NORMA TÉCNICA Nº 0011/2014 CBMPB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA TÉCNICA Nº 0011/2014 CBMPB"

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA Nº 0011/2014 CBMPB Sistema De Proteção Por Extintores De Incêndio Publicada no Diário Oficial nº xx.xxx de xx de XXXXXXX de SUMÁRIO 1-Objetivo 2-Aplicação 3-Referências Normativas e Bibliográficas 4-Definições 5-Procedimentos ANEXOS A. TABELA 01 CAPACIDADE EXTINTORA MÍNIMA PARA EXTINTORES PORTÁTEIS TABELA 02 CAPACIDADE EXTINTORA MÍNIMA PARA EXTINTORES SOBRE RODAS TABELA 03 CRITÉRIOS PARA DISTRIBUIÇÃO DE EXTINTORES PORTÁTEIS TABELA 04 DISTÂNCIA MÁXIMA PERCORRIDA PARA EXTINTOR SOBRE RODAS TABELA 05 DIMENCIONAMENTO DE EXTINTORES PARA ARMAZENAMENTO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO. TABELA 06 DIMENCIONAMENTO DE EXTINTORES CLASSE A PARA ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS PERIGOSOS, COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS. TABELA 07 DIMENCIONAMENTO DE EXTINTORES CLASSE B PARA ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS PERIGOSOS, COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS. TABELA 08 SELEÇÃO DO AGENTE EXTINTOR ADEQUADO. TABELA 09 SÍMBOLOS DOS EXTINTORES EM PROJETOS DE INCÊNDIO. TABELA 10 VALORES DO POTENCIAL CALORÍFICO ESPECÍFICO. B. MÉTODO PARA LEVANTAMENTO DA CARGA DE INCÊNDIO ESPECÍFICA. C. EXTINTORES ANTIGOS SEM CAPACIDADE EXTINTORA DECLARADA. D. FIGURA 01 EXEMPLO DE INSTALAÇÃO DE EXTINTORES FIGURA 02 EXEMPLO DE INSTALAÇÃO DE EXTINTORES EMBUTIDOS FIGURA 03 EXEMPLO DE ABRIGO DE EXTINTOR PORTÁTIL. 1. Objetivo Esta norma dispõe sobre as condições e critérios mínimos exigidos na proteção contra princípios de incêndio, utilizando equipamentos extintores de incêndio móveis (portáteis

2 e sobre rodas), com a finalidade de proteger edificações e áreas de risco salvaguardando pessoas e bens materiais, conforme previsto na Lei Estadual nº 9.625/2011 Código Estadual de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Controle de Pânico do Estado da Paraíba. 2. Aplicação Esta Norma Técnica (NT) aplica-se a todas as edificações, estruturas montadas, estruturas provisórias e em todos os locais onde o CBMPB exija extintores de incêndio, excetuando-se as edificações classificadas na divisão A-1 do Grupo A (HABITAÇÃO UNIFAMILIAR), conforme a Norma Técnica 004/2012 CBMPB e Lei Estadual nº 9.625/2011 Código Estadual de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Controle de Pânico do Estado da Paraíba, entrando em vigor após a data de sua publicação. 3. Referências Bibliográficas Lei Estadual Nº 8.444, de 28 de dezembro de 2007; Lei Estadual Nº 9.625, de 27 de Dezembro de 2011, Código Estadual de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Controle de Pânico; NT nº 002/2012 CBMPB Classificação das edificações de Acordo com o Risco; NT nº 004/2012 CBMPB Classificação das edificações quanto à Natureza da Ocupação, Altura e Área construída; NT nº 005/2013 CBMPB - Segurança Relativa Ao Combate A Incêndio E Controle De Pânico Nos Veículos De Shows, Palcos De Show E Similares; NT nº 006/2013 CBMPB - Sinalização de Segurança e Emergência Contra Incêndio e Pânico. NT nº 008/2014 CBMPB Regulamentação do art. 3º da lei estadual nº /201; INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 21/2011 Sistema de proteção por extintores de incêndio, CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DA PMSP. NORMA TÉCNICA N 004/2008 Sistema de Proteção por Aparelhos Extintores de incêndio, CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO CEARÁ. NORMA TÉCNICA N 012/2009 Extintores de incêndio, CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

3 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto De Segurança Contra Incêndio E Pânico, CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARANÁ. NPT 021 Sistema De Proteção Por Extintores De Incêndio, CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARANÁ. NPT 026 Sistema Fixo de Gases para Combate a Incêndio, CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARANÁ. NBR ABNT Extintor de incêndio classe A - Ensaio de fogo em engradado de madeira. NBR ABNT Extintor de incêndio classe B - Ensaio de fogo em liquido inflamável. NBR ABNT Identificação de extintores de incêndio - Dimensões e cores Padronização. NBR ABNT Extintores de incêndio com carga de Pó químico. NBR ABNT Sistema de proteção por extintores de incêndio. NBR ABNT Inspeção, manutenção e recarga em extintores de incêndio. NBR ABNT Inspeção, manutenção e recarga em extintores de incêndio. NBR ABNT Proteção contra incêndio em subestações elétricas convencionais, atendidas e não Atendidas de sistema de transmissão. NBR ABNT Manutenção de terceiro nível (vistorias em extintores de incêndio). NBR ABNT Símbolos De Proteção Contra Incêndio. NBR ABNT Área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás liquefeito de petróleo (GLP), destinados ou não à comercialização Critérios de segurança. NBR ABNT Extintores de incêndio portáteis. NBR ABNT Extintores de incêndio sobre rodas. COMUNICADO TÉCNICO Caracterização Física, Química e Anatômica da Madeira de Araucaria angustifolia (Bert.) O.Kuntze, ISSN ,Colombo, PR Dezembro, Definições Para os efeitos desta norma são adotadas as definições de 4.1 a Área protegida: Área medida em metros quadrados de piso, protegida por uma

4 unidade extintora, em função do risco. 4.2 Agente extintor: Substância utilizada para a extinção de fogo. 4.3 Carga: Quantidade de agente extintor contida no extintor de incêndio, medida em litro ou quilograma. 4.4 Capacidade extintora: Medida do poder de extinção de fogo de um extintor, obtida em ensaio prático normalizado. 4.5 Capacidade extintora mínima em cada unidade extintora: Valor mínimo do poder de extinção de fogo de um extintor exigido pelo CBMPB. 4.5 Capacidade extintora mínima na edificação: Valor mínimo do poder total de extinção de fogo de uma determinada edificação, ou local, onde é considerado o somatório de todas as capacidades extintoras da mesma classe de uma edificação. 4.6 Carga de incêndio: Soma das caloríficas possíveis de serem liberadas pela combustão completa de todos os materiais combustíveis em um espaço, inclusive os revestimentos das paredes, divisórias, pisos e tetos. 4.7 Carga de incêndio específica: Valor da carga de incêndio dividido pela área de piso do espaço considerado, expresso em megajoules por metro quadrado (mj/m2). 4.8 CAT: Centro de Atividades Técnicas do CBMPB. 4.9 CBMPB: Corpo De Bombeiro Militar Da Paraíba 4.10 Central de GLP: Área devidamente delimitada que contém os recipientes transportáveis ou estacionários(s) e acessórios, destinados ao armazenamento de glp para consumo da própria instalação Chave de fácil acesso: Chave fixada em local seguro, desobstruído, visível e sinalizado próximo ao local da fechadura a qual pertence, de modo a permitir que o usuário no caso da necessidade de utilização do equipamento não tenha que se ausentar

5 do local para realizar o destranque do mesmo DAT Diretoria De Atividades Técnicas Do Corpo De Bombeiros Militar Da Paraíba Distância máxima a ser percorrida: Distância máxima real do trajeto, em metros, a ser percorrida pelo operador do extintor, do ponto de fixação do extintor a qualquer ponto da área protegida pelo extintor, devendo ser computado a distância percorrida para desvio de obstáculos físicos durante o trajeto Escada de emergência: Escada integrante de uma rota de saída, podendo ser uma escada enclausurada à prova de fumaça, escada enclausurada protegida ou escada não enclausurada Extintor de incêndio: Aparelho de acionamento manual, constituído de recipiente e acessórios contendo o agente extintor destinado a combater princípios de incêndio Extintor portátil: Extintor de incêndio que pode ser transportado manualmente, sendo que sua massa total não pode ultrapassar 20kg Extintor sobre rodas: Extintor de incêndio, montado sobre rodas, cuja massa total não pode ultrapassar 250kg, operando e transportado por um único operador, onde não é considerado como extintor sobre rodas o conjunto de dois ou mais extintores instalados sobre um mesmo suporte e cujo acionamento seja individualizado Fogo classe A: Chama nos materiais combustíveis sólidos, que queimam em superfície e profundidade através do processo de pirólise deixando resíduos Fogo classe B: Chama nos combustíveis sólidos que liquefazem por ação do calor, como graxas, substâncias líquidas que evaporam e gases inflamáveis, que queimam somente em superfície, podendo ou não deixar resíduos Fogo classe C: Fogo em materiais, equipamentos e instalações elétricas energizadas.

6 4.21 Fogo classe D: São os que ocorrem em metais combustíveis, chamados de pirofóricos, como magnésio, selênio, antimônio, zinco, urânio, titânio, zircônio, sódio, potássio, lítio, alumínio ou chumbo pulverizados, sulfato de potássio e ferro de magnus. esses metais queimam mais rapidamente, reagem com o oxigênio atmosférico, atingindo temperaturas mais altas que outros materiais combustíveis. o combate exige equipamentos, técnicas e agentes extintores especiais para cada tipo de metal combustível, que formam uma capa protetora isolando o metal combustível do ar atmosférico Fogo classe K: São os que ocorrem em óleos vegetais, óleos animais ou gorduras, graxas, etc., muitos desses são usados em cozinhas comerciais e industriais. o combate ao fogo exige agentes extintores que proporcionem cobertura em forma de lençol de abafamento. são usados pós químicos secos e líquidos especiais Gases limpos: Agentes extintores na forma de gás que não degradam a natureza e não afetam a camada de ozônio. são inodoros, incolores, maus condutores de eletricidade e não corrosivos. Dividem-se em compostos halogenados e mistura de gases inertes, quando utilizado na sua concentração de extinção, permite a respiração humana com segurança. o co2 não é considerado gás limpo por sua ação asfixiante na concentração de extinção Gás halogenado: Gases a base de hidrocarbonetos halogenados que se solidificam ao se expandir bruscamente, usado como agente extintor em locais onde requer gases limpos, inertes e com ausência de resíduos Pavimento: Parte de uma edificação situada entre a parte superior de um piso acabado e a parte superior do piso imediatamente superior, ou entre a parte superior de um piso acabado e o forro acima dele, se não houver outro piso acima Piroforicidade: É a propriedade ou tendência de um material ou substância, quando na forma de partículas finas, apresentando grande área de contato, reagir com o ambiente. este mesmo material, quando na forma de uma peça de maiores dimensões, com respectiva menor área de contato, não reagiria com o ambiente.

7 4.27 Princípio de incêndio: Período inicial da queima de materiais, compostos químicos ou equipamentos, enquanto o incêndio é incipiente Produtos perigosos: São os de origem química, biológica ou radiológica que apresentam um risco potencial à vida, à saúde e ao meio ambiente Recipientes transportáveis de GLP: Recipientes para acondicionar GLP que podem ser transportados manualmente ou por qualquer outro meio, com capacidade até 0,5 m 3 (500 l), em conformidade com a NBR ABNT Risco: Probabilidade de ocorrência de ocorrência e pânico, relacionada com a intensidade dos danos ou perdas potenciais do sinistro, onde as edificações devem ser classificadas em riscos baixo, médio ou alto de acordo com a tabela 01 do anexo a da nt 002 CBMPB, e nos casos omissos seguir a divisão por carga incêndio específica onde risco baixo são para edificações e áreas de risco com carga de incêndio específica até 300 Mj/m 2, risco médio acima de 300 Mj/m 2 a 1200 Mj/m 2 e risco alto acima de 1200 Mj/m 2, conforme o anexo c desta norma Sinalização de extintores: Marcação de piso, parede, coluna e/ou teto, destinada a indicar a presença de um extintor definidas na norma técnica CBMPB Unidade extintora: Extintor que possui e atende à capacidade extintora mínima prevista nesta norma, em função do risco e da natureza do fogo. 5. Procedimentos 5.1 Seleção dos extintores GENERALIDADES A seleção de extintores para uma dada situação deve ser determinada pela característica e tamanho do fogo esperado, tipo de construção e sua ocupação, risco a serem protegidos, as condições de temperatura do ambiente, e outros fatores.

8 A quantidade de extintores, capacidade extintora e instalações de uso dos extintores devem atender aos requisitos desta norma, onde será permitida a utilização de outros agentes extintores não especificados na TABELA 01, desde que apresentem certificação emitida por organização certificadora reconhecida e ficando condicionada a aceitação desses agentes extintores à aprovação por Comissão Técnica da Diretoria de Atividades Técnicas do CBMPB SELEÇÕES DE RISCO Os extintores devem ser selecionados para fogo de classe específica do risco a ser protegido e material compatível com a classe de incêndio a qual pertencem, conforme indica a TABELA 08 do ANEXO A desta norma, não sendo permitida a proteção por extintores de classe de incêndio a qual não esteja certificado Para a proteção de fogo classe A, deve ser selecionados extintores com grau de capacidade extintora A adequado Para a proteção de fogo de classe B, deve ser selecionados extintores com grau de capacidade extintora B adequado Para a proteção de fogo classe B envolvendo gases inflamáveis, devem ser selecionados somente extintores com carga de pó Para a proteção de fogo classe C, deve ser selecionados extintores que atendam ao ensaio de condutividade elétrica Para a proteção de fogo classe D, deve ser selecionado extintores que atendam ao ensaio de extinção de acordo com o metal pirofórico específico Para a proteção de fogo classe K, deve ser selecionado extintores que atendam ao ensaio de extinção de chamas nos óleos específicos empregados. 5.2 Capacidade Extintora GENERALIDADES A capacidade extintora mínima de cada tipo de extintor portátil, para que se

9 constitua uma unidade extintora, deve ser de acordo com a TABELA 01 do Anexo A desta norma A capacidade extintora mínima de cada tipo de extintor sobre rodas, para que se constitua uma unidade extintora, deve ser de acordo com a TABELA 02 do Anexo A desta norma Níveis mais elevados de capacidades extintoras podem ser exigidos em razão do risco a ser protegido Cada unidade extintora deve sempre corresponder a um só extintor, não sendo aceitas combinações de dois ou mais extintores, com exceção do extintor de espuma mecânica e o item D1 do Anexo D desta norma A capacidade extintora de 01 (um) extintor de pó ABC sempre poderá substituir no máximo 02 (dois) extintores de classes diferentes (A e BC), desde que o extintor de pó ABC contenha as capacidades extintoras mínimas dos extintores substituídos Os extintores portáteis devem ser distribuídos de acordo com a capacidade extintora mínima exigida para cada risco a qual pertence à edificação ou área de risco e pela distância máxima percorrida, onde o operador do extintor não percorra distância maior do que a estabelecida, para ter acesso a uma unidade extintora, conforme a TABELA Nos casos de acréscimo de extintores além do mínimo exigido nesta norma é permitido o uso de extintores com capacidade extintora menor que a estabelecida na TABELA Instalação e Sinalização EXTINTORES PORTÁTEIS Quando os extintores forem instalados em paredes ou divisórias, a altura de fixação do suporte deve variar, no máximo, entre 1,6 m do piso e de forma que a parte inferior do extintor permaneça, no mínimo, a 0,10 m do piso acabado.

10 É permitida a instalação de extintores sobre o piso acabado, desde que permaneçam apoiados em suportes apropriados, com altura recomendada entre 0,10 m e 0,25 m do piso Os extintores não podem ser instalados em desníveis, escadas, instalados em locais que fiquem obstruídos por pilhas de mercadorias, matérias-primas ou qualquer outro material e deve ser instalado em local que haja a menor probabilidade de o fogo bloquear seu acesso É permitida a instalação de extintores em halls de entrada e de pavimentos, em edificações de até dois pavimentos e que os acessos tenha comunicação direta com o hall, devendo ser instalados de forma embutida, desde que sua instalação não reduza a largura efetiva do hall em valor maior que 0,10 m, além de atender ao item desta norma Os extintores devem estar de fácil acesso, livre retirada de sua base ou suporte, visíveis e sinalizados de acordo com o estabelecido na NT 006 CBMPB Sinalização de Segurança e Emergência Contra Incêndio e Pânico O extintor de pó ABC pode substituir qualquer tipo de extintor de classes específicas A, B e C dentro de uma edificação ou área de risco, desde que obedeçam aos itens e , desta norma A determinação do tipo e quantidade de agente extintor para a classe D deve ser baseada no metal combustível específico, na sua configuração, na área a ser protegida, bem como nas recomendações do fabricante do agente extintor. A distância máxima em metros, a ser percorrida será de acordo com a TABELA 03 do Anexo A A determinação do tipo e quantidade de agente extintor para a classe K deve ser baseada no óleo aquecido específico, na sua configuração, na área a ser protegida, bem como nas recomendações do fabricante do agente extintor. A distância máxima em metros, a ser percorrida será de acordo com a TABELA 03 do Anexo A Em casos específicos em que a edificação possua risco de incêndio classes D e

11 ou K, deve-se ter, no mínimo, em cada pavimento que possua tais riscos, uma unidade extintora apropriada para cada tipo de classe de incêndio existente Cada pavimento deve possuir, no mínimo, duas unidades extintoras, sendo uma para incêndio classe A e outra para incêndio classe B e C. É permitida a instalação de duas unidades extintoras iguais de pó ABC, salvo o prescrito no item desta norma É permitida a instalação de uma única unidade extintora de pó ABC como proteção para toda a edificação, pavimento e ou mezanino, cuja área construída seja inferior a 50 m² e atenda o prescrito nas TABELAS 01 e 03 do Anexo A desta norma Os extintores de incêndio devem ser adequados à classe de incêndio predominante dentro da área de risco a ser protegida, de forma que sejam intercalados na proporção de dois extintores para o risco predominante e um para a proteção do risco secundário São aceitos extintores com acabamento externo em material cromado, outra coloração, latão ou metal polido, desde que possuam marca de conformidade expedida por órgão credenciado pelo Sistema Brasileiro de Certificação (Inmetro) Os extintores portáteis e sobre rodas devem ser instalados em suportes ou em abrigos quando expostos a intempéries Quando os extintores de incêndio forem instalados em abrigo embutido na parede ou divisória, como também em abrigos de alvenaria deve-se: a) Instalar a sinalização horizontal e a angular, de acordo com o item da NT 006 CBMPB; b) Existir uma superfície transparente, devidamente fixada, que possibilite a visualização do extintor para o interior do abrigo com área mínima não inferior a 0,5m²; c) Confecciona-lo em material não combustível e pinta-lo completamente na cor vermelha; d) Em caso de confecção da porta toda ou em parte de vidro, o mesmo deve ser laminado; e) Confecciona-lo de forma a comportar completamente o extintor em seu interior Os extintores instalados em condições onde podem ocorrer danos físicos devem

12 estar protegidos contra impactos Não é permitido o uso de capas sobre os extintores, confeccionados em material combustível e ou que o descaracterize de qualquer forma Quando instalados em abrigos ou abrigos embutidos, os extintores não devem ser fechados à chave ou cadeado, salvo quando instalados em locais sujeitos a vandalismo, onde os abrigos podem estar fechados à fechadura, tranca, lacres de fácil rompimento e etc, desde que possuam chave de fácil acesso ou existam meios que permitam o rápido acesso ao equipamento em situação de emergência Para proteção de locais fechados, tais como: salas elétricas, compartimentos de geradores, salas de máquinas, entres outros, os extintores devem ser instalados no lado externo, próximo à entrada destes locais, respeitando-se as distâncias máximas a serem percorridas, conforme TABELAS 03 e 04 do Anexo A desta norma Deve ser instalado, pelo menos, um extintor de incêndio a não mais de 5 m da entrada principal da edificação e das escadas nos demais pavimentos EXTINTORES SOBRE RODAS (CARRETAS) Aos extintores sobre rodas também se aplica o prescrito nos itens , , , , e aos itens ao Não é permitida a proteção de edificações ou áreas de risco unicamente por extintores sobre rodas, admitindo-se, no máximo, a proteção da metade da área total correspondente ao risco (50%), considerando o complemento por extintores portáteis, de forma alternada entre extintores portáteis e sobre rodas na área de risco O emprego de extintores sobre rodas só é computado como proteção efetiva em locais que permitam o livre acesso a qualquer parte da área protegida, sem impedimentos de portas, soleiras, degraus no piso, materiais e equipamentos, salvo o item desta norma Os extintores sobre rodas devem ser localizados em pontos estratégicos e sua área de proteção deve ser restrita ao nível do piso que se encontram.

13 As distâncias máximas de percorrida para os extintores sobre rodas devem seguir a TABELA 04 do Anexo A desta norma Não é considerado como extintor sobre rodas o conjunto de dois ou mais extintores instalados sobre um mesmo suporte e cujo acionamento seja individualizado. 5.4 Certificação e Conformidade GENERALIDADES Os extintores devem estar lacrados, com a pressão adequada e possuir selo de conformidade concedida por órgão credenciado pelo Sistema Brasileiro de Certificação (Inmetro), além de estar no local determinado pelo Projeto de Incêndio e ou pelo Vistoriador do CBMPB Para efeito de vistoria do Corpo de Bombeiros, o prazo de validade da carga e a garantia de funcionamento dos extintores deve ser aquele estabelecido pelo fabricante, se novo, ou pela empresa de manutenção certificada pelo Inmetro, se recarregado, (empresa esta, devidamente cadastrada e fiscalizada pela DAT/CAT CBMPB, conforme NT específica) As inspeções deverão ser realizadas por profissionais habilitados ou empresas cadastradas junto ao Corpo de Bombeiros Militar, conforme Norma Técnica Específica Consideram-se habilitados, além dos Militares do CBMPB, a realizar inspeções em extintores os seguintes profissionais: a) Profissionais de engenharia devidamente registrados no CREA; b) Técnicos em Segurança no Trabalho registrados no Ministério do Trabalho; c) Membros da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) ou representante designado, das empresas e instituições, devidamente homologados e registrados no Ministério do Trabalho, conforme norma regulamentadora Nº 05 da Portaria 3214/1978 do Ministério do Trabalho. d) Bombeiro Civil devidamente credenciado no CBMPB, de acordo com o Art. 5º do

14 Decreto estadual nº 34xxx e da NT 008- CBMPB. 5.5 Casos específicos GENERALIDADES Nos locais de riscos específicos, devem ser instalados extintores de incêndio que atendam, além dos itens anteriores, as exigências específicas estabelecidas nesta norma, independente da proteção geral da edificação ou risco, tais como: a. Depósitos, Paióis e locais de concentração de produtos inflamáveis, combustíveis e ou perigosos; b. Casa de caldeira; c. Casa de bombas; d. Casa de força elétrica; e. Casa de máquinas; f. Galeria de transmissão; g. Incinerador; h. Elevador (casa de máquinas); i. Escada rolante (casa de máquinas); j. Quadro de redução para baixa tensão; k. Transformadores; l. Contêineres de telefonia; m. Outros Locais onde o CBMPB indique a necessidade de proteção adequada por extintores Os extintores devem ser fixados sempre fora das áreas limítrofes das caixas de contenção e ou diques de contenção de líquidos inflamáveis vertendo, escorrendo ou gotejando, uma vez que inutilizaria o equipamento em tais situações ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS PERIGOSOS Em locais de armazenamento de Produtor perigosos e concentração de materiais combustíveis e ou inflamáveis, excetuando-se os itens , e 5.5.5, deve-se calcular a carga incêndio específica do local de armazenamento, conforme Anexo C e distribuir a quantidade mínima de extintores específicos para o local de armazenamento

15 conforme TABELAS 06 e 07 do Anexo A LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS PRESSURIZADOS No combate a fogos envolvendo líquidos e gases inflamáveis pressurizados, devem ser utilizados extintores com carga de pó ou produto igualmente certificado, já que extintores contendo outros agentes não são eficientes no combate a esse tipo de risco. A seleção de extintores para esse tipo de risco deve ser feita de acordo com a quantidade de combustível e sua carga incêndio Os extintores para risco de fogo classe B tridimensionais em movimento, como líquidos inflamáveis vertendo, escorrendo ou gotejando, devem ser selecionados e avaliados de acordo com a vazão da tubulação e a carga incêndio do liquido inflamável, conforme TABELAS 06,07 do Anexo A e o Anexo C. A instalação de sistema fixo deve ser considerada quando aplicável Em locais de abastecimentos e/ou postos de abastecimento e serviços onde os tanques de combustíveis são enterrados se fazem necessário à instalação de uma unidade extintora com capacidade mínima de 40 (quarenta) B-C para cada bomba de combustível, além dos extintores instalados por percurso máximo e riscos específicos, em caso de postos de conveniência ou afins. Devem ser instaladas mais duas unidades extintoras portáteis de pó químico seco (pó ABC ou BC) ou espuma mecânica em local de fácil acesso, próximo ao setor de abastecimento do posto, para uso exclusivo na hora do abastecimento do posto Para proteção de reservatórios de alimentação exclusivo de grupo motogerador, com capacidade máxima de 500 litros, serão necessárias duas unidades extintoras portáteis B C CENTRAL PREDIAL E DE ARMAZENAMENTO DE GLP A quantidade e a capacidade dos extintores destinados à proteção da central de gás devem ser, no mínimo, conforme o prescrito na TABELA 5.

16 5.5.5 ARMAZENAMENTO DE GLP TRANSPORTÁVEIS As áreas de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP, das classes de I até VII, inclusive as Especiais, devem dispor de extintor (es) de carga de pó com capacidade extintora mínima do tipo B, de acordo com a TABELA Extintores de incêndio com carga de pó que se encontram dentro do mesmo imóvel e em locais diferentes, porém num raio máximo de 10 m da(s) área(s) de armazenamento, também serão considerados unidades extintoras desta(s) área(s) A quantidade mínima de extintores e seu dimensionamento nas classes especiais serão determinados de acordo com o risco existente, desde que nunca possua menos de que o dimensionado para a classe VII, além de obedecerem ao projeto aprovado pelo CBMPB, seguindo os itens desta norma SUBESTAÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA Os ambientes da subestação, casa de controle e das edificações de apoio operacional devem ser protegidos contra o risco de incêndio por sistema de extintores de incêndio, nos termos definidos nesta norma As edificações de uma subestação devem ser protegidas, de preferência, por extintores de incêndio portáteis de gás carbônico (CO2) e pó químico seco à base de bicarbonato de sódio (faixa II de operação) Os conjuntos de transformadores, de reatores de potência e reguladores de tensão, bem como unidades individuais destes equipamentos, devem ser protegidos com extintores de incêndio com capacidade de 80 BC, além do dimensionamento para a edificação Os extintores sobre rodas devem ser equipados com rodas especiais para o deslocamento sobre superfícies irregulares, por exemplo, locais com brita, possuindo diâmetro e largura dimensionados para esta finalidade e carga de pó químico seco à base de bicarbonato de sódio (faixa II de operação), conforme a NBR Os extintores devem ser fixados sempre fora das áreas limítrofes das caixas de

17 contenção e ou diques de contenção de líquidos inflamáveis vertendo, escorrendo ou gotejando, uma vez que inutilizaria o equipamento em tais situações PALCOS, TRIOS ELÉTRICOS E AFINS Os extintores devem ser dimensionados de acordo com o que preconiza o item 3.1 e o anexo I da Norma Técnica NT 005 CBMPB - SEGURANÇA RELATIVA AO COMBATE A INCÊNDIO E CONTROLE DE PÂNICO NOS VEÍCULOS DE SHOWS, PALCOS DE SHOW E SIMILARES EXPLOSIVOS No combate a fogos envolvendo materiais com características explosivas, pirotécnicas e oxidantes, devem ser utilizados extintores com capacidade extintora classe A certificados, já que extintores contendo outros agentes não são eficientes no combate a esse tipo de risco, devido à natureza oxidante de seus compostos, inutilizando os agentes que agem por retirada de comburente. A seleção de extintores para esse tipo de risco deve ser feita de acordo com a quantidade de material desta natureza e sua carga incêndio, conforme TABELAS 06,07 do Anexo A e o Anexo C. 5.6 Projetos de Incêndio REQUISITOS EXIGIDOS NO PROJETO É necessário o detalhamento da instalação dos extintores no projeto de incêndio, indicando o respectivo símbolo do extintor utilizado, conforme TABELA 09 do Anexo B desta norma, no local onde será fixado o extintor, não sendo permitido seu remanejamento, com exceção de determinação descriminada em laudo Técnico emitido pela DAT/CAT - CBMPB Os símbolos gráficos dos extintores devem possuir dimensões proporcionais à escala da planta do projeto, de maneira a ser facilmente identificada, conforme TABELA 09 do Anexo B desta norma Quando houver a necessidade de instalar extintores de incêndio com capacidade extintora diferente das estabelecidas na TABELA 01 do anexo A, é necessário indicar a

18 capacidade exigida ao lado do símbolo, conforme indica a TABELA 09 do Anexo B É necessária a descriminação no memorial descritivo do projeto de incêndio a quantidade de cada tipo de extintor e sua respectiva capacidade extintora, além de descriminar a exigência nos casos de risco especifico, justificando sua necessidade. PARÁGRAFO ÚNICO: Os extintores devem ser fixados e sinalizados na edificação de acordo com o projeto de prevenção e combate a incêndio devidamente aprovado pela DAT/CAT CBMPB, qualquer alteração em seu posicionamento ou em caso de acréscimo de extintores por determinação do vistoriador do DAT/CAT - CBMPB, deve ser modificado no projeto de prevenção e combate a incêndio. Anexo A (NORMATIVO) TABELA 01 CAPACIDADE EXTINTORA MÍNIMA PARA EXTINTORES PORTÁTEIS AGENTE EXTINTOR CLASSE DO FOGO A QUAL CAPACIDADE EXTINTORA MÍNIMA EM CADA

19 COMBATE UNIDADE EXTINTORA PORTÁTIL Água pressurizada A 2 - A Pó BC (bicarbonato de sódio) B-C 20 B C Pó ABC (Monofosfato de amônia) A-B-C 2-A : 20-B C Dióxido de Carbono (CO 2 ) B-C 5 B C Espuma A-B 2-A : 10-B C Halogenados (Fe-36) B-C 5 B C Acetato de Potássio K Uso específico (a determinar) Cloreto de Sódio D Uso específico (a determinar) TABELA 02 CAPACIDADE EXTINTORA MÍNIMA PARA EXTINTORES SOBRE RODAS CAPACIDADE EXTINTORA MÍNIMA EM AGENTE EXTINTOR CADA UNIDADE EXTINTORA SOBRE RODAS Água pressurizada Pó BC (bicarbonato de sódio) Pó ABC (Monofosfato de amônia) Dióxido de Carbono (CO 2 ) Espuma Halogenados (Fe-36) Acetato de Potássio Cloreto de Sódio 10 - A 40 B C 6-A : 40-B C 10 B C 6-A : 40-B C Uso específico (a determinar) Uso específico (a determinar) Uso específico (a determinar) Anexo A (NORMATIVO) continuação RISCO DISTÂNCIA MÁXIMA PERCORRIDA CAPACIDADE EXTINTORA MÍNIMA NA EDIFICAÇÃO

20 Classe A Classe B C D K Classe A Classe B C BAIXO 25 m 15 m 2-A 20-BC MÉDIO 20 m 15 m 3-A¹ 30-BC ALTO 15 m 15 m 4-A¹ 40-BC 1 - Dois extintores com carga de capacidade extintora 2-A, quando instalados um ao lado do outro podem ser utilizados em substituição a um extintor 4 A e 3 - A. TABELA 03 CRITÉRIOS PARA DISTRIBUIÇÃO DE EXTINTORES PORTÁTEIS RISCO TABELA 04 DISTÂNCIA MÁXIMA PERCORRIDA PARA EXTINTOR SOBRE RODAS DISTÂNCIA MÁXIMA PERCORRIDA PARA EXTINTOR SOBRE RODAS Classe A Classes B C D K BAIXO 38 m 23 m MÉDIO 30 m 23 m ALTO 23 m 23 m TABELA 05 DIMENCIONAMENTO DE EXTINTORES PARA GÁS LIQUEFEITO DE CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO PETRÓLEO QUANTIDADE MÍNIMA DE UNIDADES EXTINTORAS Anexo A (NORMATIVO) continuação CLASSE DA ÁREA DE ARMAZENAMENDO Até 520 Kg 02/20B I Até Kg 02/20B II Até Kg 02/20B + 01/40B III Até Kg 02/20B + 02/40B IV Até Kg 02/20B + 03/40B V Até Kg 06/40B VI Até Kg 06/40B VII Especial Mais de Kg A Partir de 06/40B + 01/80B ESPECIAL TABELA 06 DIMENCIONAMENTO DE EXTINTORES CLASSE A PARA ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS PERIGOSOS, COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS.

21 CARGA INCÊNDIO ESPECÍFICO DO ARMAZENAMENTO DE MATERIAL CLASSE A EM Mj Até 1000 CAPACIDADE EXTINTORA MÍNIMA NO LOCAL DE ARMAZENAMENTO CLASSE A 2 A Até A* Até A* Até A* Até A* Até A* Até A* Acima de A* * É permitida a associação de dois ou mais extintores para alcançar a capacidade extintora estabelecida na tabela 06. TABELA 07 DIMENCIONAMENTO DE EXTINTORES CLASSE B PARA ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS PERIGOSOS, COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS. CARGA INCÊNDIO ESPECÍFICO DO ARMAZENAMENTO DE MATERIAL CLASSE B EM Mj CAPACIDADE EXTINTORA MÍNIMA NO LOCAL DE ARMAZENAMENTO CLASSE B Até 3800 Até B 20 B Até B* Até B* Até B* Até B* Até B* Acima de B* * É permitida a associação de dois ou mais extintores para alcançar a capacidade extintora estabelecida na tabela 07.

22 Anexo A (NORMATIVO) continuação TABELA 08 SELEÇÃO DO AGENTE EXTINTOR ADEQUADO. CLASSE DA UNIDADE EXTINTORA ADEQUADA TIPOS DE AGENTES EXTINTORES ADEQUADOS EXEMPLOS DE MATERIAIS INFLAMÁVEIS A B C D K Água, pó ABC, espuma, outros... PQS, pó ABC, CO 2, espuma, Halon, outros... PQS, pó ABC, CO 2, Halon, outros... Extintor a base de cloreto de sódio, outros... Extintor a base de acetato de potássio, outros... Papeis, madeiras, borrachas, espumas, algodão, tecidos, plásticos, isopores, couro, carvão, sólidos combustíveis em geral e etc... Gasolina, álcoois, querosenes, diesel, líquidos combustíveis em geral, graxas e etc... Todos os materiais que estejam energizados ou que possuam capacitores energizados, etc... Magnésio, selênio, antimônio, zinco, urânio, titânio, zircônio, sódio, potássio, lítio, alumínio ou chumbo pulverizados, sulfato de potássio e ferro de Magnus, todos metais pirofóricos e etc... Óleos vegetais, óleos animais ou gorduras em geral, graxas e etc...

23 Anexo B (NORMATIVO) TABELA 09 SÍMBOLOS DOS EXTINTORES EM PROJETOS DE INCÊNDIO DENOMINAÇÂO SÍMBOLO Extintor portátil Extintor sobre rodas Exemplo de extintor com capacidade extintora diferente da mínima exigida 40 BC Extintor com carga de água Extintor de pó BC Extintor com carga de Dióxido de Carbono (CO 2 ) Extintor de pó ABC Extintor com carga de Espuma

24 Extintor para classe D ou outro agente de extinção BC ou ABC Extintor com carga de gás Halogenado Extintor classe K ou outro agente além de CO 2 ou Halon Extintor com carga de água com aditivo ou outro agente de extinção A Extintor seco (a ser carregado com agente extintor) Extintor sobre rodas com carga de água Extintor sobre rodas de pó BC Extintor sobre rodas com carga de Dióxido de Carbono (CO 2 ) Extintor sobre rodas de pó ABC

25 Extintor sobre rodas com carga de Espuma Extintor sobre rodas classe D ou outro agente de extinção BC ou ABC Extintor sobre rodas com carga de gás Halogenado Extintor sobre rodas classe K ou outro agente além de CO 2 ou Halon Extintor sobre rodas com carga de água com aditivo ou outro agente de extinção A Extintor sobre rodas seco (a ser carregado com agente extintor)

26 Anexo C (NORMATIVA) MÉTODO PARA LEVANTAMENTO DA CARGA DE INCÊNDIO ESPECÍFICA C.1 Os valores da carga de incêndio específica para as edificações destinadas a depósitos, explosivos e ocupações especiais podem ser determinadas pela seguinte expressão: Onde: qfi - É o valor da carga de incêndio especifica, expresso em megajoules por metro quadrado (MJ/m2) de área de piso. Mi - É a massa total de cada componente i do material combustível, expressa em quilogramas (Kg). Esse valor não pode ser excedido durante a vida útil da edificação, exceto quando houver alteração de ocupação, ocasião em que Mi deve ser reavaliado. Hi - É o potencial calorífico de cada componente i do material combustível, expresso em Megajoules por quilogramas (MJ/Kg), conforme TABELA 10. A - É a área do piso do compartimento, expressa em metros quadrados (m2). C.3 A compensação do teor de umidade de uma determinada massa de material combustível poderá ser feita desde que demonstrado por meio de ensaio específico. C.4 Além dos potenciais caloríficos dados na TABELA 10, resultados obtidos por meio de ensaios específicos em conecalorímetros podem ser utilizados. TABELA 10 VALORES DO POTENCIAL CALORÍFICO ESPECÍFICO

27

28 Anexo D (NORMATIVO) EXTINTORES ANTIGOS SEM CAPACIDADE EXTINTORA DECLARADA D.1 Principio A TABELA 08 pode continuar sendo utilizada para se estimar a capacidade extintora equivalente de extintores antigos, ou seja, que não possuem capacidade extintora declarada pelos seus respectivos fabricantes. Tais extintores classificados de acordo com a tabela somente poderão continuar sendo utilizada em projetos aprovados anteriormente a publicação desta norma. TABELA 08 VALORES DE CAPACIDADE EXTINTORA NÃO DECLARADA

29 Anexo D (INFORMATIVO) FIGURA 01 EXEMPLO DE INSTALAÇÃO DE EXTINTORES (medidas em metros) FIGURA 02 EXEMPLO DE INSTALAÇÃO DE EXTINTORES EMBUTIDOS (medidas em metros)

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Procedimentos Instrução

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC) SISTEMA PREVENTIVO POR EXTINTORES

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC) SISTEMA PREVENTIVO POR EXTINTORES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC)

Leia mais

NORMA TÉCNICA N. O 004/2008

NORMA TÉCNICA N. O 004/2008 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA N. O 004/2008 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR APARELHOS EXTINTORES

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA Nº 012 - CAT

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA Nº 012 - CAT ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Considerando o artigo 3º do Decreto nº 2.125-N, de 12 de setembro de 1985, o Corpo de Bombeiros Militar, através do Centro de Atividades Técnicas, resolve

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

NBR 12693 Sistemas de proteção por extintores de incêndio

NBR 12693 Sistemas de proteção por extintores de incêndio ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A FEV 1993 NBR 12693 Sistemas de proteção por extintores de incêndio Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo EXTINTORES Fogo É uma reação química em cadeia que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos. Elementos que compõe o fogo Calor Combustível Comburente

Leia mais

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria.

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF PORTARIA N 09, DE 20 DE MARÇO DE 2015. Aprova a Norma Técnica N 03/2015- CBMDF - Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio. O COMANDANTE-GERAL

Leia mais

Extintores de Incêndio

Extintores de Incêndio Extintores de Incêndio Sistema de extintores de incêndio conceituação classificação dos extintores classificação dos fogos e riscos seleção do agente extintor condições de projeto critérios para dimensionamento

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 14/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 14/2011 Instrução Técnica nº 14/2011 - Carga de incêndio nas edificações e áreas de risco 297 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS 23.1 Disposições gerais. 23.1.1 Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5 MÓDULO 5 1 PREVENÇÃO A INCÊNDIO 2 QUÍMICA DO FOGO 3 CLASSES DE INCÊNDIO 4 EXTINTORES PORTÁTEIS 5 PLANO DE EMERGÊNCIA PREVENÇÃO A INCÊNDIO Na PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A., só será permitido fumar em locais

Leia mais

Proteção e combate a incêndio

Proteção e combate a incêndio Proteção e combate a incêndio Conceito de fogo Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio;

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio; 3.1 Disposições gerais. 3.1.1 Todas as empresas deverão possuir: NR 3 - Proteção Contra Incêndios (13.000-0) a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço,

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB.

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB. REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB.) 1. Instalação de Combate a Incêndio por meio de Extintores

Leia mais

Prof.Dr. Wyser José Yamakami

Prof.Dr. Wyser José Yamakami Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - Campus Ilha Solteira-SP SP Prof.Dr. Wyser José Yamakami Introdução a Engenharia de Segurança: Capítulo 8 Prevenção de Incêndios 8.1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado Março 2015 Vigência: 15 de março de 2015 NPT 001. Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS NR 3 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS 3. Disposições gerais. 3.. Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Recomendações de Segurança do Trabalho

Recomendações de Segurança do Trabalho Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores: Apresentação As recomendações aqui descritas

Leia mais

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98)

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) 1 de 7 05/02/2013 11:03 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Aprovação: Portaria Nº XXX, de XX de XXXX de 201X, publicada no Diário Oficial da União de XX de XXXXX de 201X, Seção XX, página XX Assunto: Extintores de incêndio

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Vidas alheias, riquezas a salvar

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Vidas alheias, riquezas a salvar CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Vidas alheias, riquezas a salvar COMBATE A INCÊNDIOS E EXTINTORES Apresentação: 1º Sgt Evandro de Mello do Amaral FATORES DE ÊXITO NA PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS Estar em dia com

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO SENHORES MANCEBOS, A PROVA REGIMENTAL REFERENTE AO SEGUNDO BIMESTRE DE 2014 TERÁ COMO CONTEÚDO OS TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS E O SEGUINTE COMPLEMENTO TEÓRICO: Definições: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

Prevenção e Combate a Incêndios

Prevenção e Combate a Incêndios Prevenção e Combate a Incêndios Fogo É uma forma de combustão Combustão É uma forma de oxidação Incêndio É um acidente provocado pelo fogo Analogias Geométricas do Fogo Triângulo do Fogo Tetraedro do Fogo

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. GENERALIDADES O sistema de proteção proposto busca satisfazer as condições mínimas de segurança preconizadas pela

Leia mais

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO ANEXO A Ao Ilmo Sr. Comandante do Corpo de Bombeiros Militar Cidade: SERTÃO - RS Data: 10/03/2014 Encaminhamos a V. S.ª, para ANÁLISE, o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI). Nome: INSTITUTO

Leia mais

Incêndio: Objetivos de Projeto

Incêndio: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Incêndio: Objetivos de Projeto Criar dispositivos capazes de detectar, informar onde iniciou e debelar com presteza um incêndio, evitando danos materiais e perdas de vidas. NORMAS QUE DEVEM

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio Pág. 1 Memorial de Projeto Prevenção e Combate à Incêndio Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089/11 Pág. 2 Índice

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Extintores de incêndio

Extintores de incêndio Extintores de incêndio Extintores de incêndio INTRODUÇÃO Um incêndio, em seu estágio inicial (pequenas proporções), pode ser facilmente extinto se um adequado agente extintor for empregado. A utilização

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE ENSINO CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PRAÇAS

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE ENSINO CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PRAÇAS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE ENSINO CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PRAÇAS Felipe André Goedert O USO DE EXTINTORES NO COMBATE A PRINCÍPIOS

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono Escolha do agente extintor Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono É de notar que não se refere as substâncias halogenados por se encontrarem proibidos

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1.

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele que possua ponto

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Norma Regulamentadora 20 - NR 20

Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Líquidos combustíveis e inflamáveis 20.1. Líquidos combustíveis. 20.1.1. Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO Belém 2014 / Versão

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2015 Instrução Técnica nº 23/2011 - Sistemas de chuveiros automáticos 513 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 041/DAT/CBMSC)

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Regulamentação: ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Em Cascavel a vistoria do Corpo de Bombeiros foi regulamentada, pelo convênio entre a Prefeitura Municipal de Cascavel e o Corpo de Bombeiros, através da Lei

Leia mais

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 023 Sistema de chuveiros automáticos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

NORMA TÉCNICA N 42 / 2015. Processo Técnico Simplificado PTS (PSCIP TIPO 2)

NORMA TÉCNICA N 42 / 2015. Processo Técnico Simplificado PTS (PSCIP TIPO 2) Norma Técnica nº 42/2015 - Processo Técnico Simplificado 1 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 42 / 2015 Processo

Leia mais

Treinamento Extintor de Incêndio - 2013. Ademir Ribeiro Dconf/Divec

Treinamento Extintor de Incêndio - 2013. Ademir Ribeiro Dconf/Divec Ademir Ribeiro Dconf/Divec Muitas pessoas podem imaginar que o extintor é um equipamento supérfluo e ultrapassado. Porém estatísticas mostram que cerca de 95% dos incêndios se desenvolveram a partir de

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC)

Leia mais

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 33/2004 Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo

Leia mais

Princípios de combate ao fogo

Princípios de combate ao fogo Princípios de combate ao fogo Mauricio Vidal de Carvalho Entende-se por fogo o efeito da reação química de um material combustível com desprendimento de luz e calor em forma de chama. Grande parte das

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB

NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB 1 NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB Sinalização de Segurança e Emergência Contra Incêndio e Pânico Publicada no Diário Oficial nº xx.xxx de xx de fevereiro de 2013. SUMÁRIO 1-Objetivo 2-Aplicação 3-Referências

Leia mais

REVEJA OS EQUIPAMENTOS OBRIGATÓRIOS NO TRANSPORTE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

REVEJA OS EQUIPAMENTOS OBRIGATÓRIOS NO TRANSPORTE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS REVEJA OS EQUIPAMENTOS OBRIGATÓRIOS NO TRANSPORTE DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Siga à risca o checklist, preparado pela ANDAV, dos equipamentos obrigatórios no transporte dos insumos fitossanitários e evite

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. OBRA: Regularização e Ampliação de um Complexo Esportivo. 1.2. ENDEREÇO: Conjunto Manuel Julião, Rio

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Central e Armazenamento de GLP Introdução Central de GLP Conceitos e Aplicações

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE EXTINTORES DE INCÊNDIO Portarias Inmetro 206/2011, 05/2011, 486/2010 e 500/2011 Códigos 3295 / 3310 / 3311

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE EXTINTORES DE INCÊNDIO Portarias Inmetro 206/2011, 05/2011, 486/2010 e 500/2011 Códigos 3295 / 3310 / 3311 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA.

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA. RELATÓRIO ACOMPANHAMENTO MENSAL SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA. Objetivo. Este relatório tem por objetivo avaliar e mitigar os riscos equivalentes desta edificação. Foram realizadas diversas vistorias

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO. Material elaborado pelo Professor Edison T Rego

PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO. Material elaborado pelo Professor Edison T Rego PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO Material elaborado pelo Professor Edison T Rego SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES Extintores Sistema de proteção mais simples e mais usado Tem como objetivo: Armazenar os agentes

Leia mais

NR-23 Proteção Contra Incêndio

NR-23 Proteção Contra Incêndio NR-23 Proteção Contra Incêndio Fatores de Êxito na Prevenção de Incêndio PREPARAO PRÉVIO ESTAR EM DIA COM OS DOCUMENTOS DO BOMBEIRO; MANUTENÇÃO EM DIA; EQUIPAMENTOS ADEQUADOS AO RISCO; SINALIZAÇÃO; FAMILIARIZAÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 32, de 05/03/07 Produtos Perigosos em

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2015 Instrução Técnica nº 26/2011 - Sistema fixo de gases para combate a incêndio 645 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 031 Segurança Contra Incêndio para Heliponto e Heliporto CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais