TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014"

Transcrição

1 TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014 Esta Norma estaelee os parâmetros para o transporte terrestre dos produtos perigosos quimiamente inompatíveis que devem ser segregados uns dos outros para minimizar os risos, em aso de vazamento, ruptura de emalagem ou de qualquer outro aidente. Os ritérios definidos nesta Norma são apliáveis às argas fraionadas e a granel de produtos e de resíduos perigosos, mesmo em se tratando de quantidade limitada por veíulo, em uma mesma unidade de transporte e durante o eventual armazenamento temporário No aso do armazenamento temporário no deorrer do transporte, o responsável pelo transporte do produto perigoso deve apliar as disposições desta Norma, aso não seja possível garantir que os produtos perigosos inompatíveis estejam armazenados de tal forma que, no aso de um vazamento, não ofereçam riso. NOTA: Os ritérios de inompatiilidade desta Norma podem ser orientativos em relação ao armazenamento, desde que sejam oservados as normas e os regulamentos de segurança espeífios apliáveis. Para armazenamento, além dos ritérios desritos nesta Norma, as inompatiilidades são avaliadas produto a produto, inlusive verifiando as informações desritas nas FISPQ e/ou informações disponíveis em ases de dados naionais e/ou internaionais sore os produtos químios armazenados A norma ABNTNBR14619 se refere ao transporte terrestre de produtos perigosos e a FISPQ (ABNTNBR14725-Parte4) ao manuseio e armazenagem de produtos químios, logo o que onsta no item 10 da FISPQ referente as inompatiilidades químias é para efeito de manuseio e armazenagem dos produtos não para o transporte.. A norma ABNTNBR14619 edição 2014 foi aseada na ADR e os ritérios adotados são mundiais, mas para efeito de transporte, pois temos quantidades menores e geralmente as emalagens são homologadas. O expedidor na omposição de uma expedição om diversos produtos perigosos, deve adotar todas as preauções relativas à preservação da arga, espeialmente quanto à ompatiilidade (ABNTNBR14619), oservando o disposto no iniso II do Art 12 da Resolução 3665/11 da ANTT Verifiar tamém as proiições itadas nos demais inisos do Art 12 da Resolução 3665/11 da ANTT. Se um mesmo arregamento ompreender produtos perigosos e produtos não lassifiados omo perigosos ou ainda outras ategorias de meradorias ompatíveis, os volumes om produtos perigosos devem fiar separados dos demais produtos e meradorias do arregamento, de modo a failitar o aesso a eles em asos de emergênia. Em uma mesma unidade de transporte é proiido transportar produtos perigosos inompatíveis entre si ou om produtos não lassifiados omo perigosos, quando houver possiilidade de riso direto ou indireto, de danos a pessoas, ens ou ao meio amiente, exeto nos asos estaeleidos na legislação espeífia ou quando os produtos perigosos (exeto sustânias e artigos da lasse 1 e materiais radioativos da lasse 7) ou não perigosos, desde que tais produtos, transportados de forma fraionada e adequadamente emalados, sejam segregados em ofres de arga (ou ontentores) na unidade de transporte que garantam a estanqueidade entre os produtos transportados, assegurando a impossiilidade de danos a pessoas, meradorias, segurança púlia e meio amiente. Emalagens e/ou sore-emalagens não podem onter produtos perigosos que reajam perigosamente entre si. Brasília: SAS Quadra 1 Lotes 3/4 - Bloo J 7º andar Torre A Edifíio CNT CEP Brasília DF T.:

2 NOTA: Informações sore Cofre de arga ou Contentor: O ofre de arga é um elemento de segregação e deve ser estanque, devendo ter no máximo as dimensões de um palete onforme ABNTNBR 8242 (1,0m x1,20m).foi puliada uma norma sore ofre de arga de plástio (ABNT NBR 15589), porém nesta Norma ita apenas um tipo de ofre, podendo ter outros modelos e tipos. O ofre de arga se define omo aixa om feho(s) para aondiionamento de arga geral perigosa ou não, transportada de forma fraionada e adequadamente emalada, om a finalidade de segregar, durante o transporte, produtos perigosos inompatíveis ou produtos perigosos om outro tipo de meradoria, garantantindo a estanqueidade entre os produtos perigosos transportados e o restante do arregamento. O ofre de arga ou ontentor não é uma emalagem, é simplesmente um elemento segregador utilizado no transporte. O Contentor é uma estrutura interamiável destinada a produtos perigosos, espeialmente oneida para failitar o transporte sem a ruptura da arga, dotada de dispositivos para sua fixação ao veíulo, ujas dimensões não oedeçam aos padrões do ontêinertanque. O termo ontentor não ompreende as emalagens, IBC, emalagens grandes ou tanques portáteis. O ontentor não é uma emalagem, é simplesmente um elemento segregador utilizado no transporte O interior e as partes externas do ofre de arga ou ontentor devem ser inspeionados antes do arregamento, a fim de garantir a ausênia de qualquer dano que possa afetar a sua integridade ou a dos volumes a serem arregados.é responsailidade do fariante e/ou do expedidor do produto perigoso a esolha do ofre de arga ou ontentor adequado, aendo a eles a responsailidade por danos omprovadamente assoiados a aidentes provoados, no todo ou em parte, por utilização equivoada.o ofre de arga ou ontentor não pode apresentar trina(s), rahadura(s) e/ou perfuração(ões) em qualquer uma das superfíies internas e/ou externas ou qualquer deformação permanente que possa omprometer a estanqueidade do ofre de arga, durante toda a sua vida útil.sugestão esreva no ofre a informação COFRE DE CARGA ou CONTENTOR para não deixar a ritério do fisalizador esta avaliação. O Expedidor, orientado pelo fariante, deve informar, no ampo próprio da Fiha de Emergênia ou em uma delaração nos asos em que a fiha não é exigida, quais os produtos, perigosos ou não, devem ser segregados do produto perigoso transportado levando em onsideração todos os risos ( prinipais e susidiários) do mesmo, devendo informar ao transportador, em ada emarque, estas inompatiilidades. Os ritérios de inompatiilidade estão estruturados tomando-se por ase as lasses e sulasses de riso previstas na legislação de transporte de produtos perigosos em vigor. Dois produtos são onsiderados inompatíveis se pelo menos uma relação ruzada, entre seus risos prinipais e/ou susidiários, indiar inompatiilidade nas Taelas A.1 (no aso espeífio para produtos da lasse 1 - Explosivos) e Taela A.2 (para todas as lasses e sulasses de riso de produtos perigosos), em anexo. Todas as relações estaeleidas nas Taelas A.1 e A.2, em anexo, pressupõem a ondição de que os produtos perigosos estejam aondiionados, emalados, marados, rotulados e sinalizados de forma apropriada, onforme previsto na legislação em vigor, e não apresentem qualquer sinal de resíduo perigoso na sua parte externa. Os ritérios de inompatiilidade previstos nesta Norma não são restritivos, devendo o fariante ou expedidor do produto perigoso orientado pelo fariante, estaeleer as inompatiilidades, fazendo as onsiderações neessárias quando: a) Houver inompatiilidades não previstas nas Taelas A.1 e A.2, desde que mais rígidas, tomando omo ase as araterístias físio-químias, propriedades espeífias e onentrações dos produtos perigosos; ) Houver inompatiilidade químia entre produtos perigosos dentro de uma mesma lasse ou sulasse de riso ou inompatiilidade radiológia e nulear no aso espeífio para a lasse 7 (materiais radioativos); Brasília: SAS Quadra 1 Lotes 3/4 - Bloo J 7º andar Torre A Edifíio CNT CEP Brasília DF T.:

3 ) Houver inompatiilidade entre produtos perigosos e produtos não lassifiados omo perigosos pela legislação espeífia; d) O transporte de produtos perigosos for autorizado pela legislação em vigor em emalagens que não neessitem a omprovação de sua adequação a programa de avaliação de onformidade (homologação de emalagem) da autoridade ompetente; e) Se tratar de transporte de resíduos, soluções ou misturas que ontenham produtos perigosos de mais de uma lasse ou sulasse de riso ou uma ou mais sustânias não lassifiadas omo perigosas, de aordo om a legislação em vigor; f) Forem transportados resíduos gerados de produtos, soluções ou misturas que não ontenham omponentes onstantes na relação de produtos perigosos onforme legislação em vigor, mas que em ontato entre si gerem um riso intrínseo de produto perigoso que venha a atender aos ritérios das lasses 1 a 9. É proiido: a) O transporte de produtos ou insumos para uso/onsumo humano ou animal (alimentíio, osmétio, farmaêutio ou veterinário), em equipamento de transporte destinado ao transporte de produtos perigosos a granel, salvo as exeções previstas na legislação em vigor. Os produtos ou insumos para uso/onsumo humano ou animal, transportados de forma irregular, omo previsto neste item, devem ser desartados omo resíduos e enaminhados para fins de despejo, inineração, ou qualquer outro proesso de disposição final; ) O transporte de produtos ou insumos para uso/onsumo humano ou animal (alimentíio, osmétio, farmaêutio ou veterinário), em emalagens que tenham ontido produto perigoso (omo emalagem reondiionada, refariada ou reutilizada), onforme legislação em vigor. Os produtos ou insumos para uso/onsumo humano ou animal, transportados de forma irregular omo previsto nesta alínea, devem ser desartados omo resíduos e enaminhados para fins de despejo, inineração, ou qualquer outro proesso de disposição final; ) A utilização/envase/transporte omo emalagens primárias e/ou seundárias de produtos alimentíios/farmaêutios/osmétios e seus insumos ou quaisquer ojetos para uso e/ou onsumo humano e/ou animal em emalagens que tenham ontido produtos perigosos em algum momento de sua vida útil, independentemente de estarem limpas e/ou desontaminadas; d) É proiido o transporte de produtos perigosos juntamente om alimentos, mediamentos ou ojetos destinados ao uso/onsumo humano ou animal, ou om emalagens de produtos destinados a estes fins, om insumos para fins alimentíios, osmétios, farmaêutios ou veterinários ou produtos para uso/onsumo humano ou animal, om outros produtos perigosos que não têm a mesma destinação salvo quando transportados em ofre (s) de arga ou ontentor (es), onforme previsto na legislação em vigor (exeto para segregar qualquer tipo de sustânia e artigo explosivo da lasse 1 ou materiais radiativos da lasse 7 de outros produtos perigosos inompatíveis, alimentos, mediamentos, ojetos destinados ao uso/onsumo humano ou animal, ou ainda de emalagens de produtos e insumos destinados a fins alimentíio, osmétio, farmaêutio ou veterinário.) NOTA: É proiido o uso de ofres de arga ou ontentor para segregar qualquer tipo de sustânia e artigo explosivo da lasse 1 ou materiais radiativos da lasse 7 de outros produtos perigosos inompatíveis, alimentos, mediamentos, ojetos destinados ao uso/onsumo humano ou animal, ou ainda de emalagens de produtos e insumos destinados a fins alimentíio, osmétio, farmaêutio ou veterinário. Brasília: SAS Quadra 1 Lotes 3/4 - Bloo J 7º andar Torre A Edifíio CNT CEP Brasília DF T.:

4 Esta Norma ita ainda as seguintes informações: -quando onstar a frase "NÃO REUTILIZAR ESTA EMBALAGEM" na emalagem de produtos perigosos signifia que ela não pode ser reutilizada para produtos destinados ao uso ou onsumo humano e/ou animal. Estas emalagens podem ser reutilizadas para o mesmo fim, desde que atendam aos ritérios da homologação e da ompatiilidade. -todas as unidades de transporte destinadas ao transporte de produtos perigosos a granel, em omo todos os seus dispositivos que entrem em ontato om o produto (mangotes, tuulações, engates, omas, válvulas, vedações e inlusive seus lurifiantes), não podem ser ataados pelo onteúdo e nem formar ominações noivas ou perigosas. NOTA: Na Norma existem ainda informações sore o transporte de produtos perigosos: da lasse 1, da lasse 7, por orreio, em motoiletas, motonetas e ilomotores, de emalagens vazias e não limpas, de emalagens danifiadas ou defeituosas em omo quando houver vazamento ou derramamento de produtos perigosos na unidade de transporte, nas emalagens ou no ofre de arga ou ontentor e outras apliáveis ao transporte de produtos inompatíveis. Brasília: SAS Quadra 1 Lotes 3/4 - Bloo J 7º andar Torre A Edifíio CNT CEP Brasília DF T.:

5 ANEOS- TABELAS A.1 E A.2 TABELA A.1 INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA NO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS DA CLASSE 1 (EPLOSIVOS) Grupo de ompatiilidade para explosivos A A B C D E F G H J K L N S B a C D a E F G H J K L d N S Brasília: SAS Quadra 1 Lotes 3/4 - Bloo J 7º andar Torre A Edifíio CNT CEP Brasília DF T.:

6 Legenda: Transporte ompatível. Assinalado em reme a) Os volumes que ontenham artigos aloados ao grupo de ompatiilidade B e os que ontenham sustânias e artigos do grupo de ompatiilidade D podem ser transportados na mesma unidade de transporte, om a ondição de serem efetivamente separados, de forma a impedir qualquer transmissão da detonação de artigos do grupo de ompatiilidade B e sustânias ou artigos do grupo de ompatiilidade D. A segregação deve ser assegurada utilizando unidade de transporte om ompartimento de segurança para explosivos (onforme Figuras A.3, A.4, A.5 e A.6 da Norma, em omo, no aso espeífio da unidade móvel de omeamento) ou oloando um dos dois tipos de explosivo em uma aixa de segurança (ofre de arga para explosivos), onforme Figura A.1 da Norma. ) É proiido o transporte de artigos diferentes da sulasse 1.6, grupo de ompatiilidade N, a menos que se demonstre por ensaio ou por analogia que não existe qualquer riso suplementar de detonação por influênia entre os referidos artigos. Caso ontrário, devem ser tratados omo pertenendo à sulasse de riso 1.1. ) Sempre que são transportados artigos do grupo de ompatiilidade N om sustânias ou artigos dos grupos de ompatiilidade C, D ou E, os artigos do grupo de ompatiilidade N devem ser onsiderados omo tendo as araterístias do grupo de ompatiilidade D. d) Os volumes que ontenham sustânias e artigos do grupo de ompatiilidade L podem ser transportados na mesma unidade de transporte ou no mesmo ontentor om volumes que ontenham o mesmo tipo de sustânias e artigos desse mesmo grupo de ompatiilidade. Todos os demais asos desta taela são onsiderados inompatíveis para o transporte (assinalado em dourado) A lassifiação dos explosivos em grupos de ompatiilidade, as possíveis sulasses de riso assoiadas a ada grupo e os possíveis ódigos de lassifiação estão desritos nas Taelas B.2 e B.3 da Norma. Regras a serem oservadas no transporte de explosivos da lasse 1: 1. No transporte de qualquer ominação de sustânias e artigos explosivos dos grupos de Compatiilidade C, D e E, deve ser aloada a arga ominada no Grupo de Compatiilidade E. 2. No transporte de qualquer ominação de sustânias dos Grupos de Compatiilidade C e D, o fariante ou o expedidor orientado pelo fariante deve aloar no grupo de ompatiilidade mais adequado entre os grupos de ompatiilidade onstantes na Taela B.2 da Norma, levando em onta as araterístias predominantes da arga ominada. 3. No transporte de sustânias ou artigos lassifiados na sulasse 1.5, grupo de ompatiilidade D, om sustânias e artigos da sulasse 1.2, grupo de ompatiilidade D, na mesma unidade de transporte, toda a arga deve ser tratada, para efeitos de transporte (sinalização, segregação e estiva), omo se pertenesse à sulasse 1.1 grupo de ompatiilidade D. 4. Quando for autorizado o arregamento de artigos e sustânias da lasse 1 om sustânias da lasse 5.1 de nº ONU 1942 (nitrato de amônio) ou nº ONU 3375 (nitrato de amônio, emulsão ou suspensão ou gel), o arregamento deve ser onsiderado explosivo de demolição da lasse 1, para fins da segregação do arregamento. 5. No transporte de sustânias e artigos de diferentes sulasses da lasse 1, sendo respeitadas as inompatiilidades aima previstas, a arga deve ser tratada na sua totalidade, omo se pertenesse à sulasse de maior riso (pela ordem 1.1, 1.5, 1.2, 1.3, 1.6, 1.4), onforme estaeleido na Taela B.4 da Norma. Brasília: SAS Quadra 1 Lotes 3/4 - Bloo J 7º andar Torre A Edifíio CNT CEP Brasília DF T.:

7 TABELA A.2 INCOMPATIBILIDADE PARA O TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Classe ou sulasse de riso d 1.3 d Ver Taela B a a a a a a a a a a a a a a x x x x x x x x x x x x x x 2.2 a x x x x x x x x x x x x x x 2.3 a x x x x x x x x x x x x x x 3 a x x x x x x x x x x x x x x 4.1 a x x x x x x x x x x x x x x x 4.2 a x x x x x x x x x x x x x x 4.3 a x x x x x x x x x x x x x x 5.1 d d d a x x x x x x x x x x x x x x 5.2 a x x x x x x x x x x x x x x x x x 6.1 a x x x x x x x x x x x x x x 6.2 a x x x x x x x x x x x x x x 7 a x x x x x x x x x x x x x x 8 a x x x x x x x x x x x x x x 9 a x x x x x x x x x x x x x x d a Brasília: SAS Quadra 1 Lotes 3/4 - Bloo J 7º andar Torre A Edifíio CNT CEP Brasília DF T.:

8 Legenda: Transporte ompatível.assinalado em reme a) Transporte ompatível om as sustânias e artigos da sulasse 1.4, grupo de ompatiilidade S. ) Transporte ompatível entre as sustânias e artigos da lasse 1 (explosivos) e os produtos da lasse 9 om nº ONU 2990, nº ONU 3072 e nº ONU ) Transporte ompatível entre os infladores para olsa de ar ou módulos para olsa de ar ou prétensores para into de segurança da sulasse 1.4, grupo de ompatiilidade G (nº ONU 0503), e os infladores para olsa de ar ou módulos para olsa de ar ou pré-tensores para into de segurança da lasse 9 (nº ONU 3268). d) Transporte ompatível entre os explosivos de demolição do tipo A (nº ONU 0081), tipo B (nº ONU 0082 e nº ONU 0331), tipo D (nº ONU 0084) e tipo E (nº ONU 0241 e nº ONU 0332), om exeção do tipo C (nº ONU 0083) e o nitrato de amônio (nº ONU 1942), nitrato de amônio, fertilizantes (nº ONU 2067) e os nitratos de metais alalinos e os nitratos de metais alalino-terrosos, na ondição de que o onjunto seja onsiderado explosivo de demolição da lasse 1 para fins da sinalização, da segregação e da estiva. Os nitratos de metais alalinos inluem o nitrato de ésio (nº ONU 1451), o nitrato de lítio (nº ONU 2722), o nitrato de potássio (nº ONU 1486), nitrato de ruídio (NITRATOS INORGÂNICOS, N.E. - nº ONU 1477) e nitrato de sódio (nº ONU 1498). Os nitratos de metais alalinoterrosos inluem o nitrato de ário (nº ONU 1446), o nitrato de erílio (nº ONU 2464), o nitrato de álio (nº ONU 1454), o nitrato de magnésio (nº ONU 1474) e o nitrato de estrônio (nº ONU 1507). Todos os demais asos desta taela são onsiderados inompatíveis para o transporte.assinalado em dourado NOTA sustânias auto-reagentes (Sulasse 4.1) que ontem o rótulo de riso susidiário de explosivo NOTA peróxidos orgânios (Sulasse 5.2) que ontem o rótulo de riso susidiário de explosivo Brasília: SAS Quadra 1 Lotes 3/4 - Bloo J 7º andar Torre A Edifíio CNT CEP Brasília DF T.:

APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERVATÓRIOS E EDIFICAÇÕES

APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERVATÓRIOS E EDIFICAÇÕES & Construções CONCRETO PROTENDIDO APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERATÓRIOS E EDIFICAÇÕES Instituto Brasileiro do Conreto Ano XLIII 78 ABR-JUN 2015 ISSN 1809-7197 www.ibraon.org.br PERSONALIDADE

Leia mais

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres 0 DOSAGE DE TRAÇOS DE ONRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO ÉTODO AI/ABP E ODELO PROPOSTO POR APITELI. Junio de atos Torres Garanhuns setembro de 2015 1 ONRETO DEFINIÇÃO onreto é basiamente o resultado

Leia mais

Início. Guia de Instalação Rápida FAX-2840 / FAX-2845 FAX-2940. o equipamento da embalagem e verificar os componentes. Observação

Início. Guia de Instalação Rápida FAX-2840 / FAX-2845 FAX-2940. o equipamento da embalagem e verificar os componentes. Observação Guia de Instalação Rápida Iníio FAX-2840 / FAX-2845 FAX-2940 Leia o Guia de Segurança de Produto primeiro e, em seguida, leia este Guia de Instalação Rápida para oter o proedimento de onfiguração e instalação

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 420 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 420 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 420 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos Substâncias (incluindo misturas e soluções) e artigos sujeitos

Leia mais

A aparição. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de logaritmo 2. Mostrar algumas aplicações e utilidades do logaritmo

A aparição. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de logaritmo 2. Mostrar algumas aplicações e utilidades do logaritmo A aparição Série Matemátia na Esola Ojetivos 1. Introduzir o oneito de logaritmo 2. Mostrar algumas apliações e utilidades do logaritmo A aparição Série Matemátia na Esola Conteúdos Logaritmo: álulo e

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos

Agência Nacional de Transportes Terrestres REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos Rio de Janeiro, 09 de outubro de 2007 Base legal: Lei Nº 10.233, de 5/6/2001 art.22, inciso VII,

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

Transporte de Produtos e Resíduos Perigosos Legislação e Normas Técnicas. Gloria Santiago Marques Benazzi Agosto 2014

Transporte de Produtos e Resíduos Perigosos Legislação e Normas Técnicas. Gloria Santiago Marques Benazzi Agosto 2014 Transporte de Produtos e Resíduos Perigosos Legislação e Normas Técnicas Gloria Santiago Marques Benazzi Agosto 2014 Classificação do Produto ou Resíduo Químico FISPQ ou FDSR Ficha de Emergência Rotulagem

Leia mais

19. SUSPENSÃO TRASEIRA

19. SUSPENSÃO TRASEIRA 19. SUSPENSÃO TRASEIRA INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 19-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 19-1 DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS 19-2 ES 19-7 GARFO TRASEIRO 19-11 ARTICULAÇÕES DA SUSPENSÃO PRÓ-LINK 19-11 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO

Leia mais

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Conreto Prof..S. Riardo Ferreira O traço Prof..S. Riardo Ferreira Fonte: Dario Dafio Eletrobras Furnas www.ement.org Traço 3/23 A expressão da proporção dos materiais omponentes de uma omposição partiular

Leia mais

WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM

WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM PAINEL DE DEBATES: ANTT: Roberto David, Carmem Caixeta e Regina

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004 Aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos. A Diretoria da Agência Nacional de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015 Instrução Técnica nº 26/2011 - Sistema fixo de gases para combate a incêndio 645 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DE HARMÔNICOS E DESEQUILÍBRIOS EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DE HARMÔNICOS E DESEQUILÍBRIOS EM SISTEMAS DE POTÊNCIA V SBQEE 21 a 24 de agosto de 25 Belém Pará Brasil Código: BEL 11 7653 Tópio: Modelagem e Simulações PROGRAMA COMPTACONAL PARA AVALAÇÃO DE HARMÔNCOS E DESEQLÍBROS EM SSTEMAS DE POTÊNCA Kagan, N Smidt, H

Leia mais

Dimensionamento de estruturas de aço e de estruturas mistas aço-concreto de edifícios em situação de incêndio

Dimensionamento de estruturas de aço e de estruturas mistas aço-concreto de edifícios em situação de incêndio AGO 003 Projeto de Revisão da NBR 1433 Dimensionamento de estruturas de aço e de estruturas mistas aço-onreto de edifíios em situação de inêndio Proedimento Origem: NBR 1433:1999 CB-0: Comitê Brasileiro

Leia mais

Curso de Embalagem para Transporte e Exportação

Curso de Embalagem para Transporte e Exportação Curso de Embalagem para Transporte e Exportação Curso de Embalagem para Transporte e Exportação São Paulo/2013 Gloria Benazzi Sinopse do Curriculum Engenheira química formada em 1975 pela UFRJ; Aposentada

Leia mais

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB Teoria e Prátia na Engenharia Civil, n.12, p.81-91, Outubro, 08 Modelos para previsão do módulo de deformação longitudinal do onreto: NBR-6118 versus Models for prevision of the modulus of elastiity of

Leia mais

8 a Aula. Fundações por estacas

8 a Aula. Fundações por estacas Meânia dos Solos e Fundações PEF 522 8 a Aula Fundações por estaas Fundações por estaas Conreto Aço madeira 1 Capaidade de arga de estaas Q ult Q atrito lateral Q ult = Q atrito lateral + Q ponta Q ponta

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

DE PRODUTOS PERIGOSOS

DE PRODUTOS PERIGOSOS CARTILHA TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Página 1 de 8 1 - LEGISLAÇÃO RESOLUÇÕES DA ANTT SOBRE TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Resolução 420/04 resolução da ANTT (Agência Nacional

Leia mais

Resolvido por Jorge Lagoa, tendo em atenção os Critérios de Classificação do Exame.

Resolvido por Jorge Lagoa, tendo em atenção os Critérios de Classificação do Exame. 1. Na esola da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos alunos pela leitura. Um inquérito realizado inluía a questão seguinte. COTAÇÕES «Quantos livros leste desde o iníio do ano letivo?» As respostas

Leia mais

LIGAÇÕES DE APOIO DE PILARES EM PERFIL TUBULAR

LIGAÇÕES DE APOIO DE PILARES EM PERFIL TUBULAR CONSTRUMETAL 00 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Pauo Brasi 3 de agosto a de setemro 00 LIGAÇÕES DE APOIO DE PILARES EM PERFIL TUBULAR Roerva José Pimenta Codeme Engenharia S.A. Afonso

Leia mais

26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia

26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Universidade ederal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 200 Assoiação rasileira de Métodos Computaionais em Engenharia Aoplamento entre o Método dos Elementos de Contorno e o Método dos Elementos

Leia mais

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013 Elaboração de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos químicos (FDSR) e rotulagem (ABNT-NBR 16725) Resíduos perigosos: classificação (ABNT- NBR 10004 e transporte) Prof. Carlos E. Matos Maio - 2013 FISPQ

Leia mais

PROVA DE CARGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE CONTÍNUA NO DF: COMPARAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA.

PROVA DE CARGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE CONTÍNUA NO DF: COMPARAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA. POVA DE CAGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE COTÍUA O DF: COMPAAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PEVISÃO DE CAPACIDADE DE CAGA. enato Cabral Guimarães 1 ; eusa Maria Bezerra Mota 2 ; Paulo Sérgio Barbosa Abreu 3 ; José

Leia mais

CÓDIGO COMERCIAL PARTE PRIMEIRA: DO COMÉRCIO EM GERAL

CÓDIGO COMERCIAL PARTE PRIMEIRA: DO COMÉRCIO EM GERAL LEI Nº 556, DE 25 DE JUNHO DE 1850 Dom Pedro Segundo, por graça de Deus e unânime alamação dos povos, Imperador Constituional e defensor perpétuo do Brasil: Fazemos saber a todos e nós queremos a Lei seguinte:

Leia mais

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores 4. Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Ciruladores e Derivadores 4.1. INTRODUÇÃO E ste apítulo apresenta as araterístias básias dos abos oaxiais, guias de ondas, iruladores e derivadores. O onheimento do funionamento

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br Osmometria de Membrana Riardo Cunha Mihel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmihel@ima.ufrj.br O Fenômeno da Osmose * A osmose pode ser desrita omo sendo o resultado da tendênia do solvente em meslar-se

Leia mais

FISICA (PROVA DISCURSIVA)

FISICA (PROVA DISCURSIVA) FISICA (PROVA DISCURSIVA) Questão 1: A transmissão de energia elétria das usinas hidrelétrias para os entros onsumidores é feita através de fios metálios que transmitem milhares de watts. Como esses fios

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS 1) O que são produtos perigosos? São substâncias encontradas na natureza ou produzidas por qualquer processo que coloquem em risco a segurança

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Departamento de Engenharia Químia e de Petróleo UFF Outros Aula Proessos 08 de Separação Malhas de Controle Realimentado (Feed-Bak) Diagrama de Bloos usto Prof a Ninoska Bojorge Controlador SUMÁRIO Bloo

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Subunidade Orgânia de Expediente Geral DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011 Serviço responsável pela exeução da deliberação Gabinete de apoio à Presidênia Epígrafe Alienação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Novas resoluções para o transporte de produtos perigosos entram em vigor em maio deste ano

Novas resoluções para o transporte de produtos perigosos entram em vigor em maio deste ano Novas resoluções para o transporte de produtos perigosos entram em vigor em maio deste ano A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) divulgou, ontem (08), duas resoluções publicadas no Diário

Leia mais

Compromisso total com um serviço total. Lingua Portuguesa

Compromisso total com um serviço total. Lingua Portuguesa Lingua Portuguesa Introdução Nosso negóio tem tudo a ver om a demanda dos nossos lientes ompreender a forma omo trabalham e ajudá-los em todos os sentidos om a melhoria ontínua, uma saga que nuna termina.

Leia mais

TERMINAL VILA VELHA Nº: PG-TERMINAL VILA VELHA- 0001. Rev.: 03 06/08/2014 Pág: 1 de 12. Título: ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS NO TVV

TERMINAL VILA VELHA Nº: PG-TERMINAL VILA VELHA- 0001. Rev.: 03 06/08/2014 Pág: 1 de 12. Título: ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS NO TVV Rev.: 03 06/08/2014 Pág: 1 de 12 1 - OBJETIVO Estabelecer critérios para regulamentação de armazenamento de produtos químicos perigosos no TVV, de acordo com sua classe, sub-classe e grupo de embalagem.

Leia mais

Sumário do Volume. Linguagens e Códigos Digitais

Sumário do Volume. Linguagens e Códigos Digitais Linguagens e ódigos igitais Sumário do Volume 1. Gráfios de geografia 05 2. Homotetia 08 3. ivisão Áurea 13 4. Sequênia de Fionai 14 5. Fratais 18 6. álulo de área de figuras planas 28 7. Semana de arte

Leia mais

2. Teoria das Filas. 2.1. Características estruturais dos sistemas de fila

2. Teoria das Filas. 2.1. Características estruturais dos sistemas de fila 2. Teoria das Filas Segudo Fogliatti (2007), a teoria das filas osiste a modelagem aalítia de proessos ou sistemas que resultam em espera e tem omo objetivo determiar e avaliar quatidades, deomiadas medidas

Leia mais

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas Aula 7 Sumário Conjunto de instruções Coneitos Instruções típias O onjunto de instruções Bibliografia: Cap. do livro de teto ses.. a. ISA Instrution Set Arhiteture Conjunto de instruções Alguns oneitos...

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 01/07/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Referência

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A POV DE FÍSI 2º NO - 3ª MENS - 1º TIMESTE TIPO 1) Nos quadrinhos da tira, a mãe meniona as fases da água onforme a mudança das estações. Entendendo-se boneo de neve omo "boneo de gelo" e que, om o termo

Leia mais

Geografia. e Observe a tabela apresentada abaixo.

Geografia. e Observe a tabela apresentada abaixo. Geografia 61 Dentre os 50 países mais pobres do mundo, lassifiados segundo o Índie de Desenvolvimento Humano (IDH) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), 33 estão situados nessa região.

Leia mais

A escolha do consumidor sob incerteza

A escolha do consumidor sob incerteza UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL Departamento de Eonomia - DECON A esolha do onsumidor sob inerteza Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 1 Introdução A inerteza faz parte da vida, nos

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO CAPITULO 1 - Introdução 1 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO O estado gasoso O estado gasoso é ertamente o estado de agregação sob o qual menos nos debruçamos, se pensarmos na observação que fazemos daquilo que nos

Leia mais

Eletrolítica 1.400 µs/cm

Eletrolítica 1.400 µs/cm 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Material de Referência Certificado Solução de Condutividade Nome do produto: Eletrolítica 1.400 µs/cm Código de serviço: 8844 Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página 1 de 6 Data: 03/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. Principal Uso: Desmoldante para fôrmas de moldagem de concreto. INFORMAÇÕES DA EMPRESA: Empresa: CONCRELAGOS CONCRETO LTDA. Endereço:

Leia mais

FUNCIONAL FACHADA SUDOESTE. esc. 1/100 FACHADA SUDESTE. esc. 1/100 ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS

FUNCIONAL FACHADA SUDOESTE. esc. 1/100 FACHADA SUDESTE. esc. 1/100 ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS PARÂMETRO DESRIÇÃO IMAGEM SÍNTESE FUNIONAL ENTORNO IDENTIFIAR A RELAÇÃO DO EDIFÍIO OM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, ONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFIADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS RTPP Resolução nº 3665/11 ANTT Atualizada com as Resoluções ANTT nº 3762/12 e 3886/12

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS RTPP Resolução nº 3665/11 ANTT Atualizada com as Resoluções ANTT nº 3762/12 e 3886/12 REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS RTPP Resolução nº 3665/11 ANTT Atualizada com as Resoluções ANTT nº 3762/12 e 3886/12 CAPÍTULO 1 Disposições Preliminares - Art. 2º CAPÍTULO

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

SABONETE ANTI-SÉPTICO MAZA

SABONETE ANTI-SÉPTICO MAZA SABONETE ANTI-SÉPTICO MAZA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO QUÍMICO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Sabonete Anti-séptico Maza Nome da Empresa: Maza 2000 Comércio e Indústria Ltda Endereço da Indústria: Via

Leia mais

Anexo I Requerimento. Requerimento para autorização de constituição de instituição financeira bancária

Anexo I Requerimento. Requerimento para autorização de constituição de instituição financeira bancária Constituição e IF Banária Número Únio e Referênia (NUR): (Para uso o BNA) Clik here to enter text. Data e entrega o Anexo: (Para uso o BNA) Clik here to enter text. Anexo I Requerimento Requerimento para

Leia mais

O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS?

O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? É o deslocamento de produtos perigosos de um lado para outro com técnicas e cuidados especiais. Os explosivos, os gases, líquidos e sólidos inflamáveis, substâncias

Leia mais

Dica : Para resolver esse exercício pegue o arquivo pontosm.txt, na página do professor.

Dica : Para resolver esse exercício pegue o arquivo pontosm.txt, na página do professor. Colégio Ténio Antônio Teieira Fernandes Disiplina ICG Computação Gráfia - 3º Anos (Informátia) (Lista de Eeríios I - Bimestre) Data: 10/03/2015 Eeríios 1) Elabore um proedimento em C++ que passe os pares

Leia mais

GRUPO ATR. Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos. Eng. Quím. Lisiane Sberse

GRUPO ATR. Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos. Eng. Quím. Lisiane Sberse GRUPO ATR Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Eng. Quím. Lisiane Sberse Março/2009 Introdução O transporte de produtos perigosos é uma atividade que apresenta

Leia mais

custo/volume/lucro para multiprodutos

custo/volume/lucro para multiprodutos Artigo 1. Introdução; 2. O onjunto de possibilidade de equlhbrio; 3. Margem de segurança; 4. Alavanagem operaional; 5. Conlusões. Relação usto/volume/luro para multiprodutos Magnus Amaral da Costa Professor

Leia mais

Compiladores. Geração de Código Intermediário

Compiladores. Geração de Código Intermediário Compiladores Geração de Código Intermediário Cristiano Lehrer, M.S. Atividades do Compilador Arquivo de origem Arquivo de destino Análise Otimização Geração de Código Intermediário Geração de Código Final

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia de Controle e Automação 9ª Série Controle e Servomeanismos I A atividade prátia supervisionada (ATPS) é um proedimento metodológio de ensino-aprendizagem

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ FISPQ nº : 15 ALB-IPEN-131

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ FISPQ nº : 15 ALB-IPEN-131 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ FISPQ nº : 15 ALB-IPEN-131 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto/substância Uso do produto/substância ALB-IPEN-131 Produto

Leia mais

Nome da substância ou mistura: Capsulas Duras Vazias Versão: 1

Nome da substância ou mistura: Capsulas Duras Vazias Versão: 1 23/09/204. Identificação de 5 Nome da substância ou mistura (nome comercial): Capsulas Duras Vazias Principais usos recomendados para a substância ou mistura: Uso no encapsulamento de medicamentos Código

Leia mais

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves.

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves. Guia de Configuração Rápida Iníio MFC-7860DW Antes de instalar este equipamento, leia a seção de Segurança e Questões Legais. Em seguida, utilize o Guia de Configuração Rápida, que ontém instruções para

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Cloreto de Níquel Solução 80%

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Cloreto de Níquel Solução 80% 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome comercial: Cloreto de Níquel Solução 80% Código interno de identificação do produto: A022 Nome da Empresa: Endereço: Estrada Municipal Engenheiro Abílio Gondin

Leia mais

LIMAS. A história das limas. Como é feita uma lima

LIMAS. A história das limas. Como é feita uma lima LIMAS A história das limas O primeiro registro que se tem da utilização de limas pelo homem está na íblia e remonta ao ano 1090 a... As limas teriam sido utilizadas para a afiação de variadas ferramentas

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com NBR-14725-4 DENINSOFT T100

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com NBR-14725-4 DENINSOFT T100 1. IDENTIFICAÇÃO Página 1/5 Nome comercial: Nome da empresa: INDÚSTRIA QUIMICA ZEQUINI EIRELI Endereço : Via de Acesso João de Góes, n 1000 Cep 06422-150 Fazenda Itaquiti/Belval - Barueri - SP Telefone

Leia mais

COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS

COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS Miguel Edgar Morales Udaeta Riardo Laerda Baitelo Geraldo Franiso Burani José Aquiles Baesso Grimoni GEPEA-USP

Leia mais

NORMA CETESB P4.262 (2007)

NORMA CETESB P4.262 (2007) NORMA CETESB P4.262 (2007) (Versão Agosto/2007) Gerenciamento de Resíduos Químicos provenientes de Estabelecimentos de Serviços de Saúde - Procedimento 1 - Objetivo Esta norma estabelece procedimentos

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno: Empresa: FLEXOTOM INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS QUÍMICOS PARA CONSTRUÇÃO

Leia mais

Controle de Qualidade R-CQ 06 Rev. 03 Registro Nº 025/15 Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto: MASTER GEL HS

Controle de Qualidade R-CQ 06 Rev. 03 Registro Nº 025/15 Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto: MASTER GEL HS Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do Produto: MÁSTER GEL HS Nome da Empresa: DEXTER LATINA IND. E C O M. P R O D U T O S QUÍMICOS LTDA Endereço: Rua Leozir Ferreira dos Santos, 428 Campo Largo da Roseira

Leia mais

RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009

RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009 RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009 REGULA A MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E TRÂNSITO DE MERCADORIAS CLASSIFICADAS PELO CÓDIGO MARÍTIMO INTERNACIONAL DE MERCADORIAS PERIGOSAS (IMDG CODE), DA ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA

Leia mais

CAPÍTULO 7.5 DISPOSIÇÕES RELATIVAS À CARGA, À DESCARGA E AO MANUSEAMENTO 7.5.1 Disposições gerais relativas à carga, à descarga e ao manuseamento

CAPÍTULO 7.5 DISPOSIÇÕES RELATIVAS À CARGA, À DESCARGA E AO MANUSEAMENTO 7.5.1 Disposições gerais relativas à carga, à descarga e ao manuseamento CAPÍTULO 7.5 DISPOSIÇÕES RELATIVAS À CARGA, À DESCARGA E AO MANUSEAMENTO 7.5.1 Disposições gerais relativas à carga, à descarga e ao manuseamento NOTA: No âmbito da presente secção, o facto de colocar

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ( FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ( FISPQ) Nome do Produto DNC Página 01/06 SEÇÃO 1.0 NOME DO PRODUTO Detergente Neutro Concentrado - HERMON Limpeza- Ltda Rua Vicente Melle,771-Bairro Ana Jacinta- Presidente Prudente-São Paulo - CEP: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Fabiano Pagliosa Branco

Fabiano Pagliosa Branco UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CIÊNCIAS TÉRMICAS ANÁLISE TERMOECONÔMICA

Leia mais

Controle de Qualidade R-CQ 06 Rev. 05 Registro Nº 012/15 Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico TERMIFIN MULTI-INSETOS

Controle de Qualidade R-CQ 06 Rev. 05 Registro Nº 012/15 Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico TERMIFIN MULTI-INSETOS Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do Produto: TERMIFIN MULTI-INSETOS Nome da Empresa: DEXTER LATINA IND. E C O M. P R O D U T O S QUÍMICOS LTDA Endereço: Rua Leozir Ferreira dos Santos, 428 Campo Largo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

Entupimento em Bicos Queimadores O produto SAFE 405 mantém os bicos queimadores sempre limpos, evitando entupimentos indesejados.

Entupimento em Bicos Queimadores O produto SAFE 405 mantém os bicos queimadores sempre limpos, evitando entupimentos indesejados. JohnsonDiversey SAFE 405 Aditivo para óleos combustíveis. Anti-corrosivo Evita o processo corrosivo em tanques de armazenagem de óleo tipo BPF. Com a melhora da queima do combustível, reduz a quantidade

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 1/7 FISPQ NRº. 004 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome da Empresa: Hidroazul Indústria e Comércio Ltda Endereço: Rua João Dias Neto, 18 D Cataguases MG CEP: 36770-902. Telefone da Empresa: (32)

Leia mais

FISPQ - CONFORME NBR 14725:2012-4

FISPQ - CONFORME NBR 14725:2012-4 Pagina: 1/7 1 IDENTIFICAÇÃO DOS PRODUTOS E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: LL-SN 225 CÓDIGO INTERNO DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: 01.094 NOME DA EMPRESA: ITALTECNO DO BRASIL LTDA. ENDEREÇO: Av. Angélica, 672

Leia mais

Disciplina: TCEP Transporte de Carga Especial e Perigosa

Disciplina: TCEP Transporte de Carga Especial e Perigosa Disciplina: TCEP Transporte de Carga Especial e Perigosa DEFINIÇÃO DE CARGA PERIGOSA Aquela que, por causa de sua natureza, pode provocar acidentes, danificar outras cargas ou os meios de transporte ou,

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 12/11/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Ref 0785

Leia mais

2- Composição e informações Sobre Ingredientes:

2- Composição e informações Sobre Ingredientes: 1- Identificação do Produto e da Empresa: Nome do produto: Adesivo ADS 5. Empresa: Rua Sílvio Neves Martins 112 80B Vera Cruz Contagem MG. CEP 322260-680 Telefone: 0XX31 3363 1343 2- Composição e informações

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 32, de 05/03/07 Produtos Perigosos em

Leia mais

Comportamento Inter-temporal de Consumo

Comportamento Inter-temporal de Consumo Comportamento Inter-temporal de Consumo... 1 A Restrição Orçamental do Consumidor... 2 As Preferênias Inter-temporais do Consumidor... 5 O Equilíbrio Inter-temporal do Consumidor... 6 O Estudo de Consequênias

Leia mais

Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco

Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2004 Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco 1

Leia mais

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Introdução O transporte de produtos perigosos é um caso particular do transporte de mercadorias numa cadeia de fornecimento. Durante esta atividade, vários fatores

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011 Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as Instruções Complementares

Leia mais

Controle de Qualidade R-CQ 06 Rev. 05 Registro Nº 020/15

Controle de Qualidade R-CQ 06 Rev. 05 Registro Nº 020/15 1. IDENTIFICAÇÃO Controle de Qualidade R-CQ 06 Rev. 05 Página 1 de 5 Nome do Produto: STRAIK GEL MATA Nome da Empresa: DEXTER LATINA IND. E C O M. P R O D U T O S QUÍMICOS LTDA Endereço: Rua Leozir Ferreira

Leia mais

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso ÍNDICE 1. Introdução 5 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso 6 2.1 O que é Produto Perigoso? 6 2.2 Conceito de Risco x Perigo 6 2.3 Classe de Risco e número ONU 7 2.4 Exigências aplicáveis 8 2.4.1

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS. Patricia Busko Di Vitta. pabusko@iq.usp.

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS. Patricia Busko Di Vitta. pabusko@iq.usp. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS Patricia Busko Di Vitta pabusko@iq.usp.br Setor Técnico de Tratamento de Resíduos Instituto de Química

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA TIRA MANCHAS DE TECIDOS Nome do produto: Nome da empresa: ALLCHEM QUÍMICA INDÚSTRIA E COMERCIO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. SÚMULA: Dispõe sobre a Produção, o Armazenamento e o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Paraná e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº. SÚMULA: Dispõe sobre a Produção, o Armazenamento e o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Paraná e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº SÚMULA: Dispõe sobre a Produção, o Armazenamento e o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Paraná e dá outras providências. Art. 1º - As operações de transporte e armazenamento

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: IBAMA Data: 8 de agosto de 2002 Versão Limpa 2 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO 06/12/05 Processos n 02001.001037/02-98

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Limpa ar condicionado Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116 km

Leia mais

MULTI USO TRADICIONAL

MULTI USO TRADICIONAL Pag. 1 de 6 SEÇÃO 1.0 INFORMAÇÕES DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto : Identificação da Empresa: VALÊNCIA IND. E COMÉRCIO DE MATERIAIS DE LIMPEZA LTDA. ENDEREÇO: Rua Soldado Arlindo Sardanha,11.Parque

Leia mais