MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA FUNDO NACIONAL DE SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA FUNDO NACIONAL DE SAÚDE"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA FUNDO NACIONAL DE SAÚDE NORMAS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA DE PROGRAMAS E PROJETOS MEDIANTE A CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E INSTRUMENTOS CONGÊNERES 2005 Série A. Normas e Manuais Técnicos

2 FICHA TÉCNICA 2005 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Série A. Normas e Manuais Técnicos Tiragem: 1ª edição exemplares Elaboração, distribuição e informações: Secretaria-Executiva Fundo Nacional de Saúde Coordenação-Geral de Contratos e Convênios Esplanada dos Ministérios, bloco G, Edifício Anexo, ala A, 2.º andar CEP: , Brasília - DF Tels: (61) / Fax: (61) Home page: Participantes: Grupo de trabalho formado por técnicos do Fundo Nacional de Saúde/Coordenação Geral de Contratos e Convênios CGCC, Secretaria Executiva SE (Subsecretaria de Planejamento e Orçamento SPO, Coordenação Geral de Investimentos em Saúde CGIS), da Secretaria de Assistência à Saúde SAS, da Secretaria de Vigilância em Saúde SVS, da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos SCTIE, da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde - SGTES e da Fundação Nacional de Saúde FUNASA. Capa e projeto gráfico: Assessoria de Relações Institucionais do Fundo Nacional de Saúdes Apoio Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura - UNESCO Impresso no Brasil / Printed in Brazil FICHA CATALOGRÁFICA 2

3 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 5 PORTARIA Nº 453/GM, DE 24 DE MARÇO DE CAPITULO 1 DEFINIÇÃO DE TERMOS, DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA A 8 ELABORAÇÃO DOS PLEITOS/PROJETOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA 1.1 DEFINIÇÃO DE TERMOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS RELACIONADOS ÀS UNIDADES MÓVEIS DE SAÚDE DIRETRIZES, CRITÉRIOS E PRIORIDADES APLICÁVEIS AOS PROJETOS OU 16 PROPOSTAS/PLEITOS DE COOPERAÇÃO FINANCEIRA. 1.4 CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SAÚDE SEGUNDO A 21 POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH 1.5 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DA FUNASA PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM 20 SAÚDE CAPÍTULO 2 - FORMAS DE COOPERAÇÃO DISPOSIÇÕES GERAIS TRANSFERÊNCIA REGULAR E AUTOMÁTICA DE RECURSOS CONVÊNIOS E INSTRUMENTOS CONGÊNERES 23 CAPÍTULO 3 - OPERACIONALIZAÇÃO DISPOSIÇÕES GERAIS HABILITAÇÃO DE ENTIDADE E DIRIGENTE APRESENTAÇÃO DE PRÉ-PROJETO FORMALIZAÇÃO DO PLEITO SISTEMA DE EMENDAS PARLAMENTARES QUALIFICAÇÃO DO PLEITO REQUISITOS PARA ATENDIMENTO DE PLEITOS PERCENTUAL DE CONTRAPARTIDA 31 CAPÍTULO 4 - PROGRAMAS E AÇÕES 33 CAPÍTULO 5 - OBRAS E SERVIÇOS DE ARQUITETURA E DE ENGENHARIA DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO BÁSICO DE ARQUITETURA RELATÓRIO TÉCNICO 43 CAPÍTULO 6 CONVÊNIOS E INSTRUMENTOS CONGÊNERES ANÁLISE E APROVAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO CELEBRAÇÃO VIGÊNCIA PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE VIGÊNCIA/EXECUÇÃO LIBERAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO FINANCEIRA EXECUÇÃO REFORMULAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO COMPROVAÇÃO DAS DESPESAS PRESTAÇÃO DE CONTAS 58 CAPÍTULO 7 PLANO DE TRABALHO DISPOSIÇÕES GERAIS DESCRIÇÃO DO PROJETO CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE APLICAÇÃO CRONOGRAMA DE DESEMBOLSO 60 3

4 7.5 - PROPOSTA PARA ESTABELECIMENTO ASSISTENCIAL DE SAÚDE PROPOSTA DE AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS PERMANENTES 60 POR AMBIENTE E AQUISIÇÃO DE UNIDADE MÓVEL DE SAÚDE FORMULÁRIOS 64 ANEXO I - CADASTRO DO ÓRGÃO OU ENTIDADE E DO DIRIGENTE 65 ANEXO II - DECLARAÇÃO DE CUMPRIMENTO DOS CONDICIONANTES LEGAIS 67 ANEXO III- DECLARAÇÃO DE SITUAÇÃO DE TERRENO SEM TÍTULO DE PROPRIEDADE 69 ANEXO IV - PLANO DE TRABALHO DESCRIÇÃO DO PROJETO 71 ANEXO V - PLANO DE TRABALHO / CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE APLICAÇÃO 73 ANEXO VI - PLANO DE TRABALHO / CRONOGRAMA DE DESEMBOLSO 75 ANEXO VII - PLANO DE TRABALHO / MEMORIAL DESCRITIVO 77 ANEXO VIII - PLANO DE TRABALHO / PROPOSTA ASSISTENCIAL PARA 79 ESTABELECIMENTO ASSISTENCIAL DE SAÚDE (EAS) ANEXO IX - PLANO DE TRABALHO PROPOSTA DE AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E 81 MATERIAL PERMANENTE POR AMBIENTE E UNIDADE MÓVEL DE SAÚDE ANEXO X - PRESTAÇÃO DE CONTAS 83 RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO ANEXO XI - PRESTAÇÃO DE CONTAS / RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRA 85 ANEXO XII - PRESTAÇÃO DE CONTAS / RELAÇÃO DE PAGAMENTOS EFETUADOS 88 ANEXO XIII - PRESTAÇÃO DE CONTAS 90 RELAÇÃO DE BENS ADQUIRIDOS, PRODUZIDOS OU CONSTRUÍDOS ANEXO XIV - PRESTAÇÃO DE CONTAS/ CONCILIAÇÃO BANCÁRIA 92 ANEXO XV - REFORMULAÇÃO DE PLANO DE TRABALHO CAPÍTULO 8 - INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES INSCRIÇÃO OBRIGATÓRIA EM VEÍCULOS AUTOMOTORES ADQUIRIDOS COM 95 RECURSOS DO MS MODELO DE PLACA DE OBRA SIGLÁRIO 98 4

5 APRESENTAÇÃO Uma das responsabilidades relevantes do Ministério da Saúde é a de cooperar, técnica e financeiramente, com órgãos e entidades, mediante a transferência regular e automática de recursos e a celebração de convênios e instrumentos congêneres. No cumprimento de seu papel de gestor federal do Sistema Único de Saúde (SUS), vem implementando mudanças com o objetivo de ampliar a efetiva cooperação técnica e financeira mediante gestão participativa. Para tanto, o Ministério adotou algumas estratégias, dentre elas, a identificação de problemas e a formulação conjunta de propostas para o seu enfrentamento. Algumas mudanças no processo de apresentação de pleitos foram realizadas. Entre elas destaca-se a apresentação do Pré-projeto, diretamente pela Internet, endereço Isso possibilita ao órgão ou entidade expor seu pleito, com detalhamento adequado e menores custos. Outra novidade é a criação do Sistema de Emendas Parlamentares, também com acesso direto pela Internet, endereço Esse sistema foi elaborado para facilitar a atuação dos Parlamentares na distribuição de recursos de suas emendas (pág.29). Outra modificação importante refere-se à utilização da Internet para o preenchimento dos formulários (ANEXOS de I a XV) utilizados para composição dos projetos. Esses formulários estão disponíveis no endereço A utilização de sistema on-line no processo propicia análise e entendimento imediatos por parte do Ministério, além de facilitar e ampliar sua comunicação com os proponentes a respeito de seus projetos. A cada entrada de dados no sistema, o Ministério retornará a cada órgão e/ou entidade mensagem de confirmação. Após o recebimento de e ofício encaminhados pelo Fundo Nacional de Saúde FNS, confirmando a aceitação do Pré-projeto, o órgão ou entidade deverá providenciar o Projeto, com todos os documentos obrigatórios e anexos, encaminhando-o: a) às Divisões de Convênios e Gestão DICON, localizadas nos Estados; b) ao Fundo Nacional de Saúde FNS, no caso de órgãos ou entidades localizadas no Distrito Federal. Esse procedimento racionalizará a elaboração e o encaminhamento de Projetos, evitando o acúmulo de processos não atendidos em face de sua incompatibilidade com as diretrizes e políticas do Ministério da Saúde. Caso o órgão ou a entidade não tenha acesso à Internet, poderá obtê-lo junto a Órgãos Públicos em seu município ou junto à DICON, para cadastramento do Préprojeto. Vale ressaltar, também, que foi aprimorado o sistema de acompanhamento, realizado de forma: a) concomitante: durante a vigência dos convênios e instrumentos congêneres, para verificar a correspondência das ações executadas com as programadas e fornecer orientações técnicas ao convenente para retomada do percurso, se for o caso; b) subseqüente, após a vigência dos convênios e instrumentos congêneres, para verificar o cumprimento do objeto, alcance dos objetivos sociais e a observância da legislação vigente. 5

6 Antes restrito à meta financeira do convênio e instrumento congênere, o acompanhamento abrange também a meta física acordada. Isso facilita a adoção de correções e ajustes que se façam necessários ao alcance do objetivo estabelecido, no decorrer da execução do projeto. Esta edição das Normas mantém e reforça os objetivos processuais de racionalidade/descentralização administrativa, de visibilidade e de transparência, conforme estabelecem a Constituição Federal, as Leis Orgânicas da Saúde e as Normas Operacionais do SUS. Estas Normas configuram instrumento apropriado para apresentação de pleitos e projetos: a) às Divisões de Convênios e Gestão DICON, localizadas nos Estados; b) às Coordenações Regionais da Fundação Nacional de Saúde FUNASA; c) ao Fundo Nacional de Saúde FNS, no caso de órgãos ou entidades localizadas no Distrito Federal. 6

7 7

8 CAPITULO 1 DEFINIÇÃO DE TERMOS, DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DOS PLEITOS/PROJETOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA. 1.1 DEFINIÇÃO DE TERMOS Para os efeitos desta Norma consideram-se: Categoria Econômica Forma de classificação da despesa pública sob o critério da permanência ou durabilidade do investimento ou inversão, seja com a produção ou aquisição de bens, seja com o gasto com manutenção ou recuperação; assim, no contexto da classificação orçamentária, funcional-programática por categoria econômica: digito 3 designa despesa corrente, o gasto com manutenção ou recuperação que não contribui diretamente para a formação, aquisição ou aumento de bem de capital; e digito 4 designa despesa de capital, aquelas que contribuem para a criação de bens a serem incorporados ao patrimônio público Ex: Despesas de Capital: Aquisição de equipamentos, veículos, construção nova, ampliação de unidades de saúde etc. Despesas Correntes: Custeio da manutenção administrativa, reforma/recuperação de unidades de saúde etc. Código da Funcional-Programática Código identificador da classificação da despesa por função, subfunção, programa, ação que permite relacionar as dotações orçamentárias aos objetivos do governo, viabilizados pelos programas. Código por Grupo de Natureza da Despesa GND Código que agrega elementos de despesa com as mesmas características quanto ao objeto do gasto. Por exemplo: Pessoal e Encargos Sociais, Juros e Encargos da Dívida, Outras Despesas Correntes, Investimentos, Inversões Financeiras etc. Complexo Produtivo da Saúde CPS Conjunto que integra numa unidade os segmentos: industrial, de serviços, de pesquisa e desenvolvimento, de formação de pessoal e logística, responsável tanto pela geração e disponibilização de insumos estratégicos para o SUS (equipamentos, fármacos; hemoderivados; reagentes de diagnósticos, vacinas, utilizados na rede de serviços etc), quanto pela gestão do sistema de saúde, e que impactam as condições de saúde e bem-estar da população. 8

9 Contrapartida Recursos próprios do convenente a serem alocados ao projeto. Concedente Órgão ou entidade responsável pela transferência dos recursos financeiros ou pela descentralização dos créditos orçamentários destinados à execução do objeto do convênio. Convênio Instrumento que disciplina a transferência de recursos públicos, tendo como partícipe órgão da administração pública federal direta, autárquica ou fundacional, empresa pública ou sociedade de economia mista que esteja gerindo recursos dos orçamentos da União, visando à execução de programas de trabalho, projeto/atividade ou evento de interesse recíproco, em regime de mútua cooperação. Convenente Órgão ou entidade a qual a administração federal pactua a execução de programa, projeto/atividade ou evento mediante a celebração de convênio. Cronograma de desembolso Previsão de transferência de recursos financeiros, de conformidade com a proposta de execução das metas, etapas e fases do Plano de Trabalho e com a disponibilidade financeira do Ministério da Saúde. Cronograma de execução Ordenação das metas especificadas, qualificadas e quantificadas em cada etapa ou fase, segundo a unidade de medida pertinente, com previsão de início e fim. Dirigente Responsável pela gestão do órgão e ou entidade convenente, definido e comprovado em documentação legal. Emenda Parlamentar ao Orçamento da União. Meio utilizado pelo Poder Legislativo para incluir no projeto de lei orçamentária anual autorização para posterior transferência de recursos do Orçamento da União para órgãos e entidades federais, estaduais e municipais e entidades particulares, mediante a contemplação de projetos, atividades ou operações especiais tipificadas. Pode ser Emenda de Bancada ou Individual, quando o proponente for toda uma bancada de 9

10 representantes ou apenas um em particular; Nominativa ou Global, quando for indicado o destinatário individualizado num determinado programa de trabalho ou quando for uma destinação mais geral. Entidade Instituição pública ou privada, detentora de personalidade jurídica, distinta de ente governamental, interessada em obter apoio técnico e financeiro do Ministério da Saúde MS, para projetos específicos na área da saúde. Habilitação Procedimento que permite ao convenente, mediante a apresentação de um conjunto de documentos exigidos, definidos segundo a esfera administrativa a que pertença (estadual, municipal, privada sem fins lucrativos), comprovar a sua capacidade legal perante o cumprimento de condicionantes constitucionais, legais e normativos, que o torne apta para o recebimento dos recursos a serem transferidos. Justificativa Apresentação clara e sucinta dos motivos que levaram a apresentação do pleito na forma, condições, especificações e detalhamentos nele contidos juntamente com a descrição dos objetivos e benefícios a serem alcançados por meio da proposição. Meta Partes constitutivas qualificadas e adequadamente quantificáveis do objeto proposto pelo projeto/pleito apresentado. Exemplo: metas de ampliação; aquisição de equipamentos e material permanente; aquisição de unidade móvel de saúde; conclusão; construção nova; custeio; reforma etc. Objetivo O que se pretende alcançar em decorrência da consecução do objeto do convênio, consiste principalmente na melhoria implementada na oferta dos serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde SUS decorrente da consecução do objeto do convênio. Objeto Produto final de convênio, contrato ou instrumentos congêneres, observados o programa de trabalho e as suas especificidades. 10

11 Obras e serviços Ações administrativas ou governamentais praticadas pelo Convenente que visam a consecução de determinados objetos, dentre os quais: a) ampliação: acréscimo de área a uma edificação existente, ou mesmo construção de uma nova edificação para ser agregada funcionalmente (fisicamente ou não) a um estabelecimento já existente; b) conclusão: obra cujos serviços de engenharia foram suspensos, não restando qualquer atividade no canteiro de obras; c) construção nova: construção de uma edificação desvinculada funcionalmente ou fisicamente de algum estabelecimento já existente; d) reforma/recuperação: alteração ou não de ambientes, porém sem acréscimo de área construída, podendo incluir vedações e/ou as instalações existentes, substituição ou recuperação de materiais de acabamento ou instalações existentes. Plano de Aplicação Detalhamento das despesas e especificação em categorias de programação. Plano de Trabalho Detalhamento do pleito/projeto e seus elementos: objeto, etapas, fases, objetivos, devidamente qualificados e quantificados (despesas indicadas e valoradas), acompanhados de justificativas, cronogramas e plano de aplicação. Programa de Trabalho Designa uma parte do planejamento governamental contido no orçamento público que integraliza a realização do produto final de determinada função de governo consistente em ação, projeto ou atividade. Projeto No contexto orçamentário, é o instrumento de programação para alcançar o objetivo de um programa, em contraposição à atividade, contempla operações, limitadas no tempo, resultando em produto que concorre para a expansão ou aperfeiçoamento da ação de governo. Na linguagem aplicável aos convênios de natureza financeira, é a forma que se reveste o pleito ou a proposição podendo se referir a um projeto típico ou a uma atividade. Reformulação de Plano de Trabalho Meio pelo qual, mediante proposta apresentada pelo convenente, permite-se alterar a programação da execução de convênio, depois de analisada pela área técnica e submetida à aprovação da autoridade responsável pelo órgão concedente. 11

12 Saldo de Convênio Disponibilidade financeira em conta bancária especifica do convênio, relativa aos recursos repassados pelo Concedente e aos provenientes da contrapartida, destinados à aplicação no objeto pactuado, ainda que este já tenha sido concluído. Sistema de Organização para Modelos Assistenciais do Sus - SOMASUS Para atender às exigências de integração de soluções das deficiências e problemas existentes no âmbito do SUS, os pleitos podem ser elaborados com auxilio do Sistema de Organização para Modelos Assistenciais do SUS - SOMASUS, desenvolvido pelo Ministério da Saúde, para ser uma ferramenta ágil e prática, orientadora da elaboração de projetos a serem financiados. Por meio do SOMASUS os gestores estaduais e municipais do SUS podem dimensionar suas necessidades de obras e aquisição de equipamentos/materiais permanentes para seus estabelecimentos de saúde. Os pleitos apresentados ao MS elaborados com o auxilio dessa ferramenta poderão refletir melhor a realidade local e possibilitar maior agilidade no processo de análise técnica e, conseqüentemente, na aprovação dos projetos. Em síntese, o SOMASUS facilita o planejamento em todos os níveis de governo. No caso das obras, fornece, por exemplo, as dimensões mínimas necessárias a cada ambiente. Além disso, o gestor pode adequar os tipos de serviços, e seus respectivos ambientes, aos equipamentos necessários, de acordo com o nível de complexidade de cada estabelecimento de saúde. Sobretudo, o próprio gestor pode realizar a sua análise e elaborar o seu projeto, ficando mais seguro para tomar suas decisões em relação aos investimentos em saúde para seu Estado ou Município. A nova ferramenta é totalmente gratuita e está disponível para download no endereço Transferência Voluntária Entrega de recursos correntes ou de capital a outro ente da Federação, a título de cooperação, auxílio ou assistência financeira, que não decorra de determinação constitucional ou legal ou se destine ao Sistema Único de Saúde. Exemplo: Convenio de natureza financeira. Unidades de Medida Meio pelo qual quantifica-se as metas, etapas e fases com as suas necessárias especificações (qualificação), por exemplo: 1. para Ampliação, Conclusão, Construção nova e Reforma/Recuperação: m 2 ; 2. para Custeio: percentual e/ou unidade; 3. para Equipamentos, Material Permanente e Unidade Móvel de Saúde: unidade. Unidades Móveis de Saúde São unidades instaladas em veículos que deslocados visam ao oferecimento da assistência ou prevenção a saúde de forma a assegurar a resolubilidade do sistema. 12

13 Tipos de unidade móveis de saúde: ambulâncias e consultórios. 1.2 Diretrizes e Critérios Relacionados às unidades móveis de saúde I - Ambulâncias: Conforme Portaria nº 2048/GM/MS, de 05 de novembro de 2002, as ambulâncias devem dispor, dentre outros requisitos, de equipamentos médicos adequados à complexidade de suas funções, a saber: a) TIPO A : transporte ou simples remoção. Veículo para transporte em decúbito horizontal (deitado) de pacientes que não apresentam risco de vida, para remoção simples e de caráter eletivo. Deve contar com 2 profissionais (o motorista e o Técnico ou Auxiliar de Enfermagem). Equipamentos e materiais permanentes: 1. sinalizador óptico e acústico; 2. equipamento de rádio-comunicação; 3. suporte para soro; 4. maca com rodas; 5. cilindro de oxigênio. b) TIPO B : de suporte básico. Veículo para transporte de pacientes com risco de vida conhecido e ao atendimento pré-hospitalar de pacientes com risco de vida desconhecido, não classificado com potencial de necessitar de intervenção médica no local e / ou durante transporte até o serviço de destino. Deve contar com 2 profissionais (o motorista e o Técnico ou Auxiliar de Enfermagem). Equipamentos e materiais permanentes: 1. sinalizador óptico e acústico; 2. equipamento de rádio-comunicação; 3. suporte para soro 4. maca com rodas e articulada; 5. cilindro de oxigênio portátil com válvula; 6. instalação de rede de oxigênio com cilindro, válvula, manômetro em local de fácil visualização e régua com dupla saída; oxigênio com régua tripla (a - alimentação do respirador; b - fluxômetro e umidificador de oxigênio e c aspirador tipo Venturi); 7. pranchas (longa e curta) de imobilização da coluna; 8. maleta contendo: laringoscópio infantil e adulto com lâminas retas e curvas, estetoscópio, esfigmomanômetro aneróide adulto e infantil. Instalações: 1. compartimento do paciente com altura mínima de 1,50m, medida do assoalho ao teto; largura mínima de 1,60m, medida 30 cm acima do 13

14 assoalho do veículo, e compartimento mínimo 2,10m medido da porta traseira ao encosto do banco do motorista; 2. intercomunicação entre a cabine do motorista e o compartimento do paciente mediante abertura que possibilite a passagem de uma pessoa, de forma ergonomicamente confortável. c) TIPO D : de suporte avançado ou UTI Móvel. Veículo destinado ao atendimento e transporte de pacientes de alto risco em emergências préhospitalares e/ ou de transporte inter-hospitalar que necessitam de cuidados médicos intensivos. Deve contar com 3 profissionais (o motorista, o enfermeiro e o médico). Equipamentos e materiais permanentes: 1. sinalizador óptico e acústico; 2. equipamento de rádio-comunicação; 3. dois suportes para soro; 4. maca com rodas e articulada; 5. cadeira de rodas, dobrável; 6. cilindro de oxigênio portátil com válvula; 7. instalação de rede de oxigênio com cilindro, válvula, manômetro em local de fácil visualização e régua com dupla saída; oxigênio com régua tripla (a - alimentação do respirador; b - fluxômetro e umidificador de oxigênio e c aspirador tipo Venturi); 8. respirador mecânico de transporte; 9. monitor cardioversor com bateria e instalação elétrica compatível; 10. oxímetro não invasivo portátil; 11. prancha longa para imobilização; 12. maleta contendo: laringoscópio infantil e adulto com lâminas retas e curvas, estetoscópio, esfigmomanômetro aneróide adulto e infantil. Instalações: 1. compartimento do paciente com altura mínima de 1,70m, medida do assoalho ao teto; largura mínima de 1,60m medida a 30cm do assoalho do veículo, e compartimento mínimo de 2,10m medido do encosto do banco dianteiro à porta traseira do veículo; 2. intercomunicação entre a cabine do motorista e o compartimento do paciente mediante abertura que possibilite a passagem de uma pessoa, de forma ergonomicamente confortável. d) TIPO F : embarcação de transporte médico. Veículo aquaviário motorizado, para transporte marítimo ou fluvial. Equipado como os tipos A, B ou D de ambulâncias, deve possuir os equipamentos médicos necessários ao atendimento de pacientes conforme a gravidade. Composta por 2 ou 3 profissionais, segundo o tipo de atendimento a ser realizado, a equipe deve contar com o auxiliar ou o técnico de enfermagem (se suporte básico de vida), o médico e enfermeiro (se suporte avançado de vida), e o condutor da embarcação, em ambos os casos. 14

15 II - Consultórios: subdividem-se em: a) Consultório Médico: Equipamentos mínimos: 1. Mesa médico-ginecológica estofada com porta - coxas e perneiras; 2. Escadinha com dois degraus; 3. Autoclave para esterilização; 4. Mocho mecânico; 5. Maleta contendo: Esfigmomanômetro, estetoscópio; 6. Armário para guarda de materiais; 7. Lavatório e reservatório de água; 8. Ar condicionado. Opcional: Ultra-som portátil. b) Consultório Odontológico: Equipamentos mínimos: 1. Cadeira odontológica semi-automática; 2. Equipo com seringa tríplice com saída para micromotor de baixa rotação e contra ângulo; 3. Unidade auxiliar com sugador; 4. Refletor odontológico; 5. Compressor de ar odontológico; 6. Autoclave para esterilização; 7. Amalgamador; 8. Fotopolimerizador; 9. Aparelho de profilaxia com ultra-som e jato de bicarbonato; 10. Mocho mecânico; 11.Ar condicionado. c) Consultório Oftalmológico: Equipamentos mínimos: 1. Cadeira oftalmológica, 2. Oftalmoscópio, 3. Refrator, 4. Projetor, 5. Lensômetro, 6. Coluna Pantográfica, 7. Mocho Mecânico, 8. Armário para guarda de materiais, 9. Lavatório e reservatório de água 10. Ar condicionado. d) Consultório Médico-Laboratório: Equipamentos mínimos: 1. Centrifugadora; 2. Microcentrífuga; 3. Agitador de Klein; 4. Estufa; 5. Espectrofotômetro; 15

16 6. Microscópio binocular; 7. Suporte para braço; 8. Banho Maria; 9. Armário para guarda de materiais; 10. Lavatório e reservatório de água; 11. Bancada. Opcional: Ar condicionado. Observações: c) o layout da unidade móvel deverá prever disposição dos equipamentos internos antes mencionados conforme sua finalidade, a saber: 1. Consultório Médico; 2. Consultório Odontológico; 3. Consultório Oftalmológico; 4. Consultório Médico-Laboratório; 5. Consultório Médico-Odontológico; 6. Consultório Médico-Oftalmológico. d) a altura interna (compartimento de atendimento ao paciente / cliente) desses veículos não poderá ser inferior a 1,80m; Unidades Móveis para outros fins. Poderá ser aprovada a aquisição de: 1) Veículos para transporte de equipes de PSF e PACS: A ação deverá ser Estruturação da Rede de Atenção Básica. Enviar ofício, anexado ao projeto, informando a finalidade a que se destina o veículo. 2) Veículos para transporte de pacientes/clientes para centros especializados em outros municípios que ofereçam condições de assistência devida (município sede ou pólo): Enviar ofício, anexado ao projeto, informando a finalidade a que se destina o veículo e o tipo de Gestão em Saúde (NOAS / SUS 01/2002) em que o município se encontra. 3) Outros veículos poderão ser solicitados para programas específicos do Ministério da Saúde (Ver Normas de Cooperação Técnica e Financeira Capítulo 04). 1.3 Diretrizes, Critérios e Prioridades Aplicáveis aos Projetos ou Propostas/Pleitos de Cooperação Financeira. 1) As diretrizes têm por objetivo: a) contribuir no processo de elaboração de pleitos para aplicação de recursos financeiros no âmbito do Sistema Único de Saúde SUS; 16

17 b) compatibilizar a aplicação de recursos financeiros às prioridades definidas em conjunto pelas três esferas de gestão (federal, estadual e municipal) e pelo controle social (Conselhos de Saúde); c) avançar na estruturação qualificada da rede de serviços do SUS. 2) Os projetos devem ser adequados às necessidades locais, considerando: a) as diretrizes prioritárias por macrorregiões (Centro-oeste, Nordeste, Norte, Sudeste, Sul), conforme divulgado em Portaria do Ministério da Saúde; b) a população e sua especificidade; c) a demanda esperada de usuários; d) o papel do estado e/ou município na gestão do SUS, indicando as melhores alternativas para sua consolidação. 3) São os seguintes os critérios utilizados na análise dos projetos: a) papel estratégico para a descentralização do SUS; b) atendimento de grupos estratégicos; c) desenvolvimento da força de trabalho; d) racionalidade do investimento; e) coerência com as prioridades nacionais de investimentos no complexo produtivo da saúde, que envolve o Estado (gestor das políticas públicas de saúde e regulador do setor), as redes de serviços de saúde pública (SUS) e privada (saúde suplementar), bem como as indústrias farmacêuticas e de insumos e equipamentos de uso médico; f) verificação da sustentabilidade do projeto; g) custo-efetividade do projeto; h) impacto sobre a cobertura e a integralidade das ações de saúde; i) modelo de gestão do projeto. 4) Quando da alocação de recursos deverão ser observados os seguintes critérios: a) relevância dos projetos; b) coerência com as macrodiretrizes do Ministério da Saúde e com a infraestrutura existente; c) viabilidade e sustentabilidade na execução do projeto, bem como em sua manutenção; d) compatibilidade tecnológica; e) capacidade de lidar com seu custeio; f) recursos humanos adequados à utilização da tecnologia em questão, entre outros. 5) Terão prioridade os pleitos de investimento que contemplarem: a) aquisição de equipamentos; b) construção nova e a ampliação de unidades de saúde, ressalvado que pleitos para conclusão de obras deverão preceder os de construções novas, quando na mesma unidade da federação. 6) Outros parâmetros a serem observados: a) a relação entre o grau de complexidade do equipamento de saúde e seu papel na organização regional do SUS; 17

18 b) a faixa populacional em que se enquadra o município beneficiário, conforme disposto em Portaria do Ministério da Saúde; c) os tipos de serviços por faixa populacional do município beneficiário, conforme discriminado a seguir: 18

19 Tipos de Serviços por Faixa Populacional dos Municípios Serviços Faixas Populacionais dos Municípios, em milhares de habitantes = P. P< 5 5 P <10 10 P <25 25 P <50 50 P < P Ambulatório de Centro de Alta Complexidade em Oncologia II X Ambulatório de Centro de Alta Complexidade em Oncologia III X Ambulatório Hospital Especializado X Ambulatório Hospital-Geral X X Central de Regulação X X Central de Tele Saúde X X Centro de Atenção Psicossocial X X Centro de Parto X X Centro de Saúde X X X X X X Centro de Saúde Bucal X X Clínica Especializada X X X Farmácia (Medicamentos Especiais e Excepcionais) X Fisioterapia III (**) X X X Fisioterapia Tipo I (**) X X Fisioterapia Tipo II (**) X Hospital de Pequeno Porte (*) X X Hospital Especializado X Hospital-Geral X X Laboratório Básico de Imagem X Laboratório Básico de Saúde Pública I X X X Laboratório Básico de Saúde Pública II X (*) Vedado, em todo o território nacional, o investimento do SUS para construção nova de Hospitais de Pequeno Porte em Municípios ou microrregiões com até habitantes (Portaria 1044/GM, de 1º/06/2004). (**) Os equipamentos de cada tipo foram definidos segundo os critérios adotados pela Secretaria Executiva/Coordenação Geral de Investimentos em Saúde a partir dos projetos apresentados ao Ministério da Saúde. 19

20 Serviços Faixas Populacionais dos Municípios, em milhares de habitantes = P. P< 5 5 P <10 10 P <25 25 P <50 50 P < P Laboratório Básico de Saúde Pública III X X Laboratório de Imagem X X Núcleo de Atenção à Saúde Bucal X X X X Núcleo de Atenção Psicossocial X X X Núcleo de Reabilitação X X Posto de Coleta Laboratorial X Sala de Tele Saúde X X X X Unidade Básica da Saúde X X X X X X Unidade de Atenção Pré-Hospitalar Fluvial X Unidade de Atenção Pré-Hospitalar Terrestre X X Unidade de Atenção Pré-Hospitalar Terrestre/Fluvial X X X Unidade de Regulação X X Unidade de Saúde da Família X X X X X X Unidade de Saúde Especializada X Unidade de Urgência e Emergência Especializada X X Unidade de Urgência e Emergência Geral X X Unidade de Vigilância Epidemiológica X X X X X X Unidade de Vigilância Sanitária X X X X X X Unidade Mista de Saúde X X X X X Unidade Móvel de Saúde Fluvial X Unidade Móvel de Saúde Terrestre/Fluvial X X X X Viatura de Apoio à Saúde X X X X X X Obs. As faixas populacionais são intervalos para a população P. Por exemplo, 5 P <10 significa que a faixa é de municípios com população a partir de 5.000, inclusive 5.000, até habitantes. 20

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Governo do Distrito Federal - GDF Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP Transferências voluntárias:

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos Civil DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre as normas relativas às transferências de recursos da União mediante convênios

Leia mais

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS NO SICONV

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS NO SICONV CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS NO SICONV Gianna Lepre Perim Curitiba - 2013 SICONV VEDAÇÕES PI 507/2011 VEDAÇÕES Art. 10º É vedada a celebração de convênios e contratos de repasse: I - com órgãos e entidades

Leia mais

Orientações para preenchimento do Plano de Trabalho específico para o PRONAF Infra-Estrutura e Serviços Municipais

Orientações para preenchimento do Plano de Trabalho específico para o PRONAF Infra-Estrutura e Serviços Municipais PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR Orientações para preenchimento do Plano de Trabalho específico para o PRONAF Infra-Estrutura e Serviços Municipais Brasília, fevereiro de 2004

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE TÉCNICA DE OBRAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE TÉCNICA DE OBRAS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DIRETORIA DE PROGRAMA COORDENAÇÃO GERAL DE INVESTIMENTOS EM SAÚDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE TÉCNICA DE OBRAS (O presente Manual não inclui orientações

Leia mais

MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL

MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL SEPN 511, Bloco A, 2 Andar, Edifício Bittar II - Brasília/DF CEP: 70.758-900 Fone: (61) 3217.9516 Endereço eletrônico:

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: - Entidades beneficentes de assistência social (certificadas como entidades

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 7, DE 24 DE ABRIL DE 2007

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 7, DE 24 DE ABRIL DE 2007 FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 7, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Estabelece os documentos necessários à comprovação de regularidade para transferência de recursos e para habilitação

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS EDITAL 001/2014 Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS TORNA PÚBLICO O PROCESSO DE SELEÇÃO DE ENTIDADES E ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, PROGRAMAS,

Leia mais

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO Esta Chamada Pública de Apoio Institucional visa à seleção de projetos a serem apoiados pelo CAU/BR na modalidade de Apoio à Assistência

Leia mais

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício de 2015, e dá outras providências. Art. 60 - Sem prejuízo das disposições contidas nos demais artigos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

3 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO BÁSICO

3 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO BÁSICO 3 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO BÁSICO IDENTIFICAÇÃO Nome do projeto Instituição proponente CNPJ/MF da Instituição proponente Responsável pela instituição proponente (nome, CPF, RG, endereço, telefone,

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A ABDI tem por objeto promover a execução de políticas de desenvolvimento industrial,

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE GABINETE DO PREFEITO Controladoria Geral do Município

PREFEITURA DO RECIFE GABINETE DO PREFEITO Controladoria Geral do Município GABINETE DO PREFEITO INFORMATIVO Nº 001/2013 Orientações acerca do registro de pêndencias no Serviço Auxiliar de Informações para transferências Voluntárias (CAUC) do Governo Federal, Fator impeditivo

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO N.º 3, DE 3 DE MARÇO DE 2006

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO N.º 3, DE 3 DE MARÇO DE 2006 FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO N.º 3, DE 3 DE MARÇO DE 2006 Estabelece os documentos necessários à comprovação de regularidade para transferência de recursos

Leia mais

As entidades privadas sem fins lucrativos e as transferências voluntárias. - Legislação -

As entidades privadas sem fins lucrativos e as transferências voluntárias. - Legislação - As entidades privadas sem fins lucrativos e as transferências voluntárias - Legislação - Mário Vinícius Spinelli Secretário de Prevenção da Corrupção e Informações Estratégicas Controladoria-Geral da União

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 003 DE 03 DE MARÇO DE 2006 Estabelece os documentos necessários à comprovação de regularidade

Leia mais

Conveniada com o Poder Público

Conveniada com o Poder Público Conveniada com o Poder Público Entidade privada sem fins lucrativos, com o qual a administração federal pactua a execução de programa, projeto/atividade ou evento mediante a celebração de convênio. Associação

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007.

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre o Cadastro de Convenentes da Administração Estadual. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE

Leia mais

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. TERMOS DE COOPERAÇÃO. DO CONTROLE DA NECESSIDADE AO NECESSÁRIO CONTROLE. COFEN-COREN Lei nº. 5.905, de 12/07/1973. Art. 1º. São criados o Conselho

Leia mais

O SISTEMA DE GESTÃO DAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO SICONV COMO FERRAMENTA PARA CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS PELOS MUNICÍPIOS

O SISTEMA DE GESTÃO DAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO SICONV COMO FERRAMENTA PARA CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS PELOS MUNICÍPIOS O SISTEMA DE GESTÃO DAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO SICONV COMO FERRAMENTA PARA CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS PELOS MUNICÍPIOS No cumprimento de seu papel institucional de desenvolvimento e coordenação

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União;

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União; INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 4, DE 17 DE MAIO DE 2007 DOU de 18.5.2007 _ Retificação _DOU de 21.5.2007 Altera dispositivos, que especifica, da Instrução Normativa nº 1, de 15 de janeiro de 1997, disciplinadora

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS.

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS. 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A Fundação Nacional de Saúde FUNASA, observando as disposições da Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, Lei nº 8.142,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

Barracões Industriais Orientações aos Municípios

Barracões Industriais Orientações aos Municípios ESTADO DE GOIÁS COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS - GOIASINDUSTRIAL Barracões Industriais Orientações aos Municípios A. O projeto de barracões industriais será cadastrado pelo município no SICONV

Leia mais

Resolução Mec/FNDE nº 22, de 13 de maio de 2011

Resolução Mec/FNDE nº 22, de 13 de maio de 2011 Resolução Mec/FNDE nº 22, de 13 de maio de 2011 Diário Oficial da União nº 92, de 16 de maio de 2011 (segunda-feira) Seção 1 Pág. 17/18 Ministério da Educação FUNDO NACONAL DE DESENVOLVMENTO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA NACIONAIS NO ÂMBITO DA FIOCRUZ BAHIA. Órgão Gestor

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA NACIONAIS NO ÂMBITO DA FIOCRUZ BAHIA. Órgão Gestor 18/11/2009 Órgão Elaborador 13:35 Núcleo de Planejamento Órgão Gestor Núcleo de Planejamento Órgão Aprovador Diretoria REVISÃO 00 DATA: SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Siglas Utilizadas 4.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo?

Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo? 008 Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo? Luciano de Souza Gomes SENADO FEDERAL Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle Diretor Luiz Fernando de Mello Perezino Editores

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 8 12/02/2014 16:28 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Vigência (Vide Portaria Interministerial nº 507, de 2011) Dispõe

Leia mais

Secretaria do Planejamento

Secretaria do Planejamento Salvador, Bahia Sexta-Feira 10 de outubro de 2014 Ano XCIX N o 21.543 Secretaria do Planejamento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 DE 08 DE OUTUBRO DE 2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública

Leia mais

DECRETA: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETA: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 10 do Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967, nº art.

Leia mais

PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006.

PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006. PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006. Define o processo da Programação Pactuada e Integrada da Assistência em Saúde seja um processo instituído no âmbito do Sistema Único de Saúde. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE TÉCNICA DE EQUIPAMENTOS MÉDICO HOSPITALARES, MATERIAIS PERMANENTES E UNIDADES MÓVEIS DE SAÚDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE TÉCNICA DE EQUIPAMENTOS MÉDICO HOSPITALARES, MATERIAIS PERMANENTES E UNIDADES MÓVEIS DE SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DIRETORIA DE PROGRAMA COORDENAÇÃO GERAL DE INVESTIMENTOS EM SAÚDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE TÉCNICA DE EQUIPAMENTOS MÉDICO HOSPITALARES, MATERIAIS PERMANENTES

Leia mais

RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I

RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I Alterada pela Resolução CNAS nº 3, de 13 de fevereiro de 2001 Regras e critérios para a concessão ou renovação do Certificado de Entidade

Leia mais

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I Anexo I REGULAMENTO DA CONCESSÃO DO AUXÍLIO FINANCEIRO A PROJETO EDUCACIONAL E DE PESQUISA - AUXPE 1. Da Concessão e Aceitação 1.1 A solicitação e concessão de recursos financeiros dar-se-á mediante celebração

Leia mais

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos.

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. Resolução CNAS n.º 32, de 24 de fevereiro de 1999 Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. O Plenário do Conselho Nacional de Assistência Social

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA PROJETOS REFERENTES AO PROGRAMA LIVRO ABERTO NA AÇÃO FOMENTO A PROJETOS CULTURAIS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 8 3/10/2012 13:55 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Vigência (Vide Portaria Interministerial nº 507, de 2011) Dispõe sobre

Leia mais

Emendas Impositivas e Sistema de Monitoramento de Obras -SISMOB. Porto Alegre/RS, 14 de julho de 2015

Emendas Impositivas e Sistema de Monitoramento de Obras -SISMOB. Porto Alegre/RS, 14 de julho de 2015 Emendas Impositivas e Sistema de Monitoramento de Obras -SISMOB Porto Alegre/RS, 14 de julho de 2015 Emendas Parlamentares 2015 Orçamento Impositivo Orçamento Impositivo A Emenda Constitucional 86/2015

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

EDITAL PÚBLICO DE CADASTRAMENTO DE ENTIDADES PÚBLICAS OU PRIVADAS COM DESTINAÇÃO SOCIAL Nº EPE.0006.000005-1/2013

EDITAL PÚBLICO DE CADASTRAMENTO DE ENTIDADES PÚBLICAS OU PRIVADAS COM DESTINAÇÃO SOCIAL Nº EPE.0006.000005-1/2013 EDITAL PÚBLICO DE CADASTRAMENTO DE ENTIDADES PÚBLICAS OU PRIVADAS COM DESTINAÇÃO SOCIAL Nº EPE.0006.000005-1/2013 O DOUTOR GUSTAVO DE PAIVA GADELHA, JUIZ FEDERAL TITULAR DA 6ª VARA DA /PB, no uso das atribuições

Leia mais

ROTEIRO DE CONVÊNIOS

ROTEIRO DE CONVÊNIOS ROTEIRO DE CONVÊNIOS AÇÃO: ESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA DO ARTESANATO BRASILEIRO 23 691.2047.6514 1 SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Humberto Luiz Ribeiro - Secretário DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS

Leia mais

EDITAL DE JUSTIFICATIVA Nº XX/2015

EDITAL DE JUSTIFICATIVA Nº XX/2015 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional EDITAL DE JUSTIFICATIVA Nº XX/2015 IMPLANTAÇÃO OU MODERNIZAÇÃO DE COZINHAS COMUNITÁRIAS, RESTAURANTES

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO. EDITAL DE SELEÇÃO UAB nº. 01/2006-SEED/MEC/2006/2007

EDITAL DE SELEÇÃO. EDITAL DE SELEÇÃO UAB nº. 01/2006-SEED/MEC/2006/2007 EDITAL DE SELEÇÃO EDITAL DE SELEÇÃO UAB nº. 01/2006-SEED/MEC/2006/2007 Segunda Chamada Pública para Seleção de Pólos Municipais de Apoio Presencial e de Cursos Superiores de Instituições de Ensino Superior

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO EDITAL Nº JFRJ-EDT-2015/00176 EDITAL DE EDITAL PÚBLICO DE CADASTRAMENTO E SELEÇÃO DE ENTIDADES (PRAZO DE PRAZO PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS: ATÉ 01 DE DEZEMBRO DE 2015) O DOUTOR FÁBIO DE SOUZA SILVA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRIL DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRIL DE 2009 MNSTÉRO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACONAL DE DESENVOLVMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELBERATVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRL DE 2009 Estabelece os documentos necessários à certificação da situação de regularidade

Leia mais

SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE EDITAL N 32, DE 24 DE JULHO DE 2014

SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE EDITAL N 32, DE 24 DE JULHO DE 2014 SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE EDITAL N 32, DE 24 DE JULHO DE 2014 O SECRETÁRIO DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE - SUBSTITUTO do Ministério da Saúde e o SECRETÁRIO

Leia mais

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014.

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014. 1. Objeto EDITAL DE PROJETOS FUNDAÇÃO APERAM ACESITA 2014 REGULAMENTO GERAL Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da 2014. São objetivos do presente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 35 DE 22 DE JULHO DE 2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 35 DE 22 DE JULHO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 35 DE 22 DE JULHO DE 2008 Estabelece orientações e diretrizes para apoio financeiro para

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA EDITAIS DE CULTURA 2008

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA EDITAIS DE CULTURA 2008 Seleção Pública de Projetos na área de Audiovisual/ Implantação e Programação de Espaços de Exibição Cinematográfica Utilizando Tecnologia Digital e Analógica Chamada pública nº 0002/2008 O ESTADO DO RIO

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO QUARTO TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 14/ANA/2004 CELEBRADO ENTRE A AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E A ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL, COM A ANUÊNCIA DO COMITÊ PARA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte.

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. 2003. Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Série B. Textos Básicos de Saúde MS Série Políticas de Saúde Tiragem: 10.000 exemplares Elaboração,

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ.

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. PREÃMBULO 1994 EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. A Prefeitura Municipal de Marabá, por intermédio

Leia mais

MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP)

MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP) Regras Gerais de Estrutura e Formatação do MSICSP O primeiro

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação.

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. Sistema Único de Saúde 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. 2003 Sistema Único de Saúde! Saúde como direito de cidadania e dever do Estado, resultante de políticas públicas

Leia mais

Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União. Facilitador: Fernanda Lyra

Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União. Facilitador: Fernanda Lyra Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União Facilitador: Fernanda Lyra Horário da Aula: 28 de janeiro - Segunda - das 18h às 20h SICONV TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU DESTINAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA - APLICÁVEL PARA O EXERCÍCIO DE 2012 CODIFICAÇÃO UTILIZADA PARA CONTROLE DAS

Leia mais

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE Salvador, 21 e 22 de julho de 2010 CONVÊNIOS EQUIPE: Alessandro Chaves de Jesus Ana Lucia Alcântara Tanajura Cristiane Neves de Oliveira

Leia mais

Guia Executivo de Orientação sobre Captação de Recursos na Saúde

Guia Executivo de Orientação sobre Captação de Recursos na Saúde Guia Executivo de Orientação sobre Captação de Recursos na Saúde SUMÁRIO 1. Apresentação 02 2. Fundo Nacional de Saúde (FNS) 02 3. Tipos de Recursos 03 3.1 Contemplação Nominal 03 3.2 Não Contemplação

Leia mais

Portal dos Convênios - Siconv. Cadastramento de Proponente Consórcio Público e Entidades Privadas sem Fins Lucrativos

Portal dos Convênios - Siconv. Cadastramento de Proponente Consórcio Público e Entidades Privadas sem Fins Lucrativos MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - Siconv Cadastramento de Proponente Consórcio

Leia mais

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS Em conformidade às competências do CAU/BR previstas na Lei nº 12.378/2010 e em seu Regimento Geral, são apoiados projetos que contribuem para

Leia mais

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 Estabelece orientações e diretrizes para o apoio financeiro às

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/ FINEP/ FNDCT PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS 04/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/ FINEP/ FNDCT PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS 04/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/ FINEP/ FNDCT PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS 04/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA NA ÁREA DE CIÊNCIAS SOCIAIS 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

Siconv para Convenentes

Siconv para Convenentes Siconv para Convenentes Módulo2 Portal de Convênios e Siconv Brasília - 2015. Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento Gerencial Paulo Marques

Leia mais

Informações Gerais sobre a Transferência de recursos

Informações Gerais sobre a Transferência de recursos Informações Gerais sobre a Transferência de recursos Introdução: O Governo Federal publicou em 2007 o Decreto nº 6.170 com o objetivo de regulamentar os convênios, contratos de repasse e termos de cooperação

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 30/10/2015 Prezados clientes, A Câmara dos Deputados aprovou na noite de 28.10.2015, o Projeto de Lei de Conversão ( PLV ) nº 21/2015, referente à Medida

Leia mais

CONVÊNIO N o 96, DE 19 DE OUTUBRO DE 2015. Convênio que entre si celebram o Município de Santa Maria e o Banco da Esperança - Ação Social.

CONVÊNIO N o 96, DE 19 DE OUTUBRO DE 2015. Convênio que entre si celebram o Município de Santa Maria e o Banco da Esperança - Ação Social. CONVÊNIO N o 96, DE 19 DE OUTUBRO DE 2015 Convênio que entre si celebram o Município de Santa Maria e o Banco da Esperança - Ação Social. O MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, com sede na cidade de Santa Maria,

Leia mais

PORTARIA No- 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA No- 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA No- 189, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 Institui o Serviço de Referência para Diagnóstico e Tratamento de Lesões Precursoras do Câncer do Colo de Útero (SRC), o Serviço de Referência para Diagnóstico

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 Dispõe sobre alterações na Regulamentação de apoio à pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que prestam serviços preponderantemente na área da educação podem requerer a

Leia mais

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS ESPORTIVOS SOCIAIS 2007-2008

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS ESPORTIVOS SOCIAIS 2007-2008 EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS ESPORTIVOS SOCIAIS 2007-2008 Ministério do Esporte Secretaria Especial dos Direitos Humanos Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Comissão de Chancela

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

INSTRUTIVO DE ORIENTAÇÃO PARA LIBERAÇÃO DE INCENTIVO FINANCEIRO

INSTRUTIVO DE ORIENTAÇÃO PARA LIBERAÇÃO DE INCENTIVO FINANCEIRO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA INSTRUTIVO DE ORIENTAÇÃO PARA LIBERAÇÃO DE INCENTIVO FINANCEIRO PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC 2 SELEÇÃO 2013 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DA EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRA

RELATÓRIO DA EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRA PREENCHIMENTO DO ANEXO III RELATÓRIO DA EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRA FÍSICO: refere-se ao indicador físico da qualificação e quantificação do produto de cada meta e etapa executada e a executar. Não fazer

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS)

MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) APRESENTAÇÃO Este Manual

Leia mais

PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010

PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 Estabelece orientações e procedimentos a serem adotados na celebração de Contratos, Termos de Cooperação, Acordos de Cooperação Técnica e outros instrumentos congêneres,

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 13.869 DE 02 DE ABRIL DE 2012 Estabelece procedimentos a serem adotados pelos órgãos e entidades da Administração

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 02/2014/DESAM/FUNASA/MS.

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 02/2014/DESAM/FUNASA/MS. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 02/2014/DESAM/FUNASA/MS. 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A Fundação Nacional de Saúde FUNASA, observando as disposições da Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, Lei nº 8.142,

Leia mais

F. Tratamento fora do domicílio

F. Tratamento fora do domicílio F. Tratamento fora do domicílio artigos 197 e 198 da Constituição Federal de 1988; Lei Orgânica da Saúde nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, disciplinada pela Portaria Federal nº 055, de 24 de fevereiro

Leia mais

SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADOR CLÉSIO ANDRADE Manual para Prefeituras Celebrarem Convênios já Autorizados com a Caixa Econômica Federal SENADOR CLÉSIO ANDRADE Conteúdo INTRODUÇÃO... 3 CICLO DO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO... 4 CONTRAPARTIDA OBRIGATÓRIA...

Leia mais