estabelecimentos de educação pré-escolar e ensino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "estabelecimentos de educação pré-escolar e ensino"

Transcrição

1 Centro educativo e formativo (antigo liceu), com instalações recentemente remodeladas, cuidadosamente integradas na envolvente urbana e paisagística, boa acessibilidade, com bom nível de conforto ambiente, temperatura, qualidade do ar, luminosidade e cor, conforto acústico, que privilegiando o bem-estar e o aproveitamento escolar dos alunos e formandos , aceita inscrições para cursos da próxima época escolar CLASSIFICADOS

2 estabelecimentos de educação pré-escolar e ensino! planeados em obediência aos princípios e objectivos definidos pela Lei de Bases do Sistema Educativo! as instalações e equipamentos educativos são os recursos físicos do Sistema Educativo! programados e concebidos tendo em conta as exigências curriculares e pedagógicas dos diferentes níveis e graus de educação e ensino

3 instalações escolares feição própria flexibilidade adaptabilidade eficiência e economia exigências e solicitações das sociedades

4 instalações escolares " correcta localização integração no meio envolvente qualidade " concepção arquitectónica " satisfação de exigências construtivas adequadas aos locais

5 correcta localização integração no meio envolvente complementaridade escolas equipamentos urbanos! outras escolas! creches! ATL! bibliotecas municipais! jardins! parques! equipamentos desportivos! centros da 3ª idade! outros equipamentos culturais e sociais

6 a escola multiusos resposta às solicitações das sociedades casa do aluno creche e infantário salão de jogos aberto à comunidade

7 correcta localização integração no meio envolvente zonas consolidadas urbanisticamente relação Percursos fáceis e seguros a pé em transporte público JARDIM DE INFÂNCIA A pé até 15 min. Transporte público - 20 min. 1º CICLO A pé preferencial até 1Km ou 15 min. ; máximo aceitável até 1,5Km ou 30 min. Transporte público - 40 min. 2º E 3º CICLOS A pé preferencial até 1,5 Km ou 30 min. ; máximo aceitável 2,2 Km ou 45 min. Transporte público - 60 min. ES A pé preferencial até 2Km ou 30 min.;máximo aceitável até 3Km ou 50 min. Transporte público - máximo aceitável 60 min.

8 locais com condições de segurança e salubridade correcta localização integração no meio envolvente as escolas não devem situar-se se em zonas ou locais sob a influência de :! fontes de vibrações! ruídos! poeiras! maus cheiros! gases tóxicos! perigo de incêndio ou explosão! encostas perigosas! lixeiras

9 correcta localização integração no meio envolvente! os terrenos para construção escolar não podem: # ser atravessados por linhas aéreas de transporte de energia # situarem-se se em leito de cheias, ou ter nível freático muito elevado! os terrenos devem preferencialmente: # apresentar forma regular e declives inferiores a 5% # ter características geológicas e geotécnicas que possibilitem fundações directas das edificações

10 correcta localização integração no meio envolvente em caso de escolas existentes situadas em locais de risco urbano e arquitectónico menos segurança e salubridade as Autarquias Locais devem promover a defesa do recinto e das zonas envolventes estabelecendo zonas de protecção à escola

11 zonas de protecção à escola! uma faixa envolvente onde é proibido edificar qualquer construção o cujo afastamento ao recinto escolar seja inferior a uma vez e meia a altura da construção e menor que 12 m admite-se que esta linha de orientação se possa ajustar, na sua prática,, a condicionantes urbanas e climáticas específicas da zona em estudo, sem prejuízo para as condições ambientais do recinto escolar, reconhecidos que e sejam pelas entidades responsáveis, o fundamento e o acerto das soluções propostas postas! uma faixa envolvente a partir da vedação com a largura mínima de 200 m, para proibição de instalação e de funcionamento de estabelecimentos tos insalubres, incómodos, tóxicos e perigosos e de estabelecimentos cuja actividade seja considerada nociva ao desenvolvimento e à formação dos alunos na prática, as zonas de influência dos estabelecimentos insalubres, incómodos, tóxicos e perigosos é determinada caso a caso, com base em factores de âmbito local, designadamente as condições topográficas e climatéricas, em especial o regime dos ventos, a implantação, a espécie e o volume de vegetação, considerando nsiderando-se se o afastamento mínimo de 200 m

12 correcta localização e integração no meio envolvente

13 correcta localização e integração no meio envolvente

14 qualidade da concepção arquitectónica dignifica a função educativa facilita a gestão escolar induz o bem-estar estar bom relacionamento entre as pessoas estimula o aproveitamento escolar dos alunos estimula o gosto e o respeito pela escola

15 induz o bem-estar estar

16 qualidade da concepção arquitectónica! diversificação de soluções! conjunto único! atractiva e acolhedora! flexibilidade e adaptabilidade! segurança geral! ausência de barreiras! manutenção e conservação cada escola é uma solução estrutura espacial simples e facilmente apreensível bons níveis de conforto ambiente e qualidade paisagística e funcional do espaço exterior resposta com agilidade e eficiência às sucessivas exigências e solicitações estrutural, incêndio, intrusão e roubos, explosões, electrocussão, quedas, queimaduras, intoxicações acessibilidade a todos os cidadãos com mobilidade condicionada simples e pouco dispendiosas

17 cada escola é uma solução cada escola é uma solução

18 estrutura espacial simples e facilmente apreensível

19 atractiva e acolhedora

20 conforto ambiente implantação dos edifícios! atender ao percurso solar diário e anual, por forma a evitar o excesso de calor no Verão e a aproveitar o calor solar no Inverno! evitar a criação de zonas exteriores húmidas e frias e proporcionar o abrigo dos ventos e chuvas dominantes! fenestração, especialmente das salas de aula e dos espaço de maior permanência dos alunos, privilegiando o quadrante Sudeste-Sul Sul-SudoesteSudoeste

21 conforto termo- -higrométrico conforto ambiente! depende em grande parte do comportamento térmico do edifício! níveis de conforto térmico no interior dos edidfícios de 18º C e de 24º C, respectivamente para o Inverno e para o Verão, considerando o valor médio da humidade relativa entre 35% e 70%! renovação do ar preferencialmente por meios naturais de fácil manuseamento

22 conforto ambiente luminosidade e cor! privilegiar a iluminação natural dos espaços, sem incidência directa de raios solares nos planos de trabalho nem reflexos nos quadros para escrita! níveis de Iluminação homogénea! possibilidade de obscurecimento parcial ou total! colorido dominante cores de tons claros

23 privilegiar a privilegiar a iluminação natural dos espaços acessibilidade

24

25 conforto ambiente conforto acústico! escolas são consideradas zonas sensíveis! proporcionar aos seus utilizadores condições acústicas satisfatórias, tendo em conta a localização dos espaços em relação a fontes de ruído exteriores à escola ou provenientes do próprio recinto escolar! transmissão sonora entre os locais interiores, em condições normais de utilização, sem perturbação das actividades que neles se realizem! evitar-se situações de sobreposição e de contiguidade entre espaços habitual ou eventualmente ruidosos e outros que requeiram ambientes calmos e silenciosos! elementos construtivos e decorativos devem privilegiar-se os que oferecem absorção acústica apropriada

26 arranjos exteriores qualidade paisagística e funcional conjunto escolar! zonas interligadas para actividades distintas e simultâneas recreios cobertos e ao ar livre parque lúdico espaços polidesportivos zonas ajardinadas, horta pedagógica! utilização livre e em segurança, pelas crianças e pelos jovens! os elementos naturais ou construídos lagos, espelhos de água, taludes mal consolidados - não podem por em risco a segurança dos alunos ou exigir vigilância especial! acesso a viaturas de emergência e de serviço, evitando o cruzamento com as zonas de recreio

27 segurança, utilização e manutenção concepção projecto construção utilização exploração avaliação segurança geral utilização e manutenção simples e pouco dispendiosa! regulamentação geral! regulamentação especifica! manual de segurança, utilização e manutenção da escola! boas práticas! procedimentos tipo! orientações do ME! auditorias! avaliação interna e externa

28 segurança! SEGURANÇA CONTRA RISCOS INERENTES AO USO NORMAL! segurança de instalações e equipamentos eléctricos! segurança de instalações de ascensores! segurança de instalações e equipamentos de gás e outros combustíveis! segurança no contacto! segurança na circulação! segurança em desníveis! riscos diversos - casos particulares ligados à vida escolar - utilização, manuseamento e armazenamento de substâncias perigosas - fixação de equipamentos desportivos - a prevenção em oficinas - o material audiovisual e informático - decorações temporárias - realização de trabalhos perigosos - intrusões humanas e vandalismo - intrusão de animais - circulação e estacionamento de veículos no interior do recinto escolar! utilização dos diferentes espaços do edifício - facilidade na disposição de acessórios e equipamentos - adequação dos revestimentos à sua utilização

29 segurança! SEGURANÇA RELATIVA A ASPECTOS DE SAÚDE E HIGIENE! a utilização e a salubridade - pureza do ar ambiente - ventilação - abastecimento de água - evacuação de águas residuais domésticas - evacuação de águas pluviais - evacuação de lixos - limpeza e desinfecção! condições de higiene, segurança e qualidade alimentares - condições gerais da cozinha, do refeitório e dos bares - recepção e armazenamento dos produtos alimentares - preparação, confecção e distribuição das refeições - lavagem e arrumação de utensílios e louças - limpeza e conservação dos equipamentos - higiene e saúde do pessoal

30 segurança! SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO! princípios e meios gerais em matéria de prevenção - evitar o início de um fogo - decorações temporárias - execução de trabalhos perigosos! meios de segurança contra incêndio - sistemas de alarme e alerta - centrais de comando e de sinalização! meios de extinção - os extintores - as redes de incêndio armadas - as colunas secas ou húmidas - os hidrantes exteriores! caminhos de evacuação! vias de acesso aos edifícios

31 segurança! SEGURANÇA AOS SISMOS! medidas de prevenção e segurança! medidas de protecção! educação e preparação dos alunos! medidas a tomar em caso de sismo

32 Escola Básica Integrada Vasco da Gama A SEMELHANÇA COM A REALIDADE É PURA REALIDADE Gondifelos cola Básica Integrada de Gondifelos cola Básica Integrada de E Escola Básica Júlio Brandão Escola Básica de Miragaia s Complexo Complexo Escolar Escolar do do Rodo Rodo

33 obrigado pela sua participação

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Papel da escola na promoção de uma cultura de HSST no trabalho PANORAMA GERAL: 330 000 acidentes de trabalho/ano 22% afecta os jovens com idade inferior

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura ANEXO III PROGRAMA PRELIMINAR Programa_Preliminar_JC_DOM 1 Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura PROGRAMA PRELIMINAR Índice! " #! $ % &' ( Programa_Preliminar_JC_DOM

Leia mais

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

Manual de Utilização, Manutenção e Segurança. nas. Escolas

Manual de Utilização, Manutenção e Segurança. nas. Escolas Manual de Utilização, Manutenção e Segurança nas Escolas Sumário 1 Preâmbulo da 2. a edição 2 Nota Prévia 3 Introdução 5 Manual de utilização, manutenção e segurança das Escolas 7 2 SEGURANÇA CONTRA RISCOS

Leia mais

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras.

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras. Recepção de matérias primas Após a chegada das matérias primas à fábrica, estas são transportadas para o armazém através do empilhador, porta paletes ou através de transporte manual. Armazenamento Todas

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

3.12 Segurança e higiene nos espaços verdes Artur Gonçalves

3.12 Segurança e higiene nos espaços verdes Artur Gonçalves 3.12 Segurança e higiene nos espaços verdes Artur Gonçalves A segurança e a higiene são requisitos fundamentais na qualidade dos espaços verdes. As suas características essenciais dependem da combinação

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

H A B I T A T Salubridade

H A B I T A T Salubridade H A B I T A T Salubridade 11 -Salubridade_FCS,2000 H A B I T A T Salubridade Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso de Licenciatura em Enfermagem na Comunidade FCHUCP

Leia mais

Despacho Conjunto n.º 268/97, de 25 de Agosto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL

Despacho Conjunto n.º 268/97, de 25 de Agosto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Despacho Conjunto n.º 268/97, de 25 de Agosto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Define os requisitos pedagógicos e técnicos para a instalação e funcionamento de estabelecimentos

Leia mais

OBJECTIVOS PRINCIPAIS:

OBJECTIVOS PRINCIPAIS: Câmara Municipal de Aveiro SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFICIOS ESCOLARES (SCIE) Meios de 1ª Intervenção - EXTINTORES AGRUPAMENTO EIXO 28 Setembro 2011 Sandra Fernandes

Leia mais

ANEXO A. Carta Educativa do Concelho de Mafra Anexo A, Pág. 305

ANEXO A. Carta Educativa do Concelho de Mafra Anexo A, Pág. 305 ANEXO A Anexo A, Pág. 305 Jardim de Infância (JI) Faixa Etária: 3 aos 5 anos Observações Percursos escola-habitação A pé - preferencial até 15 minutos; Em transporte público - máx. aceitável 20 minutos.

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas 3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas Segurança Contra Incêndios em Edifícios Decreto-Lei 220/2008 Portaria 1532/2008 ISEP- Porto - 2010 ISEP - Abril 2010 Cap Eng Luís Bispo 1 Sumário

Leia mais

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA Projecto de Licenciamento de Segurança Contra Incêndio António Gomes aag@isep.ipp.pt 1 3 Enquadramento As implementação dos sistemas de segurança contra incêndios

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

O programa previsto para o Centro Escolar é o seguinte: Área útil unitária

O programa previsto para o Centro Escolar é o seguinte: Área útil unitária MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL Freguesia de Tavarede CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO / TAVAREDE Projecto de Arquitectura _ Projecto Base Memória Descritiva e Justificativa Refere-se a presente

Leia mais

Armazém Planear a construção

Armazém Planear a construção Planear a construção Surgem muitas vezes problemas associados às infra-estruturas dos armazéns, como por exemplo, a falta de espaço para as existências, para a movimentação nos corredores e áreas externas,

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C Designação do estabelecimento: MegaExpansão LDA. Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C 8300-135 Silves Telefone: 282441111 Localização geográfica Sul Estrada Nacional 124 Norte Este

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Habitat Escolar. Salubridade. SalubridadeEscolar_FCS 1

Habitat Escolar. Salubridade. SalubridadeEscolar_FCS 1 Habitat Escolar Salubridade SalubridadeEscolar_FCS 1 Habitat Escolar Salubridade Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso de Licenciatura em Enfermagem na Comunidade

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/5 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora Pág.2/5 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade: Segurévora

Leia mais

II - ALGUNS REFERENCIAIS TÉCNICOS PARA A CONSTRUÇÃO/AMPLIAÇÃO/REQUALIFICAÇÃO DE ESCOLAS NA PERSPECTIVA DO CENTRO ESCOLAR

II - ALGUNS REFERENCIAIS TÉCNICOS PARA A CONSTRUÇÃO/AMPLIAÇÃO/REQUALIFICAÇÃO DE ESCOLAS NA PERSPECTIVA DO CENTRO ESCOLAR II - ALGUNS REFERENCIAIS TÉCNICOS PARA A CONSTRUÇÃO/AMPLIAÇÃO/REQUALIFICAÇÃO DE ESCOLAS NA PERSPECTIVA DO CENTRO ESCOLAR A construção de raiz de novos Centros Escolares, ou a sua implementação através

Leia mais

OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR

OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR COORDENAÇÃO: LUÍS SOUSA Ficha Técnica Título Os granitos de Vila Pouca de Aguiar como factor de

Leia mais

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável.

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. 1.0 Impacto da Construção: 1.1 Ambiental 1.2 Social 1.3 Económico Procura do Equilíbrio nestes três factores Desenvolvimento de soluções sustentáveis

Leia mais

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 1. Designação do Curso: Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 2. Denominação do Diploma ou Certificado Diploma de Pós-Graduação em Sistemas de Segurança,

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

Questionário Preliminar de Risco

Questionário Preliminar de Risco Questionário Preliminar de Risco MULTIRISCOS PME Identificação interna Sucursal Comercial Técnico Agente / Corretor Data da visita Referência Proponente Nome Morada Ocupação do risco Código Postal DESCRIÇÃO

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte:

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte: A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 1063/97, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1063/97 de 21 de Outubro

Leia mais

Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios. Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios

Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios. Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios Carlos Ferreira de Castro Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios New Portuguese Code Requirements

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução.

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução. por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Legislação aplicada no âmbito de S.H.S.T. Prescrições mínimas de segurança e saúde sobre os componentes materiais do Trabalho

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Despacho Normativo n.º 96/89, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Despacho Normativo n.º 96/89 de

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO provisória definitiva 1. Prédio urbano / fracção autónoma Morada Código Postal - Inscrito na matriz predial da freguesia de art.º n.º Registado na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora ág.1/7 Identificação de erigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 ág.2/7 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 REGULAMENTO ARTIGO 1º (Objecto e Âmbito) O presente Regulamento tem por objectivo a definição das condições de concessão e utilização do bar da Tenda Electrónica,

Leia mais

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos Incêndio A propagação de um incêndio depende das condições meteorológicas (direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura e do tipo do coberto vegetal, orografia

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL UCF CRIANÇA e ADOLESCENTE UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL Identificação do Estabelecimento Data: / / Designação: Morada: Freguesia: Concelho: Telefone: Fax: Correio Electrónico: Director / Coordenador

Leia mais

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School Escola verde Green School Sobre o Colégio Positivo Início das aulas: 18 de fevereiro de 2013 Lançamento oficial: 26 de março de 2013 Proposta de ensino bilíngue (português/inglês) Cerca de 350 alunos,

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Licenciamento CHECK-LIST

Gabinete de Apoio ao Licenciamento CHECK-LIST Gabinete de Apoio ao Licenciamento CHECK-LIST Aspectos relativos aos requisitos de instrução do processo e requisitos técnicos : Dec-Lei nº 127/2014 de 22 de agosto Portaria nº 268/2010 de 12 de Maio com

Leia mais

Escola Secundária D. Duarte

Escola Secundária D. Duarte 1. CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO 1.1 Localização geográfica A Escola Secundária D. Duarte fica situada na Rua António Augusto Gonçalves em Santa Clara Coimbra. Vias de acesso para socorros exteriores: Protecção

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL 4338 Diário da República, 1.ª série N.º 167 31 de Agosto de 2011 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 262/2011 de 31 de Agosto As famílias e as estruturas sociodemográficas têm

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA OBJETIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE, apresentando soluções disponíveis de possível aplicação.

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO SEGURANÇA E BEM-ESTAR NAS ESCOLAS Manual Programa AFERIÇÃO SEGURANÇA E BEM-ESTAR NAS ESCOLAS 2 FICHA TÉCNICA Título Segurança e Bem-Estar nas Escolas Manual

Leia mais

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1.1- Enquadramento territorial e contexto físico O Concelho da Moita onde se localiza o Agrupamento de escolas Fragata do Tejo está situado na região de

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Conclusões CAPÍTULO 7 CONCLUSÕES. O Ambiente Interior e a Saúde dos Ocupantes de Edifícios de Habitação. 217

Conclusões CAPÍTULO 7 CONCLUSÕES. O Ambiente Interior e a Saúde dos Ocupantes de Edifícios de Habitação. 217 Conclusões CAPÍTULO 7 CONCLUSÕES O Ambiente Interior e a Saúde dos Ocupantes de Edifícios de Habitação. 217 Capítulo 7 7. CONCLUSÕES 7.1. CONSIDERAÇÕES FINAIS 7.2. SÍNTESE DE INOVAÇÃO 7.3. DESENVOLVIMENTOS

Leia mais

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6)

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) Objectivos do Curso No final da acção, os formandos deverão ser capazes de: Colaborar na definição da política geral da empresa relativa à

Leia mais

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 1444/2002, de 7 de Novembro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

Organização da Segurança. www.juliosantos.net - js@juliosantos.net

Organização da Segurança. www.juliosantos.net - js@juliosantos.net Organização da Segurança Sumário Objectivo: Tomar conhecimento de uma forma de como organizar a Segurança Patrimonial Temas abordar Política de Segurança Definições e Conceitos Modelo de Segurança Análise

Leia mais

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Artigo 1.º (Objecto e Âmbito) 1. A MARL Mercado Abastecedor

Leia mais

apple Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Autorizados da Apple

apple Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Autorizados da Apple apple Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Autorizados da Apple Segue-se um extracto do Manual do Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Se acha que a sua organização poderá

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr. JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006 Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.ª Guadalupe Tel. e Fax: 266 781 165 Tel.: 266 747 916 email: jfguadalupe@mail.evora.net

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

E N T I D A D E DOTAÇÕES INICIAIS P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S DO ANO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO

E N T I D A D E DOTAÇÕES INICIAIS P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S DO ANO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO PÁGINA : 1 1. FUNÇÕES GERAIS 30.951,63 10.509,00 960.567,00 960.567,00 42.565,00 1.044.592,63 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE 30.951,63 10.509,00 960.567,00 960.567,00 42.565,00 1.044.592,63 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Leia mais

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um CARTA DA QUALIDADE DA HABITAÇÃO COOPERATIVA Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um instrumento de promoção, afirmação e divulgação, junto

Leia mais

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Estratégia para um Desenvolvimento Sustentável para a Cidade de Águeda Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Águeda, 27/04/2011 V.M. Ferreira O projecto: Este projecto visou reflectir

Leia mais

Lar para Crianças e Jovens

Lar para Crianças e Jovens Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Maria Amélia Fernandes Maria Graciete Palma da Silva Lar para Crianças e Jovens (Condições de implantação, localização, instalação

Leia mais

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas.

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas. 1. Conectividade Em que medida o ambiente urbano/pedonal dispõe de uma rede integrada que permite conectar origens e destinos, que passa, por exemplo, pela existência e continuidade de uma infra-estrutura

Leia mais

MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO GERAIS DA FASE DE CONSTRUÇÃO

MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO GERAIS DA FASE DE CONSTRUÇÃO MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO GERAIS DA FASE DE CONSTRUÇÃO Fase de preparação prévia à execução das obras 1 Divulgar o programa de execução das obras às populações interessadas, designadamente à população residente

Leia mais

Portaria n.º 1444/2002 Quinta-feira, 7 de Novembro de 2002 257 SÉRIE I-B

Portaria n.º 1444/2002 Quinta-feira, 7 de Novembro de 2002 257 SÉRIE I-B Portaria n.º 1444/2002 Quinta-feira, 7 de Novembro de 2002 257 SÉRIE I-B Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares Portaria n.º 1444/2002 de 7

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL

REGULAMENTO MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS O Decreto-Lei nº 309/2002, de 16 de Dezembro, veio estabelecer uma nova regulamentação sobre a instalação

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA EQUIPAMENTOS SOCIAIS

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA EQUIPAMENTOS SOCIAIS RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA EQUIPAMENTOS SOCIAIS Nota de Abertura A garantia de acesso crescente a serviços de qualidade que promovam a satisfação das necessidades dos cidadãos é um compromisso claramente

Leia mais

O NOSSO SONHO VANTAGENS PARA AS CRIANÇAS E INSTITUIÇÃO... 5

O NOSSO SONHO VANTAGENS PARA AS CRIANÇAS E INSTITUIÇÃO... 5 O NOSSO SONHO APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... 2 O SOLAR DO MIMO... 2 APRESENTAÇÃO DO PROJETO... 3 PORQUÊ UM NOVO EDIFÍCIO?... 3 O QUE É... 3 O NOSSO SONHO... 4 VANTAGENS PARA AS CRIANÇAS E INSTITUIÇÃO...

Leia mais

Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas. Eng. Luiz Barbosa

Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas. Eng. Luiz Barbosa Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas Eng. Luiz Barbosa Objetivo Mostrar, de forma conceitual, a aplicabilidade do vidro em fachadas, tendo ele, não somente excelente desempenho acústico, mas sendo,

Leia mais

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 2.ª série N.º 80 23 de Abril de 2008 18537 - Direcção -Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural; - Direcção -Geral dos Recursos Florestais; - Direcção Regional de Agricultura e

Leia mais

A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite

A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite Idílio Barros Neto Eng.º Agrónomo Enquadramento desta problemática Regime de licenciamento da Actividade Pecuária Directiva Nitratos Lei

Leia mais

Seminário Técnico Riscos Tecnológicos

Seminário Técnico Riscos Tecnológicos Autoridade Nacional de Protecção Civil Comando Distrital de Operações de Socorro do Porto Seminário Técnico Riscos Tecnológicos A Segurança Contra Incêndio em Estabelecimentos Industriais Porto, 15 de

Leia mais

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais;

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais; Para efeitos do Regulamento Técnico Relativo ao Projecto, Construção, Exploração e Manutenção das Instalações de Gás Combustível Canalizado em Edifícios, entende-se por: Acessibilidade de grau 1 - situação

Leia mais

ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas

ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas UFCD 3275 Formadora Fátima Pires Gomes Ação Educativa I Programa da UFCD Objetivos do Módulo Reconhecer as principais técnicas

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 16 Guia para a Aplicação do Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio aos Projectos de Estabelecimentos Escolares

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 16 Guia para a Aplicação do Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio aos Projectos de Estabelecimentos Escolares CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 16 Guia para a Aplicação do Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio aos Projectos de Estabelecimentos Escolares EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL MARÇO DE 2011

Leia mais

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia.

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilização Racional de Energia (URE) Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilizar melhor a energia

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira

Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira Introdução Este trabalho pretende avaliar o estado de conservação dos edifícios e das anomalias funcionais dos mesmos. Foi utilizado

Leia mais

A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de

A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de Engenharia, bem como Assistência Técnica e Fiscalização

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS: Módulo I - Noções de Estatística e Fiabilidade (30 Horas)! Obtenção, análise e classificação de amostras;! Tratamento

Leia mais