SAN.P.IN.NP INTRODUÇÃO OBJETIVO NORMAS TERMINOLOGIA PADRONIZAÇÃO DE CORES CORES DE CONTRASTE...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SAN.P.IN.NP 38 1- INTRODUÇÃO... 2 2 - OBJETIVO... 2 3 - NORMAS... 2 4 - TERMINOLOGIA... 3 5 - PADRONIZAÇÃO DE CORES... 3 6 - CORES DE CONTRASTE..."

Transcrição

1 ISO 90 1 / Data da SUMÁRIO: 1- INTRODUÇÃO OBJETIVO NORMAS TERMINOLOGIA PADRONIZAÇÃO DE ES ES DE CONTRASTE APLICAÇÃO DAS ES PARA TODAS AS UNIDADES DA SANASA SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO PARA TUBULAÇÕES E TANQUES TUBULAÇÕES TANQUES: SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO DE GASES EM CILINDROS RÓTULOS DE RISCO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA, MÉDIA E ALTA TENSÃO ARMAZENAMENTO DE LÍQÜIDOS COMBUSTÍVEIS CONDIÇÕES GERAIS REFERÊNCIAS ANEXOS... 27

2 ISO 90 2 / Data da 1- INTRODUÇÃO Este Procedimento foi elaborado visando criar um padrão normativo de cores utilizadas para a sinalização de tubulações e placas de identificação utilizadas para sinalização e segurança das unidades da SANASA. 2 - OBJETIVO Padronizar a utilização das cores que devem ser usadas na sinalização das áreas da SANASA, visando à prevenção de acidentes, sinalização dos equipamentos e máquinas, identificação dos equipamentos de segurança, delimitação das áreas e identificação das tubulações empregadas para a condução de líquidos e gases, advertindo assim contra riscos de acidentes. 3 - NORMAS Na aplicação deste Procedimento, caso necessário podem-se consultar as seguintes Normas: NBR Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1: Princípios de Projetos Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores Parte 3: requisitos e métodos de ensaios NBR Emprego de cores para identificação de tubulações de gases industriais NBR Especificações de cores de acordo com o sistema de notação Munsell. NBR TB 32/84 - Cores - Terminologia NBR NB 76/82 - Cor na Segurança do Trabalho NBR NB 54/84 - Emprego de cores fundamentais para tubulações industriais Norma Regulamentadora - NR 26 - Portaria 3214, de 08 de junho de Ministério do Trabalho. NBR SB 54 - Transporte, Armazenagem e Manuseio de Materiais. NBR Transporte de Carga Perigosa - Classificação NBR Termos básicos relativos à cor. Terminologia NBR NB 46/85 - Identificação de gases em cilindros SAN. T. IN. NT 31 Identificação de Condutores Elétricos

3 ISO 90 3 / Data da 4 - TERMINOLOGIA Os termos técnicos usados neste procedimento estão definidos nas Normas citadas no item 3. Para a identificação das tonalidades das cores empregadas nesta Norma, adotou-se o Padrão Internacional Munsell Book of Colour, que é um sistema de ordenação de cores, baseado nos diagramas de cromaticidade da C.I.E. - Commission Internacionale de L Eclairage, organismo internacional que especifica os métodos para a medição das cores. 5 - PADRONIZAÇÃO DE ES Deverão ser adotadas cores para segurança em estabelecimentos ou locais de trabalho, a fim de indicar e advertir acerca dos riscos existentes. É necessário lembrar que a utilização de cores não dispensa o emprego de outras formas de prevenção de acidentes; e, sempre que necessário, a indicação em cor será acompanhada dos sinais convencionais ou identificação por palavras, especialmente quando em área de trânsito de máquinas ou equipamentos, para pessoas estranhas ao trabalho. As cores adotadas por essa Norma são as seguintes: Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Púrpura Branco Alumínio Cinza Preto Marrom Nota: A cartela de cores com os Padrões Munsell e suas respectivas tonalidades encontrase à disposição no Setor de Segurança do Trabalho - PHT. Devem-se utilizar as cores determinadas para identificação ou sinalização, conforme descrito nas tabelas a seguir:

4 ISO 90 4 / Data da A - Vermelho 1 - Vermelho (Segurança) A cor vermelho (segurança) deverá ser usada para distinguir e indicar equipamentos e aparelhos de proteção e combate a incêndio. Não deverá ser usada na indústria para assinalar perigo, por ser de pouca visibilidade em comparação com o amarelo (segurança) de alta visibilidade e o laranja (alaranjado segurança), que significa ALERTA. Vermelho (Segurança) É a cor empregada para identificar Materiais e equipamentos destinados a combate a incêndio, tais como: Caixas de alarme de incêndio; Hidrantes; Bombas de incêndio; Sirene de alarme de incêndio; Extintores e sua localização; Indicações de extintores (visíveis à distância, dentro da área de uso do extintor); Localizações de mangueiras de incêndio (a cor deve ser usada no carretel, suporte e moldura da caixa); Transporte com equipamentos de combate a incêndio; Portas de saída de emergência; Tubulações, válvulas e hastes do sistema de aspersão de água (Sprinklers). Tubulações de água para incêndio. Cilindros de dióxido de carbono (CO2) para uso em sistemas de prevenção contra incêndio A cor vermelho (segurança) será usada excepcionalmente com sentido de ADVERTÊNCIA de perigo: 5 R 4/14 Nas luzes a serem colocadas em barricadas, tapumes de construção e quaisquer outras obstruções temporárias; Em botões interruptores de circuitos elétricos para parada de emergência; Nas luzes de sinalização de obstáculos aéreos.

5 ISO 90 5 / Data da 2 - Vermelho (Bordô) Vermelho (Bordô) 3 - Vermelho (Vinho) A cor vermelho (bordô) é aplicada para identificar mangueiras e cilindros de acetileno (C2H2), nos processos de soldagem oxiacetilênica 7,5 R 3/8 Vermelho (Vinho) Coagulantes 5 R 2/6 Polímero (Polieletrólito) PAC - Policloreto de alumínio 4 - Vermelho (Rosa Seco) B - Laranja Vermelho (Rosa Seco) Cilindros de metano (CH4) e de gás combustível comprimido (combustível gasoso, gás natural seco ou biogás purificado), 2,5 R 8/4 A cor laranja (alaranjado segurança) deverá ser empregada para identificar: Alaranjado (Segurança) Partes móveis de máquinas e equipamentos; Partes internas das guardas de máquinas que possam ser removidas ou abertas; Faces internas dos painéis de comando de ar comprimido; Faces internas de caixas protetoras de dispositivos elétricos; Faces externas de polias e engrenagens; Botões de arranque de segurança; Dispositivos de corte, bordas de serras, prensas, etc; Tubulações industriais contendo ácidos; 2,5 YR 6/14

6 ISO 90 6 / Data da Tubulações industriais contendo produtos químicos não gasosos em geral; Cilindros de Hélio (He), A cor laranja com anéis verdes será usada para identificar Acido Cítrico Cloreto Férrico Peróxido de Hidrogênio C Amarelo A cor amarelo (segurança) deverá ser empregada para indicar "CUIDADO!", assinalando: Amarelo (Segurança) Vigas colocadas a baixa altura; Pilastras, vigas, postes, colunas e partes salientes de estrutura, equipamentos e partes baixas de escadas em que se possa esbarrar; Espelhos de degraus de escadas, em locais de pouca visibilidade; Bordas desguarnecidas de abertura no solo (poços, entradas subterrâneas, etc.) e de plataformas que não possam ter corrimões; Bordas horizontais de portas de elevadores que se fechem verticalmente; Faixas no piso da entrada de elevadores e plataformas de carregamento; Meios-fios, onde haja necessidade de chamar atenção; paredes de fundo de corredores sem saída, através de uma faixa no meio da parede, horizontalmente ao piso, com espessura de um quarto do pé direito, contendo os dizeres sem saída em preto, Padrão Munsell N1, no centro da faixa ; Cavaletes, porteiras e lanças cancelas; Corrimões, parapeitos e pisos; Guarda-corpo; Fundo de letreiros e avisos de advertência; Cabines, caçambas e gatos de pontesrolantes, guindastes, retro-escavadeiras, guarda-corpo, etc.; Equipamentos de transporte e manipulação de material, tais como: empilhadeiras, tratores industriais, pontes- 5 Y 8/12

7 ISO 90 7 / Data da rolantes, vagonetes, reboques, etc.; Comandos e equipamentos suspensos que ofereçam risco; Demarcação no solo para transporte de materiais através de empilhadeiras ou guindastes, para máquinas operatrizes em geral e para a circulação de pessoas em áreas industriais; Bandeiras como sinal de advertência (combinado ao preto); Pára-choques de veículos de transporte pesado (com listras pretas). Também é empregado em: Tubulações de gases não liquefeitos: acetileno, cloro gás e liquido, argônio, dióxido de carbono, butano, propano, gases de nafta, gás de proteção, hidrogênio, nitrogênio, GLP gasoso e Cilindros de Hidrogênio (H2). Nota: Amarelo (Segurança) - Padrão Munsell 5 Y 8/12 combinado com o Preto - Padrão Munsell N1: A cor amarela (segurança) poderá ser combinada com listras pretas (verticais ou inclinadas) e/ou quadrado preto, quando houver necessidade de melhorar a visibilidade da sinalização em áreas ou regiões de risco. Indica "ATENÇÃO" Em equipamentos mecânicos pesados (empilhadeiras, retro-escavadeiras, pontesrolantes, guindastes, caçambas, tratores, etc.) se aceitam a cor Amarelo (Ouro) - Padrão Munsell 10 YR 8/14, como alternativa para o Padrão Amarelo (Segurança), já que ela é a cor original de fábrica. D Verde A cor verde (segurança) deverá ser empregada para indicar "SEGURANÇA", em: Portas de entrada de salas de curativos de urgência, através de faixa com espessura de um quarto da altura da porta, em seu meio, horizontalmente ao piso; Localização de EPI, através de cartazes, placas ou emblemas de segurança; Caixas contendo EPI, através de cartazes, placas ou emblemas de segurança; Dispositivos de segurança, através de

8 ISO 90 8 / Data da Verde (Segurança) cartazes, placas ou emblemas de segurança; Dispositivos/equipamentos de socorro de emergência, através de cartazes, placas ou emblemas de segurança; Equipamentos de primeiros socorros, através de cartazes, placas ou emblemas de segurança; Chuveiros e lava-olhos de segurança; Caixas ou invólucros de macas, através de cartazes, placas ou emblemas de segurança; Quadros para exposição de cartazes e avisos de segurança com fundo verde; Emblemas de segurança; Caixas contendo máscaras contra gases, através de cartazes, placas ou emblemas de segurança. 10 GY 6/6 1 - Verde - Padrão Munsell 2,5 G 5/10 Mangueiras de oxigênio do conjunto de soldagem oxiacetilênica; Tubulações de oxigênio hospitalar; 2,5 G 5/10 Cilindro de oxigênio hospitalar Água tratada 2 - Padrão Munsell 2,5 G 3/4 Tubulação de água bruta 2,5 G 3/4 Tubulações de água potável (deve ser diferenciada de forma inconfundível, com a letra P, em branco sobre a pintura geral da tubulação)

9 ISO 90 9 / Data da E Azul A cor azul (segurança) deverá ser utilizada para indicar "CUIDADO!", ficando seu emprego limitado a Avisos contra o Uso e a Movimentação de equipamentos, que deverão permanecer fora de serviço. Azul (Segurança) Barreiras e bandeirolas de advertência a serem localizadas nos pontos de comando, de partida, ou fontes de energia dos equipamentos; Prevenção contra movimento acidental de qualquer equipamento em manutenção; Placas de aviso em: a) caixas de controle elétrico; b) estufas; c) andaimes; d) escadas; e) elevadores; f) entradas para caixas subterrâneas; g) tanques; h) fornos; i) caldeiras. Tubulações de ar comprimido; Tubulações de ar em geral (baixa e alta pressão) Cilindros de ar comprimido para uso industrial Nota: A cor Azul (Segurança) - Padrão Munsell 2,5 PB 4/10 pode ser combinada com a cor Laranja (alaranjado segurança) - Padrão Munsell 2,5 YR 6/14 para armários e painéis de comando de ar comprimido, sendo: Na face externa: Azul (Segurança) - Padrão Munsell 2,5 PB 4/10. Na face interna: Laranja (alaranjado segurança) - Padrão Munsell 2,5 YR 6/14. 2,5 PB 4/10 1 Azul Marinho Padrão Munsell 5 PB 2/4 Cilindros de óxido-nitroso (N2O), 5 PB 2/4 Nota: A cor azul (Mont Blanc), cor oficial da SANASA é representada pelo Padrão Munsell 10B 5/10.

10 ISO / Data da 2 Turquesa Claro - Padrão Munsell 7,5 BG 8/2 Cilindros de Amônia (NH3) 5 PB 2/4 Amônia Anidra (Turquesa claro e Bordô) F - Púrpura A cor púrpura (segurança) deverá ser usada na sinalização para indicar os perigos provenientes das radiações eletromagnéticas penetrantes de partículas nucleares. Púrpura 1 - Púrpura (Violeta) Portas e aberturas que dão acesso a locais onde se manipulam ou armazenam materiais radioativos contaminados pela radioatividade; Locais onde tenham sido enterrados materiais e equipamentos contaminados; Recipientes de materiais radioativos ou de refugos de materiais e equipamentos contaminados; Sinais luminosos para indicar equipamentos produtores de radiações eletromagnéticas penetrantes e partículas nucleares. Tubulações que contenham álcalis como Soda (Hidróxido de Sódio) e Cal Soda Cáustica 10 P 4/ Púrpura Púrpura (Violeta) A cor púrpura (violeta) deverá ser empregada para identificar cilindros de etileno (C2H4) 2,5 P 3/8 Púrpura Água de Reuso 7,5 P 7/4 Nota: A cor lilás é uma tonalidade da cor púrpura.

11 ISO / Data da G Branco H Alumínio Branco Passarelas e corredores de circulação por meio de faixas (localização e largura); Direção e circulação de pessoas, por meio de sinais; Localização de coletores de resíduos e de bebedouros, através de avisos; Áreas destinadas à armazenagem em geral; Zonas de segurança; Áreas em torno de equipamentos de primeiros socorros, de combate a incêndio ou outros equipamentos de emergência; Tubulações de vapor; Cilindros de dicloro difluorometano (halocarbono 12-CCI2F2) e monocloro difluorometano (halocarbono 22-CHCIF2). N 9,5 Qualquer cor neutra que apresente o aspecto de uma superfície semi-polida de alumínio. I Cinza Alumínio Tubulações contendo gases liquefeitos, inflamáveis e combustíveis de baixa viscosidade, tais como: óleo diesel, gasolina, querosene, óleo lubrificante, varsol, álcool, óleo cristal, óleo de corte, óleo mineral puro, óleo solúvel, tintas e solventes inflamáveis em geral; Tubulações de gás freon e GLP líquido; Cilindros de dióxido de carbono (CO2) para uso industrial e GLP Biogás (somente para a ETE - Capivari) Qualquer cor neutra que apresente o aspecto de uma superfície semi-polida de alumínio. Eletrodutos;

12 ISO / Data da Cinza (escuro) Tampas; Estruturas para equipamentos elétricos; Suportes e bandejas para cabos elétricos; Quadros elétricos; N 3,5 Painéis elétricos; Transformadores; Cilindros de cloro (Cl2) 1 Cinza (Claro) J Preto Tubulações a vácuo; Cinza (Claro) Cilindros de nitrogênio (N2), N 6,5 Óleo lubrificante Asfalto Óleo combustível Alcatrão Preto Piche N 1 Coletores de resíduos industriais orgânicos e inorgânicos (exceto os de origem de serviços de saúde) Tubulações de oxigênio para uso industrial; Cilindros de oxigênio para uso industrial, Tubulação de carvão Nota: É usada em substituição ao branco ou combinada com ele, quando condições especiais o exigirem. K Marrom Pontos de lubrificação de máquinas e equipamentos técnicos similares Marrom Cilindros de argônio (Ar), 2,5 YR 2/4 Tubulação de esgoto Tampas de Inspeção lateral (RAFA s) Nota: O marrom pode ser adotado também para identificar material fragmentado (minérios) ou a critério da empresa, em qualquer fluido não identificável pelas demais cores.

13 ISO / Data da 1 Marrom (Bege) Marrom (Bege) Cilindros de gases especiais; Cilindros de gases de mergulho; 10 YR 7/6 Tubulação de Acido Fluorsilícico 2 Marrom (Camurça) Marrom (Camurça) Lodo 7,5 YR 5/6 6 - ES DE CONTRASTE Recomenda-se o uso das cores de contraste da Tabela, para melhorar a visibilidade da sinalização. As cores de contraste também podem ser usadas na forma de listas ou quadrados, para destacar a visibilidade, porém a sua área não pode ultrapassar 50% da área total. DE SEGURANÇA Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Púrpura Branco Preto DE CONTRASTE Branco Preto Preto Branco Branco Branco Preto Branco A comparação com os padrões adotados deve ser feita sob a luz do dia. Quando for utilizada luz artificial, esta deve ser necessariamente, um iluminante branco. Nota: A cor Marrom (Padrão Munsell 2,5 YR 2/4) poderá ser utilizada como contraste para elementos hidráulicos, caso haja necessidade de melhoria da visibilidade.

14 ISO / Data da 7 APLICAÇÃO DAS ES PARA TODAS AS UNIDADES DA SANASA. A tabela abaixo contém os principais fluídos e elementos químicos nas unidades da Sanasa, relacionados à sua cor e padrão de tonalidade. As tubulações, em toda sua extensão, devem ser pintadas na cor abaixo relacionada, admitindo-se pequenas variações nas tonalidades, de acordo com os limites normais de tolerância para os padrões usuais. FLUÍDO Ácido Cítrico Laranja com anéis verdes 2,5 YR 6/14 Ácido Fluorsilícico Bege 10 YR 7/6 Água Bruta Verde 2,5 G 3/4 Água de Incêndio Vermelho (Segurança) 5 R 4/14 Água Potável Verde 2,5 G 3/4 Água Tratada/Lavagem/ Verde 2,5 G 5/10 Serviço Água de Reuso Púrpura 7,5 P 7/4 Amônia Anidra Turquesa claro e Bordô 7,5BG 8/2 e 7,5R 3/8 Antiespumante Vinho 5 R 2/6 Ar comprimido / Tubulações de ar em geral, baixas e alta Azul (Segurança) 2,5 PB 4/10 pressão (sopradores) Biogás (ETE CAPIVARI) Alumínio Biogás (ETE S) Amarelo (Segurança) 5 Y 8/12 Cal Púrpura (Segurança) 10 P 4/10 Carvão Preto N 1 Cloreto Férrico Laranja (Alaranjado 2,5 YR 6/14 Segurança) Cloro Gás e Líquido Amarelo (Segurança) 5 Y 8/12 Esgoto Marrom 2,5 YR 2/4 Gás (GLP) Gasoso Amarelo (Segurança) 5 Y 8/12 Gás (GLP) Líqüido Alumínio Hipoclorito de Sódio Amarelo (Segurança) 5 Y 8/12 Lodo Marrom (Camurça) 7,5 YR 5/6 PAC - Policloreto de Alumínio Vinho 5 R 2/6 Peróxido de Hidrogênio Laranja (Alaranjado Segurança) 2,5 YR 6/14 Polímero (Polieletrólito) Vinho 5 R 2/6

15 ISO / Data da Soda (Hidróxido de Púrpura (Segurança) 10 P 4/10 Sódio) Soda Cáustica Púrpura (Segurança) 10 P 4/ SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO PARA TUBULAÇÕES E TANQUES TUBULAÇÕES A utilização de identificadores para tubulações visa facilitar o reconhecimento de um fluído transportado, indicando seu sentido de fluxo. Os identificadores podem também indicar: temperatura, pressão, concentração, pureza, nome do produto, etc., quando necessário. A - Tipos de Identificadores: Tipos A Vinil auto-adesivo B Placas em chapa de aço tratado ou alumínio C Pinturas na própria tubulação Uso dos Identificadores Só podem ser utilizados nos trechos de tubulações que ficarem em altura igual ou superior a 3,5 m em relação ao piso. Só podem ser utilizados em tubulações com diâmetro igual ou superior a 50 mm (2"). Não devem ser utilizados em locais ou tubulações com altas temperaturas ou sujeitos as grandes variações térmicas. Devem obrigatoriamente ser utilizados em tubulações com diâmetro inferior a 50 mm (2"), independentemente da altura em relação ao piso. Devem obrigatoriamente ser utilizados nos trechos de tubulação que ficarem em altura inferior a 3,5 m em relação ao piso. Só podem ser utilizados em tubulações com diâmetro igual ou superior a 50 mm (2"). B - Localização dos Identificadores: Os identificadores devem ser aplicados ou instalados ao longo de toda tubulação, observando-se um Distância distanciamento de no máximo 15 m entre eles. Se o comprimento da tubulação for inferior a 15 m, deve ser aplicado ou instalado no mínimo um identificador. Derivações Em derivações devem ser aplicados três identificadores.

16 ISO / Data da Parede Forro Canaleta e Além dos identificadores exigidos ao longo da tubulação, na travessia de parede, devem ser instalados ou aplicados dois identificadores. Além dos identificadores exigidos ao longo da tubulação, devem ser instalados ou aplicados dois identificadores junto à entrada/saída de forro, canaleta ou similar. OBS: Os identificadores tipo B podem ser pendurados ou afixados na tubulação, observando-se a mesma posição indicada para os tipos A ou C. C Dimensões / Cores Padronizadas para Identificadores: 1 - TIPO A - Vinil auto-adesivo a) Sistema de identificação para tubulação Dimensões: DIAMETRO DA TUBULAÇÃO {mm(pol)} Acima de 200 (acima de 8 ) SETA NOME DO PRODUTO {mm} A B C D E F G De 100 até 200 (4 ate 8 ) De 50 até 100 (2 até 4 ) Inferior a 50 (2 ) Usar identificadores TIPO B Fundo cor de contraste da tubulação. Seta/Nomenclatura cor de contraste do fundo. Exemplo: Tubulação de Água Potável: Verde Segurança - 10 GY 6/6 Fundo: Branco - N 9,5 Seta/Nomenclatura: Preto - N 1

17 ISO / Data da b) Sistema de identificação para eletricidade, telefonia, alarme de incêndio, telex, sirene, relógio de ponto e transmissão de dados. Dimensões: Cores: OBS: TAMANHO (mm) A B C I II USO FUNDO LETRAS 24 Volts CA Amarelo Pretas 48 Volts CA Amarelo Pretas 110 Volts CA Amarelo Pretas 220 Volts CA Amarelo Pretas 380 Volts CA Amarelo Pretas 440 Volts CA Amarelo Pretas 3800 Volts CA Amarelo Pretas Volts CA Amarelo Pretas Volts CA Amarelo Pretas Telefone Azul Brancas Alarme de incêndio Vermelho Brancas Telex Verde Brancas Sirene Preto Brancas Relógio de Ponto Preto Brancas Transmissão de Dados Verde Brancas Amarelo (Segurança) - Padrão Munsell 5 Y 8/12 Azul (Segurança) - Padrão Munsell 2,5 PB 4/10 Branco - Padrão Munsell N 9,5 Preto - Padrão Munsell N 1 Verde - Padrão Munsell 2,5 G 3/4 Vermelho (Segurança) - Padrão Munsell 5 R 4/14 Uso: Selecionar os identificadores em função do diâmetro do eletrodutos ou dimensão do local. Os identificadores devem ser aplicados em eletrodutos, "bus-ducts, eletro calhas, bandejas, etc.

18 ISO / Data da c) Localização dos identificadores. Distância Derivações Parede Forro e Canaleta Os identificadores devem ser aplicados ou instalados ao longo de conduites, "bus-duct", etc., observando-se um distanciamento de no máximo 15 m. Se o comprimento do conduíte, "bus-duct", etc., for inferior a 15 m deve ser aplicado ou instalado no mínimo um identificador. Em derivações devem ser aplicados no mínimo três identificadores Além dos identificadores exigidos ao longo do conduíte, "bus-duct", etc., na travessia de parede, devem ser instalados ou aplicados no mínimo dois identificadores. Além dos identificadores exigidos ao longo do conduíte, "bus-duct", etc., devem ser instalados ou aplicados no mínimo dois identificadores junto à entrada/saída de forro, canaleta ou similar. 2 - TIPO B - Placas em chapa de aço tratado ou alumínio. 3 - TIPO C - Pintura na própria tubulação. Dimensões: Cores: DIÂMETRO DA TUBULAÇÃO {mm(pol.)} DIMENSÕES {mm} A B C Acima de 200 ( acima de 8 ) De 100 até 200 ( 4 até 8 ) De 50 até 100 ( 2 até 4 ) Inferior a 50 (2 ) Usar identificadores Tipo B Fundo cor de contraste da tubulação. Seta / Nomenclatura cor de contraste do fundo. Exemplo: Tubulação de Água Potável: Verde Segurança - 10 GY 6/6 Fundo: Branco - N 9,5 Seta/Nomenclatura: Preto - N 1

19 ISO / Data da TANQUES: Para a identificação dos tanques em aço, fibra de vidro ou polietileno pode ser mantida a cor original do tanque e a identificação do produto poderá ser feita através de uma faixa, utilizando-se os seguintes identificadores: - vinil auto-adesivo (TIPO A); - pintura na própria tubulação (TIPO C). O uso destes identificadores é análogo aos utilizados em tubulações, conforme item A. A identificação do produto se dará através de uma faixa contínua com a espessura de 1/3 da altura do tanque, localizada no meio deste, horizontalmente ao piso SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO DE GASES EM CILINDROS O objetivo é fixar as condições exigíveis para a identificação dos gases em cilindros através de cores padronizadas e outros critérios. Esta norma destina-se à identificação de gases para uso industrial, medicinal, combate a incêndio, mergulho e outros. Não se aplica aos cilindros contendo gases liquefeitos de petróleo (GLP). A Definições: Base: parte do cilindro de configuração tal que permita a estabilidade deste em posição vertical. Calota (ou ogiva): Parte do cilindro limitada por uma superfície de revolução, cuja geratriz é uma linha de concordância entre o gargalo e o corpo. Capacete (ou cúpula): Peça destinada a proteger a válvula do cilindro. O capacete pode ser fixo ou móvel. Cilindro: Recipiente para acondicionamento dos gases sob pressão, constituído de base, fundo, corpo, calota e gargalo. Colarinho: Peça cravada ao gargalo para atarraxamento ou outra modalidade de fixação do capacete. Corpo: Parte do cilindro limitada externamente por uma superfície de revolução, cuja geratriz é um segmento de reta e cujo raio de geração é a metade do diâmetro externo do cilindro. Fundo: Parte que veda completamente o cilindro, oposta à calota.

20 ISO / Data da Gargalo: Parte do cilindro na qual existe um furo roscado para atarraxamento da válvula. Pé: Suplemento opcional, encaixado na parte inferior do corpo, cuja função é prover o cilindro de estabilidade vertical. B - Condições Gerais: 1. A identificação de um gás ou de uma mistura deve ser feita obrigatoriamente pela(s) cor(es) da pintura na calota do cilindro que o contém. 2. A pintura do corpo do cilindro não é obrigatória; no entanto, quando a critério do fabricante do gás, fornecedor ou usuário, o corpo do cilindro for pintado, a pintura deverá ser feita com a cor especificada para cada gás, correspondente à cor do gás contido no cilindro ou, no caso de misturas, à cor do gás de maior proporção. 3. No corpo do cilindro pode ser pintado o nome ou a sigla que identifique a empresa distribuidora do gás ou o proprietário do cilindro. 4. A pintura do colarinho e do capacete deve ficar a critério da empresa distribuidora do gás ou do proprietário do cilindro. 5. A identificação das misturas binárias deve ser feita pela combinação das cores mencionadas para cada gás e dispostas na calota. 6. A identificação das misturas ternárias deve ser feita pela combinação das cores mencionadas para cada gás e dispostas na calota. 7. A identificação das misturas especiais deve ser feita pela pintura da cor Marrom (Bege) na calota do cilindro, conforme tabela nº Cada cilindro deve ter sempre gravado em sua calota, por puncionamento (baixo-relevo), o nome do gás nele contido e/ou sua fórmula química e/ou nome comercial, em caracteres cuja altura seja de no mínimo 6 (seis) mm. 9. Cada cilindro deverá ter sempre, inscrito em sua calota, um rótulo ou um adesivo onde constem o símbolo de risco e o número de identificação da ONU, conforme Anexo IV. Nesse rótulo deve constar o nome do gás ou mistura, a quantidade liquida em metros cúbicos ou em quilogramas do produto contido no cilindro, podendo também constar recomendações relativas à segurança de manuseio e uso do cilindro e do gás. 10. Nenhuma das inscrições anteriores (8 e 9) pode ser colocada de forma a impedir a leitura das características dos cilindros, especificadas em suas normas de fabricação. 11. A identificação dos cilindros importados cheios de gás deve atender aos requisitos desta Norma e, além disso, os cilindros devem ter sempre etiquetas em português, nas quais devem constar, no mínimo: a) nome do gás ou mistura; b) fórmula química ou composição; c) denominação do fabricante; d) denominação do distribuidor nacional.

21 ISO / Data da C - Condições Específicas: 1. A identificação do ar comprimido para uso medicinal deve ser pela cor Cinza (Claro), pintada na calota e no corpo do cilindro, e pela cor Verde, pintada numa faixa no centro do corpo, tendo por largura um terço do seu comprimento. 2. A identificação do ar sintético deve ser pelas cores Cinza (Claro) e Pretas, dispostas na calota, sendo a área A em cor Cinza (Claro) e a área B em cor preta. As cores utilizadas devem atender à tabela nº A identificação do nitrogênio para uso em sistemas contra incêndio deve ser feita pela cor Cinza (Claro), pintada na calota e no corpo do cilindro, e pela cor Vermelho (Segurança), pintada numa faixa no centro do corpo, tendo por largura um terço do seu comprimento. As cores utilizadas devem atender à tabela nº A identificação do dióxido de carbono para uso em sistemas contra incêndio deve ser feita pela cor vermelho segurança, pintada no cilindro por inteiro. A cor utilizada deve atender à tabela nº A identificação dos gases contidos nos cilindros com duas calotas deverá ser feita sempre pela(s) cor(es) pintada(s) nas duas calotas. TABELA Nº 1 - Padrão de Cores Vermelho (Bordô) 7,5 R 3/8 Azul (Turquesa Claro) 7,5 BG 8/2 Azul (Segurança) 2,5 PB 4/10 Marrom 2,5 YR 2/4 Vermelho (Rosa Seco) 2,5 R 8/4 Cinza (Escuro) N 3,5 Alumínio - Vermelho (Segurança) 5 R 4/14 Púrpura (Violeta) 2,5 P 3/8 Branco N 9,5 Laranja (Alaranjado Segurança) 2,5 YR 6/14 Amarelo (Segurança) 5 Y 8/12 Cinza (Claro) N 6,5 Preto N 1 Azul (Marinho) 5 PB 2/4 Marrom (Bege) 10 YR 7/6 Verde 2,5 G 5/10

22 ISO / Data da RÓTULOS DE RISCO Os rótulos de risco são utilizados para identificar a Classe e a Subclasse do produto. As substâncias perigosas são divididas em: Classe Classe 1 Classe 2 Classe 3 Classe 4 Classe 5 Classe 6 Classe 7 Classe 8 Classe 9 Categoria Explosivos Gases Líquidos Inflamáveis Sólidos ou Substâncias Inflamáveis Substâncias Oxidantes e Peróxidos Orgânicos Substâncias Tóxicas, Infectantes e Irritantes Substâncias Radioativas Corrosivos Substâncias Perigosas Diversas Obs.: Todas as substâncias são divididas em Subclasses de acordo com seu grau de risco. CLASSES SUBCLASSES ES 1.1,1.2 E 1.3 Laranja (Alaranjado 2,5 YR 6/14 Segurança) e Preto N1 1.4 Laranja (Alaranjado 2,5 YR 6/14 Segurança) e Preto N Laranja (Alaranjado 2,5 YR 6/14 Segurança) e Preto N1 1.6 Laranja (Alaranjado 2,5 YR 6/14 Segurança) e Preto N1 FIGURA

23 ISO / Data da 2.1 Branca e Vermelha N 9,5 8,75 R Verde e Branco 10 GY 6/12 N 9,5 2.3 Preta e Branca N1 N 9, e 3.2 Vermelho e Preto 8,75 R N1 4.1 Vermelho Branco e Preto 8,75 R N 9,5 N Vermelho meio quadrado Branco meio quadrado e Preto 8,75 R N 9,5 N Azul e Preto 10 B 5/12 N1 5.1 Amarelo e Preto 5 Y 8,5/14 N Preto, metade superior Vermelho e metade inferior Amarelo N 1 8,75 R 5 Y 8,5/ Preto e Branco N 1 N 9,5

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho Sinalização de Segurança As cores na segurança do trabalho Funções das cores na segurança Prevenção de Acidentes; Identificar os equipamentos de segurança; Delimitando áreas; Identificação de Tubulações

Leia mais

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem.

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora NR tem por objetivo fixar as

Leia mais

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO DESCRIÇÃO: 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: - vermelho; - amarelo; - branco; - preto; - azul; - verde; - laranja; - púrpura;

Leia mais

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1 Cor na Segurança do Trabalho. 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora (NR) tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais

Leia mais

26.1 Cor na segurança do trabalho. 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: 26.1.5.2 Vermelho. (126.003-0 / I 2 )

26.1 Cor na segurança do trabalho. 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: 26.1.5.2 Vermelho. (126.003-0 / I 2 ) 26.1 Cor na segurança do trabalho. NR 26 - Sinalização de Segurança (126-000-6) 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora - NR tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais de trabalho para prevenção

Leia mais

NR.26 Sinalização de Segurança (28/05/2015)

NR.26 Sinalização de Segurança (28/05/2015) Foi criada pela: Portaria nº 3214, de 08 de Junho de 1978. NR.26 Sinalização de Segurança (28/05/2015) Modificada pela: Portaria da Secretaria de Inspeção do Trabalho nº 229, de 24 de Maio de 2011. A NR

Leia mais

NR 26 - Sinalização de Segurança. 26.1 Cor na segurança do trabalho

NR 26 - Sinalização de Segurança. 26.1 Cor na segurança do trabalho ANEXO AO COMUNICADO: ROTULAGEM PREVENTIVA DE PRODUTOS SANEANTES É DISPENSADA Abrangência: indústria e comércio de produtos saneantes. Conteúdo: dispensa de aplicação de rotulagem preventiva. Vigência:

Leia mais

NR-26. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental

NR-26. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental NR-26 Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Curso: Tecnólogo em Gestão Ambiental NR-26 Sinalização de Segurança NR-26 Estabelece a padronização das cores a serem utilizadas como sinalização de segurança

Leia mais

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA EDUARDO RODOLPHO ALCANTÚ VALDOMIRO SANTI NETO

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA EDUARDO RODOLPHO ALCANTÚ VALDOMIRO SANTI NETO NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA EDUARDO RODOLPHO ALCANTÚ VALDOMIRO SANTI NETO O QUE E NR26? É a NORMA REGULAMENTADORA 26 que tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais de trabalho para

Leia mais

INFORMAÇÕES LEGISLATIVAS APLICÁVEIS À ROTULAGEM DE PRODUTOS TRABALHADOR/ CONSUMIDOR

INFORMAÇÕES LEGISLATIVAS APLICÁVEIS À ROTULAGEM DE PRODUTOS TRABALHADOR/ CONSUMIDOR INFORMAÇÕES LEGISLATIVAS APLICÁVEIS À ROTULAGEM DE PRODUTOS TRABALHADOR/ CONSUMIDOR DATA DISPOSITIVO LEGAL TEMA 28.01.65 Decreto 55.649 (Presidência da Aprova nova redação do República) Regulamento para

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Equipamento De Proteção Individual - EPI Definição: EPI é todo dispositivo de uso individual, destinado a proteger a integridade física do trabalhador. EPI (s)

Leia mais

PLASTOFLEX tintas e plásticos ltda. GUIA PARA CONSULTA

PLASTOFLEX tintas e plásticos ltda. GUIA PARA CONSULTA GUIA PARA CONSULTA V A IMPORTÂNCIA DAS CORES NA PINTURA INTRODUÇÃO As cores sempre estiveram ligadas à nossa vida, através do verde das árvores, o azul do céu e dos oceanos e o vermelho do pôr-do-sol.

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO 1.1 QUAL A DIFERENÇA ENTRE ACIDENTE E INCIDENTE

SEGURANÇA DO TRABALHO 1.1 QUAL A DIFERENÇA ENTRE ACIDENTE E INCIDENTE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. ACIDENTES: CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO 1.1 QUAL A DIFERENÇA ENTRE ACIDENTE E INCIDENTE Acidente é um evento não programado nem planejado, portanto indesejável, que resulta em perda

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1.

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele que possua ponto

Leia mais

Norma Regulamentadora 20 - NR 20

Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Líquidos combustíveis e inflamáveis 20.1. Líquidos combustíveis. 20.1.1. Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais 1801 a) Preto: Líquidos inflamáveis e combustíveis; b) Amarelo: Gás não liquefeito (ex: gás natural); c) Azul: Ar comprimido; d) Verde: Mangueiras de oxigênio (solda oxiacetilênica) e água industrial;

Leia mais

O ponto de orvalho é a temperatura na qual a umidade do ar condensa sobre a superfície.

O ponto de orvalho é a temperatura na qual a umidade do ar condensa sobre a superfície. UMIDADE RELATIVA DO AR 0ºC 5ºC 10ºC 15ºC 20ºC 25ºC 30ºC 35ºC 40ºC 90% -1.3 3.5 8.2 1.3 18.3 23.2 28.0 33.0 38.2 85% -2.0 2.6 7.3 12.5 17.4 22.1 27.0 32.0 37.1 80% -2.8 1.9 6.5 11.6 16.5 21.0 25.9 31.0

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Aula 17 Combustíveis e inflamáveis Núcleo

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES

DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES info@qualityassociados.com.br Existem documentos e avisos que, por determinação legal, devem obrigatoriamente, permanecerem afixados em local

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

Normas de segurança. 1) Plano de Emergência. Incêndios Derramamento de produtos químicos Quedas de força Acidentes pessoais

Normas de segurança. 1) Plano de Emergência. Incêndios Derramamento de produtos químicos Quedas de força Acidentes pessoais Normas de segurança 1) Plano de Emergência Incêndios Derramamento de produtos químicos Quedas de força Acidentes pessoais a) Inventário Químico e Biológico Quantidade e locais de armazenamento Inflamáveis

Leia mais

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC Rev. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 DIRTEC ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-SUL-007.04 Rev. 12 CIA DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 de 15 REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU

Leia mais

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha Isolantes de Índice Instruções Gerais EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) 5 8 Luvas Isolantes de Borracha 10 Mangas Isolantes de Borracha 12 EPC s (Equipamentos de Proteção Coletiva) 14 Manta Isolante

Leia mais

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS 23.1 Disposições gerais. 23.1.1 Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB

NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB 1 NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB Sinalização de Segurança e Emergência Contra Incêndio e Pânico Publicada no Diário Oficial nº xx.xxx de xx de fevereiro de 2013. SUMÁRIO 1-Objetivo 2-Aplicação 3-Referências

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Antiderrapante para Correias Página 1 de 5 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Antiderrapante para Correias Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PINTURA INDUSTRIAL (PIN)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PINTURA INDUSTRIAL (PIN) 1. REFERÊNCIA/OBJETIVO ÁREA APLICÁVEL Código: PO PIN 1 1 de 11 10//2014 1 de 13 Objetiva orientar a forma de execução de pinturas em superfícies metálicas e de madeiras, e padronização de cores, conforme

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS 1. Introdução Por Edson Haddad, Ricardo Serpa e Rodolfo Arias As atividades que

Leia mais

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR) Acompanhante

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ Inspeções Internas João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação,

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE CILINDROS DE GASES ESPECIAIS

SUBSTITUIÇÃO DE CILINDROS DE GASES ESPECIAIS SUBSTITUIÇÃO DE CILINDROS DE GASES ESPECIAIS Jéssica Alessandra da Silva Moura, Gilvan Takeshi Yogui Para fins de referência, este documento pode ser citado como: Moura, J.A.S.; Yogui, G.T. 2013. Substituição

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011 Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as Instruções Complementares

Leia mais

MANUAL DE FUNCIONAMENTO FILTROS INDUSTRIAIS. G:Manuais/Manuais atualizados/ta

MANUAL DE FUNCIONAMENTO FILTROS INDUSTRIAIS. G:Manuais/Manuais atualizados/ta MANUAL DE FUNCIONAMENTO FILTROS INDUSTRIAIS TA G:Manuais/Manuais atualizados/ta Rev.01 ESQUEMA HIDRÁULICO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. - FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações teóricas e de

Leia mais

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Sinalização Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Materiais VINIL AUTO-ADESIVO PVC / PS Utilizado em ambientes internos e externos. Pode ser confeccionado com

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos. A Diretoria da Agência Nacional de

Leia mais

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio;

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio; 3.1 Disposições gerais. 3.1.1 Todas as empresas deverão possuir: NR 3 - Proteção Contra Incêndios (13.000-0) a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço,

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC) SISTEMA PREVENTIVO POR EXTINTORES

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC) SISTEMA PREVENTIVO POR EXTINTORES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 006/DAT/CBMSC)

Leia mais

ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE 1.1. ASPECTOS FUNCIONAIS a) Facilidade de identificação e utilização

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS NR 3 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS 3. Disposições gerais. 3.. Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Lubrificante para corrente Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116

Leia mais

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Introdução O transporte de produtos perigosos é um caso particular do transporte de mercadorias numa cadeia de fornecimento. Durante esta atividade, vários fatores

Leia mais

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio Pág. 1 Memorial de Projeto Prevenção e Combate à Incêndio Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089/11 Pág. 2 Índice

Leia mais

Gases Especiais. & Equipamentos

Gases Especiais. & Equipamentos Gases Especiais & Equipamentos Desenvolvendo Novos Padrões em Parceria com Nossos Clientes Sempre inovando para atender nossos clientes de forma personalizada e com alta tecnologia, oferecemos a linha

Leia mais

Aplicação e Monitoramento - Jateamento

Aplicação e Monitoramento - Jateamento Sistemas de pintura anticorrosiva em tubos e dutos Os sistemas de pinturas produzidos pela PS Anticorrosão possuem tecnologias atualizadas iniciado com o uso de tintas e resinas de formulações de alta

Leia mais

Comércio de Produtos Químicos

Comércio de Produtos Químicos Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1.) Identificação do Produto Nome do Produto: Pombo Código do Produto: Pr 295307 2.) Composição e Informação sobre os Ingredientes Substância:

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES Linha de Fornos a gás Modelos: S651/S652/S653/S656/S657/S658/S660/S661/S662/ S665/S666/S667/S670/S671/S672/S675/S676/S677 ATENÇÃO! - Leia e siga rigorosamente as instruções deste manual

Leia mais

Sinalização de Segurança e Saúde

Sinalização de Segurança e Saúde 1) Introdução No mundo do trabalho, a sinalização desempenha um papel importante como forma de informar os trabalhadores dos vários riscos inerentes às suas atividades, conduzindoos a atitudes preventivas

Leia mais

Eng. Rosiane Albuquerque

Eng. Rosiane Albuquerque Eng. Rosiane Albuquerque NR - 20 Definição e Classes: - Líquidos e Combustíveis Inflamáveis Tanques de Armazenagem e suas Características Salas de armazenamento de Líquidos Inflamáveis NR - 23 Classes

Leia mais

TINTA MASTER EPÓXI BICOMPONENTE

TINTA MASTER EPÓXI BICOMPONENTE FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS TINTA MASTER EPÓXI BICOMPONENTE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Técnico e Comercial Tinta Master Epóxi Bicomponente RM-6000

Leia mais

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos 1 Objetivo Procedimento Operacional Pág.: 1/15 Determinar as condições exigíveis de acondicionamento, transporte, armazenamento e movimentação de bobinas de condutores elétricos, visando à integridade

Leia mais

Indústria e Comércio de Produtos Químicos

Indústria e Comércio de Produtos Químicos FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: Nome do Produto: Ácido Fosfórico Nome Químico: Ácido Fosfórico ou Ácido Ortofosfórico Sinônimo: Hidrogeno Fosfato Fórmula Química: H

Leia mais

Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS

Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS Andreia Vasconcelos Raposo da Silva. PRODUTOS PERIGOSOS SÃO LUÍS MA 2014 ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ENSINO Andreia Vasconcelos

Leia mais

FISPQ SUPERCOLOR USO GERAL FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ SUPERCOLOR USO GERAL FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Categoria: TINTA AEROSSOL USO GERAL TINTA AEROSSOL Código de venda: 300.10.069.00 - Preto Fosco 309.10.069.00 - Azul escuro 301.10.069.00 - Preto

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

Prevenção de Acidentes com GLP.

Prevenção de Acidentes com GLP. Prevenção de Acidentes com GLP. Data de Publicação: 06/03/2008 Convidamos o nosso visitante, a ler e responder as perguntas abaixo. Ao término desta visita temos a certeza que um dia estas informações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMA/STC/CRS Nº 1, DE 10 DE JUNHO DE 1983

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMA/STC/CRS Nº 1, DE 10 DE JUNHO DE 1983 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMA/STC/CRS Nº 1, DE 10 DE JUNHO DE 1983 Disciplina as condições de armazenamento e transporte de bifenilas policloradas (PCBs) e/ou resíduos contaminados com PCBs. O Secretário Especial

Leia mais

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA CATÁLOGO TÉCNICO SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA TANQUES ESPECIAIS MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA ARMAZENAR PRODUTOS ESPECIAIS. A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para armazenamento

Leia mais

Gorovitz/Maass Design 2000. Recomendações para uso de cores no ambiente escolar

Gorovitz/Maass Design 2000. Recomendações para uso de cores no ambiente escolar Gorovitz/Maass Design 2000 Recomendações para uso de cores no ambiente escolar Introdução O objetivo desse trabalho é fazer um estudo que fundamente as recomendações de uso de cor na pintura de ambientes

Leia mais