Consumo e produção de bens e serviços

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Consumo e produção de bens e serviços"

Transcrição

1 Brazil Orange Book segunda-feira, 5 de novembro de 2012 Retomada avança de forma heterogênea Informações até 01 de novembro de 2012 Este relatório, publicado seis vezes por ano, resume relatos sobre o ambiente de negócios que ouvimos de contatos no setor real, especialistas e outras fontes fora do Itaú. Exceto pela seção Nossa visão, este relatório não reflete necessariamente a visão da área de pesquisa econômica do Itaú. Seções: Consumo e produção de bens e serviços 2 Diferentes setores reportam aceleração de vendas no quarto trimestre. Permanece, no entanto, cautela com relação à sustentabilidade da retomada. Investimentos 3 As perspectivas de retomada ainda não parecem encorajar o investimento de maneira mais generalizada. Mercado imobiliário 3 O setor ainda não sente a recuperação da economia. A velocidade de vendas é apenas moderada, não suficiente para absorver o estoque ainda excessivo. Commodities 4 A atividade se mantém aquecida no setor agrícola. Nos segmentos de commodities metálicas permanece o quadro de crescimento apenas moderado. Mercado de trabalho, salários e preços 4 A dificuldade de contratação continua sendo observada pela maioria dos setores. Nos mercados de bens de consumo, a concorrência acirrada continua impedindo aumento de preços. Nossa visão 5 A retomada do crescimento econômico brasileiro vem ganhando tração nos últimos meses. A incerteza, no entanto, permanece elevada. Resumo Vem se difundindo a percepção de que a desaceleração econômica ficou para trás. Diferentes setores ligados ao consumo reportam aceleração de vendas entre o final do terceiro trimestre e o início do quarto trimestre. Permanece, no entanto, cautela com relação à sustentabilidade da retomada. O setor de serviços se mantém aquecido. Preocupa o endividamento do consumidor e o direcionamento do consumo para segmentos beneficiados por estímulos governamentais em detrimento dos demais. As perspectivas de retomada ainda não parecem encorajar o investimento de forma generalizada. A postura de muitos setores segue avessa ao risco, preferindo perder vendas, caso a demanda futura seja forte, do que entrar em novo ciclo de alta de estoques se a demanda decepcionar. O mercado imobiliário ainda não sente a recuperação da economia. A velocidade de vendas é apenas moderada, não suficiente para absorver o estoque ainda excessivo. A demanda está mais seletiva. Entre as commodities, a atividade se mantém aquecida no setor agrícola. Os preços favoráveis e os custos sob controle, especialmente de fertilizantes, proporcionam rentabilidade positiva para culturas como soja, milho, arroz e feijão. Nos segmentos de commodities metálicas, particularmente em siderurgia, mineração e químicos, mantém-se o quadro de crescimento apenas moderado. A última página deste relatório contém informações importantes sobre o seu conteúdo. Os investidores não devem considerar este relatório como fator único ao tomarem suas decisões de investimento.

2 No mercado de trabalho, a dificuldade de contratação continua sendo observada pela maioria dos setores. A concorrência acirrada inibe o aumento de preços, mesmo em setores beneficiados por medidas de restrição aos importados e depreciação da taxa de câmbio. Nossa visão: A retomada do crescimento vem ganhando tração. Há melhora dos fundamentos e evidências de crescimento mais disseminado. A incerteza, no entanto, permanece elevada. Os investimentos precisam acelerar para que a expansão do PIB se mantenha, o que ainda é um desafio. Consumo e produção de bens e serviços Vem se difundindo a percepção de que a desaceleração econômica ficou para trás. Diferentes setores reportam aceleração de vendas entre o final do terceiro trimestre e o início do quarto trimestre. Entre eles, vestuário, automobilístico, alimentação e bebidas. Este último, em particular, vem se beneficiando da primavera mais quente que o usual. Alguns serviços, que viram a demanda fraquejar no primeiro semestre, também sentem maior movimentação. Em um mesmo setor, o ritmo de recuperação é distinto entre regiões do país e linhas de produto. Vendas no Norte/Nordeste e linhas "premium" apresentam melhor desempenho. Permanece, no entanto, cautela com relação à sustentabilidade da retomada. A preocupação com o endividamento do consumidor ainda é frequente. Também preocupa a possibilidade de incentivos governamentais a segmentos específicos drenarem o consumo de setores não beneficiados diretamente. Dessa forma, os sinais de recuperação da demanda não se traduzem em uma melhora horizontal na perspectiva de produção. Eletroeletrônicos e mobiliários reportam estabilização na desaceleração, mas ainda não sentem retomada, possivelmente por estarem mais ligados ao mercado imobiliário, que segue em baixa (mais detalhes abaixo). Produtos da linha branca, beneficiados com a prorrogação da redução do IPI, mantêm nível de vendas considerado bom, embora inferior ao do início do ano. A redução do IPI para automóveis acelerou as vendas no terceiro trimestre e trouxe gradual retomada de produção. A demanda, contudo, parece instável. Outubro decepcionou as expectativas do setor, que não se mostra empolgado para a virada do ano. Prorrogações do IPI reduzido não devem gerar impulso adicional nas vendas. O fim do benefício, no entanto, pode prejudicá-las sensivelmente. As vendas de motos, em forte queda este ano, continuam sendo o destaque negativo no setor de veículos. As dificuldades reportadas pelos setores de consumo são: produtividade baixa, custo de mão de obra elevado e alto custo de locação de lojas (especialmente em shopping centers). A dificuldade logística está se tornando um gargalo mais evidente, especialmente com a diferença regional nas vendas. A desvalorização cambial reduz a concorrência com importados, aliviando a pressão sobre os produtores domésticos de bens de consumo. Em contrapartida, passa a incomodar importadoras e aqueles serviços que dependem de equipamentos importados. O setor de serviços se mantém aquecido. Em geral, o setor sentiu pouco a desaceleração nos primeiros trimestres do ano, especialmente aqueles essenciais alimentação fora do domicílio, hospitais e aqueles ligados a problemas estruturais do país, como educação, segurança e logística. Este último recebeu impulso adicional da aceleração da produção e exportação de grãos (resultado dos preços favoráveis nos mercados internacionais). A proximidade da Copa do Mundo já traz movimento extra para mídia, publicidade e produção de eventos. No segmento de turismo, o baixo crescimento global reduz o ingresso de estrangeiros no Brasil Os brasileiros, por sua vez, continuam viajando acima da média histórica tanto pelo Brasil como pelo mundo. A taxa de ocupação na rede hoteleira segue próxima da capacidade máxima. Do ponto de vista mais estrutural, o crescimento da classe média continua sendo uma importante alavanca para muitos serviços, como cuidados pessoais, cursos de especialização e academias de Página 2

3 ginástica, que vêm lançando linhas de serviços voltadas para este público. Investimentos A confiança dos empresários mostra tímidos sinais de recuperação. Nosso indicador, feito a partir de sondagem com uma base ampla de clientes, está estagnado desde meados de 2011, mas o subgrupo de "expectativas" indica otimismo moderado, associado principalmente à visão de um ambiente econômico melhor nos próximos trimestres. As perspectivas de retomada ainda não parecem encorajar o investimento de maneira mais generalizada. Por um lado, empresas desconfiam da sustentabilidade do crescimento da demanda, vista por alguns como muito alavancada. Por outro, parte dos investimentos em excesso realizados entre 2009/2010 ainda não foi ocupada com produção. Em geral, a postura segue avessa ao risco, preferindo perder vendas, caso a demanda futura seja forte, do que entrar em novo ciclo de alta de estoques, se a demanda decepcionar. Produtores de bens de capital reportam encomendas melhorando para algumas linhas de produtos (como as voltadas para agropecuária), e ainda paradas em outras (como para construção civil). O volume abaixo do esperado de obras públicas este ano trouxe inadimplência e estoques elevados ao setor. As taxas reduzidas do Programa de Sustentação do Investimento (PSI) do BNDES têm movimentado a demanda, mas em grau mais modesto do que no episódio similar em A perspectiva para obras públicas é positiva para 2013, com a aproximação da Copa do Mundo e o plano de investimento público-privado em infraestrutura. As medidas governamentais de proteção à produção local têm efeito ambíguo sobre o investimento. No curto prazo, encarecem (ou tornam mais demoradas) a compra de equipamentos importados. Ao longo do tempo, no entanto, aceleram o ingresso de investimentos estrangeiros diretos em alguns setores. Esse efeito é particularmente importante no atual contexto de crise global de demanda, em que vale o custo do deslocamento da produção para ter acesso ao mercado brasileiro. O setor automobilístico é um exemplo. A regulamentação do programa Inovar-Auto, que determina a isenção de impostos para as montadoras que cumprirem alguns requisitos de investimentos e conteúdo nacional, tem levado novas montadoras e produtoras de autopeças a anunciar planos de produção no Brasil. A dificuldade de importar insumos e o aumento dos custos de terceirização, mesmo em ambiente de queda do crescimento econômico, têm levado empresas a investir para tornar a produção mais integrada. Para o segmento de veículos pesados, especialmente caminhões, o cenário melhorou desde o último Orange Book em agosto. Os juros subsidiados do PSI beneficiam o setor em particular. As vendas vêm se recuperando gradualmente, sinal de que 2013 será um ano melhor. O problema da falta de combustível adequado para a nova tecnologia de produção Euro 5 (que passou a ser obrigatória no Brasil), está praticamente normalizado. A postura conservadora das transportadoras seja por cautela com a retomada do crescimento, seja pelo nível elevado de endividamento em que algumas se encontram inibe uma aceleração mais forte no curto prazo. Ao longo do tempo, no entanto, a idade média avançada da frota brasileira, em torno de 18 anos, garante a continuidade da demanda subjacente. Mercado imobiliário O setor ainda não sente a recuperação da economia. A velocidade de vendas é apenas moderada, não suficiente para absorver o estoque ainda excessivo. A demanda está mais seletiva. Registra-se maior procura relativa por imóveis menores, provavelmente sinal de um novo perfil de comprador, que vê o Página 3

4 imóvel como investimento (em resposta à redução de juros da economia). Nesse ambiente, a produção corrente é modesta, o que vem sendo confirmado pela baixa demanda percebida por segmentos fornecedores da construção imobiliária, como tintas, tubos e conexões, e o setor moveleiro. A concorrência de produtos chineses tornou-se mais forte neste ano. A desaceleração do setor está afastando os investidores mais inexperientes do mercado, reduzindo a concorrência. Isso torna as perspectivas de mais longo prazo positivas para as empresas mais consolidadas, especialmente em um ambiente de menores juros na economia como um todo, e aumento dos prazos de financiamento. Outro fator positivo para o médio prazo são as novas regras estabelecidas para o programa Minha Casa Minha Vida (alta média de 13% nos limites máximos dos valores de imóveis enquadrados e redução dos juros de financiamento), beneficiando empresas que atuam no segmento de baixa renda. O setor não acredita que haja bolha no mercado. Os preços dos imóveis estão mais altos porque os custos de construção estão maiores e porque há ainda uma grande demanda reprimida por imóveis. Em relação aos custos, um dos que mais afetam o valor dos empreendimentos é o preço do terreno com boa localização, que está escasso nas grandes capitais. A mão de obra do setor continua cara, e a demanda restrita limita os aumentos de preços. Dessa forma, o setor vem operando com margens mais estreitas. Commodities A atividade se mantém aquecida no setor agrícola. O clima, em geral, está dentro do esperado e o plantio da safra 2012/2013 deve ocorrer normalmente. Os preços favoráveis e os custos sob controle, especialmente de fertilizantes, proporcionam rentabilidade positiva para culturas como soja, milho, arroz e feijão. O avanço da produção será limitado apenas por restrição de área (soja tende a ser priorizada). Para o algodão, a tendência é baixista para os preços mundiais em 2012/2013, com os estoques globais em níveis recordes. A área de cultivo no país deve cair 27,4% na safra 2012/2013. Os altos preços da soja farão com que os produtores optem pelo cultivo deste grão em detrimento da fibra. Todos os estados produtores vão plantar menos algodão. A produção deve cair 21% no período 2012/2013. No segmento sucroalcooleiro, espera-se algum aumento da área plantada. A maior produção de cana deve se voltar à produção de álcool hidratado, uma vez que a capacidade de refino de açúcar está perto do limite, assim como a capacidade de transformar álcool hidratado em anidro. Com a crise que afeta o setor desde 2008, muitas usinas deixaram de operar. Apenas em 2012, 14 usinas do país interromperam as operações. A aceleração do setor agrícola vem impulsionando as vendas de defensivos e máquinas agrícolas. Na mesma linha, o mercado brasileiro de fertilizantes continua apresentando bom desempenho: nos primeiros nove meses de 2012, as vendas do setor apresentaram crescimento de 4,1%. Nos segmentos de commodities metálicas, particularmente siderurgia, mineração e químicos, permanece o quadro de crescimento apenas moderado, haja vista o ritmo ainda fraco da construção civil no Brasil e no mundo. O câmbio mais depreciado e estável e as políticas de incentivo à produção local contribuem para sustentar a atividade e melhorar a rentabilidade do produto exportado. Mercado de trabalho, salários e preços A dificuldade de contratação continua sendo observada pela maioria dos setores, especialmente o de mão de obra especializada. A contratação de mão-de-obra não especializada está um pouco mais fácil, especialmente em setores com mais capacidade de repassar preços, como serviços. Página 4

5 Reajustes salariais estão em torno de 7-8% em termos nominais. Em geral, não há percepção de ganho de produtividade respaldando o aumento real dos salários. Nos mercados de bens de consumo, a concorrência acirrada continua impedindo aumento de preços. Mesmo em setores beneficiados por medidas de restrição aos importados e depreciação da taxa de câmbio. Empresas buscam aumentar a eficiência e reduzir custos inclusive laborais. Não há, no entanto, planos substanciais de demissões. Depois da alta substancial no terceiro trimestre, a perspectiva para os preços de alimentos ao consumidor é de acomodação para os próximos meses. A alta safra agrícola, combinada com dificuldades logísticas de exportação, pode gerar excesso de oferta doméstica de alguns alimentos, como milho. A expectativa é de estabilidade também para preços de proteína animal, cujo setor já opera com preços e margens elevados. Nossa visão A retomada do crescimento econômico brasileiro vem ganhando tração nos últimos meses. Há melhora dos fundamentos e evidências de crescimento mais disseminado. A incerteza, no entanto, permanece elevada. O ambiente entre as empresas ainda é de aversão ao risco. Avaliamos que ainda há risco para o crescimento do quarto trimestre. A contribuição do setor automobilístico decisiva para a alta do PIB do terceiro trimestre tende a ser menor. Os investimentos precisam acelerar para que a expansão do PIB se mantenha, o que ainda é um desafio. Pesquisa macroeconômica no Itaú Ilan Goldfajn Economista-Chefe Adriano Lopes Artur Passos Aurelio Bicalho Caio Megale Carlos Eduardo Lopes Elson Teles Felipe Salles Fernando Barbosa Gabriela Fernandes Giovanna Siniscalchi Guilherme da Nóbrega Guilherme Martins João Pedro Bumachar Juan Carlos Barboza Luiz G. Cherman Luka Barbosa Mariano Ortiz Villafañe Mauricio Oreng Roberto Prado SECRED P&D Ger. de Análise Econômica Setorial Luzineide Sales Mariana Orsini M. de Sousa Paula Mayumi Oliveira Yamaguti Para acessar nossas publicações e projeções visite nosso site: Informação relevante As informações contidas neste relatório foram produzidas pelo Itaú Unibanco Holding, dentro das condições atuais de mercado e conjuntura econômica, com base em informações e dados obtidos de fontes públicas. Tais informações não constituem, tampouco devem ser interpretadas como sendo uma oferta ou solicitação de compra ou venda de um instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. Todas as recomendações e estimativas aqui apresentadas derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas a qualquer momento sem aviso prévio. O Itaú Unibanco Holding não se responsabiliza por quaisquer decisões de investimento tomadas com base nos dados aqui divulgados. Este relatório foi preparado e publicado pelo Departamento de Pesquisa Econômica do Banco Itaú BBA S.A. ( Itaú BBA). Este relatório não é um produto do Departamento de Análise de Ações do Itaú BBA e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM n.º 483, de 6 de Julho de Este material é para uso exclusivo de seus receptores e seu conteúdo não pode ser reproduzido, redistribuído publicado ou copiado de qualquer forma, integral ou parcialmente, sem a expressa autorização prévia do Itaú Unibanco Holding. Página 5

Desempenho de vendas do setor segue forte

Desempenho de vendas do setor segue forte Macro Setorial segunda-feira, 20 de maio de 2013 Veículos Desempenho de vendas do setor segue forte Depois de obter recorde na venda de automóveis e comerciais leves em 2012, impulsionado por incentivos

Leia mais

Revisão Mensal de Commodities

Revisão Mensal de Commodities Revisão Mensal de Commodities segunda-feira, 3 de dezembro de 2012 Oferta maior e desempenho misto A estabilização do crescimento na China e riscos geopolíticos também afetaram os preços das commodities.

Leia mais

Revisão Mensal de Commodities

Revisão Mensal de Commodities Revisão Mensal de Commodities quinta-feira, 1 de novembro de 2012 Queda generalizada Retração do otimismo global e oferta maior levaram a quedas nos preços das commodities. Os preços caíram para a maioria

Leia mais

Orange Book Brasil. Consumo fraco, produção em queda. Seções:

Orange Book Brasil. Consumo fraco, produção em queda. Seções: Orange Book Brasil segunda-feira, 7 de julho de 2014 Consumo fraco, produção em queda Informações até 3 de Julho de 2014 Este relatório, publicado seis vezes por ano, resume relatos sobre o ambiente de

Leia mais

Macro Visão. Opinião Macroeconômica. China: rumo a um novo equilíbrio? Relatório Semanal de Macroeconomia

Macro Visão. Opinião Macroeconômica. China: rumo a um novo equilíbrio? Relatório Semanal de Macroeconomia Opinião Macroeconômica Macro Visão terça-feira, 8 de setembro de 2009 Relatório Semanal de Macroeconomia China: rumo a um novo equilíbrio? Na semana passada o Macro Visão destacou o aumento da participação

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

A desaceleração no mercado imobiliário vem se aprofundando nos primeiros meses do ano. O nível de vacância segue elevado e os preços vêm recuando.

A desaceleração no mercado imobiliário vem se aprofundando nos primeiros meses do ano. O nível de vacância segue elevado e os preços vêm recuando. Orange Book Brasil terça-feira, 28 de abril de 2015 Desaceleração se aprofunda Informações até 27 de abril de 2015 Este relatório, publicado seis vezes por ano, resume relatos sobre o ambiente de negócios

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Índice Itaú de Bem-Estar Social

Índice Itaú de Bem-Estar Social Macro Visão segunda-feira, 16 de abril de 2012 Índice Itaú de Bem-Estar Social Resumo: Construímos um indicador que leva em consideração, além das condições econômicas, as condições humanas e a distribuição

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Siderurgia 12 de maio de 2015 Demanda externa deve compensar parcialmente retração doméstica de produtos siderúrgicos Leandro de Oliveira Almeida Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos A retração

Leia mais

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Economia global: conjuntura e projeções Economias maduras: recuperação mais lenta São cada vez mais claros os sinais de que a recessão mundial está sendo superada,

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Impactos da Desvalorização do Real nas MPEs Paulistas

Impactos da Desvalorização do Real nas MPEs Paulistas SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS Impactos da Desvalorização do Real nas MPEs Paulistas (Relatório de Pesquisa) Realização: Maio de 1999 Sondagem

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

Macro Visão. Opinião Macroeconômica. Política Fiscal: Procurando Receita. Relatório Semanal de Macroeconomia

Macro Visão. Opinião Macroeconômica. Política Fiscal: Procurando Receita. Relatório Semanal de Macroeconomia Opinião Macroeconômica Macro Visão segunda-feira, 5 de outubro de 2009 Relatório Semanal de Macroeconomia Política Fiscal: Procurando Receita Ilan Goldfajn Economista-Chefe Agustina De Marotte Adriano

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 Considerações Iniciais A combinação juros, inflação e câmbio tem tomado maior tempo das análises e preocupações do governo

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JULHO/13

Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Destaques do mês - Copom sinaliza alta de juros, mas não se compromete com ação já na próxima reunião, em meados de abril; - Atividade econômica mostra sinais de recuperação

Leia mais

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal INFORMATIVO n.º 35 AGOSTO de 2015 Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal Depreciação do yuan traz incertezas adicionais à economia chinesa neste ano

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados NOTA MENSAL Dezembro/20 Quest Fundos Multimercados O ambiente de mercado foi bastante positivo em dezembro, em função do aumento da confiança de um pouso suave da economia americana, apesar dos riscos

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

A Construção na Ótica da Indústria de Materiais. Walter Cover 27/08/2014

A Construção na Ótica da Indústria de Materiais. Walter Cover 27/08/2014 A Construção na Ótica da Indústria de Materiais Walter Cover 27/08/2014 Representatividade ABRAMAT 10% Do PIB Nacional Cadeia da Construção 5,5 Milhões de trabalhadores formais (3,5 na construção Civil)

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Conjuntura Econômica e seus reflexos no Agronegócio.

Conjuntura Econômica e seus reflexos no Agronegócio. Conjuntura Econômica e seus reflexos no Agronegócio. Índice da Apresentação A Deterioração da Situação Macroeconômica do Brasil A Situação Particular do Agronegócio Principais Riscos para o Agronegócio

Leia mais

Revisão Mensal de Commodities

Revisão Mensal de Commodities Revisão Mensal de Commodities sexta-feira, 4 de janeiro de 2013 Demanda por metais básicos se recupera Expectativa de colheita abundante na América do Sul reduz preços dos grãos. Preços no primeiro semestre

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: BRASIL DATA: 26.05.14

VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: BRASIL DATA: 26.05.14 VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: BRASIL DATA: 26.05.14 VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: EMPRESAS DATA: 23.05.14 Varejo e siderurgia preparam-se para vendas mais fracas Por Renato Rostás e Tatiane Bortolozi

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.

RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing. RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I

Leia mais

Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul

Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul Cenário do Setor - 2015 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul São Leopoldo, setembro de 2015 Cenário do Setor - 2015 1. Sumário Executivo 2. A economia brasileira em 2015 O setor de borracha

Leia mais

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7%

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% Mogi Guaçu (SP), 11 de agosto de 2014 - A MAHLE Metal Leve S.A. (BM&FBOVESPA: LEVE3), Companhia líder na fabricação e comercialização de

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março de 213 Boas perspectivas para o agronegócio brasileiro serão impulso para os investimentos em tratores e máquinas agrícolas em 213 Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Para analisar qualquer mercado é importante entender primeiramente o contexto no qual

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados do 1T13 8 de maio de 2013

Transcrição da Teleconferência Resultados do 1T13 8 de maio de 2013 Operadora: Bom dia, e obrigada por aguardarem. Sejam bem vindos à teleconferência da ALL América Latina Logística, para discussão dos resultados referentes ao 1T13. Estão presentes hoje conosco os senhores:

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

Brasília, 24 de março de 2015.

Brasília, 24 de março de 2015. Brasília, 24 de março de 2015. Pronunciamento do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Página 1 de 16 Exmo. Sr. Presidente da Comissão

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 29 DE OUTUBRO A 1º DE NOVEMBRO Um dos destaques desta semana é a reportagem do UOL sobre o recuo de 1% na produção industrial brasileira, entre setembro

Leia mais

Após vendas mais fracas e redução de lançamentos em 2012, o setor brasileiro de imóveis residenciais espera uma melhora em 2013.

Após vendas mais fracas e redução de lançamentos em 2012, o setor brasileiro de imóveis residenciais espera uma melhora em 2013. Macro Setorial segunda-feira, 15 de abril de 213 Construção Civil Setor espera melhor desempenho em 213 Após vendas mais fracas e redução de lançamentos em 212, o setor brasileiro de imóveis residenciais

Leia mais

Avaliação do Cenário Macroeconômico

Avaliação do Cenário Macroeconômico Avaliação do Cenário Macroeconômico Avaliação do Cenário Macroeconômico A Estratégia de Crescimento e a Evolução do Ano de 2004 A Lei do Plano Plurianual 2004/2007 estimou a taxa de crescimento real do

Leia mais

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI São Paulo, 31 de Outubro de 2011. Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI Prezado Hélio Duarte, presidente da Associação

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de 4 de maio

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

Revisão Mensal de Commodities

Revisão Mensal de Commodities Revisão Mensal de Commodities sexta-feira, 1 de novembro de 2013 Projetamos queda adicional nos preços de açúcar Fundamentos explicam apenas parte da alta dos preços de açúcar, por isso projetamos a continuidade

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Construção Residencial 16 de dezembro de 2014 Ajuste dos estoques de imóveis residenciais reforça expectativa de menor crescimento da atividade de construção civil nos próximos trimestres Departamento

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Monitorando riscos e oportunidades: Como as grandes empresas estão se preparando para as mudanças climáticas André Nassar 8 de maio

Leia mais

Respostas Erradas para Perguntas Difíceis

Respostas Erradas para Perguntas Difíceis Carta do Gestor Respostas Erradas para Perguntas Difíceis Caros Investidores, Ao longo das últimas semanas, continuamos a observar a piora dos fundamentos da economia brasileira. Os problemas que surgem

Leia mais

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice Coletiva de Imprensa - ABECIP Índice 1. Ambiente Macroeconômico 2. Mercado Imobiliário 3. Financiamento Imobiliário - SBPE 4. Inadimplência 5. Ativos Financeiros 6. Poupança SBPE 7. Expectativas 2013 2

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL Informativo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) Ano 2 Número 3 março de 2011 www.cni.org.br Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Construção civil: um novo cenário à frente Pág.

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul. 18 de Agosto de 2014

Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul. 18 de Agosto de 2014 Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul 18 de Agosto de 2014 Agenda Indicadores Econômicos Relevantes Maiores problemas que afetam a produção no Brasil Exportações para a Argentina Declínio

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais