COMUNIDADES VIRTUAIS DE CONHECIMENTO: informação e inteligência coletiva no ciberespaço RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNIDADES VIRTUAIS DE CONHECIMENTO: informação e inteligência coletiva no ciberespaço RESUMO"

Transcrição

1 COMUNIDADES VIRTUAIS DE CONHECIMENTO: informação e inteligência coletiva no ciberespaço Inácio Szabó Rubens Ribeiro Gonçalves da Silva RESUMO Este trabalho é resultante da dissertação de Mestrado apresentada em Agosto de 2008 ao Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação do Instituto de Ciência da Informação da Universidade Federal da Bahia (PPGCI/UFBA). O objetivo da pesquisa foi a investigação sobre como se desenvolvem e se disseminam as comunidades virtuais do ciberespaço. Vinte comunidades virtuais (CV) foram investigadas, por meio da submissão de questionários para seus criadores e participantes, visando a identificar aspectos gerais das CV e estratégias utilizadas para estimular a interação e divulgar as comunidades. Buscamos também refletir, a partir de uma abordagem dialética materialista, sobre os processos informacionais que ocorrem nestas comunidades, a formação da inteligência coletiva, e a possível contribuição das CV para a evolução à Sociedade do Conhecimento. Adotando um viés sócio-humanista e abordagem dialética materialista, analisamos as contradições do uso da internet e propomos o conceito de Comunidades Virtuais de Conhecimento (CVC) para as comunidades cuja intenção de formação está relacionada ao compromisso de transformação da sociedade, e cujo envolvimento entre os participantes se caracteriza pelo forte senso de cidadania. Revisamos o modelo de classificação de comunidades virtuais proposto por Henri e Pudelko alterando os critérios de classificação e acrescentando as CVC aos possíveis tipos de comunidades virtuais do modelo. A pesquisa nos permitiu testemunhar o uso do ciberespaço por movimentos sociais que constituem Comunidades de Conhecimento em prol de uma sociedade mais justa, consciente e equilibrada. Entendemos que aí reside o potencial de contribuição do ciberespaço para a evolução à Sociedade do Conhecimento. Palavras-chave: Comunidades virtuais, Comunidades virtuais do conhecimento, Ciberespaço, Inteligência coletiva 1 INTRODUÇÃO Este trabalho é resultante da dissertação de Mestrado apresentada em Agosto de 2008 ao Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal da Bahia (PPGCI/UFBA), cujo objetivo foi a investigação de como se desenvolvem e se disseminam as comunidades virtuais (CV) do ciberespaço. Vinte CV foram investigadas, após a submissão de Coordenador de projetos do Instituto Recôncavo de Tecnologia. Mestre em Ciência da Informação. (PPGCI/UFBA), Bacharel em Engenharia da Computação (UNICAMP). Professor adjunto do Departamento de Fundamentos e Processos Informacionais (DFPI/ICI/UFBA) e do PPGCI/UFBA. Doutor em Ciência da Informação (UFRJ-ECO/IBICT-DEP, 2002).

2 questionários para seus criadores e participantes. Adotando um viés sócio-humanista e abordagem dialética materialista, buscamos refletir também sobre os processos informacionais que ocorrem nestas comunidades, a formação da inteligência coletiva e a possível contribuição das CV para a evolução à Sociedade do Conhecimento. 1 A fundamentação teórica da pesquisa envolveu uma caracterização da Sociedade em Rede e da Sociedade do Conhecimento, além da apresentação de conceitos referenciados ao longo da dissertação, como conhecimento, informação, ciberespaço e comunidades virtuais. Para a seleção das CV investigadas, nos baseamos na classificação tipológica de Henri e Pudelko (2003), e propomos uma revisão desta classificação acrescentando o conceito de Comunidades Virtuais de Conhecimento (CVC) para denominar as comunidades relacionadas a questões sociais ou ambientais, cuja intenção de formação está relacionada ao compromisso de transformação da sociedade, e cujo envolvimento entre os participantes se caracteriza pelo forte senso de cidadania. A pesquisa de campo permitiu verificar a classificação de CV adotada, analisar aspectos gerais sobre as CV investigadas, compreender como os participantes chegaram às CV e quais suas ferramentas favoritas, além das dificuldades enfrentadas pelos criadores de comunidades e as formas de estímulo à interatividade e à participação. Neste artigo apresentamos os principais conceitos da fundamentação teórica adotada, uma síntese da reflexão sobre o ciberespaço e a inteligência coletiva, o modelo de classificação de CV adotado e um resumo dos resultados obtidos na pesquisa de campo. 2 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Ao iniciarmos a pesquisa percebemos a necessidade de analisar os principais aspectos que definem a Sociedade em Rede, por entendermos que o advento das CV está inserido no contexto social que caracteriza as redes como nova forma de organização da sociedade contemporânea. A partir do estudo de Castells (1999), Capra (2002) e outros autores, identificamos aspectos como a importância das TIC e do conhecimento técnico-científico, o surgimento de uma economia informacional em escala planetária (que se torna mais poderosa que o próprio fluxo material), e a influência das redes de informação nas relações sociais, culturais e políticas. Corroboramos, 1 Cf. Szabó, A dissertação resultou também na publicação de três artigos em periódicos da área (SZABÓ; SILVA; 2006a; 2007a; 2007c), e apresentações de trabalhos no VI ICOM (2006, em Havana, Cuba), no VII ENANCIB (2007, em Salvador, Brasil) e no ISKO France (2009, em Lyon), dentre outras. Um pôster sobre a pesquisa recebeu menção honrosa em 2008, no Seminário Interativo Ensino, Pesquisa e Extensão, da UFBA.

3 entretanto, com a opinião de autores como Schiller (1999) e Webster (2002), que afirmam que a Sociedade em Rede não se trata de um rompimento em relação à Sociedade Industrial, visto que continua baseada nas mesmas relações de lucro e de estratificação social daquela fase do capitalismo. Em nossa fundamentação teórica apresentamos as definições adotadas para os conceitos de informação e conhecimento, que consideramos de grande relevância para estudos na área da Ciência da Informação. O modelo ativista do conhecimento de Schaff (1986) propõe que a construção do conhecimento se dá por meio da prática social do sujeito que apreende o objeto pela sua atividade. Este modelo nos foi útil por conceber o conhecimento como um processo interativo e infinito de acúmulo de verdades parciais, que aplicamos à construção do conhecimento no ciberespaço. A adoção do conceito de informação proposto por Silva (2006), como processo associado à possibilidade de ampliação da consciência acerca da possibilidade de conhecer e agir, significou um passo importante no direcionamento da pesquisa para a investigação da possível contribuição das interações humanas nas CV para a transformação humanista da sociedade. Isto se deve ao fato de tal proposta conceitual enfatizar a ação social transformadora como resultado da ampliação da consciência possibilitada pelos processos informacionais. Apoiamo-nos no conceito proposto pela UNESCO (2005), para investigar a possível contribuição das CV para a evolução à Sociedade do Conhecimento. O Informe Mundial da Unesco afirma que: A Sociedade do Conhecimento pode ser considerada uma evolução da Sociedade em Rede, que propicia uma melhor tomada de consciência dos problemas mundiais. Os prejuízos causados ao meio ambiente, os riscos tecnológicos, as crises econômicas e a pobreza são elementos que se podem tratar melhor mediante a cooperação internacional e a colaboração científica. (UNESCO, 2005, p. 20). Optamos inicialmente por um conceito de CV construído com base nas idéias de Rheingold (1996) e Lévy (1999), como os agregados sociais que surgem na rede a partir das interações de indivíduos que, independente de suas localizações geográficas, trocam impressões e saberes sobre determinado tema de interesse de forma constante, possibilitando o conhecimento e a ação em decorrência destas interações. A leitura de Lévy (1999) nos fez perceber o ciberespaço como um movimento social sobre a tecnologia, uma prática de comunicação interativa e comunitária, a única que permite a

4 comunicação de muitos para muitos em escala global. Por reunir essas características, o ciberespaço se diferencia de outros meios de comunicação de massa, oferecendo uma alternativa à dominação da indústria cultural (FREITAG, 1986) e permitindo a pluralidade do discurso. Aí está a semente da inteligência coletiva. A partir do estudo da dialética materialista, compreendemos que, de acordo com esta abordagem, a contradição consiste na fonte do movimento e do processo de transformação da natureza, da sociedade humana e do pensamento, como afirma Engels (1963). A opção pela abordagem dialética materialista representou a busca pela interpretação do uso da internet a partir de suas contradições e das forças de transformação da sociedade que delas surgem. Dyer- Witheford (1999) destacou que, ao impulsionar o modelo transnacional do capitalismo, o uso das TIC, e em especial da internet, cria também um ambiente apropriado para o surgimento de movimentos sociais que contestam e propõem alternativas a este modelo sócio-econômico. Com base na abordagem dialética materialista e na fundamentação teórica constituída, enfatizamos na pesquisa a investigação de exemplos de CV que contradizem a lógica do capitalismo global em seus processos informacionais. Consideramos que, quando a agregação de indivíduos em CV é motivada por questões sociais, de saúde pública, distribuição de renda ou preservação ambiental, caracteriza-se o uso do ciberespaço por um movimento social transformador. Neste caso os processos informacionais que ocorrem nas CV favorecem a ampliação da consciência humana acerca da possibilidade de conhecer e de agir, em um movimento contrário à lógica capitalista, voltado para a superação dos problemas de nossa sociedade. E compreendemos a inteligência coletiva como uma formação associada a esse movimento, que conecta os saberes e a criatividade humana em uma escala planetária. 3 O MODELO DE CLASSIFICAÇÃO DE COMUNIDADES VIRTUAIS ADOTADO Embora tenhamos optado por enfatizar a investigação de CV ligadas a questões sociais e ambientais, julgamos necessário definir um conjunto mais abrangente para investigação, com o intuito de observar possíveis contradições e semelhanças nos diferentes tipos de CV. Desta forma, se evidenciou a necessidade de adotar um modelo de classificação que nos respaldasse quanto aos critérios de seleção das CV a serem investigadas. A escolha do modelo de Henri e Pudelko (2003) como referência para a classificação se deu pelo fato dos autores associarem tipos de CV a diferentes formas de aprendizado, baseandose na teoria social do aprendizado de Wenger (1998) e por ele aplicada às comunidades de

5 prática. Henri e Pudelko utilizaram como critérios para sua classificação a intenção de formação da CV e o nível de envolvimento entre os participantes. O modelo proposto pelos dois autores é composto de quatro tipos de CV, como pode ser visto na Figura 1. Cada um desses tipos de CV estaria respectivamente num nível mais evoluído em relação ao anterior quanto ao envolvimento entre os participantes e à intenção de formação da CV: - Comunidades de Interesse (CI): é um agregado de pessoas reunidas em torno de um tema de interesse comum. Seus membros participam da comunidade para ampliar o conhecimento por meio da troca de saberes. O objetivo da comunidade de interesse não é dirigido para a produção coletiva, o aprendizado obtido neste tipo de comunidade é mais individual do que coletivo. - Comunidades de Interesse Orientadas a Objetivos (CIO): comunidades que surgem com o intuito de realizar um projeto, visando ao atendimento de uma necessidade específica, e cujos participantes não são agregados de forma aleatória. Uma comunidade deste tipo reúne especialistas recrutados em função de suas competências, e geralmente tem o seu ciclo de vida associado à duração do projeto. - Comunidades Educacionais (CE): é constituída por alunos de uma mesma classe, de uma mesma instituição ou geograficamente dispersos (HENRI; PUDELKO, 2003, p. 481). O objetivo deste tipo de comunidade é o aprendizado através do relacionamento social. Diferente dos outros tipos de comunidades apresentados nesta classificação, a construção do conhecimento em uma comunidade educacional se dá através da orientação de um professor, e está relacionada aos objetivos de um programa educacional. - Comunidades de Prática (CP): são constituídas por pessoas que, no mundo real, já realizam as mesmas atividades profissionais ou compartilham as mesmas condições de trabalho, e que tem na comunidade uma oportunidade de aperfeiçoar suas práticas, reafirmar sua identidade profissional e contribuir para a própria comunidade.

6 Figura 1: Tipos de CV de acordo com os critérios de classificação de Henri e Pudelko Fonte: Henri; Pudelko, 2003, p. 476 (Tradução nossa). Assim como Wenger criou o termo comunidades de prática e analisou sua influência nas organizações, Henri e Pudelko destacaram em sua classificação o envolvimento corporativo e a intenção de formação de CV como aperfeiçoamento da prática profissional dos participantes. Nesse ponto discordamos do modelo de classificação proposto pelos dois autores. O enfoque sócio-humanista da pesquisa fez com que propuséssemos uma revisão do modelo de Henri e Pudelko, incluindo as Comunidades Virtuais de Conhecimento (CVC) na classificação. Estas seriam CV cujo envolvimento entre os participantes está associado ao senso de cidadania, e cuja intenção de formação está relacionada ao compromisso de transformação da sociedade. A proposta de revisão do modelo de Henri e Pudelko, que resultou no modelo de classificação de CV adotado na pesquisa, pode ser visto na Figura 2.

7 Figura 2: Diferentes tipos de CV de acordo com seus vínculos sócio-humanistas (desenvolvida com base em Henri e Pudelko, 2003) Comparando ao modelo de Henri e Pudelko apresentado na Figura 1, este modelo proposto apresenta uma nova configuração axial, no qual a intenção de formação estaria associada ao compromisso de transformação da sociedade (daí denominarmos o eixo horizontal do gráfico, que adaptamos, de intenção de transformação ), e o nível de envolvimento entre os participantes caracterizando-se como senso de pertencimento à sociedade (cidadania), anterior ao pertencimento a um grupo que compartilha uma mesma corporação ou atividade profissional. Além disso incluímos as Comunidades Virtuais de Conhecimento (CVC) no ponto mais alto da escala, e realizamos um reposicionamento das Comunidades Educacionais (CE), à frente das Comunidades de Prática, com base nos resultados obtidos na própria pesquisa de campo realizada. Note-se que o enfoque proposto é de cunho sócio-humanista, em detrimento da abordagem associada ao universo corporativo da proposta de Henri e Pudelko (2003). 4 A PESQUISA DE CAMPO Durante a pesquisa de campo foram investigadas 20 CV que se enquadravam na classificação tipológica adotada, e que atendiam também aos seguintes requisitos: serem brasileiras, ou apresentadas no idioma português, oferecer fórum de discussão, possuir no mínimo

8 100 participantes e estar abertas a novas inscrições. A seguir um resumo dos temas das 20 CV selecionadas, agrupadas entre os tipos previstos pela classificação adotada: Quatro Comunidades de Interesse (CI), relativas às áreas de cinema, medicina alternativa, fotografia e plantas medicinais; Uma Comunidade de Interesse Orientada a Objetivos (CIO), relativa ao estudo e análise do estatuto da pessoa com deficiência; Quatro Comunidades Educacionais (CE), relativas aos estudos escolares da cultura regional brasileira, gestão ambiental, preservação de rios (ecologia), e matemática; Cinco Comunidades de Prática (CP), nas áreas de gestão do conhecimento, meteorologia, formação de professores de Artes, ensino à distância, e intranets e portais; Seis Comunidades Virtuais de Conhecimento (CVC), nas áreas de mídia independente, movimento feminino negro, debates sobre o 3º setor, segurança, cidadania, campanhas de trabalho voluntário, e defesa do meio-ambiente. A Figura 3 apresenta a relação das 20 CV selecionadas para a pesquisa de campo. Em negrito as Comunidades Virtuais de Conhecimento (CVC) investigadas na pesquisa. Figura 3: Comunidades virtuais investigadas durante a pesquisa de campo Foram elaborados dois questionários distintos para a pesquisa de campo, um para criadores e outro para participantes de CV. Os questionários foram respondidos através de

9 ferramenta web, localizada em um sítio gratuito dedicado à hospedagem de questionários de pesquisa (www.my3q.com). A aplicação dos questionários ocorreu entre agosto e outubro de 2007, tendo sido obtidas 17 respostas ao questionário para criadores de CV num percentual de retorno de 68% em relação ao número de questionários submetidos, e 111 respostas de participantes pertencentes a 18 comunidades. Em geral, consideramos que foi obtido êxito no índice de respostas aos questionários. Este êxito demonstra que, apesar de não recomendada por alguns pesquisadores, a coleta de dados por meio de submissão de questionários pela internet é um instrumento de pesquisa que pode trazer bons resultados. Vale destacar que houve a preocupação em utilizar questionários curtos, em HTML, de preenchimento on-line, explorando ao máximo as questões objetivas. E, de modo geral, percebemos que o público que participa de CV está aberto à interação virtual e a colaborar em pesquisas que contribuam para um maior entendimento sobre esta prática de comunicação e sobre o que está sendo construído através da interação entre os participantes das CV. Denominam-se moderadores de uma CV às pessoas que assumem um papel específico na organização da comunidade. Na pesquisa de campo observamos que mais de 90% das CV investigadas possuem moderadores. A Figura 4 apresenta as principais responsabilidades atribuídas aos moderadores das CV, de acordo com 15 criadores de comunidades Administrar a Comunidade (incluir e excluir participantes) Filtrar mensagens e decidir quais devem ser excluídas Responder a perguntas dos participantes Editar textos ou resumos de notícias Lançar questões para gerar discussão Divulgar a comunidade 1 Outras 0 Figura 4: Responsabilidades dos moderadores das CV

10 Verifica-se que há um equilíbrio entre as responsabilidades atribuídas aos moderadores das comunidades, com algum predomínio de atividades diretamente relacionadas à gestão dos participantes da CV. Na pesquisa observamos que, em relação às ferramentas disponibilizadas, os fóruns de discussão e links para documentos diversos são as ferramentas mais frequentemente encontradas nas CV. E são também as ferramentas preferidas pelos participantes, conforme pode ser visto na Figura 5. Figura 5: Ferramentas preferidas por participantes de CV Sobre as dificuldades enfrentadas pelos criadores de CV, as respostas indicaram principalmente a pouca disponibilidade de tempo para o trabalho de moderação, a dificuldade em evitar conflitos entre os participantes, e o desconhecimento de formas para estimular a interação e a adesão de novos participantes, este último justamente um dos assuntos investigados na pesquisa. A partir de nossa observação foi possível constatar que, embora os sítios e ferramentas gratuitos para a hospedagem de CV disponham de diversas ferramentas que estimulam a interação entre os participantes, a criação de ferramentas orientadas aos objetivos específicos de uma CV demanda investimentos. Da mesma forma, as tarefas associadas à moderação podem requerer um nível de dedicação que vai além do trabalho voluntário, exigindo a contratação de pessoal remunerado. Verificamos que, quando ocorrem, esses investimentos são feitos por

11 instituições acadêmicas, ONG ou em alguns casos empresas privadas através de ações de responsabilidade social. Em relação ao estímulo à interação entre os participantes, as técnicas descritas pelos criadores variam desde o envio de boletins on-line com chamadas de tópicos de discussão, até campanhas específicas de acordo com os perfis de participantes. Há casos como o da CV Fórum Digital, sobre fotografia, na qual são realizados concursos fotográficos para estimular a participação. Ou ainda o caso do Grupo de Estudos do Estatuto da Pessoa com Deficiência, em que, ao se inscrever no grupo, o participante automaticamente recebe uma minuta do estatuto, para que possa se integrar às discussões. Em relação às estratégias utilizadas para atrair novos participantes às CV, cerca de 40% dos criadores entrevistados afirmaram que não adotam nenhuma estratégia específica para essa finalidade. Dentre as respostas positivas recebidas, a maioria dos participantes comentou que a CV está associada a um sítio ou portal da internet, que ajuda a divulgar a comunidade. Alguns criadores comentaram também que as comunidades são divulgadas através de cadastro em mecanismos de busca, e por seus próprios membros ( boca-a-boca ). Dentre os criadores de CV que afirmaram utilizar estratégias para a divulgação no mundo real, foram comentadas a divulgação em veículos de comunicação, a distribuição de material impresso em eventos e a realização de encontros presenciais. De acordo com as respostas obtidas no questionário para participantes, os criadores precisam priorizar a divulgação das CV em sítios de busca como o Google, pois 45% dos participantes tomaram conhecimento por meio de buscas. Já a indicação de amigos é a segunda forma que mais atrai novos participantes a uma comunidade, com 24,3% das respostas obtidas. A Figura 6 indica as formas pelas quais os participantes tomaram conhecimento sobre a existência da CV.

12 50,00% 45,00% 40,00% 35,00% 30,00% 45,00% Pesquisa em Sítios de Busca Indicação de amigos Outras 25,00% 20,00% 15,00% 24,30% 15,30% Mensagem encaminhada através de outra comunidade ou grupo de discussão Mensagem de divulgação recebida através da internet 10,00% 5,00% 8,10% 4,50% 2,70% Sugestão ou recomendação da escola/comunidade/ong 0,00% Figura 6: Como os participantes tomaram conhecimento sobre a existência da CV Dedicamos também perguntas dos questionários para a verificação do nível de envolvimento do grupo e a intenção de participação nas CV, como forma de avaliar o modelo de classificação de CV adotado. Apresentamos aqui uma comparação entre as respostas dos criadores e participantes de cada tipo de CV investigado para uma destas perguntas, que questionava os objetivos da CV à qual estavam vinculados. Em geral, nas Comunidades de Interesse (CI) e Comunidades de Prática (CP) investigadas, os objetivos dessas comunidades, segundo seus criadores, consistem na disseminação do tema da CV. Já para os membros, a participação é normalmente motivada pelo aprendizado e pela troca de saberes. No caso das Comunidades Educacionais (CE), percebemos por parte dos criadores uma maior objetividade em relação à concretização dos projetos de aprendizagem, e para os participantes, o objetivo de socialização e compartilhamento do conhecimento. Já para a Comunidade de Interesse Orientada a Objetivos (CIO) e para as Comunidades de Conhecimento (CVC) investigadas, os objetivos das CV para seus criadores envolvem, além do aprendizado, uma preocupação mais efetiva com a possibilidade de ação em prol da sociedade. Isso se verificou nas respostas que descrevem os objetivos das CV pela presença de expressões como organização, busca de soluções e articulação. Nas respostas dos participantes, destaca-se o objetivo de contribuir e encontrar oportunidades de ação.

13 Nota-se, portanto, a partir da análise das respostas, uma tendência entre as CI e CP, tanto por parte dos criadores como por seus participantes, de promover o aprendizado e a troca de saberes. Já entre as CE, CIO e CVC, além do aprendizado, seus objetivos estão mais voltados para a ação social e a cidadania, demonstrando assim coerência com a classificação de CV adotada na pesquisa. Um aspecto importante desta classificação é a idéia das CV poderem evoluir de um tipo para outro, na medida em que se amplia o senso de pertencimento à sociedade e a intenção de transformação social. Na pesquisa nos deparamos com casos de CV como a Brasil Abaixo de Zero, que embora inicialmente pudesse ser considerada uma Comunidade de Prática (CP) de profissionais de meteorologia, podemos dizer que evolui para uma Comunidade de Conhecimento (CVC), ao tratar de temas de interesse da sociedade em geral, como as mudanças climáticas. Apesar de mais da metade dos participantes terem indicado nomes de outras CV que conhecem e/ou participam, a pesquisa não permitiu extrair muitas conclusões a respeito de possíveis associações entre CV formando comunidades mais complexas. Alguns criadores indicaram que a comunidade está associada a CV estrangeiras sobre o mesmo tema, mas não conseguimos observar de forma mais aprofundada estas associações, pois percebemos que isto exigiria um nível de participação que ultrapassaria os objetivos da pesquisa, podendo vir a ser objeto de um estudo específico. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho reuniu aspectos teóricos e resultados da pesquisa realizada sobre comunidades virtuais, que resultou na dissertação apresentada ao PPGCI/UFBA em Na seção de fundamentação teórica apresentamos brevemente o quadro conceitual e a abordagem dialética materialista que adotamos, e que nos permitiram refletir sobre os processos informacionais e a inteligência coletiva no ciberespaço. Em seguida explicamos o modelo de classificação de CV que tomamos como referência, no qual incluímos as Comunidades Virtuais de Conhecimento, e nos baseamos para definir os tipos de CV investigados na pesquisa de campo. Na quarta seção apresentamos uma síntese dos resultados obtidos por meio da investigação das vinte CV selecionadas e da submissão de questionários a seus criadores e participantes. Estamos de acordo com a Unesco quando afirma que em um estágio mais evoluído da sociedade, a humanidade tomará maior consciência sobre os problemas mundiais, e então a

14 cooperação internacional e a colaboração científica para a resolução desses problemas serão muito mais efetivas. Entendemos que os processos informacionais no ciberespaço serão de grande importância para alcançarmos este estágio, pois podem contribuir para a ampliação da consciência humana a partir da inteligência coletiva constituída, resultante de um processo de conexão de saberes e de criatividade em escala global, que possibilita a ação social humanista transformadora. A pesquisa da qual resulta este trabalho nos permitiu testemunhar o uso do ciberespaço por alguns movimentos sociais em prol da articulação de idéias e ações para a construção de uma sociedade mais justa, consciente e equilibrada. Embora o uso da internet para este propósito ainda seja emergente, acreditamos que aí reside o potencial de contribuição do ciberespaço e da inteligência coletiva para a Sociedade do Conhecimento. Uma possível continuação da pesquisa poderá ser o estudo da aplicação de técnicas de estímulo à interação e de estratégias de divulgação observadas na pesquisa de campo a outras Comunidades Virtuais de Conhecimento ligadas a movimentos sociais brasileiros, visando a um maior aproveitamento da possibilidade de interação coletiva através do ciberespaço. THE VIRTUAL KNOWLEDGE: information and collective intelligence in cyberspace ABSTRACT This work is the result of the Master's dissertation submitted in August 2008 to the Post- Graduation in Information Science at the Institute of Information Science, Federal University of Bahia (PPGCI / UFBA). The objective of the research was to study how they develop and spread the virtual communities of cyberspace. Twenty virtual communities (VC) were investigated through the submission of questionnaires to its creators and participants, to identify general aspects of the CV and strategies used to stimulate interaction and promote communities. They also seek to reflect, from a dialectical materialist approach, on the informational processes that occur in these communities, the formation of collective intelligence, and the possible contribution of CV for the evolution of the knowledge society. Adopting a bias socio-humanist and dialectical materialist approach, we analyze the contradictions of using the Internet and propose the concept of Virtual Knowledge Communities (CVC) for the communities where the intention of training is linked to the commitment to transforming society, and whose involvement between participants characterized by a strong sense of citizenship. We reviewed the classification model of virtual communities proposed by Henri Pudelko changing the criteria for classification and adding the CVC to the possible types of virtual communities of the model. The research allowed us to witness the use of cyberspace by social movements that constitute the Knowledge towards a more just society, aware and balanced. We believe that there is the potential contribution of cyberspace for the evolution of the knowledge society.

15 Keywords: Virtual Communities, Virtual Communities of knowledge, Cyberspace, Collective intelligence REFERÊNCIAS CAPRA, Fritjof. As Conexões Ocultas: Ciência para uma Vida Sustentável. São Paulo: Editora Cultrix, CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. v. 1. São Paulo: Paz e Terra, DYER-WITHEFORD, Nick. Cyber Marx: Cycles and Circuits of Struggle in High Technology Capitalism. Chicago: Illinois Press,1999. ENGELS, Friedrich. Anti-Duhring. Paris: Editions Sociales, Apud Schaff, FREITAG, Barbara. A Teoria Crítica: Ontem e hoje. São Paulo: Brasiliense, HENRI, France; PUDELKO, Béatrice. Understanding and analyzing activity and learning in virtual communities. Journal of Computer Assisted Learning, p , LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, RHEINGOLD, Howard. La Comunidad Virtual: Uma Sociedad sin Fronteras. Barcelona: Gedisa Editorial,1996. SCHAFF, Adam. História e Verdade. São Paulo. Martins Fontes, SCHILLER, Dan. Digital capitalism: networking the global market system. Cambridge: MIT Press, SILVA, Rubens R.G. Informação, Ciberespaço e Consciência. Transinformação. Campinas. v. 18, n. 3, p , set./dez., Disponível em: <http://revistas.puccampinas.edu.br/transinfo/include/getdoc.php?id=386&article=181&mode=pdf>. Acesso em: 03 Ago SZABÓ, Inácio. Comunidades virtuais de conhecimento: informação e inteligência coletiva no ciberespaço. Dissertação de Mestrado. Orientador: Rubens Ribeiro Gonçalves da Silva. Salvador: PPGCI/UFBA, 135 p, Disponível em: <http://www.reconcavotecnologia.org.br/sitenovo/portal/portal.do?method=open&session=public acoes&id=33>. Acesso em: 03 Ago SZABÓ, Inácio; SILVA, Rubens R. G. A construção de conhecimento nas comunidades virtuais do ciberespaço. E-Compós, Brasília, v. 7, p. 1-19, 2006a. Disponível em: <http://www.compos.org.br/seer/index.php/e-compos/article/viewfile/116/115>. Acesso em: 08 Ago

16 SZABÓ, Inácio; SILVA, Rubens R. G. Comunidades Virtuais de Conhecimento: Informação e inteligência coletiva no ciberespaço (Pôster). In: Seminário Interativo Ensino, Pesquisa e Extensão, 2008, Salvador. SZABÓ, Inácio; SILVA, Rubens R. G. Informação e inteligência coletiva no ciberespaço: uma abordagem dialética. Ciências & Cognição; Ano 04, v. 11, p , 2007a. Disponível em: <http://www.cienciasecognicao.org/artigos/v11/ html>. Acesso em: 8 Ago SZABÓ, Inácio; SILVA, Rubens R. G. Intelligence collective et Communautés virtuelles de connaissance dans le cyberespace : une étude critique d après Henri et Pudelko. In: 7e Colloque International du Chapitre Français de l ISKO - International Society for Knowledge Organization, Lyon, juin Anais Lyon, França: SZABÓ, Inácio; SILVA, Rubens R. G. La Construcción del Conocimiento en las Comunidades Virtuales del Ciberespacio. In: VI Encuentro Internacional de Investigadores y Estudiosos de la Información y la Comunicación, Anais Havana, Cuba: Universidad de la Havana, 2006b. SZABÓ, Inácio; SILVA, Rubens R. G. Uma abordagem dialética da inteligência coletiva e da informação no ciberespaço. In: VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB), 2007b, Salvador. Anais...Salvador: SZABÓ, Inácio; SILVA, Rubens R. G. Uma revisão da classificação de comunidades virtuais proposta por Henry e Pudelko. Informação & Sociedade. Estudos, v. 17, p , 2007c. Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/835/1586>. Acesso em: 03 Ago UNESCO, Hacia la Sociedad del Conocimiento. Ediciones Unesco, Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001419/141908s.pdf>. Acesso em: 03 Ago WEBSTER, Frank. The Information Society Revisited. In: Lievrouw, L. and Livingstone, S., The Handbook of New Media. Londres: Sage Publications, WENGER, Etienne. Communities of Practice: Learning, Meaning and Identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO INÁCIO SZABÓ

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO INÁCIO SZABÓ UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO INÁCIO SZABÓ COMUNIDADES VIRTUAIS DE CONHECIMENTO: INFORMAÇÃO E INTELIGÊNCIA COLETIVA

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais. São Leopoldo RS maio 2011

Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais. São Leopoldo RS maio 2011 1 Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais São Leopoldo RS maio 2011 Patrícia B. Scherer Bassani Feevale patriciab@feevale.br Setor Educacional:

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS Carlos Eduardo Rocha dos Santos, UNIBAN, carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Gestão de Redes Sociais

Gestão de Redes Sociais Gestão de Redes Sociais Célia Schlithler Introdução Gerir é administrar, dirigir, governar. Então seria este o termo mais apropriado para as redes sociais? Do mesmo modo que governança, este termo está

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

BIBLIOTECÁRIOS E ARQUIVISTAS: NOVOS FAZERES NA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO 1

BIBLIOTECÁRIOS E ARQUIVISTAS: NOVOS FAZERES NA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO 1 BIBLIOTECÁRIOS E ARQUIVISTAS: NOVOS FAZERES NA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO 1 Miriam Vieira da Cunha 2 Resumo Discute as funções do bibliotecário e do arquivista na sociedade do conhecimento. Faz uma reflexão

Leia mais

INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS)

INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS) INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS) Joanita Barros 1, Juliana Sousa 2 1 Bibliotecária, Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME/OPAS/OMS),

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃOEM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL PROCESSO DE SELEÇÃO DE TUTORES CHAMADA PÚBLICA N 5/2014. 1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Oficina de jogos pedagógicos de ensino de ecologia e educação ambiental como estratégia de ensino na formação de professores

Oficina de jogos pedagógicos de ensino de ecologia e educação ambiental como estratégia de ensino na formação de professores Oficina de jogos pedagógicos de ensino de ecologia e educação ambiental como estratégia de ensino na formação de professores Pedagogical games workshop of ecology teaching and environmental education as

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE 1 INTRODUÇÃO

O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE 1 INTRODUÇÃO O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE Lílian Lima de Siqueira MELO Especialista em Gestão e Tecnologia da Informação

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto 1333 USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto Discente do curso de Ciências Contábeis da UNOESTE.

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL. LOPES, Limerce Ferreira

PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL. LOPES, Limerce Ferreira 1 Resumo PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL LOPES, Limerce Ferreira Mestre em Letras e Linguística, Instituto Federal de Goiás/Câmpus Goiânia, limercelopes@hotmail.com

Leia mais

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS Nilton Silveira Domingues Universidade Estadual Paulista (UNESP - Campus de Rio Claro) Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS R E S U M O Ana Paula Domingos Baladeli * Anair Altoé ** O presente trabalho é um recorte da análise de dados realizada em pesquisa de Mestrado

Leia mais

Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva

Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva São Luís/MA - 2007 Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva Wagner Luis MARTINS (1); Silvia Cristina BATISTA (2); Gilmara BARCELOS (3)* (1) Licenciando em Matemática CEFET CAMPOS;

Leia mais

A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação

A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação Marcos A. Betemps 1, Vitor B. Manzke 1, Vera L. Bobrowski 1,2, Rogério A. Freitag 1,3, Cristiano da S. Buss 1 1 Núcleo

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM COMUNIDADES DE PRÁTICA: ASPECTOS TEÓRICOS E

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM COMUNIDADES DE PRÁTICA: ASPECTOS TEÓRICOS E 03 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM COMUNIDADES DE PRÁTICA: ASPECTOS TEÓRICOS E ESTUDOS RECENTES ARTIGOS DE PESQUISA TEACHERS' TRAINING IN COMMUNITIES OF PRACTICE: THEORETICAL ASPECTS AND RECENT RESEARCHES

Leia mais

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade A BUSCA CONTÍNUA DA EXCELÊNCIA DA GESTÃO É O QUE NOS MOVE! A Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) é uma instituição sem fins lucrativos, que conta com uma rede

Leia mais

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ 1 AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ Autor(es) e instituição: Prof. Ms. Érica Pereira Neto Prof. Ms. Márcio Cabral da Silva

Leia mais

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA MILHOMEM, André Luiz Borges; GENTIL, Heloisa Salles; AYRES, Sandra Regina Braz. Balanço de Produção Científica: A utilização das TICs como ferramenta de pesquisa acadêmica. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

REDE DE CAPACITAÇÃO: FORMANDO PROFESSORES PARA USO PEDAGÓGICO DA INTERNET.

REDE DE CAPACITAÇÃO: FORMANDO PROFESSORES PARA USO PEDAGÓGICO DA INTERNET. 1 REDE DE CAPACITAÇÃO: FORMANDO PROFESSORES PARA USO PEDAGÓGICO DA INTERNET. 04/2007 Priscila Gonsales CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária / EDUCAREDE (educarede@cenpec.org.br)

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió

A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió Lívia Maria Omena da Silva liviamariaomena@gmail.com CESMAC Alexa Luiza Santos Farias alexafarias1@hotmail.com

Leia mais

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DA REDE COLABORATIVA Construçãoo de Saberes no Ensino Médio ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO CMRJ - 2010 2 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Exemplo de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino As Redes Sociais Virtuais são grupos ou espaços específicos na Internet, que permitem partilhar dados e informações, sendo estas de caráter geral

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DOS CONSELHOS ESCOLARES EDITAL Nº.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DOS CONSELHOS ESCOLARES EDITAL Nº. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DOS CONSELHOS ESCOLARES EDITAL Nº. 01/2015 SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE CURSISTAS Seleção de

Leia mais

GUIA PRA TICO DO ALUNO

GUIA PRA TICO DO ALUNO GUIA PRA TICO DO ALUNO Sistema de Avaliação, Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA e Portal ÚNICO Guia prático e de conhecimento do Sistema de Avaliação, utilização das ferramentas tecnológicas Ambiente

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA INTRODUÇÃO Silvane Santos Souza(UNEB/Lusófona) No contexto atual em que a educação encontra-se inserida, surgem muitas inquietações

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

TRABALHO DE AVALIAÇÃO DO SITE EDUCA REDE

TRABALHO DE AVALIAÇÃO DO SITE EDUCA REDE TRABALHO DE AVALIAÇÃO DO SITE EDUCA REDE Instituto de Artes - Unicamp AM540 Multimeios e Educação Prof. José Armando Valente Aluno: Flaminio de Oliveira Rangel 1- Introdução Uma análise consistente deve

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE SALAS DE BATE PAPO NA DIVULGAÇÃO E ENSINO DE ASTRONOMIA

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE SALAS DE BATE PAPO NA DIVULGAÇÃO E ENSINO DE ASTRONOMIA 1 ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE SALAS DE BATE PAPO NA DIVULGAÇÃO E ENSINO DE ASTRONOMIA 05/2005 165-TC-F2 MARCOS ROGÉRIO CALIL Escola do Futuro da USP marcos@futuro.usp.br MARCELA ELENA FEJES Escola do Futuro

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR

CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR Jose Lucas dos Santos Oliveira Universidade Federal de Campina Grade UFCG - Patos, Paraíba. e-mail: lucasoliveira.ufcg@gmail.com

Leia mais

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Maio 2007 na Lúcia Tinoco - UNICSUL ana.cabral@unicsul.br Carlos Fernando

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) 2- FÓRUM O fórum serve para avaliar os alunos através da participação na discussão sobre um ou mais assuntos, inserção de textos ou arquivos. Os fóruns de discussão compõem uma

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula.

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. 01_IN_CA_FolderTecnico180x230_capa.indd 3 sonhando com uma nova escola e uma nova sociedade 7/24/13 2:16 PM comunidade de

Leia mais

Palavras chave: Design participativo, currículo, aprendizagem colaborativa.

Palavras chave: Design participativo, currículo, aprendizagem colaborativa. NOVOS ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM: O DESIGN PARTICIPATIVO DO SITE PROJETO PROEJA-TRANSIARTE Dr. Lúcio França Teles - PPGE-UnB Maria do Socorro Lima - PPGE-UnB Financiamento OBEDUC /CAPES Resumo As redes sociais

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

O PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) DO PARANÁ NA VISÃO DO PROFESSOR PARTICIPANTE

O PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) DO PARANÁ NA VISÃO DO PROFESSOR PARTICIPANTE O PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) DO PARANÁ NA VISÃO DO PROFESSOR PARTICIPANTE ANA CLAUDIA BIZ 1 Resumo: Este artigo traz alguns aspectos significativos sobre o Programa de Desenvolvimento

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

Redes Digitais de Sociabilidade: Educomunicação e os Processos Colaborativos de Aprendizagem nas Universidades.

Redes Digitais de Sociabilidade: Educomunicação e os Processos Colaborativos de Aprendizagem nas Universidades. Redes Digitais de Sociabilidade: Educomunicação e os Processos Colaborativos de Aprendizagem nas Universidades. Sociability of Digital Networks: Educommunication and Collaborative Processes Learning in

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

LINGUAGEM LOGO E A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

LINGUAGEM LOGO E A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO LINGUAGEM LOGO E A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Resumo POCRIFKA, Dagmar Heil - SME dpocrifka@sme.curitiba.pr.gov.br SANTOS, Taís Wojciechowski SME taissantos@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático: Comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE FILOSOFIA PARA O ENSINO MÉDIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE FILOSOFIA PARA O ENSINO MÉDIO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE FILOSOFIA PARA O ENSINO MÉDIO PROCESSO DE SELEÇÃO DE TUTORES CHAMADA PÚBLICA Nº 7/2014. 1. DAS

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Desenvolvimento de serviços inovadores em bibliotecas PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação pública (Projeto) PPG-AU/UFBA Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo 1 Contexto e justificativa Odesenvolvimento

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 2014. Normas para inscrição de trabalhos

SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 2014. Normas para inscrição de trabalhos SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 2014 Normas para inscrição de trabalhos 1. Disposições Gerais A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação, no uso das atribuições que lhe são conferidas, comunica as normas e condições

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 Manual do Moodle para alunos (Versão 1.0) 29/Junho/2009 Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 O que é?... 3 Acesso... 4 Atualizando suas informações... 4 Enviando Mensagens... 5 Acessando os seus cursos...

Leia mais

Alfabetização Digital

Alfabetização Digital Ferramentas de interação e sua utilização pedagógica nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem evidenciando o papel do professor e do estudante Prof. Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura Prof. Antônio

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) Isléia Rössler Streit Universidade de Passo Fundo istreit@upf.br Resumo: A evolução tecnológica das últimas duas

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Congresso de Métodos Numéricos em Engenharia 2015 Lisboa, 29 de Junho a 2 de Julho, 2015 APMTAC, Portugal, 2015 PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Thiago M. R. Dias 1, Elton

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana

POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana RESUMO Este artigo apresenta um projeto de pesquisa para elaboração

Leia mais

O AMBIENTE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO

O AMBIENTE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO O AMBIENTE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO Prof. Marcus Salerno de Aquino Universidade Federal da Paraíba/Centro de Ciências e Tecnologia CCT/UFPB salerno@dsc.ufpb.br Prof.

Leia mais

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social 1 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 DESENVOLVIMENTO... 5 4 CONCLUSÃO... 11 5 REFERÊNCIA... 11 TABELA DE FIGURAS Figura

Leia mais

Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição

Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição Projeto PNE Sports Foto: André Valentim / Banco de Imagens Petrobras ÍNDICE APRESENTAÇÃO 06 INSCRIÇÃO 12 Passo a passo para Inscrição 13 TECNOLOGIA

Leia mais

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Cristiana Elisa Aguiar Ribeiro (UFMG) Jaime Sadao Yamassaki Bastos (IBMEC-MG) Resumo: Este

Leia mais

PROJETO 2. 1. Identificação do projeto

PROJETO 2. 1. Identificação do projeto PROJETO 2 1. Identificação do projeto Título:Ensino de bioquímica e biologia molecular a partir de "situações cotidiana" utilizando as tecnologias da informação Responsável:Dr. Carlos Eduardo da Rosa Vínculo

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais