A História do turismo na Madeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A História do turismo na Madeira"

Transcrição

1 A História do turismo na Madeira Alguns Dados para uma Breve Reflexão Alberto Vieira 1 Nos últimos anos a investigação histórica em torno do turismo vem ganhando inúmeros adeptos e o tema tornou-se já um tema de debate e investigação no mundo académico. As escolas universitárias, por força da exigência do trabalho científico têm sido os principais areópagos. Isto acontece seja na Europa, seja na América do Sul. Uma leitura mais atenta de alguma da leitura revela que a Madeira quase não faz parte do universo do turismo. Será que o turismo madeirense não tem direito a figurar nos anais da História Universal? 1. A HISTÓRIA DO TURISMO NA MADEIRA UMA QUESTÃO A DEBATER E ESTUDAR Os arquipélagos da Madeira e Canárias assumem uma posição particular no contexto do turismo e sua História. Foi um das primeiras regiões turísticas do mundo, mantendo uma constância de afirmação do sector desde o século XVIII até ao presente. Poucas regiões turísticas assumiram tal constância. A hospitalidade madeirense, uma referência histórica desde o século XV, contribuiu para firmar a posição. O fenómeno afirmou-se de forma espontânea a partir do século XVIII e obrigou as autoridades e sociedade civil a criarem condições para a recepção de todos os forasteiros. Assim, as infra-estruturas de apoio ao turismo surgem por força da constante presença dos estrangeiros, na condição de doentes, cientistas e aventureiro. No caso da Madeira é insistente a ideia de que a actividade tem mais de 200 anos, mas faltam estudos, publicações, debates de carácter histórico para que aquilo que para nós é grandioso, não se limite apenas ao nosso universo histórico e seja algo do domínio de todos. Compulsados muitos estudos sobre a História do Turismo, que surgiram nos últimos anos, não 1 Ceha (Madeira) 95

2 se vê reflectido o papel da ilha na História do Turismo. Tudo isto acontece por desconhecimento, mas acima de tudo por falta de divulgação do real protagonismo madeirense, através de estudos para o público em geral e o mundo académico. Na verdade, temos mais duzentos de actividade turística, mas faz falta um museu que seja o reflexo da realidade e estudos, que são escassos para não dizer inexistentes. Noutras regiões a presença de espaços museológicos ou comunidade científica e académica empenhada na pesquisa e divulgação do tema têm contribuído para a afirmação do real protagonismos e o alcançar dum lugar, por vezes indevido, nos anais da História do Turismo 2. Em História quem não aparece, não existe e perde o lugar que de direito merece e lhe pertence. Temos que nos afirmar pela positiva, impondo no nosso entorno e fora dele aquilo que fomos. A História faz-se e afirma-se pelo discurso, com abertura à divulgação da informação e documentos que lhe dão suporte. A história do Turismo na Madeira pode e deve ser escrita de forma dourada e assumir um lugar de relevo nos anais do Turismo em geral, mas para que isso aconteça há ainda um longo caminho a percorrer. O Turismo deve também afirmar-se pela investigação histórica e a própria realidade pode ainda ser um dos motivos que nos diferencia dos demais como um espaço singular. Mas, a história só tem lugar se for estudada, debatida, publicada e divulgada. É isso que faz falta. A literatura sobre a História do turismo faz parte duma das opções obrigatórias de compra e leitura de livros. Nos últimos tempos as frequentes viagens ao Brasil conduziram-nos à descoberta da literatura sobre o tema na América do Sul. No Brasil, onde o estudo do fenómeno turístico, nalguns casos como o de Santa Catarina muito recente, induz, por vezes a ideia do pioneirismo da indústria 3. Em muitos dos estudos por nós consultados não há qualquer referência à Madeira, ao contrário do que sucede com outros espaços de França ou Itália. 2 Para os Açores e as Canárias temos já diversos estudos, enquanto para a Madeira apenas podemos assinalar alguns apontamentos e referências isoladas ao tema, faltando uma História do Turismo no Arquipélago. Para os Açores podemos assinalar: Ricardo Manuel Madruga da Costa, Açores. Western Islands. Um Contributo para o Estudo do Turismo nos Açores, Horta, Manuel Ferreira, Turismo em S. Miguel. 100 anos, Ponta Delgada, Para as Canárias o inúmero de estudos é vasto podendo-se salientar os seguintes: González Lemus, Nicolás, El turismo en la historia de Canarias: viajeros y turistas desde la antigüedad hasta nuestros dias, [Santa Cruz de Tenerife], 2002, Idem, Idem, Puerto de la Cruz y el nacimiento del turismo en Canarias: apuntes para una interpretación, Puerto de la Cruz, 1999, Idem. El Puerto de la Cruz : de ciudad portuaria a turística, Puerto de la Cruz, 2005; Guimerá Ravina, Agustín: El Hotel Taoro: cien años de turismo en Tenerife ( ), Santa Cruz de Tenerife, Cf. Mário Jorge Pires, Raízes do Turismo no Brasil, São Paulo, Alberto Vieira

3 Por outro lado temos que insistir na ideia de que os percursos do turismo na actualidade são bem distintos do passado. Hoje, o turismo pode muito bem dizer-se que se afirma como um meio de encontro e partilha de homens e culturas. E, sem duvida, uma actividade privilegiada em que o lazer se associa a um processo de humanização e inter-acção cultural. O turismo pode e deve ser um meio de potenciar a identidade local, através da afirmação dos usos e costumes, da cultura e património, do orgulho. As motivações da viagem não foram nem poderão ser sempre as mesmas. A cada sociedade ou época correspondem determinadas aspirações. Mas, chegados ao destino, o que comandará a solicitação dos visitantes tem a ver com aquilo que nos diferencia em relação aos demais no entorno que nos rodeia. A paisagem como factor de deleite e conhecimento científico, a cultura, a História, as tradições estarão sempre na linha da frente das prioridades da busca do forasteiro. Os testemunhos da intervenção dos produtos agrícolas ainda são abundantes e por isso mesmo merecem atenção. Por outro lado os antepassados clamam a uma necessária homenagem assente na trifuncionalidade agrícola que os empenhou e acalentou os mais de quinhentos anos. Os restos de eiras, engenhos, lagares, armazéns e vivendas solarengas, disseminados por toda a ilha, merecem atenção e o acolhimento do visitante. Para isso seria necessário a elaboração de um roteiro turístico dos valores patrimoniais, devidamente enquadrados na realidade social e económica. Só assim será possível manter o elo que nos liga ao passado económico e contribuir para consolidar a aposta no turismo. A Madeira adquiriu uma posição desusada no ranking da comunidade científica. A ilha continua a fascinar cientistas e visitantes. O clima, o endemismo, as particularidades do processo histórico, o protagonismo na História do Atlântico fazem dela, ontem como hoje, um pólo chave para o conhecimento científico. Hoje é tema de debate nos diversos areópagos científicos e cada vez mais se sentem o apelo da comunidade científica para o conhecimento e divulgação. Tudo isto vai ao encontro daquilo que foi a História do arquipélago. Porque não buscar vias de rentabilizar esta ideia em termos do turismo? O passado histórico da ilha, relevado quase sempre pelos aspectos económicos e sociais, esquece uma componente fundamental, a inovação e divulgação tecnológica que transformou a rotina das tarefas económicas e revolucionou o quotidiano dos avoengos. Mais do que isso, o madeirense, além de exímio inventor na inevitável tarefa de encontrar solução para as questões e dificuldades do dia a dia, foi também um eficaz divulgador da A História do turismo na Madeira 97

4 tecnologia. A Madeira foi a primeira terra revelada do novo mundo, escala para a navegação e expansão dos produtos europeus no mundo atlântico. Com o século XVIII a ilha transformou-se em escala obrigatória das expedições científicas que fizeram saciar a curiosidade inata do Homem das Luzes. Também a Madeira foi palco por onde passaram destacadas personalidades oriundas da aristocracia e casas reais europeias, de políticos, cientistas, escritores, actores e cineastas. Por toda a ilha é fácil encontrar recantos que recordam a presença. Que fazemos para valorizar a presença como motivo e atracção turística? A viagem, por necessidade ou lazer, impõe-se como um facto do nosso quotidiano. Hoje, mais do que nunca, o turismo é uma indústria dominadora que serve, ao mesmo tempo, de suporte à viagem e de angariador de viajantes. A viagem seduz o cidadão e, poucos serão aqueles que, ainda que em sonho, não tenham viajado. As necessidades económicas, politicas e religiosas fazem com que esse ancestral espírito aventureiro se afirme. A viagem é sinónimo de progresso, de afirmação e quebra da insularidade real ou política, aproxima o Homem, culturas, civilizações. A Madeira foi fruidora no bom sentido da aventura atlântica. Para que a viagem se torne uma realidade não basta a tendência errante, pois só tem lugar quando existem os meios e os motivos que a justificam. Até a inesperada viagem de Robert Machim e Ana Arfet à Madeira, teve uma motivação de base e condições materiais que propiciaram a concretização. Hoje insiste-se muito na ideia de que o turismo surgiu a partir de meados do século XIX, sendo as iniciativas do pastor baptista Thomas Cook o marco a partir do qual se baliza a actividade. Mas como podemos esquecer as Mémoires d un touriste (1838) de Stendhal e o caso particular da Madeira. Será que deveremos ignorar toda a realidade anterior ao século XIX, porque não foi de iniciativa britânica? Os britânicos sempre procuraram definir tudo a partir do seu universo de memórias. Daí a valorização na literatura do grand tour do século XVII e das novidades da indústria desde meados do século XIX 4. Na Antiguidade, sabemos da existência de guias de viagem (periegeses) muito ironizados por Heródoto e Plutarco. Epidauro refere-nos o turismo terapêutico na cidade de Esculápio o deus da cura. Que diferença existe entre as peregrinações religiosas e o turismo? Para alguns apenas o número de pessoas envolvidas. Na verdade, são múltiplas as motivações geradoras 4 Cf. Miriam Rejowski (organizadora), Turismo no Percurso do Tempo, São Paulo, 2002; Marc Boyer, História do Turismo de Massa, São Paulo, Alberto Vieira

5 do fenómeno turístico, que mudam com o correr dos tempos. Na década de sessenta do século XX, por exemplo, insistia-se no chamado turismo dos três SSS, isto é: sun, sand, sex. Hoje as motivações serão outras, como se pode constatar 5. A. Sigfried dizia em 1955 que o século XX era definitivamente o século do Turismo. Mas para nós que ultrapassámos a barreira da centúria ficanos a ideia de que isso só se concretiza em pleno na actualidade, em que o direito à preguiça, proclamado em 1883 por Lafargue, genro de Karl Marx, é um direito adquirido de todos e o sector ganha uma posição destacada na economia mundial e de muitas regiões como a Madeira. O século XXI será, sem dúvida, o momento da plena e universal afirmação do turismo. 2. A HISTÓRIA DO TURISMO MADEIRA QUESTÕES FUNDAMENTAIS Alguém terá dito que os iniciais promotores do turismo insular foram os gregos, mas os primeiros turistas foram, sem dúvida, ingleses. Os gregos celebraram, na prolixa criação literária, as delícias das ilhas situadas além das colunas de Hércules. Os arquipélagos da Madeira e Canárias são mitologicamente considerados a mansão dos deuses, o jardim das delícias, onde eles convivem com os heróis da mitologia. Foram os ingleses, ainda que muito mais tarde, a desfrutar da ambiência paradisíaca, reservada aos deuses e heróis, escolhendo-as como rincão de perma nência, breve ou prolongada. Diz-se até que a primeira viagem de núpcias, embora ocasional, terá sido protagonizada por um casal in glês. Mais uma vez a lenda que ficou conhecida como de Machim O ilhéu, autêntico cabouqueiro e jardineiro deste rincão, estava por demais embrenhado na árdua tarefa de erguer paredes e arrotear os poios, e por isso mantinha-se alheio às delícias. A beleza agreste dos declives não passava de mais um entrave na luta contra a natureza. Enquanto o madeirense cavava e traçava os poios o inglês entretinha-se nos passeios a cavalo ou em rede pe los mais recônditos locais da ilha. A verdadeira descoberta da Madeira foi obra dos ingleses. O português descobriu apenas o caminho para cá chegar. A Europa oferecia ao aristocrata britânico motivos para o grand tour cultural 6, mas a Madeira tinha algo diferente para dar, quando não lhe pro- 5 Cf. Miriam Rejowski (organizadora), Turismo no Percurso do Tempo, São Paulo, Paul Franklim Kirby, The Grand Tour in Italy( ), Londres, 1952; Jeremy Back, The British and the Grand Tour, Londres, 1985, Idem, The Grand Tour in the Eighteenth century, A História do turismo na Madeira 99

6 piciava a recriação dos mitos da antiguidade clássica e reservava-lhe um ambiente paradisíaco e calmo para o descanso, ou, como sucede no século XVIII, o laboratório ideal para os estudos científicos. Os ingleses foram pioneiros nas expedições científicas, como foram também os primeiros a descobrir as qualidades terapêuticas do clima e a deleitar-se com as paisagens. A Madeira cedo ganhou o epíteto de estância turística do espaço atlântico, firmando-se como um espaço destacado da história do turismo no Ocidente 7. A revelação da Madeira como estância de turismo terapêutico aconteceu a partir da segunda metade do século XVII. As qualidades profiláticas do clima na cura da tuberculose cativaram a atenção de novos forasteiros. Foi a busca da cura para a tísica que propiciou aos madeirenses o convívio com poetas, escritores, políticos e aristocratas. Não obstante a po lémica causada em torno destas reais possibilidades de cura, a ilha permaneceu por muito tempo como local de acolhimento dos doentes, sendo considerada a primeira e principal estância de cura e convalescença do velho continente 8. Londres, Sobre o turismo: Luísa Filipa Aguiar, Os Carros do Monte, in Islenha, 18, 1996, 39-48; Agostinho Cardoso, A Madeira e o Turismo Nacional, Funchal, 1964; Alberto F. Gomes, O Caminho de Ferro Americano, 1960, Das Artes e da História da Madeira, Vol. V, Nº 30, pp ; Idem, Documentos inéditos sobre o exílio de Carlos de Habsburgo na Madeira, Das Artes e da História da Madeira, VI, Nº 32, 1962, pp.22-31; Dr. Álvaro Reis Gomes, A ilha da Madeira vista por grandes nomes das letras Nacionais e estrangeiras, Das Artes e da História da Madeira, vol. VII, Nº 38,196?, pp ; Albino Pina Ribeiro, Irmã Wilson Vida Testemunhos Cartas, 2.ª Edição, Edição das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias, Março de 2000; António Ribeiro Marques da Silva, Os inícios do turismo na Madeira e nas Canárias. O domínio inglês, II Colóquio Internacional de História da Madeira 1990 pp. 469; Iolanda Silva, A Madeira e o Turismo. Pequeno Esboço Histórico, Funchal, 1985; J. Ezequiel Veloza, Hospital para tuberculosos no sítio da Casa Branca, S. Martinho, Das Artes e da História da Madeira, 1949, p. 341; Dr. Elmano Vieira, A Madeira nas estampas da primeira metade do século XIX, Das Artes e da História da Madeira, Vol. I, Nº 2, 1950, pp ; Maria da Conceição Vilhena, Estrangeiros na Madeira: Platon de Waxel, um russo apaixonado pela cultura portuguesa, Islenha, N.º 11, 1992, pp. 5-15; Eberhard Axel Wilhelm, Visitantes de língua alemã na Madeira ( ), Islenha, Nº 6,1990, pp ; Idem, A Madeira entre 1850 e 1900 uma estância de tísicos germânicos, Islenha, Nº 13, 1993, pp Idem, Hamburgueses falecidos na Madeira ( ), Islenha, 20, 1997, pp.64-68; Idem, Visitantes e Escritos Germânicos na Madeira , Funchal, DRAC, 1997; João Cabral do Nascimento, Estampas Antigas da Madeira: Paisagem-costumes-traje-edifíciosmarinhas, Funchal, 1935; idem, Estampas Antigas com Assuntos Madeirenses, in Arquivo Histórico da Madeira [AHM], Vol. II 1933, IV, Diogo de Macedo, Notas sobre Pintores Portugueses que Estiveram na Madeira, in AHM, VII, João Camacho Pereira, Colecção de Gravuras Portuguesas, V Série: Ilha da Madeira, Lisboa, Não será por acaso que muitos guias do século XIX dão especial atenção ao clima e existem numerosa bibliografia: Adams, J. A., Guide to Madeira With an Account of the Climate, Lisboa, 1801; idem, Observations on Pulmonary Consumption and on the Utility of the Climate of Madeira. Publicado em Extract of the Medical & Physical Journal. Abril de 1801; Francisco António Barral, Noticia sobre o clima do Funchal e sua influência no tratamento da tisica pulmo- 100 Alberto Vieira

7 A partir da segunda metade do século dezoito foi a revelação da Madeira como estância para o turismo terapêutico, mercê das qualidades profiláticas do clima na cura da tuberculose, o que cativou a atenção de novos forasteiros. A tísica propiciou-nos, ao longo do século dezanove, o convívio com poetas, escritores, políticos e aristocratas. Não obstante a po lémica causada nar, Lisboa: Academia Real das Sciencias de Lisboa, 1854; idem, Le Climat de Madère et son Influence Thérapeutique sur Ia Phithisie Pulmonaire, Paris: J. B. Baillière et Fils, Libbraires de I Académie Impériale de Médicine, 1858; James Mackenzie Bloxam,. The Climate of the Island of Madeira, or the errors & misrepresentations on this subject contained in a recent work on climate, Lodon, T. Richards, 1855; Castelo Branco, Hugo Carvalho de Lacerda. Le climat de Madère. Ebauche dun étude comparative. Le meilleur climat du Monde. Station fixe et Ia plus belle d Hiver, Funchal, 1936 (2ª ed. em 1938); James Clark, The influence of climate in the prevention and cure of chronic diseases, more particulary of the chest and digestive organs: Comprising an account of the principal places resorted to try invalids in England, the South of Europe. Londres: Thomas and George Underwood, 1830; John Driver, Letters from Madeira in 1834; With an Appendix Illustrative of the History of the Island, Climate, Wines and other information up to the year Londres, Longman and Co. Liverpool; J. F. Cannell, 1838; John Driver, Co-aut. A Treatise on the Climate and Meteorology of Madeira, London: John Churchill. Liverpool, Deighton And Laughton, 1850; William Gourlay, Observations on the Natural History, Climate and Diseases of Madeira, during a Period of Eightenn Years. Londres, 1811; Michael Comport Grabham, The Climate anda resources of Madeira as regarding chiefly the necessities of consumption and the welfare of Invalids. By Michael C. Grabham, M. D., F. R. G. S. London: John Churchill & Sons, 1870; Henri Halmes, Études sur le Climat de Madère et la Phthisle. Na Gazette Médicale de Paris ; Charles Heineken, Observations of Climate of Madeira. Em Medical Repository, Vol. XII. Londres, 1824 e Philosophical Magazine, Londres 1827; Alberto Figueira Jardim,Trad. the Climate of Madeira, with a comparative study, Funchal: Delegação de Turismo da Madeira, 1938; James Yate Johnson, Ed. lit, Madeira its climate and scenery. A hand-book for invalid and other visitors, Edimburgh: Adam and Charles Black, 1857; Macé de Lepinay, Quelques notes sur le Climat e les Sources Minérales de Madère et des Açores, in Annales de la Société D Hidrologie et de Climatologie Médicales. Paris, 1936; G. Lund, The Climate of the Island of Madeira. Londres, ; Lyall,Rambles in Madeira and in Portugal in the early part of 1826 witch an appendix of details, illustrative of the health, climate, produce, and civil History of the Island. London: Printed for C. and. J. Rivington, 1827; James Macaulay, Notes on the Physical Geography, Geology and Climate of the island of Madeira, in Edinburgh new Philosophical Journal. Outubro de 1840; João Augusto Martins, A Madeira e o seu clima, Lisboa: Imprensa Nacional, Sep, do Boletim da Sociedade de Geographia de Lisboa; J. A. MASON e outros, A Treatise on the Climate and Meteorology of Madeira, London, John Churchill. Liverpool, Deighton and Laughton, 1850; Armando da Cunha Narciso, Les Climats de Portugal. 1934; idem, Le climat de Madère et ses effects thérapeutiques. Porto: Tip. da Enciclopédia Portuguesa, Ld.ª [1935?]. Sep. do Nº 4 Vol. XVIII, Avril de 1934 (pag. 158 a 161) de Portugal Medico; Georg Peacock, A Treatise on the Climate and Meteorology of Madeira, London, John Churchill. Liverpool, Deighton And Laughton, César Augusto Mourão Pitta, Du climat de Madère et de son influence therapeutique dans le traitement des maladies chroniques en géneral et en particulier de la phthisie pulmonaire, Montpellier, Typ. de Boehm, César Augusto Mourão Pitta, Madère, Station Médicale Fixe, Climat des Plaines, Climat des Altitudes. Accompagné d un Guide-Madere, Paris, Ancienne Librairie Germer Baillière et Cie. Félix Alcan, Editeur, 1889; Rambles in Madeira, and in Portugal in the early part of MDCC- CXXVI. With an appendix of details, illustrative of the health, climate, produce, and civil history of the Island, London: C. & J. Rivington, 1827; Francisco de Assis de Sousa Vaz, De I influence salutaire du climat Madère. Paris, 1832; Guilherme Telles de Menezes, Climatologia comparada, 1895; Pedro Júlio Vieira, Études médicales sur le climat de Madère. Montpilier, 1852; Robert White, Madeira. Its climate and scenery. A hand-book for invalid and other visitors, Edimhurg, Adam and Charles Black,1857. Hermann Weder, Climatotherapie, A História do turismo na Madeira 101

8 em torno das possibilidades de cura a ilha permaneceu por muito tempo como local de acolhimento dos doentes, sendo considerada a primeira e principal estância de cura e convalescença do velho continente. O turismo na Madeira começou como uma forma de busca da cura para a tísica pulmonar. Foi este movimento que paulatinamente contribuiu para que se transformasse rapidamente numa realidade. Na verdade, a partir da segunda metade do século dezoito foi a revelação da Madeira como estância para o turismo terapêutico, mercê das qualidades profiláticas do clima na cura da tuberculose, o que cativou a atenção de novos forasteiros. Agustina Bessa Luís diz-nos que foram eles que fizeram a fama da ilha. A revelação das qualidades terapêuticas do Funchal na cura da tísica pulmonar aconteceu a partir dos estudos de Thomas Heberden (1751) 9, John Fothergill 10 e John Adams 11 e provocou a atenção de entidades e enfermos 12. A situação corporizava o chamado turismo terapêutico que motivou um movimento desusado de doentes. A Madeira destacou-se, mercê das referências elogiosas feitas por alguns especialistas, como os doutores SousaVaz (1832) e J. Clark 13 que consideravam o Funchal como a primeira e principal estância de cura e convalescença da Europa 14. O epíteto fez com que parte significativa do movimento de doentes se orientasse na direcção da ilha, pelo que no período de 1834 a 1852 a média anual oscilava entre os 300 e 400 doentes maioria de origem inglesa. Foram tais condições que justificaram, em 1859, de um sanatório, o primeiro que se construiu em Portugal. O movimento manteve-se, ampliando as motivações dos visitantes interessados nas belezas e recantos paradisíacos. A presença cada vez mais assídua de visitantes em estadias prolongadas, como era o caso dos doentes, provocou a necessidade de criação de infra- 9 As primeiras observações foram publicadas na Philosophal Transactions, de Londres. 10 On Consuption Medical Observations, Londres, J. Adams, A Guide to Madeira With an Account of the Climate, Lisboa, 1801; Observations on Pulmonary Consumption and on the Utility of the Climate of Madeira, in Extract of the Medical & Physical Journal. Abril de Os estudos de T. Heberden e Adams são uma referência sobre o tema, cf. W. Gourlay, Natural History, Climate and Diseases of Madeira, Londres, 1811, p James Clark, The influente of climate in the prevention and cure of chronic diseases, more particulary of the chest and digestive organs: Comprising an account of the principal places resorted to try invalids in England, the South of Europe. A comparative estimate of their respective merits in particular diseases; and general directions for invalids while travelling and residing abroad with an Appendix, containing a series of tables on climate. 2.º ed. enlarged. Londres: Thornas ard George Underwood, Cf. Fernando Augusto da Silva, Clima, in Elucidário Madeirense, vol.i, Funchal, 1984, pp Agostinho Cardoso, A Madeira e o turismo Nacional, Funchal, 1964, p Alberto Vieira

9 estruturas de apoio: sanatórios, hospedagens e agentes, que serviam de intermediários entre forasteiros e proprietários de acolhimento. O último é o prelúdio do actual agente de viagens. O turismo, tal como hoje se entende, dava os primeiros passos. Como corolário disso, estabeleceram-se as primeiras infra-estruturas hoteleiras e o turismo passou a ser uma actividade estruturada com uma função relevante na economia da ilha. E, mais uma vez, o inglês é o protagonista. Em termos históricos podemos dizer que o turismo caminhou lado a lado com o vinho e o aparecimento de novas actividades económicas. A vinha persistiu nas latadas e fez-se companheira de vimeiros, bordados e bordadeiras. A harmonia marchava a favor da ilha e tornava possível a existência de várias formas de actividade que garantiam a sobrevivência. A variedade de actividades e produtos foi a receita certa para manter de pé por algum tempo a frágil economia insular. Na década de 40 do século XX define-se o comércio, a navegação e o turismo, os grandes propulsores do desenvolvimento insular. As actividades em torno da obra de vimes e bordados tiveram nos estrangeiros, principalmente ingleses, os seus principais promotores. A primeira metade do século XX foi marcada por profundas mudanças na economia madeirense. É, para aqueles que a viveram, um momento para esquecer. Primeiro os conflitos mundiais ( e ) e depois os problemas políticos e económicos marcaram um momento negro da vida madeirense. A guerra evidenciou a fragilidade da economia da ilha e evidenciou a extrema dependência do mercado externo. Os problemas económicos arrastam convulsões sociais que se misturam com as políticas. Ao interesse científico pela fauna botânica e flora da ilha veio juntar-se, a partir de meados do século dezoito, a climatologia. A revelação, através dos estudos de Herber (1751), Fothergill (1775) e Adams (1801), das qualidades terapêuticas do Funchal, na cura da tísica pulmonar, galvanizaram o interesse de entidades e enfermos. A situação corporizava o chamado turismo terapêutico que motivou um movimento desusado de doentes para as ilhas Atlânticas. A Madeira destacou-se, mercê das referências elogiosas feitas por alguns especialistas, como os doutores Vaz (1832) e J. Clark (1834) que consideravam o Funchal como a primeira e principal estância de cura e convalescença da Europa. Em 1859 construiu-se o primeiro sanatório. O último sanatório a ser construído foi feito em 1903 por iniciativa dos alemães, através do príncipe Frederik Charles de Hohenlohe Oehringen, ficando conhecido como a Companhia dos Sanatórios da Madeira 15. Desta 15 J. Ezequiel Veloza, Hospital para tuberculosos no sítio da Casa Branca, S. Martinho, Das Artes e da História da Madeira, 1949, p. 341; Eberhard Axel Wilhelm, A Madeira entre 1850 A História do turismo na Madeira 103

10 iniciativa polémica resultou apenas o imóvel do actual Hospital dos Marmeleiros. O epíteto fez com que parte significativa do movimento se orientasse na direcção da ilha, pelo que no período de 1834 a 1852 a média anual oscilava entre os 300 e 400, sendo na maioria inglesa. Foram tais condições que justificaram em 1859 do Sanatório, o primeiro que se construiu em Portugal. Por tal motivo a ilha teve o mérito de receber visitantes ilustres que buscavam cá o alívio necessário para as enfermidades. Temos notícia de dois lustres escritores portugueses, Júlio Dinis e António Nobre, do príncipe Alexandre dos Países Baixos, em 1848, da princesa D. Amélia do Brasil. A situação favorável que a ilha desfrutou durante o período contribuiu para a divulgação do nome da mesma na Europa e criação de uma forte apetência. Criados e familiares continuam a demandar a ilha. O movimento subsequente fez alterar os anteriores circuitos da cura, ampliando as motivações geradoras da entrada dos estrangeiros na ilha. O estrangeiro começou a interessar-se pelas belezas do meio e, deste modo, às qualidades terapêuticas aliaram-se as paisagens e o ambiente paradisíaco. Tenha-se em conta que este momento de forte afluência de estrangeiros coincide com a época de euforia da Ciência nas Academias e Universidades europeias. Desde finais do século XVII as expedições científicas tornaramse comuns e o Funchal foi um porto fundamental de escala, para ingleses, franceses e alemãs. A função do Funchal como porto de escala das navegações oceânicas e estância de turismo terapêutico contribuiu para afirmar o papel da ilha e justifica os inúmeros estudos científicos ou de viagem que se dedicam ou fazem referência à Madeira. 3. MADEIRA A SALA DE VISITAS DO ATLÂNTICO A Madeira pode muito bem ser considerada uma das mais destacadas salas de visita do espaço atlântico, pois foi desde os primórdios da ocupação europeia um espaço aberto à presença quase assídua de forasteiros. A hospitalidade madeirense é uma constante da História que não se cansa de assinalar a frequência de aventureiros, marinheiros, mercadores, aristocratas, políticos, artistas, escritores, cientistas. Uns surgem apenas de vista fugaz de passagem, outros vêm ao encontro da ilha, em busca da cura para e 1900 uma estância de tísicos germânicos, Islenha, nº 13, 1993, pp Nelson Veríssimo, A Questão dos Sanatórios da Madeira, Islenha, 6 (1990), Alberto Vieira

11 as doenças ou do tédio dos ambientes aristocráticos. A todos a ilha acolheu de braços abertos. ARISTOCRATAS, POLÍTICOS e ESCRITORES. A Madeira cedo ganhou o epíteto de estância turística do atlântico, firmando-se como um espaço destacado da história do turismo no Ocidente. A revelação da Madeira como estância de turismo terapêutico aconteceu a partir da segunda metade do século XVII. As qualidades profiláticas do clima na cura da tuberculose cativaram a atenção de novos forasteiros. Foi a busca da cura para a tísica que propiciou aos madeirenses o convívio com poetas, escritores, políticos e aristocratas. Dos visitantes que a ilha merecem especial atenção quatro grupos distintos: invalids (=doentes), viajantes, turistas e cientistas. Os primeiros fugiam ao Inverno europeu e encontravam na temperatura amena o alívio das maleitas. Os demais vinham atraídos pelo gosto de aventura, de novas emoções, da procura do pitoresco e do conhecimento e descobrimento dos infindáveis segredos do mundo natural. O viajante diferencia-se do turista pelo aparato e intenções que o perseguem. É um andarilho que percorre todos os recantos na ânsia de descobrir os aspectos mais pitorescos. Na bagagem constava sempre um caderno de notas e um lápis. Através da escrita, do desenho e gravura regista as impressões do que vê. Daqui resultou uma prolixa literatura de viagens, que se tornou numa fonte fundamental para o conhecimento da sociedade oitocentista das ilhas. O turista, ao invés, é pouco andarilho, preferindo a bonomia das quintas, e egoísta, guardando para si todas as impressões da viagem. O testemunho da sua presença é documentado apenas pelos registos de entrada dos vapores na alfândega, pelas notícias dos jornais diários e pelos títulos de residência. A Madeira foi desde então um espaço aprazível de acolhimento para a maior parte da aristocracia europeia. Bulhão Pato diz-nos que, de entre os numerosos visitantes da década de 50 do século XIX, muitos são oriundos da aristocracia de dinheiro e de sangue. Alguns rendidos pelo fascínio das suas belezas, testemunhando em inúmeros livros publicados em inglês, francês, alemão, outros pela necessidade de encontrar no clima da ilha as condições de alívio e cura para a tuberculose. Neste grupo podemos enquadrar escritores, como Júlio Dinis (1869), António Nobre ( ), Bernard Shaw (1924), John dos Passos (1905, 1921, 1960) e muitos outros que deixaram testemunho escrito da passagem pela ilha. Um grupo significativo de doentes e visitantes situava-se entre a mais destacada aristocracia europeia e mesmo de algumas casas reais, como foi o caso da Rainha Adelaide de Inglaterra (1847), Princesa Dona Maria Amélia (1853), da Imperatriz A História do turismo na Madeira 105

12 Isabel da Áustria, mais conhecida por Sissi ( , ), a imperatriz Carlota do México(1859, 1864), Alberto I, Rei da Bélgica(1909), o imperador da Áustria, Carlos de Habsburgo (1921), Ferdinando I, rei da Bulgária(1936), Marash de Barodá, soberano indiano(1932), Wilhem Prinz zu Wied, ex-rei da Albânia(1932). Também, por força das circunstâncias de o Funchal ser um porto de escala das rotas europeias que ligavam à América e África, tivemos várias personalidades em passagem obrigatória no Funchal, sendo quase sempre alvo do melhor acolhimento pelas autoridades do arquipélago, que improvisavam cais de desembarque e faustosas recepções. Em alguns casos a ocorrência resultou de condições difíceis para os próprios, sendo a ilha porto de escala de caminho para o exílio, como sucedeu com Napoleão Bonaparte (1815), o imperador da Áustria, Carlos de Habsburgo (1921), Fulgêncio Baptista y Zaldivar, ex-presidente de Cuba (1959). Outros mais políticos desfilaram pelo porto e ruas da cidade funchalense, como os Generais Luís Botha (1909) e Jan Christian Smuts (1921) da União Sul-Africana. E não poderemos esquecer ainda a estadia temporária de Winston Churchill(1950). De entre as autoridades portuguesas podemos assinalar a passagem do DR. Manuel de Arriaga (1883, 1884), Dr. António José de Almeida (1922), o General Óscar Carmona (1938), o Genral Craveiro Lopes (1955), o Almirante Américo Thomas (1962, 1963, 1969). Mas, na História do século XX, as visitas mais memoráveis e mobilizadoras dos madeirenses foram sem dúvida a do Rei D. Carlos I em 1901 e a da imagem de Nossa Senhora de Fátima em EXPEDICIONISTAS E CIENTISTAS. As ilhas entraram rapidamente no universo da ciência europeia. Os séculos XVIII e XIX foram momentos de assinaláveis descobertas do mundo através de um estudo sistemático da fauna e flora. A procura e descoberta da natureza circundante cativou toda a Europa, mas foram os ingleses que marcaram presença mais assídua nas ilhas, sendo menor a de franceses e alemães. Aqui são protagonistas as Canárias e a Madeira. A Inglaterra apostava nas ilhas como pontos fundamentais da estratégia colonial, acabando por estabelecer na Madeira uma base para a guerra de corso no Atlântico. Se as embarcações de comércio e as expedições militares tinham cá escala obrigatória, mais razões assistiam à passagem quase que obrigatória de inúmeras expedições científicas. Foram inúmeras as expedições científicas europeias que escalaram o Funchal. Desde a segunda metade do século XVIII que o porto do Funchal se animou com a passagem assíduas destas expedições. De entre estes expedicionistas podemos contar com ale- 106 Alberto Vieira

13 mães (1860, 1874, 1910, 1937), americanos (1838, 1915, 1939), austríacos (1857), belgas (1897, 1911, 1922), dinamarqueses (1845, 1921), franceses (1785, 1883, 1903, 1908, 1911, 1913,1923, 1933), ingleses (1755, 1764, 1766, 1768, 1772, 1792, 1816, 1824, 1839, 1841, , 1901, 1902, 1910, 1914, 1921, 1922, 1929, 1934, 1937) e noruegueses (1910, 1914, 1922, 1930). As ilhas, pelo endemismo que as caracteriza e pela história geo-botânica, permitiram o primeiro ensaio das técnicas de pesquisa a seguir noutras longínquas paragens. Também elas foram um meio revelador da incessante busca do conhecimento da Geologia e Botânica. Instituições seculares, como o Museu Britânico, Linean Society, e Kew Gardens, enviaram especialistas às ilhas proceder à recolha de espécies, enriquecendo os seus herbários. Os estudos no domínio da Geologia, Botânica e Flora são resultado da presença fortuita ou intencional dos cientistas europeus. E por cá passaram destacados especialistas da época, sendo de realçar John Ovington(1695), John Byron(1764), Joseph Banks(1768), James Cook(1768, 1772), Humboldt, John Forster(1772), John Barow(1792), Robert Scott(1910). O próprio Darwin deslocou-se às Canárias e aos Açores (1836), deixando os estudos sobre a Madeira nas mãos de um discípulo. James Cook escalou a Madeira por duas vezes em 1768 e 1772, numa réplica da viagem de circum-navegação apenas com interesse científico. Os cientistas que o acompanharam intrometeram-se no interior da ilha à busca das raridades botânicas para a classificação e depois revelação à comunidade científica. 4. O TURISMO E A HISTÓRIA DA ILHA O turismo caminhou lado a lado com o vinho e o aparecimento de novas actividades. A vinha persistiu nas latadas e fez-se companheira de vimeiros, bordados e bordadeiras. A harmonia marchava a favor da ilha e tornava possível a existência de várias formas de actividade que garantiam a sobrevivência. A variedade de actividades e produtos foi a receita certa para manter de pé por algum tempo a frágil economia insular. Na década de quarenta define-se o comércio, a navegação o turismo, os grandes propulsores do desenvolvimento insular. As actividades em torno da obra de vimes e bordados tiveram nos estrangeiros, principalmente ingleses os seus principais promotores. A primeira metade do século XX foi marcada por profundas mudanças na economia madeirense. É para aqueles que a viveram um momento para A História do turismo na Madeira 107

14 esquecer. Primeiro os conflitos mundiais ( e ) e depois os problemas políticos e económicos marcaram um momento negro da vida madeirense. A guerra evidenciou a fragilidade da economia da ilha e evidenciou a extrema dependência do mercado externo. Os problemas económicos arrastam convulsões sociais que se misturam com as políticas. A maioria dos visitantes, como é óbvio, pertence à aristocracia endinheirada. Um breve olhar pelos registos e testemunhos corrobora esta evidência. As famílias reais dos Habsburgos eram frequentes na ilha. A lista de aristocratas, príncipes, princesas e monarcas parece ser infinda, mas entre todos fica o registo da imperatriz Isabel, mais conhecida por Sissi, mulher do imperador Carlos da Áustria. Assídua foi a presença da imperatriz do México, que legou um registo apaixonado em Un Hiver à Madère ( ). Ontem como hoje a realização de uma viagem depende também da disponibilidade de infra-estruturas de apoio. Hoje fala-se em hotéis e restaurantes, ontem, eram as estalagens, os albergues e as tabernas. A palavra hotel, deriva do francês hotel, mas com um significado diferente do que aquele que assumiu na actualidade. Na Idade Média existiam os Hospitalis, casas para recolha dos peregrinos e doentes. A par disso coexistiam os albergues e hospedarias, que pelo importante serviço que prestavam à sociedade, mereceram sempre a atenção dos municípios e coroa. Até ao advento da era industrial, em que o transporte por tracção animal dominava a circulação em terra, a albergaria ou estalagem, regra geral asseguravam ao viajante apenas cama para dormir, o necessário aprovisionamento de forragem para os animais e algum alimento. A par disso os viandantes poderiam contar com o acolhimento das igrejas, ordens religiosas e casas particulares. Ao longo dos caminhos de peregrinação, como o S. Tiago de Compostela, amontoavam-se estas infra-estruturas, sempre abertas para receber os peregrinos, propiciando-lhe o necessário descanso e alimento. No mar o equivalente era conhecido como porto de escala e reabastecimento, estes polvilhavam o vasto oceano e por norma situava-se em ilhas Madeira, La Gomera, La Palma, São Tiago, Santa Helena e Terceira. A principal povoação dispunha de uma enseada natural que servia de ancoradouro para as embarcações, que se abasteciam de água e alimentos frescos, e os viajantes poderiam usufruir de um albergue para pernoitar e hospitais para curar os doentes. Era o refresco retemperador da viagem. A Madeira, através do porto, o Funchal, demarcou-se desde os primórdios da expansão atlântica como um importante e necessário porto de escala. 108 Alberto Vieira

15 Para que o Funchal assegurasse o serviço foi necessário montar as necessárias infra-estruturas de apoio. De acordo com informação de Gaspar Frutuoso, em finais do século XVI, a Rua dos Mercadores (actual Rua da Alfândega) era o espaço de acolhimento de forasteiros e mercadores, a rua dos mercadores e fanqueiras, ingleses flamengos, e outros forasteiros. Nada faltava, desde hortaliças, vinho, legumes, biscoito, água e, até mesmo as meretrizes, que deambularam escandalosamente pela praia. Giulio Landi, que em 1530 desfrutou da hospitalidade madeirense, refere que os madeirenses abundam, entre outras, em três coisas: pulgas, ratos e meretrizes. A hospitalidade dos madeirenses é uma evidência, sendo frequentemente realçada pelos visitantes. Aliás, a fama do turismo na ilha deve-lhe muito. A atitude é definida de forma exemplar por Henrique Galvão em 1941: A hospitalidade dos madeirenses é a expressão dum sentimento e a força dum hábito. É uma manifestação de cortesia, cada vez mais rara em todo o mundo, e é também um prazer dos habitantes. Por todo o século XVIII e primeira metade do seguinte, a frequência assídua de tísicos à procura de cura e os demais que por aí passavam, encontravam fácil acolhimento nas casas particulares. Todavia, o aumento do tráfego conduziu ao aparecimento dos primeiros hotéis. William Reid, que se havia fixado na ilha, em 1844, foi, conjuntamente com W. Wilkinson, primeiro, com intermediário entre os proprietários de casas ou quintas e os forasteiros. Mais tarde assumem-se como os primeiros proprietários das iniciais unidades hoteleiras. A família Reid s começa com The Royal Edimburgh Hotel, mas em 1850 era já detentora de três hotéis Santa Clara, Carmo Hotel, Reid s New Hotels. Os filhos de W. Reid, Alfred e William, deram continuidade à obra do pai, tendo mesmo, em 1891, escrito um guia para a Madeira. É de salientar que o Reids Hotel é na actualidade a mais antiga unidade hoteleira madeirense e de todo o espaço atlântico, sendo por isso mesmo um marco emblemático do nosso turismo. A par disso o facto de ali se terem alojado personalidades ilustres, como W. Churchill, B. Shaw, G. Marconi, entre outros, leva-nos a concluir que foi e continuará a ser umas principais salas de visita e acolhimento do arquipélago, uma referência do turismo madeirense. Na Madeira, a exemplo do que sucedeu nas demais ilhas, o principal porto e cidade, não monopoliza a atenção do viajante. Os passeios a pé, a cavalo e, no caso madeirense, de rede permitiam incursões no interior. Em finais da década de quarenta do século XIX, foi Silvestre Ribeiro, Governador civil, lançou as bases para a criação de um conjunto de infra-estruturas de apoio no interior da ilha. Todavia, só a partir de 1887 temos a primeira A História do turismo na Madeira 109

16 informação sobre uma rede de estalagens fora do Funchal. O visitante passou a dispor de locais de acolhimento em Boaventura, S. Vicente, Seixal, Rabaçal, Santana e Santa Cruz. As unidades de acolhimento não acabaram com a tradicional hospitalidade das casas e quintas mantiveram-se, sendo de referir, em finais do século dezanove, merecendo referência a casa de Mr. Newton Luscombe e as quintas das Angústias, Santana e Palmeiras. Aliás, em 1889 C. A. Mourão Pita apresentava com destaque um numeroso conjunto de casas e quintas, preparadas para alugar aos visitantes, estando o serviço assegurado por angariadores. Até à presente centúria a quinta, nomeadamente, na área de Santa Luzia e Monte, continuou a colher inúmeros visitantes, não obstante o florescimento de novas infra-estruturas hoteleiras, a partir da década de trinta. Hoje, de novo voltam a assumir idêntico papel, albergando no seu seio luxuosas unidades hoteleiras. A presença de viajantes e invalids na ilha conduziu obrigatoriamente à criação de infra-estruturas de apoio. Se num primeiro momento se socorriam da hospitalidade insular, num segundo, a cada vez mais maior afluência de forasteiros, conduziu à montagem de uma estrutura hoteleira de apoio. Aos primeiros as portas eram franqueadas por carta de recomendação. A isto juntou-se a publicidade através da literatura de viagens e guias. Os guias forneciam as informações indispensáveis para a instalação no Funchal e viagem no interior, acompanhados de breves apontamentos sobre a História, costumes, fauna e flora. A Madeira firmou-se, partir da segunda metade do século dezoito, como uma das estâncias do turismo terapêutico. A ilha foi considerada por alguns como uma das principais estâncias de cura e convalescença da Europa. No período de 1834 a 1852 a média anual de Invalid s oscilava entre os 300 e 400, na maioria ingleses. Em 1859 construiu-se o primeiro sanatório. O último investimento foi dos alemães que em 1903 através do principie Frederik Charles de Hohenlohe Oehringen constituiu a Companhia dos Sanatórios da Madeira. Da iniciativa polémica resultou apenas o imóvel do actual Hospital dos Marmeleiros. John Ovington, em finais do século XVII, refere que os negociantes ingleses, que aqui na ilha seguem a maneira de viver inglesa característica das suas cidades e casas de campo acolhem nos seus aposentos compatrícios seus que estejam de passagem na ilha. A falta de albergues insuficientes para acolher os inúmeros transeuntes gerou esta forma personalizada de acolhimento. Certamente que a hospitalidade, que não era apenas apanágio dos ingleses, radica as origens no medieval direito de aposentadoria. O rei, os senho- 110 Alberto Vieira

17 res e comitiva, nas deslocações usufruíam da oferta da estância e alimentação concedida pelos moradores do lugar. A exigência deixou de ser força de lei mas a tradição imortalizou-a como uma forma de bem receber. A partir do século XV só deveria ser assegurada aos oficiais régios ou municipais, que se deslocaram em serviço. Será uma forma arcaica das actuais ajudas de custo? Foi na mística hospitalidade que as infra-estruturas hoteleiras deram os primeiros passos. O aparecimento assíduo de grupos esgotava a capacidade de acolhimento e tornava necessário a criação de espaços de acolhimento adequados à qualidade dos viandantes. A estalagem ou albergue dão lugar aos primeiros hotéis. As ilhas atlânticas (Açores, Madeira, Canárias), mercê do empenho dos ingleses nas actividades comerciais cedo se firmaram como um aprazível recanto para a aristocracia britânica da ilha ou do Novo Mundo. A assídua frequência de ingleses, em viagem de negócios, passeio, de passagem ou de regresso das colónias, criou um movimento inaudito no Funchal possibilitado também pela franca hospitalidade dos patrícios ou madeirenses, pois os poucos albergues não eram suficientes para conter as gentes em trânsito. Foi a constante presença de forasteiros que motivou a atenção de todos e motivou as autoridades a apostaram num conjunto de melhoramentos no Funchal. Assim, desde 1848, com José Silvestre Ribeiro, temos o delinear de um moderno sistema viário, a que se juntaram novos meios de locomoção: em 1891 o comboio do Monte, em 1896 o carro americano e finalmente o automóvel em Já em 1908, Mota Prego 16 é peremptório em afirmar a importância do turismo na economia madeirense. Orientação que não caiu no esquecimento uma vez que em 1911 a Junta Agrícola, sob a presidência do Visconde da Ribeira Brava, fez do turismo a principal aposta do progresso económico da ilha, apontando para o estímulo na iniciativa privada na construção de hotéis, casinos e campos de golfe, ao mesmo tempo que se responsabilizava pelo melhoramento da rede viária. O turismo não se limitou ao espaço urbano, tendo beneficiado alguns dos concelhos rurais mais solicitados pelas suas belezas. São Vicente e Santana são dois casos paradigmáticos. Mesmo assim o Norte nunca teve o mesmo número e assiduidade de visitantes que acorriam à vertente sul. Alguns atreviam-se a rumar à descoberta do Norte, seguindo os sinuosos caminhos que o ligam ao Funchal. Desde meados do século XIX são frequentes as visitas de estrangeiros que aceitam este sacrifício A circulação 16 Notas sobre Portugal, Lisboa, A História do turismo na Madeira 111

18 a pé entre o Norte e o Sul fazia-se por íngremes caminhos e para isso era necessário estabelecer casas de abrigo para socorrer os viajantes. Não temos dados seguros quanto ao desenvolvimento da hotelaria nas ilhas, pois os dados disponíveis são avulsos. Os hotéis são referenciados em meados do século XIX mas desde os inícios do século XV que as cidades portuárias de activo movimento de forasteiro deveriam possuir estalagens. A documentação oficial faz eco da realidade como se poderá provar pelas posturas e actas da vereação dos municípios servidos de portos. No caso da Madeira assinala-se em 1850 a existência de dois hotéis (the London Hotel e Yate s Hotel Family) a que se juntaram outros dez em Em princípios do século XX a capacidade hoteleira havia aumentado, sendo doze os hotéis em funcionamento que poderiam hospedar cerca de oitocentos visitantes. A preocupação dos visitantes em conhecer o interior da ilha, nomeadamente a encosta Norte levou ao lançamento de uma rede de estalagens que tem expressão visível em S. Vicente, Rabaçal, Boaventura, Seixal, Santana e Santa Cruz. 5. O TURISMO E O DEBATE POLÍTICO A actual fase do turismo madeirense começou a dar os primeiros passos no post Segunda Guerra Mundial. A guerra fez parar o movimento de turistas obrigando os hotéis a encerrar as portas. O anúncio do fim da guerra foi o prenúncio da nova era para o turismo madeirense. Em 1952 Ramon Honorato Rodrigues chamava a atenção para a promissora indústria, uma vez que está a desenvolver-se em todo o mundo o hábito ou o prazer de viajar. Na época a capacidade hoteleira da ilha resumia-se a 453 quartos e o número de turistas era de 9131, sendo os que transitavam pelo porto do Funchal. O turismo madeirense é demarcado pela afirmação da época invernal. Os protagonistas deste movimento continuam a ser os mesmos europeus. Já em 1941 Henrique Galvão se lamentava da falta de portugueses: E ainda hoje não compreendo que havendo já em Portugal tanta gente que viaja por prazer, haja tantos ingleses que vão à Madeira e tão poucos portugueses que a conheçam.. Apenas a partir da década de setenta ocorreu a mudança mais significativa. O grupo de visitantes alargou-se ao espaço peninsular e a época de Inverno tem um concorrente forte no período estival. Finalmente, nos anos oitenta a aposta da Secretaria Regional do Turismo numa animação capaz de realçar alguns dos aspectos que faziam os cartazes da ilha conduziu a que o turismo perdesse finalmente o carácter sazonal para se consolidar com a principal actividade económica. 112 Alberto Vieira

19 Na década de sessenta o turismo foi o pólo central e único do desenvolvimento da Madeira. Isto contribuiu para o rápido salto no número de camas. Em 1967 tínhamos apenas 2295 camas que subiram para 3832 em 1971, como resultado da construção de novos hotéis como o Madeira Palácio (1969). O salto mais significativo foi a partir de 1973, altura em que se atingiu as 8248 camas. O Madeira Sheraton (1972), Holiday Inn e Matur (1972), D. Pedro-Machico (1972). Apartamentos Lido-Sol (1970). Finalmente em 1982 atingiu-se as , para no fim do século se ultrapassar as vinte mil. A importância do turismo na economia da ilha conduziu a mudanças ao nível institucional e ao maior interesse e empenho das autoridades. O turismo era definitivamente a principal aposta do arquipélago e o motor do desenvolvimento económico. Em 1967 foi criada a Escola de Hotelaria Basto Machado. A preocupação do estado começou em 1930 com a comissão de turismo que antecedeu a Delegação de Turismo da Madeira que começou a funcionar em 5 de Setembro de A mudança para a actual situação ocorreu em 1978 com a regionalização do sector, que marcou o início do actual boom turístico. A mudança mais significativa no turismo madeirense ocorreu a partir da década de 70. O grupo de visitantes alargou-se ao espaço peninsular e a época de Inverno tem um concorrente forte no período estival. Finalmente, nos anos 80 a aposta da Secretaria Regional do Turismo e Cultura, numa animação capaz de realçar alguns dos aspectos que faziam os cartazes da ilha, conduziu a que o turismo perdesse finalmente o carácter sazonal para se consolidar como a principal actividade económica. Já na década de 60 o turismo era o pólo central e único do desenvolvimento da Madeira. A mudança para a actual situação ocorreu, pois, em 1978, com a regionalização do sector, que marcou o início do actual boom turístico. Em 1927 o Marquês de Jácome Correia traça-nos o retrato do movimento de passageiros no porto em que a grande aposta está no apoio ao turismo de cruzeiros: Todos os dias estão a chegar vapores, alguns dos quais trazem regularmente passageiros, comos os transatlânticos de África do Sul e os pertencentes à Mala Real, além de inúmeros cruzeiros de recreio que de quando em quando fazem escala pelo porto despejando para terra levas de meio milhar de viajantes de cada vez. 17. Na década de trinta do século XX o turismo é reconhecido como uma importante riqueza nacional e no caso madeirense é considerado a indústria fundamental da ilha. A Segunda Guerra Mundial fez apagar a presença 17. A Ilha da Madeira, Coimbra, 1927, 233 A História do turismo na Madeira 113

20 deste efeito vigorante da economia nacional, mas em , terminada a guerra, o sector surge como uma área estratégica de desenvolvimento nacional. E já nesta data a Madeira é reconhecidamente a principal estância turística e a que continua a granjear mais nome ao nível internacional. Foi, assim, no período posterior à Segunda Guerra Mundial que o turismo actual começou a assumir importância especial na economia madeirense até adquirir uma posição cimeira. O movimento de passageiros em trânsito ou para estadia temporária é uma constante. A tradição secular do turismo madeirense, alicerçada nas condições históricas criadas pela comunidade britânica no arquipélago, foi, no decurso do século XX, o mote dos madeirenses, nomeadamente dos seus deputados ao Parlamento Nacional, para reivindicar uma atenção especial ao desenvolvimento do sector. A qualquer momento que surge o debate sobre o turismo, proclamação da Madeira como a mais bela entre todas as nossas estâncias de turismo, a de maior fama e renome internacionais, ou a de uma das nossas primeiras e mais afamadas estâncias de turismo e, porque, não a velha capital lusitana do turismo internacional, e ainda o principal centro português de turismo 19. Tudo isto era dito para fazer ver ao todo nacional que a Madeira tinha óptimas condições para apostar no turismo e que essa aposta requeria por parte do Governo uma maior atenção. Esta mais-valia do turismo madeirense não era devidamente tida em conta quando faltavam condições para a fazer render ainda mais, como facilidades de comunicação e acesso através do porto. Em o turismo era um sector estratégico da economia madeirense, junto com os bordados e as remessas dos emigrantes. Todavia, como se viu, será na década seguinte que a actividade terá um momento de grande florescimento. E, para alguns madeirenses, o efeito multiplicador desta situação era evidente. Segundo declarava em 1962 Agostinho Cardoso, deputado da nação, o turismo, sacudirá a vida económica da Madeira. Criará e distribuirá riqueza, dará origem a espantoso desenvolvimento da iniciativa particular e à 18 Diário das Sessões, n.º 25, Ano de 1946, 6 de Fevereiro, IV Legislatura, Sessão n.º 25 da Assembleia Nacional, em 5 de Fevereiro, p Diário das Sessões, N.º 25, Ano de 1946, 6 de Fevereiro, IV Legislatura, Sessão N.º 25 da Assembleia, Nacional, em 5 de Fevereiro, p. 393; Diário das Sessões, N.º 68, Ano de 1946, 24 de Dezembro, IV Legislatura, Sessão N.º68 da Assembleia Nacional, em 18 de Dezembro, pp ; Diário das Sessões, N.º 46, Ano de 1954, 20 de Março, Assembleia Nacional, VI Legislatura, Sessão N.º 46, em 19 de Março, p Diário das Sessões, N.º 18, Ano de 1958, 29 de Janeiro, Assembleia Nacional, VII Legislatura, Sessão N.º 18, em 28 de Janeiro, p Alberto Vieira

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 Formação APRESENTAÇÃO Graduada em Planeamento e Desenvolvimento do Turismo ULHT Lisboa Portugal Pós-graduada e especialista

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Grupo Parlamentar Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Somos uma Região Insular. Somos uma Região que pela sua condição arquipelágica depende em exclusivo

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI RECOMENDA AO GOVERNO A SUSPENSÃO DE TODAS AS ACÇÕES RELATIVAS À TRANSFERÊNCIA DE MUSEUS E À CRIAÇÃO DE NOVOS MUSEUS NO EIXO AJUDA/BELÉM, ATÉ À ELABORAÇÃO

Leia mais

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.)

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) Paula Montes Leal e Carlos Jorge Barreira Arquivo Histórico da A. A. Ferreira No seguimento da comunicação apresentada ao

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL As «Honras do Pantheon», tributárias da Revolução Francesa, tiveram entre nós consagração legislativa em Decreto Régio de 25 de

Leia mais

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX)

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) C O O R D E N A Ç ÃO Maria Fernanda Rollo Maria de Fátima Nunes Madalena Esperança Pina Maria Inês Queiroz SUMÁRIO INTRODUÇÃO 7 ESPAÇOS E ACTORES: LUGARES

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER À PETIÇÃO SOBRE AS LIGAÇÕES AÉREAS AÇORES/PORTO.

RELATÓRIO E PARECER À PETIÇÃO SOBRE AS LIGAÇÕES AÉREAS AÇORES/PORTO. RELATÓRIO E PARECER À PETIÇÃO SOBRE AS LIGAÇÕES AÉREAS AÇORES/PORTO. HORTA, 13 DE JUNHO DE 2005 CAPITULO I INTRODUÇÃO Em 6 de Abril de 2005 deu entrada na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Uma abordagem à visão de Portugal

Uma abordagem à visão de Portugal Uma abordagem à visão de Portugal Como é que os operadores turísticos podem contribuir para um novo posicionamento XXXVIII Congresso da APAVT: Potenciar Recursos, Romper Bloqueios, Ganhar Mercado painel

Leia mais

ALSÁCIA E FLORESTA NEGRA

ALSÁCIA E FLORESTA NEGRA ALSÁCIA E FLORESTA NEGRA STRASBOURG * COLMAR * FREIBURG * TITISEE Luxembourg * Baden-Baden * Heidelberg 7 Dias / 6 Noites 1º DIA LISBOA / LUXEMBOURG Comparência no Aeroporto da Portela. Formalidades e

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10

HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 10 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 11 Refúgios na natureza O clima ameno que se faz sentir durante todo o ano em Portugal convida-nos a desfrutar em pleno dos bons momentos

Leia mais

entre o Senhor Secretário Regional da Economia, Vasco Cordeiro, e o Senhor Ministro da Economia e Trabalho, Álvaro dos Santos Pereira, tendo

entre o Senhor Secretário Regional da Economia, Vasco Cordeiro, e o Senhor Ministro da Economia e Trabalho, Álvaro dos Santos Pereira, tendo Exma. Senhora Presidente da Assembleia Ex. mas Senhoras e Senhores Deputados. Ex. mo Senhor Presidente do Governo, Senhoras e Senhores membros do Governo, Foi no dia 18 Agosto de 2011, em Lisboa, que ocorreu

Leia mais

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL 2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL A análise realizada tem como base principal as estatísticas oficiais e alguns dados quantitativos de elaboração própria. Focamos a atenção nas mudanças

Leia mais

Intervenção do Sr. Deputado. Osório Silva. Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira. Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores

Intervenção do Sr. Deputado. Osório Silva. Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira. Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Intervenção do Sr. Deputado Osório Silva Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sala das Sessões, Ilha do Faial O Partido Socialista/Açores,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES LICENCIATURA DE ARTE - CONSERVAÇÃO E RESTAURO HISTÓRIA DAS ARTES METÁLICAS ANO LECTIVO 2013/2014 Docente: Prof. Doutor Gonçalo de Vasconcelos e Sousa OBJECTIVOS:

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

Movimento de Turistas - Ano de 2009. Breve análise

Movimento de Turistas - Ano de 2009. Breve análise Movimento de Turistas - Ano de 2009 Breve análise Base de dados Não nos sendo possível saber a taxa de ocupação das unidades hoteleiras do concelho, foi elaborada esta breve análise, unicamente, com base

Leia mais

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO ANA MARIA MAGALHÃES ISABEL ALÇADA [ ILUSTRAÇÕES DE CARLOS MARQUES ] O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO COLEÇÃO SEGUROS E CIDADANIA SUGESTÃO PARA LEITURA ORIENTADA E EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO

Leia mais

A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar

A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar através de empréstimo, a instituições, nomeadamente, de

Leia mais

C I R C U I T O S 3 C A P I T A I S

C I R C U I T O S 3 C A P I T A I S CIRCUITOS 3 CAPITAIS Este é o convite para compreender as origens de Portugal e descobrir as suas principais cidades: Porto, património mundial, cuja história se mistura com a fundação de Portugal. Cidade

Leia mais

Skipper: Genuíno Madruga

Skipper: Genuíno Madruga II Volta ao Mundo O Desafio do Cabo Horn Skipper: Genuíno Madruga Horta, 2006 Comissão de Honra Fernando Manuel Machado Menezes Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores João

Leia mais

Amares Caniçada Júnias - Régua Pinhão Foz Côa - Amarante

Amares Caniçada Júnias - Régua Pinhão Foz Côa - Amarante Amares Caniçada Júnias - Régua Pinhão Foz Côa - Amarante INTRODUÇÃO Algumas maravilhas de Portugal! Uma viagem ao interior de Portugal. A sua genuinidade, as suas tradições. Uma viagem por duas regiões

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

Desenvolvimento. e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos. Homenagem a Míriam Halpem Pereira

Desenvolvimento. e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos. Homenagem a Míriam Halpem Pereira Desenvolvimento e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos Homenagem a Míriam Halpem Pereira José Vicente Serrão Magda de Avelar Pinheiro Maria de Fátima Sá e Melo Ferreira (organizadores) Imprensa

Leia mais

Especialmente preparado para. Circuito da Boavista 17 19 Junho e 1-3 de July de 2011 pelo DMC Porto

Especialmente preparado para. Circuito da Boavista 17 19 Junho e 1-3 de July de 2011 pelo DMC Porto Especialmente preparado para Circuito da Boavista 17 19 Junho e 1-3 de July de 2011 pelo DMC Porto www.dmcportugal.abreu.pt ÍNDICE 1. Descrição Zona 2. Grid (Suggested Program) 3. Circuitos 4. Abreu DMC

Leia mais

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Fortunato Lamego, 10 de Junho de 2015 Senhor Presidente

Leia mais

INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA

INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA 2011 1 INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO INTRODUÇÃO Na continuidade do estudo que vem sendo realizado pelo, em conjunto

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Regional Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Regional Senhora e Senhores Membros do Governo Intervenção sobre cabo de fibra óptica Flores, do Deputado António Maria Gonçalves Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Regional Senhora e Senhores

Leia mais

2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS

2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS VINHOS DE PORTUGAL 2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS HOTEL CURIA PALACE 26 de Novembro de 2014 1 VINHOS DE PORTUGAL O PAPEL DO TURISMO NA PROMOÇÃO DO VINHO PORTUGUÊS Licínio Cunha 2 DEUS CRIOU

Leia mais

METAS CURRICULARES Missão Sobre as metas curriculares

METAS CURRICULARES Missão Sobre as metas curriculares METAS CURRICULARES Missão As metas curriculares estabelecem aquilo que pode ser considerado como a aprendizagem essencial a realizar pelos alunos, em cada um dos anos de escolaridade ou ciclos do ensino

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

Importância geoestratégica de Portugal

Importância geoestratégica de Portugal GRANDE REPORTAGEM CLUBE EUROPEU AEVILELA Importância geoestratégica de Portugal PORTO DE SINES Porta ideal de entrada num conjunto de mercados CIDADE DA HORTA Telegraph Construction and Maintenance Company

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

ITINERARIOS TURISTICOS. Tema I - Considerações Gerais. 3º ano Gestão de Mercados Turísticos Informação Turística e Animação Turística

ITINERARIOS TURISTICOS. Tema I - Considerações Gerais. 3º ano Gestão de Mercados Turísticos Informação Turística e Animação Turística ITINERARIOS TURISTICOS Tema I - Considerações Gerais 3º ano Gestão de Mercados Turísticos Informação Turística e Animação Turística Por: dr. Sérgio de Jesus Belchior Breves Considerações A diversificação

Leia mais

A Quinta do Anjinho faz parte de uma história que ainda poucos conhecem. O imóvel que é actualmente a sede da Escola Nacional de Bombeiros foi

A Quinta do Anjinho faz parte de uma história que ainda poucos conhecem. O imóvel que é actualmente a sede da Escola Nacional de Bombeiros foi AH i s t ó r i ad a Qu i n t ad oan j i n h o A Quinta do Anjinho faz parte de uma história que ainda poucos conhecem. O imóvel que é actualmente a sede da Escola Nacional de Bombeiros foi outrora o refúgio

Leia mais

DESLOCAÇÃO DE DOENTES. Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Senhores Deputados Senhores Membros do Governo

DESLOCAÇÃO DE DOENTES. Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Senhores Deputados Senhores Membros do Governo DESLOCAÇÃO DE DOENTES Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores No ano 2000, a Organização Mundial de Saúde, ao publicar o relatório sobre a Saúde Mundial, possibilitou

Leia mais

Ensaio sobre o Conceito de Paisagem

Ensaio sobre o Conceito de Paisagem Ensaio sobre o Conceito de Paisagem Raphael Oliveira Site: http://oliraf.wordpress.com/ Venho, por este meio, deixar-vos um pequeno artigo sobre o conceito de Paisagem. Como sabem, a Paisagem é uma das

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 444/VIII ASSEGURA A DEFESA E VALORIZAÇÃO DO TAPETE DE ARRAIOLOS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 444/VIII ASSEGURA A DEFESA E VALORIZAÇÃO DO TAPETE DE ARRAIOLOS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 444/VIII ASSEGURA A DEFESA E VALORIZAÇÃO DO TAPETE DE ARRAIOLOS Exposição de motivos O artesanato é, sem dúvida, um sector de actividade que contribui poderosamente para o reforço de

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Apresentação dos seguintes projectos: 1) Câmara de Lobos.

Leia mais

Artur Quintal arturq.drac@netmadeira.com Manuela Sarmento manuela.sarmento@spin.pt

Artur Quintal arturq.drac@netmadeira.com Manuela Sarmento manuela.sarmento@spin.pt Artur Quintal arturq.drac@netmadeira.com Manuela Sarmento manuela.sarmento@spin.pt Ponta Delgada, 14 de Novembro de 2008 Agenda 2 Introdução sobre a síntese histórica da imagem do destino Madeira Enquadramento

Leia mais

José Medeiros Ferreira. os açores. na política. internacional. Elementos. l i s b o a : tinta da china M M X I

José Medeiros Ferreira. os açores. na política. internacional. Elementos. l i s b o a : tinta da china M M X I os açores na política internacional José Medeiros Ferreira os açores na política internacional Elementos l i s b o a : tinta da china M M X I Índice uma explicação 9 capítulo i A emergência da importância

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1 Com o projecto inicial do Dicionário de História Empresarial previu-se o seguinte plano de execução: I

APRESENTAÇÃO. 1 Com o projecto inicial do Dicionário de História Empresarial previu-se o seguinte plano de execução: I Séculos XIX e XX. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2013-2014. 2 vols. APRESENTAÇÃO No tempo presente chegam-nos diariamente notícias da situação do sistema financeiro relacionadas com o momento

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Monumento à Autonomia

Monumento à Autonomia Monumento à Autonomia Monumento inicialmente levantado na rotunda de acesso ao aeroporto da Madeira e, em 1991, transferido para a praça com esse nome. 1987 Monumento à Autonomia Praça da Autonomia Monumento

Leia mais

Grandes Exploradores

Grandes Exploradores Obras de referência para toda Grandes Exploradores A ousadia, a determinação e o espírito de aventura das figuras que marcam a descoberta e a exploração do Planeta. Do fundo do mar aos polos, do coração

Leia mais

Uma cidade que passou de nível médio nacional, a médio europeu, fruto da coragem e determinação de quem tomou as decisões da época.

Uma cidade que passou de nível médio nacional, a médio europeu, fruto da coragem e determinação de quem tomou as decisões da época. Senhor presidente da assembleia e restantes membros da mesa, Senhoras vereadoras, senhores vereadores, Senhoras e senhores deputados, Público aqui presente, Corria o segundo ano, da segunda década do século

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 008 de 25/01/01 Vamos passar ao ponto nº 4 da nossa ordem do dia, ou seja, à Proposta de Resolução Medidas de Combate à Leptospirose. Tem a palavra o Sr. Deputado Bento Barcelos. Deputado

Leia mais

ENDEREÇOS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015-EDIÇÃO 89

ENDEREÇOS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015-EDIÇÃO 89 ENDEREÇOS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015-EDIÇÃO 89 C.M. Calheta Presidente: Carlos Manuel Figueira de Ornelas Teles Avenida Dom Manuel I nº 46 Edifício dos Paços do Concelho 9370-135 Vila da Calheta

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

Intervenção do Subsecretário Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa do Governo dos Açores. Cimeira da Macaronésia

Intervenção do Subsecretário Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa do Governo dos Açores. Cimeira da Macaronésia Intervenção do Subsecretário Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa do Governo dos Açores Cimeira da Macaronésia 12 de Dezembro de 2010, Mindelo, Cabo Verde - Senhor Primeiro-Ministro do Governo

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento mensal

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

Intervenção do Director Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa na

Intervenção do Director Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa na Intervenção do Director Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa na Mesa Redonda sobre Inserção Regional e Política de Grande Vizinhança das RUP XIV CONFERÊNCIA DOS PRESIDENTES das Regiões Ultraperiféricas

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal. Abrantes, 2011

TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal. Abrantes, 2011 TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal Abrantes, 2011 O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural motiva a viagem e, por isso, aproxima

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LAJES DO PICO. Acta Assembleia Geral

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LAJES DO PICO. Acta Assembleia Geral SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LAJES DO PICO Acta Assembleia Geral ---- Aos vinte e um dias do mês de Novembro do ano dois mil e doze, reuniu no Auditório Municipal, a Assembleia Geral da Santa Casa das

Leia mais

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA 74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE O PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM E A BIOMEDICINA, RELATIVO À INVESTIGAÇÃO BIOMÉDICA (Julho de

Leia mais

--- DATA DA REUNIÃO: Vinte de abril de dois mil e doze. -------------------------------

--- DATA DA REUNIÃO: Vinte de abril de dois mil e doze. ------------------------------- REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA AT A N º 1 0 /2012 - ABRIL --- DATA DA REUNIÃO: Vinte de abril de dois mil e doze. ------------------------------- --- LOCAL DA REUNIÃO:

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª Criação da Freguesia do Pragal, no Concelho de Almada, Distrito de Setúbal A freguesia do Pragal tem 2,27 km² de área e 7.156

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

Fig. 1068 - Boyer, David S., The National Geographic magazine, Portugal's Gem of the Ocean: Madeira"; 1959, vol.cvx, nº.3; Washington, D.C, p.377.

Fig. 1068 - Boyer, David S., The National Geographic magazine, Portugal's Gem of the Ocean: Madeira; 1959, vol.cvx, nº.3; Washington, D.C, p.377. Fig. 1064 Fig. 1065 Fig. 1066 Fig. 1067 Figs. 1064, 1065, 1066 e 1067 - Vista sobre os silos da Tabua, Ponta do Sol. Fotos ES. Fig. 1068 - Boyer, David S., The National Geographic magazine, Portugal's

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia)

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia) MUSEU DO CARRO ELÉTRICO Inaugurado em 1992, o Museu do Carro Elétrico nasceu da dedicação e voluntarismo de um pequeno grupo de entusiastas e apaixonados por este meio de transporte coletivo, impulsionados

Leia mais

III Aniversário do site Adiaspora.com Encontro Planeando Estratégias de Sobrevivência Cultural Toronto, 15 17 Janeiro 2005

III Aniversário do site Adiaspora.com Encontro Planeando Estratégias de Sobrevivência Cultural Toronto, 15 17 Janeiro 2005 III Aniversário do site Adiaspora.com Encontro Planeando Estratégias de Sobrevivência Cultural Toronto, 15 17 Janeiro 2005 Apelidos, genes e consanguinidade na população Açoriana Comunicação apresentada

Leia mais

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 Antecedentes da implantação da República em Portugal O século XIX foi um período particularmente perturbado para Portugal. - A partir de 1870, o país sofreu, como

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

Benjamin Franklin (1706-1790)

Benjamin Franklin (1706-1790) Benjamin Franklin (1706-1790) Benjamin Franklin nasceu em Boston, Estados Unidos da América, foi jornalista, editor, autor, filantropo, abolicionista, funcionário público, cientista, diplomata e inventor.

Leia mais

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Michael Page lança Barómetro de TI 90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Lisboa, 21 de Julho de 2015 A Michael Page, empresa líder em recrutamento de quadros médios e superiores,

Leia mais

Vinho Madeira, uma história secular

Vinho Madeira, uma história secular Vinho Madeira, uma história secular A Ilha da Madeira foi descoberta nos tempos áureos dos descobrimentos portugueses, por João Gonçalves Zarco, Tristão Vaz Teixeira e Bartolomeu Perestrello, em 1419.

Leia mais

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA NOME OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA ESTABELEÇO RELAÇÕES DE PARENTESCO : avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos Quem pertence à nossa família? Observa as seguintes imagens. Como podes observar, nas imagens estão

Leia mais

www.movetravel.pt Portugal

www.movetravel.pt Portugal www.movetravel.pt www.movetravel.pt Lisboa 01 Chegada à capital portuguesa, recepção no Aeroporto e traslado para o hotel. no hotel. Tempo livre para os primeiros contatos com esta linda cidade, situada

Leia mais

APDSI assinala o Dia Mundial das Telecomunicações e da SI dedicado à Banda Larga

APDSI assinala o Dia Mundial das Telecomunicações e da SI dedicado à Banda Larga APDSI assinala o Dia Mundial das Telecomunicações e da SI dedicado à Banda Larga Lisboa, - A APDSI associou-se mais uma vez às comemorações do Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade da Informação

Leia mais

Intervenção de Vítor J. Amaral Vergamota Presidente da Associação Nacional do Turismo Equestre

Intervenção de Vítor J. Amaral Vergamota Presidente da Associação Nacional do Turismo Equestre 1º Congresso Internacional do TURISMO EQUESTRE Intervenção de Vítor J. Amaral Vergamota Presidente da Associação Nacional do Turismo Equestre 1 TURISMO EQUESTRE EM PORTUGAL 1. INTRODUÇÃO Falar de Turismo

Leia mais

CURRICULO SIMPLIFICADO DE MARIA MARGARIDA VAZ DO REGO MACHADO

CURRICULO SIMPLIFICADO DE MARIA MARGARIDA VAZ DO REGO MACHADO CURRICULO SIMPLIFICADO DE MARIA MARGARIDA VAZ DO REGO MACHADO Nasceu em Ponta Delgada, Açores, onde fez os seu estudos Liceais. Na mesma cidade iniciou os estudos no Conservatório onde conclui 1970 Curso

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

13 A 21 DE SETEMBRO ILHAS DOS AÇORES

13 A 21 DE SETEMBRO ILHAS DOS AÇORES 2011 13 A 21 DE SETEMBRO ILHAS DOS AÇORES PROGRAMA VIAGEM AOS AÇORES 13 A 21 DE SETEMBRO DE 2011 1.º Dia 13 de Setembro FUNCHAL/ PONTA DELGADA / TERCEIRA Comparência dos senhores participantes no Aeroporto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas Natalino Salgado Filho A Universidade Federal do Maranhão teve o privilégio de abrigar nesta semana o I Seminário Patrimônio Cultural & Cidades

Leia mais

- Fernão, mentes? - Minto!

- Fernão, mentes? - Minto! Na etapa 3, leste um excerto do primeiro capítulo da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, numa adaptação de Aquilino Ribeiro. Nesta etapa, vais ler um excerto do último capítulo do original, Peregrinação,

Leia mais

INTERVENÇÃO. Rede viária

INTERVENÇÃO. Rede viária INTERVENÇÃO Rede viária Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Os governos formados pelo Partido Socialista na Região Autónoma dos Açores têm realizado investimentos

Leia mais

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil.

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. FL 46 ACTA DE / /20 Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. Acta º12 --------Aos vinte e quatro dias do mês

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 270/XII/1.ª

Projeto de Resolução n.º 270/XII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 270/XII/1.ª Pela modernização e reabertura do troço Covilhã-Guarda e prestação de um serviço público de transporte ferroviário de

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

SESSÃO DE ABERTURA DA XVII ASSEMBLEIA GERAL DO CONSELHO MUNDIAL DAS CASAS DOS AÇORES

SESSÃO DE ABERTURA DA XVII ASSEMBLEIA GERAL DO CONSELHO MUNDIAL DAS CASAS DOS AÇORES SESSÃO DE ABERTURA DA XVII ASSEMBLEIA GERAL DO CONSELHO MUNDIAL DAS CASAS DOS AÇORES Hilmar, Califórnia, 29 de Agosto de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro Começo

Leia mais

Especialmente criado para: Soluções criativas para empresas vencedoras

Especialmente criado para: Soluções criativas para empresas vencedoras Especialmente criado para: Soluções criativas para empresas vencedoras GALIZA 04 a 07 de Junho 2015 Santiago de Compostela Cidade da província de A Corunha, é desde os anos 80, a capital da Galiza. Devido

Leia mais

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico.

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico. CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL 8 de Abril a 1 de Julho (interrupção no dia 10 de Junho que é feriado) 4ª feira, das 18h 30m às 20h 30m 24h, 12 sessões PROGRAMA 1. A Idade Média 1.1.

Leia mais

Vila Baleira Ilha de Porto Santo

Vila Baleira Ilha de Porto Santo Vila Baleira Ilha de Porto Santo Dia 0 Lisboa Porto Santo (25 12 2009) A viagem a Porto Santo começou a ser preparada com alguma antecedência, de forma a ser adequada a uma família de 4 pessoas. Para isso,

Leia mais

POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA

POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA JUNTA DE FREGUESIA DA GAFANHA DA NAZARÉ POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA RELATÓRIO DE BALANÇO DO VERÃO 2011 Gafanha da Nazaré, Novembro de 2011 1. INTRODUÇÃO O Posto da Barra, é uma infra-estrutura situada

Leia mais

Em 2014, os dez principais mercados da RAEM foram como segue: Países e regiões Número de Percentagem (%)

Em 2014, os dez principais mercados da RAEM foram como segue: Países e regiões Número de Percentagem (%) Turismo A indústria do turismo é o pilar mais importante da economia de Macau. Para concretizar o objectivo de longo prazo da construção de Macau como Centro Mundial de Turismo e Lazer, a Direcção dos

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

Portugal Making sure your health comes first. www.medicalport.org. Prestador Global de Turismo Médico. Copyright Medical Port 2015

Portugal Making sure your health comes first. www.medicalport.org. Prestador Global de Turismo Médico. Copyright Medical Port 2015 Portugal Making sure your health comes first www.medicalport.org SOBRE PORTUGAL O Índice Global da Competitividade 2014 2015 posiciona Portugal em 24º lugar no campo da Saúde e da Educação Primária com

Leia mais