REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO-OPERACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO-OPERACIONAL"

Transcrição

1 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO-OPERACIONAL OPERACIONAL DIVISÃO DE AERONAVEGABILIDADE E ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC PROCEDIMENTOS DE REVALIDAÇÃO DE CERTIFICADOS DE AERONAVEGABILIDADE 2005

2

3 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 1088/STE, DE 17 DE OUTUBRO DE Aprova a Instrução de Aviação Civil - IAC que trata dos procedimentos de revalidação de Certificados de Aeronavegabilidade. O CHEFE DO SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO-OPERACIONAL DO DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL, tendo em vista a delegação de competência estabelecida no item 08 do Art 1 o da Portaria DAC n o 007/ DGAC, de 05 de janeiro de 2005, publicada no Diário Oficial da União n o 19, de 27 de janeiro de 2005, e de acordo com a Portaria 453/GM5, de 02 de agosto de 1991, publicada no DOU de 05 de agosto de 1991, resolve: Art.1 o Seja efetivada a IAC abaixo discriminada: IAC Título: Procedimentos de Revalidação de Certificados de Aeronavegabilidade. Art.2 o Esta Portaria entra em vigor 30 dias após a data de sua publicação no Diário Oficial da União. JORGE LUIZ BRITO VELOZO CEL.-AV Chefe Interino do Subdepartamento Técnico-Operacional PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Nº 203, DE 21 DE OUTUBRO DE I

4 PORTARIA DE APROVAÇÃO, I SUMÁRIO, II INTRODUÇÃO, IV SIGLAS E ABREVIATURAS, V CONTROLE DE EMENDAS, VI LISTA DE PÁGINAS EFETIVAS, VII 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES, FINALIDADE, FUNDAMENTO, APROVAÇÃO, DISPONIBILIZAÇÃO, CORRELAÇÕES, CANCELAMENTO, 1 SUMÁRIO 2 DEFINIÇÕES, AUTORIDADE AERONÁUTICA, AERONAVEGÁVEL, DECLARAÇÃO DE INSPEÇÃO ANUAL DE MANUTENÇÃO - DIAM, INSPEÇÃO ANUAL DE MANUTENÇÃO IAM, 2 3 DA VALIDADE DO CERTIFICADO DE AERONAVEGABILIDADE, VALIDADE, CRITÉRIOS PARA A DATA DE VALIDADE DO CA, REVALIDAÇÃO DO CA ATRAVÉS DE VTE PELA AUTORIDADE AERONÁUTICA, REVALIDAÇÃO DO CA ATRAVÉS DA EMISSÃO DE RCA E LISTA DE VERIFICAÇÃO LV POR EMPRESAS AÉREAS OU DE MANUTENÇÃO, PROVIDÊNCIAS DOS OPERADORES DE AERONAVES QUE CUMPREM OS REQUISITOS DE EMISSÃO DE RCA E LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA REVALIDAÇÃO DO CA, SISTEMA DE AMOSTRAGEM ALEATÓRIO PARA VERIFICAÇÃO DA AUTORIDADE AERONÁUTICA DAS AERONAVES QUE CUMPREM OS REQUISITOS DE EMISSÃO DE RCA E LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA REVALIDAÇÃO DO CA, RELATORIO DE CONDIÇÃO DE AERONAVEGABILIDADE RCA, VTE ANTES DA DATA DE VENCIMENTO DO CA, VENCIMENTO DO CA, SUSPENSÃO E DATA DE VENCIMENTO DO CA, INTERDIÇÃO E DATA DE VENCIMENTO DO CA, 8 4 DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS E FINAIS, PRORROGAÇÃO DO CERTIFICADO DE AERONAVEGABILIDADE, ENVIO DO PRIMEIRO RCA, EMISSÃO DE RCA E LISTA DE VERIFICAÇÃO, PRAZO PARA REVISÃO DO MGM OU MPI, VALIDADE DE DOCUMENTOS, 10 II

5 ANEXOS ANEXO 1 ANEXO 2 RELATÓRIO DE CONDIÇÃO DE AERONAVEGABILIDADE, A1 LISTA DE VERIFICAÇÃO (LV) PARA REALIZAÇÃO DE VISTORIA DE AERONAVE, A2 III

6 INTRODUÇÃO Esta Instrução de Aviação Civil tem por finalidade estabelecer procedimentos de revalidação de Certificados de Aeronavegabilidade, que deverão ser observados pelos usuários (proprietários, operadores, empresas aéreas e empresas de manutenção) e pelos Elos Executivos do SEGVÔO quanto à validade, suspensão, revogação da suspensão, cancelamento e vencimento do Certificado de Aeronavegabilidade das aeronaves civis brasileiras. Excluem-se desta Instrução de Aviação Civil, de acordo com o Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica - 43, parágrafo 43.1.(b), as aeronaves experimentais e ultraleves. IV

7 SIGLAS E ABREVIATURAS CA Certificado de Aeronavegabilidade CBA Código Brasileiro de Aeronáutica CHE Certificado de Homologação de Empresa (RBHA 145) DAC Departamento de Aviação Civil DIAM Declaração de Inspeção Anual de Manutenção DOU Diário Oficial da União FIAM Ficha de Inspeção Anual de Manutenção FIEV Ficha de Instrumentos e Equipamentos de Vôo IAC Instrução de Aviação Civil IAM Inspeção Anual de Manutenção LV Lista de Verificação RAB Registro Aeronáutico Brasileiro (TE-6) RBHA Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica RCA Relatório de Condição de Aeronavegabilidade SAC Seções de Aviação Civil SEGVÔO Sistema de Segurança de Vôo SERAC Serviços Regionais de Aviação Civil SIAC Sistema Informatizado da Aviação Civil SSA Subdepartamento de Serviços Aéreos STE Subdepartamento Técnico-Operacional (Elo Executivo do SEGVÔO) TE-1 Divisão de Aeronavegabilidade e Engenharia de Manutenção TPR Serviço de Transporte Aéreo Público Regular, Doméstico ou Internacional - Privada VTE Vistoria Técnica Especial (Realizada pela Autoridade Aeronáutica) VTI Vistoria Técnica Inicial (Realizada pela Autoridade Aeronáutica) V

8 Controle de Emendas Emenda Data da Inserida Emenda N o Ano Inserção Por N o Ano Data da Inserção Inserida por VI

9 Legenda : O=Original / E=Emenda LISTA DE PÁGINAS EFETIVAS Página Ano Página Ano Página Ano I O 2005 II O 2005 III O 2005 IV O 2005 V O 2005 VI O 2005 VII O O O O O O O O O O O 2005 A-1 O 2005 A-2 O 2005 A-2-1 O 2005 A-2-2 O 2005 A-2-3 O 2005 A-2-4 O 2005 A-2-5 O 2005 A-2-6 O 2005 VII

10

11 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 FINALIDADE Esta Instrução visa estabelecer procedimentos de revalidação de Certificados de Aeronavegabilidade. 1.2 FUNDAMENTO Decreto nº , de 12/09/69, que institui o Sistema de Aviação Civil do Ministério da Aeronáutica e a Portaria nº 453/GM5 de 02/08/91, que reformula o Sistema de Segurança de vôo. 1.3 APROVAÇÃO Aprovada pela Portaria nº 1088/STE de 17 de outubro de 2005, e entra em vigor 30 (trinta) dias após a sua publicação no Diário Oficial da União. 1.4 DISPONIBILIZAÇÃO D EN EE HM SA SE SR TA - X - INTERNET 1.5 CORRELAÇÕES RBHA 01, 10, 11, 21, 39, 43, 45, 47, 91, 121, 135, 137, 145, IAC 3108 e CANCELAMENTO Revogam-se as disposições em contrário estabelecidas na IAC 3108 até que a mesma seja reformulada. 1

12 2 DEFINIÇÕES 2.1 AUTORIDADE AERONÁUTICA Para efeito desta IAC, Autoridade Aeronáutica significa o órgão central ou qualquer elo executivo do Sistema de Segurança de Vôo - SEGVÔO, conforme aplicável (NSCA 58-01). 2.2 AERONAVEGÁVEL Condição em que a aeronave, célula, motor(es), hélice(s), acessórios e componentes em geral, se encontram de acordo com o projeto de tipo e em condições de operação segura, e ainda estejam em conformidade com todos os requisitos estabelecidos nos manuais e documentos técnicos aplicáveis, e de acordo com os requisitos dos RBHA e IAC, aplicáveis a cada aeronave, motor(es), hélice(s), acessórios e componentes. 2.3 DECLARAÇÃO DE INSPEÇÃO ANUAL DE MANUTENÇÃO - DIAM Documento no qual o responsável técnico e o proprietário da empresa homologada, ou pessoa por ele delegada, constante em contrato social, conjuntamente declaram e atestam a realização da IAM junto ao SERAC da sua área. 2.4 INSPEÇÃO ANUAL DE MANUTENÇÃO IAM Inspeção em que se procura atestar as condições de aeronavegabilidade das aeronaves, seus componentes e equipamentos, conforme definido no parágrafo (h) do RBHA 91 e nesta IAC. A IAM de que trata esta IAC é a prevista no parágrafo (h) e não a prevista no parágrafo (a) do RBHA 91. 2

13 3 DA VALIDADE DO CERTIFICADO DE AERONAVEGABILIDADE 3.1 VALIDADE Todos os Certificados de Aeronavegabilidade (CA) das aeronaves civis brasileiras devem ter a validade estipulada no próprio CA e em conformidade com a data constante no Sistema Informatizado da Aviação Civil (SIAC), de acordo com os critérios estabelecidos no item 3.2 desta IAC. 3.2 CRITÉRIOS PARA A DATA DE VALIDADE DO CA A data de validade do Certificado de Aeronavegabilidade obedece aos seguintes critérios: a) Para aeronaves que operam segundo o RBHA 121 ou aeronaves que operam segundo o RBHA 135, registradas na categoria Serviço de Transporte Aéreo Regular (TPR), a validade do CA é de 15 (quinze) anos a contar da data de fabricação da aeronave. Entretanto, as validades subseqüentes são de 06 (seis) anos a contar da data de Vistoria Técnica Inicial (VTI) ou Vistoria Técnica Especial (VTE), conforme aplicável; e b) Para aeronaves que operam segundo o RBHA 135, não registradas na categoria TPR, e aeronaves que operam segundo o RBHA 91, a validade do CA é de 06 (seis) anos a contar da data de VTI, VTE ou da data de vencimento do CA, e de acordo com o estabelecido no item 3.4 desta IAC Com o objetivo de definição da data de validade do CA para as aeronaves constantes no item 3.2.1(a) desta IAC, quando da realização de VTI ou VTE, deve ser considerado o prazo de 15 (quinze) anos a contar da data de fabricação da aeronave ou de 06 (seis) anos a contar da data da vistoria, prevalecendo a data que vencer por último Para efeito específico desta IAC, considera-se a data de fabricação de uma aeronave a data na qual os registros de inspeção de fabricação mostram que a aeronave foi considerada terminada e conforme com o projeto de tipo aprovado Quando existir dificuldade para determinação da data específica de fabricação de uma aeronave, consoante os critérios constantes no item anterior, devem ser considerados os documentos técnicos emitidos pelos fabricantes ou pelas autoridades aeronáuticas em que se evidencie a data de fabricação da aeronave. 3.3 REVALIDAÇÃO DO CA ATRAVÉS DE VTE PELA AUTORIDADE AERONÁUTICA As aeronaves que operam segundo o RBHA 121 ou as aeronaves que operam segundo o RBHA 135, registradas na categoria TPR, têm seus CA revalidados através da realização de VTE pela Autoridade Aeronáutica. 3.4 REVALIDAÇÃO DO CA ATRAVÉS DA EMISSÃO DE RCA E LISTA DE VERIFICAÇÃO LV POR EMPRESAS AÉREAS OU DE MANUTENÇÃO A emissão de Relatório de Condição de Aeronavegabilidade - RCA e Lista de Verificação LV (conforme os ANEXOS 1 e 2 desta IAC), com o objetivo de revalidação de CA, para as 3

14 aeronaves que operam segundo o RBHA 135, não registradas na categoria TPR, de acordo com o estabelecido no item 3.2.1(b) desta IAC, é de responsabilidade da Empresa Aérea operadora da aeronave, desde que conste das suas Especificações Operativas esta prerrogativa, conforme procedimentos aceitos no MGM, exclusivamente para as aeronaves da sua frota, exceto como previsto nas Disposições Transitórias e Finais desta IAC A constatação de não-conformidades relativas ao RCA e Lista de Verificação ou à estrutura de manutenção requerida, que possam comprometer a segurança de vôo, implica na perda da prerrogativa de uso de RCA e Lista de Verificação para revalidação de CA por parte da Empresa Aérea operadora, sem prejuízo das demais sanções previstas no CBA. Neste caso, independentemente do envio do RCA e Lista de Verificação, a aeronave deve ser submetida à VTE pela Autoridade Aeronáutica para revalidação do CA A emissão de RCA e Lista de Verificação, com o objetivo de revalidação de CA, para as aeronaves que operam segundo o RBHA 91, é de responsabilidade das Empresas de Manutenção homologadas segundo o RBHA 145, desde que tal prerrogativa conste no seu Adendo ao CHE e conforme procedimentos aceitos no Manual de Procedimentos de Inspeção - MPI, exceto como previsto nas Disposições Transitórias e Finais desta IAC A constatação de não-conformidades relativas ao RCA e Lista de Verificação ou à estrutura de manutenção requerida que possam comprometer a segurança de vôo, implica na perda da prerrogativa de emissão de RCA e Lista de Verificação para revalidação de CA por parte da Empresa de Manutenção, sem prejuízo das demais sanções previstas no CBA. No caso de não haver Empresa de Manutenção homologada para emissão de RCA e Lista de Verificação, o operador deve solicitar à Autoridade Aeronáutica uma VTE para revalidação do CA O RCA e Lista de Verificação, para as aeronaves constantes do item 3.2.1(b) desta IAC, somente podem ser emitidos para aquelas que se encontrem com as seguintes situações no SIAC: a) Código N (aeronave com CA em situação normal); b) Código X (aeronave interditada): será processado o RCA e Lista de Verificação; entretanto, a aeronave continua interditada até a regularização do referido código; c) Código S2 (aeronave com CA suspenso por irregularidade quanto à Licença de Estação): deve ser encaminhada junto com o RCA e Lista de Verificação uma cópia autenticada da Licença de Estação da aeronave. Se houver alguma irregularidade na Licença de Estação, pode ser concedido um prazo de 60 (sessenta) dias para o operador regularizar a referida situação; d) Código S3 (aeronave com pendências judiciais ou situação irregular no SSA): será processado o RCA e Lista de Verificação; entretanto, a aeronave continua com o CA suspenso pelo código 3 até a regularização do referido código junto ao SSA; e) Código S4 (aeronave com situação irregular no RAB): será processado o RCA e Lista de Verificação; entretanto, a aeronave continua com o CA suspenso pelo código 4 até a regularização do referido código junto ao RAB; 4

15 f) Código S5 (irregularidade de empresas RBHA 91, 121 ou 135): será processado o RCA e Lista de Verificação; entretanto, a aeronave continua com o CA suspenso pelo código 5 até a regularização do referido código junto ao órgão responsável pelo controle da empresa; g) Código S8 (aeronave com CA suspenso por IAM ou RCA vencido): a apresentação do RCA e Lista de Verificação substitui a apresentação da DIAM e será processado para efeito de validação da IAM e do CA, conforme procedimentos aplicáveis. Caso a aeronave seja incluída no processo de amostragem conforme o item 3.7 desta IAC, a regularização da IAM e da validade do CA só pode ocorrer após a VTE pela Autoridade Aeronáutica; e h) Código S9 (aeronave com CA suspenso por seguro aeronáutico vencido ou irregular): deve ser encaminhada junto com o RCA e Lista de Verificação uma cópia autenticada da Apólice de Seguro ou do Certificado de Seguro com o respectivo comprovante de pagamento Quando uma aeronave estiver em situação irregular por mais de um dos códigos previstos no item desta IAC, devem ser cumpridos os requisitos aplicáveis para regularização de cada código A critério dos Chefes do STE, da TE-1 e dos SERAC, pode ser realizada VTE em qualquer aeronave que se encontre nas condições estabelecidas no item desta IAC. Neste caso, há isenção do pagamento de emolumentos referentes à referida vistoria O RCA e Lista de Verificação para as aeronaves de que trata o item 3.2.1(b) desta IAC não podem ser emitidos para aquelas que se encontrem com as seguintes situações no SIAC: a) Código C (aeronave com CA cancelado); b) Código S1 (aeronave com CA suspenso por acidente ou incidente); c) Código S6 (aeronave com CA suspenso por situação técnica irregular); e d) Código S7 (aeronave com CA suspenso por não cumprimento de NCIA) As aeronaves que se encontrem com seus CA nas situações constantes do item desta IAC devem ser submetidas a VTE pela Autoridade Aeronáutica. Conseqüentemente, compete ao operador da aeronave apresentar o Pedido de Vistoria, anexando ao mesmo o comprovante de pagamento dos respectivos emolumentos à TE-1 ou ao SERAC, conforme aplicável As Empresas Aéreas ou de Manutenção, habilitadas para a emissão de RCA e Lista de Verificação, de acordo com o estabelecido nos itens e desta IAC, devem enviar os referidos documentos, na sua forma original, para o DAC ou SERAC, conforme o órgão responsável pelo controle da mesma Os RCA e Lista de Verificação emitidos com o objetivo de revalidação do CA devem permanecer arquivados nas empresas que os emitiram por, no mínimo, 07 (sete) anos A data de emissão do RCA e Lista de Verificação é a data referencial para efeito de análise da situação da aeronave em relação aos requisitos estabelecidos no item desta IAC. 5

16 O procedimento de revalidação de CA através de emissão de RCA e Lista de Verificação, conforme estabelecido no item desta IAC, é adotado em caráter excepcional e temporário, visando a atenuar a sobrecarga das atividades de VTE de aeronaves de atribuição do DAC e dos SERAC, podendo, entretanto, ser suspenso a qualquer momento através de emenda a esta IAC. 3.5 PROVIDÊNCIAS DOS OPERADORES DE AERONAVES QUE CUMPREM OS REQUISITOS DE EMISSÃO DE RCA E LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA REVALIDAÇÃO DO CA Os operadores de aeronaves que cumprem os requisitos para emissão de RCA e Lista de Verificação, de acordo com o estabelecido no item 3.2.1(b) desta IAC, devem apresentar o RCA e Lista de Verificação ao DAC ou SERAC, conforme aplicável, no prazo mínimo de 60 (sessenta) dias de antecedência do vencimento do CA Quando a aeronave for selecionada no Sistema de Amostragem, de acordo com o estabelecido no item 3.6 desta IAC, o operador, ao receber a notificação do órgão que identificou a aeronave no referido sistema, deve apresentar o Pedido de Vistoria, visando à realização da VTE da aeronave para revalidação do CA As aeronaves a serem vistoriadas como Sistema de Amostragem estão isentas do pagamento de emolumentos referentes à referida vistoria. 3.6 SISTEMA DE AMOSTRAGEM ALEATÓRIO PARA VERIFICAÇÃO DA AUTORIDADE AERONÁUTICA DAS AERONAVES QUE CUMPREM OS REQUISITOS DE EMISSÃO DE RCA E LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA REVALIDAÇÃO DO CA Deve ser selecionado um percentual de 20% (vinte por cento) das aeronaves constantes do item desta IAC, através de um processo aleatório no SIAC, com o objetivo de que essas aeronaves sejam vistoriadas pela Autoridade Aeronáutica, visando a um processo de amostragem da eficiência e qualidade das verificações realizadas nas aeronaves, segundo o processo de RCA e Lista de Verificação O percentual de amostragem de 20% (vinte por cento) pode ser aumentado ou diminuído pelo DAC, considerando o resultado da eficácia do referido processo, através de emenda a esta IAC O Sistema de Amostragem para definição das aeronaves a serem vistoriadas pela Autoridade Aeronáutica deve ser processado através de um sistema informatizado pelo método aleatório, que é gerado na seqüência das atualizações das validades dos CA dessas aeronaves, através dos RCA e Lista de Verificação encaminhados pelos operadores As aeronaves que forem selecionadas no Sistema de Amostragem devem ser identificadas na Tela de Aeronavegabilidade do SIAC através da sigla SA, no resultado de vistoria correspondente ao processo de RCA Compete ao órgão que recebeu o RCA e Lista de Verificação da aeronave que tenha sido selecionada no Sistema de Amostragem informar ao operador, imediatamente, da necessidade de que a mesma seja disponibilizada, no prazo máximo de 45 (quarenta e cinco) dias, para a realização de VTE pela Autoridade Aeronáutica. 6

17 3.6.6 O órgão que recebeu o RCA e Lista de Verificação, desde que cumprido o prazo estabelecido no item desta IAC, pode, quando necessário, prorrogar a validade do CA da aeronave por até 90 (noventa) dias, fins permitir a realização de VTE, desde que não existam motivos técnicos, operacionais, administrativos ou legais que impeçam a referida prorrogação. 3.7 RELATORIO DE CONDIÇÃO DE AERONAVEGABILIDADE RCA O Relatório de Condição de Aeronavegabilidade (RCA), conforme o ANEXO 1 desta IAC, é compulsório para todas as aeronaves conforme estabelecido na Seção (d) e (f) do RBHA 91, devendo ser adequado à situação de cada aeronave Exceto como previsto nas Disposições Transitórias e em desta IAC, a não apresentação do RCA por parte do operador de qualquer aeronave, dentro dos prazos estabelecidos na Seção , implica na suspensão do seu Certificado de Aeronavegabilidade pelo código 8 (IAM ou RCA vencido) Os RCA emitido pelas empresas aéreas e de manutenção devem ser assinados pelo Diretor de Manutenção, qualificado conforme RBHA 119, e Responsável pela Qualidade dos Serviços (RPQS), qualificado conforme RBHA 145, respectivamente. 3.8 VTE ANTES DA DATA DE VENCIMENTO DO CA Considerando a data de validade do CA, recomenda-se o cumprimento dos seguintes procedimentos: A Empresa Aérea operadora de aeronaves segundo o RBHA 121 ou operadora de aeronaves segundo o RBHA 135, registradas na categoria TPR, pode solicitar a realização de VTE, de acordo com procedimento previsto, de modo a coincidir com a data provável de conclusão de tarefas do programa de manutenção da aeronave; entretanto, a VTE deve ser, necessariamente, solicitada com pelo menos 60 (sessenta) dias de antecedência da data de vencimento do CA; A Empresa Aérea operadora de aeronaves segundo o RBHA 135, não registradas na categoria TPR, e operadores de aeronaves segundo o RBHA 91, podem solicitar a realização de VTE, de acordo com procedimento previsto, de modo a coincidir com a data provável de conclusão de tarefas do programa de manutenção da aeronave ou da IAM; entretanto, a VTE deve ser, necessariamente, solicitada com pelo menos 30 (trinta) dias de antecedência da data de vencimento do CA; e A TE-1 ou o SERAC pode avaliar o pedido de isenção temporária, conforme procedimento previsto, para concessão de extensão da validade do Certificado de Aeronavegabilidade Padrão, de modo a coincidir com a data provável de conclusão de tarefas do programa de manutenção da aeronave ou da IAM, desde que o pedido seja apresentado acompanhado de consubstanciação técnica necessária, nos prazos estabelecidos. 3.9 VENCIMENTO DO CA A aeronave que tiver o seu CA vencido esta impedida de realizar vôo e deve constar como irregular pelo código V no SIAC. 7

18 3.10 SUSPENSÃO E DATA DE VENCIMENTO DO CA A aeronave que tiver o seu CA suspenso por qualquer código e vier a ocorrer vencimento de seu CA, automaticamente o código V deve ser incluído na codificação da situação da aeronave. Caso esteja apenas com o CA vencido (código V ) e vier a ocorrer qualquer situação passível de enquadramento nos códigos numéricos, aqueles aplicáveis devem ser adicionados à codificação INTERDIÇÃO E DATA DE VENCIMENTO DO CA A interdição de uma aeronave (código X ) não altera a data de vencimento do seu CA. 8

19 4 DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS E FINAIS 4.1 PRORROGAÇÃO DO CERTIFICADO DE AERONAVEGABILIDADE A aeronave que opere segundo o RBHA 121, ou a aeronave que opere segundo o RBHA 135, registrada na categoria TPR (item 3.2.1(a)), que possa ter a validade atual do CA vencendo até 31 de março de 2006, deve ter o respectivo CA prorrogado até a referida data, exceto conforme previsto no item desta IAC e desde que não existam motivos técnicos, operacionais, administrativos ou legais que impeçam a referida prorrogação. 4.2 ENVIO DO PRIMEIRO RCA Todas as empresas aéreas operadoras de aeronaves segundo o RBHA 121 e empresas aéreas operadoras de aeronaves segundo o RBHA 135, registradas na categoria de registro TPR, devem encaminhar o primeiro RCA até 31 de março de 2006 para a frota de aeronaves operadas pelas referidas empresas. O atendimento ao estabelecido neste item é considerado como cumprimento inicial do estabelecido na Seção (d) do RBHA 91. Os RCA e Lista de Verificação adequadamente emitidos e enviados ao DAC, conforme este item, devem ser utilizados no processo de migração da validade do CA para as disposições constantes no Capítulo 3 desta IAC A não apresentação, para as aeronaves enquadradas em 3.2.1(a), do primeiro RCA, até 31 de março de 2006, implica na suspensão do seu CA pelo código 8 (oito) O envio do RCA e Lista de verificação para efeito de validade do CA das aeronaves que operam segundo o RBHA 91 e das aeronaves que operam segundo o RBHA 135, não enquadradas na categoria de registro TPR, conforme previsto no item (b) desta IAC, deve ser iniciado a partir de 31 de março de Para as aeronaves enquadradas no item 3.2.1(b) desta IAC, o laudo técnico correspondente ao último CA emitido, com base em VTI ou VTE,até 31 de março de 2006, pode ser computado como equivalente ao primeiro RCA, para efeito de cumprimento inicial do estabelecido na Seção (f) do RBHA EMISSÃO DE RCA E LISTA DE VERIFICAÇÃO A emissão de RCA e Lista de Verificação pelas Empresas Aéreas ou de Manutenção, para efeito de validação do CA, pode ser efetuada desde que o modelo da aeronave conste das Especificações Operativas ou do Adendo ao CHE da empresa, conforme aplicável, após a efetividade desta IAC. Entretanto, deve ser observado o prazo e respectivas disposições estabelecido no item 4.4 desta IAC. 4.4 PRAZO PARA REVISÃO DO MGM OU MPI Com o objetivo de cumprir o estabelecido nos itens e desta IAC, as Empresas Aéreas ou de Manutenção devem providenciar a revisão do MGM ou MPI para a inclusão dos procedimentos para emissão de RCA e Lista de Verificação para revalidação de CA das aeronaves. Conseqüentemente, as Especificações Operativas ou Adendo ao CHE, conforme aplicável, devem ser modificados a partir de sua primeira revisão a contar de 31 de março de 2006 ou até 31 de março de 2007, o que ocorrer primeiro. 9

20 4.5 VALIDADE DE DOCUMENTOS A partir da efetividade desta IAC, qualquer Ofício, Fax, Mensagem Rádio ou outro documento emitido pelo STE com data anterior a esta efetividade, e que venha a contrariar qualquer procedimento contido nesta IAC, fica automaticamente cancelado. 10

21 ANEXO 1 RELATÓRIO DE CONDIÇÃO DE AERONAVEGABILIDADE LOGOTIPO DA EMPRESA NÚMERO DO CHE/CHETA: NOME: ENDEREÇO: RELATÓRIO DE CONDIÇÃO DE AERONAVEGABILIDADE (RCA) CÓDIGO DA EMPRESA: I DADOS DO OPERADOR II DADOS DA AERONAVE FABRICANTE: MODELO: NÚMERO SERIE: CAT REGISTRO: CAT HOMOL: DATA FABRICAÇÃO: COR PREDOMINANTE: PMD(Kg): DATA PESAGEM: TRIP MÍNIMA CAT REG: ASSENTOS PAX: TOTAL ASSENTOS: TSN: CSN: TIPO ÚLT INSP: TSLI: CSLI: NÚMERO CA: VALIDADE CA: Nº LICENÇA ESTAÇÃO: VALIDADE LIC ESTAÇÃO: A-1 MARCAS III DADOS DO(S) MOTOR(ES) FABRICANTE: TIPO: CONVENCIONAL TURBOÉLICE A REAÇÃO TURBOFAN TURBOEIXO P MODELO Nº DE SÉRIE TSN CSN TSO CSO TSLI CSLI ÚLT INSP IV DADOS DA(S) HÉLICE(S) OU ROTOR(ES) FABRICANTE: P MODELO Nº DE SÉRIE TSN CSN TSO CSO TSLI CSLI ÚLT INSP V DADOS DAS PÁS DO ROTOR PRINCIPAL (somente para aeronaves de asas rotativas) P P/N Nº DE SÉRIE TSN CSN TSO CSO TSLI CSLI VI DADOS DAS PÁS DO ROTOR AUXILIAR (somente para aeronaves de asas rotativas) P P/N Nº DE SÉRIE TSN CSN TSO CSO TSLI CSLI VII DADOS DA UNIDADE DE FORÇA AUXILIAR (APU) FABRICANTE: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: TSN: TSO: CSN: CSO: VIII SEGURO DA AERONAVE ADITIVO (B) : SEGURADORA: Nº DA APÓLICE: VALIDADE:

22 ANEXO 2 LISTA DE VERIFICAÇÃO (LV) PARA REALIZAÇÃO DE VISTORIA DE AERONAVE MARCAS: FABRICANTE: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: OPERADOR: TIPO DA VISTORIA: INICIAL ESPECIAL MOTIVO DA VISTORIA: A-2 CAT. REGISTRO: NOTA: ESTA LISTA DE VERIFICAÇÃO TEM O OBJETIVO DE FACILITAR O CONHECIMENTO DOS OPERADORES PARA A PREPARAÇÃO DA AERONAVE PARA A EMISSAÕ DO RCA; ENTRETANTO, NÃO ESGOTA A AMPLITUDE DAS VERIFICAÇÕES, TENDO EM VISTA AS REVISÕES E ATUALIZAÇÕES DAS REGULAMENTAÇÕES EM VIGOR, TAIS COMO: CBA, RBHA, IAC, IMA, ICA E QUALQUER OUTRA NORMA EMITIDA PELA AUTORIDADE AERONÁUTICA. ITEM SINOPSE LEG. I - REQUISITOS DO ÓRGÃO VISTORIADOR ANTES DA REALIZAÇÃO DA MISSÃO 01 Pedido de Vistoria de acordo com o Anexo 25 da IAC Pagamento de emolumentos referente à vistoria. 03 Cópia do Certificado de Aeronavegabilidade para Exportação (VTI). 04 Cópia do Desregistro ou Declaração de Não Registro (VTI). 05 Autorização de importação emitida pela COTAC (VTI). 06 Declaração de Reserva de Marcas (VTI). 07 Situação de homologação da aeronave regularizada (homologada ou isenta). 08 Relatório H Para aeronaves com o CA suspenso pelos códigos 3 ou 4 Parecer favorável do SSA ou do RAB, respectivamente, para a realização de referida vistoria. 10 Para aeronaves RBHA 135 SEGVÔO 150 com parecer favorável. 11 Para aeronaves RBHA 121 Parecer favorável da Seção 4TE Para aeronaves SAE Situação regularizada no SSA. 13 Levantamento de todos os requisitos técnicos necessários para vistoria. II - PROVIDÊNCIAS DO OPERADOR ANTES DA VISTORIA 01 Solicitar a vistoria de acordo com o Anexo 25 da IAC Contato com DAC ou SERAC para confirmar vistoria. 03 Índice e Diretrizes de Aeronavegabilidade aplicáveis à aeronave. 04 Índice e Diretrizes de Aeronavegabilidade aplicáveis ao(s) motor(es). 05 Índice e Diretrizes de Aeronavegabilidade à(s) hélice(s). 06 EA, ER ou TCDS da Aeronave, conforme aplicável. 07 EM ou TCDS do Motor, conforme aplicável. 08 EH ou TCDS da Hélice, conforme aplicável. 09 Manual de Operação da aeronave. 10 Manual de Manutenção da aeronave. 11 Manual de Vôo / Check List da aeronave. 12 Programa de Manutenção da Aeronave (ou programa aprovado pelo DAC). 13 Programa de Manutenção do(s) motor(es). 14 Programa de Manutenção da(s) hélice(s). 15 Diário de Bordo da aeronave. 16 Cadernetas de Célula, de Motor(es) e de Hélice(s). 17 Todos os registros primários de manutenção da aeronave, do(s) motor(es) e da(s) 18 hélice(s), conforme aplicável. Todos os registros primários das Diretrizes de Aeronavegabilidade da aeronave, motores, hélices e componentes, conforme aplicável. 19 Manual de Peso e Balanceamento da aeronave. 20 Planta baixa da configuração da aeronave.

23 21 Levantamento dos Programas Especiais de Manutenção (CPCP, SSID, AGING, etc.). 22 Levantamento dos componentes controlados. 23 RBHA 43, 45, 91, (121 ou 135, conforme aplicável), 145 e demais RBHA conforme aplicável para a vistoria. 24 IAC 3133, 3142, 3149, 3150, 3151, 3152 e demais IAC conforme aplicável para a vistoria. 25 IAC 3127 (quando for o caso). 26 IMA do DECEA. 27 Licença de Estação da aeronave (VTE). 28 A aeronave deverá estar totalmente preparada para a vistoria. 29 Vistoria no Brasil aeronave deverá estar em empresa homologada para o seu modelo, fins possibilitar suporte técnico necessário à vistoria. 30 Vistoria no exterior aeronave deverá estar no fabricante da aeronave ou em local que possibilite suporte técnico necessário à vistoria. III ANÁLISE TÉCNICA E DOCUMENTAL DA AERONAVE PELOS VISTORIADORES ANTES DA VISTORIA FÍSICA 01 Comprovação de desregistro da aeronave VTI. 02 Certificado de Aeronavegabilidade para Exportação VTI. 03 Certificado de Nacionalidade/Matrícula análises necessárias VTE. 04 Certificado de Aeronavegabilidade análises necessárias VTE. 05 NSMA 3-5 e Licença de Estação de Aeronave - análises necessárias. 07 Seguro da Aeronave (Apólice ou Cert. Indiv + Comp. Pagamento). 08 FIAM Análises técnicas/homol. Oficina/Qualif. Pessoal. 09 Para aeronaves RBHA 121 análise do RCA. 10 Apêndice D do RBHA 43 Observar o cumprimento na FIAM. 11 Anexo 2 (IAC 3127) Análises Técnicas/Homol. Oficina/Qualif. Pessoal. 12 Critérios de preservação da aeronave no período de inatividade. 13 Diário de Bordo da aeronave análises necessárias. 14 Comprovação do último Teste do Transponder. 15 Comprovação do último Teste do Altímetro e Sistema ADC. 16 Comprovação da última aferição da bússola magnética. 17 Comprovação do último Teste VOR. 18 Último teste de vôo da aeronave nos últimos 60 (sessenta) dias. Caderneta de Célula Análises necessárias (ou para aeronaves RBHA 121 ou 135, 19 conforme aplicável, registros primários de todos os registros de manutenção da aeronave desde nova). Caderneta de Motor Análises necessárias (ou para aeronaves RBHA ou 135, conforme aplicável, registros primários de todos os registros de manutenção do motor desde novo). Caderneta de Hélice Análises necessárias (ou para aeronaves RBHA ou 135, conforme aplicável, registros primários de todos os registros de manutenção da hélice desde nova). 22 Manual de Vôo da aeronave atualizações e análises necessárias. 23 Manual de Operação da aeronave atualizações e análises necessárias. 24 Check List da aeronave atualizações e análises necessárias. OBS: Diretrizes de Aeronavegabilidade (DA) são as diretrizes brasileiras ou estrangeiras (AD, CF, CN, BLA, etc) aplicáveis às aeronaves, motores, hélices e equipamentos, em conformidade com o previsto no RBHA 39 e na IAC 3142, devendo ser apresentados todos os registros primários. 25 Cumprimento das DA s da aeronave. 26 Cumprimento das DA s do(s) motor(es) Cumprimento das DA s da(s) hélice(s) Análise do cumprimento dos requisitos do Relatório H Análise do Manual de Vôo da aeronave em relação ao Relatório H Análise do cumprimento dos requisitos da EA, ER ou TCDS. 31 Análise do cumprimento dos requisitos da EM ou TCDS. 32 Analise do cumprimento dos requisitos da EH ou TCDS. A-2-1

IS Nº 21.181-001 Revisão B

IS Nº 21.181-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21.181-001 Aprovação: Resolução nº 147, de 17 de março de 2010, publicada no Diário Oficial da União, N 54, Seção 1, p. 16, de 22/03/2010 Assunto: Revalidação de Certificados

Leia mais

Vistoria de Aeronaves. Análise do Formulário F-100-34

Vistoria de Aeronaves. Análise do Formulário F-100-34 Vistoria de Aeronaves Análise do Formulário F-100-34 Objetivo Detalhar a atuação do RC durante a inspeção de aeronavegabilidade através da análise do formulário F-100-34 Introdução Recomenda-se que a atividade

Leia mais

DADO TÉCNICO - Informação que suporta e/ou descreve a modificação ou reparo, incluindo o seguinte:

DADO TÉCNICO - Informação que suporta e/ou descreve a modificação ou reparo, incluindo o seguinte: TERMOS E DEFINIÇÕES DE MANUTENÇÃO AERONAVEGÁVEL - Condição em que a aeronave, célula, motor (es), hélice(s), acessórios e componentes em geral, se encontram de acordo com o projeto de tipo e em condições

Leia mais

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal.

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL ANAC GERÊNCIA GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS GGCP PROCESSOS DE HOMOLOGAÇÃO SUPLEMENTAR DE TIPO (HST) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Nota: As informações apresentadas

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL DIVISÃO DE AERONAVEGABILIDADE E ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL DIVISÃO DE AERONAVEGABILIDADE E ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL DIVISÃO DE AERONAVEGABILIDADE E ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL - NORMATIVA IAC 3152 CADERNETAS DE

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO DO DAC

IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO DO DAC REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 180-1003 IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV)

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) 20 DEZ 2004 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 1204/STE, DE 26

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.9-003 Aprovação: Portaria nº 1.629/SAR, de 16 de agosto de 2012, publicada no Diário Oficial da União, N 160, Seção 1, página 3, de 17 de agosto de 2012. Assunto: Cadernetas

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Aprovação: Portaria nº 7, de 2 de janeiro de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 3 de janeiro de 2014, Seção 1, página 2. Assunto: Programa de Manutenção

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 137.201-001 Revisão B

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 137.201-001 Revisão B INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 137.201-001 Revisão B Aprovado por: Portaria nº 69, de 10 de janeiro de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 11 de janeiro de 2013, Seção 1, página 2. Assunto:

Leia mais

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, N 52, S/1, DE 18 DE MARÇO DE 2002.

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, N 52, S/1, DE 18 DE MARÇO DE 2002. !!" # $ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 0194/STE, DE 14 DE MARÇO DE 2002. Aprova a Instrução de Aviação Civil que dispõe sobre a elaboração do Manual Geral de Operações

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL - NORMATIVA IAC 3515-133 133 AUTORIZAÇÃO PARA OPERAÇÕES DE HELICÓPTEROS

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 200-1001 PLANO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

2005 IAC 118-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

2005 IAC 118-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL ! MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 956 /STE, DE 16 DE SETEMBRO DE. Aprova a Instrução de Aviação Civil - IAC que trata dos procedimentos e trâmite

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL !" """ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N o 034/DGAC, DE 19 DE JANEIRO DE 2000 Aprova a Instrução de Aviação Civil que dispõe sobre alterações em vôos regulares e realização

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-100/SAR Revisão 07

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-100/SAR Revisão 07 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-100/SAR Revisão 07 CERTIFICAÇÃO DE AERONAVEGABILIDADE Assunto: Aprovado por: Portaria nº 1204, de 14 de maio de 2013, publicada no Boletim de Pessoal e Serviço - BPS, v. 8,

Leia mais

Boletim de Aeronavegabilidade

Boletim de Aeronavegabilidade Edição Campo Grande/MS Número 004/2014 Em outubro de 2014, a Superintendência de Aeronavegabilidade SAR, por intermédio da Gerência Técnica de Aeronavegabilidade de Brasília (GTAR/DF) realizou a Ação de

Leia mais

IAC 3134-0799. FUNDAMENTO Decreto nº 65.144, de 12/09/69, que institui o Sistema de Aviação Civil do Ministério de Aeronáutica.

IAC 3134-0799. FUNDAMENTO Decreto nº 65.144, de 12/09/69, que institui o Sistema de Aviação Civil do Ministério de Aeronáutica. República Federativa do Brasil Comando da Aeronáutica Departamento de Aviação civil SUBDEPARTAMENTO TÉCNI- CO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL NORMATIVA IAC Nº 3134-0799 DATA DE APROVAÇÃO : 09 / 07 /99 ÂMBITO

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43 012 Aprovação: Portaria Nº 786/SAR, de 25 de março de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2013, Seção 1, pág. 2, republicada no Diário Oficial

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC e a Instrução Suplementar IS, estabelece critérios para a elaboração

Leia mais

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A.

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Este RBHA-E deve ser colocado junto ao RBHA 121 e revoga o RBHA-E 92 Este arquivo contém o texto do RBHA-E 92A no formato

Leia mais

VEÍCULOS ULTRALEVES AUTOPROPULSADOS: REGRAS DE OPERA- ÇÃO E REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE CERTIFICADOS DE PILO- TO DESPORTIVO E DE PILOTO DE RECREIO.

VEÍCULOS ULTRALEVES AUTOPROPULSADOS: REGRAS DE OPERA- ÇÃO E REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE CERTIFICADOS DE PILO- TO DESPORTIVO E DE PILOTO DE RECREIO. RBHA 103 VEÍCULOS ULTRALEVES AUTOPROPULSADOS: REGRAS DE OPERA- ÇÃO E REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE CERTIFICADOS DE PILO- TO DESPORTIVO E DE PILOTO DE RECREIO. ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 103, APROVADO

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 39-001 Aprovação: Portaria nº 1.628/SAR, de 16 de agosto de 2012, publicada no Diário Oficial da União N 160, Seção 1, página 3, de 17 de agosto de 2012. Assunto: Diretrizes

Leia mais

RBHA 43 RBHA 43 - MANUTENÇÃO, MANUTENÇÃO PREVENTIVA, RECONDICIONAMENTO, MODIFICAÇÕES E REPARO

RBHA 43 RBHA 43 - MANUTENÇÃO, MANUTENÇÃO PREVENTIVA, RECONDICIONAMENTO, MODIFICAÇÕES E REPARO RBHA 43 - MANUTENÇÃO, MANUTENÇÃO PREVENTIVA, RECONDICIONAMENTO, MODIFICAÇÕES E REPARO Este arquivo contém o texto do RBHA 43 no formato gráfico de uma coluna. Incorpora as alterações introduzidas até a

Leia mais

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO Este arquivo contém o texto do RBHA 61 no formato gráfico de uma coluna. Incorpora as alterações introduzidas até a

Leia mais

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade CARLOS MONTINO DE OLIVEIRA Especialista em Regulação da Aviação Civil Gerência de Controle de Riscos Aeronáuticos

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 202-1001 NORMAS PARA A SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO E OPERAÇÃO

Leia mais

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2 0,1,67e5,2'$$(521È87,&$ '(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2 6Ë0%2/2 '$7$ &$7(*25,$ ',675,%8,d 2,$& (;3(',d 2 ()(7,9$d 2 3130-121-1296 12/Dez/96 31/Dez/96 NOSER D - ET - X 7Ë78/2 352&(',0(1726

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC (Brazilian Civil Aviation Authority)

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC (Brazilian Civil Aviation Authority) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC (Brazilian Civil Aviation Authority) ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIONS SPECIFICATIONS) PEC TÁXI AÉREO LTDA CHETA nº REVISÃO 2005-02-1CJO-01-02

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 135.21-001 Aprovação: Assunto: Portaria nº 1.631/SAR, de 16 de agosto de 2012, publicada no Diário Oficial da União N 160, Seção 1, página 3, de 17 de agosto de 2012. Instruções

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA Nº 602/GC-5, DE 22 DE SETEMBRO DE 2000. Estabelece os procedimentos para a aplicação e para a cobrança das Tarifas

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 61-001 Aprovação: Assunto: Portaria n o 2.363/SSO, de 1 de dezembro de 2011, publicada no Diário Oficial da União nº 231, S/1, pág. 2, de 2 de dezembro de 2011. Procedimentos

Leia mais

RBHA 140 AUTORIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE AEROCLUBES

RBHA 140 AUTORIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE AEROCLUBES RBHA 140 AUTORIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE AEROCLUBES ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 140, REFORMULADO PELA PORTARIA 349/DGAC, DE 16 DE MARÇO DE 2006, PUBLICADA NO DOU N 53, DE 17 DE MARÇO

Leia mais

RBHA 63 MECÂNICO DE VÔO E COMISSÁRIO DE VÔO

RBHA 63 MECÂNICO DE VÔO E COMISSÁRIO DE VÔO RBHA 63 MECÂNICO DE VÔO E COMISSÁRIO DE VÔO ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 63, APROVADO PELA PORTARIA 130/DGAC, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2006, PUBLICADA NO DOU 33 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2006, QUE INCLUI

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS Nº 67-003 Aprovação: Portaria nº 1775/SPO, de 8 de julho de 2015. Assunto: Procedimentos para preenchimento online dos dados do Certificado Médico Aeronáutico no Sistema de

Leia mais

Validade a partir de 11 de setembro de 2015

Validade a partir de 11 de setembro de 2015 VALOR R$ (a 4001 VETADO VETADO - 4002 SOLICITAÇÃO/CONCESSÃO DE SOBREVOO DE AERONAVES EM FASE DE INTERNAÇÃO, QUE ULTRAPASSEM O PRAZO DE SEIS MESES, NO BRASIL SEM REGULARIZAÇÃO 62,97 SAR 4003 SEGUNDA VIA

Leia mais

RBAC Nº 65 (versão para audiência pública)

RBAC Nº 65 (versão para audiência pública) NPR: RBAC Nº 65 - LICENÇAS, HABILITAÇÕES E REGRAS GERAIS PARA DESPACHANTE OPERACIONAL DE VOO E MECÂNICO DE MANUTENÇÃO AERONÁUTICA RBHA 65 (Nota: Os requisitos desta coluna estão fora da ordem para que

Leia mais

RBHA 61 RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO

RBHA 61 RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 61, APROVADO PELA RESOLUÇÃO N 5, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006, PUBLICADA NO DOU Nº 239,

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL 43 Título: Aprovação: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 21 EMENDA nº 01 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO AERONÁUTICO Resolução nº 210, de 29 de novembro de 2011, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência-Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO APROVAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS, EXCETO AERONAVES, MOTORES DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO EFETIVAÇÃO 09.11.

MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO EFETIVAÇÃO 09.11. MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO IAC -3135-137-1095 EXPEDIÇÃO 20.10.95 09.11.95 NOSER D-HC-GV-SE-SR-IN-X TITULO: VÔO AGRÍCOLA

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS Aprovação: Resolução nº 87, de 11 de maio de 2009, publicado no Diário Oficial da União N 88, S/1, p. 145, de 12/05/2009. Assunto: Publicações técnicas: obtenção, controle e

Leia mais

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135)

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135) RBAC 135 EMD 03 RBAC 135 EMD 04 para consulta pública SUBPARTE A SUBPARTE A GERAL GERAL 135.1 Aplicabilidade 135.1 Aplicabilidade (a) Este regulamento estabelece regras que regem: (a) Este regulamento

Leia mais

18 JUL 2003 IAC 121-1001 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

18 JUL 2003 IAC 121-1001 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL !" #$ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N O 904/STE, DE 13 DE JUNHO DE 2003. Aprova a Instrução de Aviação Civil - IAC que trata dos padrões mínimos de Estação de Linha

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 145-001 Aprovação: Portaria nº 2167, de 26 de agosto de 2013. (Retificada no Diário Oficial da União, de 17 de setembro de 2013, Seção 1, página 16) Assunto: Certificação

Leia mais

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 REGULAMENTO (UE) N. o 593/2012 DA COMISSÃO de 5 de julho de 2012 que altera o Regulamento (CE) n. o 2042/2003 relativo à aeronavegabilidade permanente

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - Das Disposições Preliminares

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - Das Disposições Preliminares O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: LEI N o 7.183, DE 5 DE ABRIL DE 1984. Regula o exercício da Profissão de Aeronauta, e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 141-001 Aprovação: Portaria nº 1554, de 22 de junho de 2015. Assunto: Procedimentos para comunicação da relação de alunos de cursos homologados em escolas de aviação civil.

Leia mais

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização)

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) MANUAL DE INSTRUÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA ESCOLA DE AVIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (OASP) SÃO PAULO 2014

Leia mais

2005 IAC 135-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

2005 IAC 135-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL ! MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 976/DGAC, DE 20 DE SETEMBRO DE. Aprova a IAC que estabelece normas para elaboração e análise de programa de

Leia mais

Regulamentação da Profissão de Aeronauta

Regulamentação da Profissão de Aeronauta Regulamentação da Profissão de Aeronauta Elisangela Gomes Soares de Castilho 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo Regulamentação da Profissão de Aeronauta diz respeito ao estudo dos principais meios de regulamentação

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO JUSTIFICATIVA O Rio de Janeiro ao longo dos anos vem ampliando seu destaque no cenário nacional e internacional, sendo sede de diversos

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 43.13-004 Aprovação: Assunto: Portaria nº 1.630/SAR, de 16 de agosto de 2012, publicada no Diário Oficial da União N 160, Seção 1, página 3, de 17 de agosto de 2012. Procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 342, DE 9 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 342, DE 9 DE SETEMBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 342, DE 9 DE SETEMBRO DE 2014. Regulamenta os documentos e as demonstrações contábeis padronizadas a serem apresentados pelas empresas brasileiras que exploram os serviços aéreos públicos,

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL

RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 141, APROVADO PELA PORTARIA Nº 827/DGAC DE 04 DE AGOSTO DE 2004, PUBLICADA NO DOU Nº 158, DE 17 DE AGOSTO DE 2004, INCLUINDO A EMENDA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. Estabelece requisitos de aderência para pistas de pouso e decolagem. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício da competência que lhe

Leia mais

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral?

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O sistema de envio de relatório semestral tem por finalidade

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO AERONÁUTICO. RBAC nº 21 EMENDA nº 00 Aprovação: Resolução ANAC nº xx, de xx de xxxxxxxx de 2009 Origem: SAR SUMÁRIO SUBPARTE A GERAL

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129

Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129 Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129 d) Possuir formação de base, formação contínua e formação específica na área de prevenção de acidentes, segurança de voo e gestão do sistema

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS)

ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS) AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (NATIONAL CIVIL AVIATION AGENCY) ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS) CERTIFICADO ETA Nº 2013-09-03CB-01- Parte - A PARTE A GERAL PARTE A GERAL A-1 PARTE

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MPR-900 Volume 02 Revisão 00 Assunto: MANUAL DO INSPETOR VOLUME 2 CERTIFICAÇÃO E PROCESSO DE SOLICITAÇÃO DE EMPRESA (MANUTENÇÃO) A Superintendência de Aeronavegabilidade SAR

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR n o 119-001/SSO Assunto: Procedimentos para Análise e Aprovação dos Programas de Treinamento de Empresas de Transporte Aéreo 27/04/2009 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR n o 119-001/SSO

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 145 EMENDA nº 00 Título: ORGANIZAÇÕES DE MANUTENÇÃO DE PRODUTO AERONÁUTICO Aprovação: Resolução nº xxx, de yy de zzzzzzzz de 2010 Origem: SAR SUMÁRIO SUBPARTE

Leia mais

Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade

Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade Normativo Técnico 4 Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade PARTE A: GENERALIDADES... 3 4.001 APLICABILIDADE... 3 4.003 DEFINIÇÕES... 3 4.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 5 PARTE B: CERTIFICADOS DE AERONAVEGABILIDADE...

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

RBHA 91 REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS

RBHA 91 REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS Este arquivo contém o texto do RBHA 91, aprovado pela Portaria nº 482/DGAC de 20 de março de 2003, publicada no Diário Oficial da União nº 76, de 22 de abril

Leia mais

Data da emissão: XX de XXXX de 2014 RBAC nº 65 Emenda nº 00

Data da emissão: XX de XXXX de 2014 RBAC nº 65 Emenda nº 00 Título: Aprovação: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 65 EMENDA nº 00 LICENÇAS, HABILITAÇÕES E REGRAS GERAIS PARA DESPACHANTE OPERACIONAL DE VOO E MECÂNICO DE MANUTENÇÃO AERONÁUTICA Resolução

Leia mais

RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL

RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 141, APROVADO PELA PORTARIA Nº 827/DGAC DE 04 DE AGOSTO DE 2004, PUBLICADA NO DOU Nº 158, DE 17 DE AGOSTO DE 2004, INCLUINDO A EMENDA

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 04

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 04 Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 04 LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Aprovação: Resolução ANAC nº 237, de 5 de junho de 2012. Origem: SPO SUMÁRIO

Leia mais

SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014

SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014 SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014 Dispõe sobre o Regime Especial da Copa do Mundo FIFA 2014 e dá outras providências. A DIRETORIA DA

Leia mais

LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010.

LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO SUMÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 43 EMENDA nº 00 MANUTENÇÃO, MANUTENÇÃO PREVENTIVA, RECONSTRUÇÃO E MODIFICAÇÃO Aprovação: Resolução nº xxx, de yy de zzzzzz de 2010 Origem: SAR SUMÁRIO

Leia mais

INSPEÇÃO DE CONFORMIDADE DE PRODUTOS AERONÁUTICOS

INSPEÇÃO DE CONFORMIDADE DE PRODUTOS AERONÁUTICOS AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos INSPEÇÃO DE CONFORMIDADE DE PRODUTOS AERONÁUTICOS MPH-310 AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência-Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO VALIDAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO DE TIPO DE MOTORES E HÉLICES IMPORTADOS

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.9-001 Aprovação: Portaria ANAC nº 1523/SAR, de 11 de agosto de 2011, publicada no Diário Oficial da União nº 155, S/1, págs. 1-2, de 12 de agosto de 2011. Assunto: Instruções

Leia mais

JAA - Joint Aviation Authorities

JAA - Joint Aviation Authorities GLOSSÁRIO IFR A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas AC - Advisory Circular ACR - Ação Corretiva Retardada AD - Airworthiness Directive (Diretriz de Aeronavegabilidade dos EUA) ADF - Automatic

Leia mais

RBHA 91 REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS

RBHA 91 REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 91, APROVADO PELA PORTARIA Nº 482/DGAC DE 20 DE MARÇO DE 2003, PUBLICADA NO DOU Nº 76, DE 22 DE ABRIL DE 2003, INCLUINDO

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: Aprovação: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Organizações de Manutenção de Produto Aeronáutico Resolução nº 308, de 6 de março de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 7 de março

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: Aprovação: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 119 EMENDA nº 02 CERTIFICAÇÃO: OPERADORES REGULARES E NÃO-REGULARES Resolução nº 307, de 6 de março de 2014, publicada no Diário Oficial

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES COMPLEMENTARES E POR DEMANDA Aprovação: Resolução nº 169, de 24 de agosto de 2010, publicada

Leia mais

Portaria nº 091, de 12 de março de 2007.

Portaria nº 091, de 12 de março de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 091, de 12 de março de 2007.

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Aprovação: Portaria Nº XXX, de XX de XXXX de 201X, publicada no Diário Oficial da União de XX de XXXXX de 201X, Seção XX, página XX Assunto: Extintores de incêndio

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 26, de 21 de maio de 2009. D.O.U de 22/05/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 118/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 118/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 118/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-HHV 206B DATA: 01 DEZ 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ADVERTÊNCIA O único objetivo das investigações realizadas pelo Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA CONTINUADA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA CONTINUADA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE SEGURANÇA OPERACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DE AERONAVEGABILIDADE DIRETORIA DE OPERAÇÕES DE AERONAVES DIRETORIA DE AERONAVEGABILIDADE TERMO DE APROVAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 ALTERADA PELA IN MPA Nº 16/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para o Registro Geral da Atividade Pesqueira - RGP. A MINISTRA DE

Leia mais

08 AGO 2003 IAC 119-1003 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

08 AGO 2003 IAC 119-1003 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL ! do SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N O 900/STE, DE 12 DE JUNHO DE 2003. Aprova a Instrução de Aviação Civil - IAC que trata dos Certificado de Homologação de Operador

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 141 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 141 EMENDA nº 00 Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 141 EMENDA nº 00 CENTROS DE INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL, DESTINADOS À FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE TRIPULANTES DE VOO, TRIPULANTES DE CABINE E DESPACHANTES

Leia mais

A presente garantia terá 4 (quatro) anos de vigência sem limite de. garantia de 4 (quatro) anos contra defeitos de corrosão perfurativa.

A presente garantia terá 4 (quatro) anos de vigência sem limite de. garantia de 4 (quatro) anos contra defeitos de corrosão perfurativa. GARANTIA HYUNDAI I Terno de Garantia Hyundai O Presente Termo de Garantia Hyundai aplica-se única e exclusivamente ao veículo da marca e fabricação Hyundai devidamente identificado ao final deste documento,

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL !"# SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 915/STE, DE 13 DE JUNHO DE 2003. Aprova a Instrução de Aviação Civil do DAC que trata do processo de Homologação de Centros de

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL MARCAS DE IDENTIFICAÇÃO, DE NACIONALIDADE E DE MATRÍCULA. Aprovação: Resolução ANAC nº 220, de 20 de março de 2012, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Guia de Condições de Revenda do Veículo à Concessionária

Guia de Condições de Revenda do Veículo à Concessionária Guia de Condições de Revenda do Veículo à Concessionária CONFIE NA NOSSA ESTRELA PARA COMPRAR A SUA. No final de seu contrato de financiamento, se a sua opção for a devolução do veículo, faremos esse processo

Leia mais

PROCEDIMENTO E CONTRATO DE RESERVA DE POSIÇÃO PARA AQUISIÇÃO DA AERONAVE KRONOS 315

PROCEDIMENTO E CONTRATO DE RESERVA DE POSIÇÃO PARA AQUISIÇÃO DA AERONAVE KRONOS 315 PROCEDIMENTO E CONTRATO DE RESERVA DE POSIÇÃO PARA AQUISIÇÃO DA AERONAVE KRONOS 315 Reserva nº - Passo 1: Como reservar sua posição de entrega KRONOS 315. Com projeto de desenvolvimento e construção em

Leia mais