Lista de Verificação Norma de Referência Certificado de Energia Renovável Categoria PLENO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lista de Verificação Norma de Referência Certificado de Energia Renovável Categoria PLENO"

Transcrição

1 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável REGRAS GERAIS PARA REALIZAÇÃO DA AUDITORIA / USO DA LISTA DE VERIFICAÇÃO CERTIFICADO CATEGORIA PLENO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA: HÍDRICA Esta lista de verificaçã aplica-se a Certificad de Energia Renvável Categria Plen, e apenas para empreendiments cm fntes de geraçã de energia d tip Hídrica. As auditrias serã realizadas ns empreendiments das cntrladras assciadas à ABRAGEL u ABEEólica interessads na btençã d Certificad de Energia Renvável. Caberá à Certificadra enviar a empreendiment Questinári para Auditria Dcumental, para detalhament da cnfrmidade d empreendiment candidat a Certificad na Categria esclhida. Este Questinári preenchid e anexad cm s dcuments cmprbatóris servirá cm base para a auditria dcumental e para plan de auditria in lc. Caberá à Certificadra definir quais itens desta Lista de Verificaçã terã a cnfrmidade atestada apenas pr auditria dcumental e quais itens deverã ser fechads após auditria in lc, bem cm a definiçã de dimensinament de carga hrária para cada fase da auditria. Recmenda-se seguinte dimensinament para auditria neste tip de empreendiment: 1HD auditria dcumental n escritóri da Certificadra + 2HD auditria dcumental n escritóri da empresa + 1HD auditria in lc n empreendiment. Em cas de empreendiments agrupads, realizar uma única auditria para tds s empreendiments, timizand custs e temp de auditria. Os requisits estã dividids nesse dcument pel nível de atendiment exigid (brigatóri u desejável). Os requisits brigatóris (O) deverã ser avaliads em relaçã a sua cnfrmidade u nã cnfrmidade, e deverã ser atendids em sua ttalidade (nã existe a pssibilidade de atendiment parcial deste tip de requisit). Os requisits desejáveis (D) estã dividids em indicadres qualitativs e indicadres quantitativs. Os indicadres qualitativs sã avaliads cnfrme uma escala crescente em funçã d nível de implantaçã d requisit slicitad, cnfrme segue: 1: Nã atende a requisit (nenhuma prática relacinada a requisit está implementada) 2: Atende parcialmente a requisit (existe alguma prática relacinada a requisit implementada, mas nã está cmpleta, u seja, grande parte d requisit nã é atendid) 3: Atende a requisit, mas sã necessárias melhrias (as exigências mínimas d requisit sã atendidas, u pel mens grande parte delas) 4: Atende cmpletamente a requisit (as exigências d requisit sã atendidas de frma cmpleta) 5: Supera a exigência d requisit (as exigências d requisit sã atendidas e superadas, representand a melhr prática u uma das melhres práticas existentes n setr) Os indicadres quantitativs sã avaliads cnfrme uma escala crescente em funçã d enquadrament d valr alcançad pel indicadr nessa escala. 1

2 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável Para que empreendiment btenha e mantenha Certificad de Energia Renvável, ele deverá atender a tds s requisits brigatóris (O) e na sma ds requisits desejáveis (D) deverá bter pel mens 50% da pntuaçã máxima teórica. Para situações em que requisit nã se aplica, classificar cm NA nesse cas item deve ser descnsiderad na pntuaçã final, cas seja um requisit desejável. Para s requisits desejáveis (D), cnslidar a pntuaçã n quadr final. Relatar para s itens brigatóris (O) tdas as nã cnfrmidades (NC) encntradas. Relatar para s itens desejáveis (D) cm ntas 1 e 2, uma nã cnfrmidade (NC) frmal, que pderá ser alv de plan de açã d empreendiment para que valr mínim de pntuaçã seja atingid. Relatar para s itens desejáveis (D) cm nta 3 uma prtunidade de melhria (OM) frmal, que nã necessariamente deve ser acatada pel empreendiment, a nã ser que empreendiment necessite aumentar seu valr de pntuaçã para alcançar valr mínim. É pcinal relat de prtunidade de melhria (OM) frmal para s requisits brigatóris u desejáveis (D) cm pntuaçã 4 u 5. Para tdas as declarações de nã cnfrmidade (NC), indicar a frma cm rganism de auditria irá evidenciar a eficácia da açã crretiva (pr exempl: envi da dcumentaçã, envi das fts d lcal, envi de listas de treinament, nva visita de acmpanhament in lc, bem cm praz que empreendiment tem para a açã de acmpanhament. A certificaçã smente pderá ser cncedida se tds s itens brigatóris frem atendids e se a média glbal da pntuaçã desejável atingir 50% de atendiment. Cas empreendiment nã cncrde cm parecer da equipe auditra, pnt de discrdância deve ser antad a final deste dcument, e a equipe deve slicitar a empreendiment que frmalize sua apelaçã junt à Gerenciadra (Institut Ttum). A tabela de indicadres deste dcument segue a numeraçã da nrma de referência. Itens de Recmendaçã de Melhria O atendiment as itens de recmendaçã de melhria nã sã brigatóris para btençã u manutençã d Certificad de Energia Renvável. O auditr deve sinalizar smente se s itens sã atendids u nã pel empreendiment, apenas para registr e acmpanhament pel prgrama, nã influenciand resultad na certificaçã u manutençã da Certificaçã d empreendiment. 2

3 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável Após a auditria, cas empreendiment atinja 100% de cnfrmidade ns requisits brigatóris (O) e nta mínima de 50% ns requisits desejáveis (D), auditr deve: Escrever a cnclusã psitiva da auditria e assinar relatóri. Slicitar assinatura d Respnsável d empreendiment. Tirar duas cópias deste relatóri (lista de verificaçã), distribuind- da seguinte frma: Uma cópia para empreendiment auditad Uma cópia para Institut Ttum (Gerenciadra) Versã Original em arquiv d Organism de Auditria Reclher a versã atualizada d Regulament Técnic rubricad em tdas as páginas, assinad, carimbad e datad na página final, e enviá-l à Gerenciadra. A versã atualizada encntra-se n endereç da web: Após a auditria, cas empreendiment nã atinja 100% de cnfrmidade ns requisits brigatóris (O) e/u nta mínima de 50% ns requisits desejáveis (D), auditr deve: Antar tdas as nã cnfrmidades e prtunidades de melhria n relatóri. Preencher quadr de ntas. Apresentar relatóri a empreendiment, especialmente as nã cnfrmidades. Slicitar a empreendiment preenchiment das ações crretivas e respectivs prazs. Find praz, auditr deve dar baixa nas nã cnfrmidades e ações de melhria, antand s resultads da verificaçã n relatóri. Preencher quadr de ntas após a crreçã das nã cnfrmidades e cnsideraçã das ações de melhria. Escrever a cnclusã da auditria e assinar relatóri. Slicitar assinatura d Respnsável d empreendiment. Tirar duas cópias deste relatóri (lista de verificaçã), distribuind- da seguinte frma: Uma cópia para empreendiment auditad Uma cópia para Institut Ttum (Gerenciadra) Versã Original em arquiv d Organism de Auditria Reclher a versã atualizada d Regulament Técnic rubricad em tdas as páginas, assinad, carimbad e datad na página final, e enviá-l à Gerenciadra. A versã atualizada encntra-se n endereç da web: 3

4 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável DADOS GERAIS DA AUDITORIA - Razã scial da geradra u cntrladra d empreendiment: - Razã scial d empreendiment alv da Certificaçã: - CNPJ d empreendiment alv da Certificaçã: - Fnte(s) de geraçã de energia d empreendiment candidat à Certificaçã: Hídrica (este check list smente é aplicável para esta fnte de energia) - Trata-se de reptencializaçã? Sim Nã - Data de iníci da peraçã: / / - Endereç(s) d escritóri da empresa em que fi realizada a auditria: - Endereç(s) d empreendiment em que fi realizada a auditria in lc: - Escp da Auditria: Certificaçã Categria Plen Renvaçã Certificaçã Plen Upgrade Certificaçã Categria Plen (Relatóri anterir de / / ) - Prjet de Crédit de Carbn: Sim, pssui prjet aprvad Sim, pssui prjet em fase de aprvaçã Nã pssui - Organism de Certificaçã: - Nme d Auditr Líder: - Nme d 2º Auditr: - Data(s) da auditria: - Data(s) de fechament d relatóri: 4

5 CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável REGISTRO DA AUDITORIA Situaçã de adimplência junt à Abragel e / u Abeeólica (este item será checad pela Gerenciadra Institut Ttum antes d fechament da auditria). Empreendiment enquadrad cm PCH de acrd cm a resluçã 652 de 9/12/2003 da ANEEL, flexibilizada, n entant, para incluir empreendiments cm ptência máxima instalada de até 50MW Evidência apresentada: O empreendiment é classificad cm PCH de acrd cm a ANEEL Evidência apresentada: Interpretaçã d item acima (us pel auditr): De acrd cm a Resluçã da ANEEL, empreendiment pssui ptencia superir a kw e igual u inferir a kw, destinad a prduçã independente, autprduçã u prduçã independente autônma. Além diss, A área d reservatóri pssui área inferir a 3,0 km2 u atende uma das seguintes cndições: I - a área atende a seguinte inequaçã : A (14,3 P) Hb nde P=Ptência elétrica instalada em (MW), A=área d reservatóri (km2) e Hb= queda bruta em (m), definida pela diferença entre s níveis d'água máxim nrmal de mntante e nrmal de jusante. Esta área nã deverá ser mair d que 13,0 km2. II- O dimensinament d reservatóri fi, cmprvadamente, basead em utrs bjetivs que nã de geraçã de energia elétrica. VERIFICAÇÃO DA ENERGIA GARANTIDA Quantidade ttal de energia garantida: MWh Evidência apresentada: Interpretaçã d item acima (para us d auditr): cnsultar prtaria específica da ANEEL que define a garantia física da PCH. 5

6 REQUISITOS OBRIGATÓRIOS Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável Princípi Indicadr C NC NA Evidências / Recmendações Evidência de crreçã Cnclusã P Despach de Requeriment de Outrga (DRO) u Outrga da ANEEL u Autrizaçã da ANEEL para perar cmercialmente. Princípi 1: Habilitaçã legal d negóci Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Basta a auditr verificar a existência d dcument para empreendiment. P Licença Prévia (LP) u Licença de Instalaçã (LI) u Licença de Operaçã (LO). 6

7 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável Interpretaçã d item acima (us pel auditr): O auditr nã deve questinar se as licenças estã adequadas a nã, pis Prgrama de Energia Renvável nã tem cm bjetiv substituir órgã reguladr. As infrmações que cnstam da licença serã alv de verificaçã. Atençã para data de validade da licença. Antar na lista de verificaçã s principais cmprmisss e cndicinantes da licença, que servirã de base para avaliaçã desta e das próxims auditrias. O praz indicad para a próxima auditria de renvaçã deverá levar em cnta, dentre utrs fatres, venciment da licença de peraçã. P Relatóri Ambiental Simplificad (RAS) u Estud de Impact Ambiental e Relatóri de Impact Ambiental (EIA/RIMA) u dcument similar. Princípi 1: Habilitaçã legal d negóci Interpretaçã d item acima (us pel auditr): O auditr nã deve questinar cnteúd ds relatóris se estes já tiverem sid usads para a btençã das licenças. As infrmações, análises e cmprmisss que cnstam ds relatóris serã alv de verificaçã. Antar na lista de verificaçã s principais cmprmisss e plans que cnstam ds estuds ambientais u relatóris ambientais, que servirã de base para avaliaçã desta e das próxims auditrias. P Dcument demnstrand psse da terra, seja cm prprietári u arrendatári (respeitand as etapas d prcess de licenciament). 7

8 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Na categria Plen, empreendiment deve demnstrar a psse da terra. P N cas de prjet que pssua impacts que atravessam frnteiras (países), dcument demnstrand acrd realizad entre s países afetads, cnsiderand recmendações internacinais para prjets hídrics que transcendem frnteiras. Princípi 2: Relacinament cm a cmunidade lcal Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Este indicadr dificilmente será aplicável, mas cas venha a crrer, auditr deve levantar as evidências de acrd para instalaçã e/u peraçã d empreendiment verificand cumpriment as requisições cabíveis de tdas as exigências dcumentadas. P Dcument u utra evidência factual de que as cmunidades afetadas relevantes fram identificadas e s respectivs impacts sciais e ecnômics fram cnsiderads. Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Em muits cass, a identificaçã de cmunidades afetadas e s respectivs impacts pdem ser encntrads nas áreas de diagnóstic e avaliaçã d mei antrópic d Relatóri Ambiental Simplificad (RAS) u Estud de Impact Ambiental e Relatóri de Impact Ambiental (EIA/RIMA) u dcument similar. 8

9 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável P Dcument u utra evidência factual de que as cmunidades afetadas relevantes fram infrmadas sbre a decisã de implementaçã d empreendiment. Princípi 2: Relacinament cm a cmunidade lcal Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Em alguns cass audiência pública u reuniões cm cmunidade fram realizadas, prtant cnvites, ata dcumentand s temas discutids u gravações pdem servir para evidencias fat. Pssivelmente cartas cm apresentaçã d empreendiment também sã enviadas às cmunidades afetadas e partes interessadas relevantes cm bjetiv de infrmar e bter cmentáris psitivs u negativs ds destinatáris. P Plan de açã dcumentad para tratament e mitigaçã ds impacts direts e indirets, cerente cm s resultads d prcess de interaçã pública. Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Verificar a cnsistência entre s resultads da interaçã cm a cmunidade e s plans de açã assumids em caráter vluntári e em caráter legal (cndicinantes das licenças btidas u cnstantes ns plans de açã). Nesse item basta cnstatar a existência de um plan de açã, cm prazs e cmprmetiment de recurss. 9

10 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável P Dcument u utra evidência factual de que plan de açã está send mnitrad e eventuais desvis estã send tratads em temp hábil. Princípi 3: Bidiversidade e ecssistema Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Verificar se plan d item anterir (escp das tratativas cm cmunidade) está send satisfatriamente mnitrad (respnsabilidades definidas e recurss alcads). Existência de desvis u atrass nã cnfiguram-se necessariamente cm nã cnfrmidade, desde que estejam razavelmente explicads, justificads e cm plans de crreçã bem definids u até justificadamente send renegciads (frmalmente) cm órgã reguladr. Nã cnfrmidade se caracteriza pr descntrle da situaçã das ações u cmprmisss repactuads sem atendiment. P Evidências dcumentais e factuais de que prgrama ambiental está send mnitrad e implementad de acrd cm s cmprmisss assumids n licenciament ambiental e exigências psterires quand aplicáveis, incluind mnitrament de indicadres e ações crretivas n cas de desvis. Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Verificar se prgrama ambiental está send satisfatriamente mnitrad (respnsabilidades definidas e recurss alcads). Existência de desvis u atrass nã cnfiguram-se necessariamente cm nã cnfrmidade, desde que estejam razavelmente explicads, justificads e cm plans de crreçã bem definids u até justificadamente send renegciads (frmalmente) cm órgã reguladr. Nã cnfrmidade se caracteriza pr descntrle da situaçã das ações u cmprmisss repactuads sem atendiment. 10

11 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável P Certidã Negativa de Débit d INSS e Certidã Cnjunta PGFN/RFB. Princípi 4: Saúde e Segurança Ocupacinal Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Aqui smente reverificar na internet a veracidade das infrmações, sempre tend cuidad de relacinar escp e razã scial d empreendiment. Certidões psitivas cm efeit de negativas sã cnsideradas cm cnfrmes. N cas de certidões psitivas, indicar cm nã cnfrme, e clher infrmações adicinais da empresa a respeit d mntante d pssível débit e as ações que estevam send tmadas. Smente a Cmissã de Certificaçã pderá baixar a nã cnfrmidade, analisand e aclhend u nã as explicações d empreendiment. N cas de auditria adesã, as certidões devem se referir a cntrladr d empreendiment e a empreendiment (se já huver CNPJ). N cas de auditria plen, as certidões devem se referir a cntrladr e a empreendiment. P Certidã de regularidade perante FGTS. Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Aqui smente reverificar na internet a veracidade das infrmações, sempre tend cuidad de relacinar escp e razã scial d empreendiment. Certidões psitivas cm efeit de negativas sã cnsideradas cm cnfrmes. N cas de certidões psitivas, indicar cm nã cnfrme, e clher infrmações adicinais da empresa a respeit d mntante d pssível débit e as ações que estevam send tmadas. Smente a Cmissã de Certificaçã pderá baixar a nã cnfrmidade, analisand e aclhend u nã as explicações d empreendiment. N cas de auditria adesã, as certidões devem se referir a cntrladr d empreendiment e a empreendiment (se já huver CNPJ). N cas de auditria plen, as certidões devem se referir a cntrladr e a empreendiment. 11

12 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável Princípi 4: Saúde e Segurança Ocupacinal P Aut declaraçã frmal da empresa, assinada pel respnsável legal, atestand cnfrmidade cm as nrmas estabelecidas nas cnvenções da Organizaçã Internacinal d Trabalh (OIT), relacinadas cm trabalh infantil, trabalh escrav, discriminaçã e liberdade das assciações e negciaçã cletiva. Interpretaçã d item acima (us pel auditr): auditr deve clher esta aut-declaraçã e anexar uma cópia a relatóri de auditria. Verificar carg d respnsável pela declaraçã, que deve ser principal executiv d empreendiment. P Prgrama de Prevençã de Riscs e Acidentes (PPRA) atualizad (apresentaçã de Certificad OHSAS dentr da validade exime a empresa da apresentaçã desse indicadr). Interpretaçã d item acima (us pel auditr): O auditr deve verificar a existência d PPRA, devidamente aprvad, para âmbit das atividades executadas n empreendiment n mment da auditria. Atençã para dcuments desatualizads em relaçã a mment d empreendiment. N cas de Certificad OHSAS 18001, indicar n relatóri s dads d Certificad, respectiva validade e principalmente se englba as atividades d empreendiment. Se necessári, auditr pde slicitar s plans de auditria das últimas verificações de terceira parte para assegurar que empreendiment fi auditad. N cas de empreendiment em cnstruçã (adesã), verificar se a Certificaçã da cntrladra (se huver) englba atividades de bra. N cas de empreendiment em peraçã u pré-peraçã, a certificaçã, se huver, deve englbar CNPJ d empreendiment para ser cnsiderada válida. 12

13 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável P Prgrama de Cntrle Médic de Saúde Ocupacinal (PCMSO) atualizad (apresentaçã de Certificad OHSAS dentr da validade exime a empresa da apresentaçã desse indicadr). Princípi 4: Saúde e Segurança Ocupacinal Interpretaçã d item acima (us pel auditr): O auditr deve verificar a existência d PCMSO, devidamente aprvad, para âmbit das atividades executadas n empreendiment n mment da auditria. Atençã para dcuments desatualizads em relaçã a mment d empreendiment. N cas de Certificad OHSAS 18001, indicar n relatóri s dads d Certificad, respectiva validade e principalmente se englba as atividades d empreendiment. Se necessári, auditr pde slicitar s plans de auditria das últimas verificações de terceira parte para assegurar que empreendiment fi auditad. N cas de empreendiment em cnstruçã (adesã), verificar se a Certificaçã da cntrladra (se huver) englba atividades de bra. N cas de empreendiment em peraçã u pré-peraçã, a certificaçã, se huver, deve englbar CNPJ d empreendiment para ser cnsiderada válida. P Evidências de frmaçã e implementaçã da CIPA (Cmissã Interna de Prevençã de Acidentes). (apresentaçã de Certificad OHSAS dentr da validade exime a empresa da apresentaçã desse indicadr). Interpretaçã d item acima (us pel auditr): O auditr deve verificar a frmaçã ficial da CIPA e se seus membrs efetivs sã empregads d empreendiment. Mais ainda, deve cnstatar se as atividades prgramadas da CIPA estã send cumpridas pr mei de registrs factuais. N cas de Certificad OHSAS 18001, indicar n relatóri s dads d Certificad, respectiva validade e principalmente se englba as atividades d empreendiment. Se necessári, auditr pde slicitar s plans de auditria das últimas verificações de terceira parte para assegurar que empreendiment fi auditad. N cas de empreendiment em cnstruçã (adesã), verificar se a Certificaçã da cntrladra (se huver) englba atividades de bra. N cas de empreendiment em peraçã u pré-peraçã, a certificaçã, se huver, deve englbar CNPJ d empreendiment para ser cnsiderada válida. 13

14 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável P Prcediments para estque e manusei de explsivs, quand aplicável (apresentaçã de Certificad OHSAS dentr da validade exime a empresa da apresentaçã desse indicadr). Interpretaçã d item acima (us pel auditr): N cas de empreendiment em cnstruçã (adesã), verificar se a Certificaçã da cntrladra (se huver) englba atividades de bra. N cas de empreendiment em peraçã u pré-peraçã, a certificaçã, se huver, deve englbar CNPJ d empreendiment para ser cnsiderada válida. 14

15 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável REQUISITOS DESEJÁVEIS INDICADORES QUALITATIVOS Princípi Indicadr NA Observações P Dcument u utra evidência factual de que huve algum tip de participaçã das partes envlvidas na definiçã ds plans de açã de mitigaçã. Princípi 2: Relacinament cm a cmunidade lcal Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Plans de açã de mitigaçã na questã das cmunidades lcais já fram avaliads em item anterir. Aqui cabe a auditr verificar nível de participaçã das partes envlvidas na definiçã desses plans. Ntas 1 e 2 refletem nenhuma participaçã u participaçã mínima, nada além ds órgãs reguladres frmais. Nta 3 mstra algum tip de participaçã além ds órgãs reguladres, cm assciações u pessas da cmunidade. Nta 4 reflete participaçã de várias partes envlvidas, devidamente evidenciadas pr registrs, atas, u utras evidências. Nta 5 reflete melhres práticas (cicl de aprendizad na questã de participaçã das partes envlvidas). P Existência de um canal de cmunicaçã frmal para discussã das cntrvérsias durante a fase de implementaçã e peraçã d empreendiment cm evidências dcumentais de efetiv tratament das demandas. Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Aqui existem dis itens que sã avaliads cnjuntamente: a existência de um canal de cmunicaçã frmal e seu efetiv us e capacidade de respsta. Ntas 1 e 2 refletem inexistência de canal u canal smente na teria, nã na prática. Nta 3 reflete canal existente e cm alguma evidência de seu us (registr e respsta). Nta 4 reflete canal existente, registrs de seu us e capacidade de respsta e interatividade. Nta 5 reflete melhres práticas (cicl de aprendizad n us d canal). 15

16 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável P Plans de açã de investiment scial privad que extraplam as cndicinantes sciambientais d empreendiment. Princípi 2: Relacina-ment cm a cmunidade lcal Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Nã usar nta 1. Nta 2 reflete inexistência de plans de açã além das cndicinantes. Nta 3 reflete a existência de uma (01) açã além das cndicinantes. Nta 4 reflete a existência de pel mens 02 ações além das cndicinantes. Pnt adicinal (3+1) u (4+1) reflete a capacidade ptencial de aut-sustentaçã a médi praz (3 ans) de pel mens uma (01) das ações. P Dcument u utra evidência factual de que a empresa mnitra s plans de açã de investiment scial privad e tma ações de crreçã. Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Nã usar nta 1. Nta 2 reflete inexistência de plans de açã além das cndicinantes. Nta 3 reflete algum tip de plan de açã cm deficiência na implementaçã. Nta 4 reflete plan de açã de alguma frma ligad as necessidades da cmunidade, devidamente implementad e acmpanhad. Nta 5 reflete mais de uma açã ligada às necessidades da cmunidade devidamente implementadas, mnitradas e cm evidência de ações de crreçã u melhria. Pnt extra pde ser atribuíd para ações que já deixaram de ter aprte financeir d empreendiment e se trnaram aut-sustentadas. 16

17 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável P Evidências dcumentais e factuais de ações e prgramas ambientais cm bjetiv de melhria da qualidade ambiental d reservatóri e seu entrn. Princípi 3: Bidiversidade e ecssistema Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Prgramas ambientais já fram avaliads em itens anterires brigatóris. Aqui cabe a auditr verificar participaçã e eficácia n desenvlviment de prgramas ambientais além d requerid pels órgãs reguladres frmais. Ntas 1 e 2 refletem nenhuma participaçã u participaçã mínima. Nta 3 mstra algum tip de participaçã além ds órgãs reguladres, cm reflrestaments vluntáris, manej de recuperaçã de fauna, mnitrament/melhria em saneament básic, etc. Nta 4 reflete além da participaçã, evidências pr registrs, atas, u utras evidências de cntrle cntínu ds prgramas. Nta 5 reflete melhrias alcanças e evidenciadas pelas aplicações práticas ds prgramas. Princípi 4: Saúde e Segurança Ocupacinal P Exigência prevista em cntrat de que s terceirs que atuam nas instalações d empreendiment atendem as prcediments de segurança. Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Nã usar Nta 1. Nta 2 para nã atendiment cmplet. Nta 3 para existência de cláusula em pel mens um (01) cntrat cm terceirs. Nta 4 para existência de cláusula em mais de um (01) cntrat cm terceirs. Nta 5 para existência de cláusula em tds s cntrats cm terceirs. N cas de auditria plen, verificar item tant para fase de cnstruçã cm para fase de peraçã, pr mei da leitura ds cntrats. Smente cnferir nta 5 se ambas as situações (bra e peraçã) estiverem cntempladas e cmprvadas. 17

18 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável Princípi 4: Saúde e Segurança Ocupacinal P Evidência de acmpanhament d desempenh em terms de Saúde e Segurança Ocupacinal ds frnecedres (apresentaçã de Certificad OHSAS dentr da validade exime a empresa da apresentaçã desse indicadr). Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Aplicável smente para frnecedres que exercem atividades nas instalações d empreendiment, de acrd cm a fase d empreendiment. N cas de auditria plen sem adesã, devem ser verificadas evidências das fases de cnstruçã d empreendiment. Nã usar nta 1. Nta 2 reflete inexistência de acmpanhament d desempenh de SSO ds frnecedres. Nta 3 reflete algum tip de acmpanhament em frnecedres mais crítics, de frma passiva (smente pedid de infrmações e registrs).nta 4 reflete acmpanhament efetiv ds frnecedres, pr mei de mnitrament passiv e ações pró-ativas, cm pr exempl, mas nã se limitand a alguns ds itens listads: treinaments, cbrança de melhrias, mnitrament de us ds EPIs, slicitaçã de melhria ns indicadres, exigência de Certificaçã de Segurança, etc. Nta 5 reflete interaçã efetiva cm terceirs ns aspects de segurança, aplicand mais de 01 item listad cm a mair parte ds frnecedres mais crítics. N cas de Certificad OHSAS 18001, indicar n relatóri s dads d Certificad, respectiva validade e principalmente se englba as atividades d empreendiment, e indicar nta máxima. Se necessári, auditr pde slicitar s plans de auditria das últimas verificações de terceira parte para assegurar que empreendiment fi auditad.n cas de empreendiment em cnstruçã (adesã), verificar se a Certificaçã da cntrladra (se huver) englba atividades de bra. N cas de empreendiment em peraçã u pré-peraçã, a certificaçã, se huver, deve englbar CNPJ d empreendiment para ser cnsiderada válida.n cas de auditria plen, verificar item tant para fase de cnstruçã cm para fase de peraçã, pr mei de levantament de evidências. Smente cnferir nta 5 se ambas as situações (bra e peraçã) estiverem cntempladas e cmprvadas. P Plans de treinament em saúde e segurança, inclusive cm terceirs. Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Aplicável smente para frnecedres que exercem atividades nas instalações d empreendiment, de acrd cm a fase d empreendiment. N cas de auditria plen sem adesã, devem ser verificadas evidências das fases de cnstruçã d empreendiment. Nã usar Nta 1. Nta 2 reflete nã atendiment a indicadr. Nta 3 reflete algum tip de treinament em SSO cm pel mens um (01) frnecedr, devidamente registrad. Nta 4 reflete plans de treinament mais ampls, cm mais de um (01) frnecedr. Nta 5 reflete plans de treinament diverss, cm tds s frnecedres que trabalham nas instalações da empresa. N cas de auditria plen, verificar item tant para fase de cnstruçã cm para fase de peraçã, pr mei da leitura ds cntrats. Smente cnferir nta 5 se ambas as situações (bra e peraçã) estiverem cntempladas e cmprvadas. 18

19 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável Princípi 4: Saúde e Segurança Ocupacinal P Prcediments dcumentads e evidências factuais de cntrle de tdas as atividades que afetam a saúde e segurança cupacinal e respectivs registrs d cntrle peracinal (apresentaçã de Certificad OHSAS dentr da validade exime a empresa da apresentaçã desse indicadr). Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Nta 1 reflete falta de atendiment ttal a indicadr. Nta 2 reflete prevalência de descntrle sbre s pucs cntrles existentes. Nta 3 reflete a prevalência de cntrles nas atividades, apesar de crrências isladas de atividades sem cntrle. Nta 4 reflete cntrles cmplets e implementads, sem evidências de lacunas. Nta 5 reflete cntrles cmplets, implementads e cm evidências de cicls de melhria. N cas de Certificad OHSAS 18001, indicar n relatóri s dads d Certificad, respectiva validade e principalmente se englba as atividades d empreendiment, e indicar nta máxima. Se necessári, auditr pde slicitar s plans de auditria das últimas verificações de terceira parte para assegurar que empreendiment fi auditad. N cas de empreendiment em cnstruçã (adesã), verificar se a Certificaçã da cntrladra (se huver) englba atividades de bra. N cas de empreendiment em peraçã u pré-peraçã, a certificaçã, se huver, deve englbar CNPJ d empreendiment para ser cnsiderada válida. N cas de auditria plen, verificar item tant para fase de cnstruçã cm para fase de peraçã, pr mei de levantament de evidências. Smente cnferir nta 5 se ambas as situações (bra e peraçã) estiverem cntempladas e cmprvadas. Númer de requisits desejáveis qualitativs (se huver algum requisit Nã aplicável, deve ser subtraíd d númer a lad) Ttal de Pnts Obtids 19

20 Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável REQUISITOS DESEJÁVEIS INDICADORES QUANTITATIVOS Princípi Indicadr NA Observações P1.5.1.Penalidades e multas aplicadas. Princípi 1: Habilitaçã legal d negóci Pntuaçã deste indicadr Mais de 1 NA 1 NA 0 - Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Quantidade de multas cm decisã final (transitada e julgada) aplicadas cntra empreendiment. Nã devem ser cnsideradas neste item prcesss de autuaçã, smente multas já transitadas e julgadas. Em cas de crrência de 1 multa u mais, auditr deve anexar cópias de cada prcess para que a Cmissã de Certificaçã avalie a criticidade de cada prcess e decida pela cncessã d Certificad cm base nesta análise. P Índice de aquisições amigáveis. Pntuaçã deste indicadr 45% > 45% e 55% > 55% e 65% > 65% e 75% > 75% - Princípi 2: Relacinament cm a cmunidade lcal Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Ttal de aquisições amigáveis / Ttal de aquisições realizadas P Índice de mã de bra reginal cntratada. Pntuaçã deste indicadr 20% > 20% e 30% > 30% e 40% > 40% e 50% > 50% - Interpretaçã d item acima (us pel auditr): Ttal de mã-de-bra lcal cntratada ns empreendiments em cnstruçã/ Númer ttal de cntratações ns empreendiments em cnstruçã. N cas de empreendiment na primeira certificaçã, aplica-se smente para a bra. Nas renvações, aplica-se para s funcináris efetivs d empreendiment. 20

Lista de Verificação Norma de Referência Certificado de Energia Renovável Categoria ADESÃO

Lista de Verificação Norma de Referência Certificado de Energia Renovável Categoria ADESÃO REGRAS GERAIS PARA REALIZAÇÃO DA AUDITORIA / USO DA LISTA DE VERIFICAÇÃO CERTIFICADO CATEGORIA ADESÃO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA: HÍDRICA Esta lista de verificaçã aplica-se a Certificad de Energia Renvável

Leia mais

Lista de Verificação Norma de Referência Certificado de Energia Renovável Categoria PLENO

Lista de Verificação Norma de Referência Certificado de Energia Renovável Categoria PLENO Lista de Verificaçã Nrma de Referência Certificad de Energia Renvável Categria PLENO REGRAS GERAIS PARA REALIZAÇÃO DA AUDITORIA / USO DA LISTA DE VERIFICAÇÃO CERTIFICADO CATEGORIA PLENO FONTE DE GERAÇÃO

Leia mais

Lista de Verificação Norma de Referência Selo de Qualificação ABPM Categoria Pleno

Lista de Verificação Norma de Referência Selo de Qualificação ABPM Categoria Pleno Lista de Verificaçã Nrma de Referência Sel de Qualificaçã ABPM Categria Plen REGRAS GERAIS SOBRE A AUDITORIA E USO DA LISTA DE VERIFICAÇÃO Esta lista de verificaçã aplica-se smente às auditrias para Categria

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Minuta do Protocolo de Avaliação de Sustentabilidade de Hidrelétricas Agosto de 2009

Minuta do Protocolo de Avaliação de Sustentabilidade de Hidrelétricas Agosto de 2009 Minuta emitida após revisã e alteraçã pel Fórum de Avaliaçã de Sustentabilidade de Hidrelétricas Publicada pela Internatinal Hydrpwer Assciatin Minuta d Prtcl de Avaliaçã de Sustentabilidade de Hidrelétricas

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO Prezad(a) Alun(a) A mbilidade acadêmica internacinal é uma prtunidade valisa para seu cresciment individual, acadêmic e prfissinal. Nã permita que a falta de

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 005/2014 DE 07 DE ABRIL DE 2014 PROCESSO SELETIVO O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP.: 64.073-505,

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 010/ DE 11 DE JUNHO DE VESTIBULAR /02 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505, Telefne:

Leia mais

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios:

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios: Requeriments de Energia Temprária: Requeriments Mandatóris: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá ser

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmio Braztoa de Sustentabilidade

MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmio Braztoa de Sustentabilidade MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmi Brazta de Sustentabilidade Sã Paul - 2014 Seja bem vind a 3 Prêmi Brazta de Sustentabilidade É ntória as crescentes demandas que setr de turism tem cm tema

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 027/ DE 19 DE NOVEMBRO DE VESTIBULAR 16/01 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CICLO DE ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk A partir d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American de Adaptaçã

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

NORMATIVA ADMINISTRATIVA

NORMATIVA ADMINISTRATIVA Assunt: DIRETRIZES PARA COMPRA E APROVEITAMENTO DE Data de Emissã: Data de Revisã: De: 18/12/2013 Assunts Estratégics Tdas as áreas d 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estabelecer regras e parâmetrs que

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. / ///Quality management systems -'Requirements

NORMA BRASILEIRA. / ///Quality management systems -'Requirements NRMA BRASILIRA ABNT NBR IS 9001 Segunda ediçã 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 in g a. t^ J d LL ili _j f- : ir D Í 9 : 3 Cl Versã crrígida 11.09.2009 /Sistemas de gestã dá qualidade Requisits

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico Legenda da Guia de Tratament Odntlógic Term Registr NS Nº da n prestadr Num. d Camp na Númer da principal 3 Data da autrizaçã Senha senha 1 2 4 5 6 Nme d camp na Registr NS Númer da n prestadr Númer da

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Anglo American. Biodiversidade Brasil

Anglo American. Biodiversidade Brasil Angl American Bidiversidade Brasil GRUPO ANGLO AMERICAN A Angl American é um ds maires grups de mineraçã e recurss naturais d mund, cmprmetida em perar de frma sustentável e respnsável. Um ds Princípis

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 00 Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 01 TERMOS DE USO DO ECOSELO EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DESTE DOCUMENTO: Irineu Antni Brrasca Presidente d CETEC

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais