JIANGSU GEOLOGY & ENGINEERING (ANGOLA) CO., LDA. CASA 195, RUA 6, PROJECTO NOVO VIDA, LUANDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JIANGSU GEOLOGY & ENGINEERING (ANGOLA) CO., LDA. CASA 195, RUA 6, PROJECTO NOVO VIDA, LUANDA"

Transcrição

1 JIANGSU GEOLOGY & ENGINEERING (ANGOLA) CO., LDA. CASA 195, RUA 6, PROJECTO NOVO VIDA, LUANDA REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO JULHO 2014

2

3 ÍNDICE Texto REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO 1 Introdução Localização Implantação Organização Plano de Acesso e Sinalização Quadro para Afixação de Informação Vedação do Estaleiro Gestão do Estaleiro de Obra Instalação do Estaleiro Equipamento e Armazenagem do Estaleiro Combustíveis, Óleo, Substâncias Perigosas Saneamento Básico Águas residuais e gestão de água contaminada Águas Pluviais Prevenção e Controlo de Incêndios Procedimentos de Emergência Saúde e segurança...11 REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET 2014 i

4 Anexo 1 Peças Desenhadas D 01 Planta de Implantação D 02 Planta de Definição Estrutural Edifício de Alojamento da Fiscalização D 03 Planta de Definição Estrutural Edifício de Apoio e Balneários D 04 Planta de Definição Estrutural Zona de escritórios e Dormitórios D 05 Planta de Rede de Distribuição de Águas D 06 Planta de Rede de Drenagem de Águas Residuais D 07 Planta de Rede de Distribuição de Energia Eléctrica D 08 Planta de Sinalização Anexo 2 Licença de Ocupação do Terreno de Instalação do Estaleiro REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET 2014 ii

5 1 Introdução O presente Plano de Estaleiro respeita ao estaleiro de obras a utilizar na empreitada de Reabilitação Hidráulica e Electromecânica do Campo de Captações Existente no Lubango (N. S. Do Monte). Sempre que se faça referência ao Empreiteiro (significando a Entidade Executante), à Fiscalização ou ao Coordenação de Segurança em Obra, pretende-se significar os respectivos representantes para a presente empreitada. Por outro lado, sempre que se faça referência a Subcontratados pretende-se significar todos os subempreiteiros, subcontratados de cedência de mão-de-obra ou de equipamento, trabalhadores independentes, prestadores de serviços e, nos casos aplicáveis, as respectivas sucessivas cadeias de subcontratação. 2 Localização O estaleiro de obras a utilizar na empreitada de Reabilitação Hidráulica e Electromecânica do Campo de Captações Existente no Lubango (N. S. Do Monte) localiza-se na estrada que liga a Cidade do Lubango ao Namibe, inserido no pequeno povoado de Palanca, situado a cerca de 4,5 km, por estrada, da Cidade do Lubango. O estaleiro encontra-se ainda a cerca de metros da entrada para o campo de captações alvo de intervenção, localizado na mesma estrada que o estaleiro e que liga Lubango ao Namibe. O seu tamanho é sensivelmente de m m, incluindo a vedação. A sua localização relativamente à cidade do Lubango e ao referido campo de captações apresenta-se nas imagens seguintes. REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

6 3 Implantação No Anexo 1 apresenta-se a planta de implantação do estaleiro de obras a utilizar na empreitada de Reabilitação Hidráulica e Electromecânica do Campo de Captações Existente no Lubango (N. S. Do Monte). 3.1 Organização O estaleiro ocupará aproximadamente uma área quadrada de m 2, e será composto por cinco áreas principais, nomeadamente o alojamento de consultores, uma área de armazenamento de contentores, uma área de alojamento de trabalhadores, uma área de escritórios de trabalho e o depósito dos equipamentos e materiais. Prevê-se que no estaleiro venham a habitar, no máximo, 40 trabalhadores. Prevê-se ainda que ao estaleiro tenham também acesso os trabalhadores locais contratados para a realização da empreitada, num máximo de 60 trabalhadores. A área de alojamento de consultores inclui: dois dormitórios; uma sala de jantar; uma sala de convívio; uma cozinha; uma casa de banho; um gerador autónomo. REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

7 A área de alojamento de trabalhadores inclui: dez camaratas; três quartos individuais com instalações sanitárias dedicadas; uma cozinha; uma cantina; balneários e instalações sanitárias colectivas; sala de convívio. Será ainda na zona afecta à área de alojamento de trabalhadores que se encontra o reservatório de água do estaleiro. A área de escritórios de trabalho inclui: cinco escritórios (um para a gestão da obra, dois para utilização por consultores e dois para utilização pela fiscalização); duas salas de armazém; uma sala de reuniões. A área de depósito de equipamento e material será composta por: uma portaria; uma zona de armazenamento de areias; uma zona de armazenamento de pedra; uma zona de armazenamento de pré-fabricados; um contentor para armazenamento de cimento; uma zona para montagem e armazenamento de armaduras de aço; uma zona para montagem e armazenamento de cofragens; um gerador; instalações sanitárias para trabalhadores locais; zona de armazenamento de resíduos, devidamente vedada; uma zona para parqueamento de maquinas; uma zona para parqueamento de viaturas. Na zona de armazenamento de contentores, além destes, será também instalada a fossa séptica do estaleiro. Finalmente, importa também referir que todo o estaleiro será vedado prevendo-se apenas uma entrada no mesmo. Esta entrada será ainda dotada de uma portaria permanentemente ocupada com um guarda, garantindo assim o controlo de entrada no estaleiro apenas a pessoal autorizado. 3.2 Plano de Acesso e Sinalização O portão do estaleiro encontra-se em frente da rodovia que liga a Cidade do Lubango ao Namibe, assim, a estrada de entrada do estaleiro poderá ser ligada directamente a esta rodovia. REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

8 Quanto ao Plano de sinalização, prevê-se que será colocada junto ao portão de entrada no estaleiro uma placa de referência à "Jiangsu Geology & Engineering (Angola) Co., Ldª". Será também colocado um sinal de aviso "Entrada e Saída de Máquinas" na rodovia original, à distância de 30m do portão. Finalmente, será igualmente colocada sinalização na bifurcação da estrada principal com a entrada do estaleiro. 3.3 Quadro para Afixação de Informação Serão instaladas 2 quadros para afixação de informações. As informações que constarão nos quadros são as patenteadas no Plano de Gestão Ambiental (PGA) e Plano de Segurança e Saúde (PSS), nomeadamente, entre outros, o Plano de Emergência disponibilizado no anexo com a mesma designação do PSS, folhetos de prevenção como os disponibilizados no anexo Processos Construtivos e Métodos de Trabalho também do PSS, e números de telefone úteis conforme indicado no PGA. 3.4 Vedação do Estaleiro O estaleiro será vedado em todo o seu perímetro com recurso à instalação de uma rede metálica com cerca de 2 metros de altura, fundada pontualmente em sapatas de betão armado. A rede metálica será plastificada a polyester de cor verde para protecção contra a corrosão. Prevê-se apenas uma entrada no estaleiro, a partir da rodovia que liga a Cidade do Lubango ao Namibe, sendo esta entrada dotada de um portão e uma Portaria. A portaria será permanentemente ocupada por um guarda o qual terá a seu cargo o controlo de entrada no estaleiro apenas a pessoal autorizado. Procurar-se-á o estabelecimento e manutenção de um bom relacionamento com as autoridades e comunidades locais de forma a prevenir o risco de vandalismo e roubos. 4 Gestão do Estaleiro de Obra 4.1 Instalação do Estaleiro O estaleiro apresentará diversas valências das quais se destacam as descritas nos parágrafos seguintes. Para evitar a erosão do solo, promover a protecção de áreas de armazenamento e para evitar formação de poços de água estagnadas, será realizada apenas uma modelação cuidada do terreno ocupado pelo estaleiro. Será promovido o nivelamento do terreno apenas com movimentações das terras no seu interior, tendo em atenção as cotas e inclinações do terreno e dos caminhos no seu interior. O abastecimento de água para consumo será realizado a partir de um reservatório elevado com uma capacidade de cerca de 10 m 3. Atendendo aos números máximos de trabalhadores residentes e não residentes adiantados no capítulo anterior, e considerando capitações de cerca de 50 litros por trabalhador residente por dia e 30 litros por trabalhador não residente REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

9 por dia, o reservatório previsto terá capacidade para cerca de três dias. Prevê-se que este reservatório seja abastecido através da rede pública. Sempre que a rede pública não permita o abastecimento do reservatório, devido a avarias, interrupções de fornecimento ou outros motivos, o mesmo será cheio com auxílio a camiões cisterna. A partir do reservatório elevado será construída uma rede de distribuição de água que servirá as diversas instalações sanitárias e a cozinha do estaleiro. No Anexo 1, no Desenho 05, é apresentada a disposição e composição da Rede de Distribuição de Água do estaleiro. O estaleiro disporá, na soma das suas instalações sanitárias, de 15 bacias de retrete e 13 chuveiros. Considerando o numero de trabalhadores indicado no capítulo anterior, considerase que as instalações sanitárias são adequadas para o número de funcionários previstos para o local, com médias iguais ou superiores a uma retrete e/ ou chuveiro para cada 10 trabalhadores. Não será permitido ao pessoal local usar poças de água abertas para tomar banho ou lavar roupa. Também se encontra vedada a lavagem de veículos no interior do estaleiro. Será assegurada permanentemente a regularização do terreno de forma a não permitir a criação de poças de água estagnada, que são meios de proliferação de vectores de contágio de doenças como por exemplo malária. Para a recolha de resíduos sólidos serão montados contentores de 200 litros para restos orgânicos, papeis, plásticos e vidros. A electricidade necessária, tal como indicado no capítulo anterior, será obtida a partir de dois geradores distintos, um de 20kVa que servirá o alojamento de consultores e outro de 150kVa que servirá o resto do estaleiro. O primeiro gerador será instalado junto à habitação de alojamento de consultores, no canto Noroeste do estaleiro, e o segundo gerador será instalado no canto oposto, na zona Sudeste do estaleiro. No Anexo 1, no Desenho 07, é apresentada a disposição e composição da Rede de Distribuição de Energia Eléctrica do estaleiro. No que respeita a Sistema de telecomunicações, adoptou-se a utilização de telemóveis, sendo que todas as equipas de trabalho serão dotadas destes equipamentos. 4.2 Equipamento e Armazenagem do Estaleiro De acordo com os definidos no Anexo 1, serão destinadas partes distintas do estaleiro ao armazenamento de materiais e equipamentos, nomeadamente, materiais de construção civil depositados ao ar livre (como areia, pedra, aço) e outros materiais e equipamentos que serão guardados em contentores fechados. Em cada contentor, os objectos armazenados no mesmo, devem sempre estar devidamente acondicionados. Cada contentor deve ser equipado com caixa de ferramentas, na qual deve também constar equipamento que permita remover as substâncias nocivas excedentes (balde de serradura, pá e recipiente de materiais). A manutenção de viaturas e maquinaria será efectuada preferencialmente com recurso a empresas de comércio local, no entanto, no caso de ser necessário efectuar manutenção de REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

10 alguma máquina no estaleiro, encontra-se prevista uma área apropriada para o efeito designada por Área de Manutenção, sendo os resíduos resultantes destas operações, como por exemplo a lavagem de betoneiras, depositados no Parque de Resíduos anexo e as águas de lavagem encaminhadas para a rede de drenagem de águas residuais do estaleiro, conforme representado no Desenho 08 As máquinas e demais equipamentos disporão de extintores de combate a incêndio apropriados e dentro o prazo de validade. Será dada formação em prevenção da poluição e de acidentes / emergência aos trabalhadores e será preparada uma formação para apresentação dos respectivos métodos e procedimentos. Esta será apresentada previamente à Fiscalização para aprovação. Estas actividades serão realizadas por pessoal qualificado e com formação para combate a incêndios e derrames. O armazenamento de produtos perigosos deve observar: a sua correcta identificação; o seu correcto acondicionamento; possuir sistemas de retenção de derrames (líquidos); ser separados de acordo com a sua tipologia. Eventuais derrames nos equipamentos serão reparados imediatamente e removidos do local. Será assegurado que todo o pessoal do estaleiro está consciente de como proceder no dia-adia, nomeadamente como identificar e separar os resíduos, como os armazenar, o que fazer em caso de derrame, o que fazer em caso de incêndio. Isto incluirá, mas não se limita a: palestras regulares de prevenção de incêndio. envio de lembretes regular ao pessoal. 4.3 Combustíveis, Óleo, Substâncias Perigosas Todos os materiais potencialmente perigosos e resíduos serão tratados por pessoal treinado e armazenadas no local, de acordo com as instruções do fabricante e requisitos legais. Salvo disposição em contrário, não será armazenado combustível no estaleiro, mas será obtido em vendas gasolineiras locais e transportado para as frentes de obra se, como e quando necessário. A excepção será o combustível necessário para o funcionamento dos geradores que ficará armazenado no reservatório acoplado aos mesmos. Nestes casos, será criada uma bacia de retenção que prevenirá, em caso de derrame ou fuga do combustível, a contaminação dos solos locais. No Anexo 1, Desenho 08, encontra-se a pormenorização deste sistema. Os geradores e respectivos reservatórios de combustível deverão encontrar-se a uma distância mínima de 3,5 metros de outros materiais combustíveis ou inflamáveis, com uma capacidade limitada a litros. Nenhum destes reservatórios será utilizado para armazenamento de líquidos com ponto de inflamação superior a 40 C. Tal como enunciado no Plano de Gestão Ambiental, o ( ) enchimento dos reservatórios associados aos geradores será feito por pessoal que tenha recebido formação específica para o efeito. Os geradores deverão estar desligados, bem como qualquer máquina ou possível fonte REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

11 de ignição nas proximidades. Qualquer pequeno derrame que ocorra no decurso da operação deverá ser prontamente recolhido (recorrendo a areia ou serradura), incluindo o solo que possa ter ficado contaminado. O material recolhido deverá ser acondicionado em sacos de plástico estanques e depositados juntamente com os resíduos produzidos no estaleiro. Para conter eventuais extravasamentos acidentais no enchimento ou derrames dos reservatórios de combustível dos geradores, prevê-se ainda a sua instalação no interior de uma bacia de retenção com uma capacidade mínima equivalente a 1,5 vezes o volume dos referidos reservatórios, tal como apresentado no Desenho 08. A bacia de retenção tem as dimensões mínimas de 10 m x 7 m x 0,5 m, o que perfaz 35 m 3. Em caso de derrame o combustível retido será extraído por bombagem para um reservatório estanque. Os efluentes decorrentes da posterior lavagem da bacia de retenção serão enviados para um separador de carbonetos conforme apresentado no mesmo desenho. Face à configuração deste sistema de protecção, considerou-se que para efeitos de dimensionamento do separador de hidrocarbonetos o caudal de cálculo equivaleria não à lavagem da bacia de retenção (uma vez que o caudal de escoamento desta será sempre controlado por uma válvula conforme representado no Desenho 8, mas à ocorrência de uma chuvada de cinco minutos com um período de retorno de 5 anos incidente sobre a bacia de retenção, o que, para uma área de cerca de 170 m2 de bacia de retenção equivaleria a cerca de 8,5 l/s. Nestas condições, considerando uma superfície específica de separação para combustíveis de 0,16 litros por unidade de caudal de cálculo e um tempo de retenção mínimo de 120 segundos, os separadores de hidrocarbonetos a instalar terão uma superfície específica de separação mínima de 1,5m 2 com um volume mínimo da câmara de separação de 1 m 3. Serão colocadas sinalização e simbologia adequadas (não fumar, não foguear e perigo) em redor da área de instalação dos geradores. Haverá também disponível equipamento adequado de combate a incêndios. Para tratamento de derrames acidentais estará sempre disponível material absorvente (Ex. serradura), equipamento de recolha (pá) e contentor para acondicionar o material contaminado. Os materiais e equipamentos devem ser os adequados e suficientes para lidar com derrames até 100L. Os equipamentos e materiais para este efeito serão aprovados pela fiscalização. Em caso de necessidade de armazenamento temporário de combustível no estaleiro, todas as aprovações necessárias serão obtidas junto das autoridades competentes, sendo a localização da área de armazenamento de combustível necessariamente aprovada pela fiscalização e coordenador de segurança em obra. Não haverá armazenamento de combustível para veículos no estaleiro, sendo este obtido, sempre que necessário, junto das gasolineiras locais. Para o armazenamento e manuseamento de substâncias perigosas serão definidos e comunicados os procedimentos adequados, quer em situações de normal funcionamento, quer em situações de acidente. Estes procedimentos terão com objectivo preservar a segurança e o ambiente. REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

12 Para cada substância perigosa, e à medida que forem estando disponíveis com o aprovisionamento das mesmas, serão elaboradas as respectivas fichas de segurança e os procedimentos a ser seguidos em caso de situação de emergência / acidente. Esta informação será arquivada no Plano de Segurança e Saúde e veiculada a todos os colaboradores nas acções de formação que fazem parte do próprio PSS e do PGA. Será definido um programa de controlo e gestão de resíduos no local. No mínimo, se incluirá o seguinte: o fornecimento de contentores suficientes (preferencialmente contra vermes e resistente às intempéries) nos locais do estaleiro e de trabalhos para armazenar os resíduos sólidos produzidos numa base diária; a recolha de lixos e resíduos gerados pelas equipas numa base diária; a identificação de depósitos temporários apropriados e/ou aprovado para resíduos gerados durante o contrato de construção; a eliminação final dos resíduos em aterro sanitário aprovado, ou em um local aprovado pela Administração Local; o plano de controlo para o estaleiro e em todas as frentes de obra constante no Plano de Gestão ambiental; um placard de informação a instalar em cada ponto de drenagem, lavagem, saídas de águas pluviais, estacionamento e refeitórios; sempre que possível, materiais utilizados ou gerados pela construção serão reciclados; a gestão responsável de resíduos perigosos gerados durante a construção de obras; o estaleiro possuiu zonas delimitadas e devidamente tratadas para o armazenamento dos vários tipos de resíduos e que estão definidas nos desenhos no Anexo 1. Será Aplicada a legislação em vigor, nomeadamente a Publicação do Decreto Presidencial n.º 190/12, de 24 de Agosto, que aprovou o Regulamento sobre a Gestão de Resíduos ( Regulamento ), em cumprimento do disposto no n.º 1 do artigo 11.º, da Lei n.º 5/98, de 19 de Junho (Lei de Bases do Ambiente de Angola). 4.4 Saneamento Básico As instalações sanitárias estão dimensionadas em função dos números de trabalhadores e colaboradores apresentados no Capítulo 3. Todas as instalações sanitárias devem ser mantidas em boas condições de higiene. 4.5 Águas residuais e gestão de água contaminada Não será autorizado qualquer escoamento das águas residuais ou descargas descontroladas das áreas de trabalho para cursos de água adjacentes e/ou corpos de água. Será assegurada formação adequada neste sentido no âmbito do PGA e PSS. As águas residuais domésticas serão recolhidas em duas fossas sépticas compartimentadas, de construção estanque, de 20 m 3 de capacidade. Cada fossa será construída em betão armado e será constituída por dois compartimentos, com duas aberturas/ entradas de homem com tampa e ventilação. Os efluentes resultantes, após a depuração, sairão das fossas sépticas e REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

13 serão conduzidos para infiltração no terreno através de poços de infiltração, cujas dimensões reais serão ajustadas durante a sua construção, mediante os dados relativos à permeabilidade do terreno obtidos durante a escavação. Na tabela seguinte, extraída da publicação Manual dos Sistemas Prediais de Distribuição de Distribuição e Drenagem de Águas do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa Portugal, apresentam-se dimensões características para fossas sépticas de dois compartimentos, com base no qual foram definidas as dimensões das fossas sépticas a instalar. Número de Utentes Volume da fossa Comprimento (m) Largura Altura do líquido (m3) Compartimento 1 Compartimento 2 (m) (m) 5 > > > > > > A manutenção das fossas não deverá exceder um período de 6 meses, procedendo-se à extracção das lamas sempre que tal se justifique: as lamas acumuladas não devem distar menos de 0,3 metros do septo junto da saída e a parte inferior das escumas deve ficar pelo menos 0,075 metros acima da parte inferior do septo. As operações de manutenção só deverão ser iniciadas após a fossa ter permanecido cerca de 1 hora aberta, de modo a que se dê escape dos gases concentrados no seu interior, os quais, devido à sua toxicidade, poderão pôr em risco a integridade física dos operadores. A fiscalização será imediatamente notificada em caso de incidente com poluição no local. 4.6 Águas Pluviais O estaleiro localiza-se junto a uma pequena elevação da estrada Lubango - Namibe e áreas adjacentes, numa zona de cabeceira, a cerca de 650 metros (em linha recta) da linha de água mais próxima (sensivelmente a SE do estaleiro) representada nas cartas 1: da zona. A pluviosidade que normalmente cai sobre esta zona dirige-se por pequenos corgos, de carácter perene e que se relocalizam a cada intempérie, até às linhas de água de maior importância e curso definido nas proximidades. Actualmente, a pluviosidade que incide sobre o terreno do estaleiro e que não se infiltra naturalmente no mesmo, escorre em direcção à estrada nacional Lubango Namibe, onde é recolhida pelo sistema de drenagem lateral desta, o qual, no local do estaleiro, não é mais do que pequenos sulcos que se formam, quando chove, paralelamente à estrada. Importa ainda referir que as edificações que se encontram previstas no Plano de Estaleiro não ultrapassam 15% da área do terreno, considerando-se assim que o impacto da impermeabilização destas REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

14 áreas não afectará significativamente o sistema de drenagem natural que actualmente impera no terreno. 4.7 Prevenção e Controlo de Incêndios Serão tomadas todas as medidas de precaução razoáveis para garantir que os incêndios não são iniciados em consequência das actividades no estaleiro. Será fornecido em todos os dormitórios, escritórios do local, áreas de cozinha, áreas de oficina, armazéns de materiais e todas as outras áreas identificadas, equipamento de combate a incêndio testado e aprovado. Será assegurado que todos os trabalhadores estarão conscientes dos riscos de incêndio e como lidar com quaisquer incêndios que ocorram. Estas especificações deverão incluir: palestras regulares sobre prevenção de incêndio; envio de lembretes regular ao pessoal. Será prevista uma rede de Incêndio (Extintores) / acções de formação sobre prevenção de incêndios. As técnicas de combate a incêndio serão específicas em relação ao tipo de ocupação envolvente do estaleiro. Os incêndios que ocorrerem serão comunicados imediatamente à fiscalização e às autoridades competentes, de acordo com o descrito no PSS. Os danos provocados pelos incêndios, quando da responsabilidade do empreiteiro, serão assumidos por este e deverão ser apuradas a responsabilidades individuais pelas ocorrências. 4.8 Procedimentos de Emergência Serão identificadas todas as situações, actividades e comportamentos que possam gerar situações de acidente ou risco (Exemplo; fumar na zona de depósito de combustível, manusear produtos tóxicos sem equipamento de protecção, executar duas tarefas em simultâneo, misturar dois produtos reactivos, etc.). Estas situações incluem, mas não estão limitadas a: incêndios acidentais. derramamentos acidentais. veículo e acidentes. Especificamente para derramamentos ou vazamentos acidentais, a Jiangsu: Assegura que seus funcionários estejam cientes do procedimento para lidar com derramamentos ou vazamentos acidentais (Plano de Formação); Assegura que os materiais necessários e equipamentos para lidar com derramamentos ou vazamentos acidentais estão disponíveis no sítio em todos os momentos. No caso de acidentes específicos devido a derramamentos: REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

15 a origem do derrame deve ser isolado e os derrames contidos usando barreiras de areias, sacos de areia, serradura, com material absorvente e/ou outros materiais aprovados pela fiscalização e/ ou Coordenador de Segurança em Obra; a área será isolada e protegida; haverá sempre materiais absorvente prontamente disponíveis para absorver/repartição do derramamento; a quantidade de tais materiais será capaz de lidar com um derramamento de líquidos de, no mínimo, 200 l as autoridades competentes serão notificadas dos derramamentos significativos que ocorrerem. Para derrames dos depósitos de combustível, os mesmos serão contidos na bacia de retenção e encaminhados a partir de uma caleira periférica para separador de hidrocarbonetos. Este separador de hidrocarbonetos será constantemente vigiado e monitorizado. Estarão sempre disponíveis os números de contacto de telefone de emergência relevantes para os funcionários e pessoal chave sobre os procedimentos necessários. Estes contactos serão listados em Português no PSS e nas vitrinas; O tratamento e remediação de áreas afectadas por situações de acidente serão implementado e suportados pela Jiangsu. 4.9 Saúde e segurança Serão cumpridas todas as normas legalmente exigidas em saúde e segurança, promulgadas pela Lei Angolana. Serão fornecidos kits de primeiros socorros em locais dispersos do estaleiro, nomeadamente no alojamento de consultores, na sala de convívio, no refeitório, e nas instalações sanitárias para trabalhadores locais, tal como apresentado no Desenho 08 do Anexo 1. Será assegurado com cartazes e informações para que os funcionários estejam cientes dos riscos de contratação ou a propagação de doenças sexualmente transmissíveis, especialmente HIV/AIDS, e como prevenir ou minimizar esses riscos. Todas as obras que podem representar um perigo para os seres humanos e animais domésticos serão protegidas, e vedadas, demarcadas ou isoladas, conforme as instruções da fiscalização e Coordenador de Segurança em Obra. Serão instalados sinais de aviso adequados e serão definidos os limites de velocidade adequados para os veículos que circulam nas estradas de acesso ao estaleiro e frentes de obra. Os operadores e os motoristas devem garantir o manuseamento dos equipamentos em segurança, garantindo assim a segurança de pessoas, animais e bens. Telefones de serviços de emergência serão afixados visivelmente no escritório afecto ao empreiteiro. Relativamente a doenças, stress térmico e feridas, será dada especial atenção ao seguinte: REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

16 Malária que é prevalente na área. Deve garantir-se um seguimento regular dos sintomas da malária na equipa de construção para permitir o tratamento atempado. Trincheiras e outras depressões que acumulam água parada serão aterradas logo que possível para evitar a criação de áreas propícias ao desenvolvimento de malária, cólera e disenteria. Sendo possível durante os períodos de inundação, surtos dessas doenças, estes devem ser prevenidos através do fornecimento de água potável não contaminada, saneamento e comida nas instalações para o pessoal. A água potável deve ser disponibilizada no estaleiro para evitar a desidratação e sobre aquecimento. Feridas abertas devem ser tratadas com anti-séptico/antibióticos para prevenir o desenvolvimento de úlceras tropicais. REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO SET

17 Anexo 1 PEÇAS DESENHADAS

18

19 ÍNDICE Anexo 1 Peças Desenhadas D 01 Planta de Implantação D 02 Planta de Definição Estrutural Edifício de Alojamento da Fiscalização D 03 Planta de Definição Estrutural Edifício de Apoio e Balneários D 04 Planta de Definição Estrutural Zona de escritórios e Dormitórios D 05 Planta de Rede de Distribuição de Águas D 06 Planta de Rede de Drenagem de Águas Residuais D 07 Planta de Rede de Distribuição de Energia Eléctrica D 08 Planta de Sinalização REABILITAÇÃO HIDRÁULICA E ELECTROMECÂNICA DO CAMPO DE CAPTAÇÕES EXISTENTE NO LUBANGO (N. S. DO MONTE) PLANO DE ESTALEIRO ANEXO 1 SET

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

Estaleiros de Equipamentos e Obras

Estaleiros de Equipamentos e Obras isep Engenharia Civil Estaleiros de Equipamentos e Obras [EEQO] Organização do Estaleiro de uma Obra de Construção Civil Eduardo Azevedo, nº 980019 Estaleiros de Equipamentos e Obras Organização do Estaleiro

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos IMPLEMENTAÇÂO DO DECRETO LEI 173/2005 Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos Algumas orientações para a construção e beneficiação das instalações bem como para o armazenamento de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

GUIA DE PROJECTO E OBRA

GUIA DE PROJECTO E OBRA GUIA DE PROJECTO E OBRA Processos Prediais Direcção de Engenharia 2010 ÍNDICE 1. Âmbito de Aplicação e Objectivos... 3 2. Competências e Responsabilidades... 3 2.1 Projectista... 3 2.2 ÁGUAS DO SADO...

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E SHST. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança

GESTÃO AMBIENTAL E SHST. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança Regras de Qualidade, mbiente 1 / 7 provação: I. OBJECTIVO E ÂMBITO Este documento estabelece as regras da Qualidade, mbiente aplicáveis a entidades externas, que venham a desenvolver actividades dentro

Leia mais

MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO GERAIS DA FASE DE CONSTRUÇÃO

MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO GERAIS DA FASE DE CONSTRUÇÃO MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO GERAIS DA FASE DE CONSTRUÇÃO Fase de preparação prévia à execução das obras 1 Divulgar o programa de execução das obras às populações interessadas, designadamente à população residente

Leia mais

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E1819 V13 MINISTÉRIO DE ENERGIA E ÁGUAS DIRECÇÃO NACIONAL DE ÁGUAS PROJECTO E REABILITAÇÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE UÍGE, MALANJE E N DALATANDO - MALANJE- PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL JIANGSU

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E1819 V14 MINISTÉRIO DE ENERGIA E ÁGUAS DIRECÇÃO NACIONAL DE ÁGUAS PROJECTO E REABILITAÇÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE UÍGE, MALANJE E N DALATANDO - N Dalatando- PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL JIANGSU

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Armazém Planear a construção

Armazém Planear a construção Planear a construção Surgem muitas vezes problemas associados às infra-estruturas dos armazéns, como por exemplo, a falta de espaço para as existências, para a movimentação nos corredores e áreas externas,

Leia mais

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados SIGOU Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados 1 O que é a ECOLUB? A ECOLUB, referência na requalificação de resíduos industriais perigosos, é uma marca registada da SOGILUB, Sociedade de Gestão Integrada

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 258 PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Dono da Obra: CÂMARA MUNICIPAL DE COIMBRA Empreitada: Repavimentação da Rua da Alegria incluindo remodelação de infra-estruturas Localização:

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Portaria n.º 451/2001. de 5 de Maio

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Portaria n.º 451/2001. de 5 de Maio MINISTÉRIO DA ECONOMIA Portaria n.º 451/2001 de 5 de Maio Considerando que pelo Decreto-Lei n.º 124/97, de 23 de Maio, foram fixadas as disposições respeitantes à aprovação dos Regulamentos de Segurança

Leia mais

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras Artº 1º Do licenciamento 1. A ocupação ou utilização de vias ou locais públicos com quaisquer materiais, objectos, equipamentos

Leia mais

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO EN 109 Km 160,3 2425-737 Ortigosa Leiria ; Telf, 244616073 / Fax: 244616074 E-mail: geo@tubofuro,pt www.tubofuro.pt Apresentação Os Separadores de Gorduras são construídos

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

Medidas de Protecção Contra Explosão

Medidas de Protecção Contra Explosão Medidas de Protecção Contra Explosão a) Líquidos Inflamáveis/Combustíveis Gasóleo Grupos geradores depósito de gasóleo Depósito Enterrado Armazenamento do gasóleo Manutenção Abastecimento do depósito Armazenamento

Leia mais

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Workshop Peso da Régua, 26 de Novembro 2013 Teotónio Manuel Castro teotoniocastro@drapn.mamaot.pt 1 Sumário: Controlo das obrigações nas explorações vitícolas;

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 195/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas as condições de segurança a que devem obedecer a construção,

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

Questionário Preliminar de Risco

Questionário Preliminar de Risco Questionário Preliminar de Risco MULTIRISCOS PME Identificação interna Sucursal Comercial Técnico Agente / Corretor Data da visita Referência Proponente Nome Morada Ocupação do risco Código Postal DESCRIÇÃO

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/12 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/12 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

4 DESCRIÇÃO DA ACTIVIDADE

4 DESCRIÇÃO DA ACTIVIDADE 4 DESCRIÇÃO DA ACTIVIDADE O presente capítulo fornece uma descrição detalhada do Projecto, actividades associadas e infra-estrutura de apoio. 4.1 JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO Em Moçambique o manuseio e a eliminação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MI- NISTÉRIOS DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO E DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS.

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MI- NISTÉRIOS DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO E DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS. 7992 Diário da República, 1.ª série N.º 223 17 de Novembro de 2008 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MI- NISTÉRIOS DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO E DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS.

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais;

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais; Para efeitos do Regulamento Técnico Relativo ao Projecto, Construção, Exploração e Manutenção das Instalações de Gás Combustível Canalizado em Edifícios, entende-se por: Acessibilidade de grau 1 - situação

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 APRESENTAÇÃO Os Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL, são equipamentos destinados

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO

ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO 1. Objetivo do Regulamento O presente Regulamento, em reforço das exigências

Leia mais

N. o 60 12 de Março de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2175

N. o 60 12 de Março de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2175 N. o 60 12 de Março de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2175 ANEXO (a que se refere o n. o 3 do artigo 1. o ) Tabela que estabelece os requisitos mínimos das instalações e de funcionamento dos hóteis

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO A REN - Rede Eléctrica Nacional, S.A. é a concessionária

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Normas Parque Municipal Campismo da Golegã

Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Normas Parque Municipal Campismo da Golegã Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Introdução Nos termos do Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março, alterado pelo Decreto-Lei nº. 228/2009, de 14 de Setembro, que

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

Parque Tecnológico de Óbidos

Parque Tecnológico de Óbidos Parque Tecnológico de Óbidos Regulamento de obras (Versão preliminar) Fevereiro de 2009 Óbidos Requalifica, E.E.M. Casa do Largo da Porta da Vila, 1.º Tel: +351 262 955 440 obidos.requalifica@mail.telepac.pt

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Estudo de Impacte Ambiental Volume III Relatório elaborado para: GestinViana Edifício de Apoio à Doca de Recreio 4900 Viana do Castelo IMA 12.05-03/26 FEVEREIRO

Leia mais

Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1

Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1 v1.4-300312 -281011 Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1 APRESENTAÇÃO As Fossa Séptica, tipo ECODEPUR, são recipientes estanques, destinados ao armazenamento de águas residuais

Leia mais

NORMAS ESPECIFICAS ÍNDICE

NORMAS ESPECIFICAS ÍNDICE MARB REGULAMENTO INTERNO DO MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE BRAGA, S.A. NORMAS ESPECÍFICAS ÍNDICE NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL)... 3 NE 02: ACESSO DE VEÍCULOS AO MERCADO (ART.11º

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D )

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D ) SESSÃO TÉCNICA GESTÃO DE RESIDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) Fundamentoda Sessão; - Esta iniciativa partiu no âmbito do processo de RVCC Profissional onde o tema foi abordado por uma empresa parceira

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011 REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL APROVADO EM REUNIÃO DE CÂMARA MUNICIPAL DE 06 DE ABRIL DE 2011 APROVADO EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 21 DE ABRIL DE 2011 PUBLICADO ATRAVÉS DE

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE RAZÃO SOCIAL: HOSPITAL DE CLINICAS DE NITEROI LTDA UNIDADE: HOSPITAL ENDEREÇO: RUA LA SALLE, 12 BAIRRO: CENTRO MUNICÍPIO: NITEROI PROCESSO: E-07/204.019/05 1. CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3

Leia mais

REGULAMENTO NORMAS E CONSELHOS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CONTROLO AUTOMAÇÃO E INFORMÁTICA INDUSTRIAL

REGULAMENTO NORMAS E CONSELHOS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CONTROLO AUTOMAÇÃO E INFORMÁTICA INDUSTRIAL REGULAMENTO NORMAS E CONSELHOS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CONTROLO AUTOMAÇÃO E INFORMÁTICA INDUSTRIAL Elaborado por: Coordenador da Área Laboratorial de Mecanotecnia Luís Jorge Bronze Raposeiro IST,

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Zona Franca Industrial Plano de Emergência Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Plano de Emergência da Zona Franca Industrial Nota de Divulgação

Leia mais

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C Designação do estabelecimento: MegaExpansão LDA. Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C 8300-135 Silves Telefone: 282441111 Localização geográfica Sul Estrada Nacional 124 Norte Este

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 14 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 14 Complementar do Regime Jurídico de SCIE FONTES ABASTECEDORAS DE ÁGUA NOTA TÉCNICA nº 14 Complementar do Regime Jurídico de SCIE FONTES ABASTECEDORAS DE ÁGUA OBJECTIVO Enunciar os tipos de fontes de alimentação de água permitidos pelo RT-SCIE

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte:

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte: A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 1063/97, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1063/97 de 21 de Outubro

Leia mais

SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL (SIR) CONDIÇÕES PADRÃO PARA A ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS (TRATADOS OU PRODUZIDOS) EM ESTABELECIMENTOS INDUSTRIAIS

SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL (SIR) CONDIÇÕES PADRÃO PARA A ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS (TRATADOS OU PRODUZIDOS) EM ESTABELECIMENTOS INDUSTRIAIS SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL (SIR) CONDIÇÕES PADRÃO PARA A ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS (TRATADOS OU PRODUZIDOS) EM ESTABELECIMENTOS INDUSTRIAIS NOTA PRÉVIA. As condições padrão constantes no presente documento

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS (Aprovado na 8ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 13 de Abril de 2005) REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F Apresentação Os es de Gorduras e Féculas, tipo EcoAlcance são recipientes estanques, destinados à recepção de águas residuais gordurosas procedentes do uso doméstico ou industrial, originadas pelo manuseamento

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 A cidade de Cajazeiras, localizada no estado da Paraíba (PB), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros de obras que

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO GESTÃO DE RESÍDUOS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO GESTÃO DE RESÍDUOS Página 1 de 21 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 3 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 4 5.1 ACONDICIONAMENTO DOS RESÍDUOS... 4 5.1.1

Leia mais

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA PST. PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA (Descrição da Obra) Empreitada: descrição da empreitada Dono da Obra: identificação do dono da obra Edição / Revisão / Código: PST. Entidade Executante/Construtor:

Leia mais

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas 3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas Segurança Contra Incêndios em Edifícios Decreto-Lei 220/2008 Portaria 1532/2008 ISEP- Porto - 2010 ISEP - Abril 2010 Cap Eng Luís Bispo 1 Sumário

Leia mais

LISTA DE ESCLARECIMENTOS AOS CONCORRENTES

LISTA DE ESCLARECIMENTOS AOS CONCORRENTES LISTA DE ESCLARECIMENTOS AOS CONCORRENTES CONCORRENTE N.º 6 - Fax datado de 07/01/2009 1) No programa de concurso é solicitado aos concorrentes a apresentação (conforme artigo 16.1 alínea f) do seguinte

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Centrais Elevatórias de Efluentes

Centrais Elevatórias de Efluentes Centrais Elevatórias de Efluentes Série Ambibox A P L I C A Ç Õ E S Elevação para a rede pública de colectores Indústria Povoações Loteamentos habitacionais Parques de Campismo Garagens Caves, etc... C

Leia mais

2.4.0 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E SERVIÇOS RELACIONADOS

2.4.0 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E SERVIÇOS RELACIONADOS Listagem Categorias Criticas Portugal Esta é a listagem de categorias de produto/serviço consideradas criticas pelas empresas que compõem a omunidade RePro em Portugal. Caso tenha inscrito ou pretenda

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras Introdução Sistema de produção Em muitos casos de obras de construção e montagem o canteiro de obras pode ser comparado a uma fábrica

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

ESTAÇÃO DE SERVIÇO PARA AUTOCARAVANAS ESTAÇÃO DE SERVIÇO PARA AUTOCARAVANAS PROJECTO TÉCNICO

ESTAÇÃO DE SERVIÇO PARA AUTOCARAVANAS ESTAÇÃO DE SERVIÇO PARA AUTOCARAVANAS PROJECTO TÉCNICO ESTAÇÃO DE SERVIÇO PARA AUTOCARAVANAS PROJECTO TÉCNICO INTRODUÇÃO O Clube Autocaravanista Saloio, é uma associação sem fins lucrativos, com personalidade jurídica e que se dedica à promoção, implementação

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Manutenção do Equipamento de Deposição

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Manutenção do Equipamento de Deposição 1. OBJECTIVO E ÂMBITO A presente instrução de trabalho incide sobre a manutenção do equipamento de deposição de resíduos sólidos urbanos na via pública. O serviço de manutenção de equipamento de deposição

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE CABOUCOS PARA MACIÇOS DE FUNDAÇÃO 2 DESCRIÇÃO A construção dos maciços de fundação para os pórticos e torres metálicas das linhas

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Artigo 1.º (Objecto e Âmbito) 1. A MARL Mercado Abastecedor

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos -

A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos - A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos - Raquel N. FIGUEIREDO Eng.ª Ambiente, Águas do Cávado, SA, Lugar

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa O Decreto Lei nº 167/97, de 4 de Julho, aprovou o regime jurídico de instalação e do funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL)

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) MANUAL REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) O objectivo deste manual é fornecer informação

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/5 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora Pág.2/5 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade: Segurévora

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais