em ambos os casos, porém, matem-se o terreiro como elemento organizador. A implantação dessas fazendas em meia encosta iria também fazer com que o local escolhido, conforme sua declividade, tivesse de sofrer ajustes para receber o terreiro e as demais edificações; assim, era executada uma série de cortes e aterros, formando terraços, quase sempre por muros de arrimos de pedra bastante robustos e de variados tamanhos, com escadas ou rampas entre si. Nas fazendas do final do século XIX e início do século XX, a pedra seria substituída pela alvenaria de tijolos, aliás essa substituição se daria principalmente após o final do período escravocrata, que vai coincidir também com a chegada intensiva de imigrantes italianos, principalmente os do norte da Itália, grandes difusores do uso do tijolo de barro cozido. Na construção desses terraplenos pode-se constatar o grande embate que houve entre a natureza e a inteligência humana, principalmente ao levar em conta que esses complexos eram construídos em meio às matas, quase sempre longe de cidades e sem máquinas adequadas. Não só os terraplenos são dignos de nota, mas todo o sistema de drenagem das águas pluviais e o sistema de canais para o abastecimento das várias edificações, frutos de complexos projetos executados por profissionais extremamente competentes. Infelizmente são poucas as referências sobre esses profissionais. Formada por um conjunto de oficinas, de habitações para trabalhadores livres e escravos 8, habitação do fazendeiro, além de edificações ligadas ao beneficiamento e armazenamento do café, a fazenda de café paulista do século XIX mais se assemelhava a uma pequena vila. Por estar localizada quase sempre longe de núcleos urbanos e pela precariedade das estradas, quase sempre concentrou um grande número de profissionais para execução de atividades diárias: açucareiros, aguardenteiros, alfaiates, armadores, carpinteiros, carreiros, farquejadores, ferreiros, formigueiros, marceneiros, moleiros, pedreiros,

4 Tulha e casa de beneficiamento. Faz. Brejão, Casa Branca-SP sapateiros, serradores, tanoeiros, telheiros, tropeiros, seleiros... São profissões ligadas à construção de edificações e sua manutenção; ao fabrico de alimentos; ao trabalho com o couro; ao transporte de cargas; ao ensacamento do café e outros produtos da fazenda. Além, obviamente, daqueles trabalhadores diretamente destinados à lavoura e aos que trabalhavam no beneficiamento do café (secagem, limpeza, classificação e armazenamento dos grãos). O beneficiamento é uma etapa muito importante e dela depende boa parte da qualidade do produto. O café necessita de uma lavagem prévia, com água, para separar os grãos de impurezas como pedras, gravetos e folhas. Depois disso deve ser secado ao sol, ter sua casca retirada para então ser ensacado e armazenado até sua comercialização. São operações básicas que desde o início do seu cultivo no Brasil foram obedecidas. Para se realizar esse beneficiamento várias instalações tiveram que ser construídas nas fazendas destinadas ao seu cultivo. Em primeiro lugar podem ser citados os canais para o deslocamento da água em direção aos tanques de lavagem do café. Desses tanques, saíam outros canais que levavam as impurezas para fora do terreiro e outros que levavam o café até as grandes plataformas para a secagem dos grãos. Em geral esses canais eram abertos diretamente no chão, como valas, e quando se aproximavam do terreiro eram regularizados com pedras. Também de pedra eram os tanques de lavagem. Os terreiros - grandes terraplenos ou cortes com superfície levemente inclinada para o escoamento de águas de chuva - eram envolvidos em geral por muros de arrimo feitos de pedras, material abundante em quase todo o território paulista. A superfície, que de início era de terra batida, foi depois recoberta por lajes de pedra, lajotas de barro cozido, tijolos ou mesmo argamassa de cimento e cal, para dar maior qualidade ao produto final e garantir melhores preços em sua comercialização no Tulha e casa de beneficiamento de café, em alvenaria de pedra. Faz. Santa Eudóxia, em São Carlos-SP Fonte: Paulo Pires mercado externo. Seco o café, ele passava pelo processo de separação da polpa, para que só restasse o grão. O método mais antigo para o despolpamento foi o apiloamento manual, mas também há relatos do primitivo café batido com varas ou mesmo através de monjolos. Uma inovação nesse sistema seria a bateria de pilões movidos à água, ou o aparelho chamado de carretão, composto de duas rodas de pedra ou madeira, movidas por bois, que giravam sobre os grãos secos do café, dispostos em uma base de madeira. Desses aparelhos só se encontrou descrições, ao que parece nenhum deles restou. Depois de despolpados, a casca seca era retirada por meio de abanadores mecânicos ou manuais e os grãos, já limpos eram separados manualmente por tamanho. A precariedade dos primeiros tempos seria em breve substituída por maquinário específico ao beneficiamento do café. O mercado para esse tipo de máquina se expandiu rapidamente com a abertura de grande número de fazendas pelo território paulista, mineiro e fluminense. Após ser beneficiado e separado por tamanho, o café era armazenado em edifício fechado, seco e aerado para esperar a melhor hora de comercialização, chamado de tulha. Em geral essas edificações eram cobertas com telhas de Senzala da Faz. dos Pereiras, Itatiba-SP barro e possuíam alicerces de pedra, piso de madeira e porão. Além disso, internamente, as paredes (de alvenaria de pedra, taipa de mão ou

5 Colônia, Faz. Vassoural, Itu-SP Colônia, Faz. Fosca, Santa Lúcia-SP de pilão) possuíam um segundo revestimento de madeira, para evitar a umidade. O porão também tinha a função de afastar o piso da umidade do solo evitando a perda dos grãos, bem como a cobertura de telhas. Quanto às moradias, elas se dividiam em casas para trabalhadores livres, escravos, agregados e para o fazendeiro. As senzalas eram o abrigo dos escravos, e poucas dessas edificações chegaram até os dias atuais. Uma explicação pode estar nas técnicas construtivas empregadas, que a partir de inventários, deduz-se que fossem taipa de mão ou de pilão com cobertura de telha capa e canal ou de palha, técnicas muito frágeis se não houver manutenção constante. Sendo apenas local de abrigo e não de moradia no sentido estrito, além de destinar-se a escravos, que eram considerados tão somente força de trabalho, entende-se a precariedade dessas edificações, sua fragilidade e rusticidade. As descrições falam em lances corridos ou senzalas em quadra, outras aparecem tendo uma varanda. Ora elas aparecem unidas aos casarões, ora separadas, porém sempre próximas desses. A causa dessa proximidade era a necessidade de vigilância constante para se evitar fugas, uma vez que o elemento escravo era muito caro, com preço às vezes superior ao da terra, na época. As senzalas que restaram são de meados do século XIX e certamente não foram as primeiras edificações com esse fim nessas fazendas. Em geral elas apresentam interferências como aberturas de portas e janelas, além de paredes internas posteriores. Reformas justificáveis uma vez que no período pós-escravidão esses edifícios tiveram usos diversos, muitos deles se tornaram habitações para famílias de imigrantes, outros se transformaram em depósitos, tulhas, etc. Há ainda senzalas que, segundo tradição oral, localizaram-se em porões de casarões. Também há descrições de moradia escrava em casas individuais, privilégio concedido a escravos casados e que constituíam família, porém a existência desse tipo de habitação dependia da boa vontade do fazendeiro e não se pode afirmar que tenham sido comum. Posteriormente, com a vinda de imigrantes para o trabalho nas fazendas, surgiram as colônias, conjuntos de casas isoladas ou geminadas, espalhados pelas fazendas, junto às plantações de café. Por volta de 1840, são instaladas as primeiras colônias na fazenda Ibicaba do Senador Vergueiro, hoje situada no município de Cordeirópolis, onde teve início o processo de trabalho livre com a vinda de imigrantes europeus. A aparência dessas pequenas casas pouco se alterou ao longo do tempo, mas trazem em si aspectos que condiziam com alguns dos preceitos higienistas, como insolação e ventilação em todos os cômodos. Seu aspecto exterior é praticamente o mesmo em todas as regiões do Estado de São Paulo, pouco variando: planta retangular, duas águas de telhado - uma caindo para a fachada e outra para os fundos - e dois oitões laterais. Outro aspecto comum é a ausência de banheiros internos, que, quando existem, são acréscimos posteriores, construídos em geral a partir da década de 1940, por exigências de alguns códigos de postura municipais e estaduais. As origens das características tipológicas e de implantação das casas de colônias, que se difundiram por todo o território paulista, são uma incógnita. Alguns historiadores mencionam sua semelhança com as casas de vilas operárias, bem como sua implantação em renques. Também há a hipótese de terem sido copiadas das humildes casas urbanas de então. A primeira hipótese é a mais provável, uma vez que o ideal das vilas operárias propagava-se pelo mundo capitalista oitocentista e a fazenda cafeeira paulista foi influenciada por essas idéias, principalmente no que diz respeito ao aumento de produtividade e controle do trabalho e do trabalhador. De qualquer forma, tratava-se já de uma tipologia comum aos paulistas, a inovação estava na localização no ambiente rural e serem destinadas a famílias estrangeiras. O que variou muito foi a técnica construtiva empregada. De acordo com a região e a época em que foram construídas, essas colônias podem ter alicerces de pedra, de tijolos ou ainda de madeira. Suas paredes podem ser de taipa de mão, pedra, tijolos ou madeira. Piso interno de terra batida, ou tijolos, às vezes de

6 Chácara do Rosário, arquitetura de tradição paulista, século XVIII, Itu-SP. cimento. Cobertura quase sempre de telhas de barro, mas também houve aquelas cobertas de palhas de coqueiro. O conjunto de edificações se completava com a casa-grande, a sede da fazenda e residência do fazendeiro. Quanto à tipologia, essas casasgrandes possuem três tipos básicos: os sobrados, as casas térreas e as que, estando em terrenos inclinados, conjugam a condição de sobrado em um dos lados e térreas de outro. O programa e as técnicas construtivas também variaram muito ao longo dos anos e nas diversas regiões do Estado de São Paulo. A arquitetura das primeiras casas de fazendas de café a junção das tradições paulista e mineira A arquitetura residencial da zona rural de tradição paulista (que corresponde a uma parte do Vale do Paraíba e à região Central) tinha como características gerais: o emprego da taipa de pilão; volumetria simples, em geral edificações com plantas quadradas ou retangulares construídas sobre terraplenos; ausência de porão; poucas aberturas; cobertura em quatro águas. Embora também simples, a arquitetura mineira é mais leve e ornamentada, mais próxima da tradição portuguesa. Empregava a técnica das estruturas autônomas de madeira, com vãos preenchidos por taipa de mão e um grande número de aberturas; eram comuns os alpendres, as escadarias externas e os porões utilizáveis. A volumetria é mais movimentada, com telhado em várias águas, com plantas em L. Também foi comum em algumas regiões de Minas Gerais, a alvenaria de pedra, principalmente nos alicerces, nas paredes externas e nos porões. A expansão da cafeicultura em território paulista, a partir do final do século XVIII, ocorre juntamente com o esgotamento do ouro de Minas Gerais. Esse fato fez com que levas de mineiros adentrassem São Paulo em busca de novas terras cultiváveis, ainda não desbravadas, e passassem também a cultivar o café. Esse foi um fluxo migratório constante, que perdurou até as primeiras décadas do século XX, devido principalmente à demanda de trabalho na lavoura cafeeira e também à constante abertura de novas frentes pioneiras para o cultivo do café. Não só pessoas humildes vinham de Minas Gerais, mas também pessoas de posse, dispostas a tornaram-se fazendeiros de café. Em várias regiões de São Paulo, a população de origem mineira foi muito superior à paulista e suas tradições se impuseram, inclusive na arquitetura. Por essa razão, têm-se a presença da casa tipicamente mineira nas mais diversas épocas e regiões do Estado de São Paulo, sempre com as mesmas características, às vezes mais suntuosas, outras mais rústicas. A planta em L, por exemplo, só seria mudada naquelas casas em que se percebe uma grande influência do ecletismo europeu, e somente em exemplares do final do século XIX ou início do século XX. A estrutura autônoma de madeira e as paredes de taipa de mão foram utilizadas até meados da segunda metade do século XX. Essas casas mais tradicionais refletem o aprendizado dos séculos anteriores, mostrando-se adaptadas às condições de clima, ao relevo e aos materiais construtivos locais. São casas de aparência rústica, porém funcionais. E, se bem equipadas, podem também ser bastante confortáveis. Faz. São José, cerca de 1900, região Noroeste, Pirajuí-SP. Fonte: Álbum da Noroeste, Faz. Salto Grande, cerca de 1880, região Paulista, Araraquara-SP.

7 Casa com características classicizantes, de meados do século XIX. Faz. Bom Retiro, Bananal-SP Por volta de 1840, nas regiões mais antigas do cultivo do café (Vale do Paraíba e Central), já se apresentava uma planta típica residencial que perdurou por muito tempo e apareceu em praticamente por todo o território paulista: uma faixa fronteira com salas e escritório, ao centro uma faixa de dormitórios e alcovas e uma terceira faixa com outros dormitórios e a sala de jantar (também chamada nessa época de varanda); mais ao fundo, em corpo anexo à edificação, a ala de serviços (cozinha, despensas, quarto de doces, dormitórios de empregados). A sala de jantar era o maior dos cômodos e fazia a comunicação entre as três zonas da casa: social, íntima e de serviços, além de quase sempre ter acesso direto aos fundos da edificação, o que significa dizer, aos jardins e ao pomar. Funcionava quase como uma grande praça e foi sem dúvida um dos cômodos mais importantes da casa rural cafezista. Deve-se destacar que mesmo quando a cafeicultura começou a produzir grandes fortunas, às vezes, a precariedade das estradas, a distância de grandes centros, impedia a construção de casas mais suntuosas, pois não havia onde comprar materiais construtivos sofisticados, nem profissionais capacitados para isso. A casa de um grande fazendeiro não diferia muito da de um pequeno quanto às técnicas construtivas, mas sim pelas proporções, principalmente quando a comparação é feita entre casas de uma mesma região. A arquitetura rural residencial paulista vinha num processo espontâneo de caracterização regional, aproveitando algumas soluções estrangeiras, que lhe eram convenientes, como o alpendre e a varanda (sala não totalmente fechada ao exterior da habitação). Essa situação começa a mudar a partir da segunda metade do século XIX, quando as condições de trânsito pelas estradas vão melhorando, principalmente com a abertura das ferrovias, e com a vinda dos imigrantes europeus. Influência da arquitetura européia do século XIX Casa com características classicizantes, de meados do século XIX. Faz. São Sebastião, Amparo-SP Um pouco antes, porém, em meados da primeira metade do século XIX, nas zonas do Vale do Paraíba e na região Central de São Paulo, os grandes fazendeiros de café já haviam construídos sedes imponentes para a época, incorporando traços de uma arquitetura Neoclássica em voga na capital do país, o Rio de Janeiro. As casas dessas regiões, influenciadas pela Corte, passam a apresentar certo refinamento, um desenho mais cuidado, incomum até então. Torna-se comum o emprego de elementos da arquitetura greco-romana, da simetria no desenho das fachadas. A técnica construtiva, no entanto, permanecia a mesma de tempos atrás, a taipa de pilão ou de mão. Se as alterações exteriores são poucas, foi internamente que essas casas mais conseguiram reproduzir os casarões da capital do país. Assoalhos bem encerados; pinturas murais decorativas, ora Sala de jantar, Faz. Resgate, Bananal-SP representando paisagens; papéis de parede importados, forros bem elaborados; janelas e portas almofadadas; e toda a sorte de objetos de decoração e mobiliário que eram os mesmos das melhores casas da Corte. Outros itens de conforto foram: água encanada e aquecida e a iluminação a gás. A planta da casa também se alterou com o aparecimento de inúmeras salas e saletas destinadas ao convívio social, que, com o aprimoramento da iluminação, proporcionou que essas novas casas fossem abertas para inúmeras recepções. Aos poucos, a vida social nas

8 Casa eclética da Faz. Saltinho, cerca de 1890, Região Sorocabana, São Manuel-SP. Sala de jantar, Faz. Palmital, início do séc. XX, Ibaté-SP Fonte: Acervo Faz. Pinhal, São Carlos-SP Casa eclética da Faz. Santa Maria, 1889, São Carlos-SP. fazendas foi adotando os mesmos hábitos das grandes cidades do Império. A grande expansão da cafeicultura pelo interior de São Paulo, aliada aos sucessos da campanha antiescravista, induziram a um forte processo de imigração de mão-de-obra européia para trabalhar nas lavouras de café. Pessoas vindas principalmente de Itália, de Espanha e de Portugal, dentre elas muitos trabalhadores da construção civil. Esse processo intensifica-se a partir da década de Até 1929, cerca de imigrantes entraram no Estado de São Paulo. Esse processo aliado ao surgimento de uma elite cafeeira e à vinda de muitos profissionais como arquitetos e engenheiros formados na Europa, iria modificar a paisagem das fazendas cafeeiras, com o surgimento de uma arquitetura ligada ao Ecletismo. Outro fator determinante para essa alteração foi a expansão das linhas ferroviárias e pelo desenvolvimento da navegação à vapor, que facilitaram a importação de materiais de construção, industrializados ou não, de países europeus e dos Estados Unidos. A partir de então, surgiram casas assimétricas no desenho de fachada, com maior liberdade formal, inspiradas nos estudos sobre arquitetura da Antigüidade Clássica, da Idade Média, do Renascimento, ou nos chalés europeus; ocorre um aumento de ornamentação externa e interna, principalmente na área social; e um programa habitacional mais extenso, privilegiando o espaço social. Também se exacerba a especialização das atividades de cada cômodo. Ao contrário da casa rural, que até o início do século XIX concentrava várias atividades num mesmo cômodo, a partir de fins do século XIX ocorre uma violenta segmentação do espaço. Há salas e saletas destinadas às mais diversas atividades: sala de visitas, sala de chá, sala de jogos, sala de costura, sala de música, sala de almoço, sala de jantar, fumoir, etc. E, uma das maiores mudanças ocorridas, surgem os corredores, destinados ao trânsito interno pelas várias alas da casa, sem a percepção do visitante, reflexos de um processo de aburguesamento da classe rural. Jardins, Faz. Dona Carolina, Itatiba-SP Jardins, Faz. Prudente do Morro, Casa Branca-SP

9 Faz. Santa Fausta, casa da década de 1930, na Região Noroeste, Lins-SP Faz. Barra Grande, casa da década de 1910, na Região Araraquarense, Mirassol-SP Fonte: Álbum da Comarca de Rio Preto, Os jardins também passam a fazer parte fundamental do espaço de convívio da família do fazendeiro. Jardins à francesa, com vários canteiros, gaiolas com pássaros, lagos com repuxos d água, e cercados por muros ou gradis, delimitando o espaço privado do fazendeiro e sua família. Grandes alterações ocorreram no aspecto construtivo das edificações: a arquitetura de terra (taipas de pilão e de mão) foi substituída gradualmente pela alvenaria de tijolos, o que proporcionou o surgimento de edificações mais regulares e com maior liberdade formal; a volumetria das edificações torna-se mais solta e complexa. A importação de calhas e condutores de águas pluviais, além da adoção das novas tecnologias de estrutura de telhado (tesouras de madeira) proporcionou o surgimento de coberturas com várias águas. As regras higienistas também deram sua contribuição a essa nova casa rural inundando-a de sol e ventilação, com a abertura de amplas e inúmeras janelas, com suas folhas venezianas. Surge o banheiro como peça fundamental no programa, com água encanada e chuveiro, além de peças de louça inglesa como vaso sanitário, bidê e lavatório, além das paredes revestidas por azulejos e pisos por ladrilhos hidráulicos. A iluminação dos antigos lampiões a querosene ou das lâmpadas a gás de carbureto também foi sendo aposentada, substituída pela iluminação elétrica, energia gerada em pequenas usinas hidrelétricas importadas da Inglaterra, que eram instaladas em quedas d água, próximas às edificações. A casa rural do final do século XIX e início do século XX incorporava os confortos da vida moderna, passando a expressar, dessa maneira, a solidez financeira e o cosmopolitismo do fazendeiro paulista. Fazenda não identificada, casa de madeira, cerca de 1920, na Região Noroeste, Penápolis-SP Fonte: Museu Fernão Dias Paes, Penápolis-SP A arquitetura das fazendas nas frentes pioneiras a primeira metade do século XX Nas regiões paulistas que foram desbravadas e ocupadas a partir do final do século XIX (Araraquarense, Noroeste e Alta Paulista), o povoamento é feito por pessoas vindas de outras regiões de São Paulo, como a Paulista e Mogiana, além de grandes levas de migrantes de outros estados brasileiros (como Minas Gerais e do Nordeste), e por imigrantes da Itália, Espanha, Portugal, Síria e Líbano. Nessas novas zonas de expansão da cafeicultura, a chegada da ferrovia logo no início do século XX, transformou-as em grandes produtoras do Estado de São Paulo. As cidades dessas frentes pioneiras se sucediam ano a ano na detenção do título de maior produtora de café do mundo, tal era o volume da produção. Paradoxalmente, a arquitetura das casas nessas fazendas é, em geral, mais simples que a dos setores anteriores. As mais antigas, do final do século XIX, guardam uma arquitetura que tem uma influência direta das casas rurais de Minas Gerais, inclusive com o uso do desnível do terreno criando porões utilizáveis; outras mesclam o Ecletismo com essa arquitetura de influência mineira. Raras são as edificações mais suntuosas nessas regiões, e quando ocorrem são fazendas não de brasileiros, mas de investidores estrangeiros, ingleses e suíços quase sempre. As sedes das primeiras décadas do século XX possuem uma arquitetura singela, em que desaparecem os adornos, pode-se dizer que se trata de uma arquitetura muito prática destinada prioritariamente ao

10 Fazenda com casa de madeira, início do século XX, na Região Sorocabana, Agudos-SP Fonte: Acervo Fazenda Mandaguahy, Jaú-SP trabalho e não tanto à moradia: o proprietário de fazenda já não morava mais no campo. Foi comum, nessa região, um mesmo proprietário ter várias fazendas. A facilidade de locomoção, agora através de automóveis, possibilitava o rápido deslocamento entre as fazendas e as cidades, e facilitava a administração de várias propriedades. É expressivo o fato de revistas e almanaques do início do século XX, não mostrarem as casas de fazendas, como era comum, mas escritórios e casas de administração, aparecendo por vezes, como para justificar uma ausência de casarão mais suntuoso nas fazendas, as casas urbanas dos proprietários, invariavelmente de gosto eclético. Em sintonia com a vida urbana, muitas das casas rurais dessa região, construídas nas décadas de 1920 e 1930, vão incorporar à sua arquitetura elementos dos estilos Missões e Neocolonial, como telhados em várias águas e beirais com cachorros recortados, alpendres com abertura em arco, gradis salientes nas janelas, colunas torcidas ou galbadas, escadarias, jardineiras de cimento sobre as muretas de alpendres. Quanto à técnica construtiva, a taipa de mão foi ainda muito empregada na região, nas casas mais simples; além do tijolo, naquelas um pouco mais sofisticadas. Outro material muito utilizado, principalmente na execução de paióis e tulhas é a madeira, não só como estrutura, mas também como vedação (tábuas de madeira). Nas regiões Noroeste e Alta Paulista, houve também muitos casarões construídos inteiramente de madeira. Infelizmente quase todos esses exemplares de madeira foram demolidos. Em geral, o programa das casas rurais dessas regiões, por se tratarem de casas de curta permanência, é simplificado, já não há salas em profusão. Possuem o estritamente necessário para uma pequena e confortável estada. Já não é o local de recepções, estas transferidas para o ambiente urbano, e sua arquitetura já não ostenta tanto a riqueza de seu proprietário. Conclusões A cafeicultura no Estado de São Paulo, em 150 anos, produziu um importante acervo de edifícios que hoje faz parte e ajuda a explicar a sua história. Infelizmente, grande parte destas edificações vem sendo destruída ou descaracterizada ao longo dos anos, com escassos registros, documentação ou estudos mais aprofundados, bem como a história do cotidiano 9 das pessoas que as construíram e usaram. 10 As mudanças da economia nos últimos 50 anos, que ocasionaram um intenso êxodo rural, tiveram conseqüências drásticas em várias esferas, uma delas foi o surgimento de uma população desapegada de suas tradições, que desconhece suas origens. É urgente a necessidade do resgate e, principalmente, de uma maior divulgação desta história aos seus habitantes para despertar-lhes a consciência do pertencer, de fazer parte de uma História. Essa pesquisa é uma contribuição para a divulgação desse patrimônio, tratando-o como um fenômeno importante da arquitetura paulista que se espalhou por quase todo o seu território, atravessando diferentes épocas, relevos, climas, políticas, culturas, e fez surgir cidades, estradas, ferrovias, novas técnicas agrícolas, que incrementou a imigração. Enfim, tratando-o como parte de um processo que ajudou a moldar o caráter deste pedaço do Brasil. 1 Lemos, Carlos A. C. Casa Paulista. São Paulo: EDUSP, 1999, p Idem, ibidem, p DEAN, Warren. A ferro e fogo. A história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, p Idem, ibidem, p DEAN, Warren. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura ( ). São Paulo: Paz e Terra, p Anotações de aula da disciplina A cidade e o município no ciclo do café: o seu urbanismo e a sua arquitetura, ministrada na FAU- USP, pelo Prof. Dr. Gustavo Neves da Rocha, no primeiro semestre de FIGUEIREDO, João Carlos. O Ciclo do Café ( ). Ribeirão Preto: Engenho e Arte Multimídia, A convivência entre trabalhadores livres e escravos ocorreu até 1888, quando foi promulgada a lei que pôs fim à escravidão. 9 Cotidiano, entendido aqui, como as práticas exercidas para a conquista da sobrevivência em sociedade: as atividades remuneradas, o trabalho; as práticas domésticas; o relacionamento social; a religião; etc. 10 É importante frisar que importantes estudos foram feitos (como é o caso de trabalhos do Prof. Dr. Carlos Alberto Cerqueira Lemos, da Prof. Dra. Daici Ceribelli, da Prof. Dra. Neide Marcondes, do Prof. Dr. André Argollo Ferrão, entre outros), mas em geral, o enfoque é regional, não abrangendo o território todo do Estado de São Paulo, ou então, discorre-se sobre a arquitetura urbana e rural, não se aprofundando no tema especificamente rural.

situação e ambiência códice AII - F01 - PF denominação Fazenda Todos os Santos localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº.

situação e ambiência códice AII - F01 - PF denominação Fazenda Todos os Santos localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº. Parceria: denominação Fazenda Todos os Santos códice AII - F01 - PF localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº. 300 Graminha município Engenheiro Paulo de Frontin época de construção século XIX estado

Leia mais

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 Anexo 1.12 Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rio de Janeiro RJ, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: 1912. Data da Construção: 1913. Área do Terreno: não foram

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

Habitação e modos de vida na Fazenda São Roberto (1889-1950)

Habitação e modos de vida na Fazenda São Roberto (1889-1950) Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos- EESC Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo Habitação e modos de vida na Fazenda São Roberto (1889-1950) Fachada da casa de morada

Leia mais

Parque do Engenho Central e Mirante 2002

Parque do Engenho Central e Mirante 2002 Anexo 1.34 Parque do Engenho Central e Mirante 2002 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rua Maurice Allain, 454, Vila Rezende, Piracicaba SP, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: final da década

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ Página 42 de 108 BENS IMÓVEIS IPAC Nº 3 / 2013 MUNICÍPIO: Uberlândia. DISTRITO: Sede. DESIGNAÇÃO: Residência. ENDEREÇO: Rua Vigário Dantas, 495 Bairro Fundinho Uberlândia MG. USO ATUAL: A casa se encontra

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

situação e ambiência códice AII-F05-Vass denominação Fazenda São Roque localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra

situação e ambiência códice AII-F05-Vass denominação Fazenda São Roque localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra Parceria: denominação Fazenda São Roque códice AII-F05-Vass localização Rodovia BR 393 - Km 49,5 - Bairro Bacia da Pedra município Vassouras época de construção século XIX estado de conservação detalhamento

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

FAZENDAS HISTÓRICAS: COTIDIANO, GESTÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE 1 RESUMO

FAZENDAS HISTÓRICAS: COTIDIANO, GESTÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE 1 RESUMO FAZENDAS HISTÓRICAS: COTIDIANO, GESTÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE 1 RESUMO Luzia Sigoli Fernandes Costa 2 Maria Inês Rauter Mancuso 3 Neste estudo relataram-se as observações obtidas nas visitas realizadas

Leia mais

ficha 08: Edificação à estrada Barra/Mogiano km 4,5.

ficha 08: Edificação à estrada Barra/Mogiano km 4,5. Página 62 de 121 ficha 08: Edificação à estrada Barra/Mogiano km 4,5. Vista geral da fachada da edificação. Lateral direita da edificação. Fachada posterior da edificação. 1. Município: Delfim Moreira.

Leia mais

Estação Guanabara 2001

Estação Guanabara 2001 Anexo 1.30 Estação Guanabara 2001 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rua Mário Siqueira, Campinas SP, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: desconhecida. Data da Construção: 1915. Área do Terreno:

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda São Geraldo códice AIV - F07 - PS localização Antiga estrada para Rio das Flores município Paraíba do Sul

situação e ambiência denominação Fazenda São Geraldo códice AIV - F07 - PS localização Antiga estrada para Rio das Flores município Paraíba do Sul Parceria: denominação Fazenda São Geraldo códice AIV - F07 - PS localização Antiga estrada para Rio das Flores município Paraíba do Sul época de construção séc. XIX detalhamento do estado de conservação

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS 01. Município: Uberlândia 02. Distrito: Sede 03. Designação: Estabelecimento de Uso Misto Comércio e Residência 04. Endereço: Rua Coronel Antônio Alves, nº 9.151

Leia mais

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a atualização do artigo 1º, da Lei da Lei Complementar nº 241 de 24 de Fevereiro de 2015, onde trata da Tabela nº 05, Anexo II - Planta Genérica

Leia mais

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000 SMALL HOUSE 1999-2000 Sejima e Nishizawa Andressa Rodrigues Melo 11411ARQ028 Ariane Xavier Duarte 11411ARQ023 Guilherme Duarte Cunha 11411ARQ001 Larissa Costa Silva 11411ARQ026 Kazuyo Sejima e Ruye Nishizawa

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda Rio Novo códice AIV - F04 - PS localização Estrada da Palestina município Paraíba do Sul

situação e ambiência denominação Fazenda Rio Novo códice AIV - F04 - PS localização Estrada da Palestina município Paraíba do Sul Parceria: denominação Fazenda Rio Novo códice AIV - F04 - PS localização Estrada da Palestina município Paraíba do Sul época de construção séc. XIX detalhamento do estado de conservação no corpo da ficha

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

Hotel das Paineiras - Varanda. Hotel das Paineiras

Hotel das Paineiras - Varanda. Hotel das Paineiras Hotel das Paineiras - Varanda Hotel das Paineiras Em janeiro de 1882, o Imperador D. Pedro II Unidos. Nesse dia, o imperador Pedro II e da Estrada de Ferro do Corcovado. O prédio concedeu aos engenheiros

Leia mais

Fugindo do tradicional

Fugindo do tradicional construção Fugindo do tradicional Distante do padrão das casas colonial-americanas que predominam no condomínio, o projeto ganhou linhas diferenciadas e muita iluminação natural, com janelas amplas por

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA

ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA No dia dois de Dezembro de 1.910, foi assinado contrato entre a câmara municipal e o senhor Francisco Leonardo Cerávolo, para a construção do prédio do grupo escolar. Aos

Leia mais

As transformações na arquitetura rural paulista pré-moderna

As transformações na arquitetura rural paulista pré-moderna As transformações na arquitetura rural paulista pré-moderna Marcelo Gaudio Augusto 1 palavras-chave: arquitetura paulista arquitetura rural migração Este texto pretende explorar as diversas influências

Leia mais

HISTÓRIA DA CAMARA MUNICIPAL DE VARGINHA

HISTÓRIA DA CAMARA MUNICIPAL DE VARGINHA HISTÓRIA DA CAMARA MUNICIPAL DE VARGINHA Em 1882, as ferrovias brasileiras são implantadas, principalmente em Minas, Rio e São Paulo. Poucos anos depois, a Família Imperial se desloca para o Sul de Minas,

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto

situação e ambiência denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto Parceria: denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto município Valença época de construção séc. XIX detalhamento do estado de

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA Diretoria de Patrimônio Cultural 1. MUNICÍPIO: Agrolândia DENOMINAÇÃO: Casa de Hildegard

Leia mais

com 45 mil De roupa nova Antes antes e depois

com 45 mil De roupa nova Antes antes e depois antes e depois Texto: M.N.Nunes Fotos: divulgação (antes)/jomar Bragança (depois) De roupa nova com 45 mil A ardósia deu lugar ao porcelanato e ao mármore, as esquadrias de ferro desapareceram e o vidro

Leia mais

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Bens preservados em destaque: A. Igreja e Cemitério de Parelheiros B. Igreja e Cemitério de Colônia C. Vila e Estação Ferroviária Evangelista

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Estrutura Arquitetônica. 3- Designação: ESCOLA MUNICIPAL AMÂNCIO BERNARDES

Estrutura Arquitetônica. 3- Designação: ESCOLA MUNICIPAL AMÂNCIO BERNARDES INVENTÁRIO DE PROTEÇÃO DO ACERVO CULTURAL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DO MONTE Praça Getúlio Vargas, nº 18, Centro Tel.: (37) 3281-1131 CEP: 35560-000 Estação Cultura: Praça Benedito Valadares,

Leia mais

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 Anexo 1.50 Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: acesso pela rodovia SP 122 Ribeirão Pires Paranapiacaba, Santo André SP, Brasil. Autoria: a vila foi construída pela

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA BAIRRO

Leia mais

Igrejas paulistas: barroco e rococó

Igrejas paulistas: barroco e rococó Igrejas paulistas: barroco e rococó Vanessa Proença Título da obra: Igrejas paulistas: barroco e rococó. Autor: Percival Tirapeli 1 Um grande catálogo: é essa a impressão que o livro nos passa. A proposta

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

denominação Casa de Visitas / antiga Fazenda Santa Rosa códice AIII-F02-Pir localização Rodovia BR-116, sentido Rio de Janeiro, km 232 município Piraí

denominação Casa de Visitas / antiga Fazenda Santa Rosa códice AIII-F02-Pir localização Rodovia BR-116, sentido Rio de Janeiro, km 232 município Piraí Parceria: denominação Casa de Visitas / antiga Fazenda Santa Rosa códice AIII-F02-Pir localização Rodovia BR-116, sentido Rio de Janeiro, km 232 município Piraí época de construção século XIX / XX estado

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda São Lourenço códice AIV - F02 - TR localização Rodovia União e Indústria, s/nº Santa Terezinha

situação e ambiência denominação Fazenda São Lourenço códice AIV - F02 - TR localização Rodovia União e Indústria, s/nº Santa Terezinha Parceria: denominação Fazenda São Lourenço códice AIV - F02 - TR localização Rodovia União e Indústria, s/nº Santa Terezinha município Três Rios época de construção séc. XIX detalhamento do estado de conservação

Leia mais

A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis

A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis Engenharia A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis A construção sustentável é um novo conceito que está surgindo dentro da engenharia civil. A construção sustentável além de tornar a obra ecológica,

Leia mais

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa Bárbara d Oeste - SP Proposta de Intervenção Emergencial I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro 2 16 MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

situação e ambiência códice AII - F03 - BP denominação Fazenda Ponte Alta localização Avenida Silas Pereira da Mota (Km 19 da RJ-145) - Parque Santana

situação e ambiência códice AII - F03 - BP denominação Fazenda Ponte Alta localização Avenida Silas Pereira da Mota (Km 19 da RJ-145) - Parque Santana Parceria: denominação Fazenda Ponte Alta códice AII - F03 - BP localização Avenida Silas Pereira da Mota (Km 19 da RJ-145) - Parque Santana município Barra do Piraí época de construção século XIX estado

Leia mais

situação e ambiência códice AII-F01-Vass denominação Fazenda Visconde de Cananéia localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia

situação e ambiência códice AII-F01-Vass denominação Fazenda Visconde de Cananéia localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia Parceria: denominação Fazenda Visconde de Cananéia códice AII-F01-Vass localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia município Vassouras época de construção século XIX estado de conservação

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos:

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos: 1. PRELIMINARES 1.1 Objetivo Constitui objetivo do presente trabalho a constatação do estado de conservação do Apartamento n 82 do Edifício Vivien Tereza, situado à Rua Domingos de Moraes, nº 348, Vila

Leia mais

Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS

Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS Profa. Wanda Pivetta Prof. Ms. Alan Victor Pimenta Esse texto não se pretende uma reprodução de todas as atividades desenvolvidas no Estudo do Meio realizado pelo Colégio,

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

A primeira coisa que eu me lembro é o Círio de Nazaré 69

A primeira coisa que eu me lembro é o Círio de Nazaré 69 quente, adentrei a casa desta família; uma grade alta fazia a limitação entre o espaço público e o privado, aquele afastamento frontal demonstrava que se tratava de uma edificação que não se enquadrava

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém Dossier Promocional Moradia em Abrantes Santarém 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU O jantar no Brasil, de Jean Baptiste Debret Com este material de apoio é possível entender como os fragmentos arqueológicos nos ajudam a decifrar

Leia mais

ANEXO 1 TABELA DO TIPO, PADRÃO E VALOR UNITÁRIO DE METRO QUADRADO DE CONSTRUÇÃO

ANEXO 1 TABELA DO TIPO, PADRÃO E VALOR UNITÁRIO DE METRO QUADRADO DE CONSTRUÇÃO ANEXO 1 TABELA DO TIPO, PADRÃO E VALOR UNITÁRIO DE METRO QUADRADO DE CONSTRUÇÃO TIPO 10 - EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS TÉRREAS E ASSOBRADADAS, COM OU SEM SUBSOLO 10.1 - Padrão Rústico Arquitetura: Construídas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ Página 48 de 108 BENS IMÓVEIS IPAC Nº 4 / 2013 MUNICÍPIO: Uberlândia. DISTRITO: Sede. DESIGNAÇÃO: Comércio. ENDEREÇO: Rua Barão de Camargo, 614 - Bairro Fundinho. USO ATUAL: Comércio (bar). IMAGEM 01:

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

MANUAL DO BENEFÍCIO ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL 24 HORAS

MANUAL DO BENEFÍCIO ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL 24 HORAS MANUAL DO BENEFÍCIO ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL 24 HORAS Junho/2014 1080.0776.0302 ÍNDICE ACIONAMENTO DOS SERVIÇOS...3 REEMBOLSOS...3 QUANTIDADE DE INTERVENÇÕES...3 SERVIÇOS...3 BOMBEIRO HIDRÁULICO...3 ELETRICISTA...4

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de

DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de Área Valor da Obra Valor do M² Nome da Obra Início da Obra Programado Obras Construída M² R$ R$ da Obra Descrição

Leia mais

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias Trens turísticos e o patrimônio cultural Roberta Abalen Dias Atualmente o Turismo é considerado uma atividade de grande importância econômica, responsável por geração de emprego e renda. Tal atividade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida)

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) TAMANHO E DEPENDÊNCIAS DO IMÓVEL Definido com o Corretor de Imóveis da negociação em conjunto com nosso Escritório de Arquitetura parceiro: FRAN Arquitetura

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA ANEXO II Memorial Descritivo 1. DESCRIÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO. O Empreendimento, comercializado sob Condomínio Residencial Viva Bem, é composto por 04 (quatro) blocos,

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

5.11. Programa de Registro do Patrimônio Histórico e Edificado. Revisão 00 NOV/2013

5.11. Programa de Registro do Patrimônio Histórico e Edificado. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.11 Programa de Registro do Patrimônio Histórico e Edificado NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4.

Leia mais

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura arquitetura Rua do olhar texto Rodrigo Apolloni imagens Rafael dabul Descansar o olhar sobre certas fachadas, sobre certas casas, pode ser uma experiência reveladora em Curitiba. Uma cidade de mil arquiteturas,

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Conforto ambiental: Dicas de projeto para construção, ampliação e reforma de habitação em comunidades de baixa renda

Conforto ambiental: Dicas de projeto para construção, ampliação e reforma de habitação em comunidades de baixa renda Conforto ambiental: Dicas de projeto para construção, ampliação e reforma de habitação em comunidades de baixa renda Cláudia Barroso-Krause. DTC e PROARQ FAU/UFRJ A pesquisa em conforto ambiental nas edificações

Leia mais

DATA HORA LOCAL PARTICIPANTES

DATA HORA LOCAL PARTICIPANTES ATA DE REUNIÃO DATA: 27 de março de 2012 HORA: 14:30 horas LOCAL: Promotoria de Justiça da Cidadania PARTICIPANTES: Dra. Maria Pilar Cerqueira Maquieira Menezes, Promotora de Justiça, a Diretora do Centro

Leia mais

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra, integra o conjunto das "Revoluções Burguesas" do século XVIII, responsáveis

Leia mais

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE DOCUMENTO COMPLEMENTAR 05 PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTROS DE SAÚDE ÍNDICE A. INTRODUÇÃO...

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

A CASA DE FAZENDA DO CAPÃO DO BISPO ANÁLISE DO CONFORTO AMBIENTAL NAS RESIDÊNCIAS RURAIS FLUMINENSES DO SÉCULO XVIII.

A CASA DE FAZENDA DO CAPÃO DO BISPO ANÁLISE DO CONFORTO AMBIENTAL NAS RESIDÊNCIAS RURAIS FLUMINENSES DO SÉCULO XVIII. A CASA DE FAZENDA DO CAPÃO DO BISPO ANÁLISE DO CONFORTO AMBIENTAL NAS RESIDÊNCIAS RURAIS FLUMINENSES DO SÉCULO XVIII. BROTAS, Lara Muniz Martins (1); ALVES, Luiz Augusto dos Reis (2); BASTOS, Leopoldo

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE

HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC Reitor: Prof. Antonio Heronaldo de Souza Vice Reitor: Prof. Marcus Tomasi Coordenação do Museu da Escola

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

MUSEU DA ENERGIA NÚCLEO DE ITU 1

MUSEU DA ENERGIA NÚCLEO DE ITU 1 MUSEU DA ENERGIA NÚCLEO DE ITU 1 Vera Maria de Barros Ferraz A Arquitetura Ituana As casas são pintadas de branco e em sua maioria construídas de taipa; algumas, que podem passar por belas, têm um andar

Leia mais

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo CAP. 23 REGIÃO SUDESTE Prof. Clésio Farrapo 1. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO SUDESTE A Regiāo Sudeste ocupa 924.573,82 km², equivalente a 10,86% do território nacional. Grande parte desse território

Leia mais

RESIDENCIAL PORTAL DA PÉROLAII - HABITAÇÃO SOCIALSEGUNDO AS DIRETRIZES DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDADA EM BIRIGUI SP

RESIDENCIAL PORTAL DA PÉROLAII - HABITAÇÃO SOCIALSEGUNDO AS DIRETRIZES DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDADA EM BIRIGUI SP 411 RESIDENCIAL PORTAL DA PÉROLAII - HABITAÇÃO SOCIALSEGUNDO AS DIRETRIZES DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDADA EM BIRIGUI SP Daiane dos Santos Esquevani¹, Mayara Pissutti Albano², Sibila Corral de Arêa

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

REPORTAGENS. de 9 15/02/2011 06:12. Comin. Texto: Débora Borges Fotos: Ale Asbun

REPORTAGENS. de 9 15/02/2011 06:12. Comin. Texto: Débora Borges Fotos: Ale Asbun REPORTAGENS Terreno em declive Mar e floresta ao alcance dos olhos O lote íngreme abriga uma casa "flutuante" com três níveis, cercada pelo verde e com vista para a praia Texto: Débora Borges Fotos: Ale

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

MEMORIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA!

MEMORIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA! MEMORIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA A presente memória descritiva e justificativa refere-se, ao Projecto de um Complexo Habitacional denominado Condomínio Kutolola que contem mais de 210 Residências e áreas

Leia mais