I. Princípios e Metodologias para a Gestão da Prevenção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I. Princípios e Metodologias para a Gestão da Prevenção"

Transcrição

1

2 I. Princípios e Metodologias para a Gestão da Prevenção

3 Lei n.º 102/2009 Aprova e regulamenta o Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho, de acordo com o previsto no Artigo 284.º do Código do Trabalho. Sem prejuízo do disposto nos números seguintes, são revogados: a) O Decreto -Lei n.º 441/91, de 14 de Novembro; b) O Decreto -Lei n.º 26/94, de 1 de Fevereiro; c) O Decreto -Lei n.º 29/2002, de 14 de Fevereiro; d) A Portaria n.º 1179/95, de 26 de Setembro. O Principal diploma revogado pela Lei 102/2009 é a Lei 35/2004 (antigo regulamento) Artigo 15.º - Obrigações gerais do empregador Assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspetos do seu trabalho( ) Artigo 19.º - Informação dos trabalhadores 1 O trabalhador, assim como os seus representantes para a segurança e para a saúde na empresa, estabelecimento ou serviço, deve dispor de informação atualizada sobre: a) As matérias referidas na alínea j)* do n.º 1 do artigo anterior; b) As medidas e as instruções a adotar em caso de perigo grave e iminente; c) As medidas de primeiros socorros, de combate a incêndios e de evacuação dos trabalhadores em caso de sinistro, bem como os trabalhadores ou serviços encarregues de as pôr em prática. * j) Os riscos para a segurança e saúde, bem como as medidas de proteção e de prevenção e a forma como se aplicam, quer em relação à atividade desenvolvida quer em relação à empresa, estabelecimento ou serviço;

4 II. Organização do Trabalho Locais de Trabalho

5 Portaria nº 987/93 de 06 de Outubro Estabelece as prescrições mínimas de segurança e saúde nos locais de trabalho Artigo 4º - Vias e saídas de emergência 5 As vias e as saídas de emergência devem estar sinalizadas de acordo com a legislação sobre sinalização de segurança em vigor. Artigo 5º 4 O material de combate contra incêndios deve ser objeto de sinalização de segurança de acordo com a legislação aplicável

6 Portaria nº 987/93 de 06 de Outubro Estabelece as prescrições mínimas de segurança e saúde nos locais de trabalho Artigo 10º 1 Os pavimentos dos locais de trabalho devem ser fixos estáveis antiderrapantes sem inclinações perigosas, saliências e cavidades Artigo 12º 3 As portas e portões de funcionamento mecânico não devem constituir fator de risco para os trabalhadores, devendo possuir dispositivos de paragem de emergência facilmente identificáveis e acessíveis. 8 As portas e os portões situados em vias de emergência devem ter sinalização adequada, ser de abertura fácil pela parte de dentro e poder manter-se abertos.

7 Portaria nº 987/93 de 06 de Outubro Estabelece as prescrições mínimas de segurança e saúde nos locais de trabalho Artigo 13º 8 Havendo zonas de perigo, provocado por queda de objetos, e quaisquer outros fatores de risco, as vias de circulação devem estar sinalizadas de forma bem visível, sendo o seu acesso apenas permitido a trabalhadores devidamente protegidos contra aqueles riscos. Artigo 14º As escadas e passadeiras rolantes devem estar equipadas com dispositivos de segurança e de paragem de emergência, acessíveis e facilmente identificáveis.

8 Portaria nº 987/93 de 06 de Outubro Estabelece as prescrições mínimas de segurança e saúde nos locais de trabalho Artigo 16º 5 Os locais de descanso devem ter uma zona destinada a fumadores Artigo 21º 2 As instalações de primeiros socorros devem ter os equipamentos e o material indispensáveis ao cumprimento das suas funções, permitir o acesso fácil a macas e ter sinalização de segurança, de acordo com a legislação aplicável. 3 Sem prejuízo do disposto no nº anterior, em todos os locais onde as condições de trabalho o justifiquem, deve existir material de primeiros socorros, de fácil acesso e devidamente sinalizado.

9 Decreto-Lei n.º 243/86 Regulamento Geral de Higiene e Segurança do Trabalho nos Estabelecimentos Comerciais de Escritórios e Serviços Artigo 24.º - Recipientes Os recipientes contendo substâncias perigosas devem ter: a) Um dístico ou sinal de "Perigo"; b) O nome da substância ou uma designação de referência; c) Na medida do possível, os conselhos essenciais relativos ao primeiro cuidado a administrar no caso de as substâncias em causa poderem afetar a saúde ou a integridade física dos trabalhadores. Ver mais à frente em Sinalização de recipientes e tubagens Artigo 36.º - Equipamento de extinção de incêndios 1 - Todos os locais de trabalho aos quais se aplica este Regulamento devem estar providos de equipamento adequado para a extinção de incêndios, em perfeito estado de funcionamento, situado em locais acessíveis e convenientemente assinalados. Ver mais à frente em Proteção contra Incêndios

10 Decreto-Lei n.º 243/86 Regulamento Geral de Higiene e Segurança do Trabalho nos Estabelecimentos Comerciais de Escritórios e Serviços Artigo 37.º - Instrução dos trabalhadores 2 - Nos locais em que haja ingresso público deverá ser fixado, de forma bem visível, o plano de evacuação do edifício, com sinalização adequada, em especial das saídas. A planta de emergência deve ser instalada ao nível da vista (cerca 1,6m desde o centro até ao solo) As plantas de emergência devem ser aplicadas junto das entradas/saídas do edifício, dos acessos ao piso (elevadores, escadas) e locais de elevada concentração de pessoas (refeitórios, pontos de informação, )

11 Portaria n.º 702/80 Aprova o Regulamento Geral de Segurança e Higiene do Trabalho nos Estabelecimentos Industriais (esta portaria complementa a Portaria 53/71 - Regulamento estabelecimentos industriais) Artigo Vias de passagem e saídas 1-Estas vias de circulação devem estar sinalizadas e ser dimensionadas tendo em atenção as distâncias a percorrer o número de utentes e o maior ou menor risco de incêndio ou de explosão não podendo a sua largura ser inferior a 1,20 m quando o número de utilizadores não ultrapasse cinquenta. Artigo Ocupação dos pavimentos 1-Os pavimentos não devem ser ocupados por máquinas, materiais ou mercadorias de forma a constituírem qualquer risco para os trabalhadores. 2-Quando existam razões de ordem técnica que não permitam a eliminação do risco referido no número anterior, devem os objetos suscetíveis de o ocasionar ser adequadamente sinalizados.

12 Portaria n.º 702/80 Aprova o Regulamento Geral de Segurança e Higiene do Trabalho nos Estabelecimentos Industriais (esta portaria complementa a Portaria 53/71 - Regulamento estabelecimentos industriais) Artigo 30.º - Meios de combate a incêndios 1-Os estabelecimentos industriais devem estar providos de equipamento adequado para a extinção de incêndios em perfeito estado de funcionamento o, situado em locais acessíveis e convenientemente assinalados, e dispor, durante os períodos normais de trabalho, de pessoal em numero suficiente e devidamente instruído no uso deste equipamento. Artigo A - Caixas de primeiros socorros Nos locais de trabalho onde,não haja serviços médicos do trabalho ou postos de primeiros socorros devem existir caixas de primeiros socorros devidamente assinaladas e criteriosamente colocadas contendo o material adequado.

13 Portaria nº 101/96 Prescrições mínimas de segurança e de saúde nos locais e postos de trabalho dos estaleiros temporários ou móveis. Artigo 5º - Vias e saídas de emergência 5 As vias e as saídas de emergência devem estar sinalizadas com suportes suficientemente resistentes, instalados em locais apropriados e de acordo com a legislação sobre sinalização de segurança. Ver mais à frente em Proteção contra Incêndios Portaria 1532/2008 (RTSCIE) Artigo 6º - Deteção e luta contra incêndios 5 O material de combate contra incêndios deve estar sinalizado de acordo com a legislação aplicável. Ver mais à frente em Proteção contra Incêndios Portaria 1532/2008 (RTSCIE) Artigo 18º - Portas e portões 9 As portas e os portões situados em vias de emergência devem abrir para o exterior, ter sinalização adequada, ser fáceis de abrir pela parte de dentro e poder manter-se abertos.

14 Portaria nº 101/96 Prescrições mínimas de segurança e de saúde nos locais e postos de trabalho dos estaleiros temporários ou móveis. Artigo 19º - Vias de circulação Zonas de perigo 5 As vias de circulação devem estar claramente sinalizadas, ter o traçado assinalado se a segurança dos trabalhadores o exigir e ser sujeitas a verificação e conservação adequadas. 6 As vias de circulação que conduzam a zonas de acesso limitado devem estar assinaladas de modo bem visível e equipadas com dispositivos que impeçam a entrada de trabalhadores não autorizados. Artigo 22º - Instalações de primeiros socorros 3 As instalações de primeiros socorros devem dispor de material e equipamentos indispensáveis ao cumprimento das suas funções, permitir o acesso a macas e estar devidamente sinalizadas, de acordo com a legislação aplicável. 4 Para além das instalações de primeiros socorros referidas no nº2, deve existir material de primeiros socorros, sinalizado e de fácil acesso, em todos os locais onde as condições de trabalho o exigirem.

15 Decreto n.º Regulamento de segurança no trabalho da construção civil Artigo 58.º A remoção de materiais como tijolos e detritos pesados será feita por meio de caleiras metálicas ou de madeira que obedeçam aos seguintes requisitos: d) Terem barreiras amovíveis junto da extremidade de descarga e um dístico com sinal de perigo.

16 Decreto-Lei n.º 162/90 Segurança e Higiene no Trabalho nas Minas e Pedreiras Artigo 8º - Sinalização As minas e demais explorações abrangidas pelo presente Regulamento devem adotar a sinalização de segurança prevista na legislação em vigor. Artigo 15º - Abastecimento de veículos a diesel 4 - Os locais de abastecimento de combustíveis devem reunir as seguintes condições: g) Ter afixados sinais de proibição de fumar. Artigo 55º - Circulação interdita Os trabalhos subterrâneos que justifiquem a interdição da circulação devem ser devidamente assinalados e vedados.

17 II. Organização do Trabalho Sinalização de Segurança

18 Decreto-Lei n.º 141/95 O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a Diretiva n.º 92/58/CEE, do Conselho, relativa às prescrições mínimas para a sinalização de segurança e de saúde no trabalho. Artigo 5. Obrigações do empregador 1 - O empregador deve garantir a existência de sinalização de segurança e de saúde no trabalho adequada, de acordo com as prescrições deste diploma, sempre que esses riscos não puderem ser evitados ou suficientemente diminuídos com meios técnicos de proteção coletiva ou com medidas, métodos ou processos de organização do trabalho. Artigo 6. - Sinalização permanente Têm carácter permanente: a) As placas de proibição, aviso e obrigação; b) As placas de localização e identificação dos meios de salvamento e de socorro; c) As placas e cores de segurança destinadas a localizar e a identificar o material e equipamento de combate a incêndios; d) As placas e cores de segurança destinadas a indicar o risco de choque contra obstáculos e a queda de pessoas; e) As placas e rotulagens de recipientes e tubagens; f) A marcação, com uma cor de segurança, de vias de circulação. Artigo 8. - Eficiência da sinalização 1 - O empregador deve garantir que a acessibilidade e a clareza da mensagem da sinalização de segurança e de saúde no trabalho não sejam afetadas pela sua má conceção, pelo número insuficiente, pela localização inadequada, pelo mau estado de conservação ou deficiente funcionamento dos seus dispositivos ou pela presença de outra sinalização ou de uma fonte emissora.

19 Portaria n.º 1456-A/95 Regulamenta as prescrições mínimas de colocação e utilização da sinalização de segurança e de saúde no trabalho 7.º - Sinalização de recipientes e tubagens 4 - A sinalização em recipientes e tubagens pode ser rígida, autocolante ou pintada e deve ser aplicada em sítios visíveis. 6 - Sem prejuízo do disposto neste número, a rotulagem aposta em tubagens deve incidir sobre os pontos de maior perigo, tais como válvulas e pontos de união, e ser repetida as vezes que for necessário. NP 182:1966 Instalação: a tubagem deve ser sinalizada com a cor identificativa do fluido canalizado. A cor respetiva deve ser aplicada em toda a extensão da tubagem ou em anéis com um comprimento nunca inferior a 150mm e distanciados de 6m no máximo

20 Portaria n.º 1456-A/95 Regulamenta as prescrições mínimas de colocação e utilização da sinalização de segurança e de saúde no trabalho 7.º - Sinalização de recipientes e tubagens 7 - As zonas, salas ou recintos utilizados para armazenagem de substâncias ou preparados perigosos devem ser assinalados por uma placa com um sinal de aviso apropriado, ( ) 8 - Quando o risco de um local de armazenagem de substâncias ou preparados perigosos não puder ser identificado por nenhum dos sinais de aviso específicos indicados no quadro II do anexo, deve o mesmo ser assinalado por meio de uma placa de aviso de «perigos vários». 9 - Nos locais de armazenagem de substâncias ou preparados perigosos, as placas devem ser colocadas junto da porta de acesso ou, se for caso disso, no interior do local, junto dos produtos que se pretende sinalizar.

21

22 Portaria n.º 1456-A/95 Regulamenta as prescrições mínimas de colocação e utilização da sinalização de segurança e de saúde no trabalho 9.º - Sinalização de obstáculos e locais perigosos 1 - A sinalização dos riscos de choque contra obstáculos, bem como de queda de objetos ou de pessoas no interior das zonas da empresa ou do estabelecimento a que o trabalhador tenha acesso no âmbito do seu trabalho, é feita com as cores amarela e negra alternadas, ou com as cores vermelha e branca alternadas.

23 Portaria n.º 1456-A/95 Regulamenta as prescrições mínimas de colocação e utilização da sinalização de segurança e de saúde no trabalho 10.º - Marcação das vias de circulação 1 - Quando a proteção dos trabalhadores o exija, as vias de circulação de veículos devem ser identificadas com faixas contínuas, indissociáveis do pavimento, as quais, para assegurar o contraste bem visível com a cor do pavimento, podem ser brancas ou amarelas.

24 Decreto-Lei 184/2012 A 8 de agosto de 2012, foi publicada a primeira alteração ao Decreto-Lei 188/2009 de 12 de agosto, através do Decreto-Lei 184/2012 que veio tornar obrigatória a instalação de equipamentos de DAE em determinados locais de acesso público, nomeadamente nos estabelecimentos comerciais de dimensão relevante. A instalação de DAE passa assim a ser obrigatória nos seguintes locais: Estabelecimentos de comércio a retalho, isoladamente considerados ou inseridos em conjuntos comerciais, que tenham uma área de venda igual ou superior a 2000 m²; Conjuntos comerciais que tenham uma área bruta locável (ABL) igual ou superior a 8000 m²; Aeroportos e Portos Comerciais; Estações ferroviárias, de metro e de camionagem, com fluxo médio diário superior a passageiros; Recintos desportivos, de lazer e de recreio, com lotação superior a 5000 pessoas.

25 III. Proteção Contra Incêndios

26 Portaria 1532/ RTSCIE

27 IV. Prevenção de Riscos Específicos Movimentação Manual de Cargas

28 Decreto-Lei nº 330/93 de 25 de Setembro Transpõe para a ordem jurídica interna a Diretiva n.º 90/269/CEE, do Conselho, de 29 de Maio, relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde na movimentação manual de cargas Artigo 8º 1 O empregador deve facultar aos trabalhadores expostos, assim como aos seus representantes na empresa ou no estabelecimento, informação sobre: a) Os riscos potenciais para a saúde derivados da incorreta movimentação manual de cargas

29 IV. Prevenção de Riscos Específicos Exposição ao Ruído

30 Decreto-Lei nº 182/2006 Relativa à prescrições mínimas de segurança e saúde em matéria de exposição dos trabalhadores aos riscos devidos ao ruído São revogados o Decreto-Lei nº72/92 e o Decreto Regulamentar nº 9/92 ambos de 28 de Abril Artigo 6.º - Redução da exposição 3 Nos locais de trabalho onde os trabalhadores possam estar expostos a níveis de ruído acima dos valores de ação superior, o empregador estabelece e aplica um programa de medidas técnicas e organizacionais que tenha em conta o disposto no número anterior. 4 Os locais de trabalho referidos no número anterior devem estar sinalizados de acordo com a legislação aplicável à sinalização de segurança e saúde e ser delimitados e o acesso aos mesmos ser restrito, sempre que seja tecnicamente possível e o risco de exposição o justifique.

31 IV. Prevenção de Riscos Específicos Agentes Químicos

32 Decreto-Lei nº 301/2000 Proteção dos trabalhadores contra os riscos ligados à exposição a agentes cancerígenos ou mutagénicos durante o trabalho. Artigo 6º - Redução dos riscos de exposição Nas situações em que sejam utilizados agentes cancerígenos ou mutagénicos, além dos procedimentos referidos no artigo 5º, o empregador deve aplicar conjuntamente as seguintes medidas: j) Delimitação das zonas de risco e utilização de adequada sinalização de segurança e de saúde, incluindo sinais de proibição de fumar em áreas onde haja risco de exposição a agentes cancerígenos ou mutagénicos; n) Meios seguros de recolha, armazenagem e evacuação dos resíduos pelos trabalhadores, incluindo a utilização de recipientes herméticos e rotulados de forma distinta, clara e visível de modo a não constituírem fonte de contaminação dos trabalhadores e dos locais de trabalho, que atendam às disposições legais sobre resíduos e proteção do ambiente.

33 Decreto-Lei nº 301/2000 Proteção dos trabalhadores contra os riscos ligados à exposição a agentes cancerígenos ou mutagénicos durante o trabalho. Artigo 7º - Medidas de higiene e proteção individual Impedir que os trabalhadores comam, bebam ou fumem nas zonas de trabalho onde haja risco de contaminação por agentes cancerígenos ou mutagénicos; Artigo 9º - Exposição imprevisível ou acidental d) Impedir que os trabalhadores não protegidos permaneçam na área afetada.

34 Decreto-Lei nº 301/2000 Proteção dos trabalhadores contra os riscos ligados à exposição a agentes cancerígenos ou mutagénicos durante o trabalho. Artigo 10º - Exposição regular ou previsível Tomar as medidas adequadas para que as zonas onde decorrem essas atividades sejam delimitadas e devidamente assinaladas e só tenham acesso a elas as pessoas autorizadas. Artigo 11º - Acesso às zonas de risco O empregador deve assegurar que o acesso às zonas onde decorrem atividades que apresentem risco seja limitado aos trabalhadores que nelas tenham de entrar por causa das suas funções. Artigo 14º - Informação dos trabalhadores 3 O empregador deve informar os trabalhadores sobre as instalações e armazenagens anexas que contenham agentes cancerígenos ou mutagénicos, assegurar que todos os recipientes e embalagens sejam rotulados de forma clara e legível e afixar sinais de perigo bem visíveis. Ver mais à frente em Classificação, rotulagem e embalagem de substâncias e misturas

35 Decreto-Lei nº 24/2012 Prescrições mínimas em matéria de proteção dos trabalhadores contra os riscos para a segurança e a saúde devido à exposição a agentes químicos no trabalho São revogados os seguintes diplomas: a) O Decreto -Lei n.º 274/89, de 21 de Agosto, alterado pela Lei n.º 113/99, de 3 de Agosto; b) O Decreto -Lei n.º 275/91, de 7 de Agosto, alterado pela Lei n.º 113/99, de 3 de Agosto; c) O Decreto -Lei n.º 290/2001, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto -Lei n.º 305/2007, de 24 de Agosto. Artigo 16º - Informação, consulta e formação dos trabalhadores 1 ( ) o empregador deve assegurar aos trabalhadores expostos aos riscos resultantes da presença de agentes químicos no local de trabalho, bem como aos seus representantes para a segurança e saúde no trabalho, a informação, a consulta e a formação, nos termos dos números seguintes. b) Os elementos disponíveis sobre os agentes químicos perigosos presentes no local de trabalho, nomeadamente a sua identificação, os riscos para a segurança e a saúde e os valores limite de exposição profissional e legislação específica aplicável; d) As precauções e medidas adequadas para os trabalhadores se protegerem no local de trabalho, incluindo as medidas de emergência respeitantes a agentes químicos perigosos; e) O conteúdo dos recipientes e das canalizações utilizados por agentes químicos perigosos, identificados de acordo com a legislação respeitante à classificação, embalagem e rotulagem das substâncias e misturas perigosas e à sinalização de segurança no local de trabalho; Ver mais à frente em Classificação, rotulagem e embalagem de substâncias e misturas

36 IV. Prevenção de Riscos Específicos Classificação, rotulagem e embalagem de substâncias e misturas

37 Regulamento (CE) Nº 1272/2008 e ADR CLP Classificação, rotulagem e embalagem de substâncias e misturas Com o presente regulamento, pretende-se uma harmonização a nível mundial das regras relativas à classificação e rotulagem aplicáveis ao fornecimento e utilização de substâncias e misturas, bem como ao seu transporte. Os pictogramas exemplificados são assim substituídos pelos novos símbolos em vigor. Pictogramas anteriores: Novos pictogramas:

38 IV. Prevenção de Riscos Específicos Agentes Biológicos

39 Decreto-Lei nº 84/97 Prescrições mínimas de proteção da segurança e da saúde dos trabalhadores contra os riscos da exposição a agentes biológicos durante o trabalho Artigo 9º - Redução dos riscos de exposição e) Utilização do sinal indicativo de perigo biológico, constante do anexo II, e de outra sinalização apropriada, de acordo com a sinalização de segurança em vigor;

40 IV. Prevenção de Riscos Específicos Atmosferas Potencialmente Explosivas

41 Decreto-Lei nº 236/ ATEX Prescrições mínimas destinadas a promover a melhoria da proteção da segurança e da saúde dos trabalhadores suscetíveis de exposição a riscos derivados de atmosferas explosivas no local de trabalho. Artigo 8º - Áreas onde se podem formar atmosferas explosivas Nas áreas onde se possam formar atmosferas explosivas o empregador deve: c) Sinalizar os respetivos locais de acesso, de acordo com o anexo, se houver nessas atmosferas concentrações suscetíveis de constituir um risco para a segurança e saúde dos trabalhadores.

42 IV. Prevenção de Riscos Específicos Acidentes pessoais produzidos por correntes elétricas

43 IV. Prevenção de Riscos Específicos Amianto

44 Decreto-Lei nº 101/2005 e Regulamento (CE) Nº 1907/ REACH Relativa à limitação da colocação no mercado e da utilização de algumas substâncias e preparações perigosas Sem prejuízo da aplicação de outras disposições relativas à classificação, embalagem ou rotulagem de substâncias e preparações perigosas, só será autorizada a colocação no mercado e a utilização do crisótilo e dos produtos que o contenham se eles ou a sua embalagem ostentarem um rótulo com as disposições do anexo III do presente diploma, do qual faz parte integrante. Nota: Para saber mais sobre amianto consultar também o DL 266/2007 (ver ponto 1 do anexo) e a Lei 2/2011

45 Portaria n.º 37/70 Instruções para os primeiros socorros em acidentes pessoais produzidos por correntes elétricas

46 IV. Prevenção de Riscos Específicos Armazenagem e Transporte de Mercadorias Perigosas

47 Decreto-Lei n.º 41 - A /2010 Armazenagem e Transporte de Mercadorias Perigosas Classe 1 - Explosivos Classe 2 - Gases

48 Decreto-Lei n.º 41 - A /2010 Armazenagem e Transporte de Mercadorias Perigosas Classe 3 Líquidos inflamáveis Classe 4 Sólidos inflamáveis, substâncias sujeitas a combustão espontânea e substâncias que, em contacto com a água, emitem gases inflamáveis Classe 5 Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos

49 Decreto-Lei n.º 41 - A /2010 Armazenagem e Transporte de Mercadorias Perigosas Classe 6 Substâncias tóxicas (venenosas) e substâncias infetantes Classe 7 Materiais radioativos Classe 8 Corrosivos

50 Decreto-Lei n.º 41 - A /2010 Armazenagem e Transporte de Mercadorias Perigosas Classe 9 Substâncias perigosas diversas Matérias transportadas a quente Matéria perigosa para o ambiente Sinal destinado a embalagens ou transporte de matéria perigosa para o ambiente Este sinal deve ser conjugado com a identificação do tipo e classe de risco, nos casos aplicáveis. Quando utilizado para o transporte de mercadorias, deverá ser colocado nas partes laterais e traseira do veículo.

51 IV. Prevenção de Riscos Específicos Equipamentos de trabalho

52 Decreto-Lei nº 50/2005 de 25 de Fevereiro Prescrições mínimas de segurança e de saúde para a utilização pelos trabalhadores de equipamentos de trabalho Artigo 8º - Informação dos trabalhadores 1 O empregador deve prestar aos trabalhadores e seus representantes para a segurança, higiene e saúde no trabalho a informação adequada sobre os equipamentos de trabalho utilizados. 2 A informação deve ser facilmente compreensível, escrita, se necessário, e conter, pelo menos, indicações sobre: a) Condições de utilização dos equipamentos; b) Situações anormais previsíveis; c) Conclusões a retirar da experiência eventualmente adquirida com a utilização dos equipamentos; d) Riscos para os trabalhadores decorrentes de equipamentos de trabalho existentes no ambiente de trabalho ou de alterações dos mesmos que possam afetar os trabalhadores, ainda que não os utilizem diretamente.

53 Decreto-Lei nº 50/2005 de 25 de Fevereiro Prescrições mínimas de segurança e de saúde para a utilização pelos trabalhadores de equipamentos de trabalho Artigo 13º - Paragem do equipamento 1 O equipamento de trabalho deve estar provido de um sistema de comando que permita a sua paragem geral em condições de segurança, bem como de um dispositivo de paragem de emergência se for necessário em função dos perigos inerentes ao equipamento e ao tempo normal de paragem.

54 Decreto-Lei nº 50/2005 de 25 de Fevereiro Prescrições mínimas de segurança e de saúde para a utilização pelos trabalhadores de equipamentos de trabalho Artigo 16º - Riscos de contacto mecânico 1 Os elementos móveis de um equipamento de trabalho que possam causar acidentes por contacto mecânico devem dispor de protetores que impeçam o acesso às zonas perigosas ou de dispositivos que interrompam o movimento dos elementos móveis antes do acesso a essas zonas. Artigo 17º - Iluminação e temperatura 2 As partes de um equipamento de trabalho que atinjam temperaturas elevadas ou muito baixas devem, se necessário, dispor de uma proteção contra os riscos de contacto ou de proximidade por parte dos trabalhadores.

55 Decreto-Lei nº 50/2005 de 25 de Fevereiro Prescrições mínimas de segurança e de saúde para a utilização pelos trabalhadores de equipamentos de trabalho Artigo 20º - Riscos elétricos, de incêndio e explosão Os equipamentos de trabalho devem: a) Proteger os trabalhadores expostos contra os riscos de contacto direto ou indireto com a eletricidade;

56 Decreto-Lei nº 50/2005 de 25 de Fevereiro Prescrições mínimas de segurança e de saúde para a utilização pelos trabalhadores de equipamentos de trabalho b) Proteger os trabalhadores contra os riscos de incêndio, sobreaquecimento ou libertação de gases, poeiras, líquidos, vapores ou outras substâncias por eles produzidas ou neles utilizadas ou armazenadas; c) Prevenir os riscos de explosão dos equipamentos ou de substâncias por eles produzidas ou neles utilizadas ou armazenadas.

57 Decreto-Lei nº 50/2005 de 25 de Fevereiro Prescrições mínimas de segurança e de saúde para a utilização pelos trabalhadores de equipamentos de trabalho Artigo 22º - Sinalização de segurança Os equipamentos de trabalho devem estar devidamente sinalizados com avisos ou outra sinalização indispensável para garantir a segurança dos trabalhadores.

58 Decreto-Lei nº 50/2005 de 25 de Fevereiro Prescrições mínimas de segurança e de saúde para a utilização pelos trabalhadores de equipamentos de trabalho Artigo 23º - Equipamentos que transportem trabalhadores e riscos de capotamento 1 Os equipamentos de trabalho que transportem um ou mais trabalhadores devem ser adaptados de forma a reduzir os riscos para os trabalhadores durante a deslocação, nomeadamente o risco de contacto dos trabalhadores com as rodas ou as lagartas ou o seu entalamento por essas peças. Requisitos complementares dos equipamentos de elevação de cargas Artigo 27º - Instalação Os equipamentos de trabalho de elevação de cargas que estejam instalados permanentemente devem: a) Manter a solidez e estabilidade durante a sua utilização, tendo em conta as cargas a elevar e as forças exercidas nos pontos de suspensão ou de fixação às estruturas; b) Ser instalados de modo a reduzir o risco de as cargas colidirem com os trabalhadores, balancearem perigosamente, bascularem, caírem ou de se soltarem involuntariamente.

59 Decreto-Lei nº 50/2005 de 25 de Fevereiro Prescrições mínimas de segurança e de saúde para a utilização pelos trabalhadores de equipamentos de trabalho Artigo 28º - Sinalização e marcação 3 Se o equipamento de trabalho não se destinará à elevação de trabalhadores, deve ter aposta, de forma visível, uma sinalização de proibição adequada. Artigo 29º - Equipamentos de elevação ou transporte de trabalhadores 1 Os equipamentos de trabalho de elevação ou transporte de trabalhadores devem permitir: a) Evitar os riscos de queda do habitáculo, se este existir, por meio de dispositivos adequados; b) Evitar os riscos de queda do utilizador para fora do habitáculo, se este existir; c) Evitar os riscos de esmagamento, entalamento ou colisão do utilizador, nomeadamente os devidos a contacto fortuito com objetos; d) Garantir a segurança dos trabalhadores bloqueados em caso de acidente no habitáculo e possibilitar a sua evacuação com segurança.

60 Decreto-Lei nº 50/2005 de 25 de Fevereiro Prescrições mínimas de segurança e de saúde para a utilização pelos trabalhadores de equipamentos de trabalho Regras de utilização dos equipamentos de trabalho Artigo 32º - Utilização de equipamentos móveis 1 Os equipamentos de trabalho automotores só podem ser conduzidos por trabalhadores devidamente habilitados. Artigo 33º - Equipamentos de trabalho de elevação de cargas 4 É proibida a presença de trabalhadores sob cargas suspensas ou a deslocação de cargas suspensas por cima de locais de trabalho não protegidos e habitualmente ocupados por trabalhadores, exceto se a boa execução dos trabalhos não puder ser assegurada de outra forma e se forem adotadas as medidas de proteção adequadas.

61 Decreto-Lei nº 50/2005 de 25 de Fevereiro Prescrições mínimas de segurança e de saúde para a utilização pelos trabalhadores de equipamentos de trabalho Artigo 39º - Utilização de técnicas de acesso e de posicionamento por cordas 2 A utilização das técnicas de acesso e de posicionamento por meio de cordas deve respeitar as seguintes condições: b) O trabalhador deve utilizar arneses adequados através dos quais esteja ligado à corda de segurança; Artigo 42º - Plataformas do andaime 4 As partes do andaime que não estejam prontas a ser utilizadas, nomeadamente durante a montagem, desmontagem ou reconversão do andaime, devem ser assinaladas por meio de sinalização de segurança e saúde no trabalho, nos termos da legislação aplicável, e convenientemente delimitadas de modo a impedir o acesso à zona de perigo.

62 Decreto-Lei nº 103/2008 ANEXO I - Requisitos essenciais de saúde e de segurança relativos à conceção e ao fabrico de máquinas Sinalização, sinais e avisos. Cada máquina deve estar equipada com meios de sinalização e ou placas de instruções relativos à utilização, regulação e manutenção, sempre que tal seja necessário para garantir a saúde e a segurança das pessoas. Tais meios devem ser escolhidos, concebidos e realizados de modo a serem claramente visíveis e indeléveis.

63 IV. Prevenção de Riscos Específicos Exposições Radiológicas Médicas

64 Decreto-Lei nº 180/2002 Normas relativas à proteção da saúde das pessoas contra os perigos resultantes das radiações ionizantes em exposições radiológicas médicas Artigo 53º - Sistemas de segurança e de sinalização Tanto a sala de tratamentos como a zona de acesso devem ser projetadas com dispositivos de segurança e de sinalização adequados à prevenção da ocorrência de exposições acidentais. 2 Na sala de tratamentos deve existir: a) Um sistema de emergência de abertura de porta; b) Um sinalizador luminoso de emissão de radiação; c) Interruptores de emergência, em número de dois ou três, montados em locais de fácil e rápido acesso, os quais, quando acionados, deverão impedir qualquer operação do equipamento.

65 Decreto-Lei nº 180/2002 Normas relativas à proteção da saúde das pessoas contra os perigos resultantes das radiações ionizantes em exposições radiológicas médicas Artigo 73º - Requisitos específicos das instalações 2 Instalações elétricas: a) Deve existir um quadro principal junto da entrada das instalações, devendo estar devidamente sinalizado; 3 Sistema de extinção de incêndios: b) Devem ser montados extintores de CO2 em cada laboratório e nos corredores à distância máxima de 15 m da entrada de cada laboratório; c) Deve existir um sistema automático de deteção de incêndios

66 Decreto-Lei n.º 222/2008 Fixa as normas de segurança de base relativas à proteção sanitária da população e dos trabalhadores contra os perigos resultantes das radiações ionizantes. Artigo 12º - Monitorização dos locais de trabalho 4 Às zonas controladas, aplicam -se os seguintes requisitos: f) Deve haver sinalização indicativa do tipo de área, da natureza das fontes de radiação presentes, e dos riscos que lhes são inerentes. 5 Às zonas vigiadas, aplicam -se os seguintes requisitos: b) Se for considerado adequado, deve haver sinalização indicativa do tipo de área, da natureza das fontes de radiação presentes, e dos riscos que lhes são inerentes.

67 IV. Prevenção de Riscos Específicos Armazenagem de Gases de Petróleo Liquefeitos (GPL)

68 Portaria n.º 460/2001 Segurança das Instalações de Armazenagem de Gases de Petróleo Liquefeitos (GPL) com Capacidades até 200 m3 por Recipiente Artigo 6º - Requisitos das cabinas As cabinas devem cumprir os seguintes requisitos: f) Serem identificadas com a palavra «Gás» em caracteres indeléveis e com os sinais de proibição de fumar ou foguear; Artigo 9º - Extintores Nos postos de garrafas com capacidade superior a 330 dm 3 ou na sua proximidade imediata, em local devidamente assinalado, deve existir pelo menos um extintor de 6 kg de pó químico, tipo ABC.

69 Portaria n.º 460/2001 Segurança das Instalações de Armazenagem de Gases de Petróleo Liquefeitos (GPL) com Capacidades até 200 m3 por Recipiente Artigo 38º - Sinalização Nos limites da área vedada devem ser afixadas em lugar visível, junto aos acessos e, se possível, em lados opostos da vedação, pelo menos, duas placas com a sinalização «Proibição de fumar ou foguear», com as características estabelecidas na portaria que regulamenta as prescrições mínimas de colocação e utilização da sinalização de segurança e de saúde no trabalho.

70 IV. Prevenção de Riscos Específicos Armazenagem de Gás Natural Liquefeito (GNL)

71 Portaria n.º 568/2000 Segurança das Instalações de Armazenagem de Gás Natural Liquefeito em Reservatórios Criogénicos sob Pressão, designadas por Unidades Autónoma de GNL Artigo 22º - Sinalização 1 - Nos limites da área vedada, no seu interior e junto aos acessos às instalações, devem ser afixadas, se possível em lados opostos da vedação, pelo menos duas placas com a sinalização de «Proibição de fumar ou foguear», com as características estabelecidas na portaria que regulamenta as prescrições mínimas de colocação e utilização da sinalização de segurança e de saúde no trabalho.

72 IV. Prevenção de Riscos Específicos Parques de garrafas de Gases de Petróleo Liquefeitos (GPL)

73 Portaria n.º 451/2001 Estabelece as condições de segurança a que devem obedecer a construção, a exploração e a manutenção das instalações dos parques de armazenagem de garrafas de GPL Artigo 16º - Sinalização e extintores 1 Nas vedações dos parques, ou nas suas proximidades imediatas, devem existir, em lugar bem visível, junto aos acessos e colocadas se possível em lados opostos, pelo menos duas placas de sinalização especial de segurança, nomeadamente o sinal de «Proibido fumar ou foguear», com as características fixadas na portaria que regulamenta as prescrições mínimas de colocação e utilização da sinalização de segurança e saúde no trabalho. Artigo 16º - Sinalização e extintores 2 Nos parques, ou nas suas proximidades imediatas, em local devidamente assinalado, devem existir pelo menos dois extintores de pó químico do tipo A, B, C, de 6 kg cada, na proporção de um extintor por cada 100 m2 de área, do recinto do parque, destinada à arrumação das garrafas.

74 IV. Prevenção de Riscos Específicos Sistemas Públicos de Distribuição de Água e de Drenagem de Águas Residuais

75 Portaria n.º 762/2002 Regulamento de segurança, higiene e saúde no trabalho na exploração dos sistemas públicos de distribuição de água e de drenagem de águas residuais. Artigo 6º - Gases e vapores perigosos 7 Nos locais de trabalho que apresentem riscos de incêndio ou explosão, é proibido foguear ou acionar dispositivos elétricos e eletrónicos não específicos das instalações, devendo esses locais ser devidamente sinalizados. Artigo 11º - Captações de água 6 Os poços, incluindo os que se encontrem fora de serviço ou abandonados, devem estar providos de resguardo periférico ou de cobertura e de sinalização alertando para o tipo de perigo que constituem

76 Portaria n.º 762/2002 Regulamento de segurança, higiene e saúde no trabalho na exploração dos sistemas públicos de distribuição de água e de drenagem de águas residuais. Artigo 13º - Instalações laboratoriais de apoio ao tratamento 1 Nas instalações laboratoriais de apoio ao tratamento, devem ser garantidas as seguintes condições: f) Existência de lava-olhos ou de chuveiros de emergência instalados em locais acessíveis e devidamente sinalizados; Artigo 16º - Abertura e fechamento de valas 2 Os trabalhadores devem usar capacete de proteção e, quando necessário, protetores auriculares, óculos protetores, luvas apropriadas e botas de cano alto com biqueiras reforçadas, nomeadamente em trabalhos com martelos pneumáticos e outras ferramentas mecânicas.

77 Portaria n.º 762/2002 Regulamento de segurança, higiene e saúde no trabalho na exploração dos sistemas públicos de distribuição de água e de drenagem de águas residuais. Artigo 19º - Observação, manutenção e conservação de coletores de águas residuais 11 Quando sejam retiradas as tampas das câmaras de visita, devem usar-se meios de sinalização e proteção adequados a peões, a veículos e aos próprios trabalhadores

78 Portaria n.º 762/2002 Regulamento de segurança, higiene e saúde no trabalho na exploração dos sistemas públicos de distribuição de água e de drenagem de águas residuais. Artigo 20º - Obrigações da entidade gestora 2 A entidade gestora deve assegurar que os locais de trabalho, consoante os equipamentos e as características físicas e químicas dos materiais e substâncias neles existentes, bem como o número máximo de pessoas que neles possa encontrar-se, estejam equipados com adequados meios de deteção e combate de incêndios, em perfeito estado de funcionamento e sinalizados de acordo com o previsto no Decreto-Lei nº 141/95, de 14 de Junho, e na Portaria nº1456-a/95, de 11 de Dezembro. Consultar Encarte resumo da Portaria 1532/ RTSCIE 3 A entidade gestora deve garantir, quer em viaturas afetas à exploração, quer em locais de risco elevado, a existência de meios e materiais de primeiros socorros, devidamente sinalizados, bem como promover ações de formação que capacitem os trabalhadores para ministrar primeiros socorros.

Sinalização de Segurança e Saúde

Sinalização de Segurança e Saúde 1) Introdução No mundo do trabalho, a sinalização desempenha um papel importante como forma de informar os trabalhadores dos vários riscos inerentes às suas atividades, conduzindoos a atitudes preventivas

Leia mais

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos Verificação de Segurança de Equipamentos Na Presença do técnico de SHT e do Gestor da Qualidade e/ou um representante da Gerência serão verificados os equipamentos anualmente conforme o DL50/05 e deverá

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito DATA: 14 de Junho de 1995 EMISSOR: MINISTÉRIO DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.º 141/95 SUMÁRIO: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 92/58/CEE, do Conselho,

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho Sinalização de Segurança As cores na segurança do trabalho Funções das cores na segurança Prevenção de Acidentes; Identificar os equipamentos de segurança; Delimitando áreas; Identificação de Tubulações

Leia mais

Sinalização de Segurança

Sinalização de Segurança Allianz Portugal. S.A. Portugal tel : +351 213 165 300 fax: +351 213 578 140 info@allianz.pt www.allianz.pt Sinalização de Segurança Direcção Negócio Empresa http://empresas.allianz.pt/riscos/brochuras.html

Leia mais

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO A execução de trabalhos em altura expõe os trabalhadores a riscos elevados,

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA SINAIS DE PROIBIÇÃO Características intrínsecas: Forma redonda; Pictograma negro sobre fundo branco, margem e faixa (diagonal descendente da esquerda para a direita, ao longo do

Leia mais

1766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 40 25 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO

1766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 40 25 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO 1766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 40 25 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO Decreto-Lei n. o 50/2005 de 25 de Fevereiro O Decreto-Lei n. o 82/99, de 16 de Março,

Leia mais

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes RISCO Consideram-se Risco de Trabalho todas as situações, reais ou potenciais, suscetíveis de a curto, médio ou longo prazo, causarem lesões aos trabalhadores ou à comunidade, em resultado do trabalho.

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 5. Sinalização de Segurança. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 5. Sinalização de Segurança. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 5 Sinalização de Segurança Formadora - Magda Sousa SINALIZAÇÃO A sinalização é a técnica que administra uma indicação relativa à segurança

Leia mais

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem.

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora NR tem por objetivo fixar as

Leia mais

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho 1 1. A campanha MET 2. Aquisição de máquinas seguras 3. Utilização de equipamentos de trabalho bem adaptados 4. Locais de trabalho

Leia mais

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1.

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO A sinalização de segurança tem por objectivo chamar a atenção

Leia mais

Prescrições mínimas de segurança e saúde

Prescrições mínimas de segurança e saúde Prescrições mínimas de segurança e saúde Decreto-Lei n.º 82/99, de 16 de Março O Decreto-Lei n.º 331/93, de 25 de Setembro, transpôs para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 89/655/CEE, do Conselho,

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO

ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO 1. Objetivo do Regulamento O presente Regulamento, em reforço das exigências

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/12 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/12 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA OBJETIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE, apresentando soluções disponíveis de possível aplicação.

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito. FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA DE ALCANCE VARIÁVEL Fonte: ACT FUNÇÃO Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Leia mais

REGULAMENTO. Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações

REGULAMENTO. Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=270982 Deliberação de 5.3.2008 REGULAMENTO Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações As estações de radiocomunicações

Leia mais

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras.

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras. Recepção de matérias primas Após a chegada das matérias primas à fábrica, estas são transportadas para o armazém através do empilhador, porta paletes ou através de transporte manual. Armazenamento Todas

Leia mais

Examen de teste: Segurança Básica (BE)

Examen de teste: Segurança Básica (BE) Examen de teste: Segurança Básica (BE) Série: Examen de teste (BE) Leia atentamente as instruções apresentadas abaixo! Este exame é constituído por 40 perguntas de escolha múltipla. A seguir a cada pergunta

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

26.1 Cor na segurança do trabalho. 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: 26.1.5.2 Vermelho. (126.003-0 / I 2 )

26.1 Cor na segurança do trabalho. 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: 26.1.5.2 Vermelho. (126.003-0 / I 2 ) 26.1 Cor na segurança do trabalho. NR 26 - Sinalização de Segurança (126-000-6) 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora - NR tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais de trabalho para prevenção

Leia mais

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA ANDAIMES

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA ANDAIMES FICHA DE SEGURANÇA ANDAIMES Legenda: 1. Nivelador da base de apoio; 2. Prumos verticais; 3. Prumo de ligação; 4. Barras horizontais; 5. Barras diagonais; 6. Plataforma (prancha) - elemento concebido para

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE. N. o 63 16-3-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE. N. o 63 16-3-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 1457 Artigo 4. o O anexo VII da Portaria n. o 1281/97, de 31 de Dezembro, é alterado nos termos seguintes: a) Primeira parte: é acrescentado o número de ordem seguinte: a b c d e 12 Metoxicinamato de octilo

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR) Acompanhante

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS 23.1 Disposições gerais. 23.1.1 Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do

Leia mais

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos IMPLEMENTAÇÂO DO DECRETO LEI 173/2005 Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos Algumas orientações para a construção e beneficiação das instalações bem como para o armazenamento de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 2258 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto executivo n.º 130/04: Cria a Escola Primária denominada Escola Nova do Sambizanga do Zango, sita no Município de Viana, Província de Luanda. Decreto executivo n.º 131/04:

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013)

Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013) 1 Lista de Controlo de Legislação Aplicável Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013) 1. LEGISLAÇÃO 1.1. Código do Trabalho Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho - Regulamenta a Lei n.º

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

ADENDO SES DF ADMINISTRATIVO CONHECIMENTOS BÁSICOS TODOS OS CARGOS TÉCNICO EM ENFERMAGEM PROF.: BRUNO LACERDA DE CARVALHO

ADENDO SES DF ADMINISTRATIVO CONHECIMENTOS BÁSICOS TODOS OS CARGOS TÉCNICO EM ENFERMAGEM PROF.: BRUNO LACERDA DE CARVALHO ADENDO SES DF ADMINISTRATIVO CONHECIMENTOS BÁSICOS TODOS OS CARGOS TÉCNICO EM ENFERMAGEM PROF.: BRUNO LACERDA DE CARVALHO CÓDIGOS E SÍMBOLOS ESPECÍFICOS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SINALIZAÇÃO DE

Leia mais

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho 1. Uma autorização de trabalho é um documento: a) que tem de promover a concertação entre todos os que tenham a ver com o trabalho. b) em que vêm estipuladas as condições relativas à maneira de trabalhar

Leia mais

Lista das frases de risco e de segurança

Lista das frases de risco e de segurança Lista das frases de risco e de segurança FRASES DE RISCO R1 : Explosivo no estado seco. R2 : Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição. R3 : Grande risco de explosão por choque,

Leia mais

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1 Cor na Segurança do Trabalho. 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora (NR) tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais

Leia mais

A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35

A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35 A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35 1. Análise de riscos 2. Ferramentas de uso comum 3. Máquinas e ferramentas pneumáticas 4. Pedras de esmeril 5. Máquinas ferramenta 6. Escadas portáteis 7.

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança BOAS PRÁTICAS PREVENTIVAS PORTUCEL - Fábrica de Cacia Paula Lima (Técnico Sup. HST) 100505PL1P 1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança ENQUADRAMENTO LEGAL Ver em pormenor no Artº 98º da DL

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Portaria n.º 451/2001. de 5 de Maio

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Portaria n.º 451/2001. de 5 de Maio MINISTÉRIO DA ECONOMIA Portaria n.º 451/2001 de 5 de Maio Considerando que pelo Decreto-Lei n.º 124/97, de 23 de Maio, foram fixadas as disposições respeitantes à aprovação dos Regulamentos de Segurança

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio;

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio; 3.1 Disposições gerais. 3.1.1 Todas as empresas deverão possuir: NR 3 - Proteção Contra Incêndios (13.000-0) a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço,

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DESENTUPIDOR DE TUBAGEM LINHA PROFISSIONAL

FICHA DE SEGURANÇA DESENTUPIDOR DE TUBAGEM LINHA PROFISSIONAL Ficha de Segurança de acordo com Regulamento (CE) nº 1907/2006 (REACH). Classificação e Rotulagem de acordo com Regulamento para a Classificação, Embalagem e Rotulagem de Preparações perigosas. 1. Identificação

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 1

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 1 Página : 1 T : Tóxico F+ : Extremamente Etiqueta 2.1 : Gás inflamável inflamável. 1 IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Designação Comercial : N Ficha de Segurança : Uso : Esterilização

Leia mais

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Sinalização Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Materiais VINIL AUTO-ADESIVO PVC / PS Utilizado em ambientes internos e externos. Pode ser confeccionado com

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010)

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006 - REACH) Versão 5.1 (19/12/2012) - Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 21/10/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Referência

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. 1. Quadro legislativo relativo às máquinas e aos equipamentos de trabalho

SEGURANÇA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. 1. Quadro legislativo relativo às máquinas e aos equipamentos de trabalho SEGURANÇA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 1. Quadro legislativo relativo às máquinas e aos equipamentos de trabalho As questões da segurança de máquinas colocam-se com grande acuidade em dois planos: No plano

Leia mais

Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins. Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT.

Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins. Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT. Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT. AGROTÓXICOS DEFINIÇÃO: Agrotóxicos são produtos químicos utilizados para combater

Leia mais

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO DESCRIÇÃO: 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: - vermelho; - amarelo; - branco; - preto; - azul; - verde; - laranja; - púrpura;

Leia mais

Guias práticos EXPOSIÇÃO A AGENTES QUÍMICOS

Guias práticos EXPOSIÇÃO A AGENTES QUÍMICOS Guias práticos EXPOSIÇÃO A AGENTES QUÍMICOS Catalogação Recomendada Exposição a agentes químicos/alice Rodrigues [et al.]. Lisboa: ACT, 2014. 16 p.; 30 cm Semana Europeia / Substâncias perigosas / Produtos

Leia mais

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS Fonte: Acedido em http://saudeambiental13.blogspot.pt/ julho 2014 Legenda: 1. Chassis; 2. Contrapeso; 3. Eixo motriz; 4. Eixo de direção; 5. Mastro (que serve

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMINOL P 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMINOL P Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

31995L0063. Página Web 1 de 7. Jornal Oficial nº L 335 de 30/12/1995 p. 0028-0036

31995L0063. Página Web 1 de 7. Jornal Oficial nº L 335 de 30/12/1995 p. 0028-0036 Página Web 1 de 7 Avis juridique important 31995L0063 Directiva 95/63/CE do Conselho, de 5 de Dezembro de 1995, que altera a Directiva 89/655/CEE, relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS

REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES.Nº 72/98 REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 91/93,

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

RISCOS ESPECIAIS. Obra:" Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra

RISCOS ESPECIAIS. Obra: Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra Escavação/Abertura de valas Factores de risco - Invasão do espaço do estaleiro por veículos rodoviários - Danificação das paredes da vala devido às cargas exercidas pela passagem dos veículos rodoviários

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

Regulamento de Segurança das Instalações de Armazenagem de Gases de Petróleo Liquefeitos (GPL) com Capacidade até 200 m3 por Recipiente.

Regulamento de Segurança das Instalações de Armazenagem de Gases de Petróleo Liquefeitos (GPL) com Capacidade até 200 m3 por Recipiente. DATA : Terça-feira, 8 de Maio de 2001 NÚMERO : 106 SÉRIE I-B EMISSOR : Ministério da Economia DIPLOMA/ACTO : Portaria n.º 460/2001 SUMÁRIO : Aprova o Regulamento de Segurança das Instalações de Armazenagem

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E SHST. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança

GESTÃO AMBIENTAL E SHST. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança Regras de Qualidade, mbiente 1 / 7 provação: I. OBJECTIVO E ÂMBITO Este documento estabelece as regras da Qualidade, mbiente aplicáveis a entidades externas, que venham a desenvolver actividades dentro

Leia mais

SIMBOLOGIA GRÁFICA PARA PLANTAS DE SCIE

SIMBOLOGIA GRÁFICA PARA PLANTAS DE SCIE OBJETIVO Listar os símbolos gráficos a utilizar nos projetos e planos de Segurança Contra Incêndios (SCIE) a que se refere o Regime Jurídico de SCIE (n.º 1 do artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008, de

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS NR 3 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS 3. Disposições gerais. 3.. Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de

Leia mais