GUIA DE BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS EMPRESARIAIS IV - BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS EMPRESARIAIS 15

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DE BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS EMPRESARIAIS IV - BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS EMPRESARIAIS 15"

Transcrição

1

2

3 Índice GUIA DE BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS EMPRESARIAIS I INTRODUÇÃO 3 II - NOTAS METODOLÓGICAS 9 III CONCEITOS 11 IV - BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS EMPRESARIAIS Consumo de Água Recuperação e Utilização de Águas de Processos Recuperação e Utilização de Águas Pluviais Levantamento e Auditoria Energética Biomassa Como Fonte de Energia Produção de Energia Por Cogeração Iluminação Industrial Selecção de Materiais e Produtos Químicos Utilização de Materiais e Produtos Químicos Prevenção e Controlo do Ruído Ambiental Prevenção e Controlo do Ruído Ocupacional Monitorização de Efluentes Gasosos Tratamento de Efluentes Gasosos Ventilação das Instalações Tratamento de Compostos Orgânicos Tratamento de Aerossóis Fluídos de Refrigeração e Camada de Ozono Monitorização de Efluentes Líquidos Tratamento de Efluentes Líquidos Pré-tratamento de Efluentes Líquidos Tratamento Completo Individual de Efluentes Líquidos Efluentes Líquidos em Obras Separação Selectiva de Resíduos Armazenagem/Identificação de Resíduos Triagem de Resíduos em Obra Redução de Volume de Resíduos Secagem de Resíduos Valorização Interna de Papel Recuperação de Solventes Remoção de Hidrocarbonetos Valorização Orgânica de Resíduos Gestão de Riscos Sinalização e Segurança Contenção e Controlo de Derrames Resposta a Pequenos Derrames Resposta a Grandes Derrames Treino e Simulacros de Acidentes Sistema de Gestão Ambiental Sistemas de Gestão Integrada Comunicar o Desempenho Ambiental Política de Actuação Responsável Apoio Social Apoio Recreativo Apoio Médico Actuação Responsável 105 Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais

4

5 I - Introdução A fundamentação do modelo de elaboração do Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais expressa a necessidade da gestão ambiental e de uma actuação responsável se tornarem partes integrantes do desenvolvimento socio-económico empresarial. Neste contexto, destacam-se algumas recomendações do relatório 1998/99, publicado pelo Banco Mundial sob o título Knowledge for Development : i.) Identificar as fontes de degradação ambiental e os impactos que provocam, bem como quantificar os custos associados à sua redução; ii.) Melhorar a regulamentação pública e as estratégias privadas com base no conhecimento sobre o ambiente; iii.) Valorizar a informação sobre o ambiente por forma a integrar preocupações ambientais nas políticas públicas e melhorar a gestão ambiental e de responsabilidade social das actividades privadas. De um ponto de vista estritamente científico, trata-se de uma área de investigação que tem como base o estudo multidisciplinar dos sistemas industriais e económicos e as suas relações com os sistemas naturais (Côte, 2004). Esta nova disciplina do conhecimento científico, que se tem vindo a desenvolver nos últimos anos por forma a auxiliar as empresas a crescer de uma forma equilibrada, é designada por Ecologia Industrial a ciência do desenvolvimento sustentado (Cohen-Rosenthal, 2003; Graedel, 2000; Allenby, 1992). É neste contexto que surgem ferramentas de gestão ambiental e de responsabilidade social, sendo exemplos as metodologias que recorrem à normalização, como são as Normas da série ISO 14000, o Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria (EMAS) ou a Norma SA Estes modelos pretendem fornecer linhas de orientação às empresas para a prevenção e controlo dos impactes ambientais causados pelas suas actividades e de gestão da responsabilidade social, que possam ser integrados com outros requisitos mensuráveis de gestão da empresa, a fim de a ajudar a atingir objectivos ambientais e económicos, garantindo-se num mesmo nível de exigência a responsabilidade social da organização (WBCSD, 2000). Ou seja, estaremos perante uma empresa Eco-Eficiente. As empresas são assim um dos veículos para alcançar aquele desenvolvimento que procura optimizar as relações entre interesses ambientais, económicos e sociais. O Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais pretende ser uma contribuição para a melhoria do desempenho ambiental e da responsabilidade social das empresas, apresentando exemplos reais de práticas implementadas e mantidas em PME s da Região Norte de Portugal, de diferentes sectores de actividade, que foram objecto de Casos de Estudo no âmbito do projecto EcoPME promovido pela UERN (União da Associações Empresariais da Região Norte) e apoiado pelo ON, Programa Operacional da Região Norte da CCR-N (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional Norte). Existirão certamente outros exemplos de boas práticas ambientais empresariais dos sectores apresentados, Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 3

6 I - Introdução igualmente relevantes, que não estão contemplados neste Guia, mas que poderão ser também descritas pelo método desenvolvido neste projecto e ficarem devidamente documentadas nas respectivas empresas, desafio que a equipa de investigadores deixa aos utilizadores deste Guia. Este Guia pretende traduzir o estado actual das boas práticas nas empresas estudadas. Contudo, com os avanços do estado do conhecimento científico, de tecnologias disponíveis e de requisitos legais aplicáveis será de prever uma evolução num sentido de melhoria, pelo que se tornará adequada uma revisão periódica das características de cada boa prática. Uma elevada transparência, cordialidade, credibilidade e desempenho são aspectos determinantes nas PME s casos de estudo, que a equipa de investigadores desde já regista como exemplos a serem seguidos. As PME s casos de estudo revelaram a implementação e manutenção de boas práticas empresariais em diversas actividades, produtos e serviços realizados, que se podem repartir em dois níveis: boas práticas organizacionais e boas práticas operacionais, contribuindo nas respectivas medidas para o desempenho global da empresa, quer no domínio económico, quer no comportamento ambiental, quer na respectiva actuação em termos de responsabilidade social. Mais do que uma listagem de boas práticas identificadas ou uma descrição intensiva ou extensiva de cada boa prática, pretendeu-se sobretudo a apresentação de informação relevante, que funcione como ponto de partida e como um instrumento que promova e seja catalisador de boas práticas para melhorar o desempenho das empresas. Confirmado pelos vários responsáveis das empresas, verificou-se que os registos de imagens e elementos gráficos para apoio à apresentação das boas práticas são fundamentais no processo de caracterização correspondente e demonstração da sua aplicabilidade. Para mais informações sobre os relatórios individuais de intervenção em cada PME e o projecto EcoPME, poderá ser consultado o sítio: Constatou-se que nas PME s casos de estudo existem boas práticas empresariais relevantes, cuja concepção, implementação e manutenção variam significativamente, quer quanto ao tipo de boa prática, quer quanto aos resultados obtidos e meios requeridos, traduzidos nos indicadores aplicados para a sua caracterização. Existem boas práticas intrínsecas à natureza própria da actividade da empresa, cujos princípios, forma de implementação e manutenção poderão ser exemplos para empresas do mesmo sector e menos aplicáveis a outros sectores de actividades. Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 4

7 I - Introdução Em algumas situações, face a um mesmo aspecto ambiental, verificou-se que existem boas práticas com formas de actuação diferente, que expressam também várias possibilidades de abordagem, em função, por exemplo, dos recursos da empresa, o que tornará muito interessante a avaliação por parte de outras empresas dos processos mais apropriados de incrementação de práticas diferentes mas eficazes. Existem boas práticas muito simples que revelam um sentido de inovação e pragmatismo elevados, não necessariamente tecnológicos, mas também de grande objectividade e aplicabilidade. São exemplos as soluções evidenciadas para sinalização e armazenamento de produtos químicos ou resíduos, divulgação de actividades ambientais, prevenção e resposta a pequenos derrames ou sensibilização para a poupança de energia. É uma clara demonstração que a inovação e o desenvolvimento não se fazem apenas através de opções tecnológicas. Existem boas práticas que demonstram um esforço significativo da empresa para a sua implementação e manutenção, como são exemplos a produção de energia por cogeração, tratamento completo e recuperação de efluentes líquidos, tratamento de efluentes gasosos ou preparação e resposta a acidentes graves. Constatou-se que todas as PME s têm em comum às boas práticas analisadas três princípios fundamentais orientadores das respectivas políticas ambientais: prevenção da poluição, cumprimento de requisitos legais e melhoria do seu desempenho. São ainda comuns a todas as PME s, também, três aspectos horizontais às boas práticas empresariais: consideração das melhores tecnologias disponíveis quando economicamente viáveis, consideração das melhores opções praticáveis e aplicação de procedimentos de medição e verificação para confirmação da adequabilidade e fiabilidade da boa prática. As PME s Casos de Estudo que fundamentaram a elaboração deste Guia são: EMPRESA DISTRITO SECTOR CITRUP - Centro Integrado de Resíduos Lda Porto Ambiente COMPORTO - Sociedade de Construções Lda Porto Construção FEHST - Componentes Lda Braga Plástico Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 5

8 I - Introdução EMPRESA DISTRITO SECTOR HIDROFER Fábrica de Algodão Hidrófilo Lda Braga Têxtil MABERA - Acabamentos Têxteis S.A. Braga Têxtil MELO & SOARES Lda Aveiro Borracha MEXÓTICA - Madeiras Exóticas S.A. Porto Madeira PETROTEC - Assistência Técnica ao Ramo Petrolífero S.A. Braga Fabrico de máquinas TN - Transportes M. Simões Nogueira, S.A. Braga Transportes UCHIYAMA PORTUGAL - Vedantes Lda Viana do Castelo Automóvel A equipa de investigadores manifesta o seu agradecimento a todos os colaboradores das PME s que directa ou indirectamente contribuíram para a realização deste trabalho, sem os quais não teria sido possível a sua conclusão no prazo pretendido. O Coordenador da Equipa de Investigadores (António Ragageles Valente, Ph.D.) IDITE-Minho Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica do Minho Do Projecto EcoPME, a equipa de investigadores: António Alves Sanfins António Ragageles Valente Cláudia Pinto Martins Lisete Rito Gaspar Maria José Pires Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 6

9 I - Introdução Referências: Allenby, B. (1992) Achieving Sustainable Development Through Industrial Ecology, International Environmental Affairs 4, no.1. Cohen-Rosenthal, E. (2003) What is eco-industrial development?, 15-29, Greenleaf Pub. Côte, R. (2004) The Burnside ecosystem model. Eco-Industrial Advantage, EIDC, V4, N1. Graedel, T. E. (2000) "The evolution of industrial ecology". Environmental Science & Technology, 1,1, 28A - 31A. WB (1999) Knowledge for Development. The World Bank Environment Department. WBCSD (2000) Measuring Eco-Efficiency. World Business Council for Sustainable Development. Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 7

10 8

11 II - Notas Metodológicas U m dos objectivos do projecto EcoPME consistiu na localização de boas práticas ambientais empresariais em PME s da região norte de Portugal, de diferentes sectores de actividade, para o desenvolvimento de casos de estudo, de modo a promover a sua disseminação junto do tecido empresarial regional e organizações na sua envolvente. Dando cumprimento aos requisitos estabelecidos no Guião Metodológico Para a Selecção e Desenvolvimento de Casos de Estudo de Boas Práticas Ambientais Empresariais do projecto EcoPME, foi constituída uma amostra de dez PME s, de acordo com os critérios previamente definidos neste documento, nas quais se incrementaram as respectivas intervenções, desenvolvidas por uma equipa de investigadores formada especificamente para o efeito. Das intervenções resultou um relatório individualizado por empresa, estruturado e sustentado igualmente no documento de referência do projecto. Cada relatório pretendeu traduzir de forma reflectida e objectiva os descritores analisados no modelo de intervenção e as principais evidências conclusivas dos casos de estudo. O Guião Metodológico e os relatórios individuais encontram-se disponíveis para consulta no sítio: O Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais é a integração ponderada pela equipa de investigadores das boas práticas localizadas nas PME s casos de estudo e pretende reflectir não apenas a visão da equipa de trabalho, como, sobretudo, o saber experimentado dos responsáveis das empresas com quem se desenvolveu todo este processo. Neste projecto entende-se que uma Boa Prática Ambiental Empresarial é a expressão de acções planeadas de prevenção, acompanhamento e controlo de aspectos ambientais da empresa, com efeitos sociais responsáveis e economicamente viáveis. Para se evitarem diferentes formas de apresentação da boa prática ou eventuais descrições exaustivas e complexas, os investigadores utilizaram um modelo prédefinido para a sua apresentação individualizada com as necessárias adaptações inerentes a cada área temática, de modo a que a boa prática seja rapidamente percebida e interpretada pelo potencial utilizador, acessível e de fácil consulta. Os indicadores utilizados para a caracterização da boa prática são qualitativos e resultam da variação ponderada dos indicadores individuais manifestados por cada empresa para a respectiva boa prática, pois por exemplo o que para uma empresa poderá ser um investimento médio, para outra empresa, e para a mesma boa prática, o investimento já poderá ser considerado elevado. Todo este processo constituiu igualmente um exercício de objectividade e capacidade de síntese para os investigadores. Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 9

12 II - Notas Metodológicas Por uma questão de organização do Guia, as boas práticas estão numeradas e são apresentadas em torno de áreas temáticas com uma indicação gráfica associada, sem qualquer prioridade ou importância pré-estabelecidas. Existem boas práticas que se poderão conjugar entre si e poderiam situar-se em mais do que uma área temática. A cada boa prática, identificaram-se, sempre que aplicável, os principais requisitos legais em vigor ao momento da redacção deste Guia. A indicação gráfica associada a cada área temática é apresentada a seguir: Símbolo Área Temática Utilização de Água E=MC 2 Energia Materiais e Produtos Químicos Ruído Ar Águas Residuais Resíduos Segurança Actuação Responsável Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 10

13 III - Conceitos Neste trabalho adoptaram-se as seguintes definições e conceitos principais: Acidente: um acontecimento não planeado no qual a acção ou a reacção de um objecto, substância, indivíduo ou radiação, resulta num dano pessoal, ambiental, material ou na probabilidade de tal ocorrência. Águas residuais domésticas: as águas residuais de serviços e de instalações residenciais, essencialmente provenientes do metabolismo humano e de actividades domésticas. Águas residuais industriais: as águas residuais provenientes de qualquer tipo de actividade que não possam ser classificadas como águas residuais domésticas nem sejam águas pluviais. Ambiente: a envolvente na qual a empresa opera, incuindo o ar, a água, o solo, os recursos naturais, a fauna, a flora, os seres humanos, e as suas inter-relações. Armazenagem: a deposição temporária e controlada, por prazo determinado, de resíduos antes do seu tratamento, valorização ou eliminação. Aspecto ambiental: elemento das actividades, produtos ou serviços da empresa que pode interagir com o ambiente. Aterro: uma instalação de eliminação para a deposição de resíduos acima ou abaixo da superfície natural, nos termos definidos pelo Decreto Lei nº152/2002 de 23/05. Detentor: qualquer pessoa, singular ou colectiva, incluindo o produtor, que tenha resíduos na sua posse. Desenvolvimento Sustentável: o desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades. Eco-Eficiência: a estratégia de actuação conducente ao fornecimento de bens e serviços competitivos que satisfaçam as necessidades humanas e que, em simultâneo e progressivamente, reduzam os impactes ambientais e a intensidade de recursos ao longo do ciclo de vida dos produtos para Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 11

14 III - Conceitos um nível de conformidade com a capacidade receptora do planeta em sintonia com o objectivo do desenvolvimento sustentável. Eliminação: as operações que visem dar um destino final adequado aos poluentes, no caso de resíduos de acordo com o Anexo III da Portaria nº209/2004 de 3 de Março. Embalagem: todos e quaisquer produtos feitos de materiais de qualquer natureza utilizados para conter, proteger, movimentar, manusear, entregar e apresentar mercadorias, tanto matérias-primas como produtos transformados. Gestão de resíduos: as operações de recolha, transporte, armazenagem, tratamento, reciclagem, valorização e eliminação de resíduos. Impacto ambiental: qualquer alteração do ambiente, adversa ou benéfica, total ou parcialmente resultante das actividades, produtos ou serviços da empresa. Melhores Tecnologias Disponíveis (MTD s): as técnicas utilizadas no processo produtivo, bem como a forma como uma instalação é projectada, construída, explorada, conservada e desactivada, desenvolvidas a uma escala industrial num dado sector, em condições técnica e economicamente viáveis, que permitam alcançar um nível elevado de segurança, de protecção do ambiente e de eficiência energética, como resultado do exercício das actividades industriais. Parte interessada: um indivíduo ou grupo, incluindo as autoridades, interessado ou afectado pelo comportamento da empresa. PME: a categoria das micro, pequenas e médias empresas (PME) é constituída por empresas que empregam menos de 250 pessoas e cujo volume de negócios anual não excede 50 milhões de euros ou cujo balanço total anual não excede 43 milhões de euros. Política ambiental: o conjunto de intenções e de orientações gerais da empresa, relacionadas com o seu desempenho ambiental, subscritas pela gestão de topo. Poluentes: substâncias ou energia que exerçam uma acção nociva, susceptível de pôr em risco a saúde humana, de causar danos aos recursos biológicos e aos ecossistemas, de deteriorar os bens materiais e Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 12

15 III - Conceitos de ameaçar ou prejudicar o valor recreativo ou outras utilizações legítimas do ambiente. Prevenção da poluição: utilização de processos, práticas, técnicas, materiais, produtos, serviços ou energia para evitar, reduzir ou controlar (separadamente ou em combinação) a produção, emissão ou descarga de qualquer tipo de poluente, com vista à redução dos impactos ambientais adversos. Produtor de resíduos: qualquer pessoa, singular ou colectiva, cuja actividade produza resíduos ou que efectue operações de tratamento, de mistura ou outras que alterem a natureza ou composição de resíduos. Reciclagem: as operações de valorização que visem o reprocessamento de poluentes num processo de produção, para o fim inicial ou para outros fins, excluindo a valorização energética. Resíduos: quaisquer substância ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem intenção ou obrigação de se desfazer, nomeadamente os identificados na Lista Europeia de Resíduos (LER) ou no Decreto-Lei nº178/2006 de 5 de Setembro. Resíduos de embalagens: qualquer embalagem ou material de embalagem abrangido pela definição de resíduo adoptada na legislação em vigor aplicável nesta matéria, excluindo os resíduos de produção. Resíduos industriais: os resíduos que resultem das actividades da empresa, que são equiparados a resíduos industriais, de acordo com o Decreto-Lei nº178/2006 de 5 de Setembro. Resíduos perigosos: os resíduos que apresentem pelo menos uma característica de perigosidade para a saúde ou para o ambiente, em conformidade com a Lista de Resíduos Perigosos (LER). Resíduos urbanos: os resíduos produzidos na empresa que, pela sua natureza ou composição, sejam semelhantes aos resíduos provenientes das habitações. Responsabilidade social da empresa: a integração voluntária de preocupações sociais e ambientais por parte da empresa nas suas operações e na sua interacção com outras partes interessadas e comunidades locais. Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 13

16 III - Conceitos Reutilização: a recuperação (reintrodução), em utilização análoga e sem alterações, de substâncias, objectos ou produtos nas actividades da empresa, por forma a evitar a produção de poluentes. Ruído: estímulo sonoro sem conteúdo informativo para o auditor, que lhe é desagradável ou que o pode traumatizar. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): a parte de um sistema de gestão da empresa utilizada para desenvolver e implementar a sua política ambiental e gerir os seus aspectos ambientais. Tratamento: quaisquer processos manuais, mecânicos, físicos, químicos ou biológicos que alterem as características de poluentes, por forma a reduzir o seu volume ou perigosidade, bem como facilitar a sua movimentação, valorização ou eliminação. Valorização: as operações que visem o reaproveitamento de poluentes, no caso de resíduos de acordo com o Anexo III da Portaria nº209/2004 de 3 de Março. Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 14

17 IV - Boas Práticas Ambientais Empresariais Área Temática Boa Prática Ambiental Empresarial Utilização de Água # 01 - Consumo de Água # 02 - Recuperação e Utilização de Águas de Processos # 03 - Recuperação e Utilização de Águas Pluviais E=MC 2 Energia # 04 - Levantamento e Auditoria Energética # 05 - Biomassa Como Fonte de Energia # 06 - Produção de Energia Por Cogeração # 07 - Iluminação Industrial Materiais e Produtos Químicos # 08 - Selecção de Materiais e Produtos Químicos # 09 - Utilização de Materiais e Produtos Químicos Ruído # 10 - Prevenção e Controlo do Ruído Ambiental # 11 - Prevenção e Controlo do Ruído Ocupacional Ar # 12 - Monitorização de Efluentes Gasosos # 13 - Tratamento de Efluentes Gasosos # 14 - Ventilação das Instalações # 15 - Tratamento de Compostos Orgânicos # 16 - Tratamento de Aerossóis # 17 - Fluídos de Refrigeração e Camada de Ozono Águas Residuais # 18 - Monitorização de Efluentes Líquidos # 19 - Tratamento de Efluentes Líquidos # 20 - Pré-tratamento de Efluentes Líquidos # 21 - Tratamento Completo Individual de Efluentes Líquidos # 22 - Efluentes Líquidos em Obras Resíduos # 23 - Separação Selectiva de Resíduos # 24 - Armazenagem/Identificação de Resíduos # 25 - Triagem de Resíduos em Obra # 26 - Redução de Volume de Resíduos # 27 - Secagem de Resíduos # 28 - Valorização Interna de Papel # 29 - Recuperação de Solventes # 30 - Remoção de Hidrocarbonetos # 31 - Valorização Orgânica de Resíduos Segurança # 32 - Gestão de Riscos # 33 - Sinalização e Segurança # 34 - Contenção e Controlo de Derrames # 35 - Resposta a Pequenos Derrames # 36 - Resposta a Grandes Derrames # 37 - Treino e Simulacros de Acidentes Actuação Responsável # 38 - Sistema de Gestão Ambiental # 39 - Sistemas de Gestão Integrada # 40 - Comunicar o Desempenho Ambiental # 41 - Política de Actuação Responsável # 42 - Apoio Social # 43 - Apoio Recreativo # 44 - Apoio Médico # 45 - Actuação Responsável Guia de Boas Práticas Ambientais Empresariais 15

18 16

19 01 Consumo de água MOTIVAÇÃO / PRINCÍPIO: Controlar os consumos de água na empresa. Reduzir a utilização de recursos hídricos e acompanhamento dos respectivos volumes consumidos, tempos de utilização e identificando eventuais fugas, perdas ou uso deficiente. BOAS PRÁTICAS / SOLUÇÕES TÉCNICAS: Instalação de rede de abastecimento de água com identificação de condutas por cores e facilidade de acesso para manutenção. Instalação de contadores de água e registos de consumo geral e consumos por sectores. Realização periódica de testes de fuga (por exemplo registar o valor do contador geral no início de um fim de semana em que não se consuma água na empresa e verificar o valor no início da semana seguinte) e manutenção preventiva do equipamento. Instalação de redutores de pressão para optimizar os consumos e evitar o desgaste prematuro de equipamentos. Instalação de temporizadores, mitigadores e limitadores de consumo de água (torneiras e mangueiras). Divulgação de regras simples para poupança de água. ESTUDOS / PROJECTOS / PLANEAMENTO: A realização de um levantamento da rede de abastecimento de água, fontes disponíveis (abastecimento público, captações superficiais e subterrâneas, pluviais, águas de processos), equipamentos consumidores e qualidade requerida em função da utlização pretendida, permite identificar alternativas nas necessidades e forma de gestão do consumo de água na empresa. MANUTENÇÃO / MONITORIZAÇÃO: O registo e análise dos consumos de água na empresa, a manutenção preventiva do equipamento e um correcto uso da qualidade da água em função da respectiva utilização, permitem reduzir o consumo de água a longo prazo. A manutenção preventiva de equipamentos controladores dos consumos de água é semelhante aos equipamentos clássicos. A monitorização da qualidade da água deverá ser realizada em função da origem do recurso hídrico e da utilização pretendida, podendo ter de respeitar requisitos legais aplicáveis. Contadores de água. Consumo de água com qualidade adequada apenas ao tipo de utilização pretendida. Sinalização sobre a qualidade da água disponível. Informação sobre poupança de água. Equipamento com mitigador de água. Registo automático de consumos de água. Imagens por cortesia das empresas Comporto, Hidrofer, Mabera e Petrotec. 17

20 01 Consumo de água INDICADORES: Redução/Prevenção da poluição -- Economia de recursos * a ** Economia de energia -- Melhoria de condições de HSST ** Facilidade de manutenção ** a *** Durabilidade / Fiabilidade ** a *** FONTES DE INFORMAÇÃO: INAG - Instituto da Água ERSAR Entidade Reguladora dos Serviços das Águas e dos Resíduos APRH - Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos AEA - Agência Europeia do Ambiente IWA - International Water Assotiation Programa Nacional Para o Uso Eficiente da Água Investimento global a NOTAS: Legenda: * Média Reduzido ** Boa Médio *** Muito Boa Elevado Uma manutenção preventiva eficiente poderá permitir reduzir até 20% do consumo de água. REQUISITOS LEGAIS PRINCIPAIS: Despacho Conjunto nº 405/2006 de 22 de Maio (2ª Série) - Cria o grupo de trabalho interministerial do Plano Nacional para o Uso Eficiente da Água (PNUEA) tendo em vista a sua implementação. Decreto-Lei nº 77/2006 de 30 de Março - Estabelece um quadro de acção comunitária no domínio da política da água, em desenvolvimento do regime fixado na Lei n.º 58/2005, de 29 de Dezembro. Declaração de Rectificação nº 11-A/2006 de 23 de Fevereiro - Rectifica a Lei nº 58/2005 de 29 de Dezembro. Lei nº 58/2005 de 29 de Dezembro - Aprova a Lei da Água e estabelece as bases e o quadro institucional para a gestão sustentável das águas. Resolução do Conselho de Ministros nº 113/2005 de 30 de Junho Aprova o Plano Nacional para o Uso Eficiente da Água (PNUEA). Decreto-Lei nº 243/2001 de 5 de Setembro - Regula a qualidade da água destinada ao consumo humano. Declaração de Rectificação nº 22-C/98 de 30 de Novembro - Rectifica o Decreto-Lei nº 236/98 de 1 de Agosto. Decreto-Lei nº 236/98 de 1 de Agosto - Normas, critérios e objectivos de qualidade com a finalidade de proteger o meio aquático e melhorar a qualidade das águas em função dos seus principais usos. Declaração de Rectificação nº 153/95 de 30 de Novembro - Rectifica o Decreto Regulamentar nº 23/95, de 23 de Agosto. Decreto Regulamentar nº 23/95 de 23 de Agosto - Regulamento Geral dos Sistemas Públicos e Prediais de Distribuição de Água e de Drenagem de Águas Residuais. Acesso legislação internet: Diário da República: Direito do Ambiente: Legislação Comunitária: Imagens por cortesia das empresas Comporto, Hidrofer, Mabera e Petrotec.

21 02 Recuperação e utilização de águas de processos MOTIVAÇÃO / PRINCÍPIO: Controlar os consumos de água na empresa. O consumo de água em processos industriais pode representar um aspecto decisivo no funcionamento de algumas empresas. A redução destes consumos passa por uma boa concepção do processo, um bom acompanhamento da instalação e operação e pela recuperação das águas utilizadas. BOAS PRÁTICAS / SOLUÇÕES TÉCNICAS: Cada processo industrial pode necessitar e gerar águas industriais com características diferentes, pelo que as soluções técnicas a adoptar deverão ser precedidas sempre de uma análise rigorosa dos fluxos hídricos processuais e adaptadas a cada sector. Poderão ser implementadas soluções de recuperação directa de algumas águas industriais pós processo ou aplicadas técnicas específicas para a sua recuperação, como são exemplos a centrifugação, evaporação, filtração, ultrafiltração, osmose inversa, tratamento biológico ou permuta iónica. A solução deverá considerar sempre o tipo de utilização pretendida para a água a recuperar. ESTUDOS / PROJECTOS / PLANEAMENTO: Deverá ser efectuada uma caracterização qualitativa e quantitativa de todos os fluxos (consumos e descargas) associados às várias operações unitárias que podem constituir um processo industrial. As soluções a implementar poderão determinar também a instalação de redes de tubagem separativa (águas para reutilização directa, águas para recuperação, águas contaminadas para tratamento). Poderá ser recomendado um estudo de viabilidade técnica e económica antes da implementação de uma solução. MANUTENÇÃO / MONITORIZAÇÃO: Um acompanhamento regular e manutenção preventiva das instalações e equipamento de recuperação, poderão reduzir os consumos de água na empresa a longo termo. Em função do tipo de tecnologia aplicada, poderá ser implementado um programa de monitorização da qualidade da água, recorrendo por exemplo a um pequeno conjunto de parâmetros de controlo, representativos da qualidade da água industrial a ser recuperada. Exemplos de sistemas de recuperaçãode águas de processo. Imagens por cortesia das empresas Citrup, Hidrofer e Mabera. 19

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador: Motivação Manual de

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Município de Torres Vedras 12 de Novembro 2013 Seminário: Sustentabilidade Energética nas Compras Públicas OesteCIM Supported by: Coordination: Partners: Resumo 1 - Território

Leia mais

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal Eficiência dos sistemas de abastecimento de água para consumo humano WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal IPQ, 9 de abril de 2014 Os serviços

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

Fórum Eficiência Energética

Fórum Eficiência Energética Fórum Eficiência Energética A Visão do Auditor Aspectos a Considerar Luís Coelho Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal) - IPS OBJECTIVOS: Apresentar os aspectos mais importantes da intervenção

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização 1. Introdução 1.1. O presente documento, descreve os requisitos particulares referentes à certificação de técnicos

Leia mais

AMBINOV SOLUÇÕES INOVADORAS EM AMBIENTE, RESÍDUOS E ENERGIAS RENOVÁVEIS CARACTERIZAÇÃO

AMBINOV SOLUÇÕES INOVADORAS EM AMBIENTE, RESÍDUOS E ENERGIAS RENOVÁVEIS CARACTERIZAÇÃO AMBINOV SOLUÇÕES INOVADORAS EM AMBIENTE, RESÍDUOS E ENERGIAS RENOVÁVEIS CARACTERIZAÇÃO A Estratégia de Eficiência Colectiva (EEC) PROVERE AMBINOV Soluções Inovadoras em Ambiente, Resíduos e Energias Renováveis

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Soluções para coberturas Telhas e acessórios cerâmicas Fibrocimento Complementos para

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

Nota Técnica sobre Instalação PCIP

Nota Técnica sobre Instalação PCIP Nota Técnica sobre Instalação PCIP De acordo com o previsto no art 2º do Decreto-Lei 173/2008 de 26 de Agosto que estabelece o regime jurídico relativo à prevenção e controlo integrados de poluição (Diploma

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Jorge Santos Pato Lisboa, 6 de Novembro de 2014 Auditório da Ordem dos Engenheiros Gestão Eficiente da Energia nas Organizações Industriais Reflexões Iniciais Importantes Sustentabilidade e eficiência

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA Tiago PARENTE 1 Fausto OLIVEIRA 2, RESUMO A promoção pela eficiência energética tem sido uma das medidas impostas pelas actuais políticas europeias com o objectivo

Leia mais

Portaria n.º 240/92 de 25 de Março

Portaria n.º 240/92 de 25 de Março Portaria n.º 240/92 de 25 de Março O Decreto-Lei n. º 88/91, de 23 de Fevereiro, que procedeu à transposição da Directiva n. º 87/101/CEE, do Conselho, de 22 de Dezembro de 1986, remeteu expressamente,

Leia mais

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica Auditoria Energética para Escolas Objectivo da Medida As Auditorias Energéticas para Escolas faz parte de um conjunto

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES SOARES DA COSTA, SA MONTE ADRIANO ENGENAHRIA E CONSTRUÇÃO, SA

GESTÃO AMBIENTAL SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES SOARES DA COSTA, SA MONTE ADRIANO ENGENAHRIA E CONSTRUÇÃO, SA GESTÃO AMBIENTAL SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES SOARES DA COSTA, SA MONTE ADRIANO ENGENAHRIA E CONSTRUÇÃO, SA Celina Mareco Gestor Qualidade e Ambiente Nov.11 Construção dos Acessos Rodoviários à Plataforma

Leia mais

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis 31 DE DEZEMBRO DE 2009 394 (157) A r t ig o 18 Reuniões do Colectivo de Direcção O Colectivo de Direcção reúne-se ordinariamente uma vez por semana e extraordinariamente quando convocado pelo Ar t ig o

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

Auditoria Energética - Definição

Auditoria Energética - Definição Auditoria Energética - Definição Levantamento e análise crítica das condições de utilização da Energia, com vista à detecção de oportunidades de racionalização energética, através de medidas com uma viabilidade

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA ASSEMBLEIA AMIGA DO AMBIENTE Ponta Delgada, 13-1 - de Abril de 2005 RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território.

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território. Auditorias energéticas em edifícios públicos Isabel Santos ECOCHOICE Abril 2010 EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Somos uma empresa de

Leia mais

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro.

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro. Castelo de Vide 16.02.2009 Mais eco. Mais futuro. O mundo está nas nossas mãos... 1 O consumo energético mundial tem registado forte crescimento nos últimos anos, agravando o volume de emissões de CO 2

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO A disponibilização para consulta do teor de diplomas legislativos não dispensa a consulta do Diário da República, não se responsabilizando a ERSE pelo seu conteúdo. DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE XIX Serviços de Apoio ÍNDICE SECÇÃO I - ASPECTOS GERAIS... 2 1. Introdução... 2 SECÇÃO II - Especificações dos Serviços de Apoio... 4 2. Serviço de Limpeza... 4 3. Serviço de Alimentação... 5 4. Serviço

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23. Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar

Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23. Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23 Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar (ex. Salvador Caetano Indústrias Metalúrgicas e Veículos de Transporte,

Leia mais

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA A. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1.SEDE 1.1 NOME... 1.2 ENDEREÇO.. 1.3 CÓDIGO POSTAL... 1.4 LOCALIDADE... 1.5 CONCELHO. 1.6 DISTRITO... 1.7 TELEFONE.. 1.8 TELEFAX...

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova Guião do estudo económico e financeiro IDN - Incubadora de Idanha - Guião de candidatura Pág. 1 I CARACTERIZAÇÃO DO PROMOTOR 1.1 - Identificação sumária da empresa 1.2 -

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE PASTA, DE PAPEL E CARTÃO E SEUS ARTIGOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE PASTA, DE PAPEL E CARTÃO E SEUS ARTIGOS #5 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE PASTA, DE PAPEL E CARTÃO E SEUS ARTIGOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do sector

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA arlindo.louro@iep.pt Instalações instituto electrotécnico português Matosinhos Rua de S. Gens, 3717 4460-409 Senhora da Hora Tel.: 229570000/15 Fax: 229530594 e-mail:com@iep.pt

Leia mais

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL Eficiência Energética na Industria Experiencia Save to Compete Sofia Tavares EDP Comercial sofia.tavares@edp.pt Lisboa, 6 Março,

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Água Quente Solar para Portugal

Água Quente Solar para Portugal INICIATIVA PÚBLICA AQSpP Água Quente Solar para Portugal J. Farinha Mendes Presidente da SPES www.spes.pt Portugal - um dos países da Europa com maior disponibilidade de recurso solar Eficiência Energética

Leia mais

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados SIGOU Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados 1 O que é a ECOLUB? A ECOLUB, referência na requalificação de resíduos industriais perigosos, é uma marca registada da SOGILUB, Sociedade de Gestão Integrada

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.281.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Actualização de dados da Declaração Ambiental

Actualização de dados da Declaração Ambiental Actualização de dados da Declaração Ambiental 2 0 0 5 G U I M A R Ã E S REG. Nº P-000014 Actualização de dados da Declaração Ambiental 2005 Índice 1. Política de Qualidade e Ambiente 4 2. Aspectos Gerais

Leia mais

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis LEGISLAÇÃO BÁSICA Especificações GPL Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis Portaria nº 348/96, de 8 de Agosto Estabelece as

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL Índice 1. Politíca de Qualidade e Ambiente 2 2. Aspectos Gerais 3 3. Introdução 4 4. Apresentação da Empresa

Leia mais

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

Politica Ambiental na indústria vidreira (Exemplo da empresa Santos Barosa - Vidros SA)

Politica Ambiental na indústria vidreira (Exemplo da empresa Santos Barosa - Vidros SA) Politica Ambiental na indústria vidreira (Exemplo da empresa Santos Barosa - Vidros SA) (1) C.D.L. Arrimar (1) & I.M.H.R. Antunes (1) Escola Superior Agrária. Instituto Politécnico de Castelo Branco. Quinta

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira Instituto Superior Politécnico de Viseu SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental José Vicente Ferreira SÉRIE ISO 14000 Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Análise Ciclo Vida Avaliação Performance Ambiental

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 1. Geral/Acesso 1.1 Não consigo visualizar correctamente o inventário. Geralmente a visualização correcta do inventário

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2013 COM(2013) 919 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa à limitação das emissões para a atmosfera de certos

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

Legislação temática Urbanização e Edificação - Disposições Gerais

Legislação temática Urbanização e Edificação - Disposições Gerais Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Decreto-Lei nº 19/90 Regime de caducidade de licenças municipais de obras de construção civil. 11-01-1990 Alterado pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Articulação da AIA com outros regimes de licenciamento IMPACTES AMBIENTAIS 9 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Exemplo de Requerimento Zona Franca Industrial Documento disponível em: www.ibc-madeira.com EXEMPLO DE REQUERIMENTO PARA AUTORIZAÇÃO DE INSTALAÇÃO

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.045.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL Que resíduos produz? Segundo o Decreto-Lei nº178/2006, de 5 de Setembro, entende-se por resíduos quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem a intenção

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA Projeto Energia Construção Sustentável www.cezero.pt / www.cezero.com.br CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA PROJETO Arquitetura e sistemas construtivos Maximização

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais