UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II

2 Tintas e Vernizes Tintas Imobiliárias/Arquitetônicas A tinta é uma preparação que tem como finalidade revestir uma dada superfície ou substrato para conferir beleza e proteção. Quando essa tinta não contém pigmentos, ela é chamada de verniz. Por ter pigmentos a tinta cobre o substrato, enquanto o verniz o deixa transparente.

3 Escolha das matérias-primas - característica desejadas: Facilidade na aplicação: Uso de diferentes métodos de aplicação: consistência correta. Rápida Secagem: Espalhamento da tinta ou verniz; Demãos. Boa aderência: Aderência às superfícies; Correto preparo das superfícies.

4

5 Escolha das matérias-primas - característica desejadas: Resistência e durabilidade após de seca: Propriedades mecânicas: Dureza e flexibilidade. Mudanças de temperaturas: aparecimento de fissuras, expansões e descasque total de tinta.

6 Os componentes básicos da tinta são: Resina: Parte não-volátil da tinta, serve para aglomerar as partículas de pigmentos. tintas acrílicas, alquídicas, epoxídicas, etc. indústria química: reações complexas, originando polímeros que conferem às tintas: resistência e durabilidade.

7 Os componentes básicos da tinta são: Pigmento: Material sólido finamente dividido, insolúvel no meio. Utilizado para conferir: cor, Opacidade, São divididos em pigmentos: coloridos (conferem cor), não-coloridos ; e anticorrosivos (conferem proteção aos metais).

8

9 Os componentes básicos da tinta são: Aditivo: É adicionado às tintas para contribuir nas propriedades. auxilia nas diversas fases da fabricação confere características necessárias à aplicação do produto. Exemplos: secantes, anti-sedimentantes, niveladores, antiespumante, etc.

10

11 Os componentes básicos da tinta são: Solventes: Líquido volátil, geralmente de baixo ponto de ebulição, utilizado nas tintas e correlatos para dissolver a resina. São classificados em: solventes aditivos ou verdadeiros, latentes e inativos.

12

13 Indicação de tintas conforme o substrato

14 Indicação de tintas conforme o substrato

15

16 1- TINTAS A ÓLEO São constituídas de: Veículos, Solventes, Secantes, Pigmentos, Pigmentos reforçadores e Cargas. Os principais tipos de óleo são: óleo de linhaça, óleo de soja, óleo de mamona, etc.

17 Veículos: 1 - TINTAS A ÓLEO são óleos que quando expostos ao ar em finas camadas, formam uma película: Sólida, relativamente flexível e resistente, aderente à superfície, aglutinante do pigmento, etc). As características exigíveis de um bom veículo são, principalmente: adesividade da película resultante; Flexibilidade; secagem mais rápida.

18 1 - TINTAS A ÓLEO Solventes: baixam a viscosidade do veículo de maneira a facilitar a aplicação da tinta em cada caso particular. As duas propriedades mais importantes de um solvente são: solvência - facilidade de dissolver os vários óleos e resinas empregados. volatilidade velocidade com que ele evapora. Exemplos de solventes para tintas à óleo: aguarrás (essência de terebintina); thinner (gasolina especial); e a aguarrás mineral obtida do alcatrão da hulha.

19 Secantes: 1 - TINTAS A ÓLEO são catalisadores da absorção química de oxigênio, e, portanto, do processo de secagem. São constituídos de: resinatos ou naftenatos de zinco, chumbo, cobalto, manganês e vanádio. As quantidades usadas variam de 0,05% a 0,2%. Secantes em excesso geram películas duras e quebradiças.

20 1 - TINTAS A ÓLEO Pigmentos: pequenas partículas cristalinas que devem ser insolúveis nos demais componentes da tinta e têm por finalidade dar cor e opacidade à película útil. Propriedades Importantes que os pigmentos conferem às tintas: Cor: aparência segundo o modo como absorvem ou refletem as radiações luminosas Poder de cobertura: capacidade que o pigmento tem de esconder o fundo. absorção de óleo: dosagem de óleo (linhaça)/g de pigmento para formar uma suspensão fluida. (gramas de óleo/100g de pigmento).

21 2 TINTAS PLÁSTICAS EMULSIONÁVEIS: PVA - acetato de polivinila tintas plásticas são aquelas em resina não solúvel em água é convertida em uma emulsão na qual a água é a fase de dispersão ou fase contínua. são foscas e mais baratas que as outras tintas plásticas. Essas tintas são de fácil aplicação e podem ser diluídas em água, o que representa uma boa economia. Podem ser aplicadas em alvenarias, madeiras e metais.

22 Emulsões: são sistemas de dois líquidos imiscíveis, um dos quais está disperso no outro na forma de pequenas gotas. Para se preparar emulsões coloidais estáveis, é usualmente necessário adicionar-se uma pequena quantidade de um agente emulsificante, tal como um sabão, que reduza a tensão superficial entre os dois líquidos. Gelatina, albumina, goma arábica e outros liófilos são também usados como agentes emulsificantes.

23 Função dos vários componentes de tinta plástica emulsionável: Látex: monômero polimerizado em emulsão. Bastante similar ao látex de borracha natural.

24

25 Função dos vários componentes de tinta plástica emulsionável: Plastificantes: Modificam a dureza e a flexibilidade da resina PVA Colóides protetores: Para melhorar a estabilidade da emulsão. Podem ser atacados por fungos, o que torna necessária a inclusão de um fungicida. Anti-espuma: Visam reduzir a formação de espumas durante a aplicação.

26 Função dos vários componentes de tinta plástica emulsionável: Pigmentos: Para dar cor e poder de cobertura Cargas: Para prevenir a sedimentação dos pigmentos ou melhorar a resistência à água da película.

27 Látex acrílico: composto de resina acrílica à base de água. É lavável e está disponível nos acabamentos acetinado, semi-brilho e fosco. Há versões elásticas, para fachadas.

28 3- TINTAS PARA CAIAÇÃO São bastante conhecidas e de baixo custo. Seu componente principal é a cal extinta [Ca(OH)2]. O leite de cal (dispersão aquosa do hidróxido) pode ser usado diretamente como tinta de caiação, obtendo-se um acabamento muito branco. Não devem ser aplicadas em ambientes expostos às intempéries.

29 4 - TINTAS ESPECIAIS Tintas de Borracha: as tintas de borracha são impermeáveis e isolam a eletricidade. São compostas de derivados à base de borracha clorada ou látex.

30 4 - TINTAS ESPECIAIS Tintas betuminosas: são as soluções asfálticas, impermeabilizantes, normalmente pretas ou muito escuras. Essas tintas são empregadas na impermeabilização de lajes, proteção de chapas de ferro, sendo importantes pela sua resistência ao ataque de substâncias químicas.

31 Tintas Metálicas: 4 - TINTAS ESPECIAIS são soluções oleosas de pó metálico. Podem ser fabricadas com pó de zinco ou óxido de zinco. Têm a propriedade de ser altamente anti-corrosivas. Sua principal aplicação é em superfícies metálicas e para retocar peças galvanizadas.

32 Epóxi: as resinas epóxi, preparadas com pigmentos, são muito aplicadas em pisos por apresentarem grande resistência à abrasão. Não solúvel em água. 4 - TINTAS ESPECIAIS

33 4 - TINTAS ESPECIAIS Tintas venenosas: tintas empregadas especialmente para combater as bactérias e fungos que atacam a madeira. Sua proteção é temporária, sendo necessária renovação periódica. Interessam à construção naval, pois previnem o ataque aos navios e ancoradouros pelas larvas marinhas, algas, mariscos e outros organismos. A adição de 5 a 6% de DDT na forma de solução em óleo mineral a tintas para exteriores ajuda a controlar a proliferação de insetos, mantendo a tinta ativa pelo menos por dois anos.

34 4 - TINTAS ESPECIAIS Tintas resistentes ao calor: As temperaturas elevadas causam a destruição das tintas comuns. As modernas tintas e esmaltes resistentes à temperatura, são formuladas com veículos à base de silicone, pós metálicos e pigmentos estáveis ao calor. São usadas para acabamentos de fornos, chaminés, colunas de destilação, etc.

35 4 - TINTAS ESPECIAIS Tintas retardadoras da combustão: a efetividade da camada protetora depende da decomposição dos componentes da tinta pelo calor, quando desenvolvem amônia, ou água ou CO2,etc. Tais componentes podem ser: fosfato de cálcio e amônio, fosfato de magnésio e amônio, carbonatos, compostos orgânicos clorados, etc.

36 4 - TINTAS ESPECIAIS Tintas indicadoras de temperatura: As tintas que contêm matérias que apresentam uma mudança de cor em temperaturas definidas; podem ser usadas para indicar pontos quentes em um equipamento, deficiência de um isolamento, etc. Podem ser usadas várias combinações de componentes, o que torna possível cobrir, em escala, de 45 C a C com tolerância de 1% no valor da temperatura indicada. Os componentes utilizados incluem sais duplos e amino-sais de ferro, cobalto, manganês, níquel, cobre, cromo, molibdênio e urânio.

37 4 - TINTAS ESPECIAIS Tintas Luminescentes: Fluorescentes: usadas em mostradores de aparelhos e sinais de tráfego. Os principais pigmentos fluorescentes são: sulfato de zinco com cádmio, prata, cobre, etc.

38 4 - TINTAS ESPECIAIS Tintas Luminescentes: Fosforescentes: fornecem brilho de longa duração após breve exposição. São usados sulfetos de zinco e cálcio relativamente impuros (fosforescências verdes, amarelas e alaranjadas); exposição de 10s a 1 minutos: brilham por algumas horas. Os sulfetos de cálcio ou estrôncio (fosforescência violeta, azul, etc.) requerem maior tempo de iluminação que os anteriores mas a fosforescência permanece por um tempo pelo menos três vezes maior.

39 5 - VERNIZES Vernizes (transparentes ou translúcidos - tinta sem pigmento) São soluções de resinas em diluentes apropriados. Podem ser aplicados diretamente sobre superfícies de madeira ou mesmo sobre uma camada de pintura a óleo. Existem 4 tipos de vernizes: a óleo, a álcool, de essências e vernizes plásticos.

40 5 - VERNIZES Os vernizes a óleo são mais resistentes às intempéries, têm brilho fosco e demoram mais para secar. Os vernizes a álcool são mais finos, recomendados para madeiras e superfícies de interiores. Os vernizes de essência têm cheiro forte, demoram para secar, porém são mais brilhantes. São próprios para mobiliários. Os vernizes plásticos são duráveis, resistentes, tem secagem rápida. Não são muito resistentes às intempéries e são especialmente indicados para assoalhos, devido à sua resistência à abrasão.

41 Verniz Filtro Solar O filtro solar é um aditivo adicionado ao verniz que filtra e /ou absorve os raios ultravioleta do sol, evitando que eles ataquem a madeira e causem o descascamento do verniz.

42 Verniz Maritimo O verniz marítimo é usado para madeira que tem mais contato com água e menos com o sol. É muitíssimo resistente à água. É ideal para passar no madeiramento do banheiro, da cozinha e área de serviço.

43 6 - ESMALTES uma vez secas, adquirem um aspecto de porcelana. São também a óleo, mas com características diferentes. Uma vez aplicadas formam uma película dura e pouco elástica, por isso não servem para madeiras. Existem esmaltes sintéticos de secagem normal e rápida, esses são mais elásticos. Os tanques para transporte de soda cáustica, soluções salinas, álcoois, petróleo, ácidos diluídos, etc. São protegidos com películas de esmalte à base de resina epóxi, submetido a um processo de cura térmica e cinco demãos.

44 Fundo: produto destinado à primeira demão ou mais demãos sobre a superfície e funciona como uma ponte entre o substrato e a tinta de Acabamento. Selador: aplicação em materiais porosos argamassa e madeira

45 Primer: proteção anticorrosiva de metais e algumas vezes para madeira

46 Washprimer: aumentar a aderência de metais não ferrosos.

47 Fundo preparador: promover a coesão de partículas soltas pintura calcinada, argamassa sem coesão, gesso

48 Massa: correção de irregularidades da superfície já selada produto pastoso.

49 Tinta de acabamento: fornecer as propriedades necessárias para o fim a que se destina, inclusive tonalidade parte visível do sistema de pintura

50 Revestimento antigrafite: protege edificações Cientistas espanhóis desenvolveram um novo revestimento antigrafite que pode ser aplicado em prédios e monumentos históricos. O novo revestimento antigrafite é baseado em um polímero à base de silicone, sensível ao ph do meio. Ele adere adequadamente às superfícies muito porosas dos monumentos e possui a propriedade da hidrofobicidade, que evita que a água penetre profundamente no material.

51 Filtra os raios ultravioleta, evitando desta forma também os danos a longo prazo dos agentes naturais. O revestimento é totalmente transparente, sendo impossível detectá-lo a olho nu, o que garante que sua aplicação não tem efeitos visuais sobre o monumento.

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62 Problemas Gerais da Pintura de Superfícies Existencia de compostos quimicos que tem uma ação destrutiva sobre os filmes de tinta; Problemas com umidade: Tempo de secagem, Umidade ascencional, Condensação, Água de chuva, Defeitos na canalização.

63 Problemas Gerais da Pintura de Superfícies Perda de adesão: Descascamento, esfoliação ou formação de bolhas.

64 Problemas Gerais da Pintura de Superfícies

65 Problemas Gerais da Pintura de Superfícies

66 Problemas Gerais da Pintura de Superfícies

67 Problemas Gerais da Pintura de Superfícies

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho TINTAS Conceito Composição química variada, na maioria das vezes orgânica, que apresenta consistência líquida ou pastosa, que aplicada sobre uma superfície, forma um revestimento sólido e contínuo, com

Leia mais

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA s.f. Ato ou efeito de pintar. Camada de recobrimento de uma superfície, com funções

Leia mais

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida.

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida. Página 1 de 5 TINTAS E VERNIZES LATEX ACRÍLICO E PVA Criadas para proteger e embelezar as paredes de alvenaria, estruturas metálicas e madeiras, as tintas são aperfeiçoadas para garantir maior desempenho

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA PROCEDIMENTOS PARA PINTURA Prof. Marco Pádua Geralmente não é dada a devida importância a qualidade dos serviços de pintura. Sendo a última etapa da construção, as vezes, motivados pela economia procuram-se

Leia mais

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA Processos de pintura Existem diferentes processos de pintura, mas o segredo para o sucesso e durabilidade do acabamento final, depende invariavelmente da habilidade do profissional e da preparação da superfície.

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk São tubos cerâmicos

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 15 - PINTURA A pintura é um serviço de obra tão importante como qualquer outro, e é um grave erro não lhe dar uma atenção condizente, ela deve ser projetada e executada segundo técnica adequada, não

Leia mais

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda.

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda. Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização em Embalagens nos U.S.A. e Alemanha, vem atuando no mercado de embalagens desde 1976 em empresas

Leia mais

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance.

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance. ATENDEMOS: Aterros Sanitários Bacias de Contenção de Dejetos Box / Banheiros Box / Banheiros Sistema Drywall Espelhos D' água Estações de Tratamento de Água Estações de Tratamento de Efluentes Floreiras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II MATERIAIS BETUMINOSOS: SUBSTÂNCIAS QUE CONTÊM BETUME OU É DERIVADO DO BETUME. BETUME (ABNT (NBR 7208)):

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PINTURA

PROCEDIMENTOS DE PINTURA 1 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 2 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 01.00 SISTEMA DE PINTURA PARA ACABAMENTO FINAL EM LATEX PVA 01.01 - PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE 1. GESSO (PLACA/PASTA) - Aplicar fundo preparador de parede

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume SISTEMA PU - 4000 - Tintas Industriais Esmalte E-4000 6,5 m2/litro sem diluição. 50 a 60 µm K-4060 Catalise 5 X 1 Excelente acabamento para pintura de caixa eletrônico, ônibus, baús, orelhões, painéis

Leia mais

Problemas Comuns. Eflorescência

Problemas Comuns. Eflorescência Problemas Comuns Como em qualquer outra área na construção civil, geralmente ocorrem problemas, seja na preparação da superfície ou no acabamento. Os problemas mais freqüentes são: Eflorescência São manchas

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ASFALTOS Pavimento

Leia mais

Revestimentos para Usinas

Revestimentos para Usinas Revestimentos para Usinas Sobre nós Fundada em 1995 Fundador: Engº Químico Newton Carvalho Jr. Área de atuação: Revestimentos monolíticos - pisos técnicos, pisos decorativos, proteções de superfície, revestimentos

Leia mais

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL!

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! Na execução de uma PINTURA, devemos levar em consideração os vários fatores que envolvem as etapas deste processo e suas particularidades. Por exemplo, temos

Leia mais

Os Jogos Olímpicos sempre estiveram muito próximos da história da Dow. Nossa empresa foi fundada apenas um ano após os primeiros Jogos Olímpicos da era moderna. Somos guiados desde aquela época por uma

Leia mais

Gama Madeira Tratamentos Velaturas Vernizes Jardim. Gama Metal Esmaltes anti-corrosivos Esmaltes. Especialidades Decapantes Preparação da Madeira

Gama Madeira Tratamentos Velaturas Vernizes Jardim. Gama Metal Esmaltes anti-corrosivos Esmaltes. Especialidades Decapantes Preparação da Madeira BONDEX CATÁLOGO Gama Madeira Tratamentos Velaturas Vernizes Jardim Gama Metal Esmaltes anti-corrosivos Esmaltes Especialidades Decapantes Preparação da Madeira Tabela de preços / Códigos EAN TRATAMENTOS

Leia mais

Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480

Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480 www.abrafati.com.br Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480 Rua Júlio Diniz, 56 - cjto 41 - Vila Olímpia Cep: 04547-090 - São Paulo

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

Marcadores com ponta porosa, retrátil, lavável em água corrente, permitindo o uso imediato quando a ponta estiver ressecada ou com impregnações.

Marcadores com ponta porosa, retrátil, lavável em água corrente, permitindo o uso imediato quando a ponta estiver ressecada ou com impregnações. Marcadores com ponta porosa, retrátil, lavável em água corrente, permitindo o uso imediato quando a ponta estiver ressecada ou com impregnações. Tinta permanente para marcar todos os tipos de metais, plásticos,

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes agressivos. São produtos com maior retenção de cor e brilho,

Leia mais

Soluções Técnicas em Construção

Soluções Técnicas em Construção Betumanta E Composto de asfalto elastomerico (S.B.S.), reforçado por um filme de polietileno de alta densidade com 50 micra de espessura. Esse produto foi desenvolvido para ser aplicado à maçarico. O produto

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO Esperamos que este Manual Prático de Aplicação possa oferecer a você que é usuário das tintas da KING S PAINT, informações importantes para realizar uma pintura de melhor qualidade

Leia mais

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS CATALO DE PRODUTOS SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO E PINTURA EPOXI VERMELHO MODELO AP E PQS Aba na base que impede

Leia mais

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA EQUIPAMENTOS USUAIS PARA APLICAÇÃO DA PINTURA Ferramentas para PREPARO

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas COLAS Conhecer os diversos tipos de materiais é muito importante para o desenvolvimento de um cosplay. Nesse tutorial vamos conhecer um pouco do universo das colas. Encontramos no mercado uma infinidade

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Celulose & Papel Soluções para Celulose e Papel A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes

Leia mais

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO Porque Impermeabilizar? O que leva construtoras, construtores, proprietários de imóveis, etc... a procura de impermeabilizantes? De cada 10 pessoas que procuram produtos

Leia mais

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas.

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. SOMA DE VALORES A JR Tecnologia em Superfícies (nome fantasia) iniciou suas atividades em 1991 com o nome JR Gonçalves

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing?

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing? Informações Gerais Provedora de soluções para o processo de Water Transfer Printing a PROJFIX está no mercado com o objetivo de trazer qualidade para o segmento no Brasil, comercializando produtos de alto

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 159

Norma Técnica SABESP NTS 159 Norma Técnica SABESP NTS 159 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido pintados e em contato direto com esgoto Especificação São Paulo Rev. 1 - Outubro - 2001 NTS

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Patos de Minas Secretaria Municipal de Administração. PREGÃO Nr. 094/2009 ANEXO I. Proposta de Preços. Processo: 9580/2009

Prefeitura Municipal de Patos de Minas Secretaria Municipal de Administração. PREGÃO Nr. 094/2009 ANEXO I. Proposta de Preços. Processo: 9580/2009 PREGÃO Nr. 094/2009 ANEXO I Proposta de Preços Processo: 9580/2009 Razão Social do Licitante: CNPJ: Insc. Estadual: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: Telefone : Fax : e-mail : INFORMACÕES PARA PAGAMENTOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA Código ETD-00.014 Data da emissão 27.11.1986 Data da última revisão 30.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Guia de aditivos, resinas e químicos para construção

Guia de aditivos, resinas e químicos para construção Guia de aditivos, resinas e químicos para construção INSTITUCIONAL A D Altomare atua no Brasil desde 1972, atendendo clientes em todo o território nacional. Possui sede em São Paulo com modernas instalações

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Materiais Betuminosos. 1 Histórico e Obtenção do Asfalto

Materiais Betuminosos. 1 Histórico e Obtenção do Asfalto Materiais Betuminosos 1 Histórico e Obtenção do Asfalto Acedita-se que a palavra asfalto provenha do antigo Acádico Asphaltic e foi adotada pelos gregos da época de Homero com o significado de tornar firme

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

Tinta para sinalização horizontal rodoviária à base de resina estireno-acrilato e/ou estireno-butadieno

Tinta para sinalização horizontal rodoviária à base de resina estireno-acrilato e/ou estireno-butadieno MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra, km 163 - Centro Rodoviário - Vigário Geral Rio de Janeiro,

Leia mais

* SOLVENTES Esmaltes E Vernizes Primários Pliolite Base Solvente

* SOLVENTES Esmaltes E Vernizes Primários Pliolite Base Solvente * CONSTRUÇÃO CIVIL e DECORAÇÃO Tintas Lisas Para Interior E Exterior Primários Linha Low Cost Especiais Madeiras Industriais Pintura E Marcação De Pavimentos * SOLVENTES Esmaltes E Vernizes Primários Pliolite

Leia mais

Tintas, Vernizes, Lacas e Esmaltes. Professora Ligia Pauline

Tintas, Vernizes, Lacas e Esmaltes. Professora Ligia Pauline Tintas, Vernizes, Lacas e Esmaltes Professora Ligia Pauline Tintas Suspensão de partículas opacas (pigmentos) em veículo fluido; Função das partículas: cobrir e decorar as superfícies; Função do veículo:

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Especificações dos Materiais Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Emprego dos materiais

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc.

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. Universidade Católica de Petrópolis Engenharia Civil Parte VI Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. UCP Mateco - Civil Programa: 1. Aglomerantes; Asfaltos, cal, gesso e cimentos;

Leia mais

CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PINTURA DE ALVENARIAS EM AMBIENTES NÃO AGRESSIVOS

CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PINTURA DE ALVENARIAS EM AMBIENTES NÃO AGRESSIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PINTURA DE ALVENARIAS

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2. ÍNDICE 1 SUPERFICIES CERÂMICAS 2 PROTEÇÃO ÀS TELHAS E TIJOLOS 3 PRINCIPAIS FATORES QUA ALTERAM AS CARACTERISTICAS DAS SUPERFICIES CERAMICAS: HIDROFUGANTES E IMPERMEABILIZANTES 4.1 HIDROFUGANTES 4.1.1 TIPOS

Leia mais

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado Sistema Duplex Vantagens e Aplicações Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado METALURGIA Corrosão Tendência que os materiais têm de retornar ao seu estado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. Generalidades

MEMORIAL DESCRITIVO 1. Generalidades MEMORIAL DESCRITIVO Memorial descritivo de serviço de pintura geral do prédio da Câmara Municipal de Fortaleza de Minas MG. Compõem este memorial as especificações técnicas acerca dos serviços a serem

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998 Fitas VHB Dupla-Face de Espuma Acrílica para Construção Civil Fita Dupla-Face de Espuma Acrílica Cinza - 4972 Dados Técnicos Julho/2011 AgoAg Junho / 1998 Substitui: Novembro/2005 Descrição do Adesivo

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

LINHA 2012 RESINAS SINTÉTICAS

LINHA 2012 RESINAS SINTÉTICAS LINHA 2012 RESINAS SINTÉTICAS Gestão da Qualidade NBR ISO 9001 OCS 0007 ESTRUTURA 05 Acrílicas Carboxiladas AQ-1581 58-60% X - Z R-9 59-69 1 máx Esmaltes e vernizes metalgráficos curados em melamina

Leia mais

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos.

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sistemas de pintura Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sua aplicação resulta em uma película

Leia mais

PINTURA DE FACHADAS. CIN Corporação Industrial do Norte, SA Engº José Luís Nogueira Director Técnico do Grupo

PINTURA DE FACHADAS. CIN Corporação Industrial do Norte, SA Engº José Luís Nogueira Director Técnico do Grupo PINTURA DE FACHADAS CIN Corporação Industrial do Norte, SA Engº José Luís Nogueira Director Técnico do Grupo Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Área Departamental de Engenharia Civil

Leia mais

NANOTECNOLOGIA NA PINTURA DE SEU PREDIO

NANOTECNOLOGIA NA PINTURA DE SEU PREDIO NANOTECNOLOGIA NA PINTURA DE SEU PREDIO saiba como reduzir os custos de condomínio com a pintura predial mantenha a cor original da pintura, com garantia de 8 conheça as vantagens do revestimento microcerâmico

Leia mais

Formulações de Adjuvantes Agrícolas

Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES: - Substância inerte adicionados à formulação ou à calda para melhorar a eficiência da aplicação. Podem ser divididos em 2 grupos: a) Surfatantes:

Leia mais

FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF

FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF GESSO FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF Paredes de gesso Paredes de blocos de gesso: Construção semelhante a de alvenaria convencional, utilizando-se gesso e massa de gesso em vez de tijolos

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante.

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante. Página 1 de 5 Boletim Técnico Produto Esmalte PU Piscinas Descrição Esmalte PU Piscinas é um esmalte poliuretano bicomponente impermeável ideal para pintura de piscinas de concreto e fibra, deixando-as

Leia mais

SOLUÇÕES ECOEFICIENTES. Catálogo de Produtos

SOLUÇÕES ECOEFICIENTES. Catálogo de Produtos SOLUÇÕES ECOEFICIENTES Catálogo de Produtos QUEM SOMOS Impercol é a marca da Roma Química para tintas e produtos químicos de altíssima qualidade, concebidos e produzidos dentro das mais exigentes normas

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905 KIT Nº 1 KIT Nº 2 01 Bandeja Grande Ref.0.2823 01 Rolo de Espuma Pop 23 cm Ref.0.13 com cabo Ref. 0.2072 01 Rolo de Espuma Pop 09 cm com cabo Ref. 0.1109. 01 Rolo de Espuma Pop 05 cm c/ cabo Ref. 0.1105

Leia mais

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA!

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! LANÇAMENTOS 2012 LINHA APLIKCAR- para envelopamento de veículos VINIL BRANCO BRI.LHANTE - vinil para envelopamento de veículos e impressão digital. VINIL BLACK PIANO

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Celesc Di Celesc Distribuição S.A. ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA PINTURA SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA APLICAÇÃO EM : TRANSFORMADORES

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

ÍNDICE. Tinta Acrílica 04 06. Tinta Látex Acrílica. Tinta Acrílica Cortex 10 12. Resina Protetora Pedra e Telha. Texturas 16 18.

ÍNDICE. Tinta Acrílica 04 06. Tinta Látex Acrílica. Tinta Acrílica Cortex 10 12. Resina Protetora Pedra e Telha. Texturas 16 18. Tinta Acrílica 04 06 Tinta Látex Acrílica Tinta Acrílica Cortex 10 12 Resina Protetora Pedra e Telha Texturas 16 18 Gel de Efeitos Tinta Piso 22 24 Tinta Gesso Esmalte Base Água 26 30 Esmalte Sintético

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

NHE-375E BOLETIM TÉCNICO. Condutivo Epóxi

NHE-375E BOLETIM TÉCNICO. Condutivo Epóxi BOLETIM TÉCNICO Revestimento Condutivo Epóxi Bicomponente Cinza Piso com Revestimento Condutivo Epóxi Cinza Claro Resina epóxi + catalisador O Revestimento Condutivo foi desenvolvido para ter uma ótima

Leia mais

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/AM PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA Resumo Trata-se da solução de um problema de infiltração

Leia mais

Revestimentos Especiais Tecnologia em revestimentos para a sua obra

Revestimentos Especiais Tecnologia em revestimentos para a sua obra Revestimentos Especiais Tecnologia em revestimentos para a sua obra Olá! É muito comum encontrar pessoas que pensem que a NS Brazil é apenas uma indústria de pisos monolíticos. Isso porque o termo revestimentos

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

Qualidade da Pintura na Construção Naval

Qualidade da Pintura na Construção Naval Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Tecnologia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Naval e Oceânica PROJETO FINAL DE CURSO Qualidade da Pintura na Construção Naval Luciano Viceconte

Leia mais

SELANTES PARA USO EM CONSTRUÇÕES

SELANTES PARA USO EM CONSTRUÇÕES SELANTES PARA USO EM CONSTRUÇÕES 1. Introdução Os materiais de construção estão sujeitos a expansão e contração, devido às características constituintes da sua composição, pela variação térmica, variação

Leia mais

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Página 1 de 8 IMACOAT VERNIZ UV IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda Vendas : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Mairinque SP Brasil CEP 18120-000 Telefone : (55+11) 4718 1745 Fax : (55+11)

Leia mais

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L.

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L. Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Impermeabilização Prof. André L. Gamino Normalização ABNT: Termos Gerais NBR 9575 (2010): Impermeabilização

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Características Densidade: 1,02 g/cm 3 Aparência: Cor preta Composição básica: emulsão asfáltica modificada com elastômeros

Leia mais

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO.

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. Flávia Previatto Baldini; Anderson Mendes de Oliveira; José Leonel Alves dos Santos. Sika Química Ltda. Rodovia Marechal Rondon,

Leia mais

Vidros para construção civil

Vidros para construção civil Vidros para construção civil Conceito de Vidro: Vidros industriais: Produtos inorgânicos obtidos por fusão e resfriamento sem cristalização Vidro ordinário ou neutro para construção civil: Solução amorfa

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2011

TABELA DE PREÇOS 2011 TABELA DE PREÇOS 2011 - Av. General Roçadas, n.º 70 A/C 1199-012 Lisboa Tel: 218 153 516 Fax: 218 153 534/218 149 633 - Av. Antoine Velge, Lote 1 - Aires 2950-067 Palmela Tel/Fax: 212 334 369 - Rua de

Leia mais

SISTEMA LAPIDUR BOLETIM TÉCNICO

SISTEMA LAPIDUR BOLETIM TÉCNICO BOLETIM TÉCNICO SISTEMA LAPIDUR Trata-se de um processo inovador de polimento do concreto existente, conferindo-lhe o aspecto brilhante e reduzindo a porosidade. SISTEMA LAPIDUR Concreto lapidado é uma

Leia mais

AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS

AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS Manual AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS l-avaliçao das superfiçies Verificar se as areas estao secas, isentas de umidade oleo ou graxas,buracos etc... ll-preparaçao de superficies

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

Serão verificados a seguir as varias etapas, tanto na composição das tintas como

Serão verificados a seguir as varias etapas, tanto na composição das tintas como 16 5. SISTEMAS DE PINTURAS Serão verificados a seguir as varias etapas, tanto na composição das tintas como nos procedimentos adotados de um sistema de pintura. 5.1 Composição Básica das tintas A complexidade

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Estruturas Metálicas

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Estruturas Metálicas Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Estruturas Metálicas www.we.net Soluções para Estruturas Metálicas Cada semento de mercado tem suas características específicas.

Leia mais

Patologia das Pinturas

Patologia das Pinturas Patologia das Pinturas Finalidades Acabamento com efeito estético Proteção dos elementos construtivos Durabilidade da edificação 27/6/2007 Patologia das Pinturas 2 Constituintes básicos Resina, veículo

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Índice. P r o j e t o Tratamento de piso

Índice. P r o j e t o Tratamento de piso TRATAMENTO DE PISOS Índice Porque fazer um tratamento de piso? Fases do tratamento de piso Tipos de pisos Vantagens do tratamento Conceitos técnicos Equipamentos e acessórios Etapas do tratamento Produtos

Leia mais

Estruturas de Saneamento. Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes

Estruturas de Saneamento. Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes Estruturas de Saneamento Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes SUMÁRIO Zentrifix Elastic pág. 7-8 MC-RIM pág. 9-10 Xypex pág. 11-12 MC-DUR 1100 Diffusion

Leia mais