IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS ENVOLVENDO O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS NA BR-153/060, NO TRECHO DE TEREZÓPOLIS DE GOIÁS A GOIÂNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS ENVOLVENDO O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS NA BR-153/060, NO TRECHO DE TEREZÓPOLIS DE GOIÁS A GOIÂNIA"

Transcrição

1 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS ENVOLVENDO O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS NA BR153/060, NO TRECHO DE TEREZÓPOLIS DE GOIÁS A GOIÂNIA Adriana Menezes Costa Bruna Craveiro de Sá e Mendonça Fernanda Queiroz Tristão Ricardo Fernandes Lopes Orientador: Prof. José Dafico Alves RESUMO No Brasil, o transporte de cargas com produtos perigosos é feito basicamente através de rodovias, envolvendo inúmeras situações de riscos para as comunidades e o meio ambiente. A BR 153/060 possui um intenso fluxo de veículos, entre eles os transportadores de produtos perigosos. O trecho entre Goiânia e Terezópolis de Goiás possui características bastante especificas, englobando uma área de unidade de conservação ambiental (Parque Ecológico Altamiro de Moura Pacheco) e uma área que será inundada para garantir o futuro abastecimento da região metropolitana de Goiânia (Lago da Barragem do Ribeirão João Leite). Pretendeuse, com este estudo, identificar os pontos críticos em relação ao transporte de produtos perigosos neste trecho capazes de ocasionar acidentes. Neste sentido, foi levantado o perfil do motorista que ali trafega, foram analisadas as condições gerais da rodovia e foram identificadas as cargas contendo produtos perigosos que freqüentemente passam pelo trecho. Acreditase que a melhor forma de se fazer planejamento e gestão adequados para a região é tornála uma Zona de Perigo Ambiental. Palavraschave: Transporte, produtos perigosos, riscos, BR 153/060, Zona de Perigo Ambiental. ABSTRACT In Brasil, the transport of loads with dangerous products is made mainly through highways, involving countless risk situations for the communities and the environment. At BR 153/060, there is a lot of traffic, among them the transporters of dangerous products. The route between Goiânia and Terezópolis de Goiás has some specific characteristics, including an Unit of Environmental Conservation area (Parque Ecológico Altamiro de Moura Pacheco) and an area that will be flooded to guarantee the future water proviosoning of the metropolitan region of Goiânia (Lago da Barragem do Ribeirão João Leite). With this study, we intended to identify the critical points in relation to the dangerous products transports in this route that was able to cause accidents. In this case, it was lifted up the driver s profile. They were analyzed the general highway conditions and they were identified loads that conteined dangerous products that often surrounded by this route. We believe that the best way of doing planning and management for the area is to turn it on a Zone of Environmental Danger. Wordkey: Transport, dangerous products, risks, BR 153/060, Zone of Environmental Danger. 1

2 1. INTRODUÇÃO O desenvolvimento tecnológico permitiu ao homem criar e controlar um volume impressionante de reações químicas, visando principalmente obter produtos para o seu desenvolvimento e bem estar. Muitas dessas substâncias são inofensivas ao homem e ao meio ambiente, outras são extremamente danosas. Estimase que existam atualmente cerca de 20 milhões de formulações químicas, sendo que destas, aproximadamente, 1 milhão representam substâncias ou produtos perigosos (CETESB, 2004). Os acidentes com produtos perigosos estão entre os desastres humanos de natureza tecnológica, com magnitude significativa que, certamente, têm seu ponto frágil no setor de transporte (rodoviário, ferroviário, marítimo, fluvial ou lacustre), podendo acontecer ainda no deslocamento por dutos, em instalações fixas (portos, depósitos, indústrias produtoras e consumidoras de produtos perigosos, refinarias de petróleo, pólos petroquímicos, depósitos de resíduos, rejeitos ou restos), no consumo, uso ou manuseio destes produtos. A exemplo de outros países, no Brasil, os produtos perigosos são transportados em diversos modais: rodoviário, ferroviário, marítimo, fluvial e através de dutos. No entanto, a grande maioria é transportada por rodovias, em função do modelo de transporte adotado no país. Assim, esta pesquisa se justifica pela necessidade de se conhecer os riscos com o transporte de produtos perigosos a que estão sujeitos o Parque Ecológico Altamiro de Moura Pacheco e o lago a ser formado pela Barragem do Ribeirão João Leite, na BR 153/060, no percurso de Goiânia a Terezópolis de Goiás, Esta rodovia corta o país de norte a sul, ligando Goiânia a Brasília. Possui tráfego intenso de veículos leves e de transportadores de cargas, muitas delas com produtos perigosos, que conferem riscos potenciais ao meio ambiente em caso de acidentes. A preocupação acerca da qualidade ambiental do lago para captação de água para abastecimento público da região metropolitana de Goiânia e a preservação da unidade de conservação de proteção integral, Parque Ecológico Altamiro de Moura Pacheco, levou ao estudo para a identificação dos possíveis riscos envolvendo acidentes com produtos perigosos, no trecho da BR 153/060 (Km 123 a Km 137), de Terezópolis de Goiás a Goiânia. A ocorrência de acidentes com produtos perigosos neste trecho, além de provocar imensuráveis prejuízos à área do Parque, podem gerar expectativas de possibilidade de contaminação da água do lago, comprometendo o abastecimento público de água. 2

3 2. OBJETIVOS 2.1. OBJETIVO GERAL Fornecer subsídios aos órgãos com responsabilidade em gestão de riscos, do setor governamental e não governamental através de resultados de estudos e reflexões acerca dos riscos ambientais no transporte rodoviário de produtos perigosos OBJETIVOS ESPECÍFICOS Identificar os riscos de acidentes quanto ao desempenho dos motoristas; Identificar os principais tipos de produtos perigosos e o risco no transporte dos mesmos na BR 153/060, no trecho de Goiânia a Terezópolis de Goiás; Identificar as condições de tráfego neste trecho. 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 3.1. TRANSPORTE DE PRODUTO PERIGOSO Por carga, entendese tudo aquilo que é ou pode ser objeto de transporte. Quanto à forma de acondicionamento, a carga pode ser subdividida em carga a granel e carga embalada. Como explica ANDRADE (2004), transporte tem o significado de ato ou atividade de transportar, carregar, levar, conduzir. Entretanto, para efeito de estudo, são incluídas as operações de carga, transporte, descarga, transbordo, limpeza, descontaminação, estacionamento, paradas técnicas (por falha mecânica ou acidente) e a imobilização (involuntária ou em razão de emergência). Produto perigoso é aquele que, em certa quantidade, e fora de sua embalagem ou local de segurança, traz riscos para a saúde e a vida humana e de animais, bem como para o meio ambiente. Os produtos perigosos estão catalogados pela Organização das Nações Unidas ONU ou pela Portaria 204 de 26/05/97 do Ministério dos Transportes. Segundo BRUNS (2002), carga com produtos perigosos é qualquer carga que contenha, parcial ou totalmente, produtos perigosos que representem riscos a seres humanos, causem prejuízos materiais e/ou danos ao meio ambiente. 3

4 Os produtos perigosos são armazenados e transportados freqüentemente em grandes quantidades. Podem apresentarse nas formas sólida, líquida ou gasosa. Um vazamento acidental destes produtos representa um perigo potencial para o público e para o meio ambiente. Devido à necessidade imediata de informação concernente a um produto perigoso, foram desenvolvidos dois sistemas de identificação de perigos. Ambos ajudam aqueles que participam de medidas de reação, ante um acidente, a enfrentarem o problema com rapidez e segurança. É importante destacar que esses sistemas foram desenvolvidos por pessoas sem treinamento em química. O primeiro sistema é usado nos Estados Unidos para tanques de armazenagem e recipientes pequenos (instalações permanentes). O segundo é utilizado para depósitos, tanques, vagões ferroviários, tambores e outros tipos de embalagens transportadas no comércio normal, dentro de um estado ou entre estados. O Ministério dos Transportes é responsável por este sistema. Para seu uso são necessárias placas e etiquetas em conformidade com as Normas Técnicas Brasileiras (BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS, 2004). É estabelecido pela Norma Brasileira Registrada (NBR 7500) que os produtos embalados em recipientes pequenos sejam devidamente etiquetados ou rotulados, enquanto os caminhões tanque, vagões ferroviários e reboques devem portar placas de cor laranja com números pretos, que indicam a natureza do perigo que a carga representa. A classificação usada nas placas e rótulos de risco se baseia nas Classes de Risco das Nações Unidas: Classe 1: Explosivos Subclasse 1.1 Substâncias e artigos com risco de explosão em massa; Subclasse 1.2 Substâncias e artigos com risco de projeção, mas sem risco de explosão em massa; Subclasse 1.3 Substâncias e artigos com risco predominante de fogo; Subclasse 1.4 Substâncias e artigos que não apresentam risco significativo; Subclasse 1.5 Substâncias muito insensíveis, mas com risco de explosão em massa; Subclasse 1.6 Artigos extremamente insensíveis, sem risco de explosão em massa. Classe 2: Gases comprimidos Liquefeitos Dissolvidos sob pressão ou altamente refrigerados Subclasse 2.1 Gases inflamáveis; Subclasse 2.2 Gases nãoinflamáveis, nãotóxicos; Subclasse 2.3 Gases tóxicos. Classe 3: Líquidos inflamáveis 4

5 Classe 4: Sólidos inflamáveis Substâncias sujeitas à combustão espontânea Substâncias que, em contato com água, emitem gases inflamáveis Subclasse 4.1 Sólidos inflamáveis; Subclasse 4.2 Substâncias sujeitas à combustão espontânea; Subclasse 4.3 Substâncias que, em contato com água, emitem gases inflamáveis. Classe 5: Substâncias oxidantes Peróxidos orgânicos Subclasse 5.1 Substâncias oxidantes; Subclasse 5.2 Peróxidos orgânicos. Classe 6: Substâncias tóxicas Substâncias infectantes Subclasse 6.1 Substâncias tóxicas, venenosas; Subclasse 6.2 Substâncias infectantes. Classe 7: Materiais radioativos Classe 8: Corrosivos Classe 9: Substâncias perigosas diversas De acordo com o Decreto nº /88, os veículos que transportam produtos perigosos ou os equipamentos relacionados com esta finalidade, somente podem circular em vias públicas portando os seguintes documentos: Certificado de capacitação para o transporte de produtos perigosos, expedido pelo INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) ou entidade por ele credenciada; Documento fiscal do produto transportado; Ficha de emergência e envelope para o transporte, emitidos pelo expedidor, de acordo com as NBR7503, NBR7504 e NBR8285, preenchidos conforme instruções fornecidas pelo fabricante ou importador do produto transportado. A ficha de emergência (ANEXO 1), como define a NBR 7501, é um documento confeccionado, impresso e preenchido conforme as NBR 7503 e NBR 8285, que resume os principais riscos do produto e as providências essenciais a serem tomadas em caso de acidente RISCOS E DESASTRES AMBIENTAIS Os desastres podem ocorrer como conseqüência do impacto de um risco natural ou causado por atividades antrópicas. Os riscos naturais incluem fenômenos como terremotos, atividade vulcânica, deslizamentos de terra, maremotos, ciclones tropicais e outras tempestades 5

6 intensas, tornados e ventos fortes, inundações fluviais e costeiras, incêndios florestais e a névoa que formam, seca, tempestades de areia, de poeira e infestações. Os riscos causados por atividades antrópicas podem ser intencionais, como a descarga ilegal de petróleo, ou acidentais, como derramamentos tóxicos ou fusão nuclear. Todos esses riscos podem ameaçar as pessoas, os ecossistemas, a fauna e a flora. Vários acidentes de grande importância envolvendo produtos químicos e materiais radioativos chamaram a atenção mundial para os perigos da má administração, particularmente nos setores de transportes de produtos químicos e de energia nuclear (PNUMA, 2004). De acordo com a Doutrina Brasileira de Defesa Civil, desastre é o resultado de eventos adversos, naturais ou provocados pelo homem, sobre um ecossistema vulnerável, causando danos humanos, materiais e ambientais, e conseqüentemente prejuízos econômicos e sociais. A intensidade de um desastre depende da interação entre a magnitude do evento adverso e a vulnerabilidade do sistema receptor, e é quantificada em função dos danos e prejuízos caracterizados (SANTOS e CÂMARA, 2002). Os acidentes envolvendo veículos transportando produtos perigosos não podem ser vistos como ocorrências rotineiras de trânsito e variam em função do tipo do produto químico, da quantidade e de suas características. Emissões acidentais de produtos químicos para o meio ambiente, dependendo de suas características físicas, químicas e toxicológicas, podem originar diferentes impactos, causando danos à saúde pública, ao meio ambiente, à segurança da população e ao patrimônio público e privado (CETESB, 2004). Os cenários dos acidentes são diversos. Podem ocorrer durante cada uma das operações (inclusive estacionamento ou parada), e ao longo de todo o trajeto. Distintos, igualmente, podem ser os bens ambientais submetidos a risco ou efetivamente atingidos, alterados, descaracterizados, lesionados ou destruídos, em caráter parcial ou total, dentre os quais, os componentes dos meios físico (ar, solo, subsolo, águas superficiais, águas subterrâneas, recursos naturais não renováveis), biótico (flora e fauna), cultural (bens de natureza material ou imaterial de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, arquitetônico, estético, ecológico e científico), antrópico (relacionado às atividades normais da comunidade), artificial (equipamentos urbanos) e do trabalho (ANDRADE, 2004) LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA O regulamento para o transporte rodoviário de produtos perigosos é recente no Brasil. Somente após o acidente com pentaclorofenato de sódio (pó da china), no Rio de Janeiro, foram 6

7 estabelecidas regras de segurança, através dos Decretos nº 2063 de 06/10/1983, nº de 18/05/88 e o nº 1797 de 26/01/1996 Mercosul, além da Portaria nº 204 de 20/05/1997, do Ministério dos Transportes (SEST Serviço Social do Transporte, SENAT Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte). O Decreto nº de 18/05/1988 regulamenta o transporte de produtos perigosos no país. Em seu Artigo 9, está definido que o veículo transportador de produto perigoso deve evitar o uso de vias em áreas densamente povoadas ou de proteção de mananciais, reservatórios de água ou reservas florestais e ecológicas, ou que sejam próximas a essas áreas. Vale ressaltar que a área em estudo está próxima a zonas de alta densidade populacional (Goiânia e Terezópolis de Goiás), contém uma unidade de conservação ambiental (Parque Ecológico Altamiro de Moura Pacheco) e abrigará o lago para captação de água para o abastecimento público da Grande Goiânia (Barragem do Ribeirão João Leite). De acordo com a Resolução 01/88 do CEMAm Conselho Estadual de Meio Ambiente, o transporte de cargas ou produtos perigosos por vias públicas ou rodovias que cortam o Estado de Goiás deve ser precedido de comunicação prévia à Agência Ambiental de Goiás (sucessora da Superintendência Estadual do Meio Ambiente de Goiás SEMAGO), por parte do transportador e do destinatário. A partir de 1985, o Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN regulamentou a obrigatoriedade do curso específico para condutores de veículos rodoviários transportadores de produtos perigosos, que dá condições ao motorista de aplicar comportamentos preventivos e uniformiza os procedimentos emergenciais para cada uma das classes de produtos perigosos em todo território nacional. Atualmente, a Resolução nº 91 de 4 de maio de 1999 regulamenta os currículos dos cursos de treinamento específico e complementar para condutores de veículos rodoviários e a Portaria nº 204 de 20 de maio de 1997 aprova as instruções complementares aos regulamentos dos transportes rodoviários e ferroviários de produtos perigosos. Pelo fato de surgirem inovações nas indústrias, no transporte e aumento da frota de veículos no Brasil, a legislação está em permanente aperfeiçoamento (SEST, SENAT). 4. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA ESTUDADA 4.1. RODOVIA BR 153/060 Este trabalho compreende o trecho do Km 123 ao Km 137 da rodovia BR 153/060, onde está localizado o Parque Ecológico Altamiro de Moura Pacheco e, em breve, abrigará o lago que 7

8 servirá para a captação de água para o abastecimento público da Região Metropolitana de Goiânia, formado pela barragem em construção do Ribeirão João Leite. Este trecho é formado por pista dupla com duas faixas de rolamento. De acordo com o DNIT Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, o trecho (Km 123 a Km 137) encontrase em boas condições de trafegabilidade, com sinalizações horizontal (faixas na pista) e vertical (placas) regulares PARQUE ECOLÓGICO ALTAMIRO DE MOURA PACHECO De acordo com a Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Estado de Goiás SEMARH (2004), o Parque Ecológico Altamiro de Moura Pacheco (ANEXO 2) é uma unidade de conservação estadual de proteção integral criada com o objetivo de proteger um dos últimos vestígios da vegetação caracterizada como mata seca no Estado de Goiás (remanescente de Mata Atlântica). Criado em 3 de Julho de 1992, o Parque possui uma área de hectares e está localizado às margens da BR 153/060, a 22 Km de Goiânia e 25 Km de Anápolis englobando áreas dos municípios de Goianápolis, Goiânia, Nerópolis e Terezópolis de Goiás. O Parque possui uma grande diversidade de fauna e flora do Cerrado. Sua paisagem inclui, além da mata seca, outras fisionomias como cerrado típico, cerradão, mata ciliar e matas de galeria. Abriga também várias espécies da fauna, dentre elas estão alguns representantes da fauna brasileira ameaçados de extinção: tamanduábandeira, macacoprego, loboguará, cachorro do mato e jaguatirica (SEMARH, 2004). Ainda segundo a SEMARH (2004), o principal curso d água existente no Parque é o Ribeirão João Leite, que tem suas nascentes localizadas, no município de Ouro Verde. Além do João Leite, também são encontrados na área do Parque os Córregos Barreiro, Cana Brava, Carapina, Tamanduá e Macaúba. A rodovia BR 153/060 incide sobre a área do Parque em uma extensão de 14 Km LAGO PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA PARA O ABASTECIMENTO PÚBLICO DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA A Bacia Hidrográfica do Ribeirão João Leite possui uma área de 751,50 Km² e extensão aproximada de 130 quilômetros, contribuindo significativamente com o abastecimento público da população de Goiânia. O Ribeirão João Leite é afluente do Rio Meia Ponte, que se junta ao Rio Paranaíba, que se une com o Rio Grande e juntos formam o Rio Paraná, que por sua vez 8

9 recebe os rios Paraguai e Uruguai formando o Rio da Prata, cujas águas deságuam no Oceano Atlântico. A SANEAGO SANEAMENTO DE GOIÁS S.A. explica que a barragem terá uma área inundada de hm² (214,8 alqueires), uma altura de 50 metros, com comprimento total da crista de 451 m e vazão para abastecimento de 6,23 m³/s. A formação do reservatório irá provocar a inundação de trechos das margens da rodovia BR 153/060, em suas partes mais baixas, nas imediações do Parque Ecológico Altamiro de Moura Pacheco, totalizando metros. 5. METODOLOGIA Os estudos desenvolveramse em quatro fases distintas, nas quais procurouse diagnosticar o cenário estudado com coleta de dados através de levantamento de registros históricos, visita de campo, aplicação de questionário com abordagem direta e perguntas aos motoristas e, finalmente, com o rastreamento da rota de transporte de produtos perigosos no trecho em questão. Cada etapa está descrita a seguir: 1) Foi realizado um levantamento dos acidentes ocorridos no referido trecho. Através dos Boletins de Ocorrência da Polícia Rodoviária Federal, pôdese quantificar e localizar os acidentes que envolveram produtos perigosos no período de janeiro de 2000 a setembro de ) Com ajuda de técnicos do DNIT, foram avaliadas as condições de tráfego da rodovia, ou seja, verificouse o estado de conservação da pavimentação e da sinalização, e foram identificados os pontos críticos no trecho (ocorrência de aquaplanagem e travessia de animais). 3) Esta etapa foi caracterizada pela aplicação dos questionários com os motoristas responsáveis pelo transporte de produtos perigosos. Foram realizados 146 questionários nos dias 13, 14, 15, 16 e 17 de setembro de 2004, no posto da Polícia Rodoviária Federal Leônidas Sisterolli, no Km 132 do trecho estudado, abordando questões como: origem e destino, idade, vícios, condições de saúde, escolaridade, renda, conhecimento da carga transportada, tempo de profissão dos motoristas e ficha de emergência. Os motoristas foram abordados apenas no sentido de Goiânia a Terezópolis de Goiás. Isto porque o acesso no Posto Policial é mais adequado e seguro neste sentido e o fluxo de veículos que transportam produtos perigosos é maior. Pelo outro sentido, muitos veículos retornam descarregados. Sabese que o principal produto que é transportado neste sentido da rodovia (Anápolis Goiânia) é o amianto. 9

10 4) Foi realizado no Posto Fiscal Engenho das Lages, no Município de Santo Antônio do Descoberto, um levantamento das cargas com produtos perigosos, analisando os seguintes dados: tipo de produto, data, origem e destino. Devido à localização estratégica deste Posto Fiscal, na divisa do Estado de Goiás com o Distrito Federal, obtiveramse informações de origem e destino dos veículos transportadores de produtos perigosos, verificando aqueles que passavam no trecho em estudo, contabilizando um total de 196 veículos, entre os dias 15 a 20 de setembro de Com a análise dos questionários aplicados no Posto da Polícia Rodoviária Federal e com os dados obtidos do levantamento no Posto Fiscal, foi possível identificar os tipos de produtos perigosos que trafegam neste trecho e conhecer seus respectivos riscos, o que dará subsídios para a posterior elaboração de planos de emergência. 6. RESULTADOS 6.1. LEVANTAMENTO DE PONTOS CRÍTICOS NO TRECHO ESTUDADO Em vistoria feita na rodovia para identificação dos pontos críticos, foram considerados os segmentos que apresentam maior probabilidade de ocorrência de acidentes. Salientase que todo o trecho em estudo (Km 123 Km 137) atravessa uma área de proteção ambiental e, em breve, atravessará também o lago de abastecimento da Região Metropolitana de Goiânia. Nesse sentido, foram identificados os seguintes pontos críticos: Trechos com traçado sinuoso (Figuras 1 e 2): nesses segmentos, as ultrapassagens imprudentes, os veículos parados e condições de pouca visibilidade podem levar a colisões que, no caso de produtos perigosos apresentam impactos ambientais além das conseqüências danosas de um acidente; Trecho com possibilidade de formação de aquaplanagem (Figuras 3 e 4): nesse segmento, dependendo da intensidade de chuva, ocorre formação de aquaplanagem que, aliada à quantidade de óleos e graxas que vazam dos veículos, colabora para a pista ficar com pouca aderência, tornandose fonte de possíveis acidentes, representados por: derrapagens, choques e capotagens; Sinalização: pôdese perceber que as sinalizações vertical e horizontal são suficientes para passar as informações necessárias quanto á trafegabilidade no trecho. No entanto, não há sinalização advertindo para o fato de se estar passando dentro de uma unidade de conservação ambiental de proteção integral. Notouse, ainda, que algumas placas poderiam estar melhor conservadas; 10

11 Desnível acentuado entre a pista e o acostamento (Figura 5): este desnível bastante acentuado pode ocasionar acidentes; Estado de conservação da pista (Figura 6): o trecho apresenta segmentos com asfalto mal conservado ou com remendos mal feitos, podendo ser a causa de acidentes; Trecho sujeito à ocorrência de queimadas: no período da seca, podem ocorrer queimadas na região do Parque Ecológico. A fumaça provocada pelas queimadas atrapalham a visibilidade dos motoristas, o fogo pode elevar a temperatura da via e produzir faíscas que podem atingir os caminhões e Travessia de animais: neste trecho há circulação (travessia) de animais que habitam o Parque HISTÓRICO DE ACIDENTES Foram coletados, na 1ª Superintendência de Goiás da Polícia Rodoviária Federal, dados sobre os acidentes ocorridos nas rodovias federais deste Estado nos anos de 2000 a Estes dados são importantes para que se possa conhecer as principais causas de acidentes nestas vias, podendo, assim, estabelecer fatores de riscos para o trecho estudado (BR 153/060, do Km 123 ao Km 137). TABELA 1 Acidentes registrados nas Rodovias Federais do Estado de Goiás Causa Velocidade incompatível Ultrapassagem indevida Ingestão de álcool Desobediência à sinalização Falta de atenção Dormir ao volante Defeito mecânico Defeito na pista Outras causas Total ACIDENTES REGISTRADOS POR ANO Total Fonte: 1ª Superintendência de Goiás Polícia Rodoviária Federal PRF O Gráfico 1 detalha a relação das causas dos acidentes registrados pela Polícia Rodoviária Federal entre os anos de 2000 e 2003, nas rodovias federais de Goiás. 11

12 7% 7% Velocidade incompatível Ultrapassagem indevida Desobediência à sinalização Dormindo Ingestão de álcool 4% 2% 24% 22% 25% 4% Falta de atenção Defeito mecânico Defeito na pista Outras causas 5% GRÁFICO 1 Relação dos acidentes registrados nas rodovias federais do estado de Goiás Fonte: 1ª Superintendência de Goiás Polícia Rodoviária Federal A Tabela 2 mostra os acidentes com veículos de carga registrados no trecho em estudo (Km 123 a Km 137) do ano de 2000 a setembro de TABELA 2 Acidentes com veículos de carga registrados nos anos de 2000 a setembro de 2004, no trecho do Km 123 ao Km 137 ANO até setembro de2004 Total ACIDENTES REGISTRADOS Fonte: 1ª Superintendência de Goiás Polícia Rodoviária Federal PRF 6.3. DADOS OBTIDOS A PARTIR DOS QUESTIONÁRIOS Perfil dos Motoristas Foram entrevistados 146 motoristas. A primeira questão analisada foi a idade. Verificouse que 61 motoristas possuíam mais de 45 anos (42%), 14 tinham entre 41 a 45 anos (10%), 25 tinham de 36 a 40 anos (17%), 17 motoristas possuíam entre 31 a 35 anos (12%), 27 tinham de 25 a 30 anos (18%) e apenas 2 motoristas tinham menos que 25 anos de idade (1%). Estes resultados são apresentados no gráfico abaixo. 12

13 1% 18% menos de 25 anos de anos de anos de anos de 41 a 45 anos mais de 45 anos 42% 12% 17% 10% GRÁFICO 2 Idade dos motoristas entrevistados O consumo de bebida alcoólica eleva sobremaneira o risco de acidentes de trânsito. Somente no último ano, foram registrados 27 acidentes (em geral) que tiveram como presumível causa a embriaguez do motorista (PRF, 2004). Por isso, é importante analisar o hábito dos motoristas que transportam substâncias perigosas quanto ao consumo de bebida alcoólica. Dos motoristas entrevistados, 98 afirmaram não fazer uso desse tipo de bebida (67%), nem mesmo quando não estão em serviço. Portanto, apenas 48 motoristas assumiram que têm este hábito (33%). 33% sim não 67% GRÁFICO 3 Motoristas que consomem bebida alcoólica No gráfico 4, temse a relação dos motoristas que fumam. Dos 146 entrevistados, apenas 24 admitiram que fumavam (16%). 16% sim não 84% GRÁFICO 4 Motoristas que fumam Quanto aos cuidados com a saúde, foi perguntado aos motoristas há quanto tempo tinham feito o último exame médico. 103 responderam que haviam feito a última avaliação médica há menos de 1 ano (71%), como revela o Gráfico 5. 13

14 29% menos de 1 ano mais de 1 ano 71% GRÁFICO 5 Tempo decorrido desde o último exame médico Outra questão abordada foi o grau de escolaridade dos motoristas. O gráfico 5 revela que 75 deles cursaram até o primário (52%), 40 estudaram até o ginásio (27%), 29 fizeram o 2º grau (20%) e 2 motoristas tinham curso superior (1%). 27% 52% 1% 20% primário ginásio 2º grau superior GRÁFICO 6 Grau de escolaridade dos motoristas No Gráfico 7, está relacionada a renda dos motoristas. Dos 146 motoristas, 31 (21%) têm renda de até 3 salários mínimos (SM), 91 ganham entre 3 e 6 SM (63%), 13 possuem renda entre 6 e 9 SM (9%), 7 motoristas têm renda entre 9 e 12 SM (5%) e apenas 3 possuem renda acima de 12 SM (2%). 63% 21% 2% 5% 9% até 3 sm de 3 6 sm de 6 9 sm de 9 12 sm acima de 12 sm GRÁFICO 7 Renda dos motoristas, em salários mínimos (SM) Quanto ao tempo de profissão (GRÁFICO 8), constatouse que 12 motoristas trabalham há menos de um ano (8%), 67 trabalham com transporte de produtos perigosos de 1 a 5 anos (46%), 16 motoristas lidam com esse tipo de transporte de 6 a 10 anos (11%), 21 transportam substâncias perigosas de 11 a 15 anos (14%), 16 motoristas, de 16 a 20 anos (11%) e 14 deles têm esta profissão a mais de 20 anos (10%). 14

15 10% 11% 8% 14% menos de 1 ano de 1 5 anos de 6 10 anos de anos de anos acima de 20 anos 46% 11% GRÁFICO 8 Tempo de profissão dos motoristas Gráfico 9 demonstra que, dos 146 motoristas, apenas 7 afirmaram não estarem levando a ficha de emergência (5%). 5% sim não 95% GRÁFICO 9 Motoristas que possuíam ficha de emergência Na ocasião da aplicação dos questionários, foi perguntado sobre o tipo de carga que estava sendo transportada. Dos 146 motoristas entrevistados, 45 transportavam produtos de classe 2 (31%), 79 levavam produtos de classe 3 (54%), apenas 1 motorista transportava substância de classe 5 (1%), 9 caminhões trafegavam contendo produtos de classe 8 (6%) e 11 levavam substâncias de classe 9 (8%). Estes resultados estão apresentados no Gráfico % 54% 8% classe 2 classe 3 classe 5 classe 8 classe 9 6% 1% GRÁFICO 10 Quantidade de veículos transportadores de produtos perigosos, quanto às classes de risco, amostrados na aplicação dos questionários 15

16 6.4. DADOS OBTIDOS NO LEVANTAMENTO REALIZADO NO POSTO FISCAL ENGENHO DAS LAGES Os Gráficos 11 e 12 mostram a relação das cargas com produtos perigosos amostradas no posto fiscal no período de 15 a 20 de setembro de classe 3 classe 2 classe 4 classe /9/ /9/ /9/ /9/ /9/ /9/2004 GRÁFICO 11 Produtos perigosos amostrados no Posto Fiscal entre 15 a 20/09/2004, separados por dia 17% 1% classe 8 classe 3 classe 4 classe 2 1% 81% GRÁFICO 12 Produtos perigosos amostrados no Posto Fiscal entre os dias 15 e 20/09/2004, em porcentagem 7. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 7.1. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE TRÁFEGO DA RODOVIA As condições de tráfego no trecho do Km 123 ao Km 137 da Rodovia BR 153/060 apresentam algumas falhas, tais como: má conservação da pista, pontos com aquaplanagem, trechos com curvas seguidas, enfim, aspectos que aumentam o risco de ocorrência de acidentes. 16

17 As queimadas, freqüentes no período da seca, também exercem influência negativa sobre a trafegabilidade no trecho. Dificultam a visibilidade, além de serem por si mesmas riscos relevantes para o transporte de cargas com produtos perigosos. No último ano, foram contabilizados três focos de incêndios na área do Parque. Todos tiveram seu início às margens da rodovia e duraram vários dias, mesmo com todas as medidas de proteção tomadas pelos responsáveis pela unidade de conservação para evitar as queimadas. Outro ponto importante capaz de ocasionar acidentes corresponde ao fluxo de animais silvestres na rodovia devido ao Parque. Somente no ano de 2003, foram registrados pela Polícia Rodoviária Federal PRF, nas rodovias federais do estado de Goiás, 108 acidentes envolvendo atropelamento de animais. Uma medida que ajudaria na prevenção de acidentes neste trecho seria a colocação de placas advertindo os motoristas sobre a entrada e saída de uma unidade de conservação de proteção integral, de modo que eles fossem obrigados a reduzir a velocidade no trecho ANÁLISE DO HISTÓRICO DE ACIDENTES Considerando velocidade incompatível, ultrapassagem indevida, desobediência à sinalização, dormir ao volante, ingestão de álcool e falta de atenção como falhas humanas, temse que cerca de 64% dos acidentes tem sua origem no motorista (Gráfico 1). Nos quatro anos analisados, houve um total de acidentes registrados (Tabela 1). Destes, envolveram veículos que transportavam carga. Sabese que dos 6.033, 126 veículos carregavam produtos perigosos. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal PRF (2004), somente foram identificadas nos boletins de ocorrência as cargas que sofreram perdas, assim, é possível que mais caminhões com produtos perigosos estiveram envolvidos em acidentes, mas não foram contabilizados como tal porque não houve perda da carga (explosão, derramamento, vazamento, e outros). No trecho de Goiânia a Terezópolis de Goiás (Km 123 a Km 137), foram registrados 136 acidentes com veículos de carga de janeiro de 2000 a setembro de 2004 (Tabela 2), revelando uma média de 2,4 acidentes que envolvem transporte de cargas por mês neste trecho. Destes 136 acidentes, 3 envolveram transportes de produtos perigosos. Possivelmente, houve mais acidentes com esse tipo de transporte, que, no entanto, não foram registrados nos boletins de ocorrência por não ter ocorrido perda da carga. 17

18 7.3. ANÁLISE DOS QUESTIONÁRIOS APLICADOS Como revelam os resultados, 42% dos motoristas entrevistados têm idade superior a 45 anos e apenas 1% possui menos de 25 anos (Gráfico 2). Este fato relacionado com o considerável tempo de profissão, que é, em média, de 9 anos (Gráfico 8), mostra que os motoristas que transportam produtos perigosos são pessoas com certo grau de experiência. No entanto, dados da PRF revelam que em cerca de 26% dos acidentes, em geral, os motoristas possuem mais de 45 anos de idade e que em 38% dos casos têm habilitação há mais de 15 anos. De acordo com o Gráfico 3, 33% dos motoristas consomem bebida alcoólica e somente o fazem quando não estão em serviço. Dirigir sob a influência de álcool, em nível superior a seis decigramas por litro de sangue, ou de qualquer substância entorpecente ou que determine dependência física ou psíquica é considerado infração gravíssima pelo Código Brasileiro de Trânsito. No ano de 2003, foram registrados pela PRF 27 acidentes causados pela ingestão de álcool, envolvendo todos os tipos de veículos, nas rodovias federais do Estado de Goiás. Como pode ser observado no Gráfico 4, 16% dos motoristas fumam. Além de acarretar sérios danos à saúde, este hábito pode trazer prejuízos ambientais maiores, uma vez que podem causar ou aumentar as dimensões de um acidente (causando uma explosão, por exemplo). Segundo a Portaria 204/97 é proibido fumar, durante o manuseio, próximo às embalagens, aos veículos parados ou dentro destes. A preocupação com a saúde deve ser constante para qualquer pessoa, em especial para os motoristas, que, normalmente, trabalham em condições não muito favoráveis. Eles dirigem por longas distâncias, permanecendo muitas horas na mesma posição e estão sujeitos a várias condições adversas: vias mal conservadas, riscos de assaltos, variações atmosféricas, dentre outras. Tudo isso, leva o motorista a dirigir sob tensão e estresse, o que diminui sua capacidade de concentração, e aumenta a vulnerabilidade a acidentes. Visando minimizar estes riscos, muitas empresas estão exigindo exames médicos cada vez mais freqüentes aos seus motoristas. Como revela o Gráfico 5, 71% dos entrevistados haviam realizado a última avaliação médica a menos de um ano. Quanto ao grau de instrução dos motoristas entrevistados (Gráfico 6), percebese que 52% deles fizeram até o primário ou nem chegaram a concluílo. Este dado pode ser alarmante, já que os motoristas que transportam produtos perigosos devem passar por cursos periódicos e devem estar aptos a seguir os procedimentos contidos na ficha de emergência e este baixo nível de instrução pode prejudicar o desempenho destas atividades. 18

19 Dados do IBGE (2001) revelam que cerca de 26% da população brasileira economicamente ativa têm renda entre 1 e 2 salários mínimos e cerca de 10% recebem de 3 a 5 salários mínimos. Entre os motoristas questionados (Gráfico 7), 63% deles disseram ter renda entre 3 e 6 salários mínimos, ficando, portanto, acima da média nacional. Outro ponto importante com relação ao motorista diz respeito à ficha de emergência. Como está demonstrado no Gráfico 9, apenas 5% dos motoristas afirmaram não estarem com a ficha de emergência. Apesar deste baixo índice, a situação é preocupante, uma vez que a ficha de emergência é documento de porte obrigatório e contém informações essenciais quanto aos primeiros procedimentos a serem tomados em caso de acidente. Para que o motorista seja habilitado a transportar produtos perigosos, ele deve fazer um curso sobre movimentação desse tipo de carga e, se aprovado, ele recebe o certificado de capacitação. A partir daí, ele deve ter sempre, em suas viagens, uma carteira que comprova a realização deste curso, que deve ser revalidada de 5 em 5 anos. No entanto, pôdese perceber, em conversas com os motoristas que alguns deles sabiam que estavam levando a ficha de emergência, mas não sabiam qual era a sua utilidade. Assim, o fato de 95% dos motoristas estarem com este documento, não quer dizer que estejam aptos para o transporte de produtos perigosos. Com aplicação dos questionários, foi possível pegar uma amostragem de 146 produtos perigosos que passaram pelo trecho em estudo no período de 13 a 17 de setembro de No Gráfico 10, notase uma predominância de produtos de classe 3 e 2, determinando 85% do total de cargas observadas. Foi verificado na pesquisa que os produtos da classe 2 (31%) foram representados pelos gases GLP (gás liquefeito de petróleo), medicinais e industriais. Enquanto os combustíveis representaram a grande maioria da classe 3 (54%) ANÁLISE DOS DADOS OBTIDOS NO POSTO FISCAL No levantamento realizado no Posto Fiscal Engenho das Lages, foram amostrados 196 veículos transportadores de produtos perigosos do dia 15/09/04 ao dia 20/09/04 (Gráfico 11). No primeiro dia, 42 veículos transportavam substâncias de classe 3 e outros 7 levavam produtos de classe 2. No dia 16/09/04, obtevese a seguinte amostragem: 8 caminhões com produtos perigosos de classe 2, 39 veículos com substância de classe 3 e 1 caminhão com substância de classe 4. No terceiro dia, foram abordados 10 veículos transportadores de produtos da classe 2, 31 caminhões que levavam substância de classe 3 e 1 veículo transportava produtos de classe 8. No dia 18/09/04, foram abordados 34 caminhões transportando produtos perigosos, sendo 8 com 19

20 produtos de classe 2 e 26 motoristas com substâncias de classe 3. No dia 19/09/04, foram amostrados apenas 4 caminhões que transportavam produtos de classe 3. No último dia, foram identificados 19 veículos. Destes, 1 levava substância de classe 2, os outros transportavam produtos de classe 3. Das amostras coletadas no Posto Fiscal uma que chama atenção é a do dia 19/09/04 (domingo). Neste dia foram abordados apenas quatro caminhões trafegando com produtos perigosos de classe 3 (combustíveis). Isso é explicado porque no fim de semana o fluxo de transporte é, normalmente, reduzido. Os dados totais coletados no Posto Fiscal ficaram caracterizados da seguinte forma: 81% de produtos de classe 3, 17% de classe 2, 1% de substâncias de classe 4 e 1% de produtos de classe 8, o que demonstra, novamente, a predominância das classes 2 e 3 (Gráfico 12). Desta vez, essas duas classes juntas contabilizaram 98% do fluxo total de cargas contendo produtos perigosos. Os produtos de classe 3 costumam ser transportados em caminhõestanque, fato que geralmente implica em grande quantidade de produto envolvida, enquanto os da classe 2 normalmente vão em invólucros metálicos, como os cilindros, envolvendo quantidades menores, porém de disseminação mais rápida pelo ambiente. De acordo com o Manual de Emergências (1994), as substâncias da classe 2 são extremamente inflamáveis com o calor, fagulhas ou chamas. Já os produtos da classe 3, além de serem inflamáveis com o calor, fagulhas ou chamas, podem deslocarse até uma fonte de ignição e provocar retrocesso de chamas. 8. CONCLUSÕES O transporte de produtos perigosos no trecho estudado é realizado por motorista com mais de 45 anos, que estudou até o primário ou nem chegou a concluílo, possui uma renda entre 3 e 6 salários mínimos e tem esta profissão, em média, a há 9 anos. Em geral, os motoristas preocupamse com a saúde, não têm o hábito de consumir bebidas alcoólicas, nem de fumar e portam a ficha de emergência. São, portanto, pessoas com plenas condições de manter uma vida saudável, o que não pode ser refletido na redução dos riscos de acidentes, uma vez que 64% deles são causados por falha humana. Das cargas perigosas que trafegam na via em estudo, cerca de 93% são caracterizadas como produtos de classes 2 ou 3. Portanto, os principais riscos, em caso de acidente, são de incêndio e explosão. 20

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Introdução O transporte de produtos perigosos é um caso particular do transporte de mercadorias numa cadeia de fornecimento. Durante esta atividade, vários fatores

Leia mais

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Carga horária: 50 (cinqüenta) horas aula Requisitos para matrícula Ser maior de 21 anos; Estar habilitado em uma das categorias B,

Leia mais

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL A: Tel:( ) Em caso de emergência somente: ( ) Fax: ( )...ou (...)... Correio eletrônico: Internet: http://www. De: Nome:

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

Produtos perigosos. IDENTIFIQUE O PRODUTO - Consulte os painéis de segurança, rótulos de risco, nota fiscal e as páginas amarelas do manual.

Produtos perigosos. IDENTIFIQUE O PRODUTO - Consulte os painéis de segurança, rótulos de risco, nota fiscal e as páginas amarelas do manual. Produtos perigosos Mauricio Vidal de Carvalho Todos que atuam em medicina pré-hospitalar, resgate e salvamento sabem que a avaliação da cena é a primeira e fundamental regra do atendimento. Todo atendimento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais.

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais. 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-012 PLANO DE AÇÃO EMERGENCIAL PARA ACIDENTES ENVOLVENDO O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

BASE NORMATIVA. Normas Brasileiras para o Transporte Terrestre de Produtos Perigosos

BASE NORMATIVA. Normas Brasileiras para o Transporte Terrestre de Produtos Perigosos PRODUTOS PERIGOSOS Geraldo André Thurler Fontoura ABNT/CB-16 Comitê Brasileiro de Transportes e Tráfego Comissão de Estudos de Transporte Comissão de Estudos de Transporte 11 Normas Publicadas Reuniões

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO

TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO ÍCARO LOGÍSTICA AMBIENTAL QUÍMICO ORION DE VARGAS FLORES TELEFONE COMERCIAL: 51-3051-7544 TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 51-9918-9135 icaroamb@cpovo.net orion.phoenix@terra.com.br

Leia mais

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS Introdução Este documento é um guia orientativo aos associados da Abmaco que desejem efetuar a disposição adequada de tambores e embalagens de resina poliéster

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015 Instrução Técnica nº 26/2011 - Sistema fixo de gases para combate a incêndio 645 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS?

O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? É o deslocamento de produtos perigosos de um lado para outro com técnicas e cuidados especiais. Os explosivos, os gases, líquidos e sólidos inflamáveis, substâncias

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. SÚMULA: Dispõe sobre a Produção, o Armazenamento e o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Paraná e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº. SÚMULA: Dispõe sobre a Produção, o Armazenamento e o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Paraná e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº SÚMULA: Dispõe sobre a Produção, o Armazenamento e o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Paraná e dá outras providências. Art. 1º - As operações de transporte e armazenamento

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

CAPÍTULO IX DO TRANSPORTE DE PRODUTOS E/OU RESÍDUOS PERIGOSOS

CAPÍTULO IX DO TRANSPORTE DE PRODUTOS E/OU RESÍDUOS PERIGOSOS CAPÍTULO IX DO TRANSPORTE DE PRODUTOS E/OU RESÍDUOS PERIGOSOS Art. 69 O transporte de produtos e/ou resíduos perigosos no Município obedecerá ao disposto na legislação federal, do e ao disposto neste Código.

Leia mais

PREENCHA CORRETAMENTE A FICHA DE EMERGÊNCIA E ENVELOPE PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

PREENCHA CORRETAMENTE A FICHA DE EMERGÊNCIA E ENVELOPE PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PREENCHA CORRETAMENTE A FICHA DE EMERGÊNCIA E ENVELOPE PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS As exigências para o transporte de produtos perigosos são estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

Disciplina: TCEP Transporte de Carga Especial e Perigosa

Disciplina: TCEP Transporte de Carga Especial e Perigosa Disciplina: TCEP Transporte de Carga Especial e Perigosa DEFINIÇÃO DE CARGA PERIGOSA Aquela que, por causa de sua natureza, pode provocar acidentes, danificar outras cargas ou os meios de transporte ou,

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos

Agência Nacional de Transportes Terrestres REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos Rio de Janeiro, 09 de outubro de 2007 Base legal: Lei Nº 10.233, de 5/6/2001 art.22, inciso VII,

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o licenciamento ambiental das atividades de transporte rodoviário de produtos perigosos (exceto os das classes 1 e 7 da Resolução ANTT 42) que circulam apenas no

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE São Paulo Setembro de 2004 11 Set/2001 Torres

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CAMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Ricardo Izar) Dispõe sobre a adoção de medidas que assegurem a circulação segura de animais silvestres no território nacional, com a redução de acidentes

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Ainda em novembro, divulgamos informativo ressaltando a importância dos equipamentos de segurança no transporte de produtos perigosos. Alguns associados

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS 1. Introdução Por Edson Haddad, Ricardo Serpa e Rodolfo Arias As atividades que

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) BORRACHA NATURAL SVR 3L Página 1 de 5

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) BORRACHA NATURAL SVR 3L Página 1 de 5 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Borracha Natural SVR 3L Empresa: Kalium Chemical Com. Import. E Export. Ltda Matriz: Av. das Nações Unidas, 10.989 Conj. 141-14º andar Parte

Leia mais

LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências.

LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. JAIR SOARES, Governador do Estado do Rio Grande do Sul. Faço

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS 1) O que são produtos perigosos? São substâncias encontradas na natureza ou produzidas por qualquer processo que coloquem em risco a segurança

Leia mais

Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências.

Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências. LEI Nº 7.877, de 28 de Dezembro de 1983 Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências. Jair Soares, Governador do Estado do Rio Grande do Sul. Faço

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: IBAMA Data: 8 de agosto de 2002 Versão Limpa 2 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO 06/12/05 Processos n 02001.001037/02-98

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR

Nome do produto: BIOAGLOPAR Data da última revisão: 09/02/2011 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar NCM: 3905.21.00 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.002 - Nome da empresa:

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EXIGÊNCIAS

TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EXIGÊNCIAS CONDUTOR VEÍCULO CARGA TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EIGÊNCIAS CNH Carteira Nacional de Habilitação Comprovante de Curso Específico MOPP (Certificado) CRLV Certificado de Registro e Licenciamento

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 FISPQ NRº. 005 1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Bicarbonato de Sódio Nome Comercial : Estabilizador de ph Sinônimo: Bicarbonato Ácido de Sódio N CAS: 144-55-8 Nome da Empresa:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO DEFINIÇÕES MERCADORIA: qualquer produto que seja objeto do comércio CARGA: qualquer mercadoria entregue a terceiros para: - ser transportada - ser armazenada

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso ÍNDICE 1. Introdução 5 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso 6 2.1 O que é Produto Perigoso? 6 2.2 Conceito de Risco x Perigo 6 2.3 Classe de Risco e número ONU 7 2.4 Exigências aplicáveis 8 2.4.1

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO: 09/08/2013 1/7 FISPQ NRº. 022 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. - Nome do Produto: Ortotolidina - Solução - Nome Comercial: Solução

Leia mais

GRUPO ATR. Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos. Eng. Quím. Lisiane Sberse

GRUPO ATR. Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos. Eng. Quím. Lisiane Sberse GRUPO ATR Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Eng. Quím. Lisiane Sberse Março/2009 Introdução O transporte de produtos perigosos é uma atividade que apresenta

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: CEVAC S Gallinarum CNN Laboratório Veterinário Ltda Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Nome do Distribuidor

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET Data da última revisão: 17/04/2014 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar PET NCM: 3209.10.20 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.004 - Nome da

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para fiscalização da velocidade de veículos automotores, elétricos, reboques e semi-reboques, conforme o Código de Trânsito

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM PÓ (Limão, Pinho, Clássico, Lavanda, Bouquet e Laranja)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM PÓ (Limão, Pinho, Clássico, Lavanda, Bouquet e Laranja) Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Sapólio Radium Pó Códigos Internos: Limão: 14001 / 14017 Pinho: 14005 / 14018 Clássico: 14033 Lavanda: 14031 Bouquet: 14030 Laranja: 14032

Leia mais

MULTI USO TRADICIONAL

MULTI USO TRADICIONAL Pag. 1 de 6 SEÇÃO 1.0 INFORMAÇÕES DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto : Identificação da Empresa: VALÊNCIA IND. E COMÉRCIO DE MATERIAIS DE LIMPEZA LTDA. ENDEREÇO: Rua Soldado Arlindo Sardanha,11.Parque

Leia mais

Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS

Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS SÃO LUÍS MA 2014 ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ENSINO Andreia Vasconcelos

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL Sistema Integrado de Licenciamento - SIL CERTIFICADO DE LICENCIAMENTO INTEGRADO SECRETARIA ESTADUAL DE GESTÃO PÚBLICA Prefeitura do Município de Tatuí Governo do Estado de São Paulo É importante saber

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

Movimentação de Produto Perigoso. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Movimentação de Produto Perigoso. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Movimentação de Produto Perigoso Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Carga Perigosa Qualquer carga que apresente risco, mesmo não contendo produtos perigosos. Ex: Caminhão de

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do produto: DENVER CAMADA SEPARADORA Nome da empresa: Denver Impermeabilizantes Indústria e Comércio Ltda. Endereço: Rua Ver. João Batista Fitipaldi,

Leia mais

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013 Elaboração de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos químicos (FDSR) e rotulagem (ABNT-NBR 16725) Resíduos perigosos: classificação (ABNT- NBR 10004 e transporte) Prof. Carlos E. Matos Maio - 2013 FISPQ

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA ARTIGO REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS O EXCESSO DE REGULAMENTAÇÃO CONTRIBUI EFETIVAMENTE PARA A REDUÇÃO DOS ACIDENTES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? Autor: Eng. Giovanni

Leia mais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais 1801 a) Preto: Líquidos inflamáveis e combustíveis; b) Amarelo: Gás não liquefeito (ex: gás natural); c) Azul: Ar comprimido; d) Verde: Mangueiras de oxigênio (solda oxiacetilênica) e água industrial;

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO UT-X FE POWDER CÓDIGO FISPQ-1616 REVISÃO 0 EMISSÃO 14/08/2012 APROVAÇÃO 14/08/2012 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS Gustavo Eccard Especialista em Regulação Portos, Saúde e Meio Ambiente Cargas Perigosas nos Portos Gustavo Henrique de Araújo Eccard Sumário 1. ANTAQ 2. Visão Integrada de Gerenciamento

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

III Seminário Transporte de Derivados de Petróleo

III Seminário Transporte de Derivados de Petróleo III Seminário Transporte de Derivados de Petróleo Principais Alterações Introduzidas na Regulamentação para o Transporte de Produtos Perigosos (Resoluções ANTT Nº 420 e 3.665) Paulo de Tarso Martins Gomes

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: APROMAC Data: 01/03/2006 Versão Limpa 5 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO 26 e 26 e 27/10/06 Processos n 02001.001037/02-98

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

SABONETE ANTI-SÉPTICO MAZA

SABONETE ANTI-SÉPTICO MAZA SABONETE ANTI-SÉPTICO MAZA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO QUÍMICO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Sabonete Anti-séptico Maza Nome da Empresa: Maza 2000 Comércio e Indústria Ltda Endereço da Indústria: Via

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno: Empresa: FLEXOTOM INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS QUÍMICOS PARA CONSTRUÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, está em

O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, está em O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, está em nosso cotidiano, com frequência muito acima do desejável, a ocorrência de acidentes envolvendo

Leia mais

Entupimento em Bicos Queimadores O produto SAFE 405 mantém os bicos queimadores sempre limpos, evitando entupimentos indesejados.

Entupimento em Bicos Queimadores O produto SAFE 405 mantém os bicos queimadores sempre limpos, evitando entupimentos indesejados. JohnsonDiversey SAFE 405 Aditivo para óleos combustíveis. Anti-corrosivo Evita o processo corrosivo em tanques de armazenagem de óleo tipo BPF. Com a melhora da queima do combustível, reduz a quantidade

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco

Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2004 Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco 1

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 348, DE 2007 (MENSAGEM N o 437, de 2006) Aprova o texto consolidado da Convenção Internacional para a Prevenção

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINPLUS 400-N Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINPLUS 400-N Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 Avaliação de Desempenho Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 A série de normas NBR ISO 14000 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DESEMPENHO AMBIENTAL 14001:2004 e 14004:2005 14031:2004 (Versão corrigida

Leia mais

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Procedimentos Instrução

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Limpa ar condicionado Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116 km

Leia mais