PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAS E SUBTERRÂNEAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAS E SUBTERRÂNEAS"

Transcrição

1 PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAS E SUBTERRÂNEAS Projeto: Monitoramento das Águas Superficiais e Subterrâneas das Sub-bacias dos Rios Verde Grande, Riachão e Jequitaí na Bacia do Rio São Francisco, em Minas Gerais

2 PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Relatório 1 Relatório de Implantação da rede de Monitoramento das Águas Subterrâneas das Sub-bacias dos Rios Verde Grande, Riachão e Jequitaí na Bacia do Rio São Francisco, em Minas Gerais janeiro de 2005 ii

3 CODEVASF Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba SEMAD - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável IGAM Instituto Mineiro de Gestão das Águas Diretoria de Instrumentalização e Controle Divisão de Sistema de Informações iii

4 CODEVASF Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba SEMAD - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável IGAM Instituto Mineiro de Gestão das Águas Diretoria de Instrumentalização e Controle Divisão de Sistema de Informações iii

5 IGAM Instituto Mineiro de Gestão das Águas Responsável Técnico pela Coordenação do Programa de Monitoramento de Águas Superficiais e Subterrâneas Zenilde das Graças Guimarães Viola Equipe Técnica Marcos Cristóvão Baptista, Geólogo Maricene Menezes de Oliveira M. Paixão, Geóloga Rebeca Eugênia Lopes de Castro, Geóloga Elaboração Marcos Cristóvão Baptista Rebeca Eugênia Lopes de Castro iv

6 Índice 1 Introdução Objetivo Metodologia Condições Viárias Condições de Amostragem Vulnerabilidade / Condições Ambientais Contexto Geológico Regional Introdução Embasamento Supergrupo Espinhaço Grupo Macaúbas Grupo Bambuí Primeira Viagem de Campo 27 de novembro a 1º de dezembro de Introdução Janaúba Porteirinha Pai Pedro Monte Azul Mamonas Espinosa Gameleiras Matias Cardoso Jaíba Segunda Viagem de Campo 12 a 15 de dezembro de Introdução Lagoa dos Patos Jequitaí Francisco Dumont Engenheiro Navarro Bocaiúva Joaquim Felício v

7 5 Implantação da Rede de Monitoramento Introdução Critérios para Escolha dos Poços da Rede de Amostragem Poços Escolhidos para a Rede Monitoramento Parâmetros de Amostragem Conclusão vi

8 Índice de Figuras Figura 1 Localização das Sub-bacias... 2 Figura 2 Localização da Bacia do São Francisco... 7 Figura 3 Coluna Estratigráfica da Bacia do São Francisco... 9 Figura 4 Mapa Geológico da Sub-bacia do Rio Jequitaí Figura 5 - Mapa Geológico das Sub-bacias dos Rios Verde Grande e Riachão Índice de Tabelas Tabela 1 Lista de Poços Cadastrados... 4 Tabela 2 Fichas de Descrição de Poços Tabela 3 Poços Localizados no Primeiro Campo Tabela 4 Poços Localizados no Segundo Campo Tabela 5 Distribuição dos Poços nos Municípios Tabela 6 Poços da Rede de Monitoramento Tabela 7 Distribuição dos Poços por Folha Tabela 8 Percurso e Quilometragem para a Campanha de Amostragem Tabela 9 Padrão de Potabilidade Tabela 10 Padrão de Aceitação para Consumo Humano Tabela 11 Parâmetros de Amostragem Índice de Quadros Quadro 1 Divisão Litoestratigráfica do Grupo Bambuí Índice de Anexos Anexo 1 Registro Fotográfico Anexo 2 Fichas de Descrição dos Poços Anexo 3 Mapa de Localização dos Poços da Rede de Amostragem vii

9 1- Introdução Este trabalho faz parte das atividades desenvolvidas dentro do projeto Monitoramento das Águas Superficiais e Subterrâneas das Sub-bacias dos Rios Verde Grande, Riachão e Jequitaí, na Bacia do Rio São Francisco em Minas Gerais, cuja localização das respectivas sub-bacias está apresentada na Figura 1. Trata-se do relatório das atividades de campo realizadas no Norte de Minas Gerais englobando vários municípios, com o objetivo de implantar a rede de monitoramento de águas subterrâneas. O levantamento foi realizado somente nas sub-bacias dos rios Verde Grande e Jequitaí. A microrregião de Montes Claros, embora no projeto, não foi estudada, tendo em vista o fato de a CPRM (Serviço Geológico do Brasil) já dispor de dados suficientes nesta área para a fase de amostragem (Projeto São Francisco). Desta forma, concentrou-se o esforço de campo, realizado em período muito restrito, no sentido de se obter dados suficientes nas áreas com maior necessidade, ou seja, as sub-bacias dos rios Verde Grande e Jequitaí. O Anexo 1 apresenta o registro fotográfico de alguns poços tubulares visitados. Pretende-se mostrar as condições destes poços e a situação a ser encontrada quando for iniciada a fase de amostragem. O Anexo 3 apresenta o mapa com a localização dos poços que farão parte da rede de monitoramento de águas subterrâneas. 1

10 Figura 1- Localização das Sub-bacias dos Rios Jequitaí, Verde Grande e Riachão Objetivo Este trabalho teve por objetivo o reconhecimento das sub-bacias dos Rios Verde Grande, Riachão e Jequitaí, a caracterização de poços tubulares a serem amostrados e a implantação da rede de monitoramento de águas subterrâneas Metodologia 1. Levantamento preliminar de poços tubulares existentes na região do projeto a partir do banco de dados do IGAM, Projeto São Francisco / Caracterização Hidrogeológica da Microrregião de Montes Claros (CPRM), e COPASA (Hidrossistemas) (Tabela 1). 2. Levantamento das cartas topográficas da área do projeto, na escala 1:

11 Tabela 1- Lista de poços cadastrados cod fonte mun loc propriet lat long situação 1 IGAM Matias Cardoso COPASA 14 51' 00" 43 55' 00" outorgado 2 IGAM Matias Cardoso Vicente José de Sá 14 53' 31" 43 38' 47" outorgado 3 IGAM Gameleiras SIDERPA 14 53' 24" 43 13' 52" outorgado 4 IGAM Espinosa Empresa Gontijo de Transportes 14 55' 46" 42 49' 14" outorgado 5 IGAM Jaíba COPASA 15 02' 53" 43 30' 56" LP 7 IGAM Mamonas Pref Mamonas 15 01' 23" 42 56' 29" LP 8 IGAM Monte Azul COPASA 15 09' 00" 42 52' 00" outorgado 9 IGAM Jaíba Manoel Donizete de Oliveira 15 13' 38" 43 41' 16" incompleto 10 IGAM Jaíba (Janaúba) Milton Evangelista de Araújo 15 20' 00" 43 28' 00" vencida 11 IGAM Jaíba Prefeitura Municipal de Jaíba 15 17' 46" 43 19' 22" outorgado 12 IGAM Monte Azul Prefeitura Monte Azul 15 14' 28" 43 03' 44" outorgado 13 IGAM Verdelândia Jaime Caetano de Matos 15 29' 43" 43 37' 13" outorgado 14 IGAM Janaúba Prefeitura de Janaúba 15 27' 02" 43 19' 50" outorgado 15 IGAM Pai Pedro Prefeitura de Pai Pedro 15 27' 02" 43 19' 50" LP 17 IGAM São João da Ponte COPASA 15 34' 00" 44 00' 00" outorgado 18 CPRM/IGAM Varzelândia Assentamento Fazenda Serra D'Água II INCRA / COPASA 15 42' 39" 43 50' 57" LP 19 IGAM Janaúba (Verdelândia) Daniela da Costa Parrela 15 42' 28" 43 25' 19" vencida 20 IGAM Porteirinha Pref Porteirinha 15 45' 26" 43 05' 47" outorgado 21 IGAM Porteirinha Pref Porteirinha 15 33' 28" 42 59' 46" outorgado 22 IGAM Janaúba Piscigranja Lago das Carpas Ltda 15 53' 00" 43 36' 00" vencido 23 IGAM Janaúba Hélio Gomes de Morais 15 52' 25" 43 18' 20" outorgado 24 IGAM Serranópolis de Minas Pref de Serranópolis de Minas 15 53' 38" 42 55' 34" LP 25 CPRM São João da Ponte Barreiro Grande COPASA 15 57' 09" 43 59' 18" 26 CPRM Capitão Enéas Sítio Novo / Furado Grande Prefeitura Capitão Enéas 16 07' 34" 43 36' 07" 27 IGAM Janaúba Vilson Maximino da Cruz 15 58' 50" 43 24' 00" outorgado 28 IGAM Riacho dos Machados COPASA 16 00' 00" 43 02' 00" outorgado 29 IGAM Patis Edimundo Versiani de Souza 16 06' 45" 44 04' 29" outorgado 30 IGAM Francisco Sá Pref de Francisco Sá 16 10' 03" 43 24' 04" LP 31 IGAM Riacho dos Machados Pref de Riacho dos Machados 16 10' 14" 43 10' 47" LP 32 IGAM? Brasília de Minas Pref? Conf Coord!!! 16 02' 00" 44 30' 00" 33 COPASA Mirabela Sede COPASA 16 15' 56" 44 09' 54" 34 IGAM Montes Claros João Damásio Frota Machado Pinto 16 16' 31" 43 48' 44" outorgado 35 CPRM Francisco Sá Comunidade Capivara Prefeitura Francisco Sá 16 20' 35" 43 28' 03" 36 IGAM Brasília de Minas Prefeitura de Brasília de Minas 16 20' 59" 44 25' 24" outorgado 37 IGAM Brasília de Minas Prefeitura de Brasília de Minas 16 18' 45" 44 20' 34" outorgado 38 CPRM Mirabela Faz Sta Cruz/Taboquinha Prefeitura de Mirabela 16 19' 18" 44 15' 17" 39 IGAM Coração de Jesus Prefeitura de Coração de Jesus 16 24' 42" 44 17' 21" outorgado 40 IGAM Coração de Jesus Prefeitura de Coração de Jesus 16 26' 22" 44 09' 15" outorgado 41 IGAM Coração de Jesus Caixa Escolar José Ribeiro da Silva 16 30' 36" 44 05' 00" incompleto 42 CPRM Montes Claros Pau D'Óleo Pref Montes Claros 16 27' 10" 44 00' 20" 43 IGAM Montes Claros Farpal Agropastoril e Participações Ltda 16 28' 48" 43 45' 22" outorgado 44 IGAM Francisco Sá José Olimpio Carreiro 16 34' 22" 43 29' 11" incompleto 45 CPRM Montes Claros COPASA 16 43' 15" 43 52' 35" 46 CPRM Juramento Santa Cruz Pref Juramento 16 53' 19" 43 34' 14" 47 IGAM Lagoas dos Patos COPASA 16 58' 00" 44 33' 00" outorgado 48 IGAM? São João da Lagoa COPASA? Perf e análise 16 58' 50" 44 24' 26" 49 CPRM Claro dos Poções Flávio do Sr. Negro COPASA 16 56' 51" 44 12' 02" 50 CPRM Claro dos Poções Sede COPASA 17 04' 30" 44 12' 48" 51 IGAM Montes Claros Vicente Pereira da Fonseca 17 02' 03" 44 00' 39" LP 52 IGAM Bocaiúva Rima Industrial S/A 17 05' 55" 43 48' 04" LP 53 IGAM Lagoa dos Patos Santa Marta Pastagens Ltda 17 06' 40" 44 40' 10" outorgado 54 COPASA Engenheiro Navarro Sede COPASA 17 17' 03" 43 57' 21" 55 IGAM Engenheiro Navarro Agropecuária Sondotécnica 17 27' 00"! 44 24' 00" vencida 56 IGAM Joaquim Felício Regusino Fernandes Azevedo 17 28' 58" 44 02' 09" vencida 57 IGAM Joaquim Felício COPASA 17 44' 00" 44 10' 00" outorgado 58 Hidrossistemas Espinosa Pau de Colher COPASA 14 48' 00" 43 13' 30" 59 Hidrossistemas Espinosa Capivara COPASA 14 43' 00" 43 00' 30" 60 Hidrossistemas Mamonas Mamonas COPASA 15 07' 00" 42 59' 00" 61 Hidrossistemas Espinosa Poço Triste COPASA 14 50' 30" 43 05"00" 62 Hidrossistemas Monte Azul Landinho COPASA 15 15' 30" 42 59' 00" 63 Hidrossistemas Janaúba sede COPASA 15 47' 00" 43 18' 00" 68 Hidrossistemas jequitaí sede COPASA 17 12' 30" 44 26' 30" 69 CPRM Glaucilândia sede COPASA 16 50' 48" 43 41' 37" 3

12 3. Trabalho de campo, realizado em 2 etapas, com duração total de 9 dias, com o objetivo de localizar os poços levantados na 1ª etapa, assim como identificar novos poços para implantação da rede. Nesta etapa, foram preenchidas fichas para caracterização dos poços (Tabela 2). Os poços encontrados que não faziam parte do cadastro inicial receberam a denominação NR (não registrado), enquanto que os que faziam parte receberam a mesma numeração da Tabela Escolha dos poços que farão parte da rede de monitoramento de águas subterrâneas Condições Viárias O acesso à maioria dos poços foi feito por vias vicinais, de modo geral, em bom estado de conservação. Entretanto, existem casos em que as vias estão em condições precárias, especialmente no período chuvoso. Alguns poços localizam-se próximos às vias asfaltadas Condições de amostragem Um dos objetivos principais deste trabalho é considerar as condições de amostragem dos poços. Para isto, foi observado se o poço dispunha de meios para que a amostra de água seja retirada diretamente do mesmo ou não. Desta forma, utilizar-se-á a seguinte classificação segundo as condições de amostragem para os poços identificados: Muito boa (MB): presença de tampão (Foto 1). Foto 1: Poço com condições de amostragem muito boa Boa (B): é necessária a desconexão do sistema de tubos para se ter acesso à amostra de água o mais diretamente possível do poço (Foto 2). 4

13 Tabela 2- Ficha de descrição de poços. FICHA DESCRITIVA DE POÇOS DE ÁGUA SUBTERRÂNEA - POÇO NÚMERO: Dados gerais: Bacia: Rio São Francisco Município: Localidade: Sub-bacia Carta: Informante: Latitude: Longitude: Altitude: Acesso: Condições de amostragem: Vulnerabilidade/condições ambientais: Contexto geológico 5

14 . Foto 2: Poço com boas condições de amostragem Regular (R): a amostragem somente poderá ser realizada imediatamente antes do reservatório (Foto 3). Foto 3: Poço com condições regulares de amostragem 1.5- Vulnerabilidade / Condições ambientais Os potenciais contaminantes dos poços foram agrupados nas seguintes categorias: PA: poço localizado em área de pastagem ou agricultura F: presença de fossas nas proximidades do poço C: presença de cemitério nas proximidades PO: poço localizado próximo a posto de gasolina ou oficina U: poço em área urbana NO: potenciais poluidores não observados Além destes parâmetros, foram observadas as condições construtivas dos poços, principalmente a presença de laje de proteção dos mesmos. 6

15 2- Contexto Geológico Regional 2.1- Introdução A região pesquisada está localizada na Bacia do São Francisco, considerada neste trabalho, como a porção centro-sul do cráton homônimo (Almeida,1977), encobrindo uma área de, aproximadamente, km 2 situada nos Estados de Minas Gerais, Bahia e Goiás (Figura 02). A Bacia do São Francisco compreende, além do embasamento, constituído de rochas granito-gnáissica paleoproterozóicas e xistos, quartzitos e itabiritos dos Supergrupos Rio das Velhas e Minas, possui cinco unidades litoestratigráficas: Supergrupo Espinhaço de idade paleo/mesoproterozóica, o Supergrupo São Francisco, constituído dos Grupos Macaúbas e Bambuí, de idade neoproterozóica, os sedimentos paleozóicos do Grupo Santa Fé e as unidades cretácicas dos Grupos Areado, Mata da Corda e Urucuia (Alkmin & Martins Neto, 2001), conforme apresentado na Figura 03. Figura 02- Localização da Bacia do São Francisco 7

16 2.2- Embasamento É constituído por rochas granito-gnáissicas que afloram ao sul da Bacia do São Francisco (Alkmim & Martins Neto, 2001). Na região de Belo Horizonte ocorrem ainda xistos, quartzitos e itabiritos dos Supergrupos Rio das Velhas e Minas Supergrupo Espinhaço A distribuição do Supergrupo Espinhaço na Bacia do São Francisco é restrita, tendo sua ocorrência mais significativa nas Serras do Cabral e de Água Fria, em Minas Gerais. A unidade mais representativa corresponde à Formação Galho do Miguel, constituída de quartzitos de origem eólica, na Serra do Cabral (Alkmim & Martins Neto, 2001) Grupo Macaúbas O Grupo Macaúbas representa uma unidade neoproterozóica glacio-continental a glaciomarinha, constituído de uma associação de diamictitos, arenitos e pelitos, cuja sedimentação teria se iniciado por volta de 850 Ma (Alkmin & Martins Neto, 2001). A distribuição do Grupo Macaúbas na Bacia do São Francisco é restrita, coincidindo com áreas de afloramento do Supergrupo Espinhaço Grupo Bambuí Costa & Branco (1961) foram os primeiros que propuseram uma subdivisão litoestratigráfica para o Grupo Bambuí. Sua seção tipo foi definida ao longo da BR- 040, onde a partir de Belo Horizonte-MG foi elaborado um perfil geológico até as cercanias de Brasília-DF. Estes autores propuseram a subdivisão da série Bambuí em três formações: Carrancas (unidade basal), Sete Lagoas (unidade intermediária) e Rio Paraopeba (unidade superior). A Formação Rio Paraopeba foi subdividida em quatro membros: Serra de Santa Helena, Lagoa do Jacaré, Três Marias e Serra da Saudade. Posteriormente, Dardenne (1978), introduziu a Formação Jequitaí e alterou o posicionamento estratigráfico da Formação Serra da Saudade, que foi colocada abaixo da Formação Três Marias (Quadro 01). Nesta proposta seis formações foram individualizadas, da base para o topo. São elas: Jequitaí, Sete Lagoas, Serra de Santa 8

17 Helena, Lagoa do Jacaré, Serra da Saudade e Três Marias. A Formação Jequitaí, originalmente denominada de Carrancas, corresponde à base do Grupo Bambuí, constituindo-se de paraconglomerados com seixos de quartzitos, calcários, dolomitos, chert, gnaisses, mica-xistos, granitos e rochas vulcânicas. É associada a um evento de glaciação generalizado no Neoproterozóico, com unidades correlatas em vários estados e localidades. A Formação Sete Lagoas apresenta rochas carbonáticas em lentes de diversas dimensões, com intercalações margosas e pelíticas, que formam um horizonte contínuo nas regiões cratônicas de Januária, Itacarambi, Montalvânia e Serra do Ramalho, onde recebem o nome de Formação Januária. A Formação Serra de Santa Helena é um nível chave para a estratigrafia do Grupo Bambuí, pois se compõe de folhelhos e siltitos acinzentados que separam os níveis carbonáticos das Formações Sete Lagoas e Lagoa do Jacaré. Esta última se caracteriza pela alternância de calcários oolíticos e pisolíticos, de cor cinza escura, com intercalações de siltitos e margas. Em direção ao topo, segue-se a Formação Serra da Saudade, com folhelhos, argilitos e siltitos esverdeados ( verdetes ) que passam progressivamente a siltitos arcoseanos. Finalmente, a Formação Três Marias encerra a seqüência, com siltitos, arenitos e arcóseos cinzas à verde-escuros. Figura 3- Coluna estratigráfica da Bacia do São Francisco 9

18 Quadro 1-Divisão litoestratigrafica do Grupo Bambuí, baseada em Dardenne (1978) e ambientes de sedimentação. GrupO Bambuí Ambientes de Formação Características Litológicas Espessura Sequência Sedimentação Três Marias Serra da Saudade Lagoa do Jacaré Serra de Santa Helena Sete Lagoas Jequitaí Siltitos, arenitos e arcóseos ~ 100 cinzas à verde-escuros. Folhelhos, argilitos e siltitos verdes, com subordinada lentes de calcário. Calcários oolíticos e psolíticos, cinza escuros, fétidos, cristalinos com siltitos e margas. Folhelhos e siltitos cinzas a cinza-esverdeados. Calcários dolomíticos e calcários cinza finamente laminados, micro-cristalinos. Dolomitos beges litográficos, laminados com intraclastos, oólitos e estromatólitos colunares Paraconglomerado com matriz argilosa esverdeada onde Ambiente flúviocontinental. Ambiente marinho à sub-litorâneo, alternante. Megaciclo I Ambiente marinho (argiloarenosa) submetido à influência litorâneo, agitado das ondas e correntes de maré; exposição temporária ao ar livre frequente na zona de balanço do mar. Ambiente marinho litorâneo, agitado submetido à influência Megaciclo II das ondas e correntes (argilocarbonatada) de maré; Ambiente marinho sublitorâneo, abaixo do nível de influência das Megaciclo III ondas e correntes de (argilocarbonatada) profundidade maré, águas claras, moderada. flutuam seixos de quartzitos, calcários, dolomitos, cherts, 0-20 Ambiente Glacial gnaisses, micaxisto, granitos e rochas vulcânicas. 10

19 A localização dos poços no contexto geológico regional é apresentada nas Figuras 4 e 5. A relação entre a qualidade da água subterrânea e as rochas nas quais os aqüíferos estão inseridos possibilitará uma maior compreensão da qualidade das águas nas bacias estudadas. Figura 4- Mapa geológico da Sub-bacia dos rios Riachão e Jequitaí. 11

20 Figura 5- Mapa geológico da Sub-bacia do Rio Verde Grande. 3- Primeira Viagem a Campo 27 de novembro a 1º de dezembro de Introdução Nesta etapa foram percorridos os seguintes municípios: Janaúba, Porteirinha, Pai Pedro, Monte Azul, Mamonas, Espinosa, Gameleiras, Matias Cardoso e Jaíba. Foram localizados e caracterizados um total de 26 poços tubulares, conforme apresentado na Tabela 3. 12

21 Tabela 3- Poços localizados no primeiro trabalho de campo Código município localidade proprietário lat long NR1 Janaúba sede DER 15 49,553' 43 17, 414' 27 Janaúba sede Vilson Maximino da Cruz 15 58,714' 43 23, 887' NR2 Janaúba Sítio Nossa Sra Aparecida Geraldo Mendes 15 52,578' 43 18,867' NR3 Janaúba Haras Triângulo Hélio Gomes 15 52,484' 43 18,260' 23 Janaúba Haras Triângulo Hélio Gomes 15 52,416' 43 18,351' NR4 (20?) Porteirinha Comunidade Bom Jesus Prefeitura 15 44,303' 43 05,919' NR5 Pai Pedro Mirante Prefeitura 15 35,518' 43 03,714' NR6 Pai Pedro Iaçu Prefeitura 15 35,125' 43 03,497' NR7 Pai Pedro Iaçu Prefeitura 15 34,970' 43 03,249' NR8 Monte Azul Fazenda Alvorada (Picadas)? 15 14,632' 42 56,178' 62 Monte Azul Fazenda Almeida Marciano Barbosa 15 16,009' 42 58,516' NR9 Monte Azul Landinho Prefeitura 15 16,447' 42 59,226' NR10 (7?) Mamonas Próximo à sede? 15 00,232' 42 57,360' 4 Espinosa sede Empresa Gontijo 14 55' 46" 42 49' 14" NR11 Espinosa Capivara de Cima Cláudio José Cardoso 14 47,009' 43 00,045' NR12 Espinosa Capivara de Cima COPASA 14 46,771' 42 59,669' NR13 Espinosa Arapongas Prefeitura 14 46,923' 43 03,620' 58 Espinosa Pau de Colher Prefeitura 14 47,948' 43 13,756' 61? Espinosa Poço Triste Fernando Moraes de Carvalho 14 51,298' 43 06,324' NR14 Gameleiras Brejo dos Martes? Prefeitura 15 02,661' 43 08,811' NR15 Gameleiras Brejo Prefeitura 15 02,5' 43 09,02 NR16 Gameleiras Curral Novo Prefeitura 14 57,361' 43 19,721' NR17 Matias Cardoso Lagedão COPASA 14 54,144' 43 44,979' NR18 Jaíba sede Prefeitura 15 20,328' 43 42,120' NR19 Jaíba sede Prefeitura 15 20,019' 43 40,404' NR20 Jaíba Parque de Exposições Prefeitura 15 21,654' 43 39,448' 3.2- Janaúba No município de Janaúba foram levantados 5 poços tubulares, sendo os poços número 23 e 27 constantes do cadastro inicial e os poços NR-1, NR-2 e NR-3 localizados durante a atividade de campo. O acesso aos poços visitados é facilitado pela sua proximidade em relação às rodovias federais. Dos cinco poços, apenas o poço 23 não fornece condições de amostragem, por não estar equipado. As condições de amostragem são muito boas para o poço NR-1, boas para NR-3 e regulares para os poços NR-2 e 27. É possível obter a documentação construtiva referente aos poços NR-3 e 23, junto às empresas de perfuração dos mesmos ou ao proprietário. Devido à falta de informações, a obtenção da documentação relativa ao restante dos poços torna-se mais difícil. As condições ambientais foram as seguintes: NR-1: PO, com presença de laje de proteção. 13

22 NR-2: PA, com ausência de laje proteção. NR-3: PA, com ausência de laje proteção. 27: PA, com ausência de laje proteção. 23: PA, com ausência de laje proteção Porteirinha Neste município foi levantado apenas um poço tubular (20). O acesso é dificultado pela precariedade da estrada vicinal. O poço localiza-se a 22km da sede municipal. As condições de amostragem são boas. É necessário contatar a Prefeitura para obter informações sobre a documentação do poço. As condições ambientais foram as seguintes: 20: PA, com presença de laje de proteção Pai Pedro Em Pai Pedro foram levantados 3 poços (NR-5, NR-6 e NR-7). O acesso principal aos poços é realizado através da estrada que liga Porteirinha a Pai Pedro. Esta estrada encontra-se em boas condições. As condições de amostragem são muito boas no poço NR-5, NR-6 e NR-7. A documentação construtiva do poço NR-5 poderá ser obtida junto à empresa Hidropoços. Para os poços NR-6 e NR-7, as informações deverão ser obtidas na Prefeitura Municipal. As condições ambientais foram as seguintes: NR-5: F, com presença de laje de proteção. NR-6: PA, com presença de laje de proteção. NR-7: F, com presença de laje de proteção 3.5- Monte Azul Um total de 3 poços foram observados neste município, sendo que o poço 62 constava no cadastro inicial. O acesso ao poço NR-8 é dificultado pelas más condições da estrada. As vias de acesso aos poços 62 e NR-9 encontram-se em boas condições. 14

23 As condições de amostragem são regulares em NR-8, muito boas em NR-9 e boas em 62. Não foi possível obter informações relativas à documentação construtiva dos poços tubulares visitados. É possível conseguir informações na Prefeitura Municipal. As condições ambientais foram as seguintes: NR-8: F, sem laje de proteção. NR-9: NO, sem laje de proteção. 62: PA, sem de laje de proteção Mamonas Foi localizado apenas um poço neste município (NR-10). O acesso é facilitado pela sua proximidade à sede do município. Existem boas condições de amostragem neste poço. Não foi possível obter informações acerca da documentação construtiva do poço tubular. Condições ambientais: NR-10: Cemitério nas proximidades, não possui laje de proteção Espinosa Seis poços tubulares foram levantados neste município (NR-11, NR-12, NR-13, 4, 58 e 61). A estrada de terra que liga Espinosa a Itamirim e que dá acesso aos poços NR- 11, NR-12 e NR-13 encontra-se em condições razoáveis. A estrada que liga Espinosa a Pau de Colher e Arapongas e que dá acesso aos poços 58 e 61 encontra-se em boas condições. O acesso ao poço 4 é facilitado, pois este encontra-se na sede do município. As condições de amostragem são regulares para os poços NR-11 e NR-13, muito boas para o poço 61 e boas para os poços 58, 4 e NR-12. Não foi possível obter informações acerca da documentação construtiva dos poços NR-11, NR-13, 61. A documentação dos poços NR-12 e 58 poderá ser obtida na COPASA. O IGAM já dispõe da documentação construtiva do poço 4. 15

24 As condições ambientais foram as seguintes: NR-11: NO, presença de laje de proteção. NR-12: F, sem laje de proteção. NR-13: PA, presença de laje de proteção. 4: PO, presença de laje de proteção. 58: C, laje danificada. 61: NO, sem laje de proteção Gameleiras Foram descritos 3 poços neste município (NR-14, NR-15 e NR-16). O acesso é facilitado para todos os poços. Os três poços possuem boas condições de amostragem. Pode-se obter informações a respeito da documentação dos três poços junto à Prefeitura Municipal. As condições ambientais são as seguintes: NR-14: PA, F, não possui laje de proteção. NR-15: NO, não possui laje de proteção. NR-16: NO, não possui laje de proteção Matias Cardoso Apenas um poço tubular foi localizado neste município (NR-17). A estrada que liga a localidade de Gado Bravo a Matias Cardoso e que dá acesso ao poço possui muitos pontos de atolamento. As condições de amostragem são muito boas para este poço. A documentação pode ser obtida junto à COPASA. As condições ambientais são as seguintes: NR-17: F, não possui laje Jaíba Foram determinados 3 poços neste município (NR-18, NR-19 e NR-20). O acesso é facilitado, pois todos os poços tubulares levantados encontram-se na sede do município. 16

25 As condições de amostragem são regulares para NR-18, já os poços NR-19 e NR-20 ainda não estão equipados. Existe previsão para sua instalação no início de A documentação relativa aos poços NR18 e NR19 pode ser conseguida junto a Rural Minas. A documentação do poço NR20 pode ser conseguida junto a CODEVASF. As condições ambientais são as seguintes: NR-18: U, não possui laje. NR-19: U, laje de proteção danificada. NR-20: U, possui laje de proteção. 4- Segunda Viagem a Campo 12 a 15 de dezembro de Introdução Nesta etapa foram percorridos os seguintes municípios: Lagoa dos Patos, Jequitaí, Francisco Dumont, Engenheiro Navarro, Bocaiúva, Joaquim Felício. Foram localizados e caracterizados um total de 26 poços tubulares (Tabela 4), dos quais apenas um constava no levantamento feito em escritório Lagoa dos Patos Foram localizados e descritos 2 poços tubulares neste município (NR2.1 e NR2.2). Não foi possível obter as coordenadas GPS dos poços neste município. O acesso é facilitado para o poço NR2.1 pois este localiza-se na sede. O acesso ao poço NR2.2 também é facilitado pelas boas condições da estrada vicinal. As condições de amostragem são muito boas para NR2.1 e boas ou regulares para o poço NR2.2. A documentação referente ao poço NR2.1 pode ser obtida junto a COPASA. Não foram obtidas informações a respeito da documentação do poço NR2.2. As condições ambientais são as seguintes: NR2.1- U, possui laje de proteção. NR2.2- NO, possui laje de proteção. 17

26 4.3- Jequitaí Foram localizados e caracterizados 4 poços neste município (NR2.3, NR2.4, NR2.5 e NR2.6). O acesso é fácil a todos os poços pelas boas condições das estradas. As condições de amostragem são boas em NR2.3 e NR2.6, muito boas em NR2.4 e NR2.5. A documentação relativa ao poço NR2.3 encontra-se com a empresa de perfuração Brazpoços. Informações sobre a documentação referente aos outros poços podem ser obtidas contatando a prefeitura municipal. As condições ambientais são as seguintes: NR2.3- NO, sem laje de proteção. NR2.4- PA, sem laje de proteção. NR2.5- PA, com laje de proteção. NR2.6- NO, sem laje de proteção Francisco Dumont Neste município, foram visitados 7 poços tubulares (NR2.7, NR2.8, NR2.9, NR2.10, NR2.11, NR2.12, NR2.13). A estrada apresenta boas condições de acesso para os poços NR2.7, NR2.8, NR2.9, NR2.10 e NR2.13. As condições da estrada são razoáveis pra o poço NR2.11. O poço NR2.12 localiza-se na sede do município. A documentação dos poços NR2.12 e NR2.13 estão disponíveis na COPASA. Talvez obtenha-se informações sobre a documentação dos outros poços junto a prefeitura municipal. As condições de amostragem são muito boas para NR2.7, NR2.8, NR2.10, NR2.12 e NR2.13. As condições são boas para NR2.9 e NR2.11. As condições ambientais são as seguintes: NR2.7- NO, possui laje de proteção. NR2.8- PA, possui laje de proteção. NR2.9- PA possui laje de proteção. NR2.10- NO, possui laje de proteção. NR2.11- PA, sem laje de proteção. 18

27 NR2.12- U, sem laje de proteção. NR2.13-PA, com laje de proteção Engenheiro Navarro Foram localizados e analisados 3 poços neste município (NR2.14, NR2.15 e NR2.16). A estrada que possibilita o acesso ao poço NR2.14 apresenta boas condições. Já a estrada que dá acesso ao poço NR2.15 está em péssimas condições. O poço NR2.16 localiza-se na sede do município. Todos os poços pertencem à prefeitura, entretanto, informações sobre sua documentação podem ser obtidas contatando a EMATER de Engenheiro Navarro. As condições de amostragem são boas para NR2.15 e muito boas para NR2.14 e NR2.16. As condições ambientais observadas são as seguintes: NR2.14- PA, sem laje de proteção. NR2.15- PA, sem laje de proteção. NR2.16- U, com laje de proteção Bocaiúva Foram visitados 4 poços neste município (NR2.17, NR2.18, NR2.19 e NR2.20). O poço NR2.17 localiza-se na sede do município. A estrada que dá acesso aos outros poços (reta grande) encontra-se em muito bom estado. Esta mesma estrada permite o acesso a vários outros poços na região, o que possibilitará uma amostragem mais abrangente neste setor da sub-bacia do rio Jequitaí. Os poços NR2.18, NR2.19 e NR2.20 estão localizados em uma área de assentamento. As perfurações foram realizadas pela empresa que teve suas terras desapropriadas. Informações sobre a documentação destes poços podem ser adquiridas contatando os antigos responsáveis pela empresa falida. Já o poço NR2.17 foi perfurado pelo SAAE e sua documentação pode ser obtida junto a esse órgão. As condições de amostragem são boas no poço NR2.17 e NR2.18. Os poços NR2.19 e NR2.20 encontram-se abertos, também possibilitando a amostragem. As condições de amostragem são as seguintes: 19

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

LISTA DE CIDADES/SECRETARIAS DE SAÚDE DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDMED NORTE

LISTA DE CIDADES/SECRETARIAS DE SAÚDE DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDMED NORTE LISTA DE CIDADES/SECRETARIAS DE SAÚDE DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDMED NORTE ÁGUAS VERMELHAS (33) 3755-1202 BOCAIÚVA - (38) 3251-1785 / ENDEREÇO: RUA HENRIQUE FISTORINO, 247, - CEP: 39390-000 BONITO DE

Leia mais

Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO

Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO OUT/2014 SEMAD - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Secretário Alceu José Torres Marques

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

Francisco, Minas Gerais

Francisco, Minas Gerais Flúor na Água Subterrânea e Endemia de Fluorose Dentária no Município de São S Francisco, Minas Gerais Equipe de pesquisa Departamento de Geologia IGC/UFMG Leila Nunes Menegasse Velásquez Lúcia Maria Fantinel

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA.

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. Águas Subterrâneas e a Legislação Mineira de Recursos Hídricos Breno

Leia mais

RETIFICAÇÃO DA CHAMADA PÚBLICA DE ATES Nº01/2013

RETIFICAÇÃO DA CHAMADA PÚBLICA DE ATES Nº01/2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS RETIFICAÇÃO DA CHAMADA PÚBLICA DE ATES Nº01/2013 A Comissão designada

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. Homologa a Tabela de Preços de Serviços Não Tarifados e o Termo de Ocorrência de Irregularidade, ambos do Serviço Autônomo de Água e de Esgoto do Município de

Leia mais

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5 Página 1 de 5 DADOS DO CONTRATANTE Cliente: Contato: Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro Daniela Fosse Valbão Venancio Endereço: Avenida Lourival Lougon Moulin Nº 300 Bairro: Centro Cidade: Jerônimo

Leia mais

EDITAL Nº 04/2015 PROCESSO ELEITORAL PARA RENOVAÇÃO DOS MEMBROS DO CBH-VERDE GRANDE GESTÃO 2016-2019

EDITAL Nº 04/2015 PROCESSO ELEITORAL PARA RENOVAÇÃO DOS MEMBROS DO CBH-VERDE GRANDE GESTÃO 2016-2019 EDITAL Nº 04/2015 PROCESSO ELEITORAL PARA RENOVAÇÃO DOS MEMBROS DO CBH-VERDE GRANDE GESTÃO 2016-2019 A Comissão Eleitoral, no uso das atribuições que lhe confere a Deliberação nº 53, de 05.05.2015, DIVULGA

Leia mais

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA Robério Bôto de Aguiar (REFO) Liano Silva Veríssimo (REFO) Sônia M. Silva Vasconcelos (UFC) Serviço

Leia mais

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Geóg. Rosângela Pacini Modesto Companhia Ambiental do Estado de Paulo (CETESB/SMA) Jul 2014 USOS DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

Leia mais

Módulo 1 IDENTIFICAÇÃO

Módulo 1 IDENTIFICAÇÃO 1 POÇO MANUAL E CISTERNA Poço Manual - Poço escavado, com trado manual ou mecânico, de diâmetro inferior a 0,5 (meio) metro e profundidade máxima de 20 (vinte) metros, com revestimento protetor, geralmente

Leia mais

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG - campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós-graduação Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Leia mais

JUVENÍLIA 250 MIRAVÂNIA 250 Subtotal 1.600 215 MONTALVÂNIA 750 Subtotal 750 FRUTA DE LEITE 420 JOSENÓPOLIS 446 216

JUVENÍLIA 250 MIRAVÂNIA 250 Subtotal 1.600 215 MONTALVÂNIA 750 Subtotal 750 FRUTA DE LEITE 420 JOSENÓPOLIS 446 216 ANEXO I (Retificação Nº2) EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO IDENE nº. 001/2014 RELAÇÃO DE ROTAS E COTAS DE DISTRIBUIÇÃO DO LEITE COD ROTA MUNICÍPIO COTA BOCAÍUVA 1.286 FRANCISCO DUMONT 200 200 ENGENHEIRO NAVARRO

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015. Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços Não Tarifados da Copasa Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais S/A COPANOR

Leia mais

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Serviço Geológico do Brasil SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Autoria: Luiz Fernando Costa Bomfim José Domingos Alves de Jesus junho/2006 OBJETIVOS DESENVOLVER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

ROTEIRO. APRESENTAÇÃO DO DADOS COLETADOS o Cadastro Mineiro, DNPM MA, CPRM; Títulos outorgados, requerimentos e CFEM (ano base 2013).

ROTEIRO. APRESENTAÇÃO DO DADOS COLETADOS o Cadastro Mineiro, DNPM MA, CPRM; Títulos outorgados, requerimentos e CFEM (ano base 2013). ROTEIRO INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO DADOS COLETADOS o Cadastro Mineiro, DNPM MA, CPRM; Títulos outorgados, requerimentos e CFEM (ano base 2013). Estudo de caso: Município de Godofredo Viana X Mineração

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO ARSAE MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços não tarifados da Copasa Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais S/A COPANOR

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Projeto de Rede de Monitoramento de qualidade na UGRHI 11 Ribeira de Iguape e Litoral Sul.

Projeto de Rede de Monitoramento de qualidade na UGRHI 11 Ribeira de Iguape e Litoral Sul. Projeto de Rede de Monitoramento de qualidade na UGRHI 11 Ribeira de Iguape e Litoral Sul. Preparado pela seção de Qualidade de Águas Subterrâneas da CETESB programa total, do qual o nosso projeto é a

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Adriana Niemeyer Pires Ferreira Gerência de Águas Subterrâneas Superintendência de Implementação

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL E PLANO DE AÇÕES PARA A BACIA DO RIBEIRÃO JEQUITIBA

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL E PLANO DE AÇÕES PARA A BACIA DO RIBEIRÃO JEQUITIBA DIAGNÓSTICO AMBIENTAL E PLANO DE AÇÕES PARA A BACIA DO RIBEIRÃO JEQUITIBA Produto 04: Relatório Técnico de Plano de Trabalho RTPA Contrato de Gestão nº 003/IGAM/2009 Ato Convocatório nº 022/2012 Contrato

Leia mais

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS A análise de qualidade da água é baseada na comparação de suas características físicoquímicas com padrões estabelecidos para os diversos tipos de usos previstos, tais como

Leia mais

Palavras-chave: Aquífero Furnas, qualidade da água subterrânea, poços tubulares profundos.

Palavras-chave: Aquífero Furnas, qualidade da água subterrânea, poços tubulares profundos. 151 Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, 2014. ISSN 2317-9759 QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA REGIÃO DO GRÁBEN DE PONTA GROSSA (PR). PEREIRA Gabriela Kostrzewycz GOMES Ricardo

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11)

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) Figura A11.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Elvas-Campo Maior (A11) 117 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo

Leia mais

MONITORAMENTO DOS RECURSOS HIDRICOS DO ESTADO DE SERGIPE

MONITORAMENTO DOS RECURSOS HIDRICOS DO ESTADO DE SERGIPE MONITORAMENTO DOS RECURSOS HIDRICOS DO ESTADO DE SERGIPE Lúcia Calumby B. de Macedo 1, Edjane Matos de Abreu², Simone Lessa Marques³, Renilda Gomes de Souza 4, Lucas Cruz Fonseca 5, José do Patrocínio

Leia mais

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02)

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) José Luiz Gomes Zoby Patos/PB 14 de Março, 2013 Sumário Introdução Geologia Domínios Hidrogeológicos e Sistemas Aquíferos Conclusões Introdução

Leia mais

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Nome do Laboratório No da Certidão Validade Credenciador Matriz Descrição do Parâmetro Acquaplant Quimica do Brasil Ltda. 3/2013 20-12-2014

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM A Rede de Monitoramento de Águas Subterrâneas do Serviço Geológico do Brasil: Desafios e Estágio Atual de Implantação. Maria Antonieta Alcântara Mourão Frederico Cláudio

Leia mais

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais Campus Medianeira MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão

ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão 2º SEMINARIO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CBH ARAGUARI ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão 22 de agosto de 2014 FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS I

Leia mais

URBANIZAÇÃO E POBREZA NA REGIÃO NORTE MINEIRA: CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

URBANIZAÇÃO E POBREZA NA REGIÃO NORTE MINEIRA: CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES URBANIZAÇÃO E POBREZA NA REGIÃO NORTE MINEIRA: CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Anete Marília PEREIRA 1 Beatriz Ribeiro SOARES 2 Considerações Iniciais O Norte de Minas é considerado a parte nordestina das Minas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

Avaliação da Qualidade dos Recursos Subterrâneos no Município de Buriti dos Lopes - PI

Avaliação da Qualidade dos Recursos Subterrâneos no Município de Buriti dos Lopes - PI Avaliação da Qualidade dos Recursos Subterrâneos no Município de Buriti dos Lopes - PI Geisy Candido da Silva Luane Barbara Rissi Geóloga Denise Balestrero Menezes Universidade Federal de São Carlos UFSCar

Leia mais

O maior manancial de água doce do mundo

O maior manancial de água doce do mundo O maior manancial de água doce do mundo O Aquífero Guarani é o maior manancial de água doce Subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste da América do Sul, entre 12º e

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS 01 Consultas técnicas no escritório (por hora) 01.01 Com solução verbal R$ 400,00 01.02 Com solução por escrito R$ 600,00 01.03 Com consulta a arquivos, registros ou

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI LEBAC/IGCE/UNESP Janeiro-2004 ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

PREFEITURA DE TAIOBEIRAS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EDITAL 1/2014 ANEXO I-A (Retificado)

PREFEITURA DE TAIOBEIRAS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EDITAL 1/2014 ANEXO I-A (Retificado) Vida Renascer UAPS* João de Deus Simões (Vila Formosa): Vila Formosa, Sagrada Família, Centro UAPS* Ageu Almeida (Centro): Planalto, Vila Formosa, Centro, Nossa Senhora de Fátima Rua Grão Mogol: do n.

Leia mais

Figura 3.5 Perfil longitudinal do rio São Francisco da cabeceira ao rio Carinhanha e principais contribuintes da margem direita. Fonte: CETEC, 1983.

Figura 3.5 Perfil longitudinal do rio São Francisco da cabeceira ao rio Carinhanha e principais contribuintes da margem direita. Fonte: CETEC, 1983. 3.2. Hidrografia Lagoa da Prata pertence a bacia hidrográfica do rio São Francisco, esta se estende por uma área de cerca de 634.000km 2, drenando cerca de 8% do território nacional, abrange os estados

Leia mais

ZONEAMENTO DE EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA CIDADE DO RECIFE - PE

ZONEAMENTO DE EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA CIDADE DO RECIFE - PE ZONEAMENTO DE EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA CIDADE DO RECIFE - PE Waldir Duarte Costa 1, João Manoel Filho 2, Almany Costa Santos 2, Waldir Duarte Costa Filho 3, Adson Brito Monteiro 2 e Francisco

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO

ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO Lucas Blanger Bagnara*, Renata Baldessarini,

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10)

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) Figura M10.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. João da Venda-Quelfes Sistema Aquífero: S. João da Venda-Quelfes (M10) 531 Identificação

Leia mais

Autorização de abertura de procedimentos licitatórios para contratação de obras. Bom Sucesso - São Tiago 45 63

Autorização de abertura de procedimentos licitatórios para contratação de obras. Bom Sucesso - São Tiago 45 63 Autorização de abertura de procedimentos licitatórios para contratação de obras Trecho Extensão (km) Valor da obra(r$ milhões) Bom Sucesso - São Tiago 45 63 Bonfinópolis de Minas (entroncamento MG-181)

Leia mais

PROGRAMA ÁGUA NAS ESCOLAS

PROGRAMA ÁGUA NAS ESCOLAS PROGRAMA ÁGUA NAS ESCOLAS Sujeira em caixa d água de escola gera protesto...pais, professores e crianças da escola ficaram surpresos quando, durante o esvaziamento da caixa d água apareceu grande quantidade

Leia mais

REGULARIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA TODAS AS FINALIDADES DE USO ATRAVÉS DE VEÍCULO TRANSPORTADOR (CARRO-PIPA)

REGULARIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA TODAS AS FINALIDADES DE USO ATRAVÉS DE VEÍCULO TRANSPORTADOR (CARRO-PIPA) 1 OBJETIVO Normatizarprocedimentos pararegularização de Outorgade Direito de Uso de Recursos Hídricos do Estado do Rio de Janeiro relativoa documentação necessária para abertura de processo administrativo

Leia mais

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA TABELA ANEXA AO DECRETO Nº14824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA 11 Para execução de ligação de água em tubos de plásticos, com reenchimento da escavação e repavimentação da faixa de rolamento

Leia mais

DIRETORIA DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ENTORNO DA REPRESA DE TRÊS MARIAS

DIRETORIA DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ENTORNO DA REPRESA DE TRÊS MARIAS Rua: Pernambuco, 212 Centro Três Marias MG CEP: 39.205-000 E-mail: comitecbhsf4@comlago.org.br RELAÇÃO DOS MEMBROS ELEITOS PARA COMPOSIÇÃO DO CBH SF4 DIA 06/07/2007 DIRETORIA DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA

Leia mais

Como chegar ao Verde Folhas 1. Coordenadas geográficas do Verde Folhas para GPS: Latitude: 20 5' 20.24" S Logitude: 44 3' 7.52" O

Como chegar ao Verde Folhas 1. Coordenadas geográficas do Verde Folhas para GPS: Latitude: 20 5' 20.24 S Logitude: 44 3' 7.52 O Como chegar ao Verde Folhas 1. Coordenadas geográficas do Verde Folhas para GPS: Latitude: 20 5' 20.24" S Logitude: 44 3' 7.52" O Trajeto Rio de Janeiro Verde Folhas Se o GPS somente pedir o local onde

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CHUVEIROS DAS PRAIAS DE IPANEMA E LEBLON

RELATÓRIO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CHUVEIROS DAS PRAIAS DE IPANEMA E LEBLON RELATÓRIO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CHUVEIROS DAS PRAIAS DE IPANEMA E LEBLON GABRIELA BAKER DE MACEDO FERREIRA ORIENTADOR: JOSE MARCUS DE OLIVEIRA GODOY

Leia mais

UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências. Águas Subterrâneas

UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências. Águas Subterrâneas UFPB Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Águas Subterrâneas Águas Subterrâneas 1 - Introdução Apesar de nos termos debruçado principalmente

Leia mais

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Mesa Redonda Monitoramento de Águas Subterrâneas São Paulo 19 de junho de 2013 Serviço Geológico do Brasil CPRM A Rede Integrada de Monitoramento de Águas Subterrâneas RIMAS do Serviço Geológico do Brasil

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba

Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba Município de Santana de Parnaíba Plano Diretor 2005/2006 (para o período 2006/2013) ANEXO A.02 SANTANA DE PARNAÍBA DADOS GERAIS Referência em: Art. 8º 0 SANTANA

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 07 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIO DE ANÁLISES AMBIENTAIS TECLAB LTDA HUMANO S QUÍMICOS Dureza Total Alcalinidade Cloretos LQ:0,5 mg/l NORMA

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE TURBIDEZ, SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DA ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA PA

DETERMINAÇÃO DE TURBIDEZ, SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DA ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA PA DETERMINAÇÃO DE TURBIDEZ, SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DA ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA PA Paula Cristina Mendes Nogueira MARQUES (1) ; Emerson Renato Maciel

Leia mais

FICHAS DOS ATOS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO EM MG Volume II

FICHAS DOS ATOS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO EM MG Volume II FICHAS DOS ATOS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO EM MG Volume II CLIENTE: Fundação Estadual de Meio Ambiente - FEAM Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD PROCESSO: 023-MG

Leia mais

PROJETO SOLOS DE MINAS

PROJETO SOLOS DE MINAS PROJETO SOLOS DE MINAS Liliana Adriana Nappi Mateus Fundação Estadual do Meio Ambiente Walter Antônio Pereira Abraão Universidade Federal de Viçosa 15-04-2015 Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA Histórico da Área A área alvo de estudo (Lotes 04 e 05) pertenceu

Leia mais

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA I - Caracterização abiótica JANEIRO DE 2008 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

Explora. Ano Internacional de Cooperação pela Água

Explora. Ano Internacional de Cooperação pela Água 1 Físico-Química Explora Duarte Nuno Januário Eliana do Carmo Correia Carlos Brás Público-alvo Alunos de Físico-Química de 8.º ano, podendo ser aplicado a alunos de outros anos de escolaridade do ensino

Leia mais

O RURAL E O URBANO NO NORTE DE MINAS (MG): uma abordagem sob a ótica da paisagem. Resumo

O RURAL E O URBANO NO NORTE DE MINAS (MG): uma abordagem sob a ótica da paisagem. Resumo 1 O RURAL E O URBANO NO NORTE DE MINAS (MG): uma abordagem sob a ótica da paisagem Resumo Anete Marília Pereira Beatriz Ribeiro Soares** Propor uma discussão sobre o rural e o urbano na região norte-mineira

Leia mais

A Importância dos Estudos Sedimentológicos em Reservatórios Hidrelétricos. Renato Billia de Miranda

A Importância dos Estudos Sedimentológicos em Reservatórios Hidrelétricos. Renato Billia de Miranda Autor Título do trabalho Renato Billia de Miranda A Importância dos Estudos Sedimentológicos em Reservatórios Hidrelétricos Jordan Henrique de souza Mayla Danielly Almeida Silva e Marciel Nasaré Corrêa

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO

Leia mais

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Pontos em que a expedição da UnB participou do processo de coleta de água e sedimento entre os dias

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA Rainier Pedraça de Azevedo (1) Engenheiro Civil graduado pela Universidade

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Verde Grande CBH- Verde Grande. Instituído pelo Decreto Presidencial de 03 de dezembro de 2003.

Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Verde Grande CBH- Verde Grande. Instituído pelo Decreto Presidencial de 03 de dezembro de 2003. Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Verde Grande CBH- Verde Grande Instituído pelo Decreto Presidencial de 03 de dezembro de 2003. ATA DA 93REUNIÃO ORDINÁRIA DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA GRANDE DO RIO

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ João Henrique Rodrigues Pimentel Prefeito Gilson Ubiratan Rocha Vice-Prefeito Sec. Mun. de Planejamento e Coord. Geral Procurador Geral do Município Secretário do Gabinete

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA.

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. R-A 124/2009 Rev. 1 São Paulo, 18 de Agosto de 2009. À FUND. APLICAÇÕES DE TECNOL. CRÍTICAS - ATECH Rua do Rócio, 313 11º andar Vila Olimpia SÃO PAULO SP At.: Sr. Abrahão

Leia mais

feam 304 A titularidade dos serviços de esgotamento sanitário do município foi concedida à COPASA, desde o ano de 2004.

feam 304 A titularidade dos serviços de esgotamento sanitário do município foi concedida à COPASA, desde o ano de 2004. 304 Ibirité i - Diagnóstico O município de Ibirité, segundo dados do IBGE (2010), apresenta população total de 159.026 habitantes, sendo que 158.662 habitantes correspondem à população urbana e 364 à população

Leia mais

Reunião de junho na Sede da Associação

Reunião de junho na Sede da Associação Ano 1 Lagedo, Domingo, 03 de agosto de 2014 N o 3 Reunião de junho na Sede da Associação Reunião na Sede da Associação. foto: Mirene Moraes, 29/06/2014. A reunião estava marcada para ter início as 13:00h.

Leia mais

A QUALIDADE DA ÁGUA DAS MINAS UTILIZADAS PARA FINS DE POTABILIDADE EM PONTOS DE AFLORAMENTOS DO AQUÍFERO BAURU NO ENTORNO DE PRESIDENTE PRUDENTE/SP

A QUALIDADE DA ÁGUA DAS MINAS UTILIZADAS PARA FINS DE POTABILIDADE EM PONTOS DE AFLORAMENTOS DO AQUÍFERO BAURU NO ENTORNO DE PRESIDENTE PRUDENTE/SP 141 A QUALIDADE DA ÁGUA DAS MINAS UTILIZADAS PARA FINS DE POTABILIDADE EM PONTOS DE AFLORAMENTOS DO AQUÍFERO BAURU NO ENTORNO DE PRESIDENTE PRUDENTE/SP Naiara Alves Siste, Alexandre Teixeira de Souza Engenharia

Leia mais