VERTICALIZAÇÃO, HABITAÇÃO SOCIAL E MULTIFUNCIONALIDADE. EDIFÍCIOS DOS IAPS EM SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VERTICALIZAÇÃO, HABITAÇÃO SOCIAL E MULTIFUNCIONALIDADE. EDIFÍCIOS DOS IAPS EM SÃO PAULO"

Transcrição

1 1 VERTICALIZAÇÃO, HABITAÇÃO SOCIAL E MULTIFUNCIONALIDADE. EDIFÍCIOS DOS IAPS EM SÃO PAULO Denise Antonucci Θ Luiz Gonzaga Montans Ackel Θ Taisa Nogueira Silva Θ Roberto Schweigert Θ Resumo Esta pesquisa tem como foco a habitação social e edifícios multifuncionais projetados e construídos pelos IAPs na cidade de São Paulo. O interesse por essa tipologia onde os usos residenciais, comerciais e de serviços compartilham a mesma edificação representou um paradigma do viver na cidade trazido pela grande expansão urbana verificada na primeira metade do século XX. Atualmente essa discussão está sendo retomada como alternativa de revitalização e recuperação de áreas centrais nas grandes metrópoles. O déficit habitacional no Brasil está estimado em quase 6 milhões de unidades e exige a participação da universidade na busca de soluções técnicas para a questão habitacional. A temática da habitação social tem sido objeto de reflexão sobre a produção arquitetônica em São Paulo no século XX na disciplina de Planejamento Urbano VII (responsabilidade da Profª Denise Antonucci), no 7 o. semestre da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie. O debate sobre habitação social e a produção dos IAPs nos anos são abordados pela pesquisa, que é desenvolvida pelos professores em conjunto com todos os alunos matriculados no referido semestre. Θ Doutora em Planejamento Urbano FAU USP. Docente e Pesquisador da FAU Universidade Presbiteriana Mackenzie Θ Mestre em Arquitetura e Urbanismo Univ. Mackenzie, Doutorando FAU USP. Docente e Pesquisador da FAU Universidade Presbiteriana Mackenzie Θ Bacharel em Artes Plásticas pela UNESP. Aluna do 7º semestre de Arquitetura e Urbanismo pela UPM. Bolsista pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC Mackenzie) Θ Mestre FAU Mackenzie

2 2 Introdução O crescimento exacerbado das cidades no século XX provocou uma mudança nos padrões de produção e apropriação do espaço urbano e trouxe modificações no modo de organização das cidades. No Brasil, a partir da Revolução de 1930, a intervenção do Estado estimulou a criatividade dos arquitetos brasileiros que resolveram enfrentar o problema habitacional do país atuando sob os novos paradigmas colocados pelo Movimento Moderno. Os conceitos do Movimento Moderno na arquitetura brasileira foram efetivados com a atuação dos primeiros arquitetos nos projetos de Habitação Social realizados pelo Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Industriários 1, o IAPI, no período de , e fizeram os primeiros departamentos técnicos públicos se voltar efetivamente para os problemas da habitação social em massa. Na produção paulista dos conjuntos dos IAPs podemos destacar alguns arquitetos como Attílio Corrêa Lima (Várzea do Carmo), Carlos Frederico Ferreira (Vila Guiomar/Santo André), Eduardo Kneese de Mello (edifício Japurá), os irmãos M. M. M. Roberto (edifício Anchieta), Marcial Fleury de Oliveira (Santa Cruz) e Paulo Antunes Ribeiro (Moóca). A partir dos anos 1950, verificou-se a presença do modelo de segregação centro-periferia predominante em São Paulo, onde grandes distâncias separam as classes sociais. A ocupação da periferia é caracterizada pela ausência de infra-estrutura e equipamentos públicos, por habitações precárias. Privilegia-se o crescimento econômico em detrimento dos problemas sociais. Neste período surge um novo processo identificado como verticalização 2, produto da reprodução do espaço, fundamental para compreender e fornecer elementos sobre os processos econômicos e imobiliários relacionados à urbanização proporcionando maior otimização de aproveitamento dos lotes urbanos. A habitação social é uma constante no quadro urbano da cidade, desde o início da formação da metrópole paulistana. O grande déficit habitacional em São Paulo é hoje estimado em mais de 500 mil unidades, no que se refere à população de baixa renda (até 6 salários mínimos) 3. Ainda assim, a participação da universidade tem sido tímida face à importância do assunto, na busca de soluções concretas, do ponto de vista técnico, para a questão habitacional. Nesse sentido, estamos desenvolvendo pesquisa sobre a temática da habitação social visando uma reflexão crítica sobre a produção arquitetônica em São Paulo no decorrer do século XX. Um dos períodos abordados pela pesquisa refere-se ao debate sobre habitação social na era Vargas, com a criação das Carteiras Prediais e a produção arquitetônica vinculada aos IAPs 4. Segundo o arquiteto Paulo Bruna 5, os arquitetos que desenvolveram projetos de arquitetura e urbanismo para os IAPs, tinham pleno conhecimento da produção arquitetônica européia, por meio de congressos, debates e livros. Reconhecia-se uma identidade entre as discussões

3 3 sobre a reconstrução das cidades européias pós-guerra e as cidades que cresciam e se industrializavam velozmente no Brasil. A realização dessas obras foi canalizada para as carteiras prediais dos IAPs. Para Bruna, esses são os primeiros e verdadeiros arquitetos modernos brasileiros, preteridos por uma arquitetura moderna que valorizou apenas os aspectos estéticos, e atendeu as classes de renda mais privilegiadas. A habitação social e a Arquitetura Moderna O conceito moderno de morar que já vinha sendo divulgado desde a primeira década do século 20 na Europa, tomou grande impulso no final da 1a. Guerra Mundial, em A necessidade de reconstrução das principais cidades européias destruídas pela guerra imprimiu um grande impulso ao Movimento Moderno na arquitetura. O 1o. Congresso Internacional de Arquitetura Moderna já colocou o tema como prioritário em 1928, o que foi confirmado nos congressos posteriores. Uma nova abordagem da cidade tinha agora como ponto e partida a moradia. Partindo-se da moradia, poderia se chegar à dimensão urbanística da cidade moderna. Para Le Corbusier, um dos principais ideólogos do movimento, a habitação deveria ser construída em larga escala, devendo prever todos os equipamentos e serviços necessários à vida dos moradores. Esses equipamentos seriam como um prolongamento da habitação, exercendo as funções complementares à moradia. Dessa forma dispensariam o seu provimento no interior da moradia, permitindo que a unidade habitacional fosse de tamanho reduzido. Para ele, a habitação deveria se constituir em verdadeiras cidades-jardins verticais, constituídas por blocos de apartamentos de grandes dimensões, com incorporação de todos os serviços vinculados à moradia. Atuação dos IAPs A moradia assume papel fundamental no discurso de Getúlio Vargas. A construção de habitações populares se inseriu no âmbito das tendências populistas que marcaram a ação do governo após 1930, esboçando políticas de bem-estar social que, no entanto, nunca chegaram a se estender efetivamente ao conjunto da população. O ideal do Estado Novo contrapunha as idéias socialistas e comunistas, através da difusão da propriedade e moradia; até a década de 1930 era raro que trabalhadores fossem proprietários de suas residências e mesmo a classe media morava de aluguel. No período Getúlio Vargas ( ), a habitação social foi considerada condição básica para a reprodução da força de trabalho visando à industrialização do país. A habitação

4 4 deveria exercer papel preponderante na formação ideológica, política e moral do trabalhador urbano. Deveria ser destinada ao homem novo (trabalhador padrão) para uma nova nação. Vargas organizou o setor previdenciário usando o princípio das CAPs (Caixas de Aposentadoria e Pensões) na criação dos Institutos de Aposentadorias e Pensões, que foram estruturados com base em contribuição tripartite (empregado empregador Estado) e divididos por categorias profissionais. A participação dos trabalhadores passou a ser compulsória e o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio passou a deter o controle da gestão dos recursos. Dentre os objetivos desses Institutos estava o de utilizar os recursos previdenciários em programas estatais de cunho social, como os de atendimento médico e habitação social. Entre 1933 e 1938, foram criados os institutos, que apresentavam diferenças na qualidade, volume dos benefícios e serviços prestados. Assim, foram criados seis destes Institutos: IAPB (bancários), IAPC (comerciários), IAPI (industriários), IAPETEC (condutores de veículos e empregados de empresas de petróleo) e IAPE (estivadores). A constituição de 1937, que instituiu o Estado Novo, determinava em seu artigo 124 que a família estaria sob proteção do Estado, apresentando um cunho moralista: No cortiço e em outras habitações coletivas seria invalida a vida familiar plena e normal, devido às tentações, a infidelidade, a delinqüência e aos maus hábitos (BONDUKI, 1998: 102). Em discurso proferido em 1939, Vargas incluiu a habitação entre os direitos básicos dos trabalhadores: Também o problema da habitação popular merece a atenção devida, sendo de mencionar os resultados obtidos com as vilas e bairros residenciais já inaugurados (...) pertencentes a associações de previdência social (...) evidenciar como da nova ordem nasce um país de estrutura nova, onde os benefícios do Estado se espalham e distribuem por todos, procurando-se a harmonia social pela única forma capaz de realizar: a harmonia e o bemestar de cada um (BONDUKI, 1998: 102). A partir do Decreto nº 1749, em 1937, surgem as condições para a atuação dos IAPs no campo habitacional 6. Foram, então, definidos planos de financiamento de habitação aos trabalhadores, desde a locação e venda das unidades até os empréstimos hipotecários, bem como operações imobiliárias convenientes à política dos IAPs. A habitação assumiu um tratamento ambíguo entre a seguridade social plena e a capitalização de recursos. Os recursos arrecadados foram investidos visando ao aumento do fundo. Os IAPs tiveram papel fundamental na expansão capitalista e industrial do país, constituindo-se em fonte alternativa de investimentos públicos, consolidando a política de desenvolvimento e implantação de infra-estrutura industrial 7.

5 5 Os conjuntos residenciais dos IAPs apresentavam bom nível em seus projetos, inovação arquitetônico-urbanística de novas tipologias de ocupação, aliando qualidade à baixo custo. Durante sua primeira década, os Institutos construíram unidades habitacionais. No final de 27 anos (entre 1937 e 1964), o número era As operações imobiliárias baseavam-se em 3 planos: Plano A - locação ou venda de unidades habitacionais em conjuntos residenciais adquiridos ou construídos pelo instituto - proporcionar moradia digna aos associados; Plano B - financiamento aos associados para aquisição de moradia ou construção em terreno próprio; Plano C - empréstimos hipotecários feitos a qualquer pessoa física ou jurídica (BONDUKI, 1998: 104). Os Planos A e B tinham objetivo social, ainda que os institutos tenham atendido associados de média ou alta renda e o Plano C apresentava perspectiva atuarial dos IAPs visando a assegurar a máxima rentabilidade para as reservas acumuladas. Financiava construções de todo tipo de asilos a indústrias mas os edifícios para classe média e alta foram a principal inversão (80% do total do IAPI). Além da polêmica entre rentabilidade ou função social dos investimentos dos IAPs, havia uma disputa por recursos públicos entre os que lutavam por uma política social de habitação e os incorporadores privados, interessados na construção e venda de apartamentos de luxo (BONDUKI, 1998: 105). A adoção do aluguel como forma de acesso aos conjuntos produzidos pelos IAPs (Plano A) mostra outro aspecto da ambigüidade da ação habitacional no período. Os Institutos defendiam a preservação do patrimônio e dos recursos previdenciários, sem levar em conta aspectos ideológicos. Além disso, mantinha-se a renda gerada pelos aluguéis. Como essa política foi traçada antes da Lei do Inquilinato e da crise do mercado de locação, o Plano A pode ser entendido como uma combinação de um programa de habitação social com uma forma de investimento das reservas previdenciárias, estatizando uma atividade a construção de casas de aluguel até então rentável e reservada ao setor privado. A venda de apartamentos ocorreu simultaneamente à desestruturação do mercado de locações e do setor rentista. Uma política de habitação social deveria estabelecer critérios de investimento que dirigisse os subsídios para quem de fato tivesse necessidade, definindo a origem dos recursos para cobri-los. Garantir o retorno dos recursos a serem financiados para que não houvesse depreciação dos seus fundos. Só nessas condições seria possível manter um fluxo constante de recursos para sustentar a produção habitacional. A atuação dos institutos no setor permaneceu restrita e insuficiente para um país que se urbanizava com rapidez. De fato, os IAPs não eram órgãos de habitação. Porém, reuniam tal volume de recursos recolhidos dos trabalhadores, metade dos quais podia ser utilizada nas carteiras prediais, que era inevitável a pressão para que fossem destinados à habitação social (BONDUKI, 1998: 111).

6 6 O fim do governo Vargas, em 1945, interrompeu um processo institucional que se encaminhava para a criação de uma política habitacional: recursos vultosos nos fundos dos IAPs; reestruturação dos IAPs, unificados no Instituto de Serviços Sociais do Brasil (ISSB); financiamento de uma política universal de habitação social; criação da Fundação da Casa Popular; capacitação técnica, comprovada pela qualidade dos projetos dos IAPs nos anos 40; reconhecimento pela sociedade da importância da questão crise da moradia afetava a classe média e os trabalhadores pressão social sobre o governo, acelerando produção habitacional, de 1945 a 1950; vontade política do governo disposição de Vargas de dar prioridade à questão 9. O governo Dutra incentivou a produção de conjuntos residenciais. Eliminada a possibilidade da Fundação da Casa Popular administrar os fundos, a tecnoburocracia dos institutos aceitou o financiamento habitacional de cunho social destacando tratar-se de uma cota de sacrifícios. Ao longo da década de 1950, as reservas previdenciárias declinaram progressivamente, deixando de ser uma alternativa para o financiamento habitacional. Malgrado a descontinuidade política, a produção de habitação social não foi irrisória, em especial os conjuntos residenciais do IAPI, que apresentaram importantes resultados arquitetônico, urbanístico e social. A arquitetura moderna brasileira afirma-se nos anos 1930, dando origem a experiências e contribuições marcantes, inclusive no campo da moradia popular e das tipologias verticais. O grande crescimento econômico de São Paulo, atrelado ao período desenvolvimentista, proporcionou um grande desenvolvimento urbano não acompanhado de desenvolvimento social eqüitativo. Apesar de periférica e excludente, nossa urbanização fez uso dos discursos ideológicos modernistas, o que correspondeu a um significativo processo de verticalização, inicialmente concentrado no centro da cidade. A produção dos IAPs e a verticalização da cidade Como exemplos paulistas devemos destacar o Conjunto Residencial da Várzea do Carmo, o Edifício Japurá, o Conjunto Residencial da Moóca e da Vila Guiomar, todos construídos pelo IAPI (Industriários) responsáveis pela difusão de conjuntos residenciais compostos por edifícios e não somente por casas individuais.

7 7 Fonte: Farah, 1983 Edifício Japurá Dentre eles podemos citar o projeto do Edifício Japurá, desenvolvido pelo arquiteto Eduardo Kneese de Mello para o Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários. Neste projeto foram empregados de forma pioneira no Brasil os princípios de l unité d habitation projetada por Le Corbusier em Marselha, como o modelo de habitação vertical social. O edifício Japurá se destacou em termos arquitetônicos e urbanísticos, entre as iniciativas de padrão vertical realizadas pelo IAPI.

8 8 Projetado no final dos anos 40, localiza-se no bairro da Bela Vista (Bexiga), próximo ao centro de São Paulo, em terreno antes ocupado pelo cortiço Navio Parado, um dos maiores da capital. O terreno é um polígono irregular situado no vale do córrego do Bexiga, abaixo do nível da rua, com 101,50 m de frente para a rua Japurá, junto ao Viaduto Jacareí, totalizando m². O edifício foi projetado para atender aos industriários que trabalhavam em algumas indústrias localizadas junto ao centro da cidade, sendo possível o trajeto residência-trabalho ser feito a pé. As reduzidas dimensões do terreno impunham a construção de um edifício com apartamentos pequenos (dois dormitórios), destinados a famílias pequenas, com poucos filhos, pois havia pouco espaço para as crianças. O projeto ainda previa a construção de um pequeno número de apartamentos para operários solteiros, com um quarto, um banheiro e uma kitchenette. No pavimento térreo foram previstos, também, um restaurante e um pequeno comércio: mercearia, farmácia, loja de armarinhos e salão de beleza. O artigo 144 do Código de Obras limitava a altura dos edifícios construídos no alinhamento da rua a uma vez e meia a largura da via. Como a rua Japurá tem largura de apenas 13 m, a altura máxima de um bloco junto ao alinhamento seria de apenas 19,50 m, o que resultaria em edifício com apenas 6 pavimentos, já que o pé direito mínimo exigido pelo código era de 3 metros. A solução foi implantar o edifício afastado do alinhamento da via. Pelo artigo 145:...poderão ser construídos pavimentos recuados desde que fiquem as partes mais altas dentro da linha de interseção traçada do alinhamento da guia do lado oposto da via.... Como o recuo máximo possível era de 17,60 m, o edifício poderia atingir a uma altura de 14 pavimentos.

9 9 JAPURÁ Fonte: E. K. Mello Conjunto residencial da Várzea do Carmo Em 1938 o IAPI adquiriu uma grande área de terreno nas imediações do Parque D. Pedro, junto à avenida do Estado, em São Paulo. Nesta área de 185 ha a equipe comandada pelo arquiteto Attílio Corrêa Lima desenvolveu o projeto do primeiro conjunto residencial do IAPI em São Paulo. Este empreendimento, parcialmente construído no início dos anos 40, previa a implantação de um ambicioso programa habitacional, com a construção de vários blocos residenciais que abrigavam 4022 apartamentos, creche, escola, posto de puericultura e grandes áreas ajardinadas para lazer, incluindo um clube. Foram projetados também um hotel, um edifício comercial, um restaurante popular, um terminal de ônibus e um posto de gasolina, dando ao conjunto um caráter multifuncional e que o tornava uma verdadeira cidade, com mais de 20 mil habitantes. A experiência em urbanismo de Attílio Corrêa Lima o credenciou a coordenar a equipe de trabalho, que contou ainda com os arquitetos Hélio Uchôa Cavalcanti e José Theódulo da Silva, além do engenheiro Alberto de Mello Flores. Attílio Corrêa Lima, esse importante

10 10 urbanista da década de 30, já havia elaborado os planos urbanísticos de Goiânia, Recife e Volta Redonda, sendo o primeiro brasileiro a concluir os estudos especiais de urbanismo na Universidade de Paris, em Considerando-se o alto valor do terreno, situado a apenas dois quilômetros de Praça da Sé, foi proposto um programa misto, de alta densidade (1.250 hab/ha), com a construção de edifícios de 12 pavimentos, servidos por conjuntos de 6 elevadores cada um. Tratava-se de fato inédito no Brasil, em se tratando de habitação social. Estes edifícios altos, entretanto, jamais foram construídos, pois a continuidade da segunda guerra impediu a importação dos diversos componentes estruturais previstos no projeto. O conjunto construído efetivamente é composto por vários blocos lineares de edifícios de quatro pavimentos, e possui apartamentos de 2 e 3 dormitórios, sala, banheiro e cozinha com serviço. Atualmente a Baixada do Glicério encontra-se bastante degradada. Sua organização funcional, espaço-ambiental e seu sistema viário foram abandonados pelos interesses políticos e econômicos. As soluções habitacionais da Era Vargas foram resultado de uma série de medidas, voltadas a retornos de curto prazo não podendo ser consideradas fruto de política habitacional. A produção de moradias foi significativa, mesmo que tenha ficado aquém das necessidades concretas da população. Do ponto de vista qualitativo, por sua vez, essas experiências induziram uma renovação significativa da linguagem e das tipologias arquitetônicas no que se refere ao uso habitacional. Os projeto racionais, sistemas construtivos eficientes e econômicos e uma nova linguagem formal evocavam novos modos de vida urbana a serem assumidos pelos moradores em apartamentos. Os arquitetos modernos conseguiram traduzir as novas formas de moradia vertical em realizações de impacto, obtendo, ao mesmo tempo, ganhos importantes em termos de qualidade e adequação às novas necessidades.

11 11 CONJUNTO VÁRZEA DO CARMO Fonte: Bonduki, 1998 Perspectivas para o futuro A dimensão que assumiram os problemas de degradação ambiental no nosso planeta, com iminente risco de colapso ecológico, tem gerado constantes reflexões sobre as desigualdades do mundo globalizado e exigido a adoção de condutas sustentáveis em todos os campos da atuação humana, porque além da dimensão ambiental, o conceito sustentabilidade tem diversas outras interfaces: a social, a cultural, a da distribuição territorial equilibrada de assentamentos humanos e atividades, a econômica, a política e a do sistema internacional para manter a paz (SACHS, 2002: 71). No meio ambiente construído, dada a íntima relação entre sustentabilidade e evolução dos núcleos urbanos, essa reflexão deve ser estendida também às práticas urbanísticas para que se possa deter e reverter o enorme processo de degradação do meio ambiente natural que pesa sobre a maior parte das cidades (NEIRA ALVA, 1997: Introdução). Se o futuro das cidades dependerá em grande parte dos conceitos constituintes do projeto de futuro construído pelos agentes relevantes na produção do espaço urbano (ACSELRAD, 1999: 81), as políticas urbanas calcadas nos conceitos de sustentabilidade devem considerar a totalidade da cidade e lembrar os desequilíbrios podem ultrapassar os limites locais e regionais e seus efeitos se refletem, atingindo, em muitos casos, escala nacional e internacional. Há inúmeros estudos e pesquisas que demonstram como as ações dos homens afetam locais distantes de onde acontecem, em muitos casos implicando todo o planeta ou até mesmo a biosfera (SACHS, 2002: 50). As informações disponíveis podem

12 12 orientar e justificar essa necessidade de mudança de comportamento e facilitar a identificação dos problemas específicos de uma determinada localidade (SHENG, 1997). No que se refere à construção de habitações de interesse social, seguindo as conclusões dos debates realizados na conferência Habitat II 10 que afirmam que as cidades não poderão crescer linearmente e indefinidamente sobre o seu entorno natural, sem colocar em risco os recursos naturais essenciais à sua própria existência e sustentabilidade (ACIOLY & DAVIDSON, 1998: 09), entende-se que a verticalização das mesmas deve ser urgentemente explorada. E, para garantir recursos financeiros que permitam gerir os custos de manutenção e condominiais desses edifícios, estima-se que a adoção de projetos multifuncionais pode equilibrar os problemas financeiros que a população moradora desses núcleos, em geral, apresenta. Acredita-se que esta proposta é uma das alternativas para se evitar a impossibilidade de vida urbana futura devido ao desgaste de recursos naturais (FRANCO, 2001: 22), porque a gestão urbana necessita, mais do que nunca, de soluções que possam conter o espraiamento da urbanização. As habitações das classes menos favorecidas são um dos intensificadores deste espraiamento que, ao alcançar maior extensão territorial, aumentam os danos ambientais desproporcionadamente, pois não se conta com infra-estrutura suficiente para atender a população. Verticalizar os novos projetos destinados às habitações de interesse social pode ser uma das muitas mudanças de paradigma necessárias à sustentabilidade do meio ambiente urbano. REFERÊNCIAS 1 Bruna, Paulo. Os primeiros arquitetos modernos: Habitação social no Brasil Tese de Livre Docência. São Paulo: FAUUSP, Souza, Maria Adélia Aparecida de. A identidade da metrópole: a verticalização em São Paulo. São Paulo: HUCITEC; EDUSP, STEFANO, Fabiane. Subsídio: Praga volta à habitação. Disponível em: Acesso em: 17 ago

13 13 4 BONDUKI, Nabil. Origens da Habitação Social no Brasil: Arquitetura Moderna, Lei do Inquilinato e Difusão da Casa Própria. São Paulo: Estação Liberdade: Anotações de Aula Pós Graduação FAU USP, Os IAPs foram as primeiras instituições a tratar a questão habitacional, porém, relegada a um segundo plano. Sua função primordial estava vinculada a aposentadorias, pensões e assistência médica. 7 Patrocinou a construção da Cia Siderúrgica Nacional, em Volta Redonda; Cia Nacional de Álcalis; a Fábrica Nacional de Motores e Brasília (Bonduki, 1998: 102) 8 Ver Farah, Quanto mais dependesse do apoio popular para se manter no poder, maior seria seu empenho para implementar projetos de habitação social capazes de manter sua imagem de protetor dos trabalhadores (Bonduki, 1998: 100). 10 Organizada pela ONU e realizada em Istambul Turquia, em junho de ACIOLY, C. & DAVIDSON, F.. Densidade Urbana: Um Instrumento de Planejamento e Gestão Urbana. Rio de Janeiro: Mauad, ACKEL, L. G. M. (1996). Attílio Corrêa Lima: um urbanista brasileiro ( ). São Paulo: Dissertação de Mestrado, Universidade Mackenzie. ACSELRAD, H.. Discursos da Sustentabilidade Urbana. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, Campinas: nº 01, maio/1999.

14 14 ANTONUCCI, D. & ACKEL, L. G. M. Arquitetura Moderna e Habitação Social: a Produção dos IAPs. In: Seminário Docomomo do Estado de São Paulo 3, São Paulo. Anais São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, CD ROM. BONDUKI, N. Origens da habitação social no Brasil: Arquitetura Moderna, Lei do Inquilinato e Difusão da Casa Própria. São Paulo: Estação Liberdade, BRUAND, Y.. Arquitetura Contemporânea no Brasil. São Paulo: Editora Perspectiva, BRUNA, P.J.V. Arquitetura, Industrialização e Desenvolvimento. São Paulo: Perspectiva: EDUSP, Os primeiros arquitetos modernos: Habitação social no Brasil Tese de Livre Docência. São Paulo: FAU USP, CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Relatório final da comissão de estudos sobre habitação na área central. São Paulo: Câmara Municipal de São Paulo, CHOAY, F. O urbanismo, utopia e realidades, uma antologia. São Paulo: Editora Perspectiva, Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo. EMPLASA. Memória Urbana: a Grande São Paulo até São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, FARAH, M. F. S. Estado, Previdência Social e Habitação. Dissertação de Mestrado (em Ciências Sociais), FFLCH / USP, São Paulo, LEFF, Henrique. Saber Ambiental Sustentabilidade, Racionalidade, Complexidade, Poder. Petrópolis: Vozes, MARICATO, E. (org). A Produção Capitalista da Casa (e da Cidade) no Brasil Industrial. São Paulo: Ed. Alfa-Omega, 1979 NARDELLI, E. S. et al. Arquitetura Multifuncional Paulistana: Forma, Técnica e Integração Urbana. In: Seminário Docomomo do Estado de São Paulo, 3, São Paulo. Anais...São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, CD ROM. NEIRA ALVA, Eduardo. Desenvolvimento Sustentável e Metabolismo Urbano: Metrópoles (In)Sustentáveis, tradução de Marta Rosas, Rio de Janeiro: Relume Dumará, PHILIPPI JÚNIOR, Arlindo; ROMERO, Marcelo de Andrade, BRUNA, Gilda Collet. Curso de Gestão Ambiental. São Paulo: Manole, 2004.

15 15 SACHS, Ignacy. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, SACHS, Ignacy. Ecodesenvolvimento: Crescer sem Destruir, tradução de Eneida Araújo, São Paulo: Vértice, SAMPAIO, M. R. A. (org.) A Promoção Privada da Habitação Econômica e a Arquitetura Moderna: São Carlos: Rima/FAPESP, SHENG, Fulai. Valores em Mudança e Construção de uma Sociedade Sustentável (tradução de Norma Gerjoy). In: CAVALCANTI, Clóvis. Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Políticas Públicas. São Paulo: Cortez Editora - Recife: Fundação Joaquim Nabuco, p SHENG, Fulai. Valores em Mudança e Construção de uma Sociedade Sustentável (tradução de Norma Gerjoy). In: CAVALCANTI, Clóvis. Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Políticas Públicas. São Paulo: Cortez Editora - Recife: Fundação Joaquim Nabuco, p SOMEKH, N. A cidade vertical e o urbanismo modernizador. São Paulo São Paulo: FAUUSP, Tese de Doutoramento, SOMEKH, N. e CAMPOS, C. M. (org.). A cidade que não pode parar: planos urbanísticos de São Paulo no século XX. São Paulo: Editora Mackpesquisa, SOUZA, M. A. A. de. A identidade da metrópole: a verticalização em São Paulo. São Paulo: Ed. HUCITEC; EDUSP, THOMAZ, D. As razões de ontem, hoje e sempre. In: AU Arquitetura e Urbanismo, n. 45, dez / jan XAVIER, A., LEMOS, C. e CORONA, E.. Arquitetura Moderna Paulistana. São Paulo: Ed. Pini, 1983.

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Valéria Grace Costa ***, Antônio Cláudio Moreira Lima e Moreira, Suzana Pasternak, Maria de Lourdes Zuquim, Simone Cotic Clarissa Souza, Letícia

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

Simpósio Temático: Pioneiros da habitação social no Brasil

Simpósio Temático: Pioneiros da habitação social no Brasil Simpósio Temático: Pioneiros da habitação social no Brasil Coordenação: Nabil Bonduki FAU-USP (nabilbonduki@usp.br) Os trabalhos reunidos nesta sessão temática tiveram origem num processo de pesquisa que

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

Rua Correia Dias, 184 Paraíso - São Paulo SP CEP: 04104-000. Promorar-constru@bol.com.br l www.promorar-constru.com

Rua Correia Dias, 184 Paraíso - São Paulo SP CEP: 04104-000. Promorar-constru@bol.com.br l www.promorar-constru.com O objetivo do programa PROMORAR é reforçar a importância da sustentabilidade social para projetos habitacionais. A proposta nasce, em um momento muito propício e favorável, a oferta de unidades de interesse

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 (do deputado Zezéu Ribeiro - PT/BA) Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

Leia mais

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil - SEPesq O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil Vivian K.Levy Mestranda em Arquitetura e Urbanismo Unirriter Vivianklevy@gmail.com Resumo Este artigo trata da evolução, do caminho que a tipologia do

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema REALIZAÇÃO: APOIO: REALIZAÇÃO Adriana Rosa da Silva Rodrigues - Enfermeira do Núcleo de Apoio ao Estudante - NAE. Érika Correia Silva - Psicóloga

Leia mais

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações Edição: 5132010 Litoral Paulista, sexta-feira, 20 de agosto Página: 1 Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações w w w. u s i m i n a s.

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 229 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 Jéssica Telles Zanateli¹; Lennon Gomes¹; Marcela do Carmo Vieira²; Sibila Corral de Arêa Leão Honda³ 1 Discente

Leia mais

Materiais consumidos e resíduos gerados pelos novos. domicílios construídos no Brasil nos últimos 12 anos.

Materiais consumidos e resíduos gerados pelos novos. domicílios construídos no Brasil nos últimos 12 anos. Materiais consumidos e resíduos gerados pelos novos domicílios construídos no Brasil nos últimos 12 anos. Em 2010, existiam 57,3 milhões de domicílios permanentes no Brasil. Desse total, 12,5 milhões são

Leia mais

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPACTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PRODUTO INTERNO BRUTO BRASILEIRO

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana

Urban View. Urban Reports. Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana Urban View Urban Reports Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana coluna Minha cidade, meu jeito de morar e de investir programa Falando em Dinheiro Rádio Estadão ESPN Butantã: a bola da

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

Como estruturar empreendimentos mistos

Como estruturar empreendimentos mistos 1 Como estruturar empreendimentos mistos Por Mariana Borges Altmayer Advogada esclarece dúvidas sobre o registro de incorporação, a convenção de condomínio e o modelo de gestão para empreendimentos de

Leia mais

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO A área de lazer cada vez mais assume posição de destaque nos informes publicitários do mercado imobiliário residencial. O programa dos condomínios residenciais

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO COORDENADOR DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO COORDENADOR DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQUITETURA E URBANISMO TURMA AN5AU ENIO MORO JUNIOR COORDENADOR DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Graduação (1983), Mestrado (1999) e Doutorado (2005) em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

Rafaela Mussolini Celestino de Oliveira¹, Mayara Mota Cordeiro Souza¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda², Marcela do Carmo Vieira²

Rafaela Mussolini Celestino de Oliveira¹, Mayara Mota Cordeiro Souza¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda², Marcela do Carmo Vieira² 324 HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE EPITÁCIO-SP E QUESTÕES URBANAS Rafaela Mussolini Celestino de Oliveira¹, Mayara Mota Cordeiro Souza¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda², Marcela do Carmo Vieira² 1 Discentes

Leia mais

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO Objetivos específicos (1) Desenvolver métodos e técnicas para a recuperação e adaptação (para uso habitacional) de edificações existentes desocupadas.

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia Bercy - Paris França Intervenção urbana Prof. Ernani Maia O SETOR LESTE O setor leste de Paris historicamente exerceu função industrial, tais como: Armazéns de vinho, Docas, entrepostos e espaços residuais

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV Mesa Técnica: Sustentabilidade do PMCMV da aprovação do projeto ao pós-ocupação, sob os aspectos da inserção urbana, trabalho

Leia mais

População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz)

População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) População de rua aumenta nos últimos anos e a resposta da gestão pública é a violência,

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Thais Cristina Silva de Souza

Thais Cristina Silva de Souza Thais Cristina Silva de Souza Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/5673282456303415 Última atualização do currículo em 05/09/2015 Doutoranda (início 2015) e Mestre na área Habitat pela

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO DE SANTOS. Novembro 2015

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO DE SANTOS. Novembro 2015 CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO DE SANTOS Novembro 2015 - opinar sobre planos e programas de desenvolvimento do município; - opinar sobre planos e programas de revitalização e renovação urbana;

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS VISÃO Ser referência na região norte na efetivação de políticas sociais que promovam o desenvolvimento regional com inclusão social. MISSÃO Contribuir

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana 6.1. A Dinâmica de Uso e Ocupação do

Leia mais

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Promoção: O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Rosane Biasotto Coordenadora técnica Planos de Habitação de Interesse Social

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

1. Investimento concreto

1. Investimento concreto 1. Investimento concreto 18/09/2008 Exame Revista Setor 137, 138 e 140 Página 1 Página 2 Página 3 Página 4 Comprar imóveis para alugar foi um dos piores negócios nas últimas décadas. Agora até estrangeiros

Leia mais

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 244 INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE João Victor de Souza

Leia mais

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA Miriam Belchior Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão São Paulo, 15 de julho de 2013 NOVOS MOTORES DO CRESCIMENTO Modelo brasileiro diversificou as fontes de crescimento

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

CONJUNTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL ESTIMULADORES DE IMPACTOS AMBIENTAIS?

CONJUNTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL ESTIMULADORES DE IMPACTOS AMBIENTAIS? Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 320 CONJUNTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL ESTIMULADORES DE IMPACTOS AMBIENTAIS? Tauana Rodrigues Batista¹; Letícia Pirola

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor DÉCADA DE 90 1990 - Criação do FUMAPIS Fundo Municipal de Apoio a Habitacão de Interesse Social que exerce, na prática, o papel de Conselho Municipal

Leia mais

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO "A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente reuniu-se em Estocolmo entre os dia 05 e 16 de junho de 1972

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Disciplina: Projeto Urbano e Paisagístico I PUP I Carga horária: 80 horas Ano Letivo: 2012 Série: 2ª Série Justificativa da Inclusão da Disciplina

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Reforma sanitária e sus primeira parte

Reforma sanitária e sus primeira parte Reforma sanitária e sus primeira parte Cidadão é o indivíduo que tem consciência de seus direitos e deveres e participa ativamente de todas as questões da sociedade (Herbert de Souza - Betinho) No alvorecer

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP Autores: Nayra Yumi Tsutsumoto (1); Cesar Fabiano Fioriti (2) (1) Aluna de Graduação

Leia mais

PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público

PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público José Roberto Porto de Andrade Júnior joserobertopajr@hotmail.com joseporto@mpsp.mp.br Assessor da Diretoria

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1

Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1 Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1 SANTANA, Marcela Maciel. Arquiteta e Urbanista/UFV. Rua Virgílio Val, nº 08/03. Centro, Viçosa-MG. Cep: 36570-000.

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Brasília, 24 de novembro de 2011 Política Nacional de Habitação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010 O Censo Demográfico 2010 e o mercado do DF Boletim de Conjuntura Imobiliária Alguns resultados do último recenseamento feito pelo IBGE foram divulgados. Os dados mostram que o Distrito Federal registrou

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia Dr. Josef Leitmann 12 de junho de 2015 Qual a Importância da Questão Metropolitana e dos Aspectos de Governança

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Novas centralidades: minibairros são tendência no segmento econômico

Urban View. Urban Reports. Novas centralidades: minibairros são tendência no segmento econômico Urban View Urban Reports Novas centralidades: minibairros são tendência no segmento econômico Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Novas centralidades:

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Quando o imóvel vira renda

Urban View. Urban Reports. Quando o imóvel vira renda Urban View Urban Reports Quando o imóvel vira renda Programa Elas & Lucros, Rádio Brasil 2000 FM 107,3 Coluna minha cidade, meu jeito de morar e investir Quando o imóvel vira renda Aqueles com menos de

Leia mais

O EMPREEENDIMENTO RESIDENCIAL PARQUE VICENTE LEPORACE, MARCO DA HABITAÇÃO SOCIAL NA CIDADE DE FRANCA

O EMPREEENDIMENTO RESIDENCIAL PARQUE VICENTE LEPORACE, MARCO DA HABITAÇÃO SOCIAL NA CIDADE DE FRANCA 415 O EMPREEENDIMENTO RESIDENCIAL PARQUE VICENTE LEPORACE, MARCO DA HABITAÇÃO SOCIAL NA CIDADE DE FRANCA Maria Cecília Sodré Fuentes (Unifran) PANORAMA DA HABITAÇÃO SOCIAL NO BRASIL Os primeiros órgãos

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais