Normas de Transporte e Armazenagem de Produtos Fitofarmacêuticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Normas de Transporte e Armazenagem de Produtos Fitofarmacêuticos"

Transcrição

1 Normas de Transporte e Armazenagem de Produtos Fitofarmacêuticos I. TRANSPORTE Pelas suas propriedades e características específicas, grande parte dos Produtos Fitofarmacêuticos são considerados como mercadorias perigosas para efeito de transporte, uma vez que em caso de acidente podem provocar danos a seres humanos, animais, bens e meio ambiente, pelo que se encontram sujeitos a regras de segurança específicas. As regras básicas de segurança a observar no transporte dos Produtos Fitofarmacêuticos, aplicam-se a todos os tipos de transportes, mas como o meio mais utilizado entre nós é o Rodoviário, apresentamos somente as normas a observar no transporte por estrada. O transporte rodoviário nacional dos produtos fitofarmacêuticos classificados como mercadorias perigosas encontra-se regulamentado pelo disposto no Regulamento Nacional do Transporte de Mercadorias Perigosas por Estrada RPE. No transporte rodoviário internacional aplica-se o Acordo Europeu Relativo ao Transporte Internacional de Mercadorias Perigosas por Estrada - ADR. O transporte rodoviário de Produtos Fitofarmacêuticos deve assim obedecer não só às normas do Código de Estrada, como também às normas do ADR/RPE. Para efeitos de transporte rodoviário, uma mercadoria é considerada perigosa quando está abrangida pelos critérios de classificação fixados nos anexos técnicos do ADR/RPE. Apresentamos de seguida um conjunto das prescrições mais importantes que os intervenientes nas operações de transporte rodoviário de produtos fitofarmacêuticos deverão seguir, de forma a garantirem o cumprimento das normas de prevenção e segurança em vigor, não sendo, no entanto, dispensável a consulta do próprio ADR/RPE, designadamente das Partes 1 e 3. Para mais informações sobre a legislação ADR/RPE recomenda-se a consulta ao site do IMTT (www.imtt.pt). 1. Medidas gerais de segurança 1.1. Cuidados na expedição e transporte separar estes produtos de passageiros, animais e géneros alimentícios ou qualquer outro material destinado a uso de pessoas ou animais; nunca transportar estas mercadorias na cabina do condutor; utilizar preferencialmente viaturas que possuam a cabina isolada da caixa de carga; verificar sempre se a zona de carga se encontra limpa, seca e em bom estado de conservação; carregar e descarregar as embalagens com cuidado, tendo sempre em atenção as marcas de perigo afixadas nas mesmas; proteger as embalagens frágeis ou susceptíveis de ruptura, com material apropriado para evitar a sua destruição; distribuir a carga segundo as características dos produtos transportados, colocando os produtos pesados (líquidos em tambores, bilhas, baldes, etc.) em baixo, com as tampas e/ou fechos para cima e os produtos mais leves em cima; desligar sempre o motor da viatura durante as operações de carga e descarga e não fumar nas proximidades; Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 1/14

2 escolher sempre que possível estradas em bom estado e evitar passar pelo centro de aglomerados populacionais, pontes e túneis; nunca abandonar a viatura na via pública; respeitar os sinais de trânsito que proíbem a circulação de veículos que transportam mercadorias perigosas; após o transporte, limpar sempre o veículo e, no caso de ter existido algum derrame, proceder à sua descontaminação antes de o utilizar noutro serviço; os veículos utilizados nestes transportes devem ser submetidos a inspecções de verificação com regularidade; usar sempre o equipamento de protecção individual adequado ao tipo de produto(s) manuseado(s) Medidas em caso de acidente tentar afastar o veículo para fora de aglomerados populacionais; eliminar os riscos de fogo, cortando todas as fontes de ignição - motores, circuitos eléctricos, cigarros e outros, afastar as pessoas curiosas e os animais, sinalizar o local e estabelecer um cordão de segurança; alertar imediatamente os Bombeiros e as autoridades policiais, marcando 112; prevenir a empresa expedidora; actuar a favor do vento Medidas em caso fuga ou derrame sem fogo tentar afastar o veículo para fora de aglomerados populacionais e onde se possa impedir o escoamento do produto para esgotos, cursos de água, poços, terrenos permeáveis ou de cultura; utilizar o equipamento de protecção individual adequado (luvas, máscara, fato de macaco, botas, óculos, etc) para efectuar todas estas operações e actuar a favor do vento; utilizar terra, areia ou serradura para absorver o produto derramado; quando parar o derrame: - remover todo o produto para local apropriado (incenerador ou vazadouro industrial) longe de habitações, fontes ou cursos de água; - proceder à descontaminação da zona com uma solução descontaminante ou como for recomendado pelas autoridades oficiais Medidas em caso de incêndio do veículo sem colocar em perigo a sua integridade física, o condutor deverá tentar combater o fogo com os extintores portáteis existentes, colocando-se a favor do vento e fora do alcance do fumo; caso não seja possível eliminar o fogo com os meios existentes na viatura, chamar imediatamente os Bombeiros e as autoridades policiais, marcando 112; utilizar terra, areia ou serradura para absorver o produto derramado; Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 2/14

3 após a extinção do fogo: - retirar a carga do local do acidente, separando as embalagens intactas das danificadas. As embalagens danificadas devem ser destruídas em local apropriado (incenerador ou vazadouro industrial) longe de habitações, fontes ou cursos de água; - proceder à descontaminação da zona de acordo com as orientações das autoridades oficiais. 2. Documentos e equipamentos de transporte 2.1. Documento de transporte ou guia de remessa Emitido pelo expedidor onde deverá constar para cada produto ou grupo de produtos a transportar a classificação ADR/RPE correspondente: número ONU, precedido da sigla UN; designação ADR/RPE das mercadorias (nome das matérias e dos ingredientes activos); número da etiqueta correspondente à classe de perigo e, caso seja aplicável, os números de outras etiquetas correspondentes a outros riscos entre parênteses; grupo de embalagem (caso exista); a quantidade total de cada produto (quilos ou litros); número e a descrição das embalagens; nome e endereço do expedidor e do destinatário Fichas de segurança Emitidas pelo expedidor, com instruções escritas destinadas ao condutor que indiquem de forma concisa: designação ADR/RPE das mercadorias transportadas (nome da matéria, classe de perigo, número da etiqueta de perigo, grupo de embalagem e os números de identificação da matéria e do perigo); disposições a tomar e os cuidados a ter no caso de entrarem pessoas em contacto com as mercadorias transportadas ou com os produtos que delas possam libertar-se; medidas a tomar para minimizar os prejuízos, em caso de incêndio, de ruptura ou de deterioração das embalagens; informações complementares como sejam o nome, endereço e telefone do expedidor. Com a devida antecedência, o expedidor deve informar o transportador sobre o conteúdo das instruções de transporte, para que este possa garantir que o seu pessoal toma conhecimento prévio das referidas instruções e que as executa correctamente, bem como para assegurar que o equipamento necessário ao transporte se encontra a bordo do veículo. As fichas de segurança devem encontrar-se na cabina da viatura em lugar de fácil acesso e separadas de quaisquer outras fichas que não se refiram ao transporte em questão Certificado de formação do condutor ADR/RPE Comprovativo de que o motorista da viatura frequentou com aproveitamento um curso de formação específico para o transporte de mercadorias perigosas, ministrado por organismo reconhecido pelo IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 3/14

4 Em paralelo com o requisito de formação, existe a obrigatoriedade de submissão dos candidatos a uma inspecção médico-sanitária especial e a um exame psicotécnico. O certificado só será emitido pela autoridade competente IMTT se estiver garantida a conjugação dos requisitos de formação e de saúde psíquica e física. O certificado de formação tem uma validade de cinco anos, sendo revalidado apenas quando seja demonstrada a aprovação em exame do curso de reciclagem e em nova avaliação de aptidão psico-física. Este certificado é da responsabilidade do proprietário do veículo e é obrigatório para todos os veículos que transportem mercadorias perigosas e que não estejam sujeitos a regime de isenção. De salientar que constitui também um aspecto fulcral da segurança no transporte de mercadorias perigosas o comportamento do motorista, uma vez que está comprovada uma grande incidência de causas humanas nos acidentes. Para mais informações sobre esta matéria recomenda-se a consulta ao site do IMTT (www.imtt.pt) Documento de Identificação com Fotografia para os Membros da Tripulação do Veículo Durante o transporte de mercadorias perigosas, cada membro da tripulação do veículo deve ter consigo um documento de identificação que inclua a sua fotografia, nos termos da subsecção [ ] do ADR/RPE Formação do pessoal envolvido na carga e descarga Os expedidores, transportadores e destinatários de mercadorias perigosas devem assegurar que o pessoal afecto a tarefas ligadas às operações de carga, descarga e transporte receba formação nos domínios correspondentes às suas respectivas responsabilidades. Esta formação deve abranger os riscos e os perigos apresentados pelas matérias perigosas e deve ter por objectivo a sensibilização do pessoal para a manipulação em condições de segurança e para procedimentos em casos de emergência. Devem ser conservados, tanto pela entidade patronal como pelo trabalhador, registos detalhados da formação ministrada, os quais devem ser verificados aquando do recrutamento para um novo emprego. Esta formação deve ser completada periodicamente por cursos de reciclagem que tenham em conta as modificações introduzidas na regulamentação Conselheiros de segurança As pessoas singulares ou colectivas estabelecidas em território português que efectuem transportes de mercadorias perigosas ou que procedam a operações de carregamento ou descarga ligadas a estes transportes devem nomear um ou mais conselheiros de segurança para os transportes de mercadorias perigosas, para supervisionar as condições de realização desses transportes e respectivas operações de carregamento e descarga, segundo a legislação em vigor. Esta prescrição não se aplica nos casos: a) cujas actividades relevantes incidem em quantidades que não excedam, por unidade de transporte, os limites fixados em , e , bem como nos Capítulos 3.3 e 3.4 do ADR/RPE; Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 4/14

5 b) que efectuam ocasionalmente transportes nacionais de mercadorias perigosas, ou operações de carga ou de descarga ligadas a esses transportes, até ao limite de 50t por ano; c) que apenas sejam destinatárias de operações de transporte de mercadorias perigosas Sinalização do veículo Para o transporte de mercadorias perigosas em embalagens é obrigatória a colocação de 2 painéis rectangulares, de fundo liso, cor de laranja retrorreflectora, colocados de forma bem visível um à frente e outro à retaguarda do veículo, perpendicularmente ao seu eixo longitudinal (figura 1). Figura Extintores de incêndio Qualquer unidade de transporte de mercadorias perigosas deverá estar munida de pelo menos dois extintores. Um extintor de incêndio portátil, apto a combater um fogo das classes A, B e C, com um mínimo de 2kg de pó seco, destinado a combater um incêndio do motor ou da cabina da unidade de transporte. Adicionalmente, um ou mais extintores portáteis, em função do peso bruto da unidade de transporte, fixados nos seguintes patamares: Peso Bruto até 3,5 ton. + 4kg; Peso Bruto de 3,5 ton. até 7,5 ton. + 8kg (sendo um de 6kg pelo menos); Peso Bruto acima de 7,5 ton. + 12kg (sendo um de 6kg pelo menos) Equipamentos diversos aparelho de protecção respiratória apropriado ao tipo de carga transportada (máscara); óculos, luvas, fatos impermeáveis e botas de borracha que assegurem uma protecção completa do corpo; frasco lavador de olhos contendo água limpa; dois sinais de aviso portáteis (por exemplo, cones ou triângulos reflectores ou luzes cor de laranja intermitentes e independentes da instalação eléctrica do veículo, para sinalização do local em caso de avaria ou acidente; Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 5/14

6 um colete ou um fato fluorescente apropriado para cada membro da tripulação do veículo; uma lanterna de bolso para cada membro da tripulação do veículo; pelo menos um calço de dimensões apropriadas ao peso do veículo e ao diâmetro das rodas; uma pá e um recipiente com serradura e sacos vazios para a recolha de derrames; outros equipamentos mencionados na(s) Ficha(s) de Segurança correspondentes às mercadorias transportadas. 3. Responsabilidades dos intervenientes 3.1. Obrigações do expedidor classificar e assegurar que as mercadorias perigosas estão autorizadas para transporte em conformidade com o RPE; utilizar apenas embalagens de boa qualidade, aprovadas e aptas para o transporte das mercadorias em questão e devidamente marcadas e etiquetadas; fornecer ao transportador todas as informações e dados referentes às mercadorias a transportar, nomeadamente as prescrições sobre o modo de envio e restrições de expedição, bem como os documentos de transporte, fichas de segurança e, caso seja necessário, outras autorizações e certificados exigidos Obrigações do carregador verificar se as embalagens se encontram em bom estado. Não poderá entregar para transporte um volume cuja embalagem esteja danificada, especialmente não estanque, em que haja fuga ou possibilidade de fuga da mercadoria perigosa, até que o dano tenha sido reparado; deverá igualmente observar as prescrições gerais e particulares relativas à carga e ao manuseamento, nomeadamente as respeitantes à separação das matérias tóxicas de produtos alimentares, ou de outros objectos de consumo ou alimentos para animais, e a proibição de carregamento em comum, no mesmo veículo, de volumes contendo explosivos com embalagens de mercadorias perigosas de qualquer outra classe Obrigações do transportador verificar se as mercadorias perigosas a transportar são autorizadas para transporte em conformidade com o RPE; confirmar se existe a bordo da unidade de transporte a sinalização requerida, a documentação e o equipamento prescrito para a mesma, bem como para o condutor; assegurar através de uma verificação visual, de que a unidade de transporte e a carga não apresentam defeitos manifestos, fugas ou fissuras, falta de dispositivos de equipamento, etc. e que a carga a transportar não excede a capacidade útil do(s) veículo(s) Obrigações do destinatário não recusar a aceitação da mercadoria sem motivos imperiosos e, após a descarga, verificar que são respeitadas as prescrições do RPE, designadamente quanto à limpeza e descontaminação dos veículos e contentores sempre que necessário; Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 6/14

7 garantir que as prescrições do ADR/RPE são respeitadas, caso recorra aos serviços de outros intervenientes (descarregador, estação de limpeza, estação de descontaminação, etc.). Em caso de infracção às prescrições do ADR/RPE, só poderá entregar o contentor ao transportador quando tiver sido posto em conformidade. Conclui-se que todos os intervenientes têm a obrigação de verificar o estado das embalagens e da carga em geral, sendo as condições de segurança do transporte deste tipo de mercadorias de responsabilidade conjunta Isenções ao ADR/RPE O ADR/RPE prevê algumas isenções sobretudo no que se refere à forma de expedição ou à natureza do transporte, podendo as mesmas serem totais ou parciais. Dentro das principais isenções às disposições do ADR/RPE temos: Isenções ligadas às mercadorias perigosas embaladas em quantidades limitadas Conforme expresso no parágrafo [ ], o ADR/RPE prevê para o transporte de algumas matérias das diferentes classes a isenção global de todas as prescrições (são apenas aplicáveis as disposições de classificação e as disposições gerais de embalagem, salvo a aprovação), utilizando como critério quantidades máximas fixadas para cada embalagem interior e para cada volume, de acordo com as condições de aplicação definidas para cada classe de perigo no capítulo [3.4]. Cada volume deverá ser marcado com o número de identificação da mercadoria nele contida, precedido da sigla UN, ou no caso de mercadorias diferentes, com diferentes números de identificação transportados no mesmo volume, os números de identificação de Fig. 2 cada matéria ou a sigla LQ. Estas inscrições devem figurar no interior de um losango de 10cm x 10cm, conforme se mostra na figura Isenções ligadas às quantidades transportadas por unidade de transporte Relativamente a este tipo de isenções, o ADR/RPE prevê a dispensa do cumprimento de certas disposições sobre veículos, equipamentos, sinalização, circulação, ficha de segurança e formação dos condutores (Certificado ADR/RPE). Dispensa também o cumprimento do capítulo 1.10 relativo a segurança pública. Não dispensa o cumprimento das disposições sobre classificação, embalagem e etiquetagem, exigência de um extintor de capacidade mínima de 2 kg, de documento de transporte e formação geral do condutor. Também não dispensa a proibição de fumar e abrir as embalagens durante o transporte. O critério é aplicado apenas quando as mercadorias perigosas a transportar sejam em volumes (embalagens, GRG s, grandes embalagens ou recipientes sob pressão), e não ultrapassem determinados quantidades máximas numa única unidade de transporte e por categoria de transporte, conforme fixado no quadro do parágrafo [ ]. Estas isenções são bastante vantajosas do ponte de vista das empresas, quando estamos em presença de pequenas quantidades de mercadorias perigosas para transporte. Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 7/14

8 Para os fins das presentes insenções as mercadorias são afectadas às categorias de transporte 0, 1, 2, 3 ou 4, conforme indicado na coluna (15) do quadro A do capítulo [3.2]. Quando são transportadas na mesma unidade de transporte mercadorias perigosas pertencentes a uma só categoria de transporte, o valor é retirado directamente da coluna (3) do quadro do parágrafo [ ]. Quando são transportadas na mesma unidade de transporte mercadorias perigosas pertencentes a categoria de transportes diferentes devemos utilizar a seguinte fórmula: Formula p/determinar o limite de isenção por unidade de transporte CT1x50+CT1 (ref. na nota a) quadro )x20+CT2x3+CT Quando o transporte for efectuado segundo esta isenção, o documento de transporte respectivo deverá conter para além do Nº ONU, precedido das letras UN, o nome técnico, o número de etiqueta correspondente à classe, números de etiquetas correspondentes a outros riscos secundários entre parenteses, o grupo de embalagem, a quantidade total, número e tipo de embalagem, nome e endereço do expedidor e destinatário, uma indicação a dizer: Transporte que não ultrapassa os limites de isenção prescritos no II. ARMAZENAGEM A natureza das substâncias químicas constituintes dos produtos fitofarmacêuticos exige cuidados especiais de armazenamento, uma vez que em caso de acidente podem provocar danos a seres humanos, animais, bens e meio ambiente. Com o objectivo de proteger trabalhadores, consumidores e público em geral tem a União Europeia publicado diversas directivas, designadamente sobre classificação, embalagem, rotulagem e armazenagem de substâncias perigosas, que se encontram transpostas para a legislação portuguesa. A legislação nacional que regula as actividades de distribuição, venda, prestação de serviços de aplicação de produtos fitofarmacêuticos e a sua aplicação pelos utilizadores finais - Decreto-Lei nº173/2005, de 21 de Outubro fixa, nos termos dos artigos 10º e 11º, que para exercerem esta actividade as empresas deverão comprovar que dispõem de: Instalações apropriadas ao armazenamento e manuseamento seguro dos produtos fitofarmacêuticos, em conformidade com o disposto no artigo 4º; Um técnico responsável acreditado nos termos do artigo 6º; Operador(es) devidamente habilitado(s), de acordo com o artigo 8º, para o desempenho, com segurança, das tarefas que lhe sejam atribuídas no armazenamento, manuseamento, aconselhamento e venda dos produtos fitofarmacêuticos. Nos termos do disposto no artigo 10º, do referido Decreto-Lei, os pedidos de autorização para exercer a actividade de distribuição e de venda ao público de produtos fitofarmacêuticos são efectuados junto da Direcção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP) da região onde se localiza a sede social da respectiva empresa, através da elaboração de processo descritivo de onde deve constar: Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 8/14

9 a) nome ou denominação, a morada ou sede e o número de identificação fiscal; b) localização dos armazéns e dos estabelecimentos de venda; c) declaração de aceitação e currículo do técnico responsável e comprovativos da sua formação; d) identificação dos operadores e comprovativos da sua formação; e) cópia do alvará de licença de utilização do estabelecimento emitido pela câmara municipal respectiva; f) cópia dos certificados ou licenças, quando aplicável, referentes à aplicação dos n.os 5 e 6 do artigo 4º. Para mais informações sobre normas de armazenagem de produtos fitofarmacêuticos recomenda-se a consulta aos sites da DGADR Direcção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (www.dgadr.pt) e da ANIPLA - Associação Nacional da Indústria para a Protecção das Plantas (www.anipla.com) 1. Localização do Armazém Estes armazéns devem ficar localizados: fora de aglomerados populacionais e em edifício próprio para o efeito (nunca em edifício de habitação e de preferência em zonas industriais), o mais afastado possível de locais onde se produzam, armazenem ou consumam, alimentos, bebidas ou outros produtos para uso humano e/ou animal. longe de cursos de água, poços, furos artezianos e em local não sujeito a inundações (terrenos altos). Caves ou instalações abaixo do nível do solo não são aceitáveis. em local facilmente acessível a todos os tipos de viaturas para permitir as operações de carga e descarga (preferência acesso por dois lados) e dos serviços de socorro. isolados de outras construções pelo menos 10 a 12 metros para permitir o acesso fácil dos bombeiros e serviços de socorro. Devem ser sempre equacionadas as infra-estruturas existentes na zona. No caso de armazéns já existentes, tendo em conta a legislação vigente, deverão proceder-se às devidas modificações e adaptações ou à alteração do local. 2. Construção do Armazém Os elementos de construção das paredes, pavimentos, tectos, telhados, portas e portões devem ser de materiais incombustíveis. Exclusão de revestimentos tóxicos e inflamáveis. Mistura de elementos construtivos com comportamentos diferenciados face ao fogo. As paredes interiores, destinadas a servir de corta fogo, têm de proporcionar uma resistência de pelo menos 90 minutos e devem prolongar-se a pelo menos 1 metro acima do telhado ou ter outros meios de evitar a propagação do incêndio. Os materiais mais adequados para combinar a resistência ao fogo com solidez física e estabilidade são o betão armado, tijolo maciço ou blocos de betão. Para atingir a desejada resistência ao fogo, as paredes de betão armado devem ter no mínimo 15 cm de espessura e as paredes de tijolo uma espessura de 23 cm. O tijolo oco não é adequado. Os blocos de betão desprovidos de reforços devem ter uma espessura mínima de 30 cm para alcançar a resistência e estabilidade pretendidas. Para ter maior estabilidade estrutural, recomenda-se a incorporação de colunas reforçadas (pilares) na parede corta fogo. A parede corta fogo deve ser independente da estrutura adjacente para evitar um desabamento em caso de incêndio. Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 9/14

10 As paredes corta fogo não devem ter aberturas para a passagem de cabos eléctricos ou outros tubos; caso seja inevitável, há que prevenir a propagação do incêndio, por exemplo, colocando os cabos dentro de depósitos de areia retardadores de fogo. Os pavimentos devem ser impermeáveis a líquidos e lisos para permitirem uma fácil limpeza. Devem possuir uma capacidade de carga adequada aos meios de movimentação interna existentes. As soleiras das portas e portões de entrada/saída devem ser 15 a 20 cm mais elevadas que os pavimentos interiores e exteriores. Para facilitar o acesso a viaturas e empilhadores, constroem-se rampas de inclinação suave para dentro e fora do edifício. Este pormenor de construção garante que em caso de incêndio fiquem retidas dentro do edifício as águas de extinção. No sentido de recolher as águas de extinção de incêndio, deve ser construída no exterior do armazém uma fossa para bombagem das mesmas, com comunicação ao interior do armazém ao nível do pavimento. Os pavimentos não deverão em caso algum possuir ralos ou caixas sumidouras ligadas ao sistema de esgotos. O armazém deve ser devidamente coberto e possuir uma ventilação adequada (normal ou forçada), por forma a ser seco e fresco e garantir a renovação do ar, pelo que: os telhados devem ser impermeáveis à água e permitirem a saída de fumos e calor em caso de incêndio (instalação de clarabóias de desenfumagem). as paredes (junto ao tecto e ao pavimento) e o tecto devem possuir ventiladores para evitar temperaturas altas, humidade e acumulação de vapores. Devem ser colocadas grelhas de protecção nos ventiladores para impedir a entrada de animais (gatos, pássaros, etc.). Os tubos de descarga das águas pluviais devem ser colocados na parte de fora do edifício. Se os mesmos se situarem no interior do edifício, deverão receber na parte inferior e até à altura de 1 metro, uma protecção mecânica contra danos e resistente ao fogo. Desta forma evita-se, em caso de incêndio, o escoamento da água de extinção para o canal de águas pluviais. Devem ser construídas zonas funcionais, separadas entre si por paredes e portas cortafogo para delimitação das diferentes zonas de armazenamento. Deve existir no armazém uma reserva de água para combate ao fogo e, pelo menos, duas bocas de incêndio. O armazém deve possuir portas de saída de emergência com barra anti-pânico devidamente assinaladas e situadas a uma distância máxima de 30m de qualquer ponto interior do armazém. A instalação eléctrica deve ser adequada ao tipo de produtos a armazenar (para produtos inflamáveis deverá ser ex-proof) e deverá ser correctamente executada e submetida a conservação periódica. O armazém deve estar equipado com um sistema de protecção contra raios. No caso de existir no armazém um empilhador eléctrico, a bateria deve ser carregada numa sala separada e bem arejada. As aberturas de arejamento deverão ser colocadas o mais alto possível, afim de não se concentrar o hidrogénio gerado durante o processo de carga. Também se utiliza o recurso a sistemas mecânicos de extracção dos gases como mostra a figura 2. Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 10/14

11 Fig.2 O armazém deve possuir instalações sanitárias, construídas de forma a que a soleira da porta de entrada seja 15 a 20 cm mais elevada que o pavimento do armazém para evitar que em caso de inundação ou incêndio as águas contaminadas não se escoem através dos esgotos. Para além de lavatório e sanita, devem estar equipadas com chuveiro de emergência. O armazém deve possuir uma zona administrativa isolada das áreas de armazenagem. 3. Cuidados de Armazenamento As mercadorias devem ser arrumadas em zonas específicas, segundo a sua classe de perigo, ou tipo de produto de modo a permitir o armazenamento separado de insecticidas, fungicidas, herbicidas e dos produtos inflamáveis. Durante a recepção no armazém, a identificação, quantidade e etiquetagem das mercadorias têm de ser conferidas com os documentos de transporte. O bom estado das embalagens deve ser verificado. As embalagens danificadas ou com fugas devem ser separadas e recuperadas de imediato. Embalagens com etiquetas danificadas ou sem identificação devem ser postas de lado para colocação de novas etiquetas e identificação. Não armazenar mercadorias directamente sobre o pavimento (altura mínima aconselhável 15cm) e utilizar preferencialmente paletes de madeira ou prateleiras metálicas como mostram as figuras 3 e 4. Fig. 3 Fig. 4 Não armazenar mercadorias junto a paredes e lâmpadas de iluminação, manter um intervalo se segurança de 60 a 100 cm. Respeitar os limites de estabilidade de empilhamento para cada tipo de produto. Não obstruir corredores, portas de saída de emergência, extintores ou outros meios de combate a incêndios. Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 11/14

12 Não armazenar embalagens abertas ou deterioradas. Para evitar o envelhecimento dos produtos deve-se observar a regra: Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair. 4. Medidas de Higiene Protecção e Segurança O cumprimento das boas práticas relativas a higiene, protecção e segurança, das quais destacamos a adopção de medidas de protecção individual adequadas, é essencial no armazenamento dos produtos fitofarmacêuticos. As principais medidas de higiene, protecção e segurança a adoptar são as seguintes: Não fumar ou fazer lume nos locais de armazenamento. Dotar o armazém com equipamento de detecção, alarme e combate a incêndios que inclua: detectores de incêndio, alarme e meios de combate. extintores fixos e móveis (em quantidade suficiente) aptos a combaterem um princípio de incêndio das instalações são imprescindíveis, qualquer que seja a dimensão do armazém. Todos os extintores devem ser submetidos a uma verificação periódica, uma vez por ano no mínimo, por uma empresa da especialidade devidamente certificada. redes de sprinklers (Fig.5 e 6), para que tenha condições ideais, principalmente quando se trate de grandes armazéns. Fig.5 Fig. 6 Existência de um plano interno de alarme e emergência com diversas indicações, entre as quais, nºs de telefones do CIAV Centro de Informação Anti-Venenos, INEM Instituto Nacional de Emergência Médica, Bombeiros, Médico, Hospitais, Autoridades Policiais bem como o telefone interno e privado das pessoas a contactar em caso de acidente (Fig.7). Fig.7 Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 12/14

13 Informar por escrito aos Bombeiros da área, o nome e o número de telefone e morada da pessoa responsável pelo armazém. É recomendável a existência de um sistema de segurança e vigilância das instalações no período do seu encerramento, que detecte intrusões e alerte em caso de acidente. Colocar no portão principal do armazém uma pequena placa onde esteja escrito: ATENÇÃO EM CASO DE EMERGÊNCIA CONTACTAR PARA: (nº de telefone nome e morada do responsável). Existência de equipamento de protecção individual para todo o pessoal de serviço (estes equipamentos devem ser examinados periodicamente): óculos, luvas, máscara, fatos impermeáveis e botas de borracha que assegurem uma protecção completa do corpo; frasco lavador de olhos contendo água limpa; caixa de primeiros socorros. Existência de recipientes com serradura limpa, pás, vassouras e sacos vazios para limpeza de pequenos derrames. A limpeza do pavimento e de pequenos derrames de produtos, deve ser feita com serradura húmida, ou outro material absorvente. Os resíduos resultantes devem ser guardados em recipientes fechados e de seguida encaminhados para empresas de eliminação de resíduos para posterior destruição em local apropriado (incenerador ou vazadouro industrial). Nunca utilizar água para limpeza de derrames. Existência de recipientes estanques para recolha de embalagens danificadas. Recomenda-se ter junto ás portas e portões uma palete com sacos de areia, para que em caso de incêndio os possa utilizar no aumento da altura das rampas e assim aumentar a capacidade de retenção de água de extinção dentro do edifício. Existência de sinalização adequada em todas as áreas do armazém. Obrigatoriedade de formação específica a todos os colaboradores do armazém. Deverá existir pessoal formado e treinado para a 1ª intervenção em caso de emergência com equipa de combate a incêndios, socorristas e recolha de derrames. Devem existir fichas de dados de segurança relativas à totalidade dos produtos armazenados. Os símbolos de perigo utilizados na rotulagem dos diversos produtos perigosos devem ser do conhecimento geral dos colaboradores. Não armazenar nunca produtos Fitofarmacêuticos conjuntamente com géneros alimentícios, rações para animais, vestuário ou outros artigos para uso humano ou animal. Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 13/14

14 Para qualquer informação ou esclarecimento adicional contacte-nos: Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda Direcção Comercial e Logística Av. das Indústrias - Casal de Colaride - Agualva Cacém Bayer CropScience (Portugal) Produtos para a Agricultura, Lda. Direcção Comercial e Logística -Janeiro 2009 Página 14/14

Produtos Fitofarmacêuticos I. TRANSPORTE

Produtos Fitofarmacêuticos I. TRANSPORTE Produtos Fitofarmacêuticos I. TRANSPORTE Pelas suas propriedades e características específicas, grande parte dos Produtos Fitofarmacêuticos são considerados como mercadorias perigosas para efeito de transporte,

Leia mais

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos IMPLEMENTAÇÂO DO DECRETO LEI 173/2005 Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos Algumas orientações para a construção e beneficiação das instalações bem como para o armazenamento de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

Armazém Planear a construção

Armazém Planear a construção Planear a construção Surgem muitas vezes problemas associados às infra-estruturas dos armazéns, como por exemplo, a falta de espaço para as existências, para a movimentação nos corredores e áreas externas,

Leia mais

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR)

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) WORKSHOP FIOVDE (24.10.2011) Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) José Alberto Franco José Silva Carvalho Aspectos que vamos passar em revista

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Programa de formação sobre a aplicação de MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS TEMA 1 ASPECTOS TOXICOLÓGICOS DA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊTICOS TENDO EM CONSIDERAÇÃO A

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Workshop Peso da Régua, 26 de Novembro 2013 Teotónio Manuel Castro teotoniocastro@drapn.mamaot.pt 1 Sumário: Controlo das obrigações nas explorações vitícolas;

Leia mais

CAPÍTULO 1.8 MEDIDAS DE CONTROLE E DE APOIO AO CUMPRIMENTO DAS PRESCRIÇÕES DE SEGURANÇA

CAPÍTULO 1.8 MEDIDAS DE CONTROLE E DE APOIO AO CUMPRIMENTO DAS PRESCRIÇÕES DE SEGURANÇA CAPÍTULO 1.8 MEDIDAS DE CONTROLE E DE APOIO AO CUMPRIMENTO DAS PRESCRIÇÕES DE SEGURANÇA 1.8.1 Controles administrativos das mercadorias perigosas 1.8.1.1 As autoridades competentes podem, em qualquer momento,

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA. : Irritante para os olhos. Possibilidade de efeitos cancerígenos. Pode causar sensibilização em contacto com a pele.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA. : Irritante para os olhos. Possibilidade de efeitos cancerígenos. Pode causar sensibilização em contacto com a pele. Página : 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Nome do produto : Utilização do produto Substância(s) activa(s) Identificação da empresa : Agricultura Fungicida para Uso Profissional

Leia mais

NORMAS PARA UM TRANSPORTE SEGURO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

NORMAS PARA UM TRANSPORTE SEGURO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS ESTAS NORMAS SÃO DESTINADAS A COMPLEMENTAR AS EXIGÊNCIAS DE QUALQUER LEI E REGULAMENTO LOCAL E NACIONAL, BEM COMO O CÓDIGO INTERNACIONAL DE CONDUTA DA FAO SOBRE DISTRIBUÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS.

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMINOL P 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMINOL P Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados SIGOU Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados 1 O que é a ECOLUB? A ECOLUB, referência na requalificação de resíduos industriais perigosos, é uma marca registada da SOGILUB, Sociedade de Gestão Integrada

Leia mais

PARTE 8 Prescrições relativas à tripulação, ao equipamento, à operação e à documentação dos veículos

PARTE 8 Prescrições relativas à tripulação, ao equipamento, à operação e à documentação dos veículos PARTE 8 Prescrições relativas à tripulação, ao equipamento, à operação e à documentação dos veículos - 1021 - - 1022 - CAPÍTULO 8.1 PRESCRIÇÕES GERAIS RELATIVAS ÀS UNIDADES DE TRANSPORTE E AO EQUIPAMENTO

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais

GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. José Silva Carvalho 09.04.2010

GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. José Silva Carvalho 09.04.2010 GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS José Silva Carvalho 09.04.2010 Uma abordagem qualitativa Enquadramento do Acordo Europeu Relativo ao Transporte Internacional de Mercadorias Perigosas

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOESTIM K 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOESTIM K Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 1/7 FISPQ NRº. 004 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome da Empresa: Hidroazul Indústria e Comércio Ltda Endereço: Rua João Dias Neto, 18 D Cataguases MG CEP: 36770-902. Telefone da Empresa: (32)

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010)

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006 - REACH) Versão 5.1 (19/12/2012) - Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DGADR DSPFSV DSPFSV 2/10 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS DIRECÇÃO-GERAL DE AGRICULTURA

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

NORMAS ESPECIFICAS ÍNDICE

NORMAS ESPECIFICAS ÍNDICE MARB REGULAMENTO INTERNO DO MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE BRAGA, S.A. NORMAS ESPECÍFICAS ÍNDICE NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL)... 3 NE 02: ACESSO DE VEÍCULOS AO MERCADO (ART.11º

Leia mais

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras Artº 1º Do licenciamento 1. A ocupação ou utilização de vias ou locais públicos com quaisquer materiais, objectos, equipamentos

Leia mais

mobimaster 12 V~DC 24 V~DC 230 V~AC 89 830 A401 P

mobimaster 12 V~DC 24 V~DC 230 V~AC 89 830 A401 P mobimaster 12 V~DC 24 V~DC 230 V~AC 89 830 A401 P P Instruções de operação mobimaster Índice 1. Aplicação 2 2. Dados técnicos e acabamento 2 3. Operação 4 4. Equipamento dos veículos de transporte 5 5.

Leia mais

Parte 8 PRESCRIÇÕES RELATIVAS À TRIPULAÇÃO, AO

Parte 8 PRESCRIÇÕES RELATIVAS À TRIPULAÇÃO, AO Parte 8 PRESCRIÇÕES RELATIVAS À TRIPULAÇÃO, AO EQUIPAMENTO, À OPERAÇÃO E À DOCUMENTAÇÃO DOS VEÍCULOS - 879 - Capítulo 8.1 PRESCRIÇÕES GERAIS RELATIVAS ÀS UNIDADES DE TRANSPORTE E AO EQUIPAMENTO DE BORDO

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6

FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6 FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Descrição do artigo: Limpa Churrasqueiras HUJE 1.2 Utilizações previstas: Limpeza de Gorduras

Leia mais

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia 1. Identificação da preparação e da companhia Nome do Produto/Preparação Código do produto Uso específico Ver Ficha Técnica do Produto. Métodos de aplicação Ver Ficha Técnica do Produto. Nome da Empresa

Leia mais

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º página: 1/5 * 1 Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Identificador do produto 1.2 Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas Utilização

Leia mais

Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos. Aplicação

Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos. Aplicação PÁGINA: 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Ref.ª HSEL126 Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos Aplicação Detergente neutro de aplicação geral 2. COMPOSIÇÃO Informação relevante

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA HIPOCLORITO DE SÓDIO

FICHA DE SEGURANÇA HIPOCLORITO DE SÓDIO Pag.1/8 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Identificação da substância: Nome do Produto: Hipoclorito de Sódio (Cloro activo: 12 15%) 1.2 Utilização da substância Principais aplicações: Tratamento

Leia mais

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8)

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) 19.1 Depósito, manuseio e armazenagem de explosivos. 19.1.1 Explosivos são substâncias capazes de rapidamente se transformarem em gases, produzindo calor intenso e pressões

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável Paula Mourão Seminário gorgulho do eucalipto, Arouca, 16 abril 2015. ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO Decreto-Lei n.º 187/2006,

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA ÓXIDO DE CÁLCIO (Cal Viva)

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA ÓXIDO DE CÁLCIO (Cal Viva) ÓXIDO DE CÁLCIO (Cal Viva) 1.IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA EMPRESA 1.1 Identificação da Substância / Preparação Nome do produto: Óxido de Cálcio; Corretivos Agrícolas 1.2 Utilização da

Leia mais

PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR

PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS Secretaria-Geral do Ministério da Educação 1 Índice 1. Preâmbulo... 3 2. O que são os arquivos escolares?... 4 3. O arquivo no sistema de informação

Leia mais

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL UCF CRIANÇA e ADOLESCENTE UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL Identificação do Estabelecimento Data: / / Designação: Morada: Freguesia: Concelho: Telefone: Fax: Correio Electrónico: Director / Coordenador

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006

Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006 Soft Care Crema Revisão: 2012-11-26 Versão 02 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Identificador

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

Comércio de Produtos Químicos

Comércio de Produtos Químicos Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1.) Identificação do Produto Nome do Produto: Pombo Código do Produto: Pr 295307 2.) Composição e Informação sobre os Ingredientes Substância:

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/12 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/12 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras.

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras. Recepção de matérias primas Após a chegada das matérias primas à fábrica, estas são transportadas para o armazém através do empilhador, porta paletes ou através de transporte manual. Armazenamento Todas

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Página 1 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Código Interno de Produto : 000000238838 Identificação da sociedade/empresa Clariquimica Comercio de Produtos Quimicos Ltda. Rua Manoel

Leia mais

De acordo com o Regulamento (CE) 453/2010. 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

De acordo com o Regulamento (CE) 453/2010. 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas 1 de 5 SECÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA 1.1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome do produto: Urea Referência(s) de catálogo: MB19701, 1000 g Marca: NZYTech Número REACH: não

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/5 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora Pág.2/5 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade: Segurévora

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX 1. IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA Nome do produto: Identificação: Tipo de formulação: Utilização: SIPFOL MAX Aminoácidos, magnésio e oligoelementos Concentrado

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE CABOUCOS PARA MACIÇOS DE FUNDAÇÃO 2 DESCRIÇÃO A construção dos maciços de fundação para os pórticos e torres metálicas das linhas

Leia mais

PRODUTO: QUIVI LIMPA VIDROS Detergente para limpar e desengordurar superfícies lisas tais como vidros e cristais.

PRODUTO: QUIVI LIMPA VIDROS Detergente para limpar e desengordurar superfícies lisas tais como vidros e cristais. FICHA TÉCNICA Nº 4 PRODUTO: Detergente para limpar e desengordurar superfícies lisas tais como vidros e cristais. CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS: Detergente líquido, baixa viscosidade, baixa espuma, cor

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas 3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas Segurança Contra Incêndios em Edifícios Decreto-Lei 220/2008 Portaria 1532/2008 ISEP- Porto - 2010 ISEP - Abril 2010 Cap Eng Luís Bispo 1 Sumário

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Pode causar dores abdominais e irritação gástrica. Por não ser um produto totalmente bio-degradável, pode afetar o ecosistema.

Pode causar dores abdominais e irritação gástrica. Por não ser um produto totalmente bio-degradável, pode afetar o ecosistema. 1 Identificação do produto e da empresa Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 012 Página 1 / 5 Data da última revisão 17/072008 Nome do produto: Acrilpen Código interno

Leia mais

ROBERT BOSCH LIMITADA

ROBERT BOSCH LIMITADA F0LHA...: 1 de 5 1 _ Identificação do Produto e Fabricante Nome do Produto: Acumulador elétrico de energia Nome do Fabricante sob licença da Robert Bosch Ltda.: Enertec do Brasil Ltda. Endereço: Av. Independência,

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Versão 3.1 (25/06/2015) - Página 1/6 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br Produto: TILDREN Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: Nome do Distribuidor: Endereço: TILDREN La Ballastiere BP 126-33501 Libourne. Ceva Saúde Animal

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: CURATON CQ FISPQ n 052 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Curaton CQ Código do produto: 11130 Nome

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº. 80/04 de 27 de Julho Havendo necessidade de estabelecer as condições a que devem obedecer os meios de transporte aéreo de produtos petrolíferos; Sendo necessário

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI-FERTIL 20-20-20 + 0,5 MgO + Micros 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMI-FERTIL 20-20-20+ 0,5 MgO

Leia mais

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia 1. Identificação da preparação e da companhia Nome do Produto/Preparação Cógigo do produto Uso específico Ver Ficha Téchnica do Produto. Métodos de aplicação Ver Ficha Téchnica do Produto. Nome da Empresa

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA PROFERTIL ÍNDICE 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 - COMPOSIÇÃO / INFORMAÇÃO SOBRE OS COMPONENTES

FICHA DE SEGURANÇA PROFERTIL ÍNDICE 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 - COMPOSIÇÃO / INFORMAÇÃO SOBRE OS COMPONENTES PÁGINA: 1/6 ÍNDICE 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 - COMPOSIÇÃO / INFORMAÇÃO SOBRE OS COMPONENTES 3 - IDENTIFICAÇÃO DOS PERIGOS 4 - PRIMEIROS SOCORROS 5 - MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO 6 -

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais

FISPQ nº 176 Página 1 / 5 Data da última revisão 02/02/2009. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ

FISPQ nº 176 Página 1 / 5 Data da última revisão 02/02/2009. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ 1 Identificação do produto e da empresa Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 176 Página 1 / 5 Data da última revisão 02/02/2009 Nome do produto: Craquelex Color (Verniz

Leia mais

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Lubrificante para corrente Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Data de preparação 18-Nov-2010 Numero de revisão 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE/EMPRESA Nome do produto Cat No. Sinónimos Utilizações recomendadas CM0945 Produtos químicos de

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Portaria n.º 451/2001. de 5 de Maio

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Portaria n.º 451/2001. de 5 de Maio MINISTÉRIO DA ECONOMIA Portaria n.º 451/2001 de 5 de Maio Considerando que pelo Decreto-Lei n.º 124/97, de 23 de Maio, foram fixadas as disposições respeitantes à aprovação dos Regulamentos de Segurança

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Mixtinter Laranja HOR nº Material: 238961 16L nº Material:238961 Código Interno de Produto : 000000393778

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Pag. 1/6 Número de Telefone de Emergência Centro de Informação Anti-Venosos (CIAV): 808 250 143 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Identificação da substância: Nome do Produto: INCKGROU- Incrementador

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Argamassa com fibras para reparação estrutural de betão. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain Weber

Leia mais

Filtro de partículas diesel

Filtro de partículas diesel Filtro de partículas diesel 12.07 - anual de instruções P 51145778 DFG 316-320 08.10 DFG 316s-320s DFG 425-435 DFG 425s-435s Prefácio Para obter o melhor e mais seguro rendimento do veículo industrial,

Leia mais

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia

Ficha de Segurança. 1. Identificação da preparação e da companhia 1. Identificação da preparação e da companhia Nome do Produto/Preparação Código do produto Uso específico Ver a Ficha Técnica do Produto Só para uso profissional Métodos de aplicação Ver a Ficha Técnica

Leia mais

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A Nome do Produto: VERCLEAN 900 FISQP N.º: 02 Página: 1/7 Última Revisão: 08/04/13 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: DETERGENTE VERCLEAN 900 Código Interno de Identificação: 101 Nome

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição nº 4 Pag: 1 de 5 Produto: MICROTHIOL SPECIAL DISPERSS 1 IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL DO PRODUTO UTILIZAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO EMPRESA FABRICANTE MICROTHIOL SPECIAL

Leia mais