INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P."

Transcrição

1 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 341. Comércio Itinerário de Formação Logística e Armazenagem Saída Profissional Designação: Operador/a de Armazenagem Nível de Qualificação: 2 Modalidade de Formação Cursos de Educação e Formação As condições de acesso variam de acordo com o definido para cada tipologia de percurso. Observações REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho 2007

2 Índice 1. Perfil de Saída 3 2. Matriz Curricular 4 3. Metodologias de Formação 6 4. Desenvolvimento da Formação Unidades de Formação Capitalizáveis 1 Logística e armazenagem - organização do armazém 8 2 Recepção e armazenagem da mercadoria 14 3 Operações de suporte e de manutenção 17 4 Operações de preparação de mercadoria e expedição de encomendas 21 5 Operação/utilização de empilhadores (Unidade Complementar) 23 6 Gestão de stocks (Unidade Complementar) 24 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

3 1. PERFIL DE SAÍDA Descrição Geral O/A Operador/a de Armazenagem é o/a profissional que efectua as operações de recepção, codificação, armazenagem, movimentação, expedição e inventariação de mercadorias, tendo em vista a optimização do funcionamento do armazém. Actividades Principais Efectuar as operações de entrada e expedição de mercadorias em armazém, de acordo com procedimentos técnicos, funcionais e de segurança definidos. Efectuar a movimentação e acondicionamento das mercadorias no armazém assegurando a sua manutenção e conservação, de acordo procedimentos técnicos, funcionais e de segurança definidos. Participar na elaboração de inventários, executando actividades de identificação e de controlo das mercadorias e dos materiais. REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

4 2. MATRIZ CURRICULAR Organização em Unidades de Formação Capitalizáveis (UC) Código SGFOR (válido para o IEFP) UNIDADES CAPITALIZÁVEIS Logística e armazenagem - organização do armazém 360 horas Recepção e armazenagem da mercadoria 195horas Operações de suporte e de manutenção 180 horas Operações de preparação de mercadoria e expedição de encomendas 120 horas TOTAL 855 horas A esta carga horária total acrescem, em função da modalidade de desenvolvimento, as cargas horárias relativas às componentes de formação sociocultural, científica e prática em contexto real de trabalho. Código SGFOR (válido para o IEFP) UNIDADES COMPLEMENTARES Operação/utilização de empilhadores 45 horas Gestão de stocks 90 horas REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

5 Percurso Formativo PRECEDÊNCIAS (A considerar no traçado de percursos formativos alternativos) ITINERÁRIO DE QUALIFICAÇÃO (Percurso formativo recomendado) 1. Logística e armazenagem - organização do armazém 1 2. Recepção e armazenagem da mercadoria Operações de suporte e de manutenção 4. Operações de preparação de mercadoria e expedição de encomendas Operador/a de Armazém Nível de Qualificação: 2 1 a 4 5. Operação/utilização de empilhadores 1 a 4 6. Gestão de stocks REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

6 3. METODOLOGIAS DE FORMAÇÃO A organização da formação com base num modelo flexível, como o dos percursos formativos assentes em unidades capitalizáveis visa facilitar o acesso dos indivíduos a diferentes percursos de aprendizagem, bem como a mobilidade entre níveis de qualificação. Esta organização favorece o reingresso, em diferentes momentos, no ciclo de aprendizagem e a assunção por parte de cada cidadão de um papel mais activo e de relevo na edificação do seu percurso formativo, tornando-o mais compatível com as necessidades que em cada momento são exigidas por um mercado de trabalho em permanente mutação e, por esta via, mais favorável à elevação dos níveis de eficiência e de equidade dos sistemas de educação e formação. A nova responsabilidade que se exige a cada indivíduo na construção e gestão do seu próprio percurso impõe, também, novas atitudes e competências para que este exercício se faça de forma mais sustentada e autónoma. As práticas formativas devem, neste contexto, conduzir ao desenvolvimento de competências profissionais, mas também pessoais e sociais, designadamente, através de métodos participativos que posicionem os formandos no centro do processo de ensino-aprendizagem e fomentem a motivação para continuar a aprender ao longo da vida. Devem, neste âmbito, ser privilegiados os métodos activos, que reforcem o envolvimento dos formandos, a auto-reflexão sobre o seu processo de aprendizagem, a partir da partilha de pontos de vista e de experiências no grupo, e a co-responsabilização na avaliação do processo de aprendizagem. A dinamização de actividades didácticas baseadas em demonstrações directas ou indirectas, tarefas de pesquisa, exploração e tratamento de informação, resolução de problemas concretos e dinâmica de grupos afiguram-se, neste quadro, especialmente, aconselháveis. A selecção dos métodos, técnicas e recursos técnico-pedagógicos deve ser efectuada tendo em vista os objectivos de formação e as características do grupo em formação e de cada formando em particular. Devem, por isso, diversificar-se os métodos e técnicas pedagógicos, assim como os contextos de formação, com vista a uma maior adaptação a diferentes ritmos e estilos de aprendizagem individuais, bem como a uma melhor preparação para a complexidade dos contextos reais de trabalho. Esta diversificação de meios constitui um importante factor de sucesso nas aprendizagens. Revela-se, ainda, de crucial importância o reforço da articulação entre as diferentes componentes de formação, designadamente, através do tratamento das diversas matérias de forma interdisciplinar e da realização de trabalhos de projecto com carácter integrador, em particular nas formações de maior duração, que contribuam para o desenvolvimento e a consolidação de competências que habilitem o futuro profissional a agir consciente e eficazmente em situações concretas e com graus de complexidade diferenciados. Esta articulação exige que o trabalho da equipa formativa se faça de forma concertada, garantindo que as aprendizagens se processam de forma integrada. É também este contexto de trabalho em equipa que favorece a identificação de dificuldades de aprendizagem e das causas que as determinam e que permite que, em tempo, se adoptem estratégias de recuperação adequadas, que potenciem as condições para a obtenção de resultados positivos por parte dos formandos que apresentam estas dificuldades. A equipa formativa assume, assim, um papel fundamentalmente orientador e facilitador das aprendizagens, através de abordagens menos directivas, traduzido numa intervenção pedagógica diferenciada no apoio e no acompanhamento da progressão de cada formando e do grupo em que se integra. REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

7 4. DESENVOLVIMENTO DA FORMAÇÃO Unidades de Formação Capitalizáveis 1. Logística e armazenagem - organização do armazém 360 horas 1.1 Enquadramento da actividade Novas tecnologias na actividade do armazém Layout do armazém Higiene e segurança no trabalho em armazém Documentação e legislação na operação em armazém Recepção e armazenagem da mercadoria 195 horas 2.1 Gestão da recepção da mercadoria Conferência da mercadoria Procedimentos administrativos na recepção da mercadoria Armazenagem da mercadoria Operações de suporte e de manutenção 180 horas 3.1 Manutenção de stocks Balanço (Inventário) Sistemas de melhoria Operações de preparação de mercadoria e expedição de encomendas 120 horas 4.1 Actividade de picking & packing Gestão da expedição 60 Unidades Complementares 5. Operação/utilização de empilhadores 45 horas 5.1 Tipos de empilhadores Técnicas de manutenção e de utilização do empilhador Normas de condução em segurança Gestão de stocks 90 horas 6.1 Princípios de gestão de stocks Custos associados aos stocks Sistemas de encomenda Sistemas de controlo da gestão de stocks 15 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

8 Unidade de Formação Itinerário Logística e Armazenagem 1. Logística e armazenagem - organização do armazém Saída Profissional Operador/a de Armazenagem Objectivos Identificar as diferentes funções do operador de armazém e o contributo pessoal para o melhoramento dos processos. Aplicar vocabulário específico da língua inglesa nas operações de armazém. Utilizar ferramentas informáticas, na óptica do utilizador, para a construção de pequenas bases de dados e para comunicar. Identificar o layout do armazém. Descrever as regras de funcionamento do armazém e normas legais, nomeadamente relativas a documentação de suporte à actividade e higiene e segurança no trabalho. Utilizar as técnicas facilitadoras da comunicação potenciadoras de um melhor relacionamento interpessoal horas Enquadramento da Actividade Reconhecer o enquadramento funcional do operador de armazém Noções de logística e armazenagem As diferentes funções na empresa Enquadramento da logística na cadeia de recepção, produção, distribuição e consumo Logística e armazenagem Enumerar as actividades do operador de armazém Actividades do operador de armazém Manutenção do armazém Gestão do espaço e acondicionamento Operações de carga e de descarga das mercadorias, Controlo dos fluxos de mercadoria Actividades de balanço (inventário) Tecnologias de informação e comunicação no âmbito da actividade Materiais e equipamentos - manuseamento e arrumação Gestão e organização do armazém Enumerar as funções dos operadores de armazém Funções do operador de armazém Operador de empilhador Descarga de mercadorias Transporte dos produtos até ao local onde vão ser armazenados Apoio às tarefas de manuseamento de mercadorias, utilizando meios mecânicos (empilhadores) Operador de arrumação de mercadoria "handler" Recepção e verificação da mercadoria Arrumação da mercadoria Registo da mercadoria (entradas e saídas) no sistema Carregamento da mercadoria para expedição Operador de recolha de mercadoria - picker Recolha da mercadoria de acordo com as instruções Etiquetagem e embalamento logístico da mercadoria (caixas, paletes, cintagem, etc.) Chefe de equipa Supervisão das actividades de armazenamento Controlo do cumprimento das normas de segurança e qualidade Resolução de problemas operacionais REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

9 1.1. Enquadramento da actividade Definir a postura requerida ao operador de armazém Postura do operador de armazém Responsável e profissional Pluridisciplinar (flexível) e com elevado espírito de trabalho em equipa Activo e pró-activo (nomeadamente em questões de segurança) Abertura à mudança Postura ética correcta Utilizar ferramentas informáticas, na óptica do utilizador, para a construção de pequenas bases de dados e para comunicar Noções básicas de informática Principais ferramentas Informáticas na óptica do utilizador Processamento de texto e correio electrónico Pesquisa e comunicação através da Internet Bases de dados Folhas de cálculo Aplicação prática - folha de cálculo Aplicações elementares da folha de cálculo Tabelas com células interrelacionadas Cálculos Pequenas bases de dados Aplicação prática - Base de dados Campo de acção de uma folha de cálculo em base de dados Definição de campos e construção de tabelas Interacção entre diferentes tabelas e a construção da base de dados Cálculos Importação de dados de outros programas e aplicações Comparação entre a utilidade da base de dados e da folha de cálculo, do ponto de vista do operador de armazém Aplicar vocabulário específico da língua inglesa nas operações de armazém Língua inglesa - armazém Principais conceitos e termos Na embalagem No transporte Na recepção e manuseamento de mercadorias Principais utilizações associadas às operações de armazém Documentos de transporte Etiquetas e designações Documentos de acompanhamento de mercadorias Reconhecer e descrever a importância das relações interpessoais para o desempenho do operador de armazém Relacionamento interpessoal Principais interlocutores do operador de armazém Internos Marketing Vendas Produção Finanças Investigação & Desenvolvimento Externos Clientes Fornecedores Transportadores Factores pessoais Auto estima e afiliação Motivação Realização pessoal e profissional Factores organizacionais Criação de ambientes propícios à colaboração e entreajuda REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

10 1.1. Enquadramento da actividade Reconhecer e descrever a importância das relações interpessoais para o desempenho do operador de armazém Relacionamento interpessoal Capacidade de influenciar decisões e melhorias nos processos internos Capacidade de melhorar o desempenho da empresa e dos fornecedores, através de um melhor entendimento dos objectivos e necessidades de cada interlocutor Factores relacionais Rigor / objectividade Eficácia e assertividade Empatia e disponibilidade Capacidade partilhar, cooperar e acompanhar Recolher contributos das entidades envolvidas Capacidade de resolução de conflitos e de situações geradoras de ansiedade Aplicar técnicas de comunicação escrita e oral no âmbito do desenvolvimento da actividade Comunicação escrita e oral Conteúdos e língua Linguagem corporal Estilos de linguagem Ajustar a linguagem ao objectivo da informação Clara selecção e identificação dos destinatários Escolha do formato a utilizar Formas de arquivo Aplicar as técnicas de organização pessoal e gestão do tempo com vista a optimizar o planeamento das actividades e o cumprimento dos objectivos Organização pessoal e gestão do tempo Técnicas para inventariação das actividades desenvolvidas Técnicas para análise das actividades desenvolvidas e sua priorização Identificação do potencial de melhoria de cada uma das actividades Regras básicas de organização pessoal Regras fundamentais da gestão do tempo Desenvolvimento de planos de acção de melhoria de desempenho utilizando as regras básicas de gestão do tempo e de organização pessoal horas Novas tecnologias na actividade do armazém Reconhecer e enumerar os objectivos das novas tecnologia na actividade do operador de armazém Novas tecnologias na actividade do armazém Objectivos das tecnologias Sistemas informáticos para o registo de mercadorias Introdução de mercadorias no sistema Controlo de stocks Localização das mercadorias no armazém Sistemas Informáticos para a recepção de mercadorias Scanners Registo manual das entradas Programação de recepções Manuseamento e armazenagem Localização aleatória das mercadorias Sistemas de manuseamento de mercadoria Recolha da mercadoria Percursos de picking Sistemas automáticos de recolha de mercadorias Embalamento Sistemas de etiquetagem Embalamento de mercadorias (equipamento e processos) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

11 1.2. Novas tecnologias na actividade do armazém Reconhecer e enumerar os objectivos das novas tecnologia na actividade do operador de armazém Novas tecnologias na actividade do armazém Expedição da mercadoria Processos para a expedição de mercadoria Equipamento de expedição Sistemas automáticos de expedição de mercadorias horas Layout do armazém Planificar e construir o layout do armazém identificando o equipamento mais adequado Planeamento e construção do layout do armazém Zona de recepção de mercadorias Zona de expedição de mercadorias Zona de embalamento e preparação de mercadorias Zona de armazenagem e de picking Divisão por rotação de produtos Divisão pela volumetria dos produtos Divisão pela família de produtos Divisão pelas características técnicas dos produtos Divisão por imposições legais Divisão por lotes e por clientes Zonas de circulação de pessoas e de mercadorias Zona de apoio (arrumação, manutenção) Arrumação dos produtos em função da divisão e equipamento existentes Atribuição de locais de picking Registo da mercadoria e determinação do local onde deve ser arrumada Separação das diferentes zonas de armazém Layout dos equipamentos Tipos de estanterias Material de circulação e arrumação de mercadoria Equipamento de circulação Equipamento de segurança horas Higiene e segurança no trabalho em armazém Reconhecer a relevância da prevenção de acidentes de trabalho para os trabalhadores, as organizações e sociedade e identificar o equipamento de protecção individual Prevenção de acidentes de trabalho em armazém Evolução histórica Causas e consequências dos acidentes de trabalho A prevenção dos acidentes de trabalho Equipamento de protecção individual em armazém Protecção da cabeça Protecção dos olhos, ouvidos e da face Protecção das mãos e braços Protecção dos pés e pernas Protecção contra quedas Operar os transportes e proceder ao armazenamento de cargas fazendo uso das regras de segurança e higiene no trabalho Regras de segurança e higiene no trabalho em armazém Movimentação manual de cargas Risco de lesão da coluna vertebral Postura e movimentos perigosos na coluna Utilização de aparelhos auxiliares Transporte mecânico de cargas Máquinas de elevação Movimentação dos aparelhos Práticas e regras de operação Inspecção, manutenção e prevenção no trabalho Armazenagem Regras e procedimentos de segurança REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

12 1.4. Higiene e segurança no trabalho em armazém Realizar o manuseamento de substâncias perigosas, fazendo uso das regras de segurança e higiene no trabalho Manuseamento de substâncias perigosas Classificação e características de substâncias perigosas Explosivas Comburentes Inflamáveis Tóxicas Corrosivas Irritantes Sensibilizantes Perigosas para o ambiente Cancerígenas Mutagénicas Tóxicas para a reprodução Intervenção em caso de incêndio Substâncias explosivas Substâncias oxidantes Nitratos Combustíveis sólidos, líquidos e gasosos Substâncias tóxicas Pesticidas Outras substâncias perigosas Sinalização e rotulagem de segurança Sinalização Rotulagem Armazenagem de substâncias perigosas Locais fechados e vigiados Locais abertos Locais abertos e secos Locais fechados e ventilados horas Documentação e legislação na operação em armazém Identificar a documentação necessária e relevante para a operação em armazém Documentação de suporte à operação no armazém Documentação pessoal do operador Documentação de identificação Certificados de aptidão funcional relevantes Documentação de saúde Documentação a afixar no armazém Mapa de pessoal Mapa de férias Mapa de horário de trabalhos Documentação à disposição dos operadores Manuais de procedimentos Livros de instruções dos equipamentos Ordens de serviço Comunicações internas Métodos de circulação da informação Documentação a preencher pelos operadores Registos diversos de mercadorias Livros de manutenção dos equipamentos REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

13 1.5. Documentação e legislação na operação em armazém Descrever as principais normas legais inerentes ao funcionamento do armazém Normas legais para a operação em armazém Principais normas de Direito de Trabalho Direitos e obrigações do trabalhador Direitos e obrigações do empregador Normas legais para o acondicionamento e manuseamento da mercadoria Locais de armazenamento Temperaturas Normas de segurança Normas de manuseamento das diversas mercadorias Documentação obrigatória na circulação da mercadoria Guias de remessa Certificados de origem Certificados veterinários Outros certificados oficiais (para o transporte de bebidas alcoólicas, matérias perigosas, etc.) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

14 Unidade de Formação Itinerário Logística e Armazenagem 2. Recepção e armazenagem da mercadoria Saída Profissional Operador/a de Armazenagem Objectivos Efectuar operações de recepção, optimizando o planeamento das actividades e a organização do espaço. Controlar a actividade de recepção de mercadoria através da análise da sua conformidade face à nota de encomenda e aos critérios de qualidade e de segurança definidos. Aplicar os procedimentos administrativos inerentes à função de recepção e armazenamento de mercadorias. Enumerar as normas e procedimentos das operações de carga, descarga e manuseamento de mercadorias horas Gestão da recepção da mercadoria Descrever as noções básicas de gestão de inventário Noções básicas de gestão de inventário Objectivos e condicionantes da gestão de inventário Determinantes do nível óptimo de stocks Breve descrição dos principais sistemas de encomenda Planear as recepções de mercadoria, procedendo à avaliação do processo Planeamento e avaliação da recepção de mercadorias Desenvolvimento de um plano de recepções Horários de recepção Janelas de entrega Turnos de pessoal Coordenação com as restantes funções de armazenagem Organização das recepções Por ordem de chegada Pela indicação da nota de encomenda Por nível de necessidade das mercadorias Pelas especificidades das mercadorias a recepcionar Preparação operacional da recepção Equipamento necessário para a recepção Avaliação do processo Nível de serviço conseguido Pontualidade dos fornecedores Tempo de paralisação do Sistemas Atrasos nas recepções de mercadoria horas Conferência da mercadoria Controlar a mercadoria recepcionada, analisando a sua conformidade face à nota de encomenda e aos critérios de qualidade e segurança definidos Conferência da mercadoria Verificação do acondicionamento da carga recepcionada Tipo de veículos aceite para o transporte das mercadorias Acondicionamento da carga Procedimentos de carga, descarga e conferência de mercadorias Marcação da recepção e atribuição do local, hora e tempo de descarga (cais) À chegada, o veículo deve estacionar em segurança junto do cais de descarga O selo de segurança deve ser inspeccionado e quebrado na presença do motorista Conferência da mercadoria (quantidades, rotulagem, conservação, validade, tradução, certificados oficiais, etc.) Entrada da encomenda no sistema informático Armazenagem da mercadoria REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

15 2.2 Conferência da mercadoria Controlar a mercadoria recepcionada, analisando a sua conformidade face à nota de encomenda e aos critérios de qualidade e segurança definidos Devolução de mercadoria Causa da não-aceitação Data de validade Estado da embalagem Condições de transporte Incumprimento dos prazos de entrega Incumprimento das quantidades / qualidades acordadas Desconformidade face ao tipo de embalagem e/ou à ficha logística e às condições comerciais acordadas Nota de devolução Reporte da devolução horas Procedimentos administrativos na recepção da mercadoria Descrever os sistemas de informação internos Sistemas de informação internos no processo de recepção Procedimentos administrativos Definição e justificação Necessidade de registo e de controlo Versus necessidade de simplicidade e de flexibilização Informação necessária para os sistemas de previsão e de informação (gestão de stocks e planeamento de actividades) Sistemas facilitadores de circulação de informação - a informática e o EDI Ficha logística de produto - Definição, objectivos e principais componentes Requisitos da documentação Documentos necessários para a recepção e conferência da mercadoria Documentos necessários para o tratamento administrativo da mercadoria Documentos necessários para a armazenagem da mercadoria Documentação necessária para a expedição da mercadoria Outra documentação necessária Identificar a documentação e descrever o circuito da informação no relacionamento com clientes e fornecedores Documentação e circuito da informação Documentação associada à encomenda Nota de encomenda Factura pró-forma Agendamento das recepções Guia da mercadoria Documento de recepção de mercadoria Circuito da informação Identificação da necessidade de informação de cada interveniente do processo logístico Definição do melhor circuito para a obtenção dessa informação Descrever as regras e procedimentos associados à armazenagem e transporte de produtos Regras e procedimentos para a armazenagem e transporte Regras para a armazenagem de produtos Registos Facturação e os impostos Tratamento de produtos especiais e substâncias perigosas Armazéns fiscais Certificações veterinárias e outras Regras para o transporte de produtos Transporte de mercadorias perigosas Transporte em território nacional Transporte internacional REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

16 horas Armazenagem da mercadoria Descrever as especificidades da armazenagem e da circulação de diferentes tipos de mercadorias Métodos de armazenagem Especificidades de armazenagem Temperaturas controladas Volumetria Embalagem Sensibilidade (ex. Luz, manuseamento) Perecibilidade Perigosidade Valor Especificidades fiscais e legais (drogas, medicamentos) Circulação da mercadoria Definição do local de armazenagem da mercadoria Itinerário da mercadoria e equipamento de transporte e de manuseamento Codificação da mercadoria Descrever as normas de suporte à armazenagem de produtos especiais Normas de armazenagem Vestuário dos operadores Controlo de condições e validades Documentação Sistemas de segurança e de protecção REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

17 Unidade de Formação Itinerário Logística e Armazenagem 3. Operações de suporte e de manutenção Saída Profissional Operador/a de Armazenagem Objectivos Realizar com eficiência as operações de picking. Manter o nível óptimo de stocks, através de um correcto acompanhamento e manuseamento das mercadorias. Organizar e operacionalizar controlos periódicos do inventário (contagem das existências). Reconhecer a importância dos contributos individuais e colectivos para a melhoria contínua dos processos e operações horas Manutenção de stocks Descrever o papel do picking, analisando os recursos necessários e atribuindo espaço de picking a cada produto Gestão do espaço de picking Funções dos lugares de picking Facilitação das tarefas de recolha de mercadoria Menor manuseamento das mercadorias (diminuição da quebra) Maior rapidez e produtividade em todo o processo Facilidade em localizar a mercadoria (visualmente e/ou através de sistemas informatizados) Estanteria de picking manual Racks Gavetas Armários Prateleiras (com ou sem fluxo gravitacional) Estanteria automatizada para picking Sistemas computorizados e automatizados de picking Estanteria Carrossel (horizontal e vertical) Estanteria associada a tapete rolante Localização dos lugares de picking Critérios de atribuição de lugares de picking, por categoria de produtos, rotação, prazos de validade, por imposições técnicas e legais Definição do número de locais de picking de cada referência, em função da sua rotação e dos percursos de picking dos operadores Localização dos produtos e utilização de sistemas informatizados Abastecimento dos lugares de picking Metodologias automatizadas e manuais para detecção das necessidades de abastecimento do picking Atribuição da responsabilidade da função ou calendarização das actividades Enumerar as técnicas e actividades mais adequadas para a conservação dos diferentes tipos de mercadoria Sistemas de controlo da conservação da mercadoria Necessidades de controlo e de acompanhamento Datas de validade Condições da embalagem Hierarquização dos fluxos de saída (em função do lote) Mecanismos de controlo Sistemas informáticos Verificação manual sistemática (atribuição desta responsabilidade e concentração das mercadorias com maiores necessidades de controlo) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

18 3.1. Manutenção de stocks Identificar possíveis origens de quebra e executar tarefas tendentes à sua diminuição Quebras - causas e prevenção Origem das quebras Quebras com causas extraordinárias. Incêndios e danos por água. Derrocadas, falhas estruturais, tempestades. Roubos e vandalismo Quebras com causas operacionais. Validade dos produtos ultrapassada. Quedas acidentais de mercadorias. Mau acondicionamento (embalagem). Controlo das datas de validade dos produtos. Deficiente registo da localização da mercadoria. Furtos e erros na expedição de mercadorias. Devoluções de clientes. Procedimentos para a diminuição das quebras Relacionamento com os fornecedores. Melhor conhecimento do produto e das suas especificidades. Melhor conhecimento da procura. Adequação das unidades logísticas e das embalagens. Adequação das formas de entrega Formação e sensibilização das equipas. Formação na tarefa. Formação na atitude Controlos ao pessoal e às operações com stocks. Controlo aleatório de roubos. Controlo das actividades de manuseamento em stocks, de forma a avaliar o desempenho e a diminuir os erros e os acidentes Implementação de sistemas de avaliação e de melhoria. Clara e correcta definição de objectivos de quebra e de metodologias para os atingir. Monitorização constante dos resultados e implementação de medidas correctivas Implementação de sistemas de segurança. Delimitação de zonas de circulação e criação de locais de acesso restrito. Implementação de mecanismos automáticos de controlo de acessos (cartões, código, etc.) Arrumação das mercadorias e métodos de previsão. Diminuição das operações de manuseamento das mercadorias. Localização das mercadorias e a sua correcta arrumação. Correcta atribuição de espaço de picking Manuseamento e o embalamento da mercadoria. Definição do percurso de picking. Utilização de veículos de transporte adequados. Cuidado acondicionamento da mercadoria (por exemplo a colocação de caixas sobrepostas sobre a palete, pesos). Acondicionamento da carga (ex. dentro de caixas ou utilizando cintagem plástica Sistemas de segurança. Sistemas de detecção de roubos. Sistemas de detecção e de ataque aos incêndios. Sistemas de alarme. Manutenção periódica e melhoria constante de todos estes sistemas. Formação, as sinalizações e os planos de emergência REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

19 horas Balanço - inventário Identificar os diferentes sistemas de inventário e critérios valorimétricos Sistemas de valorização das mercadorias Critérios Valorimétricos FIFO (First in, First out) LIFO (Last in, First out) CMP (Custo médio ponderado) Registos de entradas e saídas de mercadorias Sistemas de inventário permanente Sistemas de inventário intermitente Enumerar os objectivos e periodicidade do balanço Objectivos e periodicidade do balanço Objectivos do balanço Determinar o nível de quebra Métodos de abastecimento Determinar o nível de quebra Acertar o nível de stocks de cada referência Dissuadir os comportamentos que contribuem para a quebra Definir politica de diminuição do nível de quebra Periodicidade do balanço Balanços periódicos Balanços pontuais Balanços sistemáticos Descrever as actividades necessárias à organização e execução de um processo de inventário Gestão do processo de inventário Planificação do processo Calendarizarão antecipada das acções de inventário ao longo do período (ano), com a identificação dos elementos que participarão em cada acção de inventário Organização prévia do evento - arrumação das mercadorias, eliminação de monos e obstáculos à contagem, preparação dos equipamentos de contagem, formação, divisão de tarefas e zonas Identificação das mercadorias e locais a não contar (mercadoria não recepcionada até aquela data, encomendas preparadas) Preparação do material de contagem (etiquetas, scanners, listagens, etc.) Controlo das contagens Necessidade da existência de controlo das contagens, com pessoas próprias O controlo deve ser feito por amostragem O controlo deve servir para diminuir erros e responsabilizar os operadores O controlo deve ser feito imediatamente após ter terminado a operação de inventário Reconciliação de stocks Fase fundamental do processo de inventário, permite detectar os erros e as suas origens Permite identificar desvios e medidas correctivas Permite uma rigorosa manutenção informática dos stocks REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

20 horas Sistemas de melhoria Descrever os sistemas de avaliação individual e colectiva, identificando os instrumentos de avaliação mais adequados Sistemas e instrumentos de avaliação Importância da medição de resultados Avaliar o desempenho Construir referenciais Conceber planos de melhoria e estabelecer objectivos Selecção dos indicadores a avaliar (indicadores de performance) Indicadores de performance relevantes Indicadores de performance medíveis, relevantes e de fácil leitura Indicadores ajustados aos portos de trabalho e às responsabilidades de cada operador Regras para o desenvolvimento de instrumentos de avaliação e de melhoria Implementar um sistema simples para que possa ser claramente entendido por todos Evitar fazer alterações frequentes nos indicadores Antecipar as alterações e variantes que serão implementadas nos produtos e nas organizações Principais indicadores de performance de um operador de armazém Nível de serviço - tempos Nível de serviço - recursos utilizados Nível de serviço - erros cometidos Nível de serviço - quebras Comparação entre os níveis de serviço reais e os objectivos Comparação entre a performance individual, do grupo e de cada colega Tableaux de board Documento dinâmico e flexível Documento de fácil leitura Permite uma análise rápida do desempenho do operador Enumerar fontes de melhoria individual e colectiva tendo em vista a optimização dos processos e operações Potencial de melhoria de processos e operações Determinação do potencial de melhoria dos processos ou operações Identificação dos processos Identificação das melhorias a implementar Selecção das parcerias Desenvolvimento do processo Criação de uma equipa de trabalho Definição clara de objectivos e atribuição de responsabilidades Acompanhamento sistemático do processo e avaliação de resultados Detecção de novas oportunidades de melhoria REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Operador/a de Armazenagem Nível 2 FP-OF Junho /26

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 341. Comércio Itinerário de Formação 34101. Práticas Técnico-Comerciais Saída Profissional

Leia mais

341. Comércio. 34107. Técnicas de Logística. Área de Formação. Itinerário de Formação. Saída Profissional. Designação: Técnico/a de Logística

341. Comércio. 34107. Técnicas de Logística. Área de Formação. Itinerário de Formação. Saída Profissional. Designação: Técnico/a de Logística REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o em U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 341. Comércio Itinerário de Formação 34107. Técnicas de Logística Saída Profissional Designação:

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO ADAPTADO (RFA) EM VIGOR. Pessoas com Deficiências e Incapacidades (PCDI) 341. Comércio. 341026_RFA - Operador/a de Armazenagem

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO ADAPTADO (RFA) EM VIGOR. Pessoas com Deficiências e Incapacidades (PCDI) 341. Comércio. 341026_RFA - Operador/a de Armazenagem REFERENCIAL DE FORMAÇÃO ADAPTADO (RFA) Pessoas com Deficiências e Incapacidades (PCDI) EM VIGOR Área de Educação e Formação Código e Designação do Referencial de Formação 341. Comércio 341026_RFA - Operador/a

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 213. Audiovisuais e Produção dos Media Itinerário de Formação 21301. Pré-impressão Saída

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 346. Secretariado e Trabalho Administrativo Itinerário de Formação 34601. Práticas Administrativas

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 850. Protecção do Ambiente Itinerário de Formação 85001. Operação de Sistemas Ambientais Saída Profissional Designação:

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL FORMAÇÃO 01/013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL INFORMAÇÕES FUNDAÇÂO MINERVA Cultura - Ensino e Investigação Científica Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão Largo Tinoco de Sousa 760. 108

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 213. Audiovisuais e Produção dos Media Itinerário de Formação 21305. Fotografia Saída Profissional

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 523. Electrónica e Automação Itinerário de Formação 52301. Instalação e Reparação de Computadores

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL REFERENCIAL DE FORMAÇÃO ORGANIZA DO COM BASE EM UNIDADES DE FORMAÇÃO CAPITALIZÁVEIS E MÓDULOS Área de Formação: 341. COMÉRCIO

Leia mais

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência problema Má organização do espaço físico Mercadoria estagnada Tempos de resposta longos Expedições incorrectas Ausência de rastreabilidade Informação

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE - AUTOMÓVEL OBJECTIVO GLOBAL - Planear, organizar, acompanhar e efectuar

Leia mais

DESIGN E PRODUÇÃO DE MODA

DESIGN E PRODUÇÃO DE MODA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA JOSEFA DE ÓBIDOS CURSOS DE EMPREENDEDORISMO VOCACIONAL ATIVIDADE VOCACIONAL 3 ÁREA TÉCNICA DESIGN E PRODUÇÃO DE MODA 2014/2015

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Curso de Educação e Formação. (Despacho nº 453/2004) Itinerário de Formação: 34101. Práticas Técnico-Comerciais

Curso de Educação e Formação. (Despacho nº 453/2004) Itinerário de Formação: 34101. Práticas Técnico-Comerciais Curso de Educação e Formação (Despacho nº 453/2004) Itinerário de Formação: 34101. Práticas Técnico-Comerciais Saída profissional: Empregado/a Comercial Planificação Anual Disciplina de componente tecnológica:

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

Gestão das Instalações Desportivas

Gestão das Instalações Desportivas Gestão das Instalações Desportivas Módulo 7 Aquisição de materiais e equipamentos desportivos. 1. Função do aprovisionamento 1.1. Âmbito da função de aprovisionamento 1.1.1. Noção e objetivos do aprovisionamento;

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Como gerir um armazém e ganhar eficácia

Como gerir um armazém e ganhar eficácia wm Warehouse Management System Software recepção armazenagem inventário expedição Como gerir um armazém e ganhar eficácia Como administrar um armazém com wm wm Recepções Processos para a entrada de mercadorias

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA JOSEFA DE ÓBIDOS CURSOS DE EMPREENDEDORISMO VOCACIONAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA JOSEFA DE ÓBIDOS CURSOS DE EMPREENDEDORISMO VOCACIONAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA JOSEFA DE ÓBIDOS CURSOS DE EMPREENDEDORISMO VOCACIONAL ATIVIDADE VOCACIONAL 1 ÁREA TÉCNICA VITRINISMO 2014/2015 1 1. PERFIL

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

HOSPITAL GERAL DE ST O. ANTONIO

HOSPITAL GERAL DE ST O. ANTONIO HOSPITAL GERAL DE ST O. ANTONIO Pontos Fracos & Oportunidades de Melhoria Situação inicial - 2004 Inexistência de informação credível; Longas filas de espera à entrada do armazém para o auto abastecimento

Leia mais

Validation of skills and knowledge for strengthening the positions of low-qualified employees in the labour market

Validation of skills and knowledge for strengthening the positions of low-qualified employees in the labour market 1 WORK PACKAGE 4 DESENVOLVIMENTO DO "KIT DE VALIDAÇÃO" VERSÃO FINAL DO REFERENCIAL Para reconhecimento, validação e certificação de competências no sector do Comércio em Portugal ÍNDICE 1. Introdução...3

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Organização de Eventos Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDAS

Leia mais

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria de Moda de Dados Técnicos Codificação de Materiais; Conceito de escalas e cartazes de cores ; Fichas Técnicas; Processos de Fabrico; Fichas

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

Duração: 16 Horas Data Início: Lisboa 12/06/2013 Porto 13/06/2013. 450 Euros* 520 Euros* Prazo para Inscrições: 24/05/2013

Duração: 16 Horas Data Início: Lisboa 12/06/2013 Porto 13/06/2013. 450 Euros* 520 Euros* Prazo para Inscrições: 24/05/2013 2013 Acções de Formação AGEPOR Código IMDG 1ª Edição Início: Lisboa: 12 Junho 2013 Porto: 13 Junho 2013 AGEPOR Associação dos Agentes de Navegação de Portugal Tipo de Acção: Formação Tema: Código IMDG

Leia mais

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187 Gestão Definição A Gestão determina as características da actividade da empresa no mercado, controlando as relações entre a tesouraria, o potencial e a rotação de produtos, os vendedores, os clientes,

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Caso de estudo - Logística. Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano

Caso de estudo - Logística. Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano Caso de estudo - Logística Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano Diagnóstico e melhoria das escolhas passadas. Avaliação da necessidade de fazer escolhas futuras.

Leia mais

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6)

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) Objectivos do Curso No final da acção, os formandos deverão ser capazes de: Colaborar na definição da política geral da empresa relativa à

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação GM As soluções de Gestão comercial GM são uma ferramenta essencial e indispensável para a correcta gestão de negócio e fomentador do crescimento sustentado das Empresas. Criado de raiz para ser usado em

Leia mais

be on top of your chain WMS Eye Peak Express

be on top of your chain WMS Eye Peak Express be on top of your chain WMS Eye Peak Express 1 Índice 1. O QUE É?... 3 2. AJUDA QUEM?... 5 3. RESOLVE O QUÊ?... 7 Pilar do Controlo, Eficiência e Responsabilização... 7 Pilar da eficácia, da rapidez, da

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Publicidade e Animação

Publicidade e Animação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA JOSEFA DE ÓBIDOS CURSOS DE EMPREENDEDORISMO VOCACIONAL ATIVIDADE VOCACIONAL 2 ÁREA TÉCNICA Publicidade e Animação 2014/2015

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A DE ANDARES. PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a de Andares Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A DE ANDARES. PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a de Andares Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A DE ANDARES PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a de Andares Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) - HOTELARIA,

Leia mais

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE 1. REFERÊNCIAS [1] - Bases Gerais para a Implementação de Sistemas de Gestão da Manutenção de Material Circulante, Instrução Técnica 5, INCFA

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA í n d ic e COMPRAS Gestão e optimização de p. 134 Aprovisionamento e gestão de p. 134 Técnicas avançadas de de p. 135 Selecção e avaliação de p. 135 LOGÍSTICA Optimizar a gestão logística

Leia mais

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1 5. GESTÃO DE APROVISIONAMENTOS 5.3. Gestão de stocks A gestão de stocks integra três ópticas distintas: Gestão material de stocks Preocupa-se com a definição dos critérios de arrumação dos materiais em

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA. José Lourenço

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA. José Lourenço SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA José Lourenço Apresentação TEIA Angola TEIA - Tecnologias de Informação de Angola, Lda (Desde 2008) Implementação e manutenção de soluções próprias

Leia mais

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando Ensino Secundário Diurno Cursos Profissionais Técnico de Electrónica, Automação e Comando PERFIL DE DESEMPENHO À SAÍDA DO CURSO O Técnico de Electrónica, Automação e Comando é o profissional qualificado

Leia mais

STOCKS E MERCHANDISING

STOCKS E MERCHANDISING GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos de Educação e Formação Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL STOCKS E MERCHANDISING (Tipologia 3) Página 1 de 6 Competências Gerais Participar no controlo quantitativo

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Apreciado pelo Conselho Pedagógico, em reunião realizada no dia 10 de Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I Legislação de Referência - Portaria n. 230/2008

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

2005 José Miquel Cabeças

2005 José Miquel Cabeças Dimensionamento de linhas de produção 1 - INTRODUÇÃO A fabricação de elevado volume de produção é frequentemente caracterizada pela utilização de linhas de montagem e fabricação. O balanceamento de linhas

Leia mais

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR)

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) WORKSHOP FIOVDE (24.10.2011) Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) José Alberto Franco José Silva Carvalho Aspectos que vamos passar em revista

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Como Fabricar um Produto

Como Fabricar um Produto 10 páginas sobre Como Fabricar um Produto palavras-chave GESTÃO DA PRODUÇÃO ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO INDUSTRIAL GESTÃO DA QUALIDADE resumo Se fazer valor tem, vale fazer bem [Isaac Newton] A função

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho L DE PESSOAS IDERANÇA E GESTÃO Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho Coordenadores e Chefias Intermédias Adquirir técnicas de Liderança, de

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA ÍNDICE MANUTENÇÃO PRIMAVERA 4 MÓDULOS CONSTITUINTES 4 CADASTRO 4 Entidades 5 Localizações 8 MATERIAIS 11 Sobresselentes, Consumíveis,

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão Profissional Certificado

Sistema Integrado de Gestão Profissional Certificado elabora Gestão é um sistema integrado de gestão por incluir no mesmo programa controlo de contas correntes de clientes, fornecedores, controlo de stocks e armazéns. Aplicação 32 Bits para ambiente Windows

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração www.apcer.pt AGENDA Apresentação APCER Desenvolvimento ERS3002 Conteúdo da ERS3002 Metodologias de auditorias Associação constituída em Abril 1996

Leia mais

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais.

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais. Preparação da Qualidade Página 1 de 6 5.1. COMERCIALIZAÇÃO 5.1.1. Transporte A empresa através da sua área de operações ou da administração, tem como objectivo em cada serviço adjudicado, entre vários,

Leia mais

Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise?

Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise? Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise? APLOG 12-Março-2009 2009 Objectivos da apresentação Apresentar algumas formas de contornar a actual crise com base na criação de valor recorrendo à

Leia mais

PHC Logística BENEFÍCIOS. _Redução de custos operacionais. _Inventariação mais correcta

PHC Logística BENEFÍCIOS. _Redução de custos operacionais. _Inventariação mais correcta PHCLogística DESCRITIVO O módulo PHC Logística permite fazer o tracking total de uma mercadoria: desde a sua recepção, passando pelo seu armazenamento, até à expedição. PHC Logística A solução para diminuir

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem LOGÍSTICA Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem Objectivos do Capítulo Mostrar de uma maneira geral os principais tipos de sistemas de movimentação,

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 811. Hotelaria e Restauração Itinerário de Formação 81106. Serviço de Andares em Hotelaria

Leia mais

Pontos Fracos & Oportunidades de Melhoria

Pontos Fracos & Oportunidades de Melhoria HOSPITAL GERAL DE ST O. ANTONIO Pontos Fracos & Oportunidades de Melhoria Situação inicial - 2004 Inexistência de informação credível; Informatização; Longas filas de espera à entrada do armazém para o

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS PREÂMBULO Os cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) e as formações modulares destinam-se a suprir os défices de qualificação da população,

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO DA PRODUÇÃO E QUALIDADE. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/36

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO DA PRODUÇÃO E QUALIDADE. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/36 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO DA PRODUÇÃO E QUALIDADE 1/36 OBJECTIVOS DA FUNÇÃO PRODUÇÃO... 3 A CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO... 5 INFRA-ESTRUTURAS... 10 EQUIPAMENTOS... 12 CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Armazenagem de Mercadorias

Armazenagem de Mercadorias Especialização Armazenagem de Mercadorias Armazenagem de Mercadorias Os objectivos da armazenagem eficiente serão concretizados se a empresa providenciar espaços adequados ao produto que comercializa e

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto Plataforma de Compras Electrónicas Sessão de Apresentação do Projecto 16 de Abril de 2007 Dr.ª Rosário Fernandes Estatísticas do Projecto (Fevereiro e Março de 2007) Utilizadores Orgânicas Fornecedores

Leia mais

CURSO: TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA NO TRABALHO CARGA HORÁRIA: 540 Horas (420 h em sala + 120 h em contexto de trabalho)

CURSO: TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA NO TRABALHO CARGA HORÁRIA: 540 Horas (420 h em sala + 120 h em contexto de trabalho) Destinatários/Público-alvo: Activos com qualificação de nível superior (Licenciatura ou Bacharelato), que tenham interesse e motivação pelas actividades de Segurança e Higiene do Trabalho, considerando-se,

Leia mais

MEIC-TP TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE REDES E SISTEMAS

MEIC-TP TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE REDES E SISTEMAS MEIC-TP TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE REDES E SISTEMAS (FASE 2) PROJECTO DE INFRA-ESTRUTURAS DE COMUNICAÇÃO PARA WISECHOICE INTERNATIONAL Coordenador Geral do projecto Prof. Rui Santos Cruz 2008/2009 1 1. Os

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

21-01-2010. Instrumentos de Gestão Docente: Tiago Pinho Mestrado em Logística. Carla Domingues Daniel Ferreira Mário Oliveira Sílvia Pereira

21-01-2010. Instrumentos de Gestão Docente: Tiago Pinho Mestrado em Logística. Carla Domingues Daniel Ferreira Mário Oliveira Sílvia Pereira Instrumentos de Gestão Docente: Tiago Pinho Mestrado em Logística Carla Domingues Daniel Ferreira Mário Oliveira Sílvia Pereira 1 WMS Sistema de Gestão de Armazém RFID Identificação por Radiofrequência

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Gestores Colaboradores com participação activa na Gestão da Farmácia Gestores e/ou Contabilistas - Conhecer ferramentas fundamentais para melhorar a Gestão da Farmácia; - Conhecer o peso Contabilístico/Fiscal

Leia mais