FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA Curso de Tecnologia em Polímeros Produção em Plásticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA Curso de Tecnologia em Polímeros Produção em Plásticos"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA Curso de Tecnologia em Polímeros Produção em Plásticos Geonir Moreira de Lima PRODUÇÃO DE TINTAS E SUA CORRELAÇÃO COM OS MATERIAIS POLIMÉRICOS SOROCABA

2 Geonir Moreira de Lima PRODUÇÃO DE TINTAS E SUA CORRELAÇÃO COM OS MATERIAIS POLIMÉRICOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do Diploma de Graduação em Tecnólogo em Polímeros, da Faculdade de Tecnologia de Sorocaba. Orientadora: Profa. Ms. Maíra de Lourdes Rezende Sorocaba 2

3 2012 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA FATEC SO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do Diploma de Graduação em Tecnólogo em Polímeros, da Faculdade de Tecnologia de Sorocaba. BANCA EXAMINADORA: Prof. M.Sc Maíra de Lourdes Rezende Faculdade de Tecnologia de Sorocaba Prof. Dra. Luciana Sgarbi Rossino Faculdade de Tecnologia de Sorocaba Prof. Dr. Luiz Carlos Rosa Faculdade de Tecnologia de Sorocaba SOROCABA

4 Com muita sinceridade dedico este trabalho a todos que tiveram coragem de abdicar de seus prazeres em curto prazo e se dedicaram aos seus estudos acadêmicos com o propósito legítimo de contribuir com a sociedade. 4

5 AGRADEÇO A Deus pela Graça, pela condição, pela inspiração, pela fé, pela força e pela misericórdia com a qual a Tua face me contempla. À minha família (Rose, Nathália e Bruno) por compreender a minha ausência em momentos importantes de nossa convivência. Ao amigo e irmão na fé Helrys Melchiades por me incentivar a ingressar na Fatec. Ao colega de trabalho Luciano Ferreira Técnico do laboratório da empresa em que trabalhamos pelas informações do estudo de caso elaborado. Ao amigo e colega de classe Felipe Mathias por me ajudar em toda a extensão do curso. Aos gestores da empresa em que trabalho por me liberarem dos horários extraordinários de trabalho compreendendo a minha necessidade de aprimoramento. Aos professores da Fatec com os quais tive eu contato mais próximo. 5

6 Tudo tem seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito de baixo do céu. Eclesiastes 3:1 6

7 Sumário 1. INTRODUÇÃO LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO A HISTÓRIA DA TINTA OS POLÍMEROS O QUE SÃO TINTAS? O QUE SÃO VERNIZES? Lacas RESINAS Principais tipos de resinas PIGMENTOS Pigmentos orgânicos Classificação química de pigmentos orgânicos Pigmentos especiais Pigmentos inorgânicos ADITIVOS DILUENTES SOLVENTES ÓLEOS SECATIVOS E ÁCIDOS GRAXOS PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE TINTAS Pré-mistura Moagem Completagem APLICAÇÕES PARA TINTAS Aplicações arquitetônicas Pintura automotiva Revestimentos para plásticos Pintura de manutenção industrial TINTAS EM PÓ Classificação das tintas em pó PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DAS TINTAS EM PÓ MÉTODOS DE APLICAÇÕES PARA TINTAS EM PÓ ESTUDO DE CASO

8 4. RESULTADOS OBTIDOS CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

9 RESUMO Neste trabalho estão dispostas informações técnicas e complementares sobre a produção das tintas e a sua relação com os materiais poliméricos, principais insumos da composição. Como surgiram as tintas, conceituações mais importantes, que insumos são empregados em sua fabricação, qual a função destes insumos, quais os processos mais utilizados, quais as aplicações mais importantes do produto final, são essencialmente os tópicos que estão aqui propostos. É oferecido ao tecnólogo em polímeros, um campo de estudos tão importante quanto o dos plásticos, o das tintas e vernizes. Por meio de informações técnico-científicas, expor de uma forma coesa, toda a cadeia de obtenção e processamento das tintas, com ênfase na principal matéria-prima utilizada na fabricação de composições de revestimentos: os polímeros. Um estudo de caso real é apresentado de forma sucinta, porém com enfoque altamente investigativo no campo das tintas. Todo o levantamento deste trabalho possibilitou a conclusão de que fabricar tintas exige não somente o conhecimento dos processos industriais adequados, mas também, o conhecimento de diversas áreas da ciência, tais como: química orgânica e inorgânica, química dos polímeros, eletroquímica, química de superfície, físico-química, química dos colóides, etc. Palavras chave: Aplicações; Pigmentos; Polímeros; Processos; Resinas. 9

10 ABSTRACT In this work are willing technical informations and complementary about the production of paints and their relationship with the polymeric materials, the main inputs of the composition. How did the paint, the most important concepts, which inputs are used in his manufacture, which the function of these inputs, which processes most commonly used, what the most important applications of the end product, are essentially the topics that are proposed here. It's offered to the technologist in polymers, a field of estudyas important as the plastics, paints and varnishes. Through technical scientific information, display in a cohesive manner, the entire chain of production and processing of paints, with an emphasis on primary raw material used in the manufacture of coating compositions: the polymers. A real case study is presented in a concise, yet highly focused research in the field of paints. All survey of this work allowed the conclusion that manufacture paints requires not only knowledge of appropriate industrial processes, but also the knowledge of several areas of science, such as: organic and inorganic chemistry, polymer chemistry, electrochemistry, surface chemistry, physical chemistry, colloid chemistry, etc. Key words: Applications; Pigments; Polymers; Process; Resins. 10

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Ilustrução de um polímero Figura 2 - Reação química de uma resina alquídica Figura 3 - Reação química de uma resina acrílica Figura 4 - Reação química de uma resina poliuretânica Figura 5 - Reação química de uma resina epoxídica Figura 6 - Reação química de uma resina amínica Figura 7 - Disco dispersor de alta velocidade Figura 8 - Moinho de esfera de vidro Figura 9 - Tanques para completagem Figura 10 - Fluxograma de processo de produção de tintas em pó

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Eventos históricos no desenvolvimento das composições de revestimentos Quadro 2 - Classificação geral das tintas Quadro 3 - Relação entre o comprimento de onda da cor absorvida pelo pigmento e a cor visível Quadro 4 - Tabela 4 - Relação aplicativa dos principais pigmentos orgânicos Quadro 5 - Classificação geral dos pigmentos inorgânicos Quadro 6 - Propriedades de alguns materiais da construção civil Quadro 7 - Comparação entre resinas termoplásticas e termofixas

13 1. INTRODUÇÃO Quando se fala em polímeros a maioria absoluta das pessoas que tem algum tipo de contato com o assunto relaciona imediatamente o tema aos materiais poliméricos que se aplicam industrialmente à fabricação dos plásticos e seus correlatos. Entretanto, somente com um estudo mais aprofundado do assunto é que se descobre a relação direta das tintas com os polímeros. A atividade industrial de fabricação de tintas emprega uma ampla diversidade de materiais poliméricos, fazendo com que as tintas sejam apontadas como uma das aplicações mais importantes dos polímeros. Segundo Canto (1966) há mais semelhança entre os plásticos e as tintas do que se imagina, pois ambos são produzidos a partir da mesma matéria-prima, os polímeros. Pintar uma superfície equivale a utilizar uma reação de polimerização capaz de fornecer beleza, proteção, durabilidade e aumento do valor agregado da mesma. Desde que o homem descobriu a capacidade de proteção que as tintas e os vernizes oferecem às superfícies, estes se transformaram em itens de comercialização importantíssimos para a indústria de uma forma geral, abrangendo diversos setores da economia tais como o da construção civil e o automobilístico, incluindo também o naval e o aeronáutico. Segundo Marco Wismar (1984), apud Fazenda e Diniz, (2009, p. 4), o valor da tecnologia de tintas e vernizes tem sido altamente subestimado em todos os sentidos; a grande maioria das pessoas que não esteja de alguma forma relacionada com tintas e correlatos, seguramente não se dá conta de que esta tecnologia envolve muitas ciências tais como: química orgânica e inorgânica, química dos polímeros, eletroquímica, química de superfície, físico-química, química dos colóides, etc. Tintas e vernizes protegem e embelezam casas e edifícios, carros, eletrodomésticos, além de uma variedade imensa de produtos industriais, incluindo também em alguns casos, até produtos fabricados com plástico. Ainda segundo Marcos Wismar (1984), apud Fazenda e Diniz, (2009, p. 4), sob o binômio custo-benefício, as tintas constituem o produto industrial mais 13

14 aplicado no nosso mundo. Por exemplo, uma tinta com espessura de 75µm representa somente 0,8% do valor total de um carro médio e ainda assim o protege da corrosão, provê cor e aspecto glamouroso. Uma tinta com uma espessura de um décimo de um fio de cabelo humano protege a lata de alimento da corrosão, mantém o sabor, embeleza a lata, tudo a custo igual ou inferior a 0,4% do custo total de venda ao consumidor da lata com conteúdo. No caso das tintas, os processos de cura e aplicação do produto final, são realizados com a participação do próprio consumidor e estes constituem os estágios finais mais importantes da industrialização de uma tinta, destiguindo-a assim dos demais produtos fabricados com os materiais poliméricos (Fazenda e Diniz, 2009, p. 6). Uma vez que atualmente não se fabrica tintas sem a presença de polímeros em suas composições, este trabalho tem como objetivo principal fornecer à comunidade científica e tecnológica, informações pertinentes, além de vislumbrar a relação direta que as tintas e os vernizes possuem com os polímeros, fornecendo informações técnicas sobre composição, processamento e aplicação do produto industrializado, verificando a aplicação de materiais poliméricos como insumos de fabricação das tintas, contribuindo assim, com dados científicos que possam auxiliar pesquisas sobre produção, aplicação, reciclagem e até mesmo recuperação de tintas. A dificuldade de se encontrar na literatura tradicional informações contextualizadas a respeito do tema proposto, motivou em grande parte a realização deste trabalho. 14

15 2. LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO 2.1. A HISTÓRIA DA TINTA A utilização das tintas como revestimento para proteção de superfícies remonta tempos antigos e sua história forma um paralelo com a da polimerização. Na idade média, mesmo que de forma involuntária, obtinham-se produtos adequados à preparação de composições de revestimentos através da polimerização com a oxidação do óleo de linhaça aquecido com resinas naturais. Como exemplos de produtos naturais que contêm polímeros em sua composição pode-se citar a cera de abelha, o piche, o breu, o âmbar e a goma arábica, produtos estes que já eram conhecidos pelos antigos egípcios e gregos, que os usavam combinando-os a certos minerais coloridos a fim de aplicações arquitetônicas (Mano e Mendes, 1999, p. 130). Por muitos séculos, as tintas foram empregadas pelo seu aspecto estético. Mais tarde, quando introduzidas em países do norte da América e da Europa, os quais as condições climáticas eram mais severas, o aspecto proteção ganhou maior importância. Com o avanço da ciência e da mecânica modernas sua aplicação se expandiu para as áreas de higiene e iluminação (Fazenda e Diniz, 2009, p. 7). Foi a partir do século XX que ocorreu o grande desenvolvimento tecnológico das composições de revestimentos e matérias-primas afins. A associação de produtos de origem vegetal com produtos da indústria carboquímica permitiu o desenvolvimento de novas e mais eficazes películas protetoras. Atualmente, as composições de revestimento representam uma das mais importantes e diversificadas áreas de aplicação dos polímeros (Mano e Mendes, 1999, p. 130). Por meio da Arte Egípcia no período de 8000 a 5800 a.c., surgiram os primeiros pigmentos sintéticos, embora algumas das primeiras cores egípcias fossem derivadas do solo natural. O que hoje é conhecido como azul do Egito era composto de óxido de cálcio, alumina, sílica, resíduos de soda e óxidos de cobre. As cores naturais incluíam ocres vermelho e amarelo, hematita, calcário amarelo, ouro em folha, malaquita (carbonato básico de cobre), carvão, negro de fumo e gesso natural. Os egípcios empregavam goma arábica, clara e gema de ovos, gelatina e 15

16 cera de abelha tratada como preparos para suas bases ligantes. Piches e bálsamos naturais eram usados como revestimento protetor para seus navios (Fazenda e Diniz, 2009, p ). Os romanos conheciam outros pigmentos artificiais, tais como: chumbo branco (alvaiade), litargírio, zarcão, óxido amarelo de chumbo, verdete e ossos escuros. Pigmentos oriundos de madeira, plantas e suas misturas com argila e mel eram bastante comuns. Resinas e óleos eram utilizados apenas como bases líquidas. No período clássico, a albumina de ovo era utilizada como base ligante tanto pelos egípcios quanto pelos gregos e romanos e seu uso tornou-se tradicional pelos italianos através da civilização bizantina durante o século XIV. Os persas utilizavam goma arábica como base ligante e os chineses, utilizavam uma cola fraca com a mesma finalidade. Na Índia, as tintas eram aplicadas com estiletes e trinchas, e os lápis de cor eram feitos com arroz cozido. Na notável arte oriental, finas porcelanas eram pintadas com a preparação de pigmentos tais como: azurita, carbonato básico de cobre, malaquita, azul ultramarino, zarcão (vermelho de chumbo), litargírio, caulim, negro de fumo, pó de ouro entre outros provenientes de plantas naturais. Na America Central, os Maias também possuíam uma maneira própria de preparar revestimentos e nas suas melhores pinturas eram adicionados ovos de faisão conferindo-lhes excelente durabilidade. Os índios americanos e da costa oeste do Canadá usavam como pigmento preto carvão vegetal, negro de fumo natural, grafite e lignita em pó. Para a cor branca, usavam diatomita retirada do fundo de alguns lagos ou de ossos calcinados de animais silvestres. Os vermelhos eram obtidos a partir da calcinação do ocre amarelo. Os amarelos consistiam do amarelo ocre ou dos fungos encontrados em alguns cogumelos. Os azuis e verdes eram preparados do carbonato de cobre e perziza (material proveniente de um fungo que se desenvolve nos restos em decomposição de algumas madeiras). As bases ligantes empregados pelos índios 16

17 eram ovos de salmão ou óleo de peixe. A banha de carneiro era utilizada como base ligante para seus cosméticos. Na Europa Medieval, os manuscritos constituem a principal fonte de informação sobre a utilização de tintas e vernizes. Foi a partir desta Era que o emprego de óleos nos vernizes se iniciou. Artistas como Rembrandt Cuyp e pintores holandeses do século XVII, usavam como bases ligantes vernizes óleos-resinosos. Leonardo da Vinci, no século XVI, também empregava um veículo similar, substituindo os vernizes naturais por óleos. Em 1644, Petitot de Gênova foi um dos primeiros a sugerir que os secantes possuíam um valor prático nas tintas, embora o efeito dos secantes sobre óleos vegetais tenha sido mencionado por Galen já no século II e por Marcellus durante o século IV. Naquele período, os óleos eram purificados pelo cozimento com água, e os secantes eram usados como agentes desidratantes. Durante a Revolução Industrial, Watin, em 1773, foi o primeiro a descrever tecnicamente a indústria de tintas e vernizes como a conhecemos hoje. Copal e âmbar eram as principais resinas utilizadas durante a época da Revolução Americana e as resinas e os óleos eram fermentados antes da incorporação, para purificá-los. Terpenteno, um solvente, era empregado como diluente e os pigmentos eram moídos com uma grande pedra de forma cilíndrica. Em 1790 foram estabelecidas na Inglaterra as primeiras fábricas de verniz. Em 1820, na França. Em 1830, na Alemanha e em 1843 na Áustria. Por muitos séculos, a formulação de uma tinta foi uma arte sigilosa, cuidadosamente guardada e passada de geração em geração. Devido ao seu processo de fabricação oneroso as tintas eram disponíveis apenas para um segmento mais abastado da sociedade. Com o surgimento da indústria de tintas e vernizes no século XIX, os revestimentos orgânicos ganharam maior difusão popular. (Fazenda e Diniz, 2009, p ). Durante a Primeira e Segunda Guerras Mundiais, período este considerado pelos historiadores como bastante fértil para a ciência, químicos desenvolveram novos pigmentos e resinas sintéticas. Esses pigmentos e veículos substituíram ingredientes das tintas, como óleo de linhaça, necessário para fins militares. 17

18 Pesquisas desenvolvidas por químicos e engenheiros tornaram-se atividades importantes na fabricação de tintas. No final da década de 50, químicos criaram tintas especiais para pintura de exteriores, novos tipos de esmaltes para acabamento de automóveis e tintas à prova de gotejamento para superfícies externas e internas. Nos anos 60, a pesquisa continuada com resinas sintéticas conferiu às tintas maior resistência contra substâncias químicas e gases. Foi nessa época, que as tintas fluorescentes se popularizaram. Na década de 1970, devido à descoberta de envenenamento de muitas crianças por chumbo, após a ingestão de lascas de tinta seca pelas mesmas, os governos de alguns países impuseram restrições ao conteúdo de chumbo nas tintas de uso doméstico, limitando-o a cerca de 0,5%. (Metálica, 2011). O quadro 1 relaciona alguns dos principais eventos históricos no desenvolvimento das tintas. Quadro 1 - Eventos históricos no desenvolvimento das composições de revestimentos. DATA LOCAL EVENTO AC Europa Primeiras pinturas encontradas nas cavernas de Lascaux (França) e Altamira (Espanha) AC Egito Primeiro pigmento sintético: Egyptian blue. Aglutinantes das composições de revestimentos: clara de ovo, gelatina e cera de abelha AC Egito Primeiros aglutinantes para revestimentos protetores de barcos: alcatrão e bálsamo 1000 AC Egito Desenvolvimento de vernizes a partir de goma de Acácia (goma arábica) AC China Japão Coréia Utilização de lacas para decoração de edifícios, carruagens, arreios e armas Inglaterra Primeira fábrica de vernizes 1867 Inglaterra Primeira resina sintética: PR Desenvolvimento de CN e CAc e de resinas alquídicas para composições de revestimentos Desenvolvimento de polímeros vinílicos: PVC, PVAc, PVAI, acrílicos Desenvolvimento de PR e PU Fonte: Mano e Mendes (1999). 18

19 Através dos eventos apresentados no quadro 1, verifica-se que a partir do ano de 1867, ocorreu o desenvolvimento das primeiras resinas tais como o dos primeiros polímeros sintéticos, sendo atualmente estes os principais insumos utilizados na fabricação das tintas modernas. O cenário atual no campo da evolução tecnológica das tintas é caracterizado por pesquisas de altíssimo nível tecnológico. Conforme relata Giulio (2007), os principais avanços relacionados às tintas permeiam os quatro principais segmentos do setor: tinta imobiliária, automotiva, para repintura automotiva e para indústria em geral. No caso das tintas imobiliárias, o grande avanço é a produção de tintas à base de água, que eliminam o uso de solventes e consequentemente trazem ganhos ambientais. Há também os sistemas tintométricos e as próprias inovações ligadas à tecnologia da cor. Este segmento apresenta ainda tintas magnetizadas, diversos tipos de texturas e produtos para ambientes e utilizações específicas, como tintas para telhados, azulejos, pisos, madeiras em geral, decks de piscinas entre outras. Muitas das inovações no setor vêm das universidades e instituições públicas de pesquisa. O grupo do pesquisador Henrique Toma, do Instituto de Química da USP, trabalha com o desenvolvimento de pigmentos inteligentes, usando para isso a nanotecnologia. Uma das pesquisas feitas envolve nanopartículas de ouro. "As partículas de ouro são normalmente usadas para fazer os revestimentos dourados em obras sacras e artísticas. Na forma nanométrica, essas partículas adquirem colorações que vão do vermelho ao violeta, em decorrência de fenômenos quânticos que ocorrem com os elétrons da superfície, denominados plasmons", explica Toma. A descoberta do grupo é que, em alguns tipos de materiais sólidos - como é o caso das chamadas hidrotalcitas (um pó branco usado como antiácido estomacal) -, as nanopartículas de ouro formam aglomerados quase enfileirados, colorindo a superfície de azul. Sob a ação do calor, ou de um feixe de laser apropriado, as nanopartículas se fundem e perdem a interação entre os plasmons. Com isso, a cor muda do azul para o vermelho, de forma irreversível. "É possível trabalhar com esses efeitos para gerar novas cores e propriedades, a serem incorporadas às tintas para as mais diversas aplicações, além de produtos ópticos e diagnósticos clínicos, 19

20 ressalta Toma. O pigmento, que já foi patenteado pela USP, tem a vantagem de não oferecer risco ambiental, além de ser bonito e durável. A nanotecnologia oferece também a possibilidade de trabalhar com nanoaditivos, como as nanofibras, para melhorar as características físicas das tintas, como resistência, permeabilidade, aderência e melhor recobrimento. Também é possível introduzir pigmentos com ação antimicrobiana, que evitam a formação de fungos, principalmente em ambientes úmidos, e nanocápsulas, com princípios ativos para serem liberados no ambiente, até mesmo para neutralizar odores. "O trabalho com nanoestruturas pode também levar à formação de cristais fotônicos (materiais que podem controlar ou manipular a luz de formas totalmente inesperadas, graças à sua singular estrutura física) com capacidade de mudar a cromaticidade dos materiais, gerando revestimentos coloridos, porém sem a presença de qualquer pigmento", diz Toma. O efeito da cor é de origem puramente física. Nesse tipo de tecnologia, a cor é determinada pelas nanoestruturas superficiais e pode dar origem a efeitos interessantes, como a variabilidade de tonalidade de acordo com o ângulo de percepção. Ainda segundo Giulio (2007), as inovações chegam até a produção de uma tinta sem cor, sem cheiro, de secagem rápida e capaz de fluorescer em várias superfícies com a incidência de luz ultravioleta. A descoberta da novidade aconteceu por acaso, quando o pesquisador Cláudio Cerqueira Lopes, do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), estudava a produção de uma substância sintética contra o veneno de cobra. Um dos pesquisadores da equipe, surpreendido por uma queda de energia no laboratório, resolveu utilizar uma lâmpada ultravioleta para procurar um objeto. Ao dirigir seu foco para balões de vidro contendo as substâncias 3-aril cumarinas, ele verificou que elas produziam uma elevada luminescência. "A partir daí, passamos a trabalhar no desenvolvimento de uma mistura de solventes - semelhante à usada em impressoras jatos de tinta - para solubilizar a substância fluorescente para produzir uma tinta invisível, que já foi patenteada no Brasil e no exterior", explica Lopes. A tinta invisível não possui elementos tóxicos, é produzida com matériasprimas nacionais e de baixo custo e pode ser aplicada utilizando-se carimbos ou 20

21 pincéis. Apesar dos benefícios, como marcar objetos valiosos e dinheiro e ajudar na investigação criminal em casos de roubo, sequestro e extorsão, a tinta ainda não é comercializada. A dificuldade, segundo o pesquisador, está na distância mantida entre as universidades e as empresas. "Não houve interesse por parte do governo e de empresas nacionais na utilização, produção em larga escala e comercialização dessa tinta." 21

22 2.2. OS POLÍMEROS Por definição, polímero é uma macromolécula composta por muitas (dezenas de milhares) unidades de repetição, unida por ligações covalentes, as quais são denominadas meros. Assim, a matéria-prima para a produção de um polímero é o monômero, ou seja, uma molécula com uma (mono) unidade de repetição (Barros, 2011). A figura 1 representa de forma ilustrativa a definição anteriormente citada de mero e polímero. Figura 1 - Ilustração de um polímero. Fonte: Ianinno (2010). Antes de se entender o que são os polímeros faz-se necessário entender o mecanismo que torna possível a obtenção de um polímero, a polimerização. Segundo Canevarolo (2006), a polimerização consiste na reação ou no conjunto de reações nas quais moléculas simples reagem entre si formando uma macromolécula de alta massa molar. Dois grupos de variáveis interferem na qualidade do polímero formado: Variáveis primárias: temperatura de reação, pressão, tempo, presença e tipo de iniciador da reação e agitação. Variáveis secundárias: presença e tipo de inibidor, de retardador, catalisador, controlador de massa molar, quantidade de reagentes químicos e demais agentes específicos. 22

23 A indústria descobriu nos polímeros uma matéria prima de muita versatilidade, e investiu maciçamente no desenvolvimento de novos produtos. Com isso, em 1973 a produção mundial de plásticos, materiais poliméricos constituídos por substâncias orgânicas sintéticas, superou, em volume, a produção de aço. Os polímeros (do grego, poli=muitas, e meros=partes) são constituídos por macromoléculas formadas por meio de ligações covalentes e que podem conter centenas ou milhares de átomos. Todo polímero é constituído por macromoléculas. Entretanto, nem toda macromolécula constitui um polímero, pois é necessário que as unidades se repitam para se obter um polímero. Segundo Santos e Mól (2005), as reações para a formação de polímeros são denominadas reações de polimerização. Controlando-se as condições nas quais essas reações ocorrem, é possível obter moléculas maiores ou menores. Embora parecidas, as moléculas se diferenciam em quantidades de monômeros. Por isso, os polímeros são chamados de materiais, pois não são formados por um único tipo de constituinte, uma vez que no processo de polimerização são formadas moléculas de diferentes tamanhos, com meros, com meros, com meros e assim sucessivamente. O exemplo mais simples de polímero é o polietileno, constituído pela união de centenas de moléculas do eteno (CH2=CH2), também conhecido como etileno. Os polímeros podem ser classificados em três grandes grupos: plásticos; borrachas e fibras. Nota-se, portanto, que todo plástico é um polímero, porém nem todo polímero é um plástico. A ampla utilização de polímeros para a confecção de diversos materiais se deve ao fato de que eles são capazes de resistir às condições adversas como altas pressões e temperaturas e, sobretudo, às suas propriedades físicas e químicas. Por isso, substituem materiais diversos como madeira, vidro, metais, etc. Para diferentes aplicações, é possível produzir polímeros com diferentes propriedades, simplesmente alterando suas estruturas e composições. As 23

24 propriedades físicas dos polímeros estão relacionadas à forma e ao modo de organização de suas moléculas. Durante a reação de polimerização, as moléculas podem crescer em uma ou mais direções. A organização das moléculas implica em uma mudança nas interações intermoleculares, o que pode tornar o polímero mais resistente ou mais flexível, conforme a intensidade dessas interações. Quando as moléculas de polímeros crescem em apenas uma direção, formam polímeros lineares e dão origem aos materiais termoplásticos, aqueles que podem ser amolecidos pelo calor e, ao resfriarem, voltam a apresentar as mesmas propriedades iniciais, o que possibilita a sua reciclagem. Um exemplo deste tipo de polímero é o polietileno, cujas moléculas podem ser representadas da seguinte forma: ---CH2-CH2-CH2-CH2-CH2-CH2-CH2---. Muitas moléculas de polímeros crescem de forma tridimensional em decorrência das ligações químicas entre átomos de moléculas vizinhas. Esses polímeros tridimensionais dão origem aos materiais termofixos. Esses materiais, por sua vez, não podem ser remodelados pelo calor, o que impossibilita a sua reciclagem. A síntese de polímeros pode ser feita por meio de processos industriais adequadamente controlados, de modo a fornecer materiais cujas moléculas apresentam pequena variação de tamanho. Assim como as substâncias, esses polímeros podem ser caracterizados por propriedades físicas como densidade, solubilidade em diferentes solventes e temperaturas de fusão ou transição vítrea. Ao se resfriarem, os polímeros podem cristalizar ou vitrificar, ou seja, a reorganização de seus átomos pode tender a uma estrutura mais cristalina ou a uma estrutura mais amorfa, produzindo assim materiais com diferentes propriedades físicas. Para alguns polímeros a vitrificação é processo mais importante; para outros, é a cristalização. Em muitos polímeros, parte do material apresenta caráter amorfo, enquanto outra parte apresenta moléculas organizadas. Assim pode-se falar em grau de cristalinidade de um polímero para indicar a extensão de ordenação do material. 24

25 A temperatura de fusão (Tm), que é temperatura onde se inicia o processo de fusão das cadeias moleculares do material e a temperatura de transição vítrea (Tg), que é a temperatura a partir da qual se inicia a mobilização das cadeias moleculares do material, são fundamentais para a identificação de muitos polímeros puros, e principalmente para a determinação de suas aplicações tecnológicas (Santos e Mól, 2005). Segundo Mano e Mendes (1999), os polímeros industriais mais importantes no campo das tintas são os seguintes: PVAc Poli (acetato de vinila): utilizado na fabricação de tintas para parede; adesivos para papel; adesivos fundidos. PBA Poli (acrilato de butila): utilizado na fabricação de tintas e adesivos em geral. ER Resina epoxídica: utilizado na fabricação de tintas para diversos fins; adesivos para metal, cerâmica e vidro. CN Nitrato de celulose: utilizado na fabricação de tintas e vernizes; armações de óculos, etc. Os conceitos básicos sobre os polímeros anteriormente destacados são de fundamental importância para uma especialização no campo das tintas e a compreensão de sua relação com os materiais poliméricos dependem fundamentalmente destes conceitos. A partir do estudo dos polímeros pode-se estudar as tintas. 25

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda.

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda. Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização em Embalagens nos U.S.A. e Alemanha, vem atuando no mercado de embalagens desde 1976 em empresas

Leia mais

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho TINTAS Conceito Composição química variada, na maioria das vezes orgânica, que apresenta consistência líquida ou pastosa, que aplicada sobre uma superfície, forma um revestimento sólido e contínuo, com

Leia mais

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA s.f. Ato ou efeito de pintar. Camada de recobrimento de uma superfície, com funções

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II Tintas e Vernizes Tintas Imobiliárias/Arquitetônicas A tinta é uma preparação que tem como finalidade

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume SISTEMA PU - 4000 - Tintas Industriais Esmalte E-4000 6,5 m2/litro sem diluição. 50 a 60 µm K-4060 Catalise 5 X 1 Excelente acabamento para pintura de caixa eletrônico, ônibus, baús, orelhões, painéis

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/AM PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA Resumo Trata-se da solução de um problema de infiltração

Leia mais

Revestimentos para Usinas

Revestimentos para Usinas Revestimentos para Usinas Sobre nós Fundada em 1995 Fundador: Engº Químico Newton Carvalho Jr. Área de atuação: Revestimentos monolíticos - pisos técnicos, pisos decorativos, proteções de superfície, revestimentos

Leia mais

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas COLAS Conhecer os diversos tipos de materiais é muito importante para o desenvolvimento de um cosplay. Nesse tutorial vamos conhecer um pouco do universo das colas. Encontramos no mercado uma infinidade

Leia mais

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida.

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida. Página 1 de 5 TINTAS E VERNIZES LATEX ACRÍLICO E PVA Criadas para proteger e embelezar as paredes de alvenaria, estruturas metálicas e madeiras, as tintas são aperfeiçoadas para garantir maior desempenho

Leia mais

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance.

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance. ATENDEMOS: Aterros Sanitários Bacias de Contenção de Dejetos Box / Banheiros Box / Banheiros Sistema Drywall Espelhos D' água Estações de Tratamento de Água Estações de Tratamento de Efluentes Floreiras

Leia mais

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais.

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Tópicos : -Estrutura, composição, características.

Leia mais

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D Questão 61 A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação

Leia mais

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Paulo Henrique Saraiva Câmara SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Frederico

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ASFALTOS Pavimento

Leia mais

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático).

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). 61 b A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação descrita

Leia mais

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

LINHA 2012 RESINAS SINTÉTICAS

LINHA 2012 RESINAS SINTÉTICAS LINHA 2012 RESINAS SINTÉTICAS Gestão da Qualidade NBR ISO 9001 OCS 0007 ESTRUTURA 05 Acrílicas Carboxiladas AQ-1581 58-60% X - Z R-9 59-69 1 máx Esmaltes e vernizes metalgráficos curados em melamina

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA PROCEDIMENTOS PARA PINTURA Prof. Marco Pádua Geralmente não é dada a devida importância a qualidade dos serviços de pintura. Sendo a última etapa da construção, as vezes, motivados pela economia procuram-se

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 15 - PINTURA A pintura é um serviço de obra tão importante como qualquer outro, e é um grave erro não lhe dar uma atenção condizente, ela deve ser projetada e executada segundo técnica adequada, não

Leia mais

Resina vinílica para aplicação em solução

Resina vinílica para aplicação em solução Resina vinílica para aplicação em solução Resina vinílica para aplicação em solução As resinas Vinisol são polímeros vinílicos solúveis de alto desempenho que podem ser usadas puras ou em combinação com

Leia mais

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Autor: Sérgio Medeiros Graúna Química E-mail: Site: www.graunagroup.com

Leia mais

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno UNESP- 2013- Vestibular de Inverno 1-Compostos de crômio têm aplicação em muitos processos industriais, como, por exemplo, o tratamento de couro em curtumes e a fabricação de tintas e pigmentos. Os resíduos

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Degradação Fotoquímica

Degradação Fotoquímica Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Os efeitos da radiação em polímeros de engenharia, tornaram-se objeto de consideração de importância

Leia mais

Índice. P r o j e t o Tratamento de piso

Índice. P r o j e t o Tratamento de piso TRATAMENTO DE PISOS Índice Porque fazer um tratamento de piso? Fases do tratamento de piso Tipos de pisos Vantagens do tratamento Conceitos técnicos Equipamentos e acessórios Etapas do tratamento Produtos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS AULA 01 Polímeros Definição de Polímeros Tipos de Polímeros Aplicações dos Polímeros Definições gerais para Polímeros Peso Molecular Arquitetura Molecular Estado de Conformação

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo. CNHECIMENTS GERAIS 01 Analise a veracidade (V) ou falsidade (F) das proposições abaixo, quanto aos efeitos negativos da utilização de combustíveis fósseis sobre o ambiente. ( ) A combustão de gasolina

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. N u t r i ç ã o e D i e t é t i c a outubro, 13

RESÍDUOS SÓLIDOS. N u t r i ç ã o e D i e t é t i c a outubro, 13 RESÍDUOS SÓLIDOS N u t r i ç ã o e D i e t é t i c a outubro, 13 UNINASSAU FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU Centro Universitário Maurício de Nassau Fazendo Parte de Sua Vida Professor Adriano Silva RESÍDUOS

Leia mais

Os plásticos são todos iguais?

Os plásticos são todos iguais? CEEJA QUÍMICA CONTEÚDO PARA U. E. 16 O QUE VAMOS APRENDER? Propriedades dos plásticos Termoplásticos Organizar uma tabela Os plásticos são todos iguais? A matéria-prima usada para fabricar detergentes

Leia mais

Marcadores com ponta porosa, retrátil, lavável em água corrente, permitindo o uso imediato quando a ponta estiver ressecada ou com impregnações.

Marcadores com ponta porosa, retrátil, lavável em água corrente, permitindo o uso imediato quando a ponta estiver ressecada ou com impregnações. Marcadores com ponta porosa, retrátil, lavável em água corrente, permitindo o uso imediato quando a ponta estiver ressecada ou com impregnações. Tinta permanente para marcar todos os tipos de metais, plásticos,

Leia mais

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA Processos de pintura Existem diferentes processos de pintura, mas o segredo para o sucesso e durabilidade do acabamento final, depende invariavelmente da habilidade do profissional e da preparação da superfície.

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PINTURA

PROCEDIMENTOS DE PINTURA 1 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 2 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 01.00 SISTEMA DE PINTURA PARA ACABAMENTO FINAL EM LATEX PVA 01.01 - PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE 1. GESSO (PLACA/PASTA) - Aplicar fundo preparador de parede

Leia mais

Vidros para construção civil

Vidros para construção civil Vidros para construção civil Conceito de Vidro: Vidros industriais: Produtos inorgânicos obtidos por fusão e resfriamento sem cristalização Vidro ordinário ou neutro para construção civil: Solução amorfa

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUESTÃO 01 Um estudante listou os seguintes processos como exemplos de fenômenos que envolvem reações químicas: I adição de álcool à gasolina. II fermentação da massa

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk São tubos cerâmicos

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS

INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS Antonio Augusto Gorni Editor Técnico, Revista Plástico Industrial - POLÍMEROS: MATERIAIS DE NOSSO DIA A DIA O plástico é um dos materiais que pertence à família dos polímeros,

Leia mais

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998 Fitas VHB Dupla-Face de Espuma Acrílica para Construção Civil Fita Dupla-Face de Espuma Acrílica Cinza - 4972 Dados Técnicos Julho/2011 AgoAg Junho / 1998 Substitui: Novembro/2005 Descrição do Adesivo

Leia mais

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE.

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. Atividade didático-experimental ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. O objetivo desta atividade é proporcionar contato com alguns fenômenos e conceitos físicos e químicos que permitem avançar

Leia mais

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS CATALO DE PRODUTOS SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO E PINTURA EPOXI VERMELHO MODELO AP E PQS Aba na base que impede

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA Código ETD-00.014 Data da emissão 27.11.1986 Data da última revisão 30.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

POLÍMEROS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Roberto Monteiro de Barros Filho

POLÍMEROS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Roberto Monteiro de Barros Filho POLÍMEROS Prof. Macromoléculas Moléculas grandes contendo um número de átomos encadeados superior a uma centena e podendo atingir valor ilimitado, podendo ou não ter unidades químicas repetidas Polímeros

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

Os Jogos Olímpicos sempre estiveram muito próximos da história da Dow. Nossa empresa foi fundada apenas um ano após os primeiros Jogos Olímpicos da era moderna. Somos guiados desde aquela época por uma

Leia mais

Processo de Avaliação Seriada

Processo de Avaliação Seriada QUÍMICA Considera-se importante que o ensino da Química não promova a necessidade de uma excessiva memorização, mas possibilite ao estudante adquirir a capacidade de observar e descrever fenômenos, de

Leia mais

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing?

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing? Informações Gerais Provedora de soluções para o processo de Water Transfer Printing a PROJFIX está no mercado com o objetivo de trazer qualidade para o segmento no Brasil, comercializando produtos de alto

Leia mais

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante.

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante. Página 1 de 5 Boletim Técnico Produto Esmalte PU Piscinas Descrição Esmalte PU Piscinas é um esmalte poliuretano bicomponente impermeável ideal para pintura de piscinas de concreto e fibra, deixando-as

Leia mais

Aula 24: IMPERMEABILIZAÇÃO SISTEMAS E EXECUÇÃO

Aula 24: IMPERMEABILIZAÇÃO SISTEMAS E EXECUÇÃO PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II SISEMAS

Leia mais

ÍNDICE Quem Somos Estrutura Prêmios Acrílicas Alquídicas Amínicas Derivadas do Breu Ésteres de Epóxi Fenólicas Óleos Modificados Poliésteres

ÍNDICE Quem Somos Estrutura Prêmios Acrílicas Alquídicas Amínicas Derivadas do Breu Ésteres de Epóxi Fenólicas Óleos Modificados Poliésteres L I N H A 2 0 1 1 R E S I N A S S I N T É T I C A S ÍNDICE Quem Somos Estrutura Prêmios Acrílicas Alquídicas Amínicas Derivadas do Breu Ésteres de Epóxi Fenólicas Óleos Modificados Poliésteres Poliuretânicas

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

Materiais Poliméricos

Materiais Poliméricos Materiais Poliméricos INTRODUÇÃO Polímeros são materiais compostos de origem natural ou sintética com massa molar elevada, formados pela repetição de um grande número de unidades estruturais básicas. Características

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA EQUIPAMENTOS USUAIS PARA APLICAÇÃO DA PINTURA Ferramentas para PREPARO

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

TIPOS DE TINTA. Os principais mecanismos de formação de película das tintas são: SECAGEM FÍSICA (EVAPORAÇÃO DE SOLVENTES) OXIDAÇÃO

TIPOS DE TINTA. Os principais mecanismos de formação de película das tintas são: SECAGEM FÍSICA (EVAPORAÇÃO DE SOLVENTES) OXIDAÇÃO TIPOS DE TINTA 2008 As tintas podem ser classificadas de várias maneiras, isto é, pelo tipo de resina, pela função (fundo, acabamento, protetiva, decorativa). Vamos classificá-las em função da secagem

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

Química - Profa. GRAÇA PORTO

Química - Profa. GRAÇA PORTO Disciplina: Química Química - Profa. GRAÇA PORTO ESTUDO DAS SUBSTÂNCIAS E MISTURAS Você sabe caracterizar a quanto ao sabor, a cor e ao cheiro? E o sal? Quais são as características do açúcar? Agora, tente

Leia mais

TINTA ECOLÓGICA Aprenda a fazer

TINTA ECOLÓGICA Aprenda a fazer TINTA ECOLÓGICA Aprenda a fazer. Para preparar 18 litros de tinta, você vai precisar de: 8 kg de terra; 4 kg de cola branca; 8 litros de água. Coloque 6 litros de água em uma lata e adicione a terra. Com

Leia mais

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução Introdução Existem diversos materiais utilizados pela marcenaria na composição do móvel ou ambiente. Por exemplo os vidros, chapas metálicas, tecidos e etc. O mercado fornecedor da cadeia moveleira lança

Leia mais

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905 KIT Nº 1 KIT Nº 2 01 Bandeja Grande Ref.0.2823 01 Rolo de Espuma Pop 23 cm Ref.0.13 com cabo Ref. 0.2072 01 Rolo de Espuma Pop 09 cm com cabo Ref. 0.1109. 01 Rolo de Espuma Pop 05 cm c/ cabo Ref. 0.1105

Leia mais

MANUAL BÁSICO SOBRE TINTAS

MANUAL BÁSICO SOBRE TINTAS MAUAL BÁSIC SBRE TITAS ELABRAD PR PAUL ATI DADI EM CLABRAÇÃ CM A ASSCIAÇÃ BRASILEIRA DS FABRICATES DE TITAS (ABRAFATI) ATUALIZAD EM JAEIR / 2011 /// SUMÁRI Introdução...03 Por que Pintar?...04 Propriedades

Leia mais

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes.

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Polímeros 1 São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Celulose Classificação quanto a natureza Naturais (Madeira, borracha, proteínas) Sintéticos

Leia mais

Revestimentos Especiais Tecnologia em revestimentos para a sua obra

Revestimentos Especiais Tecnologia em revestimentos para a sua obra Revestimentos Especiais Tecnologia em revestimentos para a sua obra Olá! É muito comum encontrar pessoas que pensem que a NS Brazil é apenas uma indústria de pisos monolíticos. Isso porque o termo revestimentos

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso a alguns conceitos que fazem parte da física óptica. Refletiu sobre o conceito de luz, seus efeitos, de que forma ela está relacionada à nossa visão e

Leia mais

Texto: QUÍMICA NO COTIDIANO. Outras disciplinas que são citadas com frequência são a química molecular, a eletroquímica, a

Texto: QUÍMICA NO COTIDIANO. Outras disciplinas que são citadas com frequência são a química molecular, a eletroquímica, a Texto: QUÍMICA NO COTIDIANO Outras disciplinas que são citadas com frequência são a química molecular, a eletroquímica, a química nuclear, a radioquímica e a estereoquímica. É de costume incluir a química

Leia mais

Prof.ª Esp. Karen Wrobel Straub karen.straub@unemat.br

Prof.ª Esp. Karen Wrobel Straub karen.straub@unemat.br ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Prof.ª Esp. Karen Wrobel Straub karen.straub@unemat.br

Leia mais

TEORIA DA COR NO DESIGN

TEORIA DA COR NO DESIGN FAUPUCRS Design Gráfico TEORIA DA COR NO DESIGN Prof. Arq. Mario Ferreira, Dr.Eng. Outubro, 2011 AXIOMAS NA ÁREA DO DESIGN Projeto cromático tipo e utilização do elemento (objeto ou imagem) tratado; Falta

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

FAÇA mais com tintas CURA UV

FAÇA mais com tintas CURA UV FAÇA mais com tintas CURA UV Como as tintas com cura UV funcionam; o que você pode fazer com elas As tintas com cura UV oferecem muitos benefícios para a impressão em grandes formatos: elas são ideais

Leia mais

CATÁLOGO GELCOATS reduzido bleed 2.indd 1 28/08/2009 16:38:03

CATÁLOGO GELCOATS reduzido bleed 2.indd 1 28/08/2009 16:38:03 CATÁLOGO GELCOATS reduzido bleed 2.indd 1 2/0/09 1:3:03 Nossa empresa Com 23 unidades distribuídas pelo globo, entre fábricas e Centros de Pesquisa & Desenvolvimento, a Reichhold tem um alcance global

Leia mais

Materiais Betuminosos. 1 Histórico e Obtenção do Asfalto

Materiais Betuminosos. 1 Histórico e Obtenção do Asfalto Materiais Betuminosos 1 Histórico e Obtenção do Asfalto Acedita-se que a palavra asfalto provenha do antigo Acádico Asphaltic e foi adotada pelos gregos da época de Homero com o significado de tornar firme

Leia mais

CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PINTURA DE ALVENARIAS EM AMBIENTES NÃO AGRESSIVOS

CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PINTURA DE ALVENARIAS EM AMBIENTES NÃO AGRESSIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PINTURA DE ALVENARIAS

Leia mais

LIMPEZA. Ácido Muriático. Água Destilada. Águarras de Limpeza. Descrição: Apresenta-se em líquido de cor amarelada e possui um cheiro intenso.

LIMPEZA. Ácido Muriático. Água Destilada. Águarras de Limpeza. Descrição: Apresenta-se em líquido de cor amarelada e possui um cheiro intenso. LIMPEZA Ácido Muriático Descrição: Apresenta-se em líquido de cor amarelada e possui um cheiro intenso. Utilizações: Útil para retirar manchas de calcário; resíduos de cimento e ferrugem em pisos cerâmicos;

Leia mais

MUDE PARA AS DISPERSÕES DE VAE. A melhor tecnologia para os revestimentos de amanhã

MUDE PARA AS DISPERSÕES DE VAE. A melhor tecnologia para os revestimentos de amanhã CREATING TOMORROW S SOLUTIONS REVESTIMENTOS I AMÉRICA LATINA I VISÃO GERAL DOS PRODUTOS DISPERSÕES MUDE PARA AS DISPERSÕES DE VAE A melhor tecnologia para os revestimentos de amanhã MUDE PARA CRESCER NO

Leia mais

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT É uma tinta isolante térmica, composta de polímeros acrílicos elastoméricos, microesferas de cerâmicas, e aditivos especiais

Leia mais

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado Sistema Duplex Vantagens e Aplicações Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado METALURGIA Corrosão Tendência que os materiais têm de retornar ao seu estado

Leia mais

MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica.

MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica. MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica. Descrição do Produto MASTERTOP 1119 é um sistema para pintura epoxídica, bicomponente, isento de

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

Vidros Vidro Acidado Submetido à solução ácida que age no vidro, de maneira controlada, criando texturas, desenhos e letras e promovendo um aspecto de translucidez. Pode ser fabricado artesanal ou industrialmente

Leia mais

As diversas aplicações dos materiais termorrígidos: do barco e avião a componentes eletroeletrônicos

As diversas aplicações dos materiais termorrígidos: do barco e avião a componentes eletroeletrônicos Instituto de Macromoléculas: Excelência em Polímeros : do barco e avião a componentes eletroeletrônicos Laboratório de Misturas Poliméricas e Polímeros Condutores J112 Profª Bluma G Soares Shalimar Caplan,

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA!

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! LANÇAMENTOS 2012 LINHA APLIKCAR- para envelopamento de veículos VINIL BRANCO BRI.LHANTE - vinil para envelopamento de veículos e impressão digital. VINIL BLACK PIANO

Leia mais

Reciclagem polímeros

Reciclagem polímeros Reciclagem polímeros Reciclagem Química A reciclagem química reprocessa plásticos transformando-os em petroquímicos básicos: monômeros ou misturas de hidrocarbonetos que servem como matéria-prima, em refinarias

Leia mais

Soluções Técnicas em Construção

Soluções Técnicas em Construção Betumanta E Composto de asfalto elastomerico (S.B.S.), reforçado por um filme de polietileno de alta densidade com 50 micra de espessura. Esse produto foi desenvolvido para ser aplicado à maçarico. O produto

Leia mais