Marlene Soranso Engenheira Agrônoma

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marlene Soranso Engenheira Agrônoma"

Transcrição

1 AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PARA CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE ORIGEM CULTURA DO PINUS - PRAGA Sirex noctilio Marlene Soranso Engenheira Agrônoma

2 Florestas e Plantios Florestais Portaria MAPA nº 125 de 06 de agosto de 1998 Resolução Estadual IMA nº 940 de 02 de outubro de 2008 Resolução Estadual nº 115 de 26 de agosto de 2009 Livro de Acompanhamento

3 Distribuição das florestas no mundo Fonte: FAO, 2012

4 Cobertura florestal mundial - 4 bilhões de hectares Os países com maior cobertura são: Rússia, Brasil, Canadá, EUA e China - juntos têm 53% das florestas do mundo Brasil milhões de hectares, sendo cerca de 7,2 milhões com florestas plantadas (pinus e eucalipto representam cerca de 93% desse total) - SFB, 2014.

5 Mapa representativo da distribuição dos plantios florestais no Brasil Fonte: ABRAF, 2012.

6 Tabela 1 Composição das florestas plantadas no Brasil (SFB, 2013) ESPÉCIE NOME CIENTÍFICO ÁREA (ha) % Eucalípto Eucalyptus spp ,00 Pinus Pinus spp ,75 Acácia Acacia mearnsii / Acacia mangium ,12 Seringueira Hevea brasiliensis ,36 Paricá Schizolobium amazonicum ,22 Teca Tectona grandis ,97 Araucária Araucaria angustifolia ,16 Populus Populus spp ,06 Outras ,12 Total

7 Distribuição dos plantios florestais no Paraná em hectares Fonte: DERAL, 2012.

8 Setor florestal nacional movimentou VBP R$ 56,3 bilhões com 7,6 bilhões de contribuição tributária e 4. 4 milhões de empregos diretos e indiretos Paraná VBP R$ 3,53 bilhões representa 6,5% receita total do Estado Setor Florestal Paranaense é o 3 produto de exportação Quadro 1 Exportação no agronegócio paranaense 2013 Exportação do Paraná em 2013 Bilhões de Milhões de Colocação US$ toneladas Complexo Soja (farelo, grão e óleo) 6,15 11,34 1º Carnes (bovina, frango e suína) 2,53 1,27 2º Produtos Florestais (madeira, móveis e papel) 1,36 1,51 3º Sucroalcooleiro (açúcar e álcool) 1,31 2,80 4º Milho (grão) 0,92 3,84 5º Café (grão e solúvel) 0,39 0,06 6º Fonte: AGROSTAT, 2014

9 Paraná - área plantada: 1,5 milhões de hectares, 7 % do território do Estado Gerou cerca de 112 mil empregos diretos Tabela 2 Distribuição da produção industrial madeireira no Paraná em 2012 SEGMENTO UNIDADES PARTICIPAÇÃO NO BRASIL (%) Serrarias ,00% Painéis ,5% Papel e Celulose ,8% Móveis de Madeira ,6% Fonte: DERAL (2012)

10 Portaria MAPA nº 125 de 06 de agosto de 1998 Dispõe sobre o trânsito de madeira bruta, serrada e beneficiada de Pinus sp. entre os Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e desses para as demais unidades da Federação. Art. 1º - O trânsito de madeira bruta, serrada e beneficiada de Pinus sp entre os Estados acima citados e desses para as demais unidades da Federação deverá, obrigatoriamente, estar companhado de Permissão de Trânsito com declaração adicional fornecida por técnico devidamente credenciado, conforme Portaria n.º 60, de 14 de abril de 1989, ou de Certificado Fitossanitário de Origem, constando que o material está livre de Sirex noctilio, tanto na fase adulta como na imatura. Parágrafo único: Excetuam-se da exigência da Permissão de Trânsito e da declaração adicional ou do Certificado Fitossanitário de Origem o trânsito de compensados ou cavacos de 2,5 cm de espessura ou menores, móveis e pequenos objetos de madeira.

11 Resolução Estadual IMA nº 940 de 02 de outubro de 2008 Disciplina a produção, a entrada, o comércio e o trânsito de madeira de pinus no Estado de Minas Gerais. Art. 3º. Ficam condicionadas a entrada, o comércio e o trânsito em território mineiro de madeira de Pinus (tora, tábuas e ripas) à Permissão de Trânsito Vegetal - PTV, fundamentada no Certificado Fitossanitário de Origem - CFO e Certificado Fitossanitário de Origem Consolidado - CFOC, em relação a Sirex notilio. 1º Deverá constar da declaração adicional do Certificado Fitossanitário de Origem - CFO e da Permissão de Trânsito Vegetal - PTV que a partida está livre da Vespa da Madeira, Sirex noctilio. 2º Nas áreas com ocorrência da praga deverá constar da Declaração Adicional do CFO, CFOC e PTV que a madeira de Pinus foi tratada termicamente em estufa, em temperatura de pelo menos 56ºC, durante 30 minutos no centro da madeira, conforme recomendação da pesquisa.

12 Resolução Estadual nº 115/2009 Dispõe sobre a obrigatoriedade de adoção de medidas sanitárias para o controle de pragas quarentenárias nos cultivos florestais no Estado do Paraná e dá outras providências Art. 1º Determinar a obrigatoriedade do cadastramento de áreas destinadas aos cultivos florestais hospedeiros de pragas quarentenárias junto à ADAPAR, a partir de sua implantação Entende-se como hospedeiros de pragas quarentenárias para efeito desta Resolução as espécies dos gêneros Pinus e Eucalyptus.

13 Art. 3º Determinar, para as espécies do gênero Pinus, com idade superior a sete anos e em áreas superiores a 5 (cinco) hectares, com a finalidade de detectar e controlar a praga vespa-da-madeira (Sirex noctílio), a adoção, alternativamente, de uma das ações que seguem: I - a instalação de árvores armadilhas, anualmente, no período compreendido entre os meses de agosto e setembro; II a realização da Amostragem Seqüencial, no período compreendido entre os meses de março a maio. 30 dias após determinados os prazos, o proprietário deverá apresentar relatório junto à ADAPAR na URS ou ULSA inspeção de árvores armadilha, no período compreendido entre os meses de março a maio do ano subsequente à instalação. e encaminhar relatórios à ADAPAR até 30 de julho do ano corrente

14 Art. 4º Determinar, para as espécies do gênero Pinus plantadas em áreas de até 5 (cinco) hectares, a realização de inspeção visual objetivando a detecção de sintomas de ataque da vespa-da-madeira. 1º Constatada a presença da vespa-da-madeira, nos métodos de árvores armadilha, amostragem sequencial ou de inspeção visual, o proprietário deverá seguir rigorosamente as recomendações preconizadas pelo CNPF/EMBRAPA, em especial a aplicação do nematóide Deladenus siricidicola. 2º Sendo constatada a presença da vespa-da-madeira, fora do período mencionado no caput e onde não foi realizada a aplicação do nematóide, o proprietário deverá remover todas as árvores atacadas, fazendo a imediata utilização do material resultante para a produção de energia e/ou processamento industrial que elimine o foco da praga.

15 Art. 6º Sujeitar os infratores das disposições desta resolução às sanções administrativas previstas nos artigos 9º, da Lei Estadual nº /95, e 60, do Regulamento anexo ao Decreto Estadual nº 3.287/97, sem prejuízos da responsabilização cívil e criminal. Anexos da Resolução 115/2009 ANEXO I: Cadastro de Propriedade; ANEXO I: Cadastro de Produtor; ANEXO II: Relatório de Instalação de Árvores-amadilha; ANEXO III: Relatório de Amostragem Sequencial; ANEXO IV: Relatório de Inspeção de Grupamento de Árvores-armadilhas.

16 Livro de Acompanhamento O RT fará a inscrição da UP a ser certificada; 1. Ficha de cadastro do produtor, cópia do RG e CPF; 2. A ADAPAR fará a fiscalização, poderá pedir correções e emitirá o parecer final; 3. O RT fará a inscrição no Sistema SISE/CFO da UP que gerará o número 4. RT iniciará o Livro de Acompanhamento

17 Livro de Acompanhamento 1 Temo de Abertura 2 Cópia do RG e CPF do produtor 3 Ficha de Cadastro da Propriedade (Resolução 115/2009) 4 Ficha de Cadastro do Produtor (Resolução 115/2009) 5 Laudo de Vistoria para Validação de UP (IN 55/2007 MAPA) 6 Ficha de inscrição da UP(IN 55/2007 MAPA) 7 Relatório de Monitoramento da Praga (IN 55/2007 MAPA) 8 Termos de Fiscalização ADAPAR 9 Relatório Técnico do RT (Emissão de CFO - IN 55/2007 MAPA) 10 CFO emitidos 11...

18 OBRIGADA Fone: Rua dos Funcionários, 1559 Cuririba- Pr

Melhoramento de espécies florestais

Melhoramento de espécies florestais Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Melhoramento de espécies florestais Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação Introdução

Leia mais

Cadeia Produtiva da Silvicultura

Cadeia Produtiva da Silvicultura Cadeia Produtiva da Silvicultura Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira,

Leia mais

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas em Propriedades Agrícolas PRODUTOS FLORESTAIS MADEIREIROS E NÃO MADEIREIROS Prof. Geraldo Bortoletto Jr. FLORESTAS NO BRASIL (milhões ha) Florestas Naturais = 477,7 Florestas de proteção = 240,0 Florestas

Leia mais

Art. 1º Fica Aprovada a Norma Técnica para a utilização da Permissão de Trânsito de Vegetais PTV desta Instrução Normativa.

Art. 1º Fica Aprovada a Norma Técnica para a utilização da Permissão de Trânsito de Vegetais PTV desta Instrução Normativa. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 DOU de 25/08/2016 (nº 164, Seção 1, pág. 6) O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE AGOSTO DE 2016

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 MERCADO FLORESTAL Tendências para os Próximos Anos para as Florestas Plantadas Jefferson Dorigon Garcia jgarcia@stcp.com.br 23 Novembro 2016 Carambeí, PR 3 1. FLORESTAS PLANTADAS Brasil Paraná Campos

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

SETOR DE CELULOSE E PAPEL

SETOR DE CELULOSE E PAPEL SETOR DE CELULOSE E PAPEL 7º Encontro da Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis BENTO GONÇALVES 12/11/2008 Pedro Vilas Boas Dados Gerais Cadeia Produtiva do Setor Florestal Lenha Carvão Vegetal PRODUÇÃO

Leia mais

Relações Brasil - China: oportunidades de negócios para o setor agropecuário

Relações Brasil - China: oportunidades de negócios para o setor agropecuário Relações Brasil - China: oportunidades de negócios para o setor agropecuário Eduardo Correa Riedel Vice-Presidente e Diretor da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil - CNA Relações Brasil -

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N. 32/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N. 32/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N. 32/2015 TRÂNSITO INTERNACIONAL DE EMBALAGENS E SUPORTES DE MADEIRA RAFAEL RIBAS OTONI Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional VIGIAGRO São Paulo-SP 23-FEV-2016 Contexto

Leia mais

SMR Cancro Cítrico São Paulo COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. Eng. Agr. DSc. Marlon Peres da Silva

SMR Cancro Cítrico São Paulo COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. Eng. Agr. DSc. Marlon Peres da Silva SMR Cancro Cítrico São Paulo COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA Eng. Agr. DSc. Marlon Peres da Silva Temas Abordados 1. Instrução Normativa nº 37, de 05/09/2016 (MAPA); 2. Capítulo IV Área Sob Sistema

Leia mais

II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC

II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC 29/06/15 A 03/07/15 CENTRO DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIA IAPAR LONDRINA-PR CFO/CFOC CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PARA EMISSÃO DE CFO/CFO FDA Juliano

Leia mais

Instrução Normativa AGRODEFESA nº 8 DE 06/11/2014

Instrução Normativa AGRODEFESA nº 8 DE 06/11/2014 Instrução Normativa AGRODEFESA nº 8 DE 06/11/2014 Norma Estadual - Goiás Publicado no DOE em 11 nov 2014 Dispõe sobre ações e medidas fitossanitárias que visem à prevenção e controle da Ferrugem Asiática

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

A semente do cooperativismo no desenvolvimento competitivo do Estado do Paraná

A semente do cooperativismo no desenvolvimento competitivo do Estado do Paraná Fórum de Competitividade da Câmara Americana de Comércio - AMCHAM Curitiba 27/setembro/2017 Curitiba/PR A semente do cooperativismo no desenvolvimento competitivo do Estado do Paraná Eng. Agr. J O S É

Leia mais

Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações

Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações Alinne B. Oliveira Superintendente de Relações Internacionais Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil CNA 17 de novembro de 2015. O agronegócio e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No 33, DE 24 DE AGOSTO DE 2016

INSTRUÇÃO NORMATIVA No 33, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 INSTRUÇÃO NORMATIVA No 33, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Apresentando a Ibá... PAPEL PISO LAMINADO PAINÉIS DE MADEIRA CELULOSE PRODUTORES INDEPENDENTES BIOMASSA PARA ENERGIA Uma associação com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

Análisis Prospectivo del Comercio Agroalimentario Internacional. Prof. Dra. Susan E. Martins Cesar de Oliveira (Universidade de Brasília - UnB)

Análisis Prospectivo del Comercio Agroalimentario Internacional. Prof. Dra. Susan E. Martins Cesar de Oliveira (Universidade de Brasília - UnB) Análisis Prospectivo del Comercio Agroalimentario Internacional Prof. Dra. Susan E. Martins Cesar de Oliveira (Universidade de Brasília - UnB) ÍNDICE Tendências do mercado global; Perspectivas para o comércio

Leia mais

Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia ADAB

Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia ADAB Ag ên cia Est ad u al d e D ef es a Ag ro p e cu ári a d a B ah ia AD AB Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia ADAB PORTARIA N.º 408 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2016 O DIRETOR

Leia mais

Agronegócio em Mato Grosso. Abril 2013

Agronegócio em Mato Grosso. Abril 2013 Agronegócio em Mato Grosso Abril 2013 Brasil Visão Geral Brasil - Visão Geral Area 8,5 milhões km 2 (5º maior) População (2011) 195 milhões (6 º maior) PIB (2011) US$ 2,47 Trilhões (6 ª maior) Produção

Leia mais

Cenários Setoriais. Florestas.

Cenários Setoriais. Florestas. Cenários Setoriais Florestas O NEGÓCIO FLORESTAL NO BRASIL IMPORTÂNCIA DO SETOR DE BASE FLORESTAL Geração de valor (PIB): USD 17,5 bilhões / ano Impostos: USD 3,8 bilhões / ano Empregos: Diretos 1.500.000

Leia mais

EXIGÊNCIAS PARA O TRANSPORTE DE SOJA NO BRASIL E PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO.

EXIGÊNCIAS PARA O TRANSPORTE DE SOJA NO BRASIL E PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO. EXIGÊNCIAS PARA O TRANSPORTE DE SOJA NO BRASIL E PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO. Ana Carolina Lopes Amaral Costa 1, Letícia Alves Guimarães 1, Pâmela Laís Pontes Gomes 1, Geraldo de Nardi Júnior 2. 1 Discentes

Leia mais

SILVICULTURA DE PINUS

SILVICULTURA DE PINUS M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L SILVICULTURA DE PINUS Preparado para o SEMANA DA AGRONOMIA São José do Rio Preto - 23 de outubro de 2008 AS FLORESTAS NO MUNDO E O

Leia mais

A Defesa fitossanitária Brasileira e o Comércio Internacional de Material Propagativo: Análise Empresarial

A Defesa fitossanitária Brasileira e o Comércio Internacional de Material Propagativo: Análise Empresarial Workshop: Trânsito Internacional de Material Propagativo A Defesa fitossanitária Brasileira e o Comércio Internacional de Material Propagativo: Análise Empresarial Eng.ª Agr.ª Adriana Pontes Vice-Presidente

Leia mais

Florestas Plantadas no Brasil. José Roberto S. Scolforo Prof. Titular em Biometria, Inventário e Manejo Florestal

Florestas Plantadas no Brasil. José Roberto S. Scolforo Prof. Titular em Biometria, Inventário e Manejo Florestal Florestas Plantadas no Brasil José Roberto S. Scolforo Prof. Titular em Biometria, Inventário e Manejo Florestal Florestas e abastecimento global de madeira Área de florestas existentes (2005) -Naturais

Leia mais

SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas

SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas Workshop Técnico de Celulose Campo Grande MS Março 2013 www.consufor.com A EMPRESA A Consufor é uma empresa de consultoria em NEGÓCIOS e ESTRATÉGIAS,

Leia mais

CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA ELETRÔNICA SIMLAM MÓDULO INSTITUCIONAL 1ª EDIÇÃO

CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA ELETRÔNICA SIMLAM MÓDULO INSTITUCIONAL 1ª EDIÇÃO CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA ELETRÔNICA SIMLAM MÓDULO INSTITUCIONAL 1ª EDIÇÃO SUMÁRIO 1. CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA ELETRÔNICA... 3 2. CREDENCIADO... 4 2.1. Habilitação para Emissão de CFO e CFOC... 4

Leia mais

Comércio Internacional de Sementes e Mudas

Comércio Internacional de Sementes e Mudas Comércio Internacional de Sementes e Mudas CAMILA DOS SANTOS VIEIRA AUDITORA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIA SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS SEFIA/DDA/SFA-PR Panorama do Estado do Paraná - 2017

Leia mais

Agroexportações. agronegócio e cooperativismo

Agroexportações. agronegócio e cooperativismo Agroexportações 1. Resumo agronegócio e cooperativismo Janeiro a Dezembro Em as cooperativas brasileiras exportaram US$ 5,14 bilhões; As cooperativas do Estado do Paraná atingiram o valor de US$ 2,03 bilhões

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE PREVENÇÃO À MONILÍASE NO ESTADO DA BAHIA

AÇÕES DE EDUCAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE PREVENÇÃO À MONILÍASE NO ESTADO DA BAHIA AÇÕES DE EDUCAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE PREVENÇÃO À MONILÍASE NO ESTADO DA BAHIA Joaquim Raimundo Nunes Marinho - Engº Agrº Fiscal Federal Agropecuário MAPA/SFA-BA/UTRA-ITABUNA PERÍODO DE 2001 A 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

REALIDADES E PERSPECTIVAS DA FILEIRA FLORESTAL DO BRASIL

REALIDADES E PERSPECTIVAS DA FILEIRA FLORESTAL DO BRASIL REALIDADES E PERSPECTIVAS DA FILEIRA FLORESTAL DO BRASIL A. Sérgio Fabres, sergio.fabres@portucelsoporcel.com RAIZ Instituto de Investigação da Floresta e Papel, Aveiro, Portugal I Encontro de Engenheiros

Leia mais

O AGRONEGÓCIO EM MATO GROSSO

O AGRONEGÓCIO EM MATO GROSSO O AGRONEGÓCIO EM MATO GROSSO Sistema Famato Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso. Criada em 1965, é a representante máxima da estrutura que compõe o Sistema Sindical Rural do Estado

Leia mais

RESÍDUO DE AGROTÓXICOS EM GRÃOS: POSSÍVEIS BARREIRAS PARA A COMERCIALIZAÇÃO XXXVI REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA LONDRINA/PR

RESÍDUO DE AGROTÓXICOS EM GRÃOS: POSSÍVEIS BARREIRAS PARA A COMERCIALIZAÇÃO XXXVI REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA LONDRINA/PR RESÍDUO DE AGROTÓXICOS EM GRÃOS: POSSÍVEIS BARREIRAS PARA A COMERCIALIZAÇÃO XXXVI REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA LONDRINA/PR - 2017 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Base Legal e Histórico de Ocorrências 3. Cadastro

Leia mais

Mercado Internacional

Mercado Internacional A Força do Agronegócio no Mercado Internacional O Brasil que alimenta o mundo 1 27 FEDERAÇÕES ESTADUAIS +2mil SINDICATOS RURAIS +5milhões PRODUTORES RURAIS Fundada em 1951, a Confederação da Agricultura

Leia mais

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Miguel Sampol Pou Diretor Geral, Klabin S.A. Curitiba, PR Agosto

Leia mais

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio Junho de GILMAN VIANA RODRIGUES SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL EVOLUÇÃO DO USO DE FONTES

Leia mais

POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS

POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS ATUAÇÃO GLOBAL POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS Ivan Tomaselli stcp@stcp.com.br VII CONGESSO INTERNATIONAL DE COMPENSADOS E MADEIRA TROPICAL BELÉM- OUTUBRO 2007 ASPECTOS ABORDADOS

Leia mais

Total das exportações do Rio Grande do Sul. Exportações no período acumulado de janeiro a fevereiro de 2016.

Total das exportações do Rio Grande do Sul. Exportações no período acumulado de janeiro a fevereiro de 2016. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio exterior do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de fevereiro de 2016. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Composição da Área de Floresta Plantada no Brasil

Composição da Área de Floresta Plantada no Brasil Composição da Área de Floresta Plantada no Brasil Curitiba Fevereiro, 2014 1. INTRODUÇÃO Com objetivo de disponibilizar informação qualificada ao mercado de base florestal, a CONSUFOR desenvolveu uma pesquisa

Leia mais

Certificação Fitossanitária Internacional

Certificação Fitossanitária Internacional Certificação Fitossanitária Internacional Certificação Fitossanitária Internacional I Workshop: A importância do Fiscal Federal Agropecuário para a competitividade do Agronegócio no Vale do São Francisco.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Abril/2017

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Abril/2017 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Abril/2017 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no Campo

Leia mais

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio São Paulo, 22 de Setembro de 2015 Parece que estamos decolando ECONOMIA A BRASILEIR Agronegócio - Balança Comercial

Leia mais

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS IvarWendling Engenheiro Florestal Pesquisador da Embrapa Florestas Chefede P&D Santa Maria, 27/05/2011 SUMÁRIO -A Embrapa

Leia mais

Painel II: A Força do Agronegócio Brasileiro no Mercado Internacional. Comércio Exterior Agrícola

Painel II: A Força do Agronegócio Brasileiro no Mercado Internacional. Comércio Exterior Agrícola Painel II: A Força do Agronegócio Brasileiro no Mercado Internacional Comércio Exterior Agrícola Comércio Agrícola Mundial 2016 Principais Produtos Produção Exportação Nº de destinos do Brasil Açúcar 1

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Março/2016

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Março/2016 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Março/2016 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no Campo

Leia mais

1. Visão Geral. 1. Aspectos Legais e Tributos. 2. Aspectos Econômicos. 3. Aspectos Produtivos. 4. Aspectos Mercadológicos. 5. Análise estratégica

1. Visão Geral. 1. Aspectos Legais e Tributos. 2. Aspectos Econômicos. 3. Aspectos Produtivos. 4. Aspectos Mercadológicos. 5. Análise estratégica 1. Visão Geral 1. Aspectos Legais e Tributos 2. Aspectos Econômicos 3. Aspectos Produtivos 4. Aspectos Mercadológicos 5. Análise estratégica Objetivo Geral: Identificar os principais desafios, problemas

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA www.sbs.org.br Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional Associados e Colaboradores -Empresas e Associações de classe -Universidades

Leia mais

Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal. José Totti Diretor Florestal

Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal. José Totti Diretor Florestal Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal José Totti Diretor Florestal 111 anos de tradição Maior produtora e exportadora e recicladora de papéis do País Líder na produção de papéis

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso ÍNDICE 1 Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Eucalipto/Pinus. Bases Para um Projeto Florestal. 2º Congresso Florestal de Mato Grosso do Sul. 7 a 9 de Junho de

Eucalipto/Pinus. Bases Para um Projeto Florestal. 2º Congresso Florestal de Mato Grosso do Sul. 7 a 9 de Junho de M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L Bases Para um Projeto Florestal Eucalipto/Pinus 2º Congresso Florestal de Mato Grosso do Sul 7 a 9 de Junho de 2010 1 Situaçã ção Florestal

Leia mais

A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG. Alexandre Mendonça de Barros

A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG. Alexandre Mendonça de Barros A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG Alexandre Mendonça de Barros 05 de Agosto de 2013 1 Índice As transformações da economia agrícola internacional Vantagens

Leia mais

PALESTRA FINOVAd. Defesa Sanitária Vegetal

PALESTRA FINOVAd. Defesa Sanitária Vegetal PALESTRA FINOVAd Defesa Sanitária Vegetal Defesa Sanitária Vegetal Engº Agrº Adalberto A. Fioruccci IAGRO Nova Andradina O que é defesa sanitária vegetal? Ações de vigilância, fiscalização e educação sanitária

Leia mais

Departamento de Sanidade Vegetal DSV. Análise de Risco de Pragas

Departamento de Sanidade Vegetal DSV. Análise de Risco de Pragas Departamento de Sanidade Vegetal DSV Análise de Risco de Pragas Análise de risco de pragas Organização Mundial do Comércio OMC Acordo sobre Aplicação de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (SPS) Convenção

Leia mais

PLANTANDO CASAS: cadeia produtiva para implantação de habitação de interesse social em madeira de Pinus spp no Paraná - Brasil

PLANTANDO CASAS: cadeia produtiva para implantação de habitação de interesse social em madeira de Pinus spp no Paraná - Brasil PLANTANDO CASAS: cadeia produtiva para implantação de habitação de interesse social em madeira de Pinus spp no Paraná - Brasil Ricardo Dias Silva Curitiba, 2017 Cenário o déficit habitacional efeito estufa

Leia mais

O Setor de Celulose e Papel

O Setor de Celulose e Papel O Setor de Celulose e Papel Polpa e Papel 2016.2 Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal Setor de Ciências Agrárias UFPR klockuer@ufpr.br ou klockuer@gmail.com Prof. Dr. Umberto Klock CADEIA

Leia mais

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL CICLO DE REUNIÕES CONJUNTAS CSM/PR

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL CICLO DE REUNIÕES CONJUNTAS CSM/PR AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL CICLO DE REUNIÕES CONJUNTAS CSM/PR Foz do Iguaçu 21/06/2017 DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PARANÁ

Leia mais

LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL

LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL Júlio César Garcia Fiscal Federal Agropecuário LASO/LANAGRO/MG José Maurício Pereira Fiscal Federal Agropecuário UTRA/LRV/SDFA/MG Piracicaba/SP

Leia mais

Número 2 Ano 2 Janeiro a Março de M e r c a d o F l o r e s t a l Certificado

Número 2 Ano 2 Janeiro a Março de M e r c a d o F l o r e s t a l Certificado Número 2 Ano 2 Janeiro a Março de 2009 M e r c a d o F l o r e s t a l Certificado 1. In t r o d u ç ã o É com satisfação que divulgamos esta segunda edição do boletim Mercado Florestal Certificado. Concebido

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio Diretoria de Agronegócios BB e o Agronegócio Importância do Agronegócio no Brasil + 35% nas exportações do país 197,9 40,9% 41,1% 37,4% 55,1 58,2 60,4 20,6 23,8 24,8 41,9% 73,1 30,6 160,6 40,4% 137,5 118,3

Leia mais

DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL

DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL DOF APRESENTAÇÃO O Documento de Origem Florestal (DOF) é uma licença obrigatória de transporte de produtos e subprodutos florestais de Origem de espécies nativas. LEGISLAÇÕES

Leia mais

Palavras-chave: Abate de animais. Serviço de Inspeção Municipal. SIM. Município.

Palavras-chave: Abate de animais. Serviço de Inspeção Municipal. SIM. Município. O Crescimento dos Abates Inspecionados pelo Serviço de Inspeção Municipal (SIM) Osni Morinishi Rocha RESUMO Considerando a importância da produção pecuária com destaque para aves, bovinos e suínos para

Leia mais

Normas para importação de sementes beneficiadas de pupunha.

Normas para importação de sementes beneficiadas de pupunha. Normas para importação de sementes beneficiadas de pupunha. Foto: http://www.projetoreca.com.br/site/?page_id=98 Cósam de Carvalho Coutinho Diretor Departamento de Sanidade Vegetal DSV/SDA/MAPA I Simpósio

Leia mais

DIVISÃO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DDA/SFA-AC UNIDADES DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA UVAGRO S

DIVISÃO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DDA/SFA-AC UNIDADES DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA UVAGRO S MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA. SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DE AGRICULTURA NO ACRE SFA-AC. DIVISÃO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DDA/SFA-AC UNIDADES DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA UVAGRO S

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso ÍNDICE 1 Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DA BAHIA DIRETORIA DE DEFESA SANITÁRIA VEGETAL DDSV. Luís Eduardo Magalhães, BA 30 de Julho de 2013

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DA BAHIA DIRETORIA DE DEFESA SANITÁRIA VEGETAL DDSV. Luís Eduardo Magalhães, BA 30 de Julho de 2013 AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DA BAHIA DIRETORIA DE DEFESA SANITÁRIA VEGETAL DDSV Panorama do Bicudo do Algodoeiro no Oeste da Bahia Safra 2012/2013 Luís Eduardo Magalhães, BA 30 de Julho de 2013 AGÊNCIA

Leia mais

Dados do Setor. Dezembro

Dados do Setor. Dezembro Dados do Setor Dezembro - 2011 Índice Dados do Setor 3 Taxas de Recuperação de Papéis Recicláveis 16 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 4 Papéis Recicláveis 17 Distribuição Geográfica das

Leia mais

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio 61,6% do Crédito Rural/Agroindustrial no País (SNCR 31.09.2011); 77% dos valores aplicados no Pronaf (SNCR); 1,4 milhões de

Leia mais

FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas. São Paulo/SP Setembro 2000

FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas. São Paulo/SP Setembro 2000 FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas São Paulo/SP Setembro 2000 FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS

Leia mais

Santa Maria - RS

Santa Maria - RS MERCADO INTERNO E DE EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL XXVI CONGRESSO BRASILEIRO DE ZOOTECNIA ZOOTEC 2016 SIMPÓSIO III: MARKETING E EMPREENDEDORISMO Santa Maria - RS 13-05-2016 POSIÇÃO DO BRASIL

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E INVESTIMENTOS FLORESTAIS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E INVESTIMENTOS FLORESTAIS GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E INVESTIMENTOS FLORESTAIS Três Lagoas Florestal IMA 29 de Março, 2017 1 IMA Gestão e Desenvolvimento de Negócios Florestais Criada em 2009 como uma empresa de consultoria

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências AMCHAM 13 de Julho de 2016 Agronegócio - Balança Comercial - US$ Bilhões Fonte: WTO. Elaboração MBAGro. Brasil: Liderança Global no Agronegócio Suco de laranja

Leia mais

Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas

Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas Rubens Garlipp* XLIII Congresso da SOBER Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural Ribeirão Preto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO DA AGROPECUÁRIA E DA PESCA

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO DA AGROPECUÁRIA E DA PESCA GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO DA AGROPECUÁRIA E DA PESCA Comissão do Concurso Público para a Secretaria de Estado do Desenvolvimento

Leia mais

V AVISULAT Porto Alegre/RS

V AVISULAT Porto Alegre/RS V AVISULAT Porto Alegre/RS Avanços e desafios para o agronegócio brasileiro no mercado externo. Eduardo Sampaio Marques Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio SRI/MAPA Panorama do Agronegócio

Leia mais

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 2. OVERVIEW DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 3.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL BRUNO REBUÁ NIRELLO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL BRUNO REBUÁ NIRELLO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL BRUNO REBUÁ NIRELLO ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS FLORESTAIS MADEIREIROS DO BRASIL DE

Leia mais

Paraná contraria tendência nacional e aumenta exportações em 2016

Paraná contraria tendência nacional e aumenta exportações em 2016 Comércio exterior, logística, portos, transportes, indústrias, serviços, negócios e economia. Home Anuncie Institucional Fale Conosco Assinatura Pesquisar no site... Home» Notícias Paraná contraria tendência

Leia mais

12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. Política Agrícola para Florestas Plantadas

12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. Política Agrícola para Florestas Plantadas 12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL Política Agrícola para Florestas Plantadas Florestas Plantadas Legislação Lei 12.187/2009 Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC

Leia mais

Reunião do CCT e COPILs dos projetos PCFPO e PETRA. Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste

Reunião do CCT e COPILs dos projetos PCFPO e PETRA. Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste O IPAM Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) Organização científica, sem fins lucrativos; Fundada em 1995;

Leia mais

Os Desafios da Defesa Agropecuária do RS no Comércio e no Trânsito Internacional

Os Desafios da Defesa Agropecuária do RS no Comércio e no Trânsito Internacional 1970/1980 Atualmente Os Desafios da Defesa Agropecuária do RS no Comércio e no Trânsito Internacional AVISULAT 2016 Encontro da Área de Logística Porto Alegre, 22 de novembro de 2016 DESAFIOS EM UM MUNDO

Leia mais

Parceiros Comerciais do RS no período de. janeiro a abril de 2016.

Parceiros Comerciais do RS no período de. janeiro a abril de 2016. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio exterior do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2016. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Leia mais

NORMA INTERNACIONAL DE MEDIDA FITOSSANITÁRIA - NIMF N. 15, DA FAO. CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE EMBALAGENS E SUPORTES

NORMA INTERNACIONAL DE MEDIDA FITOSSANITÁRIA - NIMF N. 15, DA FAO. CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE EMBALAGENS E SUPORTES NORMA INTERNACIONAL DE MEDIDA FITOSSANITÁRIA - NIMF N. 15, DA FAO. CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE EMBALAGENS E SUPORTES DE MADEIRA. ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO FITOSSANITÁRIA BRASILEIRA A Norma Internacional

Leia mais

PRODUÇÃO E MERCADO DE MADEIRA DE PINUS COM VALOR AGREGADO

PRODUÇÃO E MERCADO DE MADEIRA DE PINUS COM VALOR AGREGADO PRODUÇÃO E MERCADO DE MADEIRA DE PINUS COM VALOR AGREGADO Eng. Florestal Leonel Freitas Menezes Presidente da AGEFLOR 3 CONGRESSO INTERNACIONAL DO PINUS LAGES/SC 17/11/2011 CONTEÚDO Florestas plantadas

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO DE BASE FLORESTAL DE MINAS GERAIS

PERFIL DO AGRONEGÓCIO DE BASE FLORESTAL DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO DE BASE FLORESTAL DE MINAS GERAIS Julho/2013 Ano base 2012/2013 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Belém, PA Junho -2016 1 Mercado de Floresta Plantada 2 Mercado de Floresta Plantada Distribuição

Leia mais

12º Congresso Brasileiro do Agronegócio Infraestrutura e Logística Painel 3 As oportunidades e as dificuldades para o aumento da oferta

12º Congresso Brasileiro do Agronegócio Infraestrutura e Logística Painel 3 As oportunidades e as dificuldades para o aumento da oferta 12º Congresso Brasileiro do Agronegócio Infraestrutura e Logística Painel 3 As oportunidades e as dificuldades para o aumento da oferta Jorge Karl Presidente da Cooperativa Agrária e Diretor da Ocepar

Leia mais

Art. 1º - A administração do Cadastro Florestal Estadual compete à Secretaria do Meio Ambiente, Órgão Florestal Estadual.

Art. 1º - A administração do Cadastro Florestal Estadual compete à Secretaria do Meio Ambiente, Órgão Florestal Estadual. DECRETO Nº 41.467, DE 08 DE MARÇO DE 2002. Regulamenta a utilização do Cadastro Florestal Estadual, da Ficha de Controle Florestal e do Rótulo Florestal, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

63ª Semana Oficial da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Maceió - AL. 23 de agosto 2006

63ª Semana Oficial da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Maceió - AL. 23 de agosto 2006 OS ASPECTOS SOCIAIS E AMBIENTAIS DOS PLANTIOS FLORESTAIS Rubens Garlipp* 63ª Semana Oficial da Engenharia, Arquitetura e Agronomia Maceió - AL 23 de agosto 2006 * Engº Ftal Superintendente da Sociedade

Leia mais

Aspectos Legais dos Produtos Artesanais no Estado do Pará

Aspectos Legais dos Produtos Artesanais no Estado do Pará GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E INCENTIVO A PRODUÇÃO AGÊNCIA ESTADUAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO ESTADO DO PARÁ ADEPARÁ DIRETORIA TECNICA AGROPECUARAIA

Leia mais

CAL - Conselho de Assuntos Legislativos. CITEC - Conselho de Inovação e Tecnologia. CODEMA - Conselho de Meio Ambiente e Sustentabilidade

CAL - Conselho de Assuntos Legislativos. CITEC - Conselho de Inovação e Tecnologia. CODEMA - Conselho de Meio Ambiente e Sustentabilidade 9//6 FIERGS e sua Estrutura de Defesa de Interesse da Indústria Gaúcha. Importância Socioeconômica e Mercado Internacional do Setor de Base Florestal do RS. Os Conselhos Temáticos e Comitês que integram

Leia mais

Biodiesel no Brasil: conjuntura atual e perspectivas

Biodiesel no Brasil: conjuntura atual e perspectivas - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Biodiesel no Brasil: conjuntura atual e perspectivas Daniel Furlan Amaral Economista ESALQ 17 de novembro de 2010 1 Sobre a A, Associação Brasileira

Leia mais

Seleção de Setores Econômicos a considerar na Análise.

Seleção de Setores Econômicos a considerar na Análise. Seleção de Setores Econômicos a considerar na Análise. Critérios de Seleção Adotados Matriz de cruzamento, cujos dados e elementos definidores estão determinados em Tabelas específicas. Além da presença

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 10.031, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015. Institui Taxa de Defesa e Inspeção Animal e Vegetal (TDIAV), decorrentes da atuação do Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do Estado

Leia mais

Mercado internacional do agro - análise FEVEREIRO/2017

Mercado internacional do agro - análise FEVEREIRO/2017 Mercado internacional do agro - análise FEVEREIRO/2017 Exportações tem caído em valores Balança Agrícola Brasileira US$ Bilhões Fonte: AgroStat a partir dos dados da SECEX/MDIC Dados extraídos em 06/01/2017.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2013

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2013 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Julho/2013 I - Resultados do mês As exportações brasileiras do

Leia mais