ERA ASSIM. COMO SERÁ? PROGRAMA AÇÃO FAMÍLIA SÃO MIGUEL PAULISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ERA ASSIM. COMO SERÁ? PROGRAMA AÇÃO FAMÍLIA SÃO MIGUEL PAULISTA"

Transcrição

1 ERA ASSIM. COMO SERÁ? PROGRAMA AÇÃO FAMÍLIA SÃO MIGUEL PAULISTA Resumo Neste artigo, apresenta-se uma análise dos resultados do primeiro ano do Programa Ação Família, da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS-SP), que, em São Miguel Paulista, se fez em convênio com a Fundação Tide Setubal. Os resultados do trabalho foram observados a partir das dimensões estratégicas de atuação do Programa documentação, educação, saúde, trabalho e renda, habitabilidade e dinâmica familiar, e a avaliação levou em conta a metodologia de trabalho com famílias que, nesse caso, focou primeiramente o grupo familiar para, gradualmente, dar mais atenção às questões comunitárias e de direitos e deveres. Assim, a análise quantiqualitativa incide sobre as informações produzidas pelo Programa ao longo do processo de intervenção. Palavras-chave: Programa Ação Família; avaliação; dimensões estratégicas.

2 INTRODUÇÂO Neste artigo, apresenta-se uma avaliação da produção de informação qualificada e sistematizada do Programa Ação Família, da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS-SP), que, em São Miguel Paulista, se fez em convênio com a Fundação Tide Setubal, pelo fortalecimento da autonomia de famílias que se encontram em situação de alta vulnerabilidade social 1. A avaliação busca retratar as trajetórias de inclusão social das 300 famílias participantes do Programa, que se expressam nos processos de acesso e oportunidades oferecidos e apropriados por elas durante o ano de Quando se avaliam resultados de programas sociais com população em extrema pobreza, é importante considerar o tempo da intervenção, pois as complexidades encontradas requerem ações intersetoriais e duradouras, assim como a construção de confiança. Durante o tempo de duração do Programa observou-se que 12,3% das famílias passaram a receber algum tipo de benefício socioassistencial, o que revela uma ampliação nas condições de proteção social. Destaque neste item pode ser observado no Jardim Lapenna que chegou a atingir 17% das famílias do núcleo. Famílias que passaram a receber algum tipo de benefício socioassistencial Total do Programa Jardim Lapenna Jardim Pantanal Jardim São Vicente Na % Na % Na % Na % Sim 33 12, ,0 6 6,3 3 9,4 Não , , , ,8 Sem resposta 19 7,1 7 5,0 5 5,2 7 21,9 Total , , , ,0 Base: total de famílias com cadastros atualizados (resposta única) Fonte: Ficha de atualização cadastral, 2007 Benefícios socioassistencias que passaram a receber Total do Programa Jardim Lapenna Jardim Pantanal Jardim São Vicente Na % Na % Na % Na % Bolsa Família 12 36,4 7 29,2 3 50,0 2 66,7 Renda Mínima 9 27,3 6 25,0 2 33,3 1 33,3 Ação Jovem 7 21,2 7 29,2 0 0,0 0 0,0 Bolsa Escola 5 15,2 4 16,7 0 0,0 0 0,0 Outros 0 0,0 0 0,0 1 16,7 0 0,0 100 Total , , ,0,0 Base: total de famílias que alegam receber algum tipo de benefício socioassistencial (resposta única) Fonte: Ficha de atualização cadastral, 2007

3 O Bolsa Família e o Renda Mínima parecem ser os benefícios que mais alcançaram a população do Programa. Note-se que o que é declarado pelas famílias como Bolsa Escola deve ser entendido também como Bolsa Família, pois este veio a integrar os vários benefícios de transferência de renda familiar. A análise dos resultados de 2007, primeiro ano do Programa, visou a subsidiar a gestão e a tomada de decisões da coordenação e a indicar ajustes necessários para a melhoria de seu desenvolvimento. Os resultados do trabalho com famílias foram analisados a partir das seguintes dimensões estratégicas de atuação do Programa documentação, saúde, educação, trabalho, habitabilidade, dinâmica familiar e renda. Esta análise leva em conta a metodologia de trabalho com famílias que, no caso do Programa, focou primeiramente o grupo familiar para, gradualmente, dar mais atenção às questões comunitárias e de direitos e deveres. Assim, por favorecerem a aproximação da equipe técnica com as famílias, as visitas domiciliares e as reuniões socioeducativas foram instrumentos vitais no processo (FUNDAÇÃO TIDE SETUBAL, 2007b). A análise quanti-qualitativa incide sobre as informações produzidas pelo Programa ao longo do processo de intervenção: Ficha Cadastral da Família Marco Zero: aplicada pelos agentes e técnicos no momento do ingresso das 300 famílias no Programa (novembro/dezembro de 2006); Ficha de Atualização Cadastral: aplicada a 269 famílias, entre agosto e setembro de As Fichas contêm dados socioeconômicos e de acompanhamento de oportunidades de acesso nas dimensões priorizadas pelo Programa; Fichas de Metas por Família: descrevem as metas junto às 300 famílias trabalhadas na intervenção socioeducativa durante o ano de Esse material foi analisado e cotejado com as Metas Gerais do Programa; Fichas de Orientações às Visitas Domiciliares: preenchidas pelos agentes e técnicos. O interesse desse material era recuperar o detalhe e o nível de demanda e intervenção construída na visita domiciliar e o grau de adesão das famílias e a potência dessa modalidade de intervenção; Registros de Reuniões Socioeducativas: feitos pelos agentes e técnicos durante as atividades coletivas. Como no instrumento anterior, aqui interessava recuperar o detalhe e o nível de demanda e intervenção construído no atendimento grupal/coletivo.

4 Apresentam-se a seguir as análises de cada uma das dimensões e, ao final, algumas breves considerações. Documentação metas gerais todos os familiares com registro civil todos os familiares a partir da idade escolar com RG ter acesso a informações sobre como e onde podem tirar seus documentos acessos e oportunidades 39,8% das famílias tiveram algum membro que emitiu novo documento 69,3% eram crianças e adolescentes e 30,7, adultos acima 18 anos documentos emitidos: RG (49,8%), certidão de nascimento (17,1%), CPF (15,5%) e carteira de trabalho (11,4%) ações e articulações com a Secretaria de Justiça e organizações não governamentais locais para o desenvolvimento de ações de inclusão nos territórios Houve ganhos em documentação civil, pela obtenção de registros formais e o conseqüente reconhecimento do indivíduo como sujeito de direitos e deveres, reafirmando-se a primeira condição para a cidadania. O cadastramento feito no início do Programa revelava que 3% dos integrantes das 300 famílias atendidas não tinham registro civil e 26%, não tinham Registro Geral (RG). Como os resultados da atualização cadastral indicam que em 39,4% das famílias algum membro passou a ter um novo documento, pode-se afirmar que o Programa focalizou e deu cobertura às famílias que careciam de documentação quando ingressaram no Programa. Pelo registro das orientações dadas por técnicos e agentes, infere-se que as famílias nem sempre conheciam os procedimentos para regularizar documentos ou obter segunda via. Perdas ou danos de registros civis devem ser entendidos a partir das precárias condições de moradia em que vivem as famílias do Programa, com especial atenção às que sofrem as conseqüências de enchentes, como as do Jardim Lapenna e do Jardim Pantanal. A importância dessa dimensão para crianças e adolescentes se evidencia na incidência da emissão de documentação nessa faixa etária. Das pessoas que tiraram algum documento na vigência do Programa, 69,3% tinham menos de 18 anos. Nos três núcleos, o RG foi o documento mais emitido (em torno de 50%), seguido da Certidão de Nascimento (21%) e do Cadastro de Pessoa Física (CPF) (14%), mas emitiramse também carteiras de trabalho (11,4%) e títulos de eleitor (5,3%). Educação metas gerais todas as crianças em idade escolar matriculadas na rede pública de ensino todos os adultos que acessos e oportunidades 2,6% das famílias matricularam crianças de 6 a 14 anos, após suporte do Programa estudo da evasão escolar identificou fatores na família e na escola que devem ser abordados de

5 demonstrassem interesse em voltar a estudar encaminhados aos cursos de EJA existentes na região os responsáveis com acesso a informações mínimas sobre a vida escolar das crianças e o funcionamento das escolas forma diferente em termos de proteção social articulação e aproximação com as escolas de referência devem ser priorizadas em ,3% das respostas indicam bom tratamento dado nas escolas e 54,5% avaliam como boa a relação dos professores com os alunos; no entanto, há um número significativo de respostas que revela constrangimentos na relação escola-família A retomada dos estudos dos adultos das famílias melhorou sua dignidade e suas reais condições de integração e circulação social. Durante 2007, o Programa articulou a inserção de jovens e adultos em turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA), em salas de aula já existentes nas comunidades e também em novas turmas, criadas em parceria com o Serviço Social da Indústria (Sesi). Um levantamento preliminar realizado pela equipe de monitoramento dá conta de que, no Jardim Lapenna, dos 67 adultos não alfabetizados, 26 demonstraram interesse em voltar a estudar e 57,6% destes já estão matriculados e cursando a EJA. Depois das visitas e das palestras, eu conversei, eu tomei as decisões. Eu até voltei a estudar, mesmo sem meu marido querer (depoimento de família, Jardim Lapenna). Ficou patente que, para os adultos se inscreverem na EJA, no Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos (Mova) ou no ensino supletivo, foi preciso fazer uma ação combinada: de um lado, a identificação e articulação de acessos a esses serviços e, de outro, a intervenção socioeducativa dos agentes e técnicos. Quanto à educação inicial, mesmo que a intervenção socioeducativa reforce a importância da inserção, o problema da oferta de vagas dificulta o acesso. No final de 2007, o sistema de informações (Infolocal) da Secretaria Municipal de Planejamento de São Paulo (Sempla) registrava que, em São Miguel Paulista, apenas 11,7% das crianças menores de 5 anos estavam matriculadas nos estabelecimentos educativos e, segundo o diagnóstico, 34% das crianças dessa faixa etária não freqüentavam Centro de Educação Infantil (CEI) ou Escola Municipal de Educação Infantil (Emei). Já na atualização, verifica-se que 31,5% das famílias têm crianças menores de 5 anos que não freqüentam esses estabelecimentos. Assim, mesmo que a intervenção socioeducativa tenha reforçado a importância da inserção, há um problema de vagas que extrapola as possibilidades do Programa. Quanto a crianças e adolescentes de 7 a 14 anos, mais do que o problema das vagas, destaca-se a dificuldade de as escolas garantirem a permanência dos alunos, questão que não é só de São Miguel Paulista. No diagnóstico, observou-se que, das crianças e

6 adolescentes de 6 a 17 anos, 4% não freqüentavam estabelecimentos de ensino formal e, pela atualização cadastral, 2,6% das famílias do Programa matricularam seus filhos. Por outro lado, também se constatou evasão escolar em 8,6% das famílias, com crianças e adolescentes de 6 a 14 anos que abandonaram os estudos. A análise de relatórios do Programa acerca das 26 crianças e adolescentes em idade escolar que não freqüentam a escola permite aprofundar essa questão. Enquanto a indicação majoritária dos motivos da evasão reforça um pretenso desinteresse por parte dos alunos ou das famílias, o estudo aprofundado dos registros permite identificar fatores de diversas ordens, que devem ser abordados em termos da proteção social: risco social e pessoal: crianças/adolescentes em situação de rua; trabalho infantil; violência doméstica; drogas; necessidade de cuidados especiais: crianças com deficiência; adolescentes em conflito com a lei; mães adolescentes que pararam de estudar; dinâmica familiar e relações intra-familiares: conflitos familiares; outros parentes que não os pais que cuidam das crianças; crianças que pararam de estudar para cuidar da casa; sistema escolar: exclusão; grande número de faltas; perda da vaga; não domínio de conhecimentos básicos (leitura e escrita) para acompanhar o currículo escolar; violência na escola; escola muito longe da casa. No registro das orientações das visitas domiciliares, foram recorrentes os problemas com a escola (distância, diferentes formas de exclusão, transferência), a freqüência dos alunos (estímulo para esse cuidado e acompanhamento) e sua relação com os professores (vínculos de ensino-aprendizagem). Apesar de 53,3% das respostas apontarem um bom tratamento dado nas escolas e de 54,5% avaliarem como boa a relação dos professores com os alunos, há um número significativo de respostas que revela constrangimentos na relação escola-família. Quase um terço das questões colocadas pelas famílias faz uma avaliação negativa da escola, e alguns dos principais motivos são a estrutura ruim ou a escola vista como um lugar sujo e desorganizado, a avaliação negativa do trato diário, da merenda e do uniforme, ruins ou inexistentes. Essa avaliação é importante para a articulação e a aproximação com as escolas-referência, que devem ser priorizadas em Saúde metas gerais todos os familiares com cartão SUS acessos e oportunidades 8% de famílias obtiveram cartão

7 todas as crianças com carteira de vacinação em dia ter acesso a informações sobre a UBS de referência todos os doentes crônicos encaminhados para atendimento na UBS de referência todas as mulheres de mais de 35 anos com acesso a informações sobre saúde da mulher e auto-cuidado e tendo feito ao menos uma vez o exame Papanicolau todas as gestantes com acompanhamento pré-natal todos os adultos com acesso a informações sobre a prevenção de DST todos os responsáveis com acesso a informações sobre cuidados com a infância (higiene, prevenção de acidentes etc. acesso a informações sobre cuidado e prevenção da saúde bucal SUS 62% das famílias fizeram acompanhamento ginecológico 31% das famílias atualizaram a vacinação de crianças 28% das famílias fizeram acompanhamento odontológico de suas crianças e adolescentes 8,2% das famílias tiveram atendimento institucional em saúde mental 58% das famílias tiveram necessidade de atendimento médico de ou emergência, das quais 95,5% foram atendidas ações coletivas socioeducativas para prevenção de saúde ação intersetorial para garantir acessibilidade Se a educação ganha destaque no histórico dos programas de transferência de renda, a reivindicação de cuidados primários de saúde é estratégica para o desenvolvimento humano. Com base nas metas por família, observa-se que, para 50% delas, houve prioridade dessa dimensão, por meio de duas linhas de atuação: estímulo e verificação da documentação e da informação que permita o acesso aos serviços e promoção de ações de atenção primária à saúde. Enquanto o diagnóstico inicial mostrava que 8% dos integrantes das famílias não tinham o cartão Sistema Único de Saúde (SUS), verificou-se na atualização que, em 7,8% das famílias, algum membro obteve o cartão, o que revela a adequação da intervenção a partir da demanda inicial. O que aparecia como dificuldade das famílias para o ingresso do Programa era a vivência efetiva de práticas de prevenção de saúde e o acesso a serviços públicos de qualidade. O diagnóstico revelou que apenas 32% das famílias faziam acompanhamento médico regular, e 28% das mulheres afirmavam nunca ter tido acompanhamento ginecológico. Nessa dimensão, a intervenção foi fortemente complementada na esfera do trabalho coletivo: entre dezembro de 2006 e julho de 2007, do total de atividades realizadas pelo Programa, 13% foram campanhas socioeducativas e palestras sobre prevenção de saúde da mulher, hipertensão, diabetes, doenças sexualmente transmissíveis e saúde bucal (em parceria com a Coordenação de Saúde da região). Combinadas com ações domiciliares, as palestras sobre prevenção de saúde da mulher e que implicaram agendamento de exames Papanicolau resultaram em 62% de famílias com acompanhamento ginecológico e 91% das novas gestantes com consultas de controle. Além disso, 30,9% das famílias atualizaram as vacinas das crianças.

8 Quanto à saúde bucal, fizeram-se, em parceria com a Odontoprev 2 e com dentistas voluntários, avaliação das condições de saúde bucal de crianças e jovens das famílias do Programa e encaminhamento para atendimento odontológico. No final do processo, 28% das famílias fizeram acompanhamento de saúde bucal, tendo sido a maior adesão no Jardim Pantanal. Vale notar que os bons resultados em termos de acesso conicidem com a percepção das famílias, posto que a saúde foi a intervenção mais valorizada por elas nos grupos focais: Agora, tá fácil conseguir consulta no Posto; antes não era assim. A saúde melhorou muito no dia-a-dia. Arrumaram médico para o Posto. Agora, tem muita coisa: Papanicolau... Tem também dentista para as crianças. Isso, antes, era muito difícil (depoimento de família, Jardim Lapenna). Em todos os grupos focais, as famílias presentes destacaram a saúde como prioridade, sobretudo as situações de alta depressão. Essas famílias vivem sofrimentos psíquicos decorrentes da própria situação de privação e ausência de vínculos socioafetivos alargados. Nessas condições, além de encaminhamentos a serviços especializados, o Programa ofereceu continência através de visitas domiciliares: Às vezes, estamos com problemas e não temos com quem desabafar. Parece que eles [o Programa] sentem quando estamos mal, e aparecem na nossa casa no dia certo (depoimento de família, Jardim São Vicente). Nesse sentido, foram efetivas as visitas domiciliares, as palestras e os grupos socioeducativos. A partir de outubro, na perspectiva psicossocial e preventiva, o Programa investiu na implantação do projeto Educa São Miguel, em parceria com a Faculdade de Medicina da Santa Casa, com atividades e palestras sobre a saúde da família e a importância da atividade física. Este último item buscava articular a saúde com demandas detectadas na dinâmica familiar, em que se destacaram a falta de atividades de lazer e o alto grau de estresse e isolamento das famílias submetidas a grande vulnerabilidade social. Na dimensão saúde, a experiência do Programa Ação Família São Miguel Paulista se destaca, do ponto de vista metodólgico, pela garantia de acesso por meio de: informações e ações de prevenção básica de saúde (da mulher, de crianças e gestantes); mapeamento dos equipamentos públicos, que foram referências para o trabalho de agentes e técnicos; articulação com os serviços de saúde nos territórios, a fim de se fortalecerem as parcerias e se garantir o atendimento da população;

9 combinação de estratégias no trabalho socioeducativo: âmbitos familiar e coletivo, com articulação com os setores de saúde nos territórios de referência para se promover o acesso aos serviços públicos; acolhimento e escuta próxima. Como se vê, o êxito do trabalho nessa dimensão se deveu à forte articulação territorial. Em 2008, ficou como recomendação tecerem-se redes duradouras e sustentáveis entre o público-estatal e o público-privado para a mobilização e o adensamento das forças locais que garantissem a continuidade desses acessos para o conjunto da população do território. Trabalho e renda metas gerais todos os desempregados inscritos na central de empregabilidade da Prefeitura (CAT) ter acesso a informações sobre direitos do trabalhador (previdência social, seguro-desemprego, PIS etc.) todos os casos de trabalho infantil encaminhados ao Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti) acessos e oportunidades 19,9% das famílias tiveram algum membro desempregado que fez inscrição em centrais de empregabilidade 10,8% das famílias com matrícula em cursos profissionalizantes, e 6,3% das famílias tiveram algum membro que concluiu um curso profissionalizante estudos sobre alternativas de geração de emprego e renda para direcionar/qualificar ações para 2008 Quanto a trabalho e renda, a primeira questão que se destaca é que, ao assumir o binômio desemprego-emprego, o Programa pôde contribuir para a melhor caracterização da situação de trabalho das famílias em alta vulnerabilidade de São Miguel Paulista. Se, por um lado, o desemprego e o trabalho precário são evidentemente majoritários nessa população, por outro, a simples denominação desemprego não capta a insistência do adulto na procura por trabalho. Segundo o diagnóstico inicial, apenas 25% dos desempregados estavam inscritos nas centrais de empregabilidade (FUNDAÇÃO TIDE SETUBAL, 2007a). A ênfase do Programa na inscrição, fortalecendo o acesso a esse serviço, concorreu para a avaliação da capacidade de reconhecimento e absorção das centrais, além de criar insumos que fizessem frente às necessidades desse tipo de população em termos de inserção produtiva. Depois de um ano de Programa, 19,9% das famílias tiveram algum membro desempregado que se inscreveu em centrais de emprego, e a atualização cadastral revelou que, em 19% das famílias, algum membro fez entrevista de emprego. Na interface com a dimensão educação, houve um conjunto de orientações e ações de estímulo à inclusão de jovens e adultos em cursos profissionalizantes. Observa-se que 10,8% das famílias tiveram algum membro com matrícula em cursos profissionalizantes e 6,3% delas, algum membro que o concluiu.

10 Mesmo que a questão do trabalho ultrapasse os limites do Programa, ela é estruturante da condição de cidadania e da construção de autonomia das famílias. Por isso, a busca de alternativas para o aumento da empregabilidade e da geração de renda deve integrar um processo de real qualificação, evitando a proliferação de iniciativas que reforcem a baixa qualificação e promovendo a inserção produtiva. Durante a vigência do Programa, 12,3% das famílias passaram a receber algum tipo de benefício socioassistencial, ampliando-se as condições de proteção social. O Bolsa Família e o Renda Mínima parecem ser os benefícios que mais alcançaram a população do Programa (63% do total de benefícios declarados). Além disso, durante o Programa, 60% das famílias adquiriram bens eletrodomésticos ou móveis, o que indica o aumento de suas possibilidades de consumo. Diferentemente da renda do trabalho, os benefícios monetários dão uma estabilidade que permite, ao longo do tempo, desenvolver capacidade de planejamento familiar e organização do poder de compra. Eu achava que não fazia muita diferença, mas, daí, eu vi que o dinheiro chega numa hora do mês que é ótima, porque o que a gente tinha já tinha acabado. Se não chegasse naquele, dia eu não teria como comprar mistura pros meus filhos. Também comprei filtro de água e inteirei a prestação da geladeira (depoimento de família, Jardim São Vicente). Dinâmica familiar metas gerais todos os familiares com acesso a informações sobre direitos humanos e entidades de apoio relacionadas conhecer as instituições existentes na comunidade para apoio ao alcoolista, ao usuário de drogas etc. ter acesso a informações e apoios que propiciem a melhoria das relações intra-familiares e a resolução não violenta de conflitos conhecer os equipamentos de cultura, esportes e lazer de seu bairro acessos e oportunidades vizinhança e redes familiares são referência para um quarto das famílias enquanto no diagnóstico a ênfase das falas das famílias sobre as dificuldades de convívio focava-se em sua condição de vulnerabilidade, hoje se observa uma ampliação dessa leitura, incluindo-se temas intra-familiares visitas domiciliares representaram espaços de acolhimento e de construção de vínculos, que aparecem muito pouco no cotidiano das famílias: momentos preparatório para a participação em espaços coletivos espaços coletivos de discussão e informação: reuniões socioeducativas, pequeno grupos, terapia comunitária, reuniões abertas, palestras Vizinhança e redes familiares aparecem como referência para os cuidados domésticos para apenas um quarto das famílias. Em geral, famílias que vivem em bairros de precária infraestrutura urbana, altos índices de violência e de vulnerabilidade social tendem a sofrer com sentimentos de impotência, solidão e falta de referência a redes institucionais e sociais de solidariedade e socialização.

11 O trabalho socioeducativo tem permitido conhecer melhor a dinâmica e as demandas das famílias e abordá-las tanto nas visitas domiciliares como nas reuniões grupais. Enquanto no diagnóstico a ênfase das falas das famílias sobre as dificuldades de convívio recaía sobre sua condição de vulnerabilidade, hoje se observa uma ampliação dessa leitura, incluindo-se a educação dos filhos, as regras de convivência, a relação com companheiros, problemas de alcoolismo, a rede familiar e a solidão provocada pelo desequilíbrio entre o excesso de pessoas e a exigüidade do espaço habitacional (quase 50% das respostas trazem essas questões). O conteúdo das visitas subsidiou as reuniões socioeducativas no trabalho em pequenos grupos (como foi o caso do Jardim Lapenna) ou em trabalhos mais coletivos como terapia comunitária, reuniões abertas, palestras etc. Em 2007, a ênfase nas visitas domiciliares teve um papel estratégico na metodologia de trabalho com as famílias, como consta nos documentos programáticos: A visita domiciliar permitirá o estabelecimento de uma relação mais próxima com as famílias, estabelecendo uma relação horizontal entre o agente e o adulto familiar de referência [...] aprender a ouvir é fundamental para não se imporem valores ou modelos alheios e desconectados com a realidade dessa população e pela qual é possível construir vínculos para o estabelecimento de diálogos e construção de projetos que possam trabalhar tanto o acesso a informações e apoios que propiciem a melhoria das relações intra-familiares e a resolução não violenta de conflitos (FUNDAÇÃO TIDE SETUBAL, 2007b: 6). Para as famílias, as visitas representaram espaços de acolhimento e de construção de vínculos e, para o Programa, são preparatórias para a participação em espaços coletivos. O Programa ajuda muito não só no dinheiro, tem outras coisas. Eu tinha depressão e não saía de casa; eu faltava nas reuniões do Programa, eu só vou na reunião de escola, mas chego no final. Eu falei que precisava de alguém para conversar, e eles começaram a ir em casa e conversar comigo. Eu já vim nas quatro últimas reuniões (depoimento de família, Jardim Lapenna). Para 2008, recomendou-se também trabalhar família e comunidade como um duplo dialético. Qualquer projeto que pretenda produzir proteção e inclusão exige uma intervenção social que alie, no processo, o binômio família/comunidade: O território não é apenas o local de moradia e convivência, mas é o lugar onde a família tem possibilidade de fazer sua vida, e esta se realiza pelo que o território oferece ou não como sua condição social (BRANT DE CARVALHO, 2004: 17). A importância das estratégias coletivas fica evidente quando se observa que, para 50,9% das famílias, as relações com os vizinhos melhoraram.

12 A necessidade de se enfatizar essa dimensão em 2008 se revela na outra metade, que não respondeu a essa questão ou não apontou melhorias. Habitabilidade metas gerais manter condições de higiene adequadas ao bem-estar e à saúde das pessoas melhorias estruturais nos domicílios dar destinação adequada para o lixo doméstico acessos e oportunidades reuniões com participação da Defesa Civil e da Zoonose para orientar as famílias sobre cuidados com ratos, enchentes, acondicionamento do lixo etc. mapeamento dos principais problemas estruturais de cada domicílio pesquisas sobre urbanização do Jardim Pantanal (alternativas para drenagem, saneamento e uso de materiais de construção oriundos da reciclagem de entulho da construção civil) os técnicos encontraram melhores condições de higiene e limpeza em 43,5% das famílias e melhor organização da casa em 46,1% 27,9% das famílias declaram ter conseguido mudanças nas suas condições de vida e, destas, 46,6% aumentaram o número de cômodos no domicílio melhorias no equipamento dos lares foram destaque na percepção das famílias: 60,9% delas conseguiu adquirir eletrodomésticos e móveis Os dados do diagnóstico revelaram que 41% das famílias do Programa apresentavam irregularidades na situação de propriedade dos terrenos e domicílios. Mesmo com diferenças entre os territórios, são altos os percentuais de canalizações irregulares de esgoto: 28% das moradias são atingidas por enchentes, e há um déficit na densidade habitacional, devido ao pequeno número de cômodos em relação ao número de pessoas dos núcleos familiares. No início do Programa, problemas de espaço e moradia foram identificados pelas famílias no sexto lugar nas dificuldades de convívio (com exceção do Jardim Pantanal, onde elas figuravam em segundo lugar), e 63% das moradias não tinham espaço adequado para estudo. A precariedade da infra-estrutura urbana e ambiental permeou o Programa desde o início, por ocasião de uma enchente em função da qual se promoveram reuniões socioeducativas e ações de apoio às famílias e comunidades. A partir daí, uma série de atividades abordaram esse tema, sempre na perspectiva da prevenção. Fizeram-se reuniões com a participação da Secretaria Nacional de Defesa civil e do Centro de Controle de Zoonoses do Município de São Paulo para orientar as famílias sobre cuidados com ratos, enchentes, acondicionamento do lixo etc. As terapias comunitárias visavam a discutir os aspectos individuais, grupais e coletivos dos problemas das famílias. A equipe técnica iniciou um mapeamento detalhado dos principais problemas estruturais de cada domicílio, e o Programa encomendou pesquisas para pensar a urbanização do Jardim

13 Pantanal, incluindo-se alternativas para drenagem, saneamento e uso de materiais de construção oriundos da reciclagem de entulho da construção civil. No fim de 2007, iniciou-se o planejamento de um projeto de caráter participativo para a coleta de lixo do Jardim Lapenna, a ser desenvolvido em As visitas domiciliares pretendiam abordar e discutir as condições de higiene adequadas ao bem-estar e à manutenção da saúde das pessoas, por meio de orientações sobre melhor organização, cuidados com a limpeza e com a higiene dos domicílios e quintais. Depois de quase um ano de Programa, os técnicos afirmam ter encontrado melhores condições de higiene e limpeza em 43,5% das famílias e melhor organização da casa em 46,1%. Além disso, 27,9% das famílias declaram ter alcançado mudanças nas suas condições de vida. Indagadas acerca das mudanças, destacam os arranjos do espaço interno: 46,6% delas aumentaram o número de cômodos no domicílio. Mesmo que não se possa falar em melhoria das condições de moradia, principalmente porque foram poucos os casos de ampliação do domicílio, percebe-se o efeito do trabalho socioeducativo, que pensou, junto com as famílias, na redistribuição do espaço interno, na divisão de cômodos entre adultos e crianças e na importância de delimitação de espaço para estudo. Além dos rearranjos nos espaços, também se destacaram melhorias nos equipamentos domésticos: 60,9% das famílias conseguiram adquirir móveis e eletrodomésticos como televisor (10,3%), aparelho de DVD (6,2%), aparelho de som (2,1%), geladeira (7,6%), fogão (3,1%), tanquinho (3,1%) e também computador (1,4%). Já a compra de móveis parece responder ao aumento do número de cômodos na casa, pois os itens destacados são guarda-roupa (8,7%), cama de casal (5,8%) e cama para as crianças (3,3%). Importa observar que, para essas famílias, assim como os ganhos e as novas aquisições, as perdas de equipamentos do lar (29,7%, entre eletrodomésticos e móveis) fazem parte do cotidiano, inclusive pela precariedade das moradias e do espaço urbano. Considerações finais O Programa Ação Família São Miguel Paulista estabeleceu um conjunto variado de metas para cada uma das dimensões de intervenção. O processo de trabalho e os resultados revelam que houve níveis de prioridade entre as diferentes dimensões e também entre as metas estipuladas. No desenho metodológico de intervenção junto às famílias, fica clara a intenção da passagem gradativa do individual/familiar para o grupal/coletivo. Nas ações de intervenção, destacaram-se os resultados das dimensões saúde, documentação e dinâmica familiar. Quanto a educação, trabalho e habitabilidade, as ações foram antes preparatórias para se conhecer a realidade e se tecerem redes.

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2012

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2012 Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2012 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon Encontro Regional do Congemas Região Nordeste Camaçari, 31 de outubro de 2012 Programa Bolsa Família Transferência de renda

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 LINHA DE AÇÃO I: SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA CRIANÇAS

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério

Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério Desenvolvimento Social e Combate à Fome/MDS Brasília Dezembro/2014

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2011 - SMDS O Município de Canoas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, torna público o presente e convida os interessados e as interessadas a apresentar

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Nº 01/2014 MULHERES DA PAZ

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Nº 01/2014 MULHERES DA PAZ EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Nº 01/2014 MULHERES DA PAZ A Prefeitura Municipal de Diadema por meio da Secretaria Municipal de Defesa Social, no uso de suas atribuições, torna público que estarão

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Programas e Serviços de Atenção à População em Situação de Vulnerabilidade Social, Econômica e Pessoal Brasília, Maio de 2013. Apresentação A Federação

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE OSASCO (Tomada ex ante a intervenção pública)

ESTUDO SOBRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE OSASCO (Tomada ex ante a intervenção pública) PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SBE Nº. 001

INSTRUÇÃO NORMATIVA SBE Nº. 001 INSTRUÇÃO NORMATIVA SBE Nº. 001 UCCI - Unidade Central de Controle Interno SBE Sistema de Bem-Estar Social Versão: 1.0 Aprovada em: 30/12/2011 Unidade Responsável: Secretaria Municipal de Ação Social I

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Diário Oficial da União nº 109, de 6 de Junho de 2012 (quarta-feira) Seção 1 Págs. 227_232 Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

Acompanhamento da Freqüência Escolar de Crianças e Jovens com Vulnerabilidade. Condicionalidades Bolsa Família

Acompanhamento da Freqüência Escolar de Crianças e Jovens com Vulnerabilidade. Condicionalidades Bolsa Família Acompanhamento da Freqüência Escolar de Crianças e Jovens com Vulnerabilidade Condicionalidades Bolsa Família 1) Constituição Federal: Frequência Escolar Marcos Legais -Art. 6º : Estabelece a educação

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS CRAS Centro de Referência de Assistência Social PÚBLICO-ALVO: A PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA B DO SUAS Famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial 0352 Abastecimento Agroalimentar 22000 1049 Acesso à Alimentação 0351 Agricultura Familiar - PRONAF 1215 Alimentação Saudável 1016 Artesanato Brasileiro 28000 0135 Assentamentos Sustentáveis para Trabalhadores

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA NO SEU MUNICÍPIO Município: VITÓRIA DA CONQUISTA / BA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014. Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014. Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014 Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana A CRIANÇA E O ADOLESCENTE NO CENTRO DA GESTÃO MUNICIPAL O Estatuto da Criança e do Adolescente ECA (Lei nº

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

PROJETO PONTO DE CIDADANIA. COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS

PROJETO PONTO DE CIDADANIA. COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PROJETO PONTO DE CIDADANIA COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS O Ponto de Cidadania é uma inovadora estratégia de apoio psicossocial. Trata-se de uma unidade de acolhimento

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Instrução Operacional nº 01 SNAS/MDS. Brasília, 05 de agosto de 2014. Assunto: Orienta Estados, Municípios

Leia mais

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO INFANTIL I - META 1 DO PNE: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDEN DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA Aos trinta dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete, reuniram-se no município

Leia mais

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br 5.485.424 idosos - 2014 9.316.614 idosos - 2030 Fonte: Fundação SEADE Novas Demandas e Desafios Poder Público Sociedade Famílias Garantia de Direitos Proteção Social

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

Proteção Social Básica para Juventude

Proteção Social Básica para Juventude Proteção Social Básica para Juventude Orientação para a implantação do Projeto Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano Tem esta orientação para implantação do projeto Agente Jovem de Desenvolvimento

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas

Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas SERVIÇO SOCIAL NA BSP SERVIÇO SOCIAL NA BSP BSP COMO ESPAÇO CULTURAL COM AÇÃO CENTRADA NA LEITURA A LEITURA é vista pela BSP como fundamento

Leia mais

Programa de Integração de Catadores

Programa de Integração de Catadores Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized RP661 1. HISTÓRICO Em setembro de 2004, após ter vencido concorrência pública, a CTR

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos:

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos: LEI Nº. 1917 SÚMULA: Institui o Programa de Guarda Subsidiada de Crianças e Adolescentes, denominado "Programa Família Acolhedora e dá outras providências. A Câmara Municipal de Palmas, Estado do Paraná,

Leia mais

PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA

PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA Dra. Tatiana Maria Araújo da Fonseca Licenciada em Serviço

Leia mais

PLANO VIVER SEM LIMITE

PLANO VIVER SEM LIMITE PLANO VIVER SEM LIMITE O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000.

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000. IDENTIFICAÇÃO INSTITUIÇÃO PROPONENTE: PROJETO CRESCER CHICO XAVIER - Obra Social do Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo CNPJ: 26 943 563/0001-07 ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais