GRUPO ATR. Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos. Eng. Quím. Lisiane Sberse

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO ATR. Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos. Eng. Quím. Lisiane Sberse"

Transcrição

1 GRUPO ATR Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Eng. Quím. Lisiane Sberse Março/2009

2 Introdução O transporte de produtos perigosos é uma atividade que apresenta inúmeros riscos uma vez que durante as operações, tais produtos estão sujeitos a ação de fatores potencialmente adversos tais como: estado das rodovias, manutenção, volume de tráfego, sinalização, condições atmosféricas, estado de conservação do veículo, experiência do condutor.

3 Objetivos Propósito Fornecer subsídios aos gestores com responsabilidade em gestão de riscos, através de orientações e reflexões acerca da legislação e riscos ambientais no transporte rodoviário de produtos perigosos.

4 CONCEITOS PRODUTO PERIGOSO : É toda substância relacionada na Resolução n 420/04 da ANTT e suas alterações, que em virtude de suas características físicoquímicas, oferece risco para a saúde das pessoas, para a segurança pública ou para o meio ambiente. RESÍDUO: Resíduos nos estados sólido, s semi-sólido ou líquido l resultantes de atividades industriais, domésticas, hospitalar, comercial, agrícola, etc. Resíduos Classe I Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos - Classe II A - Não Inertes - Classe II B - Inertes Fonte: ABNT NBR 10004

5 Rotas de Transporte de Produtos Perigosos O modal rodoviário é responsável por 62,4% do transporte de carga no Brasil, sendo grande parte de produtos perigosos (químicos, petroquímicos, derivados de petróleo e resíduos perigosos). Fonte: DNIT/ABIQUIM

6 ASPECTOS AMBIENTAIS DAS EMERGÊNCIAS QUÍMICAS A GESTÃO DA EMERGÊNCIA DEVE CONTEMPLAR OS RISCOS E IMPACTOS TANTO AO HOMEM COMO AO AMBIENTE

7 SUBSTÂNCIAS E PRODUTOS NÃO CLASSIFICADOS PODEM SER PERIGOSOS AO MEIO AMBIENTE E CAUSAR SÉRIOS IMPACTOS AOS ECOSSISTEMAS Óleos vegetais e animais Parafina Resina de poliester Fertilizantes Vinhaça Barrilha (Carbonato de Sódio) Leite Suco de Laranja Detergentes/Surfactantes

8 IMPACTOS AMBIENTAIS GERADOS EM : ECOSSISTEMAS TERRESTRES ECOSSISTEMAS AQUÁTICOS ÁGUA SUBTERRÂNEA

9 IMPACTOS AMBIENTAIS AMBIENTES TERRESTRES Dependem de: Aspectos relativos ao produto; Aspectos físicos e geomorfológicos; Aspectos biológicos; Aspectos sociais e econômicos.

10 IMPACTOS AMBIENTAIS AMBIENTES AQUÁTICOS CONTINENTAIS

11 Estamos preparados para as conseqüências de um acidente com produtos perigosos em área urbana densamente povoada e em via de intenso fluxo de tráfego? E o que dizer se o evento ocorrer no interior de túnel extenso em momento de tráfego intenso?

12

13

14

15

16

17

18

19 Acidentes no Transporte de Produtos Perigosos As empresas de transporte devem se preparar para realizar adequadamente as suas atividades; As indústrias e expedidores são responsáveis nesse processo; Remediar é muito mais caro que prevenir; A questão ambiental é irreversível; A legislação tende a ser cada vez mais restritiva e rigorosa.

20 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Resolução ANTT420/04 IMDG Code* (MARÍTIMO) Orange Book (14 ª edição) IATA DGR** (AÉREO) *Código Marítimo Internacional para Produtos Perigosos ** Associação Internacional de Transporte Aéreo Regulamento para Produtos Perigosos

21 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Objetivo A regulamentação do transporte de produtos perigosos tem por objetivo, tendo em vista a necessidade de circulação deste tipo de carga, prevenir e abrandar incidentes que possam ocorrer na sua movimentação, ou seja minimizar os riscos representados pelas características desses produtos.

22 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Princípio Ninguém pode oferecer ou aceitar produtos perigosos para transporte se tais não estiverem adequadamente classificados, embalados, marcados, rotulados, sinalizados conforme declaração emitida pelo expedidor, constante na documentação de transporte e, além disso, em desacordo com as condições de transporte exigidas na regulamentação específica. Fonte: Resol. 420 ANTT cap

23 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos NACIONAL Res.2975/08

24 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos ESTADUAL LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências PORTARIA n.º FEPAM 47/98 Aprova o MANIFESTO DE TRANSPORTE DE RESÍDUOS (MTR) e dá outras providências.

25 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos RESOLUÇÃO Nº 420, de 12 de fevereiro de 2004 Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos Classificação de produtos perigosos quanto ao risco que apresentam para fins de transporte; Relação de Produtos Perigosos - produtos definidos como perigosos; Instruções de uso e exigências para fabricação e ensaio de embalagens. Procedimentos de expedição

26 Regulamentação Complementar Decreto Acordo de Facilitação para o Transporte no Mercosul Resolução CONTRAN n. 16/04 - Estabelece normas e procedimentos para a formação de condutores de veículos automotores Decreto 2.063/83 - Dispõe sobre multas Portaria 38/98 DENATRAN - Codificação para as multas por infração ao RTRPP Decreto 2.866/98 - Penalidades no Mercosul Portaria 349/02 - Manual de Fiscalização MT NBR Simbologia de Risco e Manuseio consulta pública até Abril/09 NBR Terminologia no Transporte de PP NBR 7503 Ficha e Envelope de Emergência Nova Revisão em vigor desde Dezembro/08 NBR Equipamento para Situação de Emergência, EPI e Extintores de Incêndio NBR Equipamento para Ácido Fluorídrico NBR Desvaporização de tanques para transporte de produtos classe 3 NBR Transporte de Resíduos Perigosos NBR Atendimento a emergência com Produtos Perigosos NBR Área de Estacionamento para Produtos Perigosos NBR Incompatibilidade Química

27 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS ONU CODIFICAÇÃO NUMÉRICA Universalizar a identificação de produtos perigosos - anexo E e F da Resolução n 420/04 da ANTT; Facilitar o seu reconhecimento; Comunicar o perigo do conteúdo das embalagens para povos com idiomas diferentes.

28 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos NÚMERO DE RISCO Indicam o tipo e a intensidade do risco; Formados por dois ou três algarismos A importância do risco é registrada da esquerda para a direita Emissão de gás devido à pressão ou à reação química Inflamabilidade de líquido (vapores) e gases, ou líquidos sujeito a auto-aquecimento Inflamabilidade de sólidos, ou sólidos sujeitos a autoaquecimento Efeito oxidante (favorece incêndio) Toxicidade Radioatividade Corrosividade Risco de violenta reação espontânea Obs.: A letra X antes dos algarismos significa que o produto reage perigosamente com água. 0 indica ausência de risco subsidiário

29 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos RELAÇÃO DE ALGUNS CÓDIGOS NUMÉRICOS E RESPECTIVOS SIGNIFICADOS DAS COMBINAÇÕES DOS N DE RISCO 23: Gás inflamável. 239: Gás inflamável, pode conduzir espontaneamente à violenta reação. 323: Líquido inflamável, que sofre reação química, desprendendo gases inflamáveis. X323: Líquido inflamável, que reage perigosamente com água, desprendendo gases inflamáveis.* 33: Líquido altamente inflamável. 333: Líquido pirofórico. X333: Líquido pirofórico, que reage perigosamente com água. * 338: Líquido altamente inflamável, corrosivo. 568: Substância oxidante, tóxica, corrosiva. * Não usar água exceto com aprovação de um especialista Fonte: Resol. 420 ANTT cap

30 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos SIMBOLOGIA - CONFORME NBR 7500 PAINEL DE SEGURANÇA IDENTIFICA O RISCO DO PRODUTO PERIGOSO Número de Risco Hidróxido de Sódio, solução 8 0 (O 2º algarismo representa o risco subsidiário) Número da ONU Dimensões (cm): 30 X 40: Unidades de Transporte 25 X 35: Utilitários (PBT até 3,5 t) borda preta: 10 mm

31 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Classe CLASSES DOS PRODUTOS PERIGOSOS Definição EXPLOSIVO GÁS LIQUIDO INFLAMÁVEIS SÓLIDOS INFLAMÁVEIS E SUBSTÂNCIAS QUE EM CONTATO COM ÁGUA EMITEM GASES INFLAMÁVEIS SUBSTÂNCIAS OXIDANTES E PERÓXIDOS ORGÂNICOS SUBSTÂNCIAS TÓXICAS E INFECTANTES MATERIAIS RADIOATIVOS SUBSTÂNCIAS CORROSIVAS SUBSTÂNCIAS E ARTIGOS PERIGOSOS DIVERSOS

32 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos SIMBOLOGIA - NBR 7500 Rótulo de risco: Os rótulos são divididos em duas metades. A metade superior do rótulo deve exibir o símbolo de identificação do risco (pictograma) e a metade inferior deve exibir o número da classe ou subclasse. RÓTULO DE RISCO INDICA A CLASSE A QUE O PRODUTO PERTENCE Dimensões (cm): 30 X 30: Unidades de Transporte 25 X 25: Utilitários (PBT até 3,5 t) Embalagem (mínima): 10 X 10 / Moldura: 5 Espessura borda preta: 10 mm

33 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto CLASSE 1: EXPLOSIVOS SUBCLASSE 1.1: substâncias e artigos com risco de explosão em massa. SUBCLASSE 1.2: substâncias e artigos com risco de projeção, mas não de explosão em massa. SUBCLASSE 1.3: substâncias e artigos com risco de fogo e pequeno risco de explosão ou de projeção. SUBCLASSE 1.4: substâncias e artigos que não apresentam risco significativo. SUBCLASSE 1.5: substâncias com risco de explosão em massa. SUBCLASSE 1.6: substâncias sem risco de explosão em massa.

34 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto CLASSE 2: GASES SUBCLASSE 2.1: GASES INFLAMÁVEIS SUBCLASSE 2.2: GASES NÃO INFLAMÁVEIS,NÃO TÓXICOS SUBCLASSE 2.3: GASES TÓXICOS

35 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto CLASSE 3: LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS

36 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto CLASSE 4: SÓLIDOS INFLAMÁVEIS; SUBSTÂNCIAS SUJEITAS A COMBUSTÃO ESPONTÂNEA; SUBSTÂNCIAS QUE, EM CONTATO COM ÁGUA, EMITEM GASES INFLAMÁVEIS SUBCLASSE 4.1: SÓLIDOS INFLAMÁVEIS, AUTO-REAGENTES SUBCLASSE 4.2: SUBSTÂNCIAS SUJEITAS A COMBUSTÃO ESPONTÂNEA SUBCLASSE 4.3: SUBSTÂNCIAS QUE EMITEM GASES INFLAMÁVEIS QUANDO EM CONTATO COM ÁGUA.

37 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto CLASSE 5: SUBSTÂNCIAS OXIDANTES E PERÓXIDOS ORGÂNICO SUBCLASSE 5.1: SUBSTÂNCIAS OXIDANTES SUBCLASSE 5.2: PERÓXIDOS ORGÂNICOS

38 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto CLASSE 6: SUBSTÂNCIAS TÓXICAS E INFECTANTES SUBCLASSE 6.1: SUBSTÂNCIAS TÓXICAS SUBCLASSE 6.2: SUBSTÂNCIAS INFECTANTES

39 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto CLASSE 7: MATERIAIS RADIOATIVOS Embalagens Unidades de Transporte

40 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto CLASSE 8: SUBSTÂNCIAS CORROSIVAS CLASSE 9: SUBSTÂNCIAS E ARTIGOS PERIGOSOS DIVERSOS

41 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto SINALIZAÇÃO NBR 7500 Durante as operações de carga, transporte, descarte, transbordo, limpeza e descontaminação, os veículos e equipamentos utilizados no transporte de produtos perigosos deverão portar rótulos de risco e painéis de segurança específicos, de acordo com a norma NBR 7500.

42 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto EXEMPLO 1: Transporte de um único produto perigoso a granel, em uma única unidade de transporte : a) na frente: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista) com o nº de risco e o nº ONU; b) na traseira: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista), rótulo de risco principal e rótulo de risco subsidiário (quando houver). Não há indicação de que os rótulos de risco precisem ficar na parte superior da traseira. c) nas laterais: painel de segurança, rótulo de risco principal e rótulo de risco subsidiário (quando houver), colocados do centro para a traseira em local visível.

43 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto EXEMPLO 2: Transporte de carga embalada / fracionada de mais de um produto perigoso, de riscos diferentes, na mesma unidade de transporte. a) na frente: painel de segurança laranja do lado esquerdo (lado do motorista) b) na traseira: painel de segurança laranja do lado esquerdo (lado do motorista), c) nas laterais: painel de segurança laranja, colocados do centro para a traseira em local visível. ATENÇÃO PARA AS RELAÇÕES DE INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA!!!!

44 Tabela de Incompatibilidade Química

45 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto EXEMPLO 3: Transporte de carga fracionada de um único produto perigoso, em uma única unidade de transporte. a) na frente: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista) com o nº de risco e o nº ONU; b) na traseira: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista) idêntico ao colocado na frente, rótulo de risco principal e rótulo de risco subsidiário (quando houver). Não há indicação de que os rótulos de risco precisem ficar na parte superior da traseira. c) nas laterais: painel de segurança com os números de identificação, rótulo de risco principal e rótulo de risco subsidiário (quando houver), colocados do centro para a traseira em local visível.

46 NBR 7500 Identificação para o Transporte Terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produto EXEMPLO 4: Transporte de carga fracionada de produtos diferentes de mesmo risco principal, na mesma unidade de transporte. a) na frente: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista) sem os números de risco e ONU (painel laranja); b) na traseira: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista) idêntico ao colocado na frente, rótulo de risco principal Não há indicação de que os rótulos de risco precisem ficar na parte superior da traseira. c) nas laterais: painel de segurança idêntico aos colocados na frente e na traseira e rótulo de risco principal colocados do centro para a traseira em local visível.

47 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos EMBALAGENS Embalagens vazias, porém contaminadas, são consideradas embalagens cheias, sujeitando-se à aplicação de toda a legislação vigente de produtos perigosos; Embalagens de produtos perigosos devem seguir os Regulamentos de Avaliação da Conformidade (RAC s) Inmetro relativos a cada tipo de embalagem.

48 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos EMBALAGENS Identificação para o Transporte Número da ONU Nome apropriado para embarque Rótulo de Risco Símbolos de manuseio NBR 7500 Marca de Conformidade - Homologação

49 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos RELAÇÃO NUMÉRICA DE PRODUTOS PERIGOSOS Fonte: Resol. 420 ANTT cap

50 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos GRUPOS DE EMBALAGEM Produtos perigosos de todas as classes (exceto Classes 1, 2 e 7, Subclasses 5.2 e 6.2 e as substâncias autoreagentes da Subclasse 4.1) foram divididos em três grupos para fim de embalagem, segundo o nível de risco que apresentam: Grupo de Embalagem I: Substâncias que apresentam alto risco. Grupo de Embalagem II: Substâncias que apresentam risco médio. Grupo de Embalagem III: Substâncias que apresentam baixo risco.

51 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos PRODUTOS PERIGOSOS EM QUANTIDADES ISENTAS As quantidades limitadas por unidade de transporte ou por embalagens internas são identificadas nas Colunas 8 e 9, respectivamente, da Relação de Produtos Perigosos; O embarque fica isento de algumas exigências regulamentares, conforme a identificação nas colunas, para cada produto: - porte de rótulo (s) de risco (s) no volume; - rótulos de risco e painéis de segurança afixados ao veículo - Porte de equipamentos para as situações de emergência - porte de ficha de emergência, entre outras. O documento de transporte deve incluir no nome apropriado para embarque, uma das expressões: quantidade limitada ou QUANT. LTDA. Fonte: Resol. 420 ANTT cap. 3.4

52 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA PARA CIRCULAÇÃO EM VIAS PÚBLICAS Decreto 96044/1988 e Lei Estadual 7877/1988 I Licença de Operação (LO) para Fontes Móveis de Poluição O veículo que transporta produtos perigosos deverá ter registro de sua placa na LO da transportadora contratada; FEPAM: Licenciamento On-Line executado pelo Responsável Técnico da Transportadora - a partir de 30 de Março de 2009 não serão mais protocolados processos em meio físico.

53 Nº LO Empreendedor Licenciado para fontes móveis de poluição classes: Telefone empreendedor e do responsável técnico Placas de veículos autorizados

54 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos II. Documentação fiscal de embarque do produto transportado, contendo as seguintes informações: a. Nome apropriado para embarque; b. Classe/subclasse (principal e subsidiário) do produto ; c. Número da ONU e Grupo de embalagem; d. Quantidade total do produto; e. Declaração no Documento Fiscal* - conforme Decreto 96044/88 e Resolução 420 ANTT (e alterações), com assinatura, identificação e data. Declaramos que os produtos estão adequadamente acondicionados para suportar os riscos normais das etapas necessárias a uma operação de transporte tais como, carregamento, descarregamento, transbordo e transporte e atende a legislação em vigor (Decreto 96044/88; Resolução ANTT nº 420/04 e suas alterações 701/04, 1644/07, 2657/08 e 2975/08)

55 DOCUMENTO FISCAL Descrição do Produto Perigoso * Documento fiscal para o transporte de produtos perigosos é qualquer documento (declaração de carga, nota fiscal, conhecimento de transporte, manifesto de carga ou outro documento que acompanhe a expedição) Fonte: Resol. 420/

56 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos ONU ou UN 2811 SÓLIDO TÓXICO, ORGÂNICO N.E. 6.1 I Nome Apropriado para embarque Classe de risco Grupo de Embalagem SÓLIDO TÓXICO, ORGÂNICO N.E. 6.1 ONU OU UN 2811 No caso de transporte de resíduos perigosos (exceto resíduos radioativos) o nome apropriado para embarque deve ser precedido da palavra RESÍDUO ; O nome apropriado para embarque deverá ser descrito sem abreviaturas; Caso haja risco subsidiário (conforme item da Resol. ANTT 420/04), o mesmo deverá constar entre parênteses após a Classe de Risco Principal.

57 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos III. MTR (Manifesto para Transporte de Resíduo): O gerador do resíduo deve solicitar uma Autorização da FEPAM para emissão de talonário de MTR; O gerador deve emitir a cada embarque de resíduo perigoso um formulário MTR em 5 vias idênticas: 1ª via MTR - STTADE - DESTINO 2ª via MTR - TRANSPORTADORA 3ª via MTR - GERADOR 4ª via MTR - FEPAM 5ª via MTR - GERADOR NA EMISSAO Quando não houver legislação ambiental específica para o transporte de resíduos perigosos, o gerador deve emitir documento de controle de resíduo (ABNT NBR 13221).

58 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Modelo de Formulário de MTR

59 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos FICHA DE EMERGÊNCIA LOGO DA EMPRESA Expedidor: Endereço: CEP: Tel Nome Apropriado para Embarque (DESCRIÇÃO Nº ONU) (Nome Comercial) Número de risco: XX Número da ONU: XXXX Classe ou subclasse de risco: X Descrição da classe ou subclasse de risco: X Grupo de Embalagem: IV. Ficha e Envelope de Emergência (ABNT NBR 7503) Aspecto: EPI de Uso Exclusivo da Equipe de Emergência Além das informações sobre o aspecto do produto, este campo deve conter as seguintes informações: Descrição da Classe/Subclasse de Risco Subsidiário (quando houver) a que pertence o produto.; : (DESCREVER RELAÇÕES DE INCOMPATIBILIDADES DE ACORDO COM A ABNT NBR 14619, CASO HOUVER, LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO A CLASSE DE RISCO SUBSIDIÁRIO, CASO HOUVER.EX: PRODUTO INCOMPATÍVEL COM A CLASSE DE RISCO X. Descrever os EPI s destinados à proteção dos integrantes das equipes de atendimento emergencial. Após a relação dos equipamentos deve ser incluída a seguinte frase: "O EPI do motorista está especificado na ABNT NBR 9735". RISCOS Fogo: Saúde: Meio Ambiente: EM CASO DE ACIDENTE Vazamento: Fogo: Poluição: Envolvimento de pessoas: Informações ao médico: Observações As instruções ao motorista, em caso de emergência, encontram-se descritas exclusivamente no envelope para transporte. (Verificar demais informações e sua aplicabilidade, no informativo em anexo)

60 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Verso da ficha (NBR 7503/2005) A ficha deve conter, no seu verso: Telefone de emergência 193 da corporação de bombeiros; Telefone de emergência 190 do órgão de policiamento de trânsito; Telefone de emergência 199 da defesa civil; Telefone dos órgãos de meio ambiente estadual (no mínimo ao longo do itinerário); Telefone de emergência 191 da polícia rodoviária federal. Estes telefones de emergência devem constar no verso da ficha de emergência podendo constar também no envelope para transporte.

61 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos ESTE ENVELOPE CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES. LEIA-O CUIDADOSAMENTE ANTES DE INCIAR A SUA VIAGEM EM CASO DE EMERGÊNCIA ESTACIONE, SE POSSÍVEL, EM ÁREA VAZIA, AVISE À POLÍCIA (190) AOS BOMBEIROS (193) E AO TELEFONE DE EMERGÊNCIA Nº ou mm LOGO EMPRESA Endereço da Empresa Telefone Empresa ESTE ENVELOPE CONTÉM: Ficha de emergência Nota fiscal 130 mm TRANSPORTADOR NOME DA EMPRESA / ENDEREÇO / TELEFONE 15 mm 250 mm Nota : O envelope deve ser confeccionado por processo Kraft, com gramatura mínima de 80 g/m2.

62 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos OUTRAS PROVIDÊNCIAS - Usar Equipamento de Proteção Individual (EPI) (conforme ABNT NBR 9735); - Isolar a área, afastando os curiosos; - Sinalizar o local do acidente; - Eliminar ou manter afastadas todas as fontes de ignição; - Entregar a(s) ficha(s) de emergência aos socorros, assim que chegarem; - Avisar imediatamente ao transportador, ao expedidor do produto, ao corpo de bombeiros e à polícia; - Avisar imediatamente ao(s) órgão(s) ou entidade(s) de trânsito.

63 Portaria Inmetro nº197/04 RTQ 5 válida até 22/06/2009 V. Certificado de Inspeção de veículos para o transporte de produtos perigosos - CIPP

64 Portaria Inmetro nº457/08 Revoga a portaria 197/04 Certificado de Inspeção Veicular - CIV

65 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos VI. Curso de Movimentação de Produtos Perigosos para o Motorista Treinamento: estabelecido pela Resolução nº 168/04 do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito); Certificado de treinamento ou registro na CNH; Reciclagem: a cada 5 anos.

66 Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos VII. Outros documentos Produtos Controlados pelo Exército - Decreto nº de 20/11/00 (R- 105) Guia de Tráfego e Certificado de Registro emitido pelo Ministério da Defesa Produtos Controlados pela Polícia Federal Entorpecentes Lei nº de 27/12/01 e Portaria nº 1274 de 26/08/03 Licença de Funcionamento do Transportador emitida pela Polícia Federal Materiais Radioativos O transporte é autorizado pelo CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear)

67 NBR Conjunto de equipamentos para emergências no transporte rodoviário de produtos perigosos calços de segurança (conhecido como tacos); 2. 50, 100, 200 metros de corda ou fita; placas autoportantes - perigo afaste-se ; 4. Dispositivos de sustentação da fita para caminhões com reboque ou semireboque cones (sinalização na rodovia); 6. Lona (carga sólida) 7. Almofadas de absorção e tirantes para fixação 8. Lanterna (veículos de transporte de líquidos inflamáveis ou explosivos - lanterna antifaiscante). 9. Jogo de ferramentas: alicate universal; chave de fenda ou Phillips; chave de boca (fixa) apropriada para a desconexão de cabo de bateria. 10. Pá e enxada de material antifaiscante 11. Martelo de borracha e batoques de madeira para conter vazamentos em embalagens 12. EPI BÁSICO (acondicionados no conjunto de tração): capacete, luvas de material adequado ao(s) produto(s) transportado(s), definidos pelo fabricante do produto; óculos de segurança para produtos químicos E máscara (VO/GA, NH3, CO, SO2)

68 GESTÃO DE RISCOS - FERRAMENTAS Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade Sistema de Gestão certificado pela norma ISO9001

69 Fontes de pesquisa:

70 GRUPO ATR Logística e Transportes Agradeço pela atenção!!! Contato: (51)

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Introdução O transporte de produtos perigosos é um caso particular do transporte de mercadorias numa cadeia de fornecimento. Durante esta atividade, vários fatores

Leia mais

O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS?

O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? É o deslocamento de produtos perigosos de um lado para outro com técnicas e cuidados especiais. Os explosivos, os gases, líquidos e sólidos inflamáveis, substâncias

Leia mais

Disciplina: TCEP Transporte de Carga Especial e Perigosa

Disciplina: TCEP Transporte de Carga Especial e Perigosa Disciplina: TCEP Transporte de Carga Especial e Perigosa DEFINIÇÃO DE CARGA PERIGOSA Aquela que, por causa de sua natureza, pode provocar acidentes, danificar outras cargas ou os meios de transporte ou,

Leia mais

10/02/2015 IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS

10/02/2015 IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS Um Produto (único numero ONU) Único risco. ( única classe de Risco) ONU 1066 Nitrogênio, Comprimido Classe Risco 2.2 IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS Um Produto (único numero ONU)

Leia mais

BASE NORMATIVA. Normas Brasileiras para o Transporte Terrestre de Produtos Perigosos

BASE NORMATIVA. Normas Brasileiras para o Transporte Terrestre de Produtos Perigosos PRODUTOS PERIGOSOS Geraldo André Thurler Fontoura ABNT/CB-16 Comitê Brasileiro de Transportes e Tráfego Comissão de Estudos de Transporte Comissão de Estudos de Transporte 11 Normas Publicadas Reuniões

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE RESÍDUOS PERIGOSOS NO ESTADO DO RS Alex Rafael Acker Acker Assessoria Ambiental BREVE RELATO LEGAL - 1 Lei 6.938 de 31 de Agosto de 1981 Política Nacional do Meio Ambiente Art.

Leia mais

REVEJA OS EQUIPAMENTOS OBRIGATÓRIOS NO TRANSPORTE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

REVEJA OS EQUIPAMENTOS OBRIGATÓRIOS NO TRANSPORTE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS REVEJA OS EQUIPAMENTOS OBRIGATÓRIOS NO TRANSPORTE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Siga à risca o checklist, preparado pela ANDAV, dos equipamentos obrigatórios no transporte dos insumos fitossanitários e evite

Leia mais

PREENCHA CORRETAMENTE A FICHA DE EMERGÊNCIA E ENVELOPE PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

PREENCHA CORRETAMENTE A FICHA DE EMERGÊNCIA E ENVELOPE PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PREENCHA CORRETAMENTE A FICHA DE EMERGÊNCIA E ENVELOPE PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS As exigências para o transporte de produtos perigosos são estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas

Leia mais

Movimentação de Produto Perigoso. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Movimentação de Produto Perigoso. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Movimentação de Produto Perigoso Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Carga Perigosa Qualquer carga que apresente risco, mesmo não contendo produtos perigosos. Ex: Caminhão de

Leia mais

WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM

WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM PAINEL DE DEBATES: ANTT: Roberto David, Carmem Caixeta e Regina

Leia mais

Transporte Fracionado de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP

Transporte Fracionado de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP Transporte Fracionado de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP 2 Este Manual foi elaborado com a participação e colaboração: Este manual foi elaborado com base na legislação vigente sobre o transporte de Gás

Leia mais

TRANSPORTE LEGAL DE PRODUTOS PERIGOSOS

TRANSPORTE LEGAL DE PRODUTOS PERIGOSOS 1 2 Mensagem do presidente Depois de tratar da gestão de resíduos, a Câmara de Meio Ambiente (CMA), da Fetransportes, está realizando a segunda edição do Seminário Transportando Consciência Ambiental,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos. A Diretoria da Agência Nacional de

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos

Agência Nacional de Transportes Terrestres REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos Rio de Janeiro, 09 de outubro de 2007 Base legal: Lei Nº 10.233, de 5/6/2001 art.22, inciso VII,

Leia mais

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Carga horária: 50 (cinqüenta) horas aula Requisitos para matrícula Ser maior de 21 anos; Estar habilitado em uma das categorias B,

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

Novas resoluções para o transporte de produtos perigosos entram em vigor em maio deste ano

Novas resoluções para o transporte de produtos perigosos entram em vigor em maio deste ano Novas resoluções para o transporte de produtos perigosos entram em vigor em maio deste ano A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) divulgou, ontem (08), duas resoluções publicadas no Diário

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS 1) O que são produtos perigosos? São substâncias encontradas na natureza ou produzidas por qualquer processo que coloquem em risco a segurança

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EXIGÊNCIAS

TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EXIGÊNCIAS CONDUTOR VEÍCULO CARGA TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EIGÊNCIAS CNH Carteira Nacional de Habilitação Comprovante de Curso Específico MOPP (Certificado) CRLV Certificado de Registro e Licenciamento

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o licenciamento ambiental das atividades de transporte rodoviário de produtos perigosos (exceto os das classes 1 e 7 da Resolução ANTT 42) que circulam apenas no

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015 Instrução Técnica nº 26/2011 - Sistema fixo de gases para combate a incêndio 645 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS 1. Introdução Por Edson Haddad, Ricardo Serpa e Rodolfo Arias As atividades que

Leia mais

ACIDENTES NÃO ACONTECEM, SÃO CAUSADOS

ACIDENTES NÃO ACONTECEM, SÃO CAUSADOS Transporte e Rotulagem de Produtos e Resíduos Perigosos Gloria Santiago Marques Benazzi Novembro/2006 ACIDENTES NÃO ACONTECEM, SÃO CAUSADOS CAUSAS DE ACIDENTES: falta de treinamento de motoristas; má conservação

Leia mais

Produtos perigosos. IDENTIFIQUE O PRODUTO - Consulte os painéis de segurança, rótulos de risco, nota fiscal e as páginas amarelas do manual.

Produtos perigosos. IDENTIFIQUE O PRODUTO - Consulte os painéis de segurança, rótulos de risco, nota fiscal e as páginas amarelas do manual. Produtos perigosos Mauricio Vidal de Carvalho Todos que atuam em medicina pré-hospitalar, resgate e salvamento sabem que a avaliação da cena é a primeira e fundamental regra do atendimento. Todo atendimento

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

TRANSPORTE INTRA E INTERESTADUAL DE PRODUTOS PERIGOSOS, INTERAÇÃO COM A RECEITA FEDERAL E TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS E EMBALAGENS CONTAMINADAS

TRANSPORTE INTRA E INTERESTADUAL DE PRODUTOS PERIGOSOS, INTERAÇÃO COM A RECEITA FEDERAL E TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS E EMBALAGENS CONTAMINADAS TRANSPORTE INTRA E INTERESTADUAL DE PRODUTOS PERIGOSOS, INTERAÇÃO COM A RECEITA FEDERAL E TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS E EMBALAGENS CONTAMINADAS SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE AGROTÓXICOS LUFT AGRO LOCAL: SÃO LUIS

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: IBAMA Data: 8 de agosto de 2002 Versão Limpa 2 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO 06/12/05 Processos n 02001.001037/02-98

Leia mais

Transporte de Produtos e Resíduos Perigosos Legislação e Normas Técnicas. Gloria Santiago Marques Benazzi Agosto 2014

Transporte de Produtos e Resíduos Perigosos Legislação e Normas Técnicas. Gloria Santiago Marques Benazzi Agosto 2014 Transporte de Produtos e Resíduos Perigosos Legislação e Normas Técnicas Gloria Santiago Marques Benazzi Agosto 2014 Classificação do Produto ou Resíduo Químico FISPQ ou FDSR Ficha de Emergência Rotulagem

Leia mais

Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS

Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS SÃO LUÍS MA 2014 ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ENSINO Andreia Vasconcelos

Leia mais

14APOSTILA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

14APOSTILA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS 14APOSTILA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Caros Colegas, A BSM Engenharia S.A. apresenta a apostila com os temas de transporte de produtos perigosos e coleta seletiva. O transporte em geral faz parte

Leia mais

MANUAL EXPEDIDOR. Resíduos Sólidos / Resíduos Líquidos / Secagem / Baterias automotivas / Baterias Portáteis / Pilhas / Resíduos Tecnológicos.

MANUAL EXPEDIDOR. Resíduos Sólidos / Resíduos Líquidos / Secagem / Baterias automotivas / Baterias Portáteis / Pilhas / Resíduos Tecnológicos. MANUAL DO EXPEDIDOR Resíduos Sólidos / Resíduos Líquidos / Secagem / Baterias automotivas / Baterias Portáteis / Pilhas / Resíduos Tecnológicos. SUZAQUIM INDÚSTRIAS QUÍMICAS LTDA. Representação Comercial

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. SÚMULA: Dispõe sobre a Produção, o Armazenamento e o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Paraná e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº. SÚMULA: Dispõe sobre a Produção, o Armazenamento e o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Paraná e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº SÚMULA: Dispõe sobre a Produção, o Armazenamento e o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Paraná e dá outras providências. Art. 1º - As operações de transporte e armazenamento

Leia mais

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS 1. OBJETIVO DO MANUAL A TECNOTAM vem, através do presente documento, orientar os fornecedores de embalagens

Leia mais

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso ÍNDICE 1. Introdução 5 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso 6 2.1 O que é Produto Perigoso? 6 2.2 Conceito de Risco x Perigo 6 2.3 Classe de Risco e número ONU 7 2.4 Exigências aplicáveis 8 2.4.1

Leia mais

SEGURANÇA QUÍMICA. O que é PRODUTO QUÍMICO?

SEGURANÇA QUÍMICA. O que é PRODUTO QUÍMICO? O que é PRODUTO QUÍMICO? SEGURANÇA QUÍMICA PRODUTO QUÍMICO é uma substância obtida por processo de elaboração química (onde ocorre alteração da composição original). Elaboração química pode incluir os

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68)

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68) AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68) Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as

Leia mais

Sumário 1. ASPECTOS LEGAIS... 2 2. OBJETIVO... 3 3. HIERARQUIA DAS LEIS NO BRASIL... 3 4. PRINCIPAIS DOCUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS COM O TRANSPORTE

Sumário 1. ASPECTOS LEGAIS... 2 2. OBJETIVO... 3 3. HIERARQUIA DAS LEIS NO BRASIL... 3 4. PRINCIPAIS DOCUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS COM O TRANSPORTE Sumário 1. ASPECTOS LEGAIS... 2 2. OBJETIVO... 3 3. HIERARQUIA DAS LEIS NO BRASIL... 3 4. PRINCIPAIS DOCUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS COM O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS.... 5 5. DENATRAN -

Leia mais

III Seminário Transporte de Derivados de Petróleo

III Seminário Transporte de Derivados de Petróleo III Seminário Transporte de Derivados de Petróleo Principais Alterações Introduzidas na Regulamentação para o Transporte de Produtos Perigosos (Resoluções ANTT Nº 420 e 3.665) Paulo de Tarso Martins Gomes

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) BORRACHA NATURAL SVR 3L Página 1 de 5

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) BORRACHA NATURAL SVR 3L Página 1 de 5 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Borracha Natural SVR 3L Empresa: Kalium Chemical Com. Import. E Export. Ltda Matriz: Av. das Nações Unidas, 10.989 Conj. 141-14º andar Parte

Leia mais

Transporte de Produtos e de Resíduos Perigosos. Gloria Santiago Marques Benazzi Novembro/2006

Transporte de Produtos e de Resíduos Perigosos. Gloria Santiago Marques Benazzi Novembro/2006 Transporte de Produtos e de Resíduos Perigosos Gloria Santiago Marques Benazzi Novembro/2006 ACIDENTES NÃO ACONTECEM, SÃO CAUSADOS CAUSAS DE ACIDENTES: falta de treinamento de motoristas; má conservação

Leia mais

TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO

TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO ÍCARO LOGÍSTICA AMBIENTAL QUÍMICO ORION DE VARGAS FLORES TELEFONE COMERCIAL: 51-3051-7544 TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 51-9918-9135 icaroamb@cpovo.net orion.phoenix@terra.com.br

Leia mais

PRODUTOS NÃO CLASSIFICADOS

PRODUTOS NÃO CLASSIFICADOS PRODUTOS NÃO CLASSIFICADOS O QUE É PRODUTO PERIGOSO? Definições ões: Produto Perigoso: Produto Perigoso: é todo o produto relacionado na RESOLUÇÃO 420/04 da Agência Nacional de Transportes Terrestres,

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 32, de 05/03/07 Produtos Perigosos em

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004 Aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos

Leia mais

CAPÍTULO IX DO TRANSPORTE DE PRODUTOS E/OU RESÍDUOS PERIGOSOS

CAPÍTULO IX DO TRANSPORTE DE PRODUTOS E/OU RESÍDUOS PERIGOSOS CAPÍTULO IX DO TRANSPORTE DE PRODUTOS E/OU RESÍDUOS PERIGOSOS Art. 69 O transporte de produtos e/ou resíduos perigosos no Município obedecerá ao disposto na legislação federal, do e ao disposto neste Código.

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) EPS 301F Página 1 de 6

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) EPS 301F Página 1 de 6 Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: que desprendem vapores inflamáveis (Denverterm EPS) Empresa: Kalium Chemical Com. Import. E Export. Ltda Matriz: Av. das Nações Unidas, 10.989 Conj. 141-14º andar Parte

Leia mais

Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco

Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2004 Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco 1

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor

Código de Defesa do Consumidor Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Atualização Gloria Santiago Marques Benazzi 2012 Lei 8.078/90 Das Práticas Abusivas Artigo 39 inciso VIII: Código de Defesa do Consumidor É vedado ao fornecedor

Leia mais

RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Ainda em novembro, divulgamos informativo ressaltando a importância dos equipamentos de segurança no transporte de produtos perigosos. Alguns associados

Leia mais

MANUAL DE TRANSPORTE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

MANUAL DE TRANSPORTE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS MANUAL DE TRANSPORTE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS 1. INTRODUÇÃO Transportar produtos fitossanitários é uma tarefa de alta responsabilidade e exige que sejam tomadas várias medidas de prevenção para diminuir

Leia mais

ETAPAS DA FISCALIZAÇÃO. A fiscalização de PP está dividida nas etapas abaixo listadas, que serão melhor especificadas nas páginas seguintes:

ETAPAS DA FISCALIZAÇÃO. A fiscalização de PP está dividida nas etapas abaixo listadas, que serão melhor especificadas nas páginas seguintes: C A P Í T U L 9 O PRODUTOS PERIGOSOS Atualizado em 12/02/12 NOTA DO AUTOR: este capítulo traz dicas resumidas acerca da fiscalização do transporte rodoviário nacional de produtos perigosos (o transporte

Leia mais

considerando a necessidade de aperfeiçoar o controle e a fiscalização do transporte de resíduos sólidos nas rodovias do Estado do Rio Grande do Sul;

considerando a necessidade de aperfeiçoar o controle e a fiscalização do transporte de resíduos sólidos nas rodovias do Estado do Rio Grande do Sul; PORTARIA N.º 034/2009, de 03 de agosto de 2009 Aprova o MANIFESTO DE TRANSPORTE DE RESÍDUOS MTR e dá outras providências. A DIRETORA PRESIDENTA DA FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUIZ

Leia mais

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013 Elaboração de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos químicos (FDSR) e rotulagem (ABNT-NBR 16725) Resíduos perigosos: classificação (ABNT- NBR 10004 e transporte) Prof. Carlos E. Matos Maio - 2013 FISPQ

Leia mais

Apresentação. Cristiano Walter Simon. Presidente Executivo da ANDEF

Apresentação. Cristiano Walter Simon. Presidente Executivo da ANDEF Apresentação Devido a importância do assunto, o Comitê de Educação, Treinamento e Uso Seguro (CETUS) da ANDEF produziu este Manual sob preceitos da Legislação de Transporte e do que existe de mais atualizado

Leia mais

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS RTPP Resolução nº 3665/11 ANTT Atualizada com as Resoluções ANTT nº 3762/12 e 3886/12

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS RTPP Resolução nº 3665/11 ANTT Atualizada com as Resoluções ANTT nº 3762/12 e 3886/12 REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS RTPP Resolução nº 3665/11 ANTT Atualizada com as Resoluções ANTT nº 3762/12 e 3886/12 CAPÍTULO 1 Disposições Preliminares - Art. 2º CAPÍTULO

Leia mais

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS Introdução Este documento é um guia orientativo aos associados da Abmaco que desejem efetuar a disposição adequada de tambores e embalagens de resina poliéster

Leia mais

ABNT NBR NORMA BRASILEIRA. emergências no transporte terrestre de produtos perigosos. Conjunto de equipamentos para TCCNICAS.

ABNT NBR NORMA BRASILEIRA. emergências no transporte terrestre de produtos perigosos. Conjunto de equipamentos para TCCNICAS. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR Quinta edição 06.1 1.2006 Válida a partir de 06.12.2006 Conjunto de equipamentos para emergências no transporte terrestre de produtos perigosos Set of equipments for emergencies

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011 Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as Instruções Complementares

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 349, de 10 de maio de 2002. DOU de 4 DE JUNHO DE 2002

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 349, de 10 de maio de 2002. DOU de 4 DE JUNHO DE 2002 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 349, de 10 de maio de 2002 DOU de 4 DE JUNHO DE 2002 Aprova as Instruções para a Fiscalização do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos no Âmbito Nacional. O MINISTRO

Leia mais

Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012.

Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009

RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009 RESOLUÇÃO 046 10 de agosto de 2009 REGULA A MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E TRÂNSITO DE MERCADORIAS CLASSIFICADAS PELO CÓDIGO MARÍTIMO INTERNACIONAL DE MERCADORIAS PERIGOSAS (IMDG CODE), DA ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 420 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 420 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 420 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos Substâncias (incluindo misturas e soluções) e artigos sujeitos

Leia mais

Rev007 CRITÉRIOS PARA FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS QUE POSSAM IMPACTAR NO MEIO AMBIENTE

Rev007 CRITÉRIOS PARA FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS QUE POSSAM IMPACTAR NO MEIO AMBIENTE CRITÉRIOS PARA FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS QUE POSSAM IMPACTAR NO MEIO AMBIENTE Revisão: Data 007 04.09.2013 Elaborador: Chaiane Ruaro da Silva Item Material / Serviço Areia extraída no Município

Leia mais

LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências.

LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. JAIR SOARES, Governador do Estado do Rio Grande do Sul. Faço

Leia mais

Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências.

Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências. LEI Nº 7.877, de 28 de Dezembro de 1983 Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências. Jair Soares, Governador do Estado do Rio Grande do Sul. Faço

Leia mais

Manual para o Transporte de Produtos Perigosos na Indústria de Tintas e Vernizes

Manual para o Transporte de Produtos Perigosos na Indústria de Tintas e Vernizes Manual para o Transporte de Produtos Perigosos na Indústria de Tintas e Vernizes REV 001/Julho 2009 Manual para o Transporte de Produtos Perigosos na Indústria de Tintas e Vernizes REV 001/Julho 2009 3

Leia mais

-Inclusão do transporte de carga mista (fracionada e granel). -Inclusão de veículo combinado

-Inclusão do transporte de carga mista (fracionada e granel). -Inclusão de veículo combinado TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS ALTERAÇÃO DAS NORMAS DA ABNT 2005 Revisão das Normas sobre Transporte Terrestre de Produtos Perigosos O CB-16 da ABNT fez recentemente revisão de todas as normas

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM EMBALAGENS E UNITIZAÇÃO DEFINIÇÕES MERCADORIA: qualquer produto que seja objeto do comércio CARGA: qualquer mercadoria entregue a terceiros para: - ser transportada - ser armazenada

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Limpa ar condicionado Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116 km

Leia mais

Curso de Embalagem para Transporte e Exportação

Curso de Embalagem para Transporte e Exportação Curso de Embalagem para Transporte e Exportação Curso de Embalagem para Transporte e Exportação São Paulo/2013 Gloria Benazzi Sinopse do Curriculum Engenheira química formada em 1975 pela UFRJ; Aposentada

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TAR 1401

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TAR 1401 Código: FSP-250 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TAR 1401 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.665/11, DE 4 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.665/11, DE 4 DE MAIO DE 2011 Atualiza o Regulamento para o Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos. A Diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT, no uso de suas atribuições, fundamentada no Voto DIB - 038/11,

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO UT-X FE POWDER CÓDIGO FISPQ-1616 REVISÃO 0 EMISSÃO 14/08/2012 APROVAÇÃO 14/08/2012 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

Esta Norma Operacional entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário.

Esta Norma Operacional entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário. 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem adotados no licenciamento ambiental das atividades de coleta e transporte rodoviário dos Resíduos perigosos (Classe I), e não perigosos (Classes II A e II B),

Leia mais

ANO CLII Nº 101. Brasília DF, sexta-feira, 29 de maio de 2015 págs 100 à 103. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

ANO CLII Nº 101. Brasília DF, sexta-feira, 29 de maio de 2015 págs 100 à 103. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANO CLII Nº 101 Brasília DF, sexta-feira, 29 de maio de 2015 págs 100 à 103. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS Resolução nº 26, de 27 de maio de

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL 1/16 O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 01/07/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Referência

Leia mais

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES Página: 1 de 7 Esta FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico está em conformidade com a NBR 14725, e contém informações baseadas em dados disponíveis das unidades Henkel no Brasil, e/ou

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

DER RESPEITO POR VOCÊ

DER RESPEITO POR VOCÊ DER RESPEITO POR VOCÊ Apresentação O Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos está regulamentado com base em legislação e critérios técnicos, de acordo com as diretrizes da Organização das Nações Unidas

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência:VERSÃO LIMPA 5 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO Data: 26 e 27 de outubro de 2006 Processos n 02001.001037/02-98 e 02001.000597/2004-40

Leia mais

ROBERT BOSCH LIMITADA

ROBERT BOSCH LIMITADA F0LHA...: 1 de 5 1 _ Identificação do Produto e Fabricante Nome do Produto: Acumulador elétrico de energia Nome do Fabricante sob licença da Robert Bosch Ltda.: Enertec do Brasil Ltda. Endereço: Av. Independência,

Leia mais

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Lubrificante para corrente Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ Página 1 de 8 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Detergente Concentrado Oirad - Código interno de identificação do produto: LG 010 - Produto Notificado na ANVISA / MS: - Nome da

Leia mais

NORMA VISTORIA DE VEÍCULOS DE CARGA

NORMA VISTORIA DE VEÍCULOS DE CARGA CODEBA PALAVRAS CHAVES INSPEÇÃO, VEÍCULOS, CARGA P..04 DEX- 312ª REVISÃO N.º 1 / 6 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. PROCEDIMENTOS BÁSICOS 3.1 Acesso a Área de Operação Portuária 3.2

Leia mais

INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS -

INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS - INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS - I. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa subsidiar os diversos empreendimentos quanto à elaboração e apresentação

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4.497, de 03 de setembro de 2004. Publicada no DOERJ de 21 de setembro de 2004.

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4.497, de 03 de setembro de 2004. Publicada no DOERJ de 21 de setembro de 2004. DZ-1310.R-7 - SISTEMA DE MANIFESTO DE RESÍDUOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4.497, de 03 de setembro de 2004. Publicada no DOERJ de 21 de setembro de 2004. 1 OBJETIVO Estabelecer a metodologia

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS O QUE É RESÍDUO? De acordo com o Dicionário de Aurélio Buarque de Holanda, resíduo é tudo aquilo que não se quer mais e

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA ARTIGO REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS O EXCESSO DE REGULAMENTAÇÃO CONTRIBUI EFETIVAMENTE PARA A REDUÇÃO DOS ACIDENTES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? Autor: Eng. Giovanni

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto MP-30 Película Líquida Spray Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR

Leia mais

Eletrolítica 1.400 µs/cm

Eletrolítica 1.400 µs/cm 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Material de Referência Certificado Solução de Condutividade Nome do produto: Eletrolítica 1.400 µs/cm Código de serviço: 8844 Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO Accu-Lube LB-4500 CÓDIGO FISPQ-0505 REVISÃO 3 EMISSÃO 27/12/2010 APROVAÇÃO 27/12/2010 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

TELEFONE PARA EMERGÊNCIAS: 0800-7077022 (SUATRANS)

TELEFONE PARA EMERGÊNCIAS: 0800-7077022 (SUATRANS) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Código do Produto: 3076 Data da FISPQ: 01/11/2005 Comercializado por: BRENNTAG QUÍMICA BRASIL LTDA Guarulhos - SP Rua Hum, 1.333 Bonsucesso Guarulhos CEP

Leia mais

PROCESSO DE VERIFICAÇÃO VEICULAR

PROCESSO DE VERIFICAÇÃO VEICULAR Página 1 de 10 Treinamento Recomendado: - formal - leitura (sem necessidade de manter em registro) Controle de revisão Revisão Data Item Descrição das Alterações Emissão inicial. Em virtude do novo núcleo

Leia mais