TURISMO CULTURAL D I R E T R I Z E S PA R A O D E S E N V O LV I M E N T O B R A S I L

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TURISMO CULTURAL D I R E T R I Z E S PA R A O D E S E N V O LV I M E N T O B R A S I L 2 0 0 7"

Transcrição

1 TURISMO CULTURAL D I R E T R I Z E S PA R A O D E S E N V O LV I M E N T O B R A S I L

2 Distribuição Gratuita Impresso no Brasil Printed in Brazil

3 APRESENTAÇÃO A cultura engloba todas as formas de sentir, agir, fazer, manifestar-se, as relações entre os seres humanos e o meio ambiente e os produtos dessa relação. A definição de cultura vista nesta perspectiva abrangente permite afirmar que a cultura brasileira é plural e diversa. Nos últimos anos, novos produtos turísticos característicos dessa atividade vêm despontando, ampliando o leque de opções antes bastante restrito a alguns produtos com base no patrimônio cultural edificado e a algumas festas tradicionais brasileiras. A relação entre a cultura e a atividade turística não pode ocorrer sem a necessária caracterização e estruturação do segmento pertinente. O desenvolvimento desse tipo de turismo deve ocorrer pela valorização e promoção das culturas locais/regionais, preservação do patrimônio histórico e cultural e geração de oportunidades de negócios no setor, respeitados os valores, símbolos e significados dos bens materiais e imateriais da cultura para as comunidades. Diante disso e tendo como pressuposto o entendimento de que o Turismo Cultural é uma das principais estratégias para aumentar o fluxo turístico, em conformidade com o Plano Nacional de Turismo , o Ministério do Turismo, atendendo às demandas dos agentes da cultura e do turismo, apresenta as Diretrizes para o Desenvolvimento do Turismo Cultural. Espera-se, dessa forma, contribuir para o desenvolvimento e consolidação do segmento no País, promovendo a diversidade cultural brasileira, a geração de riqueza e a inclusão social.

4 Foto: Riotur

5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 7 2. PANORAMA DO Turismo Cultural 9 3. CONCEITUAÇÃO OBJETIVOS PRINCÍPIOS DIRETRIZES E ESTRATÉGIAS REFERENCIAIS BIBLIOGRÁFICOS Colaboradores 36

6 Foto: Christian Knepper/Embratur

7 INTRODUÇÃO A busca por experiências inovadoras e autênticas por meio das viagens revela o papel das culturas nos destinos turísticos. É por meio da cultura, suas expressões, bens e serviços que o turista pode vivenciar cenários diferenciados que lhe proporcionem aprendizado, contemplação e lazer. Assim, o Turismo Cultural apresenta-se como um dos segmentos mais representativos no mundo e no Brasil. A diversidade cultural brasileira, a existência de um patrimônio histórico e cultural de grande destaque, incluindo vários considerados Patrimônio da Humanidade, a reconhecida e criativa produção cultural, refletida na música, nas artes, na gastronomia e incontáveis outros bens evidenciam a vocação Turismo Cultural no País. A estruturação e o ordenamento desse tipo de turismo necessários para transformar esse potencial em produtos turísticos de forma sustentável não poderiam ocorrer sem a imprescindível articulação das áreas da cultura e do turismo. Inicialmente era necessário estabelecer um marco conceito de Turismo Cultural, face às inúmeras propostas defendidas por especialistas, pesquisadores e organismos de turismo no mundo todo e caracterizar objetivamente o segmento para poder formular políticas públicas específicas. Após um rico processo de discussão e pesquisa, o marco conceitual foi finalmente consolidado e validado pelo Grupo Técnico Temático (GTT) de Turismo Cultural, no âmbito da Câmara de Segmentação do Conselho Nacional de Turismo, em fevereiro de A partir dessa base conceitual, o GTT debateu e produziu este documento Diretrizes para o Desenvolvimento do Turismo Cultural, constituído em processo semelhante, ambos com efetiva participação do Ministério da Cultura e IPHAN. Este trabalho orienta políticas e ações em prol do segmento com vistas à promoção da diversidade cultural brasileira, à preservação e salvaguarda do patrimônio cultural, de modo a contribuir para a consecução de experiências turísticas e culturais enriquecedoras e significativas. 7

8 Foto: Christian Knepper/Embratur

9 2 PANORAMA DO Turismo Cultural Turismo e cultura 1 são termos que, ao se tratar no universo das viagens, aparecem indissociáveis. O conceito antropológico de cultura, tomado como referencial teórico, permite afi rmar que toda viagem é em si uma atividade cultural. A cultura, no entanto, assume um signifi cado de acordo com o contexto 2. Nesse sentido, sob o prisma da segmentação do turismo, cultura para esse turista tem um signifi cado específi co e visível em atrativos turísticos culturais. Ou, ao menos, reside na intenção pontual de conhecer e, de algum modo, apropriar-se, ainda que momentaneamente, de uma experiência inusitada vinculada à cultura, manifesta nas práticas culturais e artefatos que, em suma, retratam um modo de ser, fazer e viver dentro de um determinado processo civilizatório. Pauta-se, portanto, na vivência local dos modos de viver, fazer, ser e pensar e no intercâmbio que pode gerar em função do contato entre turista e residente. Nesse caso, fazer Turismo Cultural signifi ca, para além do ócio e do entretenimento, conhecimento, aprendizado e educação. A relação turismo e cultura historicamente sempre existiu. Nos idos de 1700, nas viagens dos aristocratas do norte europeu aos países do Mediterrâneo, principalmente para a Itália, denominadas grand tour, a cultura já aparecia como uma das principais motivações para os deslocamentos. O viajante dessa época interessava-se pelos monumentos, ruínas e obras de artes dos antigos. No século XIX a literatura romântica estimulava o desejo de conhecimento por meio da viagem, baseada no relato dos escritores. A partir dessa época, os meios de transporte e os hotéis aprimoraram-se, otimizando a atividade, cujas características foram modifi candose, desde a estagnação das Guerras Mundiais até a intensifi cação do fl uxo turístico, no pós-guerra, e a predominância do modelo de turismo de massa que, mais tarde, também seria questionado face a um novo contexto da atividade. Alguns fatores modifi caram o perfi l da atividade turística e conseqüentemente, dos produtos turísticos, redesenhando a relação entre turismo e cultura, especialmente após os anos 80, tais como: a decadência do modelo de turismo de massa, a nova realidade competitiva do mercado turístico e as novas preferências da demanda. Como alternativa ao modelo de turismo de massa, as novas formas de turismo que são conscientes em relação aos valores naturais, culturais, sociais e comunitários, o denominado turismo alternativo, abarcaram praticantes de ecoturismo, turismo rural e Turismo Cultural, entre outros. 1 O conceito de cultura envolve discussões extensas e abarca desde a defi nição clássica de Tylor (1871), até as abordagens atuais defendidas por autores pós-modernos, a exemplo de Geertz (1995). 2 BURNS, Peter M. Turismo e Antropologia: uma introdução. [Tradução: Dayse Batista]. São Paulo: Chronos, p ASCANIO, Alfredo. Turismo: la reestructuración cultural. PASOS Revista de Turismo y Patrimônio Cultural, vol. 1, n. 1, p , Disponível em: Acesso em: 15. fev p HUGUES, Howard. Artes, Entretenimento e Turismo. [Tradução: Mariana Aldrigui Carvalho]. São Paulo: Roca, p

10 As preferências e os gostos dos turistas alteraram-se incorporando novas formas de ocupar o seu tempo livre, que incluem visitas a locais com autenticidade cultural frente a uma comercialização cultural abusiva, desprovida de contexto e estereotipada, que estava relacionada muitas vezes ao modelo de turismo de massa. O Turismo Cultural surge, nesse contexto, como uma atividade turística diferenciada, apontado por estudiosos da área como um dos segmentos em crescimento na preferência dos turistas em todo o mundo. Alguns dados contribuem para evidenciar esse cenário. Segundo dados da ATLAS The Association for Tourism and Leisure Education, 28% das viagens de férias dos europeus têm finalidade cultural número equivalente a 38 milhões de viagens por ano. Nos Estados Unidos, segundo pesquisa da TIA Travel Association of América, 81% dos turistas consideram-se culturais, incluindo em suas viagens alguma atividade relacionada com a cultura, a arte, a história e com os monumentos do passado. Esses dados indicam que o Turismo Cultural é uma estratégia de especialização adequada e que responde às novas tendências da demanda. 7 No entanto, a grande relevância do Turismo Cultural não corresponde ao estado atual de sua oferta. Apesar da ampla oferta de recursos 8 culturais, há ainda número reduzido de recursos que se podem considerar produtos para um consumo turístico 9. Apesar da relevância do segmento e de alguns indicativos, o número de pesquisas a esse respeito ainda é escasso, especialmente no que diz respeito às pesquisas estatísticas, que possam delimitar claramente o perfil do turista cultural no mundo e no Brasil. No País, o desenvolvimento do Turismo Cultural está relacionado às questões patrimoniais. Pode-se afirmar que durante o século XIX não há, em geral, qualquer noção de patrimônio no País. Essas questões emergirão efetivamente nos anos 30 do século XX. No ano de 1924, artistas modernistas, entre eles Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral, dirigem-se à Ouro Preto, na denominada Viagem da Redescoberta do Brasil, considerada a primeira viagem na qual o patrimônio é atrativo para o turismo ROSA, Beatriz Martin de la. Turismo y gestión cultural en las Islas Canarias: apuntes para una reflexión. PASOS Revista de Turismo y Patrimonio Cultural. Vol. 1 Nº 1 págs Disponível em: Acesso em: 15. fev ( p. 107) 6 LEÓN, Juan Fco. Castro. La Calidad como herramienta de gestión del Turismo Cultural. In: PASOS Revista de Turismo y Patrimônio Cultural. Vol. 3 nº 1 págs Disponível em: Acesso em: 15. fev (p. 144) 7 LEÓN, Juan Fco. Castro. La Calidad como herramienta de gestión del Turismo Cultural. In: PASOS Revista de Turismo y Patrimônio Cultural. Vol. 3 nº 1 págs (p. 147) Disponível em: Acesso em: 15. fev Entendido como o conjunto potencial de bens materiais e imateriais da cultura passíveis de utilização turística. (Leon, p. 148). 9 LEÓN, Juan Fco. Castro. La Calidad como herramienta de gestión del Turismo Cultural. In: PASOS Revista de Turismo y Patrimônio Cultural. Vol. 3 nº 1 págs Disponível em: Acesso em: 15. fev (p ) 10 CAMARGO, Haroldo Leitão. Patrimônio Histórico e Cultural. São Paulo: Aleph, pg

11 Nessa época, Mário de Andrade altera e amplia o conceito de cultura, anteriormente relacionado à idéia de civilização, de cultura clássica; aumentando assim o número de atrativos culturais brasileiros. Em 1933, concretiza-se a primeira medida oficial de reconhecimento do patrimônio cultural e da necessidade de sua preservação, sendo Ouro Preto erigida como Monumento Nacional. Em 1938, o IPHAN Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional é constituído, tendo sido suas ações iniciais dirigidas sobretudo aos bens culturais materiais. Somente a partir dos anos 80 os olhares voltaram-se para o patrimônio imaterial. Desde essa época, movimentos internacionais, hoje conduzidos pela UNESCO 11, influenciaram as questões de conservação e restauro dos bens patrimoniais, assim como as relações entre cultura e turismo 12. Articulações entre o Instituto Brasileiro de Turismo Embratur e atualmente pelo Ministério do Turismo e o IPHAN para o desenvolvimento do Turismo Cultural têm sido promovidas, desde os anos 90 do século passado. No entanto, o Turismo Cultural ainda é uma atividade incipiente se comparada à potencialidade existente no País. A diversidade cultural brasileira, o rico patrimônio histórico e cultural, as manifestações culturais criativas e diversas de norte a sul do País, aliadas à hospitalidade característica do povo brasileiro, podem tornar o Brasil, de fato, um destino cultural diferenciado. Atualmente, o desenvolvimento do turismo pode proporcionar alguns benefícios às comunidades nas quais se desenvolve, tais como: - Intercâmbio cultural: turistas e comunidade, ao se relacionarem, transmitem conhecimentos, idéias, crenças que podem ser benéficas para o conhecimento e crescimento pessoal e profissional de ambos; - Valorização da identidade cultural das comunidades: o turismo (re)valoriza a cultura local, exaltando a identidade e a memória das comunidades, nas suas formas de pensar, agir, fazer e em suas produções culturais; - Resgate e dinamização cultural: o olhar do outro, do turista, pode despertar na comunidade o orgulho e interesse pela sua própria cultura e por bens e manifestações por ora esquecidos, incentivando o resgate e dinamização de técnicas artesanais e culinárias, de danças, folguedos etc.; - Preservação do patrimônio histórico e cultural: o turismo pode auferir os recursos técnicos e financeiros para a preservação do patrimônio, além de despertar tanto na comunidade quanto nos turistas sentimentos de identificação e exaltação dos bens; 11 Órgão das Nações Unidas responsável pelo Patrimônio Mundial desde CAMARGO, Haroldo Leitão. Patrimônio Histórico e Cultural. São Paulo: Aleph, pag

12 - Geração de oportunidades de negócios e empregos: a cadeia produtiva cultural é estimulada pelos fluxos turísticos que consomem e demandam produtos e serviços relacionados à produção cultural, tais como: artesanato; gastronomia na forma de refeições e alimentos e bebidas locais que podem ser transportados; objetos de decoração e fruição, de autoria de artistas locais, tais como pinturas, esculturas, fotografias; cds, livros e outros objetos que reúnem as produções locais relacionadas à literatura, música, dança etc.; além da produção de eventos culturais e da incorporação e disseminação de inúmeros bens culturais na oferta de atrativos culturais locais e, por conseqüência, na demanda de serviços de hospedagem, recreação e entretenimento, entre outros. 12

13 13 Foto: Christian Knepper/Embratur

14 3 CONCEITUAÇÃO Não há na comunidade acadêmica, tampouco nos órgãos ofi ciais de turismo, um consenso sobre o signifi cado e a amplitude que envolvem o Turismo Cultural. O conceito de Turismo Cultural oscila entre abordagens relacionadas ao usufruto do patrimônio cultural, que acabam por incorporar outros segmentos de turismo (ecoturismo, turismo rural), e abordagens reduzidas ao interesse em alguns bens culturais, excluindo os eventos culturais, que restringem substancialmente o potencial de mercado. Em 1976, O ICOMOS Conselho Internacional de Monumentos e Sítios, na Carta de Turismo Cultural, defi niu Turismo Cultural como [...] aquela forma de turismo que tem por objetivo, entre outros fi ns, o conhecimento de monumentos e sítios histórico-culturais. No Brasil, a Embratur defi niu o segmento, em 1992, denominando-o de turismo históricocultural, como [...] aquele que se pratica para satisfazer o desejo de emoções artísticas e informação cultural, visando à visitação à monumentos históricos, obras de arte, relíquias, antiguidades, concertos, musicais, museus, pinacotecas. Já a Organização Mundial de Turismo OMT 13 defi ne o Turismo Cultural como [...] o movimento de pessoas, devido essencialmente a motivos culturais como viagens de estudo, viagens a festivais ou outros eventos artísticos, visitas a sítios e monumentos, viagens para estudar a natureza, a arte, o folclore as peregrinações. Uma análise das diversas conceituações e abordagens propostas no Brasil e no exterior e de pesquisas sobre a atividade permite a seleção de alguns pontos comuns que caracterizam o Turismo Cultural: 1) quanto à originalidade e diversifi cação dos serviços: os elementos da cultural local, objetos e expressões, tais como alimentos e bebidas, música, elementos decorativos, entre outros, são agregados de forma criativa aos serviços 2) quanto ao signifi cado dos bens materiais e imateriais para a comunidade: não se submete as práticas culturais à atividade turística, tampouco se desrespeita as tradições para atender ao gosto do turista. O turismo preserva e dinamiza a cultura, não a distorce 3) quanto à qualidade visual da paisagem: os edifi cações históricas integramse funcionalmente e esteticamente à paisagem urbana ou rural, respeitam as características arquitetônicas originais e as novas práticas nela realizadas 13 Organización Mundial del Turismo. Concepts, definitions and classifications for tourism statistics. Madrid: OMT,

15 4) quanto à interpretação patrimonial ou da cultura local: a cultura local é apresentada por meio da contextualização histórica, da implantação de estruturas de interpretação do patrimônio e de informações relevantes, proporcionadas pelos profissionais e pela comunidade, de forma atrativa e educativa 5) quanto ao perfil do turista cultural: valoriza o contato com a comunidade e a compreensão do significado da história, dos bens e expressões culturais, de seus objetos e protagonistas, de fatos e personagens relacionados; demanda também entretenimento, especialmente por meio de atividades e eventos culturais 6) quanto à sustentabilidade: a econômica, social, cultural e ambiental são vieses do desenvolvimento local proporcionado pela atividade turística em parceria com o setor cultural Definir o conceito de Turismo Cultural no País é importante para direcionar as políticas públicas do setor, delimitar a amplitude do segmento entre as possibilidades de interação do turismo com o setor cultural e esclarecer o potencial turista a respeito dos atributos e experiências proporcionadas pelos produtos turísticos dessa natureza. Uma releitura da atividade no Brasil e de sua realidade cultural, apoiada em pesquisas bibliográfica e documental, bem como de contribuições dos atores e parceiros envolvidos no setor, reunidos no âmbito do Grupo Técnico Temático de Turismo Cultural, da Câmara de Segmentação, em fevereiro de 2005, permitiu a delimitação e definição de um conceito de Turismo Cultural para o Brasil. Dessa forma, o segmento turístico denominado Turismo Cultural compreende atividades turísticas relacionadas à vivência do conjunto de elementos significativos do patrimônio histórico e cultural e dos eventos culturais, valorizando e promovendo os bens materiais e imateriais da cultura 14 Para fins desse segmento, tornam-se necessárias algumas definições e explicações: Atividades turísticas Entende-se por atividades turísticas aquelas realizadas em função da viagem de Turismo Cultural: transporte agenciamento hospedagem alimentação recepção eventos recreação e entretenimento outras atividades complementares 14 BRASIL. Segmentação do Turismo: Marcos Conceituais. Brasília: Ministério do Turismo,

16 Vivência A definição de Turismo Cultural está relacionada à motivação do turista, especificamente de vivenciar o patrimônio histórico e cultural e determinados eventos culturais, de modo a preservar a integridade desses bens. Vivenciar implica, essencialmente, duas formas de relação do turista com a cultura ou algum aspecto cultural: a primeira refere-se ao conhecimento, aqui entendido como a busca em aprender e entender o objeto da visitação; a segunda corresponde a experiências participativas, contemplativas e de entretenimento, que ocorrem em função do objeto de visitação. Patrimônio histórico e cultural e eventos culturais 15 Consideram-se patrimônio histórico e cultural os bens de natureza material e imaterial que expressam ou revelam a memória e a identidade das populações e comunidades. São bens culturais, de valor histórico, artístico, científico, simbólico, passíveis de atração turística: arquivos, edificações, conjuntos urbanísticos, sítios arqueológicos, ruínas; museus e outros espaços destinados à apresentação ou contemplação de bens materiais e imateriais; manifestações, como música, gastronomia, artes visuais e cênicas, festas e outras. Os eventos culturais englobam as manifestações temporárias, enquadradas ou não na definição de patrimônio. Incluem-se nessa categoria os eventos religiosos, musicais, de dança, de teatro, de cinema, gastronômicos, exposições de arte, de artesanato e outros. Valorização e promoção dos bens materiais e imateriais da cultura A utilização turística dos bens culturais pressupõe sua valorização e promoção, bem como a manutenção de sua dinâmica e a permanência no tempo. O valorizar e o promover significam difundir o conhecimento sobre esses bens e facilitar-lhes o acesso e o usufruto, respeitando sua memória e identidade. É também reconhecer a importância da cultura na relação turista e comunidade local, aportando os meios para que tal inter-relação ocorra de forma harmônica e em benefício de ambos. Ressalta-se que os deslocamentos para fins religiosos, místicos e esotéricos e de visitação a determinados grupos étnicos (nos quais o atrativo principal é a identidade e modo de vida de cada um) e atrativos cívicos são aqui entendidos como recortes no âmbito do Turismo Cultural e podem constituir outros segmentos para fins específicos: turismo cívico, turismo religioso, turismo místico e esotérico, turismo étnico. O turismo gastronômico, entre outros, pode também estar incluído no âmbito do Turismo Cultural, desde que preservados os princípios da tipicidade e identidade. Essas conceituações, que podem ser entendidas como especificações do Turismo Cultural, podem ser aceitas para fins das Diretrizes para o Desenvolvimento do Turismo Cultural. 15 Op. cit. 16

17 17 Foto: Christian Knepper/Embratur

18 4 OBJETIVOS O posicionamento do País como um destino cultural diferenciado, detentor de uma diversidade cultural singular, depende da implementação de ações articuladas entre o setor público, a iniciativa privada e as organizações do terceiro setor para o desenvolvimento de novos produtos, fortalecimento e promoção da atividade. Partindo desse cenário, a proposição das diretrizes e estratégias para o desenvolvimento do Turismo Cultural tem como objetivo colaborar para: Valorizar e promover a cultura brasileira, por meio do turismo Desenvolver produtos turísticos diferenciados; Diversifi car a oferta turística relacionada ao Turismo Cultural; Ordenar o desenvolvimento da atividade; Aumentar a qualidade e a competitividade do segmento; Estimular a comunicação e articulação entre todos os agentes e o envolvimento das comunidades no Turismo Cultural; Promover condições adequadas de infra-estrutura e qualificação voltada ao segmento; Fortalecer, promover e comercializar o segmento de forma estratégica. 18

19 19 Foto: Christian Knepper/Embratur

20 5 PRINCÍPIOS Essas diretrizes estão fundamentadas em princípios considerados preceitos básicos para ações direcionadas ao desenvolvimento e promoção do Turismo Cultural: Reconhecimento e promoção da relação entre turismo, cultura, educação e lazer Incentivo ao descobrimento do sentido, símbolos e signifi cados da cultura como forma de valorização e potencialização do atrativo cultural Reconhecimento da dinâmica própria da cultura, resguardando, porém, a identidade e a memória dos grupos que a formaram Valorização da autenticidade dos bens culturais materiais e imateriais, desenvolvendo experiências turísticas enriquecedoras Proteção do patrimônio histórico-cultural, preservando a integridade de seus aspectos históricos, arquitetônicos, artísticos, paisagísticos e simbólicos Promoção do encontro de culturas, compatibilizando o cotidiano atual da comunidade, seus saberes e modos de vida com a contemplação visual do patrimônio material, promovendo a interpretação histórica e presente Respeito às diversas possibilidades de interpretação de cada bem cultural Valorização da história oral e dos saberes locais Viabilização econômica da manutenção de bens culturais Humanização do patrimônio, agregando-lhe fatos e personagens Desenvolvimento de atrativos culturais de forma atrativa, facilitando sua leitura e interpretação Promoção da sustentabilidade sociocultural, ambiental e econômica do Turismo Cultural Viabilização da inclusão social no planejamento e gestão da atividade Desenvolvimento de produtos turístico-culturais que ofereçam experiências culturais com apelo educativo e emocional Admissão das fronteiras tênues entre o tradicional e o contemporâneo, entre as culturas populares, erudita e de massa; valorizando todas as culturas Fomento às culturas populares por meio do turismo Valorização da criatividade e da diversidade cultural brasileira, buscando ressaltar o diferencial de cada local Promoção da gestão participativa da atividade Projeção de imagens de destinos turísticos pautada nas realidades culturais e nas próprias visões das comunidades, evitando a exotização das culturas 20

21 Conscientização da comunidade para que reconheça a importância de preservar suas expressões culturais Articulação com a indústria cultural para a democratização do acesso à cultura e ao turismo, reconhecendo seu papel na formação e informação do indivíduo Esses princípios respondem ao entendimento de que a educação e a formação cultural, certamente, influem nas escolhas do turista, o que significa dizer que o seu modo de consumo turístico é orientado pelo grau de consciência ambiental e sociocultural que possui. Tanto os monumentos, sítios urbanos e arqueológicos e paisagens naturais quanto as tradições e a memória de uma comunidade são fatores determinantes que condicionam as experiências turísticas. Assim, instrumentalizar a cultura para o turismo implica incentivar e desenvolver o gosto e o interesse para a ampliação de conhecimentos e experiências, onde a cultura em si constitui-se em atrativo. Por outro lado, para além dos aspectos relacionados ao lazer, entretenimento e descanso, no Turismo Cultural, enfatiza-se a vivência dos aspectos culturais do destino, onde o patrimônio cultural da localidade ganha destaque. Para tanto, a busca do equilíbrio no relacionamento, muitas vezes assimétrico, entre os turistas e as comunidades que os recebem se torna uma exigência. No processo de segmentação da atividade turística, em atenção aos diversos mercados existentes e que podem ser constituídos, considera-se importante contemplar a diversidade social a partir do fomento a um modelo de turismo inclusivo que atenda grupos representativos da sociedade, em suas diversas ramificações. Por fim, o Turismo Cultural precisa ser considerado também como uma atividade educacional enriquecedora e prazerosa. Sua participação no total das viagens domésticas da população brasileira corresponde hoje a 12,5% 16, percentual expressivo se considerada a inexistência de uma política definida que atenda de modo estratégico a esse segmento. Deve, portanto, ser incentivado dentro de premissas que busquem estimular e promover, por excelência, o conhecimento do patrimônio cultural do País e sua relação com o território onde se manifesta. 16 EMBRATUR, FIPE. Caracterização e Dimensionamento do Turismo Doméstico no Brasil. Brasília: EMBRATUR, FIPE,

22 Foto: xxxxxxxxxxxxxxxxx 22

23 6 DIRETRIZES E ESTRATÉGIAS Para atingir os objetivos propostos, foram defi nidas oito diretrizes detalhadas em estratégias específi cas para o segmento. As diretrizes e estratégias não estão dispostas por ordem de prioridade ou elencam, necessariamente, os passos para a sua consecução. Cada destino turístico deverá orientar-se por elas e proceder à sua operacionalização de acordo com as características locais/regionais e o estágio de desenvolvimento da atividade. DIRETRIZ 1 ORDENAMENTO A organização, estruturação e desenvolvimento do Turismo Cultural ocorrem pela identifi cação, adequação, elaboração e divulgação de marcos legais e técnicos específi cos. Estratégias: E1 Identifi cação e divulgação dos aspectos legais específi cos E2 Elaboração de estudos e adequação de marcos técnicos e legais E3 Apoio e incentivo aos estudos, à determinação e aplicação da capacidade de suporte do patrimônio histórico e cultural ORDENAMENTO E1 Identificação e divulgação dos aspectos legais específicos O Turismo Cultural está sujeito ao cumprimento de legislação turística, cultural e ambiental, entre outras. A identifi cação e a divulgação da legislação pertinente devem condicionar o seu cumprimento e o desenvolvimento ordenado da atividade. ORDENAMENTO E2 Elaboração de estudos e adequação de marcos técnicos e legais O levantamento e a discussão dos principais entraves e a proposição de adequações técnicas e legais são ações primordiais para orientar o desenvolvimento do segmento. ORDENAMENTO E3 Apoio e incentivo aos estudos, à determinação e aplicação da capacidade de suporte do patrimônio histórico e cultural A utilização do patrimônio para fins de visitação turística deve ser ordenada de forma que não comprometa sua preservação e salvaguarda. A determinação do número máximo de visitantes e sua aplicação prática também são importantes para assegurar a qualidade da visita, priorizar o atendimento voltado à compreensão dos significados e sentidos do patrimônio e manter as condições de segurança e de integridade e autenticidade do bem cultural. DIRETRIZ 2 INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Pesquisar, produzir e divulgar informações e dados que orientem o planejamento, as ações educativas, a gestão, a promoção e comercialização do Turismo Cultural no Brasil e no exterior. 23

24 Estratégias: E1 Mapeamento do Turismo Cultural no País E2 Realização de pesquisa de mercado e perfil da demanda do segmento E3 Apoio a iniciativas de valorização e fortalecimento do segmento E4 Criação de mecanismos de disponibilização de pesquisas e experiências em Turismo Cultural E5 Produção, promoção e distribuição de instrumentos de orientação para atuação em Turismo Cultural INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO E1 Mapeamento do Turismo Cultural no País A identificação e a categorização de destinos, produtos e serviços efetivos são necessárias para se diagnosticar o segmento em termos quantitativos e qualitativos, levantar as diversas especialidades de produtos e serviços em Turismo Cultural, subsidiar o desenvolvimento de políticas de estruturação, ordenamento, qualificação, promoção e comercialização do segmento. INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO E2 Realização de pesquisa de mercado e perfil da demanda do segmento As decisões e o direcionamento de políticas de planejamento e marketing e a alocação de recursos para o Turismo Cultural devem basear-se em informações de mercado, que identifiquem e caracterizem, sobretudo, a demanda do segmento, o potencial de geração de negócios e novas oportunidades de atuação na área, as possibilidades de incremento do setor e as preferências e motivações do turista em relação ao usufruto da cultura. INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO E3 Apoio a iniciativas de valorização e fortalecimento do segmento Para que o Turismo Cultural se consolide, é necessária a sua valorização na sociedade, estimulada por processos de sensibilização e comunicação interna que busquem o apoio e envolvimento da população nas ações de desenvolvimento do segmento e sua motivação para a prática da atividade. A realização de pesquisas e estudos sobre o segmento, incluindo as acadêmicas e sua divulgação também devem ser estimuladas como forma de tornar o conhecimento acessível aos agentes da atividade, contribuindo para o fortalecimento das iniciativas em prol do Turismo Cultural. INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO E4 Criação de mecanismos de disponibilização de pesquisas e experiências em Turismo Cultural O levantamento, organização e divulgação de experiências em Turismo Cultural de estudos e pesquisas são medidas que visam a promover o conhecimento e alavancar o desenvolvimento de novos produtos e novas posturas institucionais e empresariais no segmento, voltadas à inovação e ao oferecimento de experiências únicas aos turistas interessados em cultura. 24

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo 2013 ESTRUTURA DO PLANO DE AÇÃO CULTURAL Diagnóstico cultural; Desafios e oportunidades;

Leia mais

SECRETARIA DA ECONOMIA CRIATIVA

SECRETARIA DA ECONOMIA CRIATIVA SECRETARIA DA ECONOMIA CRIATIVA ECONOMIA CRIATIVA Definição A Economia Criativa contempla as dinâmicas culturais, sociais e econômicas construídas a partir do ciclo de criação, produção, distribuição/circulação/difusão

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra) Requer a realização do III Fórum Nacional da Saúde Ocular. Senhor Presidente, Requeiro a Vossa Excelência, ouvido

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural No período compreendido entre os dias 16 e 19 do mês de setembro de 2004, realizou-se a Primeira Feira Nacional do Turismo Rural - 1º FEIRATUR,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

P. 38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo

P. 38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo PLANO DE AÇÃO NR 01 /2013-2014 Ação/proposta: Viabilizar a construção da torre de observação de pássaros (Ecoturismo). Descrição da ação/proposta: Articular juntos as lideranças municipais e junto a UHE

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

com parceiros na produção de informações e conhecimento, compartilhamento de trabalhos com vistas a alavancar os resultados e abolir duplicidades.

com parceiros na produção de informações e conhecimento, compartilhamento de trabalhos com vistas a alavancar os resultados e abolir duplicidades. TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de consultoria especializada para desenvolvimento dos serviços técnicos necessários à elaboração da metodologia para a estruturação da Rede de Parceiros para o

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização

Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira, Profissionalização e Internacionalização,

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Política Metropolitana de Proteção da Paisagem e Promoção da Diversidade Cultural

Política Metropolitana de Proteção da Paisagem e Promoção da Diversidade Cultural UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA / CURSO DE TURISMO Política Metropolitana de Proteção da Paisagem e Promoção da Diversidade Cultural Fabiana Bernardes

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA MINIFÓRUM CULTURA 10 Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Orientação aprovada: Que a elaboração do Plano Municipal de Cultura considere

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais