Manual de Boas Práticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Boas Práticas"

Transcrição

1 INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Escola Superior Agrária Serviços Analíticos Manual de Boas Práticas ESAPL, 2005

2 Todos devem participar e intervir! Nenhum trabalho é tão importante e tão urgente, que não possa ser planeado e executado com segurança. A segurança é uma responsabilidade colectiva que requer a cooperação de todos os indivíduos do laboratório. Lembre-se: O seu primeiro acidente pode ser o último. Os acidentes não acontecem, são causados. Na dúvida, consulte este manual ou o técnico responsável pelo laboratório. Siga as normas de segurança estabelecidas.

3 PREFÁCIO Este manual destina-se a todos os usuários dos Serviços Analíticos da ESAPL, funcionários docentes e não docentes e alunos. Pretende-se contribuir para uma cultura de segurança no laboratório através da introdução de regras e de normas de segurança laboratorial. Saliente-se que este manual não pode cobrir todos os aspectos relacionados com segurança: se uma prática perigosa não estiver mencionada neste Manual, a omissão não pode ser usada como desculpa para isentar de responsabilidade os indivíduos que a executam. Quaisquer dúvidas relativamente ao conteúdo deste manual podem ser esclarecidas junto à Responsável pelos Serviços Analíticos. Telefones de emergência: Telefonista da ESAPL - 9 Guarda da ESAPL Bombeiros Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) Hospital Centro de Informação Anti-Venenos Polícia

4 ÍNDICE INTRODUÇÃO...1 NORMAS E REGRAS DE SEGURANÇA DOS SERVIÇOS ANALÍTICOS REGRAS BÁSICAS DE SEGURANÇA REGRAS BÁSICAS EM CASO DE INCÊNDIO NO LABORATÓRIO PROCEDIMENTO EM INCÊNDIOS DE PEQUENO PORTE PROCEDIMENTO EM INCÊNDIOS DE GRANDE PORTE REGRAS GERAIS EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO NORMAS GERAIS DE SEGURANÇA NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO DE AULAS PRATICAS LABORATORIAIS NORMAS DE FUNCIONAMENTO DE TRABALHOS INERENTES A PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO NORMAS DE FUNCIONAMENTO DE TRABALHOS DE ESTÁGIO DE FIM DE CURSO. 13 ANEXOS A1 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A2 - SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA.. 15 A3 - SINALIZAÇÃO DE AVISO. 16 A4 - SINALIZAÇÃO DE OBRIGAÇÃO A5 - SINALIZAÇÃO DE PROIBIÇÃO.. 18 A6 - CARACTERÍSTICAS DOS AGENTES EXTINTORES DE INCÊNDIOS.. 19

5 Introdução 1 Laboratórios são lugares de trabalho que necessariamente não são perigosos, desde que sejam tomadas certas precauções. Todo aquele que trabalha em laboratório deve ter responsabilidade no seu trabalho e evitar atitudes que possam acarretar acidentes e possíveis danos para si e para os demais. Deve ainda prestar atenção à sua volta e prevenirse contra perigos que possam surgir do trabalho de outros, assim como do seu próprio. O usuário de laboratório deve adoptar sempre uma atitude atenciosa, cuidadosa e metódica no trabalho que executa. Deve, particularmente, concentrar-se no trabalho que faz e não permitir qualquer distracção enquanto trabalha. Da mesma forma não deve distrair os demais usuários durante a execução dos trabalhos no laboratório. Os acidentes resultam normalmente de uma atitude indiferente dos utilizadores, da ausência de senso comum, da falha no cumprimento das instruções a seguir ou da pressa excessiva na obtenção de resultados. Os acidentes podem ser evitados, ou pelo menos terem as consequências minimizadas, desde que sejam tomadas as devidas precauções. Para isso é fundamental ter sempre presente que a segurança no trabalho depende da acção de todos e não apenas das pessoas encarregadas especificamente em promovê-la. Antes de qualquer trabalho laboratorial o operador deve estar informado sobre os riscos dos produtos químicos e dos equipamentos a utilizar, bem como conhecer as precauções de segurança e os procedimentos de emergência a ter em caso de acidente, para se proteger dos possíveis riscos. O operador deve ter por hábito planear o trabalho que vai realizar, pois só assim o poderá executar com segurança. Todos os usuários do laboratório devem: a) Seguir cuidadosamente as regras e normas de segurança presentes neste manual, as instruções de segurança referentes à manipulação de reagentes e de equipamentos (Manual de Segurança em Laboratórios ESAPL) e a sinalização de emergência, de aviso, de segurança, de proibição e de obrigação (ver quadros A1, A2, A3, A4 e A5); b) Conhecer perfeitamente a localização e funcionamento de todo o equipamento de emergência localizado no seu local de trabalho, nomeadamente Extintores, Bocas-deincêndio e baldes de areia, detecção de incêndio, fontes lava-olhos, chuveiros de emergência e telefones (números de emergência) da telefonista, dos bombeiros e do hospital; c) Ter conhecimento do Plano de Emergência Interno e ser periodicamente testado; d) Conhecer as Plantas de Emergência com instruções especiais para laboratórios. Todos os usuários devem ter este Manual e o Manual de Segurança sempre à mão no laboratório e devem relê-lo periodicamente, pois não devemos esquecer que o risco de

6 Introdução 2 acidente é maior quando nos acostumamos a conviver com o perigo e passamos a ignorálo. A segurança de um laboratório está apoiada na determinação de cada um de seus elementos: Você é responsável por si e por todos! Informe-se sobre os riscos do seu trabalho Conheça as regras e as normas de funcionamento Conheça a sinalização de segurança

7 Regras e Normas de Funcionamento dos Serviços Analíticos 3 1. REGRAS BÁSICAS DE SEGURANÇA As regras e conselhos gerais para desenvolver um trabalho com segurança, estão principalmente relacionados com a organização. Isto significa que o tempo dedicado à organização das actividades de laboratório contribui igualmente para prevenir riscos químicos, biológicos e acidentes inerentes à manipulação de reagentes e de equipamentos. Adaptado de: JWB/MB409/lab/labs.html 01. Guarde os objectos pessoais (bolsas, casacos, etc.) nos armários existentes na área externa aos laboratórios; 02. Leve para o laboratório apenas o indispensável à realização do trabalho; 03. Use sempre bata branca (mistura de algodão e fibra) até aos joelhos, com mangas compridas e fechada;

8 Regras e Normas de Funcionamento dos Serviços Analíticos Use os óculos protectores de olhos, sempre que desenvolver trabalhos cujos procedimentos aconselhem a sua utilização; 05. Tome conhecimento da localização do quadro de electricidade; 06. Não fume, não coma ou beba no laboratório; 07. Não trabalhe com os cabelos soltos, amarre-os; 08. Não trabalhe em laboratório com lentes de contacto, pois podem absorver produtos químicos e causar lesões nos olhos; 09. Não use relógios, pulseiras, anéis ou qualquer ornamento durante o trabalho no laboratório; 10. Caminhe com atenção e nunca corra no laboratório; 11. Utilize os aparelhos só depois de ter lido e compreendido, as respectivas instruções de manuseamento e segurança; 12. Tome conhecimento das propriedades físicas e da toxicidade dos reagentes antes de iniciar uma experiência; 13. Nunca pipete com a boca, use pipetadores em qualquer circunstância que utilizar pipetas; 14. Não leve a mão à boca ou aos olhos quando estiver a manusear produtos químicos; 15. Nunca deixe frascos de reagentes abertos; 16. Cuide da limpeza adequada do material utilizado para não contaminar os reagentes; 17. Nunca deixe frascos contendo reagentes inflamáveis próximos duma chama; 18. Nunca aqueça um recipiente fechado; 19. Sempre que efectuar uma diluição de um ácido concentrado, adicione lentamente e sob agitação o ácido sobre a água, nunca o contrário; 20. Ao aquecer um tubo de ensaio contendo qualquer substância, nunca volte a extremidade aberta do tubo na sua direcção ou na de outra pessoa próxima; 21. Ao testar o odor de um produto químico, desloque os vapores que se desprendem do frasco com as mãos, na sua direcção. Nunca coloque o frasco sobre o nariz. Tenha em atenção que este teste nem sempre pode ser feito; 22. Siga correctamente o protocolo da aula ou da experiência e não improvise, pois improvisações podem causar acidentes; 23. Tenha presente que todas as substâncias são tóxicas, dependendo da sua concentração;

9 Regras e Normas de Funcionamento dos Serviços Analíticos Nunca confie no aspecto de um produto, procure conhecer as suas propriedades para manipulá-la; 25. Evite qualquer contacto dos reagentes com a pele; 26. Use sempre a hotte para experiências em que ocorra a liberação de gases ou vapores; 27.Trabalhando com reacções perigosas, explosivas, tóxicas, ou cuja periculosidade é desconhecida, use sempre a hotte e tenha um extintor por perto; 28. Não despeje material insolúvel nos pios de lavagem (sílica, carvão activo, etc.). Use um frasco de resíduos apropriado; 29. Não despeje resíduos de solventes nos pios de lavagem. Os resíduos de reacções devem ser inactivados e depois armazenados em frascos adequados; 30. Nunca coloque no lixo restos de reacções; 31. Findo o seu trabalho experimental, verifique, se as torneiras de água e de gás se encontram fechadas e se os aparelhos eléctricos foram devidamente desligados; 32. Evite trabalhar sozinho, e fora das horas de trabalho convencionais; 33. Em caso de acidente, por mais insignificante que pareça, comunique imediatamente ao professor ou ao técnico do laboratório; 34. Aprenda a usar um extintor antes que o incêndio aconteça; 35. Em caso de acidente, mantenha a calma, desligue os aparelhos próximos, inicie o combate ao fogo, isole os inflamáveis e chame os Bombeiros; 36. Em caso de acidente (por contacto ou ingestão de produtos químicos) procure o médico indicando o produto utilizado; 37. Não entre em locais de acidentes sem uma máscara contra gases; 38. Se num acidente atingir os olhos com um produto químico, deve abrir bem as pálpebras e lavar com bastante água. Atingindo outras partes do corpo, deve retirar a roupa impregnada e lavar a pele com bastante água. 2. REGRAS BÁSICAS EM CASO DE INCÊNDIO NO LABORATÓRIO Nos laboratórios a segurança face à exposição a substâncias ou preparações químicas é da responsabilidade de quem as usa, pelo que, cada investigador deverá conhecer as respectivas características de perigosidade dos produtos.

10 Regras e Normas de Funcionamento dos Serviços Analíticos PROCEDIMENTO EM INCÊNDIOS DE PEQUENO PORTE Desligar o quadro de energia e fechar os gases; Evacuar o local; Usar o extintor (ver quadro A6), se souber exactamente como. Caso contrário chamar os bombeiros PROCEDIMENTO EM INCÊNDIOS DE GRANDE PORTE Desligar o quadro de energia e fechar os gases; Evacuar o local, se houver fumaça movimente-se o mais próximo possível do solo; Chamar os bombeiros. Se a situação estiver fora de controlo abandone imediatamente a área, accione o alarme contra incêndios e telefone aos bombeiros NÃO TENTE SER HERÓI! 2.3. REGRAS GERAIS EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO 01. Em qualquer situação de fogo mantenha a calma; 02. Quando o fogo irromper num goblé ou num balão de reacção, basta tapar o frasco com uma rolha, toalha ou vidro de relógio, de modo a impedir a entrada de ar; 03. Quando o fogo atingir a roupa de uma pessoa algumas técnicas são possíveis: a) Levá-la para baixo do chuveiro; b) As pessoas têm tendência para correr aumentando a combustão, neste caso, devem ser derrubadas e roladas no chão até o fogo ser extinto;

11 Regras e Normas de Funcionamento dos Serviços Analíticos 7 c) O melhor, no entanto, é embrulhar a pessoa rapidamente num cobertor para este fim; d) Pode-se também usar o extintor de CO 2, se este for o meio mais rápido. 04. Jamais use água para apagar o fogo num laboratório; 05. Comece o combate ao fogo imediatamente com os extintores de CO 2 ou de pó químico; 06. Afaste os inflamáveis que estão próximo do incêndio; 07. Em situações de fogo envolvendo sódio, potássio ou lítio deve usar-se o extintor de pó químico (não use o gás carbónico, CO 2 ). Também se podem usar os reagentes carbonato de sódio (Na 2 CO 3 ) ou cloreto de sódio (NaCl - sal de cozinha); P.S. - Areia não funciona em incêndios que envolvam Na, K e Li. - Água reage violentamente com estes metais. 08. Caso o fogo fuja ao seu controle, evacue o local imediatamente; 09. Se existir alarme ligue-o, quebrando o vidro para acciona-lo; 10. Evacue o edifício; 11. Desligue o quadro geral de electricidade; 12. Vá até ao telefone directo, na telefonista e telefone aos Bombeiros; 13. Dê a exacta localização do fogo (ensine como chegar lá); 14. Informe se este é um laboratório químico pois não vão poder usar água para combater o incêndio provocado por substâncias químicas. Solicite um carro de bombeiros com CO2 ou pó químico. 3. NORMAS GERAIS DE SEGURANÇA 01. Toda a sala ou laboratório deverá ter um responsável, cujo telefone deverá ser fixado na parte externa do mesmo, de preferência na porta;

12 Regras e Normas de Funcionamento dos Serviços Analíticos Todos os laboratórios devem estar providos com material de combate e prevenção de incêndio, tais como: caixas de areia, extintores de incêndio dos tipos: CO2 e pó químico, que deverão ficar em locais de livre acesso; 03. Todos os telefones do laboratório deverão possuir ao seu lado, os seguintes números telefónicos bem destacados: Telefonista Bombeiros INEM Hospital (Emergência) Polícia 04. O trabalho fora do expediente normal, tanto para professores, como para alunos ou funcionários, só será permitido aos que estão devidamente cadastrados. No caso dos alunos deve ser evitada a sua permanência sozinhos e principalmente fora do expediente; 05. É expressamente PROIBIDO FUMAR nos laboratórios; 06. O último usuário a sair do laboratório deverá desligar a electricidade (excepto equipamento de funcionamento contínuo) e verificar se tudo está em ordem; 07. Todo o funcionário, professor ou aluno admitido no laboratório deverá tomar conhecimento deste Manual com as normas de segurança. 4. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO Fonte: GeneralIntro.htm

13 Regras e Normas de Funcionamento dos Serviços Analíticos Todos os usuários do laboratório devem utilizar um caderno de laboratório, o qual deve ser mantido sempre no laboratório; 02. O laboratório deve estar sempre limpo e organizado, sendo proibido deixar sobre as bancadas materiais estranhos ao trabalho, como bolsas, livros, casacos, etc; 03. Todo o trabalho laboratorial que envolver um certo grau de perigo exigirá a obrigatoriedade de utilização de indumentária adequada (luvas, óculos, máscaras, pinças, aventais, extintores de incêndio, hottes); 04. Todo o trabalho laboratorial dentro ou fora do expediente, que não tiver o acompanhamento do interessado, deverá ter uma ficha ao lado, com nome, horário de experimentação, reagentes envolvidos e medidas a serem adoptadas em casos de acidentes; 05. A utilização de qualquer material que venha a prejudicar ou colocar em perigo a vida, ou a saúde dos usuários do ambiente, ou que cause incomodo, deverá ser discutida ou comunicada ao responsável do laboratório, o qual sugerirá e/ou autorizará o evento sob certas condições como avisos, precauções, horário em que deve ser feito, etc; 06. No laboratório todos os recipientes que contenham produtos devem estar devidamente rotulados com uma clara identificação e as soluções devem apresentar data de preparação, validade e o nome do analista que as preparou; 07. Em todos os equipamentos do laboratório é obrigatória a existência de uma ficha de segurança com as respectivas instruções sobre o funcionamento dos equipamentos. 08. Em todos os equipamentos do laboratório é obrigatória a existência de um registo de utilização do equipamento. 09. Certos cilindros de gases, como CO e H 2 não podem permanecer internamente nos laboratórios, quando não estiverem a ser usados. Os demais cilindros, quando em uso ou mesmo armazenados, devem estar sempre presos às paredes ou às bancadas; 10. No laboratório não devem ser utilizadas vidrarias trincadas, lascadas ou quebradas. Quando existam devem ser eliminadas, dando baixa deste material; 11. Cada bancada de laboratório poderá conter um número máximo de alunos, fixado pelo responsável do laboratório, de acordo com as características da sala, o qual deverá ser respeitado e tido em consideração aquando da formação das turmas pelos Serviços Académicos;

14 Regras e Normas de Funcionamento dos Serviços Analíticos Durante as actividades lectivas não será permitido a professor, aluno e funcionário a permanência em laboratório durante a aula prática sem o uso de bata e sem calçado fechado; 13. No final de cada aula, as vidrarias utilizadas durante o trabalho de laboratório devem ser esvaziadas pelos alunos, nos recipientes utilizados para descarte de resíduos e enxaguadas com água antes de serem enviadas para limpeza; 14. As aulas práticas deverão ter o acompanhamento contínuo do docente durante todo o seu desenvolvimento, independentemente da permanência ou não do técnico de laboratório; 15. Qualquer danificação ou defeito do equipamento, com necessidade de reparação, que envolva aspectos de segurança deverá ser comunicado imediatamente ao responsável dos laboratórios; 16. É proibido receber visitas no laboratório, pois elas não conhecem as normas de segurança e não estão adequadamente vestidas. 5. NORMAS DE FUNCIONAMENTO DE AULAS PRATICAS LABORATORIAIS Fonte: u1/lab_safety.html

15 Regras e Normas de Funcionamento dos Serviços Analíticos Antes do início de cada semestre os docentes que vão leccionar disciplinas com aulas praticas laboratoriais devem preencher uma ficha de aulas semestral que será enviada pelo Responsável dos Serviços Analíticos; 02. No início do semestre os alunos devem assinar a declaração de responsabilidade, em como tomaram conhecimento das regras e normas de funcionamento dos serviços analíticos; 03. Todos os trabalhos desenvolvidos nas aulas práticas de laboratório devem ser acompanhados de protocolos, elaborados pelos respectivos docentes das disciplinas; 04. O docente deverá entregar nos Serviços Analíticos, ao técnico destacado para apoiar a respectiva disciplina, uma cópia dos protocolos antes do início (15 dias) de cada semestre; 05. Os protocolos entregues pelos docentes deverão ser arquivados em pastas específicas para cada disciplina; 06. Semanalmente o docente deverá programar as aulas da semana seguinte juntamente com o técnico destacado para o apoio às suas aulas 07. Os protocolos devem ser fornecidos aos alunos antes das aulas, para que estes possam ler atempadamente o trabalho que vão desenvolver; 08. Nos protocolos deverão constar os seguintes itens: Identificação da disciplina e do curso; Tema; Objectivo; Introdução; Material e Métodos; Identificação dos riscos associados ao trabalho e procedimentos a seguir para minimizar esses riscos; Execução laboratorial; Resultados (espaço para apresentação de resultados); Bibliografia. 09. No final de cada aula o docente deverá preencher o registo de ocorrências da aula (quebras de material, avarias de equipamentos, acidentes, etc.); 10. A utilização de equipamentos para a realização de trabalhos de aulas praticas implica o preenchimento do registo de utilização de equipamento, ficando esse preenchimento a cargo do técnico de laboratório destacado para apoiar as respectivas disciplinas;

16 Regras e Normas de Funcionamento dos Serviços Analíticos Compete ao técnico de laboratório destacado para cada disciplina o preenchimento do registo de quebras e/ou avarias, no final de cada aula pratica; 12. Os Docentes e os alunos devem tomar conhecimento deste Manual e cumprir as regras e normas dos laboratórios. 6. NORMAS DE FUNCIONAMENTO DE TRABALHOS INERENTES A PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO 01. Todas as análises desenvolvidas no âmbito dos projectos de investigação devem ser registadas no caderno de registo de análises, devendo este registo ser efectuado no momento da entrada das amostras. 02. A utilização dos equipamentos para a realização das análises requer o preenchimento do registo de utilização de equipamento, ficando este preenchimento a cargo de quem executa as análises. 03. Qualquer quebra de material ou avaria de equipamento deve ser registada no registo de quebras e/ou avarias, ficando este preenchimento a cargo de quem executa as análises. 04. As análises desenvolvidas por alunos fora do horário normal de funcionamento dos serviços requerem o preenchimento, pelo coordenador do projecto, do registo de segurança extra horário normal. 05. Sempre que a situação referida em 04 envolver a utilização de equipamentos é obrigatória a assinatura do Responsável dos Serviços Analíticos no registo de segurança extra horário normal. 06. Os alunos devem preencher, no início da sua actividade nos serviços analíticos, a declaração de responsabilidades; 07. A utilização da espectrofotometria de absorção atómica e do fotómetro de chama durante o fim-de-semana requer, para além do preenchimento do registo de utilização de equipamento, a assinatura do Responsável dos Serviços. 08. Os docentes e os alunos devem tomar conhecimento deste Manual e cumprir as regras e normas dos laboratórios.

17 Regras e Normas de Funcionamento dos Serviços Analíticos NORMAS DE FUNCIONAMENTO PARA TRABALHOS DE ESTÁGIO DE FIM DE CURSO Fonte: phillips/safety.htm 01. Os docentes orientadores de estágios que envolvam trabalhos no laboratório devem preencher no início do ano lectivo o registo de estágios de final de curso, disponível nos serviços analíticos. 02. Os temas propostos serão analisados no sentido de verificar a viabilidade de realização dos trabalhos nos serviços analíticos, mais concretamente se a realização dos trabalhos não implica aquisição de equipamento. 03. Os serviços deverão fazer um estudo do custo de cada trabalho, devendo o Conselho Directivo pronunciar-se para autorizar ou não a sua concretização. 04. Os alunos estagiários devem preencher, no início da sua actividade nos serviços analíticos, o registo de estagiários e a declaração de responsabilidades; 05. Compete ao docente orientador acompanhar o aluno na fase de instalação dos métodos necessários à realização dos trabalhos; 06. Os alunos estagiários deverão realizar tarefas no laboratório, nomeadamente, a recuperação (lavagem) de todo o material que utilizam e ajudar noutras tarefas que os serviços entendam que o estagiário pode realizar sem prejudicar a sua formação pessoal. 07. Os docentes orientadores e os alunos devem tomar conhecimento deste Manual e cumprir as regras e normas dos laboratórios.

18 ANEXOS 14 Quadro A1 Sinalização de segurança Regras gerais de segurança 1. Não comer, beber, mascar pastilhas, tomar medicamentos ou colocar cosméticos. 2. Não correr nem fazer movimentos bruscos. 3. Utilizar bata e óculos de protecção. 4. Não provar, cheirar ou tocar em produtos químicos. 5. Prender o cabelo comprido e não usar anéis. 6. Lavar as mãos no final do trabalho. 7. Deixar sempre o laboratório limpo e arrumado.

19 ANEXOS 15 Quadro A2 Sinalização de emergência Sinais de Emergência Fornecem informações de salvamento de acordo com o pictograma inserido no sinal. São utilizados em instalação, acessos e equipamentos, etc. Têm forma rectangular, fundo verde e pictograma a branco. Saída de emergência à esquerda Posto de primeiros socorros Lava-olhos de emergência Direcção a seguir (em conjunto com as placas anteriores)

20 ANEXOS 16 Quadro A3 Sinalização de Aviso Sinais de Aviso Indicam situações de atenção, precaução ou verificação de acordo com o pictograma inserido no sinal. São utilizados em instalações, acessos, aparelhos, instruções e procedimentos, etc. As zonas ou salas ou recintos utilizadas para armazenar de substâncias perigosas em grandes quantidades devem ser assinaladas com um destes sinais. Têm forma triangular, o contorno e pictograma a preto e o fundo amarelo. Perigo de incêndio Perigo de electrocussão Perigo - Altas temperaturas Perigo - Substâncias Corrosivas Perigo de Intoxicação Perigos vários

21 ANEXOS 17 Quadro A4 Sinalização de obrigação Sinais de Obrigação Indicam comportamentos ou acções específicas e a obrigação de utilizar equipamento de protecção individual de acordo com o pictograma inserido no sinal. São utilizados em instalações, acessos, aparelhos, instruções e procedimentos, etc. Têm forma circular, fundo azul e pictograma a branco. Protecção obrigatória dos olhos Protecção obrigatória das mãos Protecção obrigatória dos olhos e vias respiratórias Protecção obrigatória das vias respiratórias Obrigatório lavar as mãos Protecção obrigatória do corpo

22 ANEXOS 18 Quadro A5 Sinalização de Proibição Sinais de Proibição Indicam atitudes perigosas de acordo com o pictograma inserido no sinal. São utilizados em instalação, acessos, aparelhos, instruções e procedimentos, etc. Têm forma circular, o contorno vermelho, pictograma a preto e o fundo branco. Proibição de fumar Proibição de fazer lume e de fumar Proibição de apagar com água Proibição de beber água Proibição de lavar as mãos Proibição de comer ou beber

23 ANEXOS 19 Quadro A6 Características dos Agentes Extintores de Incêndios Agentes Extintores Agente Água (Em jacto ou pulverizada) Neve carbónica (Extintor com dióxido de carbono sob pressão que solidifica quando se expande bruscamente) Espuma física (Produzida a partir de uma mistura de água e substâncias tensioactivos por injecção mecânica de ar) Espuma Química (Extintor em que ocorre uma reacção que liberta o gás dióxido de carbono que fica disperso num líquido formando espuma) Pó normal (Extintor em que o pó e bicarbonato de sódio ou de potássio) Pó polivalente (Extintor em que o pó é dihidrogenofosfato de amónico) Pó especial (Extintor em que o pó é grafite ou cloreto de sódio ou pó de talco, etc.) Areia Classe Incêndio A B C A B A B B C A B C D A D Vantagens * Deve ser usado sempre que não haja contra-indicações (de preferência deve ser pulverizada) * Bom poder de penetração * Não deixa resíduo o que o torna mais adequado para equipamento sensível * O mais adequado para líquidos extremamente inflamáveis * Muito bom para líquidos extremamente inflamáveis * Pode ser utilizada em situações de incêndio iminente com acção preventiva. * Cobertura de espuma evita reignições * Muito bom para líquidos extremamente inflamáveis * Cobertura de espuma evita reignições * Forma uma nuvem de poeira que protege o operador. * Não é tóxico * Forma uma nuvem de poeira que protege o operador. * Dá para três classes de fogos * Único extintor adequado para incêndios da classe D. Qualquer outro tipo de extintor provoca reacções violentas * Por vezes é o único meio de extinção disponível para incêndios da classe D Desvantagens * Os líquidos em chamas flutuam na água, fazendo alastrar o incêndio, e projectam-se perigosamente pela acção do vapor de água formado * Não adequada para fogos eléctricos * Atinge temperaturas da ordem dos - 80ºC por isso não se deve tocar no difusor (campânula do tubo de descarga) * Em incêndios da classe A controla apenas pequenas superfícies * Tem um recuo acentuado devido à alta pressão do gás * Contra-indicado para locais onde existam produtos explosivos * Deixa resíduo húmido. * Não adequado para fogos eléctricos. * Requer uma instalação fixa * Deixa resíduo húmido * Não adequado para fogos eléctricos * Deixa resíduo difícil de limpar. * Pode danificar equipamento. * Nuvem de pó diminui a visibilidade * Deixa resíduo difícil de limpar. * Pode danificar equipamento. * Toxicidade Baixa * Nuvem de pó diminui a visibilidade * Não adequado para outros classes de incêndios para além da classe D. * Terá que se utilizar um pó adequado para cada caso específico. * Manipulação pouco prática * Pode danificar o equipamento

24 ANEXOS 20 Quadro A7 Classificação dos incêndios Classes de Fogos Classe Designação Símbolo Tipo de Combustão Combustíveis A Fogos de Sólidos (Também chamados Fogos Secos) Fogos que resultam da combustão de materiais sólidos, geralmente à base de celulose, os quais dão normalmente origem a brasas. Madeira, Papel, Tecidos, Carvão B Fogos de Líquidos (Também chamados Fogos Gordos) Fogos que resultam da combustão de líquidos ou de sólidos liquidificáveis Álcoois, Acetonas, Éteres, Gasolinas, Vernizes, Ceras, Óleos, Plásticos. C Fogos de Gases Fogos que resultam da combustão de gases Hidrogénio, Butano, Propano, Acetileno, D Fogos de Metais (Também chamados Fogos Especiais) Fogos que resultam da combustão de metais Metais em pó (alumínio, cálcio, titânio), Sódio, Potássio, Magnésio, Urânio E Fogos Eléctricos Fogos que resultam de curto-circuitos ou sobrecargas térmicas em equipamentos eléctricos Material eléctrico e electrónico

25 ANEXOS 21

04-10-2013. Sumário APL

04-10-2013. Sumário APL Sumário Módulo inicial Unidade temática 0 Segurança em laboratórios de química O laboratório de química.. Regras de segurança no laboratório. Símbolos de perigo e outros sinais. Planificação da AL 0.1

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO (NO FINAL DO MANUAL)

REGRAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO (NO FINAL DO MANUAL) A segurança no laboratório de química Os laboratórios são lugares de trabalho que necessariamente não são perigosos, desde que sejam tomadas certas precauções. Todos aqueles que trabalham em laboratório

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO

NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO O trabalho desenvolvido num laboratório químico envolve o manuseamento de materiais, que pelas suas características, podem vir a constituir um risco para os que

Leia mais

Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST

Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST Apresentação do Laboratório Armazém de Reagentes aprox. 7 m 2 de armazém Escadas sem apoio e com grande inclinação Armazém de Reagentes Ventilação

Leia mais

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1 Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica NORMAS GERAIS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Laboratório de Química Orgânica 2 QOI - 02/03 1 1) Não entre no laboratório

Leia mais

Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química

Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química O que deve ser sempre lembrado é que: A segurança depende de cada um. É importante que o pessoal se habitue a trabalhar com segurança fazendo com

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp.

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Para um trabalho com segurança e com menores

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP)

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP) Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP) Rio Paranaíba Novembro 2012 1 Apresentação O Laboratório

Leia mais

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Microbiologia

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Microbiologia Regulamento para a utilização do Laboratório de Microbiologia 1 REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA 1. Auxiliar o aluno na introdução

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS NORMAS INTERNAS DO LABORATÓRIO DE BIOTECNOLOGIA E GENÉTICA

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOESTIM K 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOESTIM K Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO FACULDADES INTEGRADAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1.727 de 13/06/2002 D. O.U. 14/06/2002 MANUAL DE NORMAS GERAIS E DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO Eunápolis BA 2009 1.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Reprodução Animal do Setor de Zootecnia II

Regulamento do Laboratório de Reprodução Animal do Setor de Zootecnia II INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE PRÁTICAS LABORATORIAIS Regulamento do Laboratório de Reprodução Animal do Setor de Zootecnia II Dispõe sobre os deveres,

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Funcionamento do Laboratório Dependendo da atividade prática, os alunos encontrarão

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

EC Ficha de Segurança do Produto

EC Ficha de Segurança do Produto 1 Identificação do produto e fornecedor Nome do produto TESTE DE DESPISTAGEM Aplicação / utilização Determinação Quantitativa de Cloro/Halogéneos Produtor DEXSIL CORPORATION USA Fornecedor AMBICARE INDUSTRIAL,

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO Objetivo: Explicação das normas básicas de segurança no laboratório. Aula teórica com retroprojetor, transparências e demonstração de algumas

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC ) RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁGUA SANITÁRIA Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger do sol, do calor e da umidade.

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

Noções básicas de Segurança em Laboratório. Professora Mirian Maya Sakuno

Noções básicas de Segurança em Laboratório. Professora Mirian Maya Sakuno Noções básicas de Segurança em Laboratório Professora Mirian Maya Sakuno Laboratório labor = trabalho + oratorium = lugar de concentração Uso inadequado do laboratório PERIGO!!! Regras básicas Não... não

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE I. Objetivos do Regulamento dos Laboratórios Especializados da Área de Saúde 1. Fornecer um guia geral e regras básicas consideradas mínimas

Leia mais

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos IMPLEMENTAÇÂO DO DECRETO LEI 173/2005 Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos Algumas orientações para a construção e beneficiação das instalações bem como para o armazenamento de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

MEMBRANAS BETUMINOSAS

MEMBRANAS BETUMINOSAS FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO (Em conformidade com o Regulamento REACH (EC) nº 1907/2006) Nº revisão: 08 Data de emissão: 24 de Janeiro de 2014 MEMBRANAS BETUMINOSAS 1. Identificação da substância/mistura

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02 ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02 23 INTRODUÇÃO AO TRABALHO NO LABORATÓRIO QUÍMICO 1 OBJETIVOS Apresentar ao aluno os princípios de segurança e bom funcionamento do laboratório de Química, bem como, a elaboração

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6

FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6 FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Descrição do artigo: Limpa Churrasqueiras HUJE 1.2 Utilizações previstas: Limpeza de Gorduras

Leia mais

TRIPOLIFOSFATO SODIO TÉCNICO

TRIPOLIFOSFATO SODIO TÉCNICO F0LHA...: 1/5 1 Identificação do Produto e da Empresa: Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Av. Gupê, 10497 Telefone: 55 11 4772 4900 TRIPOLIFOSFATO SODIO TÉCNICO Cosmoquimica Indústria e Comércio

Leia mais

Segurança no Laboratório. Eng.º Agrônomo, MsC; Eng.º de Segurança do Trabalho Especialista em Educação Ambiental

Segurança no Laboratório. Eng.º Agrônomo, MsC; Eng.º de Segurança do Trabalho Especialista em Educação Ambiental Segurança no Laboratório Prof. Ariston Alves Afonso Eng.º Agrônomo, MsC; Eng.º de Segurança do Trabalho Especialista em Educação Ambiental Itens de segurança no laboratório 1. Use sempre óculos de segurança

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Manual de segurança no laboratório

Manual de segurança no laboratório 1 - Para iniciar os trabalhos! Deves ler atentamente as instruções das actividades experimentais antes de as relizares. Sempre que tiveres dúvidas sobre as actividades experimentais deves consultar o teu

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA 1 de 5 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu das Artes - SP Homepage: www.produtosbufalo.com.br E-mail:

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DESENTUPIDOR DE TUBAGEM LINHA PROFISSIONAL

FICHA DE SEGURANÇA DESENTUPIDOR DE TUBAGEM LINHA PROFISSIONAL Ficha de Segurança de acordo com Regulamento (CE) nº 1907/2006 (REACH). Classificação e Rotulagem de acordo com Regulamento para a Classificação, Embalagem e Rotulagem de Preparações perigosas. 1. Identificação

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

Ibo hydro-stop 1/5 REGISTO FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033. Revisão 01 Data 28-11-06. Data da edição: 23-01-2008 Edição nº: 00

Ibo hydro-stop 1/5 REGISTO FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033. Revisão 01 Data 28-11-06. Data da edição: 23-01-2008 Edição nº: 00 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Aditivo impermeabilizante para argamassas de cimento. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain WEBER

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Escola Secundária de Casquilhos. Licenciatura em Ensino das Ciências da Natureza (Biologia e Geologia) * Realizado por: Mónica Alexandra Marto Pereira

Escola Secundária de Casquilhos. Licenciatura em Ensino das Ciências da Natureza (Biologia e Geologia) * Realizado por: Mónica Alexandra Marto Pereira Licenciatura em Ensino das Ciências da Natureza (Biologia e Geologia) * Realizado por: Mónica Alexandra Marto Pereira ÍNDICE Trabalho Laboratorial no Ensino e Aprendizagem das Ciências Regras de Segurança

Leia mais

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º página: 1/5 * 1 Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Identificador do produto 1.2 Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas Utilização

Leia mais

NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA

NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA NORMAS GERAIS O trabalho em laboratório exige concentração. Não converse desnecessariamente, nem distraia seus colegas. NORMAS PESSOAIS Adaptar-se

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VI Riscos Químicos Parte 1 um Guia Técnico de Março de 2008 Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico DECivil, Fevereiro 2014 A necessidade A segurança e as respostas a emergências são aspectos vitais em qualquer organização e edifício. Assim importa assegurar que no DECivil os colaboradores (docentes

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais

weber.col classic plus

weber.col classic plus 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Cimento-Cola. Este produto destina-se à colagem de cerâmica. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINPLUS 400-N Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINPLUS 400-N Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO. Nº revisão: 00 Data de emissão: Novembro de 2012 IFOAM. 1. Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO. Nº revisão: 00 Data de emissão: Novembro de 2012 IFOAM. 1. Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO Nº revisão: 00 Data de emissão: Novembro de 2012 IFOAM 1. Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Nomes comerciais das famílias de produtos: IFOAM PAREDES

Leia mais

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Ciências Físico-Químicas: CEF-EM(N2) PROFESSORA: Daniela Oliveira MÓDULO 1 SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Código do produto: PSL97 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código do produto: Aplicação: Fornecedor: PSL97 Telefone de emergência: (19) 2103-6000 REMOVEDOR DE TINTA CURADA PPG INDUSTRIAL

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Argamassa com fibras para reparação estrutural de betão. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain Weber

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5 Código do produto: CK611L Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CK611L Telefone de emergência: (19) 2103-6000 DESENGRAXANTE ALCALINO

Leia mais

MÓDULO VIII ACIDENTES COM PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

MÓDULO VIII ACIDENTES COM PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Acidentes com Programa de formação sobre a aplicação de MÓDULO VIII ACIDENTES COM PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Acidentes com Os são seguros se forem utilizados com cuidado, de acordo com todas as indicações

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 Folha: 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Master de acelerador de vulcanização de borracha MBTS-80. Acelerador de vulcanização;

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GERAIS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DE ENSINO

MANUAL DE NORMAS GERAIS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DE ENSINO PRÓ-REITORIA DE ENSINO MANUAL DE NORMAS GERAIS DE SEGURANÇA DOS LABORATÓRIOS DE ENSINO Manual de Normas Gerais de Segurança dos Laboratórios de Ensino aprovado pelo Conselho Superior do IFS através da

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5 Código do produto: CF700A Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CF700A Telefone de emergência: (19) 3864-6000 FOSFATO ÁCIDO DE

Leia mais

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos Página: 01/05 01 Identificação do produto e da Empresa Natureza Química : Limpador de Uso Geral Autorização de Funcionamento / MS : nº 3.02.599-9 Registro no Ministério da Saúde : 3.2599.0103.001-4 Aceita

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/10 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial: ITA Anti Espumante. Nome químico do principal componente: Cola Coqueiro Granulada. Código interno de identificação do produto: ITA1228.

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Produto CHOICE

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Produto CHOICE 1. Identificação do Produto Nome do Produto: CHOICE Código do Produto: - Nome da Empresa: De Sangosse Agroquímica Ltda. Endereço: Rua Raimundo Ramos Ferreira, 136 - CURITIBA/PR CEP: 81.350-040 Telefone

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMINOL P 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMINOL P Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA ANTICALCÁRIO MÁQUINA LINHA PROFISSIONAL

FICHA DE SEGURANÇA ANTICALCÁRIO MÁQUINA LINHA PROFISSIONAL Ficha de Segurança de acordo com Regulamento (CE) nº 1907/2006 (REACH). Classificação e Rotulagem de acordo com Regulamento para a Classificação, Embalagem e Rotulagem de Preparações perigosas. 1. Identificação

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre Data de revisão: 2013-07-15 Motivo da Revisão: Conformidade com o Regulamento (CE) No. 1272/2008 SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA HI 701-25 Identificador do produto:

Leia mais

Prevenção e Combate a Incêndios

Prevenção e Combate a Incêndios Prevenção e Combate a Incêndios Fogo É uma forma de combustão Combustão É uma forma de oxidação Incêndio É um acidente provocado pelo fogo Analogias Geométricas do Fogo Triângulo do Fogo Tetraedro do Fogo

Leia mais

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono Escolha do agente extintor Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono É de notar que não se refere as substâncias halogenados por se encontrarem proibidos

Leia mais

SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE ENSAIOS

SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE ENSAIOS SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE ENSAIOS Junho de 2012 Pedro Boareto Goicoechea Nenhum trabalho é tão importante e tão urgente, que não possa ser planejado e executado com segurança! Pedro Boareto Goicoechea

Leia mais

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE Protocolo experimental 1. REAGENTES Reagentes estequiométricos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BICARBONATO DE SÓDIO 1/5 1. IDENTIFICACÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Empresa: Endereço: Telefone de emergência: e-mail: BICARBONATO DE SÓDIO Sasil Comercial e Industrial de Petroquímicos

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 004/2005

RESOLUÇÃO CONSEPE 004/2005 RESOLUÇÃO CONSEPE 004/2005 Aprova o Manual de Segurança em Laboratórios do Centro Universitário de Maringá. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO E REITOR DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ,

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5 MÓDULO 5 1 PREVENÇÃO A INCÊNDIO 2 QUÍMICA DO FOGO 3 CLASSES DE INCÊNDIO 4 EXTINTORES PORTÁTEIS 5 PLANO DE EMERGÊNCIA PREVENÇÃO A INCÊNDIO Na PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A., só será permitido fumar em locais

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

Lista das frases de risco e de segurança

Lista das frases de risco e de segurança Lista das frases de risco e de segurança FRASES DE RISCO R1 : Explosivo no estado seco. R2 : Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição. R3 : Grande risco de explosão por choque,

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006

Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006 Soft Care Crema Revisão: 2012-11-26 Versão 02 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Identificador

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX 1. IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA Nome do produto: Identificação: Tipo de formulação: Utilização: SIPFOL MAX Aminoácidos, magnésio e oligoelementos Concentrado

Leia mais

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho 1. Uma autorização de trabalho é um documento: a) que tem de promover a concertação entre todos os que tenham a ver com o trabalho. b) em que vêm estipuladas as condições relativas à maneira de trabalhar

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA BICARBONATO DE SÓDIO

FICHA DE SEGURANÇA BICARBONATO DE SÓDIO Pag.1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Identificação da substância: Nome do Produto: Bicarbonato de Sódio Nome Químico: Hidrogenocarbonato de sódio 1.2 Utilização da substância Principais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira LABORATÓRIOS DE MICROBIOLOGIA DE ALIMENTOS, ENZIMOLOGIA & MICROBIOLOGIA INDUSTRIAL (LMA & LEMI) Professores Responsáveis:

Leia mais

1. Usar o equipamento de segurança recomendado para cada prática. Algumas podem exigir uso de luvas, máscaras, óculos de segurança etc.

1. Usar o equipamento de segurança recomendado para cada prática. Algumas podem exigir uso de luvas, máscaras, óculos de segurança etc. AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 2 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 3º ANO DO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO Como vimos na parte 1, é importante

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 FISPQ NRº. 005 1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Bicarbonato de Sódio Nome Comercial : Estabilizador de ph Sinônimo: Bicarbonato Ácido de Sódio N CAS: 144-55-8 Nome da Empresa:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ Em conformidade com ABNT 14725-4/2014 Data: 02.05.2002 Revisão: 5 Data da Revisão: 06/02/15 Produto: WD 40 Líquido N 0040 1. Identificação

Leia mais