NOVOS CAMPOS DE PESQUISA EM HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: História das Disciplinas e História Cultural

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOVOS CAMPOS DE PESQUISA EM HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: História das Disciplinas e História Cultural"

Transcrição

1 NOVOS CAMPOS DE PESQUISA EM HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: História das Disciplinas e História Cultural SANTOS, Ângela Cristina dos. Universidade Federal de Uberlândia INTRODUÇÃO Novos campos de pesquisa têm surgido e se desenvolvido desde a Escola dos Annales 1. Esses campos denominados de História das Instituições, História da Imprensa, História das Disciplinas, dentre outros possibilitaram, dentro da área de História e Historiografia, a ampliação dos objetos de pesquisa que antes eram desconsiderados, a saber: o livro, as instituições escolares, as imagens etc. Vale destacar que o movimento da Escola dos Annales tinha como principal objetivo superar os limites até então dados pela corrente positivista ao ser aplicada ao campo social da ciência. Com isso, houve uma mudança na escolha dos objetos da História e Historiografia da Educação, sendo que a principal característica ligada a essa mudança seria a busca por outras fontes que poderiam explicar e justificar as mudanças educacionais. Ao incorporar a consideração da simultaneidade, que é a dominação da assimetria entre passado e futuro, a história tornou-se outra que a tradicional. Ela mudou os seus objetos, mudou os seus historiadores, mudou os seus objetivos, mudaram-se os seus problemas disciplinares. Apareceu o que antes parecia não existir, quando a história era dominada por uma representação do tempo histórico sucessiva e teleológica, um mundo histórico mais furável, mais estruturado, mais resistente às mudanças: as estruturas econômicosociais- mentais. (REIS, 2000, p.35). Em decorrência disso, muda-se o papel do historiador que, anteriormente a essa escola, consistia apenas em registrar passivamente os acontecimentos não levando em consideração que o mesmo fazia parte da história e que os objetos de estudo poderiam ser outros que estabeleceriam novos avanços à história da educação e como resultado teríamos novas relações e interpretações. É importante mencionar que as mudanças no campo da pesquisa educacional, não ocorreram por acaso, segundo Gatti Júnior (2002, p. 6), representou, a partir de 1 Corrente representada por Lucien Frebvre que, juntamente com Henri Berr, tenta reagir contra a escola metódica, que segundo Guy Bordé e Hervè Martin (sd, p. 97), [...] quer impor uma investigação científica afastando qualquer especulação filosófica e visando a objectividade absoluta no domínio da história [...].

2 2 1950, uma renovação teórica e metodológica no sentido de substituir e/ou superar as investigações que até então tinham um caráter que privilegiava na História os aspectos políticos e econômicos em detrimento dos sociais, e de acordo com alguns pesquisadores, eminentemente descritivo. Com essas mudanças, de caráter metodológico, ocorreu um aumento considerável de novos instrumentos de análise, o que possibilitou ao profissional da história ampliar sua área de atuação, procurando alianças com outras ciências e novas abordagens metodológicas que, segundo Chartier (1990), permite ao historiador pensar as divergências que surgem e apreciar a evolução das disciplinas, situando-as no espaço social que é o seu e a considerar a história cultural que tem por principal objetivo identificar o modo como em diferentes lugares e momentos uma determinada realidade social é constituída, pensada, dada a ler (CHARTIER, 1990, p. 16). Nesse sentido, tratamos nesse trabalho, com a História das Disciplinas Escolares, campo recente da pesquisa historiográfica, mas de relevância para o estudo da história educacional e da História Cultural que, entrelaçadas permitem, segundo Valente (2004, p. 80), compreender os elementos que participam da produção/elaboração/constituição dos saberes escolares [...]. Tendo em vista essas considerações, apresentamos, na seqüência, a seguir uma perspectiva de pesquisa histórica inseridas na área da História e Historiografia configuradas por novos campos temáticos, denominado História das Disciplinas Escolares e História Cultural. 1. HISTÓRIA DAS DISCIPLINAS Antes de iniciarmos a discussão sobre a História das Disciplinas, é importante ressaltarmos que, nas últimas décadas, houve uma aproximação entre a História da Educação e a Historiografia acarretando mudança e renovação para a história da educação criando assim novas linhas de pesquisa tendo como foco central a realidade da escola, o saber escolar, a incluir nesses saberes as disciplinas escolares (BITTENCOURT, 2003). Tal fato é importante para compreendermos a relação entre as mudanças que ocorreram na educação escolar e a História das Disciplinas Escolares, campo de pesquisa que procura analisar fatos históricos que, verdadeiramente, aconteceram e não aqueles traduzidos por discursos de camadas políticas economicamente dominantes. Segundo Bittencourt (2003), a História das Disciplinas surgiu, como outros campos de pesquisa, com a finalidade de se rever o papel da escola considerando-a

3 3 não como um espaço de reprodução de saberes, mas de produção de saberes, a partir de suas próprias especificidades. Além disso, segundo Gatti Júnior é fundamental analisar a escola em seu interior, e ponderar sobre as suas determinações externas para que autores penetrem na problemática da escola contemporânea passando um tanto distante da História, mas sem deixar de realizar uma análise histórica, (GATTI JÚNIOR, 2002, p. 19). Tomando, então, a escola como espaço de produção torna-se importante citar Chervel (1990), que critica a metodologia e a pedagogia, quando estas transformam as disciplinas em meras combinações de saberes e métodos pedagógicos, pois para esse pesquisador, a escola não se define por uma função de transmissão dos saberes, ou de iniciação às ciências de referência (idem, 1990, p. 181), mas também é responsável pela produção desses saberes. Isso pode ser percebido quando vemos que, na escola, o conhecimento científico não é apresentado aos alunos tal como foi sistematizado na academia, mas é simplificado de modo a ser compreendido no ambiente escolar, o que acaba por modificá-los criando um novo saber e novos campos de investigação. Nesse sentido, o surgimento da História das Disciplinas Escolares se tornou uma área importante de investigação a partir do momento em que: Estudos críticos baseados na linha de interpretação estruturalista haviam destacado os aspectos ideológicos inerentes às instituições criadas pelo capitalismo e, no conjunto de ações desencadeadas a partir do século XIX, nas quais o Estado-Nação mostrava-se como grande sujeito das mudanças, o sistema escolar tornou-se um dos destaques dessas análises baseadas em concepções macro do processo histórico. (BITTENCOURT, 2003, p. 11) Dessa forma, podemos afirmar ainda que a História das Disciplinas tem por objetivo investigar as metodologias e o material utilizado no ensino de uma determinada disciplina, com o propósito de analisar e compreender e justificar os conflitos e as práticas educativas adotadas num certo momento histórico, tendo em vista que A evolução de uma disciplina pode ser compreendida como produto das contradições e transformações internas e externas da área disciplinar, (VENTURI E GATTI JÚNIOR, 2004, p. 69). Assim, podemos dizer que a Escola, cuja função principal é ensinar e educar, se constitui o objeto de estudo da História das Disciplinas Escolares. Nela a componente principal é a História dos Conteúdos. Sendo assim, torna-se possível extrair dela descrições e análises históricas importantes, e mais: [...] constituir o pivô ou o núcleo da Historia do Ensino, desde que se compreenda em toda a sua amplitude a noção de disciplina desde que se reconheça que uma disciplina escolar comporta não somente as

4 4 práticas docentes da aula, mas também as grandes finalidades que presidiram sua constituição e o fenômeno de aculturação da massa que ela determina então, a História das Disciplinas Escolares pode desempenhar um papel importante não somente na História da Educação, mas na História Cultural. (CHERVEL, 1990, P. 184) Daí a relevância do papel do historiador-pesquisador, dentro do campo das disciplinas. O pesquisador é o sujeito que deve atuar de modo ativo e crítico de modo a propor um trabalho investigativo sobre a prática diária do ambiente de sala de aula que envolve a análise das metodologias, das práticas e dos materiais utilizados na constituição da disciplina. Além disso, sabendo que as disciplinas escolares têm a função de [...] colocar um conteúdo de instrução a serviço de uma finalidade educativa, (CHERVEL, 1990, p. 188), é preciso que o pesquisador determine as finalidades da educação baseando-as num dado período histórico contrapondo a análise de documentos referentes à prática cotidiana escolar com os que se referem à história oficial, pois estes nem sempre correspondem às finalidades reais. Diante disso, torna-se necessário que o historiador das disciplinas descreva, analise e justifique todas as etapas da evolução didática de uma disciplina através do ensino escolar que, segundo Chervel (1990), é o que põe em ação as finalidades impostas à escola, e provoca a aculturação conveniente. Sobre isso ele afirma: O ensino [...] é tarefa essencial do historiador das disciplinas, cabelhe dar uma descrição detalhada de cada uma de suas etapas, descrever a evolução da didática, pesquisar as razões da mudança, revelar a coerência interna dos diferentes procedimentos aos quais se apela, e estabelecer a ligação entre o ensino dispensado e as finalidades que presidem seu exercício. (CHERVEL, 1990, p. 192). E, além disso, para esse autor, a transformação pelo público escolar do conteúdo do ensino é, sem dúvida, uma constante importante na história da educação [...], pois tem um só fim: tornar possível o ensino, (CHERVEL, 1990, p ). Vale então ressaltar que, para realizar uma investigação com essas finalidades é importante considerar o estudo em documentos não oficiais, tais como relatórios, projetos de reforma, artigos, manuais de didática e outros, isso por considerarmos que estes retratam de forma efetiva a prática pedagógica de um dado período histórico. Ao se apropriar desses objetos, podemos dizer que o historiador tem a possibilidade de narrar e explicitar toda a produção de um ensino historicamente constituído na escola. Segundo Bittencourt, Compreender os embates decorrentes dessa relação entre o campo epistemológico e cultura, do qual emerge a disciplina, e a esfera

5 5 política é um dos desafios para quem se dedica a esse tema, relativamente recente, nas pesquisas educacionais. Entre outros problemas, as pesquisas precisam se situar quanto ao conhecimento escolar e quanto à identificação e ao papel de cada um dos sujeitos envolvidos na constituição desse conhecimento. (BITTENCOURT, 2003, p. 10). Assim, podemos dizer que a História das Disciplinas está intimamente entrelaçada com a História Cultural que, segundo Dominique Julia, (apud VALENTE, 2004, p. 80) não pode ser estudada sem a análise precisa das relações conflituosas ou pacificas que ela mantém, a cada período de sua história com o conjunto das culturas que lhe são contemporâneas. Diante dessas considerações, tratamos a seguir da História Cultural, tendo em vista a importância desta para a interpretação e compreensão dos objetos tratados também pela História das Disciplinas Escolares. 2. HISTÓRIA CULTURAL Conforme mencionado anteriormente, com a necessidade de se repensar os desafios propostos pela História Social, houve o surgimento de novos campos de pesquisa a partir de um novo olhar sobre os desafios propostos pela História e Historiografia, originado do que os pesquisadores chamaram de Nova História. Dito de outra forma, esse novo olhar corresponde à forma com que o pesquisador volta às suas questões metodológicas e temporais, este último muito importante quando se trata de pesquisas relacionadas ao campo da história e historiografia. É relevante ressaltar que a Nova História se refere ao modo como vemos determinados temas, adotando novas metodologias ou temporalidade. O mesmo se dá com o ramo da História e Historiografia denominado de Nova História Cultural que, segundo Pesavento é: [...] uma nova forma de a história trabalhar a cultura. Não se trata de fazer uma História do Pensamento ou de uma História Intelectual, ou ainda mesmo de pensar uma História da Cultura nos velhos moldes, a estudar as grandes correntes de idéias e seus nomes mais expressivos. Trata-se, antes de tudo, de pensar a cultura como um conjunto de significados partilhados e construídos pelos homens para explicar o mundo, (PESAVENTO, 2005, p. 15). Ainda, segundo a autora, a cultura é a forma com que a realidade se expressa e é representada e, portanto, cheia de significados e valores. Nesse contexto, podemos dizer que a História Cultural se caracteriza [...] por seus procedimentos e sua estrutura interdisciplinar, pela substituição da história das mentalidades, pela

6 6 elaboração de uma história da cultura material e do mundo das emoções, das representações e das imagens mentais, (GATTI JÚNIOR E PESSANHA, 2005, p. 75). Diante disso, afirmamos que a História da Educação tendo como base a História Cultural é responsável pela produção de muitos trabalhos envolvendo processos de formação docente e formação de disciplinas acadêmicas e que essas produções se devem também: [...] a uma história da cultura e organizações escolares e da mente humana com produto sócio-histórico, na qual cultura escolar é tomada como: um conjunto de aspectos institucionalizados que caracteriza a escola como organização; a cultura específica de um estabelecimento escolar; a cultura de um conjunto de estabelecimentos em comparação com outros [...]; a cultura de uma área territorial determinada. A cultura do mundo acadêmico em geral em comparação a outros setores sociais, (VIÑAO FRAGO apud GATTI JÚNIOR E PESSANHA, 2005, p. 76). Assim, podemos dizer que, ao envolver a cultura específica de um estabelecimento escolar, a pesquisa sobre cultura escolar abarca nele vários elementos, também presentes na História das Disciplinas Escolares, que vão desde a investigação sobre o cotidiano e práticas escolares até a linguagem e suas representações, estas últimas são, para Pesavento (2005), consideradas uma categoria importante da História Cultural, por fazerem com que o homem perceba a realidade e dêem sentido à sua existência. Dentro do campo escolar são vários os conceitos assumidos pelo termo Cultura, agora Cultura Escolar. Gatti Júnior e Pessanha (2005, p. 78) apresentam esse conceito de três modos diferentes: como um conjunto de teorias, princípios ou critérios, normas e práticas sedimentadas ao largo do tempo no seio das instituições educativas [...], (FRAGO, 1995, apud, GATTI JÚNIOR E PESSANHA, 2005, p. 78); ou, segundo Juliá, como um: E, finalmente como: [...] conjunto de normas que define conhecimentos a ensinar e condutas a inculcar, e um conjunto de práticas que permite a transmissão desses conhecimentos e a incorporação desses comportamentos; normas e práticas coordenadas com finalidades que podem variar segundo as épocas [...] (2001, apud, GATTI JÚNIOR E PESSANHA, 2005, p. 78). [...] conjunto de significados, expectativas e comportamentos compartilhados por um determinado grupo social, o qual facilita e ordena, limita e potencia os intercâmbios sociais, as produções e realizações individuais e coletivas dentro de um marco espacial e temporal determinado, (FORQUIN, 1995, apud, GATTI JÚNIOR E PESSANHA, 2005, p. 78).

7 7 É interessante observar que todas essas conceituações têm como foco central o conhecimento e as práticas sociais e, em particular, as escolares. Dessa forma, podemos afirmar que a cultura é indiscutivelmente um bom lugar para inscrever os objetos os sujeitos, as práticas e as instituições escolares (WARDE, 2005, p. 96). Diante dessas considerações, podemos dizer, enfim, que o pesquisador procurando a interpretação racional de evidências históricas, através de um diálogo reflexivo, encontra no campo teórico e metodológico da História Cultural a consolidação de suas pesquisas referentes à área da História da Educação. CONSIDERAÇÕES FINAIS É importante destacar que a História das Disciplinas Escolares e a História Cultural são campos relativamente novos na área de História e Historiografia, e que surgiram com o propósito de renovar os métodos até então existentes para a investigação historiográfica. Com a emergência dessas áreas de pesquisa, tornou-se necessário ao pesquisador-historiador adquirir um novo olhar para os objetos que até então eram desconsiderados. Nesse sentido, pôde-se observar nesse estudo, que tanto a História das Disciplinas Escolares quanto a História Cultural constituíram-se então como áreas importantes para a pesquisa histórica, no sentido de que nelas são apresentados objetos capazes de levar a novas e importantes reflexões e que, além disso, a abertura dessas novas fontes de investigação é considerada por muitos educadores, abundantes e inesgotáveis. Chervel (1990) ressalta ainda que a disciplina seja um dos elementos motores da escolarização e intervém na cultura dos alunos de acordo com as finalidades impostas pela sociedade. Em decorrência desse fato, podemos afirmar que é possível compreender as ideologias contidas nas transformações sócio-históricas, analisandose evidências fornecidas por esses campos históricos e historiográficos, pois tanto as disciplinas quanto a cultura são produtos intencionais que devem ser compreendidas dentro das relações entre as práticas e os discursos, entre os sistemas não discursivos e as realidades enunciativas. Mesmo assim, segundo Konrad Jarausch, citado por Nóvoa (1998), o novo rumo tomado pelas pesquisas históricas em particular aquelas relacionadas à educação, pode ter como conseqüências enormes fracassos, mas as recompensas potenciais são tão ricas, [...] que, cada vez mais historiadores deviam lançar-se neste caminho. (NÓVOA, 1998, p. 49).

8 8 Enfim, o entrelaçamento entre a História das Disciplinas Escolares e a História Cultural pode constituir-se em um campo fértil para a pesquisa histórica e historiográfica, o que torna possível ao pesquisador responder a diversos questionamentos formulados pelos educadores. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BITTENCOURT, Circe M. F. Disciplinas Escolares: História e Pesquisa. In: OLIVEIRA, Marcus A. T., RANZI, Serlei Maria F (org), (2003). História das Disciplinas Escolares no Brasil: Contribuições para o debate. Bragança Paulista: EDUSF, p BORDÉ, Guy & MARTIN, Hervé (s.d). Publicações Europa-América. As escolas históricas. Sic, Portugal. CHARTIER, Roger (1990). A História cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand, p CHERVEL, André (1990). História das Disciplinas Escolares: Reflexões sob um campo de pesquisa. In: Teoria e Educação. Porto Alegre, nº 2, p GATTI JÚNIOR, Décio (2002). A história das instituições educacionais: inovações, paradigmáticas e temáticas. In: GATTI JÚNIOR, Décio e ARAÚJO José Carlos S. Novos temas em história da educação brasileira: instituições escolares e educação na imprensa. Campina, SP: Autores Associados; Uberlândia, MG: EDUFU. GATTI JÚNIOR, Décio, PESSANHA, Eurize Caldas (2005). História da Educação, Instituições e Cultura Escolar: conceitos, categorias e materiais históricos. In: GATTI JÚNIOR, Décio, INÁCIO FILHO, Geraldo. História da Educação em Perspectiva: ensino, pesquisa, produção e novas investigações. Campinas: Autores Associados, Uberlândia: EDUFU. NÓVOA, Antônio (1998). História da Educação: Novos sentidos, velhos problemas. In: MAGALHÃES, Justino (org). Fazer e Ensinar História da Educação. Braga/ Portugal. LUSOGRAFE. Universidade do Minho, p PESAVENTO, Sandra Jatahy (2005). História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica.

9 9 REIS, José Carlos (2000). Os annales: A renovação Teórico-metodológica e Utópica da História pela Reconstrução do tempo Histórico. In: SAVIANI, Demerval, LOMBARDI, José Claudinei, SANFELICE, José Luís (orgs). História e História da Educação. Campinas: Autores Associados: HISTEDBR. VALENTE, Wagner Rodrigues (2004). Considerações sobre a matemática escolar numa abordagem histórica. In: Cadernos de História da Educação, nº 3. Uberlândia: Edusp, p VENTURI, Ioná V. B, GATTI JUNIOR, Décio (2004). A Construção Histórica da Disciplina Escolar Língua Portuguesa no Brasil. In: Cadernos de História da Educação, nº 3. Uberlândia: Edusp, p WARDE, Mirian Jorge, (2005). Questões Teóricas e de Método: A História da Educação nos Marcos de uma História das Disciplinas. In: GATTI JÚNIOR, Décio, INÁCIO FILHO, Geraldo. História da Educação em Perspectiva: ensino, pesquisa, produção e novas investigações. Campinas: Autores Associados, Uberlândia: Edufu.

História e História da Educação O debate teórico-metodológico atual*

História e História da Educação O debate teórico-metodológico atual* História e História da Educação O debate teórico-metodológico atual* Nadia Gaiofatto** Como o próprio título bem define, o livro em questão reúne importantes contribuições para a reflexão sobre a relação

Leia mais

Conteúdos e Didática de História

Conteúdos e Didática de História Conteúdos e Didática de História Professora autora: Teresa Malatian Departamento de História da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais UNESP / Franca. Bloco 2 Disciplina 21 Didática dos Conteúdos Conteúdos

Leia mais

COMPETÊNCIAS E DOCÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I: UMA POSSIBILIDADE DE REORGANIZAÇÃO DO SABER PARA A PRODUÇÃO DE UM NOVO CONHECIMENTO

COMPETÊNCIAS E DOCÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I: UMA POSSIBILIDADE DE REORGANIZAÇÃO DO SABER PARA A PRODUÇÃO DE UM NOVO CONHECIMENTO COMPETÊNCIAS E DOCÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I: UMA POSSIBILIDADE DE REORGANIZAÇÃO DO SABER PARA A PRODUÇÃO DE UM NOVO CONHECIMENTO Tatiana Dias Ferreira PPGFP - UEPB thatdf@hotmail.com Fernanda Cristina

Leia mais

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática Profª. M.e Cláudia Benedetti Profa. M.e Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas Profa. Karina de M. Conte 2017 DIDÁTICA II Favorecer a compreensão do processo de elaboração, gestão,

Leia mais

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Autor: EDILSON JOSÉ DE CARVALHO E ANA ALICE Introdução Este trabalho é uma síntese das aulas da professora Ana Alice, que administrou a disciplina:

Leia mais

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual Marly de Fátima Monitor de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Araraquara e-mail:

Leia mais

Didática e Formação de Professores: provocações. Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas

Didática e Formação de Professores: provocações. Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas Didática e Formação de Professores: provocações Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas Vivemos tensões nas propostas e concretizações da formação inicial de professores, com padrões culturais formativos

Leia mais

As pesquisas sobre o livro didático de História: temas e perspectivas

As pesquisas sobre o livro didático de História: temas e perspectivas As pesquisas sobre o livro didático de História: temas e perspectivas Raphaela de Almeida Santos RESUMO O texto analisa os trabalhos apresentados no Simpósio Internacional Livro Didático. Educação e História,

Leia mais

Armando Traldi Júnior

Armando Traldi Júnior www.fisem.org/web/union http://www.revistaunion.org ISSN: 1815-0640 Número 48. Diciembre 2016 Página 232-237 Reseña de los libros: Desafios da Educação Inclusiva: formação de professores e práticas Armando

Leia mais

Concepções de ensino-aprendizagem de docentes de Física Quântica do ensino superior

Concepções de ensino-aprendizagem de docentes de Física Quântica do ensino superior Concepções de ensino-aprendizagem de docentes de Física Quântica do ensino superior Natália Pimenta 1 e Maria Inês Ribas Rodrigues 2 Universidade Federal do ABC 1 natalia.pimenta@aluno.ufabc.edu.br, 2

Leia mais

H I STORIA UTOPIAS ANPUH. J ohn M. Monteiro. ORGANIZAÇÃO Ilana Blaj. Associação N acional d e História

H I STORIA UTOPIAS ANPUH. J ohn M. Monteiro. ORGANIZAÇÃO Ilana Blaj. Associação N acional d e História " H I STORIA & UTOPIAS ORGANIZAÇÃO Ilana Blaj J ohn M. Monteiro ANPUH Associação N acional d e História HISTÓRIA & UTOPIAS Textos apresentados no XVII Simpósio Nacional de História Organização John Manuel

Leia mais

REESCREVENDO A HISTÓRIA: GRUPO ESCOLAR JOAQUIM SARAIVA ( ).

REESCREVENDO A HISTÓRIA: GRUPO ESCOLAR JOAQUIM SARAIVA ( ). REESCREVENDO A HISTÓRIA: GRUPO ESCOLAR JOAQUIM SARAIVA (1963-1980). Luciete Diniz Castro Universidade Federal de Uberlândia O presente trabalho refere-se ao desenvolvimento de uma investigação do Programa

Leia mais

O DIÁLOGO ENTRE DOIS MUNDOS: O PIBID COMO MEDIADOR DO ESPAÇO ACADÊMCO E DAS INSTIUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO

O DIÁLOGO ENTRE DOIS MUNDOS: O PIBID COMO MEDIADOR DO ESPAÇO ACADÊMCO E DAS INSTIUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO 1 O DIÁLOGO ENTRE DOIS MUNDOS: O PIBID COMO MEDIADOR DO ESPAÇO ACADÊMCO E DAS INSTIUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO YORIYAZ, Levi 1 PASQUALI, Bruno Tomazela 2 Eixo Temático: Políticas Públicas de Formação de Professores.

Leia mais

MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES. Palavras-chave: Matemática; Agropecuária; Interdisciplinaridade; Caderno Temático.

MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES. Palavras-chave: Matemática; Agropecuária; Interdisciplinaridade; Caderno Temático. MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES Josislei de Passos Vieira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Rio Pomba. josisleipassos@gmail.com

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL

POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL 1 POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL Elisabeth Rossetto 1 A formação de professores para a educação especial enfrenta em nosso país sérios desafios decorrentes tanto do contexto

Leia mais

O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA NO CAMPUS AMAJARI - IFRR: PERCEPÇÕES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS

O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA NO CAMPUS AMAJARI - IFRR: PERCEPÇÕES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA NO CAMPUS AMAJARI - IFRR: PERCEPÇÕES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Luana Firmino Lobo Licenciada em Pedagogia e Mestranda em Educação

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA 1 Danielle Thais Vital Gonçalves (UEM-CRV) RESUMO: O presente artigo apresenta resultados

Leia mais

A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA SOBRE O CAMPO DISCIPLINAR DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, DE 1970 ATÉ A DÉCADA DE 1990

A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA SOBRE O CAMPO DISCIPLINAR DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, DE 1970 ATÉ A DÉCADA DE 1990 1 A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA SOBRE O CAMPO DISCIPLINAR DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, DE 1970 ATÉ A DÉCADA DE 1990 MEN, Liliana 1 NEVES, Fátima Maria 2 INTRODUÇÃO Este trabalho acadêmico vincula-se a Linha de

Leia mais

Resenha. O ensino de História da Educação

Resenha. O ensino de História da Educação http://dx.doi.org/10.4322/rbhe.2013.021 Resenha O ensino de História da Educação Organizadores: Marta Maria Chagas de Carvalho, Décio Gatti Júnior Cidade: Vitória ES Editora: EDUFES Ano: 2011 Coleção Horizontes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ADOLESCENTES EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA Autora: Alcione Pereira da Silva Universidade Federal do Maranhão Alcione.1980@hotmail.com.br Co-autora: Aldaene Ferreira Silva Universidade Federal

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU519 DISCIPLINA: PRATICA EDUCATIVA I - DIDÀTICA CARGA HORÁRIA: 75h EMENTA: OBJETIVOS:

Leia mais

PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA: A FUNÇÃO SOCIAL DA EDUCAÇÃO ESCOLAR

PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA: A FUNÇÃO SOCIAL DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA: A FUNÇÃO SOCIAL DA EDUCAÇÃO ESCOLAR BATILANI, Italo GASPARIN, João Luiz RESUMO Este trabalho apresenta elementos que indicam a função social da educação escolar na pedagogia

Leia mais

PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA SILVA NETA, Maria Eugênia Batista 1 QUEIROZ, Gilves Furtado de 2 ROSA, Luciene de Morais 3 Resumo Este relato de experiência

Leia mais

Matemática. 1 Semestre. Matemática I 75h. Ementa: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica.

Matemática. 1 Semestre. Matemática I 75h. Ementa: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica. Matemática 1 Semestre Matemática I 75h Ementa: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica. Lógica 60h Ementa: Estuda proposições, análise e discussões

Leia mais

CADERNO IV ÁREAS DE CONHECIMENTO E INTEGRAÇÃO CURRICULAR

CADERNO IV ÁREAS DE CONHECIMENTO E INTEGRAÇÃO CURRICULAR CADERNO IV ÁREAS DE CONHECIMENTO E INTEGRAÇÃO CURRICULAR CURRÍCULO PROJETO DE FORMAÇÃO CULTURAL PARA A NAÇÃO. QUEM DOMINA O CURRÍCULO ESCOLAR, DOMINA A NAÇÃO (FOUCAULT) PROCESSO DE CONTRUÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA Autor: Almir Lando Gomes da Silva (1); Co-autor: Antonio Fabio do Nascimento Torres (2); Coautor: Francisco Jucivanio

Leia mais

DIDÁTICA DA MATEMÁTICA. Profª Violeta Maria Estephan

DIDÁTICA DA MATEMÁTICA. Profª Violeta Maria Estephan DIDÁTICA DA MATEMÁTICA Profª Violeta Maria Estephan Saber matemático & Saber escolar matemático O saber científico é apresentado por meio de teses, dissertações, artigos, livros científicos e relatórios.

Leia mais

Disciplina: Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Prof.ª Dra. Eduarda Maria Schneider Aula 03/05

Disciplina: Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Prof.ª Dra. Eduarda Maria Schneider Aula 03/05 Disciplina: Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Prof.ª Dra. Eduarda Maria Schneider Aula 03/05 Questões conceituais METODOLOGIA Etimologicamente : Origem Grega Methodos (objetivo, finalidade),

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY Introdução Este artigo é resultado de uma experiência com formação continuada

Leia mais

Palavras-chaves: Avaliação Educacional; SPAECE; Gestão Pedagógica.

Palavras-chaves: Avaliação Educacional; SPAECE; Gestão Pedagógica. 00439 A GESTÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ SPAECE. Autora: Diva Lima - UECE i Coautor: Prof. Dr. Antonio Germano

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NO CONTEXTO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS Ana Paula do Amaral Tibúrcio UFSJ

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NO CONTEXTO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS Ana Paula do Amaral Tibúrcio UFSJ ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NO CONTEXTO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS Ana Paula do Amaral Tibúrcio UFSJ Introdução Na história da educação de nosso país uma das questões sempre presente neste cenário

Leia mais

A DISCIPLINARIZAÇÃO DA REDAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ABORDAGEM INICIAL. Resumo

A DISCIPLINARIZAÇÃO DA REDAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ABORDAGEM INICIAL. Resumo A DISCIPLINARIZAÇÃO DA REDAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ABORDAGEM INICIAL Fabiana Veloso de Melo Dametto-UFSM 1 Louise Cervo Spencer-UFSM GE: Políticas Públicas e Educação. Resumo Nos últimos anos, na contramão

Leia mais

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h Pedagogia 1º Semestre Biologia Educacional EDC602/ 60h Ementa: Identificar os processos biológicos fundamentais diretamente relacionados à situação ensino-aprendizagem. Análise dos fatores genéticos e

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL COMO FOCO DE EXPERIÊNCIAS FORMATIVAS NA IMPLEMENTAÇÃO DO PIBID

A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL COMO FOCO DE EXPERIÊNCIAS FORMATIVAS NA IMPLEMENTAÇÃO DO PIBID A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL COMO FOCO DE EXPERIÊNCIAS FORMATIVAS NA IMPLEMENTAÇÃO DO PIBID Graziela Escandiel de Lima Professora Doutora - Departamento de Metodologia do Ensino/UFSM Coordenadora de

Leia mais

A INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO

A INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO A INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTUGAL Seminário I Educação Matemática Tema: Investigações Matemáticas Professora: Andréa Cardoso Alunas: Aline Maria Rodrigues e Daiane Cristina Buci Alfenas,

Leia mais

O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO

O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO Introdução Mayara Carvalho Peixoto (UFCG) mayaracarvalho-@hotmail.com O currículo é tido como um resultado das tensões, conflitos e concessões culturais,

Leia mais

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Ana Maria Boavida Escola Superior de Educação de Setúbal Maria de Fátima Guimarães Escola Superior de

Leia mais

Agenealogia dos Estudos Culturais é objeto de dissenso

Agenealogia dos Estudos Culturais é objeto de dissenso Cinqüentenário de um discurso cultural fundador WILLIAMS, R. Culture and society 1780-1950. [Londres, Longman, 1958]. Cultura e sociedade. São Paulo, Cia. Editora Nacional, 1969. Agenealogia dos Estudos

Leia mais

Propostas e projetos para o ensino de física

Propostas e projetos para o ensino de física Propostas e projetos para o ensino de física Análise: Física Integração e Tecnologia X Coleção Ser Protagonista Integrantes: Jorge Eduardo Ribeiro, Fernanda Ribeiro e Evandro Nonato Analise do Livro Física

Leia mais

E nas aulas anteriores... O que é História? Quem produz História? O que são fontes Históricas?

E nas aulas anteriores... O que é História? Quem produz História? O que são fontes Históricas? E nas aulas anteriores... O que é História? Quem produz História? O que são fontes Históricas? História e Pedagogia História: É a interpretação da ação transformadora do homem no tempo; Pedagogia: Teoria

Leia mais

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB )

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) GT 4 LINGUAGENS, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO. Gilmara Teixeira Costa (gilmara-teixeira-01@hotmail.com/ Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) Juliana Maria Soares dos Santos (PPGFP UEPB)¹

Leia mais

ENTRE ESCOLA, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SOCIEDADE, organizados na seguinte sequência: LIVRO 1 DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO NA RELAÇÃO COM A ESCOLA

ENTRE ESCOLA, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SOCIEDADE, organizados na seguinte sequência: LIVRO 1 DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO NA RELAÇÃO COM A ESCOLA APRESENTAÇÃO Apresentar os resultados do XVII ENDIPE tem para nós o significado especial de dever cumprido. É a alegria de fazermos parte desta história, de estarmos juntos nesta caminhada de mais uma

Leia mais

EDUCAÇÃO E NACIONALISMO EM TEMPOS DE GUERRA: REPRESENTAÇÕES DA IMPRENSA PARAIBANA DURANTE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL (1939-1945)

EDUCAÇÃO E NACIONALISMO EM TEMPOS DE GUERRA: REPRESENTAÇÕES DA IMPRENSA PARAIBANA DURANTE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL (1939-1945) EDUCAÇÃO E NACIONALISMO EM TEMPOS DE GUERRA: REPRESENTAÇÕES DA IMPRENSA PARAIBANA DURANTE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL (1939-1945) Daviana Granjeiro da Silva 1 Universidade Federal da Paraíba (UFPB) E-mail:

Leia mais

CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA. Rudinei José Miola

CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA. Rudinei José Miola CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA Rudinei José Miola rmiola@positivo.com.br PARA INÍCIO DE CONVERSA ATIVIDADE MATEMÁTICA Por atividade matemática deve entender-se uma mescla entre tarefa,

Leia mais

Matemática. EMENTA: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica.

Matemática. EMENTA: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica. Matemática 1º SEMESTRE MATEMÁTICA I, 75H EMENTA: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica. LÓGICA, 60H EMENTA: Estuda proposições, análise e discussões

Leia mais

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino.

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. A idéia de ação mediada que trazemos para compreender a sala de aula inspira-se nos estudos de James Wertsch, discutidas em seu livro Mind as Action

Leia mais

O ENSINO DE HISTÓRIA NA PRIMEIRA REPÚBLICA: MANUAIS DIDÁTICOS E A REFORMA JOÃO PINHEIRO

O ENSINO DE HISTÓRIA NA PRIMEIRA REPÚBLICA: MANUAIS DIDÁTICOS E A REFORMA JOÃO PINHEIRO O ENSINO DE HISTÓRIA NA PRIMEIRA REPÚBLICA: MANUAIS DIDÁTICOS E A REFORMA JOÃO PINHEIRO André Coura Rodrigues/UFMG Este trabalho é parte de pesquisa desenvolvida no Grupo de Estudo e Pesquisa em História

Leia mais

ENADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

ENADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA 1 ENADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Luciana Schwengber Unisc Dr. Cláudio José de Olieira - Unisc Resumo: Este artigo consiste na problematização da produtividade das Provas do ENADE - Exame

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL NOS CURSOS DE LICENCIATURA E PEDAGOGIA: QUAL O SEU IMPACTO NA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DE UM BOM PROFESSOR?

FORMAÇÃO INICIAL NOS CURSOS DE LICENCIATURA E PEDAGOGIA: QUAL O SEU IMPACTO NA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DE UM BOM PROFESSOR? 1 FORMAÇÃO INICIAL NOS CURSOS DE LICENCIATURA E PEDAGOGIA: QUAL O SEU IMPACTO NA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DE UM BOM PROFESSOR? Elisa Gomes MAGALHÃES 1 RESUMO: O presente trabalho versa sobre a formação

Leia mais

REFLETINDO UM POUCO MAIS SOBRE OS PCN E A FÍSICA

REFLETINDO UM POUCO MAIS SOBRE OS PCN E A FÍSICA REFLETINDO UM POUCO MAIS SOBRE OS PCN E A FÍSICA Aula 4 META Apresentar os PCN+ Ensino Médio. OBJETIVOS Ao nal da aula, o aluno deverá: re etir sobre contextualização e interdisciplinaridade; re etir sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Página 1 de 6 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 510, DE 6 DE JUNHO DE 2017 A PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA PESQUISA NA FORMAÇÃO DOS FUTUROS PEDAGOGOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

A RELEVÂNCIA DA PESQUISA NA FORMAÇÃO DOS FUTUROS PEDAGOGOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA 1 A RELEVÂNCIA DA PESQUISA NA FORMAÇÃO DOS FUTUROS PEDAGOGOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Vanessa Ribeiro ANDRETO 1 Andréia Cristiane Silva WIEZZEL 2 RESUMO: O presente projeto de cunho qualitativo,

Leia mais

AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA

AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA Gabriel Pereira Paes Neto LEPEL-UFPA/SEDUC-PA gabrieledfisica@hotmail.com Ney Ferreira França LEPEL-UFPA/SEDUC-PA

Leia mais

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino II Congresso Internacional de Riscos VI Encontro Nacional de Ricos Coimbra, 22 a 25 de Maio de 2010 Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto

Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto PROJETO DE PESQUISA PÓS-DOUTORADO Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto Candidata: Mayara Dias de Souza Supervisor: Prof. Associado Dr. Marcelo Tramontano 1 RESUMO Reflexões

Leia mais

OS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE COORDENADAS POLARES 1. Angeli Cervi Gabbi 2, Cátia Maria Nehring 3.

OS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE COORDENADAS POLARES 1. Angeli Cervi Gabbi 2, Cátia Maria Nehring 3. OS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE COORDENADAS POLARES 1 Angeli Cervi Gabbi 2, Cátia Maria Nehring 3. 1 Parte do Projeto de Tese realizado no Curso de Doutorado em Educação

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

APRESENTAÇÃO ARTIGOS TEMÁTICOS: HISTÓRIA E MEMÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

APRESENTAÇÃO ARTIGOS TEMÁTICOS: HISTÓRIA E MEMÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA APRESENTAÇÃO ARTIGOS TEMÁTICOS: HISTÓRIA E MEMÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA Maria Zeneide Carneiro M. de Alemeida O verdadeiro rosto da história afasta-se veloz. Só podemos reter o passado como uma imagem

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA PIO DÉCIMO FACULDADE PIO DÉCIMO

ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA PIO DÉCIMO FACULDADE PIO DÉCIMO ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA PIO DÉCIMO FACULDADE PIO DÉCIMO MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA DOS CURSOS DE ENGENHARIA NÚCLEO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARACAJU 2012 NÚCLEO

Leia mais

A MATEMÁTICA NO COTIDIANO: RECONHECENDO E TRABALHANDO COM SITUAÇÕES QUE ENVOLVEM FUNÇÕES

A MATEMÁTICA NO COTIDIANO: RECONHECENDO E TRABALHANDO COM SITUAÇÕES QUE ENVOLVEM FUNÇÕES A MATEMÁTICA NO COTIDIANO: RECONHECENDO E TRABALHANDO COM SITUAÇÕES QUE ENVOLVEM FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio GT 10 José Jorge Casimiro Dos SANTOS jorge.cassimiro14@gmail.com

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO ALFABETIZAÇÃO EM FOCO NO PERCURSO FORMATIVO DE ESTUDANTES DO CURSO DE PEDAGOGIA

PROJETO DE EXTENSÃO ALFABETIZAÇÃO EM FOCO NO PERCURSO FORMATIVO DE ESTUDANTES DO CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO DE EXTENSÃO ALFABETIZAÇÃO EM FOCO NO PERCURSO FORMATIVO DE ESTUDANTES DO CURSO DE PEDAGOGIA Maria de Fátima Pereira Carvalho - UNEB, SME, NEPE Sandra Alves de Oliveira UNEB, CMAJO, NEPE Resumo

Leia mais

Revista Hospitalidade, São Paulo, ano IV, n. 2, 2. sem

Revista Hospitalidade, São Paulo, ano IV, n. 2, 2. sem DENCKER, Ada de Freitas Maneti. Pesquisa em Turismo: planejamento, métodos e técnicas. São Paulo: Futura, 2007. Realizada por Débora Faria Goulart, Mestre em Hospitalidade pela Universidade Anhembi Morumbi;

Leia mais

A PRÁTICA CURRICULAR E AS TECNOLOGIAS NAS ESCOLAS MUNICIPAIS E ESTADUAIS: desafios e possibilidades

A PRÁTICA CURRICULAR E AS TECNOLOGIAS NAS ESCOLAS MUNICIPAIS E ESTADUAIS: desafios e possibilidades 1 A PRÁTICA CURRICULAR E AS TECNOLOGIAS NAS ESCOLAS MUNICIPAIS E ESTADUAIS: desafios e possibilidades Mariana dos Reis Alexandre UNESP, Bauru/SP e-mail: mari.agd@hotmail.com Thais Cristina Rodrigues Tezani

Leia mais

AS PREOCUPAÇÕES METODOLÓGICAS. A participação do aluno na elaboração de seu conhecimento é um dos pontos

AS PREOCUPAÇÕES METODOLÓGICAS. A participação do aluno na elaboração de seu conhecimento é um dos pontos AS PREOCUPAÇÕES METODOLÓGICAS A participação do aluno na elaboração de seu conhecimento é um dos pontos fundamentais da concepção atual de aprendizagem. Esta participação deve, porém, ser orientada tendo

Leia mais

OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA. Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider

OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA. Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider E-mail: emschneider@utfpr.edu.br O que são objetivos de ensino/aprendizagem? O que espero que meu aluno aprenda?

Leia mais

Profa. Dra. Elizabeth Teixeira. Objeto de estudo e Problema de pesquisa

Profa. Dra. Elizabeth Teixeira. Objeto de estudo e Problema de pesquisa Profa. Dra. Elizabeth Teixeira Objeto de estudo e Problema de pesquisa OBJETO DE ESTUDO [...] se propõe aqui que a definição do objeto seja feita por meio de uma frase curta e precisa[...] (SALOMON, 2000,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-metodológicos

Leia mais

EVIDENCIANDO O SENSO COMUM COM A RELAÇÃO DE DUAS TEORIAS: REPRESENTAÇÃO SOCIAL E RELAÇÃO COM O SABER

EVIDENCIANDO O SENSO COMUM COM A RELAÇÃO DE DUAS TEORIAS: REPRESENTAÇÃO SOCIAL E RELAÇÃO COM O SABER EVIDENCIANDO O SENSO COMUM COM A RELAÇÃO DE DUAS TEORIAS: REPRESENTAÇÃO SOCIAL E RELAÇÃO COM O SABER Carlineide Justina da Silva Almeida Mestranda do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGEd), da Universidade

Leia mais

E.E. Prof. Willian Rodrigues Rebuá

E.E. Prof. Willian Rodrigues Rebuá Identidade no Processo de Avaliação do Desempenho Escolar IDESC Índice de Desempenho Escolar E.E. Prof. Willian Rodrigues Rebuá Sala 9 Sessão 1 Prof. Ms. Ediney Gusmão Jr. PCG Prof. Jaime Borges de Souza

Leia mais

Dossiê: Livro Didático e Ensino de História

Dossiê: Livro Didático e Ensino de História Dossiê: Livro Didático e Ensino de História Luciana Rossato* Vanderlei Machado** O número 1 do volume 23 da Revista Cadernos do Aplicação aborda o livro didático de História. Busca situar sua historicidade,

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA GINÁSTICA: NOVOS OLHARES, NOVAS PERSPECTIVAS

METODOLOGIA DO ENSINO DA GINÁSTICA: NOVOS OLHARES, NOVAS PERSPECTIVAS METODOLOGIA DO ENSINO DA GINÁSTICA: NOVOS OLHARES, NOVAS PERSPECTIVAS LUCIANA MARCASSA 2004 Leandro Alves; Leandro Borges, Neir da Luz, Rafael Martins; Renato Lima. INTRODUÇÃO A Ginástica é um importante

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA Professora Andréa Cardoso OBJETIVO DA AULA Conhecer os principais movimentos reformistas para a disciplina de Matemática 2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO

Leia mais

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL Kelen dos Santos Junges - UNESPAR/Campus de União da Vitória Mariane de Freitas - UNESPAR/Campus de União da Vitória

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E A SEXUALIDADE: O OLHAR DO PROFESSOR

EDUCAÇÃO INFANTIL E A SEXUALIDADE: O OLHAR DO PROFESSOR 1 EDUCAÇÃO INFANTIL E A SEXUALIDADE: O OLHAR DO PROFESSOR Laísa Mayda Santos Ferreira Estudante do Curso de Licenciatura em Pedagogia Universidade Federal da Paraíba UFPB Campus IV, laisa_mayda_rb@hotmail.com

Leia mais

CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE 1 CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Joana D`arc Anselmo da Silva Estudante do Curso de Licenciatura em Pedagogia, bolsista PIBID Universidade Federal da Paraíba. UFPB Campus IV, joanadarc945@gmail.com

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO As diferentes unidades que compõem o conjunto de cadernos, visam desenvolver práticas de ensino de matemática que favoreçam as aprendizagens dos alunos. A

Leia mais

OS OBJETIVOS E CONTEÚDOS DE ENSINO. In: LIBÂNEO, J. C. (1994). Didática. São Paulo: Cortez.

OS OBJETIVOS E CONTEÚDOS DE ENSINO. In: LIBÂNEO, J. C. (1994). Didática. São Paulo: Cortez. OS OBJETIVOS E CONTEÚDOS DE ENSINO In: LIBÂNEO, J. C. (1994). Didática. São Paulo: Cortez. Objetivos e conteúdos de ensino Conteúdos: base objetiva da instrução referidos aos objetivos e viabilizados pelos

Leia mais

Palavras-Chave: Prática Formativa. Desenvolvimento Profissional. Pibid.

Palavras-Chave: Prática Formativa. Desenvolvimento Profissional. Pibid. O SUBPROJETO DO CURSO DE PEDAGOGIA NO PIBID/ CAPES/UFAC COMO PRÁTICA FORMATIVA E SUAS REPERCUSSÕES NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE: APROXIMAÇÕES INICIAIS Lúcia de Fátima Melo Universidade Federal

Leia mais

VISITA AOS ARQUIVOS DAS FACULDADES DE EDUCAÇÃO AS TENDÊNCIAS TEÓRICAS DA DISCIPLINA DIDÁTICA NO FIM DA DÉCADA DE 90

VISITA AOS ARQUIVOS DAS FACULDADES DE EDUCAÇÃO AS TENDÊNCIAS TEÓRICAS DA DISCIPLINA DIDÁTICA NO FIM DA DÉCADA DE 90 VISITA AOS ARQUIVOS DAS FACULDADES DE EDUCAÇÃO AS TENDÊNCIAS TEÓRICAS DA DISCIPLINA DIDÁTICA NO FIM DA DÉCADA DE 90 Ireuda da Costa Mourão UFAM Evandro Ghedin - UERR Resumo Este estudo examina conteúdos

Leia mais

PLANEJAMENTO. Para que Planejar? A finalidade do planejamento é a eficiência; A eficiência é a execução perfeita de uma tarefa que se realiza;

PLANEJAMENTO. Para que Planejar? A finalidade do planejamento é a eficiência; A eficiência é a execução perfeita de uma tarefa que se realiza; Prof. jose PLANEJAMENTO Para que Planejar? A finalidade do planejamento é a eficiência; A eficiência é a execução perfeita de uma tarefa que se realiza; O planejamento visa também a eficácia. 1 Planejar

Leia mais

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO CURRÍCULO Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª.

Leia mais

como se deu seu desenvolvimento e identificando quais fatores condicionaram sua manifestação. Duarte (2001), outro pesquisador representante dessa

como se deu seu desenvolvimento e identificando quais fatores condicionaram sua manifestação. Duarte (2001), outro pesquisador representante dessa 1 PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: PROPOSIÇÕES E CATEGORIAS MAZZEU, Lidiane Teixeira Brasil UNESP GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: CNPq O presente texto consiste

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA Carmen Célia Barradas Correia Bastos- UNIOESTE/Cascavel/PR Nelci Aparecida

Leia mais

PIBID GEOGRAFIA NA MEDIAÇÃO ENTRE A ESCOLA E A UNIVERSIDADE COMO ESPAÇOS DE FORMAÇÃO DOCENTE

PIBID GEOGRAFIA NA MEDIAÇÃO ENTRE A ESCOLA E A UNIVERSIDADE COMO ESPAÇOS DE FORMAÇÃO DOCENTE 1 PIBID GEOGRAFIA NA MEDIAÇÃO ENTRE A ESCOLA E A UNIVERSIDADE COMO ESPAÇOS DE FORMAÇÃO DOCENTE Márcia Cristina de Oliveira Mello UNESP Campus de Ourinhos PIBID/CAPES Resumo Dentro de uma política institucional

Leia mais

Matemática. 1 Semestre. Matemática I 75h. Ementa: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica.

Matemática. 1 Semestre. Matemática I 75h. Ementa: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica. Matemática 1 Semestre Matemática I 75h Ementa: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica. Lógica 60h Ementa: Estuda proposições, análise e discussões

Leia mais

AULA 04. Profº André Luis Torres SABERES E PRÁTICAS

AULA 04. Profº André Luis Torres SABERES E PRÁTICAS AULA 04 Profº André Luis Torres SABERES E PRÁTICAS Selma Garrido Pimenta, Evandro Ghedin Em sua obra, Pimenta traz a tona o pensar e o refletir que é próprio do ser humano e evidencia a contribuição da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO/UFRGS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO/UFRGS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO/UFRGS ASSESSORIA DE JOGOS 2009 PROJETO AMORA (CAP/UFRGS) PROCESSOS DE APROPRIAÇÃO DAS AÇÕES E DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS. Orientadora:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESCOLAR: AS CONTRIBUIÇÕES DE MARCOS REIGOTA ROBERTA DALL AGNESE DA COSTA PAULO TADEU CAMPOS LOPES

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESCOLAR: AS CONTRIBUIÇÕES DE MARCOS REIGOTA ROBERTA DALL AGNESE DA COSTA PAULO TADEU CAMPOS LOPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESCOLAR: AS CONTRIBUIÇÕES DE MARCOS REIGOTA ROBERTA DALL AGNESE DA

Leia mais

Concurso Público Osasco PEB I SLIDES Prof. Amarildo Vieira

Concurso Público Osasco PEB I SLIDES Prof. Amarildo Vieira Concurso Público Osasco PEB I - 2017 SLIDES Prof. Amarildo Vieira PEDAGOGO UNIb ESPECIALIZAÇÃO EM DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR PUC/SP BACHARELANDO EM DIREITO Uninove DIRETOR DE ESCOLA PMSP/SP PROFESSOR

Leia mais

Documento de Apoio às Metas Curriculares de História

Documento de Apoio às Metas Curriculares de História Documento de Apoio às Metas Curriculares de História (3.º Ciclo do Ensino Básico) Equipa: Ana Isabel Ribeiro (Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra) João Paulo Avelãs Nunes (Faculdade de Letras

Leia mais

TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA. A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a

TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA. A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA RACHEL DUARTE ABDALA - UNITAU A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a metodologia atribuída e empregada

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A IMPRENSA PERIÓDICA COMO FONTE PARA A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A IMPRENSA PERIÓDICA COMO FONTE PARA A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A IMPRENSA PERIÓDICA COMO FONTE PARA A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Resumo Cristiane Silva Melo 1 - UEM Gizeli Fermino Coelho 2 - UEM Taís Renata Maziero Giraldelli 3 - UEM Maria Cristina Gomes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Jaiana Cirino dos Santos Graduanda de Pedagogia CFP / UFCG jaianacz@hotmail.com Alzenira Cândida Alves Graduanda de Pedagogia CFP /UFCG

Leia mais

Avaliação no Ensino e Aprendizagem da Matemática. Zaqueu Vieira Oliveira

Avaliação no Ensino e Aprendizagem da Matemática. Zaqueu Vieira Oliveira Avaliação no Ensino e Aprendizagem da Matemática Zaqueu Vieira Oliveira Atividade Didática em Matemática Planejamento Avaliação Aplicação Planejamento e a Avaliação de Atividades Didáticas Tarefas Propostas

Leia mais