Serão verificados a seguir as varias etapas, tanto na composição das tintas como

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serão verificados a seguir as varias etapas, tanto na composição das tintas como"

Transcrição

1 16 5. SISTEMAS DE PINTURAS Serão verificados a seguir as varias etapas, tanto na composição das tintas como nos procedimentos adotados de um sistema de pintura. 5.1 Composição Básica das tintas A complexidade da indústria de tintas advém de uma série de fatores que podem ser de natureza tecnológica, comercial e/ou administrativa. O elevado número de matérias primas, isto é, de produtos que realmente participam da composição das tintas e vernizes, é um fator de complexidade. Um produtor de tintas que atue na maioria dos mercados de revestimentos necessita de 750 a diferentes; parte delas é usada para fabricar produtos intermediários, destacando se entre eles as resinas e emulsões. Uma fórmula típica de um esmalte sintético de secagem ao ar contém em torno de 10 componentes (intermediários); porém, se forem levadas em conta as matérias primas necessárias para a obtenção desses intermediários, o número total que participa da composição subirá para cerca de 30 (Yazigi 2003). A evolução constante das indústrias químicas e petroquímicas resulta no aparecimento de novas matérias primas, algumas das quais responsáveis por verdadeiras revoluções tecnológicas na indústria de tintas. É, pois, importante que novas sejam estudadas cuidadosamente, no sentido de se determinar o seu potencial de uso na indústria das tintas.

2 17 A necessidade de proteger o meio ambiente tem sido um fator importante no desenvolvimento tecnológico das tintas; nos últimos anos têm sido alcançados impressionantes progressos, que têm permitido diminuir consideravelmente a emissão de solventes orgânicos quando na aplicação e cura das tintas; são exemplos: A substituição dos sistemas à base de solventes orgânicos por sistemas aquosos; Desenvolvimento de tintas em pó e de cura por radiação; Redução ou eliminação de produtos considerados tóxicos na composição das tintas. As tintas são constituídas pelos seguintes componentes: resina ou polímero, pigmento, solvente e aditivos. O que difere um tipo de tinta do outro, no entanto, é a composição e as proporções dos componentes (formulação) Resina A resina, que pode ser designada também por veículo, suporte ou ligante, é um componente da tinta que desempenha uma função de grande importância na formação da camada, pois na sua falta iriam, apenas obter uma pasta de pigmentos e solventes que resultaria, após sua secagem, numa pulverulência isenta das propriedades necessárias à estética e proteção do substrato, como retenção de cor, brilho, rigidez, resistência à ação da água e produtos químicos dentre outros aspectos.

3 18 As resinas são substâncias de estrutura química complexa, podendo ser agrupadas entre as de origem natural e os chamados polímeros sintéticos produzidos por processos industriais, geralmente utilizandose de calor e catalizadores. Resina é a parte não volátil da tinta, que serve para aglomerar as partículas de pigmentos. A resina também denomina o tipo de tinta ou revestimento empregado. Assim, por exemplo, tem se as tintas acrílicas, epoxídicas 1, etc... Antigamente as resinas eram a base de compostos naturais, vegetais ou animais. Hoje em dia são obtidas através da indústria química ou petroquímica por meio de reações complexas, originando polímeros que conferem às tintas propriedades de resistência e durabilidade muito superiores às antigas. A formação do filme da tinta está relacionada com o mecanismo de reações químicas do sistema polimérico, embora outros componentes, como solventes, pigmentos e aditivos, tenham influência no sentido de retardar, acelerar e até inibir essas reações Pigmentos Material Sólido finamente dividido, insolúvel no meio. Utilizado para conferir cor, opacidade, certas características de resistência e outros efeitos. O pigmento ou elemento de cobertura é um sólido com granulometria bastante fina, insolúvel no veículo da tinta, responsável principalmente pelo comportamento de aparência da camada. epoxídicas 1 : Tinta a base de epóxi (resina plástica).

4 19 Na sua formulação, o pigmento é selecionado com base em vários aspectos, como sangramento 1, absorção de óleo, solidez à luz, bem como o poder de cobertura, determinado em função da área coberta por unidade de massa de pigmento e que é bastante influenciado por fatores como o índice de refração. A refração é a mudança da direção de propagação de um feixe luminoso ao passar de uma substância para outra. O índice de refração de uma determinada substância pode ser definido como a velocidade da luz no ar dividida pela sua velocidade naquela substância. Assim, quanto maior for o índice de refração do pigmento, maior será o seu poder de cobertura (Souza, 1996) Solventes Líquido volátil, geralmente de baixo ponto de ebulição, utilizado nas tintas e correlatos para dissolver a resina. São classificados em: solventes ativos ou verdadeiros, latentes e inativos. O solvente é usado numa tinta para modificar a sua viscosidade ou consistência, de maneira a se obter uma aplicação uniforme. Na fabricação de uma tinta as principais propriedades são o peso específico, a inflamabilidade, a capacidade de solvência, a faixa de destilação, a taxa de evaporação e os aspectos toxicológicos. Sangramento 1 : termo usado para caracterizar uma tinta com bom reflexo a luz.

5 Aditivos Ingrediente que, adicionado às tintas, proporciona características especiais às mesmas ou melhorias nas suas propriedades. Utilizado para auxiliar nas diversas fases de fabricação e conferir características necessárias à aplicação. São as substâncias que, ao serem proporcionalmente adicionadas à formulação, atuam de uma forma complementar ou adjuvante das funções desempenhadas pelos principais componentes sólidos e líquidos da camada, no caso os pigmentos, os veículos e os solventes. Para exemplificar a ação de alguns dos principais tipos de aditivos empregados nas formulações de tintas, têmse os dispersantes / molhantes, que melhoram e facilitam a umectação e a dispersão dos poluentes; os antioxidantes, que inibem a formação de pele; os fungistáticos, que inibem a formação de microorganismos; os antiespumantes; e os alastradores, que facilita a aplicação da camada. 5.2 Estudo da viabilidade e qualidade da aplicação de tintas A construção civil, infelizmente no Brasil, tem sido responsável por um grande desperdício que vai desde horas/trabalho da mãodeobra a consumo de materiais, entulho, etc.(souza, 1996). Este desperdício tem sido sempre repassado ao consumidor final, onde estes custos estão embutidos na aquisição de uma edificação. Dentro deste quadro, o setor de tintas não tem ficado indiferente. O consumidor tem ficado cada vez mais exigente. Solicitando que o mercado se

6 21 adeque a diferentes necessidades. Sabese do pouco preparo e da má qualificação da mãodeobra da construção civil no país, resultado de baixos salários, super exploração, condições inadequadas de trabalho, o alto grau de rotatividade no emprego e a quase total inexistência de programas de treinamento e aperfeiçoamento que marca o setor, pode apresentar um quadro de baixa eficiência e resultados, em toda ordem inclusive no de aplicação de tintas de revestimento. Dentro deste aspecto pode se considerar que o resultado final da aplicação de tintas em relação direta com o grau de qualificação da mão de obra, qualidade da tinta, adequação da mesma a cada caso específico que poderá resultar na sua maior ou menor produtividade e no custo final da pintura da edificação. Com o grande desenvolvimento de tintas no país, hoje possuem tintas para as diferentes situações, que podem auxiliar no processo de oferecer uma maior resistência aos agentes externos. A variação no tipo de tintas ocorre não só na composição química, assim como em função de suas utilizações. O proporcionamento dos componentes tem elevada importância nas propriedades das películas de tinta. O conhecimento da composição da tinta permite estimar algumas propriedades da pintura, como porosidade e durabilidade da película, mas para uma melhor previsão do comportamento destes materiais há necessidade de complementar o conhecimento através da realização de ensaios de desempenho. Um dos parâmetros mais utilizados para descrever a composição (formulação) de uma tinta, segundo Uemoto (2002), é a relação pigmento e resina, denominada internacionalmente por PVC (termo em Inglês que significa Pigment Volume

7 22 Content). O PVC é definido como sendo a fração volumétrica percentual do pigmento sobre o volume total de sólidos do filme seco: Vp PVC = x100 Vp + Vv Onde, Vp = volume de pigmento Vv = volume de veículo sólido Fórmula 5.1 O PVC é um fator que influi na porosidade e permeabilidade de um sistema de proteção por barreira, além de permitir distinguir os acabamentos brilhantes, semibrilho e foscos. As tintas foscas possuem um PVC elevado, enquanto uma tinta semibrilho possui um PVC baixo. Além das pinturas que formam a barreira de proteção contra os agentes do meio ambiente, existem os silicones, que na maioria não formam barreira, mas conferem proteções ao substrato. São produtos hidrófobos, incolores e não alteram o aspecto da superfície. Repelem a água, inclusive aquela que contém sais dissolvidos, como a maresia. Na tabela 5.1, a seguir, estão apresentadas as tintas convencionais mais utilizadas na Construção Civil; além destas, os silicones, a caiação e as tintas à base de cimento, que são as argamassas decorativas.

8 23 Tabela 5.1 Tintas usuais no mercado segundo Uemoto (2002) Substrato Tinta Verniz Silicone Minerais porosos concreto reboco argamassa cerâmica Madeira e seus derivados Látex PVAc, Látex acrílico, texturizada acrílica, fundo selador acrílico, látex vinilico, caiação, Tinta a base de cimento, Esmalte sintético, Resina epóxi, Borracha clorada. A óleo, Esmalte sintético (alquídica) 1 Acrílico Poliuretânico Silanos Siloxanos 2 A óleo, Alquídico, Alq./poliuretano, Poliuretânico, Filtro solar Poliuretânico Metálicos ferrosos e não ferrosos A óleo, Esmalte sintético (alquídica) alquídica 1 : tinta a base de água; Silanos Siloxanos 2 : espécie de silicone

9 Principais constituintes dos sistemas de pintura O que se chama de pintura não deve ser entendido apenas como tinta de acabamento. Ela é composta por fundos e líquidos preparadores de paredes, massas e, por fim, a tinta de acabamento. Cada um dos produtos possui uma função definida. Fundo: é um produto destinado à demão ou mais demãos sobre a superfície e funciona como uma ponte entre o substrato e a tinta de acabamento. O fundo é chamado de selador quando aplicado sobre superfícies de argamassa e é indicado para reduzir e/ ou uniformizar a absorção do substrato. O fundo é chamado de primer quando aplicado sobre superfícies metálicas, e em caso de superfícies não metálicas é chamado de Washprimer, que é um promotor de adesão. Fundo preparador de paredes: tem como característica principal promover a coesão de partículas soltas do substrato, por isso é especialmente recomendada a aplicação sobre superfícies não muito firmes e sem coesão, como por exemplo argamassa pobre e sem resistência mecânica, caiação, repinturas ou superfícies constituídas por gesso ou artefatos de gesso (Lacerda, 2001). Massa: é um produto pastoso, altamente pigmentado e serve para a correção de irregularidades da superfície já selada. Este produto deve ser aplicado em camadas muito finas para evitar o aparecimento de fissuras ou reentrâncias.

10 25 Tinta de acabamento: é a parte visível do sistema de pintura. É ela que apresenta as propriedades necessárias para o fim a que se destina, inclusive tonalidade

11 A Escolha da Pintura Não se pode esquecer a grande influência da cor na vida das pessoas, tipo de cores que acalmam, estimulam, animam, etc. Muitos são os estudos do uso da cor em determinadas atividades do ser humano. Cada pessoa age de forma distinta a determinados tipos de cores. É sempre interessante que ao se fazer a escolha de cores para um ambiente, que cliente e profissional discutam juntos as possibilidades existentes. Este ponto é importante porque se o cliente não estiver satisfeito, isto pode resultar num retrabalho, provocando desperdício de materiais, horas trabalhadas e um aumento de custos não previstos, afirma Schneider (2001). Já em 1970, em um artigo da revista Química e Derivados, é citado o comentário de L. Taylor diretor da International, na época: Há pouca apreciação de qualidade, principalmente no que se refere ao mercado de tintas decorativas. O comprador, de um modo, compra o galão mais barato e não leva em conta a mãodeobra e outros fatores de aplicação de tinta. A tinta cara cobre a maior extensão e protege melhor, além de conter menor quantidade de solventes. Já para os compradores de grandes quantidades, o problema da escolha colocase na forma de rendimento. É importante ressaltar que a fase de análise, estudo, concepção do projeto arquitetônico e sua finalização são muito importantes porque neste momento estão se discutindo e definindo a produção da obra arquitetônica.

12 27 Neste momento estão se definindo os materiais que serão utilizados, as técnicas e as tecnologias adotadas e definindo também a futura manutenção desta edificação. Muitas vezes se esquece que quando o arquiteto ou engenheiro civil ainda estão na prancheta ou computador, na realidade está definindo todo o futuro de uma obra. Tanto idéias, forma, programa de necessidades, etc., está se definindo também qual a relação custo da manutenção desta obra. Neste caso específico, o profissional necessita discutir com o seu cliente e juntos definirem que tipo de tinta de revestimento será, utilizada no acabamento final da edificação. A seleção por determinado tipo de tinta pode definir, por exemplo, com que periodicidade a tinta necessitará receber manutenção. É claro que a escolha por determinado tipo de tinta está ligado ao tipo de material em que será aplicado: tipos de madeiras, cerâmica, gesso, argamassas, etc. lugares mais ou menos úmidos, insolação excessiva ou não, etc. O arquiteto ou engenheiro civil deve possuir informações atualizadas dos produtos a serem aplicados pois a indústria de tintas no Brasil está sempre oferecendo inovações em relação a novos tipos de tintas, cores, técnicas diferenciadas de aplicações.

13 28 Fica no entanto um questionamento se as melhores tintas são as mais caras e a composição da população brasileira é em sua maioria pobre, como fica então o uso e acesso a tintas com qualidade? É claro que dentro deste aspecto pode se questionar também que a maior parte da população brasileira não possui moradia, mas também há muitos que a possuem e não podem realizar a sua manutenção por causa dos custos das tintas de boa qualidade. E acabam por utilizar outras que perdem a cor com facilidade e não oferecem a proteção desejada. Os fabricantes necessitam investir em pesquisa a fim de colocar no mercado brasileiro tintas de boa qualidade e de preço acessível à maior parte da população brasileira, que, afinal de contas representam uma grande clientela. Em uma pesquisa realizada junto a profissionais da construção civil em Blumenau, pela revista Química e Derivados, com o objetivo, de conhecer melhor a relação dos profissionais da construção civil com a área de tintas de revestimentos, foi realizado um questionário sobre tintas junto a arquitetos e engenheiros, atuantes nesta cidade, e obteve os seguintes dados: Em 60 % dos casos os arquitetos ou engenheiros indicam que tipo de tinta deve ser utilizado nos revestimentos internos e externos de seus projetos. Sugerindo tintas impermeáveis externamente (considerando proteção contra umidade, durabilidade, acabamento); internamente: Látex ou acrílico (considerando acabamento, durabilidade, manutenção e dependendo ainda do ambiente, uso e padrão da edificação).

14 29 Segundo os arquitetos ou engenheiros a escolha é discutida com o cliente em 67 % dos casos. E 83 % deles responderam que conversam sobre a relação custobenefício de tipos de tinta com o cliente. O item que o cliente mais questiona é o custo (60 %), seguido de qualidade e rendimento (13,33 % cada) e durabilidade, manutenção, aplicação 6,67 % cada e alguns poucos tem preocupações com mofo, percolação de umidade, referências do fabricante. Somente as vezes (50 %) dos casos os engenheiros ou arquitetos acompanham o cliente ou o pintor no momento da aquisição das tintas. 83,33 % dos arquitetos ou engenheiros buscam as lojas de tintas para obter informações técnicas. E na mesma proporção respondem que os fabricantes oferecem suporte técnico, buscando também, informações na Internet, catálogos, representantes e técnicos. Assim como 67 % dos casos costumam freqüentar cursos oferecidos pelos fabricantes e/ou lojas. As revistas técnicas são o meio onde a maioria dos profissionais fica sabendo das novidades, seguido de catálogos e internet em menor número através de propagandas e outros tipos de revistas. Segundo a pesquisa 57,14 % dos profissionais consideram boas as tintas oferecidas no mercado nacional, 14,29 % consideram muito boas e outros 14 % consideram satisfatórias e o restante dos profissionais questionados consideram ruins (marcas que oferecem milagres). Segundo eles as tintas oferecidas no mercado nacional deveriam melhorar no item manutenção (42,86 %), durabilidade ( 28,57 % perca rápida de cores) custo (14,29 %) e o restante no rendimento.

15 30 Para estes profissionais as tintas com alto e melhor rendimento possuem alto custo. É importante destacar que observouse na pesquisa que alguns profissionais só trabalham com algumas marcas. Tal pesquisa foi importante, pois através dela foi confirmado que as empresas fabricantes são de suma importância para especificações técnicas e que os profissionais de arquitetura e engenharia buscam informações técnicas em lojas que comercializam tintas. 5.4 Critérios para execução de revestimentos e pinturas As superfícies rebocadas (a receberem pintura) deverão ser examinadas e corrigidas de todos e quaisquer defeitos de revestimento, antes do início dos serviços de pintura. Todas as superfícies a pintar serão cuidadosamente limpas, isentas de poeira, gorduras e outras impurezas. As superfícies poderão receber pintura somente quando estiverem completamente secas. A principal causa da curta durabilidade da película de tinta é a má qualidade da primeira demão, de fundo (primer), ou a negligência em providenciar boa base para a tinta. Nas paredes com reboco, têm de ser aplicadas as seguintes demãos: Selador: composição líquida que visa reduzir e uniformizar a absorção inútil e excessiva da superfície;

16 31 Emassado: para fechar fissuras e pequenos buracos que fizeram na superfície e que só aparecem após a primeira demão de selador; Aparelhamento (da base): para mudar as condições da superfície, aliandoa ou dandolhe uma textura especial; A segunda demão e as subseqüentes só poderão ser aplicadas quando a anterior estiver inteiramente seca, sendo observado, em geral, o intervalo mínimo de 24 horas entre as diferentes aplicações. Após o emassamento, esse intervalo será de 48 horas. Serão dadas tantas demãos quanto forem necessárias, até que sejam obtidas a coloração uniforme desejada e a tonalidade equivalente, partindo dos tons mais claros para os tons mais escuros. Ferragens, vidros, acessórios, luminárias, dutos diversos etc., já colocados, precisam ser removidos antes da pintura e recolocados no final, ou então adequadamente protegidos contra danos e manchas de tinta. Deverão ser evitados escorrimentos ou respingos de tinta nas superfície não destinadas à pintura, tais como concreto ou tijolos aparentes, lambris que serão lustrados ou encerados, e outros. Quando aconselhável, essas partes serão protegidas com papel, fitacrepe ou qualquer processo adequado, principalmente nos casos de pintura efetuada com pistola. Os respingos que não puderem ser evitados terão de ser removidos com emprego de solventes adequados, enquanto a tinta estiver fresca. Nas esquadrias de ferro, após a limpeza da peça, serão aplicadas as seguintes demãos. Fundo antióxido de ancoragem (zarcão ou cromato de zinco) Selador Emassado

17 32 Fundo mate (sem brilho). As superfícies metálicas e outros materiais cobertos por primer durante a fabricação serão limpos para a remoção de sujeira, partículas finas, concreto, argamassa, corrosão etc., acumulados durante ou após sua instalação. As superfícies de ferro (a pintar) que apresentarem pontos descobertos ou pontos enferrujados deverão ser limpas com escova ou palha de aço e retocadas com o mesmo primer anticorrosivo utilizado, antes da aplicação da segunda camada de fundo da obra. Os trabalhos de pintura externa ou locais mal abrigados não poderão ser executados em dias de chuvas. O armazenamento do material tem de ser feito sempre em local bem ventilado e que não interfira em outras atividades da construção. Todos os panos, trapos oleosos, estopas e outros elementos que possam ocasionar fogo precisam ser mantidos em recipientes de metal e removidos da construção diariamente. A aplicação de tinta a pincel é um método relativamente lento. Entretanto, apresenta vantagens quando se quer obter melhor contato da tinta com superfícies muito irregulares ou rugosas. Para que a tinta possa ser considerada boa para ser aplicada a pincel, ela obedecerá aos seguintes requisitos: Espalharse com pequeno esforço (não poderá ser excessivamente viscosa ou espessa);

18 33 Permanecer fluida o tempo suficiente para que as marcas do pincel desapareça e a tinta não escorra (nas superfícies verticais). A tinta látex tem sua composição à base de copolímeros de PVA (acetato de polivinila) emulsionados em água, pigmentada, de secagem ao ar. Seguem os dados: Tempo de secagem: de ½ hora a 2 horas (ao toque); de 3 horas a 6 horas (entre demãos); de 24 horas (de secagem final para ambientes internos); de 72 horas ( de secagem final para ambientes externos). Rendimento por demão: de 30 m²/galão a 45 m²/galão, sobre reboco; de 40 m²/galão a 55 m²/galão, sobre massa corrida ou acrílica. Número de demãos: duas ou três. Cores: as mais diversas. É possível também adiquirir a tinta na cor branca e misturála com corantes diversos, também fornecidos (em bisnagas) pelo fabricante. Ferramentas: rolo de lã de carneiro, trincha e pincel. Os acessórios e ferramentas, imediatamente após o uso, deverão ser limpos com solvente recomendado pelo fabricante. Utilização básica: superfícies de quaisquer inclinações, internas ou externas, onde se quer resistência aos raios solares, às intempéries e que estejam freqüentemente limpas. Poderá ser aplicada sobre reboco de tempo de cura recente, pois sua microporosidade permite a exudação por osmose, de eventual umidade das paredes (respiração da película), sem empolamento nem afetação do acabamento. Não se poderá utilizar diretamente sobre superfície metálica.

19 34 Base para aplicação: terá de ser lixada e seca, livre de gordura, fungos, restos de pintura velha e solta, pó ou outro corpo estranho. Em superfícies muito absorventes ou pulverulentas, como tijolos de barro, reboco muito poroso, mole e arenoso, aplicar uma ou duas demãos de selador. Em seguida, será aplicada tinta PVA com rolo, pincel ou trincha, diluída em 20 % de água. A primeira demão servirá como seladora em superfícies pouco porosas. Duas ou três demãos serão suficientes. Espaçar as aplicações de 3 a 6 horas, no mínimo. A segunda demão será aplicada pura. 5.5 Recomendações para a especificação de um sistema de pintura Embora a pintura seja a última etapa de uma obra, segundo Uemoto (2002), ela deve ser considerada desde a definição do projeto do edifício. As condições gerais do meio ambiente e as de uso, são os principais fatores que determinam a escolha do sistema de pintura. A especificação do sistema de pintura deve ser iniciada caracterizandose o meio ambiente e o tipo de substrato Classificação do Ambiente. Segundo as diretrizes da Norma BS 6150, a definição meio ambiente referese à atmosfera e às condições de uso ou serviço às quais será exposta a superfície pintada (Uemoto, 2002).

20 35 O ambiente deve ser classificado tendo em vista o regime de chuvas e o grau de agressividade da atmosfera ao redor da superfície do edifício. O meio ambiente é subdividido em ambiente interno e externo, com diferentes níveis de agressividade. O ambiente interno deve ser caracterizado conforme o tipo de ocupação, como área seca ou úmida, e o externo, caracterizado conforme o grau de agressividade atmosférica e condições climáticas. Na falta de dados referentes às características do meio ambiente, esse nível pode ser obtido a partir da análise do aspecto apresentado pelas superfícies pintadas de edifícios vizinhos. As tabelas 5.2 e 5.3 auxiliam a classificação do ambiente em razão do regime de chuvas e da agressividade atmosférica, e, com base nessas classificações e uso da tabela 5.4, obterse á o nível de agressividade do ambiente. Tabela 5.2 Classificação de acordo com o regime de chuvas (Uemoto,2002) Classificação Regime anual de chuvas Exemplo de cidades brasileiras Baixo Mais de 6 meses seco Terezina, Fortaleza Médio De 4 a 5 meses secos Belo horizonte, Cuiabá, Goiânia Elevado Até 3 meses secos Belém, Manaus,Rio de Janeiro, São Paulo,Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Salvador

21 36 Tabela 5.3 Classificação do ambiente quanto à agressividade da atmosfera local.(uemoto 2002) Classificação Baixa Média Elevada Atmosfera Área não industrial (rural e Urbana) Área semiindustrial Área industrial e marítima Tabela 5.4 Classificação do grau de agressividade (adaptada da Norma BS 6150) Grau de agressividade Ambiente externo Ambiente interno Fraco Área afastada da orla marítima (mais de 10 km), não industrial e com regime de chuva médio Ambientes secos, bem ventilados, de edifícios residenciais e comerciais Moderado 1 Moderado 2 Intenso 1 Intenso 2 Muito Intenso Área próxima á orla marítima, urbana ou semiindustrial, com regime de chuva médio Área afastada da orla marítima, urbana ou semi industrial, com poluição atmosférica média, mas afastadas de fontes de poluição Área dentro da orla marítima (até 3 km), não industrial com regime de chuva intenso Área industrial com poluição atmosférica elevada Área dentro da orla marítima (até 3 km) e com elevada poluição atmosférica Ambiente com possibilidade de condensação de umidade, como cozinhas e banheiros, ou com pouca necessidade de limpeza de superfície Ambiente freqüentemente submetido á umidade e condensação elevada ou com necessidades de limpeza freqüentes das superfícies Ambiente industrial e/ ou com umidade e condensação elevadas.

22 Descrição e características dos principais tipos de substratos Os tipos de superfícies mais comuns encontrados nas edificações são alvenarias revestidas com argamassa de cimento e/ ou cal, concreto, madeira e metais ferrosos e não ferrosos. Os sistemas de pintura existentes não são compatíveis com todos os tipos de superfícies e, portanto, devem ser especificados levandose em conta a existência ou não de incompatibilidades. Cada uma dessas superfícies possui características próprias de sua natureza, as quais influem no desempenho da tinta aplicada Substratos minerais porosos Referemse a todos os tipos de superfícies minerais porosos de ambientes internos e externos, constituídas por materiais à base de cimento ou cal, tais como: argamassa de cimento, de cal e mista, gesso, reboco, massa fina, concreto, alvenaria etc Característica de substratos à base de cimento e/ ou cal Quando recém executados, apresenta umidade e alcalinidade elevadas, condições impróprias para aplicação de quase todos os tipos de pintura. Possuem elevada porosidade e rugosidade, que podem ser regularizadas com massa niveladora. Os sais presentes de substratos em presença de água solubilizamse, e durante a secagem dos substratos a solução salina migra para a superfície formando

23 38 depósitos de sais brancos. Quando a tinta e seus complementos são aplicados nessas condições, pode ocorrer alteração de cor, ataque alcalino, eflorescência (depósitos de sais brancos pulverulentos), etc Condições dos substratos minerais porosos para receber pintura Tintas a base de aglomerantes inorgânicos: A aplicação de tinta a base de cimento ou cal pode ser realizada em substratos constantemente úmidos ou mal curados (recém executados). Tintas a base de resinas sintéticas ou tintas a óleo: A aplicação desses tipos de tinta só deve ser realizada quando o substrato estiver seco e curado. Superfícies recém executadas, em condições favoráveis de secagem, devem aguardar no mínimo 30 dias para receber a pintura. Em períodos não chuvosos a secagem de um substrato é de aproximadamente uma semana para 5 mm de espessura de camada (BS 6150). Na secagem e/ ou cura do substrato, durante os períodos de chuva, recomendase cobrir as superfícies mais expostas, por exemplo, o topo da platibanda de prédios com filme de polietileno, colocado somente a chuva. Devido a incompatibilidade da tinta a óleo com substratos alcalinos, a aplicação desse produto só deve ser realizada sobre a superfície previamente tratada com tinta de fundo.

24 39 A seleção da tinta para substratos à base de cimento e ou cal deve ser realizada com base na tabela 5.5 após a classificação do grau de agressividade de ambientes (tabela 5.4.). Tabela 5.5 Sistemas de acabamento para substratos à base de cimento ou cal (Uemoto 2002). Grau de Tipos de sistemas de pintura agressividade Acrílico Vinílico Esmalte Silicone T B F B F B F A A S Cal Cimento Fraco R R R R R R R R R Moderado 1 R R R R R R R 2 R R R R R R R Intenso 1 R R R R 2 R R R Muito Intenso R Fraco R R R R R R R R R Moderado R R R R R Intenso R R R Recomendável T Texturizado A Acetinado Recomendável para até dois pav. B Brilhante F Fosco Obs: Os resultados da tabela 5.5 realizada por Uemoto, 2002, é uma tradução da NBR Execução de pinturas em edificações não industriais, e da NBR Tintas para edificações não industriais Substratos de madeiras e seus derivados Referemse a todos os tipos de superfícies, internas e externas, constituídos por madeiras, tais como: portas, janelas, paredes de casas de madeiras, etc.

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. Generalidades

MEMORIAL DESCRITIVO 1. Generalidades MEMORIAL DESCRITIVO Memorial descritivo de serviço de pintura geral do prédio da Câmara Municipal de Fortaleza de Minas MG. Compõem este memorial as especificações técnicas acerca dos serviços a serem

Leia mais

PINTURAS IMOBILIÁRIAS E SUAS PROBLEMÁTICAS

PINTURAS IMOBILIÁRIAS E SUAS PROBLEMÁTICAS LUIZ HENRIQUE DE OLIVEIRA MARTINS PINTURAS IMOBILIÁRIAS E SUAS PROBLEMÁTICAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil com ênfase

Leia mais

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida.

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida. Página 1 de 5 TINTAS E VERNIZES LATEX ACRÍLICO E PVA Criadas para proteger e embelezar as paredes de alvenaria, estruturas metálicas e madeiras, as tintas são aperfeiçoadas para garantir maior desempenho

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA EQUIPAMENTOS USUAIS PARA APLICAÇÃO DA PINTURA Ferramentas para PREPARO

Leia mais

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho TINTAS Conceito Composição química variada, na maioria das vezes orgânica, que apresenta consistência líquida ou pastosa, que aplicada sobre uma superfície, forma um revestimento sólido e contínuo, com

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PINTURA

PROCEDIMENTOS DE PINTURA 1 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 2 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 01.00 SISTEMA DE PINTURA PARA ACABAMENTO FINAL EM LATEX PVA 01.01 - PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE 1. GESSO (PLACA/PASTA) - Aplicar fundo preparador de parede

Leia mais

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante.

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante. Página 1 de 5 Boletim Técnico Produto Esmalte PU Piscinas Descrição Esmalte PU Piscinas é um esmalte poliuretano bicomponente impermeável ideal para pintura de piscinas de concreto e fibra, deixando-as

Leia mais

Composição Básica Emulsão Latex Modificada, pigmentos orgânicos e inorgânicos, cargas minerais, aditivo, antibacteria e água.

Composição Básica Emulsão Latex Modificada, pigmentos orgânicos e inorgânicos, cargas minerais, aditivo, antibacteria e água. Boletim Técnico Produto Casacor Acrílico Fosco Branco Descrição Casa limpa, mais saúde e família protegida. Tudo isso em uma tinta: CASA COR Acrílico Super Premium da Tintas Renner. A sua fórmula especial

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA s.f. Ato ou efeito de pintar. Camada de recobrimento de uma superfície, com funções

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 15 - PINTURA A pintura é um serviço de obra tão importante como qualquer outro, e é um grave erro não lhe dar uma atenção condizente, ela deve ser projetada e executada segundo técnica adequada, não

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA PROCEDIMENTOS PARA PINTURA Prof. Marco Pádua Geralmente não é dada a devida importância a qualidade dos serviços de pintura. Sendo a última etapa da construção, as vezes, motivados pela economia procuram-se

Leia mais

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA Processos de pintura Existem diferentes processos de pintura, mas o segredo para o sucesso e durabilidade do acabamento final, depende invariavelmente da habilidade do profissional e da preparação da superfície.

Leia mais

Problemas Comuns. Eflorescência

Problemas Comuns. Eflorescência Problemas Comuns Como em qualquer outra área na construção civil, geralmente ocorrem problemas, seja na preparação da superfície ou no acabamento. Os problemas mais freqüentes são: Eflorescência São manchas

Leia mais

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL!

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! Na execução de uma PINTURA, devemos levar em consideração os vários fatores que envolvem as etapas deste processo e suas particularidades. Por exemplo, temos

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA Código ETD-00.014 Data da emissão 27.11.1986 Data da última revisão 30.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

GUIA PRÁTICO. www.yalen.com.br DE PINTURA PROCEDIMENTOS TÉCNICOS SOLUÇÃO DE PROBLEMAS

GUIA PRÁTICO. www.yalen.com.br DE PINTURA PROCEDIMENTOS TÉCNICOS SOLUÇÃO DE PROBLEMAS www.yalen.com.br GUIA PRÁTICO PROCEDIMENTOS TÉCNICOS SOLUÇÃO DE PROBLEMAS UMA SELEÇÃO DE INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS, PARA QUALQUER PROFISSIONAL DA PINTURA. Caro Amigo (a), Este guia foi desenvolvido para

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

CORES Além das cores de catálogo pode-se obter outros tons misturando as cores entre sí.

CORES Além das cores de catálogo pode-se obter outros tons misturando as cores entre sí. TINTA ACRÍLICA PREMIUM MACTRA é uma tinta acrílica fosca com excelente desempenho. Sua FÓRMULA EVOLUTION oferece ótima cobertura, secagem rápida, fácil aplicação e baixo odor, proporcionando uma pintura

Leia mais

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480

Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480 www.abrafati.com.br Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480 Rua Júlio Diniz, 56 - cjto 41 - Vila Olímpia Cep: 04547-090 - São Paulo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk São tubos cerâmicos

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 159

Norma Técnica SABESP NTS 159 Norma Técnica SABESP NTS 159 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido pintados e em contato direto com esgoto Especificação São Paulo Rev. 1 - Outubro - 2001 NTS

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO - LINHA GRAFF

BOLETIM TÉCNICO - LINHA GRAFF A Linha de produtos da Textura & Cia foi desenvolvida para economizar, eliminando etapas do tipo massa fina, massa corrida / acrílica e pintura. Além de tornar prático e econômico o acabamento; os produtos

Leia mais

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2. ÍNDICE 1 SUPERFICIES CERÂMICAS 2 PROTEÇÃO ÀS TELHAS E TIJOLOS 3 PRINCIPAIS FATORES QUA ALTERAM AS CARACTERISTICAS DAS SUPERFICIES CERAMICAS: HIDROFUGANTES E IMPERMEABILIZANTES 4.1 HIDROFUGANTES 4.1.1 TIPOS

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO Esperamos que este Manual Prático de Aplicação possa oferecer a você que é usuário das tintas da KING S PAINT, informações importantes para realizar uma pintura de melhor qualidade

Leia mais

AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS

AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS Manual AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS l-avaliçao das superfiçies Verificar se as areas estao secas, isentas de umidade oleo ou graxas,buracos etc... ll-preparaçao de superficies

Leia mais

B O L E T I M T É C N I C O T

B O L E T I M T É C N I C O T STARPOXI CVS 301 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Verniz epóxi poliamina bicomponente. Verniz selante para oferecer aderência em superfícies de concreto, cimento amianto, alvenaria e madeira, assim como diminuir

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO

MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO O presente Memorial Técnico de Reforma e Ampliação tem por finalidade descrever os materiais, procedimentos/métodos a serem empregados nas retiradas e na reforma, indicar

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume SISTEMA PU - 4000 - Tintas Industriais Esmalte E-4000 6,5 m2/litro sem diluição. 50 a 60 µm K-4060 Catalise 5 X 1 Excelente acabamento para pintura de caixa eletrônico, ônibus, baús, orelhões, painéis

Leia mais

PROC IBR EDIF 052/2015 Verificar a qualidade e a quantidade dos serviços na execução de pinturas

PROC IBR EDIF 052/2015 Verificar a qualidade e a quantidade dos serviços na execução de pinturas INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 052/2015 Verificar a qualidade e a quantidade dos serviços na execução de pinturas

Leia mais

EMBALAGENS: Componente A Wegpoxi ADA 314 Balde (19 L) Componente B Wegpoxi 3015 componente B 10003158 (1 L)

EMBALAGENS: Componente A Wegpoxi ADA 314 Balde (19 L) Componente B Wegpoxi 3015 componente B 10003158 (1 L) WEGPOXI ADA 314 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Revestimento epoxi poliamida bicomponente, com função antiderrapante. Alta dureza, resistente a água, óleos, sais. Proporciona uma película de alta textura e consequentemente

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo.

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo. WEGPOXI ANA 301 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Tinta epoxi poliamina bicomponente, de alto teor de sólidos, com pigmentação especial, de secagem rápida. Revestimento aplicável em uma única demão em alta espessura

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN)

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN) Reforço Estrutural com FIBRA DE CARBONO MFC (MADE IN JAPAN) AN) Fax: (21) 3254-3259 A ROGERTEC é uma empresa nacional voltada para o fornecimento de produtos, equipamentos e tecnologia no setor das recuperações.

Leia mais

CONSERVANDO TELHADOS

CONSERVANDO TELHADOS A ESCOLHA DA COR Você sabia que o processo industrial empregado na elaboração de tintas ou revestimentos, etc... Somente se encerra com a cura total do produto após sua aplicação! Na maioria dos casos,

Leia mais

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS 20.1 INTRODUÇÃO A madeira, devido à sua natureza, é um material muito sujeito a ataques de agentes exteriores, o que a torna pouco durável. Os

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

Boletim Técnico NAVALZONE 954

Boletim Técnico NAVALZONE 954 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Primer acabamento epoxi modificado bicomponente de alto teor de sólido e alta espessura, com pigmentação anticorrosiva para superfície de aço. Produto desenvolvido para a aplicação

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

QUALIDADE NO SERVIÇO DE PINTURA COM TINTAS LÁTEX EM REVESTIMENTOS INTERNOS DE ARGAMASSA: ANÁLISE DE CASOS

QUALIDADE NO SERVIÇO DE PINTURA COM TINTAS LÁTEX EM REVESTIMENTOS INTERNOS DE ARGAMASSA: ANÁLISE DE CASOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL William Yutaka Mizushima QUALIDADE NO SERVIÇO DE PINTURA COM TINTAS LÁTEX EM REVESTIMENTOS INTERNOS DE ARGAMASSA:

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura III - Telhados, Rufos, III.1 TELHADOS Principais Patologias Com o passar do tempo e muitas vezes também pela falta de manutenção anual, acumulam-se nos telhados de telha de barro,

Leia mais

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação.

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação. Produto é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade e, assim, maior resistência ao desgaste e

Leia mais

Produto: KIT MAZAPOXI M298 II (4x1)

Produto: KIT MAZAPOXI M298 II (4x1) BOLETIM TÉCNICO Produto: KIT MAZAPOXI M298 II (4x1) DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Tinta de acabamento epóxi poliamida, bi componente, de baixa espessura, este produto atende a norma Petrobras N 1198 Tipo II. RECOMENDAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II Tintas e Vernizes Tintas Imobiliárias/Arquitetônicas A tinta é uma preparação que tem como finalidade

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Celesc Di Celesc Distribuição S.A. ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA PINTURA SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA APLICAÇÃO EM : TRANSFORMADORES

Leia mais

Patologia das Pinturas

Patologia das Pinturas Patologia das Pinturas Finalidades Acabamento com efeito estético Proteção dos elementos construtivos Durabilidade da edificação 27/6/2007 Patologia das Pinturas 2 Constituintes básicos Resina, veículo

Leia mais

XVII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SC - 2013

XVII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SC - 2013 Título do Trabalho: Perícia relativa a manifestações patológicas recorrentes, em processo de repintura das paredes externas de Parque Fabril. Autor: Eng. Civil Luís Henrique Poy, Esp. Especialista em PATOLOGIA

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 144

Norma Técnica SABESP NTS 144 Norma Técnica SABESP NTS 144 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido novos e sujeitos à umidade freqüente Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 144 : 2001 Norma

Leia mais

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA!

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! LANÇAMENTOS 2012 LINHA APLIKCAR- para envelopamento de veículos VINIL BRANCO BRI.LHANTE - vinil para envelopamento de veículos e impressão digital. VINIL BLACK PIANO

Leia mais

AMETISTA REVESTIMENTOS

AMETISTA REVESTIMENTOS AMETISTA REVESTIMENTOS Ficha técnica MASSA CORRIDA É composta de emulsão acrílica, carga minerais inertes e aditivos solúveis em água, desenvolvida para a execução de quaisquer correções em ambientes internos.

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5

APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5 APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5 1.0 - DESCRIÇÃO Esta literatura tem por finalidade servir de guia de aplicação do Elastron sobre Estruturas de Concreto e a Preparação do Substrato. O Sistema consistirá

Leia mais

VtintaI = / / (Litros) VtintaF = / / (Litros)

VtintaI = / / (Litros) VtintaF = / / (Litros) ANEXO A TINTAS PLANILHA N o 2.18. Observador: Alternativas para redução dos desperdícios de materiais nos canteiros de obra MEDIÇÃO DE ESTOQUE (VtintaI E VtintaF): TINTA LÁ TEX ACRÍLICA OU LÁ TEX PVA A.

Leia mais

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS MÔNICA DANTAS

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2011

TABELA DE PREÇOS 2011 TABELA DE PREÇOS 2011 - Av. General Roçadas, n.º 70 A/C 1199-012 Lisboa Tel: 218 153 516 Fax: 218 153 534/218 149 633 - Av. Antoine Velge, Lote 1 - Aires 2950-067 Palmela Tel/Fax: 212 334 369 - Rua de

Leia mais

Manual Técnico de Pintura

Manual Técnico de Pintura Manual Técnico de Pintura Prezado Cliente Hidracor, Pensando na melhor forma de atendê-lo e tirar suas dúvidas, a Tintas Hidracor desenvolveu este Manual Técnico de Pintura. Prático e de rápida consulta,

Leia mais

ARREPIAMENTO. II CORREÇÃO Remover as áreas afetadas e repintar. acabamento extremamente sensíveis.

ARREPIAMENTO. II CORREÇÃO Remover as áreas afetadas e repintar. acabamento extremamente sensíveis. ARREPIAMENTO O solvente do produto recém aplicado ataca o acabamento anterior causando, enrugamento, arrepiamento ou franzimento do filme de tinta, devido a: Repintura de esmalte ou poliuretano não totalmente

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

Fundo acabamento epóxi poliamida bicomponente, atóxico. Possui certificado de aprovação para contato com água po tável.

Fundo acabamento epóxi poliamida bicomponente, atóxico. Possui certificado de aprovação para contato com água po tável. WEGPOXI 748 DF DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Fundo acabamento epóxi poliamida bicomponente, atóxico. Possui certificado de aprovação para contato com água po tável. RECOMENDAÇÕES DE USO: Recomendado para pintura

Leia mais

Coleção 2009 Tiragem: 2.000 Abril/2009 605 - Cabreúva Projeto: Rosenbaum Design RECOMENDAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO O CONTRAPISO DEVE ESTAR: - Seco e isento de qualquer umidade: perfeitamente curado, impermeabilizado

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

Classificação. Normas e Diagramas

Classificação. Normas e Diagramas neusval@ipt.br Classificação Normas e Diagramas Generalizada Localizada Critérios da Petrobrás Quanto à INTENSIDADE (dimensão) Leve ou Fraca Média Acentuada Diversificada (quando a forma é variável)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADO CNPJ 51.814.960/0001-26. Projeto Básico

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADO CNPJ 51.814.960/0001-26. Projeto Básico Projeto Básico Pintura e reparos na Escola Municipal de Ensino Fundamental Senador Carlos José Botelho 1.0 Objeto Trata-se de obra de pintura e correção de reparos no edifício da escola, tombado pelo Patrimônio.

Leia mais

Componente A Wegpoxi ERP 322 Balde (20 L) Componente B Catalisador EP ERP 322 11725363 (20 L)

Componente A Wegpoxi ERP 322 Balde (20 L) Componente B Catalisador EP ERP 322 11725363 (20 L) WEGPOXI ERP 322 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Primer epóxi poliamida bicomponente, de alto teor de sólidos e com pigmentação anticorrosiva a base de fosfato de zinco, com secagem rápida e boa aplicabilidade. Possui

Leia mais

4- CONSIDERAÇÕES GERAIS

4- CONSIDERAÇÕES GERAIS Prefeitura do Município de São Miguel Arcanjo 1 Secretaria Municipal de Obras e Serviços Praça Antonio Ferreira Leme, 53 Centro CEP 18230-000 SÃO MIGUEL ARCANJO-SP - Fone. 15 3279.8000 e-mail: obras@saomiguelarcanjo.sp.gov.br

Leia mais

Componente A Wegpóxi FRD 313 Balde (17,15 L) Componente B Wegpoxi 3027 componente B 10003225 (2,85 L)

Componente A Wegpóxi FRD 313 Balde (17,15 L) Componente B Wegpoxi 3027 componente B 10003225 (2,85 L) WEGPOXI FRD 313 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Primer acabamento epóxi poliamida bicomponente. Possui característica antichama, retardando a propagação das chamas, permitindo a proteção de estruturas e de pessoas

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA / OSCIP Marília/SP ÍNDICE 1. PRELIMINARES. 2. DEMOLIÇÕES E RETIRADAS.

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

Solução Integrada Italit

Solução Integrada Italit Solução Integrada Italit 1. Departamento Comercial Consultores especializados, adequadamente treinados para atender, informar e esclarecer sobre a melhor utilização da Unha de Produtos e Serviços Italit

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

ADEPOXI HTSE (HUMID TOLERANT SURFACE)

ADEPOXI HTSE (HUMID TOLERANT SURFACE) DESCRIÇÃO DO PRODUTO Adepoxi HTSE é um epóxi primer e acabamento de altos sólidos, utilizado sobre superfícies tratadas com hidrojateamento bem como sobre superfícies úmidas (não molhadas) e em condições

Leia mais

ADEPOXI 53 PRIMER TINTA DE ADERÊNCIA EPÓXI- ISOCIANATO- OXIDO DE FERRO- N- 2198

ADEPOXI 53 PRIMER TINTA DE ADERÊNCIA EPÓXI- ISOCIANATO- OXIDO DE FERRO- N- 2198 ADEPOXI 53 PRIMER TINTA DE ADERÊNCIA EPÓXI- ISOCIANATO- OXIDO DE FERRO- N- 2198 DESCRIÇÃO DO PRODUTO Primer de aderência epóxi isocianato alifático bicomponente. Especialmente desenvolvido para promover

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

membrana impermeabilizante

membrana impermeabilizante 01 Descrição: votomassa é uma impermeável flexível e antifissura resistente a cargas, que dispensa o uso de telas, para aplicação em diversos substratos. 02 Classificação técnica: ANTES Hydro Ban votomassa

Leia mais

FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF

FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF GESSO FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF Paredes de gesso Paredes de blocos de gesso: Construção semelhante a de alvenaria convencional, utilizando-se gesso e massa de gesso em vez de tijolos

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT É uma tinta isolante térmica, composta de polímeros acrílicos elastoméricos, microesferas de cerâmicas, e aditivos especiais

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil.

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. Além de adquirir uma peça de qualidade, design diferenciado, você está contribuindo para a conservação da floresta amazônica, pois a

Leia mais