MANUAL TÉCNICO DE APLICAÇÕES PARTE 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL TÉCNICO DE APLICAÇÕES PARTE 2"

Transcrição

1 MANUAL TÉCNICO DE APLICAÇÕES PARTE 2 ÍNDICE 1-Introdução Modificação com Resinas...5 a) Resinas Alquídicas...6 b) Resinas Maleicas...8 c) Resinas Poliamida...8 d) Resinas Melamina Formaldeído...9 e) Resinas Uréia Formaldeído...9 f) Resinas Benzoguanaminas...10 g) Resinas Carbâmicas...10 h) Resinas CAB - Acetobutirato de Celulose...10 i) Resinas Cetônicas...11 j) Resinas Acrílicas...11 k) Resinas PVA - Acetato de Polivinila l) Resinas Vinílicas m) Resinas de Poliuretano...12 Influências das Resinas sobre as Propriedades dos Filmes Plastificantes Aditivos a) Dispersantes b) Antiespumantes c) Nivelantes e Resistentes ao Risco d) Promotores de Aderência e) Estabilizantes de Luz f) Ceras g) Secantes h) Antipele Solventes a) Solventes Ativos b) Cossolventes c) Diluentes Pigmentos Cargas Sistemas de nitrocelulose para Repintura Automotiva...29 a) Características b) Regras de Formulação Sistemas de nitrocelulose para Madeira a) Características b) Regras de Formulação Sistemas de nitrocelulose para Tintas de Impressão a) Características b) Regras de Formulação...037

2 2

3 1 - INTRODUÇÃO A grande variedade dos produtos da Nitro Química comercialmente disponíveis, que variam quanto ao grau de nitração (teor de nitrogênio) e peso molecular (viscosidade), a tornam especial como polímero formador de filmes em tinta. As principais características como resina utilizada em tintas são: ampla solubilidade em solventes orgânicos compatibilidade com diferentes resinas e plastificantes filmes transparentes e inodoros facilidade de processamento secagem rápida eliminação rápida dos solventes na aplicação baixa retenção de solventes residuais inodora atóxica A combinação destas propriedades possibilita o seu uso em sistemas de secagem ao ar, secagem a baixa temperatura e sistemas catalisados, com grande aplicação em lacas de repintura de automóveis, tintas para madeira, tintas de impressão, esmaltes de unhas e tintas para calçados. 3

4

5 2 - MODIFICAÇÃO COM RESINAS A nitrocelulose raramente é empregada sozinha como formadora de filmes, pois as melhores propriedades se conseguem em combinação com outras resinas. A nitrocelulose de alta viscosidade pode ser empregada em shop primers que tem a finalidade de dar proteção temporária a superfícies metálicas, pois este tipo de nitrocelulose tem alta flexibilidade dispensando o uso de plastificantes. Estes produtos tem uma porcentagem de sólidos em torno de 4%. O grande emprego da nitrocelulose em filmes e a sua possibilidade de combinação com outras resinas e plastificantes, devido a grande compatibilidade que existe entre a nitrocelulose e inúmeros polímeros, permitem várias combinações em diferentes sistemas, como pode ser observado na tabela abaixo: PARÂMETRO DE SOLUBILIDADE DE RESINAS (J/cm 3 ) 1/2 δ D δ P δ H NITROCELULOSE ACETATO DE POLIVINIL CLORETO DE POLIVINILA POLIMETILACRILATO ACETOBUTIRATO DE CELULOSE POLIAMIDA ALQUÍDICA CURTA EM ÓLEO POLIESTER SATURADO URÉIA FORMALDEÍDO 17,2 20,93 18,72 18,64 15,75 17,43 18,50 1,54 20,81 12,3 11,27 10,03 10,52 9,21 14,94 8,29 7,8 9,66 3,07 7,51 8,59 14,5 4,91 12,38 12,71 A nitrocelulose pode ser empregada em sistemas: Binário Ternário Quaternário SISTEMA COMPONENTES Nitrocelulose / Plastificante Nitrocelulose / Plastificante / Resina Nitrocelulose / Plastificante/ Resina A / Resina B Os sistemas binários são empregados quando a nitrocelulose é de viscosidade média, em que a flexibilidade tem que ser melhorada pela adição de plastificantes apropriados. O sistema ternário é o mais empregado, onde se consegue um excelente compromisso entre flexibilidade, propriedades mecânicas e aparência. As relações entre os componentes devem ser balanceadas de acordo com as propriedades requeridas, porém as referências abaixo são típicas e servem como ponto de partida em formulações: 5

6 RELAÇÕES ENTRE TRÊS RESINAS Nitrocelulose Plastificante Alquídica 1 : 0,5 : 1,5 Nitrocelulose Plastificante Maleica 1 : 0,3 : 1 Nitrocelulose Plastificante Cetônica 1 : 0,5 : 1 Nitrocelulose Plastificante Amínica 1 : 0,5 : 0,5 A nitrocelulose é empregada em uma faixa de 33 a 50% em relação ao teor de sólidos da resina modificadora e plastificante, e pode ser combinada com resinas polares como: alquídicas maleicas amínicas fumáricas fenolicas epoxy poliamidas poliésteres acrílicas ésteres de breu cetônicas acetatos de polivinila vinílicas O sistema quaternário é mais complexo em sua composição, e seus componentes devem ser cuidadosamente balanceados para a obtenção das propriedades desejadas. A relação de resinas vai depender muito do tipo de nitrocelulose empregada, sendo os 2 sistemas abaixo os mais empregados: RELAÇÕES ENTRE QUATRO RESINAS Nitrocelulose Plastificante Alquídica Maleica 1 : 0,2 a 1 : 0,5 a 3 : 0,5 a 1 Nitrocelulose Plastificante Alquídica Amínica 1 : 1 a 1,5 : 1 a 2 : 0,1 a 0,3 a) Resinas Alquídicas As resinas alquídicas são obtidas pela esterificação de poliálcoois com ácidos policarboxílicos, sendo que pelo menos um dos álcoois tem que ser trihídrico. Normalmente são modificadas com óleos ou ácidos naturais ou sintéticos. As propriedades das resinas alquídicas podem ser modificadas por uma grande variedade de fatores, como tipo e conteúdo do óleo na resina, ácidos graxos, além de alteração com outros componentes como breu, resinas fenólicas, esterinadas, etc. As resinas alquídicas dependendo do teor de óleo, podem ser classificadas em curtas ( <40% ), médias (40 a 60%) e longas (>60%). 6

7 As resinas alquídicas usadas com nitrocelulose são as mais largamente empregadas, podendo ser do tipo curtas e médias em óleo, com um comprimento de óleo variando de 32 a 38%, as quais apresentam uma boa compatibilidade com nitrocelulose. Normalmente são derivadas de: óleos semi secativos soja mamona desidratada óleos não secativos côco de babaçu mamona cru As resinas alquídicas derivadas de óleos secativos são reativas, isto é, polimerizam-se no filme e são empregadas em: primers primer surfacers fundos e massas Sendo responsáveis pelas seguintes propriedades: aderência a substratos metálicos aumento de dureza resistência química do filme As resinas alquídicas derivadas de óleos não secativos permanecem inalteradas no filme, atuando como plastificantes e são usadas em tintas de acabamentos e a sua finalidade é: melhorar o aspecto aumentar o brilho melhorar o corpo do filme aumentar a resistência à luz plastificar o filme A resina alquídica é empregada em uma relação de aproximadamente 50% sobre o total de resinas. Resinas alquídicas curtas com um comprimento de 37% em óleo também são utilizadas em sistemas curáveis com ácidos, em combinação com as resinas nitrocelulose e uréia formaldeído. Há uma diversidade de resinas e fornecedores muito grandes, podendo a equivalência entre os diversos tipos ser estabelecida facilmente pela natureza e comprimento de óleo, viscosidade e teor de sólidos entre os diversos fornecedores. 7

8 b) Resinas Maleicas As resinas maleicas são obtidas pela reação de ácido abiético que é convertido em ácido levopimárico e reagido com anidrido maleico, formando produtos duros. São usadas em combinação com nitrocelulose para aumentar a: dureza secagem brilho aderência resistência a água. O seu uso é difundido em acabamentos de madeira para aumentar a lixabilidade e resistência a empilhamento, e em tintas de impressão para prevenir problemas no embobinamento dos filmes plásticos impressos. São empregadas em sistemas ternários ou quaternários em uma relação de 30 a 45% sobre o total de resinas. c) Resinas Poliamida Resinas poliamida são produtos da policondensação de diaminas com ácidos dicarboxílicos, resultando em produtos de estrutura linear. As resinas poliamida são utilizadas em combinação com nitrocelulose em tintas gráficas líquidas para rotogravura ou flexografia, com a finalidade de promover melhor aderência sobre filmes poliolefínicos alto brilho e resistência a gorduras, água gelada e detergentes. As resinas comerciais empregadas são derivadas de ácido graxo dimerizado e poliaminas alifáticas, havendo as versões solúvel em álcool e solúvel em acetatos/cetonas. Normalmente são empregadas em uma relação variável, sendo a mais típica a de 2:1 com nitrocelulose ES ou AS correspondente. 8

9 d) Resinas Melamina Formaldeído As resinas melamina-formaldeído são obtidas pela reação da melamina com formaldeído formando metilolmelamina em uma primeira etapa e depois alquiladas com álcoois do tipo metanol, butanol ou isobutanol, formando misturas complexas, classificáveis em 3 tipos distintos. As resinas melamina-formaldeído utilizadas com nitrocelulose são butiladas ou isobutiladas com a finalidade de promover: alta flexibilidade brilho durabilidade resistência ao calor resistência à luz O seu principal emprego é em lacas nitrocelulose para repintura automotiva. São usadas com mais frequência em sistemas quaternários em conjunto com resinas alquídicas e plastificante, em uma proporção de até 10%. e) Resinas Uréia Formaldeído Resinas uréia formaldeído são produtos da reação da adição de formaldéido ao grupo aminíco da uréia, obtendo-se resinas de baixo peso molecular e alta reatividade, que encontram grande uso em combinação com nitrocelulose e resinas alquídicas curtas e médias em óleo em sistemas curáveis com ácido para secagem ao ar ou baixas temperaturas promovendo filmes de: alta flexibilidade brilho durabilidade resistência ao calor resistência à luz 9

10 f) Resinas Benzoguanaminas Resinas benzoguanaminas são obtidas de uma maneira similar as resinas melamina, pela adição de formol a benzoguanamina e posterior alquilação com butanol. Obtendo-se resinas de baixa viscosidade e de reatividade menor que resinas melamina. A sua combinação com nitrocelulose permite a obtenção de lacas com melhoria no: brilho corpo aderência g) Resinas Carbâmicas Resinas carbâmicas são resinas baseadas em butiluretano e formaldeído, e são empregadas com nitrocelulose para acabamentos de madeira com a finalidade de melhorar: flexibilidade aderência brilho durabilidade exterior 10

11 h) Resinas Cetônicas As resinas cetônicas são obtidas pela co-condensação de formaldeído com cetonas obtendo-se uma variedade muito grande de produtos dependendo do tipo de cetona empregada. São resinas que em combinação com nitrocelulose desenvolvem: brilho filmes encorpados maior % de sólidos aderência secagem lixabilidade As resinas cetônicas são empregadas em tintas de impressão, podendo também ser utilizadas em produtos para madeira para melhorar lixabilidade. i) Resinas Acrílicas As resinas acrílicas são obtidas pela poliadição de monômeros de ácido acrílico, ácido metacrílico e de seus ésteres. As propriedades vão depender da natureza e proporção dos monômeros no polímero e do seu peso molecular. As resinas acrílicas são classificadas em resinas termoplásticas e termofixas. As resinas acrílicas utilizadas em combinação com nitrocelulose são de natureza termoplástica, e são empregadas para melhorar: aderência resistência a luz filmes claros Devido ao seu impacto sobre o aspecto, são usadas principalmente em acabamentos automotivos. 11

12 j) Resinas PVA Acetato de Polivinila PVA é obtido pela homopolimerização de monomeros de acetato de vinila resultando em polímeros amorfos solúveis em acetatos, cetonas e álcoois. Devido à alta resistência a intemperismo, podem ser empregadas em combinação com nitrocelulose para melhorar: aderência resistência a luz k) Resinas Vinílicas As resinas vinílicas são obtidas a partir da reação de etileno e álcool na presença de oxigênio, resultando em uma variedade muito grande dependendo do tipo de álcool, número de hidroxilas e grau de polimerização. As resinas vinílicas que têm aplicação com nitrocelulose são do tipo poliviniléter são mais empregadas como resina plastificante para melhorar: aderência flexibilidade resistência química l) Resinas de Poliuretano A nitrocelulose pode ser modificada com diisiocianatos em sistemas monocomponentes ou sistemas bicomponentes obtendo-se filmes de resistência superior em: abrasividade resistência a empilhamento secagem livre de pó 12

13 Influência das Resinas sobre as Propriedades do Filme Resinas Resinas Aderência sobre filme Poliolefínico Poliamida Lixabilidade Maleicas Aderência sobre metal Resinas Alquídicas Secativas Resistência Química Alquídicas Secativas Vinílicas Aderência Aspecto/ Acabamento Superficial Brilho Maleicas Carbâmicas Acrílicas Termoplásticas Vinílicas Benzoguanamidas Acetobutirato de Celulose PVA Alquídicas Não Secativas Alquídicas Não Secativas Poliamida Uréia Formaldeído Carbâmicas Maleicas Melamina Formaldeído Benzoguanaminas Resistência à Gordura e Detergente Resistência à luz Resistência ao Calor Resistência à Água Resistência ao Amarelamento Poliamidas Alquídicas Não Secativas Uréia Formaldeído Acrílicas Termoplásticas Melamina Formaldeído Carbâmicas PVA Melamina Formaldeído Uréia Formaldeído Maleicas Poliamidas Acetobutirato de Celulose Acrílicas Termoplásticas Corpo do Filme Alquídicas Não Secativas Benzoguanaminas Resistência ao Manchamento Acetobutirato de Celulose Dureza Alquídicas Secativas Maleicas Resistência ao Cold Check Acetobutirato de Celulose Elasticidade Flexibilidade Alquídicas Não Secativas Melamina Formaldeído Benzoguanaminas Amínicas Carbâmicas Uréia Formaldeído Vinílicas Resistência ao Empilhamento Resistência ao Risco Secagem Poliuretano Poliuretano Maleicas 13

14 3-PLASTIFICANTES Os plastificantes são componentes imprescindíveis na maioria dos sistemas nitrocelulose. Apenas as resinas nitrocelulose de alta viscosidade têm uma elasticidade suficiente que o dispensam; porém o seu uso em sistemas únicos é limitado devido ao baixo teor de não voláteis de suas soluções. A porcentagem de plastificante sobre a nitrocelulose vai depender muito do tipo de substrato, pois quanto maior a sua flexibilidade, maior será a necessidade de plastificante. A quantidade de plastificante também vai depender do uso de outras resinas, que tem a capacidade de influenciar a flexibilidade, como por exemplo resinas melamina formaldeído. Teor de Plastificante Recomendado SISTEMA Shop Primer Sistemas para Madeira Sistemas para Metais Sistemas para Papel Sistemas para Couro PORCENTAGEM SOBRE NITROCELULOSE 0 a a a a a 100 Os plastificantes possuem peso molecular muito menor que as resinas e devem atender as seguintes exigências: compatibilidade com a nitrocelulose e resinas empregadas efetividade: melhor resultado com menores teores permanência no filme: devem ter baixa volatilidade estabilidade: resistentes à luz, calor, umidade, agentes químicos De um modo geral a nitrocelulose tem boa compatibilidade com a grande maioria de plastificantes, com exceção das resinas plastificantes carbamida (Uresin), polivinilmetiléter e poliviniletiléter. Parâmetros de Solubilidade dos Plastificantes mais Comuns PLASTIFICANTE δd δp δh Dimetilftalato 18,5 10,8 4,9 Dietilftalato 17,5 9,57 4,49 Dibutilfatalato 17,7 8,57 4,08 Butilbenzilftalato 18,9 11,3 3,10 Dioctilftalato 16,6 6,98 3,10 Os plastificantes de uso mais comum são os ftalatos, sendo o DBP (dibutilftalato) de mais larga aplicação devido a sua: boa resistência flexibilidade baixa toxidez aumenta a tensão superficial promove a compatibilidade entre a nitrocelulose e resinas 14

15 Para sistemas que requerem propriedades específicas, são empregados plastificantes especiais de acordo com a qualidade que se queira realçar: Aderência Poliacrilatos Poliviniléter Estabilidade ao calor Dioctilftalato Didecilftalato Óleos epoxidados Estabilidade à luz Dioctilftalato Acetilbutilcitrato Óleos epoxidados Ésteres do ácido cítrico Resistência à água Dioctilftalato Resistência à chama Tricresilfosfato Trifenilfosfato Tricloroetilfosfato Dureza Cânfora Polivinilmetiléter Brilho Polivinilmetiléter Não existe um plastificante universal, sendo necessário uma boa definição das propriedades pretendidas com ensaios de laboratório para a seleção mais adequada. 4-ADITIVOS O alto peso molecular da nitrocelulose torna o filme menos sensível à ocorrência de defeitos relacionados à tensão superficial ou à mobilidade de pigmentos. Os aditivos mais empregados são : dispersantes antirrisco antiespumantes promotores de aderência absorvedores de ultravioleta. 15

16 a) Dispersantes São utilizados para a moagem e estabilização dos pigmentos durante o processo de fabricação. A moagem dos pigmentos em resinas alquídicas compatíveis com nitrocelulose é a prática mais comum e utilizam-se como agentes de dispersão polímeros de alto peso molecular. Estes aditivos devem ser incorporados à mistura de resina e pigmento antes do processo de moagem, em uma porcentagem de 0,1 a 0,5% sobre o total de pigmento. Exemplo de produtos comerciais Disperbyk 106 ou 108 Solperse Hyperdispersantes Nuosperse 657 Byk Avecia Nuodex b) Antiespumantes Os solventes orgânicos utilizados em tintas à base de nitrocelulose previnem a formação de espuma devido a sua baixa tensão superficial, porém em sistemas de aplicação a cortina pode haver a ocorrência de formação de bolhas. A utilização de polisiloxanos com uma viscosidade de a mpa.s ou siloxanos modificados com flúor em uma concentração de 0,1 a 0,5% de uma solução de 10% do aditivo, calculado sobre a tinta corrigem o defeito. Exemplos de produtos comerciais Byk 066 ou 141 ou 065 Addid 761 ou 751 Byk Wacker c) Nivelantes e Resistentes ao Risco A adição de tensoativos permite a obtenção de uma superfície de filme úmido com uma tensão superficial homogênea impedindo a formação de células de Bernard e propiciando uma evaporação uniforme dos solventes. Polímeros de polixiloxanos modificados com poliester são adicionados em uma concentração de 0,1 a 1% sobre a tinta para prevenir a ocorrência. Exemplos de produtos comerciais Byk 302 ou 306 Addid BO OU Addid 100 Baysilon OL Byk Wacker Bayer d) Promotores de Aderência A aderência está diretamente relacionada com a rugosidade e tensão superficial da superfície a ser pintada. Quanto mais uniforme e quanto menor a tensão superficial, pior é a aderência. Os casos mais críticos ocorrem em substratos plásticos poliolefínicos, que além de exigirem um pré-tratamento superficial para a ativação da superfície, necessitam a aditivação da tinta para a obtenção da necessária aderência. A aderência em substratos metálicos pode ser melhorada com a adição de resinas poliésteres especiais na porcentagem de 5 a 15% de resina sobre sólidos de nitrocelulose. Exemplo de produtos comerciais; Adhesion Resin LTW Flex 188 Degussa King 16

17 A aderência sobre substratos plásticos é muito mais crítica e existem diversos aditivos que promovem a sua melhoria, desde que previamente tratados com Corona. Neste caso costuma-se utilizar aditivos a base de organosilanos, titanatos e zirconatos. Os organosilanos têm uma natureza química bipolar em que o grupo silanol estabelece uma forte ligação com o substrato e o restante da cadeia polimérica com a resina da tinta, promovendo aderência em substratos críticos. Podem ser usados como primers o adicionados diretamente na tinta. Normalmente são usados na porcentagem de 0,1 a 3% sobre sólidos da tinta. Exemplos de produtos comerciais: Addid 900 e 903 Wacker Os titanatos têm tendência a amarelar na presença de produtos fenólicos ou tintas brancas e nestes casos dá-se preferência aos zirconatos que além de não alterarem a cor, têm uma reação mais lenta em contato com traços de água e são mais estáveis. Estes produtos promovem um crosslinking entre os sítios ativos do substrato e a resina da tinta. São especialmente indicados para rotogravura e flexografia, sendo utilizados na faixa de 1,5 a 3% sobre total. Exemplos de produtos comerciais: Tyzor GBA e IAM DuPont e) Estabilizantes de Luz São empregados em tintas que ficam diretamente expostas à radiação solar, cujos componentes UV promovem uma degradação dependendo dos polímeros utilizados. Alguns pigmentos como o dióxido de titânio e negro de fumo absorvem as radiações UV, reduzindo o seu efeito, porém em filmes de baixa pigmentação ou transparentes há necessidade de utilizar estabilizantes de luz. A porcentagem de uso pode chegar a 1,5% sobre o teor de sólidos da tinta. Os estabalizantes a luz são usados aos pares, sendo constituídos de um absorvedor de UV, que absorve a radiação e um antioxidante para prevenir a propagação dos radicais livres formados na superfície. Os absorverdores de UV são à base de benzotriazóis ou triazinas e os antioxidantes são do tipo HALS (hindered amine). Exemplos de produtos comerciais: UVAs Tinuvim 328, 384, 900 e 928 HALS Tinuvim 111FD, 123, 144, e

18 f) Ceras São comumente usadas para modificar as características de atrito superficial ou obter um fosqueamento do aspecto, porém tem o seu uso limitado pelo fato de influenciarem negativamente a aderência sobre o substrato ou de qualquer camada que venha a ser aplicada posteriormente. Os principais tipos utilizados são sintéticos, compreendendo: Ceras de polietileno Ceras de polipropileno micronizadas Ceras a base de Teflon Parafina Exemplos Comerciais Cera A Lancowax Cera PA 130 BASF Langer Hoechst g) Secantes Os secantes do tipo octoato ou naftenato podem ser empregados sempre que a resina alquídica modificadora seja à base de óleos secativos, porém como esta resina não é o componente principal, não há evidências de que a secagem final do filme seja comprovadamente influenciado pelos secantes, que atuam apenas na reação oxidativa de formação de filmes, enquanto que o mecanismo principal na formação de filmes em lacas é por evaporação de solvente. h) Antipele A função de aditivos antipele do tipo cetoxima é evitar o oxidação da superfície da tinta dentro da embalagem quando em contato com oxigênio do ar. Este fenômeno ocorre apenas com resinas alquídicas derivadas de óleos secativos, porém como a porcentagem destas resinas em uma laca é pequena, e normalmente são resinas curtas em comprimento de óleo, o seu uso é desnecessário. 5 - SOLVENTES A solubilidade da nitrocelulose vai depender de: teor de nitrogênio da nitrocelulose viscosidade da nitrocelulose (grau de viscosidade) tipo de solvente usado temperatura processo de dissolução 18

19 A nitrocelulose é amplamente solúvel nos seguintes solventes ativos: ésteres cetonas glicoléteres ésteres de glicoléteres metanol (único álcool) Solventes Especiais: Tetrahidrofurano 2 Nitropropano n,n-dimetilformamida n-metil-2-pirrolidona Sendo insolúvel em álcoois, solventes aromáticos e alifáticos, porém são utilizados como solventes latentes ou diluentes em combinação com os solventes ativos. O poder de solvência é caracterizado por três valores númericos conhecidos como parâmetros de solubilidade: δp, δd e δh, que se estiverem situados dentro da esfera de solubilidade da nitrocelulose, serão considerados solventes verdadeiros. Encontra-se nos gráficos a seguir a localização de diferentes solventes na esfera de solubilidade da nitrocelulose tipo ES e AS. δh (J/cm 3 ) 1/2 AS = baixo teor de nitrogênio ES = alto teor de nitrogênio δp (J/cm 3 ) 1/2 δd (J/cm 3 ) 1/2 Projeção da esfera de solubilidade da nitrocelulose Greencell AS/ES Ecocell AS/ES 19

20 NC AS NC ES δh (J/cm 3 ) 1/2 δp (J/cm 3 ) 1/2 NC AS NC ES δh (J/cm 3 ) 1/2 δd (J/cm 3 ) 1/2 20

21 NC AS NC ES δp (J/cm 3 ) 1/2 δd (J/cm 3 ) 1/2 Tabela 1 Parâmetros de Solubilidade dos solventes Solventes Etanol Ciclohexanol Diacetona Alcool Acetato de etila Acetato de butila Isobutil acetato Amil acetato Etileno glicol metil eter Etileno glicol etil eter Etileno glicol butil eter Etileno glicol etil acetato Acetona Metil etil cetona Dimetilftalato (DMP) Dietilftalato (DEP) Dibutilftalato(DBP) Butil benzilftalato (BBP) Dioctilftalato (DOP) Parâmetro de Solubilidade δ D (j/cm 3 ) 1/2 δ P (j/cm 3 ) 1/2 δ H (j/cm 3 ) 1/2 15,7 17,4 15,7 15,7 15,7 15,1 15,3 16,2 16,2 15,9 15,9 15,5 15,9 18,5 17,5 17,7 18,9 16,6 8,8 4,1 8,2 5,3 3,7 3,7 3,3 9,2 9,2 7,0 4,7 10,4 9,0 10,8 9,57 8,57 11,3 6,98 19,4 13,5 10,8 7,2 6,3 6,3 6,9 16,4 14,3 10,6 10,6 7,0 5,1 4,9 4,49 4,08 3,10 3,10 21

22 A viscosidade de uma solução de nitrocelulose vai depender largamente da composição dos solventes utilizados. Mesmo utilizando apenas solventes ativos verdadeiros, haverá uma grande diferença conforme o solvente empregado. Viscosidades Relativas de Solução de Nitrocelulose ES 1/2 Seg com 12,2% de Sólidos SOLVENTE Acetona Metiletilcetona Metilisobutilcetona Acetato de Etila Acetato de Butila Etilenoglicolmonoetileter Diacetonaalcool VISCOSIDADE RELATIVA Os solventes para a nitrocelulose são classificados em: a) Solventes Ativos São os solventes verdadeiros em que a nitrocelulose é miscível em qualquer proporção fornecendo soluções límpidas e cujos parâmetros de solubilidade estão situados dentro da esfera de solubilidade da nitrocelulose. Podem ser subdivididos em 3 tipos dependendo do seu ponto de ebulição: Leves: ponto de ebulição < 100 ºC: são usados em grande quantidades, reduzindo a viscosidade de uma forma acentuada e promovendo secagem rápida. Exemplos: acetona / acetato de etila / metiletilcetona Médios: ponto de ebulição ( ºC ): são usados em quantidade moderada, favorecendo o alastramento e nivelamento do filme. Exemplos: acetato de butila / metilisobutilcetona / etilglicol/ Dowanol PM Lentos: ponto de ebulição acima 140 ºC: são usados em quantidades limitadas para promover alto brilho e aderência. Exemplos : diacetona álcool / acetato de etil glicol/ Dowanol PMA Super Lentos: (170 ºC ): são utilizados em ambientes muito úmidos para prevenir o blushing do filme. Exemplos: butilglicol / etilglicol 22

23 b) Cossolventes São solventes latentes que sozinhos não solubilizam a nitrocelulose, porém atuam em sinergia com solventes ativos, reduzindo a viscosidade da solução, abaixando o seu custo e auxiliando na solubilização do plastificante na nitrocelulose. Exemplos: etanol / isopropanol/ butanol / isobutanol c) Diluentes Não dissolvem a nitrocelulose, porém junto com solventes ativos ajudam a reduzir o custo da composição de solventes. Exemplos: toluol / xilol / naftas alifáticas Uma composição genérica de mistura de solventes para nitrocelulose, contém normalmente a seguinte relação: Quanto à Natureza do Solvente Quanto à Taxa de Evaporação do Solvente RÁPIDOS MÉDIOS LENTOS 25% 30% 45% Assim, uma dada composição poderá ser alterada por substituição de solventes desde que sejam guardadas aproximadamente as relações acima. 6 - PIGMENTOS ATIVOS LATENTES DILUENTES Ésteres / Cetonas/ Glicoléteres Álcoois Aromáticos 20% 20% 60% Os pigmentos são empregados com finalidades decorativas e funcionais e são selecionados de acordo com: cor dispersabilidade transparência poder de cobertura resistência à umidade resistência química resistência ao sangramento durabilidade Os pigmentos são mais inertes do que as resinas e tendem a fortalecer e proteger o filme, dando acabamentos mais duráveis, porém o seu uso crescente pode também tornar o filme mais quebradiço, dependendo do PVC da tinta. 23

24 Os pigmentos utilizados em acabamentos à base de nitrocelulose normalmente são os mesmos utilizados em tintas industriais, com a restrição de não poderem ser usados pigmentos de caráter básico ou alcalino, que podem reagir lentamente com a nitrocelulose levando à perda de estabilidade e desenvolvimento de gases. Pigmentos do tipo purpurina também não podem ser empregados devido a tendência ao bronzeamento. A utilização de uma mistura de solventes ricos em acetatos, cetonas e glicoiséteres limita o uso de pigmentos azo, pois pode ocorrer uma pequena solubilização do pigmento, provocando a sua migração para a superfície e consequente bronzeamento da cor ou sangramento em uma repintura. Em tintas gráficas aplicadas por rotogravura ou flexografia deve-se escolher pigmentos de baixa abrasividade, com cuidados especiais com pigmentos inorgânicos do tipo óxido de ferro, ou dióxido de titânio encapsulados com sílica, para prevenir a ocorrência de desgastes nas facas ou cilindros da impressora. Para uma melhor dispersão dos pigmentos, dá-se preferência pela moagem em resinas alquídicas de baixa viscosidade, sendo a nitrocelulose adicionada posteriormente às bases de moagem. Lacas industriais usam os mesmos pigmentos utilizados nos esmaltes, observando-se as restrições descritas acima. Lacas automotivas utilizam pigmentos de alta resistência a intemperismo, classificados nos seguintes pigmentos primários por grupos de cores: Amarelos Azo níquel Cromato de chumbo revestido Óxido de ferro Antrapirimidina Isoindolinona Flavantrona Vanadato de bismuto Laranjas Molibdato de chumbo revestido Antrantona Perinone Quinacridona Azuis Azul ferrocianina Ftalocianina de cobre Indantrona Verdes Ftalocianina de cobre Verde cromo 24

25 Vermelhos / Violetas / Marrons Quinacridona Thioindigo Perilene Dioxazina Isodibenzantrona Pirantrona Metal azo BON Metal azo BOM arilida Dourados / Marrons Óxido de ferro Quinacridona Preto Negro de fumo Branco Dióxido de titânio rutilo 7 - CARGAS Também conhecidos por extensores, são pós inorgânicos de baixo índice de refração, isto é, têm baixo poder de cobertura e afetam pouco a cor, sendo utilizados com finalidade funcional ou econômica, podendo influir nas seguintes propriedades: manter pigmentos em suspensão alterar a reologia da tinta promover a lixabilidade fosqueamento aumentar dureza redução de custo Os principais tipos de cargas são: CAULIM É caracterizado como Pigment White 19 (77005), também conhecido como China Clay e caracterizado pelo grande porcentual de partículas abaixo de 2 microns, sendo usado para aumentar a eficiência do dióxido de titânio. TALCO É caracterizado como Pigment White 26 ( 77718), sendo apresentado nas formas fibroso, lamelar ou massivo, podendo influenciar as seguintes propriedades: 25

26 estabilidade a sedimentação da tinta melhorar propriedades reológicas nivelamento - escorrimento - aplicação fosqueamento (forma cristalina) lixabilidade (forma lamelar e granular) resistência a água (forma lamelar) BARITA É caracterizado como Pigment White 22 ( 77210), apresentando grande inércia química, alta densidade e baixa absorção de óleo. Deve ser usado com cuidado, pois pode prejudicar a elasticidade do filme. O seu uso influencia as seguintes propriedades: nivelamento enchimento brilho dureza resistência a abrasão MICA É caracterizado como Pigment White 20 (77019), sendo encontrada na forma de biotita, vermiculita e muscovita, sendo esta última mais usada devido ao seu caráter lamelar, conferindo as seguintes propriedades para o filme: resistência à umidade selamento dos poros da madeira SÍLICAS São caracterizadas como Pigment White 27 ( 77811), estando disponível na forma natural ou sintética. A sílica natural é encontrada na forma amorfa, cristalina e diatomácea. A sílica amorfa é utilizada pelo seu preço e caráter inerte, melhorando: resistência à abrasão aderência As sílicas sintéticas são classificadas em precipitadas, pirogênicas e aerogéis. As sílicas pirogênicas são bastante empregadas para: melhorar tixotropia anti-sedimentante As sílicas aerogéis são utilizadas como agentes fosqueantes, com a vantagem de não afetar outras propriedades como resistências, flexibilidade e claridade do filme. 26

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda.

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda. Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização em Embalagens nos U.S.A. e Alemanha, vem atuando no mercado de embalagens desde 1976 em empresas

Leia mais

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho TINTAS Conceito Composição química variada, na maioria das vezes orgânica, que apresenta consistência líquida ou pastosa, que aplicada sobre uma superfície, forma um revestimento sólido e contínuo, com

Leia mais

LINHA 2012 RESINAS SINTÉTICAS

LINHA 2012 RESINAS SINTÉTICAS LINHA 2012 RESINAS SINTÉTICAS Gestão da Qualidade NBR ISO 9001 OCS 0007 ESTRUTURA 05 Acrílicas Carboxiladas AQ-1581 58-60% X - Z R-9 59-69 1 máx Esmaltes e vernizes metalgráficos curados em melamina

Leia mais

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume SISTEMA PU - 4000 - Tintas Industriais Esmalte E-4000 6,5 m2/litro sem diluição. 50 a 60 µm K-4060 Catalise 5 X 1 Excelente acabamento para pintura de caixa eletrônico, ônibus, baús, orelhões, painéis

Leia mais

CATÁLOGO GELCOATS reduzido bleed 2.indd 1 28/08/2009 16:38:03

CATÁLOGO GELCOATS reduzido bleed 2.indd 1 28/08/2009 16:38:03 CATÁLOGO GELCOATS reduzido bleed 2.indd 1 2/0/09 1:3:03 Nossa empresa Com 23 unidades distribuídas pelo globo, entre fábricas e Centros de Pesquisa & Desenvolvimento, a Reichhold tem um alcance global

Leia mais

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA s.f. Ato ou efeito de pintar. Camada de recobrimento de uma superfície, com funções

Leia mais

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 15 - PINTURA A pintura é um serviço de obra tão importante como qualquer outro, e é um grave erro não lhe dar uma atenção condizente, ela deve ser projetada e executada segundo técnica adequada, não

Leia mais

MANUAL BÁSICO SOBRE TINTAS

MANUAL BÁSICO SOBRE TINTAS MAUAL BÁSIC SBRE TITAS ELABRAD PR PAUL ATI DADI EM CLABRAÇÃ CM A ASSCIAÇÃ BRASILEIRA DS FABRICATES DE TITAS (ABRAFATI) ATUALIZAD EM JAEIR / 2011 /// SUMÁRI Introdução...03 Por que Pintar?...04 Propriedades

Leia mais

ÍNDICE Quem Somos Estrutura Prêmios Acrílicas Alquídicas Amínicas Derivadas do Breu Ésteres de Epóxi Fenólicas Óleos Modificados Poliésteres

ÍNDICE Quem Somos Estrutura Prêmios Acrílicas Alquídicas Amínicas Derivadas do Breu Ésteres de Epóxi Fenólicas Óleos Modificados Poliésteres L I N H A 2 0 1 1 R E S I N A S S I N T É T I C A S ÍNDICE Quem Somos Estrutura Prêmios Acrílicas Alquídicas Amínicas Derivadas do Breu Ésteres de Epóxi Fenólicas Óleos Modificados Poliésteres Poliuretânicas

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 01 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 01 PVC Introdução Os produtos de PVC são divididos em duas grandes classes: rígidos e flexíveis. Os plastificantes vêm sendo utilizados há muitos anos na produção de PVC flexível para uma grande variedade de

Leia mais

Resina vinílica para aplicação em solução

Resina vinílica para aplicação em solução Resina vinílica para aplicação em solução Resina vinílica para aplicação em solução As resinas Vinisol são polímeros vinílicos solúveis de alto desempenho que podem ser usadas puras ou em combinação com

Leia mais

Novas linhas FX, conceito de uso, solvência e seus benefícios. working for you. José Vitor Rychert

Novas linhas FX, conceito de uso, solvência e seus benefícios. working for you. José Vitor Rychert Novas linhas FX, conceito de uso, solvência e seus benefícios working for you. José Vitor Rychert Histórico SunChemical 1818 1929 1936 4 companhias de tintas se fundem e criam General Printing Inks (GPI)

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes agressivos. São produtos com maior retenção de cor e brilho,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II Tintas e Vernizes Tintas Imobiliárias/Arquitetônicas A tinta é uma preparação que tem como finalidade

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

Trilhando o caminho da sustentabilidade ao baixo VOC, formulando primers base água. BECKOSOL AQUA 210 EPOTUF 37-685. André Luiz de Oliveira

Trilhando o caminho da sustentabilidade ao baixo VOC, formulando primers base água. BECKOSOL AQUA 210 EPOTUF 37-685. André Luiz de Oliveira Trilhando o caminho da sustentabilidade ao baixo VOC, formulando primers base água. BECKOSOL AQUA 210 EPOTUF 37-685 André Luiz de Oliveira FORMULANDO PRIMER ALQUÍDICO BASE ÁGUA PARA METAIS BECKOSOL AQUA

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Celulose & Papel Soluções para Celulose e Papel A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes

Leia mais

Guia de aditivos, resinas e químicos para construção

Guia de aditivos, resinas e químicos para construção Guia de aditivos, resinas e químicos para construção INSTITUCIONAL A D Altomare atua no Brasil desde 1972, atendendo clientes em todo o território nacional. Possui sede em São Paulo com modernas instalações

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Estruturas Metálicas

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Estruturas Metálicas Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Estruturas Metálicas www.we.net Soluções para Estruturas Metálicas Cada semento de mercado tem suas características específicas.

Leia mais

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing?

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing? Informações Gerais Provedora de soluções para o processo de Water Transfer Printing a PROJFIX está no mercado com o objetivo de trazer qualidade para o segmento no Brasil, comercializando produtos de alto

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PINTURA

PROCEDIMENTOS DE PINTURA 1 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 2 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 01.00 SISTEMA DE PINTURA PARA ACABAMENTO FINAL EM LATEX PVA 01.01 - PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE 1. GESSO (PLACA/PASTA) - Aplicar fundo preparador de parede

Leia mais

Química D Extensivo V. 3

Química D Extensivo V. 3 Química D Extensivo V. 3 Exercícios 01) Alternativa correta: A 5 4 3 2 1 CH 3 CH 2 CH CH CH 2 OH CH 3 CH 3 metil metil 02) Alternativa correta: D 8 7 6 5 4 3 2 1 CH 3 C = CH CH 2 CH 2 CH CH 2 CH 2 OH CH

Leia mais

TIPOS DE TINTA. Os principais mecanismos de formação de película das tintas são: SECAGEM FÍSICA (EVAPORAÇÃO DE SOLVENTES) OXIDAÇÃO

TIPOS DE TINTA. Os principais mecanismos de formação de película das tintas são: SECAGEM FÍSICA (EVAPORAÇÃO DE SOLVENTES) OXIDAÇÃO TIPOS DE TINTA 2008 As tintas podem ser classificadas de várias maneiras, isto é, pelo tipo de resina, pela função (fundo, acabamento, protetiva, decorativa). Vamos classificá-las em função da secagem

Leia mais

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998 Fitas VHB Dupla-Face de Espuma Acrílica para Construção Civil Fita Dupla-Face de Espuma Acrílica Cinza - 4972 Dados Técnicos Julho/2011 AgoAg Junho / 1998 Substitui: Novembro/2005 Descrição do Adesivo

Leia mais

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Página 1 de 8 IMACOAT VERNIZ UV IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda Vendas : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Mairinque SP Brasil CEP 18120-000 Telefone : (55+11) 4718 1745 Fax : (55+11)

Leia mais

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante.

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante. Página 1 de 5 Boletim Técnico Produto Esmalte PU Piscinas Descrição Esmalte PU Piscinas é um esmalte poliuretano bicomponente impermeável ideal para pintura de piscinas de concreto e fibra, deixando-as

Leia mais

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida.

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida. Página 1 de 5 TINTAS E VERNIZES LATEX ACRÍLICO E PVA Criadas para proteger e embelezar as paredes de alvenaria, estruturas metálicas e madeiras, as tintas são aperfeiçoadas para garantir maior desempenho

Leia mais

Pintura Como Aumentar a Confiabilidade na Eficiência? 2014. Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES

Pintura Como Aumentar a Confiabilidade na Eficiência? 2014. Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES Pintura Como Aumentar a Confiabilidade na Eficiência? 2014 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES Projeto de Pesquisa Petrobras 1996-2000 Hidrojateamento Qualidade,

Leia mais

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Quimgax 2030 Quimgax 2004 Quimgax 2017 Quimgax 2043 Quimgax 2044 Quimgax 2777 Quimgax 2019 Quimgax 2143 Quimgax 2153 Quimgax 2061 e 2062 As gaxetas de fibras sintéticas

Leia mais

Revestimentos para Usinas

Revestimentos para Usinas Revestimentos para Usinas Sobre nós Fundada em 1995 Fundador: Engº Químico Newton Carvalho Jr. Área de atuação: Revestimentos monolíticos - pisos técnicos, pisos decorativos, proteções de superfície, revestimentos

Leia mais

Excelência na química base de poliuretano

Excelência na química base de poliuretano Excelência na química base de poliuretano do poliuretano > Centros de produção em (França) e em (EUA) > Representação comercial em todo o mundo, em parte através organização de vendas da Perstorp. > Apostados

Leia mais

Película Scotchcal MR Série D

Película Scotchcal MR Série D Película Scotchcal MR Série D Dados Técnicos Abril/2008 Substitui: Julho/2006 Revisão 03 Barras pretas nas margens indicam as alterações Descrição Descrição e usos As Películas Scotchcal MR Série D são

Leia mais

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA Processos de pintura Existem diferentes processos de pintura, mas o segredo para o sucesso e durabilidade do acabamento final, depende invariavelmente da habilidade do profissional e da preparação da superfície.

Leia mais

Significado dos Ícones

Significado dos Ícones PROCEDIMENTOS DE REPINTURA Secagem Significado dos Ícones Secagem ao ar Tempo de secagem Tempo de secagem Trabalhos Complementares Lixamento úmido Lixamento seco Lixamento úmido com máquina Lixamento seco

Leia mais

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA!

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! LANÇAMENTOS 2012 LINHA APLIKCAR- para envelopamento de veículos VINIL BRANCO BRI.LHANTE - vinil para envelopamento de veículos e impressão digital. VINIL BLACK PIANO

Leia mais

TINTAS IMOBILIÁRIAS E SISTEMAS DE PINTURA

TINTAS IMOBILIÁRIAS E SISTEMAS DE PINTURA TINTAS IMOBILIÁRIAS E SISTEMAS DE PINTURA 2014 Funções Decoração Proteção da base (durabilidade dos substratos) Impedir corrosão de metais Reduzir absorção de água em materiais porosos Retardar degradação

Leia mais

Performance ecológica

Performance ecológica Performance ecológica Por Miriam Mazzi 14 LUBGRAX Edição 20 2012 Antioxidantes - 20.indd 14 27/11/2012 19:12:55 Em busca de alternativas eficazes para brecar ou reduzir o complexo processo de degradação

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Marítimo e Offshore

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Marítimo e Offshore Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Marítimo e Offshore Soluções para Marítimo & Offshore A WEG Tintas possui uma linha completa de produtos anticorrosivos

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA PROCEDIMENTOS PARA PINTURA Prof. Marco Pádua Geralmente não é dada a devida importância a qualidade dos serviços de pintura. Sendo a última etapa da construção, as vezes, motivados pela economia procuram-se

Leia mais

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Autor: Sérgio Medeiros Graúna Química E-mail: Site: www.graunagroup.com

Leia mais

Película Scotchcal MR Série D

Película Scotchcal MR Série D Película Scotchcal MR Série D Dados Técnicos Novembro/2005 Substitui: Julho/2005 Revisão 01 Barras pretas nas margens indicam as alterações Descrição Descrição e usos As Películas Scotchcal MR Série D

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA Código ETD-00.014 Data da emissão 27.11.1986 Data da última revisão 30.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Monografia TINTAS, SUAS PROPRIEDADES E APLICAÇÕES IMOBILIÁRIAS

Monografia TINTAS, SUAS PROPRIEDADES E APLICAÇÕES IMOBILIÁRIAS Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia de Materiais e Construção Curso de Especialização em Construção Civil Monografia TINTAS, SUAS PROPRIEDADES E APLICAÇÕES

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

ARREPIAMENTO. II CORREÇÃO Remover as áreas afetadas e repintar. acabamento extremamente sensíveis.

ARREPIAMENTO. II CORREÇÃO Remover as áreas afetadas e repintar. acabamento extremamente sensíveis. ARREPIAMENTO O solvente do produto recém aplicado ataca o acabamento anterior causando, enrugamento, arrepiamento ou franzimento do filme de tinta, devido a: Repintura de esmalte ou poliuretano não totalmente

Leia mais

Resumo dos Acabamentos para Madeira de Interiores

Resumo dos Acabamentos para Madeira de Interiores 1 Resumo dos Acabamentos para Madeira de Interiores Gary P Velikanje, CSI, CDT Revisado em 24 de fevereiro de 2006. As seguintes informações foram originalmente escritas para os profissionais de design

Leia mais

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção Construção Civil Impermeabilização e Injeção Membranas moldadas in loco Vantagens da aplicação moldada in loco Agilidade na aplicação Requer cota mínima Aplicado a frio Molda-se perfeitamente ao substrato

Leia mais

Tinta para sinalização horizontal rodoviária à base de resina estireno-acrilato e/ou estireno-butadieno

Tinta para sinalização horizontal rodoviária à base de resina estireno-acrilato e/ou estireno-butadieno MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra, km 163 - Centro Rodoviário - Vigário Geral Rio de Janeiro,

Leia mais

Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480

Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480 www.abrafati.com.br Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480 Rua Júlio Diniz, 56 - cjto 41 - Vila Olímpia Cep: 04547-090 - São Paulo

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

ANTISAGTEST Norma ASTM Aparelho determina a tendência de escorrimento vertical de tinta com aplicação de 10 faixas com espessura de 75 a 300 micros.

ANTISAGTEST Norma ASTM Aparelho determina a tendência de escorrimento vertical de tinta com aplicação de 10 faixas com espessura de 75 a 300 micros. ANTISAGTEST Aparelho determina a tendência de escorrimento vertical de tinta com aplicação de 10 faixas com espessura de 75 a 300 micros. APARELHO TIPO PENTE Medidor de camada úmida escalas de medição:

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado Sistema Duplex Vantagens e Aplicações Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado METALURGIA Corrosão Tendência que os materiais têm de retornar ao seu estado

Leia mais

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno A Saturno é uma empresa com mais de 60 anos de experiência na fabricação de tintas e vernizes para diversos segmentos da comunicação visual e decoração

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO Esperamos que este Manual Prático de Aplicação possa oferecer a você que é usuário das tintas da KING S PAINT, informações importantes para realizar uma pintura de melhor qualidade

Leia mais

FISPQ LIMPA PORCELANATO. FICHA DE SEGURANÇA de produtos químicos

FISPQ LIMPA PORCELANATO. FICHA DE SEGURANÇA de produtos químicos LIMPA PORCELANATO CARACTERÍSTICA DO PRODUTO: É um limpador alcalino especialmente formulado para limpeza leve e pesada em pisos tratados com acabamentos acrílicos, pisos não tratados como porcelanato.

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas COLAS Conhecer os diversos tipos de materiais é muito importante para o desenvolvimento de um cosplay. Nesse tutorial vamos conhecer um pouco do universo das colas. Encontramos no mercado uma infinidade

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 5 FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Resinas monocomponentes elastoméricas para acabamento em madeiras. TERRATACO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS AULA 01 Polímeros Definição de Polímeros Tipos de Polímeros Aplicações dos Polímeros Definições gerais para Polímeros Peso Molecular Arquitetura Molecular Estado de Conformação

Leia mais

Curso de pintura industrial para jatista, encarregado e pintor industrial - Parte 08

Curso de pintura industrial para jatista, encarregado e pintor industrial - Parte 08 Curso de pintura industrial para jatista, encarregado e pintor Industrial Parte 08 1. Tipos de tintas e características principais As tintas, devido a evolução da tecnologia, podem ser classificadas pelo

Leia mais

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático).

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). 61 b A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação descrita

Leia mais

CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PINTURA DE ALVENARIAS EM AMBIENTES NÃO AGRESSIVOS

CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PINTURA DE ALVENARIAS EM AMBIENTES NÃO AGRESSIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PINTURA DE ALVENARIAS

Leia mais

- Os capítulos foram reestruturados para melhor compreensão e estão divididos em: Tintas, Preparação da Superfície e Aplicação.

- Os capítulos foram reestruturados para melhor compreensão e estão divididos em: Tintas, Preparação da Superfície e Aplicação. PREFÁCIO No Brasil, atualmente temos tintas, resinas e diversas formulações que possuem tecnologia a nível internacional e de acordo com as mais modernas técnicas de proteção anticorrosiva utilizadas no

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Celesc Di Celesc Distribuição S.A. ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA PINTURA SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA APLICAÇÃO EM : TRANSFORMADORES

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

PREPARAÇAO DE SUPERFICIES NÃO FERROSAS. Chapa de alumínio

PREPARAÇAO DE SUPERFICIES NÃO FERROSAS. Chapa de alumínio PREPARAÇAO DE SUPERFICIES NÃO FERROSAS Chapa de alumínio A superfície devera ser desengraxada com pano limpo umidecido em solvente para a remoção de óleos e graxas. Em determinadas situações, pode ser

Leia mais

MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica.

MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica. MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica. Descrição do Produto MASTERTOP 1119 é um sistema para pintura epoxídica, bicomponente, isento de

Leia mais

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905 KIT Nº 1 KIT Nº 2 01 Bandeja Grande Ref.0.2823 01 Rolo de Espuma Pop 23 cm Ref.0.13 com cabo Ref. 0.2072 01 Rolo de Espuma Pop 09 cm com cabo Ref. 0.1109. 01 Rolo de Espuma Pop 05 cm c/ cabo Ref. 0.1105

Leia mais

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2. ÍNDICE 1 SUPERFICIES CERÂMICAS 2 PROTEÇÃO ÀS TELHAS E TIJOLOS 3 PRINCIPAIS FATORES QUA ALTERAM AS CARACTERISTICAS DAS SUPERFICIES CERAMICAS: HIDROFUGANTES E IMPERMEABILIZANTES 4.1 HIDROFUGANTES 4.1.1 TIPOS

Leia mais

PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO

PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO é um revestimento cerâmico bicomponente, na cor branca, ideal para promover proteção pintável às superfícies contra corrosão, abrasão

Leia mais

12:00 Lunch 13:00 Agregando valor através da escolha correta Thomas Linkenheil, Trelleborg

12:00 Lunch 13:00 Agregando valor através da escolha correta Thomas Linkenheil, Trelleborg 0 Agenda 8:30 Registration Coffee 9:00 Value Added Packaging Rainer Kuhn, PrintCity 9:30 Desafios na Indústria de embalagem de Dr. Bernhard Fritz, SunChemical papelão 10:10 Agregando Valor através de tecnologias

Leia mais

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares Tensão superficial Força existente na superfície de líquidos em repouso. Fortes

Leia mais

IVPU-Z IBIRÁ é fabricada em poliuretano com reforço de espiral em aço zincado. Possui alta flexibilidade, ótima resistância à abrasão.

IVPU-Z IBIRÁ é fabricada em poliuretano com reforço de espiral em aço zincado. Possui alta flexibilidade, ótima resistância à abrasão. VU-Z vácuo-ar 100% U Ficha Técnica Edição 00-08/05/015 VU-Z BRÁ VU-Z BRÁ Mangueira 100% U Descrição dos produtos Campos de Aplicação Dados do produto Metodologias Utilizadas: VU-Z BRÁ é fabricada em poliuretano

Leia mais

Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região CREF4/SP

Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região CREF4/SP Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região CREF4/SP COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 73/2015 Objeto: Aquisição de materiais para execução de pequenos reparos e manutenção nas paredes, sanitários e no cofre

Leia mais

Reciclagem polímeros

Reciclagem polímeros Reciclagem polímeros Reciclagem Química A reciclagem química reprocessa plásticos transformando-os em petroquímicos básicos: monômeros ou misturas de hidrocarbonetos que servem como matéria-prima, em refinarias

Leia mais

GRUPO TCHÊ QUÍMICA Pigmentos Orgânicos Porto Alegre, RS www.tchequimica.com Versão 1.1

GRUPO TCHÊ QUÍMICA Pigmentos Orgânicos Porto Alegre, RS www.tchequimica.com Versão 1.1 GRUPO TCHÊ QUÍMICA Pigmentos Orgânicos Porto Alegre, RS www.tchequimica.com Versão 1.1 Sumário Introdução... 03 Grupos cromóforos... 04 Grupos auxocromos... 04 Características físico-químicas... 05 Classificação

Leia mais

LACKTHANE N 2677. B O L E T I M T É C N I C O T i n t a L í q u i d a DESCRIÇÃO DO PRODUTO:

LACKTHANE N 2677. B O L E T I M T É C N I C O T i n t a L í q u i d a DESCRIÇÃO DO PRODUTO: LACKTHANE N 2677 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Tinta de acabamento poliuretano acrílico alifático brilhante bicomponente, de altos sólidos por volume. Produto desenvolvido para compor um sistema de proteção anticorrosiva,

Leia mais

Degradação Fotoquímica

Degradação Fotoquímica Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Os efeitos da radiação em polímeros de engenharia, tornaram-se objeto de consideração de importância

Leia mais

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA EQUIPAMENTOS USUAIS PARA APLICAÇÃO DA PINTURA Ferramentas para PREPARO

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA

COMUNICADO À IMPRENSA Wacker Química do Brasil Ltda. R. Municipal, 325 Jd. Alvorada 06612-060 - Jandira, SP, Brasil www.wacker.com COMUNICADO À IMPRENSA Número 03 Concrete Show South America 2014: A WACKER apresenta novo polímero

Leia mais

Metodologia Científica e Tecnológica

Metodologia Científica e Tecnológica Metodologia Científica e Tecnológica Módulo 3 Variáveis e Constantes Prof. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com http://lattes.cnpq.br/9620345505433832 Edição 2009 Material para Fins Didáticos

Leia mais

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup cleanup linha floor care limpeza e manutenção de pisos E 200 Limpador Alcalino de Uso Geral Desenvolvido para limpeza leve e pesada em todos os tipos de superfícies laváveis (bancadas, paredes, máquinas

Leia mais

Qualidade da Pintura na Construção Naval

Qualidade da Pintura na Construção Naval Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Tecnologia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Naval e Oceânica PROJETO FINAL DE CURSO Qualidade da Pintura na Construção Naval Luciano Viceconte

Leia mais

Curso Técnico em Química. Componente Curricular: Processos Industriais. Primeira Edição - 2007. Tintas MÓDULO II NOME DO ALUNO :...

Curso Técnico em Química. Componente Curricular: Processos Industriais. Primeira Edição - 2007. Tintas MÓDULO II NOME DO ALUNO :... Curso Técnico em Química Componente Curricular: Processos Industriais Primeira Edição - 2007 Tintas MÓDULO II NOME DO ALUNO :... TURMA:... NÚMERO:... Produção e digitação: Profº. Marcelo Antunes Gauto.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Patos de Minas Secretaria Municipal de Administração. PREGÃO Nr. 094/2009 ANEXO I. Proposta de Preços. Processo: 9580/2009

Prefeitura Municipal de Patos de Minas Secretaria Municipal de Administração. PREGÃO Nr. 094/2009 ANEXO I. Proposta de Preços. Processo: 9580/2009 PREGÃO Nr. 094/2009 ANEXO I Proposta de Preços Processo: 9580/2009 Razão Social do Licitante: CNPJ: Insc. Estadual: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: Telefone : Fax : e-mail : INFORMACÕES PARA PAGAMENTOS

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS CATALO DE PRODUTOS SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO E PINTURA EPOXI VERMELHO MODELO AP E PQS Aba na base que impede

Leia mais

Química vegetal para o acabamento da madeira

Química vegetal para o acabamento da madeira página 1 de 3 Química vegetal para o acabamento da madeira A madeira é uma matéria de origem natural que merece um cuidado especial quando se pretende tratar, proteger e embelezar. O acabamento tradicional

Leia mais

Revestimentos industriais ecologicamente corretos com NECOWEL TM

Revestimentos industriais ecologicamente corretos com NECOWEL TM Revestimentos industriais ecologicamente corretos com NECOWEL TM Desempenho excelente aplicação de qualidade superior e compatibilidade ambiental. Feito sob medida para você. Como especialistas em emulsões

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP e-mail: concrecor@concrecor.com.br

Leia mais

Sherwin-Williams do Brasil 2168-4500 www.lazzuril.com.br

Sherwin-Williams do Brasil 2168-4500 www.lazzuril.com.br 2168-4500 www.lazzuril.com.br Sherwin-Williams Sherwin-Williams Group A Sherwin Williams foi fundada em 1866 e está presente em todos os continentes. Sede: Cleveland Ohio USA Nº de Funcionários : 25 mil

Leia mais

EMBALAGENS: Componente A Lackpoxi N 2629 Balde (15 L) Componente B Lackpoxi N 2629 componente B 10003395 (5 L)

EMBALAGENS: Componente A Lackpoxi N 2629 Balde (15 L) Componente B Lackpoxi N 2629 componente B 10003395 (5 L) LACKPOXI N 2629 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Epóxi poliamina bicomponente sem solvente. Tinta de acabamento de alta resistencia química a solventes e derivados de petróleo. Atende Norma Petrobras N 2629. Possui

Leia mais